Historiador e economista, deputado estadual pelo PSOL, Marcelo Freixo é reconhecido pela sua

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Historiador e economista, deputado estadual pelo PSOL, Marcelo Freixo é reconhecido pela sua"

Transcrição

1 Marcelo Freixo O BRASIL PRECISA SUPERAR A DINÂMICA QUE EXISTE ENTRE JUSTIÇA E VINGANÇA Historiador e economista, deputado estadual pelo PSOL, Marcelo Freixo é reconhecido pela sua luta em defesa dos direitos humanos. Nesse caminho, tornou-se pesquisador da ONG Justiça Global e teve destaque como coordenador da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Sempre envolvido com os movimentos sociais, o atual deputado foi também presidente do sindicato dos professores de São Gonçalo e Niterói, no estado do Rio e tornou-se referência nos assuntos que dizem respeito à violência urbana. Nesta entrevista, ele conta sua experiência em projetos de educação em presídios e analisa a política penitenciária brasileira, mostrando como ainda prevalece, no país, uma mentalidade punitiva, voltada mais para a vingança do que para a justiça. Fale um pouco sobre sua experiência como professor em presídio. Eu sou nascido e criado no Fonseca, em Niterói, e na minha juventude, durante um bom tempo, gostava de jogar futebol com os amigos. Com uns 14 anos, tínhamos um time, o Vila Ipiranga, e o nosso jogo acontecia dentro do presídio Ferreira Neto, que ainda existe. Ele tem um campo de futebol e, aos domingos, íamos jogar bola lá. Naquela época isso era possível. Era um campo alugado como outro qualquer, mas dentro da prisão. Então, prisão para mim não era algo tão distante, eu tinha cansado de jogar contra os presos lá. Quando comecei a fazer faculdade de história em 1989 (fiz economia antes) na UFF um ano muito intenso: primeira eleição direta para presidente da república, o contexto era de mobilização da juventude, vi um cartaz pedindo estagiário voluntário para trabalhar como professor no presídio Edgar Costa, no centro de Niterói. Aquilo me chamou a atenção. Eu estava bem no início, e não tinha exigência de período. As aulas eram de um projeto de educação popular. Eu já trabalhava em colégio, tinha alguma proximidade com a área de educação, e apareci lá. Fiz a entrevista com uma socióloga que era agente penitenciária o que é interessante, você não costuma associar isso: agente penitenciário sociólogo, ainda mais naquela época. Era a Regina Brasil, que era chefe da seção de educação do presídio. Na maior parte dos casos, essa seção não é nada, só permite que os alunos façam prova. Mas a Regina tinha uma formação e organizou todo um trabalho educacional ali. Começou a estimular os alunos a fazerem aquelas provas supletivas do estado, relativas ao período de quinta a oitava ou ao ensino médio. O preso ia passando e conseguindo sua escolaridade regular. E alguns presos pediram para ter aulas. Na época ela conseguiu algumas celas que estavam desativadas e transformou em salas de aula. Aí nasceu a idéia de buscar nos alunos da UFF professores voluntários. Era um jeito de aprender a dar aula participando de um projeto político pedagógico, não partidário. Fiquei encantado, fui selecionado para dar aula de história, éramos 17 estudantes da UFF ao todo, de diversas áreas. Montamos uma escola popular com a metodologia baseada no Paulo Freire, em que estudávamos educação e aprendíamos com os presos, com o dia-a-dia do sistema. Os resultados foram impressionantes. O número de alunos passando nessas provas foi enorme a ponto de formarmos uma turma de ensino médio, eles fazerem vestibular e vários passarem. A cadeia mudou. A grande lição é que o dia-a-dia foi transformado. Aqueles alunos passaram a exercer outra forma de liderança, que não tinha a ver com a facção aliás, naquela época não tinha essa presença tão forte da facção: o sistema

2 mudou muito e pra pior. Começamos, por exemplo, a fazer semanas de cultura, em que os presos declamavam poesia, tocavam instrumentos, faziam teatro. A cultura passou a ser instrumento permanente na prisão. O número de casos de violência entre os presos diminuiu drasticamente, a relação entre presos e funcionários mudou. É claro que, por outro lado, tenciona mais, porque eles passam a conhecer e exigir seus direitos. Mas exigem de uma forma diferente: começaram a fazer abaixo-assinado, convidavam juízes para visitar a cadeia. E isso gera uma tensão porque esse sistema não é preparado para o exercício da cidadania e de direitos. Nós chegamos a montar uma biblioteca, que pegou fogo de madrugada temos certeza de que foi um incêndio intencional. Trabalhávamos muito com Paulo Freire. Partíamos da realidade conhecida por eles para que a aula pudesse ser a partir do conhecimento que eles tinham. Porque eles tinham uma quantidade enorme de conhecimento mas não admitiam isso. Se olhavam e se faziam cada vez mais brutais. E a brutalidade na prisão não é um instrumento qualquer, é um instrumento de reafirmação também, de espaço de poder interno. Quanto mais bruto e mais duro, maior o reconhecimento. Vou dar um exemplo concreto: fui dar uma aula de Revolução francesa e colocamos no quadro a frase Liberdade, Igualdade, Fraternidade. O que eles traziam de concepção sobre isso? Na prisão, você passa um ano inteiro de aula discutindo liberdade. Não existe conceito mais importante. Viajávamos no tempo, mas partíamos do que eles entendiam por liberdade. Quem era livre e quem não era? Como eles poderiam se tornar livres? Aí um deles disse: A gente pula o muro e está livre. O outro falou: Não está. A prisão te acompanha. Na matemática, trabalhávamos muito com porrinha. Eles sabiam jogar, e é raciocínio matemático, raciocínio lógico o tempo inteiro. Fazíamos campeonatos. E como era o esquema das aulas, a divisão de turmas...? Tinha uma turma de alfabetização o número de presos analfabetos é muito grande e na época não era diferente e uma turma de presos que sabiam escrever. Mas o nível de escolaridade era baixo. Tínhamos quatro turmas funcionando. Eles tinham aulas de todas as matérias, todos os dias, de manhã e à tarde, de segunda à sexta-feira. Uma menina dava aula de teatro, dois presos estrangeiros davam aula de língua estrangeira, um inglês e um chileno que ensinavam inglês e espanhol. O projeto nunca foi financiado, mas funcionou de 1989 a 1994, se não me engano, e eu passei a coordenar junto com a Regina. Em 1995 já não estava funcionando. Por quê? Por conta de dificuldades criadas dentro do sistema. Começou a dar muito certo, a incomodar muita gente. Alguns presos começaram a ser transferidos. Não houve, por parte do sistema prisional, das direções, um entendimento de que aquilo deveria ser uma regra seguida em outras instituições. E ali eu fiquei muito certo da importância dos projetos de educação dentro das prisões, assim como o trabalho. A sociedade como um todo manda botar o preso para trabalhar, talvez por um ranço escravista de querer puni-lo com trabalho, mas trabalho e educação são fundamentais para lidar também com o tempo do preso. Não como instrumento de castigo, mas como ferramenta para mudar aquela pessoa dentro do sistema. Mas o sistema não foi feito para isso. O sistema não está em crise: ele administra uma crise que é fora dele, é da sociedade, e é de quem sobra na sociedade. Então não é feito para as pessoas pensarem, produzirem ou se transformarem, é feito para segregação, para que as pessoas propositalmente saiam do circuito e

3 parem de incomodar. Não à toa, o sistema prisional raramente é notícia. Eu dou várias entrevistas sobre várias coisas, mas raramente sobre o sistema prisional, com essas perguntas. Na maioria das vezes, quando dou entrevista sobre o sistema prisional, é sobre violência, rebelião, fuga, que é o momento em que os presos entram na pauta da sociedade. A cadeia está lá como um corpo estranho. A população carcerária brasileira cresce 10% ao ano, enquanto a população brasileira cresce 1,4%. Não precisa ser muito inteligente para perceber que essa equação não vai dar em boa coisa. Há poucos anos os Ministérios da Educação e Saúde começaram a pensar políticas nacionais para sistematizar isso num âmbito maior. Que dificuldade esses programas podem enfrentar? A idéia de políticas nacionais para o sistema prisional é extremamente recente. E tem um problema. A legislação é nacional, as políticas são federais, existe o Depen que consolida essas políticas públicas, é o corpo do Ministério da Justiça, mas as administrações prisionais são regionais. Então, essa legislação é aplicada pelo poder local. E aí a diversidade é muito grande. Há lugares em que o que existe é uma secretaria de administração penitenciária, como RJ e SP. Em outros, o sistema penitenciário está ligado à secretaria de segurança, e isso muda completamente. Então há desde mudanças estruturais nas organizações institucionais até mudanças drásticas de conduta política. Em MG, por exemplo, o número de presos já condenados cumprindo pena em delegacias é enorme. O RJ vem diminuindo, no Sul é pequeno. Esse é o grande entrave para a construção de políticas nacionais, porque você depende da cabeça do governante que está naquele momento, naquela conjuntura, naquela secretaria. Na maioria dos estados, o que há é sempre uma lógica punitiva, que acho que não é o que vem norteando as políticas nacionais. O governo federal só vai conseguir implementar determinadas normas e políticas se isso tiver preço. Ou seja, se a implementação dessa política representar verba para os estados. Se não for assim, pelo convencimento não vai chegar. A maior parte dos investimentos que os estados pedem hoje é em maior equipamento eletrônico, construção de novos presídios, ou seja, tudo que fortalece a lógica repressiva. Não é a lógica de investimento em educação, em saúde, em trabalho. Não é para o preso, mas para o sistema, e há uma diferença grande entre uma coisa e outra. Agora, isso tudo precisa ser acompanhado de um debate mais profundo com o poder judiciário, porque não há política, não há recurso, não há saída se nós continuarmos tendo o crescimento de população carcerária que nós temos hoje. Vai chegar uma hora em que teremos que parar de construir tudo para construir prisão. Não se constrói mais hospital, escola, só prisão. É uma opção que o Brasil tem que fazer. A mentalidade do poder judiciário é punitiva. Nosso poder judiciário, que é absolutamente afastado das decisões populares e do controle da sociedade, é inconseqüente no que diz respeito ao sistema prisional. Ele não acredita nas penas alternativas. Só nas penas privativas de liberdade. Então, cada vez as penas são maiores, há um clamor popular por penas maiores, porque há, evidentemente, a construção de uma cultura do medo, uma lógica de terror que leva a população a acreditar que a saída para ter uma sociedade mais segura são penas mais rigorosas, com policiamento mais ostensivo. O temor e o medo provocam a insegurança que, evidentemente, provoca intolerância. Há uma relação direta entre essas coisas. E o poder judiciário não reverte esse jogo. Pelo contrário. Os benefícios são cada vez mais negados, há uma população ficando cada vez mais tempo nas prisões ao contrário da percepção da sociedade de que as pessoas não ficam presas. O Brasil já é o quarto país do mundo em população carcerária. Em 1995, tínhamos 149 mil presos. Em 2006, 401 mil. Temos as taxas de crescimento carcerária mais altas do mundo. Hoje nós

4 perdemos, em população carcerária, apenas para os EUA, China e Rússia. Depois vem Brasil, com mais de 500 mil presos. É muito ameaçador, sob qualquer perspectiva de Estado democrático, esse crescimento. Eu concordo muito com essa frase de um pesquisador norte-americano: Prisão é um lugar muito caro para tornar as pessoas piores. É insustentável o sistema como está e para onde está indo. E a responsabilidade não é só da gestão: temos que discutir politicamente, o significado do sistema. E aí o judiciário tem que fazer parte do debate, tem que estar na pauta. Ele costuma não querer entrar. A idéia deles é ter um programa não que mude o tipo de pena, mas que se concentre em tentar diminuir a violência... Exatamente, esse é o problema. Eles não querem fazer o outro debate, que é o mais necessário. Prisão tem que ser para quem oferece perigo concreto para a sociedade. Caso contrário, é um péssimo investimento. As prisões do Rio de Janeiro estão cheias mas não há casos de superlotação em vários outros estados há. No Rio, é nas delegacias que há superlotação, onde acontecem coisas de outro mundo, horrendas, de outra época. São masmorras medievais. É inacreditável o que acontece nas delegacias das carceragens da polícia civil. O que acontece no Rio: quando você é preso, vai para a Polinter. Até ser julgado e condenado, vai ou para as carceragens da polícia civil ou para as casas de custódia, onde o Estado vai segurar até o julgamento. Não há casas de custódia suficientes. Quando o Rio lançou o projeto das Delegacias Legais, que é um bom projeto, com idéia de modernização e maior velocidade, a intenção não era ruim. O problema é que as delegacias legais só poderiam ser inauguradas depois da construção das casas de custódia. E, por uma questão eleitoral, no governo Garotinho foi feito o contrário: inauguraram primeiro as delegacias legais para depois irem tentando construir as casas de custódia. O resultado é que onde construía delegacia legal não podia mais ter carceragem, então os presos que estavam ali tinham que ir para outras carceragens. As delegacias que não eram legais ficavam mais ilegais ainda. Porque aí começou a nascer a superlotação das carceragens da polícia. A Polinter, da praça Mauá, é um dos maiores exemplos: havia 1600 presos num lugar em que cabiam 200. Foi fechada por uma medida da OEA (Organização dos Estados Americanos), contra o Estado brasileiro. E as penas alternativas? A Europa é o lugar onde isso está mais amadurecido, o que não quer dizer que lá esteja consolidado ou que o poder judiciário europeu de maneira geral acredite mais nisso. Mas é onde tem mais avanço. Por exemplo, acompanhei um julgamento em Londres de um torcedor do Liverpool que tinha quebrado o estádio, quebrado a cara de outro sujeito, feito um estrago, e foi preso. No julgamento, foi condenado a uma pena que era: nos próximos cinco anos, sempre que tinha jogo do Liverpool, ele passava o dia inteiro trabalhando para a prefeitura em obras de estádio ou de praça, além de trabalhar num hospital recuperando vítimas, ajudante de vítimas de acidentes, coisas desse tipo. Ou seja, uma pena mais pedagógica cujo objetivo é que aquela pessoa não faça mais aquilo. O Brasil precisa superar a distância que existe entre justiça e vingança. Nosso poder judiciário muitas vezes é vingativo, e não de construção de justiça. As penas alternativas são muito mais baratas e eficazes. Em todos os lugares do mundo, o grau de reincidência nas penas alternativas é muito menor. Isso está comprovado estatisticamente e o poder judiciário sabe disso. Em todos os países em que essas penas são aplicadas, o grau de reincidência é muito menor do que o da pena privativa de liberdade. Ela é mais barata e mais

5 eficaz. Por que então não se investe nisso? Porque o poder judiciário não acredita nisso, acha que se pune mais adequadamente se prender. Então o que tem de gente presa no Rio de Janeiro hoje por furto de celular não está no gibi. A melhor maneira de enfrentar o furto de celular é botando essas pessoas na cadeia? Naquelas condições, para ficar ali um, dois, três anos? O que vamos gastar com isso dava pra comprar para ele celular para o resto da vida. Não é muito comum as pessoas acharem que o preso tem direito à educação e à saúde. Como se muda isso? Claro, bandido é uma categoria eterna. É difícil. Nossa sociedade é marcada pelo medo e pelo temor, e tem razões para isso. A violência é real. Ela existe. É verdade que onde se tem a sensação do medo não é necessariamente onde o medo se faz mais presente. Na verdade, se você for à zona sul do rio de janeiro hoje, o índice de desenvolvimento humano tem padrão europeu. E são lugares em que as pessoas temem muito o que elas nunca sofreram e talvez não sofrerão. O nível de violência em lugares como Leblon e Ipanema é reduzidíssimo, é muito aceitável, o que não é em Bangu, Campo Grande, outras áreas. O policiamento também é muito maior nas áreas com menos violência do que nas com mais violência. Temos diferentes graus de cidadania muito claros em um lugar como o Rio. E o Estado se posiciona e promove essa relação. Só será possível vencer a lógica do medo quando o poder público tiver outra imagem e uma política mais firme de consolidação de uma alternativa a isso. O problema é que a intolerância é fruto desse medo. As pessoas não querem ser vítimas dessa violência e ponto. Se você fala que existe meio milhão de pessoas presas, as pessoas dizem: É pouco, prende mais. Precisa ser um processo pedagógico. Você precisa fazer com que a pessoa saia do imediatismo, saia de uma leitura absolutamente míope e superficial da realidade. Estamos gastando muito com uma sociedade que vai ficar mais violenta. O Brasil teve essa escala enorme de crescimento da população carcerária nos últimos anos. Isso significou redução da violência? Pelo contrário. Os índices de reincidência no sistema prisional no Rio hoje atingem 70%. As pessoas que reincidem no crime geralmente cometem um crime mais grave do que aquele pelo qual foram presas da vez anterior. Porque o sistema prisional é uma fábrica de produção de violência. Então esse olhar um pouco mais conseqüente precisa ser construído na sociedade. Agora, o poder público precisa estar disposto a isso para que nas escolas, instituições, associações de moradores, em todos os lugares onde as pessoas troquem idéias, essas informações possam chegar. Isso não é o que acontece hoje. A idéia da educação prisional está ligada à garantia desse direito, mas também se fala muito no papel que ela tem numa eventual reintegração do egresso. Como isso pode acontecer? Vivi um episódio ilustrativo disso. No presídio em que eu dava aula, havia um preso muito questionador e resistente era normal, enfrentávamos muita resistência dos presos no início. Ele dizia que só estudava porque queria passar o tempo, mas que, quando voltasse para a rua, iria se vingar pelo que fizeram com ele, iria continuar assaltando. Conduzíamos isso com habilidade. Ele foi aluno um ano e se tornou um dos mais destacados. Depois de um tempo, estava na porta da cela, que era a porta da sala, lendo Capitães da Areia, do Jorge Amado. Eu passei por ele e brinquei: Aí, hein, bandido perigoso lendo Jorge Amado?. Continuei andando, ele veio atrás de mim, numa roda de outros presos e perguntou: Você tá me provocando, né?, e eu falei: Não, vou provocar um bandido perigoso?. Mas brincando. E ele disse: Você quer saber? Hoje eu sou muito mais perigoso do que antes. Porque eu larguei a arma pra pegar no livro. Essa

6 frase virou meu emblema da escola. Porque ele tinha percebido o que representava a figura dele dentro da sociedade, o que representava o assalto. Passou a ter uma leitura de classe, um olhar sobre o funcionamento da sociedade e de qual era seu papel ali dentro. E ele passou a não estar mais disposto a cumprir aquele papel. Esse era o maior projeto de segurança que poderíamos apresentar para a sociedade: a transformação das pessoas. Isso a educação consegue, e a porrada, a tortura não conseguem. A sociedade precisa entender que esse projeto é muito mais eficaz do que aumentar um muro ou botar cerca elétrica. Entrevista realizada por Raquel Torres, em maio de 2009

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente.

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente. Porto Alegre, 21 de julho de 2010. LAUDO TÉCNICO No dia de hoje através de um áudio extraído da entrevista de Fernanda Gomes de Castro para o programa Mais Você de 21/07/2010, foi realizada uma analise

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR)

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR) Nosso déficit não é de casas, é de cidade Raquel Rolnik defende que atualmente não há políticas para moradia, apenas políticas focadas no setor imobiliário e financeiro 22/10/2012 Pedro Carrano e Thiago

Leia mais

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, após encerramento do seminário empresarial Brasil-Chile

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

22/05/2006. Discurso do Presidente da República

22/05/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura de protocolos de intenções no âmbito do Programa Saneamento para Todos Palácio do Planalto, 22 de maio de 2006 Primeiro, os números que estão no

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 Era domingo e o céu estava mais azul que o azul mais azul que se pode imaginar. O sol de maio deixava o dia ainda mais bonito

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Chapecó-SC, 23 de junho de 2006 Presidente: É um programa, talvez

Leia mais

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica?

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? Categories : Copa Pública Date : 18 de setembro de 2012 Maria Aparecida Menezes Vieira, a Cida, de 46 anos, há mais de 20 anos faz ponto na rua Afonso

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto: Garimpando

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

por futebol profissional ou amador?

por futebol profissional ou amador? Tabela 3 - Síntese das entrevistas com torcedores I O que é o futebol pra você? Uma paixão. É um esporte que eu pratico, que gosto. O meu time de futebol é a razão do meu viver. Você se interessa mais

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

09/09/2004. Discurso do Presidente da República

09/09/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de recepção da delegação brasileira que participou das Olimpíadas de Atenas Palácio do Planalto, 09 de setembro de 2004 Meu caro Grael, Meu querido René Simões,

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver

Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver SESSÃO: 255-S0 DATA: 27/08/15 FL: 1 DE 5 O SR. TONINHO VESPOLI (PSOL) - Boa tarde novamente a todos e a todas. Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver

Leia mais

Vamos falar de amor? Amornizando!

Vamos falar de amor? Amornizando! Vamos falar de amor? Amornizando! Personagens 1) Neide Tymus (Regente); 2) Sérgio Tymus (Marido Neide); 3) Nelida (Filha da Neide); 4) Primeiro Coralista; 5) Segundo Coralista; 6) Terceiro Coralista; 7)

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 24 Discurso na solenidade de entrega

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES. ANÁLISE DAS MEMÓRIAS DOS PROFESSORES DA ESCOLA MUNICIPAL DE TEMPO INTERGRAL JARDIM

Leia mais

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #11 - agosto 2014 - Não quero s o a negra a m e pr s s eu e n ta min Respostas r pais. So perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. h u a n ra a m cis o t r a a?

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

O SR. ALVARO DIAS (Bloco Minoria/PSDB PR) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, hoje não falarei mal da

O SR. ALVARO DIAS (Bloco Minoria/PSDB PR) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, hoje não falarei mal da O SR. ALVARO DIAS (Bloco Minoria/PSDB PR) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, hoje não falarei mal da Presidente, Senador Requião. Trago a esta tribuna um assunto

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Módulo Intermediário - Mídia Rádio Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Rádio e escola: a tecnologia a serviço de ecossistemas comunicativos e do protagonismo juvenil Eliany Salvatierra Doutoranda

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Mostra Cultural 2015

Mostra Cultural 2015 Mostra Cultural 2015 Colégio Marista João Paulo II Eu e as redes sociais #embuscadealgumascurtidas Uma reflexão sobre a legitimação do eu através das redes sociais. Iago Faria e Julio César V. Autores:

Leia mais

A menina que queria visitar a tia

A menina que queria visitar a tia Cenas urbanas A menina que queria visitar a tia A menina, conversando com a jornaleira, na manhã de domingo, tinha o ar desamparado. Revolvia, com nervosismo, um lenço com as pontas amarradas, dentro

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

Como Passar em Química Geral*

Como Passar em Química Geral* 1 Como Passar em Química Geral* por Dra. Brenna E. Lorenz Division of Natural Sciences University of Guam * traduzido livremente por: Eder João Lenardão; acesse o original em : http://www.heptune.com/passchem.html

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45 Egressos e mercado de trabalho Imagens externas de presídios no Rio de Janeiro. Imagem Édio Araújo Cooperativa eu quero Liberdade. Gráfico e imagens de apoio. Imagem Maíra Fernandes Presidente do conselho

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

"Organizar evento é como uma grande orquestra"

Organizar evento é como uma grande orquestra "Organizar evento é como uma grande orquestra" Publicação: 25 de Maio de 2014 às 00:00 O primeiro evento que ela organizou foi aos 12 anos, a festa junina da escola. O que Tânia Trevisan não imaginava

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento da Campanha Contra a Poliomielite

Leia mais

Encontros de vida que se faz vivendo.

Encontros de vida que se faz vivendo. Encontros de vida que se faz vivendo. Thatiane Veiga Siqueira 1 A menina do coração de chocolate. Juliana tem nove anos, é uma menina de olhos esbugalhados, com sorriso fácil, ao primeiro olhar já se vê

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Um adolescente entre 16 e 18 anos de idade, que assalta e mata alguém,

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado CSPCCO

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado CSPCCO REQUERIMENTO Nº, DE 2013 (Do Sr. Fernando Francischini) Requer que seja realizada uma reunião de Audiência Pública para debater alterações na legislação penal em relação a crimes de maus tratos em animais,

Leia mais

30/04/2009. Entrevista do Presidente da República

30/04/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, à imprensa estrangeira especializada (Around the Rings, Inside The Games, EFE, AP, Kyodo News, Reuters), após reunião

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro , Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro Brasília - DF, 21 de setembro de 2006 Eu poderia deixar você falar, Paim, mas o microfone é alto e você não vai alcançar aqui.

Leia mais

ANO XXIII 27/07/2015. Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING. Nesta edição: Clipping Geral Infância e Juventude Meio Ambiente Procon-MG

ANO XXIII 27/07/2015. Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING. Nesta edição: Clipping Geral Infância e Juventude Meio Ambiente Procon-MG ANO XXIII 153 27/07/2015 Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING Nesta edição: Clipping Geral Infância e Juventude Meio Ambiente Procon-MG o tempo - mg - p. 03 e 04-27.07.2015 2 cont... o tempo

Leia mais

APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL

APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL APÊNDICES APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL - Questionário Dados pessoais - Nome: Profissional - O que o fez escolher essa profissão de designer? - Caracterize

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Lucimar Luisa Ferreira / Marinez Santina Nazzari Revisão Final: Elias Januário Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto

Leia mais

Coragem, Solidariedade, Confiança, Justiça.

Coragem, Solidariedade, Confiança, Justiça. Valores: Coragem, Solidariedade, Confiança, Justiça. Competências -chave: Saber reagir a atentados à integridade física ou psicológica; Saber medir consequências de um segredo; Ser capaz de confiar e pedir

Leia mais

ANEXO I - Transcrição das entrevistas

ANEXO I - Transcrição das entrevistas 147 ANEXO I - Transcrição das entrevistas ENTREVISTA 1 Nome: L.C. Idade: 58 anos. Formação: Pedagogia. Tempo de experiência em cursos de Licenciatura: 7 anos. Pq - A pesquisa em questão trata da ação docente

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros ???????? Apoio: Rica Eu quero ser... Um guia para encontrar a rota da prosperidade por Mara Luquet 81 Era uma vez... Era uma vez uma princesa, dessas que passeiam pelos campos e bosques e são muito bonitas

Leia mais

Como fazer seu blog se destacar dos outros

Como fazer seu blog se destacar dos outros Como fazer seu blog se destacar dos outros Fama. Tráfego. Reconhecimento. Muito dinheiro no bolso. Esses itens certamente estão presentes na lista de desejos de quase todos os blogueiros. Afinal, ninguém

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora Juiz de Fora - MG, 19 de janeiro de 2010 Bem, primeiro, meus companheiros, eu vou passar por

Leia mais

5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet

5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet 5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet Uma das verdades absolutas sobre Produtividade que você precisa saber antes de seguir é entender que se ocupar não é produzir. Não sei se é o

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais