IRPF IMPOSTO DE RENDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IRPF IMPOSTO DE RENDA"

Transcrição

1 Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA IRPF IMPOSTO DE RENDA PESSOA FISICA E DIRPF 2013/2014 PALESTRANTE: EQUIPE LEFISC ATUALIZAÇÃO PAULO CÉSAR MARQUES TAVARES DE ANO 2014 APOIO: PARA OBTER UMA SENHA CORTESIA DO PORTAL LEFISC ENVIE UM PARA (51) ou consulte os números locais em nosso Portal Fone:(51)

2 SUMÁRIO 1 - ASPECTOS GERAIS DO IRPF E DIRPF Regime de caixa Conceito de residente no país Saída definitiva do país Espólio Declarações inicial e intermediária Obrigatoriedade de entrega da declaração Da dispensa da entrega da declaração Declaração simplificada X Declaração completa RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS NA DECLARAÇÃO RENDIMENTOS RECEBIDOS ACUMULADAMENTE RENDIMENTOS ISENTOS RENDIMENTOS DE TRIBUTAÇÃO EXCLUSIVA ATIVIDADE RURAl... 7 DEDUÇÕES 7.1-Dependentes Instrução Despesas medicas Pensão alimentícia... 8-DECLARAÇÃO DE BENS INCENTIVOS DE DEDUÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA ASPECTOS GERAIS FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 2

3 1 Aspectos Gerais do Imposto de Renda da Pessoa física e da declaração de ajuste anual. 1.1 Regime de Caixa O imposto de renda da pessoa física decorrente do trabalho, dos alugueis, royalties, dos ganhos de capital na venda de bens e direitos serão devidos no momento em que tais rendimentos são recebidos pela pessoa física. Por isso ocorrem: A Os rendimentos do trabalho assalariado, seja o empregador pessoa física ou jurídica, sofre a retenção do imposto de renda pela fonte pagadora, na data do pagamento do rendimento ao trabalhador, de acordo com a tabela progressiva mensal, cabendo ao empregador efetuar o devido recolhimento do valor retido. B Os rendimentos do trabalho não assalariado, de alugueis e royalties pagos por pessoa jurídica sofrerão a retenção do imposto de renda, pela tabela progressiva mensal vigente na data do pagamento do rendimento, cabendo à fonte pagadora o devido recolhimento do valor retido. C Os rendimentos do trabalho não assalariado, de alugueis e royalties recebidos de outra(s) pessoa(s) física(s) e os rendimentos auferidos do exterior serão tributados mensalmente através do carnê leão, pela própria pessoa física que o recebeu. Inclui também os rendimentos de pensão alimentícia recebida, cujo imposto de renda será calculado e recolhido na modalidade de carnê leão. No caso de ganho de capital na venda de bens e direitos, se houver imposto de renda a pagar no recebimento das vendas, este deverá ser calculado e recolhido no prazo fixado em lei (último dia útil do mês seguinte ao do recebimento) e tais rendimentos serão de tributação definitiva, portanto, na declaração de ajuste anual, esses rendimentos não serão computados como tributáveis, tampouco aproveitado o imposto recolhido sobre tais rendimentos. O resultado da atividade rural não será tributado no transcorrer do ano calendário, quando do recebimento das receitas decorrentes de atividade rural. A tributação que será sobre o resultado da atividade ocorrerá na declaração de ajuste anual Conceito de residente no país Para fins tributários do imposto de renda, serão considerados como residentes no país, a pessoa física que: I que resida no país em caráter permanente: 3

4 II que se ausente no exterior, para prestar serviço como assalariado de autarquias ou repartições do governo brasileiro, situados no exterior; III que ingresse no país: A com visto permanente na data da chegada; B com visto temporário: 1 - para trabalhar com vínculo empregatício; 2 - na data que complete 184 (cento e oitenta e quatro) dias, consecutivos ou não, de permanência no Brasil, dentro de um período de até doze meses; 3 na data da obtenção do visto permanente ou vínculo empregatício, se ocorrida antes de completar 184 dias, consecutivos ou não no Brasil, dentro de um período de até doze meses; IV brasileira, que adquiriu a condição de não residente no país, e que aqui retorne com ânimo definitivo, na data da entrada: V que se ausente do país, em caráter temporário ou permanente, sem entregar a comunicação de saída definitiva do país, durante os primeiros doze meses consecutivos de ausência. 1.3 Saída definitiva do país Quando a pessoa sair do país, deve observar o que segue: A Se a ausência do território nacional ocorrer em caráter temporário, porem permanecendo no exterior por mais de doze meses consecutivos deve: 1 apresentar a comunicação de saída definitiva, a partir da data da caracterização da condição de não residente e até o mês de fevereiro do ano calendário subsequente, incluindo, inclusive, os dependentes inscritos no CPF que se retirar do território nacional na mesma data do titular da comunicação; 2 Apresentar a declaração de saída definitiva do país, relativa ao período que tenha permanecido na condição de residente no Brasil, até o último dia útil do mês de abril do ano calendário seguinte ao da caracterização de não residente; 3 Recolher em quota única, na data final da entrega da declaração de saída definitiva do país, o imposto de renda apurado na declaração e quaisquer outros débitos tributários não quitados. B Se a ausência do território nacional ocorrer em caráter permanente, a pessoa física deverá: 4

5 1 Apresentar a Comunicação de Saída Definitiva do país, a partir da data da saída e até o último dia do mês de fevereiro do ano calendário seguinte ao da saída; 2 Apresentar a Declaração de Saída definitiva do país e outras declarações anteriores, caso estivesse obrigada e não houvesse efetuado a entrega, até o último dia útil do mês de abril do ano calendário seguinte ao da saída definitiva; 3-Recolher em quota única até o último dia útil do mês de abril do ano calendário seguinte ao da saída definitiva o imposto de renda apurado na declaração de saída definitiva e quaisquer outro débito tributário do imposto de renda deste contribuinte. 1.4 Espólio Declarações iniciais e intermediárias O espólio, ou seja, o conjunto do patrimônio e os respectivos rendimentos do falecido, ou de cujus se sujeitam à tributação do imposto de renda e também às obrigações tributárias acessórias como qualquer outro contribuinte. As declarações relativas ao ano do falecimento do contribuinte, aqui chamada de declaração inicial do espólio e a dos exercícios seguintes serão chamadas de declarações intermediárias. A declaração do espólio deve ser apresentada em nome do falecido, seu CPF, seu último endereço residencial. Nas declarações iniciais e intermediárias utilizar o código de natureza da ocupação relativa a espólio (81), deixando em branco a ocupação principal e seu respectivo código. A obrigatoriedade de entrega da declaração inicial e intermediária ocorrerá no caso em que os rendimentos e patrimônio estejam na condição de obrigatoriedade, ou seja, é necessário verificar todos os itens de obrigatoriedade de entrega de declaração. Enquanto não iniciado o inventário, as declarações devem ser apresentadas e assinadas pelo cônjuge meeiro, sucessor ou por representantes destes. A partir da abertura do inventário as declarações devem ser apresentadas e assinadas pelo inventariante, que indicará seu nome, sua inscrição no CPF e seu endereço na ficha de espólio. O prazo de entrega da declaração inicial e intermediária do espólio será o mesmo prazo dos demais contribuintes. Já a declaração final de espólio deverá ser apresentada pelo inventariante sempre que houver bens a inventariar. O prazo de entrega será o último dia útil do mês de abril do ano calendário seguinte ao da decisão judicial da partilha, sobrepartilha ou adjudicação dos bens inventariados, transitado em julgado até o último dia útil do mês de fevereiro do ano calendário seguinte ao da decisão judicial, ou da 5

6 lavratura da escritura pública de inventário e partilha, ou do transito em julgado, quando este ocorrer a partir de primeiro de março do ano calendário seguinte ao da decisão judicial da partilha, sobrepartilha ou adjudicação dos bens inventariados. 1.5 Obrigatoriedade de entrega da declaração A obrigatoriedade da entrega da declaração de ajuste anual do imposto de renda do exercício de 2014, relativa ao ano calendário de 2013, abrange as pessoas físicas, residentes no Brasil, que se encontravam em qualquer das situações abaixo em : I Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, em montante superior a R$ ,70 (vinte e cinco mil, seiscentos e sessenta e um reais e setenta centavos) II- auferiu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte em montante superior a R$ ,00 (quarenta mil reais); III Obteve em qualquer mês do ano calendário de 2012, ganhos de capital na alienação de bens e direitos, sujeito à incidência do imposto de renda, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhados; IV Que em relação à atividade rural: A - auferiu receita bruta em montante superior a R$ ,50 (cento e vinte e oito mil, trezentos e oito reais e cinquenta centavos); B pretenda compensar no ano calendário de 2013 ou posteriores, prejuízos da atividade rural de anos calendários anteriores ou do próprio ano calendário; V Teve, em 31 de dezembro de 2013, a posse ou a propriedade de bens ou direitos em montante superior a R$ ,00 (trezentos mil reais); abrangendo inclusive a terra nua; VI Passou à condição de residente no país em qualquer mês do ano calendário, e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro; VII Optou pela isenção do imposto de renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, onde o produto da venda foi totalmente aplicado na aquisição de imóveis residenciais, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contados a partir da celebração do contrato de venda; (art. 39 da lei /05 e I.N. 599/05). 1.6 Da dispensa da entrega da declaração Fica dispensada da apresentação de ajuste anual a pessoa física que: 1 esteja enquadrada apenas na hipótese do inciso V, cujos bens e direitos sejam declarados pelo outro cônjuge, e, desde que o valor total dos seus bens privativos, não seja superior a R$ ,00 (trezentos mil reais); 6

7 2 que se enquadre em qualquer das situações prevista nos itens de I a VII acima, e conste como dependente na declaração de outra pessoa física, na qual seus rendimentos, bens e direitos, estejam declarados. A pessoa física, mesmo desobrigada da entrega da declaração de ajuste anual, poderá apresentá-la. 1.7 Declaração simplificada X declaração completa A opção pela declaração simplificada poderá ser exercida por qualquer pessoa física desde que: Não pretenda compensar, no ano calendário de 2013 ou posteriores, resultado negativo (prejuízos) da atividade rural do próprio ano-calendário de 2013 ou posteriores, ou de anos calendários anteriores; Não pretenda compensar imposto de renda pago no exterior; Não pretenda utilizar incentivo fiscal de dedução do imposto de renda. A opção por este modelo significa substituir as deduções da base de cálculo do imposto de renda por 20% (vinte por cento) dos rendimentos tributáveis, limitado a R$ ,02 (quinze mil, cento e noventa e sete reais e dois centavos). O valor correspondente ao desconto simplificado não necessita de comprovação e não pode ser utilizado para justificar qualquer acréscimo patrimonial. Na declaração de imposto de renda, pelo modelo completo, serão utilizadas todas as deduções legais, desde que devidamente comprovadas. As deduções legais são: Pensão alimentícia em cumprimento de decisão judicial, acordo homologado judicialmente ou mediante escritura pública; Contribuições previdenciárias da União, estados e municípios; Contribuições às entidades de Previdência privada de ônus do contribuinte, aos fundos de aposentadoria individual programada até o limite 12% do rendimento tributável e condicionado ao pagamento da Previdência Social da União, estados e municípios. Dependentes (R$ 2.063,58 por dependente); Despesas com instrução própria e de seus dependentes, ou de seus alimentandos, em virtude de decisão judicial, acordo 7

8 homologado judicialmente ou por escritura pública, até o limite individual de R$ 3.230,46. Despesas escrituradas no livro caixa, no caso de profissionais autônomos ou de atividade rural; Despesas médicas devidamente comprovadas por documento idôneo, do contribuinte, seus dependentes e dos alimentandos em virtude de decisão judicial ou acordo homologado judicialmente ou escritura pública. 2 - Rendimentos tributáveis na declaração São rendimentos tributáveis pelo imposto de renda: Rendimentos do trabalho (assalariado ou não); Rendimentos de alugueis (inclusive o aluguel de imóveis rurais, veículos, equipamentos ou quaisquer bens); Rendimentos de pensão judicial (inclusive sujeitando-se ao carnê leão); Rendimentos recebidos acumuladamente; Resultado positivo da atividade rural Inclui-se também: Os rendimentos auferidos por sócio, acionista ou titular de pessoa jurídica, tributada pelo lucro real, presumido ou arbitrado, referente a parcela de lucros que exceder ao valor apurado na escrituração da pessoa jurídica a partir de e aos lucros ou reserva de lucros de anos anteriores, respeitando-se a legislação vigente à época da formação destes lucros; Os lucros e dividendo recebidos do exterior; Rendimentos de reajustamento e os juros recebidos nas alienações a prazo ou em prestações de bens ou direitos adquiridos em reais; O montante relativo a resgate e rendimentos proveniente de partes beneficiárias e de fundador e de outros títulos semelhantes, inclusive PGBL; 8

9 O lucro do comércio ou da indústria auferido por pessoa física que não exerça habitualmente a profissão; O acréscimo patrimonial não justificado pelos rendimentos declarados; O valor tributável recebido em decorrência de cobertura por sobrevivência em apólices de seguros de vida (VGBL). O valor tributável corresponde a diferença positiva entre o montante recebido, inclusive em caso de resgate, e o somatório dos prêmios pagos, quando o contribuinte não tenha optado pela tributação exclusiva na fonte, nos termos da lei de O autônomo que prestou serviços exclusivamente à pessoa jurídica e escriturou o livro caixa, informará as despesas do livro caixa na coluna Livro Caixa da ficha de rendimentos tributáveis recebidos de pessoa física e Exterior pelo titular e ou pelos dependentes, conforme o caso, deixando em branco as demais colunas. O excedente de R$3.110,00 mensais pagos a título de benefícios indiretos e reembolso de despesas recebidas por voluntários da FIFA, da subsidiária da FIFA no Brasil ou do Comitê organizacional brasileiro; 25,0% dos rendimentos do trabalho assalariado recebidos em moeda estrangeira por servidores de autarquias ou representante do governo brasileiro com sede no exterior; Ao prestar as informações na declaração de ajuste anual será necessário separar os rendimentos auferidos de pessoa jurídica e os auferidos de pessoa física e do exterior. 3 Rendimentos recebidos acumuladamente Os rendimentos recebidos acumuladamente serão tributados pela totalidade recebida, inclusive juros e atualização monetária, podendo ser deduzidas os valores de despesas necessárias ao recebimento destas receitas, cujo ônus seja do contribuinte, sem indenização.. A partir de 2010 por força do artigo 44 da lei /2010, os rendimentos provenientes do trabalho, de aposentadoria, pensão, transferência para a reserva remunerada ou reforma, pagos pela Previdência Social da União, Estados, Distrito federal e Municípios, serão 9

10 tributados exclusivamente na fonte e à opção do contribuinte, de forma irretratável, na declaração de ajuste anual, como rendimento tributável e o imposto de renda retido como compensável. Nos demais casos, os valores pagos em cumprimento de decisão da Justiça Federal, diminuídos os valores de despesas necessárias ao recebimento, por precatório ou requisição de pequeno valor, serão tributados na declaração de juste anual, e o imposto de renda retido (3,0%) serão considerados como antecipação, portanto compensado. 4 Rendimentos Isentos Os rendimentos isentos são decorrentes de um dispositivo legal que determina sua isenção. Dentre os rendimentos determinados por lei como isentos, encontramos: A bolsa de estudo e de pesquisa, caracterizada como doação, exclusivamente para proceder a estudos ou pesquisas e desde que os resultados desta atividade não representem vantagens para o doador, nem importem contraprestação de serviços; B Capital da apólice de seguros e seguros recebidos; C Indenização por rescisão de contrato de trabalho, inclusive PDV, acidente de trabalho e FGTS; D Lucros na venda de bens de pequeno valor; lucro na venda de imóvel residencial, onde o produto da venda seja aplicado na aquisição de outro imóvel residencial; redução de ganho de capital; ganho na venda de ouro ativo financeiro, nas operações do mercado a vista com ações, quando o valor da venda não ultrapassar R$20.000,00 e recuperação de prejuízos em renda variável. E Lucros e dividendos; F Rendimento de caderneta de poupança; G Transferências patrimoniais doações e herança, meação e dissolução da sociedade conjugal e unidade familiar; H O valor referente a R$3.110,00 por mês recebidos pelos voluntários, a título de benefícios indiretos ou reembolso de despesas, da FIFA, da subsidiária da FIFA no Brasil ou do Comitê organizador brasileiro; H Outros. Importante verificar que há rendimentos isentos ou não tributáveis que não devem justificar acréscimos patrimoniais. Ocorre por exemplo, quando o contribuinte tributa parte do rendimento total, como o caso de 10% e 60% para transporte de carga e de passageiros respectivamente, e 10% para garimpeiros, ou efetua qualquer dedução sem necessidade de comprovação de gastos, tais como a dedução de 20% a titulo de desconto simplificado, considera-se consumida a importância não 10

11 tributada ou deduzida, por presunção legal, não podendo portanto justificar acréscimo patrimonial. 5- Rendimentos de tributação exclusiva Dentre os rendimentos de tributação exclusiva, encontramos: A - Décimo terceiro salário; B Ganhos de capital na venda de bens e direitos; C Ganhos de capital na venda de bens e direitos e aplicações financeiras adquiridos em moeda estrangeira; D Ganhos de capital na venda de moedas estrangeiras em espécie; E Ganhos líquidos em renda variável; F Rendimento recebido acumuladamente; G rendas de aplicações financeiras. Cabe salientar que os rendimentos auferidos do item b a f tem fichas próprias na declaração para detalhamento das informações prestadas. 6 -Atividade Rural O resultado da atividade rural explorada pela pessoa física corresponde ao saldo positivo das receitas desta atividade, deduzidas das despesas de custeio e investimentos relativas a esta atividade, escrituradas em livro caixa, mantendo-se os documentos guardados, até que ocorra a prescrição dos créditos tributários relativos às situações e aos fatos que ocorrerem. A escrituração e a apuração devem ser feitos separadamente por contribuinte, em relação a todas as atividades exploradas individualmente, em conjunto, ou em comunhão em decorrência do regime de casamento. Se o total das receitas rurais aferidas não ultrapassar o valor de R$ ,50 (cento e vinte e oito mil, trezentos e oito reais e cinquenta centavos) é permitido que seja apurado o resultado mediante prova documental, dispensando-se a escrituração do livro caixa. O programa da declaração confronta os respectivos resultados apurados e 20% da receita bruta total. Será considerado como rendimento tributável o menor entre os dois valores. Quando 20% estiver menor que o resultado apurado, a diferença será tratada como rendimento isento, no campo relativo a atividade rural. 7 Deduções A -Dependentes Podem ser dependente, desde que haja a relação de dependências com o declarante, mesmo que por período inferior a 12 (doze) meses : Cônjuge; Companheiro (a) com o qual o (a) declarante tenha filho (a) ou vida superior a 5 (cinco) anos, 11

12 Filho (a) ou enteado (a) até 21 (vinte e um) anos; Filho (a) ou enteado (a) universitário (a) ou cursando escola técnica de segundo grau até 24 (vinte e quatro) anos; Filho (a) ou enteado (a) em qualquer idade, quando incapacitado física e ou mentalmente para o trabalho; Irmão (ã), neto (a), bisneto (a), sem arrimo dos pais, até 21 (vinte e um) anos, do (a) qual o contribuinte detém a guarda judicial; Irmão (ã), neto (a), bisneto (a), sem arrimo dos pais, com idade de 21 (vinte e um) a 24 (vinte e quatro) anos, se ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, desde que o contribuinte detenha a guarda judicial até 21 anos; Irmão (ã), neto (a), bisneto (a), sem arrimo dos pais, do(a) qual o contribuinte detém a guarda judicial, em qualquer idade, quando incapacitado física e/ou mentalmente para o trabalho; Pais, avós ou bisavós que em 2012 receberam rendimentos tributáveis ou não, até R$ ,36 (Vinte mil quinhentos e vinte e nove reais e trinta e seis centavos). Este limite é anual. Para a declaração de saída definitiva do país o limite será de R$ 1.710,78(hum mil setecentos e dez reais e setenta e oito centavos) por mês abrangido pela declaração; Menor pobre, até 21 (vinte e um) anos, que o contribuinte crie e eduque e do qual detenha a guarda judicial; Pessoa absolutamente incapaz, do qual o contribuinte seja tutor ou curador. O valor anual da dedução é de R$ 2.063,58 (dois mil sessenta e três reais e cinqüenta e oito centavos) por dependente. O declarante deverá informar nesta ficha o nome, o código de dependência, e obrigatoriamente o número do CPF dos dependentes que tiverem idade acima de 18 (dezoito) anos; 12

13 Todos os rendimentos tributáveis do dependente, recebidos de pessoa jurídica deverão ser informados na ficha de rendimentos tributáveis recebidos de Pessoa jurídica pelos dependentes. Os rendimentos tributáveis do dependente, recebidos de pessoa física ou do exterior deverão ser informados na ficha de rendimentos tributáveis recebidos de pessoa física e do exterior por dependente. Os rendimentos isentos e não tributáveis dos dependentes devem ser informados em campo próprio na ficha de rendimentos isentos/ não tributáveis do declarante. Os rendimentos sujeitos a tributação exclusiva/definitiva deverão ser informados no campo próprio da ficha de rendimentos de tributação exclusiva/definitiva. Na declaração em separado, os dependentes comuns devem ser informados apenas na declaração de um dos declarantes. Os filhos de pais divorciados somente poderão ser deduzidas as despesas realizadas pelo declarante com sua própria instrução, dos seus dependentes relacionados na declaração, na ficha de dependentes e das despesas realizadas na condição de alimentante, relacionados na ficha de alimentando, em cumprimento de decisão judicial ou acordo homologado judicialmente. Os dependentes de pais separados judicialmente somente devem constar como dependente na declaração daquele que detém a sua guarda judicial. Se o divórcio ou separação judicial ocorreu durante o ano de 2013 e houve pagamento de pensão alimentícia, poderá o contribuinte que não detém a guarda judicial, considerar apenas nesta declaração (2014 para o ano calendário de 2013), os filhos como dependentes e deduzir a pensão alimentícia judicial paga. Não pode constar como dependente do responsável o filho que entrega a declaração em separado. B - Instrução Somente poderão ser deduzidas as despesas realizadas pelo declarante com sua própria instrução, dos seus dependentes relacionados na declaração, na ficha de dependentes e das despesas realizadas na condição de alimentante, relacionados na ficha de alimentandos, em cumprimento de decisão judicial ou acordo homologado judicialmente com: A Educação infantil, com creches e pré-escolas; B Ensino fundamental; C Ensino médio; D - Educação superior, compreendendo os cursos de graduação e pósgraduação (mestrado, doutorado e especialização); 13

14 E Educação profissional, abrangendo o ensino técnico e o ensino tecnológico. Estas despesas devem ser comprovadas recibos, notas fiscais ou outros documentos idôneos. O limite anual individual da dedução com instrução é de R$ 3.230,46 (três mil e duzentos e trinta reais e quarenta e seis centavos). Se o gasto com instrução do declarante e/ou de cada dependente ou alimentando for superior a esse limite, o excesso será não dedutível. É vedado aproveitar o excesso de despesas entre os dependentes e ou declarante. O excesso de gastos e valor reembolsável do declarante e de cada dependente deverá ser informado no campo de despesas não dedutíveis. C Despesas médicas Somente poderão ser deduzidas as despesas do contribuinte com seu tratamento próprio, com tratamento de seus dependentes devidamente relacionados na ficha de dependentes e dos alimentando relacionados na ficha de alimentandos. Não há limite de valores, devendo todas as despesas serem informadas na ficha de pagamentos e doações efetuados, mantido sob guarda os documentos que devem ser idôneos. É necessário que tais despesas sejam comprovadas com documentos que contenham o nome, o endereço, o número de inscrição no CPF/CNPJ do beneficiário dos rendimentos, podendo ser substituídos por cheque nominativo ao beneficiário, de sua própria emissão, de seu cônjuge ou do dependente. É considerado como despesa médica os valores pagos a: A - Médico, dentista, psicólogo, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, hospitais, exames laboratoriais, serviço radiológico, aparelho ortopédico e próteses odontológica e ortopédica. É considerado aparelho ortopédico e prótese ortopédica: cadeiras de rodas, pernas e braços mecânicos, andadores ortopédicos, palmilhas e calçados ortopédicos e qualquer outro aparelho destinado a correção de desvio da coluna ou defeitos dos membros ou articulações. Os gastos provenientes de parafusos e placas em cirurgias ortopédicas ou odontológicas, com marcapasso, colocação de lente intra-ocular em cirurgia de cataratas, desde que esses valores integrem a conta hospitalar, são dedutíveis. B - empresas domiciliadas no Brasil, destinados à cobertura de despesas com hospitalização; C - estabelecimento especializado, referente a instrução de portador de doença física ou mental; 14

15 D - entidade onde o contribuinte trabalhe ou a fundação ou caixa e sociedade de assistência, no caso de a entidade manter convênio direto para cobrir total ou parcialmente essas despesas; E - estabelecimento geriátrico qualificado como hospital, nos termos da legislação específica; F - a diferença paga com as referidas despesas e o valor reembolsado pelo empregador, fundação, caixa ou sociedade de assistência ou entidades que assegurem a cobertura de despesas médicas, no caso da referida empresa reembolsá-las parcialmente. Tratando-se de reembolso, total ou parcialmente, no caso da empresa, empregador, fundação, caixa assistencial ou entidade reterem os documentos de pagamento das despesas, esses valores devem constar do comprovante de rendimentos fornecidos por eles. Para o portador de deficiência de deficiência física ou mental será exigido laudo médico atestando o estado de deficiência e comprovação de pagamento a entidade especializada para esse fim. Em relação aos aparelhos e próteses ortopédicas e dentárias, são exigidos o receituário médico ou odontológico e a nota fiscal em nome do beneficiário. D Pensão alimentícia Os valores pagos a título de pensão alimentícia, em cumprimento de decisão judicial ou acordo homologado judicialmente, inclusive alimentos provisionais, relativo às normas do direito de família são dedutíveis. 8 Declaração de bens Devem ser relacionados de forma individualizas todos os itens patrimoniais do contribuinte e de seus dependentes, se no Brasil ou no exterior, informando os saldos em 31/12/2012 e a posição em 31/12/2013. Itens patrimoniais a serem declarados: Imóveis, veículos automotores, aeronaves independentemente do valor de aquisição; Móveis e direitos com valor de aquisição superior a cinco mil reais; Saldos de contas correntes bancárias, de poupança, de aplicações, que individualmente, sejam superiores a R$140,00 ( cento e quarenta reais). Devem ser relacionados de forma individualizas todos os itens patrimoniais do contribuinte e de seus dependentes, se no Brasil ou no exterior, informando os saldos em 31/12/2012 e a posição em 31/12/2013. Itens patrimoniais a serem declarados: Imóveis, veículos automotores, aeronaves independentemente do valor de aquisição; 15

16 Móveis e direitos com valor de aquisição superior a cinco mil reais; Saldos de contas correntes bancárias, de poupança, de aplicações, que individualmente, sejam superiores a R$140,00 ( cento e quarenta reais). Conjunto de ações, quotas ou quinhão de capital de uma mesma empresa negociada ou não em bolsa de valores; ouro ativo financeiro cujo valor de constituição ou de aquisição seja igual ou superior a R$ 1.000,00. Conjunto de ações, quotas ou quinhão de capital de uma mesma empresa negociada ou não em bolsa de valores; ouro ativo financeiro cujo valor de constituição ou de aquisição seja igual ou superior a R$ 1.000,00. 9 Incentivos de dedução do Imposto de renda devido A pessoa física poderá abater do imposto de renda devido até 6,0% a título de incentivos fiscais de dedução do imposto de renda, desde que tenha aplicado, através de doações ou patrocínios a: A -Estatuto da criança e do adolescente As doações feita aos fundos municipais, estaduais e federal em 2013 e até , poderão reduzir o imposto de renda devido em até 3,0% No caso de limite global poderá reduzir em até 6.0%. B Incentivo a cultura; C Incentivo a atividade audiovisual; D Incentivo ao Desporto; E-Estatuto do Idoso; F Contribuição Patronal paga à Previdência Social por empregador doméstico; G - Incentivo ao Programa Nacional de Apoio à Atenção de Saúde da Pessoa com deficiência; I Incentivo ao Programa Nacional de apoio à atenção Oncologica; O limite do incentivo previsto nas letras F e G, individualmente, é de 1,0% do imposto de renda devido, não se sujeitando ao limite global. 16

17 10 Aspectos Gerais: A Forma de preenchimento da DIRPF A DIRPF deve ser elaborada com o uso de computador, utilizando o programa IRPF 2014, obtido no site da RFB, e, através da internet, ser transmitido até às 23hs, 59 min. E 59 seg. do dia 30/04/2014. Se a entrega for através de mídia removível, como pen drive, disquete ou disco rígido externo, a entrega será durante o horário de expediente até o dia 30/04/2014 no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal. B Atraso na entrega - Sujeita-se à multa de 1% por mês de atraso ou fração de mês, limitado a 20%, sobre o imposto de renda devido ou R$165,74 se inexistir imposto de renda devido. C Retificação Substitui integralmente a declaração entregue anteriormente. Para sua elaboração é necessário o número de recibo de entrega da declaração que está sendo retificada. Somente poderá alterar o modelo da declaração a ser entregue se a retificação ocorrer até o dia 30 de abril. A retificação que ocorrer após esta data não poderá alterar o modelo de declaração. 11 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Os art. 2, 16, 18, 19, 37, 39, 43 a 45, 49, 50, 57 a 71, 81 a 105, , 798, 803 a 807, 927 a 930 e 941 do RIR/99. Os art. 11 e 44 da lei /2010 Os artigos 38, 39, 40 da lei /2005 O art. 87 da lei /2012 O art. 4 da lei /2012 I.N.SRF/RFB 15/2001, 208/2002, 599/2005, 1.127/2011, 1.261/2012, OBS: Base legal mencionada é a legislação em vigor até a data de 06 de fevereiro de

Cartilha Declaração de Imposto de Renda 2016

Cartilha Declaração de Imposto de Renda 2016 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2016 1 SUMÁRIO 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO... 4 1.1. Pessoas obrigadas à apresentação da Declaração de Ajuste Anual IRPF 2016... 4 1.2. Pessoas dispensadas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Centro de Economia e Administração. Faculdade de Ciências Contábeis

Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Centro de Economia e Administração. Faculdade de Ciências Contábeis Pontifícia Universidade Católica de Campinas Centro de Economia e Administração Faculdade de Ciências Contábeis OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO Renda Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste

Leia mais

Parte II. A declaração

Parte II. A declaração Parte II A declaração Declaração Anual de Ajustes Deve ser apresentada até o último dia de abril do exercício seguinte ao da ocorrência do fato gerador (31/12). Pode ser apresentada de forma: completa

Leia mais

Orientações gerais. Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE

Orientações gerais. Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Orientações gerais Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Exercício 2016 Ano base 2015 Exercício É o ano de apresentação da declaração Ano-Base

Leia mais

Orientações Gerais Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF E Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE

Orientações Gerais Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF E Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Orientações Gerais Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF E Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Exercício 2013 Ano base 2012 I. DIRPF - Obrigatoriedade de Apresentação da Declaração

Leia mais

Obrigatoriedade na declaração

Obrigatoriedade na declaração A declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física 2010 aparece com algumas novidades, especialmente em relação aos parâmetros que definem a obrigatoriedade da apresentação, o que deverá fazer com que diminua,

Leia mais

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 Perguntas e Respostas 1. QUAL CONDIÇÃO TORNA A PESSOA FÍSICA OBRIGADA A APRESENTAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA? Está obrigado a apresentar a declaração,

Leia mais

IRPF 2012. Principais Novidades. Março 2013. Elaborado por: Wagner Mendes. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

IRPF 2012. Principais Novidades. Março 2013. Elaborado por: Wagner Mendes. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade Desde o dia 02/03/2015 iniciamos o período de entrega da declaração de imposto de renda pessoa física de 2015 com base nos fatos ocorridos no ano de 2014, a declaração poderá ser transmitida até o dia

Leia mais

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega...

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega... Índice 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

Pessoas obrigadas a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do IRPF 2015

Pessoas obrigadas a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do IRPF 2015 Pessoas obrigadas a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do IRPF 2015 Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2015, a pessoa física

Leia mais

14/2/2013 DIRF-2013. Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado

14/2/2013 DIRF-2013. Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado DIRF-2013 Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado 1 Obrigatoriedade de apresentação Programa gerador A apresentação Prazo de apresentação Retificação Processamento

Leia mais

Declaração de Ajuste Anual IN RFB nº 1.246, de 03/02/2012

Declaração de Ajuste Anual IN RFB nº 1.246, de 03/02/2012 Prof. professorjm@tributosefinancas.com.br Imposto de Renda de Pessoa Física IN RFB nº 1.246, de 03/02/2012 DOU 06/02/2012 São Mateus ES, 23 de março de 2012 AtualizaçãodaTabelaProgressiva DeduçãodasdoaçõesaosConselhosMunicipais,Estaduaise

Leia mais

Complemento: Bairro/Distrito: vila menck. CEP: 06390-170 DDD/Telefone: (11) 98460-6248

Complemento: Bairro/Distrito: vila menck. CEP: 06390-170 DDD/Telefone: (11) 98460-6248 IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: ricardo soares da costa Data de Nascimento: 05/01/1979 Título Eleitoral: Possui cônjuge ou companheiro(a)? Sim CPF do cônjuge ou companheiro(a): 314.250.128-25 Houve

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Quais são os limites de rendimentos que obrigam (pessoa física) a apresentação da Declaração de Ajuste Anual relativa ao ano-calendário de 2014, exercício de 2015? A

Leia mais

Declaração de Saída Definitiva

Declaração de Saída Definitiva 1 de 5 1/3/2011 07:29 Declaração Declaração de Saída Definitiva Obrigatoriedade Comunicação de Saída Definitiva x Declaração de Saída Definitiva do País Prazo e local de entrega da Declaração de Saída

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPF 2015 Declaração de Ajuste Anual sobre o Imposto sobre a Renda Pessoa Física 1 IRPF - CARACTERÍSTICAS É um tributo federal; Incidente

Leia mais

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 2. FORMA DE ELABORAR A DECLARAÇÃO DE IRPF 2014...4 2.1 FORMAS DE ENTREGA...4 2.2 PRAZO DE ENTREGA...4 2.3 MULTA

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR Muito embora não seja uma novidade, já que a maioria das pessoas estejam obrigadas a entregar a Declaração de Imposto de Renda, trazemos aqui alguns

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: RODRIGO GERMANO DELMASSO MARTINS Data de Nascimento: 09/06/1980 Título Eleitoral: 014536812011 Houve mudança de endereço? Não Um dos declarantes é pessoa com doença

Leia mais

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 09/2012 São Paulo, 10 de Fevereiro de 2012. IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2011 Prezado cliente, No dia 06 de Fevereiro de 2012 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais

CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 4 2 Formas e prazo de entrega 5 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO 8

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Os gastos com aparelhos de audição para dependentes podem ser deduzidos como despesas médicas na Declaração de Ajuste Anual? Não. A legislação do Imposto de Renda considera

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda 2012

Declaração de Imposto de Renda 2012 Declaração de Imposto de Renda 2012 Cartilha Índice 1. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2012... 3 1.1 Formas de entrega... 3 1.2 Prazo de entrega... 3 1.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração...

Leia mais

Entenda como é realizado o cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte:

Entenda como é realizado o cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte: Entenda como é realizado o cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte: Observação: Como exemplo, será utilizado o Demonstrativo de Pagamento fictício apresentado abaixo, cuja competência é de junho de

Leia mais

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1 ÍNDICE 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2014... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE LÚCIA HELENA BRISKI YOUNG Estão sujeitos à incidência do imposto na fonte, calculado de acordo com a tabela progressiva mensal, os rendimentos do trabalho assalariado pagos

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário:

DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário: DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO 2.1 - Quanto à Renda 2.2 - Ganho

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

Além da documentação acima a inscrição será efetivada com a doação de uma lata de leite em pó que será doado à uma instituição filantrópica da região.

Além da documentação acima a inscrição será efetivada com a doação de uma lata de leite em pó que será doado à uma instituição filantrópica da região. Peruíbe, 10 de março de 2013. As Faculdade Peruíbe realizará pela 1ª vez o serviço de preenchimento gratuito da declaração do imposto de renda (IRPF 2014) para pessoas físicas na atividade IRPF Social.

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza DIRF - 2013 Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013 Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza 1 O QUE É A DIRF? É a Declaração em que é informada à RFB: Os rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no País,

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Considerações sobre recolhimento de imposto sobre doação de espécie nos Estados e no Distrito Federal

Considerações sobre recolhimento de imposto sobre doação de espécie nos Estados e no Distrito Federal Considerações sobre recolhimento de imposto sobre doação de espécie nos Estados e no Distrito Federal Conforme artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal, o recolhimento do tributo em comento deverá

Leia mais

ÍNDICE. 1. Principais novidades...02. 2.Instruções gerais Instrução Normativa RFB nº 1.545/2015...08. 3. Preenchimento...18

ÍNDICE. 1. Principais novidades...02. 2.Instruções gerais Instrução Normativa RFB nº 1.545/2015...08. 3. Preenchimento...18 ÍNDICE 1. Principais novidades...02 2.Instruções gerais Instrução Normativa RFB nº 1.545/2015...08 3. Preenchimento...18 1 1. Principais novidades a) Programa da Declaração do Imposto de Renda da Pessoa

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

Ajuda do Programa IRPF 2015

Ajuda do Programa IRPF 2015 / Índice / Índice Ajuda do Programa IRPF 2015 Índice Índice... 2 Declaração de Ajuste Anual... 4 Declaração de Final de Espólio... 15 Declaração de Saída Definitiva do País...27 Situações Individuais...

Leia mais

Circular nº. 012/2014

Circular nº. 012/2014 Circular nº. 012/2014 Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior (CBE/2014) Tópicos principais: 1 Estão obrigados a transmitir a CBE: I - As pessoas físicas ou jurídicas residentes, domiciliadas ou

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015 DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015 Regulamento para a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda, PESSOA FÍSICA, exercício de 2015, ano-calendário de 2014. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA

Leia mais

LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 627/13, que promoveu diversas

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. A pessoa física com ganho de capital em valor inferior a R$ 35.000,00, que utilizar o fator de redução na venda de imóvel residencial, está obrigada a entrega da DIRPF?

Leia mais

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Apesar de ter sido sancionada em 13 de junho de 1990, a Lei nº 8.069, que permite às empresas e às pessoas físicas destinar parte do que pagam

Leia mais

Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF

Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF Os contratos de mútuo, comumente realizados entre pessoas físicas e jurídicas, serão tributados, na fonte, pelo Imposto de Renda e pelo Imposto sobre

Leia mais

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015 ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE COMPROVANTE ANUAL DE RENDIMENTOS PAGOS OU CREDITADOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 1.058, DE 26 DE JULHO DE 2010 DOU 27.07.2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 1.058, DE 26 DE JULHO DE 2010 DOU 27.07.2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 1.058, DE 26 DE JULHO DE 2010 DOU 27.07.2010 Dispõe sobre a apresentação da Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR) referente ao exercício de 2010

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: ESMERALDA ROCHA Data de Nascimento: 19/02/1964 Título Eleitoral: 0153835060116 Houve mudança de endereço? Sim Um dos declarantes é pessoa com doença grave ou portadora

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento SINERGIA é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES

BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES Banco ABC Brasil S.A. ( Companhia ), vem a público comunicar

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º. A Bradesco Vida e Previdência S.A., doravante denominada EAPC, institui o Plano de Pecúlio por Morte, estruturado no Regime

Leia mais

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência Boletim de Relacionamento Previdência Imposto de Renda Sul América Previdência Prezado Participante, Desenvolvemos um guia para que você, que possui um Plano de Previdência PGBL ou Tradicional ou um Plano

Leia mais

IRPF IR2012. Chegou a hora de declarar o. Especial

IRPF IR2012. Chegou a hora de declarar o. Especial Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2012 Especial IRPF 2012 Chegou a hora de declarar o IR2012 >> Fique por dentro >> Onde informar

Leia mais

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO.

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. Porto Alegre, 17 de fevereiro de 2012 Sr. Cliente: CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. No período de 01 de março até 30 de abril de 2012, a RFB estará recepcionando as Declarações do Imposto

Leia mais

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD ÍNDICE O que é o FUMCAD 2 Conceito e Natureza Jurídica 2 Doações 3 Dedução das Doações Realizadas no Próprio Exercício Financeiro 4 Passo a Passo para a Doação 5 Principais

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP 20 ANOS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900585/2015-60

Leia mais

Imposto de Renda - Pessoa Física 2011 Perguntas e Respostas

Imposto de Renda - Pessoa Física 2011 Perguntas e Respostas Imposto de Renda - Pessoa Física 2011 Perguntas e Respostas Escolha um dos assuntos a seguir: OBRIGATORIEDADE DE ENTREGA 001 a 011 DESCONTO SIMPLIFICADO 012 a 019 'RENDIMENTOS RECEBIDOS ACUMULADAMENTE

Leia mais

DIRF 2011. Secretaria da Receita Federal do Brasil

DIRF 2011. Secretaria da Receita Federal do Brasil DIRF 2011 O que é a DIRF? É a Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte feita pela FONTE PAGADORA, destinada a informar à Secretaria da Receita Federal o valor do Imposto de Renda retido na fonte,

Leia mais

ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES

ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES São partes signatárias do presente Termo Aditivo ao Acordo Coletivo de Trabalho, a Empresa INFRAMÉRICA - CONCESSIONÁRIA DO AEROPORTO DE BRASILIA

Leia mais

E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS

E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS No último dia 3, a Receita Federal do Brasil ("RFB") expediu a Instrução Normativa ("IN/RFB") nº 1.571/2015, instituindo a

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos adotados para concessão, indenização, parcelamento e pagamento

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO: PREVER DÁ SORTE

REGULAMENTO PROMOÇÃO: PREVER DÁ SORTE REGULAMENTO PROMOÇÃO: PREVER DÁ SORTE DADOS DA PROMOTORA DA PROMOÇÃO PREVER SERVIÇOS POSTUMOS LTDA Rua Dr. Saulo Porto Virmond, 223 Sala 01 Chácara Paulista / Maringá/PR CEP: 87005-090 CNPJ: 02.995.385/0001-08

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

Atualizado até maio de 2014

Atualizado até maio de 2014 1 Atualizado até maio de 2014 Secretário da Receita Federal do Brasil Carlos Alberto Freitas Barreto Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil Paulo Ricardo de Souza Cardoso

Leia mais

Material Explicativo. ABBprev Sociedade de Previdência Privada

Material Explicativo. ABBprev Sociedade de Previdência Privada Material Explicativo ABBprev Sociedade de Previdência Privada Este material explicativo tem como objetivo fornecer informações sobre um dos benefícios que as patrocinadoras ABB Ltda e Cooperativa de Crédito

Leia mais

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.306, DE 16 DE MAIO DE 2006 Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2006. O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência Março de 2013 Especial IRPF 2013 Chegou a hora de declarar o IR2013 >> Fique por dentro >> Onde informar

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS 1 Os débitos de qualquer natureza para com a Fazenda Nacional podem ser parcelados em até 60 (sessenta) prestações

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270 DECRETO Nº 13.270 Regulamenta o parcelamento e pagamento de créditos do município de Vitória e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE?

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? 1. O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU PLANO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

1. Registro com valor declarado DISCRIMINAÇÃO (R$) OFICIAL ESTADO CARTEIRA REG CIVIL T JUSTIÇA TOTAL

1. Registro com valor declarado DISCRIMINAÇÃO (R$) OFICIAL ESTADO CARTEIRA REG CIVIL T JUSTIÇA TOTAL 1. Registro com valor declarado a De até 986,00 66,70 18,96 14,04 3,51 3,51 106,72 b 986,01 até 2.462,00 107,03 30,43 22,53 5,63 5,63 171,25 c 2.462,01 até 4.104,00 192,01 54,57 40,42 10,11 10,11 307,22

Leia mais

CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009

CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009 CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009 Passo 1 - Tipo de declaração Nesta tela, o contribuinte escolhe se deseja fazer a declaração de ajuste anual, para prestar conta sobre seus rendimentos e despesas

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais O IDEAL CAP Empresarial é um título de capitalização de pagamento mensal que ajuda você a guardar dinheiro para tirar os projetos do papel. Além disso,

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 2016

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 2016 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 2016 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 Será concedida a Bolsa Filantrópica com base nos critérios básicos consignados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.482, DE 31 DE MAIO DE 2007. Mensagem de veto Conversão da Mpv nº 340, de 2006 Efetua alterações na tabela do imposto de renda

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica 24/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. Fixa os critérios para cobrança das anuidades, serviços e multas a serem pagos pelas pessoas físicas e jurídicas registradas no Sistema Confea/Crea, e dá

Leia mais

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO O Manual

Leia mais

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito?

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito? O que é o FGTS? O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - é um fundo composto por depósitos bancários em dinheiro, compulsório, vinculado, realizado pelo empregador em favor do trabalhador, visando

Leia mais

PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A.

PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A. PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A. 1. OBJETIVO DO PLANO O Plano de Opções de Compra de Ações ( Plano ) tem por objetivo a outorga de Opções de compra de ações de emissão da WEG S.A. ( Companhia

Leia mais

TABELA II DOS OFÍCIOS DE REGISTRO DE IMÓVEIS

TABELA II DOS OFÍCIOS DE REGISTRO DE IMÓVEIS TABELA II DOS OFÍCIOS DE REGISTRO DE IMÓVEIS Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo - ARISP. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2010. Lei Estadual

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE O ICD. 1º) acessar o site www.sefaz.pe.gov.br; 2º) clicar no ícone ICD ; 3º) clicar na opção LEGISLAÇÃO.

DÚVIDAS SOBRE O ICD. 1º) acessar o site www.sefaz.pe.gov.br; 2º) clicar no ícone ICD ; 3º) clicar na opção LEGISLAÇÃO. DÚVIDAS SOBRE O ICD 1. O QUE É O ICD? O ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de quaisquer Bens ou Direitos), ou ICD, como é denominado em Pernambuco é um Imposto Estadual devido por toda

Leia mais

CIRCULAR DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012 CONCESSIONÁRIAS E DISTRIBUIDORAS DE VEÍCULOS

CIRCULAR DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012 CONCESSIONÁRIAS E DISTRIBUIDORAS DE VEÍCULOS CIRCULAR DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012 CONCESSIONÁRIAS E DISTRIBUIDORAS DE VEÍCULOS A Federação dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo (FECOMERCIÁRIOS-SP) e o SINDICATO DOS CONCESSIONÁRIOS

Leia mais

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 Viçosa Minas Gerais Fevereiro/2008 Índice Página Glossário - Capítulo II Das Definições... 3 Nome do Plano de Benefícios

Leia mais

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo - ARISP. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2009. Lei Estadual

Leia mais

ROTEIRO PARA O PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE AJUSTE DO IMPOSTO DE RENDA

ROTEIRO PARA O PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE AJUSTE DO IMPOSTO DE RENDA ROTEIRO PARA O PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE AJUSTE DO IMPOSTO DE RENDA OBJETIVO Este roteiro tem como objetivo mostrar o passo a passo para que o contribuinte pessoa física possa preencher sua Declaração

Leia mais