Ficha Técnica 9" Conferência NacionaI do Ambiente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ficha Técnica 9" Conferência NacionaI do Ambiente"

Transcrição

1 I ii1*:i,f;oü,t+rs.+.,,!i

2 Ficha Técnica 9" Conferência NacionaI do Ambiente ISBN: g Nota explicativa Esta publicação contém as comunicações apresentadas na 9" Conferência Nacional do Ambiente' reatizada na Universidade de Aveiro, de 18 a 20 de Abrit de Editores CarÌos Borrego, Ana lsabet Miranda. Etisabete Figueiredo, Filomena Martins. Luís Arroja. Teresa Fidélis Desenho da capa Luís Pinto lmpressão Grafigamelas Abrit de 2007 Edição Departamento do Ambiente Universidade de Aveiro Tiragem 350 exemptares (lmpressos em pepêt reciclado)

3 Comissão 0rganizadora Ana lsabel Miranda, UA Ana Paula Gomes, UA António Brito, Unìv. do Minho António Fernandes, UTAD António Rodrigues, UNL Antônio Samagaio, UA Artur da Rosa Pires, UA Carlos Borrego, UA Carlos Costa, UP Casimiro Pio, UA Celeste Coelho, UA Eduardo Anselmo Castro, UA Elisabete Figueiredo, UA Fernando Santana, UNL Filomena Martins, UA lsabel Martins, UA João Farinha, UNL Carlos Borrego, UA Ana lsabel Miranda, UA Elisabete Figueiredo, UA Filomena l\,4âíins, UA Luís Arroja, UA Teresa Fidélis, UA Comissão Científica José Figueiredo da Silva, UA José Gomes Canolilho, UC José Manuel Mârtins, UA Júlio Maggiolly Novais, UTL Luís Arroja, UA l\,4anuel Arlindo l\,4atos, UA Margari da Tomé, UTL M' lsabel Capela, UA M" João Bebianno, UAlgarve M' Luísa Lìma, ISCTE Mário CerqueiÍa, UA Paula Antunes, UNL Paulo Pinho, UP Teresa Andresen, UP Teresa Fidélis, UA Teresa Nunes, UA I eresa HtnÌo uorreta, utvora Secretariado Estelâ Pinto Joana'Marques

4 Sociedade Ambiente... O Ensino da Ecologia dos Materìais de Construção Integração da dimensão psicossocial na reabilitação de rìos em meio urbano: ensaios metodológicos em Lisboa, Leiria e Cacém , I I Percepção da Qualidade Ambiental ro Município de Aveiro um Mapa Ambiental Baseado nas Reciamações Apresentadas pelos Cidadãos Avaliação dos impactos socioecorómicos da actividade mineira na Vila de AÌjustrel: O contributo do Projecto EVALUSE Continuidades e rupturas na construção de cenários de futuro Futuro Sustentávcl: a Abrangência do Conceito Entre a (Madeira Nova> e a Mudança Paradigmática Atitudes Sociais dos Madeirenses sobre Ambiente Horticultura TerapêÌrtica - Progmma de Intervenção pam o Desenvolvimento Sustentável...56 Estratégias de SustentabiÌidade à Escala Local: criâì contextos para integracào nos processos de desenvoivimento telritorial A ImpoÍância dos PÍocessos PaÍticipativos na Definição de Estratégias de SustentabiÌidade à Escala Local: o caso de Loulé A Govemação Local e o uso de Sistemas de Indicadores de Desenvolvimento SustentáveÌ..76 Monitorização dâ qualidade ambientaì e dinâmìcas de participação pública: potencialidades e práticas da monitorização 1ei9a O Papel do Ambiente Térmico na Ergonomia Bancos Líderes em Sustentabilidade Conflitos Sociais, Espaços Protegidos e Representações do Ambiente em Areas de Mata Atlântica no Nordeste Brasileiro Marcadas pela Mina - Actividade mineira vs Comunidades Locais... Saúde e Ambiente l9 Biomonitorização de dioxinas e furanos em Portugal...,... Avaliação da exposição de crianças á poluentes atmosfé cos e relação com marcadores de inflamação respiratória Qualidade do Ar e Doenças RespiÌatórìas no Barreiro... Determinação de activìdade de Estrôncio-9o em Leites. Avaliação da dose de radiação pam a população portu9uesa Projecto Saud'AR: CaÌacterização Acaxológica de Ambientes Ìnteriores Saúde e Ambiente: çomo se podem relacionar na Agudìzação de Doença Respiratória Educação Ambiental A Educação Ambiental como estratégia de Desenvolvimento Sustentável

5 Caras Felizes não fazem sucessol Avaliação do impacte compofiamental de projectos de educação ambiental....1'7 o A Sensibilização ambieltal como ferramenta de suporte ao desenvolvimento sustedtável de uma região O Caso da VALORNOR Códìgo da RecicÌagem Campanha de Comunicação e Edücação Ambiental Educação para o ambiente no 3" Ciclo do ensino básico. Um estudo sobre a radjoactividade natural na região de Figueira de Castelo Rodrigo A importância do contribüto da fomação de professores na promoção de formas de desenvolvimento mais sustentáveis Riscos 4mbientais...,.....,...'.' 199 Avaliação ecotoxicológica do efluente aquático (coluna de água e sedimento) de uma mina de urânio âbandonâda, através dumâ bateria d ensaios Monitorização do Carbono Negro (CN) e Poeiras Minerais (Pm) na atmosfera do Atlântico Norte Estudo dos padrões espaciais e temporais dos processos de infiltração e evapotranspiração à escala da vefiente para vários tipos de maneio de eucaliptais Área ardida em Porhrgal em clima futuro AvaliaÇão da contaminação metálica ao Ìongo do rio Guadiana Importância de antigas minas abandonadas Coutributo para a identificação da génese (naflrral/artiíìcial) das çoncentrações de Radão (222Rr) em. oito freguesias da Beira Alta..^...-. Biodisponibilidade de Metais Pesados e Arsénio em escombreiras de minas e solos contaminados norte de PoÌtúgal Sobre a implementação de uma esfatégia de ecologia industrial na EscoÌa Superior Agraria de Coimbra Estudo de Pluma de contaminação provocada pela escombreira de mina de Chumbo de Ceife (Palão) O projecto EROSFIRE - "FeÍamenta de apoio na decisão paé identihcação, com base em modelação, risco de erosão do solo após incêndios florcstais" Percepções de risco e de responsabilidade face às aìterações climâtieas * Efeitos sublaterais do efluente de uma mina de urânio avabonada (Cuúa Baixa, Viseu) em Rana peíe2i..., Camctedzação ambiental da mina da Tinoca: Análise estatística e espacial... Escoamento Superficial e erosão de solos em campos agricolas abandonados ínterior centro de Portugal Sistema iìrtegrado paía apoio a tomada de decisão em caso de acidente grave... Radioactividade em algumas espécies do pescado consumidas em PortugaI... Entre o ser e o pod r seí - Impactos socioeconómicos e ambientais percepcionados, no caso deacidentesreìacionadoscomaactividadeinineila l4 Território e Ambiente...3 Caractedzação do impacte do tipo de ocupação do solo na poluição atmosférica monttorizada por líquenes na região de Sines

6 Observatório ViÌ1ual de SustentabiÌidade Região Macaronésica Actìvidades de um Gabinere Técnico F1orestal Certilicação Florestal: O futuro da floresta em Portugal? Atitudes face às florestas em Portuga Cenários Climáticos, Impactos e Medidas de Adaptação às AÌterações Climáticas na Região AutónoÌna da Madeira Projecto CLIN{A-{T ÌL Contributo para a Minimização dos Impactos das Cheias em Águeda... J6l RecÌassificação da Rede de Áreas Protegidas da Região Autónoma dos Açores - proposta Metodológìca MaouaÌ da AvaÌiação Arnbiental Estratégica de Planos e programas de Infra-est.uturas de TranspoÌ1e / 5 PÍograma de Gestão Ambiental do EFÀ{A... Explorando a sustentabilidade das cidades em relação ao ambiente e ao balanço Ìocal de carbono: impìicações políticas Economia do Ambiente,......,...,...,,.".3 Hidrogénio conlo combustivel altemativo para o sector dos transpoíes o pioblema do s u arnazenamento Ordeoamento do Teüitório e Finanças Locais Floresta de classes etárias múltìplas e sequestro de carbono Ecocasa: A conservação da enegia na área residenciaì como prioridade AV e PML - O seu contributo para a sustentabilidade j Ìndicadores de Desenvolvimento Uma Perspectiva Aabj ntaì O modelo EcoTerra - Instrumentos económicos para melhorar o Ordenamento do Território 443 Cenários para o Sistema Energétìco Português pam 2030 e suas implicações Arnbientais TIMES_PT Implementação do modelo TìMES para pofusal... Cidade e Ambiente Ajustiça social como prática de intervenção no terlitório Partículas PM10 na cidade de Bragança e sua relação com os espaços verdes... Ruído Aanbiente na cidade de Bragança: o papel dos espaços verdes... Indicadores de avaliação na estrutum verde da cidade de BragarÌça Percepção dos espaços verdes urbanos: Estudo exploratório na cidade de Lisboa...4g6 Estrutura Urbana e quaìidade do ar... Arálise energética do edificio do Museu do Caramulo... Sistema de Certificação Ambiental da construção sustentável - Caso do Sistema Lidera Monitorização de longo prazo de níveis de Ruído Gestão e Tratamento de Água... Bioconversão de um Sub-Produto da Industria Alimentar para a produção de Bioplásticos e Hidrogénio......

7 Fotoinactivação de Bacteriófagos em Águas Residuais por Porfirinas Catiónicas InteÌacção de SóÌic1os e Matéria Orgânìca Dissoìvida na Agua... Avaliação da Influência da Variação de Carga na Remoção de Matéria Orgânica e Azoto em Leito de Macrófitas do Tipo SSFH Dinâmìca de Popuìações em Sistemas de Remoção Desnitrificante de Fósforo com Acetato e Propionato Impacto da Exploração de Urânio nos Rios do Centro de Portugal Avaliação do Ìmpacle AmbieÍtal do Sector dos Lacticínios em Portugal... Dete.minação de Novos Biomarcadores em RtLdítupes decussalzs Através da Análìse PÌoteórnica Monitorìzação da Qualidade da Água Subtenânea das Ilhas das Flores e do Pico (Açores) 572 Avaliação da Toxicidade do Efluente Final de uma Fábrìca de Pasta de Papel (proc sso Kraft) em Cora$siíts a ratlls e Dicentrarchus \abrat Avaliação por PCR-DGGE da Dinâmica de um Consórcio Microbiano l)urante o Bio- Tratamento de um Efluente Industrial Caracterização da Alga MaÁnha Áscophylltrm nodosum e Estttdo da Eliminação de E Cü(II) em Solução Aquosa por Biossupreção Novas Fontes de Abastecimento de Água Reutilização e Dessalinização...!oto-Degradação do Ácido Gálico por ProcessosdeOxidaçãoAvançada... Estudo Comparativo da Introdução do Processo de Remoção Química de Fósforo em duas ETAR, da Indústria Cervejeira, já em Funcionamento...61 Radiocésio, Radioestôncio e Trítio em Aguas de SLiperficie nos Rìos Telo e Zê2ere \elecç;o de Bâcrérids ReduLoras de Sultado para Bionemediaçao de Águas Ácidas de Mina 631 Optimização do Biorreactor de Membranas de Permuta Iónica pam a Remoção de Poluentes Aniónicos de Aguas Potáveis Análise Microbiológica da Biomassa Desenvolvida na Operação Intermitente de Reactores UASB Subprodutos da Desinfecção da Água Dessalinìzada por Osmose Invena...65 Aplicabilidade do Reactor Moving Bed Biofiim Reactor (MBBR) no Tmtamento de Eiiuentes Vínicos Utilização de AÌgilas e Resíduos Industriais na Eliminação de Corantes de Têxteis em SoÌução AcÌuosa Avaliação do Comportametrto de um Digestor Araèróbìco para o Tratamelto do Condensado Gerado numa Fábrica de Pasta de PapeÌ Estudo de Caracterização, Diagnóstico e Proposta de RequaliÍicação de Lìúas de Água no Concelho de llhavo Gestão e Tratamento do Ar..,,.,,.,, Variação sazonal da transferência de dióxido de carbono numa pastagem mediterrânica Efeito na qualidade do ar da movimentação de sucata no poíto de Leixõ s: ensaios em úneì de vento Escalas temporais na variabiìidade da concentração de poluçntes fotoquímicos...102

8 Contribuição de queima de madeira no aerossol europeu......'7 Avalìação dos episódios de ozono de JuÌho e Agosto de 2003 na Região Sul de portugal ContinentaÌ '716 Minìmìzação das Emissões ResÌìltantes dâ Co-Combustão de Biomassa e Resíduos...7 BaÌânço de gases com efeito de estufa no sector do pinheiro bravo......_......:,3 Um Estudo de Magnetismo Ambiental na cidade de Viseu Poluição foloquímica em áreas rurais do nordeste transmontano..._.._... Minas de U.ânio e seus Resíduos. Efeitos na Saúde da popülação. Resultados do projecto MinUrar _...7 AvaÌiação do transpofte de parliculas do NoÌte de Átìjca: eventos nalumis em portugal ÌÌo decorrer de Avaliação das medidas de redução de emissões de partículas na qualidade do ar do poío.771 PÌanos e Programas para a Melhoria da Qualidade do Ar na Região de Lisboa e Vale do Tejo Diagnóstico e efeitos na saúde das partículas inaìáveis na cidade de Ljsboa... ModeÌo de cálculo de emissões de poluentes atnìosféicos:4rlipe... Inventário de Emissões Atmosféricas na Região de Lisboa e Vale do Tejo: Metodologia e Resultados Observação do ozono à sup rficie integrado em programas operacionais de obsewação do Instituto de Meteoro1ogia g UtiÌização de Dados d Monitorização de Fontes Fixas Industriais para a Determinação de Factores de Emissão Específicos para a Região de Lisboa e Vale do Tejo g 1g Avaliação do desempenho do modelo de qualidade do ar, e-caline4 e aplicação ao caso de estudo da VCI, Porto...g25 Previsão da qualidade do ar nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e porto por métodos estatrstrcos g34 Caracterização e avaliação de episódios de paíículas no ar ambiente da aglomeração do porto Litora Qualidade do Ar e circulação de Transportes Públicos na cidade do poíto , Os Inçêndios Florestais e a Qualidade Do Ar......g5 Ozono em localizações rurais de fundo - representatìvidade rede de estações de Ìnonitorização......t Impacte dos Tectos de Emissão Nacionais na Qualidade do Ar em pornìgal Continental... g69 Prevìsãoperacional dos níveis de paíicuìas em pofiugal Contribuição para a caracteização da qualidade do ar no interior de uma sala de aula...gg3 Avaliação dos fluxos de Hg para a atmosfen numa zona contaminada (Esteiro de Estaneia)

9 Avaliação de um Modelo Fotoquímico de Trajectória aplicado a um Episódio de Polúção Fotoquímica VariaçãodiáriadaconcentIaçãodeIadàoÍIaatmosfera'.'.''... Ëmissões de poluentes atmosféricos por fontes fixas industriais em Poúugal contineníal Concentração de Radão em Espaços Ìnteriores da Á.rea de Viseu... AvaÌiação da qualidade do ar através da monito.ização da flora epìfitica. O exemplo na área envoìvente à central da CTRSU da Valorsul S.A Avaliação das emissões do sector aéreo e marítimo em Portugal... Gestão e Tratamento de Resíduos.,...,,, Modelo de Avaliação do Potencìal de Desconstrução Efectivo de um Edifico na Fase de Concepção Catalisadores,Altemativos na Produçào de Bjodiesel a paítir de OLeo Alimentar Usado Flutuação com Espumas de Escórias de Ìncineração d Resíduso Sólidos Urbanos Desenvolvimento de um Modelo de Simulação Dinâmica Aplicado a um Compostor Avaliação Energética e Ambiental da ApÌicabilidade do Bioetanol no Sector dos Transportes...9 Caracterização e Valorização das Escórias da Celulose do CAIMA por Técnicas de Vitrificação '7 Co-Digestão Anaeróbica de Resíduos de Natureza Orgânica em Condições Mesofilicas Digestão Anaeróbia d Resíduos Sólidos Orgânicos Frutas,VegetaiseRelva...1 Proposta de Metodologia paìa a Previsão da produção de Resíduos de Construção-Aplicação aos Municípios do Vale de Ave Gestão de Resíduos em Instituições de Ensino Superior: o Caso de Estudo duma Instituição Complexa e Diversificada Caracterização das Condições de Combustão Írum Leito Fluidizado com Alimentação de Pellets de Resíduos Florestais..., Biossorção de Metais por Biomassa de Algas Marinìas Biodiversidade...., 1051 Avaliação da Toxicidade de Lixiviados de SoÌos tatados com em dois níveis túficos: utilização de um modelo de ecossistemas teresíes Pafiição da chuva incidente em precipitação intema. Escorência pelo tronco e perdas por intercepçãonoseucaliptaisdaserradocaramulo:... A Análise do Ciclo da vida como fenamenta de apoio à impiementação do regulam nto EMAS IÌ na Escola SupeÍior Agrtuia de Coimbra... Catalogação e análise florística na região demarcada do Douro (NE de Portugal) Efeitos ecológicos de EichlÌomia cmssipes em espécies planctónicas m diferentes estações do ano caso de estudo na Pateira de Fermentelos...,...,... Os Líquenes - sua aplicação em estudos de Biomonotorização e Etnobotânica Os Briófitos de comunidades ripícolas da ilha da Madeira... Acumulação de Radionuçìidos çm Golfiúos da Costa PoÍuguesa...-.-

10 Distribuição e variação sazonal de RadionucÌicÌos de origem natural nos órgãos da Taiúa (Lita rumada) ModeÌação da distrìbuição de Briófitos para a simuìação dos efeitos das alteracões cìimáticas. ExempÌos a níveì europeu t1r Conservação ÌN SÌTU DE Ìris boissìeri, Narcissus pselrdonarcissus subsp. nobilis E MeÌittis melissophyllum no Parque NacioDaÌ Peneda-Gerês Estimativa do armazenamento de Carbono em povoamentos de pínus pinasrcr Araon e ELtcalytpus globuhls Labítl no perioclo lc)98-200b.... ÌÌ12 POSTERS Caracterização da QuaÌidade do Ar na Regìão da Niarinha Grande... I 141 Diorinas e FuÌanos: Estudo Epidemiológico Prelininar na península de Setúrbal...11.f Optimização da Ìvlonitorização da Deposição AtmosÍérica de pahs através de Bìomonitores UtÌlizaçâo de Liquenes como Ìnsrrumentos de Gestão da eualidade do Ar na Região cie Sines lììportância Ambiental e Gestão Sustentada de Massas de Agua Naturxis em Bacias Hidrográficas de Pequena Dimensão - o exemplo da Bacia da Rib" de Frades. Coimbra.. I 163 BaiÌÍo Alto: o Baìrro ou os Bairros? Análjse das Diferentes Relacòes com o Lugar e tlas Representações sobre o Bairro, o Património e a Participação pírbljca, dos Morador.es do Bairro AÌto t 173 Educação para a Sustentabilidade através do Trabalho de projecto com alunos do 3e Cìclo do Ensino Básico \17. Projecto SaudAR: A Saúde o Ar que Respiramos l1g2 Tratamento de Lixiviados de Aterros Sanitários TecnologiasDisponíveis... Molritorização de uma Piscina Biológica Dive$idade e Riqueza Específica de Macrofungos em Sistemas de Montado de Sobreiro I 196 Projecto de Compostagem na Comunidade do Seixal - Disseminacão dos Resultados Finais Contan-Ìinação e Descontaminação de Cobre em Calassius auraxts L. l758: Efeitos nas Brânquias e no Fígado Projecto de Limpeza de Praias e Piúais no concelho de Esposende Delimitação cle Escorrências Uraníferas com Macrófitas Acumuladoras Caracterização Energética e Ambiental da Introdução em Larga Escala de Veículos Movidos a Combustíveis Altemativos l2lg Degradação do Corante Reactivo Vermelho Intenso procion H EXL GRAN oor Oxidacão Química com Reagente de Fenton ' Sistemas de Gestão Ambiental: Análise SWOT entre duas estratégias de implementação 1227 AÌterações Climátìcâs na Madeira: Impactos Sobre as Doenças Transmitidas por Vectores ContribQição Metodológica e Exemplos de Aplicação pam o Estudo Estrutural e Dinâmico da Vegetação g

11 I A Flora Digital de PoÌtugal. A Divulgação dos Recursos Naturais como Estratégia para o Desenvolvimento Sustentáve MelhoÌar o Valor Sustentáve Albufeira do Enxoé MeÌhoria do Estado da 49ua Bacia do rio Leça: Variação Espacial da Qualidade da água no Verão de Efeito do Planeamento Urbano e da UtiÌização de Tecnologias Altemativas no Túfego Rodoviário e na Qualidade do Ar Caracte zação dos Rejêitos da Agroindústria de Leite no MuÌricípio de Nossa Senhora da Glória/Semi-Arido de Sergipe Auditoria AmbientaÌ em Zonas Maritimo-Portuárias: O Caso da Administração dos Portos do DouroeLeixões,S O Projecto Escoia-Jardim como Contributo para o Conh cimento e Dimlgação do Recurso Flodstico na Escolas de Pol1ugal....12' Estudo da Pluma de Contaminação Provocada por uma Artiga Lix ira com o Método de ProspecçãoElectomagnético-Cidreira,Coimbra... Distribuição do Uúnio em Bandas de Cisalhamento Frágil e lmplicações para os Mapas de Risco de Radão: o Caso da Mina do Barroco (Gouveia Portugal Cenlml) Importância dos Parâmetros Ecotoxicológicos no Confolo de Águas Residuais...12 Estudo da Capacidade de Neutralização da Acidez de Resíduos Indust ais para Aplicação em Biolixiviação Porquê a Telegestão? ' Aplicação de uma base de dados em ambiente SIG na qualidade de água superficial e subterrânea da ESAC...,...13 Variação do teor de cobre no solo devida à alteração de algumas características de um soìo com aplicação de lama residual ubana A Empresa SustentáveÌ como Instrumento do Desenvolvimento Sustentável Gestão dos Resídüos Hospìtalares no Hospital Padre Américo - Vale do Sousa EPE Portugal: a Sustentabilidade do Turismo Aplicação da ferramenta ACV na avaliação do desempenho de opções de üatamento de águas residuais à escala pi1oto Aplicação dos sistemas SBR paru tratamedto de águas r siduais domésticas: características funcionais e operacionais TÉtamento dos Rejeitos Líquidos Provenientes das Queijarias do Município de Nossa Senhoru de LouÌdes/Sergipe Monitorização de Cursos de Água Localizados em Zonas Urbanas: o Caso do fuo Fervença na Cidade de Bragança Medir e Comunicar o Estado do Ambiente e da SustentabilidadeemPortugal... Radioactividade Natural e Factores Geológicos Condicionantes na Região da Serla da Buçaco (Poúrgal Centrul) Avaliação da Influência dos Espaços Verdes no Conforto Témico Urbano Avaliação das Percepções e Atitudes Sociais Relativamente aos Espaços Verdes da Cidade de BÌaga.nça..., Planos de Redução de Ruído à Escala Municipal - Contributo para o Caso de Oeiras

12 Rumo à Ecoeficiência - um Caso Prático de Economia do Ambiente num Edificio de Serviços Pesquisa e isolamento de bactérias nitrificantes/ desnitrificantes em efluentes aqro-indust ais...',,.,,..'..''.''...'.., Meio Ambiente Urbano, Qualidade de Vida e (ln) SusteÌrtabiiidade em Cidades Locais _ Nossa SenÌ'Ìora da Glória - Scrgipe. Brasi : Intercepção de precipitação num piúa1 na Serra do Caramulo... l3g4 Risco de Extinção do Gorila da Montanha e a Exploração de Minério Tantalire_Columbite Acelerada peìa Generalização do Uso de Telemóve1... O Centro de Infonnação VarietaÌ Agïo-Florestâl e a Consewação de Recurso VegetaÌ Dinâmicas de Alteração do Uso do Solo na Ár.ea de euilombo de Vila Bela da Santíssima Trindade (Mato Grosso, Brasil). lmpactos sobre a Biodiversidade a Fertilidade dos Solos. I lo< Projecto SaudAR: Avaliação da Qualidade do Ar em Viseu ,+0 Bìomarcadores de Contaminação An'ÌbientaÌ na Costa Algarvìa..._... _... i406 lmpactosdasalteraçõescljmáticasnoconfortotémicoemportugal... Utilização de Macrófitas Aquáticas no Tratamento de Et-luentes de Suiniculhra Recuperação da vegetação de srb-bosque de pinhais e Eucaliptais após incêndios, nos concelhos de Agueda e Albergaria-a-Velha Análise de Micropohentes Orgânicos em Cinzas Volantes de EIRSU por Cromatografia Bidimensional Abrangente (GCxGC) e Espectrometria de Massa..._ OlÍàctometria dinâmica aplicada à monitorização ambientaì Análise de Ciclo de Vida aplicada à gestão de Residuos SóÌidos Urbanos em portueaì Continental Estado da Aíe em Métodos de Detecção e ÌdentificaçãodeNavios... Estado da arte em mapas de sensibìlidade costeim làce a der.ames petroìífe{os Testes Bioiógicos com Compostos de Residuos Verdes......t44j Actrvação Alcalina - a Solução para as Escombreiras das Minas de Jales Padrão de Distribuição do Chumbo Total e Solúveì e Conelação com as Fontes de Contaminação a partir de Musgos corno Biomonitores Ì456 Avaliação da Eficiência de Fmgmentação no Desenvolvimento de um processo de Reciclagem de Resíduos de Piacas de Ctcuito Impresso Usadas Parâmetros Biofisicos na Evolução do Uso do Solo. O Exemplo da Bacia Hidrográfica da Ribejra dos Covões A Mata à Porta da Escola: Inyentariação da Diversidade de Macroinvertebrados Solo da Mata do Fontelo (Viseu) por alunos do 1. Ciclo do Ensino Básico :'3 Ecoclubes: os Jovens, a Cidadania e o Desenvolvimento Sustentável..._..._... l47g Projecto Agro 320: Aplicação de Efluentes de Suiniçultura ao SoÌo. Demotrstração da Possibilidade da sua lntegração numa EsÍatégia de Resolução dos probìemas Ambientais no Litoral Alentejano.. O Combustivel Derivado de Refugo Como Output do Tratamento Mecânico e Biológico l4g9 Utilização do Processo SBR no Tratamento de Efluentes VinícoÌas......t4g5

13 Conservação da Vegetação Autóçtone - Carvalhais Mediterrânicos do Concelho de Alcobaça 1501 Reintrodução de Ictiofauüa Autóctone na Lagoa de Pataias... Produção de Hidrogénio Solar Com Simultânea Mineralização de Poluentes Orgânicos Medidas de Actividade Beta Total e Beta Residual nos rios Tejo e ZêzeÍe (2001a 2005).1516 Evolução da Política e da LegisÌação sobre Resíduos em PoÍtugal... As Actividades Náuticas e a Protecção dos Sìstemas Húmidos - desafios para um desenvolvimento sustentável Contributo para a Caractedzação Biogeoquímica da Mina de Caveira - Estudo da PÌanta erica austra1is Condições paxa a Realização de Ensaios em Fontes Fixas Industriais em PorhÌgal Continental 1539 Garantia de Qualidade na Caracterização de Emissões em Fontes Fixas Industriais...)'544 Contribuição pam a CaÉct rização da Qualidade do Ar numa Cidade de Média Dimensão viseu Sistema Regional de Informação Ambiental SRIA Avaliação do Potencial de Produção e Utilização de CDR em Portugal Continental A Poluição no Rio Antuã: Id ntificação das Descargas e das Medidas de ContÌolo Adequadas 1565 Metodologias de Atribuição de Significânciaos Aspectos Ambientais...1 Sustentabilidade da Produção de Madeira e Armazenamento de Carbono ao Nível da Unidade de Gestão. Aplicação a Plantações de Eucalipto ' Qualidade Ambiental em Áreas Verdes Públicas de Aracaju, SE, Brasil....'...1 Projecto Casa do Futuro - Sub-projecto de Reciclagem ,... Caracterização das Condições de Combustão de Biomassa Florçstal num RecupeÍador de calor Doméstico......_.15 A Água e a sua Qualidade no l" Ciclo do Ensino Básico: Sensibilizar para Preservar o Futuro 1600 SÌG para Alocação Espacial de Emissões Atmosfé cas... Recolha de Resíduos Urbanos Biodegradáveis A Industda Extractiva no Concelho de Pombal e os Problemas de Ìmpacte Ambiental Biomonitorização de Ozono Troposfériqo no Alentejo

14 Modelo de Avaliação do Potencial de Desconstrução Efectivo de um EdifÍco na Fase de Concepção ÁMOEDA, R. (Ì) JALALI, S. (2), WNDONÇÁ, P. (1) (l) Departame to AuÍókomo de Àrquitectura da Universidade do Minho (2) Departamento de Engenhaúa Ctuíl da Universidade do Mìnho ìt ünn(ia,ltìovâçãoprogíãma Opc cionãl CièÍ.ia c Inovaçào t0! gestão do fim do ciclo de vjda dos materiais e componentes empregues na construção ecessjta de ser avaìiada ao níveì da efectividade da sua recuperação e não ape!ìas ao nível da ibilidade da sua recuperação. A aplicação dos princípios do conceito de Emergia (com "M") ise do ciclo de vida dos materiais ao longo da vida de serviço do ediíïcio permite avaliar a ividad ambiental dos cenários de fim do ciclo de vida considerados, i.e. reutilização, Òiclagem deposição. A aplicação do modelo desenvolvido para a avaliação do potencial ivo de desconstrução, a três tipos de parede (alvenaria d tüolo, g sso cartonado e tabique madeira), demonstra qpe a efectividade da desconstrução dos ediíïcios está relacionada não com o tipo de ligações empíegues ntre os materiais, mas também com a sua durabilidade, a sua composição e, principalmente, com a possibilidade de "mantef' a Emergia dos s, $ $ i VRAS CHAVE desconstrução, emergia, anális emergética. oduçao ;,Jecuperação dos mate ais e componentes de construção está rclacionada com as opções na fase de projecto, quer no que se referc ao impacto ambiental dos materiais, quer nto ao modo como estes se relacionam no âmbito da configuração arquitectónica e lógica do projecto. O desenvolvimento e aplidação de metodologias de análise do ediíicio, modo a prever quanto efectiva será a recuperação dos elementos construtivos, permitir a ia das soluções a fim de maximizar, o quanto possível, a rccupeíação dos materiais. Assim, aprcsenta-se um modelo para avaliar o potencial de desconstrução um durante a fase da sua concapção, que poderá ser aplicado na selecção de materiais, no lvimento e melhoria das tecnologias de construção e na tomada de decisão sobre os de fim do ciclo de vida possíveis. DELO modelo proposto baseia-se na análise dos fluxos de matéria ao longo do ciclo dç vida de um, empregando o conçeito de Emergy Accounting desenvolvido por T. H. Odum (Odum, 959 f f

15 1996). A análise émergética permite contabilizar segundo uma mesma unidade (Solar EmJoule) todos os fluxos envolvidos quer no proaessamento dos materiais, colocação em obra, i.e. materiais, enetgia, mão-de-obra, custos monetiários: Estrutura do modelo O modelo é composto por 3 passos (ver Figura l): (1) análise da configuração arqü construtiva do edificio, (2) cor.tabilìzação dos fluxos que atravessam o sistema doir definição de um valor quanütativo para a desconstrutibilidade do ediíìcio cod recuperação efectiva dos materiais e componentes utilizados. Figura 1: Esquema do modelo Potencial de Desconstrüção Efectivo do EdiÍício (PDEE) A contabilização çnergética para obter o índice do pdee é efectuad ahavés da conjunto dç equações (ver TatreÌa 1). As primeiras quatro determinam a ediíicio através da agìegação sequencial dos valores de Emergia de çada material. ilo' Emergia por ano de cada material ao longo da vida de serviço e da totalidade dos Í Emergia por ano. A equação 5 estima a emergia recuperável dos materiais em rç materiais que estes substituirão em firnção do çenr{rio de fim do ciclo de vida po equação 6 estabelece o índice de PDEE, i.e. a relação dos valores de Emergia total.,àcl com a Emergia'total iniçial do edificio. Este índice varia entre 0 e l, conespondendo uma situação extìema de deposição total em atero e o valoì I à reutilização total dos componentes empregues.

16 1: EmeÍgia do Material (ì TabeÌa l: Equaçòes do modeìo Emergia Mi: [ (Mâssa, * VEE) + (Erergia' * vetr) + (Trabâlho, * Emergiâ Mj / yr: Emergia M, / Vida de Serviço M; (sej/ano) Emergiâ E/ âno =temergiâ M/ âno (sej/ano) -5: Emergra da REM Emergia Total E = ( Emergia E / ano * Tempo de Vidâ E ) (sej) REMi = ( Emergiâ MS, / Vidâ de Serviço Mr ) (sej/ano) PDEE : (,f REM, * Tempo de Vidâ E / EmeÌgia Total E ) Matedal; E: Edificio; Valor de EÌìeÍgia Específica por unidade (e.g- sej/g, i1616, -ú,: sey'$); MateriaÌ Substituido pelo Mâtedâl inicìal recuperado (i); E: Edificio; REMi: Recuperação Efectiva do tt); i Potencial de Desconstíução Efectivo do Edificio. c.{ção Do MODELO idade Funcional e metodologia ide.modo a aferir o comportamento do modelo proposto, foi considerada uma Unidade féuncionaì correspondente a I m2 de uma parede interior, com índice de isolamento sonoro de a de 43 db, para um tempo de vida de serviço de 50 anos. Assim, foíam considerados três tipos de paredes intedorcs de uso coíenle:?aíede A: aìvenaria de tijolo cerâmico vaz adocom 0,11 m de largura, revestida em ambas as faces com 0,02 m de reboco de argamassa de cimento e arcia com acabamento estanììado a gesso e pintado (ver Fìgura 2a); Parede B: placas de gesso cartonado com espessura de 0,015m, com acabamento pintado, aplicadas sobre estrutuía metálica em aço saìvanizado. corn inclusão de lã de rocha com densidade de 40 kg/m3 (ver Figura 2b); Parcde C: contaplacado de madeira envemizado, com espessura de 0,015 m, aplicado sobre.esfutura dupla de barìotes de pinho com a secção de 0,07 x 0,07 m, com inclusão de 1ã e rocha súld 3: :-,-=- i.} i. ;;;;;;; ;;;";. Ë Figura 2b: Parede B 961

17 O índice de isolameüto sonoro estimado para cada um dos tipos de parede iòi de 44 Parede A (Mendonça, db 2005), de 43 db para a parede B (Iberptaco, ZOb+y e oe 0,42 db neste estudo para esti a Parede C. ao longo da :::,í":ï"::i^9.^, lï::.,u::..":riais vida de sewiço das paredes. considerada apenas a vida útil estimada para diferenies materiars. para ' os cada mar" considendo._nal o melhor cenário possível para o fim do seu ciclo de vida, dentro das limirq- :ï:i:ï:j,,:ïi""":ï1:,jïtj"":^"1" os rnateriais -1.lltj:T.com. adj;;";;; 'È";;",ne T::,9i, t"rljlü:tã" das nlac.alje gesso carronado foi apenas considerado um,;;;ëï material. aplicado recuperável (Thormark, 1997). As retações entre os diferenres materiais,11"" rc,t^"j:i:y\"'^1"fï* lï j: Ìisações: lisação aberta (LA), tigaçao fechada ligaç_ão (SL). As ligações do tipo 1iF)"e LA referem-seã cone*0", -ì.aíi"ui, Loq,Ji; ì; tipo LF, se referem a conexões adesilas. Cálculo do índice PDEE De acordo com a metodologia proposta, foi efectuada a anáìiseemergética para cada paredes uma de acordo com os procedimentos estabel cidos por Odum(I996)(ver Tabelas 2,3 e 4.i Após a determinação dos yalores de Emergia para cada material e para cada tipo procedeu-se de p à apìicação das rcstantes equações que compõem o modëlo, d" modo a detel numa primeira fase os fluxos de Emergia ao longo da viãa de sewiço dos el mentos em e, posteriormente, o índice de pdee respectivo. para cada pareãe foi determinada a rccuperáveì de cada material, em função das característiôas das ligações aos mz adjacentes, e definido o melhor cenário de fim de ciclo de vida para cadalso, i.e. reutili recicìâgem (incìuindo combustão pam aproveitamento energético.) e deposlção em ate.ìo. obtenção do valor de Emergia recuperli.vej para cada materiãl foi Oefiniiã, em lünção das caracte.istrcas, _o material que este poderia substituir no contexto do cenrírio de fim de ciclo vida considerado (ver Tabelas 5 a 8 Tabela 2: Análise Emergética da parede A

18 Tabela 3 : Anrílise Emereética da Parede B E*r*i c om eeíb em aço tãt;; ' --ì;rãõl;;ô; 1,63E+03 Ér.Ìgiã1mzFàrrd.l- 2 60E+0,1 Tâbela 4: AÌrálise Emergéüca da parede C reêt!tua àn teftb. 1 Ësíu(râ madére dê pi;ë dë ned.ie dê 1,77E+& s 2,26 $ 1,47 J a I s,92e+12 : $ e isë*tz G 2,ô1E+13 2,01E+13 1,66É EF 3,03E+03s 0,s0 $ $ t'-;úã-c e 3aE+12 A '; a.s2é+12 : :'::.:: ;:.:,';;-'; a a64e+12 Equação 1: ÉFíg á ú 2'1oEr13 es rene í,3 ll :#Ë;;; ;Ëì; Éq,oçao r, e,,,ergl? ú 6glE+13 g 0,44 $ Í1,4 3,11E+og ^ 4 g9yl12 é_ e à;w*tz G l: Ersgr,â ú 1,AE+12 2,âE+13 3,$Êr12 2,78Ert3 Em lla P.Fd. c po.geì;fi;fi 3,93E{4 g 46'aË+!9 963

19 Tabela 5: A das equaées 2,3 e 4 EmeÌgy E+13sej Eq.3 Ê+13 Eq,4 E+13 sej 3, Tabela 6: Determinâ do índice PDEE da Parede A CenáÍlos de Íim do ciclo de vida Eq.5: REÍú M1 { MSl,^r'ida útil Mí) E+13 sej/a.o),5: REM M2 (Emêrgiâ MS2/Vida útil M2) E+t3 Eq.5: REM M3 'a M53/Vida ú1il M3) E+13 sèj/ano RErúToiarE+13 sej/ano Èq. 6: PDEE 5'50 anos de Vida de sewìço/ Emêrgiâ Pãrede) Tabela 7: Determin o do índice PDEE da Parede B CenáÍlos de Íim dô ciclo dê vida 5: REM Ml (Emergia MSl /Vidâ útil M1) E+13 sej/ano Eq, 5: REil M2 Íú52/Vidâ úíl M2) E+13 sej/ano Eq.5j REM M3 (Emersia Ms3/Vrdâ útilm3) E+13 sej/âno 5: REM M4(Em rgiâ MS4/Vjda úlil M4Ì E+13 REMTôra E+13 sej/àno Eq.6: PDÊE (Equação 5'50 anos dëvida dê s Tabela 8: Determin do indice PDEE da Parede C os de lim do ciclodôvida Eq.5: REM Mi (Emergia MSI Mda útiltvll) E+13 Eq.5: REil M2 (Em MS2,Mda útir M2) E+'13 sêlano sfem M3 (Emersiã MS3/Vtdâ útitm3)e+í3 sel/ano Eq.5: REM Iu4(Emergia M53/Vida útit Íú3) E+13 sêj/ãno REIúTo1ãlE+13 sej/âno Eq.6: PDEE (E 5r 50 anos devida de sêrviço /Emerqia Pa A aplicação do modelo aos três tipos de parede (ver tabelas l, 2 e 3) apresentou res distintos, obtçndo-se um índice de PDEE de 0,17 para a Parede A, de 0,38 para a parede 0,09 para a Parede Ç. Apesar da Parede C seì d sconstrutível, o facto de ser composta rccwso renovável influencia o valor de Emergia '?ecuperada". A parede A, apesar de 964

20 permite que a reciclagem dos resíduos con"esponda à substituição de recursos veis e, como tal, com valores de Emergia Específica por Unidade mais elevados. A e B, com o valor de Emergia inicial mais elevado (15iE+l3 sej), revela-se como a melhor to na recuperação efectiva dos materiais constituintes p las possibiìidades de, de reutiüzação dc parte dos materiais e na substituição de tecursos nào is em processos de rcciclagem (e.g. aço, gesso) NCLUSOES r rcsultados obtidos permitem verificar a possibilidade do índice de PDEE integrar os èrcntes aspectos que influenciam o processo de desconstíução e d valoização dos materiais como sejam a utilização de materiais compósitos, de ligações adesivas e a uia dos eìementos, Os resultados obtidos permitem concluir da necessidade de valorizar a ão dos materiais com valores elevados de Emergia por unidade (e g. gesso cartonado), contraste com os materiais pìovenientes de recursos renováveis e com baixos índices de iforuação (e.g. madeüa), de acordo com o enunciado por Brown e Buranúam (2003) A ração do modelo à totalidad de um ediíïcio permitirá avaliar o seu comportamento em ão da obsolescência dos materiais, factor que deteminaní com maior precisão os fluxos de iais e componente ao longo do seu ciclo de vida. FERENCIAS PARA AS TABELAS A fmanso et al., 1991), B (Bjoftlund et al, 2001), C (Odum, 1996), D (Brom e McClanúan, 11996), E (CampbelÌ et a1., 2005), F (Castellini et al., 2006), G (Center for Environmental Policy Univemity of Floricla), H (Brown e tjlglati, 2002), I (Buranakam, 1998), J (Este estudo), K (Ibeplaco, 2004); L (Divimiúo, Lda.), M (Robbialac), N (Macozoma, 2001).. NNNNNÊNCTIS BIBLIOGRÁFICAS Bjo*und, J., Geber, U., Rydberg, T. (2001). Emergy analyses of municipal wastewater h;aünent and generation of electricity by digestion of sewage sludge. Resoulces, Conservation and RecycÌing 3I: Brcwn, M.T., Buranakam, V. (2003). Emergy indices and Ìatiosfor sustainable material cycles and recycle options. Resouces, Conservation and Recycling 38: Brown, M.T., McClanúan, T.R. (1996). Emergy analysis of Thailand and Mekong River dam proposals. Fcological Modeìling 0l : 105-ll0. Brown, M.T., Ulgiati, S Emergy evaluations and envfuonmental loading of electricity :: production systems. Joumal ofcleaner Production l Buranakarn, V. (1998). Evaluation of Recycling and Reuse of Building Materials Using úe Emergy Analysis Method. Ph.D. Dissertation. Gainesville: Gnduate School ofthe University of Florida. Campbell, D.E., BÉndt-Williams, S.L., Mçisch, M.E.A. (2005). Environmental Accounting Using Emergy: Evaluation of the State of West Virginia. Nanagans tt: U. S. EnviÌonmental Protection AsenÇY. 965

21 Castellini, C., Bastianoni, S., Grarai, C., Dal Bosco, A., Bruetti, M. (2006): poultry production using úe emergy approach: comparison of conveational and organic - systems. Agliculture, Ecosystems aud Environment I 14: Iberplaco (2004): Manual de Iberplaco Soluções Construtivas. Macozoma, D. (2001): Building Deconstruction. Rotterdam: CIB. Manso, A.C., Fouseca, M.S-, Espad4 J.C. (1997). Informação Sob(e Rendimentos. Lisboa: Laboratório Nacional de EnseÍharia Ciü Mendonç4 P. (2005). Habitar Sob Uma Seguuda Pele - Estlatégias paìa a R dução do Ambiental de Constluções Solares Passivas em Climas Temperados. Tese de d Guima.rães: Universidadç do Millho. Odum, H.T. (1996). Environmental Açcounting - Emergy and environmental decision New York: John Wiley & Sons. Thormark, C. (1997)- Potential Energy Lund Institute of Technology. Savings in Buildings Designed for Recycling. 966

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Universidade Lusófona

Universidade Lusófona Universidade Lusófona Licenciatura (1º Ciclo) em Ciências da Engenharia - Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director: Prof. Doutor José d'assunção Teixeira Trigo Objectivos: Formação

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Alterações Climáticas e Energia Três pontos de vista: Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Impactos ambientais dos sistemas de produção de Energia de origem

Leia mais

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA 1º PERÍODO TEMAS / CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS O ALUNO DEVERÁ SER CAPAZ DE: BLOCOS (90 min) ALGUMAS SUGESTÕES DE EXPERIÊNCIAS

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Congresso LiderA 2010 - Produtos com conteúdo reciclado e sua aplicabilidade na construção - Prof. Jorge de Brito

Congresso LiderA 2010 - Produtos com conteúdo reciclado e sua aplicabilidade na construção - Prof. Jorge de Brito PRODUTOS COM CONTEÚDO RECICLADO E SUA APLICABILIDADE NA CONSTRUÇÃO Jorge de Brito (IST) 1/24 Estrutura da apresentação Objectivo: Apresentação de produtos com conteúdo reciclado e de exemplos práticos

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 13 de Dezembro 2011 Sabóia Estoril Hotel Adquira os conhecimentos fundamentais para uma construção mais sustentável Este curso permite a obtenção de

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada O QUE SÃO ÁGUAS RESIDUAIS? São águas que resultam de diversos usos ou atividades ligadas à vida humana:

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal Francisco Goes Aveiro, 20 de Março de 2014 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Índice 1. A CELPA 2. O eucaliptal nacional 3.

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

TABELA DE PREÇOS ( valores sujeito a alterações )

TABELA DE PREÇOS ( valores sujeito a alterações ) Solicite os livros por e-mail : viviane@tratamentodeagua.com.br ou pelo telefone: 11-55818170 ITEM LIVROS VALOR 1 A BOTANICA NO ENSINO BASICO R$ 73,80 2 A COBRANÇA PELO USO DA AGUA R$ 30,00 3 A COBRANÇA

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015 Domínio: Terra em transformação Subdomínio: Dinâmica externa da Terra ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Identificar os minerais constituintes de rochas, considerando as suas propriedades físicas

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco QUALIDADE ECOLÓGICA Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco DETERMINAÇÃO DO ESTADO DE QUALIDADE ECOLÓGICA Parâmetros biológicos Indicadores

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Administrador da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. Uma parceria EDP / ALTRI

Administrador da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. Uma parceria EDP / ALTRI Avaliação de Impactes e Energia Geração de Energia Eléctrica a partir de Biomassa A experiência pioneira da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. na Central Termoeléctrica a Biomassa Florestal Residual de Mortágua

Leia mais

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Estratégia para um Desenvolvimento Sustentável para a Cidade de Águeda Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Águeda, 27/04/2011 V.M. Ferreira O projecto: Este projecto visou reflectir

Leia mais

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas Luís Costa Leal Director-Geral CELPA, Associação da Indústria Papeleira CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Nesta

Leia mais

Explora. Materiais: recuperação para efeitos energéticos

Explora. Materiais: recuperação para efeitos energéticos 1 Ciências Físico-Químicas 7.º ANO Explora Duarte Nuno Januário Eliana do Carmo Correia Ângelo Filipe de Castro Materiais: recuperação para efeitos energéticos Público-alvo Alunos de Ciências Físico-Químicas

Leia mais

OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento

OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento A GESTÃO DE RESÍDUOS EM ZONAS INSULARES: UM DESAFIO PARA OS AÇORES OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento Paulo Santos Monteiro (Prof. Auxiliar da FEUP) 1.700 km 270

Leia mais

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente 2008 1 A Região Autónoma da Madeira Área 42,5 km 2 População residente

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 10 de julho de 2014 Uma Visão: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 ÍNDICE SOLUÇÕES EM ARGAMASSAS PARA A REABILITAÇÃO ENERGÉTICA Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto André Correia

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Cristina Carreiras Pedro Baptista APA, 25-06-2015 LIFE 2014-2020 Áreas Prioritárias Subprograma Ambiente Ambiente

Leia mais

MAIS JANELAS EFICIENTES

MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA nos edifícios portugueses TEKTÓNICA 2014 Lisboa 06 de Maio de 2014 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico M. Manuela Salta Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Prof. do Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política de biocombustíveis

A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política de biocombustíveis Seminário Internacional sobre Politicas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa 20 de Junho de 2011 FLAD Lisboa Portugal A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Identificação dos factores ambientais verdadeiramente significativos Descrição do projecto Prolongamento da Linha Vermelha

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO. Universidade de Aveiro

Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO. Universidade de Aveiro Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO O relatório foi elaborado pela equipa da UA Celeste Coelho (coordenação) Fátima Alves Filomena Martins Teresa Fidélis Sandra Valente Cristina Ribeiro

Leia mais

NÚMERO: 1. TÍTULO: Os resíduos perigosos domésticos, industriais e os resíduos hospitalares.

NÚMERO: 1. TÍTULO: Os resíduos perigosos domésticos, industriais e os resíduos hospitalares. NÚMERO: 1 TÍTULO: Os resíduos perigosos domésticos, industriais e os resíduos hospitalares. IDEIAS CHAVE: Resíduos corrosivos, tóxicos, inflamáveis, nocivos. Nesta colecção de transparências, pretendem-se

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

ECOprodutos para a construção de edifícios. Exemplos de aplicação. ALINE DELGADO, Arquitecta

ECOprodutos para a construção de edifícios. Exemplos de aplicação. ALINE DELGADO, Arquitecta ECOprodutos para a construção de edifícios. Exemplos de aplicação. ALINE DELGADO, Arquitecta O QUE É O PORTAL DA CONSTRUÇÃO SUSTENTAVEL (PCS)? O HOMEM NO SECULO 21 É UM SER URBANO 1900 13% da população

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 Avaliação de Desempenho Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 A série de normas NBR ISO 14000 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DESEMPENHO AMBIENTAL 14001:2004 e 14004:2005 14031:2004 (Versão corrigida

Leia mais

CVR Centro para a Valorização de Resíduos

CVR Centro para a Valorização de Resíduos Bioenergia Portugal 2015 Portalegre, 28/05/2015 Centro para a Valorização de Resíduos 2015 Guimarães CVR Centro para a Valorização de Resíduos O CVR - Centro para a Valorização de Resíduos é uma associação

Leia mais

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL SOLUÇÕES EFICIENTES HOJE, A NOSSA RIQUEZA DE AMANHÃ www.construcaosustentavel.pt ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA Apoio: AS CIDADES SÃO O NOSSO DESAFIO 50% da população

Leia mais

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Workshop Ciclo de Vida dos Edifícios 31 de janeiro de 2012 ENQUADRAMENTO A nível mundial, há uma

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo.

Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo. As Dinâmicas Regionais e os seus atores Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo. I.P.L. 26.10.2011 Praia do Osso da Baleia Trilhos de Interpretação da Natureza - Projecto Ecomatur I - Trilho

Leia mais

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? O uso de biomassa florestal

Leia mais

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional:

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional: MODELO A Modelo a preencher pelos embaladores regionais e/ou responsáveis pela colocação de produtos no mercado regional (nº 1 do Artigo 3º da Portaria nº 4/2002, de 31 de Janeiro) Dados estatísticos relativos

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais

4, 5 e 6/Novembro/2010 Curia Palace, Hotel Spa & Golf Curia, Tamengos, Portugal

4, 5 e 6/Novembro/2010 Curia Palace, Hotel Spa & Golf Curia, Tamengos, Portugal 4, 5 e 6/Novembro/2010 Curia Palace, Hotel Spa & Golf Curia, Tamengos, Portugal Objectivo: O Congresso de Inovação na Construção Sustentável (CINCOS 10), é um evento organizado pela Plataforma para a Construção

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso Energético da Biomassa Florestal. Comemoração do Dia Internacional das Florestas 20 de Março de 2014

A Sustentabilidade do Uso Energético da Biomassa Florestal. Comemoração do Dia Internacional das Florestas 20 de Março de 2014 A Sustentabilidade do Uso Energético da Biomassa Florestal Comemoração do Dia Internacional das Florestas 20 de Março de 2014 Conversão Termoquímica de Biomassa para Energia Luís António da Cruz Tarelho

Leia mais

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável.

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. 1.0 Impacto da Construção: 1.1 Ambiental 1.2 Social 1.3 Económico Procura do Equilíbrio nestes três factores Desenvolvimento de soluções sustentáveis

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR)

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Em consulta pública O Projecto de Plano Nacional de Gestão de Resíduos (PNGR 2011-2020), bem como o Relatório Ambiental e o Resumo Não Técnico da Avaliação

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D )

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D ) SESSÃO TÉCNICA GESTÃO DE RESIDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Fundamentoda Sessão; - Esta iniciativa partiu no âmbito do processo de RVCC Profissional onde o tema foi abordado por uma empresa parceira

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE AMBIENTE PROPOSTA DO PLANO ELABORADO POR CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR

PLANO MUNICIPAL DE AMBIENTE PROPOSTA DO PLANO ELABORADO POR CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR PLANO MUNICIPAL DE AMBIENTE PROPOSTA DO PLANO ELABORADO POR CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR FICHA TÉCNICA Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar Eng.º Duarte Marques Eng.ª Cristina Vieira Divisão

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA Selma Maria

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Valorização Agrícola de Resíduos Orgânicos e Emissões de Gases com Efeito de Estufa

Valorização Agrícola de Resíduos Orgânicos e Emissões de Gases com Efeito de Estufa 45 Valorização Agrícola de Resíduos Orgânicos e Emissões de Gases com Efeito de Estufa João Paulo Carneiro Escola Superior Agrária, Quinta da Sra. de Mércules, 6001-909 Castelo Branco, Portugal CERNAS

Leia mais

Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo

Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo Acordo Climático de Copenhaga o que esperar para o sector florestal Paulo Canaveira Seminário CAP, 12 de Novembro de 2009 Agenda 3 Floresta Como Sumidouro de Carbono Floresta Como Emissor de Gases com

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO SIMBIENTE Engenharia e Gestão Ambiental Apresentação Institucional O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO Edição: Janeiro 2012 O Mundo é um sistema complexo. Sistemas naturais. Sistemas socioeconómicos. Desafio

Leia mais

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE ÁGUA, DIREITO DE TODAS AS PESSOAS Recursos hídricos recursos naturais essenciais bens de valor econômico limitado viabiliza

Leia mais

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa M. Fátima Reis Unidade de Saúde Ambiental 1 ESTRUTURA 1. Enquadramento 2. Vigilância Epidemiológica Fundamentação Componentes

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

O que são resíduos? Os resíduos são substâncias ou objectos de que o Homem se desfaz ou tem intenção ou obrigação de o fazer.

O que são resíduos? Os resíduos são substâncias ou objectos de que o Homem se desfaz ou tem intenção ou obrigação de o fazer. Co-incineração O que são resíduos? Os resíduos são substâncias ou objectos de que o Homem se desfaz ou tem intenção ou obrigação de o fazer. Quando os resíduos não são tratados, perturbam todos os ecossistemas

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Joana Coelho, nº12, 9ºB Lisandra Maia, nº14, 9ºB

Joana Coelho, nº12, 9ºB Lisandra Maia, nº14, 9ºB Joana Coelho, nº12, 9ºB Lisandra Maia, nº14, 9ºB Índice Índice Introdução... 3 Os diferentes tipos de poluição... 4 A poluição... 5 Nas águas... 5 No ar... 6 Sonora... 6 Visual... 7 Do solo... 7 Algumas

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Cristina Taliscas Novembro 2011 Poluentes atmosféricos e seus efeitos Legislação da qualidade do ar ambiente

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA apoie esta campanha em www.ppl.com.pt A Pombal do Coto Fernando Romão A Faia Brava é a primeira área protegida privada do país, no coração do vale do Côa, no Nordeste

Leia mais

SUSTENTABILIDADE URBANA

SUSTENTABILIDADE URBANA 1ª FEIRA IBÉRICA SUSTENTABILIDADE URBANA ENERGIA, SUSTENTABILIDADE, CIDADANIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 8 de Junho de 2011 ENERGIA e SUSTENTABILIDADE Utilização Racional de Energia

Leia mais

Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia

Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia Rosa Novais Belo Horizonte, março 2013 Gestão de Resíduos na Europa O setor de gestão e reciclagem de resíduos na União Europeia

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas ESCOLA CURSO GRAU ESPECIALIDADE NORMAS REGISTO OBS. ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E G ÁGUEDA Engenharia Electromecânica B Mecânica a) do n.º 2 Universidade de Aveiro Engenharia Electrotécnica B ESP a)

Leia mais