2. A presente Carta-Circular destina-se a alterar o ponto da Circular IFADAP n.º 04 / 2002, o qual passa a ter a seguinte redacção:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. A presente Carta-Circular destina-se a alterar o ponto 6.1.1. da Circular IFADAP n.º 04 / 2002, o qual passa a ter a seguinte redacção:"

Transcrição

1 CARTA CIRCULAR Despesas com Mão-de-obra e Equipamentos próprios Nº. 16 / 2002 Pág.1/1 Continente R. A. Madeira e R. A. Açores 1. Quando existe utilização de equipamentos da própria empresa a elegibilidade destas despesas ao cofinanciamento está sujeita às regras enunciadas no ponto 6.1 da Circular IFADAP n.º 04/2002 de 25 de Março. Uma dessas regras tem estado a ser mal interpretada suscitando inferências e entendimentos apartados da realidade. Importa por isso clarificar o teor dessa norma por forma a que se dissipem as dúvidas que sobre ela recaem. 2. A presente Carta-Circular destina-se a alterar o ponto da Circular IFADAP n.º 04 / 2002 o qual passa a ter a seguinte redacção: Não incluam as amortizações dos bens de equipamento utilizados caso estes tenham sido adquiridos com o concurso de subvenções nacionais e/ou comunitárias; 3. Por se tratar da 2.ª alteração introduzida nesta Circular IFADAP dá-se a conhecer uma nova versão integral da mesma que incorpora as alterações introduzidas através da presente bem como as que já tinham sido divulgadas pela Carta-Circular IFADAP n.º 09/2002 de 30 de Setembro. Anexo: Versão actualizada da Circular IFADAP n.º 04/2002 de 25 de Março

2 CIRCULAR Despesas com Mão-de-obra e Equipamentos próprios Nº. 04 / 2002 Pág. 1/4 Continente R. A. Madeira e R. A. Açores Actualizada face às alterações introduzidas através da: Carta-Circular n.º 09/2002 de 30 de Setembro Carta-Circular n.º 16/2002 de 17 de Dezembro 1. INTRODUÇÃO A necessidade de fazer respeitar escrupulosamente a legislação comunitária e nacional que regula a matéria que diz respeito às regras de elegibilidade e aos documentos comprovativos das despesas concretamente as que se reportam à mão-de-obra e à utilização de equipamentos da própria empresa e/ou de trabalho não remunerado justifica que se renovem as normas que regem este assunto. 2. OBJECTIVO Com a presente precisam-se e uniformizam-se as regras comuns a observar na comprovação e subsequente elegibilidade das despesas com a mão-de-obra e com a utilização de equipamentos da própria empresa e/ou de trabalho não remunerado decorrentes da execução dos investimentos dos beneficiários 1 no âmbito das operações cofinanciadas pelos Fundos Estruturais (FEOGA secção Orientação e IFOP) bem como pelo FEOGA secção Garantia. 3. ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO Reg. (CE) n.º 1685/2000 da Comissão de 28 de Julho Código do IRS (CIRS) Código do IVA (CIVA) Circular n.º 5/2001 da Direcção de Serviços do IRS 4. REVOGAÇÕES Esta Circular revoga apenas na parte relativa à comprovação das despesas com a mão-de-obra e com a utilização de equipamentos da própria empresa e/ou de trabalho não remunerado todas as 1 Desde que os instrumentos de política prevejam a elegibilidade deste tipo de despesa.

3 CIRCULAR Despesas com Mão-de-obra e Equipamentos próprios Nº. 04 / 2002 Pág. 2/4 Continente R. A. Madeira e R. A. Açores disposições estatuídas nas Circulares e Cartas-Circulares publicadas por este Instituto desde 01/01/ REGRAS PARA A COMPROVAÇÃO DAS DESPESAS COM A MÃO-DE-OBRA EXTERNA Regra geral os pagamentos executados pelos beneficiários finais devem ser comprovados pelas respectivas facturas pagas. Se tal não for possível os pagamentos devem ser comprovados por documentos contabilísticos de valor probatório equivalente. Neste contexto as regras que devem estar subjacentes à elegibilidade das despesas com a mãode-obra desde que previsto no regime de apoio aplicável são as que a seguir se enumeram As despesas incorridas pelo beneficiário com a mão-de-obra externa só poderão ser cofinanciadas quando a documentação comprovativa das mesmas assumir uma das seguintes três formas: No caso de trabalhadores que prestam regularmente serviços por conta própria como titulares de rendimentos tributados no âmbito da alínea b) do n.º 1 do artigo 3º do CIRS: São obrigados nos termos do n.º 1 do artigo 115º daquele Código a emitir recibo pelos serviços prestados em impresso de modelo oficial (recibo verde) de todas as importâncias recebidas dos seus clientes ou A emitir factura/documento equivalente e documento de quitação de todas as importâncias recebidas. Aquela factura deve preencher todos os requisitos previstos no n.º 5 do artigo 35º do CIVA No caso de trabalhadores que tenham auferido rendimentos provenientes da prática de actos isolados no âmbito do previsto na alínea i) do n.º 2 do artigo n.º 3 do CIRS deverão emitir documento de quitação avulso com a identificação fiscal dos intervenientes a discriminação da operação realizada o valor em causa e a circunstância de se tratar de um acto isolado

4 CIRCULAR Despesas com Mão-de-obra e Equipamentos próprios Nº. 04 / 2002 Pág. 3/4 Continente R. A. Madeira e R. A. Açores de acordo com o estabelecido no n.º 3 do artigo 115º do CIRS e atendendo também ao disposto na Circular n.º 5/2001 da Direcção de Serviços do IRS sobre este assunto (Anexo I). É de referir que sobre os rendimentos de actos isolados previstos na alínea acima referida há lugar à liquidação de IVA e à retenção na fonte quando as entidades pagadoras daqueles rendimentos tenham a obrigação de possuir contabilidade organizada (n.º 1 do artigo 8º do CIRS) devendo constar do recibo o valor do IVA e da retenção na fonte caso esta seja exigível. Tendo ainda em vista o acompanhamento físico e financeiro dos trabalhos realizados sempre que as despesas forem comprovadas com recibos de modelo oficial (recibos verdes) ou com recibos de actos isolados é conveniente que os mesmos sejam acompanhados por uma declaração dos seus emissores onde conste o nome do fornecedor o respectivo número de identificação fiscal a data em que ocorreu a prestação do serviço e os elementos previstos nas alíneas b) c) d) e e) do n.º 5 do artigo 35º do CIVA. 6. REGRAS PARA A COMPROVAÇÃO DAS DESPESAS COM A UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRÓPRIA EMPRESA E/OU DE TRABALHO NÃO REMUNERADO 6.1. Utilização de equipamentos da própria empresa Para a comprovação destas despesas o beneficiário deverá preencher adequadamente o formulário «Declaração de Utilização de Máquinas Próprias» modelo IFADAP n.º versão de Março/02 ou posterior (Anexo II). Estas despesas podem ser consideradas elegíveis ao cofinanciamento desde que estejam reunidos os seguintes requisitos: Não incluam as amortizações dos bens de equipamento utilizados caso estes tenham sido adquiridos com o concurso de subvenções nacionais e/ou comunitárias;

5 CIRCULAR Despesas com Mão-de-obra e Equipamentos próprios Nº. 04 / 2002 Pág. 4/4 Continente R. A. Madeira e R. A. Açores Estarem claramente identificadas e valorizadas as componentes que levaram à formação do «custo/hora» mencionado na utilização do equipamento próprio Utilização de trabalho não remunerado (Mão-de-obra Própria e Familiar) Para a comprovação destas despesas o beneficiário deverá preencher adequadamente o formulário «Declaração de Utilização de Mão-de-Obra Própria e Familiar» modelo IFADAP n.º versão de Março/02 ou posterior (Anexo III). A utilização de trabalho voluntário não remunerado constitui uma contribuição em espécie e por isso pode ser considerada despesa elegível ao cofinanciamento desde que sejam respeitadas as seguintes condições: O valor do trabalho prestado seja fixado em função da sua duração e da taxa horária ou diária normal; O valor do trabalho prestado possa ser avaliado e auditado por entidades independentes 2 ; As pessoas que prestaram o contributo em trabalho possam ser identificadas exigindo-se por isso a menção do nome residência e n.º de identificação fiscal de cada uma delas. 2 As despesas declaradas serão validadas pelo IFADAP de acordo com as tabelas existentes de custos padrão do preço/dia de trabalhos não remunerados.

6 RECIBO (DUPLICADO) DECLARAÇÃO DE ACTO ISOLADO Alínea a) do n.º 1 do art.º 2º do CIVA (Lei n.º 10/B/96 de 23 de Março)...(Y)... com o n.º de identificação fiscal (N.I.F.)...(Y)... residente...(y)... declara que recebeu de...(y)... com o n.º de identificação de pessoa colectiva (N.I.P.C.)...(Y)... a importância abaixo discriminada acrescida de Imposto sobre o Valor Acrescentado nos termos dos artigos 26º e 42º do respectivo Código pelo serviço de...(y)... na qualidade de acto isolado concluído em...(y)... 1 Honorários (prestação de serviços)......(y)... 2 IVA (taxa aplicável)......(y)... 3 Subtotal......(Y)... 4 IRS retenção na Fonte (Dec. Lei n.º 42/91) taxa de 20%......(Y)... 5 Total a receber (3) (4)......(Y)... Importância líquida a receber:...(y)... (Local) (data) Assinatura:

7 DECLARAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS PRÓPRIAS 1 O DECLARANTE Nome/Des. Social N.º Fiscal NIF ou de Pessoa Colectiva NIPC Projecto IFADAP N.º No âmbito do Regime de Ajudas / Apoio (*) (*) Identificar o Programa / Medida / Acção / Intervenção / Regulamento. Declara que para a concretização do projecto de investimento acima referenciado executou os trabalhos abaixo discriminados: 2 RESUMO DOS TRABALHOS EFECTUADOS Operações Descrição dos trabalhos N.º hectares trabalhados Número de horas Custo / hora Valor total TOTAL Tendo dispendido o valor total de (por extenso) Os trabalhos foram executados com a sua máquina (*): Marca Modelo Potência com Cuja aquisição no ano de se fez sem recurso a ajudas / subsídios nacionais e / ou comunitários. (*) Deverá ser apresentado documento comprovativo de titularidade da máquina Título de Registo de Propriedade e Livrete ou documento do subsídio de gasóleo. 3 DEMONSTRAÇÃO DO CÁLCULO DO "CUSTO/HORA" (*) MENCIONADO (Preenchimento obrigatório) (*) Mencionar a identificação e valorização das componentes que levaram à formação deste custo. Exemplo: (Combustível e lubrificantes = y Euros) + (Operador da Máquina = y Euros) + (Reparação e manutenção = y Euros) + etc.. 4 DATA E ASSINATURA DO DECLARANTE Declaro sob compromisso de honra serem verdadeiras as informações prestadas na presente declaração. Ass.: de de 20 Mod MAR/02 Preço: 015

8 DECLARAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PRÓPRIA E FAMILIAR 1 O DECLARANTE Nome/Des. Social N.º Fiscal NIF ou de Pessoa Colectiva NIPC Projecto IFADAP N.º No âmbito do Regime de Ajudas / Apoio (*) (*) Identificar o Programa / Medida / Acção / Intervenção / Regulamento. Declara que para a concretização do projecto de investimento acima referenciado executou os trabalhos abaixo discriminados: 2 RESUMO DOS TRABALHOS EFECTUADOS N.º Ordem Operações Descrição dos trabalhos M.O. (*) N.º hectares trabalhados N.º dias (jornas) Custo / dia (jornas) Valor total TOTAL Tendo dispendido o valor total de (por extenso) (*) Mão-de-obra utilizada. Mencionar (P) para própria (F) para familiar e (PF) para própria e familiar. Sempre que houver recurso a mão-de-obra familiar (F) ou (PF) deverão os intervenientes ser obrigatoriamente identificados no quadro 2A constante no verso desta declaração. 3 DATA E ASSINATURA DO DECLARANTE Declaro sob compromisso de honra serem verdadeiras as informações prestadas na presente declaração. Ass.: de de 20 Mod /2 MAR/02 Preço: 025

9 2A IDENTIFICAÇÃO DOS INTERVENIENTES NA MÃO-DE-OBRA FAMILIAR Números de Ordem (*) Nome Morada N.º Identificação Fiscal (*) Mencionar os "N.º de Ordem" das operações em que participou de acordo com a numeração constante no Quadro 2 (exemplo: 1 4 e 7). Mod /2

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MERCADOS SECÇÃO I

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MERCADOS SECÇÃO I REGIÃO AUTÓNOMA DOS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MERCADOS SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR E CAMPANHAS PROMOCIONAIS GABINETE DO SUBSECRETÁRIO REGIONAL DAS PESCAS SECÇÃO I

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

INTERFURNITURE 2012. Acção Avignon 12 a 14 de Fevereiro de 2012. Formulário de Inscrição. Nome da empresa: Marca Pessoa de Contacto

INTERFURNITURE 2012. Acção Avignon 12 a 14 de Fevereiro de 2012. Formulário de Inscrição. Nome da empresa: Marca Pessoa de Contacto INTERFURNITURE 2012 Acção Avignon 12 a 14 de Fevereiro de 2012 Formulário de Inscrição DADOS EMPRESA Nome da empresa: Marca Pessoa de Contacto CAE (Ver. 3): NIF: Postos de trabalho: Freguesia: Concelho:

Leia mais

PRODER - Subprograma 3. ACÇÃO 3.1.2 - Criação e desenvolvimento de Microempresas DOCUMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE APOIO

PRODER - Subprograma 3. ACÇÃO 3.1.2 - Criação e desenvolvimento de Microempresas DOCUMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE APOIO PRODER - Subprograma 3 ACÇÃO 3.1.2 - Criação e desenvolvimento de Microempresas DOCUMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE APOIO DOCUMENTOS DO BENEFICIÁRIO 1 a 9 10 11 13 14 Declaração Geral de Compromisso

Leia mais

1- ENTIDADE ADJUDICANTE:

1- ENTIDADE ADJUDICANTE: CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DENOMINADO ADEGA DO ARRUFA, SITO NA TRAVESSA DAS FRANCAS, 3, EM CUBA PROGRAMA DE CONCURSO 1- ENTIDADE ADJUDICANTE:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento

Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento Apoio ao preenchimento do Relatório Final de Operação (RFO) Para ajudar no preenchimento do Relatório Final de Operação

Leia mais

EMISSOR: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social

EMISSOR: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social DATA: Sexta-feira, de 4 de Fevereiro de 2011 NÚMERO: 25 SÉRIE I EMISSOR: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social DIPLOMA: Portaria n.º 66/2011 SUMÁRIO: Define os procedimentos, os elementos e

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS A declaração modelo 10 destina-se a declarar os rendimentos sujeitos a imposto,

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável.

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável. Norma de Pagamentos 1. Âmbito Nos termos do previsto no Contrato de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável ao Empreende Jovem Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo. O

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013

OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013 WORKSHOP NOVAS REGRAS DE FACTURAÇÃO OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013 Marco Rodrigues Servicontabil Serviços de Contabilidade e Informática, Lda Ricardo Rodrigues Espaço Digital Informática e Serviços,

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila"

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila Município de Figueiró dos Vinhos Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila" (regulamento que está em vigor após processo de alteração) Aprovado em reunião

Leia mais

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 1. ENQUADRAMENTO 1.1. De acordo com a alínea b) do artigo 60.º do Regulamento (CE) n.º 1083/2006,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas

JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas Índice Índice 1. Facturação...1 1.1. Gestão de Notas de Honorários...2 1.1.1. Emitir uma Nota de Honorários...3 1.1.2. Consultar Notas de Honorários Emitidas... 18

Leia mais

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES Índice Artigo 1.º Objeto do procedimento de Ajuste Direto Artigo 2.º Entidade adjudicante Artigo 3.º Órgão Competente Para a Decisão de

Leia mais

Sumário. Obrigações e enquadramento fiscal decorrentes do exercício duma actividade empresarial. (síntese)

Sumário. Obrigações e enquadramento fiscal decorrentes do exercício duma actividade empresarial. (síntese) Obrigações e enquadramento fiscal decorrentes do exercício duma actividade empresarial (síntese) Sumário 1. Início de actividade 2. Enquadramento em sede de IRS 3. Enquadramento em sede de IVA 4. Obrigações

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

GUIA DO BENEFICIÁRIO. Criação do Próprio Emprego para Beneficiários das Prestações de Desemprego. Pág. 1 de 24

GUIA DO BENEFICIÁRIO. Criação do Próprio Emprego para Beneficiários das Prestações de Desemprego. Pág. 1 de 24 GUIA DO BENEFICIÁRIO Criação do Próprio Emprego para Beneficiários das Prestações de Desemprego Pág. 1 de 24 ÍNDICE 1 - Apresentação da candidatura... 3 2 Condições gerais de admissibilidade e de acesso

Leia mais

Guia do Beneficiário

Guia do Beneficiário MODCOM 5ª Fase Despacho nº 29715-C/2009 Sistema de Incentivos a Projectos de Modernização do Comércio Acção A e B Guia do Beneficiário Versão: V 1.1 Data: 2010-08-27 Autoria: DGIC Índice ÍNDICE...2 INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES

FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES 1 Onde é que posso obter o Regulamento do concurso? O Regulamento do concurso pode ser obtido: a) Nos escritórios da SPRHI, SA: - Rua Carvalho Araújo n.º38-b, em Ponta Delgada

Leia mais

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA. II Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada PROMEDIA II

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA. II Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada PROMEDIA II REQUERIMENTO DE CANDIDATURA II Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada PROMEDIA II Exmo. Sr. Secretário Regional da Presidência 1 : ( 2 ) ( 3 ) vem, para efeitos do disposto no Decreto

Leia mais

CIRCULAR DE 2011. Numa segunda parte chamaremos a atenção para alguns aspectos de índole contabilística. Aspectos de natureza fiscal

CIRCULAR DE 2011. Numa segunda parte chamaremos a atenção para alguns aspectos de índole contabilística. Aspectos de natureza fiscal CIRCULAR DE 2011 Das constantes alterações implementadas, tanto a nível fiscal como legal, através de circulares, fomos dando conhecimento, pelo menos, das que de uma forma directa ou indirectamente afectem

Leia mais

Concurso público para a prestação de serviços de iluminação, som e palco para a Feira do Livro a realizar entre 20 e 29 de Maio de 2011

Concurso público para a prestação de serviços de iluminação, som e palco para a Feira do Livro a realizar entre 20 e 29 de Maio de 2011 Concurso público para a prestação de serviços de iluminação, som e palco para a Feira do Livro a realizar entre 20 e 29 de Maio de 2011 Programa de concurso CMF Abril de 2011 Programa de concurso Pág.

Leia mais

Prestação de Serviços Capítulo I. Disposições Gerais. Cláusula 1ª (Objecto)

Prestação de Serviços Capítulo I. Disposições Gerais. Cláusula 1ª (Objecto) Prestação de Serviços Capítulo I Disposições Gerais Cláusula 1ª (Objecto) O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas que têm por objecto principal a Prestação de Serviços de Fiscal Único. Cláusula

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

FACTURAÇÃO NOVAS REGRAS A PARTIR DE 1/01/2013

FACTURAÇÃO NOVAS REGRAS A PARTIR DE 1/01/2013 ASSUNTO: FACTURAÇÃO\BENS EM CIRCULAÇÃO Da conjugação do Decreto-Lei nº 197/2012 com o Decreto-Lei nº 198/2012 ambos de 24 de Agosto, passarei a indicar o que me parece ter maior relevância não dispensando,

Leia mais

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL Controlo da emissão e comunicação Comunicação dos inventários Incentivo fiscal DECRETO-LEI N.º 198/2012, DE 24 DE AGOSTO Estabelece medidas de controlo

Leia mais

Afacturação electrónica mais não é do que

Afacturação electrónica mais não é do que Facturação electrónica É possível a disponibilização da referência ou da legislação relativa à aprovação legal do envio de facturas por correio electrónico em formato PDF ou idêntico? Afacturação electrónica

Leia mais

Município do Funchal

Município do Funchal Concurso público para a aquisição de 1485 sinais de trânsito retroreflectorizados e 40 cones como dispositivos complementares para o Município do Funchal. CADERNO DE ENCARGOS - 1 - CADERNO DE ENCARGOS

Leia mais

Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se pôr à disposição das microempresas do Concelho

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO REGRAS E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA O CÁLCULO DE BOLSAS DE ESTUDO I. Atento o nº 1 do artigo 10º, o Rendimento anual do agregado

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 1436 Diário da República, 1.ª série N.º 48 7 de Março de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 38/2008 de 7 de Março A aprovação da Lei das Finanças Locais, Lei n.º 2/2007, de 15 de

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. GESTÃO DA MEDIDA 511 Assistência Técnica FEADER

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. GESTÃO DA MEDIDA 511 Assistência Técnica FEADER GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO GESTÃO DA MEDIDA 511 Assistência Técnica FEADER Outubro 2010 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento genérico Os formulários estão disponíveis

Leia mais

1. Passo-a-passo para validar as despesas no E-fatura. A partir deste ano, o contribuinte pode consultar on-line todas as deduções que

1. Passo-a-passo para validar as despesas no E-fatura. A partir deste ano, o contribuinte pode consultar on-line todas as deduções que Guia IRS 2015 E-Factura 1. Passo-a-passo para validar as despesas no E-fatura A partir deste ano, o contribuinte pode consultar on-line todas as deduções que vão constar no seu IRS referente ao ano de

Leia mais

Porquê as atualizações aos livros da LEGISLAÇÃO? Qual a frequência das atualizações aos livros da LEGISLAÇÃO?

Porquê as atualizações aos livros da LEGISLAÇÃO? Qual a frequência das atualizações aos livros da LEGISLAÇÃO? orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

Para aceder ao Portal das Finanças e validar ou confirmar as facturas deverão seguir o seguinte caminho:

Para aceder ao Portal das Finanças e validar ou confirmar as facturas deverão seguir o seguinte caminho: Dedução de despesas IRS 2015 A partir de 2015 as despesas dedutíveis à colecta de IRS, que agregam as despesas com todos os membros do agregado familiar, incluindo os filhos, exigem uma observância rigorosa

Leia mais

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N.

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N. EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO REGULAMENTO ESPECÍFICO: SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM

Leia mais

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária PLANOS PRESTACIONAIS - DEC-LEI Nº 124/96 REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS DE MORA VINCENDOS CONSTITUIÇÃO DE GARANTIAS - DEC-LEI

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL SAZONAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS SITO NO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL SAZONAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS SITO NO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL SAZONAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS SITO NO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA PROGRAMA DE CONCURSO 1- ENTIDADE ADJUDICANTE: Entidade pública adjudicante

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT P.º R. P. 301/04 DSJ-CT - Registo de hipoteca legal por dívidas à Segurança Social sobre bens dos gerentes da sociedade devedora. Documentos instrutórios : certidão comprovativa da dívida e cópia autenticada

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013 Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas A presente informação técnica substitui a informação 27/2008,

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 4 IV Jurisprudência Nacional 5 V Outras informações 6 NEWSLETTER

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

Obter Recibos Electrónicos

Obter Recibos Electrónicos Obter Recibos Electrónicos Início > Os seus serviços > Obter > Recibos verdes electrónicos>emitir Início > Os seus serviços > Obter > Recibos verdes electrónicos>emitir Recibo Acto isolado Início > Os

Leia mais

ALTERA O CÓDIGO DO IVA, APROVADO PELO DECRETO-LEI N

ALTERA O CÓDIGO DO IVA, APROVADO PELO DECRETO-LEI N DECRETO N.º 66/X ALTERA O CÓDIGO DO IVA, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 394- -B/84, DE 26 DE DEZEMBRO, ESTABELECENDO REGRAS ESPECIAIS EM MATÉRIA DE TRIBUTAÇÃO DE DESPERDÍCIOS, RESÍDUOS E SUCATAS RECICLÁVEIS

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013 Índice CERTIFICAÇAO DOS PROGRAMAS DE FATURAÇAO... 3 DECRETO-LEI Nº 197/2012... 4 FATURAS... 5 PRAZO PARA EMISSÃO DAS FATURAS:... 5 ELEMENTOS E MENÇÕES EXIGÍVEIS NAS FATURAS...

Leia mais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Programa Operacional Valorização do Território Deliberações CMC POR: 26/03/2008, 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07 Contém as alterações dos seguintes diplomas: DL n.º 33/2011, de 07/03 DL n.º 99/2010, de 02/09 DL n.º 247-B/2008, de 30/12 DL n.º 318/2007, de 26/09 DL n.º 125/2006, de 29/06 DL n.º 76-A/2006, de 29/03

Leia mais

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1 Fiscalidade e o Proprietário 1 Sumário: 1. Recibo Eletrónico 2. Contratos de Arrendamento Comunicação AT 3. IMI 4. IRS Rendimentos Prediais 2014/2015 2 Recibos 3 1- Recibos Eletrónicos 4 Recibo eletrónico

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Ministro MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO Despacho ne0 40/2009 O Regulamento Geral do FEDER e do Fundo de Coesiio, aprovado por delibera@o da Comissáo Ministerial de Coordenação do QREN

Leia mais

EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA

EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA NATUREZA E LIMITES MÁXIMOS DOS CUSTOS ELEGÍVEIS (Decreto - Regulamentar 84-A/2007, Despachos Conjuntos das Secretarias Regionais da Educação

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O GOVERNO Decreto-Lei nº 6/2010 Que Altera o Decreto Lei n.º 37/2009 Que Institui o Guichet Único. Decreto

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

é celebrado de boa fé, o presente contrato, cuja minuta foi homologada..., reciprocamente aceite, o qual se rege pelas cláusulas seguintes:

é celebrado de boa fé, o presente contrato, cuja minuta foi homologada..., reciprocamente aceite, o qual se rege pelas cláusulas seguintes: Minuta de Contrato de Comparticipação Financeira destinado à Execução de Projectos no âmbito do "Projecto Reequipamento Científico" da Fundação para a Ciência a Tecnologia Considerando: - o Regulamento

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

Madeira. Bens e serviços. Açores. Taxa Taxa intermédia. Observações / Legislação reduzida

Madeira. Bens e serviços. Açores. Taxa Taxa intermédia. Observações / Legislação reduzida F i s c a l i d a d e TOC 86 - Maio 2007 Para determinar a taxa aplicável nas operações relacionadas com as Regiões Autónomas são chamados os critérios constantes do artigo 6. do Código do IVA, por força

Leia mais

IVA transmissão de estabelecimento

IVA transmissão de estabelecimento IVA transmissão de estabelecimento É possível, ao abrigo do artigo 3.º, n.º 4 do CIVA transmitir um estabelecimento (isto é, todo o seu activo) de uma sociedade para um empresário em nome individual no

Leia mais

Normativo n. º 53/2005, December 15 th, that sets the rules applicable to VAT refund claims

Normativo n. º 53/2005, December 15 th, that sets the rules applicable to VAT refund claims Despacho Normativo n.º 23/2009, de 17 de Junho Foi publicado no passado dia 17 de Junho o Despacho Normativo n.º 23/2009, que procede à alteração do Despacho Normativo 53/2005, de 15 de Dezembro, que estabelece

Leia mais

Recomendação ERSAR n.º 1/2010

Recomendação ERSAR n.º 1/2010 Recomendação ERSAR n.º 1/2010 CONTEÚDOS DAS FACTURAS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO, DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PRESTADOS

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 Decreto Regulamentar n.º 1-A/2011 de 3 de Janeiro O Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, aprovado

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

I - Regime de contabilidade de caixa. 1. Âmbito de aplicação. (artigo 1º do regime)

I - Regime de contabilidade de caixa. 1. Âmbito de aplicação. (artigo 1º do regime) Classificação: 020.01.10 Segurança: Processo: 2013 004333 ÁREA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA DO IVA - GABINETE DO Of.Circulado N.º: 30150/2013 2013-08-30 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407

Leia mais

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho Visita a Portugal do importador Exclusivos Camacho Sector Cerâmica e Faiança Decorativas Espanha 14 a 16 de Janeiro de 2014 Enquadramento : Como consequência da nova situação económica em Espanha, os últimos

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo

Leia mais

Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial

Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial EIXO PRIORITÁRIO IV QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA URBANO MOBILIDADE TERRITORIAL Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial ML / IV / MT / 02 / 2010 Eixo Prioritário

Leia mais

ASSUNTO: Convite para apresentação de proposta Ajuste Directo para Fornecimento de Material de Escritório Nº 3/ 2012-2013

ASSUNTO: Convite para apresentação de proposta Ajuste Directo para Fornecimento de Material de Escritório Nº 3/ 2012-2013 À JOBRILE, LDA. Rua Monte dos Congregados, 70 4000-338 Porto Porto, 30 de Agosto de 2012 ASSUNTO: Convite para apresentação de proposta Ajuste Directo para Fornecimento de Material de Escritório Nº 3/

Leia mais

Tudo o que precisa de saber

Tudo o que precisa de saber Pág. 1 de 10 Com a publicação, no passado mês de Agosto, dos Decretos-Lei n. os 197/2012 e 198/2012, várias e (bastante) substanciais foram as alterações introduzidas em matéria de regras a observar ao

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

NOVOS PRAZOS. Prazo para confirmação e comunicação pelo consumidor final de faturas no e-fatura

NOVOS PRAZOS. Prazo para confirmação e comunicação pelo consumidor final de faturas no e-fatura NOVOS PRAZOS Prazo para confirmação e comunicação pelo consumidor final de faturas no e-fatura Disponibilização pela AT do valor das despesas e encargos no Portal das Finanças Prazo de reclamação prévia

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 21 de janeiro de 2014. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 21 de janeiro de 2014. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 21 de janeiro de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS Despacho n.º 8/2014 Aprova as tabelas de retenção na fonte em sede de

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO (Aprovado na 6ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 18 de Março de 2003, na 2ª Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 66 3 de Abril de 2009 2121

Diário da República, 1.ª série N.º 66 3 de Abril de 2009 2121 Diário da República, 1.ª série N.º 66 3 de Abril de 2009 2121 Portaria n.º 346/2009 O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo

Leia mais