PROGRAMA SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL. VOLUME I Organizando a área de controle ambiental do município

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL. VOLUME I Organizando a área de controle ambiental do município"

Transcrição

1 PROGRAMA SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL VOLUME I Organizando a área de controle ambiental do município

2

3 PROGRAMA Programa Municípios Verdes O Programa Municípios Verdes (PMV) é um programa do Governo do Pará desenvolvido em parceria com municípios, sociedade civil, iniciativa privada, Ibama e Ministério Público Federal, com o objetivo de combater o desmatamento e fortalecer a produção rural sustentável por meio de ações estratégicas de ordenamento ambiental e fundiário e gestão ambiental, com foco em pactos locais, monitoramento do desmatamento, implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e estruturação da gestão municipal. O Programa Municípios Verdes foi lançado em março de 2011, por meio do Decreto Estadual nº 54/2011, sob a coordenação da Casa Civil, especificamente na figura do Secretário Extraordinário de Estado para a Coordenação do Programa Municípios Verdes (SEPMV). O PMV conta com um Comitê Gestor responsável pelas decisões estratégicas e plano de ação do programa, composto por 21 integrantes, sendo dez representantes do governo e onze representantes da sociedade civil, além do Ministério Público Federal, Ibama e Ministério Púbico do Estado do Pará. As ações são feitas por um conjunto de instituições governamentais e não governamentais que compõem o Conselho Executivo do PMV. Em dezembro de 2013, foi criado o Núcleo Executor do Programa Municípios Verdes (NEPMV), responsável pela execução das atividades do PMV, criado pela Lei Estadual de 3/12/2013. Equipe SEPMV Alessandra Zagallo (Assessora de Gabinete), Ana Lucia Vilhena Muniz (Assessora de Ordenamento Ambiental e Territorial), Bruno Marianno de Oliveira (Consultor Imazon/ apoio ao PMV), Camilla Miranda (Coordenadora de Articulação Institucional), Denys Pereira (Coordenador de Produção Sustentável), Felipe de Azevedo Nunes Lopes (Assessor Jurídico), Gustavo Furini (Coordenador de Ordenamento Ambiental e Territorial), Julianne Moutinho Marta (Coordenadora de Gestão Ambiental), Justiniano de Queiroz Netto (Secretário Extraordinário), Karlla Julianna Marruás Almeida (Chefe de Gabinete), Maíra Maués (Assessora Jurídica/Orçamento), Marussia Whately (Consultora Imazon/apoio ao PMV), Raimundo Amaral Junior (Assessor de Atendimento dos Municípios), Raphael Pacheco Silva Neto (Assessor de Comunicação), Wendell Andrade (Sema/PA). Equipe NEPMV Dyjane Amaral (Diretora), Lucas Carvalho (Assessor Jurídico). Projeto PMV/IMAZON/CLUA O projeto iniciado em 2012 e desenvolvido pelo PMV e IMAZON com apoio da CLUA Climate and Land Use Alliance, tem como objetivos apoiar o PMV em escala estadual e desenvolver ação piloto de fortalecimento da gestão ambiental municipal em 11 municípios paraenses: Altamira, Brasil Novo, Dom Eliseu, Marabá, Novo Progresso, Novo Repartimento, Paragominas, Santana do Araguaia, Santarém, São Felix do Xingu e Tailândia.

4 SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL Organização Marussia Whately Maura Campanili VOLUME I Organizando a área de controle ambiental do município Núcleo de Gerenciamento do Pará Rural PROGRAMA

5 Série Gestão Ambiental Municipal para a Área Rural Volume I. Organizando a área de controle ambiental do município Organização Marussia Whately e Maura Campanili Autores de texto Estela Maria Neves, Marussia Whately, Julianne Moutinho Marta e Camilla Miranda Colaboradores Adalberto Veríssimo (Imazon), Ana Lucia Muniz, Bruno Marianno, Daniel Santos (Imazon), Erich Guimarães Nenartavis, Estela Neves de Souza Albuquerque, Raphael Pacheco Silva Neto, Justiniano de Queiroz Netto e Maíra Maués, Coger/Diplam. Edição e revisão de textos Maura Campanili Mapas PMV Ordenamento Ambiental e Territorial Design editorial Ana Cristina Silveira/AnaCê Design Ilustrações Ricardo Howards Apoio Climate and Land Use Alliance (Clua) Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) Programa Pará Rural Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Pará (Sema/PA) Skoll Foundation Ficha catalográfica: Andrea Godoy Herrera CRB 8/6589 Programa Municípios Verdes. P221o Organizando a área de controle ambiental do município / organizado por Marussia Whately, Maura Campanili; ilustrações de Ricardo Howards. -- Belém : Núcleo de Gerenciamento Pará Rural, Programa Municípios Verdes, p. : il., mapas; 21 x 29,7 cm. (Série Gestão Ambiental Municipal para a Área Rural, 1) ISBN Gestão ambiental municipal Pará 2. Gestão ambiental municipal rural I. Whately, Marussia (Org.) II. Campanili, Maura (Org.) III. Título As opiniões expressas nesta publicação são de responsabilidade de seus respectivos autores e não expressam necessariamente a opinião dos seus apoiadores.

6 Agradecimentos Aos secretários, secretárias, técnicos e técnicas das secretarias municipais de Meio Ambiente que participaram das oficinas de capacitação para fortalecimento da gestão ambiental realizadas pelo PMV durante o ano de 2013, no âmbito do projeto PMV/IMAZON/CLUA nos municípios de Altamira, Brasil Novo, Dom Eliseu, Marabá, Novo Progresso, Novo Repartimento, Paragominas, Santana do Araguaia, Santarém, São Félix do Xingu e Tailânda. À SEMA/PA e à Diplam, pelo apoio na elaboração do conteúdo sobre habilitação dos municípios para licenciamento de impacto local. Ao Imazon, ao Programa Pará Rural, à Clua e à Skoll Foundation pelo apoio para a realização da publicação.

7 Sumário Linha do Tempo 8 Siglário 12 Apresentação 15 Introdução 17 CAPÍTULO 1. Gestão ambiental no Brasil e o papel do município 19 Modelo de defesa ambiental brasileiro 21 Interesse local e competência municipal na área ambiental 26 A importância da ação local 30 Questões chaves da agenda ambiental municipal 30 Resumo: competências municipais 31 CAPÍTULO 2. Atuação municipal na área ambiental: temas, instrumentos e estratégias 33 Instrumentos da política ambiental 35 Proposta de agenda ambiental municipal 41 CAPÍTULO 3. Licenciamento ambiental na perspectiva do município 51 Atividades associadas ao licenciamento ambiental 54 Distribuição de responsabilidades 55 Gestão e licenciamento ambiental nos municípios paraenses 56 Como funciona a habilitação municipal no Pará 60 Delegação de competência 60 CAPÍTULO 4. Recursos e capacidades para o exercício do controle ambiental municipal 63 Categorias de recursos e capacidades 65

8 CAPÍTULO 5. Organizando a área de controle ambiental: procedimentos, fluxos e rotinas 73 Deveres do município no licenciamento ambiental 75 Sobre os prazos das licenças 79 Documentação administrativa e técnica 84 Cadastro dos processos 85 Infrações e sanções administrativas 86 Como aplicar sanções 87 CAPÍTULO 6. Gestão ambiental da área rural 91 Novo Código Florestal 93 Cadastro Ambiental Rural 94 Licença de Atividade Rural (LAR) 96 Programa de Regularização Ambiental 97 Instrumentos econômicos 97 Programa Municípios Verdes: aliado da gestão municipal no Pará 98 ANEXOS 103 Legislação de referência 105 Fontes e Referências 111 Participantes das oficinas de fortalecimento da gestão ambiental realizadas pelo PMV durante Fluxograma Simplificado de Licenciamento Ambiental 116

9 Linha do Tempo Década 1980 CRIAÇÃO do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama - Lei 7.735/1989). CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988: Capítulo próprio e autônomo sobre tutela ao meio ambiente (Capítulo VI, art. 225); Destaca os papéis do Legislativo, Executivo e Judiciário na proteção do meio ambiente; Define atribuições municipais para defesa do meio ambiente (art. 23, 24 e 30). LICENCIAMENTO AMBIENTAL instituído para áreas crítica de poluição pela Lei 6.803/1980. EM 1987, foi criado um órgão estadual responsável pelo tema ambiental, a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (Sectam). EM 1985, a área de atuação do Ministério Público Federal (MPF) foi ampliada com a Lei 7.347, de Ação Civil Pública, que atribuiu a função de defesa dos interesses difusos e coletivos. APROVADA A POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE (LEI FEDERAL 6.938/1981): Atribuiu aos estados a competência de licenciar as atividades localizadas em seus limites regionais; Instrumentos para gestão ambiental: criação de áreas protegidas, estudos de impacto ambiental, sistema de licenciamento ambiental, entre outros; Criação do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), do Sistema Nacional de Meio Ambiente (Sisnama), do Fundo Nacional de Meio Ambiente (FNMA). 8

10 DEFESA AMBIENTAL NO BRASIL COMBATE AO DESMATAMENTO DEFESA AMBIENTAL NO PARÁ GESTÃO AMBIENTAL DESCENTRALIZADA NO PARÁ Década 1990 LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: Define sanções penais e administrativas lesivas ao meio ambiente e infrações e penalidades relativas ao licenciamento ambiental (Lei 9.605/1998). RESOLUÇÃO CONAMA 237/1997: Estados podem delegar competência ao município em casos de atividades com impactos ambientais locais; DEFINIÇÃO DE DIRETRIZES E ATIVIDADES que devem fazer EIA-Rima são listadas em Resoluções Conama. LEI 5.727/93 reorganiza a Sectam e institui o Conselho Estadual de Meio Ambiente. Determina que o licenciamento deve ser solicitado em uma única esfera de ação; Conselhos de meio ambiente deliberativos e representativos; Dispõe sobre procedimento e critérios para o licenciamento ambiental; Trouxe relação de empreendimentos ou atividades sujeitas ao licenciamento ambiental (Anexo 1); Define as fases e prazos do procedimento de licenciamento (licenças ambientais prévia, de instalação e de operação). LEI ESTADUAL 5.887/1995: Política Estadual de Meio Ambiente do Pará; Fundo Estadual; Sisema. 9

11 Linha do Tempo Década 2000 DECRETO 2.593/2006: institui o CAR. DECRETO 1.148/2008: regulamenta política estadual de meio ambiente e estabelece o regramento do CAR. DECRETO ESTADUAL 857/2004: dispõe sobre o licenciamento ambiental A DESCENTRALIZAÇÃO da gestão ambiental no Pará foi aprovada em 2002, no contexto do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais (PPG7), promovido pelo governo federal. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS institui o princípio do protetor-recebedor, conferindo benefícios para aqueles que preservam o meio ambiente (Lei /2010). SETE MUNICÍPIOS PARAENSES na lista crítica de desmatamento do Ministério do Meio Ambiente em Milhares de imóveis rurais foram embargados. 2007: CRIAÇÃO da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). Lei Estadual 7.026/2007. PRIMEIRA FASE DO PPCDAM (2004/2007): Criação de UC (480 mil Km 2 ); lançamento do Deter e do SAD; redução do desmatamento de 19,6 mil Km 2 (média ) para 12,6 mil Km 2 (agosto 2005-julho 2008). APROVAÇÃO DO ESTATUTO DA CIDADE LEI 6.745/2005, institui o Macrozoneamento Ecológico- Econômico do Pará. LEI ZEE porção oeste do Pará (BR-163 e Transamazônica). 2005: GOVERNO DO ESTADO promove a primeira estratégia de compartilhamento das atividades de licenciamento ambiental com os municípios. Mediante o atendimento de exigências definidas pelo estado, municípios foram autorizados a licenciar empreendimentos considerados de porte local, sendo celebrados acordos através de convênios, mais tarde substituídos por Termos de Gestão Compartilhada. 10 NOMEAÇÃO DO PRIMEIRO SECRETÁRIO DE MEIO AMBIENTE

12 DEFESA AMBIENTAL NO BRASIL COMBATE AO DESMATAMENTO DEFESA AMBIENTAL NO PARÁ GESTÃO AMBIENTAL DESCENTRALIZADA NO PARÁ Década : SEIS MUNICÍPIOS saíram da lista no Pará. PMV aprova projeto junto ao Fundo Amazônia. RESOLUÇÃO 107/2013: critérios para dispensa de licenciamento (DLA). CRIAÇÃO DO PMV (Decreto Estadual 54/2011) GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ ASSINA COMPROMISSO COM MPF: Políticas públicas associadas à gestão ambiental, como o aparelhamento e a capacitação dos órgãos públicos ambientais e fundiários; Disponibiliza montante de até R$ 5 milhões anuais para a contratação de uma auditoria independente para a verificação do cumprimento dos TAC. LEI 7.398/2010: ZEE Porção Leste e Calha Norte; LEI 7.389/2010: define atividades de impacto local. DECRETO 216/2011: licenciamento de atividades agrossilvipastoris. 2010: PARAGOMINAS é o primeiro município a deixar a lista do MMA, adotando a agenda de pactos locais, monitoramento do desmatamento. SEGUNDA FASE PPCDAM (2008/2012): Diminuição do desmatamento para 6,3 mil Km 2 (média ); restrição ao crédito (Resolução Bacen 3.545/2008); lista municípios; lista áreas embargadas; TAC da Pecuária; fiscalização. 11

13 SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL Siglário AD área desmatada AF autorização de funcionamento AFAR autorização de funcionamento de atividade rural APA área(s) de proteção ambiental APP área(s) de preservação permanente APPD área de app desmatada APPTD área de preservação permanente total desmatada APRT área da propriedade total APRTD área da propriedade rural desmatada ART anotação de responsabilidade técnica AUAS área para uso alternativo do solo BNDES banco nacional de desenvolvimento econômico e social CAR cadastro ambiental rural CCIR certificado de cadastro de imóvel rural CNFP cadastro nacional de florestas públicas CNPJ cadastro nacional de pessoas jurídicas COEMA conselho estadual do meio ambiente CONAMA conselho nacional do meio ambiente CONJUR consultoria jurídica CPF cadastro de pessoas físicas CRA cota de reserva ambiental CTDAM cadastro técnico de atividade de defesa ambiental DAE documento de arrecadação estadual DIA declaração de informações ambientais DIPLAM diretoria de planejamento ambiental da sema/pa DCC declaração de corte e colheita DLA dispensa de licenciamento ambiental EIA estudo de impacto ambiental FEMA fundo estadual de meio ambiente GECON gerência de convênios GEE gases de efeito estufa ICMS imposto sobre circulação de mercadorias e serviços IBAMA instituto brasileira do meio ambiente e dos recursos naturais renováveis ICMBIO instituto chico mendes de conservação da biodiversidade IMAZON instituto do homem e meio ambiente da amazônia IN instrução normativa INCRA instituto nacional de colonização e reforma agrária INPE instituto nacional de pesquisas espaciais IPTU imposto predial e territorial urbano ITERPA instituto de terras do pará 12

14 VOLUME 1: ORGANIZANDO A ÁREA DE CONTROLE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO ITR imposto territorial rural LAR licença de atividade rural LAS licença ambiental simplificada LI licença de instalação LP licença prévia LO licença de operação MMA ministério do meio ambiente MP ministério público OMMA órgão municipal de defesa do meio ambiente PAM política ambiental municipal PAS plano amazônia sustentável PBA projeto básico ambiental PCA plano de controle ambiental PMV programa municípios verdes PNMA política nacional de meio ambiente PNMC plano nacional sobre mudança do clima PPCAD plano de prevenção, controle e alternativas ao desmatamento do estado do pará PPCDAM plano de ação para a prevenção e o controle do desmatamento na amazônia legal PPG7 programa piloto para a proteção das florestas tropicais PRA programa de regularização ambiental PRAD plano de recuperação de áreas degradadas PRODES projeto monitoramento da floresta amazônica brasileira RAS relatório ambiental simplificado RCA relatório de controle ambiental RGI registro geral de imóveis RIMA relatório de impacto sobre o meio ambiente RL reserva legal SEMA secretaria de estado de meio ambiente SFB serviço florestal brasileiro SICAR sistema de cadastro ambiental rural SIMLAM sistema integrado de monitoramento e licenciamento ambiental SISEMA sistema estadual de meio ambiente SISNAMA sistema nacional de meio ambiente SIVAM sistema de vigilância da amazônia SNCR sistema nacional de cadastro rural SNUC sistema nacional de unidades de conservação TAC termo de ajustamento de conduta TCA termo de compromisso ambiental TRMFM termo de responsabilidade de manutenção de floresta manejada UC unidade(s) de conservação ZEE zoneamento ecológico-econômico 13

15

16 VOLUME 1: ORGANIZANDO A ÁREA DE CONTROLE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO Apresentação Um dos maiores desafios da política ambiental brasileira é concretizar a gestão compartilhada entre União, estados e municípios. Na Amazônia, em geral, e no Pará, em particular, esse desafio é ainda mais complexo, em função da vastidão do seu território e dos problemas ambientais existentes, em especial o desmatamento da floresta. Mais do que nunca, é preciso envolver e comprometer - os atores e os gestores locais com as questões ambientais. E, para que isso ocorra, faz-se necessário fortalecer o processo de descentralização da gestão para os municípios, principalmente naquilo que é considerado atividade de impacto local. No Estado do Pará, esse processo tem sido uma prioridade do atual governo e da política estadual de meio ambiente gerida pela Sema, fazendo com que saltássemos de 26 para 62 municípios habilitados para a gestão local no período entre início de 2010 até a presente data. A descentralização da gestão também é um dos eixos de atuação do Programa Municípios Verdes, lançado em 2011 com o propósito de reduzir o desmatamento e fortalecer a produção rural sustentável. Para fortalecer a produção sustentável, é preciso facilitar o acesso dos produtores à adequação ambiental dos seus imóveis e atividades, inclusive porque esta é hoje uma exigência inescapável dos mercados e do setor financeiro. Mas não conseguiremos avançar nessa pauta se a estrutura do licenciamento ambiental estiver centralizada no órgão estadual, principalmente para tratar de empreendimentos cujo impacto ambiental é eminentemente local. É absolutamente irracional e injusto exigir que um produtor rural se desloque trezentos, quinhentos ou até mil quilômetros para pedir uma licença que poderia ser concedida pelo órgão municipal, como, por exemplo, uma licença para atividade pecuária ou agrícola, até determinado porte. A distância física entre o produtor e o órgão licenciador, por si só, inibe o processo de ordenamento e regularização ambiental. Por outro lado, sabemos que boa parte dos municípios ainda carece de estrutura, capacitação e informação para realizar uma gestão ambiental adequada e compartilhada, conforme demonstrou o estudo Diagnóstico da Gestão Ambiental no Estado do Pará, realizado pela prof a. Estela Neves em Essa realidade ocorre não apenas no Pará, mas na grande maioria dos municípios brasileiros, particularmente os da região amazônica. 1 Estudo realizado por Estela Maria Souza Costa Neves durante 2013 para o Programa Municípios Verdes, no âmbito do projeto PMV/IMAZON/CLUA. O estudo está disponível em 15

17 SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL Visando a enfrentar essa situação, o Estado do Pará iniciou, a partir de 2011, um processo de apoio e fortalecimento da gestão ambiental municipal, através da estruturação física de várias secretarias (projeto Sema/Fundo Amazônia), da capacitação dos agentes municipais e, mais recentemente, da criação do ICMS Verde, cujos recursos devem ser repassados aos municípios para o fortalecimento da gestão ambiental municipal. Para suprir a lacuna da informação, em especial na área da gestão ambiental rural, Sema e PMV, em parceria com o Imazon e a Clua, apresentam a publicação Gestão Ambiental Municipal para Área Rural. Este primeiro volume é voltado para a organização da área de controle ambiental nos municípios. Em seguida, lançaremos os volumes referente ao Licenciamento das Atividades Rurais (LAR), Cadastro Ambiental Rural (CAR) e o Programa de Regularização Ambiental (PRA). Nossa expectativa é que este volume e os demais que serão publicados contribuam para a construção de um sistema de gestão ambiental compartilhada no Estado do Pará, trazendo ganhos aos três pilares da sustentabilidade: meio ambiente, população e produção. José Alberto da Silva Colares, Secretário Estadual de Meio Ambiente do Pará Justiniano de Queiroz Netto, Secretário Extraordinário do Programa Municípios Verdes 16

18 VOLUME 1: ORGANIZANDO A ÁREA DE CONTROLE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO Introdução O modelo de defesa ambiental brasileiro tem como premissa a responsabilidade compartilhada entre União, estados e municípios, que devem cooperar e exercer suas competências comuns e exclusivas para garantir a eficácia da Política Nacional de Meio Ambiente. No Pará, estado de grandes dimensões e com desafios ambientais proporcionais ao tamanho de seu território, contar com municípios capacitados para exercer o seu papel dentro do Sistema Nacional do Meio Ambiente é essencial para garantir o desenvolvimento sustentável em uma realidade singular que é a Amazônia brasileira. A série Gestão Ambiental Municipal para a Área Rural tem o objetivo de ser um instrumento que colabora com a implantação de sistemas de meio ambiente municipais eficientes e capacitados para somar esforços ao Programa Municípios Verdes (PMV), do governo do Estado do Pará, no combate ao desmatamento e incentivo à produção rural sustentável. Organizando a área de controle ambiental do município é o volume 1 desta série e traz, em forma de guia, um conjunto de informações relacionadas a legislação, atuação, organização e gestão municipal para licenciamento, fiscalização e monitoramento de empreendimentos, sobretudo na área rural. A publicação traz, logo em seu início, uma linha do tempo da gestão ambiental no Brasil e no Pará, que vai da instituição do licenciamento ambiental no país, no início dos anos 1980, até a aprovação, pelo Fundo Amazônia, do projeto do PMV para combate ao desmatamento e fortalecimento da gestão ambiental municipal no Pará, no final de Esse histórico é detalhado no capítulo 1, Gestão ambiental no Brasil e o papel do município, que ajuda a entender as atribuições e os instrumentos que podem ser utilizados para gestão ambiental. Nele, são apresentadas as competências municipais, que se traduzem nos aspectos nos quais há predominância do interesse local (ou seja, no território do município) sobre o estadual e o federal. O capítulo 2, Atuação municipal na área ambiental: temas, instrumentos e estratégias, mostra de que forma o município pode ser protagonista na gestão ambiental em seu território. Para tanto, aborda os principais instrumentos de política ambiental e as estratégias que podem ser adotadas pelo município, que resultam em uma agenda de política ambiental. Trata, ainda, dos principais aspectos para estruturar o Sistema Municipal de Meio Ambiente. O conjunto de procedimentos normativos e suas aplicações destinadas ao controle dos impactos negativos das intervenções humanas em um determinado território é o que chamamos de controle ambiental. Suas atividades envolvem o ordenamento territorial, o licenciamento, o monitoramento e a fiscalização. O Licenciamento ambiental na perspectiva do município é o tema do capítulo 3, que traz as atividades a ele relacionadas, assim como a distribuição de responsabilidades e como funciona nos municípios paraenses. Neste capítulo, é mostrado também 17

19 SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL como é feita a habilitação dos municípios para poder licenciar e a delegação de competência pelo estado. Para exercer suas funções na gestão ambiental, os municípios devem estruturar-se em termos políticos, técnicos, tecnológicos e operacionais. No capítulo 4, são descritos quais são os Recursos e capacidades para o exercício do controle ambiental municipal, que começam com a criação de um órgão municipal de meio ambiente que seja responsável por essas atividades. O capítulo 5, Organizando a área de controle ambiental: procedimentos, fluxos e rotinas, traz os deveres do município no licenciamento ambiental, detalhando os passos tanto do empreendedor como do órgão municipal para chegar a ele. Contempla, ainda, informações detalhadas sobre os prazos das licenças, a documentação administrativa e técnica, o cadastro dos processos, além das infrações e sanções administrativas cabíveis, com informações, inclusive, de como aplicá-las. Para que o município possa atuar em prol da adequação ambiental, o capítulo 6, Gestão ambiental da área rural, contém informações sobre as normas e instrumentos mais recentes que devem ser observados, entre os quais o novo Código Florestal, o Cadastro Ambiental Rural, a Licença de Atividade Rural e o Programa de Regularização Ambiental. Também aborda os instrumentos econômicos que podem ser utilizados para incentivar a adequação. Por fim, mostra como o Programa Municípios Verdes pode ser um aliado da gestão ambiental no Pará. A publicação traz, ainda, uma relação da legislação de referência e fontes de informação sobre o tema, assim com um fluxograma simplificado de licenciamento ambiental. 18

20 Capítulo 1 Gestão ambiental no Brasil e o papel do município NESTE CAPÍTULO: Modelo de defesa ambiental brasileiro...21 Interesse local e competência municipal na área ambiental A importância da ação local...30 Questões chaves da agenda ambiental municipal...30 Resumo: competências municipais... 31

21

22 VOLUME 1: ORGANIZANDO A ÁREA DE CONTROLE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO Os municípios são corresponsáveis pela proteção do meio ambiente em conjunto com as demais esferas governamentais e a sociedade. Para exercer esse papel, é importante entender as atribuições e os instrumentos de política ambiental que podem ser utilizados para o exercício da gestão ambiental. A agenda de responsabilidades do poder público sobre a questão ambiental é muito ampla. Seu objetivo é tutelar o meio ambiente, entendido como o conjunto formado pelos elementos bióticos e abióticos, bens, relações entre bens e entre estes e a ação humana, responsáveis e capazes de interferir com a qualidade da manutenção e reprodução da vida. Fazem parte da agenda ambiental bens e atividades como: flora e floresta; fauna, caça e pesca; água; atmosfera; controle da poluição atmosférica; solo; biodiversidade; território e desenvolvimento urbano; áreas verdes, praças e praias; ecossistemas especiais; atividades potencialmente degradadoras; poluição industrial; poluição sonora; resíduos domésticos e rejeitos perigosos; geração e transmissão de energia; tráfego e trânsito; recursos minerais, mineração e garimpagem. Apresentamos a seguir, de forma sucinta, o modelo de defesa ambiental no Brasil e as competências do município para exercer a gestão ambiental. Modelo de defesa ambiental brasileiro O modelo de defesa ambiental no Brasil começou a ser construído em 1981 com a Política Nacional de Meio Ambiente (PNMA), que antecipou inovações incorporadas à Constituição Federal em A PNMA criou o Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama (1981), o Sistema Nacional de Meio Ambiente Sisnama (1981), o Fundo Nacional de Meio Ambiente FNMA (1989), objetivos e um conjunto de instrumentos de política ambiental passíveis de utilização por todos os entes federados. Entre os instrumentos criados pela PNMA estão: criação de áreas protegidas, a avaliação e os estudos de impacto ambiental (EIA), zoneamento ambiental, padrões de qualidade ambiental, sistema de licenciamento ambiental, auditoria ambiental, responsabilidade civil por dano ao meio ambiente e exigência de reparação, entre outros. VER Linha do tempo, pág. 8, e Instrumentos de política ambiental, pág. 35. IMPORTANTE: O licenciamento ambiental foi instituído em áreas críticas de poluição pela Lei 6.803/80 e, em 1981 (Lei 6.938), como instrumento de política ambiental. O sistema de licenciamento ambiental (junto com a fiscalização e o monitoramento) é a essência da gestão ambiental. Por ser um instrumento chave para o controle ambiental da implantação de atividades e estabelecimentos, tem sido historicamente a atividade central exercida pelas três esferas de governo: federal, estadual e municipal. 21

23 SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL Com base no princípio da responsabilidade compartilhada entre União, estados e municípios definido pela Constituição Federal (artigos 23 e 225), o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) editou, em 1997, a Resolução 237, que reafirmou os princípios de cooperação da política ambiental e buscou determinar e explicitar os critérios de competência correspondentes às esferas de governo federal, estadual e municipal para o exercício do licenciamento ambiental. Em 2011, a Lei Complementar 140 regulamentou a distribuição de competências e as condições de cooperação entre os entes federados para exercício do controle ambiental. SISTEMA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE Sistema Nacional de Meio Ambiente (Sisnama) foi estabelecido pela Lei O 6.938/81 e é formado pelos órgãos e entidades da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, além de fundações instituídas pelo poder público para responder pela defesa do meio ambiente. Sua estrutura é composta por um órgão superior, um órgão consultivo e deliberativo, um órgão central, um órgão executor, órgãos seccionais e órgãos locais. O órgão superior é formalmente o Conselho de Governo, mas esse lugar tem sido ocupado na prática pelo Conama, órgão consultivo e deliberativo, considerado o órgão maior do sistema e presidido pelo ministro do Meio Ambiente. O órgão executor é o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Os órgãos seccionais são os das administrações públicas federal e estaduais relacionados à proteção ambiental, considerados por muitos os verdadeiros esteios do sistema, devido à extensão territorial brasileira. Os municípios participam do Sisnama por meio dos órgãos e entidades municipais de defesa do meio ambiente criados por lei com responsabilidade ambiental. MINISTÉRIO PÚBLICO Além das organizações diretamente integrantes do Sisnama, há mais uma instituição essencial para a compreensão do modelo de defesa ambiental no Brasil: o Ministério Público (MP), instituído nas esferas federal e estadual. O MP é uma instituição pública autônoma, encarregada de defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais indisponíveis. Seus membros (promotores e procuradores de Justiça) têm as mesmas garantias asseguradas aos integrantes do Poder Judiciário, embora não tenham qualquer vinculação com esse poder nem com os poderes Executivo ou Legislativo. É uma instância independente. O MP é um dos protagonistas na defesa ambiental por induzir o cumprimento das leis, impor a implementação de normas ambientais, representar a sociedade na defesa de seus interesses e promover ações para punir comportamentos dolosos, omissos e ímprobos na administração pública. 22

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4 Introdução Conforme deliberado na 13 o reunião do Comitê Gestor do Programa Municípios Verdes COGES/PMV,

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Belém, Setembro de 2015 Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Agenda global: o desafio do nosso tempo Agenda regional:

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA 14/05/2010 Niro Afonso Pieper Diretor Geral - SEMA 1 O Sistema Integrado de Gestão Ambiental no Rio Grande do Sul Concepção e Histórico Requisitos para a Habilitação Princípio da Melhoria Contínua Enfoque

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

O Licenciamento Ambiental Municipal

O Licenciamento Ambiental Municipal O licenciamento ambiental é um dos instrumentos da política nacional do meio ambiente, sendo definido como o procedimento administrativo utilizado pelo órgão ambiental competente para licenciar a localização,

Leia mais

PATRIMÔNIO AMBIENTAL

PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO Conjunto de direitos e obrigações de uma pessoa PATRIMÔNIO Bem ou conjunto de bens culturais ou naturais valor reconhecido para determinada localidade, região, país, ou

Leia mais

PROGRAMA SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL. VOLUME II Passo a passo para licenciamento de atividades rurais

PROGRAMA SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL. VOLUME II Passo a passo para licenciamento de atividades rurais PROGRAMA SÉRIE GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL PARA A ÁREA RURAL VOLUME II Passo a passo para licenciamento de atividades rurais PROGRAMA Programa Municípios Verdes O Programa Municípios Verdes (PMV) é um

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

Licenciamento Ambiental e Municipal

Licenciamento Ambiental e Municipal Curso de Treinamento - ABLP Licenciamento Ambiental e Municipal Simone Paschoal Nogueira 14 de outubro de 2008 Sede da ABLP Procedimento pelo qual o órgão ambiental competente permite a localização, instalação,

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Brasília, 29 de março de 2012 SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - SISNAMA O

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO.

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO. LEI Nº 1.827/2009. EMENTA: Institui a política de apoio e incentivo ao desenvolvimento do Cooperativismo no âmbito do município de Santa Cruz do Capibaribe/PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica Documento de referência RBMA: Subsídios para Marco Regulatório de Mosaicos de Áreas Protegidas versão 1.0 agosto 2009 I Definição e base conceitual: 1 Os mosaicos foram definidos no SNUC a partir de: LEI

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Regulamentação e Licenciamento Ambiental Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Matriz Constitucional "Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Contextualizando... Adaptação do produtor rural sem condições novos critérios de uso da terra impostos aleatoriamente sem alicerces

Leia mais

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências.

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005 Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO, Faço saber a todos

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei:

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei: Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Faço saber

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MINERÁRIO E A ATUAÇÃO DA PGE-PA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MINERÁRIO E A ATUAÇÃO DA PGE-PA LICENCIAMENTO AMBIENTAL MINERÁRIO E A ATUAÇÃO DA PGE-PA Lilian Mendes Haber 2º Debate sobre Mineração (PUC/TJ/PA) Belém - Setembro -2011 1 Parte I O QUE É A PGE-PA 2 Procuradoria Geral do Estado do Pará

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 11ª Reunião da Câmara Técnica de Unidades de Conservação e 36ª Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 27 e 28 de agosto

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades

Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades Eduardo Bandeira de Mello Chefe do Departamento de Meio Ambiente Cuiabá, 21 de agosto de 2007 SUMÁRIO 1. Desenvolvimento

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

DECRETO Nº 7.643 de 10 de junho de 2005.

DECRETO Nº 7.643 de 10 de junho de 2005. DECRETO Nº 7.643 de 10 de junho de 2005. Dispõe sobre as competências, a estrutura básica e o Quadro de Lotação de Cargos Comissionados da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo - SEMURB, e

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR).

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR). PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 6 o, 13, 14, 15, 16, 17, 20, 22 e

Leia mais

Avaliação do Desmatamento e do Cadastro Ambiental Rural (CAR) no Pará: bases para o Programa Municípios Verdes Heron Martins* Carlos Souza Jr.

Avaliação do Desmatamento e do Cadastro Ambiental Rural (CAR) no Pará: bases para o Programa Municípios Verdes Heron Martins* Carlos Souza Jr. Avaliação do Desmatamento e do Cadastro Ambiental Rural (CAR) no Pará: bases para o Programa Municípios Verdes Heron Martins* Carlos Souza Jr. O governo do estado do Pará lançou o Programa Municípios Verdes

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. CADASTRO TÉCNICO FEDERAL Atos Autorizativos/Regularização Ambiental SISEMA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios Luciano de Faria Brasil Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística de Porto

Leia mais

Programa Municípios Verdes. Incentivos à produção rural sustentável

Programa Municípios Verdes. Incentivos à produção rural sustentável Programa Municípios Verdes Incentivos à produção rural sustentável Programa Municípios Verdes Criado em 2011, inspirado na experiência de Paragominas, atualmente em 100 municípios Tem como base pactos

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N. 1.022, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Institui o Sistema Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e o Conselho Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e dá outras providências." O GOVERNADOR

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Ambiente Jurídico para PSA em Pernambuco KLAUS MACIEL Recife, 2010 Contextualização Global Política Nacional de Biodiversidade (Decreto n 4339/2002) Política

Leia mais