Anexo I CATEGORIA I: ACESSIBILIDADE CATEGORIA II: CULTURA CATEGORIA III: EDUCAÇÃO DESCRIÇÃO. Acessibilidade. Acesso à cultura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo I CATEGORIA I: ACESSIBILIDADE CATEGORIA II: CULTURA CATEGORIA III: EDUCAÇÃO DESCRIÇÃO. Acessibilidade. Acesso à cultura"

Transcrição

1 Anexo I CATEGORIA I: ACESSIBILIDADE Acessibilidade Projetos para implementação de políticas públicas e interdisciplinares adequados à inclusão social, para que mais pessoas possam usufruir dos direitos fundamentais que lhe são garantidos. Projetos que contribuam com o incremento de investimentos em negócios ligados aos vestuários, para portadores de deficiência física, apoiados na criatividade e na inovação do setor de confecção. Projetos que promovam a acessibilidade de pessoas com limitações físicas, à edificações, espaço mobiliário e equipamentos urbanos. Projetos que garantam o direito do cidadão de ir e vir. Projetos que contribuam com a melhoria no Índice de Desenvolvimento Humano do estado. voltadas para o fornecimento de condições para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida. Projetos que ofereçam ferramentas que permitam a acessibilidade de deficientes visuais, auditivos e motores aos conteúdos da rede. Projetos que promovam o acesso a bens e serviços que não seriam acessados de outra forma pelas minorias e/ou base da pirâmide. Projetos que eliminem barreiras para todo o tipo de deficiência, seja congênita, adquirida, crônica ou temporal, física ou psíquica. CATEGORIA II: CULTURA Acesso à cultura Projetos que incentivem e/ou fomentem ações de fortalecimento da cultura, história e tradições locais. CATEGORIA III: EDUCAÇÃO Educação de Jovens e Adultos Projetos que promovam o acesso à aquisição de novas competências (comportamentais ou técnicas), educação profissionalizante, acesso ao ensino superior, acesso à novos mercados e acesso à informação.

2 CATEGORIA III: EDUCAÇÃO Educação Ambiental Formação, Geração de Renda e Empreendedorismo Inclusão digital Comunicação para o Mundo (estudo de inglês) de educação ambiental engajando seus públicos enquanto protagonista da transformação da própria realidade. empreendedoras no ambiente escolar e/ou comunidades engajando-as no processo de transformação da própria realidade. Projetos que promovam o acesso à educação digital Projetos que fomentem a inclusão digital para que o cidadão exerça a sua participação política na sociedade do conhecimento. As iniciativas nessa área visam garantir a disseminação e o uso das tecnologias da informação e comunicação orientadas ao desenvolvimento social, econômico, político, cultural, ambiental e tecnológico, centrados nas pessoas, em especial nas comunidades e segmentos excluídos. Projetos que promovam o aprendizado de outra língua para população de baixa renda que permitam acessar melhores empregos e remuneração. Construções e infraestrutura urbana alternativa Insumos alternativos CATEGORIA IV: HABITAÇÃO Projetos baseados no desenvolvimento de tecnologias alternativas de construção e infraestrutura que beneficiem a população de baixa renda e promovam o acesso a moradia a preços acessíveis. Uso de materiais não convencionais para habitações, como por exemplo, madeira de plástico reciclado, paredes de isopor,... Tecnologias alternativas Processos alternativos, aqueles se que diferem total ou parcialmente do processo convencional, seja pela sua racionalização, seja mediante o uso de materiais e tecnologias não convencionais como por exemplo, a Permacultura. Tecnologias Inclusivas Projetos que façam uso de tecnologias inclusivas e/ou transversais para a promoção de habitação à população de baixa renda. CATEGORIA V: ENERGIA RENOVÁVEL Aproveitamento de oportunidades ambientais e de negócios na área de energia Projetos de investigação e desenvolvimento tecnológico Projetos de investimento em eficiência energética Projetos que envolvam o desenvolvimento e aplicação de energias alternativas, como por exemplo, uso de biomassa para a produção de energia, desenvolvimento de tecnologias que reduzam o consumo de eletricidade, etc. Projetos que envolvam a pesquisa e aplicação de novas tecnologias para energias renováveis e limpas. Projetos que envolvam tecnologias que potencializem o uso energia evitando desperdícios/controlando o uso e/ou racionalizando o consumo.

3 CATEGORIA VI: MEIO AMBIENTE Adequação e implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Agricultura familiar Agronegócio Tratamento de resíduos Projetos que contemplem a destinação de resíduos e cadeia de logística reversa. Projetos que promovam a fixação do homem no campo viabilizando financeiramente seus negócios a partir da implantação de soluções que reduzam custos e/ou potencializem o uso dos recursos existentes. Projetos que utilizem tecnologias alternativas e sustentáveis capazes de contribuir para a melhoria da produtividade do agronegócio sem comprometer o meio ambiente: soluções em irrigação a preços acessíveis, tecnologias de cultivo, uso criativo e sustentável dos recursos locais. Projetos para tratamento de resíduos de baixo custo. Reciclagem de resíduos Preservação e conservação ambiental Projetos que utilizem resíduos como insumos para a produção de bens de uso e/ou consumo. Projetos que utilizam alternativas para a preservação de nascentes, recuperação de áreas degradadas, a preservação e a conservação de patrimônios naturais. CATEGORIA VII: NUTRIÇÃO Alimentação especial Alimentação funcional restauradora Projetos que utilizem alternativas nutricionais para portadores de necessidades de alimentação especial tais como sem glúten, sem lactose, etc. Projetos que tenham por finalidade recuperar crianças, jovens e adultos com carências nutricionais. CATEGORIA VIII: SANEAMENTO URBANO E RURAL Sistemas de Abastecimento de Água Sistemas de reservação de água Sistemas de Esgotamento Sanitário Sistemas de irrigação Sistemas de reaproveitamento de água Projetos que utilizem alternativas viáveis para o abastecimento de água, para o manejo ecológico da água e redução de desperdícios nas redes. Projetos que utilizem alternativas viáveis para a reservação de água, incluindo águas de chuva e ampliação do atendimento à população de baixa renda. Projetos que utilizem alternativas viáveis para o esgotamento sanitário, incluindo tratamento e ampliação do atendimento à população de baixa renda. Projetos que utilizem alternativas viáveis para a irrigação de hortas e outros plantios que necessitam de áreas irrigadas. Projetos que utilizem alternativas viáveis para o reuso de água, incluindo as águas cinzas.

4 CATEGORIA IX: SAÚDE Acesso à informações Projetos que promovam o acesso/melhoria do acesso a informações e serviços de saúde. Projetos que criem alternativas de acesso aos serviços de saúde pelas minorias e base da pirâmide. Biofármacos, farmoquímicos e Projetos que contemplem a disseminação/uso/produção e medicamentos comercialização de biofármacos, farmoquímicos e medicamentos e que contribuam de forma positiva para a melhoria da saúde da população em termos de resolubilidade e acessibilidade. Doenças Crônicas Projetos que contemplem a prevenção e/ou tratamento de doenças crônicas, tais como diabetes, hipertensão, etc. Inclusão e governança Projetos que incentivem e/ou promovam o acesso a informações cerca do sistema de saúde. Equipamentos e dispositivos Projetos que contemplem o desenvolvimento e/ou aplicação de médicos tecnologias que proporcionem melhoria na qualidade dos serviços de saúde prestados. CATEGORIA X: SERVIÇOS FINANCEIROS Acesso ao crédito Projetos que promovam modalidades alternativas de acesso a serviços financeiros. CATEGORIA XI: TERCEIRA IDADE Inclusão da Melhor Idade Projetos voltados para melhorar a qualidade de vida do público de Terceira Idade. CATEGORIA XII: TURISMO Turismo Projetos que contribuam com o fomento e incremento do fluxo turístico, no período de baixa estação. Projetos que promovam a igualdade de oportunidades e o exercício da cidadania, para os que não têm oportunidade de participar, direta ou indiretamente dos benefícios da atividade turística. Projetos voltados para os vários segmentos do Turismo Social, com o objetivo de obter benefícios sociais. Projetos que promovam diferentes visões dos atrativos turísticos do estado, relacionadas com a cultura e história de cada região turística capixaba. Projetos que venham a contribuir com os Indicadores de Turismo, de forma sistêmica e articulada, para atração de investimentos.

5 CATEGORIA XIII: OUTROS Projetos que não se encaixam nas categorias citadas mas que geram atendem aos fundamentos de negócios privados de impacto social.

ANEXO I QUADRO 1: CÓDIGOS DA DIMENSÃO «DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO» Investimento produtivo genérico em pequenas e médias empresas («PME»)

ANEXO I QUADRO 1: CÓDIGOS DA DIMENSÃO «DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO» Investimento produtivo genérico em pequenas e médias empresas («PME») PT 8.3.2014 Jornal Oficial da União Europeia L 69/71 ANEXO I Dimensões e códigos para as categorias de intervenção dos Fundos (1) no âmbito do objetivo de Investimento no Crescimento e no Emprego e da

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 433/2015 CAPÍTULO I DOS CONCEITOS

PROJETO DE LEI Nº 433/2015 CAPÍTULO I DOS CONCEITOS PROJETO DE LEI Nº 433/2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. CAPÍTULO I DOS CONCEITOS Art. 1º Esta Lei institui a Política Municipal de estímulo à Produção

Leia mais

Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo...

Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo... Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo... Fonte de recursos para projetos novembro 2012 1. Patrocínios 1.1 PATROCÍNIO A EVENTOS E PUBLICAÇÕES (Revisado) Data limite: 60 dias de antecedência

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13.

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13. PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13.146/2015) Sumário: I Direitos previstos na Constituição Federal II Direitos

Leia mais

POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE. - Não seja portador de Preconceito -

POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE. - Não seja portador de Preconceito - POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE - Não seja portador de Preconceito - 2014 1 OBJETO As Políticas Institucionais de Acessibilidade Não seja portador de preconceito tem como objetivo promover ações

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

PROPOSTAS DE CAMPANHA COLIGAÇÃO COLIGAÇÃO QUATRO MELHOR. SIRLEY JUNQUEIRA Prefeita e JOEL RAMOS Vice-Prefeito

PROPOSTAS DE CAMPANHA COLIGAÇÃO COLIGAÇÃO QUATRO MELHOR. SIRLEY JUNQUEIRA Prefeita e JOEL RAMOS Vice-Prefeito PROPOSTAS DE CAMPANHA COLIGAÇÃO COLIGAÇÃO QUATRO MELHOR SIRLEY JUNQUEIRA Prefeita e JOEL RAMOS Vice-Prefeito 1. PLANEJAMENTO - Planejar o desenvolvimento do município em todos os seguimentos. - Criar centro

Leia mais

PROPOSTAS PARA DESENVOLVIMENTO NAS ÁREAS

PROPOSTAS PARA DESENVOLVIMENTO NAS ÁREAS POLÍTICAS PÚBLICAS: SANEAMENTO OBRAS PARTICIPAÇÃO POPULAR EDUCAÇÃO SAÚDE O que são políticas públicas? Políticas públicas podem ser entendidas como ações desenvolvidas pelo Estado, tendo em vista atender

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

EIXOS E PROGRAMAS ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIX. EIXO 2 -Conhecimento e inovação tecnológica

EIXOS E PROGRAMAS ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIX. EIXO 2 -Conhecimento e inovação tecnológica ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIX EIXOS E PROGRAMAS EIXO 2 -Conhecimento e inovação tecnológica Programa de fortalecimento da capacidade de pesquisa e desenvolvimento tecnológico Programa de inovação

Leia mais

Lei nº 8.111, de 08 de outubro de 2009.

Lei nº 8.111, de 08 de outubro de 2009. Lei nº 8.111, de 08 de outubro de 2009. Dispõe sobre a política municipal do idoso e dá outras providências A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR.

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. (PUBLICAÇÃO - MINAS GERAIS DIÁRIO DO EXECUTIVO - 18/01/2014 PÁG. 2 e 03)

Leia mais

Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA

Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para

Leia mais

Subsecretaria de Economia Verde. Subsecretaria de Economia

Subsecretaria de Economia Verde. Subsecretaria de Economia Subsecretaria de Economia Verde Atual Conjuntura O Estado do Rio de Janeiro apresenta forte crescimento econômico, porém agora é o momento de posicioná-lo como uma liderança dentro uma inoxorável tendência:

Leia mais

A Estratégia de Responsabilidade Social da CAIXA em seus 148 anos

A Estratégia de Responsabilidade Social da CAIXA em seus 148 anos A Estratégia de Responsabilidade Social da CAIXA em seus 148 anos Superintendência Regional de Negócios Rio de Janeiro Centro Plínio Magalhães Fonseca Gerente Regional 07 de Outubro de 2009 Responsabilidade

Leia mais

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado A oferta da Promon Intelligens considera o desenvolvimento de

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

Quadro Comparativo. Lei Brasileira da Inclusão (Versão 1) Lei Brasileira da Inclusão da Pessoa com Deficiência *(Versão 09/12/2014) **

Quadro Comparativo. Lei Brasileira da Inclusão (Versão 1) Lei Brasileira da Inclusão da Pessoa com Deficiência *(Versão 09/12/2014) ** Quadro Comparativo Lei Brasileira da Inclusão (Versão 1) Lei Brasileira da Inclusão da Pessoa com Deficiência *(Versão 09/12/2014) ** *Institui a Lei Brasileira da Inclusão da Pessoa com Deficiência. **

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

RESOLUÇÃO N 124/2006. O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95,

RESOLUÇÃO N 124/2006. O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95, RESOLUÇÃO N 124/2006 O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95, RESOLVE: Aprovar a utilização das definições de Programas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO. *Programas de prevenção contra o consumo de bebidas alcoólicas, drogas e cigarros.

PROPOSTA DE GOVERNO. *Programas de prevenção contra o consumo de bebidas alcoólicas, drogas e cigarros. Em relação a saúde: PROPOSTA DE GOVERNO *A política de saúde objetiva garante a toda população plenas condições de saúde e para tal investiremos em programas de ações preventivas. *Ampliar e melhorar o

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 7 8 9 10 11 12. Estudo da Capacidade de Carga de Recursos Turisticos Naturais do Pólo

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 7 8 9 10 11 12. Estudo da Capacidade de Carga de Recursos Turisticos Naturais do Pólo CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 1.000.000,00 300.000,00 1.000.000,00 3.000.000,00 2.000.000,00 400.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência? 1.2 1.3 Escala da

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO 67 68. Elaboração do Programa de Promoção de Eventos do Pólo Costa do Delta

Discriminação AÇÃO AÇÃO 67 68. Elaboração do Programa de Promoção de Eventos do Pólo Costa do Delta CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 840.000,00 2.500.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência? 1.2 Escala da ação é compatível com a escala do programa? 1.3 Existem

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

REGULAMENTO XIII PRÊMIO MÉRITO FITOSSANITÁRIO COOPERATIVAS 2009

REGULAMENTO XIII PRÊMIO MÉRITO FITOSSANITÁRIO COOPERATIVAS 2009 REGULAMENTO XIII PRÊMIO MÉRITO FITOSSANITÁRIO COOPERATIVAS 2009 1. Apresentação O Prêmio Mérito Fitossanitário é o reconhecimento ações de responsabilidade social e ambiental das indústrias de defensivos

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE RESOLUÇÃO 099/2014. Dispõe sobre o registro das entidades nãogovernamentais sem fins lucrativos que tenham por objetivo a assistência ao adolescente e à educação profissional e a inscrição de programas

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO CONSCIENTE: Fortalecendo a relação entre consumidores e produtores agroecológicos 1

EXPERIÊNCIAS DE EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO CONSCIENTE: Fortalecendo a relação entre consumidores e produtores agroecológicos 1 EXPERIÊNCIAS DE EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO CONSCIENTE: Fortalecendo a relação entre consumidores e produtores agroecológicos 1 Moacir R. Darolt 2 O objetivo deste relato é apresentar algumas estratégias de

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento Turístico Sustentável para as Terras do Priolo. Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo 21-10-2011

Estratégia de Desenvolvimento Turístico Sustentável para as Terras do Priolo. Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo 21-10-2011 2011 Estratégia de Desenvolvimento Turístico Sustentável para as Terras do Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo 21-10-2011 VISÃO: 1 As Terras do Priolo como produto turístico integrado

Leia mais

REGULAMENTO. Brasília, 13 de setembro de 2012 1

REGULAMENTO. Brasília, 13 de setembro de 2012 1 REGULAMENTO Brasília, 13 de setembro de 2012 1 Prêmio Valores do Brasil 3ª Edição Regulamento 1. Eixo Temático: Economia Verde e Inclusiva, visão integradora da Causa Água que fortalece os aspectos econômicos,

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE EDUCAÇÃO SANTA MARIA-RS/BRASIL EDUCAÇÃO: ECONOMIA SOLIDÁRIA E ÉTICA PLANETÁRIA

FÓRUM MUNDIAL DE EDUCAÇÃO SANTA MARIA-RS/BRASIL EDUCAÇÃO: ECONOMIA SOLIDÁRIA E ÉTICA PLANETÁRIA Carta de Santa Maria FÓRUM MUNDIAL DE EDUCAÇÃO SANTA MARIA-RS/BRASIL EDUCAÇÃO: ECONOMIA SOLIDÁRIA E ÉTICA PLANETÁRIA Nós, participantes do Fórum Mundial de Educação, realizado em Santa Maria (RS-Brasil),

Leia mais

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de

Leia mais

Planejamento Estratégico Municipal. Tibagi -PR. A Cidade Que Nós Queremos

Planejamento Estratégico Municipal. Tibagi -PR. A Cidade Que Nós Queremos Municipal Tibagi -PR A Cidade Que Nós Queremos Bem Vindos a Tibagi A Cidade Que Nós Queremos Planejamento Estratégico Municipal Tibagi -PR Municipal Cidades e Cidadãos As cidades são as pessoas A vida

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE 2005 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº Institui

PROJETO DE LEI Nº Institui PROJETO DE LEI Nº Institui o Programa Agricultura Familiar Urbana na Escola Cidadã, priorizando, para a merenda escolar, a aquisição de hortifrutigranjeiros da agricultura familiar de Canoas. Art. 1. Fica

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL.

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO

Leia mais

Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana - SeMOB PROGRAMA BRASIL ACESSÍVEL ACESSIBILIDADE E REVITALIZAÇÃO DOS PASSEIOS PÚBLICOSP

Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana - SeMOB PROGRAMA BRASIL ACESSÍVEL ACESSIBILIDADE E REVITALIZAÇÃO DOS PASSEIOS PÚBLICOSP Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana - SeMOB PROGRAMA BRASIL ACESSÍVEL ACESSIBILIDADE E REVITALIZAÇÃO DOS PASSEIOS PÚBLICOSP São Paulo/SP, 28 de agosto de 2009 MOBILIDADE URBANA: Atributo

Leia mais

MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE RELAÇÃO DOS PROGRAMAS VIGENTES NO EXERCÍCIO 2015 PLANO PLURIANUAL E ORÇAMENTO 2015

MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE RELAÇÃO DOS PROGRAMAS VIGENTES NO EXERCÍCIO 2015 PLANO PLURIANUAL E ORÇAMENTO 2015 CódigoDenominação 1001 1002 1003 1004 1005 1006 1007 1008 1009 1011 1012 Objetivo 1013 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO Promover o desenvolvimento pessoal e

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE GAROPABA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE GAROPABA LEI COMPLEMENTAR N.º 1.463, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. INSTITUI O PLANO DIRETOR MUNICIPAL, ESTABELECE OBJETIVOS, DIRETRIZES E INSTRUMENTOS PARA AS AÇÕES DE PLANEJAMENTO NO MUNICÍPIO DE GAROPABA E DÁ OUTRAS

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS - CONSOLIDADO GERAL. Demonstrativo de Funções, Subfunções e Programas para Projetos e Atividades

MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS - CONSOLIDADO GERAL. Demonstrativo de Funções, Subfunções e Programas para Projetos e Atividades Exercício de 01 LEGISLATIVA 4.6.00 29.444.00 33.600.00 01 031 AÇÃO LEGISLATIVA 4.6.00 29.444.00 33.600.00 01 031 05 Desenvolvimento Legislativo 4.6.00 29.444.00 33.600.00 ADMINISTRAÇÃO 7.698.00.0.50 1.7.50

Leia mais

RESULTADO DO EDITAL DE SELEÇÃO 2012/2013 DO PROGRAMA OI NOVOS BRASIS

RESULTADO DO EDITAL DE SELEÇÃO 2012/2013 DO PROGRAMA OI NOVOS BRASIS RESULTADO DO EDITAL DE SELEÇÃO 2012/2013 DO PROGRAMA OI NOVOS BRASIS ACRE Organização: Associação SOS Amazônia Projeto: Extrativismo e Cultivo de fibras para gerar renda e conservar o meio ambiente Objetivo:

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais)

Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais) Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 16/03/2013 Regulamenta a Lei nº 13.965, de 27 de julho de 2001, que cria o Programa Mineiro de Incentivo ao Cultivo, à Extração, ao Consumo,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 73, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

LEI COMPLEMENTAR N.º 73, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR N.º 73, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. INSTITUI O PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE BARRETOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO, Faço saber que a Câmara

Leia mais

DECRETO Nº 56.074, DE 9 DE AGOSTO DE 2010

DECRETO Nº 56.074, DE 9 DE AGOSTO DE 2010 DECRETO Nº 56.074, DE 9 DE AGOSTO DE 2010 Institui o Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural, cria o Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural do Estado de São Paulo e dá providências correlatas

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841

Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841 Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841 A Presidente, substituta, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Tiririca) Institui a Política Nacional de Redução de Perdas e Desperdício de Alimentos e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui

Leia mais

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS 1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS A sustentabilidade e a integração prática das diferentes modalidades do saneamento: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos Porto Alegre, 01 de dezembro

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Fundação Getulio Vargas, Abril de 2011 REGIÃO PODE TER LEGADO COMPATÍVEL COM DESENVOLVIMENTO INOVADOR E SUSTENTÁVEL Deixar um legado

Leia mais

Representa o Brasil na rede do World Business Council for Sustainable Development.

Representa o Brasil na rede do World Business Council for Sustainable Development. Associação civil, sem fins lucrativos que lidera os esforços do setor empresarial para a implementação do desenvolvimento sustentável no Brasil, com efetiva articulação junto aos governos, empresas e sociedade

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.053 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial

Leia mais

LEI Nº 13.792, de 18 de julho de 2006. (PDIL) Procedência: Governamental Natureza: PL 141/06 DO: 17.928 de 20/07/06 Fonte - ALESC/Coord.

LEI Nº 13.792, de 18 de julho de 2006. (PDIL) Procedência: Governamental Natureza: PL 141/06 DO: 17.928 de 20/07/06 Fonte - ALESC/Coord. LEI Nº 13.792, de 18 de julho de 2006. (PDIL) Documentação Procedência: Governamental Natureza: PL 141/06 DO: 17.928 de 20/07/06 Fonte - ALESC/Coord. Estabelece políticas, diretrizes e programas para a

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável nas Terras

Desenvolvimento Sustentável nas Terras Seminário Internacional Promovendo o Desenvolvimento Sustentável nas Terras Secas Africanas 2/11/2011 1 Desenvolvimento Sustentável Individuais Autonomia Atendimento das necessidades sociais da gerações

Leia mais

Edital n 003.4/2015 PROPI/IFMS

Edital n 003.4/2015 PROPI/IFMS Edital n 003.4/2015 PROPI/IFMS O Pró-Reitor de Pesquisa e Inovação no exercício da Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (IFMS), no uso de suas atribuições

Leia mais

Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal

Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal A infância, adolescência e juventude são fases fundamentais no desenvolvimento humano e na formação futura dos cidadãos. No plano social,

Leia mais

Edital 02/2015 Seleção de Projetos Comunitários 2016

Edital 02/2015 Seleção de Projetos Comunitários 2016 UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA DO BRASIL AELBRA. Reconhecida pela Portaria Ministerial n.º 681 de 07/12/89 D.O.U. de 11/12/89 Edital 02/2015 Seleção

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU LEI Nº 6.576, DE 23 DE OUTUBRO DE 2.014 P. 35.427/13 (4.599/13-Emdurb) Cria o Conselho Municipal de Mobilidade de Bauru e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE BAURU, nos termos do art. 51 da

Leia mais

CHAMADA DE TRABALHOS CIENTÍFICOS PARA XIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL:

CHAMADA DE TRABALHOS CIENTÍFICOS PARA XIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL: CHAMADA DE TRABALHOS CIENTÍFICOS PARA XIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL: NORMAS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS 1. APRESENTAÇÃO A comissão organizadora

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Biomedicina. O Presidente

Leia mais

1º PRÊMIO SECTTI-FAPES DE INCENTIVO AO PESQUISADOR INOVADOR CAPIXABA

1º PRÊMIO SECTTI-FAPES DE INCENTIVO AO PESQUISADOR INOVADOR CAPIXABA 1º PRÊMIO SECTTI-FAPES DE INCENTIVO AO PESQUISADOR INOVADOR CAPIXABA A Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo FAPES, em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia, Educação Profissional

Leia mais

Sustentabilidade faz parte do Negócio. Nasser Takieddine

Sustentabilidade faz parte do Negócio. Nasser Takieddine Sustentabilidade faz parte do Negócio Nasser Takieddine O CONCEITO Desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES

COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES PRINCÍPIOS DO PACTO GLOBAL Princípios de Direitos Humanos 1. Respeitar e proteger os direitos humanos; 2. Impedir violações de direitos humanos; COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES Reeleita como membro integrante

Leia mais

Projeto Sabão Mirim. Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que estão em fase inicial)

Projeto Sabão Mirim. Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que estão em fase inicial) Projeto Sabão Mirim Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que estão em fase inicial) Nome da Instituição/Empresa: Guarda Mirim de Londrina Cidade: Londrina

Leia mais

ESCOLA DE DANÇA TEATRO GUAÍRA

ESCOLA DE DANÇA TEATRO GUAÍRA Incentivo: Patrocínio: ESCOLA DE DANÇA TEATRO GUAÍRA Projeto: Fortalecimento das Atividades Culturais da Escola de Dança Fundo da Infância e da Adolescência da cidade de Curitiba - FIA Curitiba A Escola

Leia mais

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018.

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. 1. Considerações iniciais. O Sistema CONFEA/CREA. O Sistema CONFEA/CREA é constituído por um Conselho

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO 2013/2016

PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO 2013/2016 1. SERVIÇOS PÚBLICOS 1.1 Funcionalismo PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO 2013/2016 Valorizar os funcionários profissionalmente para o seu bem estar e da população, reconhecendo, respeitando e garantindo os

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DA POLÍTICA DE GRADUAÇÃO 1. Estímulo e apoio ao desenvolvimento dos projetos pedagógicos

Leia mais

Entenda o Programa Fome Zero

Entenda o Programa Fome Zero Entenda o Programa Fome Zero 1. O que é o Programa Fome Zero? O Programa Fome Zero é um conjunto de ações que estão sendo implantadas gradativamente pelo Governo Federal. O objetivo é promover ações para

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DE NOVA IGUAÇU GABINETE DO PREFEITO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 12 DE MAIO DE 2008.

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DE NOVA IGUAÇU GABINETE DO PREFEITO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 12 DE MAIO DE 2008. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 12 DE MAIO DE 2008. INSTITUI O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E O SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA DA CIDADE DE NOVA IGUAÇU, NOS TERMOS DO ARTIGO 182 DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Aliança Resíduo Zero Brasil

Aliança Resíduo Zero Brasil Aliança Resíduo Zero Brasil carta de adesão 1. Introdução A extensão dos problemas socioambientais, envolvendo o consumo e a geração de resíduos no Brasil, originam-se em grande parte nas questões econômicas,

Leia mais

PROJETO HORTA FELIZ CEDRO-PE

PROJETO HORTA FELIZ CEDRO-PE PROJETO HORTA FELIZ CEDRO-PE Regional: Salgueiro Município: Cedro Comunidades: Barro Branco Equipe responsável: Manoel Leal Costa Netto E-mail para contato: Manoel.costa1@ipa.br Fone: (87) 38891808 Categorias:

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em Módulo: Responsabilidade Socioambiental Educador: Flavio Furtado. O que é compostagem? é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal

Leia mais

10/12/2013 Paulo Safady Simão - CBIC

10/12/2013 Paulo Safady Simão - CBIC 10/12/2013 Paulo Safady Simão - CBIC OBJETIVOS Definir diretrizes, prioridades e práticas que façam da Construção Sustentável uma realidade no Brasil. Estabelecer comunicação aberta e transparente com

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.228, DE 2015 (Do Sr. Alan Rick)

PROJETO DE LEI N.º 1.228, DE 2015 (Do Sr. Alan Rick) *C0052695A* C0052695A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.228, DE 2015 (Do Sr. Alan Rick) Institui o fundo Nacional de Educação Ambiental - FNEA e dá outras providências. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE:

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente A PISOAG DO BRASIL está no mercado desde 1980, atuando com empresas nacionais e internacionais dos mais diversos segmentos, com qualidade, tecnologia e o elevado padrão de responsabilidade

Leia mais

CONCLUSÕES. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes:

CONCLUSÕES. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes: CONCLUSÕES 1. Súmula individualizada. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes: Tema: CONHECIMENTO E INOVAÇÃO (6) I. É da maior relevância estimular

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AGENDA 1 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 Distanciamento entre a sociedade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210 CÓDIGO DE ÉTICA Introdução O Código de Ética do BADESUL explicita os valores éticos que regem o desempenho de sua missão: Contribuir para o desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul, através

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

www.unisol.org.br unisol@unisol.org.br Educação e desenvolvimento O papel das universidades

www.unisol.org.br unisol@unisol.org.br Educação e desenvolvimento O papel das universidades Educação e desenvolvimento O papel das universidades A Universidades podem e devem contribuir para a formação cidadã de seus estudantes e para a promoção do desenvolvimento social de nosso país Extensão

Leia mais