Considerações sobre recolhimento de imposto sobre doação de espécie nos Estados e no Distrito Federal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Considerações sobre recolhimento de imposto sobre doação de espécie nos Estados e no Distrito Federal"

Transcrição

1 Considerações sobre recolhimento de imposto sobre doação de espécie nos Estados e no Distrito Federal Conforme artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal, o recolhimento do tributo em comento deverá ser realizado em favor do Estado no qual o doador tiver domicílio, mesmo que o donatário lá não resida. I SUL RIO GRANDE DO SUL -Lei nº 8.821, de 27 de janeiro de 1989; Regulamento do ITCMD Decreto n /89. I Alíquota aplicável: 03% (três por cento) artigo 23 do Regulamento do ITCMD Decreto n /89. II Limite de isenção: Quando o valor do imposto devido constante no documento de arrecadação resulte em quantia inferior ao equivalente a 4 (quatro) UPF-RS, atualmente equivalentes a R$ 58,18 (cinquenta e oito reais e dezoito centavos) artigo 6º, X, do Regulamento do ITCMD Decreto n /89. III Prazo para recolhimento: Na doação de bens, títulos ou créditos, que se formalizar por escritura pública, antes de sua lavratura -artigo 30, V, do Regulamento do ITCMD Decreto n /89. Na doação de bens, títulos ou créditos, que se formalizar por escrito particular, no prazo de 30 dias, contado da data da assinatura deste e antes do registro do ato no ofício ou órgão competente, quando exigido, na hipótese dessa data ocorrer antes do referido prazo -artigo 30, VI, do Regulamento do ITCMD Decreto n /89. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado do Rio Grande do Sul no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 2º, IV, do Regulamento do ITCMD Decreto n /89 e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. Ainda, serão aplicadas as regras do Regulamento caso o doador não possuir residência ou domicilio no país e o donatário for domiciliado no Estado -artigo 2º, V, do Regulamento do ITCMD Decreto n /89. V Responsável pelo recolhimento: Doador, quando domiciliado ou residente no País, ou o donatário, quando o doador não for domiciliado nem residente no País artigo 10, I, a e b do Regulamento do ITCMD Decreto n /89.

2 SANTA CATARINA -Lei , de 25 de novembro de 2004 e RITCMD Decreto nº 2.884, de I Alíquota aplicável: Artigo 9º da Lei / % (um por cento) sobre a parcela da base de cálculo igual ou inferior a R$ ,00 (vinte mil reais); 03% (três por cento) sobre a parcela da base de cálculo que exceder a R$ ,00 (vinte mil reais) e for igual ou inferior a R$ ,00 (cinquenta mil reais); 05% (cinco por cento) sobre a parcela da base de cálculo que exceder a R$ ,00 (cinquenta mil reais) e for igual ou inferior a R$ ,00 (cento e cinquenta mil reais); 07% (sete por cento) sobre a parcela da base de cálculo que exceder a R$ ,00 (cento e cinquenta mil reais); 08% (oito por cento) sobre a base de cálculo, quando o donatário ou o cessionário for parente colateral ou não tiver relação de parentesco com o doador ou o cedente. Obs.: Para fins de cálculo do imposto, na hipótese de sucessivas doações ou cessões entre o mesmo doador ou cedente e o mesmo donatário ou cessionário, serão consideradas todas as transmissões realizadas a esse título, nos últimos doze meses, devendo o imposto ser recalculado a cada nova doação, adicionando-se à base de cálculo os valores anteriormente submetidos à tributação, deduzindo-se os valores do imposto já recolhidos (parágrafo único do art. 9º). II Limite de isenção: Quando o valor dos bens ou direitos recebidos não exceder ao equivalente a R$ 2.000,00 (dois mil reais), observado o disposto no parágrafo único do art. 9º, que trata de doações sucessivas artigo 10, IV, da Lei /2004. III Prazo para recolhimento: O imposto será pago em até 30 (trinta) dias contados da data do envio da declaração de doação para a Secretaria da Fazenda Estadual, inclusive no caso de parcelamento, quando tal prazo será referente para a 1ª parcela do imposto parcelado artigo 14 do Regulamento do ITCMD Decreto nº 2.884, de IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado de Santa Catarina no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 2º, II, b, do Regulamento do ITCMD Decreto nº 2.884, de e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: Donatário artigo 5º, II da Lei /2004, respondendo solidariamente o doador domiciliado em Santa Catarina quando o donatário não foi domiciliado neste Estado artigo 6º, I, da Lei /2004.

3 PARANÁ -Lei orgânica do ITCMD n /88. I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 12 da Lei orgânica do ITCMD n /88. II Limite de isenção: Não existe limite de isenção para doação de espécie no Paraná. III Prazo para recolhimento: Nas transmissões por escritura pública, ou procuração em causa própria, antes de lavrado o respectivo instrumento -artigo 9º, I; Nas transmissões por instrumento particular, mediante a apresentação deste à repartição fiscal, dentro de 30 dias -artigo 9º, II; Nas transmissões não documentadas, no momento da tradição artigo 9º, IV. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado do Paraná no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 7º, II, a, da Lei Orgânica do ITCMD e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. Ainda, o local do pagamento será onde o donatário possuir domicílio no caso do doador não possuir residência ou domicilio no país, conforme artigo 7º, II, b, da Lei Orgânica do ITCMD. V Responsável pelo recolhimento: Nas transmissões por doação o adquirente dos bens ou direitos artigo 5º, II, da Lei orgânica do ITCMD n /88. Responde solidariamente o doador nos casos de inadimplência do donatário artigo 6º, III, da Lei orgânica do ITCMD n /88.

4 II SUDESTE SÃO PAULO Lei número /2000. I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 16. II Limite de isenção: Quando a doação não ultrapassar (duas mil e quinhentas) UFESP, atualmente equivalentes a R$ ,00 (cinquenta mil trezentos e cinquenta reais) artigo 6º, II, a. Ainda é importante salientar que o Estado de SP, nos termos do próprio artigo 9º, 3º, da Lei em comento, para apuração da possibilidade de se aplicar ou não a isenção no caso concreto, analisará a existência de doações sucessivas entre mesmos doadores e donatários dentro do mesmo ano calendário. Logo, se neste período as doações ultrapassarem o limite de isenção, haverá aplicação do imposto sobre o montante total doado. III Prazo para recolhimento: antes da lavratura / assinatura do instrumento, seja ele público ou particular artigo 18 e seu 3º. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado de São Paulo no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 3º, 2º, da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: Em regra, o donatário artigo 7º, III. Contudo, se o donatário não residir nem for domiciliado no Estado de São Paulo, o contribuinte será o doador artigo 7º, parágrafo único. Lado outro, responde solidariamente o doador, e, no caso do parágrafo único do artigo 7º, o donatário, Nos casos de impossibilidade de exigência do cumprimento da obrigação principal pelo contribuinte artigo 8º, III.

5 RIO DE JANEIRO Lei número 1.427/1989. I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 17. II Limite de isenção: Quando a doação não ultrapassar (mil e duzentas) UFIRRJ, atualmente equivalentes a R$ 3.056,76 (três mil e cinquenta e seis reais e setenta e seis centavos) artigo 3º, IX. Ainda é importante salientar que o Estado de RJ, nos termos do próprio artigo 3º, IX, da Lei em comento, para apuração da possibilidade de se aplicar ou não a isenção no caso concreto, analisará a existência de doações sucessivas entre mesmos doadores e donatários dentro do mesmo ano calendário. Logo, se neste período as doações ultrapassarem o limite de isenção, haverá aplicação do imposto sobre o montante total doado. III Prazo para recolhimento: antes da lavratura / assinatura do instrumento, seja ele público ou particular artigo 18. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado do Rio de Janeiro no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 9º, I, da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: Contribuinte do imposto é o adquirente do bem ou direito sobre imóvel, títulos, créditos, ações, quotas, valores e outros bens móveis de qualquer natureza, bem como dos direitos a eles relativos, assim entendida a pessoa em favor da qual se opera a transmissão artigo 5º. Contudo, é também responsável solidariamente, nas doações que se efetuarem sem o pagamento do imposto devido, o doador, conforme o caso artigo 6º.

6 MINAS GERAIS Lei n /2003 e Decreto n /2005. I Alíquota aplicável: 05% (cinco por cento) artigo 22 do Decreto n /2005. II Limite de isenção: Quando a doação não ultrapassar (dez mil) UFEMG, atualmente equivalentes a R$ ,00 (vinte e seis mil trezentos e oitenta e dois reais) artigo 6º, II, a, do Decreto n /2005. Ainda é importante salientar que o Estado de MG, nos termos do artigo 24 do Decreto em comento, para apuração da possibilidade de se aplicar ou não a isenção no caso concreto, analisará a existência de doações sucessivas entre mesmos doadores e donatários no período de 03 (três) anos civis. Logo, se neste período as doações ultrapassarem o limite de isenção, haverá aplicação do imposto sobre o montante total doado. III Prazo para recolhimento: -Se for realizada por meio de instrumento público: antes da lavratura do mesmo artigo 26, V, do Decreto n /2005; -Se for realizada por meio de instrumento particular: até 15 (quinze) dias contados da assinatura do mesmo artigo 26, VI, do Decreto n /2005. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado de Minas Gerais no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 2º, II, a, do Decreto em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: O donatário, na aquisição por doação -artigo 8º, II do Decreto. Contudo, o 1º do Art. 8º dispõe que em caso de doação de bens móveis, inclusive semoventes, direitos, títulos e créditos, bem como dos direitos a eles relativos, não sendo o donatário residente ou domiciliado no Estado, o contribuinte é o doador. Por outro lado, o doador é responsável solidário pelo imposto devido pelo contribuinte artigo 9º do Decreto em comento.

7 ESPIRITO SANTO Regulamento do ITCMD Decreto n.º R, de 19 de dezembro de I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 13. II Limite de isenção: Para as doações cujo valor não ultrapasse cinco mil VRTEs, atualmente equivalentes a R$ ,00 (doze mil, seiscentos e cinco reais) -artigo 7º, II, d. Caso o valor total da transmissão ultrapassar o limite fixado, o imposto será calculado apenas sobre a parte excedente -artigo 7º, 1º. Ainda, na hipótese de sucessivas doações entre o mesmo doador e donatário, serão consideradas todas as transmissões realizadas a esse título, dentro de cada ano civil, devendo o imposto ser recalculado a cada nova doação, adicionando-se à base de cálculo os valores dos bens anteriormente transmitidos e deduzindo-se os valores dos impostos já recolhidos -artigo 10, 5º. III Prazo para recolhimento: (Art. 15, I e II) -O imposto será recolhido através do Documento Único de Arrecadação (DUA), conforme modelo disponível na internet, no endereço em estabelecimento bancário credenciado pela Sefaz, nos seguintes prazos: -nas transmissões decorrentes de doações por escritura pública ou procuração em causa própria, antes de lavrado o respectivo instrumento; -nas transmissões decorrentes de doações por instrumento particular, trinta dias após a sua ocorrência, sendo indispensável à apresentação do documento à Agência da Receita Estadual da região a que estiver circunscrito o contribuinte; IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado do Espirito Santo no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 4º, II, b, 1 da Lei Orgânica do ITCMD e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. Ainda, o local do pagamento será onde o donatário possuir domicílio no caso do doador não possuir residência ou domicilio no país, conforme artigo 4º, II, b, 2 da Lei Orgânica do ITCMD. V Responsável pelo recolhimento: O donatário, na doação artigo 8º II; Caso o donatário não resida nem seja domiciliado neste Estado, o responsável será o doador artigo 8º, III.

8 III CENTRO OESTE MATO GROSSO DO SUL -Decreto Nº 5.087, de 4 de maio de I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 7º. II Limite de isenção: Não existe previsão de isenção para doação de espécie no Mato Grosso do Sul. III Prazo para recolhimento: Até o 30º dia da ocorrência do fato gerador artigo 11, II, a. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado do Mato Grosso do Sul no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 9º, II, a do Decreto n /89 e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: O donatário artigo 8º, I. GOIÁS Código Tributário do Estado Lei n /91. I Alíquota aplicável: -artigo 78. 2% (dois por cento), quando a base de cálculo for igual ou inferior a R$ ,00 (vinte e cinco mil reais); 3% (três por cento), quando a base de cálculo for superior a R$ ,00 (vinte e cinco mil reais) e inferior a R$ ,00 (cento e dez mil reais); 4% (quatro por cento), quando a base de cálculo for igual ou superior a R$ ,00 (cento e dez mil reais). II Limite de isenção: São isentos do pagamento do ITCD o legatário ou o donatário, quando o valor do bem ou direito transmitido ou doado for igual ou inferior a R$ 1.500,00 (um mil e quinhentos reais) - artigo 79, IV. III Prazo para recolhimento: o pagamento do ITCD deve ser feito no prazo máximo de 60 (sessenta) dias, contados da data da avaliação, na doação ou cessão não onerosa de qualquer bem, direito, título ou crédito artigo 84, 1º, II. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado de Goiás no caso do doador ter ali domicílio artigo 73, II da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: O donatário, na doação artigo 81, II, sendo o doador responsável solidário artigo 82, I.

9 DISTRITO FEDERAL Decreto número /1994. I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 9º. II Limite de isenção: Não existe limite de isenção para doação de espécie no Distrito Federal. III Prazo para recolhimento: -Se for realizada por meio de instrumento público lavrado no DF: antes da lavratura do mesmo artigo 12, I, a; -Se for realizada por meio de instrumento público lavrado fora do DF: em até 10 (dez) dias contados da lavratura do mesmo artigo 12, I, b; -Se for realizada por meio de instrumento particular: em até 10 (dez) dias contados da assinatura do instrumento artigo 12, I, c. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Distrito Federal no caso do doador ter ali domicílio artigo 3º, II, b, da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Contribuinte: O donatário, na transmissão por doação artigo 5º, III, respondendo solidariamente o doador artigo 6º, IV.

10 MATO GROSSO RITCD Decreto n 2.125, de 11 de dezembro de I Alíquota aplicável: Artigo 25. -Até 200 (duzentas) UPFMT -isento -Acima de 200 (duzentas) e até 900 (novecentas) UPFMT -2% (dois por cento) -Acima de 900 (novecentas) UPFMT -4% (quatro por cento) II Limite de isenção: Valores que não ultrapassar a 200 (duzentas) UPFMT, atualmente equivalentes a R$ ,00 (vinte mil, novecentos e trinta e oito reais) artigo 7º, II, a. III Prazo para recolhimento: antes da realização do ato ou celebração do contrato correspondente artigo 28, II, a. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Mato Grosso no caso do doador ter ali domicílio artigo 2º, 3º da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: Na doação, o donatário artigo 9º, III. Caso o donatário não residir e nem for domiciliado no Estado, o contribuinte será o doador artigo 9º, parágrafo único. Nos casos de impossibilidade de exigência do cumprimento da obrigação principal pelo contribuinte, respondem solidariamente o doador, e, no caso do parágrafo único do artigo 9º, o donatário artigo 10º, III.

11 IV NORDESTE BAHIA Regulamento do ITCMD: Decreto nº de 16 de junho de 1989 e Lei nº de 27 de janeiro de I Alíquota aplicável: 3,5% (três e meio por cento) artigo 9º, I da Lei II Limite de isenção: Não existe limite de isenção para doação de espécie na Bahia. III Prazo para recolhimento: Nas transmissões por instrumento público entre vivos sujeitas ao ITD o imposto será pago antes da lavratura do ato ou contrato artigo 39 do Regulamento Decreto nº de 16 de junho de Nas demais hipóteses o prazo será de 30 (trinta) dias contados da lavratura do instrumento particular da transmissão sujeita ao ITD artigo 40, a do Regulamento Decreto nº de 16 de junho de IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado da Bahia no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 11, II, a, do Regulamento do ITCMD Decreto nº e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. Ainda, o local do pagamento será onde o donatário possuir domicílio no caso do doador não possuir residência ou domicilio no país, conforme artigo 11, II, b, do Regulamento do ITCMD Decreto nº V Contribuinte: Nas doações a qualquer título, o donatário artigo 8º, II do Regulamento do ITCMD Decreto nº Nas transmissões e doações que se efetuarem sem o pagamento do imposto devido, é solidariamente responsável o doador artigo 9º.

12 SERGIPE Lei nº de 08 de novembro de I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 14, II. II Limite de isenção: O conjunto de bens e direitos transmitidos a cada beneficiário, cujo valor seja igual ou inferior a 200 (duzentas) vezes a Unidade Fiscal Padrão do Estado de Sergipe UFP/SE, atualmente equivalentes a R$ 6.108,00 -artigo 8º, IV. III Prazo para recolhimento: Nas doações formalizadas através de instrumento público, antes de sua lavratura e em até 30 (trinta) dias da ocorrência do fato gerador nos demais casos -artigo 1º, II, a e b da Portaria n.º 626/2013 SEFAZ de 17 de dezembro de IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado de Sergipe no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 9º, II, da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: O donatário, na doação artigo 17, II. É solidariamente responsável pelo pagamento do imposto, inclusive pelos acréscimos legais, o doador artigo 18, V.

13 ALAGOAS Regulamento ITCMD Decreto nº , de 24 de fevereiro de I Alíquota aplicável: Artigo 24. de 2% (dois por cento), nas transmissões e/ou doações feitas entre parentes consanguíneos até o 2º grau; de 4% (quatro por cento), nas demais hipóteses. II Limite de isenção: Não existe limite de isenção para doação de espécie em Alagoas. III Prazo para recolhimento: Artigo 30, IV -no caso de doação: a) na data da lavratura do respectivo instrumento, se lavrado no Estado de Alagoas; b) no prazo de até 10 (dez) dias, contados da lavratura do respectivo instrumento, se lavrado fora do Estado de Alagoas; e c) no prazo de até 10 (dez) dias, contados da tradição, em se tratando de bens móveis, títulos e créditos não sujeitos a transcrição. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado de Alagoas no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 7º, II, b da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: Na doação, o donatário artigo 26, II. Por outro lado, o parágrafo único prevê que em caso de doação de bem móvel, título ou crédito, bem como dos direitos a ele relativos, se o donatário não residir nem for domiciliado no Estado, o contribuinte é o doador. É solidariamente responsável pelo pagamento do ITCD o doador, pelo imposto devido por donatário inadimplente artigo 27, V.

14 PERNAMBUCO Lei nº , de 16 de dezembro de I Alíquota aplicável: 02% (dois por cento) artigo 8º, II. II Limite de isenção: Bens móveis ou direitos, adquiridos por meio de doação, cujo valor não ultrapasse o limite anual de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) artigo 3º, X. III Prazo para recolhimento: Devem ser recolhidos no prazo de até 30 (trinta) dias, contados da ciência da notificação do lançamento artigo 9º. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado de Pernambuco no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 4º, II, da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. Ainda, o local do pagamento será onde o donatário possuir domicílio no caso do doador não possuir residência ou domicilio no país, conforme artigo 4º, parágrafo único, I, da Lei em comento. V Responsável pelo recolhimento: Nas doações, o adquirente dos bens, direitos e créditos artigo 11, I. PARAÍBA Lei nº 5.123, de 27 de janeiro de I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 6º, parágrafo único. II Limite de isenção: Não existe limite de isenção para doação de espécie na Paraíba. III Prazo para recolhimento: Artigo 14, I e II. No caso de instrumento público, antes da lavratura; e Em até 30 (trinta) dias após a lavratura do instrumento particular, mediante a apresentação deste ao órgão fazendário competente para a avaliação da base de cálculo do imposto devido. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado da Paraíba no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 11º, II, b da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: Nas doações, o donatário artigo 9º, II. O doador é solidariamente responsável pelo pagamento do imposto e acréscimos legais em caso de inadimplência do donatário artigo 10, III.

15 RIO GRANDE DO NORTE Regulamento ITCMD Decreto nº , de 07 de dezembro de I Alíquota aplicável: 03% (três por cento) artigo 15. II Limite de isenção: Não existe limite de isenção para doação de espécie. III Prazo para recolhimento: O imposto será pago mediante guia de recolhimento, expedida pela Secretaria de Estado da Tributação, no prazo de 30 (trinta) dias, contados da data de sua emissão, em órgãos autorizados e entidades bancárias credenciadas da situação dos bens artigo 16. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado do Rio Grande do Norte no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 2º, II, da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: Nas doações, o donatário artigo 7º, II. O doador responde solidariamente pelo crédito tributário e cominações legais, nos atos que intervierem ou pelas omissões as quais forem responsáveis artigo 8º, III. CEARÁ Lei número /2003. I Alíquota aplicável: Artigo 10. -Doações de até (UFIRCES), atualmente equivalentes a R$ ,50 (oitenta mil cento e oitenta e sete reais e cinquenta centavos): alíquota de 02% (dois por cento) artigo 10, b, item 1; -Doações a partir de (UFIRCES): alíquota de 04% (quatro por cento) artigo 10, b, item 2. II Limite de isenção: Não existe limite de isenção para doação de espécie neste Estado. III Prazo para recolhimento: -Se for realizada por meio de instrumento público: antes da lavratura do mesmo artigo 14, I; -Se for realizada por meio de instrumento particular: até o dia 10 (dez) do terceiro mês subsequente ao da lavratura do instrumento particular artigo 14, III; -Se for realizada por meio de instrumento público ou mesmo particular, mas fora do Estado do Ceará: até o dia 10 (dez) do quinto mês subsequente ao da lavratura do ato ou contrato artigo 15. IV Competência territorial: Embora não conste expressamente na lei estadual que regula este imposto, claro está que segue a determinação constitucional, ou seja, devem ser aplicadas as regras do Estado do Ceará no caso do doador ter domicílio em tal Estado. V Responsável pelo recolhimento: Nas transmissões por doação, o donatário artigo 7º, II. Na inadimplência do donatário, é o doador responsável solidário pelo pagamento do tributo artigo 8º, III.

16 PIAUÍ Lei nº 4.261, de 01 de fevereiro de I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 15. II Limite de isenção: Cuja soma dos valores venais da totalidade dos bens e direitos doados seja igual ou inferior a (um mil) UFR-PI, atualmente equivalentes a R$ 2.540,00 (dois mil, quinhentos e quarenta reais) artigo 8º, II, a. III Prazo para recolhimento: Artigo 18, VI e VII. -Na doação de bem, título ou crédito que se formalizar por escritura pública, antes de sua lavratura; -Na doação de bem, título ou crédito que se formalizar por escrito particular, no prazo de até 15 (quinze) dias contados da data da assinatura. IV Competência territorial: Embora não conste expressamente na lei estadual que regula este imposto, claro está que segue a determinação constitucional, ou seja, devem ser aplicadas as regras do Estado do Piauí no caso do doador ter domicílio em tal Estado. V Responsável pelo recolhimento: O donatário, na doação artigo 16, II. Se o donatário não residir nem for domiciliado no Piauí, o doador será o responsável artigo 16, parágrafo único. É responsável solidário pelo recolhimento do tributo o doador artigo 17, I. MARANHÃO Lei nº de 19 de dezembro de I Alíquota aplicável: 02% (dois por cento) nas doações de quaisquer bens ou direitos artigo 110, I, a. II Limite de isenção: De bens e/ou direitos, transmitidos por doação, cujo valor recebido por donatário não ultrapasse o equivalente a 21 (vinte e uma) vezes o valor do salário-mínimo vigente no Estado à época da transmissão, atualmente equivalentes a R$ ,00 (quinze mil, duzentos e quatro reais) artigo 107-A, III. III Prazo para recolhimento: Antes da lavratura da escritura pública e do registro de qualquer instrumento artigo 113, II. IV Competência territorial: Embora não conste expressamente na lei estadual que regula este imposto, claro está que segue a determinação constitucional, ou seja, devem ser aplicadas as regras do Estado do Maranhão no caso do doador ter domicílio em tal Estado. V Responsável pelo recolhimento: Nas doações, o donatário artigo 111, II. Nas transmissões ou doações que se efetuarem sem pagamento do imposto devido, fica solidariamente por ele responsável o doador artigo 112.

17 V NORTE TOCANTINS -Código Tributário do Estado do Tocantins -Lei nº 1.287, de 28 de dezembro de I Alíquota aplicável: Artigo 61. 2%, quando a base de cálculo for igual ou inferior a R$ ,00; 3%, quando a base de cálculo for superior a R$ ,00 e até R$ ,00; 4%, quando a base de cálculo for superior a R$ ,00. II Limite de isenção: R$ 1.000,00 (mil reais) artigo 55, IV. III Prazo para recolhimento: 30 (trinta) dias contados da lavratura do instrumento artigo 62, 2º, c. IV Competência territorial: Embora não conste expressamente na lei estadual que regula este imposto, claro está que segue a determinação constitucional, ou seja, devem ser aplicadas as regras do Estado do Tocantins no caso do doador ter domicílio em tal Estado. V Responsável pelo recolhimento: O donatário, na doação artigo 56, II. Se o donatário não residir ou for domiciliado no Estado, o contribuinte é o doador artigo 56, parágrafo único. Na impossibilidade de exigência do cumprimento da obrigação principal pelo contribuinte, responde solidariamente com este nos atos em que intervierem ou pelas omissões de que for responsável o doador, e no caso do parágrafo único do art. 56, o donatário artigo 57, I. PARÁ -Lei N , de 5 de janeiro de I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 8º. II Limite de isenção: Não existe limite de isenção para doação de espécie neste Estado. III Prazo para recolhimento: Na transmissão por doações, antes da lavratura do instrumento público ou particular, no prazo de cinco (5) dias, contado do lançamento administrativo artigo 6º, I. Efetuar-se-á o recolhimento do imposto em até trinta (30) dias depois da lavratura do instrumento público ou particular de doação, quando realizados em outro Estado artigo 6º, parágrafo único. IV Competência territorial: Embora não conste expressamente na lei estadual que regula este imposto, claro está que segue a determinação constitucional, ou seja, devem ser aplicadas as regras do Estado do Pará no caso do doador ter domicílio em tal Estado. V Responsável pelo recolhimento: Nas doações, o donatário dos bens ou direito artigo 4º, II. O doador, na inadimplência do donatário, é responsável solidário pelo pagamento do tributo artigo 5º, III.

18 AMAPÁ RITCD Decreto nº 3601 de 29 de dezembro de I Alíquota aplicável: 03% (três por cento) artigo 8º, II. II Limite de isenção: Não existe limite de isenção para doação de espécie neste Estado. III Prazo para recolhimento: Artigo 17, I e II. Tratando-se de transmissão decorrente de doação: -na hipótese de instrumento lavrado no Estado do Amapá, antes da respectiva lavratura; -na hipótese de instrumento lavrado fora do Estado do Amapá, no prazo de até 10 (dez) dias, contado de sua lavratura; IV Competência territorial: Embora não conste expressamente na lei estadual que regula este imposto, claro está que segue a determinação constitucional, ou seja, devem ser aplicadas as regras do Estado do Amapá no caso do doador ter domicílio em tal Estado. V Responsável pelo recolhimento: O donatário, na transmissão por doação artigo 9º, II. O doador responde solidariamente com o contribuinte artigo 11, IV. RORAIMA Código Tributário Estadual Lei nº 059 de 28 de dezembro de I Alíquota aplicável: 04% (quatro por cento) artigo 79. II Limite de isenção: A doação, cujo valor seja inferior a 50 UFERRS, atualmente equivalentes a R$ ,00 (treze mil, setecentos e vinte e nove reais) -artigo 76, VII. III Prazo para recolhimento: Artigo 82, I, II e VI. -Nas transmissões por instrumento particular, dentro de 15 (quinze) dias contados da data da apresentação deste à repartição fiscal; -Nas transmissões por escritura pública, ou procuração em causa própria, antes de lavrado o respectivo instrumento; -Nas aquisições por instrumento público ou particular, lavrados fora do Estado, em até 60 (sessenta) dias do ato ou contrato; IV Competência territorial: Embora não conste expressamente na lei estadual que regula este imposto, claro está que segue a determinação constitucional, ou seja, devem ser aplicadas as regras do Estado de Roraima no caso do doador ter domicílio em tal Estado. V Responsável pelo recolhimento: Nas doações, o donatário ou adquirente dos bens, direitos e créditos artigo 80, II. O doador é solidariamente responsável pelo pagamento do imposto artigo 81, III.

19 AMAZONAS Código Tributário Estadual -Lei Complementar nº 19, de 29 de dezembro de I Alíquota aplicável: 02% (dois por cento) artigo 119. II Limite de isenção: As transmissões cujo tributo tenha valor inferior a R$ 50,00 (cinquenta reais) artigo 118, V. III Prazo para recolhimento: Artigo 125, nos incisos I, II, V e VII. -nas transmissões por escritura pública, ou procuração em causa própria, antes de lavrado o respectivo instrumento; -nas transmissões por instrumento particular, dentro de 10 (dez) dias contados da apresentação deste à repartição fiscal; -nas transmissões não documentadas no momento da tradição; nas transmissões por doação de bem, título ou crédito não referidas nos incisos anteriores, no prazo de até 15 (quinze) dias, contados da ocorrência desses fatos. IV Competência territorial: Embora não conste expressamente na lei estadual que regula este imposto, claro está que segue a determinação constitucional, ou seja, devem ser aplicadas as regras do Estado do Amazonas no caso do doador ter domicílio em tal Estado. V Responsável pelo recolhimento: O donatário no caso de doação artigo 124, II. É responsável pelo recolhimento do imposto o doador, quando o donatário residir em outro Estado artigo 124, A. Ainda, o doador também é responsável solidário pelo recolhimento do imposto artigo 124 B, I.

20 RONDÔNIA Regulamento do ITCMD Decreto nº 15474, de 29 de outubro de I Alíquota aplicável: Artigo 13. 2% (dois por cento), quando a base de cálculo for igual ou inferior a (mil, duzentas e cinquenta) UPF/RO; 3% (três por cento), quando a base de cálculo for superior a (mil, duzentas e cinquenta) e inferior a (seis mil, cento e setenta) UPF/RO; e 4% (quatro por cento), quando a base de cálculo for igual ou superior a (seis mil, cento e setenta) UPF/RO. II Limite de isenção: Quando o valor do bem ou direito transmitido ou doado for igual ou inferior a 62 (sessenta e duas) UPF/RO, atualmente equivalente a R$ 3.289,10 (três mil, duzentos e oitenta e nove reais e dez centavos) artigo 14, IV. III Prazo para recolhimento: Antes da lavratura do respectivo instrumento público, quando se tratar de transmissão decorrente de doação artigo 33, I, a. Em até 60 (sessenta) dias após a ocorrência do fato gerador do imposto, nos casos não previstos na lei artigo 33, V. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado de Rondônia no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 4º, I, da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: O donatário, na doação artigo 16, II. O doador Responde solidariamente pelo pagamento do ITCD devido artigo 17, I.

21 ACRE -Lei Complementar n 112 de 30 de dezembro de I Alíquota aplicável: 02% (dois por cento) artigo 14. II Limite de isenção: Não existe limite de isenção para doação de espécie neste Estado. III Prazo para recolhimento: Artigo 11, I e II. -Antes de lavrado o respectivo instrumento, nas transmissões por escritura pública ou procuração em causa própria; -Dentro de trinta dias, nas transmissões por instrumento particular, mediante a apresentação deste à repartição fiscal. IV Competência territorial: Devem ser aplicadas as regras do Estado do Acre no caso do doador ter ali domicílio, conforme artigo 9º, II, a, da Lei em comento e artigo 155, I, 1º, II, da Constituição Federal. V Responsável pelo recolhimento: Nas transmissões por doação, o adquirente dos bens ou direitos artigo 7º, II. O doador, na inadimplência do donatário, é responsável solidário pelo recolhimento do tributo artigo 8º, III. Estas são as considerações que os advogados amigos do Réu do mensalão, entenderam como pertinentes a necessária divulgação.

Lei nº 11.441/07 Aspectos Jurídicos e Tributários

Lei nº 11.441/07 Aspectos Jurídicos e Tributários Lei nº 11.441/07 Aspectos Jurídicos e Tributários Antonio Herance Filho herance@gruposerac.com.br (11) 2959.0220 Santos, 09 de maio de 2009 1 IMPOSTO DE TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO - ITCMD SUMÁRIO:

Leia mais

DECRETO Nº 4.886 DECRETA:

DECRETO Nº 4.886 DECRETA: DECRETO Nº 4.886 Introduz alterações no Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto nº 1.980, de 21 de dezembro de 2007. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87,

Leia mais

Encargos Financeiros 2016. Program a de Pó s - Gr adu ação La to Se ns u da FGV DIREIT O SP ( GV law)

Encargos Financeiros 2016. Program a de Pó s - Gr adu ação La to Se ns u da FGV DIREIT O SP ( GV law) Encargos Financeiros 2016 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) Valores dos cursos de 32 horas (para ingressantes no 1º semestre de 2016): R$ 3.045,00 (três mil e quarenta e cinco

Leia mais

DECRETO Nº 51.627, DE 13 DE JULHO DE 2010

DECRETO Nº 51.627, DE 13 DE JULHO DE 2010 DECRETO Nº 51.627, DE 13 DE JULHO DE 2010 Aprova o Regulamento do Imposto sobre Transmissão Inter Vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física, e de direitos

Leia mais

ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13

ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13 1 ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13 LEI Nº 9.979/13 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício Financeiro de 2013. PROJETO DE LEI Nº 307/13

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2228, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. PUBLICADA NO DOE Nº1396, DE 28.12.09 Altera, acrescenta e revoga dispositivos da Lei nº 959, de 28 de dezembro de 2000. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA: Faço

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

Previdência 2011: Novos Valores do Salário de Contribuição e Salário- Família 2011 03/01/2011

Previdência 2011: Novos Valores do Salário de Contribuição e Salário- Família 2011 03/01/2011 Previdência 2011: Novos Valores do Salário de Contribuição e Salário- Família 2011 03/01/2011 A Portaria Interministerial 568 MPS-MF, de 31-12-2010, publicada no Diário Oficial de 3-1-2011, reajustou em

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE O ICD. 1º) acessar o site www.sefaz.pe.gov.br; 2º) clicar no ícone ICD ; 3º) clicar na opção LEGISLAÇÃO.

DÚVIDAS SOBRE O ICD. 1º) acessar o site www.sefaz.pe.gov.br; 2º) clicar no ícone ICD ; 3º) clicar na opção LEGISLAÇÃO. DÚVIDAS SOBRE O ICD 1. O QUE É O ICD? O ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de quaisquer Bens ou Direitos), ou ICD, como é denominado em Pernambuco é um Imposto Estadual devido por toda

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Processo nº 51269/2014. ML-57/2014 Encaminha Projeto de Lei.

Processo nº 51269/2014. ML-57/2014 Encaminha Projeto de Lei. ML-57/2014 Encaminha Projeto de Lei. Senhor Presidente: São Bernardo do Campo, 9 de dezembro de 2014. PROJETO DE LEI N. 67/14 PROTOCOLO GERAL N. 5.212/14 Encaminhamos a Vossa Excelência, para apreciação

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

Legislação. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

Legislação. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: Legislação LEI Nº 9.591, DE 30-12-1966. Dispõe a respeito do imposto sobre transmissão de bens imóveis e de direitos a eles relativos (Revogado pela Lei nº 10.705/00) O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO:

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9416, DE 14 DE MAIO DE 2014. Institui o Programa de Parcelamento Incentivado - PPI e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

RESOLUÇÕES DO SENADO FEDERAL VOLUME 7 (1977) SUBSECRETARIA DE ANAIS BRASÍLIA 1978

RESOLUÇÕES DO SENADO FEDERAL VOLUME 7 (1977) SUBSECRETARIA DE ANAIS BRASÍLIA 1978 RESOLUÇÕES DO SENADO FEDERAL VOLUME 7 (1977) SUBSECRETARIA DE ANAIS BRASÍLIA 1978 Resoluções do Senado Federal. t. 1 1946/59 Brasília, 1974 v. irregular 1. Brasil. Congresso. Senado Federal Resouções.

Leia mais

REDE ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº 61.584.140/0001-49 NIRE 35.300.029.780 Companhia Aberta PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

REDE ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº 61.584.140/0001-49 NIRE 35.300.029.780 Companhia Aberta PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO REDE ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº 61.584.140/0001-49 NIRE 35.300.029.780 Companhia Aberta São Paulo, 15 de junho de 2011. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Assembléia Geral Extraordinária a realizar-se em 30/06/2011

Leia mais

ATUALIZADA ATÉ A LEI N O 6.744, de 23/12/2015. LEI Nº 4.261, DE 01 DE FEVEREIRO DE 1989.

ATUALIZADA ATÉ A LEI N O 6.744, de 23/12/2015. LEI Nº 4.261, DE 01 DE FEVEREIRO DE 1989. ATUALIZADA ATÉ A LEI N O 6.744, de 23/12/2015. LEI Nº 4.261, DE 01 DE FEVEREIRO DE 1989. Disciplina o Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação de quaisquer Bens ou Direitos, previstos na alínea

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270 DECRETO Nº 13.270 Regulamenta o parcelamento e pagamento de créditos do município de Vitória e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

ICMS - Tabela - Aplicação da Alíquota nas Operações e Prestações Interestaduais

ICMS - Tabela - Aplicação da Alíquota nas Operações e Prestações Interestaduais ICMS - Tabela - Aplicação da Alíquota nas Operações e Prestações Interestaduais Resumo: Este procedimento apresenta as alíquotas interestaduais do ICMS, fixadas pela Resolução SF nº 22/1989, utilizadas

Leia mais

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.306, DE 16 DE MAIO DE 2006 Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2006. O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Dispõe sobre os valores de anuidades, contribuições, taxas, multas e emolumentos para o exercício de 2014.

Dispõe sobre os valores de anuidades, contribuições, taxas, multas e emolumentos para o exercício de 2014. Belo Horizonte, 19 de Novembro de 2013. Resolução Especial CREF6/MG 2013 Dispõe sobre os valores de anuidades, contribuições, taxas, multas e emolumentos para o exercício de 2014. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

COSAN S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO CNPJ nº 50.746.577/0001-15 NIRE 35.300.177.045 Companhia Aberta

COSAN S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO CNPJ nº 50.746.577/0001-15 NIRE 35.300.177.045 Companhia Aberta COSAN S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO CNPJ nº 50.746.577/0001-15 NIRE 35.300.177.045 Companhia Aberta COSAN LOGISTICA S.A. CNPJ/MF 17.346.997/0001-39 NIRE 35.300.447.581 Companhia Aberta FATO RELEVANTE A COSAN

Leia mais

LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960

LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 Federaliza a Universidade do Rio Grande do Norte, cria a Universidade de Santa Catarina e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.242/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000013787-06

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.242/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000013787-06 Acórdão: 21.242/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000013787-06 Impugnação: Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA 40.010134004-28, 40.010134005-92 (Coob.) Michele de Paula Assis CPF: 055.137.026-22

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF

Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF Os contratos de mútuo, comumente realizados entre pessoas físicas e jurídicas, serão tributados, na fonte, pelo Imposto de Renda e pelo Imposto sobre

Leia mais

TEF / POS. Documento atualizado em 26/03/2015.

TEF / POS. Documento atualizado em 26/03/2015. TEF / POS A AFRAC Associação Brasileira de Automação para o Comércio, através de seu departamento jurídico, no interesse de atualizar seus associados, bem como demais interessados, confeccionou o presente

Leia mais

ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES

ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES São partes signatárias do presente Termo Aditivo ao Acordo Coletivo de Trabalho, a Empresa INFRAMÉRICA - CONCESSIONÁRIA DO AEROPORTO DE BRASILIA

Leia mais

TEF Transferência Eletrônica de Fundos. Obrigatoriedade de acordo com a legislação

TEF Transferência Eletrônica de Fundos. Obrigatoriedade de acordo com a legislação TEF Transferência Eletrônica de Fundos Obrigatoriedade de acordo com a legislação TEF Transferência Eletrônica de Fundos Acre Obrigatório: Não No estado do Acre não há referências sobre o TEF na legislação.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre planos corretivo e de recuperação

Leia mais

ITCMD INFORMAÇÕES SOBRE A APLICAÇÃO DO IMPOSTO EM TODOS OS ESTADOS QUALITY ASSOCIADOS ITCMD ALIQUOTAS ISENÇÕES TODOS OS ESTADOS

ITCMD INFORMAÇÕES SOBRE A APLICAÇÃO DO IMPOSTO EM TODOS OS ESTADOS QUALITY ASSOCIADOS ITCMD ALIQUOTAS ISENÇÕES TODOS OS ESTADOS ITCMD ALIQUOTAS ISENÇÕES TODOS OS ESTADOS ITCMD O Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos ITCMD, previsto no artigo 55, I, da Constituição Federal, na redação da

Leia mais

ITCMD ALIQUOTAS ISENÇÕES TODOS OS ESTADOS

ITCMD ALIQUOTAS ISENÇÕES TODOS OS ESTADOS ITCMD ALIQUOTAS ISENÇÕES TODOS OS ESTADOS ITCMD O Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos ITCMD, previsto no artigo 55, I, da Constituição Federal, na redação da

Leia mais

LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960

LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 LEI Nº 3.849, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 Federaliza a Universidade do Rio Grande do Norte, cria a Universidade de Santa Catarina e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Autoriza o Poder Executivo a conceder parcelamento de débitos fiscais relacionados com o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 355/2009 Poder Executivo

PROJETO DE LEI Nº 355/2009 Poder Executivo DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, sexta-feira, 20 de novembro de 2009. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 355/2009 Poder Executivo Introduz modificações nos arts. 4º, II, e e f, 7º, II, V, e

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO COMGÁS COMPANHIA ABERTA. C.N.P.J./M.F. n.º: 61.856.571/0001-17 N.I.R.E.: 35.300.045.611

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO COMGÁS COMPANHIA ABERTA. C.N.P.J./M.F. n.º: 61.856.571/0001-17 N.I.R.E.: 35.300.045.611 COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO COMGÁS COMPANHIA ABERTA C.N.P.J./M.F. n.º: 61.856.571/0001-17 N.I.R.E.: 35.300.045.611 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Ao quinto dia do mês de março do ano de

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 613-A DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 20 DE 2013

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 613-A DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 20 DE 2013 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 613-A DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 20 DE 2013 Institui crédito presumido da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins na venda de álcool, inclusive para fins

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.827. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução entende-se: I - por órgãos e entidades do setor público:

RESOLUÇÃO Nº 2.827. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução entende-se: I - por órgãos e entidades do setor público: RESOLUÇÃO Nº 2.827 Consolida e redefine as regras para o contingenciamento do crédito ao setor público. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº. 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

c Publicada no DOU de 16-12-2004.

c Publicada no DOU de 16-12-2004. LEI N o 10.999, de 15 DE DEZEMBRO DE 2004 Autoriza a revisão dos benefícios previdenciários concedidos com data de início posterior a fevereiro de 1994 e o pagamento dos valores atrasados nas condições

Leia mais

RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015

RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015 RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015 Pelo presente instrumento particular, de um lado, o SINDICATO DOS PUBLICITÁRIOS, DOS AGENCIADORES DE PROPAGANDA E DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE PROPAGANDA DO

Leia mais

PORTARIA Nº 133/2011-GS/SET, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011.

PORTARIA Nº 133/2011-GS/SET, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. DOE Nº 12.567 Data: 20/10/2011 Alterada pelas Portarias nºs: 002/2012-GS/SET 059/2012-GS/SET PORTARIA Nº 133/2011-GS/SET, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre o credenciamento de contribuintes para recolhimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 959, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Publicado no DOE 4646-28/12/2000 Alterada pela Lei nº 2228, de 23 de dezembro de 2009 - D.O.E. de 28.12.2009 O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA: Institui o Imposto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Produto de informática e automação redução de base de cálculo e alíquota - RJ

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Produto de informática e automação redução de base de cálculo e alíquota - RJ Produto de informática e automação redução de base de cálculo e alíquota - RJ 06/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

RELATÓRIO DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS Secretarias de Agricultura dos Estados

RELATÓRIO DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS Secretarias de Agricultura dos Estados RELATÓRIO DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS Secretarias de Agricultura dos Estados Com base nas informações disponíveis, a ANDAV fez um levantamento nas Legislações Estaduais referente à necessidade de entrega

Leia mais

GÁVEA FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII CNPJ/MF nº 16.875.388/0001-04 PROPOSTA DO ADMINISTRADOR PARA A 2ª EMISSÃO DE COTAS DO FUNDO

GÁVEA FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII CNPJ/MF nº 16.875.388/0001-04 PROPOSTA DO ADMINISTRADOR PARA A 2ª EMISSÃO DE COTAS DO FUNDO GÁVEA FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII CNPJ/MF nº 16.875.388/0001-04 PROPOSTA DO ADMINISTRADOR PARA A 2ª EMISSÃO DE COTAS DO FUNDO Aos Quotistas do Fundo Prezado(a)(s) Senhor(a)(es), BEM

Leia mais

adriano.soares@tjam.jus.br DOCUMENTOS PREGÃO 6/2014 EMPRESA PALÁCIO DE MATERIAL DE SEGURANÇA LTDA - EPP

adriano.soares@tjam.jus.br DOCUMENTOS PREGÃO 6/2014 EMPRESA PALÁCIO DE MATERIAL DE SEGURANÇA LTDA - EPP Zimbra https://mail.tjam.jus.br/h/printmessage?id=29699&tz=america/guyana Page 1 of 2 11/02/2014 Zimbra adriano.soares@tjam.jus.br DOCUMENTOS PREGÃO 6/2014 EMPRESA PALÁCIO DE MATERIAL DE SEGURANÇA LTDA

Leia mais

PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS

PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS A Resolução da Secretária da Fazenda nº 108, publicada do DOE de hoje, institui o parcelamento especial dos débitos fiscais relativos ao ICMS decorrentes de fatos geradores

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS LEGISLAÇÕES Emenda Constitucional 87/2015-17 de Abril de 2015; Lei nº 15.856/2015-03 de Julho de 2015; Convênio de ICMS 93/2015-21 de Setembro de 2015; Decreto

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06338/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 29 de junho de 2007. Referência: Processo n.º 18101.000310/2007-36. Assunto: Distribuição

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA PGE/SEFAZ, Nº 04 DE 21/10/2014 (Publicada no Diário Oficial de 22/10/2014)

PORTARIA CONJUNTA PGE/SEFAZ, Nº 04 DE 21/10/2014 (Publicada no Diário Oficial de 22/10/2014) PORTARIA CONJUNTA PGE/SEFAZ, Nº 04 DE 21/10/2014 (Publicada no Diário Oficial de 22/10/2014) Estabelece rotinas de procedimentos de declaração e recolhimento do Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.833 DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DISPÕE SOBRE O IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO E SOBRE A TAXA DE COLETA, REMOÇÃO E DESTINAÇÃO DO LIXO PARA O EXERCÍCIO DE 2010, CONCEDE ISENÇÕES E DÁ OUTRAS

Leia mais

SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS

SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS TRÊS TIPOS DE DIFERENCIAIS (não confunda!!!) 1 Diferencial clássico 2 Diferencial S.T. 3 Diferencial nas

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: MEDIDA PROVISÓRIA N o 713, DE 1 o DE MARÇO DE 2016 Altera a Lei n o 12.249, de 11 de junho de 2010, para dispor sobre o Imposto de Renda Retido na Fonte sobre a remessa de valores destinados à cobertura

Leia mais

Processo n. 147.448/09 CONTRATO N. 2010/114.1

Processo n. 147.448/09 CONTRATO N. 2010/114.1 Processo n. 147.448/09 CONTRATO N. 2010/114.1 PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO CONTRATO CELEBRADO ENTRE A CÂMARA DOS DEPUTADOS E A PLANSUL PLANEJAMENTO E CONSULTORIA LTDA., OBJETIVANDO A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

SEÇÃO XXXI. Das Operações Realizadas por Estabelecimento de Construção Civil e Assemelhados

SEÇÃO XXXI. Das Operações Realizadas por Estabelecimento de Construção Civil e Assemelhados SEÇÃO XXXI Das Operações Realizadas por Estabelecimento de Construção Civil e Assemelhados NOTA: O art. 1º do Decreto nº 28.346, de 11/08/2006, alterou os arts. 725 a 731, nos seguintes termos: "Art. 725.

Leia mais

PACOTE FIXO Grátis por 3 meses. BÔNUS IR Válidos por 12 meses. Bônus 500 min. Bônus 900 min. ESTILO 100, 200 Bônus 1200 min. 100 min.

PACOTE FIXO Grátis por 3 meses. BÔNUS IR Válidos por 12 meses. Bônus 500 min. Bônus 900 min. ESTILO 100, 200 Bônus 1200 min. 100 min. Promoção "Outubro 2009". Escolha. - Claro Conta e SuperControle REGULAMENTO DA PROMOÇÃO "OUTUBRO 2009" CLARO CONTA E SUPERCONTROLE 35 O PRESENTE REGULAMENTO TEM POR OBJETO REGULAR AS RELAÇÕES ENTRE A CLARO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 12.882

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 12.882 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 12.882 Regulamenta as normas relativas ao Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis ITBI, instituído pela Lei 3.571, de 24 de janeiro de 1989. O Prefeito Municipal de

Leia mais

CONVÊNIO ICMS N º99/98 Publicado no DOU de 25.09.98. Ratificação Nacional DOU de 15.10.98, pelo Ato COTEPE-ICMS 75/98. Alterado pelos Convs.

CONVÊNIO ICMS N º99/98 Publicado no DOU de 25.09.98. Ratificação Nacional DOU de 15.10.98, pelo Ato COTEPE-ICMS 75/98. Alterado pelos Convs. CONVÊNIO ICMS N º99/98 Publicado no DOU de 25.09.98. Ratificação Nacional DOU de 15.10.98, pelo Ato COTEPE-ICMS 75/98. Alterado pelos Convs. ICMS nºs12/99, 119/11, 19/12, 97/12. Nova redação dada à ementa

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, que entre si fazem, nos termos do artigo 611 e seguintes da Consolidação das Leis do Trabalho, artigos 7º, XXVI, e, 8º VI, da Constituição da República, SINDICATO DOS PROFESSORES

Leia mais

DIFAL e Partilha do ICMS

DIFAL e Partilha do ICMS DIFAL e Partilha do ICMS 1 Índice 1. 2. LEGISLAÇÃO NACIONAL... 4 EMENTA CONSTITUCIONAL 87/2015... 5 3. RESPONSABILIDADE PELO RECOLHIMENTO DO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS... 6 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comprovante de Rendimentos Pagos e de Imposto sobre a Renda Retido na Fonte - Rendimentos Isentos e Não

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comprovante de Rendimentos Pagos e de Imposto sobre a Renda Retido na Fonte - Rendimentos Isentos e Não Comprovante de Rendimentos Pagos e de Imposto sobre a Renda Retido na Fonte - Rendimentos 09/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 6 12/9/2013 13:42 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.859, DE 10 DE SETEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Conversão da Medida Provisória nº 613, de 2013 Institui

Leia mais

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico).

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). LEI 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001 Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados,

Leia mais

MBCARDOSO Perícia e Auditoria Contábil

MBCARDOSO Perícia e Auditoria Contábil LAUDO PERÍCIA EXTRAJUDICIAL Campo Grande/MS, 19 de agosto de 2013. Parte Interessada: Mariane Magazine LTDA Parte Contrária: Estado de Mato Grosso do Sul. APRESENTAÇÃO Contador Maycon Bispo Cardoso, brasileiro,

Leia mais

Caderno de Debêntures

Caderno de Debêntures Caderno de Debêntures CSMG16 Cia de Saneamento de M. Gerais COPASA MG Valor Nominal na Emissão: R$1.000.000,00 Quantidade Emitida: 200 Emissão: 15/02/2012 Vencimento: 15/02/2017 Classe: Não Conversível

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica 24/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

ANEXO 16 Protocolo de Justificação da Incorporação da Localiza Cuiabá

ANEXO 16 Protocolo de Justificação da Incorporação da Localiza Cuiabá ANEXO 16 Protocolo de Justificação da Incorporação da Localiza Cuiabá PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA LOCALIZA CUIABÁ ALUGUEL DE CARROS LTDA. PELA LOCALIZA RENT A CAR S.A. (a) LOCALIZA RENT

Leia mais

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF).

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 974, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das atribuições

Leia mais

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS:

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: Diário Oficial do Município de Boquira - Bahia Poder Executivo Ano VI Nº 870 11 de Novembro de 2014 RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: LEIS LEI Nº 623 DE 03 DE NOVEMBRO DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JANDAIA DO SUL CNPJ: 75771204/0001-25

PREFEITURA MUNICIPAL DE JANDAIA DO SUL CNPJ: 75771204/0001-25 CONTRATO Nº. 48/2015 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE JANDAIA DO SUL E A EMPRESA PORTO SEGURO COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS O Município de Jandaia do Sul pessoa jurídica

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Nº de Famílias Beneficiadas pelo Bolsa Família em Relação ao Total de Famílias do Nº de Famílias Beneficiadas / Total de Famílias - ano 2015 (%) 50,00% 48,2% 42,8% Média Nacional - % de Famílias Beneficiadas

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES

BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES Banco ABC Brasil S.A. ( Companhia ), vem a público comunicar

Leia mais

NATURA COSMÉTICOS S.A.

NATURA COSMÉTICOS S.A. NATURA COSMÉTICOS S.A. CNPJ/MF n.º 71.673.990/0001-77 Companhia Aberta NIRE 35.300.143.183 Capital Subscrito e Integralizado: R$ 233.862.055,13 428.193.460 ações ON Capital Autorizado: até 14.117.070 ações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO N 0 53, DE 30 DE ABRIL DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028129/2013 NÚMERO DO PROCESSO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 46261.003195/2012-11

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 323/2013 Data: 31 de Outubro de 2013 SÚMULA: Autoriza a Abertura de Crédito Adicional Suplementar por anulação parcial ou total de dotações orçamentárias, e da outras providências. O Senhor João

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 291, DE 03 DE MAIO DE 2013 Projeto de Lei Complementar nº 02/2013 Autor: Prefeito Municipal Henrique Lourivaldo Rinco de Oliveira Dispõe sobre a criação do Programa de Incentivo ao

Leia mais

LEI Nº 9.639, DE 25 DE MAIO DE 1998. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.639, DE 25 DE MAIO DE 1998. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.639, DE 25 DE MAIO DE 1998. Dispõe sobre amortização e parcelamento de dívidas oriundas de contribuições sociais e outras importâncias devidas ao Instituto Nacional do Seguro Social INSS, altera

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. Fixa os critérios para cobrança das anuidades, serviços e multas a serem pagos pelas pessoas físicas e jurídicas registradas no Sistema Confea/Crea, e dá

Leia mais

Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012

Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SECRETARIA DE FINANÇAS FERMOJU Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012 1. Departamento de Gerência Executiva

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-0 APROVADA EM MAR/20 Nº 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das

Leia mais

LEI 8.620, DE 5 DE JANEIRO DE 1993 Altera as Leis 8.212 e 8.213, de 24 de julho de 1991, e dá outras providências. O Presidente da República: Faço

LEI 8.620, DE 5 DE JANEIRO DE 1993 Altera as Leis 8.212 e 8.213, de 24 de julho de 1991, e dá outras providências. O Presidente da República: Faço LEI 8.620, DE 5 DE JANEIRO DE 1993 Altera as Leis 8.212 e 8.213, de 24 de julho de 1991, e dá outras providências. O Presidente da República: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO Nº 16962, DE 1º DE AGOSTO DE 2012 PUBLICADO NO DOE Nº 2027, DE 1º.08.12 Acrescenta, altera e renomeia dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

CIRCULAR DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012 CONCESSIONÁRIAS E DISTRIBUIDORAS DE VEÍCULOS

CIRCULAR DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012 CONCESSIONÁRIAS E DISTRIBUIDORAS DE VEÍCULOS CIRCULAR DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012 CONCESSIONÁRIAS E DISTRIBUIDORAS DE VEÍCULOS A Federação dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo (FECOMERCIÁRIOS-SP) e o SINDICATO DOS CONCESSIONÁRIOS

Leia mais

NOVA REGRA (alterações em vermelho) CONVÊNIO ICMS 38, DE 22 DE MAIO DE 2013 REVOGADO

NOVA REGRA (alterações em vermelho) CONVÊNIO ICMS 38, DE 22 DE MAIO DE 2013 REVOGADO REVOGADO AJUSTE SINIEF 19, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2012 Publicado no DOU de 09.11.12, pelo Despacho 223/12. Prorrogado, para 01.05.13, o início da obrigatoriedade de preenchimento e entrega da FCI, pelo Ajuste

Leia mais

PAUTA COMPLEMENTAR DA SESSÃO PLENÁRIA N 1935 DE 19 DE MAIO DE 2011 (ORDINÁRIA) ORDEM DO DIA ITEM 1 JULGAMENTO DOS PROCESSOS I PROCESSOS DE ORDEM C

PAUTA COMPLEMENTAR DA SESSÃO PLENÁRIA N 1935 DE 19 DE MAIO DE 2011 (ORDINÁRIA) ORDEM DO DIA ITEM 1 JULGAMENTO DOS PROCESSOS I PROCESSOS DE ORDEM C 1 PAUTA COMPLEMENTAR DA SESSÃO PLENÁRIA N 1935 DE 19 DE MAIO DE 2011 (ORDINÁRIA) DO DIA ITEM 1 JULGAMENTO DOS PROCESSOS I PROCESSOS DE C PROCESSO/ INTERESSADO 64 C-0995/09 Crea-SP Termo de Cooperação (Estudos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.482, DE 31 DE MAIO DE 2007. Mensagem de veto Conversão da Mpv nº 340, de 2006 Efetua alterações na tabela do imposto de renda

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI Nº 1799, 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Concede incentivos fiscais com redução da Alíquota de IPTU e ISSQN às empresas que venham a se instalar no Município de Caucaia e dá outras providências A PREFEITA

Leia mais

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012. Publicado no DOE nº 10.952 de 21-12-2012.. Alterado pelos Decretos nºs 5.089/2013, 6.287/2013, 7.299, 8.251/2014, 1.490/2015, 2.301/2015, 2.884/2015 e 3.472/2015..

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais