UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A DANÇA COMO VEÍCULO DE INTEGRAÇÃO E SOCIALIZAÇÃO DANÇAR É VIVER Por: Paulo Rodrigues Orientador Profª. Mary Sue Niterói 2011

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A DANÇA COMO VEÍCULO DE INTEGRAÇÃO E SOCIALIZAÇÃO DANÇAR É VIVER Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em administração e supervisão escolar. Por: Paulo Rodrigues

3 3 AGRADECIMENTOS A Edson Claro, meu primeiro professor na arte da dança; seus ensinamentos foram de suma importância para desenvolvimento desta monografia. `A Thereza Aguilar, batalhadora coordenadora deste projeto maravilhoso Dançando Para Não Dançar, sua experiência e conhecimento de causa foram de grande valor na construção deste trabalho monográfico.

4 4 DEDICATÓRIA Aos meus filhos Lena Guimarães Ribeiro e Ramon Guimarães Rodrigues, que sempre estiveram comigo desde o começo e em todos os momentos; sendo esta ajuda decisiva, pois não mediram esforços para que o sucesso desta monografia fosse completo; muito obrigado.

5 5 RESUMO O Brasil é um país de grandes desigualdades sociais, onde crianças e adolescentes são os que estão mais vulneráveis às conseqüências desta situação social, como a violência. A educação é a forma mais eficaz de se reverter este quadro. Formas complementares a educação formal, através de projetos sociais, são poderosas ferramentas de combate a exclusão social. Neste contexto, o ensino da dança a crianças e adolescentes carentes pode proporcionar transformações enormes na vida destes e de seus familiares. O projeto Dançando Para Não Dançar é um belo exemplo de como a arte pode ser usada como ferramenta de inclusão e socialização bem como caminho para descobrir talentos em ambientes onde antes o futuro era incerto.

6 6 METODOLOGIA Este é um trabalho bibliográfico baseado na leitura de livros, artigos científicos, monografias e sites ligados ao tema. Após leitura e análise crítica do material foram aqui trabalhados os pontos mais relevantes ao problema de pesquisa. Ao final do trabalho é descrito um estudo de caso baseado no projeto social Dançando Para Não Dançar do Rio de Janeiro. Este estudo de caso baseou-se em publicações específicas sobre o projeto bem como na observação direta e na prática do pesquisador que é professor do projeto.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I - A Dança 11 CAPÍTULO II - Educação e formas de educar 16 CAPÍTULO III - Educação no combate a exclusão e desigualdades sociais 21 CONCLUSÃO 37 ANEXOS 39 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 45 BIBLIOGRAFIA CITADA 46 ÍNDICE 48 FOLHA DE AVALIAÇÃO 49

8 8 INTRODUÇÃO No Brasil, a desigualdade social é uma das maiores do mundo. Jovens e crianças, principalmente da classe baixa, encontram-se vulneráveis, pois a exclusão social os deixa cada vez mais distantes de ter uma vida digna. Sem escolhas e perspectivas de um futuro melhor, muitos destes jovens buscarão o caminho da marginalidade. Neste contexto, é necessário que a sociedade se organize buscando formas de trazer um novo mundo de possibilidades para estes indivíduos socialmente vulneráveis. A partir do desejo de mudar a realidade, nascem então os projetos sociais, que podem ser definidos como ações estruturadas e intencionais, de um grupo ou organização social, que partem da reflexão e do diagnóstico sobre uma determinada problemática e buscam contribuir, em alguma medida, para um outro mundo possível. Dentre das diversas possibilidades, a arte aparece como coluna vertebral de diversos projetos sociais de sucesso. Sendo a dança uma de suas formas de expressão mais natural. Desde a origem das sociedades uma das formas do homem se afirmar como membro de uma comunidade é através da dança. A história mostra que o homem dançou em diversos momentos da sua existência, em diferentes comemorações. No nascimento e na morte, na guerra e na paz, na semeadura e na colheita... Esteticamente, a dança pode ser considerada como a arte mais antiga, expressando as emoções sem usar a palavra. Basta a própria dança para revelar tudo que se quer. Nas palavras de Nietzsche : [...] a dança é a única arte em que o próprio artista se torna obra de arte e seu papel mais importante: desenvolver uma atividade que não é outra senão a própria vida, porém mais intensa, mais despojada, mais significativa (apud Garaudy, 1980, p.52). Sendo assim, a dança traz profundo autoconhecimento, transpõe o limite físico alcançando o nível emocional e social.

9 9 Segundo Ruth Saint-Deins (apud Garaudy, 1980, p.75) "a maior função da dança é a de ajudar o homem a formar um conceito mais nobre de si próprio". A arte é um importante meio pedagógico, pois procura, através das habilidades naturais de cada um, encaminhar a formação do gosto, estimular a inteligência e contribuir para a formação da personalidade do indivíduo, sem ter como intenção primordial a formação de artistas. Dentro de um projeto social, a dança, como elemento da arte, terá como principal propósito a transformação do indivíduo, característica inerente da educação. A Educação engloba os processos de ensinar e aprender. É um fenômeno que ocorre de formas distintas nas diferentes sociedades e nos grupos constitutivos destas. A educação é responsável pela sua manutenção e perpetuação a partir da passagem de geração para geração dos modos culturais de ser, estar e agir necessários à convivência e ao ajustamento de um membro no seu grupo ou sociedade. Enquanto processo de socialização, a educação é exercida nos diversos espaços de convívio social, seja para a adequação do indivíduo à sociedade, do indivíduo ao grupo ou dos grupos à sociedade Dentro do trabalho criador que a dança requer, o indivíduo desenvolve a percepção, a imaginação, a observação, o raciocínio, o controle gestual. Capacidades psíquicas que influem na aprendizagem. No processo de criação ele pesquisa a própria emoção, liberta-se da tensão, ajusta-se, organiza pensamentos, sentimentos, sensações e forma hábitos de trabalho. Educa-se. É inegável que a educação é um dos principais mecanismos de inclusão social. A inclusão social é um conjunto de meios e ações que combatem a exclusão aos benefícios da vida em sociedade, provocada, por exemplo, pelas dificuldades socioeconômicas. A dança pode e deve ser usada como ferramenta de educação no processo de inclusão social. Este trabalho tem como objetivo demonstrar a importância de projetos sócio-culturais na formação e transformação de indivíduos pela arte, independente da classe social e se justifica pela necessidade de organização

10 10 da sociedade, em parceria com o poder público, para mudar a realidade de desigualdades sociais presente em nosso país. A metodologia empregada é o estudo bibliográfico documental com pesquisa em fontes de dados como livros, artigos científicos e documentos de interesse. Também foi realizado estudo de caso, onde o objeto de estudo é o projeto Dançando para Não Dançar. Os capítulos iniciais apresentam os conceitos, definições e histórico básicos para compreensão da temática e proposta do autor e no capítulo final é apresentado estudo de caso a fim de exemplificar o tema abordado.

11 11 CAPITULO I: A DANÇA 1.1 Breve Histórico Não está claro ainda de quando o homem dançou pela primeira vez, no entanto, na medida em que a arqueologia consegue traduzir as inscrições dos povos pré-históricos, ela indica a existência da dança como parte integrante de cerimônias religiosas. Permitindo assim considerar a possibilidade de que a dança tenha nascido a partir ou de forma concomitante ao nascimento da religião. A dança é considerada a forma primária de expressão do homem. Acredita-se que o homem usou a linguagem gestual, através da dança, antes da linguagem oral. A linguagem gestual da dança era usada diretamente ligada às marcações rítmicas da música, passando a ser denominada essa junção de ritual (DINIZ;SANTOS, 2009) Foram encontradas gravuras e figuras de pessoas dançando nas cavernas de Zascaux. Visto que estes homens usavam estas inscrições para retratar aspectos importantes de seu dia-a-dia e de sua cultura, como os relacionados à caça, a morte e a rituais religiosos pode-se inferir que estas figuras dançantes fizessem parte destes rituais de cunho religioso; básicos para sociedade de então (HISTÓRIA, 2007). Existem indícios de que o homem dança desde os tempos mais remotos. Todos os povos, em todas as épocas e lugares dançaram. Dançaram para expressar revolta ou amor, reverenciar ou afastar deuses, mostrar força ou arrependimento, rezar, conquistar, distrair, enfim, viver! (TAVARES, 2005, p.93 apud DINIZ;SANTOS, 2009). No Império Romano aconteciam espetáculos variados em que se apresentavam dançarinos, sendo indicados como apresentações circenses. Na Índia e na China as cortes contavam com serviços de escravos bailarinos com intuito de distrair os soberanos e a nobreza, com o passar dos anos o povo foi tendo acesso às exibições que se transformaram assim em teatro popular, o

12 12 que até então era privilégio de uma pequena minoria. Na antiguidade, a dança era a maior manifestação de sentimentos e desejos, com gestos onde movimentos corporais atrelados a música, ao ritmo, expressavam o estado afetivo, a religião, o amor e ainda forma de proporcionar um relaxamento deixando o indivíduo tranqüilo para enfrentar o cotidiano. A dança, como toda manifestação artística, é fruto de necessidades e de expressão do homem, de maneira que seu aparecimento se liga tanto as necessidades mais concretas dos homens, quanto as mais subjetivas. Assim, se a arquitetura nasce da necessidade da construção de moradias adequadas e seguras, a dança veio da necessidade de se exprimir alegria ou de aplacar fúrias dos deuses. Desta maneira, as manifestações religiosas passaram a tomar um caráter de manifestações populares, criando então, um importante progresso na historia da dança. A ligação entre estas manifestações e os desuses foram se diluindo e as danças primeiramente religiosas hoje aparecem como folclóricas. Essa transição da dança religiosa para a folclórica pode ser percebida na citação abaixo: Encontram-se em França muitos interlúdios de castelos em que se reconhecem e elaboram os elementos dos futuros ballets de côrte: entremezes de dança, de acrobacias, de atrações exóticas; festas de grandes cidades para as chegadas de reis e príncipes com cavalgadas, carro de pantomimas, quadros vivos; momices com máscaras e disfarces. Todos os anos pelo Carnaval havia grandes festas; e outras surgiam pelo decorrer do ano.(michaut, 1978, p. 10 apud DINIZ;SANTOS, 2009). Como o rei Luís XIII o ballet subiu a patamares mais elevados do teatro mudando a sua ótica e transformando a sua técnica. Os movimentos dos braços, dos joelhos, os tempos saltados e batidos e logo depois as figuras de elevação, passaram a ser vistos de frente, na horizontal, como uma dança espetáculo. O ballet então atrai todas as atenções, requintando a dança, antes de domínio do povo, que agora passa ao domínio daqueles que posiam se manter dela (DINIZ; SANTOS, 2009). No Brasil, pode-se dizer que a dança tem origem na dança indígena posteriormente influenciada pela chegada dos escravos. As danças dos negros

13 13 africanos às vezes têm nome de instrumento musical que serve de acompanhamento, exemplo o caxambu, outras ainda nome da cerimônia na qual são executadas, exemplo o maracatu e a gongada (DINIZ; SANTOS, 2009). Toda cultura é responsável por transportar seu conteúdo aos mais diferentes setores e a dança absorve a grande parte destes valores e sempre será de grande valor para a sociedade, como um veículo de suma importância na comunicação, como forma de expressão artística ou simplesmente como entretenimento. 1.2 Importância da dança Para o senso comum a dança é vista como diversão saudável sendo usada em comemorações e festividades sem um objetivo mais profundo e fundamentado em realizações e conquistas. Poucos conhecem ou enxergam seus outros propósitos, sociais e culturais. Mesmo com sua alta diversificação sempre culturalmente construída com força e significado fundamentados retratando o homem, seu meio social-natural e cultural, a dança em si possui identidade própria. A dança esteve presente na evolução da humanidade fazendo parte e relação com a sociedade, uma forma de comunicação e de demonstrar suas necessidades, anseios e objetivos a serem alcançados. A dança na sociedade e na vida não é só formação artística, atua fortemente no desenvolvimento do ser humano, na relação com o próximo com sigo mesmo e mudando relações agindo diretamente nas transformações sociais e comportamentais. A dança desenvolve a expressão corporal sendo primordial para vida do ser humano. Ainda amplia as qualidades motoras e equilibra o sistema emocional, trazendo a paz e tranqüilidade e quando realizada em grupo proporciona forte interação social. Os benefícios conseguidos através desta arte são inúmeros, como o desenvolvimento tátil, visual, auditivo, afetivo, cognitivo, motor, entre outros.

14 14 A arte da dança envolve movimentos que expressam o verdadeiro sentido que vem do interior da alma, abrindo caminhos, mexendo com a sensibilidade e trazendo novas leituras com trocas e inovações. Conhece-se cada vez mais o corpo desenvolvendo suas habilidades e superando os seus limites estando sempre em constante construção. A dança manifesta-se em cada ser humano de forma variada, mas sempre trabalhando o bem estar para alcançar um equilíbrio psico-social necessário para uma vida saudável. A metodologia de ensino penso logo danço não ensina por imitação, é preciso vivenciar as experiências e a força do movimento e suas repetições. Quando pensa e entende o indivíduo realiza o movimento sozinho e não copiando de outras pessoas, a expressão corporal é só sua e a sua maneira de interpretar seu entendimento. Os professores são facilitadores do processo de aprendizado desenvolvendo a capacidade de auto aprendizagem através da organização de idéias de seus alunos e da sua consciência corporal. A dança faz o indivíduo se sentir vivo, mexe com as emoções e muitas vezes a transforma; quando um personagem é interpretado em um balé se pode transformar o sentimento do momento em outras emoções (BOTAFOGO, 2006). A dança me deu muitos momentos de alegria e também me fez superar momentos de tristeza da minha vida pessoal, muitas vezes tive de congelar meus sentimentos de tristeza para me integrar ao dia-a-dia do balé, até mesmo subir ao palco transmitindo uma emoção que não correspondia ao meu verdadeiro estado de espírito. (BOTAFOGO, 2006) Através da força expressiva e sentimentos trazidos pela dança, o corpo fala por si próprio e se coloca no mundo traçando e construindo um destino diferente. Realizando sonhos, manifestando as emoções e vontades de construir como sujeito atuante vencendo obstáculos jamais imagináveis, o levando a espaços onde a sensibilidade e as sensações o possibilitam reagir e mudar sua própria realidade de luta do dia-a-dia neste mundo real.

15 15 Dançar é dar o seu máximo com toda intensidade. Na forte relação indivíduo-sociedade e natureza, onde há uma busca ferrenha do ser humano por suas necessidades, o corpo é a emoção, a verdade que acredita. Tudo é colocado pelo movimento sendo construído aos poucos um caminho onde a linguagem corporal é vista com clareza através de um conjunto de idéias, emoções, realizações e verdades a serem expostas na simplicidade dos movimentos. Segundo Garaudy (1980): As ciências e as técnicas deram ao homem o domínio de todas as coisas exceto de si próprio e de seus fins. A dança moderna invertendo esta perspectiva e ensinando em primeiro lugar o domínio de si, mudando o centro do mundo, é a arte correspondente de uma nova era da civilização. A dança acompanha o Homem desde o início de sua história. Em diferentes épocas, civilizações e contextos sociais apresentou distintas finalidades e formas de expressão, mas seus benefícios ao corpo e mente são inegáveis independente de onde, quando e como.

16 16 CAPITULO II: EDUCAÇÃO E FORMAS DE EDUCAR A importância da educação para uma sociedade é bastante documentada. O alto nível de educação de um país está intimamente ligado ao seu maior desenvolvimento, tanto econômico como social. Segundo Menezes-Filho (2001), no Brasil, as grandes diferenças educacionais existentes na população estão associadas às diferenças salariais, logo, contribuem para a desigualdade. Ainda para este autor os principais pontos a da educação no Brasil são: a) é preciso compreender a evolução da demanda por educação como geradora dos diferenciais salariais e de empregabilidade entre as pessoas com diferentes grupos educacionais; b) deve-se buscar entender porque cada vez mais pessoas que completam o ensino médio param de estudar, ao invés de ingressarem no ensino superior; c) é necessário examinar em que medida o recente avanço educacional irá prejudicar ainda mais as condições de trabalho e desemprego das pessoas com um nível intermediário de educação, ou se o mercado irá criar postos de trabalho que atendam estes indivíduos; d) é indispensável pensar em políticas públicas dirigidas às pessoas com baixo nível de qualificação, para tirá-las das condições de pobreza e readaptá-las ao mercado de trabalho. (MENEZES-FILHO, 2001) O processo de educação é complexo, indo além dos limites da educação formal, ou seja, aquela que está presente no ensino escolar institucionalizado, cronologicamente gradual e hierarquicamente estruturado. A educação é um mundo, é uma vida de descobertas, de sensações, conquistas e realizações, um conjunto de saberes de diretrizes é a guia mestra para que o ser humano conviva de igual para igual diante de uma sociedade que evoluí a cada segundo progredindo infinitamente em saberes e descobertas; onde a convivência e o respeito ao próximo é fundamental para construção plena de valores e objetivos dentro da sociedade. Na vida educacional é necessária uma reestruturação geral para que se

17 17 possa acolher todos os aspectos da diversidade humana, apresentada pelos alunos de forma geral. Sabemos que a escola sozinha não é capaz de efetuar grandes transformações sociais, mas sem sombra de dúvida pode estabelecer os primeiros padrões de uma boa convivência adquirindo seus aprendizes conceitos de participação e colaboração provendo relações com todas as diferenças. A educação é a construção do individuo onde são aferidos vários ensinamentos possibilitando a produção de verdadeiros valores que são enraizados no ser humano formando o verdadeiro caráter e as bases de uma sadia convivência dentro da sociedade. A educação no Brasil é um problema muito sério, e a dança envolvida neste contexto tem sofrido da mesma forma com muita carência. A dança é uma forma artística e eficaz de educar, mas vem sofrendo muito com os problemas de desprezo pela cultura e pela falta de memória artística neste país. É sabido que muitas coisas estão erradas, precisamos pensar na educação de forma mais profunda e não apenas sintomática. Educar é descobrir novas formas e diretrizes, abrir espaços e não invadir os dos outros, respeitar as idéias, ouvir a todos os depoimentos possíveis. É preciso ser crítico com determinados aspectos do panorama educacional brasileiro, resgatando valores e iniciativas de construção pensando de maneira global, sendo o sistema atual justamente mais frágil neste ponto, com muita carência de pensadores. A dança é um forte instrumento na forma de educar, na fase de aprendizagem seja qual for o estilo de dança escolhido é necessário que apresentem um caráter lúdico e com forte dinâmica tornando este processo prazeroso; onde são trabalhadas as bases necessárias para que possa de forma gradativa alcançar as exigências técnicas necessárias. A princípio, a dança permite que as crianças tenham o conhecimento do seu corpo adquirindo noções de espaço e lateralidade. Com a prática a criança consegue ter mais confiança e maturidade, desenvolvendo as habilidades e

18 18 acumulando conquistas sociabilizando-se com facilidade e aumentando sua capacidade física e mental, postural, preparando melhor esta criança para enfrentar todos os obstáculos de sua vida; promovendo conhecimento e o apreço por outras formas de arte trazendo vários benefícios e somando habilidades, fortalecendo seu caráter na busca de um maravilhoso objetivo que é dançar. Os currículos escolares que incluem artes (música, danças, artes plásticas...) tem um especial lugar na educação porque facilitam e possibilitam o processo de desenvolvimento de aspectos de criatividade, musicalidade e sociabilização. Com a dança as crianças aprendem através de experiência corporal, agindo livremente no espaço onde vivem atingindo o desenvolvimento comportamental e resgatando valores culturais, aprendendo através da atividade lúdica e prazerosa e obtendo uma forte interação com o próximo aprimorando o senso estético desenvolvendo um trabalho físico, intelectual e emocional. De acordo com Trevisan (2006) uma criança que na pré-escola teve oportunidade de participar de aulas de dança, certamente, terá mais facilidade de ser alfabetizada [...] Percebe-se que quem pratica a arte de dançar tem muita facilidade de sociabilizar-se, desenvolvendo confiança em sua capacidade física e mental adquirindo postura e habilidades corporais aguçadas e forte relação entre música, ritmo e movimento. A dança é uma arte fascinante envolvendo beleza e cultura tendo também uma ação pedagógica podendo contribuir para o desenvolvimento infantil Quanto mais cedo for iniciada esta arte maior será os benefícios gerados para homens e mulheres na vida adulta. A educação hoje em dia possui uma complexidade e exigências muito maiores com a qualidade. Com a demanda do mercado por níveis de educação e qualificação mais elevados é necessário complementar os conhecimentos na área tecnológica a fim de se adaptar às mudanças sociais que são continuas. A escola é um espaço de reprodução e contestação dos processos

19 19 econômicos e culturais, cujas diferentes experiências e práticas culturais devem ser consideradas na organização curricular. É importante na educação ter uma política pedagógica crítica que faça parte do currículo, onde todos os aspectos culturais sejam vivenciados pelos alunos, respeitando com propriedade os espaço dos outros saberes e outras experiências através da crítica e do dialogo. Segundo Saviani (2003, p.132) a partir das condições disponíveis, encontrar os caminhos para a superação dos limites existentes. É de suma importância a inclusão de música, dança e artes plásticas nos currículos escolares, ganhando lugar de destaque na educação, pois possibilita o desenvolvimento de aspectos ligados a criatividade, musicalidade e socialização ajudando na formação do individuo como um todo. Aprendendo pela experiência corporal a dança permite que a criança haja livremente no espaço que vive, sendo uma ação pedagógica que desenvolve o comportamento da criança resgatando valores culturais e tendo prazer pelas atividades lúdicas desenvolvendo e aprimorando o senso de estética, atuando de forma geral no âmbito físico, intelectual e emocional. [...] a organização do movimento se inicia na concepção. O domínio motor, afetivo-social (Conduta pessoal-social) e cognitivo (Conduta adaptativa e linguagem) vão se diferenciando gradualmente. Mas, no inicio da seqüência o comportamento motor é uma expressão de integração de todos os domínios (NANNY, 1995) Este caráter do movimento tendo o domínio motor como importante elemento na seqüência de desenvolvimento do ser humano, leva as vezes a errônea concepção de que o movimento é apenas, um índice de comportamento (NANNI, 1995). Dançar, então, não é um adorno na educação, mas um meio paralelo a outras disciplinas que formam em conjunto a educação do homem. Intregandoa nas escolas de ensino comum, como mais uma matéria informativa, reencontraria um novo homem com menos medos e com a percepção do seu corpo, com meio expressivo em relação com a própria vida (FUX, 1983). A dança não deve fascinar apenas como arte, beleza e cultura, mas,

20 20 também, por sua forte pedagógica que traz grandes contribuições para o desenvolvimento infantil no momento que suas habilidades estão sendo formadas. Começar a dança bem cedo, faz com que seus benefícios sejam maiores fortalecendo como um todo o indivíduo para um sadio desenvolvimento e crescimento como cidadão.

21 21 CAPITULO III: EDUCAÇÃO NO COMBATE A EXCLUSÃO E DESIGUALDADES SOCIAIS 3.1 Educação, dança e cidadania Ao longo dos anos o país sofreu muito com modificações sócioeconômicas e políticas, que afetaram a educação promovendo vários conflitos e gerando indubitavelmente muita pobreza injustiça e desigualdade social. Cabe a escola encontrar formas para driblar estes problemas e encontrar soluções para amenizar estes acontecimentos estabelecendo uma equivalência entre o ensino médio e a educação tida como profissional permitindo o acesso do trabalhador ao curso superior. As mudanças do mundo moderno trouxeram evolução tecnológica e com isso aumento das exigências. O trabalhador precisa ter capacitação diferenciada com níveis de educação e qualificação mais elevados para atuar em um mercado de trabalho que é dominado pela modernidade com inovações não só tecnológicas, mas também sociais. É grande o desafio da educação para construção de um real currículo que permita uma segura profissionalização de âmbito educacional, social e político garantindo desta forma uma correta cidadania. É bom frisar que a escola não realiza sozinha as transformações sociais, mas estabelece os primeiros padrões de convivência social, sendo responsável pela diminuição de diferenças através da informação, participação e colaboração. Só há ensinamentos se houver aprendizagem e vice versa. O papel da escola não é transferir conhecimento, mas sim criar as alternativas para sua produção ou sua construção. A proposta pedagógica deve ser crítica e baseada na realidade. Deve fazer parte do currículo todos os aspectos culturais vividos pelos alunos respeitando suas idéias e conhecimentos adquiridos valorizando desta forma sua participação dentro do processo educacional sempre de uma forma crítica e com dialogo. Assim, se possibilita a aquisição de novos saberes e a construção de novos conhecimentos e relações permitindo a continuação dos estudos acadêmicos.

22 22 Cursos formais ou que capacitem o aluno para determinado serviço devem valorizar o contexto escolar e social e não se basear apenas em conteúdos para desenvolver as habilidades ou competências necessárias ao posto de trabalho. É de suma importância que o ensino médio atenda as necessidades do aluno como um todo, preparando-o para o trabalho e para a vida permitindo desta forma a construção de uma cidadania. No entanto, é sabida a realidade dos fatos e as dificuldades encontradas para solução e formação de um currículo apropriado. O decreto 5154 de 2004 permite a integração entre o ensino médio regular e o ensino profissionalizante que precisa de novas formalizações curriculares. Ao se estabelecer um projeto político pedagógico em que a dança é um instrumento educacional, onde o individuo educa-se no conflito e na contradição, os saberes elaborados e adquiridos servem de instrumento para luta contra a divisão social do trabalho e da dominação, dando materialidade aos objetivos e cumprindo sua função social. A dança, no contexto social, pode colaborar na diminuição das desigualdades em um país com divisões de classes tão acentuadas como o Brasil. A dança, como ferramenta social, gera oportunidades a esta população tão vulnerável a violência urbana, que, muitas vezes, é excluída do direito de profissionalização, cultura, saúde, educação e cidadania. A sociedade é comprometida com esta realidade desigual e desumana, que se instalou ao longo do tempo, onde a vulnerabilidade é forte e determinante, sendo as principais vítimas crianças, adolescentes e jovens. O caminho para a inclusão plena é longo, mas possível, como comprovado em vários exemplos de sucesso. A dança tem comprometimento dentro do processo de ensino, tendo como desafio realizar aliança e inserção entre individuo e coletivo, pessoa e a sociedade. Os objetivos são claros, definidos com a proposta de evolução na formação do artista bailarino com forte desenvolvimento na reflexão crítica. O projeto pedagógico tem como força a criação de cursos que unem a história do

23 23 individuo e sua experiência social, junto ao processo de formação artística. Além da dança moderna e clássica, também podem ser inseridas no projeto danças relacionadas às tradições culturais brasileiras abordando as possibilidades do corpo dentro de nossa realidade social. O curso de dança possui um aprofundamento metodológico e preparação técnica do bailarino atuando em sua consciência e domínio corporal de forma inovadora permitindo a formação integral do aluno. É notório o grande número de crianças e jovens que deixam suas comunidades a procura de uma oportunidade de vida melhor ou de uma chance de sobrevivência. Estas crianças e seus familiares vivem em situações de pobreza e carência generalizada estando a todo tempo a mercê do submundo onde o tráfico de drogas e a violência imperam. O Brasil possui carência comprovada de propostas sócio educativas e culturais que dirigidas a estas crianças e adolescentes. São necessárias alternativas que permitam que estas crianças permaneçam junto de seus familiares, que são peças fundamentais no desenvolvimento das mesmas. Os projetos sociais tem forte poder de ação impedindo que estes jovens sejam recrutados pela marginalidade. Através de um projeto cultural lhes é apresentado um processo educacional que os ocupam e valoriza o potencial de cada um, assim estes podem acreditar em vencer e encontrar um caminho diferente e enobrecedor dentro de sua comunidade. A pessoa que se propõe a desenvolver trabalhos educativos em comunidades deve ter consciência para que a sua prática não colabore para perpetuar o preconceito e o distanciamento entre o saber da experiência e o saber sistematizado, científico; tipos de saberes distintos, porém complementares (NASCIMENTO, 2003). O ingresso dos jovens de classes sociais menos privilegiadas no mercado de trabalho no Brasil é falho e traumatizante. Em geral, estes jovens são explorados por serem frágeis sócio economicamente, imaturos e formados dentro de um contexto de discriminação racial e social. Assim, a marginalidade parece ser um caminho mais atraente pela velocidade de lucros rápidos. É notório que o país possui um contexto social gravíssimo. É dever de todos apresentar propostas de soluções para estes problemas através de

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A educação é um dos pilares da sociedade e no nosso emprego não é diferente. Um povo culto está mais preparado para criar, planejar e executar os projetos para

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade?

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Perguntaram à teóloga alemã Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Não explicaria, Daria uma bola para que ele jogasse... ESPORTE EDUCAÇÃO CULTURA QUALIFICAÇÃO PLACAR

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Apresentando a. Fernanda Bianchini. CIA Ballet de Cegos. "Uma bailarina deve sempre olhar para as estrelas, ainda que não as enxergue.

Apresentando a. Fernanda Bianchini. CIA Ballet de Cegos. Uma bailarina deve sempre olhar para as estrelas, ainda que não as enxergue. Apresentando a CIA Ballet de Cegos CIA Ballet de Cegos Fernanda Bianchini "Uma bailarina deve sempre olhar para as estrelas, ainda que não as enxergue." Como surgiu CIA Ballet de Cegos A CIA Ballet de

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio Patrocínio Institucional Parcerias Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Projeto Paz na Escola

Projeto Paz na Escola Projeto Paz na Escola Olímpia Terezinha da Silva Henicka Dariléia Marin Em uma sociedade como a nossa, na qual a riqueza é tão mal distribuída, a preocupação com a sobrevivência deve ser maior que as preocupações

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações História ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações Em 1929, convidada a dirigir um dos primeiros laboratórios de psicologia de Minas Gerais, ligado à Escola de Aperfeiçoamento

Leia mais

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU)

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) CAMPANHA MAIS CIDADÃO (UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) APRESENTAÇÃO Nossa Missão: Desenvolver o potencial das pessoas e formar o cidadão profissional para atuar com brilhantismo no mercado de trabalho Estar sintonizados

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO JUDÔ NA ESCOLA: A SALA DE AULA E O TATAME Projeto: Domingos Sávio Aquino Fortes Professor da Rede Municipal de Lorena Semeie um pensamento,

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica Teleaula 2 Prof. Me. Marcos Ruiz da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Contextualização A combinação de

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

Centro Educacional Pró-Hope

Centro Educacional Pró-Hope Centro Educacional Pró-Hope A escola da Casa Hope As pessoas que são atendidas pela Instituição sofrem com a carência financeira, a doença e o afastamento da rede familiar e social de apoio. Tudo isso

Leia mais

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim 1 Reflexão A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação Aluna: Ana Isabel Araújo Olim As escolas, ao longo do ano letivo, trabalham várias temáticas sociais. O infantário Donamina, para

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 ESCOLA: 1ºANO OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECIFICOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO BIBLIOGRAFIA Construir com o educando sobre a importância da sua existência e os cuidados

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

Ambientes Não Formais de Aprendizagem

Ambientes Não Formais de Aprendizagem Ambientes Não Formais de Aprendizagem Os Ambientes formais de aprendizagem desenvolvem-se em espaços próprios (escolas) com conteúdos e avaliação previamente determinados; Os Ambientes não formais de aprendizagem

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010 Pais e Alunos Proposta de Trabalho Ensino Médio 2010 A partir de 2010 o nosso projeto pedagógico do Ensino Médio estará ainda mais comprometido com a formação integral

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

ENSINO MUSICAL NAS PERIFERIAS

ENSINO MUSICAL NAS PERIFERIAS ENSINO MUSICAL NAS PERIFERIAS Orientadora: Santuza Cambraia Naves Alunos: Tarso Soares Barreto e Deborah Raposo Introdução Esta pesquisa teve por objetivo avaliar e estudar instituições que têm como princípio

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais