O ATO DISCIPLINAR MILITAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ATO DISCIPLINAR MILITAR"

Transcrição

1 O ATO DISCIPLINAR MILITAR FERNANDO EDSON MENDES 1 1. INTRODUÇÃO Com a promulgação, em 08 de dezembro de 2004, da Emenda Constitucional nº. 45, conhecida como Reforma do Judiciário, houve profunda alteração na Justiça Militar Estadual, especialmente com a ampliação de sua competência para processar e julgar ações judiciais contra atos disciplinares militares. Buscaremos, no presente estudo, atingir a escorreita interpretação do significado e alcance do que se entende por atos disciplinares militares, matéria agora delimitadora de competência. 2. DESENVOLVIMENTO 2.1. A novel competência cível da Justiça Militar Estadual A EC nº. 45/2004, dentre diversas mudanças, reformou o artigo 125 da Carta Magna, que trata da Justiça Estadual, inserindo no parágrafo 3º daquele artigo a figura do Juiz de Direito no primeiro grau de jurisdição castrense, dando àquele juízo, com a inclusão do parágrafo 5º, competência exclusiva para processar e julgar, singularmente, os crimes militares cometidos contra civis e as ações judiciais contra atos disciplinares militares. Ressalta o reconhecido doutrinador e desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Álvaro Lazarini, que foi importante a atribuição de competência jurisdicional civil aos juízes de direito do juízo militar para processar e julgar os atos disciplinares militares, tendo em vista que os juízes estaduais, por vezes, igualavam hierarquia e disciplina militares, que são rígidas, às dos servidores públicos civis, mais flexíveis, ocorrendo decisões sem comprometimento com o Poder Hierárquico Disciplinar Militar 2, ensinando ainda que: ninguém melhor, assim, que o juiz de direito do juízo militar, que tem compromissos com os sadios princípios da hierarquia e disciplina que informam as instituições militares estaduais, para o controle jurisdicional dos atos disciplinares militares, evitando, com esse seu múnus, distorções em que poderiam vergar-se a hierarquia e a disciplina militares O ato disciplinar militar Ponto nevrálgico desde estudo reside na necessidade de se definir o exato significado e alcance do que se entende por ato disciplinar militar, matéria agora delimitadora de competência. Como o ato disciplinar militar é uma espécie de ato administrativo, faz-se necessário, ainda que de forma superficial, explorar o conceito e fundamento do ato administrativo. Emprestaremos o conceito do saudoso administrativista Hely Lopes Meirelles: Ato administrativo é toda manifestação unilateral de vontade da Administração Pública que, agindo nessa qualidade,

2 tenha por fim imediato adquirir, resguardar, transferir, modificar, extinguir e declarar direitos, ou impor obrigações aos administrados ou a si própria 4. Esta manifestação da Administração Pública decorre, por sua vez, dos Poderes Administrativos, que são instrumentais necessários à consecução dos fins da Administração e são classificados em: Poder Vinculado e Discricionário dependendo da liberdade da Administração em realizá-los ; Poder Hierárquico e Disciplinar quando visam ao ordenamento da Administração ou à punição dos que a ela se vinculam ; Poder Regulamentar diante da necessidade Administração em normatizar sua atuação ; e em Poder de Polícia quando há a necessidade de contenção de direitos individuais 5. Poderes basilares da organização administrativa, os Poderes Hierárquico e Disciplinar estão intimamente ligados e são de difícil dissociação, mas não se confundem. Enquanto o Poder Hierárquico está voltado à distribuição e escalonamento das funções de seus órgãos e a ordenação e revisão da atuação de seus agentes, estabelecendo relação de subordinação entre seus servidores, o Poder Disciplinar reside na faculdade da Administração em punir as infrações funcionais de seus servidores ou qualquer pessoa sujeita à disciplina de seus órgãos, tendo em vista a necessidade de controle do desempenho e conduta interna de seus servidores, conforme as normas de conduta e sanções disciplinares previstas em norma própria. Destarte, conclui-se que o ato disciplinar militar origina-se do Poder Disciplinar da Administração, sendo uma espécie de ato administrativo que contém uma sanção imposta pela Administração aos administrados que cometem uma infração administrativa. Podemos, assim, conceituar o ato disciplinar militar como a manifestação unilateral dos órgãos militares estaduais ou federais, que tenha por fim a imposição de sanção aos seus integrantes que, por ação ou omissão, violem os valores e deveres da Instituição, cometendo uma transgressão disciplinar prevista em regulamento próprio. No caso da Polícia Militar do Estado de São Paulo, o regulamento próprio trata-se da Lei Complementar nº 893/01 Regulamento Disciplinar da Polícia Militar (RDPM), que prevê os valores e deveres policiais militares nos artigos 7º e 8º, as transgressões disciplinares em seu artigo 13 e as modalidades de sanções disciplinares no artigo 14, que são: advertência, repreensão, permanência disciplinar, detenção, reforma administrativa disciplinar, demissão, expulsão e proibição do uso do uniforme. Este mesmo regulamento prescreve os meios de apuração da transgressão disciplinar, prevendo o Procedimento Disciplinar nos artigo 27 a 29, destinado à apuração de transgressões disciplinares que, por sua natureza e complexidade, não exigem a instauração de Sindicância ou Processos Regulares. Em caso de transgressões disciplinares de maior gravidade ou complexidade, o artigo 71 prevê a instauração de Processo Regular, que visa avaliar a capacidade moral do policial militar em

3 permanecer no serviço ativo da Instituição e poderá ser de três formas: Processo Administrativo Disciplinar destinado a praças com menos de 10 (dez) anos de serviço policial-militar ; Conselho de Disciplina - destinado a praças com mais de 10 (dez) anos de serviço policial-militar ; e Conselho de Justificação destinado a Oficiais 6. Podemos concluir, portanto, que o ato disciplinar militar, para efeito de processamento e julgamento pela Justiça Militar Estadual, será a sanção imposta pelas polícias militares e corpos de bombeiros militares em razão de infração disciplinar cometidas por seus integrantes, prevista em regulamento disciplinar próprio, como, por exemplo, o RDPM na Polícia Militar do Estado de São Paulo, havendo o processamento e a sanção ao policial militar, de acordo com o previsto na norma disciplinar. Todavia, conforme já ressaltado, os Poderes Hierárquico e Disciplinar apresentam estreita relação e são de difícil dissociação, o que provoca dúvidas quanto à natureza de determinados atos administrativos, se são emanados do Poder Disciplinar ou do Poder Hierárquico, conforme veremos a seguir, nas situações que geram maiores questionamentos no Estado de São Paulo: Exoneração de Soldado PM de 2ª Classe A Lei Complementar nº 697, de 24 de novembro de 2002, prevê no artigo 2º, parágrafo único, que o Soldado PM de 2ª Classe que não for aprovado no curso de formação técnico profissional ou, a qualquer tempo, não preencher os requisitos estabelecidos em Decreto, será exonerado. Para regular estes requisitos, foi promulgado o Decreto nº , de 23 de agosto de 1996, em seu artigo 5º, regula os parâmetros do estágio probatório a que estará submetido o Soldado PM, conforme segue: Artigo 5.º - O ingresso na Polícia Militar dar-se-á em caráter de estágio probatório, que se estende como o período de 730 (setecentos e trinta) dias de efetivo exercício, durante o qual o estagiário, submetido a curso de formação técnico-profissional, terá verificado o preenchimento dos seguintes requisitos: I - conduta ilibada, na vida pública e na vida privada; II - idoneidade; III - aptidão; IV - disciplina; V - dedicação ao serviço; VI - aproveitamento escolar; VII - perfil psicológico compatível com o desempenho da função; e VIII - adequação física e mental. Caso não seja preenchido qualquer um dos requisitos acima descritos, ou se o Soldado PM de 2ª Classe não concluir o curso de formação técnico-profissional, ou ainda, se o mesmo requerer, este será exonerado, quando será instaurado um Processo Administrativo Exoneratório (PAE) 7. O Superior Tribunal de Justiça possui jurisprudência consolidada no sentido de que o PAE não se trata de ato disciplinar militar, e sim de ato hierárquico da administração pública, pois a exoneração, ato do Diretor de Pessoal, volta-se à análise da conveniência e oportunidade em se efetivar o policial militar em estágio probatório, e não se baseia em sanção disciplinar prevista no RDPM, logo, competindo o julgamento de lides às Varas da Fazenda Pública. Neste sentido, foram proferidos em 2005 acórdãos nos Processos nº /SP, 49189/SP, /SP e /SP 8.

4 O desligamento de Aluno-Oficial PM O desligamento de Aluno-Oficial PM é regulado pelo Decreto nº , de 11 de dezembro de 1970, sendo competente para o ato o Comandante da Academia de Polícia Militar do Barro Branco, ad referendum do Comandante-Geral, sendo os casos de desligamento previstos no artigo 88: Artigo 88 - O Aluno-Oficial será desligado quando: I - pedir; II - for condenado, por qualquer espécie de crime ou contravenção penal, a pena restritiva de liberdade, desde que a sentença condenatória tenha transitado em julgado e não ocorra o benefício do sursis ; III - for reprovado; IV - ingressar no mau comportamento; V - der origem a fatos ou tiver comportamento que o incompatibilize com a disciplina e moral militar, comprovado em processo regular, sem prejuízo das providências legais subseqüentes; VI - perder mais de 30 (trinta) pontos durante o ano letivo, na forma prevista no RIAPMBB; VII - por motivo de doença ou incapacidade física, for considerado inapto para o SMP ou deixar de se submeter, no prazo previsto, às provas de 2ª chamada, em 2ª época; VIII - contrair matrimônio; IX - obtiver conceito de aptidão, para o Oficialato, insuficiente em dois traços no mesmo semestre letivo ou em um mesmo traço em dois semestres consecutivos, independentemente do ano letivo; X - obtiver, durante o ano letivo, nota de conduta escolar inferior a 5,0 (cinco) em três meses consecutivos ou cinco alternados; e XI - obtiver, no 2º semestre letivo do último ano do Curso de Formação de Oficiais - CFO, conceito de aptidão para o Oficialato insuficiente em qualquer traço. Caso o desligamento do Aluno-Oficial PM se dê com base nos incisos IV e V, será competente para processar e julgar eventual questionamento judicial a Justiça Militar Estadual, pois são atos apurados segundo o RDPM, logo, originados do Poder Disciplinar. Caso o desligamento do Aluno-Oficial PM se dê com base nos demais incisos, da mesma forma como ocorre com a exoneração de Soldado PM de 2ª Classe, o desligamento do Al Of PM será ato decorrente do Poder Hierárquico, devendo seu processamento e julgamento, em caso de questionamento judicial, ser realizado pelas Varas da Fazenda Pública Desligamento de Soldado PM Temporário O Serviço Auxiliar Voluntário, criado pela Lei Federal , de 20 de outubro de 2000, foi regulamentado no Estado de São Paulo por meio da Lei , de 08 de março de 2002, sendo o trabalhador voluntário denominado Soldado PM Temporário (Sd PM Temp). A Portaria nº PM1-001/02/04, do Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo, prevê o desligamento do Sd PM Temp nos seguintes casos: Artigo 10 - O Sd PM Temp poderá ser desligado do SAV antes do cumprimento do prazo estabelecido no artigo anterior, nos seguintes casos: I - a qualquer tempo, mediante requerimento do interessado; II - pela não conclusão com aproveitamento do Curso Específico de Treinamento; III - por deliberação do órgão de saúde da Polícia Militar quando ficar impedido de participar das atividades curriculares do Curso

5 Específico de Treinamento; IV - ficar afastado por problemas de saúde por mais de 60 (sessenta) dias, contínuos ou não, no decorrer de um ano; V - for considerado incapaz fisicamente para o serviço; VI - quando apresentar conduta incompatível com os serviços prestados; VII - em razão da natureza do serviço prestado; VIII - por prisão criminal; IX - falecimento. Para configurar a conduta incompatível, o artigo 12 da mesma portaria prevê que a conduta incompatível que enseja o desligamento do SAV estará relacionada ao cometimento de transgressão disciplinar nos termos do RDPM, na seguinte conformidade: I - a prática, a qualquer tempo, de transgressão disciplinar classificada como Grave; II - a prática, dentro do período de um ano, de duas transgressões disciplinares classificadas como Média, ou a prática de uma transgressão disciplinar classificada como Média e duas transgressões disciplinares classificadas como Leves; III - a prática, dentro do período de um ano, de quatro transgressões disciplinares classificadas como Leves. Como o desligamento do Sd PM Temp, por conduta incompatível, está relacionado diretamente às infrações disciplinares previstas no RDPM, este ato é originado do Poder Disciplinar, logo, é ato disciplinar militar, devendo o questionamento judicial ser encaminhado para a Justiça Castrense. Caso o desligamento se dê com base nos demais motivos, será ato decorrente do Poder Hierárquico, devendo seu processamento e julgamento, em caso de questionamento judicial, ser realizado pelas Varas da Fazenda Pública Movimentação por conveniência da disciplina e por conveniência do serviço As Instruções para a Movimentação de Policiais Militares (I-2-PM), publicada no Boletim Geral PM nº 057/01, regulam as formas de movimentação do efetivo PM, destacando-se duas formas que geram por vezes originam questionamento judicial: por conveniência da disciplina e por conveniência do serviço. A movimentação por conveniência da disciplina, segundo o artigo 15 da norma citada, ocorrerá quando a permanência do policial militar na Unidade onde serve tornar-se nociva ou prejudicial à disciplina, vindo a comprometer o conceito de seus pares e da Corporação, devendo estar vinculada ao processo ou procedimento administrativo que apurar os fatos. Como esta movimentação possui vinculação com o processo ou procedimento administrativo disciplinar, os questionamentos judiciais deverão ser encaminhados para a Justiça Militar. Já a movimentação por conveniência do serviço, como o próprio nome diz, dependerá exclusivamente da avaliação da conveniência e oportunidade, atos típicos do Poder Hierárquico, devendo eventuais questionamentos judiciais ser encaminhados para as Varas da Fazenda Pública.

6 3 - CONCLUSÃO Publicado no Site Lessa Cursos Para o jurisdicionado policial-militar, a nova atribuição de competência à Justiça Militar Estadual para processar e julgar lides que visem atacar atos disciplinares militares foi benéfica, pois garante a este que as questões sejam analisadas pelo mesmo Juízo, especializado, diminuindo a imprevisibilidade e a demora observadas anteriormente nas Varas da Fazenda Pública. O ato disciplinar militar, decorrente do Poder Disciplinar da Administração, será o ato manifestado unilateralmente pelos órgãos militares estaduais ou federais, com a finalidade de imposição de sanção aos seus integrantes que, por ação ou omissão, violem os valores e deveres da Instituição, cometendo uma transgressão disciplinar prevista em regulamento próprio. Os Poderes Hierárquico e Disciplinar estão estreitamente ligados, mas não se confundem. Enquanto o primeiro volta-se à distribuição e escalonamento das funções de seus órgãos e a ordenação e revisão da atuação de seus agentes, estabelecendo relação de subordinação entre seus servidores, o segundo reside na faculdade da Administração em punir as infrações funcionais de seus servidores ou qualquer pessoa sujeita à disciplina de seus órgãos. Por fim, conclui-se que, qualquer que seja o ato administrativo, se conter sanção vinculada a procedimento ou processo previsto em regulamento disciplinar próprio, será ato disciplinar e eventuais questionamentos judiciais deverão ser apreciados pela Justiça Castrense Estadual; caso contrário, será ato decorrente do Poder Hierárquico e continuarão a ser competentes para o processamento e julgamento as Varas da Fazenda Pública. BIBLIOGRAFIA ASSIS, Jorge César de. A reforma do Poder Judiciário e a Justiça Militar. Breves considerações sobre seu alcance. Revista Direito Militar, número 51, P LAZARINI, Álvaro. A Emenda Constitucional Nº 45 e a Polícia Judiciária Militar. Revista A Força Policial, número 53. p MARTINS, Eliezer Pereira. Emenda Constitucional 45/04 (Reforma do Judiciário) ações judiciais contra os atos disciplinares militares ampliação da competência da Justiça Militar Estadual reflexões iniciais. Revista Direito Militar, número 55, P MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 23ª Edição, atualizada por Eurico de Andrade Azevedo, Décio Balestero Aleixo e José Emmanuel Burle Filho. São Paulo: Malheiros Editores, OLIVEIRA, Rodrigo Tadeu Pimenta de. Reflexos da Emenda Constitucional nº 45, de 08 de dezembro de 2004, nas Justiças Militares Estaduais. Revista Direito Militar, número 50, P NOTAS 1 Oficial da Polícia Militar do Estado de São Paulo, cursando a Academia de Polícia Militar do Barro Branco no período de 1997 a Graduou-se em Direito pela Universidade Bandeirante em 2002 e, atualmente, é pós-graduando em Direito Militar pela Universidade Cruzeiro do Sul. 2 Álvaro Lazarini, A Emenda Constitucional Nº 45 e a Polícia Judiciária Militar, p Álvaro Lazarini, A Emenda Constitucional Nº 45 e a Polícia Judiciária Militar, p Hely Lopes Meirelles, Direito Administrativo Brasileiro, p Hely Lopes Meirelles, Direito Administrativo Brasileiro, p. 101 e O RDPM, no parágrafo único do artigo 73, prevê, ainda, a possibilidade de instauração de CJ ao Oficial inativo presumivelmente incapaz de permanecer na situação de inatividade. 7 O PAE é regulamentado pela Portaria do Comandante Geral DP - 56/311/05, de 14 de outubro de Disponível em: Acesso em: 19MAI07.

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº. 45/2004 E A SUBJETIVIDADE PASSIVA NOS CRIMES MILITARES

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº. 45/2004 E A SUBJETIVIDADE PASSIVA NOS CRIMES MILITARES EMENDA CONSTITUCIONAL Nº. 45/2004 E A SUBJETIVIDADE PASSIVA NOS CRIMES MILITARES FERNANDO EDSON MENDES 1 1 - INTRODUÇÃO Após doze anos e nove meses de longo processo legislativo, iniciado em março de 1992

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 Dá nova redação aos artigos que menciona, entre outras providências, da Lei Complementar n. 3, de 12 de janeiro de 1981, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, no uso de suas atribuições

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

RIO GRANDE DO NORTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA RIO GRANDE DO NORTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 008/2012 Dispõe sobre os militares do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A MESA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 919, DE 16 DE JULHO DE 2009

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 919, DE 16 DE JULHO DE 2009 ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 919, DE 16 DE JULHO DE 2009 Regula os afastamentos temporários na PMPR O Comandante-Geral da Polícia Militar do Estado

Leia mais

A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1

A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1 A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1 1. INTRODUÇÃO As Forças Armadas, conforme previsão constitucional, são organizadas com base na hierarquia e

Leia mais

REFORMA DO JUDICIÁRIO: A JUSTIÇA MILITAR

REFORMA DO JUDICIÁRIO: A JUSTIÇA MILITAR REFORMA DO JUDICIÁRIO: A JUSTIÇA MILITAR ARMANDO BRASIL TEIXEIRA A emenda constitucional nº 45 conhecida como Reforma do Judiciário acarretou mudanças na estrutura de funcionamento da Justiça Militar Estadual.

Leia mais

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil DIALOGANDO SOBRE JUSTICIA MILITAR BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil 1. De acordo com as leis de seu País, qual

Leia mais

A C Ó R D Ã O Nº 70067495689 (Nº CNJ: 0434946-98.2015.8.21.7000) COMARCA DE PORTO ALEGRE AGRAVANTE LUIS FERNANDO MARTINS OLIVEIRA

A C Ó R D Ã O Nº 70067495689 (Nº CNJ: 0434946-98.2015.8.21.7000) COMARCA DE PORTO ALEGRE AGRAVANTE LUIS FERNANDO MARTINS OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. DELEGADO DE POLÍCIA. AFASTAMENTO PREVENTIVO DO CARGO. REQUISITOS PARA A MEDIDA LIMINAR. 1. A concessão de medida liminar em mandado de segurança

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007)

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) Acrescenta 1º e 2º ao art. 45 do Decreto n.º 70.235, de 6 de março de 1972, para vedar a

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências LEI DELEGADA Nº 39 DE 28 DE NOVEBRO DE 1969 D.O Nº 236 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1969 Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências O Governador do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA CONFORMAÇÃO CONSTITUCIONAL Constituição Federal (OBS: o Decreto 4.346/02 exige o cumprimento do contraditório na apuração das infrações disciplinares) Art. 92.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 Dispõe sobre o Regulamento sobre Movimentação de servidores no âmbito do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari -

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - 1 Apresentação O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Questões fundamentadas das Leis 8.212/91 e 8.213/91 Concurso do INSS

Questões fundamentadas das Leis 8.212/91 e 8.213/91 Concurso do INSS 1 2 Para adquirir a apostila de 600 Questões Fundamentadas das Leis para o concurso do INSS acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO. ATENÇÃO: ENTREGA

Leia mais

Questões fundamentadas Lei 9.784/99 - Processo Administrativo

Questões fundamentadas Lei 9.784/99 - Processo Administrativo Para adquirir a apostila de 200 Questões Fundamentadas da Lei 9.784/99 - Processo Administrativo acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO. ATENÇÃO:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 341, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 341, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 341, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá

Leia mais

LEI 10.073. Parágrafo único - São consideradas atividades do Agente Comunitário

LEI 10.073. Parágrafo único - São consideradas atividades do Agente Comunitário LEI 10.073 Regulamenta o exercício das atividades de Agente Comunitário de Saúde e de Agente de Combate às Endemias no âmbito do Município e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado

Leia mais

RESOLUÇÃO TC Nº 240, DE 29 DE MAIO DE 2012. DOE 30.5.2012 (Alterada pela Resolução nº 276, de 2.9.2014 - DOEL-TC 3.9.2014, p.1)

RESOLUÇÃO TC Nº 240, DE 29 DE MAIO DE 2012. DOE 30.5.2012 (Alterada pela Resolução nº 276, de 2.9.2014 - DOEL-TC 3.9.2014, p.1) RESOLUÇÃO TC Nº 240, DE 29 DE MAIO DE 2012. DOE 30.5.2012 (Alterada pela Resolução nº 276, de 2.9.2014 - DOEL-TC 3.9.2014, p.1) Dispõe sobre a concessão, na forma de auxílio financeiro, da assistência

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 841, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010.

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 841, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010. ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 841, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece as normas para avaliação do exercício operacional do Curso de Formação de

Leia mais

1.2 Duração e Períodos de Realização

1.2 Duração e Períodos de Realização SECRETARIA DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL COMANDO GERAL DA POLÍCIA MILITAR CENTRO DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 0001/2013-CEPM O DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR, no uso de suas atribuições, conferidas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

www.dfpc.eb.mil.br/index.php/legislacao/61

www.dfpc.eb.mil.br/index.php/legislacao/61 PORTARIA N o 004 - D Log, DE 08 DE MARÇO DE 2001. Aprova as Normas que Regulam as Atividades dos Atiradores. O CHEFE DO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO, no uso das atribuições previstas no inciso XV do art. 27

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS LEI COMPLEMENTAR Nº 272, DE 11 DE JUNHO DE 2007 - D.O. 12.06.07. Autor: Poder Executivo * Fixa o efetivo do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso, e dá outras providências. (*Revogada pela

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL EFICÁCIA JURÍDICA Atualizado em 12/01/2016 NACIONALIDADE: ARTS. 12 E 13 CF88 A nacionalidade é o vínculo jurídico-civil que liga o indivíduo a um determinado território e é considerada

Leia mais

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências.

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. (Publicada no DJ-e nº 187/2010, em 11/10/2010, pág. 4-6) RESOLUÇÃO Nº 121, DE 5 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição

Leia mais

EDITAL PROPI Nº 007/2014 - Bolsas de Doutorado e Auxílio Moradia na Modalidade do Novo Programa de Formação Doutoral Docente/CAPES (Novo Prodoutoral)

EDITAL PROPI Nº 007/2014 - Bolsas de Doutorado e Auxílio Moradia na Modalidade do Novo Programa de Formação Doutoral Docente/CAPES (Novo Prodoutoral) EDITAL PROPI Nº 007/2014 - Bolsas de Doutorado e Auxílio Moradia na Modalidade do Novo Programa de Formação Doutoral Docente/CAPES (Novo Prodoutoral) O Pró-Reitor de Pesquisa e Inovação do Instituto Federal

Leia mais

O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 2.822, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.037 Dispõe sobre a Carreira e o Subsídio dos Bombeiros Militares do Estado do Tocantins, e adota outras providências. O Governador

Leia mais

Processo Seletivo CAp 2016 1º ano

Processo Seletivo CAp 2016 1º ano Edital de convocação A Universidade do Estado do Rio de Janeiro torna público o presente Edital, com normas, rotinas e procedimentos relativos ao processo seletivo, por meio de Sorteio Público, para ingresso

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO. Publicada no D.O. de 15.05.2008 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 109 DE 09 DE MAIO DE 2008

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO. Publicada no D.O. de 15.05.2008 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 109 DE 09 DE MAIO DE 2008 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 15.05.2008 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 109 DE 09 DE MAIO DE 2008 INSTITUI O MANUAL PARA ANÁLISE DE ACUMULAÇÃO DE CARGOS, EMPREGOS E FUNÇÕES PÚBLICOS

Leia mais

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Período da realização da correição: de 23 de maio a 13 de junho de 2014. Juiz de Direito Titular:

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEDALHA SERVIÇO BOMBEIRO MILITAR ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DECRETO Nº 18.428 São Luís, 03 de dezembro de 2001. Regulamenta o art. 158,

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Regulamenta a Lei Estadual nº 11.170/2008, dispondo sobre a progressão funcional dos servidores no âmbito do Poder Judiciário do Estado da Bahia. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DIRETORIA DE ENSINO, INSTRUÇÃO E PESQUISA ESCOLA ESTADUAL DA POLÍCIA MILITAR TIRADENTES

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DIRETORIA DE ENSINO, INSTRUÇÃO E PESQUISA ESCOLA ESTADUAL DA POLÍCIA MILITAR TIRADENTES POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DIRETORIA DE ENSINO, INSTRUÇÃO E PESQUISA ESCOLA ESTADUAL DA POLÍCIA MILITAR TIRADENTES Edital nº 001 / EEPMT/CDCE/2014 de 27 de novembro de 2014. O Diretor/Comandante

Leia mais

MÓDULO DELIBERAÇÃO nº 260/2013 ARQUIVOS DE IMPORTAÇÃO. (para servidores militares)

MÓDULO DELIBERAÇÃO nº 260/2013 ARQUIVOS DE IMPORTAÇÃO. (para servidores militares) TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO nº 260/2013 ARQUIVOS DE IMPORTAÇÃO (para servidores militares) VERSÃO 2014 Layout para a importação

Leia mais

NIVALDO MARCELOS DA SILVA A CONDENAÇÃO CRIMINAL E INSTAURAÇÃO DE NOVO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR

NIVALDO MARCELOS DA SILVA A CONDENAÇÃO CRIMINAL E INSTAURAÇÃO DE NOVO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR NIVALDO MARCELOS DA SILVA A CONDENAÇÃO CRIMINAL E INSTAURAÇÃO DE NOVO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR CURITIBA 2013 NIVALDO MARCELOS DA SILVA A CONDENAÇÃO CRIMINAL E INSTAURAÇÃO DE NOVO PROCESSO ADMINISTRATIVO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR ASSESSORIA JURÍDICA DO COMANDANTE-GERAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR ASSESSORIA JURÍDICA DO COMANDANTE-GERAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR ASSESSORIA JURÍDICA DO COMANDANTE-GERAL Inf. nº 0114AssJur08 Porto Alegre, 29 de abril de 2008. Do Cap QOEM EGON MARQUES

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014

ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014 ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014 O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no exercício de suas atribuições legais, de conformidade com o art. 57, inciso XVIII, da Lei Orgânica do Município de Porto

Leia mais

CONSELHOS ESPECIAIS DE JUSTIÇA A ANTIGÜIDADE ENTRE OS JUÍZES MILITARES E O RÉU Lourival Costa Ramos 1

CONSELHOS ESPECIAIS DE JUSTIÇA A ANTIGÜIDADE ENTRE OS JUÍZES MILITARES E O RÉU Lourival Costa Ramos 1 CONSELHOS ESPECIAIS DE JUSTIÇA A ANTIGÜIDADE ENTRE OS JUÍZES MILITARES E O RÉU Lourival Costa Ramos 1 Fato não muito comum, mas com alguma ocorrência na prática, é a hipótese de um Cel PM da Reserva da

Leia mais

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. Pág. 1 de 7 MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. DO: PODER EXECUTIVO AO: PODER LEGISLATIVO DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE ATENDIMENTO DOS DIREITOS DO IDOSO, CRIA O FUNDO MUNICIPAL

Leia mais

LEI Nº 4.375, DE 17 DE AGOSTO DE 1964

LEI Nº 4.375, DE 17 DE AGOSTO DE 1964 LEI Nº 4.375, DE 17 DE AGOSTO DE 1964 Lei do Serviço Militar. TÍTULO III DO RECRUTAMENTO PARA O SERVIÇO MILITAR CAPÍTULO III DA CONVOCAÇÃO Art. 17. A classe convocada será constituída dos brasileiros que

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 Edital de convocação para inscrição de candidatos para o Conselho Municipal de Previdência CMP do Município de Estrela. A Lei Municipal nº 4.493, de 13 de setembro de 2007, dispõe sobre o Regime Próprio

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL A CE-MS segue um padrão semelhante à Constituição Federal, reproduzindo em muitos artigos o que foi estabelecido na CF de 1988. Trataremos apenas de algumas

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.804, DE 2011

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.804, DE 2011 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.804, DE 2011 (Apenso: Projeto de Lei nº 3.768, de 2012) Altera o art. 103 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre os Planos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art.1º. O presente Regulamento rege as Atividades de Estágio Supervisionado,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 1 RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Regimento Interno da Escola da Magistratura Regional Federal da Segunda Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA SEGUNDA REGIÃO, no

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03 1. NOVAS REGRAS PARA OS SERVIDORES QUE INGRESSAREM NO SERVIÇO PÚBLICO APÓS A PROMULGAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA EC Nº 41/03. a) Principais Características. - fim da paridade

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI Nº 2.014, DE 2003

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI Nº 2.014, DE 2003 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI Nº 2.014, DE 2003 (Apenso o Projeto de Lei Nº 1.837, de 2003) Altera os Decretos-Leis nº 1.001 e 1.002, de 21 de outubro de 1969, para

Leia mais

PORTARIA Nº 4.984 DE 11 DE JULHO DE 2013. (Republicação) (Texto compilado com as alterações promovidas pela Portaria nº 3.

PORTARIA Nº 4.984 DE 11 DE JULHO DE 2013. (Republicação) (Texto compilado com as alterações promovidas pela Portaria nº 3. PORTARIA Nº 4.984 DE 11 DE JULHO DE 2013. (Republicação) (Texto compilado com as alterações promovidas pela Portaria nº 3.029/2014) Regulamenta a Gratificação por Encargo de Curso no âmbito da Justiça

Leia mais

1008012-70.2013.8.26.0053 - lauda 1

1008012-70.2013.8.26.0053 - lauda 1 fls. 388 SENTENÇA Processo Digital nº: 1008012-70.2013.8.26.0053 Classe - Assunto Requerente: Requerido: Ação Civil Pública - Violação aos Princípios Administrativos 'MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Comportamento policial militar importância e cálculo na Polícia Militar do Estado de São Paulo

Comportamento policial militar importância e cálculo na Polícia Militar do Estado de São Paulo Comportamento policial militar importância e cálculo na Polícia Militar do Estado de São Paulo Alexandre Andrade dos Santos 1º Tenente da Polícia Militar do Estado de São Paulo, Chefe do Setor de Concursos

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR

Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR O art. 100 da Constituição Federal de 1988 dispõe sobre a forma de pagamento de precatórios judiciais, que se realizarão na ordem cronológica de apresentação,

Leia mais

Quanto ao órgão controlador

Quanto ao órgão controlador Prof. Ms. Cristian Wittmann Aborda os instrumentos jurídicos de fiscalização sobre a atuação dos Agentes públicos; Órgãos públicos; Entidades integradas na Administração Pública; Tem como objetivos fundamentais

Leia mais

AVALIADOR PARA CURSO

AVALIADOR PARA CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA-UFSM FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N 2015/3050033-02 INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DE AVALIADOR PARA CURSO A FUNDAÇÃO DE APOIO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFFa nº 446, de 26 de abril de 2014 (*)

RESOLUÇÃO CFFa nº 446, de 26 de abril de 2014 (*) RESOLUÇÃO CFFa nº 446, de 26 de abril de 2014 (*) Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos Regionais de Fonoaudiologia, e dá outras providências. O Conselho Federal de Fonoaudiologia-CFFa,

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º As vagas remanescentes existentes em cada curso da SLMANDIC serão preenchidas obedecendo a seguinte

Leia mais

Aposentadorias por Tempo de Contribuição e por Idade do. Segurado com Deficiência

Aposentadorias por Tempo de Contribuição e por Idade do. Segurado com Deficiência Art. 70-A. A concessão da aposentadoria por tempo de contribuição ou por idade ao segurado que tenha reconhecido, em avaliação médica e funcional realizada por perícia própria do INSS, grau de deficiência

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 1ª TURMA RECURSAL JUÍZO A

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 1ª TURMA RECURSAL JUÍZO A JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº200870580000930/PR RELATORA : Juíza Ana Beatriz Vieira da Luz Palumbo RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS RECORRIDO : DIRCÉLIA PEREIRA 200870580000930

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PROCESSO Nº

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PROCESSO Nº DESPACHO Remeto à Secretaria do CSDPU a proposta de resolução em anexo, para autuação e distribuição. Adoto como justificativa para a Resolução as considerações constantes em seu preâmbulo. Informo, ainda,

Leia mais

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Meio Ambiente, dá outras providências sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente, revoga e altera disposições indicadas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57/2001, DE 12 DE SETEMBRO DE 2001

RESOLUÇÃO Nº 57/2001, DE 12 DE SETEMBRO DE 2001 RESOLUÇÃO Nº 57/2001, DE 12 DE SETEMBRO DE 2001 Altera o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso de Turismo e Lazer, na forma do Anexo, e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE REGIONAL

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17 Direito Processual Penal Militar - 4ª Edição SUMÁRIO CAPÍTULO I Princípios... 13 1 Princípios aplicados no processo penal militar... 13 2 Lei do processo penal militar e sua aplicação... 15 3 Aplicação

Leia mais

DEVERES DOS AGENTES PÚBLICOS

DEVERES DOS AGENTES PÚBLICOS AGENTES PÚBLICOS José Carlos de Oliveira Professor de Direito Administrativo na graduação e no Programa de Pós-Graduação do Curso de Direito da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Unesp/Franca No

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue:

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue: ATO EJTRT Nº 03/2014 O DIRETOR DA ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais e regulamentares, CONSIDERANDO os objetivos da Escola Judicial do

Leia mais

REGULAMENTO DO CADASTRO NACIONAL DE EMPRESAS COMPROMETIDAS COM A ÉTICA E A INTEGRIDADE - CADASTRO PRÓ-ÉTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO CADASTRO NACIONAL DE EMPRESAS COMPROMETIDAS COM A ÉTICA E A INTEGRIDADE - CADASTRO PRÓ-ÉTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO CADASTRO NACIONAL DE EMPRESAS COMPROMETIDAS COM A ÉTICA E A INTEGRIDADE - CADASTRO PRÓ-ÉTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Cadastro Nacional de Empresas Comprometidas

Leia mais

A LEI Nº. 9.784/ 99 E A IMPOSSIBILIDADE DE SUA APLICAÇÃO NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES. Jorge César de Assis 1

A LEI Nº. 9.784/ 99 E A IMPOSSIBILIDADE DE SUA APLICAÇÃO NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES. Jorge César de Assis 1 A LEI Nº. 9.784/ 99 E A IMPOSSIBILIDADE DE SUA APLICAÇÃO NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES Jorge César de Assis 1 A hierarquia e a disciplina constituem, por assim dizer, a própria essência das forças

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

8ª Secretaria de Controle Externo

8ª Secretaria de Controle Externo Fls. 12 À Auditora de Controle Externo, Maria Clara Seabra de Mello Costa, para proferir Orientação Técnica. Em 23 de janeiro de 2014. JOSÉ AUGUSTO MARTINS MEIRELLES FILHO Secretário da 8ª Secretaria de

Leia mais

Digite o título aqui. Informativo 17/2015

Digite o título aqui. Informativo 17/2015 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui Informativo 17/2015 PUBLICADA LEI QUE PROMOVE ALTERAÇÕES NOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Lei nº 13.135, de 17 de junho de 2015 - DOU de

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO (CSPCCOVN)

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO (CSPCCOVN) COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO (CSPCCOVN) PROJETO DE LEI Nº 1.524, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n os 1.473/03 e 1.474/03) Torna obrigatória

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso das atribuições conferidas pela legislação em vigor, e

RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso das atribuições conferidas pela legislação em vigor, e RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Regulamenta o Programa de Estágios em órgãos e entidades da Administração Pública Municipal Direta, Indireta e Fundacional, do Poder Executivo Município

Leia mais

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores:

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Processo Eletrônico Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Princípio da Universalidade; Princípio da Uniquidade; Princípio da Publicidade; Princípio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 28 DE JULHO DE 2015. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 28 DE JULHO DE 2015. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO Nº 16, DE 28 DE JULHO DE 2015. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO AUXÍLIO-SAÚDE AOS SERVIDORES ATIVOS DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS E ADOTA PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. O PLENO DO TRIBUNAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2754, DE 24 DE AGOSTO DE 1992

RESOLUÇÃO Nº 2754, DE 24 DE AGOSTO DE 1992 RESOLUÇÃO Nº 2754, DE 24 DE AGOSTO DE 1992 Dispõe sobre a confecção, tramitação e arquivamento de pastas funcionais de servidores da Corporação e dá outras providências. O CORONEL PM COMANDANTE-GERAL DA

Leia mais

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 Regulamenta o meio eletrônico de tramitação de processos judiciais, comunicação de atos e transmissão de peças processuais no Supremo Tribunal Federal (e-stf) e dá

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL

SECRETARIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Resolução SEADS - 8, de 5-8-2005 Dispõe sobre as Normas Operacionais Básicas para o Projeto Ação Jovem e dá providências correlatas A Secretária Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social, com fundamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO EDITAL Nº 001 / PMAC / DEI/ 2015 1º CURSO DE SWAT OPERATIONS / PMAC/ CPO-I

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO EDITAL Nº 001 / PMAC / DEI/ 2015 1º CURSO DE SWAT OPERATIONS / PMAC/ CPO-I GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO EDITAL Nº 001 / PMAC / DEI/ 2015 1º CURSO DE SWAT OPERATIONS / PMAC/ CPO-I O Comandante Geral da PMAC, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) (alterada pela Resolução Consepe n.º 24/2011) N.º 09/2010 Dispõe sobre as normas

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N.º 06, DE 09 DE MAIO DE 2006

PORTARIA NORMATIVA N.º 06, DE 09 DE MAIO DE 2006 PORTARIA NORMATIVA N.º 06, DE 09 DE MAIO DE 2006 Ementa: Avaliação de Desempenho Docente em Estagio Probatório. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições e tendo em vista

Leia mais

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I O objetivo primordial do Escritório Modelo de Advocacia é o pedagógico, sendo um laboratório prático no qual os alunos deverão desenvolver o conteúdo

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PORTARIA Nº 160, DE 5 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre a habilitação das instituições privadas de ensino superior e de educação profissional técnica de nível médio e sobre a adesão das respectivas mantenedoras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC EDITAL SETEC Nº, DE DE JANEIRO DE 2015 SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA - SISUTEC O Secretário

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.494, de 20 de novembro de 2015. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.494, de 20 de novembro de 2015. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.494, de 20 de novembro de 2015. Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

EDITAL Nº 004/2013. 1.4- As funções públicas deverão ser tão somente as vinculadas ao impedimento de titular.

EDITAL Nº 004/2013. 1.4- As funções públicas deverão ser tão somente as vinculadas ao impedimento de titular. EDITAL Nº 004/2013 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS PÚBLICOS E O SECRETARIO MUNICIPAL DE SÁUDE, no uso de suas atribuições legais e com base nos dispositivos de leis municipais vigentes,

Leia mais

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 Dispõe sobre o afastamento para estudo, congressos, seminários ou reuniões similares de servidor e empregado da Administração Pública Distrital

Leia mais

d) V - V - F - F. e) V - F -F - V. GABARITO:B

d) V - V - F - F. e) V - F -F - V. GABARITO:B 33 -Constitui, nos temos da lei, ato de improbidade administrativa, EXCETO: a)retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício. Ato de improbidade que atenta contra os princípios da Administração

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação - SEDUC

Secretaria de Estado da Educação - SEDUC Secretaria de Estado da Educação - SEDUC PORTARIA SEDUC Nº 195/2016 Estabelece normas e procedimentos para o processo de matrícula na Rede Estadual de Ensino / SEE para o ano letivo de 2016, e dá outras

Leia mais