O Plano Gerontológico da Região Autónoma da Madeira corresponde a uma medida do Programa do X Governo Regional da Madeira, presidido pelo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Plano Gerontológico da Região Autónoma da Madeira 2009-2013 corresponde a uma medida do Programa do X Governo Regional da Madeira, presidido pelo"

Transcrição

1

2

3

4

5 O Plano Gerontológico da Região Autónoma da Madeira corresponde a uma medida do Programa do X Governo Regional da Madeira, presidido pelo Dr. Alberto João Cardoso Gonçalves Jardim, tendo como Secretário Regional dos Assuntos Sociais, o Dr. Francisco Jardim Ramos.

6

7

8 Índice Prefácio Introdução. Resenha Histórica..Um olhar sobre as preocupações e as medidas sociais com o envelhecimento na Região Autónoma da Madeira.. Construção das políticas face ao envelhecimento populacional.3. Políticas, a nível Nacional e Regional, para as Pessoas Idosas.3.. Programa Nacional para a Saúde das Pessoas Idosas.3.. Plano de Saúde da Região Autónoma da Madeira.3.3. Plano Regional de Acção Social /PRAS, Enquadramento.. Processo de envelhecimento.. Envelhecimento demográfico e caracterização da população idosa da Região Autónoma da Madeira.. Aspectos demográficos... Estrutura da família..3. Nível de ensino..4. Habitação..5. Aspectos sócio-económicos..6. Saúde.3. Intervenção na População idosa - Realidade actual.3.. Aspectos da rede informal de apoio.3.. A rede formal de apoio.3... Respostas no âmbito da Segurança Social.3... Serviço de Ajuda Domiciliária (SAD).3... Tele-assistência Centros de Convívio Centros de Dia Centros de Dia/Convívio Centros de Noite Residências Lares Pág.: Pág.: Pág.: 4 Pág.: 6 Pág.: 8 Pág.: 3 Pág.: 3 Pág.: 4 Pág.: 4 Pág.: 6 Pág.: 8 Pág.: 30 Pág.: 3 Pág.: 38 Pág.: 39 Pág.: 40 Pág.: 4 Pág.: 44 Pág.: 48 Pág.: 49 Pág.: 50 Pág.: 50 Pág.: 5 Pág.: 5 Pág.: 5 Pág.: 53 Pág.: 53 Pág.: 54 Pág.: 54 Pág.: 54 PLANO GERONTOLÓGICO DA RAM ß Viver mais, Viver melhor 008ß05

9 Instituições Particulares de Solidariedade Social Respostas no âmbito da Saúde Recursos físicos Consultas médicas Visitas domiciliárias de enfermagem Internamento de idosos Rede Regional de Cuidados Continuados Integrados - RRCCI Formação no âmbito da SRAS Educação Respostas das Autarquias 3. Posicionamento Estratégico 3.. Envelhecimento activo 3.. Dependências 3.3. Capacitação e Formação Específica Finalidade, Objectivo Geral e Estratégias 4.. Finalidade 4.. Objectivo Geral 4.3. Estratégias 5. Gestão do Plano Gerontológico Glossário Bibliografia Ficha Técnica Pág.: 55 Pág.: 55 Pág.: 56 Pág.: 56 Pág.: 57 Pág.: 58 Pág.: 60 Pág.: 6 Pág.: 63 Pág.: 65 Pág.: 66 Pág.: 68 Pág.: 70 Pág.: 70 Pág.: 7 Pág.: 74 Pág.: 74 Pág.: 74 Pág.: 8 Pág.: 84 Pág.: 9 Pág.:

10 Prefácio PLANO GERONTOLÓGICO DA RAM ß Viver mais, Viver melhor 009ß03

11 O Plano Gerontológico da Madeira é um documento orientador e mais uma porta de Esperança para os nossos concidadãos que vivem esta etapa do ciclo vital, a de ficar cada vez menos jovens. Nas próximas décadas, a Região Autónoma da Madeira enfrentará uma profunda transformação na sua estrutura populacional, em face do envelhecimento progressivo da população, fruto da conjugação de dois factores: o aumento da esperança de vida e a crescente diminuição da taxa de natalidade. Conscientes das implicações que este fenómeno universal, característico das sociedades dos países desenvolvidos, terá em termos de Saúde Pública e na própria evolução das relações familiares e sociais, tornou-se para nós, Governo Regional da Madeira, fundamental e priorário definir uma estratégia de acção, a nos premitir antecipar respostas e a criar soluções para a Terceira Idade ser vivida de forma saudável e autónoma. Foi com este espírito que elaborámos o Plano Gerontológico da Madeira, um instrumento de planeamento e intervenção, norteado por Princípios e Valores que consolidam os Direitos e a Dignidade da Pessoa Idosa. Pretende-se com este documento, relevar e potenciar a política e o trabalho que orgulhosamente temos desenvolvido e concretizado para os Idosos. Bem como continuar a inovar soluções, promovendo uma mudança de mentalidades e de atitudes perante a Pessoa Idosa, numa responsabilidade colectiva que a todos envolve. Saliento a criação de um Boletim de Saúde da Pessoa Idosa, a constituição de Unidades Residenciais inseridas nas comunidades locais, a promoção e regulamentação da Figura do Cuidador e Mandatário do Idoso, como medidas de cariz inovador e pioneiro as quais contribuirão para uma maior e mais efectiva protecção social. Entendemos o Idoso como um recurso imprescindível da nossa sociedade, valorizamos o seu legado e queremos cultivar um relacionamento multigeracional, enquanto parte importante do processo de Desenvolvimento Integral de toda a comunidade madeirense. O envelhecimento da população é um trunfo, uma conquista, um desafio que está à nossa altura. Aos grandes desafios só sabemos responder com grande empenho, espírito de missão e audácia inovadora. Mais uma vez nos afirmamos pioneiros em Portugal no desenvolvimento das políticas para melhorar a Qualidade de Vida dos nossos Idosos. O Presidente do Governo Regional da Madeira Alberto João Cardoso Gonçalves Jardim Em quarenta e três medidas e catorze objectivos, delineámos uma estratégia global e integrada de todos os parceiros e intervenientes sociais, em favor da melhoria da qualidade de vida dos nossos Idosos, para que vivam Mais e Melhor. 0

12 Introdução PLANO GERONTOLÓGICO DA RAM ß Viver mais, Viver melhor 009ß03

13 O envelhecimento é uma etapa do ciclo vital, sendo que, idealmente, deve ser vivida de forma saudável e autónoma, o mais tempo possível. Esta premissa implica, naturalmente, um exercício de mudança nos comportamentos e atitudes da população, em geral, formação dos profissionais de saúde e de outros campos de intervenção social, uma adequação dos serviços de saúde e de apoio social às novas realidades sociais e familiares que acompanham o envelhecimento individual e demográfico e adaptação do meio envolvente às debilidades que, mais frequentemente, acompanham a idade avançada. A dilação da vida, em mais anos vividos em absoluto, associada a uma baixa importante da fecundidade, tem conduzido ao envelhecimento da população. Na Região Autónoma da Madeira, até 050, as previsões estatísticas permitem estimar que a população idosa será mais do dobro do que a actual. A percentagem deste grupo etário é neste momento inferior à dos jovens; no entanto em 050, os idosos serão 57,44% da população total. No contexto demográfico actual, em que se assiste a uma modificação das pirâmides etárias, as politicas públicas têm a obrigação de enquadrar o desafio de oferecer ao cidadão a oportunidade de envelhecer com saúde num registo de autonomia e independência, vivendo o mais tempo possível. Assim, o envelhecimento activo deve ser assumido, por um lado, como um projecto de vida individual e, por outro, como uma responsabilidade colectiva, sendo essa responsabilidade colectiva multisectorial, envolvendo a saúde, a educação, a segurança social e o trabalho, a justiça, o desenvolvimento rural e urbano, a habitação, os transportes, o turismo, as novas tecnologias, a cultura e ainda os valores que cada sociedade defende e que cada cidadão tem como seus. Assim, surge o presente trabalho que se intitula: Plano Gerontológico da RAM , como documento de orientação estratégica que, num quadro de referência, ensaia a definição de objectivos estratégicos e horizontes temporais, bem como define medidas que vão influenciar a adequação de um conjunto de respostas às necessidades das pessoas idosas para ainda enunciar metas e indicadores numa visão prospectiva de desenvolvimento táctico de maneira a construirmos modelos organizativos capazes de responder às novas realidades sociais que emergem. Por outro lado, assume-se como um instrumento gerador de sinergias e de metodologias de intervenção multisectoriais que podem contribuir para minimizar a situação de desigualdade regional, uma vez que a mortalidade masculina e feminina, acima dos 65 anos, é maior do que no todo nacional e na União Europeia tal como a esperança de vida que é menor relativamente ao país, no todo e à união europeia, quer seja à nascença quer seja acima dos 65 anos. O Plano Gerontológico da Madeira que agora se apresenta, além de se ter inspirado num conjunto de documentos de referência nacionais e internacionais, ouviu alguns experientes regionais sobre práticas com êxito a este nível, contando com o apoio técnico da Direcção Regional de Estatística no que se refere à componente da demografia do envelhecimento e retrata, tão fiel quanto possível, o percurso evolutivo da politica regional para a população idosa, pioneira em muitas das experiências com reconhecidos ganhos sociais e de saúde para a população. O Plano que surge em complementaridade a outros instrumentos de recomendação e mediação estratégica, a nível da saúde e da segurança social, estabelece três grandes estratégias de intervenção: - Envelhecimento Activo - Dependências e Segurança - Capacitação e Formação Específica Procura, como ferramenta de planeamento e intervenção, contribuir para a consolidação de um entendimento estratégico na área da política para os mais idosos, ser motor de mudança e inovação aos vários níveis de operação e, ainda, ser orientador das acções a nível local, incluindo as áreas da informação, formação e boas práticas. 3

14 Resenha Histórica PLANO GERONTOLÓGICO DA RAMß Viver mais, Viver melhor 009ß03

15 . Resenha Histórica..Um olhar sobre as preocupações e as medidas sociais com o envelhecimento na Região Autónoma da Madeira.. Construção das políticas face ao envelhecimento populacional.3. Políticas, a nível Nacional e Regional, para as Pessoas Idosas.3.. Programa Nacional para a Saúde das Pessoas Idosas.3.. Plano de Saúde da Região Autónoma da Madeira.3.3. Plano Regional de Acção Social /PRAS, Pág.: 6 Pág.: 8 Pág.: 3 Pág.: 3 Pág.: 4 Pág.: 4 4 5

16 Resenha Histórica.. UM OLHAR SOBRE AS PREOCUPAÇÕES E MEDIDAS SOCIAIS COM O ENVELHECIMENTO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA O trabalho planificado com e para a população idosa existe na Região Autónoma da Madeira (RAM) desde os anos oitenta e foi desencadeado quase em simultâneo com o início do processo autonómico (976). Foi então feito um Estudo sobre os Idosos da RAM e, a partir do mesmo, foi feita a reestruturação dos serviços sociais e de saúde referentes a esta população e criadas novas respostas sociais. Tal intervenção era sobretudo centrada no objectivo de prevenção do isolamento da pessoa idosa, fazendo-se o apelo a não isolar o idoso, a mantendo-o no seio da família, recorrendo-se a outras alternativas só nos casos de extrema necessidade. Por isso valorizaram-se as relações familiares e de vizinhança, recriando-se as condições de vida habituais, em concreto proporcionando-lhes uma habitação condigna. O programa então implementado: - Originou a criação, no início dos anos oitenta, do Serviço de Ajuda Domiciliária, que numa década se estendeu a todos os concelhos e freguesias da Região, tendo por objectivo apoiar os idosos a permanecerem no seu habitat, com as suas famílias, com autonomia e dignidade. Em Abril de 99, a Ajuda Domiciliária era prestada a cerca de quatro mil idosos, para uma população de cerca de 50 mil habitantes 3 ; - Esteve na origem da reestruturação dos Lares existentes, privilegiando-se e apetrechando-se os mesmos para uma missão de apoio à população mais carenciada de cuidados, o que nem sempre significa ser a mais pobre ou doente, dado terem dependências decorrentes da sua situação física, familiar, ambiental e/ou social; - Promoveu a criação de Centros de Dia, seguindo-se a estratégia de dotar os Lares com este tipo de resposta, na medida em que inicialmente a população pretendia apenas o internamento em Lares; - Continha medidas de prevenção, nomeadamente a articulação entre a Segurança Social e as Autarquias na adaptação das habitações e dos seus acessos às necessidades das pessoas mais velhas e a implementação em bairros ou habitações sociais de casas preparadas para idosos, em ligação com o então Instituto de Habitação da Madeira (IHM); - Criou programas de férias para os idosos e suas famílias, o que podia implicar um internamento provisório, em regra de um mês; - Promoveu o ensino de adultos a idosos, com professores destacados pela Secretaria Regional de Educação, integrando-o na programação das actividades dos Equipamentos, tendo sido desenvolvidas ainda actividades de animação, de terapia ocupacional, de ginástica e de reabilitação com recurso à fisioterapia. Procurava-se com estas acções melhorar a autonomia e minimizar os efeitos do isolamento psicossocial dos Seniores. Em 99, de 3 a 5 de Abril, realizou-se no Funchal a Conferência Europeia As Pessoas Idosas e a Família, Solidariedade entre Gerações, promovida pela Comissão das Comunidades Europeias em parceria com o Ministério do Emprego e da Segurança Social e com a Secretaria Regional dos Assuntos Sociais (SRAS) da Região Autónoma da Madeira. Preparava-se então o Ano Europeu das Pessoas Idosas e da Solidariedade entre Gerações, a realizar em 993, e celebrava-se o Plano da Acção Internacional na Área do Envelhecimento, da Organização das Nações Unidas (ONU). Foi anunciado nesta Conferência que a Comissão iria lançar, em 993, o I Programa Europeu Comunitário a Favor das Pessoas Idosas. A Madeira foi convidada pela Comissão Europeia e pelas autoridades nacionais a realizar, no Funchal, essa importante conferência, devido ao reconhecimento pelo trabalho realizado na área do envelhecimento. No Ano Europeu das Pessoas Idosas, em 993, a Região foi seleccionada, através do Centro de Segurança Social da Madeira Estudo sobre os Idosos da RAM, realizado pela Direcção Regional da Segurança Social, Instituto Nacional de estatística e Fundação Calouste Gulbenkian, RAM, 980. Discurso de abertura do Presidente do Governo Regional da Madeira, Dr. Alberto João Jardim, na Conferência Europeia As Pessoas Idosas e a Família, Solidariedade entre Gerações, Funchal, Abril de Idem. PLANO GERONTOLÓGICO DA RAM ß Viver mais, Viver melhor 009ß03

17 (CSSM), a participar, com um grupo de nove países e dez promotores, no desenvolvimento de projectos inovadores, que validassem novas e boas práticas para a expansão do trabalho de solidariedade entre gerações. Assim, com a parceria do Centro Social e Paroquial da Encarnação (Estreito de Câmara de Lobos - ECL), enquanto promotor do projecto, da Escola Básica e Secundária do Estreito de Câmara de Loboa e da Secretaria Regional da Educação (SRE), foram criados pela primeira vez projectos intergerações na área escola e nos Clubes Intergerações em escolas básicas e secundárias, nomeadamente na do Estreito de Câmara de Lobos, seguida da do Galeão, no Funchal. Em 997, sete escolas tinham em funcionamento estes clubes, que têm a particularidade de serem aprovados pelos respectivos Conselhos Pedagógicos. Funcionavam, em regra, com um idoso para cada quatro alunos, constituindo vinte a vinte e dois participantes. Existiam clubes que integravam alguns idosos analfabetos. Foram identificados métodos e estratégias de trabalho conjunto, entre os quais a recolha de tradições, a troca de saberes, a realização de um jornal, o story line. Rapidamente se estendeu a outros promotores, que não só à Segurança Social, a Centros Paroquiais e a Escolas, mas ainda a Casas do Povo, a projectos da responsabilidade das Autarquias, das Misericórdias e de Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS). Esta estratégia está, hoje, amplamente implementada na Europa. Ainda na sequência destes projectos, realizou-se, em 996, o Seminário de Formação sobre Empowerment da População Idosa. A Madeira foi membro do Seminário Internacional Vida com projecto ao longo de Toda a Vida e Envelhecimento e Capacitação. Com base nos saberes identificados e testados por todos os parceiros europeus, foi elaborado um livro pela directora do projecto do Reino Unido (CEDC), Chris Jones - The Empowerment of older people, Examples of good practices from European countries. Nesta breve resenha histórica sobre a preocupação existente na Madeira, relativa à problemática do envelhecimento e trabalhos que se desenvolveram nesta área, passa-se a referir a acção do médico madeirense Dr. Agostinho Cardoso, cujo centenário do nascimento se comemorou em 008. Nas suas funções, enquanto deputado à Assembleia Nacional, (AN), em 967, requereu àquela Assembleia um debate sobre Os problemas da população idosa no nosso País, o fenómeno do envelhecimento da população e a Política do Problema da Velhice, no qual propôs as providências adequadas à sua solução dentro das possibilidades nacionais. Foram suas palavras na intervenção inicial, a chegada à velhice corresponde a ser-se posto diante de cinco categorias de problemas: I) cobertura económica; II) alojamento; III) ocupação (actividades compensadoras); IV) ambiente (ambiente familiar ou a sua substituição, convívio e lazeres); V) assistência sanitária integral (profilaxia da invalidez, assistência médica sanitária regular e recuperação). Das conclusões, destacam-se algumas medidas, umas que já tiveram aplicação e outras que ainda se encontram plenamente actuais: - Constituição de uma Comissão para estudo dos problemas da velhice no nosso País e para apresentação de propostas das bases de uma política de velhice ; - Uma política da velhice, em Portugal, devia começar por valorizar perante o país o respeito que merece a gente de terceira idade, a sua dignidade e direitos e a necessidade de independência económica. Há que enquadrar a pessoa idosa tanto quanto possível na família e em lar familiar, mediante uma política habitacional que a estimule; - Criação de uma pensão social; - Legislação que responsabilize os filhos ou outros parentes, paralelamente ao que a nossa legislação estabelece para filhos menores; - Adaptação subsidiada de apartamentos; - Diversificação da tipologia de lares e de outras habitações indi- 6 7

18 Resenha Histórica viduais ou colectivas extra-familiares; - Estruturação, a nível distrital, da assistência domiciliária às pessoas idosas; - Assistência domiciliária integrada; - Estímulo e fomento da intergeracionalidade; - Desenvolvimento da geriatria e do Equacionamento do problema das psicopatias da velhice; - Formação dos quadros técnicos para a assistência aos idosos; - Equacionamento das próteses de velhice no seu amplo conceito; - Avaliação global da situação da pessoa idosa, aquando da estruturação e aplicação de um programa de apoio; - Estudo da possibilidade do trabalho voluntário protegido ou em tempo parcial; - Organização de lazeres. Desta intervenção surgiu uma Moção da Assembleia Nacional que emitiu o seguinte voto: Que seja constituída uma Comissão que estude o problema da velhice e proponha as providências adequadas à sua solução dentro das possibilidades nacionais. 4 A referida Comissão foi constituída e teve a participação do Sr. Dr. Agostinho Cardoso. É neste contexto, numa nova realidade, que surge o Plano Gerontológico da RAM, dirigido às políticas de envelhecimento activo e a situações de dependência. EVIDÊNCIAS Criação de um programa integrado para a população idosa, no início do Governo Autónomo (976); Reconhecimento a nível nacional e europeu do trabalho realizado no âmbito das Pessoas Idosas na RAM; Participação no Programa Inovador Europeu a Favor das Pessoas Idosas, com a promoção de diferentes projectos (993); Acção do médico deputado madeirense Dr. Agostinho Cardoso na sensibilização a nível da Assembleia Nacional para a problemática do envelhecimento, do que resultou uma moção que recomendava a criação de uma Comissão que estude o problema da velhice (969). Esta Comissão foi implementada e desenvolveu um importante trabalho... CONSTRUÇÃO DAS POLÍTICAS FACE AO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL Em 98, a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou, em Viena, o primeiro documento mundial para servir de guia às políticas sobre o envelhecimento, assumindo assim, a liderança nesta área. Da aplicação deste documento e de saberes anteriormente identificados, aceites e reconhecidos pelos representantes dos Povos da Terra, em 99, foram aprovados pela Resolução 46/9, de 6 de Dezembro, os Princípios das Nações Unidas em Favor das Pessoas de Idade, os quais estão agrupados por cinco áreas de orientação, nomeadamente: princípio da independência; o princípio da participação; o princípio dos cuidados; o princípio da realização pessoal; o princípio de viver com dignidade. O princípio da independência pretende que estejam assegurados a todos os idosos, com a auto-suficiência de que dispõem, o acesso: à alimentação, à água, à habitação, à roupa, a cuidados de saúde e, ainda, o apoio da família e da comunidade. Inclui-se também a oportunidade de determinarem quando desejam trabalhar (ter outras fontes de rendimentos) e terem 4 In Problemas da População Idosa do Nosso País, o Fenómeno do Envelhecimento da População e a Política de Velhice, Agostinho Cardoso, Funchal, 998. PLANO GERONTOLÓGICO DA RAMß Viver mais, Viver melhor 009ß03

19 acesso à educação e à formação; viverem em sítios seguros; poderem fazer as necessárias adaptações nas suas habitações e residirem nas suas casas tanto tempo quanto possível. O princípio da participação define o direito das pessoas de idade a permanecerem integradas na sociedade, a tomarem parte na definição de políticas que se reflictam no seu bem-estar, a prestarem serviços à comunidade, a serem voluntários, a poderem formar movimentos e associações. O princípio dos cuidados deve garantir às pessoas idosas a protecção da família, de acordo com os seus padrões e valores culturais, os cuidados de saúde para recuperação do nível de bem-estar, a reabilitação, o direito a serviços de prevenção, o acesso aos serviços sociais e jurídicos que lhes assegurem a autonomia e protecção, a promoção de estímulo social, a segurança, a garantia de usufruir os direitos humanos, liberdades e garantias, o direito ao respeito pela dignidade, crenças, intimidade e opções de vida. O princípio da auto-realização reconhece às pessoas idosas o direito de aproveitar as oportunidades para desenvolvimento dos seus potenciais, nomeadamente, o acesso a recursos educativos, culturais, espirituais, recreativos e desportivos. O princípio de viver com dignidade é uma das mais profundas aspirações humanas. As pessoas de idade têm o direito de viver com dignidade e segurança e não serem exploradas; de não sofrerem maus-tratos físicos ou mentais. Devem ainda receber, em todas as circunstâncias, um tratamento digno, independentemente da idade, sexo, procedência étnica, do grau de independência ou dependência, habilitações literárias, riqueza ou contribuição económica para a sociedade. Já em 965, em Los Angeles, os representantes da Associação Internacional dos Cidadãos Idosos e a Federação Europeia para as Pessoas Idosas proclamaram uma Declaração dos Direitos das Pessoas Idosas, a fim de estabelecer o respeito pela vida e pela dignidade da pessoa humana. Essa Declaração de Direitos tem um articulado muito próximo dos Princípios das Nações Unidas em Favor das Pessoas Idosas, afirmando que a Pessoa de Idade tem direito: à existência física, à existência económica, à existência social à cultura e a dispor de si própria. Estes direitos, à semelhança do que acontece no texto das Nações Unidas, embora se verifique que as Pessoas de Idade nem sempre estão aptas a estabelecer e defender esses direitos, que são decorrentes da própria concepção da dignidade humana. Os mesmos direitos devem ser assegurados e defendidos pela família, concidadãos e sociedade. Justifica-se a citação desta Declaração dos Direitos das Pessoas Idosas, porque a mesma antecedeu em vinte e seis anos a Resolução 46/9 da ONU e porque esta foi adoptada na RAM (nas acções de formação a diferentes níveis e como princípios básicos do trabalho com idosos). A aprovação dos Princípios das Nações Unidas em favor das Pessoas de Idade tem não só o mérito de fomentar uma linguagem e valores comuns no desenvolvimento de políticas, com este grupo da população, mas também de passar do pensamento centrado nas Necessidades Básicas dos Indivíduos, para o reconhecimento dos Direitos das Pessoas Idosas. Interessa conhecer como evoluíram o debate e as medidas sobre a ambígua situação dos idosos ao nível da União Europeia. Em 99, Mme Odile Quintin 5, em representação da Comissão Europeia, expressava da seguinte forma, viva e concisa, a controvérsia então existente sobre o envelhecimento: Há uns anos atrás a problemática dos idosos, a nível da Comunidade Europeia era quase irrelevante. Tornando-se população não-activa, não eram considerados como agentes económicos. Mas depois, algo mudou. 5 Actas da Conferência Europeia As Pessoas Idosas e a Família, Solidariedade entre Gerações, intervenção na Sessão de Abertura, no Funchal, Abril

20 Resenha Histórica O que é que aconteceu? Como e porque é que as pessoas idosas entraram na agenda europeia? Uma coisa é certa, as Pessoas Idosas e as suas necessidades específicas adquiriram um peso muito grande, tornando-se demasiado importantes para se restringirem apenas à categoria do social. As Pessoas Idosas entraram na agenda europeia porque a sua importância na nova Europa ultrapassou a fronteira do social e do económico para se transformar num centro de interesse político. E, enumerava as principais questões que, à União Europeia, se colocavam: - Como renovaremos os nossos mercados de trabalho nas primeiras décadas do séc. XXI? A que custos? - O que pensar da recente facilidade de circulação? As pessoas idosas também se irão movimentar de um país para outro? Em massa? E para que destinos? Ou não circularão e serão abandonadas pelas gerações trabalhadoras que estarão a transitar? - Como fazer face às pressões contra os sistemas tradicionais de segurança social, pensões e legislação sobre a prestação de cuidados? Quem os pagará? Quererão pagá-los, nesse mundo ainda mais competitivo do que o actual? A Carta Social Europeia, adoptada por onze dos então doze Estados Membros, nos finais de 989, foi o marco da mudança na Europa. As pessoas idosas foram reconhecidas pela União Europeia, ao serem referidos os seus direitos após a idade da reforma, nomeadamente, o de fruírem um nível de vida adequado, receberem a devida assistência médica e social. Na sequência desta Carta, foi proposto o Primeiro Programa Comunitário Europeu a Favor das Pessoas Idosas, como acima se referiu, o qual foi lançado em 993, Ano Europeu dos Idosos e da Solidariedade entre Gerações. Ainda, segundo a já referida dirigente da UE, era então necessário dar uma dimensão europeia às questões postas, pelo que, antes de agir em conjunto, era fundamental encontrar uma linguagem comum. Assim, o início deste processo, no qual a RAM teve o privilégio de participar, visava como objectivo o intercâmbio e o conhecimento mútuo, entre os saberes e os conhecimento dos diferentes estádios e tipo de problemas do envelhecimento nos Estados Membros. E, citamos: Aprender com e de cada um dos parceiros. Entendermo-nos bem uns aos outros. O empenho pela eficácia das soluções exige que negociemos tudo o que sabemos. Em 999, de novo por iniciativa da ONU, celebrou-se o Ano Internacional do Idoso e deu-se então um grande passo ao introduzir-se o conceito de Uma Sociedade para Todas as Idades, o qual assentava nas quatro dimensões seguintes: I) desenvolvimento individual durante toda a vida; II) relações entre as várias gerações; III) relações mútuas entre envelhecimento da população e desenvolvimento e IV) situação dos idosos. Com estas celebrações, as Nações Unidas conseguiram despoletar não só uma maior consciência sobre os idosos, conhecimento das suas vivências, problemas associados e desencadeados pelo envelhecimento, mas também desenvolver a pesquisa e acção em matéria de políticas, em todo o mundo. Políticas e acções que procuraram incorporar, em todos os sectores da vida, as questões relacionadas com o envelhecimento e criar novas oportunidades relativas a todas as fases da vida. Em 00, a ONU com a colaboração da União Europeia, promoveu três seguintes importantes reuniões em Espanha: - II Assembleia Geral sobre o Envelhecimento (Madrid); - Fórum Científico de Valência; - Fórum Mundial de ONGs (Madrid). Da II Assembleia Geral sobre o Envelhecimento resultou o II Plano de Acção Internacional, que, citamos: exige mudanças das atitu- PLANO GERONTOLÓGICO DA RAM ß Viver mais, Viver melhor 009ß03

21 des, das políticas e das práticas em todos os níveis e em todos os sectores, para que se possam concretizar as enormes possibilidades que oferece o envelhecimento no século XXI. O objectivo deste Plano de Acção consistiu em garantir que, em todas as partes, a população possa envelhecer com segurança e dignidade e que os idosos possam continuar a participar nas suas respectivas sociedades como cidadãos com plenos direitos. Sem deixar de reconhecer que as bases de uma velhice sadia e enriquecedora são lançadas numa etapa inicial da vida. No Plano Internacional sobre o Envelhecimento, em 00, foram definidos vários temas centrais dos quais se destacam os seguintes: - Plena realização de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais de todos os Idosos; - Garantia dos direitos económicos, sociais e culturais dos Idosos, assim como dos direitos civis e políticos e a eliminação de todas as formas de violência e discriminação contra os Idosos; - Envelhecimento em condições de segurança, o que implica reafirmar o objectivo da eliminação da pobreza na velhice; - Capacitação dos Idosos para participarem plena e eficazmente na vida económica, política e social das suas sociedades, inclusive no trabalho remunerado e voluntário; - Criação de ambiente propício e favorável, nomeadamente, no seu habitat e no apoio às pessoas que lhes prestam assistência; - Oportunidades de desenvolvimento, realização pessoal e de bem-estar do indivíduo em todo o curso da sua vida, mesmo numa idade avançada, como por exemplo acesso à aprendizagem durante toda a vida e reconhecimento de que os Idosos não constituem um grupo homogéneo; - Reconhecimento da importância decisiva da família; - Assistência à saúde, apoio e protecção social dos idosos, inclusivo com a saúde preventiva e de reabilitação; - Promoção da associação entre o governo, em todos os seus níveis e a sociedade civil, com o sector privado e os próprios idosos no processo de transformação do Plano de Acção em medidas práticas. Do Fórum Científico de Valência citam-se as seguintes ideias 6 : - A educação infantil básica deve reforçar as imagens positivas que se oferecem sobre o papel social dos mais idosos, combatendo os estereótipos negativos ; - A educação deve ser uma actividade a realizar durante toda a vida ; - É de capital importância a participação activa das gerações mais velhas nas decisões que os afectam directamente a eles ; - A pobreza na população idosa deve ser considerada como uma problemática vital: acentua-se com a velhice para quem tem um passado cheio de pobreza ; - A formação de cuidadores necessita de um apoio e de dedicação especiais ; - O lar é um lugar de crucial importância para as pessoas idosas; a maioria, em todo o mundo, prefere esse lugar para envelhecer. Em 00, a Comissão Económica para a Europa, do Conselho Económico e Social da ONU, realizou a Conferência de Berlim, que fundamenta todos os seus compromissos, reforçando os direitos dos idosos da Carta Europeia, em que para um envelhecimento satisfatório o envelhecimento activo, comprometendo-se a garantir a protecção das situações de dependência e o apoio às famílias cuidadoras e recomendando a todos os Estados Membros a realização de um exame sistemático dos Planos e a qualidade de vida dos idosos. A Organização Mundial de Saúde (OMS), também em 00, através da sua Unidade de Envelhecimento e Curso de Vida, criou um projecto de apoio à formulação de planos de acção que promovam 6 Plan de Acción para las Personas Mayores, , Ministerio de Trabajo y Asuntos Sociales de España. 7 Idem. 0

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

SEGUNDA ASSEMBLEIA MUNDIAL SOBRE ENVELHECIMENTO CONCLUI EM MADRID; APROVA PLANO DE ACÇÃO E DECLARAÇÃO POLÍTICA

SEGUNDA ASSEMBLEIA MUNDIAL SOBRE ENVELHECIMENTO CONCLUI EM MADRID; APROVA PLANO DE ACÇÃO E DECLARAÇÃO POLÍTICA SEGUNDA ASSEMBLEIA MUNDIAL SOBRE ENVELHECIMENTO CONCLUI EM MADRID; APROVA PLANO DE ACÇÃO E DECLARAÇÃO POLÍTICA Governos Afirmam Conceito de Sociedade para Todas as Idades No encerramento da Segunda Assembleia

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades Emprego Digno: Inclusão Social e Protecção Social O aumento da longevidade está a criar uma nova fronteira para a humanidade, a ampliar as nossas perspectivas

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Plano de Atividades de 2016

Plano de Atividades de 2016 GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA IPSS Plano de Atividades de 2016 Fórum Sócio Ocupacional do GAC Unidade de Vida Protegida UPRO Formação Profissional Novembro de 2015 Plano de atividades 2016 1 Grupo de Ação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014 Plano de Acção da APP para o triénio 2012-201 Documento de trabalho para contributos Proposta I da APP 2012-201 ASSOCIAÇ PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 201

Leia mais

Envelhecimento Ativo e Educação ao Longo da Vida

Envelhecimento Ativo e Educação ao Longo da Vida Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação Envelhecimento Ativo e Educação ao Longo da Vida Alice Mendonça alice@uma.pt Internet: http://www.uma.pt/alicemendonca Enquadramento

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

Carta dos Direitos do Cliente

Carta dos Direitos do Cliente A pessoa com deficiência ou incapacidade, deve ser educada e viver na comunidade, mas com programas e apoios especiais. Cercisiago Carta dos Direitos do Cliente Março de 2010 Carta dos Direitos do Cliente

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009 2014 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 2009/2205(INI) 1.6.2010 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o papel das mulheres numa sociedade em envelhecimento (2009/2205(INI))

Leia mais

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Coordenação oficial: Coordenação técnica: Apoio: I Enquadramento O Plano de Acção para a Segurança Infantil (PASI) enquadra-se no projecto Europeu Child

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

Afirmamos desde a primeira hora a coesão Social como um desígnio Regional.

Afirmamos desde a primeira hora a coesão Social como um desígnio Regional. Inclusão e Assuntos Sociais No mandato que agora se inicia, coube-me a difícil mas honrosa tarefa de assumir a pasta da Inclusão e Assuntos Sociais, o que faço com enorme motivação e empenhamento. Questões

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Uma nova vida para crianças desprotegidas

Uma nova vida para crianças desprotegidas Uma nova vida para crianças desprotegidas As Aldeias de Crianças SOS têm a sua origem na Áustria. O seu fundador Hermann Gmeiner conseguiu aplicar uma ideia fundamental e realizar um sonho: dar uma mãe,

Leia mais

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos:

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos: Errata Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E - mail: Outros contactos: 1 Edição Instituto da Segurança Social, I.P. Coordenação e Supervisão Técnica Departamento

Leia mais

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS DE EMPREGO TRABALHO DOMÉSTICO: REGULAMENTAR, VALORIZAR E DIGNIFICAR A PROFISSÃO ARMANDO FARIAS Comissão Executiva do Conselho Nacional da

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Carta de São José sobre os direitos dos idosos de América Latina e Caribe

Carta de São José sobre os direitos dos idosos de América Latina e Caribe Carta de São José sobre os direitos dos idosos de América Latina e Caribe 2 Adotada na terceira Conferência regional intergovernamental sobre envelhecimento na América Latina e Caribe. San José de Costa

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO O Código da Ética no Desporto do Conselho da Europa para o Fair play no desporto é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto.

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 Rede Social Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 2012 Índice Introdução... 3 1 - Eixo de Intervenção Famílias... 5 2 - Eixo de Intervenção Educação e Cidadania... 8 3- Eixo

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, muda-se o ser, muda-se a confiança. Todo o mundo é composto de mudança tomando sempre novas qualidades.

mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, muda-se o ser, muda-se a confiança. Todo o mundo é composto de mudança tomando sempre novas qualidades. Seminário Envelhecimento da População Consequências Económicas, Sociais e Organizacionais 26 de junho de 2013 O soneto que estudámos de Luís de Camões, depois cantado numa interpretação livre nos anos

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050 Introdução: O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há quarenta anos estimava-se a população em cerca de 3000 milhões de pessoas. Daí em diante

Leia mais

Índice. Introdução 1. Caracterização do Projecto..3. Recursos Humanos 4. Actividades a Desenvolver 5. Avaliação...7. Programa de Voluntariado.

Índice. Introdução 1. Caracterização do Projecto..3. Recursos Humanos 4. Actividades a Desenvolver 5. Avaliação...7. Programa de Voluntariado. Índice Introdução 1 Caracterização do Projecto..3 Recursos Humanos 4 Actividades a Desenvolver 5 Avaliação...7 Programa de Voluntariado.11 Parceiros do Projecto..13 Anexos..14 0 Introdução O projecto que

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL 1 POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL Senhora Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores Membros

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

Situação das mulheres que se aproximam da idade da reforma

Situação das mulheres que se aproximam da idade da reforma 22.2.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 51 E/9 Situação das mulheres que se aproximam da idade da reforma P7_TA(2011)0360 Resolução do Parlamento Europeu, de 13 de Setembro de 2011, sobre a situação

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO Resolução do Conselho sobre uma agenda renovada no domínio da educação de adultos (2011/C

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA O DESPORTIVISMO NO JOGO É SEMPRE VENCEDOR (Fair play - The winning way) INTRODUÇÃO... 2 AS INTENÇÕES DO CÓDIGO... 2 DEFINIÇÃO DE FAIR PLAY... 2 RESPONSABILIDADE PELO FAIR PLAY...

Leia mais

---------------------------- ACTA NÚMERO CINCO -----------------------------

---------------------------- ACTA NÚMERO CINCO ----------------------------- Rede Social de Pombal Município de Pombal Largo do Cardal 3-44 Pombal ---------------------------- ACTA NÚMERO CINCO ----------------------------- -----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22 CASA DE SARRAZOLA Caracterização do imóvel: Edificação datada dos anos sessenta do séc. XIX, com cerca de 313 m2 de área coberta e 1638 m2 de quintal, doada a esta Misericórdia pela senhora drª Glória

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

INCENTIVO À PROMOÇÃO DA SAÚDE NAS POLÍTICAS LOCAIS A ACTUAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LISBOA NOS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE APPSP XXII Encontro Nacional

INCENTIVO À PROMOÇÃO DA SAÚDE NAS POLÍTICAS LOCAIS A ACTUAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LISBOA NOS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE APPSP XXII Encontro Nacional INCENTIVO À PROMOÇÃO DA SAÚDE NAS POLÍTICAS LOCAIS A ACTUAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LISBOA NOS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE APPSP XXII Encontro Nacional - Escola Nacional de Saúde Pública 29-05-2014 Maria

Leia mais

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005)

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005) V Articulação O PDS deve integrar orientações de outros programas a nível nacional, regional e localmente com os diversos planos, projectos, serviços e sectores específicos do Município, criando sinergias

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais