Vejamos alguns dados técnicos É imprescindível a necessidade de adaptação com alguns termos e abreviaturas normalmente usadas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vejamos alguns dados técnicos É imprescindível a necessidade de adaptação com alguns termos e abreviaturas normalmente usadas."

Transcrição

1 D IODO LED E D ISPLAY DE SETE SEGMENTOS O Diodo LED, é um diodo com uma finalidade especifica, emitir Luz. Os LEDs assim como os diodos retificadores possuem dois terminais, que são ânodo (A) e cátodo (K), que emite luz quando polarizado diretamente, ou seja, quando o ânodo esta conectado ao positivo da fonte. A luz emitida por um diodo pode ser verde, amarela, vermelha, azul, dependendo da construção. Existem também led de luz infravermelha e laser. Representação Real Símbolo Como funcionam O LED, como um diodo normal, consiste em uma micro plaqueta de material semicondutor impregnado, ou dopado, com impurezas para criar uma estrutura chamamos de junção do PN. Os elétrons livres e as lacunas fluem na junção dos elétrodos com tensões diferentes. Quando um elétron livre encontra uma lacuna, o seu nível de energia cai, liberando energia luminosa. As cores do Diodo LED Os diodos emissores de luz estão disponíveis em vermelho, em alaranjado, em ambarino, em amarelo, em verde, o azul e o branco. Os diodos emissores de luz azuis e brancos são muito mais caros do que as outras cores. A cor de um diodo emissor de luz é determinada pelo material do semicondutor, não pela coloração do encapsulamento. O datasheet ( manual ) do fabricante, nos fornece dados técnicos importantes para que possamos tirar maior proveito do componente, em nosso caso o LED. Vejamos alguns dados técnicos É imprescindível a necessidade de adaptação com alguns termos e abreviaturas normalmente usadas. I F Tipo Cor V F V F V R Intensidade Visão Comprimento máximo. typ. máximo. máximo. ângulo de onda Padrão Vermelho 30mA 1.7V 2.1V 5V 10mA nm Padrão Vermelho brilhante 30mA 2.0V 2.5V 5V 10mA nm Padrão Amarelo 30mA 2.1V 2.5V 5V 10mA nm Padrão Verde 25mA 2.2V 2.5V 5V 10mA nm Intensidade elevada Azul 30mA 4.5V 5.5V 5V 20mA nm Brilhante super Vermelho 30mA 1.85V 2.5V 5V 20mA nm Baixo corrente Vermelho 30mA 1.7V 2.0V 5V 2mA nm Onde : O diodo LED display de sete segmentos Autor: Clodoaldo Silva - Versão : 11Ago2005 1

2 IF máximo Corrente de polarização direta máxima, para o LED conectado corretamente. VF típico Tensão direta típica, usar no calculo para o resistor de proteção do LED. VF máximo Tensão direta máxima ( usar sempre a típica ) VR máximo Tensão direta máxima ( se conectou corretamente não é necessário ) Intensidade de É o brilho do LED, para a corrente especificada, dado em candela luz Ângulo da visão O LED (padrão) têm um ângulo da visão de 60, outro emitem-se um feixe mais estreito aproximadamente de 30. Comprimento de A largura do comprimento de onda do LED, é o que determina sua cor, normalmente onda especificado em nanômetro. Como ligar? Os diodos emissores de luz devem ser conectados a maneira correta, caso contrário serão destruídos, nos esquemas eletrônicos devemos observar o Anodo e Catodo do LED. O cátodo é o terminal maior e o anodo o terminal menor, outra maneira de identificar é através do chanfro que indica o terminal catodo ( negativo ). Quando for soldar o LED, cuidado pois o calor excessivo poderá destruí-lo O resistor limitador O LED não devem ser conectados diretamente a fonte, sempre devemos liga-lo com um resistor limitador. O grande problema é que esse resistor deve ser dimensionado, para uma corrente e tensão especificada. Exemplo: Sabemos que a tensão distribuída ao longo da malha, deve ser igual a tensão da fonte. Então: Dados: V LED I F =30mA V = VR + V LED 12 V = VR + 2,0 V VR = 12V - 2,0 V VR = 10 V V= R. I VR = R. I LED 10 V = R. 30mA R = 10V 30mA R = 333,33Ω Comercial = 390Ω Nota : Uma vez que o resistor foi dimensionado com o valor máximo de corrente, devemos aproximar valor do resistor para o comercial próximo mais alto. O display de sete segmentos O display de sete segmentos, nada mais é do que um invólucro com sete led s com formato de segmento, posicionados de tal forma a possibilitar a formação de números decimais e algumas letras utilizadas no código hexadecimal. Os segmentos do display são representados pelas letras a, b, c, d, e, f, g,, são encontrados nas configurações anodo comum e catodo comum, conforme as figuras abaixo. O display O diodo LED display de sete segmentos Autor: Clodoaldo Silva - Versão : 11Ago2005 2

3 Importante : Os LEDs que compõe o display suportam no máximo 2V / 20mA, portanto não devem ser ligados diretamente nas saídas das portas lógicas. É necessário o resistor limitador em série com os LEDs. Conexão dos pinos Códigos Entradas binárias Saídas para display - A B C D a b c d e f g Pinagem Ø Ø Ø Ø Ø Ø Ø 1 e 6 b Ø Ø Ø Ø Ø Ø Ø 2 d 7 a Ø Ø Ø Ø Ø Ø Ø 3 A ( k) 8 A ( k ) Ø Ø Ø Ø Ø Ø Ø 4 c 9 f Ø Ø Ø Ø Ø Ø Ø 5 dp 10 g Ø Ø Ø Ø Ø Ø Ø O decodificador 7447 A figura ao lado mostra o circuito integrado 7447 decodificador / driver BCD para sete segmentos, ativo em nível baixo, saída coletor aberto. Pinagem Esquema de Ligação Anodo comum O diodo LED display de sete segmentos Autor: Clodoaldo Silva - Versão : 11Ago2005 3

4 Tabela de funcionamento do CI 7447 O decodificador 4511 Outro Integrado bastante usado é o CMOS 4511, seu funcionamento é muito parecido com o anterior. Pinagem Esquema de ligação catodo comum Descrição dos pinos VDD = Alimentação 3 a 15 V VSS = terra Input ABCD entradas do contador BCD Output abcdefg saídas para o display LT é para teste BI serve para apagar ou modular por pulsos a intensidade dos segmentos LE permite armazenar o código da entrada. O diodo LED display de sete segmentos Autor: Clodoaldo Silva - Versão : 11Ago2005 4

5 Tabela de funcionamento do CI Referências bibliográficas: Araújo, C e Chui, C.S. Praticando eletrônica digital. São Paulo. ED. Érica, O diodo LED display de sete segmentos Autor: Clodoaldo Silva - Versão : 11Ago2005 5

1 Utilizando o Protoboard

1 Utilizando o Protoboard Ensino Médio Integrado em Automação Industrial Sistemas Digitais e Projeto Integrador Professor: Rafael Garlet de Oliveira 1 Utilizando o Protoboard Aula Prática 1 É um equipamento utilizado para montagens

Leia mais

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Montagem da Barra de LEDs Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima

Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima Dispositivos optoeletrônicos A optoeletrônica é a tecnologia que combina a ótica com a eletrônica. Exemplos de dispositivos

Leia mais

21/07/2010 LED ELETRÔNICA DIGITAL. LED Tipos. LED Princípio de funcionamento. Display de 7 segmentos. LED Circuito de polarização

21/07/2010 LED ELETRÔNICA DIGITAL. LED Tipos. LED Princípio de funcionamento. Display de 7 segmentos. LED Circuito de polarização 2/7/2 LED ELETRÔNICA DIGITAL Parte 6 Display, Decodificadores e Codificadores Diodo emissor de luz (LED) Para nós será utilizado para dar uma indicação luminosa do nível lógico de sinal; Ligado nível lógico

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays D.T. e J.R.B./200 (revisão) E.T.M./2003 (revisão da parte experimental) E.T.M./200 (revisão) E.T.M./2006 (revisão) RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre

Leia mais

fig. 1 - símbolo básico do diodo

fig. 1 - símbolo básico do diodo DIODOS São componentes que permitem a passagem da corrente elétrica em apenas um sentido. Produzidos à partir de semicondutores, materiais criados em laboratórios uma vez que não existem na natureza, que

Leia mais

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas Circuitos Lógicos Aulas Práticas A Protoboard A Protoboard A Protoboard é um equipamento que permite interconectar dispositivos eletrônicos tais como resistores, diodos, transistores, circuitos integrados

Leia mais

23/5/2010. Circuitos Elétricos 2º Ano Engenharia da Computação SEMICONDUTORES

23/5/2010. Circuitos Elétricos 2º Ano Engenharia da Computação SEMICONDUTORES ESTUDO DO Os átomos de germânio e silício tem uma camada de valência com 4 elétrons. Quando os átomos de germânio (ou silício) agrupam-se entre si, formam uma estrutura cristalina, ou seja, são substâncias

Leia mais

Elétricos. Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com

Elétricos. Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com Controle de Motores Elétricos Diodo Retificador Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com Constituição Um diodo retificador é constituído por uma junção PN de material semicondutor (silício ou germânio)

Leia mais

Projeto No. 11 Display de Leds de 7 Segmentos

Projeto No. 11 Display de Leds de 7 Segmentos Projeto No. 11 Display de Leds de 7 Segmentos O objetivo deste projeto é demonstrar a utilização do display de led de 7 segmentos controlado diretamente a partir das portas do Arduino. Material necessário:

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo DIODO SEMICONDUOR INRODUÇÃO Materiais semicondutores são a base de todos os dispositivos eletrônicos. Um semicondutor pode ter sua condutividade controlada por meio da adição de átomos de outros materiais,

Leia mais

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Programa de Educação Tutorial PET Grupo PET-Tele Dicas PET-Tele Uma breve introdução à componentes

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO:

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADOR SÍNCRONO O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula teórica

Leia mais

EPUSP PCS 2011/2305/2355 Laboratório Digital. Displays

EPUSP PCS 2011/2305/2355 Laboratório Digital. Displays Displays Versão 2015 1. Displays em Circuitos Digitais É inegável a importância de displays, pois são muito utilizados nos mais variados equipamentos de todas as áreas, como por exemplo, de instrumentação

Leia mais

Aplicações com circuito integrado LM3914

Aplicações com circuito integrado LM3914 Aplicações com circuito integrado LM3914 O circuito integrado LM3914 é um indicador de linear de tensão, tem como principal aplicação à monitoração linear de sinais aplicados à sua entrada. Seu funcionamento

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

LABORATÓRIO 11. Diodos e LEDs. Objetivos: Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência. do LED.

LABORATÓRIO 11. Diodos e LEDs. Objetivos: Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência. do LED. LABORATÓRIO 11 Diodos e LEDs Objetivos: do LED. Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência Materiais utilizados Diodo, LED, multímetro, resistores,

Leia mais

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES 1. Associe as informações das colunas I, II, III e IV referentes às características do semicondutor I II III

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Eletrônica

Conceitos Fundamentais de Eletrônica Conceitos Fundamentais de Eletrônica A eletrônica está fundamentada sobre os conceitos de tensão, corrente e resistência. Podemos entender como tensão a energia potencial armazenada em uma pilha ou bateria

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 9: Análise de Circuitos com Contadores

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 9: Análise de Circuitos com Contadores 45 1. Objetivos Realizar a analise detalhada de todos os blocos constituintes de um relógio digital. Implementar um relógio digital. 2. Conceito Um contador é construído a partir de flip-flops (T, D JK,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE PLANCK ATRAVÉS DE DISPOSITIVO EMISSOR DE LUZ (LED) Palavras-chave: LED; Constante de Planck ; Efeito fotoelétrico.

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE PLANCK ATRAVÉS DE DISPOSITIVO EMISSOR DE LUZ (LED) Palavras-chave: LED; Constante de Planck ; Efeito fotoelétrico. DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE PLANCK ATRAVÉS DE DISPOSITIVO EMISSOR DE LUZ (LED) Augusto Massashi Horiguti Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-Bento Gonçalves Ivânia de Oliveira Licenciada

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Sistemas Digitais I Lista de Exercícios (Circuito astável com LM555, Drives de Potência

Leia mais

Circuito integrado 555 e suas aplicações

Circuito integrado 555 e suas aplicações Circuito integrado 555 e suas aplicações Introdução Um circuito integrado popular é o versátil 555. Introduzido pela em 1973 pela Signetcs, este circuito integrado tem aplicações que variam de equipamentos

Leia mais

CIRCUITOS COMBINACIONAIS Codificadores e decodificadores

CIRCUITOS COMBINACIONAIS Codificadores e decodificadores Disciplina: Circuitos Digitais CIRCUITOS COMBINACIONAIS Codificadores e decodificadores Prof. a Dra. Carolina Davanzzo Gomes dos Santos Email: profcarolinadgs@gmail.com Página: profcarolinadgs.webnode.com.br

Leia mais

Diodo túnel Diodo Esaki

Diodo túnel Diodo Esaki Diodo túnel Diodo Esaki Diodos convencionais são dopados com um átomo de impureza para cada dez milhões de átomo de semicondutor intrínseco. Aumentando-se a dopagem para mil átomos de impureza para cada

Leia mais

Calculando resistor limitador para LED.

Calculando resistor limitador para LED. Calculando resistor limitador para LED. Texto Adaptado de: http://www.py2bbs.qsl.br/led.php. Acesso em: 01/03/2011 Aviso: Leia este texto completamente, não pule partes, pois explico o básico do básico

Leia mais

Eletrônica Analógica

Eletrônica Analógica UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Eletrônica Analógica Transistores de Efeito de Campo Professor Dr. Lamartine Vilar de Souza lvsouza@ufpa.br www.lvsouza.ufpa.br

Leia mais

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores.

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. Circuitos com Diodos Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. O TRANSFORMADOR DE ENTRADA As companhias de energia elétrica no Brasil fornecem.umatensão senoidal monofásica de 127V

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays Versão 202 RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre displays ou mostradores. São discutidas as formas de multiplexá-los de modo a reduzir a quantidade

Leia mais

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga:

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga: Unidade 3 SEMICONDUTORES E g ~ 1 ev E F E = 0 Elétron pode saltar da banda de valência para a banda de condução por simples agitação térmica Concentração de portadores de carga: Para metais: elétrons de

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

Aula 7. Codificadores e Decodificadores. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 7. Codificadores e Decodificadores. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 7 Codificadores e Decodificadores SEL 44 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Códigos/Decodificadores CÓDIGOS: l Conjunto organizado de sinais em que a informação é transformada

Leia mais

Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP. Eletrônica Analógica Laboratório

Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP. Eletrônica Analógica Laboratório Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP 2002 Eletrônica Analógica Laboratório Eletrônica Analógica Atividades de Laboratório SENAI, Departamento Regional de São Paulo, 2002 Trabalho

Leia mais

Seleção de Produtos. Sensor Fotoelétrico. Como especificar. TECNI-AR Ltda - Tel: 31 3362-2400 w.tecni-ar.com.br

Seleção de Produtos. Sensor Fotoelétrico. Como especificar. TECNI-AR Ltda - Tel: 31 3362-2400 w.tecni-ar.com.br Seleção de Produtos Sensor Fotoelétrico Como especificar Saída coletor PNP aberto Saída coletor NPN aberto Temporizador embutido Tipo padrão Tipo relflexivo (Tipo Difuso) Tipo feixe estreito Emissor Receptor

Leia mais

Humberto Hickel de Carvalho - IFSP Cubatão 2015 1 TRANSÍSTOR DE EFEITO DE CAMPO DE JUNÇÃO JFET

Humberto Hickel de Carvalho - IFSP Cubatão 2015 1 TRANSÍSTOR DE EFEITO DE CAMPO DE JUNÇÃO JFET Humberto Hickel de Carvalho - IFSP Cubatão 2015 1 TRANSÍSTOR DE EFEITO DE CAMPO DE JUNÇÃO JFET O JFET pode ter seu funcionamento comparado ao do transístor bipolar de junção, TBJ. Enquanto no TBJ a corrente

Leia mais

Professor: Fernando Krein Pinheiro

Professor: Fernando Krein Pinheiro Professor: Fernando Krein Pinheiro Quem sou eu: Fernando Krein Pinheiro, bacharel em Ciência da Computação e Especialista em Educação Técnica e Tecnológica. Possui conhecimento nas áreas de algoritmos

Leia mais

KTC-DR23EC & KTC-HT23-EC1000

KTC-DR23EC & KTC-HT23-EC1000 STEP-SERVO KALATEC KTC-DR23EC & KTC-HT23-EC1000 Manual Kalatec Automação Ltda Matriz Campinas: 19-3045-4900 Filial Sao Paulo 11-5514-7680 Filial Joinville - 47-3425-0042 www.kalatec.com.br kalatec@kalatec.com.br

Leia mais

O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P

O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P tem excesso de lacunas; o elemento N tem excesso de

Leia mais

SEÇÃO 7C Alternadores

SEÇÃO 7C Alternadores SEÇÃO 7C Alternadores Índice da Seção Página ALTERNADORES Tabela nº... Identificação, Descrição dos Sistemas... Teste de Saída de Tensão - Somente CA... 0 Teste de Saída de Tensão - Somente CC... 9 / A...

Leia mais

Easy Servo Motor Datasheet

Easy Servo Motor Datasheet Easy Servo Motor Datasheet 1. Marca do Produto Legenda de Part-Number LS-Leadshine ES-Easy Servo 2. Especificações Técnicas Part Number Nº de Ângulo de Nº de Holding Corrente por Resistencia por Indutância

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO São lâmpadas de descarga à alta pressão. Há no interior da lâmpada um tubo de descarga de quartzo que suporta altas

Leia mais

Energia Fóton elétron volt (ev)

Energia Fóton elétron volt (ev) (1) Slide 1 Espectro eletromagnético O Espectro Eletromagnético Freqüência Hertz (Hz) Comprimento de Onda metros (m) Energia Fóton elétron volt (ev) Energia Fóton Joule (J) Raios gama Raios X Ultravioleta

Leia mais

Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A

Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A Objetivos: Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A Realizar programação e projetos com microcontroladores e seus periféricos, integrando sistemas analógicos e digitais com a utilização de compilador (Mikro

Leia mais

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS LABORATÓRIO 1 DIODOS Experimento 1 Características

Leia mais

Amplificadores de potência classe B

Amplificadores de potência classe B Amplificadores de potência classe B Introdução O amplificador de potência classe A, apresenta a melhor linearidade, mas tem o pior rendimento. Isso se deve ao fato de que o transistor de saída esta sempre

Leia mais

1/ 11 PY2MG. Manual Montagem Maritaca. Parte 1 Recepção

1/ 11 PY2MG. Manual Montagem Maritaca. Parte 1 Recepção 1/ 11 PY2MG Manual Montagem Maritaca Parte 1 Recepção 2/ 11 PY2MG Siga as instruções passo a passo para ter sucesso na montagem. Não tenha pressa e ao colocar os componentes, seja cuidadoso. Faça uma montagem

Leia mais

MONTAGEM E CONFIGURAÇÃO DE UMA PISTA/PISO DE LEDS

MONTAGEM E CONFIGURAÇÃO DE UMA PISTA/PISO DE LEDS MONTAGEM E CONFIGURAÇÃO DE UMA PISTA/PISO DE LEDS CONDIÇÕES GERAIS Utilize o texto e vídeo abaixo como referencia se você deseja montar uma pista de LEDs, LEMBRANDO QUE É APENAS UMA SUGESTÃO, VOCÊ PODE

Leia mais

Manual Placa DMX 10 pixels RGB

Manual Placa DMX 10 pixels RGB Manual Placa DMX 10 pixels RGB 2011 Lumikit Sistemas para Iluminação rev.0 26/08/2011 Lumikit Sistemas para Iluminação www.lumikit.com.br 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONEXÕES DA PLACA... 4 3. DIMENSÕES

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Tutorial do Proteus Parte A - Simulação 1

Retificadores (ENG - 20301) Tutorial do Proteus Parte A - Simulação 1 2 GND CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS ELETRÔNICOS Retificadores (ENG - 20301) Tutorial do Proteus

Leia mais

Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica

Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha www.gvensino.com.br 1) Quantos elétrons de valência tem um átomo de silício? a) 0 b) 1 c) 2 d) 4 e) 8 2) Marque qual ou quais

Leia mais

Analise de Circuitos Horizontais. Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br

Analise de Circuitos Horizontais. Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br Analise de Circuitos Horizontais Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br Introdução Ao longo de nossa experiência em manutenção eletrônica, nos deparamos inúmeras vezes com dificuldades muito significativas

Leia mais

Projeto No. 15 Sensor Óptico Reflexivo

Projeto No. 15 Sensor Óptico Reflexivo Projeto No. 15 Sensor Óptico Reflexivo Neste projeto vamos utilizar um Sensor Óptico Reflexivo TCRT5000 para implementar um interruptor de proximidade. Desta forma, não será necessário que a pessoa toque

Leia mais

Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex

Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex Murilo Soares Pereira, RA: 298468 Pedro Henrique de Freitas, RA: 321443 Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex Prof. Takashi Utsonomiya Universidade Federal de São Carlos São Carlos - SP Sumário

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays Versão 20 RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre displays ou mostradores. São discutidas as formas de multiplexá-los de modo a reduzir a quantidade de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

ANALÍTICA V 1S 2013 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA V 1S 2013 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA V 1S 2013 Aula 5: 04-06-13 ESPECTROSCOPIA Espectrofotometria no UV-Vis Vis - Parte II Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

MANUAL PRODUTO M0184 CONTROLADORA SLAVE FULL Revisado em 02/07/2014

MANUAL PRODUTO M0184 CONTROLADORA SLAVE FULL Revisado em 02/07/2014 MANUAL DA PLACA CONTROLADORA M0184 Conteúdo Manual da placa controladora M0184... 1 Versão do manual... 2 Funcionamento do produto... 2 Descrição de funcionamento... 2 Conectores... 3 Conector CN6: Pictograma

Leia mais

Experimento 06 Unidade Aritmética

Experimento 06 Unidade Aritmética Murilo Soares Pereira, RA: 298468 Pedro Henrique de Freitas, RA: 321443 Experimento 06 Unidade Aritmética Prof. Takashi Utsonomiya Universidade Federal de São Carlos São Carlos - SP Sumário 3 1 Resumo

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES. Marcos Moecke

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES. Marcos Moecke MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Unidade de São José Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES Marcos Moecke São José - SC, 25 SUMÁRIO 5. CONTADORES... 5. CONTADORES ASSÍNCRONOS... CONTADOR ASSÍNCRONO CRESCENTE...

Leia mais

SENSOR DE LUMINOSIDADE Com indicador de intervalo

SENSOR DE LUMINOSIDADE Com indicador de intervalo SENSOR DE LUMINOSIDADE Com indicador de intervalo Este projeto refere-se à construção de um sensor de luminosidade com o uso de um LDR (Light Dependent Resistor), com as seguintes características: 1. Luminosidade

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2 N de Homologação: 1702-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS MOTO V2 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná. CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas. Engenharia de Computação. Alex Douglas Fukahori

Pontifícia Universidade Católica do Paraná. CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas. Engenharia de Computação. Alex Douglas Fukahori Pontifícia Universidade Católica do Paraná CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Engenharia de Computação Alex Douglas Fukahori Arthur Teixeira Brita Felipe Cornehl Hélio Pasko Rompkovski SmartLogger

Leia mais

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário Código: Un pç ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Definições 4 Requisitos Gerais 5 Requisitos Específicos 6 Funcionamento 7 Características

Leia mais

Guia de laboratório de Electrónica II. Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho)

Guia de laboratório de Electrónica II. Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho) Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Secção de Electrónica Guia de laboratório de Electrónica II Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho) Grupo

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: ED-2110. www.minipa.com.br USB CARACTERÍSTICAS ED-2110

SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: ED-2110. www.minipa.com.br USB CARACTERÍSTICAS ED-2110 SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: PROPOSTA TÉCNICA CARACTERÍSTICAS Display de LCD TFT Touch. Realiza experimentos sem necessidade de um sistema de medição a parte. Possibilidade de programação

Leia mais

CHAVEAMENTO COM SCR S

CHAVEAMENTO COM SCR S ELE-59 Circuitos de Chaveamento Prof.: Alexis Fabrício Tinoco S. INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA 1. INTRODUÇAO CHAVEAMENTO COM

Leia mais

Introdução à Eletrónica II

Introdução à Eletrónica II Introdução à Eletrónica II Nino Pereira Nino Pereira Índice Nino Pereira Um é um circuito electrónico que cria um sinal alternado com uma frequência muito precisa. Um é como um relógio ou metrónomo que

Leia mais

Modificação do LED POWER Logic@sat L4000

Modificação do LED POWER Logic@sat L4000 Modificação do LED POWER Logic@sat L4000 Caro amigo, proprietário de um receptor Logic@sat L4000, alguma vez você já se questionou sobre o funcionamento do LED POWER do receptor? Além de ser vermelho,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA DIGITAL - ET75C - Profª Elisabete N Moraes

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA DIGITAL - ET75C - Profª Elisabete N Moraes //24 UNIVERIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA DIGITAL - ET75C - Profª Elisabete N Moraes AULA 6 CODIFICADORE E DECODIFICADORE Em 3 de outubro de 24.

Leia mais

IFP-64. Ultra-High Intensity 168 LED Indoor Light Fixture. Manual do Usuário

IFP-64. Ultra-High Intensity 168 LED Indoor Light Fixture. Manual do Usuário IFP-64 Ultra-High Intensity 168 LED Indoor Light Fixture Manual do Usuário Introdução Obrigado por ter escolhido este produto. Você verá que adquiriu um aparelho poderoso e versátil. Desembale-o e, antes

Leia mais

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605 Suporta os microcontroladores: PIC16F877A, PIC18F452, PIC18F4520, PIC18F4550, PIC 18F876A, PIC18F252, PIC18F2550 e outros com 28 e 40 pinos O Kit de desenvolvimento ACEPIC PRO V2.0 foi projetado tendo

Leia mais

Trabalho. Eletrônica de potencia

Trabalho. Eletrônica de potencia [MSG1] Comentário: Centro Universo de Educação e Desenvolvimento Trabalho Eletrônica de potencia Aluno: Curso: Técnico em Automação e Controle Industrial Professor: Henrique 2/5/09 Centro Universo de Educação

Leia mais

Projeto de Ensino. Ensino de Física: Placas Fotovoltaicas

Projeto de Ensino. Ensino de Física: Placas Fotovoltaicas UNICENTRO-CEDETEG Departamento de Física Projeto de Ensino Ensino de Física: Placas Fotovoltaicas Petiano: Allison Klosowski Tutor: Eduardo Vicentini Guarapuava 2011. SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

2014 Lumikit Sistemas para Iluminação

2014 Lumikit Sistemas para Iluminação Manual Placa DMX 16 pixels RGB 2014 Lumikit Sistemas para Iluminação rev.2 16/10/2015 Lumikit Sistemas para Iluminação www.lumikit.com.br 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONEXÕES DA PLACA... 3 3. DIMENSÕES

Leia mais

Manual Técnico Módulo Ponte H Dupla

Manual Técnico Módulo Ponte H Dupla Manual Técnico Módulo Ponte H Dupla Introdução Módulo de Ponte H dupla para controlar dois motores DC ou um motor de passo bipolar. Com este módulo é possível controlar o sentido de rotação de motores

Leia mais

Editado por : DISAN Agradecimentos: Fernando Hamilton Cordova / Corsa Clube

Editado por : DISAN Agradecimentos: Fernando Hamilton Cordova / Corsa Clube Editado por : DISAN Agradecimentos: Fernando Hamilton Cordova / Corsa Clube A FIAT lançou em seus carros um equipamento chamado por eles de ECONOMETRO, ECONOMETRO (HALLMETER), espécie de medidor de consumo

Leia mais

Faça você mesmo: Instalação de LEDs nos botões do console

Faça você mesmo: Instalação de LEDs nos botões do console Faça você mesmo: Instalação de LEDs nos botões do console Tutorial gentilmente cedido pelo DJCRD dos Kadetteiros.com Campinas/Grande ABC/Alto Tietê. Pessoal, continuando o processo de troca das lâmpadas

Leia mais

Sumário. Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos. Diodos. Circuitos Retificadores

Sumário. Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos. Diodos. Circuitos Retificadores Sumário Diodos Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores: Meia Onda O diodo retificador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório EXPERIÊNCIA 06 CURVAS CARACTERÍSTICAS DE TRANSISTORES E PORTAS LÓGICAS 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 3 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

Instituto Educacional São João da Escócia Colégio Pelicano Curso Técnico de Eletrônica. FET - Transistor de Efeito de Campo

Instituto Educacional São João da Escócia Colégio Pelicano Curso Técnico de Eletrônica. FET - Transistor de Efeito de Campo 1 FET - Transistor de Efeito de Campo Introdução Uma importante classe de transistor são os dispositivos FET (Field Effect Transistor). Transistor de Efeito de Campo. Como nos Transistores de Junção Bipolar

Leia mais

Controle universal para motor de passo

Controle universal para motor de passo Controle universal para motor de passo No projeto de automatismos industriais, robótica ou ainda com finalidades didáticas, um controle de motor de passo é um ponto crítico que deve ser enfrentado pelo

Leia mais

SUPERTEC2007 CONSERTO NO CIRCUITO HORIZONTAL PARTE 2

SUPERTEC2007 CONSERTO NO CIRCUITO HORIZONTAL PARTE 2 XX. CONSERTO NO CIRCUITO HORIZONTAL PARTE 2 NÃO TEM TRAMA NEM ALTA TENSÃO E O LED ACENDE VERDE: 1. Medir +B no coletor do saída H. Observe na figura abaixo: 2. Não tem +B no saída H Veja se sai +B da fonte

Leia mais

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação Características da luz laser Monocromática Colimada Coerente EXEMPLOS: Características específicas

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores IF-UFRJ Elementos de Eletrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mestrado Profissional em Ensino de Física Aula 7: Polarização de Transistores Este material foi baseado em livros e manuais existentes

Leia mais

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada 2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada A luz está presente em praticamente todos os momentos de nossas vidas e tem fundamental importância para a sobrevivência da vida no planeta. Atualmente,

Leia mais

Newton C. Braga 100 CIRCUITOS COM LEDS E DISPLAY VOLUME 2

Newton C. Braga 100 CIRCUITOS COM LEDS E DISPLAY VOLUME 2 NEWTON C. BRAGA Newton C. Braga BANCO DE CIRCUITOS - Volume 15 100 CIRCUITOS COM LEDS E DISPLAY VOLUME 2 Editora Newton C. Braga São Paulo - 2013 Instituto NCB www.newtoncbraga.com.br leitor@newtoncbraga.com.br

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA APOSTILA CUSO TÉCNICO EM ELETÔNICA PATE IV - Circuito etificador - Fonte de Tensão - Diodo ener - Dobrador de Tensão - Circuitos Limitadores ou Ceifadores - Cargas em corrente alternada - Impedância -

Leia mais

Coletor de dados MensorNet

Coletor de dados MensorNet Coletor de dados MensorNet ML485 Edição 02/2011 Especificações Técnicas Por favor, leia integralmente estas instruções antes de ligar o equipamento. Descrição do Sistema O coletor de dados ML485 é parte

Leia mais

CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL.

CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL. CAPÍTULO 3 CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL.. Introdução : O uso dos F/Fs nos permite uma série de aplicações, tais como, memórias, contadores,

Leia mais

TUTORIAL FONTE LINEAR

TUTORIAL FONTE LINEAR TUTORIAL FONTE LINEAR Agradecemos a oportunidade de aprendizagem prática: Agradecimentos Programa de Educação Tutorial (PET) do MEC/SESu pelo suporte para o desenvolvimento deste tutorial. Francisco José

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação RADAR DUO 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento... 4 3.1

Leia mais

Tecnicas com Sistemas Digitais

Tecnicas com Sistemas Digitais Tecnicas com Sistemas Digitais Prof. Engº Luiz Antonio Vargas Pinto 1 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto Índice Índice...2 Introdução...3 Ruído (Bounce)...3 Transistor

Leia mais

SEQUENCIADOR COM 10 LEDs

SEQUENCIADOR COM 10 LEDs SEQUENCIADOR COM 10 LEDs Este projeto cria um sequenciador de 10 linhas a partir de um oscilador formado por um CI 555. O oscilador 555 envia um pulso para a entrada de um contador de década (CI 7490),

Leia mais

LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital

LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital 2014.02 LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital Nome do Aluno(a) I PRIMEIROS CONTATOS COM A I.1- Introdução Na primeira parte das atividades deste roteiro o aluno entrará

Leia mais

Experiência 01 Oscilador e Sequenciador Binário - Decimal

Experiência 01 Oscilador e Sequenciador Binário - Decimal Experiência 01 Oscilador e Sequenciador Binário - Decimal Thiago Valentin de Oliveira 29/09/2010 1 Introdução Esta experiência consta basicamente da união dos ramos analógico e digital da Eletrônica. Abordamos

Leia mais