Título livro Cortiça e Arquitetura Uma Edição da Euronatura, Capa Fotografia Pavilhão Centro de Portugal ( Coimbra ) Fotógrafo: Jesús García

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título livro Cortiça e Arquitetura Uma Edição da Euronatura, 2011. Capa Fotografia Pavilhão Centro de Portugal ( Coimbra ) Fotógrafo: Jesús García"

Transcrição

1

2 Título livro Cortiça e Arquitetura Uma Edição da Euronatura, Capa Fotografia Pavilhão Centro de Portugal ( Coimbra ) Fotógrafo: Jesús García Autora Fernanda Chiebao Revisão de textos Ana Filipa Beato Cristiano Jorge Vieira da Costa Pires Eclair de Fátima Balotari Chiebao Fábio Balotari Chiebao Helder Coelho Hugo Costa Pedro Lima Gaspar Conselho consultivo Gláucio Gonçalves Ignacio García Pereda Luís Manuel da Costa Cabral e Gil Desenho gráfico Jesús García Rubén Ulloa Fotografía Jesús García Impressão Espaço Gráfico. Lda R. Coronel Luna de Oliveira, nº 6- A/B Lisboa Depósito legal ISBN:

3

4 Centro para o Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentado

5 A presente obra de investigação resultou-se do apoio e da partilha de informação e conhecimento de diversas pessoas, que, com responsabilidade, compromisso e seriedade, tornaram possível a concretização deste projeto. Primeiramente, estou muito grata à colaboração de toda a equipe da Euronatura envolvida neste trabalho, especialmente de seu idealizador, o engenheiro Ignacio García Pereda, e da investigadora e coordenadora de projetos, Stefania Mattarello. Sou agradecida ao auxílio prestado pelos membros do Conselho Consultivo e pelos revisores de texto, que, por meio da sua distinção intelectual e dos seus conhecimentos acadêmicos, contribuíram na retificação e no enriquecimento do conteúdo deste livro. Estou também muito grata a todos que contribuíram, tanto direta como indiretamente, nos processos de levamento de dados históricos referentes às instituições estudadas; aos habilidosos designers Jesús García e Rubén Ulloa Sánchez, realizadores de um trabalho digno de grande destaque; aos gabinetes de arquitetura, pela disponibilização de materiais informativos das obras investigadas, e pelos construtivos comentários e sugestões para o melhoramento desta obra; e a todos os amigos e colegas que acompanharam a finalização deste longo e laborioso projeto. Agradeço aos patrocinadores deste livro pelo apoio seu financeiro, fator essencial para transformar em realidade o sonho de ter este projeto desenvolvido e concretizado. Por fim, gostaria de exprimir a minha mais profunda gratidão pelo apoio familiar incondicional recebido durante os últimos meses de intenso trabalho, dos meus pais e do meu irmão, que, mesmo à longínqua distância, acompanharam o desfecho desta obra.

6 presente livro tem o intuito de informar, conscientizar, O promover, assim como desmitificar, o uso da cortiça nas novas e modernas propostas arquitetónicas, destacando as potencialidades desta matéria-prima como material de construção. Essa temática é abordada, particularmente, sob o ponto de vista técnico-informativo, cuja abrangência de ação oferece um amplo leque de soluções para o uso diversificado da cortiça na arquitetura, como, por exemplo, em revestimentos interno e externo de paredes, tetos e pavimentos, e até mesmo no próprio design de móveis. O interesse na cortiça pela Euronatura, Organização Não- Governamental (ONG) de ambiente sem fins lucrativos fundada em 1997, com políticas dirigidas para o direito ambiental e o desenvolvimento sustentável, inicia-se em 2006, o ano em que foi publicado Joaquim Vieira Natividade ( ) - Ciência e Política do Sobreiro e da Cortiça. Esta obra biográfica sobre o engenheiro agrónomo e silvicultor Joaquim Vieira Natividade constitui o primeiro volume da coleção História, Cultura e Política Florestal, da Euronatura. Nesse contexto, é importante mencionar também a publicação do livro sobre a Junta Nacional da Cortiça ( ), o segundo volume dessa coleção, lançado em 2009, cuja efetuação redespertou o interesse no uso da cortiça na arquitetura. A Junta Nacional da Cortiça - instituição fundada nos primórdios do Estado Novo, que desempenhou um papel de capital importância no gerenciamento da indústria corticeira de Portugal por mais de 35 anos - criou, nos seus primeiros anos de existência, um laboratório de pesquisas absolutamente pioneiro na Europa (Pereda, 2010). A sua prioridade no âmbito da pesquisa concentrou-se na viabilização e na implementação do uso da cortiça como material de construção, o que incitou um dos seus fundadores, o engenheiro Almeida Garret, a visitar os melhores laboratórios dos Estados Unidos com o propósito de aperfeiçoar as técnicas de manejo da cortiça, e a incentivar o uso deste material na construção de casas económicas durante o governo de António de Oliveira Salazar. O terceiro e mais recente volume dessa coleção, intitulado Mulheres Corticeiras, de Stefania Mattarello, relata as experiências laborais e pessoais das mulheres do setor

7 corticeiro, e mostra-nos que o valor e a aplicação da cortiça vão muito além do uso desta matéria-prima como mero isolador de garrafas de vinho. Este estudo investigativo deu-se nos primeiros meses de 2010, com a minha chegada à Euronatura através da participação do programa Leonardo da Vinci, um programa de estágio internacional promovido pela União Europeia. O apoio extensivo que recebi do programa mencionado acima, e, mais tarde, de um projeto de natureza semelhante do Serviço Voluntariado Europeu (SVE), foi imprescindível para a realização do presente trabalho. Para concretizar este projeto, foi selecionada uma equipa de profissionais que constituem o Conselho Consultivo, com o objetivo de lograr o maior grau de excelência e exatidão dos conteúdos publicados. Para tal, tive a honra de contar com o apoio dos engenheiros Luís Manuel da Costa Cabral e Gil 1 e Ignacio García Pereda 2. Ademais, salientando meu país de origem, o Brasil, foi feito também um convite ao profissional que se ocupa das questões da arquitetura sustentável desse mesmo conselho, o arquiteto Gláucio Gonçalves 3. É importante evidenciar que os primeiros contatos diretos com a cortiça usada na construção, realizados durante as primeiras visitas aos edifícios investigados, permitiram-me considerar o seu aspecto físico, a sua integração, aplicação e eficácia num contexto pragmático. Tais considerações serviram-me, indubitavelmente, de estímulo e orientação durante o progresso dos estudos, através dos quais procurei ressaltar as potencialidades da cortiça como material de construção. No decorrer da investigação, sucedendo as pesquisas bibliográficas, foram realizadas visitas a diversas obras arquitetónicas em que a cortiça foi usada como material de construção, das quais se destacam as seguintes: Observatório do Sobreiro e da Cortiça, em Coruche (10 de março de 2010), Convento dos Capuchos, em Sintra (12 de abril de 2010), Eco-cabana, em Cascais (15 de abril de 2010), Armazém Quinta do Portal, em Sabrosa (21 de abril de 2010), Logadega, em Évora (17 de maio de 2010), Colégio Pedro Arrupe, em Lisboa (18 de maio de 2010). Além das obras mencionadas, estão ainda presentes neste livro descrições de outras obras; contudo, por razões associadas à logística do projeto, a análise in Fotografia Jesús García

8 loco restringiu-se apenas a uma parcela do número total de edifícios estudados. Deve-se notar que, a despeito de estarem incluídas algumas obras arquitetónicas realizadas fora de Portugal, como é o caso do Pavilhão de Portugal na Expo de Shangai 2010, projetado pelo arquiteto português Carlos Couto, neste livro, foi dada maior atenção às obras levadas a cabo em território português. Nesse contexto, considerou-se ainda relevante fazer menção de algumas obras que obtiveram considerável notoriedade, mas que não foram realizadas, como, por exemplo, o projeto Abrigo em Cortiça (CBS - Cork Block Shelter, em inglês), do jovem arquiteto português David Mares, vencedor do concurso internacional de design denominado Shelter Competition, promovido pelo Museu Guggenheim de Nova Iorque, em Subseguiu-se uma série de entrevistas com os autores e responsáveis pelos projetos incluídos neste livro, que, com muita simpatia e disposição, responderam a uma variedade de perguntas e relataram suas opiniões a respeito do uso da cortiça na arquitetura. Uma grande parte das entrevistas foi realizada em Lisboa; as restantes aconteceram em cidades no norte do país, sempre com avidez e a expectativa de alcançar as respostas para as inúmeras dúvidas que surgiram com as primeiras leituras. Graças à cooperação e anuência dos autores, foi-me possível transmitir de forma correta, precisa e coerente, o conteúdo de cada projeto. Durante as sessões de entrevistas, quando perguntados sobre o porquê do uso da cortiça como parte do conjunto de materiais ordinários usados na construção, os arquitetos em questão discorreram acerca da necessidade da utilização de um material natural na arquitetura, que dispusesse de qualidades físicas e químicas particulares, cuja obtenção não contribuísse para a degradação ambiental. A partir das informações e do conhecimento adquiridos das incessantes leituras, do estudo e da análise in loco dos edifícios, bem como do contato próximo com os autores dos projetos investigados neste trabalho, a responsabilidade de coordenar um estudo dessa magnitude conduziu-me ainda a uma outra etapa, na qual fomentei o estabelecimento de uma relação próxima com gabinetes de arquitetura e seus responsáveis. Tencionou-se, desse modo, adquirir a colaboração direta desses contatos nesta investigação, com a disponibilização de diversos tipos de material informativo, tais como fotografias e imagens 3D de projetos arquitetônicos, e memoriais descritivos das obras estudadas. Finalmente, com o adiantamento dos processos investigativos do presente trabalho, o projeto foi gradualmente desenvolvido, ajustado e consolidado com o apoio de todos os intervenientes mencionados nesta obra, que tem, como um de seus propósitos, o intento de divulgar o uso da cortiça - uma das grandes riquezas naturais portuguesas e do mundo mediterrâneo - na arquitetura.

9 Evidentemente, a consolidação deste livro ressalta e reafirma a importância da difusão e do incentivo do uso dessa matéria-prima como uma alternativa ecológica - portanto, sem implicações degradantes para o ambiente - de material de construção para as futuras edificações. Percorrer tal caminho significa, acima de tudo, pôr em prática o conceito de arquitetura sustentável. Fernanda Chiebao 1 É licenciado em engenharia química pelo Instituto Superior Técnico (IST) de Portugal, e Meste em química orgânica tecnológica pela Universidade Nova de Lisboa (UNL). É autor de 8 livros relacionados com a história, tecnologia, normalização e aplicação da cortiça na arquitetura, bem como com a relação cortiça-vinho. É co-autor do verbete Cork da Ullmann s Encyclopedia of Chemical Technology. Até julho de 2009, foi autor ou co-autor de 114 trabalhos técnicos, científicos e de divulgação, publicados em Portugal e no exterior. Incluem-se ainda teses e monografias, e 125 comunicações em conferências, congressos, encontros e simpósios nacionais e internacionais. 2 É autor de dois livros sobre a história corticeira: Joaquim Vieira Natividade ( ) e Junta Nacional da Cortiça ( ), ambos publicados pela Euronatura, nos anos de 2008 e 2009, respectivamente. 3 É o arquiteto-fundador do Espaço Brasileiro de Arquitetura (EB-A), e designer de interiores, especializado em Planejamento de Empreendimentos Sustentáveis - ANAB Brasil. Escreve artigos para o jornal Estado de São Paulo, na coluna Mercado imobiliário e sustentabilidade, e para o sítio eletrônico do Portal Terra, no espaço Reciclar conceitos em primeiro lugar. É também renomado pelos projetos desenvolvidos para as empresas Esso e Angola LNG.

10 Fotografia Jesús García

11 11 Um bom arquiteto, competente dentro do seu campo de responsabilidade, é aquele que dá uma resposta eficaz. Circunstâncias várias, entre as quais o empenho, a convicção e a resistência podem facilitar um salto qualitativo, traduzindose num edifício brillhante que se destaca ou se torna invisível. É, muitas vezes, mais difícil de conceber um edifício que se apaga. Álvaro Siza

12

13

14 14 presente livro divide-se em dois grandes temas, O que estão patentes no seu próprio título: Cortiça e Arquitetura. O primeiro dos temas é dedicado às características da cortiça como matéria-prima, material originário, principalmente, da casca do sobreiro (Quercus suber), no qual são especificamente abordadas as suas qualidades intrínsecas, bem como as técnicas usadas no processo de descortiçamento. Ademais, são brevemente discutidos o desenvolvimento histórico e as particularidades dessa árvore florestal na indústria corticeira em Portugal, país de maior produção, transformação e exportação de cortiça do mundo. O segundo tema, por seu turno, aborda as características e aplicações de uma vasta gama de produtos constituídos de cortiça, usados no setor da construção para diversos fins, dos quais são destacados os aglomerados de cortiça utilizados para o isolamento térmico e a absorção acústica num edifício. São também abordadas as singularidades da aplicação da cortiça nas edificações investigadas neste trabalho, partindo das obras de caráter histórico às obras contemporâneas, das quais as últimas servem de exemplos aos novos conceitos para o uso da cortiça na arquitetura. Por fim, são apresentados e discutidos os conceitos de arquitetura sustentável. A arquitetura denominada sustentável fundamenta-se em diversos parâmetros de construção, com o desenvolvimento e o uso de técnicas e materiais naturais que priorizam a eficiência energética e a eco-sustentabilidade, cuja implementação resulte numa considerável atenuação do impacto ambiental negativo oriundo das edificações. Nesse contexto, é importante fazer menção da elevada taxa de consumo de energia final 4 dos edifícios em Portugal, correspondente a cerca de 30% do consumo nacional médio de energia final. Ainda, na Europa, cerca de 40% do consumo energético total - segundo os valores da energia final - e cerca de 30% das emissões de dioxido de carbono (CO2), têm origem no parque edificado. Os dados mencionados revelam claramente a necessidade de percorrer caminhos alternativos, em que a prática da arquitetura sustentável, com a utilização de materiais naturais e eco-sustentáveis para a redução do impacto ambiental deletério proveniente das construções, corresponda a uma estratégia viável e preferencial no sector da construção 5. O bem-estar oferecido pelo meio físico num edifício depende de uma série de fatores, mas, sobretudo, das suas características ambientais, tais como temperatura, iluminação e qualidade do ar. De facto, são essas variáveis que constituem os principais parâmetros numa abordagem eco-sustentável num projeto de arquitetura, e que têm 4 5 A energia final corresponde à quantidade de energia - como, por exemplo, a energia sob forma de eletricidade - disponível para uso em uma edificação. Estudo realizado entre dezembro de 2004 e Março de 2006 pelo Centro de Investigação sobre a Economia Portuguesa ( CISEP) Pinheiro, M. D., Ambiente e construção sustentável ( Instituto do Ambiente, Amadora 2006).

15 15 estimulado o uso de materiais naturais na construção - em particular, para o isolamento térmico em edifícios. Nessa contextura, consideradas as particularidades da cortiça, um material natural, durável, eco-sustentável e de ampla aplicabilidade, torna-se evidente a compatilidade desta matéria-prima com os conceitos fundamentais da arquitetura sustentável. Em assentimento e incentivo ao uso de materiais naturais e renováveis - a cortiça, em particular - nas novas propostas arquitetónicas, a concretização do presente projeto tem o modesto desígnio de ampliar e partilhar o atual conhecimento relativo ao uso da cortiça na arquitetura. Para tal propósito, neste livro, a temática Cortiça e Arquitetura é apresentada e discutida com o auxílio de fotografias, ilustrações, tabelas, fórmulas matemáticas e definições, com o intento de facilitar a compreensão desta valiosa e promissora combinação para a arquitetura sustentável.

16

17 01

18 18 Cortiça, parênquima suberoso originado pelo meristema súbero-felodérmico do sobreiro6 (Quercus suber L.), constituindo o revestimento do seu tronco e ramos (Gil, 1998). O habitat natural desta espécie situa-se na zona mediterrânica Europeia e no Norte de África. Em Portugal os sobreiros encontram-se disseminados por todo o território nacional, em povoamentos puros e mistos, mas com predominância a sul do rio Tejo. Espaço florestal composto de sobreiros, denominado montado, é normalmente um sistema agro-silvopastoril, onde simultaneamente com produção de cortiça se faz o pastoreio e culturas agrícolas. Os montados de sobro têm sido um grande aliado para a fauna e a flora selvagens. Cite-se que 42 espécies de aves dependem destes, incluindo algumas espécies raras e em vias de extinção. Refira-se também que em apenas 1 m² de montado foram identificadas 60 espécies de plantas. Outras referências apontam o montado de sobro como o habitat de 140 espécies de plantas e 55 espécies de animais, facto eventualmente inigualável a nível europeu 7. Para além da produção florestal e das atividades associadas à extracção de cortiça,existem outras atividades como a caça, a apicultura, a apanha de cogumelos e ervas aromáticas e medicinais de grande importância nas regiões do montado. O contributo ambiental do montado é caracterizado pela capacidade fixadora de CO2, da adaptação em solos económicamente inviáveis, de modo a impedir o processo de desertificação, com o aumento da taxa de infiltração das águas da chuva. A extração da cortiça decorre nos meses de primavera e verão, em meados de maio até o final de agosto. Nesse período a árvore encontra-se fisiologicamente ativa na produção de cortiça, o que torna fácil a separação da camada de células de cortiça recentes do tronco. O corte é feito manualmente com machado, por golpes sucessivos ao longo de linhas verticais e horizontais, em volta da árvore, o que permite retirar a cortiça em grandes pranchas, processo importante que determinará a qualidade da matéria-prima. Logo após a extração da casca, o tronco do sobreiro é marcado com o último algarismo, referente ao ano da tiragem. Cada fase de extração da casca do sobreiro, a matéria-prima recebe denominações diferentes. A primeira a ser retirada chama-se cortiça virgem, uma cortiça muito irregular. A segunda designa-se por secundeira e, apesar de ser um pouco mais regular que a anterior, tem utilidade reduzida. Por fim, a amadia a mais regular de todas, extraída a cada 9 anos. Esta é a matéria prima principal para o fabrico dos diversos subprodutos da cortiça.

19 19 Ao Montado só lhe foi reconhecido maior valor quando, a partir do século XVIII, passou a ser visto como gerador de um bem valioso, a cortiça, que teve uma enorme expansão, com a sua procura a partir de finais do século XIX como matéria prima para o fabrico de vedantes (Silva, 2008/2009). Entretanto, foi somente no século XX que a produção corticeira em Portugal teve grande crescimento. O aumento na produção foi acompanhado de um grande desenvolvimento da indústria de transformação da cortiça pois, em 1925, 90% deste material não sofria qualquer elaboração industrial importante. Este facto deve-se à Guerra Civil Espanhola e às confrontações armadas na Argélia, reduzindo significativamente a produção nesses países, tendo sido Portugal a responder à procura 8. Atualmente, o desenvolvimento da indústria corticeira tem vindo a fomentar acções de reflorestação, apesar de apenas a área de montado no Alentejo e Lisboa e Vale do Tejo apresentar um crescimento positivo na última década ( Silva, 2008/2009). Esperemos que, num futuro próximo, nós, portugueses,sejamos capazes de arrancar ao nosso sobreiro alguns segredos importantes que é muito possível que ele ainda guarde. Talvez ele um dia revele se a sua cortiça dádiva de Deus, milagre da Natureza pode ainda servir para algo ainda mais importante do que as rolhas e do aproveitamento do quanto deriva da sua fabricação e se assim for, oxalá que sejam portugueses a descobrir-lo 9. 6 O sobreiro é uma árvore de porte médio, com uma copa ampla e altura média de 15 a 20 metros, podendo atingir, em casos extremos, os 25 metros. A raiz principal profunda bastante no solo em busca de humidade nas camadas mais fundas, razão que lhe permite viver em regiões relativamente pouco chuvosas. ANTÓNIO, Nuno Cruz O Montado de Sobro e os seus produtos. Consult , em 7 Disponível em disponível em <www.portalflorestal.com>. Acesso OLIVEIRA, Manuel Alves de; e OLIVEIRA, Leonel A Cortiça. Casais de Mem Martins, Rio de Mouro: Corticeira Amorim S.G.P.S., Printer Portuguesa, Lda., Maio, PERES, Carlos Reminiscências de há 50 anos. Boletim Cortiça, Suplemento do nº600. Lisboa: Instituto dos Produtos Florestais, 1988, pp 75.

20 20 A primeira tiragem da cortiça, chamada desbóia, pode ser feita quando a árvore tem entre 25 a 30 anos. A cortiça extraída, denomina-se, então, cortiça virgem e nesta primeira remoção obtêm-se cortiça dura, pouco elástica, irregular e compacta. Somente na terceira tiragem, quando a árvore tem mais de 40 anos, se consegue cortiça de qualidade superior. A cortiça extraída apresenta-se sob a forma de pranchas caso possua forma semi-tubular de grandes dimensões, ou de bocados quando consistir apenas em pedaços de menores dimensões (Gil, 2005). Como planta lenhosa, o seu ciclo anual compreende duas fases: a atividade vegetativa, que se inicia na primavera até ao final do outono e o período de repouso invernal, que se prolonga pelos meses de novembro a fevereiro, em que a cortiça é menos produtiva. Nas duas fases que caraterizam o ciclo anual desta árvore, somente uma delas interessa à produção suberosa, com duração aproximada de oito meses. O desenvolvimento da cortiça acompanha a intensidade de crescimento da árvore, que acelera nos dois/três primeiros meses, depois se reduz durante o estio e parte do outono, e quase cessa nos primeiros meses de inverno. Cerca de dois terços do crescimento suberoso anual realizam-se durante o primeiro período. Ao examinarmos no microscópio, verificamos que as células da cortiça produzidas durante o período primaveril são mais altas do que largas e têm membranas delgadas. A última assentada de células de cortiça, formada antes da árvore entrar em repouso invernal, é constituída por células achatadas e com membranas espessas. Esta alteração gradual da espessura das membranas e das dimensões menores das células, produzidas no Outono, origina diferentes colorações na prancha, visíveis nas camadas e extractos anuais. Depois do período invernal de repouso, a atividade da assentada geradora recomeça, produzindo novas assentadas de células durante a primavera, verão e outono e consequentemente paralisa-se no inverno.

21 21 Há alguns séculos atrás o sobreiro cobria de forma mais homogénea todo país. Na época dos descobrimentos houve o um aumento no consumo de madeira, devido ao crescimento da população e à necessidade France Atlantic Ocean da sua utilização na construção de navios, originando assim, o abate de sobreiros e a crescente colheita e comércio da Italy cortiça. Spai n Portugal produz anualmente uma média de 150 mil toneladas de cortiça, valor que representa 50% da produção mundial. Esta é a matéria prima que alimenta uma indústria de Mediterranean Sea grande importância para a economia nacional, transforma cerca de 70% da cortiça produzida no mundo 10. North Africa A maior área florestal está localizada ao sul do rio Tejo, no Ribatejo, Alentejo e Algarve, regiões que representam quase 90% da produção nacional. Por outro lado, as indústrias corticeiras concentram-se mais nos distritos de Aveiro e Setúbal, onde a percentagem é significativa, alcançando os 75% e 13% 11. Imagen: Rubén Ulloa Desde o início do século XX, que os governos dos países corticeiros se conscientizaram da necessidade de desenvolver políticas corticeiras, de proteção e valorização deste material. 10 FORUM Projectos, A utilização e a valorização da propriedade industrial no sector da cortiça. 11 Sector da Cortiça em números ( APCOR,Cork Information Bureau).

22 22 Práticas precipitadas e impróprias na gestão do montado, como o descortiçamento prematuro e intensivo, foram corrigidas a partir de 1920, com o surgimento das primeiras leis que regulam as práticas de tiragem e gestão florestal. Além disso, o papel dos governos foi crucial em momentos de perturbações económicas, como o caso da crise de Nas épocas de crise, como nos anos 30 ou em épocas de guerra, como nos anos da guerra civil espanhola e da segunda guerra mundial, a cortiça passou a ser um produto estratégico, e a fileira da cortiça portuguesa ganhou notoriedade. Até esse momento, a maior parte da cortiça era transformada fora do país, e a indústria nacional não deixava de ser pequena e artesanal. Unidos da América, possuidores dos melhores laboratórios corticeiros do mundo, desde os anos 20. O mercado da cortiça viu-se enriquecido com algumas descobertas realizadas na primeira metade do século XX, quando John Smith verificou que os grãos de cortiça, em aquecimento e confinados ou comprimidos se aglomeravam, originando a cortiça aglomerada pura expandida. Outro avanço no sector foi a descoberta de Charles Mcmanus em 1909, com a mistura de cola ou resina com grãos de cortiça, originando o aglomerado composto. A fabricação de novos produtos permitiu aproveitar os resíduos gerados pela indústria rolheira. A mecanização cresceu nas unidades fabris e uma maior capacidade produtiva, no caso das rolhas, foi proporcionada pelo uso de maquinarias mais eficientes. Na década de 40, com o decréscimo do sector na Catalunha (Espanha) e mais tarde nos Estados Unidos da América, Portugal ganha importância na transformação e exportação de produtos, e demarca-se como potência mundial da cortiça. Na primeira metade do século XX, a prancha de cortiça era o principal produto desta fileira nacional, sendo matéria prima destinada aos países responsáveis pela transformação do produto: Reino Unido (o grande transformador no século XIX), Espanha (Catalunha), Alemanha, França, Suíça, Rússia, Polónia, Checoslováquia, México, Japão e Austrália. Entre esses paises, se destacaram os Estados

23 23 Em épocas anteriores ao nascimento de Cristo, a cortiça já era utilizada em bóias nas artes da pesca e em sapatos, aplicações estas que de algum modo ainda hoje se mantêm. Em 3000 a.c., na China utilizava-se a cortiça para aparelhos de pesca, tal como acontecia com os egípcios, babilónios, assírios, fenícios e persas 12. No Egito foi encontradas em sarcófagos milenares, cortiça utilizada como tampões nas ânforas 13, como forma de vedação. Na Grécia, apesar de não se encontrarem mais sobreiros, a sua existência no passado foi confirmada por registro da descoberta do filósofo Teofrasto ( séculos IV a III a.c), a cortiça era também utilizada para bóias de pesca. Entretanto, foram os romanos que alargaram o leque de utilização da cortiça, na criação de cortiços para as abelhas, por ser má condutora de calor, nas redes de pescas, vedante de vasilhas, cobertura de habitações e até mesmo no fabrico de calçado feminino 14. Em Portugal utiliza-se a cortiça desde a constituição do país, na construção, aplicada como isolante térmico, impedindo a entrada de frio e humidade no edifício, como nos casos conhecidos, Convento dos Capuchos em Sintra, ano de 1560 e Carmelitas no Buçaco em Entretanto, demais obras e propriedades da cortiça serão descritas no decorrer dos próximos capítulos, com o intuito de fortalecer a imagem da cortiça como elemento construtivo empregue em obras históricas e obras de caráter contemporáneo. A cortiça faz parte da cultura humana como material técnico desde sempre, quer seja como vedante, isolante ou flutuador. Ainda hoje se acredita que não há melhor material natural ou sintético para substituí-la. Entretanto é necessário atualizar, explorar a matéria prima e tirar partido das suas potencialidades, reconhecendo nela um material promissor e projetado para o futuro. Na antiguidade a cortiça foi encontrada como material em mobiliários, em reforços de móveis e objectos de pequeno porte, tais como: berços, caixas, cofres, leitos, forros de arcas e portas. 12 Mestre, A., Campelo, M. da G.,Silva, M., Velhinho, R., Sector e materias de cortiça. (Dossier Info Cortiça, Susdesign). 13 s.f. Vaso antigo com duas asas, que servia para a conservação e o transporte dos líquidos e das sementes. Acesso: Oliveira, M.A. de; e Oliveira, L. A Cortiça. Casais de Mem Martins, Rio de Mouro: Corticeira Amorim S.G.P.S., Printer Portuguesa, Lda., Maio, 2000.

24

25 02

26 26 O presente capítulo dedica-se à apresentação das potencialidades da cortiça na arquitetura, e à reafirmação deste material natural, eficiente e de ampla aplicabilidade, que, à face das exigências atuais do setor da construção, apresenta-se como uma alternativa apropriada e eco-sustentável de material de construção. Ademais, este capítulo tem o intuito específico de informar, com modéstia, os profissionais da área de construção sobre os benefícios da aplicação dessa matéria-prima. Entretanto é possível notar variedade de aplicabilidade da cortiça ao longo da história, quando empregada em coberturas exteriores, em casas de habitação tipo popular, em construções secundárias e abrigos temporários. Esteve presente também em coberturas em telha-vã 15 para o isolamento no interior de conventos, igrejas e aposentos no interiores de castelos. Além de, desempenhar o papel de revestimento no interior de silos, em pavimentos, paredes divisórias, paredes associadas à terra e tabiques. Como isolante acústico, esteve associada à madeira e tabiques externos. Atualmente, considerando toda a potencialidade da aplicabilidade da cortiça, pode-se dizer que, a utilização desta matériaprima como material de construção é relativamente limitada, restringindo-se, praticamente, à produção de aglomerados técnicos, usados em juntas de dilatação no intuito de atenuar as variações térmicas de estruturas em betão, e em revestimentos interiores dos edifícios - paredes, tetos e pavimentos - como isolamento térmico e acústico. Acredita-se que, isso decorra da carência de divulgação, por parte dos fabricantes, dos novos produtos em cortiça disponíveis no mercado da construção, assim como, do desconhecimento dos profissionais do setor da construção, que julgam não ter ciência das potencialidades de aplicação da cortiça. De facto, considerando as propriedades físico-químicas da cortiça e suas potencialidades de aplicação, é pertinente reconhecer e incentivar o uso desta matéria-prima renovável nas prospostas de arquitetura, a fim de minimizar o impacte ambiental deletério proveniente das edificações, em benefício tanto do ambiente, bem como da sociedade. 15 Mestre, A., Campelo, M. da G.,Silva, M., Velhinho, R., Sector e materias de cortiça. (Dossier Info Cortiça, Susdesign).

Aglomerado de cortiça expandida - ICB

Aglomerado de cortiça expandida - ICB Aglomerado de cortiça expandida - ICB Características Técnicas Características essenciais Massa Volúmica / Densidade Coeficiente de Condutibilidade Térmica Tensão de Ruptura à Flexão Tensão de Compressão

Leia mais

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com ACOUSTICORK.

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU

ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU Referência PACS: 43.50.Gf Barbosa Miriam Jerônimo; Zeballos Adachi Andrea

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura intro isolantes cálculos exemplos e testes 2 introdução

Leia mais

Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA

Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA Qualidade térmica dos edifícios... e qualidade de vida O quadro legislativo sobre o comportamento

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS

DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS As soluções para melhorar o desempenho energético dos edifícios têm benefícios para os proprietários e utilizadores dos edifícios. Conforto: o comportamento térmico

Leia mais

TIMBER ENGINEERING EUROPE

TIMBER ENGINEERING EUROPE TIMBER ENGINEERING EUROPE Tecnologia de construção no seu melhor Desenhado, fabricado e montado segundo as necessidades do cliente www.timberengineeringeurope.com Bem-vindos a Timber Engineering Europe

Leia mais

SOLUÇÃO PARA CONSTRUÇÃO

SOLUÇÃO PARA CONSTRUÇÃO MAIOR RAPIDEZ MAIS PRATICIDADE MAIOR RESISTÊNCIA MUITO MAIS ECONOMIA acabamento SUPER LISo SOLUÇÃO PARA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Aircrete PAINéIS INTERNOS AIRCRETE PAInéis divisórios A SOLUÇÃO INTELIGENTE

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

AMORIM ISOLAMENTOS S.A.

AMORIM ISOLAMENTOS S.A. AMORIM ISOLAMENTOS S.A. Soluções tecnicamente eficientes e sustentáveis www.amorimisolamentos.com I - INTRODUÇÃO www.amorimisolamentos.com FLORESTA DE SOBREIROS (HECTARES) PAÍSES HECTARES TONELADAS Portugal

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ISOPORTEC A ISOPORTEC é focada na produção de soluções em isopor de alta performance para a construção civil, valorizando produtos que fazem diferença nos projetos mais complexos.

Leia mais

Wagner Stocco. David Rodrigues

Wagner Stocco. David Rodrigues Ano 02 Adriana Petito de Almeida Silva Castro Wagner Stocco David Rodrigues n. 03 CONCRETO LEVE COM USO DE EPS p.44-49 Instituto de Engenharia Arquitetura e Design INSEAD Centro Universitário Nossa Senhora

Leia mais

Catálogo www.dofsa.pt

Catálogo www.dofsa.pt Catálogo www.dofsa.pt for a greener world D Fcork D Fcork O Ciclo da Cortiça A cortiça é um recurso renovável, extraído dos sobreiros a cada 9 anos sem provocar qualquer dano à árvore. Os sobreiros (quercus

Leia mais

Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A.

Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Inovação Em 2010 verificou-se uma notoriedade sem precedentes dos produtos e soluções de cortiça e um reforço do seu posicionamento

Leia mais

Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade

Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade DESAFIO CINCOS 10 Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade Outubro de 2010 Fábio Ribas Fernandes» fabio.ribas@ua.pt « ÍNDICE I. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Fachadas energeticamente eficientes: contribuição dos ETICS/Argamassas Térmicas Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Oradora: Vera Silva Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas

Leia mais

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura,

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, Infinite Cursos. Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, em geral caracterizado por possuir um

Leia mais

Argamassas e ETICS. Reflexões actuais Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas e ETICS Argamassas e ETICS. Reflexões actuais, Concreta, Porto, 2015.11.19 1 Sistema ETICS Manual de Aplicação

Leia mais

Paulo A. M. Moradias. Pedro D. Silva. João Castro Gomes

Paulo A. M. Moradias. Pedro D. Silva. João Castro Gomes Paulo A. M. Moradias Pedro D. Silva João Castro Gomes C-MADE, Centro de Materiais e Tecnologias da Construção, Universidade da Beira Interior stomas@ipcb.pt Neste trabalho foi efetuado um estudo experimental

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

AMORIM ISOLAMENTOS S.A. www.amorimisolamentos.com

AMORIM ISOLAMENTOS S.A. www.amorimisolamentos.com AMORIM ISOLAMENTOS S.A. www.amorimisolamentos.com LÍDER MUNDIAL EM CORTIÇA EM MAIS DE 100 PAISES FACTURAÇÃO SUPERIOR A 540 MILHÕES DE EUROS 3350 FUNCIONÁRIOS UNIDADES DE NEGÓCIO: AMORIM & IRMÃO: Rolhas

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2015 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS

Leia mais

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK A nova placa GYPCORK reúne dois produtos portugueses de excelência: as placas de gesso Gyptec produzidas na Figueira da Foz, utilizando matérias primas

Leia mais

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta A base universal para a aplicação de cerâmica No ponto! Seja no caso de mosaicos ou cerâmicas de grande formato, o que é decisivo para

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 ÍNDICE SOLUÇÕES EM ARGAMASSAS PARA A REABILITAÇÃO ENERGÉTICA Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto André Correia

Leia mais

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto COBERTURAS Madeira Tirantes Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial Concreto Em telhas de barro/metálicas/fibrocimento Proteções: Em lajes Concreto Tijolos Domos, etc. Shed Terça Pestana

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc.

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. Universidade Católica de Petrópolis Engenharia Civil Parte VI Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. UCP Mateco - Civil Programa: 1. Aglomerantes; Asfaltos, cal, gesso e cimentos;

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Soluções para reabilitação energética em coberturas inclinadas

Soluções para reabilitação energética em coberturas inclinadas Inverno Verão Menor perda de calor Menor ganho de calor Óptima temperatura interior COBERTURAS INCLINADAS Janeiro 2010 Soluções para reabilitação energética em coberturas inclinadas Lã Mineral Natural

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes O SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO DA VIERO O sistema de isolamento térmico da VIERO

Leia mais

Reabilitação Acústica e Higrotérmica de Edifícios com Placa GYPCORK Avaliação do desempenho em laboratório

Reabilitação Acústica e Higrotérmica de Edifícios com Placa GYPCORK Avaliação do desempenho em laboratório Reabilitação Acústica e Higrotérmica de Edifícios com Placa GYPCORK Avaliação do desempenho em laboratório J. Ávila e Sousa 1, D. Carvalho 2, P. Amado Mendes 3,4 1 Grupo Preceram, Travasso, Apt. 31, 3101-901

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

Cork Information Bureau 2015 Pág. 1 CORTIÇA MATÉRIA-PRIMA. Cork Information Bureau 2015 CORTIÇA MATÉRIA- PRIMA. apcor.pt

Cork Information Bureau 2015 Pág. 1 CORTIÇA MATÉRIA-PRIMA. Cork Information Bureau 2015 CORTIÇA MATÉRIA- PRIMA. apcor.pt Cork Information Bureau 2015 Pág. 1 Cork Information Bureau 2015 CORTIÇA MATÉRIA- PRIMA apcor.pt Cork Information Bureau 2015 Pág. 2 Índice MONTADO... 3 SOBREIRO... 3 O QUE É A CORTIÇA?... 3 A ESTRUTURA

Leia mais

A sua casa respeita o ambiente?

A sua casa respeita o ambiente? A sua casa respeita o ambiente? A casa passiva com Dow - Soluções para a Construção A casa passiva isolada com produtos Dow Soluções para a Construção Um resultado extraordinário E=-92% & 0 CO 2 E=-92%

Leia mais

WEBER.CONSIGO 21. edição abril 2015. Em 2015 renoweber o seu pavimento p. 3

WEBER.CONSIGO 21. edição abril 2015. Em 2015 renoweber o seu pavimento p. 3 WEBER.CONSIGO 21 edição abril 2015 Em 2015 renoweber o seu pavimento p. 3 2 GRUPO ÍNDICE GRUPO 350 anos Saint-Gobain AÇÕES Renoweber o pavimento PRODUTO Nova Gama weber.cal AÇÕES Encontro Pavimir 02 03

Leia mais

ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows.

ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows. ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 www.boavistawindows.com Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows.com CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ALGUNS

Leia mais

Introdução...Pg.3. Conceitos...Pg.5 A acústica dentro dos escritórios... Pg.8

Introdução...Pg.3. Conceitos...Pg.5 A acústica dentro dos escritórios... Pg.8 ACÚSTICA ÍNDICE Introdução...Pg.3 Elementos de acústica...pg.4 Conceitos...Pg.5 A acústica dentro dos escritórios... Pg.8 Elementos de acústica aplicados no produto divisória i i piso-teto... t Pg.10 Soluções

Leia mais

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora.

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. TRANSMISSÃO Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. PAREDES HOMOGÊNEAS obedecem à LEI DA MASSA : o isolamento sonoro aumenta de db a cada vez que

Leia mais

MONTAGEM MIDFELT COBERTURAS

MONTAGEM MIDFELT COBERTURAS COBERTURAS MIDFELT Feltro leve e flexível constituído de lã de vidro aglomerada por resinas sintéticas, com características termo-acústicas e produzido pelo processo Telstar, exclusivo da Isover. O Midfelt

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS PORTO, ABRIL 2015 ÁREAS DE ACTUAÇÃO: SOLUÇÕES DE ENGENHARIA CERTIFICAÇÃO VERTENTES PRINCIPAIS:

Leia mais

Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios

Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios Valores por defeito para aplicação do previsto no Despacho n.º 15793-E/2013 relativo às regras de simplificação a utilizar

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

Catálogo de Produtos. Telef: 261 921 102 Fax: 261 921 469 e-mail: geral@ceramicatorreense.pt www.ceramicatorreense.pt

Catálogo de Produtos. Telef: 261 921 102 Fax: 261 921 469 e-mail: geral@ceramicatorreense.pt www.ceramicatorreense.pt Catálogo de Produtos 12.2009 CERÂMICA TORREENSE DE MIGUEL PEREIRA SUCRS., LDA Rua da Fábrica nº 1 2565-601 Outeiro da Cabeça Torres Vedras - Portugal Telef: 261 921 102 Fax: 261 921 469 e-mail: geral@ceramicatorreense.pt

Leia mais

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA ELEMENTOS DE FACHADA Belo Horizonte, 08 de maio de 2014 1- FACHADAS EM ALUMÍNIO E VIDRO 1.1 ALUMÍNIO A grande questão da utilização do alumínio em fachadas cortina é a definição do tipo de revestimento

Leia mais

Aquecimento eléctrico por fibra de carbono

Aquecimento eléctrico por fibra de carbono Aquecimento eléctrico por fibra de carbono Aquecimento eléctrico por fibra de carbono Pouco dispendioso Alta Tecnologia Ecológico Thermal Technology é uma empresa líder no desenvolvimento de tecnologias

Leia mais

As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: - acessíveis a veículos (ligeiros ou pesados);

As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: - acessíveis a veículos (ligeiros ou pesados); 9. COBERTURAS DE EDIFÍCIOS 9.1. CLASSIFICAÇÃO DAS COBERTURAS EM TERRAÇO As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: quanto à acessibilidade - não acessíveis (à excepção de trabalhos

Leia mais

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? O uso de biomassa florestal

Leia mais

AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA

AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA Paulina Faria Rodrigues Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Nova de Lisboa 2829-516 Caparica, PORTUGAL Tel.: +351 21 2948580; Fax:

Leia mais

ISOLAMENTOS ACÚSTICOS

ISOLAMENTOS ACÚSTICOS ISOLAMENTOS ACÚSTICOS Ruídos de impacto (intra inquilinos): Aplicação em pisos Außer ia02 Außer ia0 Außer ia1 Außer ia Ruídos aéreos: Aplicação em divisórias verticais Außer ia1 Außer ia Außer ia60 Außer

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas Mateco - UCP - Civil Madeiras na Construção Civil: Aplicações estruturais; Telhados; Sustentação (vigas, colunas e pisos) Aplicações em revestimentos; Aplicação em esquadrias; Aplicações no mobiliário;

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION.

REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION. REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION. Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

FICHA TÉCNICA Eficiência Energética em Janelas Nº Pág.s: 05 nº n 14 29. Janeiro. 2007 Copyright 2006 - Construlink.com - Todos os direitos reservados.

FICHA TÉCNICA Eficiência Energética em Janelas Nº Pág.s: 05 nº n 14 29. Janeiro. 2007 Copyright 2006 - Construlink.com - Todos os direitos reservados. FICHA TÉCNICA Eficiência Energética em Janelas Nº Pág.s: 05 nº 14 29. Janeiro. 2007 Eficiência Energética em Janelas 01 Quando escolhemos as janelas para uma edificação nova ou para um projecto de remodelação,

Leia mais

RESINA POLIURETANO SEMI-FLEXIVEL

RESINA POLIURETANO SEMI-FLEXIVEL RESINA POLIURETANO SEMI-FLEXIVEL Raposo, S.A. Lider na Vanguarda Desde finais de 1982, os nossos técnicos têm vindo a liderar a tecnologia avançada na aplicação de produtos epoxy. Construída com a sua

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

GSEducationalVersion LIGHT STEEL FRAME P R O J E T O E C O N S T R U Ç Ã O

GSEducationalVersion LIGHT STEEL FRAME P R O J E T O E C O N S T R U Ç Ã O GSEducationalVersion LIGHT STEEL FRAME P R O J E T O E C O N S T R U Ç Ã O SEDIAME Quem Somos Construção em LSF 03 SISTEMA CONSTRUTIVO Características Exemplos 04 07 SOLUÇÕES MODULARES Módulos para Mercados

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT É uma tinta isolante térmica, composta de polímeros acrílicos elastoméricos, microesferas de cerâmicas, e aditivos especiais

Leia mais

Placas osb Painéis osb

Placas osb Painéis osb Placas osb Painéis osb EDIÇÃO 2002 P Kronoply «A influência moral da natureza sobre cada individuo depende de quantas verdades ela lhe ensina. Quem poderá dizer até que ponto a firmeza do pescador foi

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013 1 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013 2 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO 1.1 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL 1.2 NZEB 2.1 CARÁCTER INOVADOR 2.2 CARACTERÍSTICAS 2.3 PORMENORES CONSTRUTIVOS

Leia mais

Vidro isolante para mais luz e calor

Vidro isolante para mais luz e calor Vidro isolante para mais luz e calor Vidro isolante para mais luz e calor NEUTRALUX é o vidro de maior isolamento térmico da ISOLAR. Funciona sobre três princípios muito simples: Uma das superfícies do

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA 1 Obra O presente trabalho refere-se à reabilitação de um aglomerado de habitações em adiantado estado de degradação numa herdade do Alentejo

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

A GAMA COMPLETA DE ISOLAMENTO PARA UMA POUPANÇA EFECTIVA DE ENERGIA

A GAMA COMPLETA DE ISOLAMENTO PARA UMA POUPANÇA EFECTIVA DE ENERGIA A GAMA COMPLETA DE ISOLAMENTO PARA UMA POUPANÇA EFECTIVA DE ENERGIA Tubolit O sistema de isolamento robusto e fiável para reduzir as perdas de calor em tubagens de aquecimento e fornecimento de água. Tubolit

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

GREENBUILDING BRASIL 2014:

GREENBUILDING BRASIL 2014: REVISTA ANO1 / Nº2 / 2014 GBCBRASIL CONSTRUINDO UM FUTURO SUSTENTÁVEL GREENBUILDING BRASIL 2014: POSIÇÃO DO BRASIL CONSOLIDA-SE NO CENÁRIO MUNDIAL Centro Empresarial Senado: arquitetura que revitaliza

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR 81,9(56,'$'()('(5$/'2&($5È '(3$57$0(172'((1*(1+$5,$(6758785$/( &216758d 2&,9,/ 127$6'($8/$6 &216758d 2'((',)Ë&,26, 5(9(67,0(1726'(7(726 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV, 5HYHVWLPHQWRVGH7HWRV

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios Artigo Desempenho acústico de divisórias para escritórios Raros escritórios comerciais não possuem divisórias para definir ambientes. Trata-se de um elemento arquitetônico versátil, com boas opções de

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

Poupar energia com cerâmica

Poupar energia com cerâmica Poupar energia com cerâmica made by Schlüter-Systems 0 50 100 150 200 250 300 350 400 >400 Poupança de energia. Conforto. Fiável. Poupar energia com cerâmica! Quando se fala actualmente de uma construção

Leia mais

O melhor isolamento da terra

O melhor isolamento da terra O melhor isolamento da terra EMPRESA A Argex Sabemos fazer argila expandida, a melhor argila expandida A Argex Argila Expandida, S.A., empresa do Grupo Preceram, dedica-se à produção de argila expandida

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

Vidros para construção civil

Vidros para construção civil Vidros para construção civil Conceito de Vidro: Vidros industriais: Produtos inorgânicos obtidos por fusão e resfriamento sem cristalização Vidro ordinário ou neutro para construção civil: Solução amorfa

Leia mais

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança KNAUF SAFEBOARD HOMOLOGADO IRD-CNEN Nº 140312 Knauf Folheto Técnico 08 / 2014 Knauf Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança Estabilidade e blindagem de ambientes submetidos à radiação

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014. Passive House com Cross Laminated Timber - CLT

2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014. Passive House com Cross Laminated Timber - CLT 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 Passive House com Cross Laminated Timber - CLT AVEIRO, NOVEMBRO 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DA TISEM, LDA 2. SISTEMA CONSTRUTIVO CLT (CROSS LAMINATED TIMBER) 3.

Leia mais

SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA

SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA Um substrato para "hidroponia" é o suporte para o desenvolvimento das raízes, limitado fisicamente no seu volume, isolado do solo, capaz de proporcionar à planta

Leia mais