UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ ALEX SANDRO JOSE DE SOUZA A MÚSICA NO DIREITO AUTORAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ ALEX SANDRO JOSE DE SOUZA A MÚSICA NO DIREITO AUTORAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ ALEX SANDRO JOSE DE SOUZA A MÚSICA NO DIREITO AUTORAL CURITIBA 2014

2 A MÚSICA NO DIREITO AUTORAL CURITIBA 2014

3 ALEX SANDRO JOSÉ DE SOUZA A MÚSICA NO DIREITO AUTORAL Monografia apresentada ao Curso de Direito da Universidade Tuiuti do Paraná, com o intuito da obtenção do Título de Bacharel em Direito. Orientador: Prof. Dr. Sérgio Said Staut Junior. CURITIBA 2014

4 TERMO DE APROVAÇÃO ALEX SANDRO JOSÉ DE SOUZA A MÚSICA NO DIREITO AUTORAL Esta monografia foi julgada e aprovada parta a obtenção do grau de Bacharel em Direito no curso da Faculdade de Ciências Jurídicas do Curso de Direito da Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba de de Curso de Direito Universidade Tuiuti do Paraná. Orientador: Prof. Dr. Sérgio Said Staut Júnior Prof. Prof.

5 AGRADECIMENTOS A Deus em primeiro lugar, que nos da força, esperança, saúde e sabedoria para trilharmos o melhor caminho em nossas vidas. A minha mãe Dona Lucia pessoa que tenho como referência de vida, que mesmo nas adversidades esteve ao meu lado e de meu irmão, mostrando lealdade à família, e acima de tudo um exemplo de batalha e honestidade. A minha namorada Dra. Giovanna Sartório, minha sempre incentivadora, comigo todas as horas, e que acompanhou de perto todo meu desenvolvimento enquanto acadêmico de direito, e eu podia notar nos seus olhos, nos seus carinhos e no seu sorriso o orgulho que sentia dessa minha trajetória. Aos amigos e colegas que ganhei nesse período de faculdade. E por fim aos professores, que passaram seus conhecimentos, seu apoio, e que com certeza contribuem e muito para formar não apenas Bacharéis, mais sim melhores cidadãos.

6 RESUMO Este trabalho trata do Direito Autoral na música num aspecto histórico, conceitual, como também numa perspectiva Constitucional, de modo a observar sua evolução, como a criação da lei 9610/98, e como o Direito do Autor pode ser violado. Também abordara de que forma se deu a criação da gestão coletiva, como é feita a arrecadação e a distribuição unificada feita pelo ECAD (Escritório Central de arrecadação e Distribuição). E por fim o que muda em relação a gestão coletiva com o advento da Lei /13. Palavras-chave: Direito Autoral. Música. Plágio. Gestão Coletiva.

7 Sumário INTRODUÇÃO... 8 I ASPECTOS GERAIS DOS DIREITOS AUTORAIS CONCEITO BREVE HISTÓRICO DIREITO AUTORAL NO BRASIL A EVOLUÇÃO DO DIREITO DO AUTOR NUM VIÉS CONSTITUCIONAL DO DOMÍNÍO PÚBLICO DOMÍNIO PÚBLICO REMUNERADO DA DUALIDADE DOS DIREITOS AUTORAIS II DO DIREITO MUSICAL DAS OBRAS MUSICAIS VIOLAÇÃO DO DIREITO AUTORAL NAS OBRAS MUSICAIS Contrafação Plágio DA GESTÃO COLETIVA DE DIREITOS AUTORAIS ECAD - Escritório Central de Arrecadação e Distribuição Gestão Coletiva - Lei / CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 39

8 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende discutir a delicada questão dos direitos autorais, no campo da musica, na esteira das transformações nas práticas de circulação e consumo, bem como a necessidade de uma legislação mais abrangente que acompanhe essa mudança principalmente no que tange ao titular originário, o autor. O primeiro capítulo abordará o conceito de direito autoral, na forma legal e doutrinária, no tocante à sua evolução, e também como foi protegido ao decorrer da história por nossas constituições. Para a legislação brasileira, o criador de toda obra intelectual deve ser recompensado pelo uso dessa produção. Ainda no primeiro capitulo, uma breve analise direito do autor, nesse ínterim entra a figura do domínio publico, e ainda a característica presente da dualidade dos direitos autorais sendo eles morais e patrimoniais. As obras estão protegidas desde o momento da criação e, por isso, seu criador não é obrigado a registra-la, embora isso seja possível. Os direitos autorais são importantes para todas as etapas da cultura, justamente por significarem uma economia gigantesca em circulação: criação, produção, distribuição, consumo e aproveitamento dos bens culturais. O segundo capitulo trata do direito autoral na musica, de como este direito pode ser violado, passando, ainda que sucintamente, mencionar alguns tipos de violação deste direito, como por exemplo o plágio e a contrafação. Na tratativa da parte musical em direito autoral, ganha destaque a figura do compositor, o titular originário da matéria, que por sua vez, não havendo a possibilidade de gerir economicamente seus direitos por uma questão da dimensão que pode atingir, fez necessária a criação de órgãos como o ECAD Escritório Central de Arrecadação de Direitos, com atuação direta em casas noturnas, eventos populares, meios de comunicação (rádio e televisão) e demais locais de exibição musical, desta forma unificando a gestão coletiva dos Direitos Autorais. Os arquivos do ECAD - Escritório Central de Arrecadação, são alimentados pelos compositores, ligados a diversas instituições de cadastros de letra e música, como exemplo a ABRAMUS Associação Brasileira de Música. 8

9 Atualmente, o cenário musical aponta dificuldades de adaptação às novas regras. Paralelamente a isso, a evolução tecnológica e o acesso a musica tornou-se muito mais prático e democrático, ao passo que, a Internet é a ferramenta mais usada para adquirir, ou ouvir qualquer tipo de música. Neste sentido, tal democratização de acesso às obras de propriedade intelectual é vista de forma negativa para arrecadação e distribuição dos direitos autorais aos compositores. Recentemente entra em vigor a nova lei n /13, que trata da gestão coletiva, e com isso uma gama de discussões a respeito da sua Constitucionalidade, d um lado as associações do outro o Ministério da Cultura e os interessados na sociedade. A visível crise da indústria fonográfica traduz de certa forma o cenário atual que vive a arrecadação dos direitos autorais, observada a emergência de se criar novas regras para tutelar esses direitos, a nova lei veio com um intuito de buscar a transparência dos atos da gestão coletiva para equilibrar a relação com os autores. 9

10 I ASPECTOS GERAIS DOS DIREITOS AUTORAIS 1.1 CONCEITO O direito autoral faz parte dos Direitos da Propriedade Intelectual e está regulamentado, no Brasil, pela Lei 9.610/98, recentemente editada pela Lei 12853/13. Não há definição expressa em lei no tocante ao conceito de Direito Autoral ao passo que Otávio Afonso conceitua como: O direito que o criador de obra intelectual tem de gozar dos produtos resultantes da reprodução, ou da representação de suas criações e outros como o conjunto de normas que estabelecem os direitos e deveres sobre as obras do espírito correspondentes a quem tenham criado ou sejam seus titulares, independentemente dos direitos e deveres de outras pessoas ou entidades (2009, p. 10). Direito Autoral, é, por assim dizer, um conjunto de prerrogativas que visa a proteção dos direitos do autor, daqueles ligados a ele, de forma a resguardar seus direitos patrimoniais e morais. Neste mesmo sentido entende Antônio Chaves, conforme abaixo transcrito: As diretrizes doutrinárias podem ser desdobradas nos seguintes tópicos: o direito de autor é um direito de coletividade; é um direito real de propriedade; é uma emanação do direito de personalidade; é um direito especial de propriedade, tendo por objeto um valor imaterial; é um direito sui generis, que sob essa perspectiva, abarca diversos elementos do direito público e privado; é um direito de clientela; é um direito dúplice de caráter real pessoal-patrimonial, essa teoria está atrelada ao fato do direito do autor ser composto por direito moral e direito patrimonial. (1987, p.13) Ainda, o doutrinador Carlos Alberto Bittar cita que o Direito Autoral "é o ramo do Direito Privado que regula as relações jurídicas advindas da criação e utilização econômica de obras intelectuais estéticas e compreendidas na literatura, nas artes e na ciência". (BITTAR, 2003, p.08) 10

11 1.2 BREVE HISTÓRICO O conhecimento sobre a origem do Direito Autoral é indispensável para entendermos sua evolução, que remota aos homens da caverna. Em estudo publicado nos Anais do VI Congresso de Direito Autoral e Interesse Público, constam comentários sobre o surgimento do tema: A origem remota do direito autoral pode ser atribuída à época em que os seres humanos desenhavam nas paredes das cavernas situações do seu cotidiano, em que a ideia advinda do seu intelecto era materializada e reproduzida em uma base concreta. (BRAUN e PELLEGRINI, 2013, p.114) De acordo com Eduardo Pimenta, os jurisconsultos romanos, pais da ciência jurídica, não reconheciam a possibilidade de um autor reclamar a propriedade dos produtos de sua inteligência. (PIMENTA, 1994, p. 18 e 19) A primeira contraprestação pecuniária conhecida como pagamento de uma criação intelectual foi para o poeta Gringoire que por encomenda escreveu uma obra sobre a vida de Monseigneur Sait-loys de France para a Confraria dos Carpinteiros de Paris. (SANTIAGO in PIMENTA, 1994, p.13) Já a primeira legislação sobre o tema que se tem notícia é do século XVIII no ano de 1710 na Inglaterra, em que a Rainha Ana, promulgou o Act Anne 8 c 19 que se transformou no Copyright Act, no qual tratou o direito de cópia como mecanismo efetivo de proteção à criação intelectual e mais tarde, juntamente ao Parlamento Inglês complementou o Estatuto, encorajando os autores a criação de novas obras, diante do incentivo a cultura e da possibilidade de colherem os frutos advindos de suas criações por um período de 14 anos. O doutrinador Guilherme Carboni discorre sobre o tema, citando a lei foi sancionada para "encorajar a ciência e garantir a propriedade dos livros àqueles que são seus legítimos proprietários e para encorajar os homens instruídos a compor e 11

12 escrever obras úteis, através do reconhecimento de um direito exclusivo de reprodução de obras por eles criadas. (CARBONI, 2003, p.39) Anteriormente a criação desta medida, os lucros das obras publicadas eram fundamentalmente dos editores e a regulamentação reconheceu os direitos dos autores. No mesmo Século, nos Estados Unidos, com influências no Estatuto da Rainha Ana da Inglaterra, criou-se o Copyright Act americano, mas como uma ideia diversa aquela original pois nasceu como os princípios da Revolução Francesa - Liberdade, Igualdade e Fraternidade - sendo agora, o autor titular pleno dos direitos autorais. Com a visível propagação das obras intelectuais, inclusive no âmbito internacional, tornava-se mister estabelecer tratados que norteassem as regulamentações dos direitos autorais nas nações signatárias, a fim de, forma isonômica, proporcionar ao autor estrangeiro as mesmas garantias de proteção concedidas pelas legislações nacionais aos autores dos próprios países, estabelecendo a reciprocidade no tratamento jurídico da autoria. Surge então, como grande marco internacional do direito autoral, a Convenção de Berna, descrita por Menezes, da seguinte forma: Em 1886, a realização da Convenção de Berrna, na Suiça, seria o grande marco internacional do Direito de Autor. Diversas nações estabeleciam ali diretrizes de aplicação das normas autorais em seus ordenamentos jurídicos, comprometendo-se a refletir, em suas legislações nacionais, as garantias de proteção aos autores naquele momento pactuadas. (MENEZES, 2007,p.24). Enquanto o velho continente, assim como a América do Norte tratava do tema Direito Autoral com grande veemência, gerando inúmeras legislações, e posteriormente Convenções, no Brasil, mesmo após a declaração da independência, manteve-se o mesmo sistema de privilégios a editoras, que só seria extinto com a Proclamação da República. 12

13 Desmistificando o método tradicional de se contar a História do Direito e especialmente o Direito Autoral, Sérgio Said Staut Júnior, aborda que o discurso tradicional dos direitos autorais faz com que o Direito seja algo apartado da realidade: Por essa vertente da História do direito, o discurso tradicional dos direitos autorais reforça a ideai de que toda a regulação social das ideias em sociedade é realizada apenas pelo discurso jurídico estatal. (...) Por exemplo, não se reconhece nenhum pluralismo de direitos autorais. O historicismo em matéria de uma lei num determinado período histórico, a sua eficácia social, a contextualização das lições dos grandes doutores num dado ambiente, a existência de outras ordens não jurídicas de regulação numa determinada sociedade etc. (STAUT JÚNIOR p. 111 e 112) Anteriormente a primeira legislação sobre o tema, no século XVIII, o regime Francês decidia quais livros poderiam ser impressos em um controle da!burocracia real". O controle também era exercido sobre os autores, editores, livreiros e leitores. Com afinco, o controle e a punição realmente existira, mesmo entre 1659 até a Revolução Francesa, quando aproximadamente mil infratores foram enviados À Bastilha em virtude de crimes relativos ao ramo editoria. (ROCHE in STAUT p. 117) A regulamentação, portanto, dos direitos autorais, foi fruto da luta dos autores por seus direitos e para Chartier, "é este caminho tortuoso que leva a invenção do direito do autor" (CHARTIER in STAUT. 2006, p. 112) Neste sentido, preciosas são as palavras de Staut que destaca que "apesar do discurso tradicional dos direitos autorais sustentar a legitimidade do novo sistema na luta dos autores por seus direitos, parece que a modificarão no sistema jurídico de regulação da atividade autoral se deu muito mais pela adequação ao novo modo de produção, em que os detentores do capital (os editores) e não os detentores da criatividade (os autores) ocuparam o centro da vida política, jurídica e econômica da França pós-revolucionária". (STAUT. 2006, 122 e 123) 13

14 1.3. DIREITO AUTORAL NO BRASIL A história brasileira registra que durante todo o período colonial, Portugal enquanto colonizadora proibia qualquer manifestação cultural trazida da colônia, justificando o desinteresse pelo assunto nesse período. Mesmo após a independência do Brasil, o regime imperial de D. Pedro II baseava-se na exclusividade de exploração econômica das obras autorais no antigo sistema de privilégios. Assevera a doutrinadora Elisângela Dia Menezes que: Só tinham, portanto, direito sobre as obras, os editores e impressores, mesmo assim mediante outorga política de prerrogativas. Assim sendo, a Constituição do Império de 1824, enquanto a primeira Constituição brasileira, só protegia os direitos do inventor sobre a Propriedade Industrial, não trazendo qualquer referência ao Direito do Autor". (MENEZES, 2007, p.25) Foi com a criação dos primeiros cursos jurídicos em São Paulo-SP e Olinda- PE, é que houve a primeira manifestação de proteção aos direitos autorais no Brasil 11 de agosto de onde eram assegurados aos professores, os direitos sobre suas obras. No compêndio formado pelos legisladores, restou definido aos professores das faculdades de Direito, o privilégio de gozar dos direitos de suas obras pelo prazo de 10 (dez) anos Porém, somente os professores das faculdades de direito de Olinda e de São Paulo usar do direito sobre a reprodução da obra por dez anos. Os demais autores brasileiros não tinham este direito, configurando um verdadeiro privilégio, este concedido por outorga política. Constam ainda registros, que em 1830, no Código Criminal do Império, normas estabelecendo penas para aqueles que utilizassem obra de autor ainda vivo, ou antes de dez anos após sua morte, se o autor tivesse deixado herdeiro. Ainda na esfera Criminal, em 1890, o Código Penal da República tratou especificamente dos Direitos Autorais e das punições dos crimes de contrafação e plágio. 14

15 Somente na Constituição de 1891 é que o direito autoral foi tratado de forma mais específica, e com a redação conferida pela Emenda Constitucional de 03 de setembro de 1926, restou definido que direito exclusivo aos autores sobre a reprodução de suas obras literárias e artísticas. A lei 496/1898, denominada Medeiros de Albuquerque em homenagem ao seu autor, nos seus 28 artigos, define a obra literária, sobre a caracterização e garantia dos direitos autorais. Mais tarde esta lei seria revogada pelo Código Civil de 1916, subdividindo de forma especifica o seu texto, sob o título Da propriedade literária, cientifica e artística para abordar as questões relacionadas aos direitos autorais, conforme expõe a multicitada autora Elisângela Menezes: Alguns anos mais tarde, a Lei n.496 seria revogada pelo nascente Código Civil. Datada de 1916, a nova lei civilista regulava o instituto autoral nos artigos 649 a 673. Assim permaneceria dali por adiante o Direito do Autor, dentro do campo do próprio Direito Civil, sendo modificado constantemente por leis extravagantes, até que fosse chegada a época de renovação dos códigos, quando se decidiu editar uma lei especifica para regular a matéria. (MENEZES, 2007, p.26). No Código Civil de 1916 a criação intelectual foi trazida nos artigos 649 a 673, sob a inscrição "Da propriedade literária, cientifica e artística". (VENOSA p.631) Em 1973, o General Emilio Garrastazu Médici, então Presidente da República, sanciona a Lei n 5.988, criando uma nova legislação ordinária que tratava especificamente sobre os direitos autorais, que posteriormente foi substituída pela Lei 9.610/1998. Houve um lapso de quase cem anos para o tratamento autônomo da matéria desde a Lei Medeiros, o que acabou por atrasar o desenvolvimento jurisprudencial da matéria (MANSO, 1980, p.18). A Constituição de 1988 foi um marco importante para o direito, e que trouxe grandes benefícios elevando a matéria de Direitos Autorais a um nível Constitucional, com normas que o asseguram, no artigo 5, incisos XVII e XVIII. 15

16 1.4 A EVOLUÇÃO DO DIREITO DO AUTOR NUM VIÉS CONSTITUCIONAL Em 1824, a Carta Imperial reconhecia direito exclusivo do autor da obra, porém de forma temporária sobre suas produções, conforme legislava o artigo 179, XXVI em que os inventores terão a propriedade das suas descobertas, ou das suas produções. A Lei lhes assegurava um privilégio exclusivo temporário, ou lhes remunerará em ressarcimento da perda, que hajam de sofrer pela vulgarização. A época era propícia para a matéria - proteção da obra intelectual -, pois em 1886 foi assinada a Convenção de Berna, da qual o Brasil é signatário e então, logo após a Constituição de 1891, teceu breves normas sobre o tema na Seção II - Declaração de Direitos, reconhecendo como direito real os direitos autorais, classificando-os como Direito de Propriedade. Em cristalina influência do liberalismo norte-americano do Copyright Act, o texto constitucional brasileiro ampliou a proteção a propriedade intelectual no artigo 72 e especificamente pelo 26, veja-se: Artigo 72. A Constituição assegura a brasileiros e estrangeiros residentes no País a inviolabilidade dos direitos concernentes à liberdade, à segurança individual e à propriedade, nos termos seguintes: 26. Aos autores de obras literárias e artísticas é garantido o direito de reproduzi-las, pela imprensa ou por qualquer outro meio mecânico. Os herdeiros dos autores gozarão desse direito pelo tempo que a lei determinar. A Constituição de 1926 entendia que os direitos autorais eram uma propriedade, poderiam ser transmitidos e utilizados por terceiros, deixando, portanto, de ser uso exclusivo dos autores, e continuava a garantir tal direito aos herdeiros. Já a Constituição de 1934 foi pioneira em reconhecer direitos autorais em obras científicas, conforme se depreende do artigo 113, XX: Artigo 113, XX - Aos autores de obras literárias, artísticas e científicas é assegurado o direito exclusivo de produzi-ias. Esse direito transmitir-se-á aos seus herdeiros pelo tempo que a lei determinar. 16

17 A Constituição de 1937 despiu os direitos autorais seu cunho de Direito de Propriedade, por se tratar de uma Constituição em que o Estado intitulava-se bem comum de todos os cidadãos, pelo próprio período político em que vivia o Brasil. O Estado paternalista dava subsídios para a criação e o desenvolvimento intelectual, deixando a competência de lei ordinária para fixação dos limites, do conteúdo e a própria essência da propriedade literária, artística e cientifica, estabelecendo inovações no setor educacional da arte e da ciência: Artigo A arte, a ciência e o ensino são livres à iniciativa individual e a de associações ou pessoas coletivas públicas e particulares. É dever do Estado contribuir, direta e indiretamente, para o estímulo e desenvolvimento de umas e de outro, favorecendo ou fundando instituições artísticas, científicas e de ensino. A Constituição de 1946 retoma os preceitos firmados nas constituições anteriores a 1937 e afirmou, no entanto que nenhum imposto oneraria os direitos do autor: Artigo Nenhum imposto gravará diretamente os direitos de autor, nem a remuneração de professores e jornalistas. A Constituição de 1967 expandiu as prerrogativas do autor ao usar o termo utilizá-las e não apenas reproduzi-las: Artigo A Constituição assegura aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no Pais a inviolabilidade dos direitos concernentes à vida, à liberdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: 25 - Aos autores de obras literárias, artísticas e científicas pertence o direito exclusivo de utilizá-las. Esse direito é transmissível por herança, pelo tempo que a lei fixar. A Constituição de 1969 manteve o mesmo texto da anterior e em 1973, a Lei nº em seu artigo 17, facultou ao autor o registro de sua obra intelectual como meio identificador da sua autoria, conforme transcrição do texto abaixo: 17

18 Artigo 17. Para segurança de seus direitos, o autor da obra intelectual poderá registra-ia, conforme sua natureza, na Biblioteca Nacional, na Escola de Música, na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Instituto Nacional do Cinema, ou no Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. A Constituição de 1988 muda a terminologia, ao invés de assegurado, passou a ser garantido, talvez por ter sido elaborado de uma forma livre e democrática, ficando evidente a liberdade de expressão criativa, sem censura, não atingidas plenamente nas Constituições anteriores. Estando também incluso o direito de utilização econômica, que permite o autor o recebimento dos proventos pela utilização de obra intelectual. Quanto à tutela do direito autoral, a Carta Magna em seu artigo 5 incisos IV e IX, consagra a liberdade de manifestação do pensamento, vedando-se o anonimato, bem como liberdade de expressão da atividade intelectual, artística, cientifica e de comunicação, independentemente de censura ou licença. No tocante à propriedade intelectual, o citado artigo confere tutela nos seguintes termos: XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar; XXVIII - são assegurados, nos termos da lei: a) a proteção às participações individuais em obras coletivas e à reprodução da imagem e voz humanas, inclusive nas atividades desportivas; b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico das obras que criarem ou de que participarem aos criadores, aos intérpretes e às respectivas representações sindicais e associativas; XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para sua utilização, bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País; Em conformidade com os incisos IX e XXVII do artigo 5, observa-se que ao autor é conferido o direito exclusivo de utilizar, publicar e reproduzir suas obras literárias, artísticas, cientificas e de comunicação, sendo que o direito exclusivo também é transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar. As normas 18

19 constitucionais reconhecem o direito de propriedade intelectual em caráter vitalício, compreendendo direitos morais e patrimoniais. Para Allan Rocha de Souza, o inciso IX do artigo 5º busca proteger o indivíduo e sua obra, como manifestação de seu íntimo, a criação intelectual, artística e científica. (SOUZA, 2006, p. 134) O citado estudioso assevera ainda que a "Carta Magna não possui o sentido individual e exclusivo outrora, após ser considerada como um direito subjetivo do proprietário no último século, passou a ter uma função eminentemente social, tanto é que a própria Constituição, após a disposição de proteção da propriedade privada no inciso XXIII, do mesmo artigo 5º, estabelece que a propriedade atenderá a sua função social". (SOUZA, 2006, p. 138) Isto porque o Direito Autoral está afeto não apenas ao autor e editoras, mas também atinge àqueles a quem a obra é distribuída e veiculada e a partir desta ideia, "o proprietário já não desfruta de uma quase antropomórfica posição jurídica de absoluta soberania, situação concebida no passado como relação entre sujeito e objeto". (TEPEDINO in SOUZA, 2006, p. 139) Movimento atual no Brasil é a constitucionalização do Direito, surgido após a promulgação da Constituição de 1988, num movimento em que inúmeros institutos do Direito foram ajustando-se aos fundamentos constitucionais. Para BRAUN e PELEGRINI a constitucionalização do direito do autor "é um fenômeno reflexo da adoção de um sistema civilista fechado, desencadeado pelo fenômeno de Codificação, pós Revolução Francesa". (BRAUN e PELEGRINI, p. 122) Vê-se, portanto, que é fundamental a proteção constitucional do Direito do Autor, porquanto sua ligação pessoal com a obra, "a atividade intelectual é algo interno ou intransitivo do homem, analogamente ao sentimento, à paixão, à consciência, à crença, à fé. Todas essas atividades pertencem ao forun internum". (CRETELLA JÚNIOR in SOUZA, 2006, p. 134) 19

20 1.5 DO DOMÍNÍO PÚBLICO O domínio público é uma expressão tradicional usada para elencar obras que sofreram esgotamento do prazo de proteção ou outros efeitos estabelecidos em lei. De acordo com o artigo 41 da Lei 9610/1998 " Os direitos patrimoniais do autor perduram por setenta anos contados de 1 de janeiro do ano subseqüente ao de seu falecimento, obedecida a ordem sucessória da lei civil." Importante ainda citar, que quando houver co-autoria, o prazo do artigo passa a contar apenas quando do falecimento do ultimo dos co-autores. Decorrido este prazo, as obras pertencerão ao domínio público. Importante citar que o termo "Domínio Público" sobre as obras, não representa nenhum domínio ou direito de propriedade, mas simplesmente uma liberdade do público. Com relação a norma anterior, José de Oliveira Ascensão aduz que "a noção primitiva de domínio público era a situação das obras que se tornavam res communes omnium, de tal modo poderiam ser utilizadas livremente por qualquer um, com finalidade de lucro ou sem ela" (ASCENSÃO, P. 353) As obras em domínio público não carecem de prévia autorização para sua adaptação, tradução, arranjo ou orquestração por quem quer que tenha interesse em fazê-la. Contudo, esta obra uma vez adaptada, por exemplo, o resultado final dessa adaptação assim considerado agora um obra nova sua adaptação não poderá ser utilizada sem sua autorização expressa do autor da adaptação, porém, o autor da adaptação da obra original, não poderá se opor a novas adaptações. Para tutelar o domínio público, com compete ao Estado a defesa da integridade e autoria da obra caída em domínio público, conforme ensina o artigo 24 2º da multicitada Lei 9610/1998. Nota-se que aqui o interessado em anotar ou comentar uma obra original, não depende de prévia autorização para fazê-lo, contudo não poderá reproduzir o texto original sem a devida autorização. 20

21 Cumpre também citar que além das obras em relação às quais decorreu o prazo de proteção aos direitos patrimoniais, pertencem ao domínio público as obras elencadas no artigo 45: I as de autores falecidos que não tenham deixado sucessores; II as de autor desconhecido, ressalvada a proteção legal aos conhecimentos étnicos e tradicionais. Se o criador de uma obra intelectual que tenha proteção legal falecer, e por ventura não deixar sucessores, esta obra automaticamente cai em domínio publico, da mesma forma a obra anônima, respeitando suas ressalvas. Para Antonio Chaves, o domínio publico consiste no possível aproveitamento econômico de uma obra artística ou literária, por qualquer pessoa, desde que vencido o período de proteção, concedidos ao autor, sucessores ou cessionários. Chaves menciona que o objetivo do legislador foi possibilitar, de forma mais ampla possível, a reprodução ou execução das mesmas obras, a preço inferior, com o escopo de facilitar a divulgação, e difundir, a arte e a cultura. Não obstante, Antonio Chaves ressalta ainda, que raramente encontra-se qualquer diferença de preço entre obras que pagam e as que não pagam, demonstrando que o domínio publico esta nas mãos de editores, tornando-se um inconveniente, em muitos casos, no que diz respeito a alterações das obras, que nem sempre mantém características originais". (CHAVES, p.49) Para José de Oliveira Ascensão, a obra cai no domínio publico em consequência do esgotamento da proteção, ou por efeitos de outras circunstancias estabelecidas na lei. Aduz também Ascensão, que essa expressão não é a mais apropriada, pois cria confusão com o regime particular de coisas do interesse público, tradicionalmente qualificadas como domínio público. Finalmente observa que a expressão representa apenas uma liberdade publica e não uma propriedade ou domínio. (ASCENSÃO,1997. p ). Hely Lopes Meirelles, possui uma visão clássica de direito público, no tocante ao domínio publico, e assim o define: 21

22 A expressão domínio publico ora significa o poder que o Estado exerce sobre os bens próprios e alheios, ora designa a condição desses bens. Por fim, como regra, se, por exemplo, uma obra antes protegida cai em domínio público pelo término do prazo de proteção, jamais voltará a integrar o elenco das criações intelectuais protegidas. Contudo é muito importante compreender o art. 122, da Lei 9610/98, para evitar um conflito da lei no tempo. Como mencionado anteriormente o domínio publico em relação à obra, representa apenas uma liberdade de uso do publico, e não um domínio. Todavia essa liberdade fora tolhida, assim aduz José de Oliveira Ascensão: Mas essa liberdade vem de novo a ser restringida se implantar o domínio público remunerado. A obra caída no domínio publico deixaria de ser de utilização livre e gratuita. Por isso temos de distinguir hoje, da obra não protegida, a obra caída no domínio publico. (Ascensão, 1997, p. 355) 1.6 DOMÍNIO PÚBLICO REMUNERADO Segundo José de Oliveira Ascensão a lei dos Direitos Autorais, na sua primeira versão da Lei dos Direitos Autorais, no artigo 93, deu abertura ao instituto do domínio publico remunerado, conforme abaixo transcrito: Artigo 93 - A utilização, por qualquer forma ou processo que não seja livre, das obras intelectuais pertencentes ao domínio público, depende de autorização do Conselho Nacional de Direito Autoral. Parágrafo único Se a utilização visar o lucro deverá ser recolhida ao Conselho Nacional de Direito Autoral importância correspondente a cinquenta por cento da que caberia ao autor da obra, salvo se destinar a fins didáticos, caso em que essa percentagem se reduzira a dez por cento. Ascensão esclarece que o domínio público remunerado é uma reinvidicação das sociedades de autores que pretendem que a obra desprotegida não faça concorrência com a obra protegida, que os utentes não se sintam tentados a recorrer a obras do domínio publico para fugir ao pagamento dos direitos que gravam as obras protegidas. 22

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS PARECER Nº 001/2012 DLN. INTERESSADO: Reitoria da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). ASSUNTO: PLÁGIO. Vem a este Departamento Ofício de nº 066/2011 PRODERE/FES, encaminhado pela Reitoria desta UFAM,

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER

PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER A prática de plágio tem sido comum em diversas publicações científicas e precisa ser combatida. Com o objetivo de informar os profissionais, docentes e discentes

Leia mais

Ilma. Superintendente de Educação, Sra. Indira dos Reis Silva

Ilma. Superintendente de Educação, Sra. Indira dos Reis Silva Processo Administrativo n 07204/2010 Interessado: Secretaria Municipal de Educação Assunto: Exibição de Material Audiovisual e Textual na Rede Escolar Propriedade Intelectual. Direito Autoral. Lei nº.

Leia mais

Prioridades do Registro

Prioridades do Registro Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 03 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: Marcas (cont.), Desenho Industrial (início). continuação de Marcas Quanto a forma de apresentação:

Leia mais

AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO

AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO I O PROBLEMA Direitos Patrimoniais: Art. 29: depende de autorização prévia e expressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades, tais

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini IME USP Outubro/2007 Direitos Autorais Lei nº 9.610/98 Propriedade imaterial Direitos autorais Propriedade industrial Direitos

Leia mais

DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS)

DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS) DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS) Cartagena das Índias, 15 de Outubro de 2013 Carlos Campos Lobo Índice Enquadramento Direito ao esquecimento Quadro normativo

Leia mais

Curso de Direitos Autorais

Curso de Direitos Autorais Curso de Direitos Autorais Prof. Heros Elier Martins Neto Bacharel e Mestrando em Direito Civil pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Funcionário do Tribunal de Justiça do Estado de São

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias.

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias. PROTECÇÃO JURÍDICA DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR - DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Contém as seguintes alterações: - Rectif. n.º 2-A/95, de 31 de Janeiro - DL n.º 334/97, de 27 de Novembro O presente diploma

Leia mais

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Gilsomar Silva Barbalho Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor,

Leia mais

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor O Dano Moral e o Direito Moral de Autor Guilherme L. S. Neves Advogado especializado em Direito do Entretenimento Associado à Drummond e Neumayr Advocacia 11/05/2007 Introdução: Como é cediço, o direito

Leia mais

Noções Gerais de Direitos Autorais. Módulo1 Direito Autoral

Noções Gerais de Direitos Autorais. Módulo1 Direito Autoral Noções Gerais de Direitos Autorais Módulo1 Direito Autoral Brasília 2015 Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Paulo Sergio de Carvalho Diretor de Desenvolvimento Gerencial Paulo

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais Um projeto de vida começa com um sonho, grande ou pequeno, não importa! Na vida temos que ter a capacidade de sonhar, sonhar sempre, sonhar para viver! Meu nome

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

3º A proteção aos direitos de que trata esta Lei independe de registro.

3º A proteção aos direitos de que trata esta Lei independe de registro. Lei Nº 9.609 CAPÍTULO II DA PROTEÇÃO AOS DIREITOS DE AUTOR E DO REGISTRO Art. 2º O regime de proteção à propriedade intelectual de programa de computador é o conferido às obras literárias pela legislação

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Projeto de Trabalho de Graduação 2

Projeto de Trabalho de Graduação 2 Projeto de Trabalho de Graduação 2 Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva 1 Agenda Plágio Proteção dos Direitos Autorais A Lei Brasileira 2 Plágio Plágio é a apropriação indevida de ideais ou textos de

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. Regulamento Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.

Leia mais

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SÉRGIO BRANCO Parte 1 INTRODUÇÃO Stephanie Lenz e seu filho Holden: O Caso Let s go Crazy US$ 150,000.00 Parte 2 A PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Intelectual

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA Grupo de Discussão UFMT/ESUD Cuiabá (MT), 05/11/2010 Geraldo da Cunha Macedo E-mail e MSN: gmacedo@terra.com.br PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Industrial (LPI) Direito

Leia mais

Lei de Proteção da Propriedade Intelectual de Programa de Computador. Lei Federal n o 9.609 de 19/02/1998

Lei de Proteção da Propriedade Intelectual de Programa de Computador. Lei Federal n o 9.609 de 19/02/1998 Lei de Proteção da Propriedade Intelectual de Programa de Computador Lei Federal n o 9.609 de 19/02/1998 Lei Federal n o 9.609 de 19/02/1998 Promulgada em conjunto com a Lei n o 9.610/98 de DIREITOS AUTORAIS,

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006.

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n o 4.645, de 25 de

Leia mais

... IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética;

... IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética; De: Nelson Parente Junior [mailto:parente@santos.sp.gov.br] Enviada em: segunda-feira, 30 de agosto de 2010 11:56 Para: Consulta Direito Autoral Assunto: Consulta Pública Prezado Senhores, encaninho para

Leia mais

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E

Leia mais

ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR

ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR NOME COMPLETO AUTOR PESSOA JURÍDICA, (CNPJ), (inscrição estadual), com sede na Rua, Bairro, Cep -, Cidade - cujo representante legal é o Sr(a).,

Leia mais

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore A Junta de Freguesia de Silvares em parceria com a Comissão Representativa do Movimento Associativo da Freguesia

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL:

PROPRIEDADE INTELECTUAL: PROPRIEDADE INTELECTUAL: LEGISLAÇÃO - 2 Profa. Dra. Suzana Leitão Russo Prof. Gabriel Francisco Silva Profa. Dra. Ana Eleonora Almeida Paixão Art. 1º Esta Lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programa de Computador Victor Pimenta M. Mendes Fortaleza - CE Setembro- 2010 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual Propriedade Industrial

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. Fatos e Atos Jurídicos... 3 1.2. Direito de Propriedade... 3 1.2.1. Propriedade intelectual... 4 1.2.2. Propriedade

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

Ética: compromisso social e novos desafios. Propriedade intelectual e bioética. Cintia Moreira Gonçalves 1

Ética: compromisso social e novos desafios. Propriedade intelectual e bioética. Cintia Moreira Gonçalves 1 Ética: compromisso social e novos desafios Propriedade intelectual e bioética Cintia Moreira Gonçalves 1 A propriedade intelectual e a propriedade industrial estão previstas e protegidas no ordenamento

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Proteção de direitos e divulgação de arquivos

Proteção de direitos e divulgação de arquivos Electrónica ISCTE 31 janeiro 2012 Proteção de direitos e divulgação de arquivos Helena Simões Patrício Sumário 1. Introdução: a proteção de direitos em ambiente digital 3. Proteção de documentos de arquivo

Leia mais

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 2013 Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 1 ÍNDICE Direitos Do Autor... 2 1-Copyright... 2 Representação do símbolo... 3 Aspectos Jurídicos... 4 1-Reprodução...

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Ideia Empresarial/Protecção da Ideia José Paulo Rainho Coordenador do UAtec Universidade de Aveiro Curso de Empreendedorismo e Valorização

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO

UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Particular pode utilizar, com exclusividade, loja pertencente à prefeitura municipal localizada no terminal rodoviário? Há necessidade

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Faculdade de Tecnologia Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Alunos: Anderson Mota, André Luiz da Silva, Misael Bezerra, Rodrigo Damasceno Kaji. GTI 5 Noturno Noções de Direito Prof.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br.

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br. 559 ASPECTOS GERAIS SOBRE OS PRINCÍPIOS GERAIS DA CONTABILIDADE E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E O PAPEL PREPONDERANTE DA CONTABILIDADE PÚBLICA NA PROBIDADE ADMINISTRATIVA Luis Gustavo Esse Discente do curso

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO Artigo jurídico apresentado por MARCELO THIMOTI DA SILVA, professor, especialista em Direito Administrativo, Constitucional

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Individualiza e assinala a espécie de responsabilidade patrimonial do empresário ou da sociedade empresária;

Individualiza e assinala a espécie de responsabilidade patrimonial do empresário ou da sociedade empresária; NOME EMPRESARIAL NOÇÕES GERAIS O nome empresarial significa o próprio empresário. É aquele com que o empresário se apresenta nas relações empresariais, como é conhecido. Individualiza e assinala a espécie

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais,

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A FUNCIONAL, com o escopo de firmar o compromisso junto aos USUÁRIOS visando a segurança e privacidade das informações transitadas e recepcionadas através de seus sites www.funcionalcorp.com.br

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão 1. As definições utilizadas no presente instrumento têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre as Garantias e Direitos Fundamentais ao Livre Exercício da Crença e dos Cultos Religiosos, estabelecidos nos incisos VI, VII e VIII do art. 5º e no 1º do art. 210 da Constituição da República

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direitos autorais. Direitos morais dos sucessores. Obra caída em domínio público Luiz Fernando Gama Pellegrini* A respeito do que se entenda por domínio público vemos uma certa confusão

Leia mais

Código de Ética do Administrador

Código de Ética do Administrador Código de Ética do Administrador Júlio Cesar Andrade de Abreu Fonte: CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO ADMINISTRADOR (Aprovado pela Resolução Normativa CFA nº 353, de 9 de abril de 2008) Dos Deveres (Art

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1 Conceitos V Prêmio AMRIGS de Jornalismo REGULAMENTO O Prêmio AMRIGS de Jornalismo, quinta edição, é uma iniciativa da Associação Médica do Rio Grande do Sul, com o apoio do

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA A CRIAÇÃO DE CARTAZ E LOGOMARCA DO CENTENÁRIO DA PARÓQUIA DE SANT ANA SUMARÉ

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA A CRIAÇÃO DE CARTAZ E LOGOMARCA DO CENTENÁRIO DA PARÓQUIA DE SANT ANA SUMARÉ REGULAMENTO DO CONCURSO PARA A CRIAÇÃO DE CARTAZ E LOGOMARCA DO CENTENÁRIO DA PARÓQUIA DE SANT ANA SUMARÉ Abertura: Com alegria e expectativa, estamos lançando o Concurso para a criação do cartaz e da

Leia mais

Concurso de fotografias ''Criatividade do call center do Sintetel

Concurso de fotografias ''Criatividade do call center do Sintetel Concurso de fotografias ''Criatividade do call center do Sintetel Objetivo: O concurso de fotografia Criatividade do call center'' tem como principal objetivo a valorização da realidade no setor de teleatendimento,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS. 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa

MANUAL DE NORMAS. 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa MANUAL DE NORMAS 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa A criação da composição musical ou lítero-musical, a produção fonográfica, a direção musical, a direção

Leia mais

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE Alex Sandro Lial Sertão Assessor Jurídico TCE/PI alex.sertao@tce.pi.gov.br Até o advento da EC nº 41/03, era direito do servidor público aposentar-se com base na

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) Dispõe sobre o Programa de agendamento de consultas e entrega domiciliar de medicamentos de uso contínuo às pessoas portadoras de necessidades especiais

Leia mais

PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE COMPUTADOR. Divisão de Registro de Programas de Computador e Topografia de Circuitos DICIG / CGIR / DIPTO

PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE COMPUTADOR. Divisão de Registro de Programas de Computador e Topografia de Circuitos DICIG / CGIR / DIPTO PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programas de Computador e Topografia de Circuitos DICIG / CGIR / DIPTO PROPRIEDADE INDUSTRAL PROPRIEDADE INTELECTUAL DIREITO AUTORAL PROTEÇÃO SUI

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO.

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO. A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO. 1 AS SANÇÕES APLICÁVEIS NO CASO DE SOLO NÃO EDIFICADO, SUBUTILIZADO, OU NÃO UTILIZADO. Gina Copola (outubro de 2.012) I Tema atual

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 1. OBJETIVO, ADESÃO E ADMINISTRAÇÃO 1.1 - A presente Política de Negociação tem por objetivo estabelecer

Leia mais