EQUIPAMENTOS PARA AMOSTRAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EQUIPAMENTOS PARA AMOSTRAGEM"

Transcrição

1 A importância da amostragem é ressaltada principalmente quando entram em jogo a avaliação de depósitos minerais, o controle de processos, em laboratório e indústria e a comercialização dos produtos. Portanto, uma amostragem mal conduzida pode resultar em prejuízos vultosos ou em distorção dos resultados, de conseqüências técnicas imprevisíveis. Pode-se definir amostragem como sendo uma seqüência de operações com o objetivo de retirar uma parte representativa (densidade, teor, distribuição granulométrica, constituintes minerais, etc.) de seu universo (população) para a variável ou variáveis analisadas. Esta parte representativa é denominada de amostra primária ou global. Desta, pode-se retirar fração (ou frações) destinada(s) a análise ou ensaios de laboratório. Esta fração é chamada amostra final ou reduzida, que deve ser representativa da amostra global e, portanto, de toda a população. Incrementos são as frações de material retiradas de um todo (universo), a fim de constituírem a amostra global ou final. Cada incremento deve possuir, aproximadamente, a mesma massa e ser distribuído em relação ao todo, devendo ainda ser tomado o maior número possível de incrementos, para que se tenha uma amostra mais representativa (lei das médias). Ao se executar uma amostragem, é improvável que seja obtida uma amostra com as mesmas características do material de onde foi retirada. Isto se prende ao fato de, no decorrer das operações, haver erros de amostragem, tais como: de operação : Está ligado ao operador. Exemplo: falta de atenção, contaminação, etc. de segregação : Quando a amostra é constituída por minerais com significativas diferenças de densidade. Exemplo: os minerais pesados tendem a separar-se dos menos densos. de integração de incrementos : Devido à coleta de incrementos em fluxos variáveis. Exemplo: em um incremento, comete-se erro de segregação. fundamental : Devido à massa da amostra tomada. Teoricamente a massa ideal seria aquela que englobasse todo o seu universo. Como é tomada apenas a parte desse todo, decorre-se em erro. Excetuando-se o erro fundamental, os demais erros poderão ser evitados, pelo menos minimizados, através do uso de amostradores automáticos para a retirada de frações da amostra primária e Homogeneizador/Divisor para reduzir a amostra primária a uma amostra final, com o objetivo de conseguir menor quantidade de massa, mas que seja a mais representativa do universo. 1/30

2 1 - TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM AMOSTRA PRIMÁRIA OU GLOBAL Em mineração, as diferentes técnicas utilizadas para retirada de frações da amostra primária ou global são bastante conhecidas, enumerando-se, dentre outras: Sondagem Canal em trincheiras/poços/galerias Amostragem em pilhas de rejeito ou minério/vagões/caminhões Minério em movimento, etc. As amostras resultantes de cada uma dessas técnicas tem diferentes destinos, tais com: fins estratigráficos/petrográficos, avaliação de depósitos minerais, desenvolvimento da pesquisa geológica/lavra, processamento mineral, controle de pátios de embarque, etc. Em cada uma dessas técnicas, deverão ser obedecidos procedimentos específicos AMOSTRA FINAL OU REDUZIDA A amostra final ou reduzida é uma amostra representativa da amostra global ou primária. Como o processamento mineral está mais afeto a esse tipo de amostra, decidiu-se darlhe um maior enfoque no presente trabalho. Normalmente, a obtenção de uma amostra de menor massa implica numa redução de granulometria. A redução de granulometria, de uma maneira geral, pode ser realizada como segue a) Até cerca de 1/2, utilizam-se britadores de mandíbulas. b) De 1/2 até 325 malhas, utilizam-se moinhos de rolos, de barras, de bolas, de discos e pulverizadores ou trituradores manuais (gral). Quando a contaminação da amostra pelo ferro é ponto crítico, utiliza-se gral de ágata ou moinho de bolas de porcelana. Todos os equipamentos acima fazem parte de nossa linha normal de fabricação. 2/30

3 1.3 TÉCNICAS DE HOMOGENEIZAÇÃO / QUARTEAMENTO Para a redução das amostras originais, após a cominuição, utiliza-se o quarteamento. Neste, é imprescindível que a amostra esteja bem homogeneizada. Para tal, são usados homogeneizadores em Y, pilhas cônicas, pilhas tronco de pirâmide, etc. As frações obtidas pelo quarteamento correspondem a 1/2 n, onde n é o número de quarteamentos realizados. Os métodos mais usuais são : a) Quarteamento Manual : O quarteamento manual poderá ser realizado através de : a.1) Pilha tronco de pirâmide : Em primeiro lugar, divide-se o lote de minério recebido em quatro regiões aproximadamente iguais. Atribui-se a uma pessoa ou grupo de pessoas (A) responsabilidade da retirada, alternadamente, de quartos opostos (1 e 3); a outra pessoa ou grupo de pessoas (B), os outros quartos (2 e 4) (Figura 1). Forma-se, a seguir, uma pilha com a forma de tronco de pirâmide, com uma das pessoas ou grupo (A) colocando sucessivas pazadas de minério (ou por carrinho adequado) (Figura 3) num dado sentido; e a outra pessoa ou grupo (B), no sentido oposto, conforme mostrado na Figura 2. A seguir, divide-se a pilha em diversas porções iguais, para a realização do quarteamento. 3/30

4 Fig. 1 Pilha de Homogeneização Fig. 2 - Pilha Tronco de Pirâmide 4/30

5 Fig. 3 - Carrinho utilizado na formação de Pilha Tronco de Pirâmide O quarteamento é feito formando-se duas pilhas cônicas, tomandose, para uma, as porções de índices ímpares (1 a 9), etc., e para outra, as de índices pares. Repete-se, se necessário, a operação, com uma das pilhas cônicas. Cuidados: Deve-se atentar para que as quantidades de minério tomadas pela pá ou carrinho sejam sempre iguais e suficientes para descarregar ao longo de toda a pilha, com velocidade uniforme. Não realizar curvas. 5/30

6 a.2) Pilha Cônica : Quando se tem um pequeno volume de material, realiza-se uma pilha com a forma de tronco de cone e divide-se em quatro setores iguais. A seguir, formam-se duas pilhas cônicas, tomando-se, para uma, os setores 1 e 3, e para a outra, os setores 2 e 4 ( ver Figura 4). Caso seja necessário dividir ainda mais a amostra, repete-se a operação com uma das pilhas. Fig. 4 - Pilha Cônica b) Quarteamento Mecânico b.1) Divisor tipo Jones Este é constituído por uma série de calhas inclinadas, ora para um lado, ora para o outro. A alimentação se faz na parte superior que 6/30

7 tem uma forma tronca piramidal (ver Figura 5). A largura da calha deverá ser, pelo menos, três vezes o tamanho do maior fragmento. Fig. 5 - Divisor tipo Jones b.2) Divisor de Polpa É constituído por um cilindro com terminação cônica onde há uma válvula de abertura. Em seu interior há um agitador para homogeneizar a polpa (ver Figura 6). Ao abrir-se a válvula, a polpa cai em um disco giratório contendo várias canecas. Cada caneca constitui uma fração do quarteamento. Caso se deseje um número menor de frações, juntam-se as amostras das canecas diametralmente opostas. Deve-se atentar para a calibração da válvula de abertura, de acordo com a granulometria da polpa. 7/30

8 Fig. 6 - Divisor de Polpa 2 - MASSA DA AMOSTRA Partir de amostra com determinada massa e, através de sucessivas homogeneizações/divisões, obterem uma amostra reduzida, quer para análises químicas, que para processamento mineral, tem gerado segundo algumas experiências, polêmicas, e, em alguns casos, até mesmo desconfiança dos responsáveis pela condução dos trabalhos de campo junto aos laboratórios. Os erros cometidos são de amostragem e, dentre esses, o erro fundamental (ligado à massa) não pode ser evitado. No entanto, pode ser minimizado, dentro de limites aceitáveis, desde que, ao se tomar uma amostra, uma série de fatores seja considerada: Teor do mineral minério Granulometria Tipo de mineralização Grau de liberação do mineral minério, etc. 8/30

9 Na maioria dos casos, principalmente nos trabalhos de campo, não se dispõe dessas informações, necessárias à obtenção de uma amostra. Assim, podem-se classificar três tipos de amostras: Amostra com disponibilidade de informações Amostra carente de informações Amostra específica AMOSTRA COM DISPONIBILIDADE DE INFORMAÇÕES Este tipo de amostra se aplica quando é possível dispor das informações: Teor do mineral minério Densidade do mineral minério Densidade da ganga Malha de liberação do mineral minério Estágio de amostragem necessário para o trabalho Neste caso, emprega-se a fórmula de Pyerre Gy. Onde : = massa mínima da amostra, em gramas. = fator de distribuição de tamanho da partícula, o qual tem usualmente o valor de Para distribuições granulométricas em faixas estreitas, usar g=0.5. = dimensão da abertura que retém em média 5% do minério (cm) = fator de forma: 0.2 para mica, amianto, cianita, etc. (forma lamelar) 0.5 para os demais = parâmetro de liberação (dado pelo gráfico Figura 1.2) Abscissa : d/, sendo = grau de liberação (cm) Ordenadas : valores de l = fator de composição mineralógica sendo : 9/30

10 = teor do mineral minério (decimal) = densidade do mineral minério. Caso seja mais de um, ponderar. Se não for possível determinar, usar 5 = densidade da ganga. Se não for possível determinar, usar 2.6. An = Variância. Seu valor é obtido na Figura Modificações da Fórmula de Pierre Gy para Minérios Especiais a) Para minérios de ouro onde a partícula de ouro está liberada, usar 0.2 para os valores de f e g. A dimensão d deve ser atribuída não aos minerais, mas ao maior tamanho dos grãos de ouro presentes na amostra. Atribuir a l o valor 1, e o fator c de composição mineralógica ficará reduzido a : = densidade do ouro a = teor de ouro na amostra expresso em percentagem, não em g/t ou onça/t como é frequentemente usado. b) Para minério de ouro onde as partículas não estão liberadas, a fórmula de Pierre Gy é difícil de ser aplicada, devido à dificuldade de determinação do fator de liberação l. c) Para carvão mineral, na fórmula de Pierre Gy, para determinar o fator de composição mineralógica c, o teor de cinzas passa a ser o a, delta 1 a densidade média das cinzas, e delta 2 a densidade média do carvão AMOSTRA CARENTE DE INFORMAÇÕES Este é o caso mais freqüente, principalmente em trabalhos de campo e até mesmo em laboratório, onde ainda não se dispõe ou até mesmo não se justifica a busca de informações, para aplicação de Pierre Gy. Nestas circunstâncias, sugere-se a utilização da tabela de Richards. Exemplo prático no final deste trabalho. 10/30

11 2.4 - AMOSTRA ESPECÍFICA Neste caso se enquadra o carvão mineral, que possui normas específicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, que são: NBR 8291 NBR 8292 Ensaios. Amostragem de Carvão Mineral Bruto e/ou Beneficiado Preparação de Amostras de Carvão Mineral para Análise e 3 - ESTABELECENDO UM PLANO DE AMOSTRAGEM Em geral a empresa que querem adotar um plano de amostragem em suas instalações tem em mente um equipamento coletando uma pequena porção de um determinado lote com um custo bastante reduzido, e o que ocorre é que quando apresentamos um sistema de amostragem completo com todos os equipamentos necessários para a coleta de amostras representativas, o custo é bem maior que o budget estipulado pelas empresas. Um sistema de amostragem automático é o único método absolutamente seguro para se extrair pequenas porções de um total de material, tal que estas porções reflitam a propriedade do lote entre os limites aceitáveis de precisão. O maior pré-requisito para qualquer plano de amostragem é o estudo da variabilidade do material a ser amostrado. Muitas vezes, contudo esta variabilidade não é conhecida e em tal caso é necessário que o plano de amostragem assuma uma faixa razoável dos valores de mínimo e máximo. Frequentemente somos consultados a oferecer recomendações e propostas para sistemas de amostragens onde os dados estatísticos não são incluídos nas especificações. Dessa forma nossos cálculos são baseados na quantidade requerida na amostra final ou no intervalo de incrementos ou cortes primários, ou a combinação de ambos. Para alguns minerais a norma ISO estabelece padrões para a definição da amostra final. No caso do minério de ferro a ISO-3082 sugere a seguinte tabela para definição da massa média mínima por incremento baseado no tamanho máximo da partícula : 11/30

12 TAMANHO MÁXIMO DA MASSA MÍNIMA MASSA MÉDIA PARTÍCULA DE CADA MÍNIMA DE (mm) INCREMENTO (kg) INCREMENTO (kg) De 150 até Outra tabela que a norma ISO nos mostra é a quantidade de incrementos requeridos para determinada vazão de material ou lote. Abaixo um resumo desta tabela : Vazão em t/h Variação da Qualidade de até Grande Média Pequena É lógico que esses números podem variar conforme desejo do cliente. Após análise dessas duas tabelas, já sabemos que teremos que ter um número mínimo de massa por incremento em relação ao tamanho máximo da partícula e o número de incrementos para a determinada vazão. Quando o cliente não informa a variação de qualidade, usamos sempre a grande. 12/30

13 Geralmente quando usamos essas duas tabelas acontece do número obtido de amostra ser muito grande. Daí parte para o que chamamos de amostragem secundária, ou seja, faremos uma amostra da amostra coletada a princípio. Caso se repita, partiremos para a amostra terciária e assim por diante, até chegarmos a um número razoável da amostra final ou reduzida. 4 - IMPORTÂNCIAS DA VARIABILIDADE DO MATERIAL Em geral há 3 medidas da variabilidade : amplitude Desvio médio Desvio padrão Por definição, amplitude é a diferença entre o valor menor e o maior em um cujo número de dados se dá a máxima variação. Desvio médio é a média de todos os desvios absolutos. Desvio padrão é a raiz quadrada dos desvios médios dividido pelo número de medidas. O desvio padrão é igualmente visto como o mais representativo da variação apresentada. Geralmente a variabilidade do ensaio de um grande número de ensaios segue próximo à curva de distribuição normal. Para se calcular o desvio padrão, utilizamos a fórmula abaixo: Sendo: σ = desvio padrão = a medida do valor = valor médio = desvio da média n = número de amostra tomada 13/30

14 5 - MÉTODO DO CÁLCULO PARA DETERMINAR O No. DE INCREMENTOS Com a distribuição normal nós encontramos 68,27 % de todos os valores considerando o desvio de +/- 1σ e 95,42 % para +/- 2σ e 99,73 % para +/- 3σ. Baseado em leis da probabilidade e estatística, o número mínimo de incrementos de amostra primária é expresso em função da variabilidade e desvio padrão do material dentro de um erro aceitável. A fórmula abaixo nos mostra como calcular o número mínimo de incrementos: onde : = número de amostra requerid = o nível de confiança requerida σ = desvio padrão E = erro possível Tabela para determinação do nível de confiança k % k 99, , , ,05 95, , , , ,28 68, /30

15 Por exemplo, para certa amostra cujo nível de confiança é 90 % com erro de 1% na variação, e tomando como base um desvio padrão de 6, teremos : Quanto maior o nível de confiança requerido ou desejado, maior será o número de incrementos, conforme abaixo, utilizando os mesmos dados acima : Isso é bem lógico, ou seja, quanto mais se quer uma amostra com maior índice de representatividade, maior deve ser a amostra coletada ao final de todos os incrementos. 6 - REGRAS GERAIS PARA O PROJETO DO CORTADOR Como já vimos anteriormente, amostragem significa a retirada de uma pequena quantidade que seja representativa do lote. O cortador deve: Dar às partículas do fluxo principal igual oportunidade de serem amostradas; Atravessar o fluxo transversalmente a 90 graus; Atravessar o fluxo em velocidade constante ABERTURA DO CORTADOR A distância entre os extremos de abertura do cortador é de no mínimo 3 vezes o diâmetro da maior partícula. Para fluxo de polpa abaixo de 6 mesh, o diâmetro da abertura deve ser no mínimo 3/8 (9.5 mm). 15/30

16 Fig. 7 - As aberturas dos amostradores lineares são paralelas e ajustáveis. Os cortadores podem ser angulares fixados no ponto de rotação como é o caso dos amostradores giratórios tipo Vezin. As lâminas do cortador são feitas de material resistente à abrasão e são fixadas no corpo do cortador. Os cortadores são fabricados com inclinação de 45 a 90 graus, isto para facilitar o escoamento do material. 6.2 VELOCIDADE DO CORTADOR A norma ASTM D-2234 (Standard Method for Collecting a Gross Sample of Cool} limitou a velocidade em até 24 pol/s. A ENGENDRAR fabrica amostradores na faixa de 7.5pol/s até 30 pol/s. A velocidade influencia diretamente na quantidade de amostra requerida por corte. Quanto maior a velocidade do cortador, menor a quantidade de amostra coletada por corte. 16/30

17 Abaixo a fórmula para se determinar a quantidade de amostra requerida por corte, em amostradores lineares tipo vai-vem, sugerida pela Norma ISO-3082, relativo ao minério de ferro: onde : = massa média do incremento, em kg; = vazão do material em t/h; = abertura entre facas em m; = velocidade do cortador em m/s. A quantidade final de amostra coletada pode variar pelo ajuste da velocidade do cortador, abertura do cortador e intervalo de cortes. Para os amostradores giratórios tipo Vezin é usado a seguinte fórmula para determinar a quantidade de amostra por incremento, quando o mesmo não for contínuo: onde : Q = quantidade de amostra por período por galão ou libras; R = raio médio em polegada; P = fluxo do material em galão ou libra por período; W = abertura do cortador no raio médio em polegada; 0,159 = constante Quando o amostrador for contínuo a quantidade de amostra coletada é em função do ângulo das facas, ou seja, se o cortador está trabalhando com ângulo de 18 graus, isto significa 5% da circunferência, e então o amostrador vai coletar 5% de todo o material que estiver passando. 17/30

18 Os amostradores giratórios, quando usados em amostragem secundárias são colocados com 1, 2, 3 e 4 cortadores e conseguem desviar até 50% do fluxo. 7- EQUIPAMENTOS DE AMOSTRAGEM Existem vários tipos de amostradores. Os mais usuais são fabricados pela ENGENDRAR, que são: Amostradores automáticos lineares para sólidos; Amostradores automáticos lineares para polpa; Amostradores automáticos giratórios tipo Vezin; Amostradores pneumáticos para dutos pressurizados Amostradores automáticos lineares para sólidos São conhecidos como amostradores vai-e-vem e são instalados na descarga do transportador de correia. Fazem a coleta de amostra transversal ao fluxo de material. Consistem basicamente de uma caixa de acionamento e o cortador. A caixa de acionamento compreende: Trem de acionamento: O acionamento do conjunto de corte carrinho de sustentação é feito através do sistema moto-freio-redutor-corrente de rolos. Um duplo pino fixado na corrente não só impulsionará o carrinho ao longo do curso, como também contrabalança a carga na corrente. Barra redonda: Os amostradores possuem barras redondas fixadas lateralmente através de suportes aparafusados a base. Por essas guias (as barras redondas) se movimenta o conjunto móvel de corte. Conjunto móvel de corte (carrinho de sustentação): É constituído por uma placa de arraste fixada em placa suporte, sendo um conjunto apoiado sobre quatro roletes, sendo dois rolando na guia superior e dois na guia inferior. Esta disposição proporciona uma excepcional rigidez e estabilidade ao conjunto móvel. Os roletes são providos de rolamentos blindados com lubrificação permanente. 18/30

19 Base Suporte: Todo o mecanismo de acionamento será montado sobre base executada em chapas dobradas, rigidamente soldadas, devidamente dimensionadas para resistir aos esforços durante as operações. Cortador: O cortador é do tipo desviador de fluxo com deslocamento transversal e perpendicular ao do material. Possuirá abertura regulável através de facas fundidas em Ni-hard ou inox, substituíveis, e sua carcaça será fabricada em chapas de aço carbono ou em ferro fundido. Painel Elétrico: Quando solicitado pelo cliente, a ENGENDRAR poderá fornecer um painel elétrico que possuirá temporizador eletromecânico regulável de 0 a 60 min., sinalização de ligado/desligado e automático/manual. Terá ainda chave liga/desliga. Abaixo um desenho típico de Amostrador automático linear com cortador para sólidos: Fig. 8 - Amostradores Automáticos Lineares para sólidos: 19/30

20 7.2- Amostradores automáticos lineares para polpas Possui as mesmas características do amostrador para sólidos, somente difere o cortador, que é fabricado geralmente em ferro fundido e suas facas em Ni-hard. O comprimento das facas tem que ser no mínimo 2 vezes maior que o diâmetro do tubo, e abertura entre as facas no mínimo 3/8. Abaixo um desenho típico de amostrador automático linear para polpa : Fig. 9 - Amostradores Automáticos Giratórios tipo Vezin : 7.3- Amostradores giratórios tipo vezin São usados geralmente como amostradores secundários. Podem ser contínuos ou intermitentes. Como intermitentes, possuem chaves fim de curso instalado dentro de sua carcaça. É composto por: Carcaça: Totalmente estanque e vedada a pó. A carcaça e a câmara de coleta são integradas em uma única peça, sendo executadas em aço carbono. A alimentação e as calhas de saída são tubulares e flangeadas. O cortador é do tipo calha desviadora de fluxo executado em aço carbono com facas reguláveis em aço inox ou Ni-hard. 20/30

21 Abaixo desenho do amostrador giratório : Facas do Cortador Motoredutor Boca de Visita Revestimento de Borracha Material não amostrado Material Amostrado Fig 10- Amostradores tipo vezin : 7.4- Amostradores pnemático de dutos Trata-se de um equipamento destinado a retirar frações da matéria prima, para ser analisado ou ensaiado em laboratório de matéria a realizar uma amostragem mais uniforme e homogênea. É constituído pelos seguintes componentes: Todo o conjunto é suportado pelas bases/suporte tubular de aço carbono amplamente dimensionado para resistir aos esforços normais durante a operação; Eixo coletor: É bi-partido e conectado através de rosca. É fabricado em aço carbono SAE-4140 dureza 56 +/- 2 RC com furo para passagem da amostra coletada. 21/30

22 Dispositivo de Vedação: Na extremidade do eixo existe uma cabeça de vedação fabricada em aço carbono SAE-1030 rosqueada para ser acoplada ao eixo e revestida de polietileno de alto peso molecular ou poliuretano. O eixo coletor é vedado por gaxetas tipo chevron, anel distanciador e gaxetas prensadas. Tubo complementar flangeado : É instalado do lado oposto ao de entrada do amostrador na tubulação de onde é retirado/colocado o dispositivo de vedação. É fabricado em tubo de aço carbono e tem a função de permitir inspeção e manutenção do dispositivo de vedação. Cilindro Pneumático: É fornecido juntamente com o amostrador. Tem simples amortecimento, sistema completo de variação de velocidade e curso do pistão ajustável. Sinalização e comando: O equipamento é provido de duas chaves fim de curso que determina início e fim do curso. Painel Elétrico: Conforme acertado com o cliente, o equipamento poderá ser dotado de relés controladores da freqüência de amostragem e do tempo de coleta. O dimensionamento do amostrador pneumático para dutos tem como fundamento o mesmo padrão de dimensionamento do amostrador automático para sólidos, ou seja, os dados mais importantes são: - Tamanho máximo da partícula; - Vazão de polpa na tubulação; - Quantidade de amostra desejada. A ENGENDRAR possui amostradores pneumáticos para os seguintes diâmetros de tubos : Diâmetro 4 modelo AMD-PN /30

23 Para outros diâmetros, somente mediante uma consulta prévia. Os tamanhos máximos das partículas na polpa que os amostradores pneumáticos ENGENDRAR trabalham sem problemas é 4.16 mm. Acima disto pode haver problemas com entupimento. O orifício que coleta a amostra é 3 vezes maior que o tamanho máximo da partícula. A haste coletora que coleta a amostra é posicionada, quando acionada no meio do tubo, devendo ficar parada o tempo necessário para coletar a quantidade necessária de amostra. Geralmente, usa-se dividir a quantidade necessária de amostra (dado em litros/hora) por vários cortes, para que a haste coletora, dependendo da quantidade necessária de amostra, não permaneça muito tempo dentro do tubo, já que o timer que regula a duração da coleta varia de 0 a 30 segundos. A percentagem de sólidos não é um dado muito significativo para os amostradores pneumáticos ENGENDRAR, já que os mesmos podem operar até 85%. Caso a amostra seja somente para análise granulométrica e química, aconselhamos o uso de água limpa para lavagem de todo o sistema coletor de amostra. O acionamento pneumático opera na faixa usual utilizando-se de suprimento na faixa de 3.5 a 7.5 kgf/cm2, com comando elétrico de 220 v ou opcionalmente 110 v. O uso do amostrador pneumático ENGENDRAR mostra uma maior eficiência quando a polpa é homogênea. Nos casos de variações na alimentação recomendamos utilizar o amostrador automático linear para polpas. 23/30

24 Abaixo desenho do Amostrador pneumático para Dutos com as suas dimensões: Fig 11 - Outros equipamentos usados em amostragem : 7.5- Amostradores pnemático de dutos Coleta a amostra final. É acionado por moto-freio e redutor tipo sem fim e coroa. Possui 6 recipientes destacáveis para o transporte da amostra. A mudança de recipiente a ser alimentado é feito automaticamente, sendo que o tempo de enchimento é regulável pelo painel do CCM através de temporizador. A princípio a ENGENDRAR determina que seja a cada hora. O coletor é constituído de moega com duto de distribuição, acoplada ao eixo de acionamento. O duto é posicionado sobre calhas de coleta individuais, que dirigem o fluxo do material para o coletor. O posicionamento do duto de distribuição é feito por uma chave fim de curso e um came de seis pontas acoplado ao eixo de acionamento. Todo o equipamento é construído em aço carbono. 24/30

25 Abaixo desenho do equipamento: Fig 12 Divisor de amostras 7.6- Britador de mandíbulas Quando se planeja fazer um sistema de amostragem para análise química, o britador de mandíbulas é usado logo após o amostrador primário e tem a finalidade de cominuição do material, o que faz com que o amostrador secundário, geralmente do tipo Vezin, também diminua de tamanho. 25/30

26 Abaixo desenho do equipamento: Fig 7.13 Moinho de martelos 7.7- Alimentador de Correia Para a alimentação dos amostradores secundários e terciários, ou mais se houver, é necessário que a alimentação seja constante. Nestes casos usamos o alimentador de correia. 26/30

27 Abaixo desenho do equipamento: Fig 7.14 Alimentador de Correia 27/30

28 7.8- Transportador de Rosca É usado para o transporte do rejeito, ou seja, o material não amostrado. A ENGENDRAR usa este tipo de equipamento para esta função, em substituição ao elevador de canecas devido ao alto custo do elevador de canecas. Abaixo desenho do equipamento: Fig.7.15 Alimentador de rosca 28/30

29 7.8- Elevador de Canecas Quando não é possível o uso do transportador de rosca para o transporte de rejeito, usamos o elevador de canecas. Abaixo desenho do equipamento: Fig 7.16 Elevador de Canecas 7.9- Válvula tipo Flap Quando o sistema de amostragem tem a finalidade de coletar amostras representativas para análises químicas e granulométricas, usamos a válvula flap para a separação no tratamento da amostra Filtro de Mangas Quando a instalação do sistema de amostragem exige despoeiramento usa-se o filtro de mangas. Este equipamento não faz parte de nossa linha normal de fabricação. 29/30

30 7.11- Secador Quando o cliente desejar amostras secas, é necessário instalar um secador. Nestes casos a ENGENDRAR consulta empresas especializadas, pois este equipamento não faz parte de nossa linha normal de fabricação Alimentador Vibratório Tem a mesma finalidade do Alimentador de correia. A ENGENDRAR utiliza este equipamento na alimentação de Amostradores secundários, terciários ou quaternários, quando a vazão de alimentação é muito baixa. Utilizar este equipamento em alimentações muito altas não é muito viável devido ao alto custo do mesmo. Também não faz parte de nossa linha normal de fabricação Amostradores Automáticos tipo Ransey Possui um movimento circular, coletando a amostra na parte superior da correia. A ENGENDRAR estuda a possibilidade de fabricação deste equipamento. A sua grande vantagem é ter sua instalação simplificada, devido não ter que haver modificações na calha de descarga do transportador de correia. Em contrapartida, o seu custo é mais elevado Divisor Rotativo de Amostras A grande vantagem deste equipamento é realizar 2 operações de uma só vez. Ele coleta a amostra e armazena as mesmas dentro de sua carcaça. Também estudamos a possibilidade de fabricação deste equipamento. Existem outros tipos de equipamentos que podem ser usados em um sistema de amostragem. Depende de cada aplicação. 30/30

TRANSPORTADORES DE CORREIA

TRANSPORTADORES DE CORREIA 1. DESCRIÇÃO Os Transportadores de correia é a solução ideal para o transporte de materiais sólidos a baixo custo. Sua construção é compacta e com excelente desempenho funcional. Sua manutenção é simples

Leia mais

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO Equipamento: COLETOR COMPACTADOR DE LIXO 10 m³ Modelo : CCL-10 Aplicação: Coleta de resíduos domésticos e/ou industriais,selecionados ou não Fabricante: VEMAQ - Indústria Mecânica de Máquinas Ltda 1 -

Leia mais

Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia AMOSTRAGEM. Capítulo 2. Rio de Janeiro Dezembro/2004

Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia AMOSTRAGEM. Capítulo 2. Rio de Janeiro Dezembro/2004 Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia AMOSTRAGEM Capítulo 2 Maria Alice C. de Góes Eng a. Metalúrgica, DSc. Adão Benvindo da Luz Eng o. de Minas, DSc. Mario Valente Possa Eng

Leia mais

3 Método Experimental

3 Método Experimental 3 Método Experimental Para a determinação do teor de Ferro Metálico na escória bruta, nas frações recuperadas ou em agregados foi necessário desenvolver 2 métodos distintos usando um conjunto de técnicas

Leia mais

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida.

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida. 1. FILTRAGEM 1/6 É o processo que tem como objetivo de separar mecanicamente sólidos de líquidos ou gases. Quando a separação se faz por meio de coalescência ou centrifugação, dizemos que se trata apenas

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

Controlador Automático para Escoamentos de Gases

Controlador Automático para Escoamentos de Gases Controlador Automático para Escoamentos de Gases Aluno: Diego Russo Juliano Orientador: Sergio Leal Braga Introdução Medidores e controladores de vazão são peças fundamentais nos principais setores industriais,

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

2 Processo de Laminação

2 Processo de Laminação 2 Processo de Laminação O processo de laminação atua na forma do material, modificando-lhe a sua geometria. Para isso, há necessidade da influência de agentes mecânicos externos; que são os meios de se

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Estudo de Impacto Ambiental da Extração de Sedimentos Biodetritícos Marinhos na Plataforma Continental do Estado do Maranhão - MA

Estudo de Impacto Ambiental da Extração de Sedimentos Biodetritícos Marinhos na Plataforma Continental do Estado do Maranhão - MA 1/7 4. METODOLOGIA Esta seção do EIA/RIMA visa apresentar um esquema geral das diversas metodologias disponíveis para utilização por parte da DRAGAMAR LTDA. Estas são apresentadas com o objetivo de ilustrar

Leia mais

EQUIPAMENTOS PARA CLASSIFICAÇÃO

EQUIPAMENTOS PARA CLASSIFICAÇÃO INTRODUÇÃO O sucesso da separação em meio denso, o processo estático comumente denominado afunda-flutua, é evidenciado pela operação de uma grande quantidade de instalações que trata uma ampla variedade

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

CATÁLOGO DE EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

CATÁLOGO DE EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO CATÁLOGO DE EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO CÉLULAS DE FLOTAÇÃO A s C é l u l a s d e F l o t a ç ã o O P V S são produzidas em uma gama que vai desde o modelo de bancada, para

Leia mais

Bipartida Axialmente

Bipartida Axialmente Linha BP BI-PARTIDA ROTOR DE DUPLA SUCÇÃO Bipartida Axialmente Soluções em Bombeamento INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

www.imbil.com.br 1 1

www.imbil.com.br 1 1 www.imbil.com.br 1 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam informações técnicas de construção, e curvas características de cada

Leia mais

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA Tcg Alexandre Serra dos Santos Para se fazer o trabalho de revestimento protetor das camisas de moenda através de um sistema automatizado é necessário uma

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Filtro Cartucho

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Filtro Cartucho Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR IMPACTO DE EIXO VERTICAL (VSI) ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. Os Britadores de eixo vertical VSI, projetado pela ZL Equipamentos, são confeccionados aqui no Brasil, ou

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

BRITADORES EEL - USP OPERAÇÕES UNITÁRIAS EXPERIMENTAL I. Prof. Geronimo

BRITADORES EEL - USP OPERAÇÕES UNITÁRIAS EXPERIMENTAL I. Prof. Geronimo BRITADORES EEL - USP OPERAÇÕES UNITÁRIAS EXPERIMENTAL I Prof. Geronimo Os britadores são equipamentos usados para a redução grosseira de grandes quantidades de sólidos como materiais rochosos, carvão,

Leia mais

Dobramento. e curvamento

Dobramento. e curvamento Dobramento e curvamento A UU L AL A Nesta aula você vai conhecer um pouco do processo pelo qual são produzidos objetos dobrados de aspecto cilíndrico, cônico ou em forma prismática a partir de chapas de

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA SELEÇÃO E INSTALAÇÃO DE DENSÍMETROS SMAR EM PLANTAS DE BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO

RECOMENDAÇÕES PARA SELEÇÃO E INSTALAÇÃO DE DENSÍMETROS SMAR EM PLANTAS DE BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO RECOMENDAÇÕES PARA SELEÇÃO E INSTALAÇÃO DE DENSÍMETROS SMAR EM PLANTAS DE BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO 1 A SMAR está trabalhando há mais de 8 anos com sistemas de medição de densidade por pressão diferencial

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

Proteção Econômica Contra Desgaste para a Mineradoras e Usinas de Beneficiamento

Proteção Econômica Contra Desgaste para a Mineradoras e Usinas de Beneficiamento Edição 01.10 www.kalenborn.de Proteção Econômica Contra Desgaste para a Mineradoras e Usinas de Beneficiamento Reduza Custos e Evite Paradas Grandes quantidades de matéria bruta são movimentadas nos sistemas

Leia mais

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL - Foto meramente ilustrativa podendo não conter os mesmos acessórios/cores do orçamento, marca NARDINI, Modelo ND - 220 GOLD, procedência NACIONAL, produzido por Indústrias Nardini S/A, de acordo com normas

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

Conheça nossa empresa

Conheça nossa empresa Conheça nossa empresa Empresa Damaeq Integridade, Vontade de Superar-se, Satisfação do Cliente. Varredora Coletora Rebocável. A varredora Mecânica Coletora de Lixo Damaeq, é ideal para varrição de ruas,

Leia mais

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação A U A UL LA Lubrificação III Introdução Após a visita de um vendedor de lubrificante ao setor de manutenção de uma indústria, o pessoal da empresa constatou que ainda não conhecia todos os dispositivos

Leia mais

Sua solução - todos os dias

Sua solução - todos os dias Sua solução - todos os dias A produção de um leite de qualidade depende de diversos fatores, entre eles a higiene da ordenha e do tanque, a manutenção dos equipamentos, a disponibilidade de um ambiente

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS Movimentação de Granéis Há mais de 88 anos garantindo os melhores resultados para nossos clientes. 03 A Companhia Experiência aliada à inovação. É isso que faz a Kepler Weber

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

TRANSPORTADORES DE CORREIA - ZL EQUIPAMENTOS

TRANSPORTADORES DE CORREIA - ZL EQUIPAMENTOS . 1. DESCRIÇÃO Os Transportadores de correia projetados e fabricados pela ZL Equipamentos são uma solução ideal para o transporte de materiais a granel a um custo muito baixo. Sua construção é compacta

Leia mais

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão Pulverizadores costais manuais Prof.: Brandão PULVERIZADORES COSTAIS Operação Manutenção Regulagem da pulverização PJH O QUE É UM PULVERIZADOR COSTAL MANUAL? - Os pulverizadores Costais Manuais são equipamentos

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002 Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior Goulds Pumps Goulds Modelos 5150/VJC Bombas cantiléver verticais Projetadas para lidar com lamas corrosivas

Leia mais

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação Apresentação A amostragem de grãos constitui se, em nível de armazenagem, na primeira preocupação a ser considerada por estar relacionada à identificação ou diagnóstico dos eventuais serviços necessários

Leia mais

Estruturas de serrotes para metais

Estruturas de serrotes para metais Serração Serras alternativas As máquinas de serração e as serras RIDGID foram desenvolvidas por profissionais para profissionais. Quaisquer que sejam as suas exigências em questões de serração, o programa

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. E NORMAS COMPLEMENTARES... 3 4. DEFINIÇÃO... 3

Leia mais

VENTILADORES LIMIT LOAD

VENTILADORES LIMIT LOAD VENTILADORES LIMIT LOAD UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES LIMIT LOAD Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: ELSC 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

3. Procedimento e Montagem Experimental

3. Procedimento e Montagem Experimental 3. Procedimento e Montagem Experimental O presente trabalho é uma continuação da pesquisa iniciada por Leiroz [14]. A seção de testes usada para nosso estudo de deposição de parafina sob condições de escoamento

Leia mais

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com.

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com. VARANDA 5 6 9 SUPORTE LATERAL 12 4 7 10 8 Código: 17010101 Descrição: Conjunto suporte lateral regulável Ø 13mm: 1 - Manopla - PA rosca M10 SS 304 2 - Arruela - M12 24mm SS 304 3 - Olhal - M10 PA M10 SS

Leia mais

FORNAC: Excelência em Resistência ao Desgaste!

FORNAC: Excelência em Resistência ao Desgaste! Fundada em 1974, a Fornac iniciou sua produção com a fabricação de peças de desgaste em ferro fundido. Através da Parceria com a Nordberg, começou a fabricação de peças fundidas em aços especiais, sendo

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563.

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563. ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS LOTE 01 Especificar Sistema de Geração de Ar Comprimido, incluindo compressor, secador por adsorção e filtros coalescentes Diagrama Pneumático. Confirmar detalhes com equipe

Leia mais

2) REATOR / BATEDEIRA / HOMOGENIZADOR 1) TANQUE DE INOX 3) REATOR / BATEDEIRA/ HOMOGENIZADOR 4) REATOR / BATEDEIRA / HOMOGENIZADOR 6) FUSOR 5) REATOR

2) REATOR / BATEDEIRA / HOMOGENIZADOR 1) TANQUE DE INOX 3) REATOR / BATEDEIRA/ HOMOGENIZADOR 4) REATOR / BATEDEIRA / HOMOGENIZADOR 6) FUSOR 5) REATOR 1) TANQUE DE INOX Agitação lateral por hélice naval. Variação de velocidade eletrônica. Saída do produto por válvula, na parte inferior. 2) REATOR / BATEDEIRA / HOMOGENIZADOR Estrutura de aço SAE 1.020,

Leia mais

MISTURA- Conceituação MISTURA DE LÍQUIDOS. Seleção de misturadores. ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica. Equipamentos de mistura

MISTURA- Conceituação MISTURA DE LÍQUIDOS. Seleção de misturadores. ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica. Equipamentos de mistura FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica MISTURA DE LÍQUIDOS Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2010 MISTURA- Conceituação A operação

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

Princípio de Funcionamento dos Filtros do Ar

Princípio de Funcionamento dos Filtros do Ar MÓDULO 3 Sistema de Alimentação do Ar Após passar por um filtro do ar que é responsável pela eliminação das impurezas contidas no ar ambiente, o ar é aspirado pelo motor através de seus êmbolos. Figura

Leia mais

BrikStar CM. Prensa hidráulica de briquetagem D GB. Sempre uma idéia a frente

BrikStar CM. Prensa hidráulica de briquetagem D GB. Sempre uma idéia a frente BrikStar CM Prensa hidráulica de briquetagem Sempre uma idéia a frente D GB BrikStar Prensa hidráulica de briquetagem BrikStar CM BrikStar CM de 4 até 11 kw As prensas de briquetagem da série BrikStar

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas CATÁLOGO 800035-A sobre as fichas técnicas Os dados constantes nas fichas técnicas a seguir podem sofrer alterações sem prévio aviso. Alguns modelos possuem pequenas alterações em seus projetos construtivos,

Leia mais

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS.

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. - FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. Máquinas Para Agroindústrias METALÚRGICA LTDA ME A empresa Metalúrgica Maggisan foi fundada no ano de

Leia mais

Amostragens e equipamentos amostradores na Agricultura. Bruno Roberto Cavalcante Borges Gerente Comercial Sondaterra - Equipamentos Agronômicos Ltda.

Amostragens e equipamentos amostradores na Agricultura. Bruno Roberto Cavalcante Borges Gerente Comercial Sondaterra - Equipamentos Agronômicos Ltda. Amostragens e equipamentos amostradores na Agricultura Bruno Roberto Cavalcante Borges Gerente Comercial Sondaterra - Equipamentos Agronômicos Ltda. AMOSTRAGEM Qualidade dos dados levantados Limite de

Leia mais

Manual de Especificação / Instalação / Manutenção

Manual de Especificação / Instalação / Manutenção Manual de Especificação / Instalação / Manutenção Carrinhos porta cabos para vigas I 1 - Descrição do produto: Fig 1 - Montagem típica Os carrinhos porta cabos são componentes mecânicos utilizados para

Leia mais

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval DeLaval Brasil Rodovia Campinas Mogi-Mirim - KM 133,10 - S/N Bairro Roseira - Jaguariúna/SP - CEP: 13820-000 Telefone: (19) 3514-8201 comunicacao@delaval.com www.delaval.com.br Sua revenda DeLaval Proteja

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

CAPITULO 8 - TRANSPORTADOR PNEUMÁTICO

CAPITULO 8 - TRANSPORTADOR PNEUMÁTICO CAPITULO 8 - TRANSPORTADOR PNEUMÁTICO O transporte pneumático tem sua aplicação industrial destacada desde o início do Século XX, devido a algumas de suas características principais: os baixos custos de

Leia mais

VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA

VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA The High Performance Company ÍNDICE 1.0 Introdução...1 1.1 Termos e abreviações... 1 1.2 Acrônimos... 1 1.3 Suporte ao produto... 2 1.4 Literatura

Leia mais

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação Manual Técnico e Curvas Características Nº A1150.0P/3 Bomba Centrífuga para Uso Geral 1. Aplicação A bomba é indicada para o bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra aplicação preferencial em

Leia mais

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL Foto meramente ilustrativa podendo não conter os mesmos acessórios/cores do orçamento, marca NARDINI, Série DIPLOMAT, Modelo ND - 220 GOLD, procedência NACIONAL, produzido por Indústrias Nardini S/A, de

Leia mais

Linha de Saneamento. Engineering GREAT Solutions. Soluções de Alta Perfomance

Linha de Saneamento. Engineering GREAT Solutions. Soluções de Alta Perfomance Linha de Saneamento Engineering GREAT Solutions Soluções de Alta Perfomance IMI Interativa / Válvulas para Saneamento Válvula Borboleta Série WR A válvula borboleta de alta performance Série WR foi projetada

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*)

OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*) 38 PARTE IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*) 1. INTRODUÇÃO A reciclagem das camadas do pavimento pode ser executada na pista, ou em usina central ou fixa. Os processos de obtenção dos materiais

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO -

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Material elaborado pelo departamento técnico da OfficeBrasil Desenvolvimento de Projetos e Produtos Última atualização: Março de 2013 Belo Horizonte, MG Linha Ohra

Leia mais

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO.

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO. Válvulas: São os elementos utilizados para comando dos atuadores, exercendo função preponderante dentro dos circuitos fluídicos e são classificadas conforme suas funções. Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO.

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - - Fig. 3. Fig. 2

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - - Fig. 3. Fig. 2 Fig. 1 02 Fig. 3 Fig. 2 03 INFORMAÇÃO TÉCNICA SOBRE VÁLVULAS DE PULSO 1 8 9 10 A ASCO possui uma ampla linha de válvulas de pulso para o mercado de filtros de manga com acessórios que permitem monitorar

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL

IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL Introdução Num passado não muito distante, irrigação era sinônimo de trabalho humano intenso. Desde a pré-história o homem vem desviando ribeirões para irrigar suas plantações,

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto 1. INTRODUÇÃO Será calculado o volume de objetos como esferas, cilindros e cubos

Leia mais

HÉRCULES 7000, 10000, 15000 e 24000. Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes

HÉRCULES 7000, 10000, 15000 e 24000. Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes HÉRCULES 7000, 10000, 15000 e 24000 Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes Catálogo virtual Português Nov / 2014 HÉRCULES DE ARRASTO Os Hércules de arrasto são ideais

Leia mais

7 PARTÍCULAS SÓLIDAS

7 PARTÍCULAS SÓLIDAS 7 PARTÍCULAS SÓLIDAS O CONHECIMENTO DAS PROPRIEDADES DAS PARTÍCULAS SÓLIDAS É FUNDAMENTAL PARA AS OPERAÇÕES LISTADAS ABAIXO: FRAGMENTAÇÃO PENEIRAMENTO FLUIDIZAÇÃO MISTURA ARMAZENAMENTO SEPARAÇÕES MECÂNICAS

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais Frederico Stark Rezende Gutemberg

Leia mais

Proposta Empresarial

Proposta Empresarial Proposta Empresarial NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO V MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas

Leia mais

Série P3000. Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000. Dados técnicos. Recursos

Série P3000. Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000. Dados técnicos. Recursos Série P3000 Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000 Dados técnicos Recursos A pressão varia de Vácuo até 2.000 psi (140 bar) Precisão superior a 0,015 % de leitura. (Opção de precisão aumentada

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios Não Destrutivos,

Leia mais

Trabalha nos diversos setores da indústria no Brasil, dentre os quais se destaca:

Trabalha nos diversos setores da indústria no Brasil, dentre os quais se destaca: HSO Hidráulica e Pneumática Ltda, e uma empresa constituída de engenheiros, técnicos e projetistas especializados nos setores de hidráulica e pneumática. Atuam fortemente na engenharia e desenvolvimento,

Leia mais

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO CENTRALIZADA. Bomba Hidráulica Manual Bomba Hidráulica Automática Distribuidores

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO CENTRALIZADA. Bomba Hidráulica Manual Bomba Hidráulica Automática Distribuidores SISTEMA DE UBRIFICAÇÃO CENTRAIZADA Bomba Hidráulica Manual Bomba Hidráulica Automática Distribuidores SISTEMA DE UBRIFICAÇÃO CENTRAIZADA 1 - OBJETIVO Este manual objetiva fornecer instruções técnicas para

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica Roteiro de Laboratório: Pneumática Prof. Engº Felipe Amélio de Lucena Catanduva, 25 de julho de 2012. Sumário 1 Objetivo... 3 2 Estrutura para elaboração

Leia mais

Manutenção e reparos. Manutenção no local Reparos, revisões e atualizações Caixas de transmissão de substituição direta Gerenciamento de recursos

Manutenção e reparos. Manutenção no local Reparos, revisões e atualizações Caixas de transmissão de substituição direta Gerenciamento de recursos Gama de produtos Manutenção e reparos Os engenheiros de manutenção da Radicon estão preparados às 24 horas do dia, 365 dias por ano, para fornecer os seguintes serviços em qualquer momento e em qualquer

Leia mais

Atuadores giratórios 2SC5. Complementação das Instruções de uso SIPOS 5. Sujeito a alterações sem aviso prévio!

Atuadores giratórios 2SC5. Complementação das Instruções de uso SIPOS 5. Sujeito a alterações sem aviso prévio! Atuadores giratórios 2SC5 Complementação das Instruções de uso SIPOS 5 Edição 03.13 Sujeito a alterações sem aviso prévio! Conteúdo Complementação das instruções de uso SIPOS 5 Conteúdo Conteúdo 1 Fundamentos...

Leia mais

ANEXO VI - MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas de panificação e

ANEXO VI - MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas de panificação e ANEXO VI - MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas de panificação e confeitaria, a saber: amassadeiras, batedeiras, cilindros,

Leia mais

FLEXSUL REPRESENTAÇÕES Fone: 41 3287 6778 / Fax: 41 3287 1910

FLEXSUL REPRESENTAÇÕES Fone: 41 3287 6778 / Fax: 41 3287 1910 PD 60 SISTEMA DE TROCA UNITÁRIO Prensadora de terminais com sistema de Troca Unitário Prensa todos os tipos de mangueiras, de 3/16'' ate 2'' de diâmetro interno para 1, 2 e 4 espirais Concluída a operação

Leia mais

Quem Somos. +55 12 21269800 comercial@4pipe.com.br www.4pipe.com.br

Quem Somos. +55 12 21269800 comercial@4pipe.com.br www.4pipe.com.br Quem Somos A 4Pipe Engenharia Industrial Ltda. é uma empresa que nasceu da experiência adquirida em campo, formada por pessoas que possuem vivência nos serviços do segmento de engenharia de dutos e ainda

Leia mais