Desregulamentação laboral: menos regulamentação e mais regulação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desregulamentação laboral: menos regulamentação e mais regulação"

Transcrição

1 Desregulamentação laboral: menos regulamentação e mais regulação Euclides Di Dário (*) RESUMO O objetivo deste texto é apresentar resumidamente a idéia da desregulamentação do direito do trabalho. Pesquisamos porque a desregulamentação é necessária e como pode ser efetivada. Estudamos as dimensões e as implicações dessa tendência. Palavras chaves: Flexibilização, direito do trabalho, desregulamentação dos direitos trabalhistas, regulação. ABSTRACT The objective of this text is to show briefly the deregulation idea. We search why the deregulation is necessary. We study the dimensions and implications of this trend. Words keys: Flexibilisation, labor law, deregulation of the labor law, regulation PENSAMENTO: Nem o capital pode existir sem o trabalho, nem o trabalho sem o capital (LEÃOXIII, "RERUM NOVARUM ) O direito do trabalho nasceu com o objetivo de proteger o trabalhador subordinado. Sempre esteve ligado às circunstâncias políticas e econômicas da sociedade e ficou caracterizado pelo intervencionismo do Estado que o utilizou com um meio de impor regras detalhadas de condições de trabalho, construindo uma legislação trabalhista com muita proteção ao trabalhador e rígida. O neoliberalismo passa a defender um Estado mínimo em contrapartida ao Estado do bem-estar social. A crise do Estado Social, os avanços tecnológicos, a globalização e o neoliberalismo impulsionaram mudanças nas relações de trabalho. Segundo Miguel Reale a experiência jurídica não pode deixar de se processar em sincronia com ocorre nas demais esferas sociais. Surge assim a necessidade de buscar um ordenamento jurídico que seja flexível e possa adaptar-se a novas circunstâncias. O professor da Universidade Federal da Bahia, José Augusto Rodrigues Pinto, em seu artigo Fator tecnológico na Reforma Trabalhista Brasileira, analisa os impactos dos avanços tecnológicos nas mudanças das relações trabalhistas e afirma que desde o primeiro momento de percepção intelectual dos ilimitados proveitos da tecnologia para o resultado da atividade produtiva o fator tecnológico tem sido causa de fortes e diversificados impactos sobre o trabalho humano. A professora da Universidade de Coimbra, Maria do Rosário Palma Ramalho em seu livro Direito do Trabalho - Parte I Dogmática Geral analisou as tendências de evolução do Direito do Trabalho no final do século XX e a flexibilização dos regimes laborais. Segundo ela, esse movimento foi iniciado na década de setenta e comum à maioria dos países da Europa continental cujos sistemas laborais tinham evoluído com o perfil garantistico. A autora classifica a flexibilização em externa e interna. A flexibilização externa está relacionada à tipologia dos vínculos laborais. Os sistemas

2 jurídicos europeus vêm regulando desde a década de oitenta vínculos atípicos tais como: trabalho a termo, a tempo parcial e temporário, trabalho partilhado, trabalho intermitente e o tele-trabalho. A flexibilização interna está relacionada com a redução de algumas garantias dos trabalhadores e na maleabilização do regime jurídico do contrato de trabalho, como por exemplo, a polivalencia funcional e diminuição da estabilidade do local de trabalho, flexibilização do horário de trabalho e a racionalização da tutela da demissão. É preciso então verificar como a flexibilização se processa. Para identificar esse processo a doutrina adotou o termo desregulamentação. Segundo a Professora Maria do Rosário o termo desregulamentação é expressivo para identificar uma inversão da tendência tradicional do Direito do Trabalho em termos normativos a tendência para regular os fenômenos laborais em moldes cada vez mais abrangentes e de um modo imperativo. Isso significa reduzir as normas imperativas e aumentar as normas dispositivas. A autora identifica três processos através do quais pode haver a efetivação dessa tendência: a) Pela supressão das normas legais imperativas, cuja regulação é remetida para o âmbito dos contratos de trabalho b) Pelo reenvio legal da competência para regular as matérias laborais diretamente para as convenções coletivas de trabalho c) Pela alteração das regras especiais de interpretação e aplicação das fontes laborais, aumentando a respectiva elasticidade Alan Supion diferenciou a ação de regulamentar e a de regular. Segundo ele regulamentar é ditar regras do exterior, ao passo que regular é fazer que se observem as regras necessárias ao funcionamento homeostático de uma organização. A um automóvel criado segundo esse princípio, bastaria indicar um destino e ele se encarregaria de regular sozinho sua velocidade e seu itinerário para encaminhar os passageiros a ele no melhor tempo possível. Segue o autor afirmando que apenas uma regulação adequada, e não uma regulamentação rígida pode proteger a sociedade da desordem entrópica, ou seja, tendência da natureza para deteriorar o ordenado e para destruir o compreensível. Adiciona que com o recuo da heteronomia em proveito da auto-regulamentação profissional, deu-se uma nova distribuição de papéis entre a lei, que fixa princípio e objetivos por atingir, e a negociação coletiva que concorre para a definição desses objetivos e adapta a realização de lês às circunstancias particulares do ramo, da empresa, do grupo etc. A realidade brasileira O Direito trabalhista brasileiro tem sua origem na década de 30 e é marcado pela intervenção do Estado e pela heteronomia, com prevalência do direito individual do trabalho sobre a autonomia da negociação privada. A realidade do mercado de trabalho no Brasil, como em outros países, tem se modificado em função das alterações políticas, econômicas e sociais. Evidentemente o ambiente já não é o mesmo da criação das primeiras leis trabalhistas. O desenvolvimento tecnológico promoveu uma evolução nas formas de produção e efeitos nas relações de trabalho. A sociedade brasileira convive com uma precária distribuição de renda, com uma alta taxa de informalidade e desemprego, presenciamos a desestatização da economia, a globalização e crises econômicas mundiais.

3 Ottoni Fernandes Jr., em seu artigo Brasil Dividido apresenta dados sobre a informalidade no Brasil. Em 2002, 36,3 milhões de pessoas, nada menos que 52,6% daqueles que praticavam alguma atividade remunerada, gravitavam em ambientes informais. A informalidade é um problema para o país por várias razões. Primeiro porque quem trabalha sem registro vive sem qualquer rede de proteção. Depois, porque uma empresa não investe na capacitação de trabalhadores que não tem vínculo com o seu negócio. Em terceiro, porque as empresas que vivem na informalidade não pagam impostos. O autor informa também que é cada vez mais comum a opção pela informalidade para não cumprir exigências trabalhistas, previdenciárias ou relacionadas à segurança do trabalho. Assim os empregadores buscam formas de reduzir encargos trabalhistas e utilizam ilicitamente institutos como a terceirização e as cooperativas. Existe ainda uma face mais perversa da precária distribuição de renda no país, quando os desempregados ou subempregados envolvem-se com atividades ilegais. A Constituição de 1988 apresentou uma rigidez menor que a CLT, mas ainda insuficiente. Estão presentes avanços o reconhecimento das negociações coletivas (Art. 7, inciso XXVI, contudo foi mantida a unicidade sindical e não criou uma perspectiva para modificar o corporativismo sindical. Podemos encontrar outras iniciativas de flexibilização na legislação trabalhista. Exemplo disso é a Lei 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que regulou o trabalho temporário. Outro exemplo é a Lei 9.601, de , através da qual se instituiu o contrato de trabalho por prazo determinado, por meio de convenções e acordos coletivos, independentemente das condições previstas no 20 do art. 443, da CLT, bem como se criou o chamado banco de horas extras, alterando-se o tradicional sistema de compensação semanal ora vigente. Na jurisprudência também há sinais de flexibilização como o Enunciado 342 que permite outros descontos no salário do empregado além das hipóteses previstas na CLT. Mesmo com essas iniciativas a legislação trabalhista brasileira está claramente defasada do mercado de trabalho e precisa ser adaptada para acompanhar a dinâmica da sociedade. A flexibilização é uma tendência e precisa compatibilizar-se com o princípio de proteção do trabalhador que busca compensar a desigualdade econômica entre o empregador e o empregado. A compatibilização poderá ocorrer com o desenvolvimento de novas formas de interpretação Diferenciam-se os conceitos de flexibilização e desregulamentação. Segundo o Prof. Amauri Mascaro do Nascimento desregulamentação é vocábulo que deve ser restrito ao direito coletivo do trabalho, não se aplicando ao direito individual do trabalho para o qual existe a palavra flexibilização. Em relação à desregulamentação a tendência é que haja mais regulação e menos regulamentação, ou seja, que haja prevalência dos mecanismos de auto-composição que objetivem um acerto de vontades entre o empregador e o empregado e o Estado assuma um papel de coordenação e regule genericamente as negociações coletivas ao invés de impor normas detalhadas. A desregulamentação só se viabilizará, contudo, com a reforma de leis trabalhistas referentes à pluralidade sindical e à representação dos trabalhadores no local de trabalho.

4 Conclusão Diante das dificuldades do mercado de trabalho brasileiro a adaptação do Direito do Trabalho é uma necessidade que deve ser enfrentada pelos atores sociais. O Direito do Trabalho no Brasil foi criado há mais de cinqüenta anos e é caracterizado por um forte intervencionismo do Estado e por um sindicalismo corporativista. A legislação trabalhista, hoje rígida, precisa ter a capacidade de adaptar-se às mudanças conjunturais da sociedade. A desregulamentação, ou seja, a progressiva redução das normas imperativas e a expansão da regulação, com a utilização de normas dispositivas, é uma tendência que deve prevalecer. Esse caminho incentiva a liberdade de estipulação entre os sujeitos da relação de trabalho e convenções coletivas. Temos que considerar, contudo, que o os direitos trabalhistas são em grande parte também direitos humanos que garantem a dignidade da pessoa humana. Em nenhuma hipótese a flexibilização ou a desregulamentação pode significar precarização da dignidade da pessoa humana. É preciso ter em mente também que embora a ciência jurídica deva refletir as circunstâncias sociais não pode transformar-se num instrumento econômico que altera seus princípios e normas a cada ciclo da economia. As soluções para o desemprego dependem em larga parte das iniciativas macroeconômicas. Exemplos existem como o caso do direito espanhol, que mesmo tendo reduzido o custo de mão de obra e flexibilizando os contratos de trabalho houve aumento do desemprego. Além disso, não podemos olvidar que a liberdade de negociação deve ocorrer em circunstâncias em que esteja assegurada a igualdade de forças dos empregadores e empregados. Isso passa por uma modificação do sistema sindical. É necessário que haja um pluralismo sindical e que os sindicatos tenham representatividade para negociar juntos aos empregadores. É também preciso viabilizar a participação dos empregados na gestão da empresa. Precisamos considerar a lição do Professor Renato Rua de Almeida que ensina que a participação dos empregados na gestão da empresa é efeito da função social da empresa. Os empregados precisam ter acesso a informações que necessitam para formar sua opinião e ter os instrumentos que os coloque em pé de igualdade com os empregadores para então negociar livremente e para que não sejam constrangidos a aceitar condições que não atendem a seus interesses. Não podemos enfim retroceder para o estado liberal semelhante ao da Revolução Industrial. É preciso evoluir para a regulação de negociações entre grupos representativos que atendam de uma só vez, aos interesses do Estado, dos empregadores e dos empregados. (*) Euclides Di Dário, engenheiro, advogado, especialista em Direito do Trabalho, articulista de diversos portais jurídicos

5 BIBLIOGRAFIA 1. ALMEIDA, Renato Rua de. A teoria da empresa e a regulação da relação de emprego no contexto da empresa. Revista LTr, v. 64, maio, FERNANDES, Antônio Monteiro. Direito do Trabalho. Coimbra: Almedina, 2008, p. 11 a NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Curso de Direito do Trabalho. 24 edição. São Paulo: Saraiva, PINTO, José Augusto Rodrigues. O fator tecnológico na reforma trabalhista brasileira. Revista LTr, v. 12, dezembro, 2004, p. 1417/ REALE, Miguel. Novas fases do Direito Moderno. São Paulo: Saraiva, 1998, p RAMALHO, Maria do Rosário Palma. Direito do Trabalho. Parte I- Dogmática Geral. Coimbra: Almedina, 2005, p SUPIOT, Alan. Homo Juridicus. Trad. port. Martins Fontes, 2008, p

REDUÇÃO DE VANTAGENS TRABALHISTAS COMO MECANISMO DE COMBATE AO DESEMPREGO

REDUÇÃO DE VANTAGENS TRABALHISTAS COMO MECANISMO DE COMBATE AO DESEMPREGO REDUÇÃO DE VANTAGENS TRABALHISTAS COMO MECANISMO DE COMBATE AO DESEMPREGO Por: ; Docente da PUC-Minas em Poços de Caldas Gestão e Conhecimento, v. 3, n. 2, art. 2, março/ junho 2007 www.pucpcaldas.br/graduacao/administracao/nupepu/online/inicial.htm

Leia mais

Flexibilização do Direito do Trabalho - Novidades na União Européia

Flexibilização do Direito do Trabalho - Novidades na União Européia Flexibilização do Direito do Trabalho - Novidades na União Européia Marco Antônio César Villatore. Advogado Trabalhista, Consultor Jurídico Sindical, Professor de Direito do Trabalho na PUC/PR e de Direito

Leia mais

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho.

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho. Crise económica e flexibilização do direito do trabalho, segundo o Memorando de Entendimento entre o Governo Português, e o FMI/BCE/Comissão Europeia, vulgo, TROIKA Antes de entrar na análise desta questão,

Leia mais

1. FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE: PREVISÃO CONSTITUCIONAL

1. FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE: PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1. FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE: PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1.1. A função social da propriedade. Alessandra Fernandes Hendler 1 social. O art. 5º, inciso XXIII da CF/1988 dispõe que a propriedade atenderá

Leia mais

O SEGURO DE VIDA COM COBERTURA POR SOBREVIVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO UMA ANÁLISE TRIBUTÁRIA

O SEGURO DE VIDA COM COBERTURA POR SOBREVIVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO UMA ANÁLISE TRIBUTÁRIA O SEGURO DE VIDA COM COBERTURA POR SOBREVIVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO UMA ANÁLISE TRIBUTÁRIA O presente trabalho trata do seguro de vida com cobertura por sobrevivência, com especial enfoque

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012 Disciplina: Direito do Trabalho I Departamento: Direito Social e Coletivo Docente Responsável: Anselmo Domingos da Paz Junior Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo:

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 2. EMENTA

1. IDENTIFICAÇÃO 2. EMENTA 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 25 PERÍODO: 5 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Segurança

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA Aula - Direito do Trabalho II Prof.ª Carolina ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA ESTRUTURA SINDICAL Permanência inicial Moldes corporativistas não inteiramente revogados pela CF/88. Existência de uma pirâmide

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

Destaque Documento Base Parágrafo

Destaque Documento Base Parágrafo DOCUMENTO BASE NACIONAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DE EJA DO TOCANTINS Destaque Documento Base Parágrafo 1. Diante do quadro diagnóstico que se apresenta da educação de jovens e adultos (EJA)

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000351/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR049128/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.002980/2015-57 DATA

Leia mais

FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1

FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1 FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1 1. Fontes do Direito Processual do Trabalho A abordagem relativa às fontes processuais trabalhistas é de extrema relevância para a compreensão das

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2003/2004 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO Acordo Coletivo de Trabalho, parcial, que entre si celebram, de um lado a Empresa Teresinense de Processamento de Dados - PRODATER, empresa pública de direito privado,

Leia mais

O DIREITO DO TRABALHO FRENTE ÀS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.

O DIREITO DO TRABALHO FRENTE ÀS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO. O DIREITO DO TRABALHO FRENTE ÀS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO. Jorge Luiz Souto Maior (*) Já virou costume dizer que o mundo do trabalho mudou e que, por isto, inevitavelmente, o direito do trabalho

Leia mais

EDILSON FRANCISCO GOMES

EDILSON FRANCISCO GOMES Convenção 189 da OIT e Regulamentação do Aviso Prévio Proporcional ao Tempo de Serviço pelo Supremo Tribunal Federal: uma investigação sob o enfoque da Análise Econômica do Direito. EDILSON FRANCISCO GOMES

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Negociação coletiva e greve. Dissídio individual e coletivo.

Resumo Aula-tema 07: Negociação coletiva e greve. Dissídio individual e coletivo. Resumo Aula-tema 07: Negociação coletiva e greve. Dissídio individual e coletivo. Negociação Coletiva de trabalho é o termo genérico a significar o ajuste feito entre as entidades sindicais e as entidades

Leia mais

Aquisição da Propriedade Ilícita pela Usucapião

Aquisição da Propriedade Ilícita pela Usucapião Aquisição da Propriedade Ilícita pela Usucapião 2013 Álvaro Borges de Oliveira; Fabiano Oldoni Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma parte desta obra pode ser apropriada e estocada

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 2 PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Nos últimos anos, várias medidas adotadas

Leia mais

Fonte:Valor Econômico, por Edson Pinto de Almeida, 17.11.2009

Fonte:Valor Econômico, por Edson Pinto de Almeida, 17.11.2009 Fonte:Valor Econômico, por Edson Pinto de Almeida, 17.11.2009 Reformas: O alto custo político de mexer com benefícios e direitos tem prejudicado o andamento das tentativas de realizar uma modernização

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000

O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000 O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000 Grasiele Augusta Ferreira Nascimento 1 Introdução Um dos temas mais debatidos em Direito do Trabalho refere-se à proteção ao

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito do Trabalho I PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito do Trabalho I PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito do Trabalho I Código: DIR-365 Pré-requisito:----------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

FLEXIBILIZAÇÕES TRABALHISTAS EM TEMPOS DE CRISES EMPRESARIAIS: A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 680, DE 06 DE JULHO DE 2015 (PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO)

FLEXIBILIZAÇÕES TRABALHISTAS EM TEMPOS DE CRISES EMPRESARIAIS: A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 680, DE 06 DE JULHO DE 2015 (PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO) FLEXIBILIZAÇÕES TRABALHISTAS EM TEMPOS DE CRISES EMPRESARIAIS: A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 680, DE 06 DE JULHO DE 2015 (PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO) Roberto Carneiro Filho 1 As relações de trabalho no Brasil,

Leia mais

CONFLITO COLETIVO DE TRABALHO

CONFLITO COLETIVO DE TRABALHO CONFLITO COLETIVO DE TRABALHO Introdução A) Denominação B) Conceito C).Modalidades Conclusão Professor Doutor Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista em São Paulo, doutor em Direito pela Faculdade

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099

PLANO DE ENSINO. Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099 PLANO DE ENSINO Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099 Código: DV Pré-requisito: Carga horária: 30 (trinta) horas aula Créditos: 2 (dois) Natureza: semestral Docente: EMENTA História do sindicalismo.

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE DIREITO TRIBUTÁRIO GUILHERME GOLDSCHMIDT INCLUSÃO NO SIMPLES NACIONAL DE EMPRESAS COM DÉBITOS PENDENTES

FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE DIREITO TRIBUTÁRIO GUILHERME GOLDSCHMIDT INCLUSÃO NO SIMPLES NACIONAL DE EMPRESAS COM DÉBITOS PENDENTES FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE DIREITO TRIBUTÁRIO GUILHERME GOLDSCHMIDT INCLUSÃO NO SIMPLES NACIONAL DE EMPRESAS COM DÉBITOS PENDENTES (Artigo 17 da Lei Complementar 126/03) PORTO ALEGRE 2008 1 INCLUSÃO NO

Leia mais

Negociação coletiva e boa-fé objetiva

Negociação coletiva e boa-fé objetiva Negociação coletiva e boa-fé objetiva Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, professor de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito da PUC-SP, coordenador do programa de mestrado e doutorado em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Júlio Delgado) O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei.

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Júlio Delgado) O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei. PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Júlio Delgado) Institui o Programa de Inclusão Social do Trabalhador Informal (Simples Trabalhista) para as microempresas e empresas de pequeno porte de que trata o art.

Leia mais

Contrato Individual de Trabalho. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato Individual de Trabalho. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato Individual de Trabalho Contrato de Experiência Direito diversos tipos de denominações: Contrato de Prova; Período de Experiência; Pacto de Experiência, etc. A CLT "elegeu" a denominação Contrato

Leia mais

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Direitos humanos: considerações gerais Camila Bressanelli * A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Análise contextual: Para o estudo dos direitos humanos

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 1 Entre as partes, de um lado, representando a Categoria Profissional, o SINDICATO DOS EMPREGADOS DE AGENTES AUTONOMOS DO COMÉRCIO E EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FLEXIBILIZAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS AUTOR ALESSANDRA FEITOSA XAVIER

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FLEXIBILIZAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS AUTOR ALESSANDRA FEITOSA XAVIER 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FLEXIBILIZAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS AUTOR ALESSANDRA FEITOSA XAVIER ORIENTADOR PROF. CARLOS AFONSO LEITE LEOCADIO RIO DE

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000566/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/12/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070788/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.014471/2010-70 DATA DO

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS

TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS Rodrigo Almeida Magalhães Mestre e Doutor em Direito 1- Introdução Baseado no conceito de Cesare Vivante 1, o Código Civil de 2002, em seu art. 887, preceitua o título de crédito,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Legislação Trabalhista CÓDIGO: GCT016 UNIDADE ACADÊMICA: FACIP

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos do Plano de Cargos e Carreiras e Salários Aprovado em 15 de dezembro de 2014.

Manual de Normas e Procedimentos do Plano de Cargos e Carreiras e Salários Aprovado em 15 de dezembro de 2014. Manual de Normas e Procedimentos do Plano de Cargos e Carreiras e Salários Aprovado em 15 de dezembro de 2014. O plano de Cargos e Salários do Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás regulamenta

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1 IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Curso 519 Direito Noturno Disciplina/Código

Leia mais

DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S. A

DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S. A MINUTA ESPECÍFICA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S. A 2006/2007. I INTRODUÇÃO Os signatários, por este instrumento coletivo de trabalho, de um lado os legítimos representantes do Banco

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 41, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010

ATO NORMATIVO Nº 41, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010 ATO NORMATIVO Nº 41, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010 Institui o Normativo de Pessoal JORNADA DE TRABALHO do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio Grande do Norte Crea-RN. O Presidente

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING 1 - BENEFICIÁRIOS São beneficiários do presente instrumento todos os empregados em Sociedades de Fomento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: NÃO DEVE SER USADO COMO CONTEÚDO DE ESTUDO, NÃO DEVE SER

Leia mais

II CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO EMPRESARIAL

II CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO EMPRESARIAL II CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO EMPRESARIAL (2012/2013) Organização Instituto de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito de Lisboa Coordenação científica Profª Doutora Rosário Palma Ramalho Professora

Leia mais

Conceito: Jornada de trabalho é a quantidade de labor (trabalho) diário do empregado.

Conceito: Jornada de trabalho é a quantidade de labor (trabalho) diário do empregado. 1 JORNADA DE TRABALHO Conceito: Jornada de trabalho é a quantidade de labor (trabalho) diário do empregado. Art. 58 - A duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não

Leia mais

Alternativas para o Brasil. Claudio L. S. Haddad Endeavor - Outubro de 2004

Alternativas para o Brasil. Claudio L. S. Haddad Endeavor - Outubro de 2004 Alternativas para o Brasil Claudio L. S. Haddad Endeavor - Outubro de 2004 Tema do Momento: Crescimento Apesar da recente recuperação da economia, crescimento sustentável continua sendo a preocupação central

Leia mais

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain.

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain. 1 A liberdade sindical como direito humano pela Declaração Universal dos Direitos do Homem da ONU e direito fundamental pela OIT a partir da visão de Jacques Maritain em suas obras Os direitos do homem

Leia mais

2PHLRDPELHQWHGRWUDEDOKRHDVFRQVWLWXLo}HVHVWDGXDLV. Autora: Laura Martins Maia de Andrade. I - Introdução

2PHLRDPELHQWHGRWUDEDOKRHDVFRQVWLWXLo}HVHVWDGXDLV. Autora: Laura Martins Maia de Andrade. I - Introdução 2PHLRDPELHQWHGRWUDEDOKRHDVFRQVWLWXLo}HVHVWDGXDLV Autora: Laura Martins Maia de Andrade I - Introdução O Direito Ambiental não deve ser concebido a partir de um enquadramento rígido, como ocorre com outros

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

* DOCUMENTOS DE APOIO *

* DOCUMENTOS DE APOIO * E m A N Á L I S E * DOCUMENTOS DE APOIO * Nº 10 Dezembro 2006 Gabinete de Investigação e Projectos Reforma da Segurança Social Síntese Portugal dispõe de um Sistema Público de Segurança Social que se desenvolveu

Leia mais

Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente

Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente Reunidos na 2 Assembleia Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente, no Rio de Janeiro, Brasil, de 11 a 13 de junho de 2012, organizada por Sustainlabour,

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

PIRATARIA É CRIME!?! ANÁLISE DA QUESTÃO SOB UM PRISMA PRINCIPIOLÓGICO.

PIRATARIA É CRIME!?! ANÁLISE DA QUESTÃO SOB UM PRISMA PRINCIPIOLÓGICO. PIRATARIA É CRIME!?! ANÁLISE DA QUESTÃO SOB UM PRISMA PRINCIPIOLÓGICO. THALES PONTES BATISTA Advogado-sócio da Paulo Albuquerque Advogados Associados, especialista em Direito do Consumidor, Direito Imobiliário,

Leia mais

J U S T I F I C A T I V A

J U S T I F I C A T I V A GABINETE DO PREFEITO J U S T I F I C A T I V A Senhor Presidente, Senhores Vereadores, Submeto à apreciação desta augusta Câmara Municipal o incluso projeto de Lei referente ao Plano Plurianual - PPA,

Leia mais

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Faculdade Curso Disciplina Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos DTLS - Direito do Trabalho e Legislação Social Período Letivo 2013 - Anual

Leia mais

CONCURSO BOAS PRÁTICAS NA AGRICULTURA FAMILIAR

CONCURSO BOAS PRÁTICAS NA AGRICULTURA FAMILIAR CONCURSO BOAS PRÁTICAS NA AGRICULTURA FAMILIAR COOPERVAL E COOPEN-FAC: A PRÁTICA DA INTERCOOPERAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE AUTOR: Daniele Marzari Possatti COLABORADORES: Murilo Marcon, Cleunir Augusto

Leia mais

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO "A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente reuniu-se em Estocolmo entre os dia 05 e 16 de junho de 1972

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA NO AMBIENTE BANCÁRIO

A TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA NO AMBIENTE BANCÁRIO A TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA NO AMBIENTE BANCÁRIO Veruska Rodrigues CARDOSO 1 RESUMO: O presente artigo trata da terceirização ilícita no ambiente bancário que ocorre desvirtuando tal pratica, bem como, das

Leia mais

Análise Comparativa à Filosofia, à Ideologia e aos Princípios de Atuação das Associações Sindicais e Patronais

Análise Comparativa à Filosofia, à Ideologia e aos Princípios de Atuação das Associações Sindicais e Patronais Estudo 2015 Análise Comparativa à Filosofia, à Ideologia e aos Princípios de Atuação das Associações Sindicais e Patronais OPBPL Novembro de 2009 e Março de 2015 http://opbpl.cies.iscte-iul.pt O OPBPL

Leia mais

Rua do Salete 50 Barris - Salvador - Bahia. Tel: (71) 21088562/ 2108-8503 home page: www.cairu..br - E-mail: presidencia@fvc.br

Rua do Salete 50 Barris - Salvador - Bahia. Tel: (71) 21088562/ 2108-8503 home page: www.cairu..br - E-mail: presidencia@fvc.br Rua do Salete 50 Barris - Salvador - Bahia. Tel: (71) 21088562/ 2108-8503 home page: www.cairu..br - E-mail: presidencia@fvc.br E D I T A L A FVC - Fundação Visconde de Cairu, informa a abertura das inscrições

Leia mais

Orçamento Público Conceitos Básicos

Orçamento Público Conceitos Básicos Gestão Orçamentária e Financeira no SUAS Orçamento Público Conceitos Básicos Agosto de 2013 Ciclo Orçamentário Brasileiro Plano Plurianual Lei Orçamentária Anual Lei de Diretrizes Orçamentárias Plano Plurianual

Leia mais

CARTA DEL LAVORO : UM MODELO A SE EVITAR NA REFORMA TRABALHISTA

CARTA DEL LAVORO : UM MODELO A SE EVITAR NA REFORMA TRABALHISTA Página 1 de 7 MEMÓRIA CARTA DEL LAVORO : UM MODELO A SE EVITAR NA REFORMA TRABALHISTA Francisco José da Silveira Lobo Neto* Introdução Publicar, como documento e memória, a Carta del Lavoro, promulgada

Leia mais

Eixo Temático: Educação

Eixo Temático: Educação Título: ESTAGIÁRIO NA ESCOLA: TECENDO LAÇOS E CONSTRUINDO SAÚDE Nome do Autor: Maria Isabel Ramos da Silva. Instituição: ONG Tempo de Crescer TCER E-mail: isabelrs76@gmail.com Resumo A Tempo de Crescer

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS DIREITOS CULTURAIS PARA FORMAÇÃO DA PERSONALIDADE E CIDADANIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

A IMPORTÂNCIA DOS DIREITOS CULTURAIS PARA FORMAÇÃO DA PERSONALIDADE E CIDADANIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1 A IMPORTÂNCIA DOS DIREITOS CULTURAIS PARA FORMAÇÃO DA PERSONALIDADE E CIDADANIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Gina Vidal Marcílio Pompeu Nardejane Martins Cardoso ** O ordenamento jurídico brasileiro, especificamente

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001991/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031479/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.011147/2014-94 DATA

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios

ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 39 ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios Dr. Oscar Azevedo (info@azevedoguedes.adv.br)

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS INTRODUÇÃO Dispõe o Art. 578 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que a contribuição devida aos sindicatos pelos que participam das categorias econômicas ou profissionais

Leia mais

A APLICAÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO CAMPO

A APLICAÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO CAMPO A APLICAÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO CAMPO Sérgio Ricardo Moreira de SOUZA; NETO, João da Cruz Gonçalves (PPGDA/FD/UFG) Palavras-chave: Reforma

Leia mais

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS Ata de aprovação de alteração 395ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da CODATA Realizada em 10 de fevereiro de 2011 Resolução do Conselho de Administração nº 01/2011 - PECS MARÇO/2005 JULHO/2012

Leia mais

Parecer formulado em 10 de janeiro de 2014 Consultor Jurídico do SINDI-CLUBE Dr. Valter Piccino OAB/SP 55.180

Parecer formulado em 10 de janeiro de 2014 Consultor Jurídico do SINDI-CLUBE Dr. Valter Piccino OAB/SP 55.180 Novas disposições do estatuto social necessárias à postulação de incentivos fiscais e manutenção da isenção do imposto de renda da pessoa jurídica das associações sem fins lucrativos. Parecer formulado

Leia mais

O FUTURO DO DIREITO DO TRABALHO NO BRASIL, SE APROVADO O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O ARTIGO 618 DA CLT (*).

O FUTURO DO DIREITO DO TRABALHO NO BRASIL, SE APROVADO O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O ARTIGO 618 DA CLT (*). O FUTURO DO DIREITO DO TRABALHO NO BRASIL, SE APROVADO O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O ARTIGO 618 DA CLT (*). Jorge Luiz Souto Maior (*) Vim falar-lhes do futuro; do futuro do direito do trabalho no Brasil,

Leia mais

PRINCÍPIOS DE DIREITO AMBIENTAL

PRINCÍPIOS DE DIREITO AMBIENTAL PRINCÍPIOS DE DIREITO AMBIENTAL PRINCÍPIOS INTEGRAM O DIREITO NÃO-ESCRITOS ESCRITOS ESTABELECEM PADRÕES DE CONDUTA VALORES FUNDAMENTAIS EXEMPLOS: PRINCÍPIO DA LEGALIDADE (art. 5º, II, CR) PRINCÍPIO DA

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E DA POSSE. Ana Luísa de Souza Beleza

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E DA POSSE. Ana Luísa de Souza Beleza A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E DA POSSE Ana Luísa de Souza Beleza Belo Horizonte Março de 2009 1 INTRODUÇÃO Iustitĭa est constans et perpetŭa voluntas ius suun cuĭque tribŭens - a justiça é a constante

Leia mais

Neste comentário analisaremos as regras acerca do adicional de insalubridade, dispostas no art. 189 e seguintes da CLT.

Neste comentário analisaremos as regras acerca do adicional de insalubridade, dispostas no art. 189 e seguintes da CLT. ADICIONAL DE INSALUBRIDADE - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 02/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Atividades e Operações Insalubres 3 - Adicional de Insalubridade

Leia mais

OBJETIVOS DA CONTABILIDADE

OBJETIVOS DA CONTABILIDADE OBJETIVOS DA CONTABILIDADE Segundo a CVM» Comissão de Valores Mobiliários, a estrutura conceitual da contabilidade tem os seus objetivos nos cenários descritos através dos elementos primitivos, modificados

Leia mais

A LEI DO GÁS E OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO LIVRE DE GÁS NATURAL NO BRASIL

A LEI DO GÁS E OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO LIVRE DE GÁS NATURAL NO BRASIL A LEI DO GÁS E OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO LIVRE DE GÁS NATURAL NO BRASIL Guilherme Augusto Duarte de Faria¹ Natália Peixoto Calijorne² Stefani Ferreira de Matos³ ¹ Bacharel em administração

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 2. EMENTA

1. IDENTIFICAÇÃO 2. EMENTA 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 19 PERÍODO: 6 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO I NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Introdução

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que fazem, na forma abaixo, de um lado, o SINDICATO DOS HOSPITAIS E ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA - SINDHOSBA e,

Leia mais

Módulo 2. Valores e princípios

Módulo 2. Valores e princípios Módulo 2. Valores e princípios Para o bem-estar de uma sociedade é necessário que existam normas compartidas que orientam o comportamento de seus integrantes. Todo ser humano se rege por valores próprios,

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2

EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2 EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2 RESUMO: O presente estudo vem a demonstrar a evolução do trabalhador doméstico no tempo e espaço, desde o inicio de seu reconhecimento

Leia mais

Estatuto da Cidade 22/05/2015. Lei Nº 10.257, de 10/07/2001. Medida Provisória Nº 2.220, de 04/09/2001. MP Nº 103, de 01/01/2003. Conselho das Cidades

Estatuto da Cidade 22/05/2015. Lei Nº 10.257, de 10/07/2001. Medida Provisória Nº 2.220, de 04/09/2001. MP Nº 103, de 01/01/2003. Conselho das Cidades Estatuto Estatuto da da Cidade Cidade Referencia : Conhecendo o Estatuto das Cidades, Manual do Instituto Polis, autor(es): Caixa Economica Federal, FASE - Federação de Órgãos para Assistência Social e

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: TO000023/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/04/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017571/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46226.009193/2012-62

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profª Drª Sonia Maria Rodrigues INICIANDO NOSSA CONVERSA - Música Vagalume em Libras INCLUSÃO LEGAL Legislação que respalda a política de Educação Inclusiva (nacional e estadual) Leitura

Leia mais

e transformação social

e transformação social e transformação social Das incertezas às possibilidades www.juliofurtado.com.br 1 Como aprendemos sobre Educação? Enquanto alunos através da vivência. Enquanto estudiosos através das teorias e reflexões.

Leia mais

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT A análise do quadro jurídico para a ratificação da Convenção 102 da OIT por Cabo Verde, inscreve-se no quadro geral da cooperação técnica prestada

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000378/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038469/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.009306/2010-04 DATA DO

Leia mais

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO I. Direito Processual do Trabalho... II. Organização da Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho... III. Competência da Justiça do Trabalho... IV. Partes e

Leia mais

LIDERANÇA SINDICAL EMPRESARIAL 1º SEMESTRE DE 2014

LIDERANÇA SINDICAL EMPRESARIAL 1º SEMESTRE DE 2014 LIDERANÇA SINDICAL EMPRESARIAL 1º SEMESTRE DE 2014 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

Estado de direito democrático...2. Tarefas fundamentais do Estado...2. Liberdade de associação...2. Direitos dos trabalhadores...3

Estado de direito democrático...2. Tarefas fundamentais do Estado...2. Liberdade de associação...2. Direitos dos trabalhadores...3 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (Texto nos termos da última revisão constitucional (sexta revisão constitucional) operada pela Lei Constitucional n.º 1/2004, de 24 de Julho) Estado de direito democrático...2

Leia mais

A INSCONSTITUCIONALIDADE DA COBRANÇA DE CPMF DA CONTA-SALÁRIO BANCÁRIA

A INSCONSTITUCIONALIDADE DA COBRANÇA DE CPMF DA CONTA-SALÁRIO BANCÁRIA A INSCONSTITUCIONALIDADE DA COBRANÇA DE CPMF DA CONTA-SALÁRIO BANCÁRIA Thelma Pompeu Ribeiro Gusmão Mestranda em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos. Advogada. 1. Introdução Alguns

Leia mais

Atribuições do Assistente Social na Saúde

Atribuições do Assistente Social na Saúde Atribuições do Assistente Social na Saúde Prof a. Maria Olinda C. S. Carreira São Paulo, 14 de maio de 2009 Encontro Nacional Unimed de Assistentes Sociais (Yamamoto 2001,p.20) aponta que o momento presente

Leia mais

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO 1. A TEORIA LIBERAL Os Países pobres são pobres porque não atingiram ainda a eficiência produtiva e o equilíbrio econômico necessário à manutenção de um ciclo de prosperidade

Leia mais