AGÊNCIA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO I9/UNIFAL-MG

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGÊNCIA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO I9/UNIFAL-MG"

Transcrição

1

2 PROPRIEDADE INTELECTUAL Patentes Marcas Direitos do Autor Programa de Computador Alfenas, 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

3 Reitor Paulo Márcio de Faria e Silva Vice-Reitor Edmêr Silvestre Pereira Junior AGÊNCIA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO I9/UNIFAL-MG Diretora Marcia Paranho Veloso Realização Equipe I9/UNIFAL-MG Luciana Maria Baiocco Ikegaki Michele Bettelli Lutf Rocha Sueli Pereira Perpétua

4 ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 PROPRIEDADE INTELECTUAL...5 PROPRIEDADE INDUSTRIAL...6 Patentes...6 Marcas...12 DIREITOS DO AUTOR...14 PROGRAMA DE COMPUTADOR...19 AGÊNCIA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO I9/UNIFAL-MG...22 BIBLIOGRAFIA...23

5 INTRODUÇÃO A presente cartilha visa difundir conceitos na área da Propriedade Intelectual, de maneira didática e objetiva, voltada principalmente para esclarecer dúvidas surgidas no cotidiano. Uma vez que se trata de um assunto complexo, mas de suma importância nos dias atuais, necessário se faz estabelecer o que é propriedade intelectual, quais suas modalidades, seus principais aspectos e também quais são os direitos e deveres envolvidos nesta questão, a fim de garantir uma proteção adequada para cada caso. Com isso, a Agência de Inovação e Empreendedorismo da Universidade Federal de Alfenas I9/UNIFAL-MG, órgão suplementar vinculado à Reitoria e responsável pela disseminação da cultura da Propriedade Intelectual na Universidade, lança esta cartilha que trata, de forma resumida, dos principais aspectos envolvidos em Patentes, Marcas, Direitos do Autor e Programa de Computador, modalidades estas da propriedade intelectual que mais têm sido solicitadas junto à I9/UNIFAL-MG. Desta forma, este material foi especialmente elaborado para a comunidade acadêmica da UNIFAL-MG interessada em conhecer e aprender um pouco mais sobre Propriedade Intelectual, levando em consideração suas dúvidas mais frequentes... 4

6 PROPRIEDADE INTELECTUAL AGÊNCIA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO I9/UNIFAL-MG De acordo com a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), Propriedade Intelectual consiste na soma de todos os direitos relativos à atividade intelectual humana nos domínios científico, industrial, literário e artístico. MODALIDADES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL É possível dividir a Propriedade Intelectual em 3 grandes grupos: 1 - Propriedade Industrial (Lei nº 9.279/96) que abrange: Patentes; Desenho Industrial; Marcas; Indicações Geográficas; Repressão à Concorrência Desleal. 2 - Direitos Autorais compostos por: Direitos do Autor (Lei nº 9.610/98); Direitos Conexos (Lei nº 9.610/98) e Programa de Computador (Lei nº 9.609/98). 3 - Proteção sui generis que engloba: Proteção de Cultivares (Lei nº 9.456/97); Topografia de Circuitos Integrados (Lei nº /2007) e Proteção e Acesso aos Conhecimentos Tradicionais. 5

7 PROPRIEDADE INDUSTRIAL A Propriedade Industrial corresponde à modalidade de Propriedade Intelectual que trata das criações intelectuais voltadas para as atividades de indústria, comércio e prestação de serviço (IDS, 2005). No Brasil, a Propriedade Industrial é um direito constitucional, garantido pelo art. 5º, inciso XXIX da Constituição Federal de 1988, que dispõe: a lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para sua utilização, bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País. Este dispositivo constitucional encontra-se regulamentado pela Lei n.º de 14 de maio de 1996, conhecida como Lei da Propriedade Industrial (LPI). O Art. 2º da LPI determina que a proteção dos direitos relativos à Propriedade Industrial efetua-se mediante: A concessão de patentes de invenção e de modelo de utilidade; a concessão de registro de desenho industrial e de marca e a repressão às falsas indicações geográficas e à concorrência desleal. PATENTES Patente é um direito temporário concedido pelo Estado para a exploração exclusiva de uma Invenção ou de um Modelo de Utilidade, mediante solicitação de seu titular, em troca da revelação da sua criação, visando o desenvolvimento do país. A patente é também um direito territorial, uma vez que é válida somente no território do país que a concede, devendo seu titular depositar um pedido de proteção em cada país onde deseja ver protegido seu direito. TITULARIDADE Pela Lei da Propriedade Industrial, a patente poderá ser requerida pelo inventor em seu próprio nome, pelos seus herdeiros ou sucessores, pelo cessionário ou ainda por aquela pessoa a quem a lei ou o contrato de trabalho ou de prestação de serviços determinarem que pertença a titularidade. NA UNIFAL-MG, a titularidade dos direitos de propriedade intelectual decorrentes de atividades desenvolvidas por docentes, servidores técnico-administrativos, discentes, bolsistas, estagiários e assemelhados, utilizando-se recursos, dados, meios, materiais, instalações ou equipamentos da Universidade, pertencerá à Universidade Federal de Alfenas, ficando resguardado a estas pessoas o direito de serem nomeados como inventores das criações. 6

8 INVENTOR X TITULAR Inventor: é aquele que desenvolveu ou realizou a pesquisa até obter os resultados passíveis de serem patenteados. Titular: é o proprietário da patente, em nome de quem a patente é concedida. Pode ser o próprio inventor, a empresa ou a instituição em que trabalha, resguardados os direitos de terceiros tais como órgãos financiadores e de fomento (nestes casos a titularidade é compartilhada). PRIMEIRO A DEPOSITAR Um aspecto muito importante quanto à titularidade das patentes é que, pelo Art. 7º da Lei da Propriedade Industrial, se dois ou mais inventores tiverem realizado a mesma invenção ou modelo de utilidade, de forma independente, o direito de obter a patente será assegurado àquele que provar o depósito mais antigo, independentemente das datas de invenção ou criação. Com isso, no Brasil foi adotado o Princípio do Primeiro a Depositar. POR QUE PROTEGER UMA INVENÇÃO? Sabe-se que durante o processo de pesquisa e desenvolvimento de uma nova criação são consumidos consideráveis recursos financeiros, anos de trabalho e muita dedicação de seus criadores. Assim, não seria razoável que diante da invenção já concluída, uma terceira pessoa se apoderasse destes resultados, repassando-os ao mercado, na maioria das vezes a um preço muito mais baixo, uma vez que não teve gastos com pesquisa e desenvolvimento, além de impedir seu verdadeiro criador de explorar sua própria criação, com ou sem intuito de lucro. A patente representa uma forma de proteção do conhecimento gerado na Universidade e uma forma de estímulo a novas invenções, contribuindo para o desenvolvimento do país. No entanto, a opção pela busca da proteção por meio das patentes deve ser feita pelo pesquisador juntamente com a Universidade, considerando a viabilidade econômica do pedido de proteção, a viabilidade comercial da criação protegida, a existência de mercado e a possibilidade de transferência desta tecnologia para empresas interessadas. Importante salientar que se a opção for pela não proteção, as criações desenvolvidas não serão protegidas, apenas serão divulgadas, podendo ser livremente utilizadas por qualquer interessado. 7

9 QUAL A PROTEÇÃO CONFERIDA PELA PATENTE? AGÊNCIA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO I9/UNIFAL-MG A patente confere ao seu titular o direito de impedir terceiros, sem o seu consentimento, de produzir, usar, colocar à venda, vender ou importar o produto objeto de patente ou o processo ou produto obtido diretamente por processo patenteado (art. 42 da LPI). A exploração de uma patente por terceiros se dará somente por meio de licença ou cessão de seu proprietário. TIPOS DE PATENTE A Patente pode, de acordo com suas peculiaridades, ser classificada em dois tipos principais: Patente de Invenção e Patente de Modelo de Utilidade. PATENTE DE INVENÇÃO Ato original da mente humana, a invenção fornece uma solução nova a um problema técnico já existente. Assim, poderíamos definir a Patente de Invenção, como a proteção a um novo produto ou processo ainda não existente e que apresente um progresso considerável no seu setor tecnológico, a ponto de solucionar um antigo e específico problema técnico da humanidade. A patente de invenção corresponde também a uma das formas mais conhecidas de propriedade industrial podendo ser requerida como forma de proteção das invenções pertencentes aos mais variados campos tecnológicos. INVENÇÃO X DESCOBERTA Em Propriedade Industrial, a diferenciação entre Descoberta e Invenção é de extrema importância, uma vez que descobertas não são patenteadas, invenções sim. Invenção: consiste na criação humana de algo até então inexistente na natureza. Na invenção, o homem expressa sua criatividade chegando a soluções reais que satisfaçam suas necessidades. Estas sim, poderão ser protegidas pela Propriedade Industrial. Exemplos: o telescópio, a insulina recombinante, o telefone. Descoberta: é a revelação ou encontro casual de algo já existente na natureza. Como inexiste criação, a descoberta não é protegida pela Propriedade Industrial, ou seja, não é patenteável. Exemplo: Descoberta de uma propriedade química de um determinado elemento, isolamento de um microorganismo, leis da natureza, entre outras. 8

10 PRAZO DE PROTEÇÃO Para a Patente de Invenção é concedido o prazo de vinte anos para a sua utilização pelo seu titular. Tal prazo é computado a partir da data do depósito junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), sendo que após seu término, a criação cai em domínio público, ou seja, qualquer pessoa pode fazer uso daquela invenção sem a obrigação de obter a autorização de seu titular. PATENTE DE MODELO DE UTILIDADE A Patente de Modelo de Utilidade protege um aperfeiçoamento introduzido em um objeto já existente e, que devido a esta nova forma ou disposição, tenha resultado em uma melhoria funcional deste objeto, tanto no seu uso como em sua fabricação. Ocorre uma melhoria funcional sem, contudo, ocorrer uma mudança na tecnologia empregada. Por este motivo, não corresponde a uma nova invenção. PRAZO DE PROTEÇÃO Para a Patente de Modelo de Utilidade é concedido o prazo de quinze anos contado a partir da data do depósito junto ao INPI. Decorrido este prazo, o modelo de utilidade também entra em domínio público. NÃO PODEM SER PATENTEADOS Não são consideradas invenções nem modelo de utilidade (art.10 da LPI) e, portanto, não podem ser patenteados: I - descobertas, teorias científicas e métodos matemáticos; II - concepções puramente abstratas; III - esquemas, planos, princípios ou métodos comerciais, contábeis financeiros, educativos, publicitários, de sorteio e de fiscalização; IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética; V - programas de computador em si; VI - apresentação de informações; VII - regras de jogo; VIII - técnicas e métodos operatórios ou cirúrgicos, bem como métodos terapêuticos ou de diagnósticos, para aplicação no corpo humano ou animal; e 9

11 IX - o todo ou parte de seres vivos naturais e materiais biológicos encontrados na natureza, ou ainda que dela isolados, inclusive o genoma ou germoplasma de qualquer ser vivo natural e os processos biológicos naturais. NÃO SÃO PATENTEÁVEIS (art. 18 da LPI): I - o que for contrário à moral, aos bons costumes e à segurança, à ordem e à saúde públicas; II - as substâncias, matérias, misturas, elementos ou produtos de qualquer espécie, bem como a modificação de suas propriedades físico-químicas e os respectivos processos de obtenção ou modificação, quando resultantes de transformação do núcleo atômico; e III - o todo ou parte dos seres vivos, exceto os microorganismos transgênicos que atendam aos três requisitos de patenteabilidade novidade, atividade inventiva e aplicação industrial, e que não sejam mera descoberta. REQUISITOS PARA PROTEÇÃO Depois de verificar se a criação é ou não patenteável, de acordo com o disposto na lei, para se depositar um pedido de patente, ainda é necessário atender a três requisitos básicos de patenteabilidade: 1 - Novidade: A criação deve ser inédita, no Brasil e no exterior; 2 - Atividade Inventiva: O invento não deve ser uma solução evidente ou óbvia quando analisada por um técnico no assunto; 3 - Aplicação Industrial: A criação tem potencialidade de ser produzida ou utilizada em algum tipo de indústria. BUSCAS EM BASES DE PATENTES Para verificar se a criação desenvolvida atende ao requisito da novidade, antes do depósito de um pedido de patente, deve ser realizada uma busca prévia em bancos de patentes disponíveis gratuitamente na Internet. Por meio desta busca, também chamada de Busca de Anterioridades, torna-se possível verificar a existência de produtos ou processos idênticos ou semelhantes àqueles que serão submetidos à proteção por patente. Recomenda-se também aos pesquisadores, que antes mesmo de escrever seus projetos de pesquisa, consultem além das revistas especializadas, as bases de patentes disponíveis. 10

12 O banco de patentes oficial do Brasil é disponibilizado pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI no endereço: que também disponibiliza acesso a outros bancos de patentes oficiais internacionais e gratuitos. Além da busca em bases gratuitas, é possível realizar buscas utilizando serviços pagos no edifício sede do INPI, no Rio de Janeiro como também em outros sítios na Internet. PERÍODO DE GRAÇA Ainda quanto ao requisito da novidade, por uma disposição da própria Lei da Propriedade Industrial, o inventor pode proteger sua criação por um período de 12 meses após a sua publicação ou divulgação. É o chamado Período de Graça. No entanto, recomenda-se que primeiro seja depositado o pedido de patente e somente depois publicados ou divulgados os resultados da pesquisa já protegidos, pois não são todos os países que adotam este período de graça. ONDE PROTEGER? O Instituto Nacional da Propriedade Industrial - INPI é uma autarquia federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, com sede na cidade do Rio de Janeiro, responsável pela análise e concessão de patentes no Brasil. COMO PROCEDER NA UNIFAL-MG? Os membros da comunidade acadêmica interessados em proteger os resultados de suas pesquisas devem visitar a página da Agência para orientações sobre as modalidades de proteção. Se os resultados da pesquisa forem passíveis de proteção e se a titularidade pertencer à Universidade, o invento, após elaboração da documentação formal necessária, será depositado junto ao INPI. Importante salientar que todas as informações prestadas à equipe da Agência são consideradas sigilosas. 11

13 MARCAS Marca é todo sinal distintivo, visualmente perceptível, que distingue e identifica um produto ou serviço de outros semelhantes ou certifica sua conformidade de acordo com normas ou especificações técnicas. CLASSIFICAÇÃO As marcas podem ser classificadas em três tipos de acordo com a finalidade de uso: Marca de Produto ou Serviço: É a marca usada para diferenciar produtos ou serviços de outros idênticos, semelhantes ou afins, de origem diversa; Marca de Certificação: Aquela que se destina a atestar a conformidade de um produto ou serviço com determinadas normas ou especificações técnicas, quanto à qualidade, natureza, material utilizado e metodologia empregada; Marca Coletiva: Aquela utilizada para identificar produtos ou serviços provindos de membros de uma determinada entidade. Quanto à forma de apresentação, as marcas podem ser classificadas em: Nominativa: Constituída por uma ou mais palavras do alfabeto romano, compreendendo, também, os neologismos e as combinações de letras e/ou algarismos, desde que esses elementos não se apresentem sob a forma figurativa; Figurativa: É constituída por desenho, imagem, figura, símbolo ou qualquer forma estilizada de letra e número; Mista: Constituída pela combinação de elemento nominativo e figurativo, ou aquela em que a grafia dos elementos nominativos se apresente de forma estilizada; Tridimensional: Constituída pela forma plástica de produto ou de embalagem, cuja forma tenha capacidade distintiva em si mesma, sem qualquer efeito técnico. PARA QUE SERVE UMA MARCA? A marca serve, principalmente, para distinção e identificação de um determinado produto ou serviço de uma empresa ou instituição específica, diferenciando este produto ou serviço de empresas ou instituições concorrentes. 12

14 REGISTRO DA MARCA E PRAZO DE PROTEÇÃO AGÊNCIA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO I9/UNIFAL-MG No Brasil, o registro da marca é realizado junto ao INPI e assegura o seu uso exclusivo pelo titular, em todo território nacional, por um prazo de 10 anos contados a partir da data de concessão, prorrogável indefinidamente, por períodos iguais e sucessivos. Sem pedido de prorrogação dentro do prazo, o registro é extinto e a marca fica disponível. O registro da marca evita a presença de marcas idênticas ou semelhantes no mercado, evitando-se assim que ocorra a confusão dos seus consumidores e também a prática de concorrência desleal. QUEM PODE REQUERER O REGISTRO DA MARCA? Podem requerer o registro de uma marca tanto as pessoas físicas como as jurídicas de direito público ou de direito privado. Somente a UNIFAL-MG pode requerer o registro de suas marcas junto ao INPI. NÃO PODEM SER REGISTRÁVEIS COMO MARCAS Não são registráveis como marcas aqueles sinais proibidos pela Lei da Propriedade Industrial, tais como: brasões, armas, medalha, bandeira, emblema, distintivo e monumentos oficiais, públicos, nacionais, estrangeiros ou internacionais; letra, algarismo e data, isoladamente; expressão, figura, desenho ou qualquer outro sinal contrário à moral e aos bons costumes; sinal de caráter genérico, necessário, comum, vulgar ou simplesmente descritivo, quando tiver relação com o produto ou serviço a distinguir; cores e suas denominações, salvo se dispostas ou combinadas de modo peculiar e distintivo; pseudônimo ou apelido notoriamente conhecidos, nome artístico singular ou coletivo, salvo com consentimento do titular, herdeiros ou sucessores; obra literária, artística ou científica, assim como os títulos que estejam protegidos pelo direito autoral e sejam suscetíveis de causar confusão ou associação, salvo com consentimento do autor ou titular; entre outros (para outras exclusões, consultar o art. 124 da Lei nº 9.279/96). 13

15 NOME COMERCIAL X MARCA Nome Comercial é o nome completo de uma empresa, identificando seu negócio e sua situação jurídica. É sua razão social. Seu registro é feito na Juntas Comerciais de cada Estado e não garante proteção ao seu nome como marca. Marca é um sinal que distingue os produtos ou serviços específicos que são produzidos ou fornecidos por aquela empresa. Algumas empresas utilizam seu próprio nome comercial ou parte dele como marca. Seu registro é feito no INPI e é válido em todo território nacional. Assim, uma empresa com uma razão social pode ter inúmeras marcas registradas. O QUE SIGNIFICAM OS SÍMBOLOS E? significa que uma marca já está registrada junto ao INPI. é um termo em inglês que significa Trade Mark e indica que é uma marca de fábrica ou de comércio. O uso destes símbolos ao lado de uma marca não é obrigatório, mas tornou-se uma forma eficiente de informação de que aquele sinal visualmente perceptível já é uma marca e tem um titular. DIREITOS DO AUTOR Os Direitos Autorais, regulados pela Lei nº 9.610/98 (Lei dos Direitos Autorais) trata dos direitos de autor e dos direitos que lhe são conexos. Os Direitos de Autor correspondem aos direitos que o autor detém sobre sua obra. Pelo Art. 5º, inciso XXVII da Constituição Federal aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar. De modo geral, o direito de autor compreende dois tipos de direito: os Direitos Morais e os Direitos Patrimoniais. DIREITOS MORAIS Os Direitos Morais referem-se aos direitos de personalidade do autor, ou seja, diz respeito ao vínculo permanente do autor com sua obra, como por exemplo: o direito de reivindicar a autoria da obra; o de ter seu nome indicado como sendo o autor da obra; 14

16 o de assegurar a integridade da obra, opondo-se a qualquer modificação que possa prejudicá-la ou atingi-lo, como autor, em sua reputação ou honra, entre outros. DIREITOS PATRIMONIAIS Os Direitos Patrimoniais conferem ao autor o direito exclusivo de utilizar e dispor da sua obra, explorando-a comercialmente. Somente os direitos patrimoniais podem ser total ou parcialmente transferidos para terceiros, por meio de licenciamento, concessão ou cessão. Mesmo cedendo ou licenciando sua obra para exploração econômica, o autor ainda detém os direitos morais sobre sua criação. AUTORIA X TITULARIDADE Autor é a pessoa física criadora de obra literária, artística ou científica. Titular pode ser a pessoa física ou jurídica legitimada a exercer os direitos econômicos sobre a obra intelectual do autor. OBRAS INTELECTUAIS QUE PODEM SER PROTEGIDAS: I - os textos de obras literárias, artísticas ou científicas; II - as conferências, alocuções, sermões e outras obras da mesma natureza; III - as obras dramáticas e dramático-musicais; IV - as obras coreográficas e pantomímicas, cuja execução cênica se fixe por escrito ou por outra qualquer forma; V - as composições musicais, tenham ou não letra; VI - as obras audiovisuais, sonorizadas ou não, inclusive as cinematográficas; VII - as obras fotográficas e as produzidas por qualquer processo análogo ao da fotografia; VIII - as obras de desenho, pintura, gravura, escultura, litografia e arte cinética; IX - as ilustrações, cartas geográficas e outras obras da mesma natureza; X - os projetos, esboços e obras plásticas concernentes à geografia, engenharia, topografia, arquitetura, paisagismo, cenografia e ciência; 15

17 XI - as adaptações, traduções e outras transformações de obras originais, apresentadas como criação intelectual nova; XII - os programas de computador; XIII - as coletâneas ou compilações, antologias, enciclopédias, dicionários, bases de dados e outras obras, que, por sua seleção, organização ou disposição de seu conteúdo, constituam uma criação intelectual. NÃO SÃO OBJETO DE PROTEÇÃO COMO DIREITOS AUTORAIS: I - as ideias, procedimentos normativos, sistemas, métodos, projetos ou conceitos matemáticos como tais; II - os esquemas, planos ou regras para realizar atos mentais, jogos ou negócios; III - os formulários em branco para serem preenchidos por qualquer tipo de informação, científica ou não, e suas instruções; IV - os textos de tratados ou convenções, leis, decretos, regulamentos, decisões judiciais e demais atos oficiais; V - as informações de uso comum tais como calendários, agendas, cadastros ou legendas; VI - os nomes e títulos isolados. O QUE É PERMITIDO, SEM OFENSAS AOS DIREITOS AUTORAIS: a reprodução, em um só exemplar de pequenos trechos, para uso privado de quem está copiando, feito por este, sem intuito de lucro; a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, indicando-se o nome do autor e a origem da obra; o apanhado de lições em estabelecimentos de ensino por aqueles a quem elas se dirigem, vedada sua publicação, integral ou parcial, sem autorização prévia e expressa de quem as ministrou; a representação teatral e a execução musical, quando realizadas no recesso familiar ou, para fins exclusivamente didáticos, nos estabelecimentos de ensino, não havendo intuito de lucro; a reprodução, em quaisquer obras, de pequenos trechos de obras preexistentes, de qualquer natureza, ou de obra integral, quando de artes plásticas, sempre que 16

18 a reprodução em si não seja o objetivo principal da obra nova e que não prejudique a exploração normal da obra reproduzida nem cause um prejuízo injustificado aos legítimos interesses dos autores. REGISTRO Pela Lei dos Direitos Autorais, a proteção aos direitos do autor independe de registro uma vez que este direito nasce juntamente com a a obra. No entanto, o registro da obra nos órgãos oficiais pode representar uma importante forma de comprovação de autoria. Na tabela a seguir estão indicados os locais de registro para alguns tipos de obras intelectuais, no Brasil. ONDE REGISTRAR CADA TIPO DE OBRA INTELECTUAL? Tipo de Obra Intelectual Onde Registrar? Registro de Obras Literárias (Livros, textos) Registro de Obras Musicais Registro de Obras de Artes Visuais (obras artísticas) Registro de Obras de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo Escritório de Direitos Autorais da Fundação Biblioteca Nacional EDA Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia CONFEA Registro de Programas de Computador Instituto Nacional da Propriedade Industrial INPI PRAZO DE PROTEÇÃO No Brasil, os direitos patrimoniais do autor têm um prazo de proteção por toda a vida do autor mais 70 anos contados do ano subseqüente ao do seu falecimento. Decorrido este prazo, a obra cai em domínio público, ou seja, qualquer pessoa pode se utilizar desta obra, 17

19 inclusive economicamente, sem necessidade de autorização do seu titular. O único direito que sempre permanecerá é o direito moral de ter o nome do autor indicado na obra. O QUE SIGNIFICA O SÍMBOLO? Este símbolo significa Copyright, termo em inglês que pode ser traduzido como direito de copiar, indicando que os direitos sobre aquela obra estão reservados ao seu titular. Em algumas obras aparecem ainda as expressões: All Rights Reserved ou Todos os Direitos Reservados em que fica proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo. A violação dos direitos autorais é punível como crime de acordo com o Art. 184 do Código Penal Brasileiro, com pena de prisão e multa em conjunto com busca e apreensão e indenizações (Lei dos Direitos Autorais). ISBN X DIREITOS AUTORAIS O ISBN - International Standard Book Number - corresponde a um sistema internacional padronizado, criado em 1967 por editores ingleses, que identifica numericamente os livros segundo o título, o autor, o país, a editora, individualizando-os por edição. Utilizado também para identificar software, seu sistema numérico é convertido em código de barras, eliminando barreiras linguísticas, facilitando a sua circulação e comercialização e simplificando a busca e atualização bibliográfica. Atualmente, o sistema ISBN é controlado pela Agência Internacional do ISBN, que delega poderes às Agências Nacionais em cada país. No Brasil, desde 1978, a Fundação Biblioteca Nacional é a agência que detém a função de atribuir o número de identificação aos livros editados no país. (Fonte: O Escritório de Direitos Autorais da Fundação Biblioteca Nacional trata apenas do registro da obra para fins de proteção dos direitos do autor. E isso não tem qualquer relação com a obtenção do número ISBN desta obra registrada. Para obter o ISBN deve-se procurar a Agência Brasileira do ISBN. COMO PROCEDER NA UNIFAL-MG? Os membros da comunidade acadêmica interessados em orientações sobre direitos autorais e seus procedimentos devem visitar a página da Agência: 18

20 De acordo com a Resolução nº 38/2007 do Conselho Superior da UNIFAL-MG e em conformidade com a Lei º 9.610/98, os direitos autorais pertencerão integralmente aos seus respectivos autores. PROGRAMA DE COMPUTADOR De acordo com a Lei nº 9.609/98, entende-se por Programa de Computador a expressão de um conjunto organizado de instruções em linguagem natural ou codificada, contida em suporte físico de qualquer natureza, de emprego necessário em máquinas automáticas de tratamento da informação, dispositivos, instrumentos ou equipamentos periféricos, baseados em técnica digital ou análoga, para fazê-los funcionar de modo e para fins determinados. O regime jurídico de proteção de programa de computador é o conferido pela Lei nº 9.609/98 que trata especificamente de programa de computador juntamente com a Lei nº 9.610/98 que trata dos direitos autorais e conexos. Sua proteção assegura ao autor o direito de exclusividade nas atividades de produção, uso e comercialização. Diferentemente das patentes e das marcas, a proteção para programas de computador tem abrangência internacional e o título do programa é protegido juntamente com o programa em si. Desta maneira, com apenas um registro, protege-se tanto o produto como seu nome comercial. AUTORIA X TITULARIDADE Autor é a pessoa física criadora do programa de computador. Titular pode ser a pessoa física ou jurídica que detém os direitos de exploração da criação. Em se tratando de programa de computador, pertencerão exclusivamente ao Empregador, Contratante de Serviços ou Órgão Público, os direitos relativos ao programa de computador, desenvolvido e elaborado durante a vigência de contrato ou de vínculo estatutário, expressamente destinado à pesquisa e desenvolvimento. O disposto também se aplica se o programa de computador for desenvolvido por bolsistas, estagiários ou afins. ONDE PROTEGER? Embora seja tratado como obra literária, artística e científica, seu registro deve ser realizado junto ao INPI. Pode ser depositado o código-fonte ou o código-objeto ou ainda trechos do programa considerados suficientes para caracterizar a criação. Importante: Por estar sob a tutela dos direitos autorais e conexos, a proteção dos direitos de programa de computador independe de registro. No entanto, o registro junto ao 19

21 INPI representa uma forma de comprovação de autoria diante de uma eventual violação dos diretos do titular. REQUISITOS PARA PROTEÇÃO Para ser protegido o programa de computador deve atender a dois requisitos essenciais: Deve haver distinção entre ideia e expressão, ou seja, a proteção é conferida ao programa de computador como um todo e não às ideias nele contidas. Neste caso, o algoritmo seria a ideia e, portanto, não passível de proteção, mas, quando transformado em expressão, no programa, torna-se passível de proteção; Deve ter alguma originalidade. Isso não significa que o programa de computador tenha que ser inteiramente novo, pois na maioria das vezes, o autor do programa utiliza-se de alguma ideia preconcebida para criar um novo programa. Fonte: PRAZO DE PROTEÇÃO O prazo de proteção aos direitos relativos a programa de computador é de 50 anos, contados a partir do ano subsequente ao da sua publicação ou criação. É PERMITIDO, SEM OFENDER DIREITOS DE PROGRAMA DE COMPUTADOR: a reprodução, em um só exemplar, de cópia legitimamente adquirida, desde que se destine à cópia de salvaguarda ou armazenamento eletrônico; a citação parcial do programa, para fins didáticos, desde que identificados o programa e o titular dos direitos respectivos; a ocorrência de semelhança de programa a outro, preexistente, quando se der por força das características funcionais de sua aplicação, da observância de preceitos normativos e técnicos, ou de limitação de forma alternativa para a sua expressão. COMO PROCEDER NA UNIFAL-MG? Os membros da comunidade acadêmica interessados em proteger seus programas de computador devem visitar a página da Agência para orientações sobre este tipo de proteção. 20

22 Se for passível de proteção, após elaboração da documentação técnica e formal necessárias, o programa de computador será depositado junto ao INPI. 21

23 AGÊNCIA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO I9/UNIFAL-MG A Agência de Inovação e Empreendedorismo da Universidade Federal de Alfenas I9/UNIFAL-MG, órgão suplementar diretamente vinculado à Reitoria, corresponde ao Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) da UNIFAL-MG e foi criada a partir da reestruturação do Núcleo de Inovação e Propriedade Intelectual (NIPI/UNIFAL-MG), instituído na Universidade desde o ano de 2007, no intuito de ampliar as atividades e competências do NIT, integrando todas as iniciativas voltadas para inovação e proteção da propriedade intelectual. A I9/UNIFAL-MG é responsável pela gestão da política de inovação na UNIFAL-MG, proteção da propriedade intelectual (Patentes, Marcas e Programa de Computador) e transferência de tecnologia, atuando ativamente também no fortalecimento, apoio e coordenação de ações empreendedoras e na articulação de parcerias entre Entidades de Ciência Tecnologia e Inovação. Integra a Rede Mineira de Propriedade Intelectual (RMPI), associação que apoia e auxilia na implantação, gestão e desenvolvimento dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) junto às Instituições de Ciência e Tecnologia (ICT) do estado. Conta com uma equipe em contínua capacitação, permitindo alcançar a competência e o profissionalismo esperado no desempenho das atividades propostas. Assim, cada vez mais engajada em seus propósitos, I9/UNIFAL-MG vem participando da constante ascensão conquistada pela Universidade e contribuindo para o desenvolvimento de nossa sociedade. Para outras informações e orientações sobre o trabalho desenvolvido pela I9/UNIFAL-MG entre em contato pelo telefone (35) , pelo ou acesse também nosso link no site da UNIFAL-MG: onde você encontra maiores esclarecimentos sobre a proteção e transferência do conhecimento... 22

24 BIBLIOGRAFIA BRASIL. Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia CONFEA. Disponível em de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em Biblioteca Nacional. Disponível em Nacional da Propriedade Industrial - INPI. Disponível em Lei nº 9.279/96 de 14 de maio de Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em ttp:// nº 9.456, de 25 de abril de Institui a Lei de Proteção de Cultivares e dá outras providências. Disponível em nº 9.609, de 19 de fevereiro de Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no país e dá outras providências. Disponível em nº 9.610, de 19 de fevereiro de Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Disponível em nº , de 31 de maio de Dispõe sobre os incentivos às indústrias de equipamentos para TV Digital e de componentes eletrônicos semicondutores e sobre a proteção à propriedade intelectual das topografias de circuitos integrados, e dá outras providências. Disponível em da Cultura. Disponível em da Cultura. Órgãos de Registro. Disponível em IDS - Instituto Dannemann Siemsen de Estudos de Propriedade Intelectual. Comentários à Lei da Propriedade Industrial. Rio de Janeiro: Renovar, p. 23

25 JUNGMANN, Diana de Mello; BONETTI, Esther Aquemi. Inovação e Propriedade Intelectual. Brasília: SENAI, p. Organização Mundial da Propriedade Intelectual - OMPI. Disponível em A Criação de Uma Marca. OMPI, Disponível em SOUZA, Márcia Cristina Pereira. Proteção jurídica do software. Disponível em 24

26 AGÊNCIA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS I9/UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Centro Alfenas MG CEP: Prédio O Salas 410 B e C Telefone: (35) Realização Apoio 25

PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira)

PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) Dispõe sobre a política de contratação e licenciamento de obras intelectuais subvencionadas pelos entes do Poder Público e

Leia mais

PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE COMPUTADOR. Divisão de Registro de Programas de Computador e Topografia de Circuitos DICIG / CGIR / DIPTO

PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE COMPUTADOR. Divisão de Registro de Programas de Computador e Topografia de Circuitos DICIG / CGIR / DIPTO PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programas de Computador e Topografia de Circuitos DICIG / CGIR / DIPTO PROPRIEDADE INDUSTRAL PROPRIEDADE INTELECTUAL DIREITO AUTORAL PROTEÇÃO SUI

Leia mais

Registro de Marcas e Patentes

Registro de Marcas e Patentes Registro de Marcas e Patentes Propriedade Intelectual Propriedade Industrial (marcas, patentes e desenhos industriais) + Direito de Autor Sistema de Propriedade Intelectual - Direito autoral e patentes:

Leia mais

VI FÜrum de EaD. De Joinville p/ JaguarÄo, 26 de fevereiro de 2013. Profa. Dra. Patrícia de Oliveira Areas

VI FÜrum de EaD. De Joinville p/ JaguarÄo, 26 de fevereiro de 2013. Profa. Dra. Patrícia de Oliveira Areas VI FÜrum de EaD De Joinville p/ JaguarÄo, 26 de fevereiro de 2013. Profa. Dra. Patrícia de Oliveira Areas U ni versi d ad e d a Re g i Äo d e J o i nvi l l e U N IVILLE P r o f e sso r a no Depar tame

Leia mais

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ REITORIA DE PESQUISA A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino MARIA APARECIDA DE SOUZA SÃO PAULO, 12 DE MARÇO DE 2013. Agência

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PROGRAMA DE COMPUTADOR

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PROGRAMA DE COMPUTADOR INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PROGRAMA DE COMPUTADOR INSTITUTO FEDERA DE ALAGOAS. Núcleo de Inovação Tecnológica. Programa de Computador. Maceió. 2015. 11 p. 03 O QUE É UM PROGRAMA DE COMPUTADOR O programa

Leia mais

Propriedade Industrial. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira

Propriedade Industrial. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira Propriedade Industrial Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira 1 PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade intelectual é gênero, do qual são espécies: o O

Leia mais

Legislação em Informática. Prof. Ms. Victor Bartholomeu. Contato: victor@bartholomeu.adv.br victor.bartholomeu.adv.br

Legislação em Informática. Prof. Ms. Victor Bartholomeu. Contato: victor@bartholomeu.adv.br victor.bartholomeu.adv.br Legislação em Informática Prof. Ms. Victor Bartholomeu Contato: victor@bartholomeu.adv.br victor.bartholomeu.adv.br Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento; Porque

Leia mais

Introdução à Propriedade Intelectual

Introdução à Propriedade Intelectual Introdução à Propriedade Intelectual UFF Leila Longa Gisele de Mendonça Coordenação de Gestão Tecnológica e Inovação Vice-Presidência de Desenvolvimento Tecnológico FIOCRUZ Maio/2007 PROPRIEDADE INTELECTUAL

Leia mais

GOVERNO FEDERAL APOIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO MDIC INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

GOVERNO FEDERAL APOIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO MDIC INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO MDIC INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GOVERNO FEDERAL Trabalhando em todo o Brasil INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL APOIO Apresentação a atecnologia é o mais importante

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a. Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG

Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a. Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a Pós-Graduação Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG Propriedade Intelectual - Conceito A Propriedade

Leia mais

Elaboração do Manual de Propriedade Intelectual do CETEM

Elaboração do Manual de Propriedade Intelectual do CETEM Elaboração do Manual de Propriedade Intelectual do CETEM Aline de Oliveira Pereira Damasceno Bolsista de Iniciação Científica, Direito, UFRJ Carlos César Peiter Orientador, Engenheiro de Minas, D. Sc.

Leia mais

Direito de Propriedade Intelectual. Marcas, patentes, copyrights... O que os empreendedores criativos precisam saber?

Direito de Propriedade Intelectual. Marcas, patentes, copyrights... O que os empreendedores criativos precisam saber? Direito de Propriedade Intelectual Marcas, patentes, copyrights... O que os empreendedores criativos precisam saber? Ficha Técnica Universidade de Brasília UnB Reitor Prof Dr. Ivan Marques de Toledo Camargo

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 65 DOE de 08/04/08

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 65 DOE de 08/04/08 Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 65 DOE de 08/04/08 COORDENADORIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL MARCAS E PATENTES

PROPRIEDADE INDUSTRIAL MARCAS E PATENTES PROPRIEDADE INDUSTRIAL MARCAS E PATENTES A marca quando registrada no INPI, Instituto Nacional da Propriedade Industrial,dá a obrigatoriedade de uso exclusivo ao seu titular, criando assim característica

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Manual do Usuário SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 INTRODUÇÃO 4 ACESSO AO SISTEMA 5 CADASTRO 6 1 Identificação da ICT 6 2 Política

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INTELECTUAL ALFENAS-MG 2014 PROPRIEDADE INTELECTUAL Patente Desenho Industrial Marca Indicação Geográfica Concorrência Desleal Direito do Autor Programa de Computador Proteção Sui Generis i

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Examinadora de Patentes Divisão de Química II - DIRPA

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Examinadora de Patentes Divisão de Química II - DIRPA I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL Curso Básico de Capacitação para Gestores de Propriedade Intelectual PATENTES Márcia C. M. R. Leal, D.Sc. Examinadora de Patentes Divisão de Química

Leia mais

II - Por que é importante a Lei de Propriedade Industrial?

II - Por que é importante a Lei de Propriedade Industrial? I - O que é Propriedade Industrial? Conjunto de princípios que forma um sistema que determina como se tornar um proprietário de patentes, desenhos industriais e das marcas utilizadas na indústria, no comércio

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA

GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA 1. DEFINIÇÃO DE MARCA Marca é um sinal que individualiza os produtos ou serviços de uma determinada empresa e os distingue dos produtos ou serviços de seus concorrentes.

Leia mais

A PESQUISA E A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA USP

A PESQUISA E A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA A PESQUISA E A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA USP MARIA APARECIDA DE SOUZA LORENA, 27 DE MARÇO DE 2014. Agência USP de Inovação - Pró-Reitoria de Pesquisa.

Leia mais

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98)

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Propriedade Industrial Patentes (Lei 9.279/96) Invenção Modelo de Utilidade Desenho Industrial Marcas Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Software (Lei n 9.609/98) Patentes Invenção/Modelo de Utilidade Proteção

Leia mais

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente.

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente. MARCA O que é marca? É um sinal visualmente perceptível, usado para identificar e distinguir certos bens e serviços produzidos ou procedentes de uma específica pessoa ou empresa. As marcas podem ser: Nominativa:

Leia mais

Ilma. Superintendente de Educação, Sra. Indira dos Reis Silva

Ilma. Superintendente de Educação, Sra. Indira dos Reis Silva Processo Administrativo n 07204/2010 Interessado: Secretaria Municipal de Educação Assunto: Exibição de Material Audiovisual e Textual na Rede Escolar Propriedade Intelectual. Direito Autoral. Lei nº.

Leia mais

Prioridades do Registro

Prioridades do Registro Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 03 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: Marcas (cont.), Desenho Industrial (início). continuação de Marcas Quanto a forma de apresentação:

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PATENTE

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PATENTE INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PATENTE INSTITUTO FEDERA DE ALAGOAS. Núcleo de Inovação Tecnológica. Patente. Maceió. 2014. 11 p. 03 O QUE É UMA PATENTE A patente é um título de propriedade temporário outorgado

Leia mais

São Paulo, 27 de agosto de 2010.

São Paulo, 27 de agosto de 2010. São Paulo, 27 de agosto de 2010. Os Artistas Visuais: ilustradores, pintores, escultores, cartunistas e fotógrafos, em comum acordo, através das associações e dos sindicatos que os representam, manifestam,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO Preâmbulo A Universidade do Porto, doravante designada UP, considera que a protecção e valorização dos resultados de I&D e de outras actividades

Leia mais

Patentes absurdas. Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154)

Patentes absurdas. Escada spider para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Patentes absurdas Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Leia mais em: As patentes mais absurdas da história http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21894

Leia mais

Oficina de Busca de. Patentes

Oficina de Busca de. Patentes Núcleo de Tecnológica Oficina deinovação Busca de Patentes Mostra Científico-Cultural 2012 2ª Semana de Telecomunicações Oficina de Busca de Patentes Luiz Henrique Castelan Carlson, Dr. Eng. PATENTES (Propriedade

Leia mais

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial.

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. TÍTULO V DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA AS PATENTES- Excludentes

Leia mais

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES Dr Rockfeller Maciel Peçanha Conselheiro e Diretor do CREA-RJ Esta apresentação é de responsabilidade do autor não refletindo necessariamente

Leia mais

Departamento de Apoio a Projetos de Inovação e Gestão de Serviços Tecnológicos DAPI PROPRIEDADE INTELECTUAL E POLÍTICA DE INOVAÇÃO NA UFMA

Departamento de Apoio a Projetos de Inovação e Gestão de Serviços Tecnológicos DAPI PROPRIEDADE INTELECTUAL E POLÍTICA DE INOVAÇÃO NA UFMA Departamento de Apoio a Projetos de Inovação e Gestão de Serviços Tecnológicos DAPI Inovação tecnológica? Propriedade Intelectual? Desenho Industrial? Registro de Software? Patente? PARA QUE SERVE TUDO

Leia mais

Propriedade Intelectual e Exportação

Propriedade Intelectual e Exportação Propriedade Intelectual e Exportação Rita Pinheiro Machado Coordenadora Geral ACADEMIA/ INPI Rio de Janeiro, 12 de abril de 2016 Sumário O que é e como se divide a Propriedade Intelectual? Desde quando

Leia mais

Aplicação em concurso

Aplicação em concurso Marcelle Franco Espíndola Barros (TRF-3 2011 CESPE objetiva) André, Bruno e César realizaram uma mesma invenção, respectivamente, nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2011. As invenções foram depositadas

Leia mais

POLÍTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA (RNP)

POLÍTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA (RNP) REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA (RNP) MOTIVAÇÃO A Lei de Inovação federal, Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, regulamentada pelo Decreto nº 5.563 de 11 de outubro de 2005, estabelece medidas de

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL MARCA SINAIS DISTINTIVOS. Classificação - espécies. MARCA Classificação - espécies. MARCA Classificação - espécies 23/05/2016

PROPRIEDADE INTELECTUAL MARCA SINAIS DISTINTIVOS. Classificação - espécies. MARCA Classificação - espécies. MARCA Classificação - espécies 23/05/2016 PROPRIEDADE INDUSTRIAL PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INTELECTUAL Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br Facebook: Armindo Castro Homepage: www.armindo.com.br Celular/WhatsApp:

Leia mais

Patentes Conceitos Básicos

Patentes Conceitos Básicos Patentes Conceitos Básicos O que é patente O que é patenteável O que não é patenteável Como é um documento de patente Como definir o escopo de proteção Como é o processo de patenteamento 2014 www.axonal.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROPRIEDADE INTELECTUAL. Campinas, 30 de março de 2016

INTRODUÇÃO À PROPRIEDADE INTELECTUAL. Campinas, 30 de março de 2016 INTRODUÇÃO À PROPRIEDADE INTELECTUAL Campinas, 30 de março de 2016 PROPRIEDADE INTELECTUAL Os direitos de propriedade intelectual são bens intangíveis que conferem competitividade a empresas que sabem

Leia mais

... IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética;

... IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética; De: Nelson Parente Junior [mailto:parente@santos.sp.gov.br] Enviada em: segunda-feira, 30 de agosto de 2010 11:56 Para: Consulta Direito Autoral Assunto: Consulta Pública Prezado Senhores, encaninho para

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO 15º PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO 15º PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO 15º PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA De ordem da Sra. Juliana Salvador Ferreira de Mello, Vice-reitora do Centro Universitário Newton

Leia mais

Registros de Programas de Computador

Registros de Programas de Computador Curso de Capacitação de Gestores de Tecnologia em Propriedade Intelectual Registros de Programas de Computador Maria Alice Camargo Calliari Coordenadora Geral de Outros Registros Diretoria de Transferência

Leia mais

AUTORES. Coordenadora do NUPI. Eliane Moreira Pesquisadora Adjunta do NUPI. Cíntia Reis Assessora do NUPI

AUTORES. Coordenadora do NUPI. Eliane Moreira Pesquisadora Adjunta do NUPI. Cíntia Reis Assessora do NUPI AUTORES Gysele Amanajás A s Coordenadora do NUPI Eliane Moreira Pesquisadora Adjunta do NUPI Cíntia Reis Assessora do NUPI Alexandre Carvalho, Bruno Miléo e Débora Paiva Bolsistas do NUPI Moisés Wanghon

Leia mais

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SÉRGIO BRANCO Parte 1 INTRODUÇÃO Stephanie Lenz e seu filho Holden: O Caso Let s go Crazy US$ 150,000.00 Parte 2 A PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Intelectual

Leia mais

GESTÃO COLETIVA NO AMBIENTE DIGITAL

GESTÃO COLETIVA NO AMBIENTE DIGITAL GESTÃO COLETIVA NO AMBIENTE DIGITAL CONTEXTO A gestão coletiva de direitos autorais é uma das formas com que os autores podem garantir de maneira efetiva os seus direitos. Disciplinada no ordenamento jurídico

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Legislação empresarial especial

Resumo Aula-tema 05: Legislação empresarial especial Resumo Aula-tema 05: Legislação empresarial especial Em termos gerais, as relações jurídicas empresariais estão regidas pelo Código Civil de 2002. No entanto, sobre matérias específicas, existem leis específicas

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL & PATENTES DE INVENÇÃO

PROPRIEDADE INTELECTUAL & PATENTES DE INVENÇÃO GUIA DE ORIENTAÇÃO SOBRE: PROPRIEDADE INTELECTUAL & PATENTES DE INVENÇÃO Coordenação de Inovação Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Universidade Federal de Pelotas Pág.[0 de 27] Versão

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

Logotipo X Marca X Logomarca IDENTIDADE VISUAL. Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA. galleti.net

Logotipo X Marca X Logomarca IDENTIDADE VISUAL. Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA. galleti.net IDENTIDADE VISUAL Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA galleti.net 1. LOGOTIPO É composto por partes distintas: o símbolo e a tipografia, que juntos formam o logotipo em si. Mas, também pode ser uma representação

Leia mais

Termos de responsabilidade para uso de site

Termos de responsabilidade para uso de site Termos de responsabilidade para uso de site Este documento contém os Termos de Uso do site oficial da Secretaria Municipal de Educação de Três Rios, estado do Rio de Janeiro, com o seguinte domínio: www.educacaotresrios.rj.gov.br.

Leia mais

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 DOE 20/06/2008, Seção I, Pág. 1/3 Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre medidas de incentivo à inovação tecnológica, à pesquisa científica e tecnológica, ao desenvolvimento

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1 DA ACEITAÇÃO DOS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO... 2 2 DA PLATAFORMA DIGITAL DE APRENDIZAGEM... 2 3 DO CADASTRO... 2 4 DO REGISTRO DE DADOS PESSOAIS... 3 5 DA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA Este Concurso Cultural, denominado Mostra de Ensaios e Sabores Audiovisuais- MESA" (Concurso) é promovido pela INFOGLOBO COMUNICAÇÃO

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ. PROCESSO REGISTRAR MARCAS NO INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial)

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ. PROCESSO REGISTRAR MARCAS NO INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ PROCESSO REGISTRAR MARCAS NO INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) Dezembro 2008 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Guia Título

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

Capa PATENTES. O que se deve saber a respeito. da área de q. RQI - 2º trimestre 2012

Capa PATENTES. O que se deve saber a respeito. da área de q. RQI - 2º trimestre 2012 Capa PATENTES O que se deve saber a respeito da área de q 6 : Ricardo Pereira ão teria ocorrido em Veneza, no inicio do s 7 Rogério Filgueiras ` ` _ ` 8 direito, lhe permite, inclusive, licenciar os direitos

Leia mais

ACORDO SOBRE OS ASPECTOS DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL RELACIONADOS COM O COMÉRCIO

ACORDO SOBRE OS ASPECTOS DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL RELACIONADOS COM O COMÉRCIO ACORDO SOBRE OS ASPECTOS DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL RELACIONADOS COM O COMÉRCIO OS MEMBROS, DESEJOSOS de reduzir as distorções e os entraves ao comércio internacional e tendo em conta a necessidade

Leia mais

A Propriedade Intelectual e as ICTs. Jorge de P. C. Avila São José dos Campos, 06 de julho de 2006

A Propriedade Intelectual e as ICTs. Jorge de P. C. Avila São José dos Campos, 06 de julho de 2006 A Propriedade Intelectual e as ICTs Jorge de P. C. Avila São José dos Campos, 06 de julho de 2006 1.Contexto: a economia do conhecimento Comportamentos típicos Global outsourcing Obter insumos de maior

Leia mais

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996 LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996 Regula Direitos e Obrigações Relativos à Propriedade Industrial. TÍTULO V DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA AS PATENTES Art. 183.

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA Grupo de Discussão UFMT/ESUD Cuiabá (MT), 05/11/2010 Geraldo da Cunha Macedo E-mail e MSN: gmacedo@terra.com.br PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Industrial (LPI) Direito

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira)

PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) Dispõe sobre a política de contratação e licenciamento de obras intelectuais subvencionadas pelos entes do Poder Público e pelos entes de Direito Privado

Leia mais

Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Art. 1o. - Esta lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial.

Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Art. 1o. - Esta lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Lei de patentes INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial LEI No. 9.279 DE 14 DE MAIO DE 1996 Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1o.

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA juridico@sinprors.org.br Eixos para Discussão - bases legislativas; - enquadramento profissional e a questão das tutorias; - a natureza do contrato de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD CONTRATANTE: A PESSOA FÍSICA identificada no formulário de matrícula do curso, que, para todos os efeitos,

Leia mais

Registro Registro é facultativo (arts. 18 e 19 da LDA).

Registro Registro é facultativo (arts. 18 e 19 da LDA). Registro Registro é facultativo (arts. 18 e 19 da LDA). A proteção ao direitos autorais independe de registro. Efeito: segurança com presunção relativa aos direitos de propriedade. Finalidade: prova e

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014.

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014. RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014. Alterada pela Resolução CRCMG nº 363/2014. Altera o Regulamento Geral das Delegacias Seccionais do CRCMG. O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE MINAS GERAIS,

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos REDAÇÃO DE PATENTES Parte I - Revisão de Conceitos Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS. EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA 2015.1 / e-labora (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA)

ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS. EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA 2015.1 / e-labora (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA) ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA) 1. EDITAL A Universidade Potiguar UnP, através da Escola de Engenharias e Ciências Exatas, torna público o presente Edital, pelo

Leia mais

Inovação da Ideia ao Mercado

Inovação da Ideia ao Mercado Inovação da Ideia ao Mercado Como proteger minha Inovação 26.05.2015 AHK-SP Henrique Steuer I. de Mello henrique@dannemann.com.br dannemann.com.br 2013 2013 Dannemann Dannemann Siemsen. Siemsen. Todos

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programa de Computador Victor Pimenta M. Mendes Fortaleza - CE Setembro- 2010 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual Propriedade Industrial

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.111, DE 16 DE MAIO DE 2012. (publicado no DOE nº 095, 17 de maio de 2012) Regulamenta, no âmbito da Administração Pública Estadual, a Lei Federal nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, que

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO PORTARIA Nº 018/DIAT/ASTEC/SEMAD Porto Velho, 17 de dezembro de 2007. Normatiza os procedimentos e critérios para uso e segurança dos equipamentos de informática e banco de dados da Prefeitura de Porto

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI 0 RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JARAGUÁ DO SUL UNERJ. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ,

Leia mais

Júlio César Moreira. Diretor de Patentes novembro de 2012. http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/agencia16/ag01/arvore/ag01_23_911200585232.

Júlio César Moreira. Diretor de Patentes novembro de 2012. http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/agencia16/ag01/arvore/ag01_23_911200585232. Júlio César Moreira Diretor de Patentes novembro de 2012 http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/agencia16/ag01/arvore/ag01_23_911200585232.html Projeto de Lei do Senado nº 440 de 2011 Art 3º A BIOBRAS terá

Leia mais

Propriedade Intelectual e Inovação na Agricultura

Propriedade Intelectual e Inovação na Agricultura Propriedade Intelectual e Inovação na Agricultura Marcia Soares Vidal Simpósio Latino Americano de Ciência, Tecnologia e Inovação em Agropecuária 27 a 30 de Outubro de 2015 Seropédica - RJ Panorama Economia

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM DEFESA SANITÁRIA ANIMAL "BUSCA DE PATENTES COMO ESTRATÉGIA PARA A ATUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO"

MESTRADO PROFISSIONAL EM DEFESA SANITÁRIA ANIMAL BUSCA DE PATENTES COMO ESTRATÉGIA PARA A ATUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO MESTRADO PROFISSIONAL EM DEFESA SANITÁRIA ANIMAL "BUSCA DE PATENTES COMO ESTRATÉGIA PARA A ATUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO" ATUAÇÕES NIT-UEMA Divulgação Programadas e por Demanda O

Leia mais

XX. (Pesquisador em Propriedade Industrial/INPI/CESPE/2014):

XX. (Pesquisador em Propriedade Industrial/INPI/CESPE/2014): XX. (Pesquisador em Propriedade Industrial/INPI/CESPE/2014): Com relação ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), julgue os itens a seguir. 26. Uma função comissionada que fique vaga, por

Leia mais

Propriedade Intelectual: Autores

Propriedade Intelectual: Autores Propriedade Intelectual: Patentes de Invenção, Transferência de Tecnologia, Modelos de Utilidade, Desenho Industrial, Softwares, Cultivares, Marcas, Direito Autoral, Indicação Geográfica Autores Simone

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

1º CONCURSO CULTURAL SOLTE A VOZ JOVENS DE MARIA REGULAMENTO

1º CONCURSO CULTURAL SOLTE A VOZ JOVENS DE MARIA REGULAMENTO Santuário Nacional de Nossa Senhora da Conceição Aparecida CNPJ. 02.825.033/0001-04 Avenida Dr. Júlio Prestes, s/n - Bairro Ponte Alta Aparecida (SP) CEP 12570-900 Brasil REGULAMENTO DO OBJETO: 1. O Santuário

Leia mais

CURSO GERAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL À DISTÂNCIA DL 101P BR

CURSO GERAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL À DISTÂNCIA DL 101P BR CURSO GERAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL À DISTÂNCIA DL 101P BR OBJETIVO: Apresentar uma visão global e atualizada dos mecanismos de proteção das criações intelectuais, enfocando o arcabouço legal brasileiro

Leia mais

Brauliro Gonçalves Leal

Brauliro Gonçalves Leal Brauliro Gonçalves Leal Colegiado de Engenharia da Computação Coordenador do NIT www.univasf.edu.br/~brauliro.leal Alana Maria Souza Siqueira Bacharel em Administração Bolsista do NIT nit@univasf.edu.br

Leia mais

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional?

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional? Dúvidas e pontos polêmicos levantados na discussão sobre o Anteprojeto de Lei de Acesso ao Material Genético e seus Produtos, de Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados e de Repartição de Benefícios

Leia mais

Considerando a importância da divulgação de imagens das unidades de conservação para sensibilização da sociedade sobre o tema;

Considerando a importância da divulgação de imagens das unidades de conservação para sensibilização da sociedade sobre o tema; PORTARIA Nº 19/2011 O PRESIDENTE DO INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTITUTO CHICO MENDES, nomeado pela Portaria nº 532, de 30 de julho de 2008, da Ministra de Estado Chefe da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

Audiência Pública para debater o PL 4961/2005

Audiência Pública para debater o PL 4961/2005 Audiência Pública para debater o PL 4961/2005 Leonor Magalhães Galvão Co-Coordenadora da Comissão de Estudos de Biotecnologia da Associação Brasileira da Propriedade Intelectual Câmara dos Deputados Comissão

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 16/2011

EDITAL FAPEMIG 16/2011 EDITAL FAPEMIG 16/2011 PROGRAMA ESTRUTURADOR REDE DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MESTRES E DOUTORES A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969

DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969 DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969 Dispõe sobre exercício da profissão de jornalista. OS MINISTROS DA MARINHA DE GUERRA, DO EXÉRCITO E DA AERONÁUTICA MILITAR, usando das atribuições que lhes

Leia mais

ACORDO SOBRE ASPECTOS DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL RELACIONADOS AO COMÉRCIO ÍNDICE DISPOSIÇÕES GERAIS E PRINCÍPIOS BÁSICOS

ACORDO SOBRE ASPECTOS DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL RELACIONADOS AO COMÉRCIO ÍNDICE DISPOSIÇÕES GERAIS E PRINCÍPIOS BÁSICOS ACORDO SOBRE ASPECTOS DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL RELACIONADOS AO COMÉRCIO ÍNDICE PARTE I PARTE II DISPOSIÇÕES GERAIS E PRINCÍPIOS BÁSICOS PADRÕES RELATIVOS À EXISTÊNCIA, ABRANGÊNCIA E EXERCÍCIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 006/2014 EMENTA: Aprova Normas da Política de

Leia mais

Elza Fernandes de Araújo Assessora Adjunta de Inovação Novembro/2015. A importância da inovação tecnológica e o fomento da FAPEMIG

Elza Fernandes de Araújo Assessora Adjunta de Inovação Novembro/2015. A importância da inovação tecnológica e o fomento da FAPEMIG Elza Fernandes de Araújo Assessora Adjunta de Inovação Novembro/2015 A importância da inovação tecnológica e o fomento da FAPEMIG MUDANÇA DE MENTALIDADE O Brasil precisa avançar. É necessário mudar a mentalidade.

Leia mais

Produção de Hidrogênio na Usina Hidrelétrica de Itaipu em Escala Piloto e Utilização em Célula a Combustível com base no Convênio ECV-DTC 002/2011.

Produção de Hidrogênio na Usina Hidrelétrica de Itaipu em Escala Piloto e Utilização em Célula a Combustível com base no Convênio ECV-DTC 002/2011. FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0098/2014 Edital Nº. 098/2014 A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, FPTI-BR, por meio do PTI Ciência, Tecnologia e Inovação, PTI

Leia mais

Direitos Autorais: Perguntas e Respostas

Direitos Autorais: Perguntas e Respostas Direitos Autorais: Perguntas e Respostas Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira Presidente Diretoria-Geral do Sistema FIRJAN Augusto Cesar Franco de Alencar

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE NO ÂMBITO. DE ATUAÇÃO DA CTNBIO, como forma de. controle social dos Processos Decisórios e. de Regulação naquele colegiado.

PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE NO ÂMBITO. DE ATUAÇÃO DA CTNBIO, como forma de. controle social dos Processos Decisórios e. de Regulação naquele colegiado. PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE NO ÂMBITO DE ATUAÇÃO DA CTNBIO, como forma de controle social dos Processos Decisórios e de Regulação naquele colegiado. Princípio da precaução e análise de risco dos Organismos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais