LISTA DE QUESTÕES. HTML, CSS, XML e Web Services BANCA FCC CONCURSO TRT 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LISTA DE QUESTÕES. HTML, CSS, XML e Web Services BANCA FCC CONCURSO TRT 2014"

Transcrição

1 LISTA DE QUESTÕES HTML, CSS, XML e Web Services BANCA FCC CONCURSO TRT 2014 Professor: Lúcio Camilo

2 QUESTÕES - TECNOLOGIAS DE INTERNET

3 Questão 01 FCC TRT - 12ª Região (SC) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Considerando o uso do Internet Explorer para validar o código - fonte do arquivo XML apresentado, o sinal de ponto de interrogação (? ) na definição da tag significa que a) pode haver, no mínimo, uma ou muitas ocorrências do elemento em cada ocorrência do elemento cliente. b) deve haver, obrigatoriamente, uma ocorrência do elemento em cada ocorrência do elemento cliente. c) pode haver, no mínimo, zero ou muitas ocorrências do elemento em cada ocorrência do elemento cliente. d) deve haver uma ou muitas ocorrências do elemento no interior do elemento clientes. e) pode haver, no mínimo, zero e, no máximo, uma ocorrência do elemento em cada ocorrência do elemento cliente.

4 Questão 02 Prova: FCC TRT - 14ª Região (RO e AC) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ambas identificam elementos em uma página e ambas utilizam sintaxes similares. A grande diferença entre elas é que uma descreve a aparência e as ações em uma página na rede enquanto a outra não descreve nem aparência e nem ações, mas sim o que cada trecho de dados é ou representa, ou seja, descreve o conteúdo do documento. Uma tag esquecida na escrita de uma delas ou um atributo sem aspas torna o documento inutilizável, enquanto que na outra isso é tolerado. Pelas características comparadas, o texto acima refere-se a a) HTML e XML. b) UML e XML. c) PHP e Java. d) Oracle Forms e UML. e) Java e CSS.

5 Questão 03 Prova: FCC TRT - 8ª Região (PA e AP) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Sobre as tags HTML e XML, é correto afirmar: a) Tags HTML são case sensitive, isto é, fazem distinção entre letras maiúsculas e minúsculas. b) Tags XML não são case sensitive, isto é, não fazem distinção entre letras maiúsculas e minúsculas. c) As tags XML são pré-definidas pelo W3C, devendo o autor utilizá-las quando da elaboração do documento. d) As tags HTML não são pré-definidas, podendo o autor do documento criá-las livremente no momento da elaboração de seu documento. e) A forma de fazer comentários em um documento HTML e em um documento XML são idênticas.

6 Questão 04 FCC TCE/SP A linguagem HTML, para produzir páginas na Web, trata- se de uma linguagem do tipo a) de marcação. b) de script. c) procedural. d) orientada a eventos. e) orientada a objetos.

7 Questão 05 FCC 2010 AL/SP A sintaxe correta da instrução utilizada para inserir comentário em um código HTML é: a) echo comentário b) // comentário c) /* comentário */ d) <%-- comentário --%> e) <!-- comentário -->

8 Questão 06 Prova: FCC TRE-RS - Analista Judiciário - Analista de Sistemas Suporte Analise os blocos de código seguintes: Bloco 1: <head> <link rel= stylesheet type= text/css href= config.css > </head> Bloco 2: <head> <style type= text/css > body {background-color: red} p {margin-left: 20px} </style> </head> Bloco 3: <p style= color: red; margin-left: 20px > Este é um parágrafo </p> Esses blocos representam, respectivamente, as maneiras de inserir folhas de estilo: a) interna, externa e inline. b) inline, interna e externa. c) externa, interna e inline. d) externa e interna, somente. e) interna, somente.

9 Questão 07 Prova: FCC MPE-RN - Analista de Tecnologia da Informação - Suporte Técnico Na interface Web, ele é um arquivo independente do arquivo HTML no qual são declaradas propriedades e valores de estilização para os elementos do HTML, cabendolhe, dessa forma, a tarefa de estilização e ao HTML, exclusivamente, a marcação e estruturação do conteúdo do documento. Trata-se de: a) CSS (Cascading Style Sheets). b) XML (extensible Markup Language). c) XHTML (extensible Hypertext Markup Language). d) Tableless. e) RDF (Resource Description Framework).

10 Questão 08 Prova: FCC TRT - 4ª REGIÃO (RS) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação Na implementação do CSS em um website, a declaração <style type= text/css > é do tipo a) interno. b) externo. c) incorporado. d) atributo. e) referenciado.

11 Questão 09 Prova: FCC AL-SP - Agente Legislativo de Serviços Técnicos e Administrativos A técnica utilizada no desenvolvimento de sites que evita o uso de tabelas como recurso para a criação de layouts e utiliza Cascading Style Sheets (CSS), para definir as posições dos elementos e formatação na página, denomina-se a) Tableless. b) TableFew. c) CSS. d) NoTableStyle. e) NoTable.

12 Questão 10 Prova: FCC TRE-RS - Técnico Judiciário - Programação de Sistemas Considere o trecho de folha de estilo do CSS, abaixo: <style type= text/css > body { color: purple; background-color: #d8da3d } </style> Em relação às regras de folhas de estilo do CSS, o trecho acima apresenta o número de ocorrências de seletor, propriedade e valor, equivalente, respectivamente, a: a) 2, 1, 3. b) 2, 2, 2. c) 2, 1, 1. d) 1, 2, 2. e) 3, 2, 1.

13 Questão 11 Prova: FCC TCE-AM - Analista de Controle Externo - Tecnologia da Informação Considere o documento XML bem formatado a seguir: <?xml version='1.0' encoding='utf 8'?> <!DOCTYPE loja[ <!ELEMENT loja (entrega+,produto+)> <!ELEMENT entrega (tempo+)> <!ATTLIST entrega codigoentrega ID #REQUIRED> <!ELEMENT produto (#PCDATA)> <!ATTLIST produto tipoentrega IDREF #IMPLIED> <!ELEMENT tempo (#PCDATA)> ]> <loja> <entrega codigoentrega="motoboy"> <tempo>2 dias</tempo> </entrega> <entrega codigoentrega="correios"> <tempo>1 dia</tempo> </entrega> <produto tipoentrega="correios">impressora</produto> </loja>

14 Questão 11 Prova: FCC TCE-AM - Analista de Controle Externo - Tecnologia da Informação Sobre o documento apresentado, é correto afirmar: (A) O atributo tipoentrega é obrigatório nos elementos produto. (B) O sinal de mais (+) na descrição dos elementos entrega, produto e tempo indica que poderá haver no documento nenhuma ou muitas ocorrências desses elementos. (C) Se um novo elemento produto for inserido, ele deverá ter como conteúdo do atributo tipoentrega o valor motoboy ou correios. (D) Não é válido, pois há mais de uma ocorrência do elemento entrega. (E) O atributo codigoentrega é obrigatório, porém, poderá estar vazio.

15 Questão 12 Prova: FCC MPE-AP - Analista Ministerial - Tecnologia da Informação Um documento XML bem formatado é aquele que apresenta uma sintaxe XML correta. Sobre as regras de sintaxe em documentos XML bem formatados é correto afirmar: a) Os elementos XML não podem ter mais que um atributo e o valor desse atributo pode estar vazio. b) Não é necessário que um documento XML tenha um elemento raiz. c) Os elementos XML não precisam ser fechados por tag, exceto o que define a versão da XML usada. d) Tags XML são case sensitive e os valores dos atributos devem aparecer entre aspas. e) Elementos XML não precisam ser aninhados corretamente, sendo assim, o primeiro que abre sempre será o primeiro que fecha.

16 Questão 13 FCC TRT - 9ª REGIÃO (PR) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Em relação a HTML, CSS e XML é correto afirmar: a) HTML é uma linguagem de marcação composta de elementos, que contém atributos de uso obrigatório, que são usados para marcar vários tipos diferentes de conteúdo em documentos, especificando o que deve ser apresentado em navegadores. b) Em HTML, os elementos e atributos são sensíveis à caixa alta ou baixa, são todos em caixa baixa e requerem uma tag, tanto para abertura quanto para fechamento; os valores de atributo devem estar obrigatoriamente contidos entre aspas. c) Na XML, o único elemento obrigatório é a DTD (Document Type Definitions), cuja funcionalidade é validar as regras que definem um documento. d) Um documento XML é bem formatado quando segue algumas regras básicas, que são mais simples do que documentos HTML, permitindo que os dados sejam lidos e expostos sem nenhuma descrição externa; são sensíveis a letras maiúsculas e minúsculas e a sobreposição de seus elementos não compromete o formato. e) Colocar o estilo e o leiaute uma vez apenas em um arquivo CSS é a melhor alternativa para manter os arquivos HTML enxutos e arrumados.

17 Questão 14 FCC TCE-SP - Auxiliar de Fiscalização Financeira Analise o fragmento de código seguinte. <!DOCTYPE loja[ <!ELEMENT loja (entrega+, produto+)> <!ELEMENT entrega (tempo+)> <!ATTLIST entrega codigoentrega ID #REQUIRED> <!ELEMENT produto(#pcdata)> <!ATTLIST produto tipoentrega IDREF #IMPLIED> <!ELEMENT tempo (#PCDATA)> ]> Trata-se de: a) uma folha de estilos para extrair o conteúdo de elementos em um arquivo XML. b) uma declaração de variáveis em um arquivo JavaServer Pages. c) uma Declaração de Tipo de Documento (DTD) que descreve os elementos e atributos de um arquivo XML. d) um cabeçalho HTTP de uma requisição contendo a descrição de parâmetros que estão sendo passados para o servidor. e) uma declaração de variáveis e atributos que serão utilizados em elementos de uma página HTML.

18 15 - FCC SABESP Paulo possui em uma página HTML 10 parágrafos definidos pelo elemento p. Deseja aplicar um tipo de formatação (estilo) nos primeiros 5 parágrafos e outro tipo nos demais parágrafos. Para isso resolveu utilizar um atributo nos elementos p com dois valores diferentes: Nos primeiros 5 parágrafos, atribuiu a esse atributo o valor "formato1". Nos últimos 5 parágrafos, atribuiu a esse atributo o valor "formato2". Em seguida, em uma folha de estilo em cascata, definiu um conjunto de estilos (formatos) para os parágrafos com o atributo contendo o valor "formato1" e outro para os parágrafos com o atributo contendo o valor "formato2". Considerando as especificações da linguagem HTML pode-se concluir que o atributo descrito no texto é o: (A) class. (B) id. (C) name. (D) classname. (E) identity

19 16 - FCC TRF Considere o exemplo escrito em HTML: <ul> <li><a href="message.cgi?say=ola">ola</a> <li><a href="message.cgi?say=bem Vindo">Bem Vindo</a> </ul> Se a mensagem for simplesmente exibida ao usuário sem efetuar a validação (escaping), a seguinte URL poderia ser criada: %20no%21%27%29%3C/script%3E Causando um problema de vulnerabilidade conhecido como (A) SQL Injection. (B) buffer overfun. (C) buffer overflow. (D) cross-site scripting attack. (E) DDoS.

20 17 - FCC TRT 15ªRegião Em relação ao Código 1 e ao Código 2 apresentados acima, é correto afirmar: (A) ambos os códigos apresentam exemplos de HTML usando CSS e XML. (B) o código 1 apresenta um exemplo em HTML usando CSS e o código 2 apresenta um exemplo em HTML usando XML. (C) o código 1 apresenta um exemplo em XML e o código 2 apresenta um exemplo em HTML usando CSS. (D) a linha omitida do código 2 é obrigatoriamente: <xsl:stylesheet xmlns:xsl="http://www.w3.org/tr/wd-xsl"> (E) a linha omitida do código 1 é obrigatoriamente: <!DOCTYPE html PUBLIC>

21 18 - FCC AL/SP Muitos atributos de tags nas novas versões da linguagem HTML foram depreciados em favor do uso de a) scripts executados do lado do cliente. b) folhas de estilo. c) scripts executados do lado do servidor. d) linguagens de marcação extensíveis. e) novas bibliotecas de tags.

22 19 - FCC TJ/SE As regras de CSS especificadas dentro da tag de HTML que referem-se ao estilo inline a) podem ser aplicadas por link em alguma página HTML. b) afetam outros documentos da página HTML. c) podem ser aplicadas por link no cabeçalho da página HTML. d) afetam outras tags da página HTML. e) afetam somente a tag atual da página HTML.

23 20 - FCC TRF2 NÃO é uma tag HTML válida: A) <Html> B) <HtMl> C) <HtmL> D) <HTML> E) <H T M L>

24 21 - FCC TRT23 Uma tag XML é definida dentro de uma DTD pela declaração do tipo A) entity. B) attlist. C) element. D) notation. E) doctype.

25 22 - FCC TCE/SP Em HTML, as tags <UL> e <LI> permitem criar listas A) de interrogação. B) ordenadas. C) não-ordenadas. D) de definição. E) de frames.

26 23 - FCC TRT4 Na implementação do CSS em um website, a declaração <style type="text/css"> é do tipo A) interno. B) externo. C) incorporado. D) atributo. E) referenciado.

27 24 - FCC BAHIA GAS As regras CSS no cabeçalho do documento, que afetam somente a página HTML atual, são definidas no método denominado A) inline. B) offline. C) externo. D) incorporado. E) personalizado.

28 25 - FCC BAHIA GAS A linguagem que descreve documentos estruturados e dados e vem se tornando um novo padrão de troca e publicação de dados e integração entre aplicações. Tratase da definição de A) HTML. B) DTD. C) XML. D) SQL. E) DHTML.

29 26 - FCC TRF4 É uma tag HTML que conta com os atributos href e name para possibilitar o estabelecimento de hiperligações ( link ), para outro trecho de um documento, para outra página de Internet ou mesmo um endereço de A) <a>. B) <b>. C) <meta>. D) <head>. E) <i>.

30 26 - FCC TRE/RS Considere o trecho de folha de estilo do CSS, abaixo: <style type= text/css > body { color: purple; background-color: #d8da3d } </style> Em relação às regras de folhas de estilo do CSS, o trecho acima apresenta o número de ocorrências de seletor, propriedade e valor, equivalente, respectivamente, a: A) 2, 1, 3. B) 2, 2, 2. C) 2, 1, 1. D) 1, 2, 2. E) 3, 2, 1.

31 27 - FCC TCE/SP NÃO se trata de uma regra para que um arquivo XML possa ser considerado bem formatado: A) Só deve haver um elemento raiz. B) Todo elemento XML deve ser fechado, exceto o que define a versão do XML usada. C) Os elementos XML devem ser aninhados adequadamente seguindo o padrão: primeiro que abre, último que fecha. D) Os valores de atributos devem aparecer entre aspas. E) A sintaxe deve ser escrita toda em maiúscula.

32 28 - FCC TRF2 Analise a DTD abaixo, presente em um arquivo XML: <?xml version= 1.0 encoding= ISO ?> <!DOCTYPE loja[ <!ELEMENT loja (produto+)>...i... <!ELEMENT nome (#PCDATA)> <!ELEMENT quantidade (#PCDATA)> <!ELEMENT peso (#PCDATA)> ]> A instrução que preenche a lacuna I, declarando que o elemento produto poderá conter apenas uma ocorrência do elemento nome e o elemento quantidade ou o elemento peso, é: A) <!ELEMENT produto (nome+,(quantidade peso)> B) <!ELEMENT produto (nome,(quantidade&peso)> C) <!ELEMENT produto (nome?,(quantidade&peso)> D) <!ELEMENT produto (nome*,(quantidadeiipeso)> E) <!ELEMENT produto (nome,(quantidade peso)>

33 29 - FCC TRF4 Considere: I. Definida pela IETF-RFC1866, é usada para estruturar conteúdos. II. Pode conter, simultaneamente, dados e descrição da estrutura do documento. III. Usada para formatar conteúdos estruturados, é linguagem própria para estilos que define o layout de documentos. IV. Utiliza DTD como gramática. As considerações apresentam características aplicáveis à tecnologia WEB e correspondem, respectivamente, a A) CSS, HTML, CSS e XML. B) XML, XML, CSS e XML. C) CSS, XML, CSS e XML. D) XML, XML, HTML e CSS. E) HTML, XML, CSS e XML.

34 30 - FCC ALE/RN Analise o seguinte fragmento de XML SCHEMA: <xs:element name="name" type="xs:string"/> <xs:element name="navn" substitutiongroup="name"/> <xs:complextype name="custinfo"> <xs:sequence> <xs:element ref="name"/> </xs:sequence> </xs:complextype> <xs:element name="customer" type="custinfo"/> <xs:element name="kunde" substitutiongroup="customer"/> Analise os seguintes trechos de documentos XML: I. <customer> <name>john Smith</name> </customer> II. <kunde> <navn>john Smith</navn> </kunde> Ao se tentar fazer a validação destes documentos pelo XML SCHEMA acima, é correto afirmar que A) apenas o documento II será validado corretamente. B) apenas o documento I será validado corretamente. C) ambos os documentos serão validados corretamente. D) ambos os documentos não serão validados corretamente. E) o XML SCHEMA não é válido e portanto não poderá validar os documentos.

35 31 - FCC MPE/AM Documentos XML devem ser bem formados e validados. Existem algumas regras para que um documento XML seja considerado bem formado (well-formed), como as listadas abaixo: Regra 1: Todas as tags abertas devem ser devida e corretamente fechadas Regra 2: Não deve haver sobreposição de tags Regra 3: Deve existir um e somente um elemento raiz Considere os 3 exemplos de documentos XML: Exemplo 1: Exemplo 2: Exemplo 3: <?xml version="1.0"?> <empresa CNPJ=" "> <nomecom>papel Magico</nomecom> </empresa> <empresa CNPJ=" "> <nomecom>xerox da Maria</nomecom> </empresa> <?xml version="1.0"?> <empresa CNPJ=" "> <razaosocial>sorvetes Pinguim</Razaosocial> </empresa> <?xml version="1.0"?> <empresa CNPJ=" "> <dados> <razaosocial>padaria do Manoel</dados> </razaosocial> </empresa> A associação do documento XML com a regra que está (ou não) violando está correta em: A) Viola regra 1 não viola as regras viola regra 3 B) Viola regra 3 viola regra 1 viola regra 2 C) Viola regra 2 viola regra 1 viola regra 3 D) Viola regra 1 viola regra 3 não viola as regras E) Não viola as regras viola regra 2 viola regra 1

36 Gabarito TECNOLOGIAS DE INTERNET 1 E 9 A 17 C 25 - C 2 A 10 D 18 - B 26 - A 3 E 11 - C 19 E 27 - E 4 A 12 - D 20 E 28 E 5 E 13 E 21 C 29 E 6 C 14 C 22 C 30 - C 7 A 15 A 23 A 31 B 8 A 16 - D 24 D

37 QUESTÕES WEB SERVICES

38 Questão 02 - Prova: FCC TRT - 4ª REGIÃO (RS) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Especificação desenvolvida pelo World Wide Web Consortium, que permite descrever os Web Services segundo um formato XML. É extensível para permitir a descrição dos serviços e suas mensagens, independentemente dos formatos de mensagem e dos protocolos de rede utilizados. Trata-se de a) SOAP. b) WSDL. c) UDDI. d) SamL. e) Ws-i.

39 Questão 03 - Prova: FCC TJ-PA - Analista Judiciário - Análise de Sistemas - Desenvolvimento No âmbito dos Web Services, o protocolo padrão OASIS que especifica um método para descoberta de diretórios de serviços é o a) HTTP. b) SOAP. c) WSDL. d) UDDI. e) DOM/XML.

40 Questão 04 - Prova: FCC TJ-SE - Analista Judiciário - Análise de Sistemas Desenvolvimento No âmbito dos Web services, é um padrão que define como as informações de descrição de serviços usadas para descobrí-los podem ser organizadas. Trata-se de a) UDDI. b) SOA. c) WebApp. d) Javascript. e) DML.

41 Questão 05 - Prova: FCC TRE-SP - Analista Judiciário - Análise de Sistemas Com relação ao SOAP, analise: I. Envelope: É o elemento raiz do documento XML. Pode conter declarações de namespaces e também atributos adicionais como o que define o estilo de codificação (encoding style). II. Header: É um cabeçalho que carrega informações adicionais, como por exemplo, se a mensagem deve ser processada por um determinado nó intermediário. Deve ser o primeiro elemento do Envelope. III. Body: Contém o payload, ou a informação a ser transportada para o seu destino final. IV. Fault: Contém as informações dos erros ocorridos no envio da mensagem. São elementos obrigatórios em uma mensagem SOAP o que consta em a) I e II, apenas. b) I e III, apenas. c) I, II e III, apenas. d) II, III e IV, apenas. e) I, II, III e IV.

42 Questão 06 - FCC INFRAERO - Analista de Sistemas - Rede e Suporte Em relação a Web services, é INCORRETO afirmar: a) Foram criados para construir aplicações que são vistas como serviços na internet. b) Nada mais são do que chamada de métodos usando XML. c) Independem de plataforma e de linguagem de programação. d) O serviço Web services inexiste sem o protocolo SOAP. e) As funções publicação, pesquisa e descoberta são providas pelo WSDL.

43 Questão 07 - FCC MPE-RN - Analista de Tecnologia da Informação - Engenharia de Software Protocolo leve para a troca de documentos XML por meio de uma conexão básica de transporte. Aceita transações sobre objetos distribuídos em um ambiente baseado na Web, definindo como as RPCs e as respostas podem ser representadas dentro de mensagens. Trata-se de a) WSDL. b) SOA. c) SOAP. d) UDDI. e) TCP.

44 Questão 08 - FCC TRE-RS - Analista Judiciário - Analista de Sistemas Suporte SOAP é I. um protocolo de comunicação leve destinado a troca de informações estruturadas em um ambiente distribuído. II. dependente de plataforma e linguagem de programação. III. baseado em XHML. IV. uma recomendação da W3C. Está correto o que consta em a) III e IV, somente. b) II e III, somente. c) I e IV, somente. d) II, III e IV, somente. e) I, II, III e IV.

45 Questão 09 - FCC TJ-SE - Analista Judiciário - Análise de Sistemas - Desenvolvimento Considere dois dos fundamentos que possibilitam a comunicação entre Web services: Protocolo que define I. uma organização para a troca estruturada de dados entre Web services; II. como as interfaces dos Web services podem ser representadas. São, respectivamente, a) HTTP e XML. b) SOAP e WSDL. c) SOAP e XSL. d) DOM e COM+. e) COMM e HTML.

46 10 - FCC TRT 5ªRegião A arquitetura RESTful (Representational State Transfer) surgiu como uma forma de simplificar o desenvolvimento de web services. Neste estilo arquitetural o recurso é o elemento fundamental, (A) e para que uma aplicação possa interagir com ele, basta conhecer o identificador do recurso e os detalhes da rede entre ela e o servidor que guarda a informação. (B) devendo ser representado apenas no formato XML, por ser este um formato suportado pela maioria das linguagens de programação. (C) identificado por meio de metadados associados a um arquivo XSL, e acessado através de um mecanismo de busca binária. (D) não podendo ser dissociado de sua representação, por isso, seu conteúdo só pode ser acessado se estiver no formato XML. (E) podendo ser manipulado através das operações PUT, GET, POST e DELETE.

47 11 - FCC TRT 15ªRegião A arquitetura dos web services é baseada na interação de três entidades ou componentes, quais sejam: I. Cria o web service e disponibiliza o serviço para que alguém possa utilizá-lo. Mas, para que isto ocorra, precisa descrever o web service em um formato padrão, que seja compreensível para qualquer pessoa ou processo que precise usar esse serviço e também publicar os detalhes sobre seu web service em um registro central que esteja disponível. II. É qualquer um que utilize um web service. Conhece a funcionalidade do web service a partir da descrição disponibilizada, recuperando os seus detalhes através de uma pesquisa sobre o registro publicado. Através desta pesquisa, pode obter o mecanismo para ligação com este web service. III. É a localização central em que as duas entidades anteriores podem uma relacionar os web services e a outra pesquisá- los. Contém informações como detalhes de uma empresa, quais os serviços que ela fornece e a descrição técnica de cada um deles. I, II e III, referem-se, respectivamente, a: (A) XML; SOAP; WSDL. (B) Web Services Gateway; Web Services Invocation Framework; UDDI Explorer. (C) Registro dos serviços; Provedor de serviço; Consumidor de serviços. (D) Service Broker; Service Consumer; Service Provider. (E) Provedor de serviço; Consumidor de serviços; Registro dos serviços.

48 12 - FCC TRT 16ªRegião Um web service pode ser visto como a convergência de algumas tecnologias como HTTP, XML, SOAP, WSDL e UDDI. O protocolo SOAP é uma especificação da W3C para troca de informações estruturadas em ambientes descentralizados e distribuídos. Um arquivo XML de mensagem SOAP pode conter alguns elementos obrigatórios e outros opcionais. Um dos elementos opcionais é o Fault, que suporta em seu interior os elementos (A) <errorcode>, <faultmessage>, <faultsource> e <faultowner> (B) <faultcode>, <faultstring>, <details> e <faultactor> (C) <faultcode>, <faulttype>, <faultdetails> e <faultfactor> (D) <errorcode>, <errormessage>, <errorsource> e <workaround> (E) <fault_error_code>, <fault_string>, <fault_details> e <fault_actor>

49 13 - FCC TST Os Web Services possibilitam que aplicações desenvolvidas em diferentes plataformas se comuniquem através de troca de mensagens. Os Web Services compatíveis com o SOAP (A) permitem a troca de mensagens através de arquivos no formato WSDL sobre o protocolo HTTP, permitindo que diferentes programas se comuniquem através da Internet. (B) são compatíveis com Chamadas de Procedimento Remoto (RPC) e recebem objetos das tecnologias DCOM e CORBA, sendo livres de bloqueios por firewalls. (C) não são recomendados pelo W3C, ou seja, não possuem a funcionalidade de realizar troca de mensagens na linguagem WSDL. (D) são implementados, em muitos casos, utilizando servidores FTP para serem compatíveis com a maioria dos Web Services. (E) trocam mensagens através de arquivos HTML, possibilitando que qualquer tipo de aplicação se comunique com outros Web Services.

50 14 - FCC Agencia Reguladora/CE Um documento WSDL é um arquivo em formato XML utilizado para definir Web Services. Este documento possui um grupo de seis elementos utilizados para definir um serviço. Dentre estes elementos estão types, message, porttype e (A) binding. (B) naming. (C) linking. (D) namespace. (E) authoring.

51 15 - FCC MP/MA Os 3 elementos básicos que mantém a arquitetura de implementação dos web services são descritos abaixo. I. Protocolo de comunicação baseado em XML para permitir que os aplicativos troquem informações. É um padrão W3C, projetado para se comunicar via internet, independente de plataforma e de linguagem que permite contornar firewalls e acessar um web service. II. Linguagem baseada em XML e padronizada pela W3C que é utilizada para localizar e descrever web services. III. Serviço de diretório, em que as empresas podem se registrar e procurar web services. É um diretório para armazenar informações sobre os web services. A associação correta entre o elemento e a sua descrição é: A) SOAP WSDL REST B) HTTP SOAP WSDL C) RPC REST WSDL D) SOAP WSDL UDDI E) HTTP SOAP - UDDI

52 16 - FCC TRT9 SOAP é um protocolo de acesso a um Web Service, baseado em XML e recomendado pela W3C, que permite que aplicativos troquem informações usando HTTP. Define um formato para envio de mensagens. Uma mensagem SOAP é um documento XML comum contendo diversos elementos, como o exemplo a seguir: <?xml version="1.0"?> <soap:envelope xmlns:soap="http://www.w3.org/2001/12/soap-envelope" soap:encodingstyle="http://www.w3.org/2001/12/soap-encoding"> <soap:header> <m:trans xmlns:m="http://www.w3schools.com/transaction/" soap:mustunderstand="1">234 </m:trans> </soap:header> <soap:body> <m:getprice xmlns:m="http://www.w3schools.com/prices"> <m:item>apples</m:item> </m:getprice> </soap:body> </soap:envelope> Sobre SOAP é correto afirmar que A) o elemento Header é um elemento obrigatório que contém informações específicas sobre a mensagem SOAP. B) uma mensagem SOAP pode conter um ou mais elementos Fault que são opcionais e usados para indicar mensagens de erro. C) o atributo encodingstyle do elemento Envelope é utilizado para definir os tipos de dados utilizados no documento. Este atributo pode aparecer apenas no elemento Envelope. D) o xmlns:soap namespace deve sempre ter o valor "http://www.w3.org/2001/12/soap-envelope". Se um namespace diferente for usado, o aplicativo gera um erro e descarta a mensagem. E) se houver um elemento Fault na mensagem, ele deve aparecer obrigatoriamente como um elemento filho do elemento Header.

53 17 - FCC TJ/PA No âmbito dos Web Services, o protocolo padrão OASIS que especifica um método para descoberta de diretórios de serviços é o A) DOM/XML. B) HTTP. C) SOAP. D) WSDL. E) UDDI.

54 18 - FCC ALE/RN No protocolo SOAP, o elemento Fault é opcionalmente utilizado para indicar mensagens de erro. Um de seus subelementos descreve o responsável pela causa da falha. Este subelemento é chamado A) <detail> B) <origin> C) <faultsource> D) <faultactor> E) <fault name="source">

55 19 - FCC SEFAZ/SP Instruções: Para responder a questão, considere o texto a seguir: A equipe de TI da empresa A necessita de um módulo de software que pesquise a situação fiscal de seus clientes. Como a entrega do projeto está atrasada, decidiu-se utilizar um web service de uma empresa B. Para saber se o serviço atende às necessidades da empresa, a equipe de TI fez uma busca em um serviço de diretório no qual a empresa B publicou a descrição. Nessa descrição foram disponibilizadas informações como, por exemplo, as funções que o serviço possui, as informações de entrada necessárias para que o serviço possa ser executado e os tipos de resultados que o serviço disponibiliza. Para publicar essas informações, a empresa B utilizou uma linguagem baseada no padrão XML. Após buscar no serviço de diretório e constatar que o serviço atendia às necessidades da empresa, a equipe de TI contratou o serviço. Desenvolveu-se, então, um módulo de software que troca mensagens entre a aplicação e o web service utilizando o protocolo SOAP, baseado em XML. As mensagens são transmitidas utilizando-se o protocolo HTTP em conjunto com outros padrões web. O serviço de diretório citado no texto e a linguagem utilizada para publicar a descrição do serviço são, respectivamente, A) WS-RPC e XSLT. B) EDI e WS-Inspection. C) UDDI e WSDL. D) UDDI e XSL. E) EDI e BPEL.

56 20 - FCC SEFAZ/SP Para responder a questão, considere o texto a seguir: A equipe de TI da empresa A necessita de um módulo de software que pesquise a situação fiscal de seus clientes. Como a entrega do projeto está atrasada, decidiu-se utilizar um web service de uma empresa B. Para saber se o serviço atende às necessidades da empresa, a equipe de TI fez uma busca em um serviço de diretório no qual a empresa B publicou a descrição. Nessa descrição foram disponibilizadas informações como, por exemplo, as funções que o serviço possui, as informações de entrada necessárias para que o serviço possa ser executado e os tipos de resultados que o serviço disponibiliza. Para publicar essas informações, a empresa B utilizou uma linguagem baseada no padrão XML. Após buscar no serviço de diretório e constatar que o serviço atendia às necessidades da empresa, a equipe de TI contratou o serviço. Desenvolveu-se, então, um módulo de software que troca mensagens entre a aplicação e o web service utilizando o protocolo SOAP, baseado em XML. As mensagens são transmitidas utilizando-se o protocolo HTTP em conjunto com outros padrões web. Segundo o texto, a troca de mensagens entre a aplicação e o web service utiliza o protocolo SOAP. Uma mensagem SOAP é um documento XML que pode conter diversos elementos. S obre esses elementos, é correto afirmar que A) se um elemento Fault está presente na mensagem, ele deve aparecer como um elemento filho do elemento Header. B) se o elemento Header estiver presente na mensagem SOAP, ele deve ser o primeiro elemento filho do elemento SOAP. C) o elemento Fault é obrigatório e é usado para recuperar mensagens de erro e informações de status resultantes do envio da mensagem. D) o elemento SOAP é o elemento raiz de uma mensagem, e define que o documento XML é uma mensagem SOAP. E) um elemento Fault não pode aparecer mais que uma vez em uma mensagem SOAP.

Exercícios Aula 2 BR 2013

Exercícios Aula 2 BR 2013 Conceitos e tecnologias relacionadas à Internet: Protocolos relevantes para aplicações Internet; Princípios e arquitetura da Internet; Linguagens de marcação, transformação e apresentação. Usabilidade,

Leia mais

A Estrutura de um Web Service

A Estrutura de um Web Service A Estrutura de um Web Service Paulo Vitor Antonini Orlandin paulovitor_e@hotmail.com Resumo Atualmente, o Serviço Web é a solução mais utilizada para integração entre sistemas, pois apresenta vantagens

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) (extensible( Markup Language ) Origens (extensible Markup Language linguagem de marcação extensível) Criada em 1996 pelo W3C (World

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

Soluções de integração: SOA, web services e REST + XML/XSD

Soluções de integração: SOA, web services e REST + XML/XSD Soluções de integração: SOA, web services e REST + XML/XSD WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Acesse nosso site em WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Cursos Livros Fórum Simulados Blog Materiais Turmas em Brasília, na sua cidade,

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Acessibilidade no SIEP (Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica) Módulo de Acessibilidade Virtual CEFET Bento Gonçalves RS Maio 2008 ACESSIBILIDADE À WEB De acordo com Cifuentes (2000),

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica Desenvolvimento de Web Services com SOAP. 1. Introdução. Com a tecnologia de desenvolvimento

Leia mais

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados Introdução Definição Validação Apresentação Processamento Banco de Dados Universo XML Prof. Enzo Seraphim Popularidade do HTML Extremamente simples Estilo próprio para formatação de documentos Ligações

Leia mais

Aplicativos para Internet Aula 01

Aplicativos para Internet Aula 01 Aplicativos para Internet Aula 01 Arquitetura cliente/servidor Introdução ao HTML, CSS e JavaScript Prof. Erika Miranda Universidade de Mogi das Cruzes Uso da Internet http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/world-wide-web-ou-www-completa-22-anos-nesta-terca-feira.aspx

Leia mais

Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos

Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos Linguagem de Programação para Web Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos Prof. Mauro Lopes 1-31 20 Objetivo Iremos aqui apresentar a estrutura básica de um documento HTML e iremos também apresentar

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML Otávio C. Décio Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML de Otávio C. Décio Copyright@2000 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Conceitos Web Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011 Tecnologias Web jgw@unijui.edu.br Conceitos Básicos Sistema

Leia mais

SOAP. Web Services & SOAP. Tecnologias de Middleware 2004/2005. Simple Object Access Protocol. Simple Object Access Protocol SOAP

SOAP. Web Services & SOAP. Tecnologias de Middleware 2004/2005. Simple Object Access Protocol. Simple Object Access Protocol SOAP Web Services & SOAP Tecnologias de Middleware 2004/2005 SOAP Simple Object Access Protocol Os web services necessitam de comunicar entre eles e trocar mensagens. O SOAP define a estrutura e o processamento

Leia mais

2.Consulta UDDI. 3.Obtém URL, WSDL. 1.Registra. 4.Invoca o serviço. 5.Retorno (opcional)

2.Consulta UDDI. 3.Obtém URL, WSDL. 1.Registra. 4.Invoca o serviço. 5.Retorno (opcional) WS-* Desenvolvimento 1 Definição Web services são aplicações modulares auto- descritas e auto-contidas, que podem ser conectadas e acopladas a outros web services [IBM] são componentes de software com

Leia mais

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML extensible Markup Language Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML Projetada para transportar e armazenar dados (estruturados) Importante conhecer e fácil de entender Exemplo de documento

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é:

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: 1.264 Aula 13 XML O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: Uma recomendação proposta pelo World Wide Web Consortium (W3C) Um formato de arquivo Documentos eletrônicos

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet Avançada 4. Web Services Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt São módulos de aplicações de negócios que expõem as regras do negócio como serviços na Internet através

Leia mais

Web Services XML SOAP WSDL UDDI Desenvolvimento Informações Adicionais 1 Web Services Definição Web services são aplicações modulares auto- descritas e auto-contidas, que podem ser conectadas e acopladas

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011 XML Básico Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro 17 de maio de 2011 O QUE É? Sigla para extensible Markable Language É uma linguagem de marcação, assim como HTML Desenvolvida para ser auto explicativa

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS IRATI PROJETO DO CURSO DE PROGRAMADOR WEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS IRATI PROJETO DO CURSO DE PROGRAMADOR WEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS IRATI PROJETO DO CURSO DE PROGRAMADOR WEB IRATI 2012 SUMÁRIO 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

Web Design. Prof. Felippe

Web Design. Prof. Felippe Web Design Prof. Felippe 2015 Sobre a disciplina Fornecer ao aluno subsídios para o projeto e desenvolvimento de interfaces de sistemas Web eficientes, amigáveis e intuitivas. Conceitos fundamentais sobre

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML Juliano Niederauer Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML de Juliano Niederauer Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos

Leia mais

DWEB. Design para Web. CSS3 - Fundamentos. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

DWEB. Design para Web. CSS3 - Fundamentos. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico DWEB Design para Web Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico CSS3 - Fundamentos E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual

Leia mais

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes Desenvolvimento Web Introdução a XHTML Prof. Bruno Gomes 2014 Introdução HTML e XHTML Estrutura básica do documento DTDs Validação do documento Exercícios HTML e XHTML HTML (Hipertext Markup Language)

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

css Cascading Style Sheets CSS CASCADING STYLE SHEETS

css Cascading Style Sheets CSS CASCADING STYLE SHEETS css Cascading Style Sheets CSS CASCADING STYLE SHEETS Oque é o CSS Cascading Style Sheets - Folhas de Estilo em Cascata Não é uma linguagem de programação, é uma linguagem de estilo. Define a apresentação

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira www.vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br

Desenvolvimento de Aplicações Web. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira www.vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br Desenvolvimento de Aplicações Web Programação Contextualização de aplicações Web: navegadores e servidores como interpretadores, tecnologias do lado do cliente (XHTML, CSS, Javascript) e do lado do servidor

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML.

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. Relatório do GPES Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. XML Estrutura do documento Um documento XML é uma árvore rotulada onde um nó externo consiste de: [1] Dados de caracteres (uma

Leia mais

Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery

Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery Professor: Marcelo Ricardo Minholi CH: 32 horas anuais (4 dias de 8 horas) Umuarama - 2012 Fundamentação Teórica: HTML (acrônimo para a expressão inglesa

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Minicurso Web Services com PHP

Minicurso Web Services com PHP Minicurso Vinícius Costa de Souza viniciuscs@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~vinicius julho de 2005 Apresentações Nome Conhecimentos sobre Web Services Conhecimentos sobre PHP Expectativas referentes

Leia mais

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário inventa as marcas através de DTDs XML Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs Unidade física - as entidades Armazenamento separado dos dados Como toda linguagem de marcação: XML

Leia mais

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Motivação extensible Markup Language W3C: World Wide Web Consortium http://www.w3.org 1.0 W3C Recommendation, 10/Fev/1998 (inicial) W3C Recommendation, 04/Fev/2004, 3

Leia mais

7. Cascading Style Sheets (CSS)

7. Cascading Style Sheets (CSS) 7. Cascading Style Sheets (CSS) O CSS (Folha de Estilo em Cascata) é um padrão de formatação para páginas web que vai além das limitações impostas pelo HTML. O Cascading Style Sheets não é exatamente uma

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 5 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 5 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 5 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar as principais tags utilizadas na construção de páginas Web. Compreender as principais funcionalidades de cada tag utilizada.

Leia mais

Tecnologias para Web Design

Tecnologias para Web Design Tecnologias para Web Design Introdução Conceitos básicos World Wide Web (Web) Ampla rede mundial de recursos de informação e serviços Aplicação do modelo de hipertexto na Web Site Um conjunto de informações

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.1 Conceitos Básicos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo 1.Discutir

Leia mais

Apostila de XHTML Curso de Internet Professor Rinaldo Demétrio

Apostila de XHTML Curso de Internet Professor Rinaldo Demétrio Conteúdo XHTML - Por quê?... 2 Porque XHTML?... 2 Diferenças Entre XHTML e HTML... 3 Como Preparar-se para a XHTML... 3 As Diferenças Mais Importantes:... 3 Os Elementos Devem Estar Devidamente Aninhados...

Leia mais

Bem-vindo ao XML. Apostila de XML

Bem-vindo ao XML. Apostila de XML Bem-vindo ao XML Bem-vindo a Extensible Markup Language, XML, a linguagem para tratamento de dados em uma forma compacta, fácil de gerenciar sem mencionar o mais poderoso avanço visto na Internet nos últimos

Leia mais

MÓDULO 1 - xhtml Básico

MÓDULO 1 - xhtml Básico MÓDULO 1 - xhtml Básico 1. Introdução xhtml significa Extensible Hypertext Markup Language (Linguagem de Marcação Hipertextual Extensível) e é a linguagem de descrição de documentos usada na World Wide

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL Sistemas Distribuídos na Web Pedro Ferreira DI - FCUL Arquitetura da Web Criada por Tim Berners-Lee no CERN de Geneva Propósito: partilha de documentos Desde 1994 mantida pelo World Wide Web Consortium

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza Técnicas e processos de produção Profº Ritielle Souza INTRODUÇÃO HTML Sigla em inglês para Hyper Text Markup Language, traduzindo daria algo como Linguagem para marcação de Hipertexto. E o que seria o

Leia mais

CSS é a abreviatura para Cascading Style Sheets Folhas de Estilo em Cascata

CSS é a abreviatura para Cascading Style Sheets Folhas de Estilo em Cascata CSS CSS é a abreviatura para Cascading Style Sheets Folhas de Estilo em Cascata CSS é uma linguagem para estilos (formatação) que define o layout de documentos HTML. CSS controla fontes, cores, margens,

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

Introdução ao XML. Extensible Markup Language

Introdução ao XML. Extensible Markup Language Introdução ao XML Extensible Markup Language Tutorial - XML XML: Extensible Markup Language Uma linguagem de marcas na estruturação, no armazenamento e no transporte de dados na Web Gere os dados numa

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Internet Internet é o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam entre si Internet não é sinônimo de WWW (World Wide

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello 1/39 Serviços Web (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 22 de Maio de 2007 2/39 Arquitetura Orientada a Serviços Arquitetura

Leia mais

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX Bruno Simões Kleverson Pereira Marcos Santos Eduardo Barrere Associação Educacional Dom Bosco - AEDB RESUMO

Leia mais

Internet. Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação

Internet. Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação Internet Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação Histórico da Web World Wide Web o nosso www é o meio de comunicação mais utilizado no mundo atualmente. Através da WWW qualquer usuário conectado

Leia mais

SOA na Prática Ricardo Limonta

SOA na Prática Ricardo Limonta SOA na Prática Ricardo Limonta Arquiteto JEE Objetivo Apresentar os conceitos de Arquiteturas Orientadas a Serviços; Entender a relação entre SOA e a tecnologia Web Services; Implementar SOA com Web Services

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Unidade: O que é CSS? HTML e CSS? Boa aula!!!

Unidade: O que é CSS? HTML e CSS? Boa aula!!! Unidade: O que é CSS? HTML e CSS? Boa aula!!! Objetivo Construir: Padrões Web, Tableless e outros Como inserir o CSS nas páginas Sintaxe de utilização do CSS Tag DIV e tag SPAN Orientações Durante a explanação

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

Web Design Aula 13: Introdução a CSS

Web Design Aula 13: Introdução a CSS Web Design Aula 13: Introdução a CSS Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Você lembra que HTML e XHTML são linguagens de marcação? Para organizar melhor o visual das páginas

Leia mais

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping;

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping; Guia de Orientação para Implementação de Web Services Este documento apresenta alguns direcionamentos referentes à implementação de web services. É uma versão preliminar da construção do Guia de Orientação

Leia mais

Bibliografia. http://www.w3schools.com/ Use a Cabeça HTML com CSS e XHTML, Freeman e Freeman. XML for Dummies, Lucinda Dykes.

Bibliografia. http://www.w3schools.com/ Use a Cabeça HTML com CSS e XHTML, Freeman e Freeman. XML for Dummies, Lucinda Dykes. Conceitos e tecnologias relacionadas à Internet: Protocolos relevantes para aplicações Internet; Princípios e arquitetura da Internet; Linguagens de marcação, transformação e apresentação. Usabilidade,

Leia mais

QUEM FEZ O TRABALHO?

QUEM FEZ O TRABALHO? Introdução a Linguagem HTML: Conceitos Básicos e Estrutura ANA PAULAALVES DE LIMA 1 QUEM FEZ O TRABALHO? Com as tagsaprendidas hoje, faça uma página HTML sobre você com as seguintes informações: Seu nome

Leia mais

Módulo 11 A Web e seus aplicativos

Módulo 11 A Web e seus aplicativos Módulo 11 A Web e seus aplicativos Até a década de 90, a internet era utilizada por acadêmicos, pesquisadores e estudantes universitários para a transferência de arquivos e o envio de correios eletrônicos.

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web

Introdução à Tecnologia Web Introdução à Tecnologia Web JavaScript Sintaxe da Linguagem: Delimitadores e etc Profª MSc. Elizabete Munzlinger JavaScript Sintaxe da Linguagem Índice 1 SINTAXE DA LINGUAGEM... 2 1.1 Delimitadores de

Leia mais

Introdução. http://www.youtube.com/watch?v=6gmp4nk0eoe

Introdução. http://www.youtube.com/watch?v=6gmp4nk0eoe Introdução http://www.youtube.com/watch?v=6gmp4nk0eoe Treinamento básico em software I Código HTML - Concebido por Tim Berners-Lee Berners-Lee atualmente mantém um blog que discute questões atuais sobre

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://www.about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://www.about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://www.about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução ao DTD Elementos Atributos Entidades Validando um documento XML DTD (DOCUMENT

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais