LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS LABORATÓRIO 1 DIODOS Experimento 1 Características e Aplicações de Diodos LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos 1

2 Experimento 1 Características e Aplicações de Diodos (Parte 1) Objetivos Os experimentos de laboratório aqui apresentados têm por objetivo o estudo das características elétricas do diodo de junção de silício, bem como algumas de suas principais aplicações, tais como: retificadores, portas lógicas, grampeadores e multiplicadores de tensão (dobradores/triplicadores). Introdução Teórica Diodo Ideal O diodo semicondutor é um dos elementos básicos constituinte de uma grande variedade de sistemas eletrônicos atuais. Ele aparece em aplicações simples ou complexas. Antes de examinar as características de um dispositivo real, consideraremos primeiro o dispositivo ideal, que serve como base de comparação. O diodo ideal é um dispositivo de dois terminais, cujo símbolo e curva característica estão mostrados nas Figuras 1a e 1b, respectivamente. id v d vd i d - (a) (b) Figura 1 Diodo ideal: (a) símbolo; (b) características. Analisando a curva característica descrita acima, conclui-se que com a polaridade apresentada na Figura 1a o diodo se comporta como um curto-circuito (região de condução direta), caso se inverta a polaridade, o diodo se comporta como um circuito aberto (região de não-condução). Diodo Real O diodo semicondutor é formado da junção de um material tipo P com um material tipo N, construídos a partir da mesma base de Silício. Outros tipos de semicondutores, como o de Germânio, também são usados, mas o diodo de Silício é mais difundido comercialmente porque possui capacidade de corrente, tensão de pico inversa (TPI) e faixa de temperatura mais altas. A vantagem do diodo de Germânio sobre o de Silício é que sua região ativa se inicia com tensões mais baixas. Para diodos de Silício V O =0,7 V e para diodos de Germânio V O =0,3 V. 2

3 A Figura 2 mostra a curva característica do diodo de Silício. A mesma curva é mostrada na Figura 3, com as escalas expandidas ou comprimidas de forma a apresentar melhor os detalhes. id vd Figura 2 Característica do diodo de Silício escala contínua nos eixos vertical e horizontal. id (1) (3) vz (2) 0,7 V vd Figura 3 Característica do diodo de Silício escalas diferentes nos eixos vertical e horizontal. Na curva da Figura 3 pode-se observar três regiões distintas: (1) Região de polarização direta, determinada por v d >0; (2) Região de polarização reversa, determinada por v d <0; (3) Região de ruptura, determinada por v d <v z. A Região de Polarização Direta A condição de polarização direta é estabelecida quando aplicado o potencial positivo ao anodo e o potencial negativo ao catodo. A relação i d v d pode ser bem aproximada pela equação 2.1. Equation Section 2 vd ηv T id = Is e 1 (2.1) 3

4 I S é a Corrente de Saturação Reversa ou Corrente, que é constante para um determinado diodo numa dada temperatura, dependendo das dimensões da junção e da estrutura física. I S é da ordem de A e tem uma forte dependência com a temperatura, dobrando a cada acréscimo de 10 C. A tensão V T é uma constante chamada tensão térmica, dada por kt VT = (2.2) q k é a constante de Boltzman que vale 1, Joules/Kelvin T é a temperatura absoluta em Kelvin q é a carga elétrica do elétron que vale 1, Coulomb Na temperatura ambiente (27 C = 300K) o valor de V T é de aproximadamente 26 mv. A constante η da equação do diodo tem um valor entre 1 e 2, dependendo do material e da estrutura física do diodo. η=1 para diodos de Germânio e η=2 para diodos de Silício para correntes nominais. Para V d >>ηv T, ou seja, considerando η=2 para V d >>52mV a equação do diodo pode ser aproximada por ou na forma logarítmica v i d v d VT = I e η (2.3) s i d d =η VTln (2.4) I s Esta dependência logarítmica indica que, para grandes variações na corrente do diodo, tem-se uma pequena variação da sua tensão. Pela equação 2.4 observa-se que para η=1, a tensão do diodo aumenta 60 mv para um aumento de 10 vezes na corrente. Para uma dada temperatura, a característica do diodo fica completamente determinada conhecendo-se I S e η. Estes parâmetros podem ser determinados experimentalmente tomando dois valores diferentes de I D e V D. Para a primeira medição, tem-se V D1 D1 = ηvt Ln e I S I i d1 v d1 ηvt = I e (2.5) Para a segunda medição, tem-se vd2 I D2 ηvt VD2 = ηvt Ln e id2 = Ise (2.6) I S Dividindo-se a equação 2.6 pela equação 2.5, tem-se VD 2 VD1 I D2 ηvt = e (2.7) I D1 Aplicando-se logaritmo a ambos os termos obtém-se VD2 VD 1 η = (2.8) I D2 V T Ln I D1 De onde se calcula η. De posse do valor de η pode-se calcular o valor de I S utilizando a equação 2.5 ou a equação 2.6. Esta medição é realizada aplicando-se uma corrente sobre o diodo e medindo-se a sua tensão. Fazendo isso para vários valores pode-se produzir a curva completa. A curva característica do diodo também pode ser visualizada no osciloscópio s 4

5 usando os canais horizontal e vertical do mesmo e uma fonte de sinal com uma forma de onda dente de serra ou triangular. Aplicando na entrada X a tensão dos terminais do diodo e na entrada Y uma amostra da corrente do diodo retirada através de um resistor em série como mostrado no circuito da Figura 4, obtém-se a curva característica do diodo. D Y X Gnd R Figura 4 Conexões para observar a curva característica no osciloscópio. Deve-se observar que a tensão sobre o resistor é tomada com polaridade invertida com relação a corrente do circuito. Desta forma, a curva do diodo aparece invertida na tela do osciloscópio (4 quadrante). É importante observar que o osciloscópio e o gerador não podem ser ambos aterrados. Teste do Diodo com Ohmímetro A condição de um diodo semicondutor pode ser rapidamente determinada usando-se um ohmímetro. A bateria interna do ohmímetro polarizará direta ou reversamente o diodo quando aplicada. Se o terminal positivo for ligado ao ânodo e o terminal negativo ao cátodo, então o diodo fica diretamente polarizado e o medidor deve indicar uma resistência baixa. Com a polaridade contrária, a bateria interna polarizará o diodo reversamente e a resistência será muito alta. Esta análise vale apenas para o ohmímetro digital. Com o ohmímetro analógico, a análise que deve ser feita é a inversa da descrita anteriormente. Isto acontece porque a bateria interna do multímetro analógico polariza os componentes de forma invertida em relação ao multímetro digital. Caso ocorra uma medição pequena de resistência em ambas as polaridades, o diodo está danificado (curto-circuito ou em fuga). Caso ocorra uma medição de alta de resistência em ambas as polaridades, o diodo está danificado (aberto). A Figura 5 mostra a forma física de um diodo de baixa/média potência. Anodo Catodo Aplicações de Diodos Retificadores Figura 5 Forma física de um diodo de baixa/média potência. A principal aplicação de diodos é na construção de retificadores para uso em fontes de alimentação. Um retificador obtém uma tensão DC a partir de uma tensão alternada. O circuito com diodo transforma o sinal alternado de entrada em um sinal unipolar pulsante. Um filtro capacitivo separa a componente DC na tensão de saída. Para se ter um sinal de saída DC estável, normalmente se utiliza um regulador de tensão, que é um circuito que controla a tensão de saída modificando a sua 5

6 própria queda de tensão (no caso do regulador série), absorvendo as variações. Um diagrama genérico pode ser visto na Figura 6. IL Linha AC 220V/60Hz VS Retificador com Diodo Filtro Regulador de Tensão VO Carga Figura 6 Diagrama de uma fonte de alimentação. Em uma fonte de alimentação, o transformador tem a função de isolar a fonte da rede elétrica e reduzir ou elevar a tensão alternada da rede de forma a aproximar da tensão desejada. Ele consiste de dois indutores enrolados em torno de um núcleo de ferro laminado que acopla os dois enrolamentos magneticamente. O primário é ligado a rede e o secundário é conectado ao circuito. A relação entre a tensão de entrada e a de saída é dada pela relação entre o número de espiras do enrolamento primário e do secundário. É importante relembrar os conceitos de valor médio e valor eficaz ou RMS de uma forma de onda periódica. O valor médio do sinal f(t) de período T é 1 T Vm = f( T t)dt (2.8) 0 O valor médio de um sinal senoidal é zero. O valor médio de um sinal DC é o próprio valor DC. O valor RMS (Root Mean Squared) ou valor médio quadrático, é o valor que uma fonte DC teria para prover a mesma potência numa carga alimentada pela tensão AC. Matematicamente, o valor RMS do sinal f(t) de período T é 1 T 2 Vrms = [ f(t ] T ) dt (2.9) 0 V P O valor RMS de um sinal senoidal é 2, onde V P é a tensão de pico. O valor RMS de um sinal DC é o próprio valor DC. Para que o projeto de um retificador seja bem sucedido, devem-se saber quais componentes serão necessários e suas características. Para a determinação do transformador, deve-se saber qual a tensão e corrente máxima que a fonte irá fornecer. Estes são os valores nominais do transformador. Lembrando que a tensão indicada no invólucro do transformador é a tensão eficaz. Determinado V P e I MAX calculam-se os parâmetros que determinarão qual diodo se adequará ao projeto, tais como: Potência total máxima (P DMAX ), Tensão reversa máxima (V DRMAX ) e Corrente de pico máxima (I PDMAX ). O cálculo destes parâmetros depende do tipo de retificador utilizado. 6

7 Retificador de Meia Onda O circuito retificador de meia onda pode ser visto na Figura 7 e as formas de onda correspondentes nas Figuras 8 e 9. D V O V S R - D V O V S C R - (a) (b) Figura 7 Retificador de meia onda: (a) sem filtro; (b) com filtro VD VS VO Figura 8 Forma de onda da saída de um retificador de meia onda sem filtro. Na saída do retificador de meia onda obtemos um sinal pulsado com tensão em apenas meio ciclo. Assim não está havendo aproveitamento total da entrada. Ao colocarmos um capacitor como filtro, este se carregará quando a entrada for maior do que a saída. Nas descidas do sinal, o diodo para de conduzir e o capacitor fornece a corrente para a carga. Nesse período a forma de onda de saída é exponencial decrescente. A variação da tensão de saída é denominada ripple e é dada por VP Vr = (2.10) frc O valor médio da tensão de saída é diferente de zero, como pode ser observado na Figura 9 VR VS VO Figura 9 Forma de onda da saída de um retificador de meia onda com filtro. No retificador de meia onda, V DRMAX e I PDMAX são dados pelas seguintes equações respectivamente: 7

8 PDMAX V = 2V (2.11) DRMAX P I = I 1 2π 2V P MAX Vr (2.12) Retificador de Onda Completa O retificador de onda completa aproveita os dois ciclos do sinal de entrada, gerando um sinal pulsado com um período igual ao dobro da freqüência de entrada. Temos basicamente dois tipos de circuito retificador de onda completa: retificador com center tap (derivação central) e retificador em ponte. Retificador com Center Tap O retificador com center tap utiliza um transformador com derivação central no secundário, o que equivale a dois enrolamentos, ambos com o mesmo sentido (o sentido é explicitado em circuitos com transformadores através de pontos no símbolo que mostram a relação de fase entre primário e secundário). O circuito do retificador com center tap pode ser visto na Figura 10. A forma de onda resultante é mostrada na Figura 11.. V S V S D 1 R V O -. V S V S D 1 C R V O - D 2 D 2 (a) (b) Figura 10 Retificador com center tap: (a) sem filtro; (b) com filtro VD VO -VS Figura 11 Forma de onda de um retificador em onda completa sem filtro. Como os picos são mais próximos no retificador em onda completa, o tempo de descarga do capacitor é menor e, por conseguinte o ripple é menor, para a mesma corrente de carga. A variação da tensão de saída é dada por VP Vr = (2.13) 2fRC VS 8

9 No retificador de onda completa com center tap, V DRMAX e I PDMAX são dados pelas seguintes equações respectivamente: V = 2V (2.14) Retificador em Ponte PDMAX DRMAX I = I 1 2π P V P MAX 2Vr (2.15) A ponte de diodos é uma construção muito conhecida. O circuito de um retificador em ponte pode ser visto na Figura 12. Quando a tensão V S é positiva, D 1 e D 2 conduzem e a corrente na carga é positiva. Quando V S é negativa, D 3 e D 4 conduzem, mantendo o mesmo sentido da corrente, conseqüentemente a corrente na carga também é positiva. O resultado é o mesmo do retificador em center tap e é mostrado na Figura 13. D 4 D 1 D 4 V S D 2 D 3 R V O - D 1 V S D 2 D 3 C R V O - (a) (b) Figura 12 Retificador de onda completa em ponte: (a) sem filtro; (b) com filtro VR VO -VS Figura 13 Forma de onda de um retificador em onda completa com filtro: Center tap ou ponte. No retificador de onda completa em ponte, V DRMAX e I PDMAX são dados pelas seguintes equações respectivamente: VDRMAX = VP (2.16) V P IDPMAX = IMAX 1 2π 2Vr (2.17) VS 9

10 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Parte Experimental Aluno: Mat: Objetivos Montagem e observação experimental com diversos circuitos usando diodos a semicondutor. 1 Experimento Estudo da Curva Característica do Diodo a Semicondutor a) Dado o diodo de sinal 1N4148, identifique o anodo e o catodo com o ohmímetro. b) Monte o circuito da Figura 1. c) Aplique uma tensão V DC = 10V e meça a tensão sobre o diodo V D (leitura do voltímetro) considerando R= 220Ω, 470Ω, 1KΩ, 4,7KΩ, 10KΩ, 47KΩ e 100KΩ. Anote os dados na Tabela 1. O valor de I D VDC VD pode ser obtido pela relação I D =. R d) Com os valores medidos, encontre I s e η. e) Observe a variação da tensão (mínima e máxima) sobre o diodo quando comparada com a variação da corrente (mínima e máxima) pelo mesmo. Comente. f) Com V DC = 10V e R = 1KΩ, inverta a posição do diodo e meça a tensão sobre o diodo V D (leitura do voltímetro). Comente. Figura 1 R(Ω) 220Ω 470Ω 1kΩ 2,2kΩ 4,7kΩ 10kΩ 47kΩ 100kΩ Vd(V) Id(mA) Is η Tabela 1 10

11 2 Experimento - Comparador de Tensão e Portas Lógicas No circuito a seguir o sinal de saída corresponde ao maior entre os dois sinais de entrada, realizando a função max(v 1,V 2 ). Este circuito é denominado comparador de tensão, sendo a saída V o o maior entre os valores das tensões V 1 e V 2. Por outro lado, se os sinais de entrada forem digitais binários, com dois valores de tensão (V e 0) a saída do circuito realiza a função lógica OU. V 1 D 1 V 2 D 2 V O R COMPARADORDE TENSÃO e PORTA LÓGICA OU com diodos. a) Monte o circuito da Figura 2a. b) Preencha as Tabelas com os valores de V o1 e V o2 em função de V 1 e V 2. As entradas V 1 e V 2 só podem assumir os valores 0 V ou 5 V. c) Repita os itens (a) e (b) para o circuito da Figura 2b. d) Com base nas Tabelas obtidas identifique os circuitos lógicos correspondentes. 1N V V 1 1N kω V 2 1N kω V O1 V 1 V O2 Figura 2a V 2 1N4007 Figura 2b V1 V2 V01 V1 V2 V02 11

12 3 Experimento Retificadores de Tensão a) Monte os circuitos das Figuras 3a, 3b e 3c. b) Aplique uma tensão senoidal de 1 khz com V P = 10V e R=1KΩ. c) Observe o sinal na entrada e saída simultaneamente. Comente. d) Meça os valores das tensões de pico V P na entrada e na saída. Existe alguma diferença nas amplitudes (entrada/saída)? Justifique. e) Mude a forma de onda na entrada para onda triangular e quadrada. Observe a saída. Retificador de Meia Onda Figura 3a Figura 3b Conversor AC/DC Retificador de Onda Completa Figura 3c 12

13 4 Experimento Grampeador (Deslocador de Nível de Tensão) Os circuitos grampeadores ou deslocadores de níveis possuem aplicações muito importantes em circuitos eletrônicos. Têm como função deslocar a tensão alternada de entrada, adicionando ou subtraindo um valor CC à forma de onda alternada. Estes circuitos são utilizados também como restauradores de nível DC após acoplamento capacitivo. Os circuitos grampeadores baseiam seu funcionamento na ação do diodo, porém, não modificam a forma de onda de entrada, apenas acrescentam um nível de tensão contínua ao sinal. A função do circuito grampeador é deslocar a tensão de entrada de tal forma que o valor resultante máximo da saída permanecerá em um valor fixo, sem que ocorra distorção da forma de onda aplicada. Um grampeador tem por finalidade elevar um sinal, abaixo ou acima de um determinado nível. A tensão de saída é dita grampeada positivamente e o circuito está mostrado na Figura 9. Este circuito pode ser necessário quando as variações de um sinal devem ocorrer em torno de um nível DC, ou quando, um determinado sinal que sofreu desacoplamento capacitivo, onde teremos a retirada de sua componente contínua, e esta deve ser restaurada. a) Monte o circuito grampeador da Figura 4. A tensão de alimentação Vs do circuito pode ser a tensão do secundário do transformador ou de um gerador de sinais (Sinal senoidal 1kHz e 10V P ). Verifique o funcionamento deste circuito. b) Inverta a polaridade do diodo. Verifique o funcionamento deste circuito. Tire suas conclusões. Figura 4 5 Experimento Multiplicadores de Tensão Os multiplicadores da tensão são dispositivos de conversão de potência AC-DC geralmente representados por um conjunto de diodos e capacitores interligados de forma a produzirem uma alta tensão DC a partir do potencial de uma fonte AC de uma mais baixa tensão. Os multiplicadores são dispostos de múltiplos estágios sendo cada estágio representado por um diodo e um capacitor. São circuitos usados para obter grandes valores de tensões DC. O circuito multiplicador de tensão é aquele que aumenta o valor de uma tensão AC (senoide) por um número inteiro maior ou igual a dois. Os circuitos multiplicadores de tensão mais comuns são: os dobradores, os triplicadores e os quadruplicadores de tensão. O circuito dobrador de tensão permite que se obtenha uma tensão DC que equivale a duas vezes o 13

14 valor da tensão de pico positiva ou duas vezes o valor da tensão de pico negativa de um sinal senoidal de entrada. Usando apenas capacitores e diodos, estes multiplicadores de tensão podem intensificar tensões relativamente baixas a valores extremamente elevados, ao mesmo tempo em que são mais economicamente viáveis do que transformadores. Para cada montagem a seguir meça a tensão sobre cada capacitor. a) Monte o circuito dobrador de tensão da Figura 5a. Use um gerador de sinais (Sinal senoidal 1kHz e 10V P ). Verifique o funcionamento deste circuito. Observe e meça o valor da tensão V o. b) Monte o circuito dobrador de tensão da Figura 5b. Use um gerador de sinais (Sinal senoidal 1kHz e 10V P ). Verifique o funcionamento deste circuito. Observe e meça o valor da tensão V o. c) Monte o circuito triplicador de tensão da Figura 5d. Use um gerador de sinais (Sinal senoidal 1kHz e 10V P ). Verifique o funcionamento deste circuito. Observe e meça o valor da tensão V DC. d) Para cada um das medições efetuadas nos itens a, b e c compare e comente sobre os valores da tensão de pico na entrada e saída. Justifique. Dobrador de tensão de meia onda Figura 5a Dobrador de tensão de onda completa Figura 5b 14

15 Figura 5c Observe que as Figuras 5b e 5c são representantes de um mesmo circuito. Chama-se dobrador de tensão de onda completa porque cada um dos capacitores de saída é carregado durante cada semiciclo. Durante o semiciclo positivo D1 conduz carregando C1. Durante o semiciclo negativo D2 conduz carregando C2. Como a tensão de carga dos capacitores é o valor da tensão de pico da onda e eles estão dispostos em série a tensão sobre a resistência será de 2Vp. Triplicador de tensão Figura 5d Funcionamento: O primeiro estágio funciona como um duplicador de tensão de meia onda carregando C2 com 2V P Como no semiciclo negativo D3 fica diretamente polarizado C3 também se carrega com 2V P e entre C1 e C3 teremos uma tensão de 3V P (triplicador de tensão). 15

16 Quadruplicador de tensão Uma vantagem adicional desta configuração de circuito é que a tensão através de cada estágio é somente igual a duas vezes à tensão de entrada máxima, assim tem-se a vantagem de exigir componentes de custo relativamente baixo (tensão menor sobre cada capacitor individualmente) e de fácil isolação. Aplicações Usado originalmente para a obtenção de alta tensão nos tubos de imagem de televisores de raios catódicos, os multiplicadores de tensão atualmente encontram varias aplicações práticas: em fontes de alimentação de alta tensão, em sistemas de raio X, sistemas para lasers, em aceleradores de partícula, tubos de fotomultiplicadores, bombas de íons, ionisadores de ar, sistemas eletrostáticos, máquinas copiadoras, em backlighting de LCD, na instrumentação científica, nos osciloscópios e em muitas outras aplicações que utilizam alta tensão em DC. 6 Experimento LED (Light Emitting Diode) Diodos Emissores de Luz O LED é um diodo semicondutor (junção P-N) que quando energizado emite luz visível por isso LED (Diodo Emissor de Luz). A luz não é monocromática (como em um laser), mas consiste de uma banda espectral relativamente estreita e é produzida pelas interações energéticas do elétron. O processo de emissão de luz pela aplicação de uma fonte elétrica de energia é chamado eletroluminescência. Em qualquer junção P-N polarizada diretamente, dentro da estrutura, próximo à junção, ocorrem recombinações de lacunas e elétrons. Essa recombinação exige que a energia possuída por esse elétron, que até então era livre, seja liberada, o que ocorre na forma de calor ou fótons de luz. A cor, portanto, dependente do cristal e da impureza de dopagem com que o componente é fabricado. O led que utiliza o arseneto de gálio emite radiações infravermelhas. Dopandose com fósforo, a emissão pode ser vermelha ou amarela, de acordo com a concentração. Utilizando-se fosfeto de gálio com dopagem de nitrogênio, a luz emitida pode ser verde ou amarela. A cor da luz emitida (comprimento de onda) depende, portanto do material semicondutor usado na sua fabricação conforme a Tabela a seguir. 16

17 Os LEDs não suportam tensão reversa (Vr) de valor significativo, podendo-se danificá-los com apenas 5V de tensão nesse sentido. Os LEDs são mais duráveis, mais eficientes do ponto de vista luminoso (mais brilho), não emitem calor e consomem menos energia. Tabela Considere o circuito da Figura 6. Observe que tensão de alimentação de um LED depende de suas características e que variam com o tipo e cor de cada LED. (a) Aplique uma tensão V = 5V em série com um resistor R = 470Ω e utilizando LED s de diferentes cores (vermelho, verde, amarelo) meça a tensão sobre cada LED. (b) Substitua a fonte DC por uma onda quadrada com V=5V P, freqüência de 5 Hz e observe o comportamento do LED. Figura 6 17

18 Aplicações Os LED s possuem uma vasta gama de aplicações na pratica, desde sua indicação luminosa em equipamentos eletrônicos, iluminação residencial até a realização em semáforos e pistas de aeroportos, devido as suas características de luminosidade, eficiência, durabilidade e confiabilidade. Com a substituição dos sistemas de iluminação atual pela tecnologia dos LEDs, principalmente pelos HB-LEDs (High-Brightness LED) - LEDs de alto brilho - teremos grandes reduções no consumo energético global e redução dos custos em manutenção. Os LED s infra-vermelho emitem uma luz que não se vê, e que é usada tipicamente no controle remoto de TV, sistemas de segurança e outros aparelhos. 18

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores.

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. Circuitos com Diodos Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. O TRANSFORMADOR DE ENTRADA As companhias de energia elétrica no Brasil fornecem.umatensão senoidal monofásica de 127V

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 1 DIODOS RETIFICADORES

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 1 DIODOS RETIFICADORES INTRODUÇÃO CPÍTULO DIODOS RETIFICDORES O diodo é um dispositivo semi-condutor muito simples e é utilizado nas mais variadas aplicações. O uso mais freqüente do diodo é como retificador, convertendo uma

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro

Leia mais

Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP. Eletrônica Analógica Laboratório

Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP. Eletrônica Analógica Laboratório Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP 2002 Eletrônica Analógica Laboratório Eletrônica Analógica Atividades de Laboratório SENAI, Departamento Regional de São Paulo, 2002 Trabalho

Leia mais

23/5/2010. Circuitos Elétricos 2º Ano Engenharia da Computação SEMICONDUTORES

23/5/2010. Circuitos Elétricos 2º Ano Engenharia da Computação SEMICONDUTORES ESTUDO DO Os átomos de germânio e silício tem uma camada de valência com 4 elétrons. Quando os átomos de germânio (ou silício) agrupam-se entre si, formam uma estrutura cristalina, ou seja, são substâncias

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos SEMICONDUCTOR I Semiconductor I Semicondutor I M-1104A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA APOSTILA CUSO TÉCNICO EM ELETÔNICA PATE IV - Circuito etificador - Fonte de Tensão - Diodo ener - Dobrador de Tensão - Circuitos Limitadores ou Ceifadores - Cargas em corrente alternada - Impedância -

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica

Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha www.gvensino.com.br 1) Quantos elétrons de valência tem um átomo de silício? a) 0 b) 1 c) 2 d) 4 e) 8 2) Marque qual ou quais

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC Universidade Estadual de Campinas Unicamp EE531 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA BÁSICA I EXPERIÊNCIA 2

Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC Universidade Estadual de Campinas Unicamp EE531 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA BÁSICA I EXPERIÊNCIA 2 Faculdade de ngenharia létrica e de Computação FC Universidade stadual de Campinas Unicamp 531 LABORATÓRIO D LTRÔNICA BÁSICA I XPRIÊNCIA 2 TRANSISTOR BIPOLAR Prof. Lee Luan Ling 1 o SMSTR D 2010 1 Objetivo:

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais A parte

Leia mais

Antes de estudar a tecnologia de implementação do transistor um estudo rápido de uma junção;

Antes de estudar a tecnologia de implementação do transistor um estudo rápido de uma junção; Transistor O transistor é um elemento ativo e principal da eletrônica. Sendo um elemento ativo o transistor é utilizado ativamente na construção dos circuitos lineares e digitais. Os transistores podem

Leia mais

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios 01 Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios Corrente Alternada: é toda tensão cuja polaridade muda ao longo do tempo. Forma mais comum: Senoidal: Na imagem

Leia mais

1 - Formas de ondas alternadas senoidais

1 - Formas de ondas alternadas senoidais 1 - Formas de ondas alternadas senoidais OBJETIVOS Familiarizar-se com as características de uma forma de onda senoidal, incluindo seu formato geral, valor médio e valor eficaz. Ser capaz de determinar

Leia mais

CHAVEAMENTO COM SCR S

CHAVEAMENTO COM SCR S ELE-59 Circuitos de Chaveamento Prof.: Alexis Fabrício Tinoco S. INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA 1. INTRODUÇAO CHAVEAMENTO COM

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

ENCONTRO 3 AMPLIFICADORES EM CASCATA (ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES)

ENCONTRO 3 AMPLIFICADORES EM CASCATA (ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES) CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA I PROFESSOR: VLADEMIR DE J. S. OLIVEIRA ENCONTRO 3 AMPLIFICADORES EM CASCATA (ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES) 1. COMPONENTES DA EQUIPE Alunos Nota: Data:

Leia mais

Vejamos alguns dados técnicos É imprescindível a necessidade de adaptação com alguns termos e abreviaturas normalmente usadas.

Vejamos alguns dados técnicos É imprescindível a necessidade de adaptação com alguns termos e abreviaturas normalmente usadas. D IODO LED E D ISPLAY DE SETE SEGMENTOS O Diodo LED, é um diodo com uma finalidade especifica, emitir Luz. Os LEDs assim como os diodos retificadores possuem dois terminais, que são ânodo (A) e cátodo

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo DIODO SEMICONDUOR INRODUÇÃO Materiais semicondutores são a base de todos os dispositivos eletrônicos. Um semicondutor pode ter sua condutividade controlada por meio da adição de átomos de outros materiais,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução de Eletrônica Analógica Laboratório No.

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Eletrônica Diodo 02 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 02 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 02 CIN-UPPE Diodo zener Diodo Zener é um tipo especial de diodo, que por construção, intencionalmente, opera na região de ruptura. Este tipo de diodo, também chamado diodo de ruptura,

Leia mais

MATERIAIS NECESSÁRIOS: - Fonte de alimentação - Multímetro - Proto-board - Cabos de conexão - Resistor (1k ) - Diodo (1N4007)

MATERIAIS NECESSÁRIOS: - Fonte de alimentação - Multímetro - Proto-board - Cabos de conexão - Resistor (1k ) - Diodo (1N4007) TÍTULO: CURVA DO DIODO OBJETIVOS: Conhecer as características de operação de um diodo, mais especificamente, o que ocorre em sua junção quando diretamente e inversamente polarizado; calcular a resistência

Leia mais

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s).

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s). Campus Serra COORDENADORIA DE AUTOMAÇÂO INDUSTRIAL Disciplina: ELETRÔNICA BÁSICA Professor: Vinícius Secchin de Melo Sinais Senoidais Os sinais senoidais são utilizados para se representar tensões ou correntes

Leia mais

Eletrônica Analógica

Eletrônica Analógica UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Eletrônica Analógica Transistores de Efeito de Campo Professor Dr. Lamartine Vilar de Souza lvsouza@ufpa.br www.lvsouza.ufpa.br

Leia mais

Título da Experiência

Título da Experiência Título da Experiência 1. Objetivo Copiar o(s) objetivo(s) definido(s) pelo professor no roteiro da experiência. 2. Teoria Apresentar os conceitos teóricos relativos à experiência em questão. O conteúdo

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 DIODO SEMICONDUTOR Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 Conceitos Básicos O diodo semicondutor é um componente que pode comportar-se como condutor ou isolante elétrico, dependendo da forma como a tensão é aplicada

Leia mais

LABORATÓRIO 11. Diodos e LEDs. Objetivos: Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência. do LED.

LABORATÓRIO 11. Diodos e LEDs. Objetivos: Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência. do LED. LABORATÓRIO 11 Diodos e LEDs Objetivos: do LED. Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência Materiais utilizados Diodo, LED, multímetro, resistores,

Leia mais

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Diodos TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Sumário Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos Circuitos Retificadores O diodo retificador converte

Leia mais

Díodo de Junção Semicondutora

Díodo de Junção Semicondutora íodo de Junção emicondutora ispositivos Eletrónicos Licenciatura em Engenharia Electrónica C. Ferreira Fernandes 2012-13 Laboratório de ispositivos Electrónicos ÍOO E JUNÇÃO Material utilizado: Placa de

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays D.T. e J.R.B./200 (revisão) E.T.M./2003 (revisão da parte experimental) E.T.M./200 (revisão) E.T.M./2006 (revisão) RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre

Leia mais

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Programa de Educação Tutorial PET Grupo PET-Tele Dicas PET-Tele Uma breve introdução à componentes

Leia mais

Componentes Eletrônicos. Resistores, Capacitores e Indutores J.R.Kaschny (2013)

Componentes Eletrônicos. Resistores, Capacitores e Indutores J.R.Kaschny (2013) Componentes Eletrônicos Resistores, Capacitores e Indutores J.R.Kaschny (2013) Resistores Símbolos comuns: Fixos Variáveis Potenciômetros Tipos usuais: Parâmetros relevantes: Modelo realístico: Fixos fio,

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Diodo semicondutor. Índice. Comportamento em circuitos

Diodo semicondutor. Índice. Comportamento em circuitos semicondutor Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de ) [1][2] semicondutor é um dispositivo ou componente eletrônico composto de cristal semicondutor de silício ou germânio numa película

Leia mais

Curva Característica de um Díodo Zener

Curva Característica de um Díodo Zener Curva Característica de um Díodo Zener Ano Lectivo 2003/2004-2º Semestre O presente trabalho prático é composto por duas secções : Protocolo Descrição dos procedimentos a efectuar pelo aluno. O protocolo

Leia mais

CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTOR

CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTOR CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTO O diodo semicondutor é um dispositivo, ou componente eletrônico, composto de um cristal semicondutor de silício, ou germânio, em uma película cristalina cujas faces opostas

Leia mais

SEÇÃO 7C Alternadores

SEÇÃO 7C Alternadores SEÇÃO 7C Alternadores Índice da Seção Página ALTERNADORES Tabela nº... Identificação, Descrição dos Sistemas... Teste de Saída de Tensão - Somente CA... 0 Teste de Saída de Tensão - Somente CC... 9 / A...

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RL DIGITAL MODELO RL-250

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RL DIGITAL MODELO RL-250 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RL DIGITAL MODELO RL-250 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1

Leia mais

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES 1. Associe as informações das colunas I, II, III e IV referentes às características do semicondutor I II III

Leia mais

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima O que são sistemas eletrônicos? Sistemas elétricos, como os circuitos da sua casa, usam corrente elétrica para alimentar coisas como

Leia mais

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR)

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) OBJETIVOS: a) entender o funcionamento de um transistor unipolar; b) analisar e entender as curvas características de um transistor unipolar; c) analisar o funcionamento de

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação :

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação : UNIERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 ET74C Profª Elisabete N Moraes AULA 8 RETIFICADOR MONOFÁSICO DE ONDA COMPLETA Em 22 de outubro de 2014. REISÃO:

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima

Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima Dispositivos optoeletrônicos A optoeletrônica é a tecnologia que combina a ótica com a eletrônica. Exemplos de dispositivos

Leia mais

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica Semicondutores, Diodos e Retificadores Questões sobre Semicondutores: 1) O que é um material semicondutor? Dê 2 exemplos. 2) O que é camada de valência? 3) O

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga:

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga: Unidade 3 SEMICONDUTORES E g ~ 1 ev E F E = 0 Elétron pode saltar da banda de valência para a banda de condução por simples agitação térmica Concentração de portadores de carga: Para metais: elétrons de

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

Guia de laboratório de Electrónica II. Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho)

Guia de laboratório de Electrónica II. Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho) Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Secção de Electrónica Guia de laboratório de Electrónica II Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho) Grupo

Leia mais

fig. 1 - símbolo básico do diodo

fig. 1 - símbolo básico do diodo DIODOS São componentes que permitem a passagem da corrente elétrica em apenas um sentido. Produzidos à partir de semicondutores, materiais criados em laboratórios uma vez que não existem na natureza, que

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV 1/9 arga e Descarga de apacitores Objetivos: Levantar as curvas características de carga e descarga de capacitores; Determinar a capacitância através das curvas ln( i) tempo na carga e descarga. Equipamentos:

Leia mais

Laboratório de. Eletrônica Analógica II

Laboratório de. Eletrônica Analógica II UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Laboratório de Eletrônica Analógica II Professor Volney Coelho Vincence, 2014/1 Vincence Eletrônica

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos SEMICONDUCTOR II Semiconductor II Semicondutor II M-1104B *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Medidas Elétricas em Alta Frequência Quando o comprimento de

Leia mais

Sumário. Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos. Diodos. Circuitos Retificadores

Sumário. Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos. Diodos. Circuitos Retificadores Sumário Diodos Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores: Meia Onda O diodo retificador

Leia mais

Calculando resistor limitador para LED.

Calculando resistor limitador para LED. Calculando resistor limitador para LED. Texto Adaptado de: http://www.py2bbs.qsl.br/led.php. Acesso em: 01/03/2011 Aviso: Leia este texto completamente, não pule partes, pois explico o básico do básico

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

TUTORIAL FONTE LINEAR

TUTORIAL FONTE LINEAR TUTORIAL FONTE LINEAR Agradecemos a oportunidade de aprendizagem prática: Agradecimentos Programa de Educação Tutorial (PET) do MEC/SESu pelo suporte para o desenvolvimento deste tutorial. Francisco José

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 5: APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller Descrição geral Um dos primeiros tipos de detector desenvolvidos foi o chamado contador (ou tubo) de Geiger-Muller. Este contador permite detectar a presença

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2 Experiência N o 02: Medidas C I - Objetivos Familiarização com os equipamentos de laboratório: gerador de funções, osciloscópio e multímetro. II - Introdução

Leia mais

Trabalho. Eletrônica de potencia

Trabalho. Eletrônica de potencia [MSG1] Comentário: Centro Universo de Educação e Desenvolvimento Trabalho Eletrônica de potencia Aluno: Curso: Técnico em Automação e Controle Industrial Professor: Henrique 2/5/09 Centro Universo de Educação

Leia mais

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC)

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) Circuitos AC (RL/RC/RLC) M-1103A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos Conteúdo P1 - Erro experimental....3 P2 - Osciloscópio.... 5 P3 - Divisor de tensão. Divisor de corrente.... 13 P4 - Fonte de tensão.

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Tutorial do Proteus Parte A - Simulação 1

Retificadores (ENG - 20301) Tutorial do Proteus Parte A - Simulação 1 2 GND CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS ELETRÔNICOS Retificadores (ENG - 20301) Tutorial do Proteus

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

AMPLIFICADOR CLASSE A

AMPLIFICADOR CLASSE A AMPLIFICADOR CLASSE A OBJETIVOS: Verificar experimentalmente o comportamento de um amplificador classe A transistorizado e analisar as formas de onda obtidas na saída em função de um sinal aplicado na

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

LEE 2006/07. Guia de Laboratório. Trabalho 3. Circuitos Dinâmicos. Resposta no Tempo

LEE 2006/07. Guia de Laboratório. Trabalho 3. Circuitos Dinâmicos. Resposta no Tempo Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 3 Circuitos Dinâmicos Resposta no Tempo INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores

Leia mais

Diodo túnel Diodo Esaki

Diodo túnel Diodo Esaki Diodo túnel Diodo Esaki Diodos convencionais são dopados com um átomo de impureza para cada dez milhões de átomo de semicondutor intrínseco. Aumentando-se a dopagem para mil átomos de impureza para cada

Leia mais

Notas sobre os instrumentos

Notas sobre os instrumentos 8 ircuitos de corrente alternada Notas sobre os instrumentos A. Precisão de alguns instrumentos: Antes de desperdiçar tempo querendo medir com mais precisão do que os instrumentos permitem, tenha presente

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais