ROSA HELENA DE SANTANA GIRÃO DE MORAIS. Considerações iniciais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROSA HELENA DE SANTANA GIRÃO DE MORAIS. Considerações iniciais"

Transcrição

1 Fontes para o estudo da história da medicina: o Ministério da Saúde e a presença dos organismos internacionais na manutenção da saúde pública brasileira ( ). ROSA HELENA DE SANTANA GIRÃO DE MORAIS Considerações iniciais O objetivo deste trabalho é o de lançar alguma luz às relações que se estabeleceram entre o governo brasileiro, por intermédio do Ministério da Saúde, e os organismos e instituições internacionais. As décadas de 1950 a 1970 caracterizaram-se pelas iniciativas do governo brasileiro sob a forma de campanhas de erradicação de doenças, aperfeiçoamento técnico e científico de pessoal. Muitas dessas iniciativas contaram com o apoio técnico e financeiro de instituições estrangeiras. Esse período caracterizou-se também pelas reformas econômica e institucional e pelo caráter fortemente centralizador da política estatal brasileira. Trata-se de pesquisa preliminar e pretende-se mostrar uma visão panorâmica das fontes documentais que se encontram nos fundos do Ministério da Saúde sob a guarda do Arquivo Nacional (Coreg), cuja sede regional se localiza em Brasília, DF. No que se refere aos estudos sobre a história da saúde no Brasil, o período da Primeira República recebeu maior atenção por parte dos historiadores. Pode-se explicar este interesse pela centralidade política que mereceu a área da saúde e sua percepção como problema-chave durante aquele momento. Esse foi o período da primeira reforma sanitária cuja tônica radicouse na crítica à oligarquização do país e à ausência de uma ação coordenada em nível nacional no campo da saúde. Foi também o período das primeiras reformas urbanas cuja característica principal foi o de seguirem o modelo urbano da cidade de Paris, reformada pelo barão Haussmann. A amplitude das transformações urbanas e sanitárias que ocorreram nas três primeiras décadas do século XX, particularmente na cidade do Rio de Janeiro, contribuiu para * Universidade de Brasília. Pós-doutoranda em Relações Internacionais (CNPq). Doutora em História das Ciências pela EHESS-França (CAPES).

2 2 ofuscar outras transformações importantes que aconteceram na área de saúde em momentos posteriores. No que se refere aos estudos sobre as décadas subsequentes, existem trabalhos que tratam da história da constituição da medicina social, da assistência previdenciária, das políticas públicas em saúde, sobretudo àquelas implementadas pelo governo de Juscelino Kubistchek ( ). Estudos de modelos e hipóteses da literatura especializada apresentam alguns autores que têm trabalhado direta ou indiretamente sobre as relações do Brasil com organismos estrangeiros. Destacam-se os nomes de Renato da Silva (2008), Gilberto Hochmann (2004), Nísia Trindade (2005), Marcus Cueto (2007) e André Luiz Vieira de Campos (2006). Observa-se que existe uma tendência em dimensionar a participação do Brasil junto aos organismos internacionais com base no papel desempenhado pelos seus líderes. Em outras palavras, o termômetro que permite mesurar a presença, ou melhor, a visibilidade do Brasil no campo das relações internacionais em saúde pública é a presença do País nas conferências sanitárias e o fato de ele assumir a liderança em alguns organismos estrangeiros, como a OPAS. O periódico Boletim de la Oficina Pan-americana e as Atas das Conferências Sanitárias são, sem dúvida, as principais fontes de pesquisa em que beberam os autores para a confecção de seus textos. Os trabalhos sobre esse período versam, geralmente, sobre os aspectos político e econômico. Renato da Silva e Gilberto Hochmann, por exemplo, interessaram-se pelas políticas internacionais em saúde pública que se direcionaram contra a malária, de 1940 a Os historiadores Nísia Trindade e Marcus Cueto interessaram-se pela colaboração do Brasil com a OPAS no combate às doenças tropicais e também na institucionalização das campanhas de combate às endemias rurais. O excelente trabalho de André Luiz Vieira de Campos versa sobre a trajetória do Serviço Especial de Saúde Pública (SESP), agência bilateral que atuou no Brasil entre 1942 e 1960, financiada com recursos norte-americanos e brasileiros. Durante as décadas de 1950 a 1970 promoveu-se um intenso combate aos vetores de epidemias que assolavam os portos. O combate também se deu através da promoção de campanhas de vacinação e de educação sanitária. A noção de saúde como um valor vinculouse à noção de bem-estar social, pela qual a prevenção, a extensão de serviços públicos e a implementação da atenção primária à saúde evidenciaram-se como um direito dos cidadãos (CUETO, 2007). A partir desse momento as políticas públicas na área da saúde voltaram-se para uma maior inclusão da população, com a extensão da cobertura. Do ponto de vista

3 3 demográfico as décadas de 50 a 70 foram marcadas por um grande crescimento populacional em decorrência da queda da taxa bruta de mortalidade, mas manteve-se uma alta taxa de fecundidade. Acrescente-se, ainda, a aceleração das correntes migratórias rurais e urbanas que contribuíram para uma urbanização descontrolada e concentradora em um período relativamente curto. Os países da América Latina depararam-se com o dilema de promover o desenvolvimento e garantir acesso aos bens e serviços básicos. No plano político, os anos de 1960 a 1970 foram marcados pela experiência de regimes autoritários em países da América Latina. De 1964 a 1985, o Brasil viveu sob um modelo de Estado bastante centralizado no formato de regimes militares. Acrescente-se a isso, os efeitos negativos da crise econômica mundial de 1973 e 1979 que trouxeram altas taxas de inflação, dívida externa e redução no ritmo do crescimento. O conhecido milagre econômico brasileiro emparedou inúmeras contradições sociais e econômicas as quais tiveram um forte impacto na saúde. Instituiu-se um modelo de atenção à saúde médico assistencial privatista, reflexo da intervenção estatal na expansão da medicina previdenciária fundada no cuidado médico individualizado, de base hospitalar e ambulatorial. Sobre o período da década de 70, em particular, a autora M. Luz (1991) analisa que... a centralização e a concentração do poder institucional deram a tônica (...), que aliou campanhismo e curativismo numa estratégia de medicalização sem precedentes na história do país. Os efeitos e consequências desta política fizeram emergir uma grande insatisfação popular em relação à política de saúde da ditadura, já perceptível no fim do milagre econômico ( ). Desde o começo da década de 70, muitos estudos e pesquisas foram realizados com o intuito de demonstrar que o modelo de desenvolvimento adotado no país, com alta concentração de renda e má distribuição de benefícios sociais, era prejudicial à saúde. O sistema de saúde gastava mais recursos do que efetivamente recebia e não atendia adequadamente a população. Apesar das graves crises institucionais e políticas que resultaram na saída de muitos profissionais dos departamentos de medicina social/saúde coletiva, uma nova etapa abriu-se a partir da década de 1980, mediante o processo de democratização, com a expansão de programas e cursos naquelas referidas áreas e também com a publicação de teses de doutoramento. Observou-se um aumento dos debates em torno de uma reforma sanitária destinada a viabilizar a descentralização do sistema de saúde e garantir a sua universalização e acesso à população.

4 4 Em linhas gerais, as décadas de 1950 a 1970 caracterizaram-se pelo apelo das instituições nacionais e dos governos dos países por programas de controle e de erradicação das chamadas doenças tropicais. Agências internacionais foram criadas para coordenar, em diversas frentes, planos globais de desenvolvimento, fomentar a formação de capital humano, manter investimentos em equipamentos e pesquisas de campo e elaborar relatórios detalhados sobre as condições de saúde pública nos países da América Latina e Caribe. No Brasil, destacou-se a atuação da Organização Mundial de Saúde (OMS), da Opas, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Durante o período pós-segunda guerra, foram firmados acordos entre o Brasil e a Agency for International Development (USAID) órgão norte-americano criado no período da guerra fria que tinha como objetivo assessorar países subdesenvolvidos. Outras agências, como as fundações Kellog e a Rockfeller, tiveram participação ativa na formação de capital humano e nas campanhas para a erradicação de endemias rurais e tropicais. Sobre a fundação Rockfeller existe considerável bibliografia sobre sua trajetória 1. Fontes para uma história da saúde pública os fundos do MS A documentação que trata das políticas públicas em saúde se encontra nos fundos do Ministério da Saúde cujo período abrange desde a criação do órgão, em 1953, até o ano de Toda documentação do referido período está sob a guarda da Coordenação Regional do Arquivo Nacional, localizada no Distrito Federal a Coreg. Esse órgão, criado em 1975, tem como uma de suas atribuições a promoção de apoio técnico às unidades produtoras de documentos públicos com finalidade de garantir a preservação e o acesso aos acervos documentais gerados pelos órgãos da Administração Pública Federal. A título de informação, os conjuntos documentais da Coreg procedem de vários órgãos federais das regiões norte, nordeste, centro-oeste e do Distrito Federal. Entre eles, destacam-se os acervos da Delegacia Regional de Mato Grosso do Ministério da Fazenda ( ) com documentos sobre 1 Castro Santos, Luiz. A. de. O pensamento sanitarista na Primeira República: uma ideologia de construção da nacionalidade. Dados. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p , 1985;. A Fundação Rockefeller e o Estado Nacional (história e política de uma missão médica e sanitária no Brasil). Revista Brasileira de Estudos da População, São Paulo, v. 6, n. 1, p , 1989; Löwy, Ilana. Vírus, mosquitos e modernidade. A febre amarela no Brasil entre ciência e política. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2006.

5 5 escravidão e a economia da região; do Serviço de Polícia Marítima, Aérea e de Fronteiras ( ) com os registros de entrada de estrangeiros no Brasil; e da Divisão de Censura e Diversões Públicas ( ), entre outros. A Coreg foi concebida originalmente com o objetivo de ser um depósito intermediário dos órgãos do Poder Executivo, isto é, um espaço para a guarda dos documentos administrativos de caráter provisório os quais, após avaliação, passaram para a guarda permanente da coordenação. Assim, seu acervo foi constituído com documentos dos Ministérios da Justiça, das Minas e Energia, da Educação e dos Transportes, entre outros, além daqueles provenientes de órgãos extintos como os do Banco Nacional de Crédito Cooperativo e os da Siderurgia Brasileira - SIDERBRAS. A partir no mês de dezembro de 2005, a Coreg recebeu a guarda permanente e o acesso dos acervos dos extintos Serviço Nacional de Informações - SNI, Conselho de Segurança Nacional - CSN e Comissão Geral de Investigações CGI. Sabe-se inclusive que, desde fevereiro de 2006, cerca de mil pessoas procuraram a Coreg na esperança de obter informações sobre direitos trabalhistas e, outras tantas pessoas, interessaram-se por documentos que atestassem a perseguição, a prisão e outras ações repressivas do Estado durante o regime militar. Segundo consta, o órgão recebe desde então, dando continuidade à política da Casa Civil da Presidência da República, acervos dessa natureza, e também processos produzidos pelo Ministério da Justiça, documentação da Divisão de Segurança e Informações do Ministério das Relações Exteriores, e um novo conjunto de documentos do Conselho de Segurança Nacional o qual estava sob a guarda do Gabinete de Segurança Institucional. A Coreg tem procurado reunir um conjunto de documentos com uma temática comum, cuja ênfase é a repressão política no Brasil, realizada pelos órgãos integrantes do sistema de segurança e informações nas décadas de 1960 a O Ministério da Saúde, instituído pela lei de 25 de julho de 1953, originou-se do antigo Ministério da Educação e Saúde, e surgiu num momento histórico e político de grande inquietação referente à centralização dos serviços de saúde e à gradual separação entre saúde pública e assistência médica. Os diversos atores, entre eles políticos, médicos e sanitaristas mobilizaram-se para a criação de uma pasta autônoma para a saúde pública. No contexto das mudanças operadas no país com a revolução de 1930, colocava-se também a questão de uma possível centralização dos serviços de saúde, até então caracterizados pela fragmentação. Desde 1946, o ministério caracterizou-se pelo alargamento das responsabilidades do governo

6 6 na defesa e proteção da saúde da população, tendo sempre como respaldo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Segundo Lima O lugar da saúde na construção do Estado e da Nação ganhou novos sentidos diretamente relacionados ao contexto do chamado otimismo sanitário vigente no cenário internacional desde o pós-guerra. Propugnava-se o poder da ciência e da medicina em combater e mesmo erradicar, mediante novos recursos tecnológicos e terapêuticos (...). (...) Instituía-se a ideia de que a saúde era um bem de valor econômico, e de que investimentos em capital humano eram fundamentais para o desenvolvimento e progresso das nações, especialmente dos países mais pobres (2005: 46-48). Dentre as agências internacionais que mais se destacaram no incremento à saúde pública no Brasil situa-se a OPAS. Essa organização tem suas origens na Repartição Sanitária Internacional, fundada em No ano de 1923, a repartição mudou sua denominação para Repartição Sanitária Pan-Americana, ou Oficina Sanitária Pan-americana. A mudança de seu nome para OPAS aconteceu em 1943, como resolução da XII Conferência Sanitária Pan- Americana, ocorrida na Venezuela. Embora a entidade tenha mudado sua denominação, ela continuou mantendo o seu órgão executivo designado como RSP e a sua antiga estrutura decisória um colegiado com um membro de cada país. Enquanto entidade autônoma dentro das relações intergovernamentais, a OPAS não estava submetida à nova estrutura da Organização dos Estados Americanos (OEA, 1948). A relação entre ambas era diplomática. Em 1950, a OPAS passou a ser uma Organização Especializada Interamericana dentro da OEA. Acordos foram firmados entre OPAS e a Organização Mundial de Saúde (OMS) com a finalidade de buscar uma integração desses órgãos e de garantir a autonomia da OPAS em matéria de saúde pública. Com a criação da OMS, em 1948, a OPAS também foi reconhecida por este órgão como autônoma diante dos organismos da Organização das Nações Unidas. Intercalando períodos de dificuldades e prioridades, as ações da OPAS passaram por muitas transformações. A adesão dos países como membros aconteceu plenamente entre 1940 e 1950, quando a organização passou a englobar as Américas e o Caribe. Após o término da segunda guerra, a América Latina tinha muitas expectativas depositadas nas novas relações internacionais, principalmente com os EUA, que pudessem resultar em ganhos econômicos para a região. O Brasil era o maior e mais fiel parceiro daquele país e participou ativamente no conflito dando apoio logístico no período da guerra.

7 7 Outro organismo que atuou no campo da saúde pública e sobre o qual se tem muitos documentos depositados nos fundos do Ministério da Saúde foi o Serviço Especial de Saúde Pública (SESP). Silva atesta, em interessante trabalho de doutoramento, que: A criação do Instituto de Assuntos Interamericanos (IAIA) e o Serviço Especial de Saúde Pública (SESP) em 1942 podem ser apontados como exemplo concreto da cooperação Brasil e EUA ainda no período de Guerra. (...) a criação dessas instituições foi as raízes da ação cooperativa norte-americana no Brasil. A guerra havia gerado uma demanda urgente por determinadas matérias-primas, dentre todas as da borracha era a principal. Os locais em que estavam localizados a borracha e também importantes minerais para guerra como a mica e o quartzo eram as regiões da Amazônia e do Vale do Rio Doce, localidades infestadas de doenças tais como malária, febre amarela e tifoide etc. O Brasil, além de ceder bases aéreas no Nordeste, participar ativamente da guerra com envio de tropas para a Europa, passou a ser um estratégico fornecedor de matérias-primas e minérios para o governo norte-americano. Isto é, o Brasil tornou-se o principal suporte logístico dos EUA na região. Os EUA passaram a fornecer os recursos para impulsionar o desenvolvimento social e econômico brasileiro. O IAIA e o SESP foram responsáveis pela montagem de uma estrutura sanitária nas áreas estratégicas, que eram locais com pouca presença da autoridade federal (SILVA, 2008). A USAID (Agency for International Development), agência norte-americana criada no período da guerra fria, assessorou os países subdesenvolvidos em várias áreas. Em 1966 foi assinado o acordo CONTAP-USAID que tinha a finalidade de treinar técnicos rurais. Ocorreu também o assessoramento na área da educação, em especial, no ensino superior. Encontramse, no fundo do MS, alguns documentos que versam sobre convênios entre a USAID e o governo brasileiro para o fornecimento de leite em pó para regiões do nordeste e do sul do Brasil. Nota-se que esses tipos de convênio faziam parte dos chamados Programas de Suplementação Alimentar, através dos quais a criança podia receber leite em pó desde o início da vida. A título de conhecimento, somente no final da década de 1970 é que se percebe um interesse em incentivar o aleitamento materno. Nesse período, ocorreu a Reunião Conjunta OMS/UNICEF sobre Alimentação Infantil e da Criança Pequena (1979), organizada pela OMS, em Genebra. Neste evento discutiu-se a elaboração de um código de conduta ética quanto à propaganda de produtos que interferiam na amamentação. A propaganda de fórmulas infantis circulava livremente em revistas leigas e de pediatria. Incentivava-se a prática de substitutos do leite materno. O Brasil foi representado naquela reunião pela presidência do Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição (INAN), que colaborou na elaboração do Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno. M. F. Rea (2003) atesta que esse fato contribuiu para o incremento de um programa pró-amamentação no País. Pediatras passaram a apelar para a necessidade de acumular divisas no país em um momento

8 8 de crise econômica, e explicitaram a importância do valor econômico do leite materno, comparando-o aos gastos com fornecimento gratuito de leite em pó. A pesquisa preliminar, de 1970 a 1977, mostra documentos sobre as diversas campanhas sanitárias empreendidas pelo governo brasileiro e revelam, dentre outros elementos interessantes, as dificuldades de financiamento e manutenção dessas campanhas. Existem documentos referentes a OPAS e a outros organismos internacionais cujas ações resumiramse no interesse em capacitar profissionais de saúde brasileiros. Os organismos internacionais financiavam cursos de formação, estágios de pesquisa, participação em congressos internacionais, bolsas de pós-graduação e visitas a centros de referência científica. Os milhares de cartas de aceite encontrados no fundo do MS atestam essa informação. As bolsas de estudo no exterior foram muito importantes para a formação de profissionais que, ao retornar ao Brasil, assumiam cargos mais proeminentes e contribuíam para engrossar as fileiras de profissionais da saúde em áreas estratégicas, senão, relevantes, para a saúde pública brasileira. Formaram-se quadros de docentes com atuação nos cursos de pósgraduação na área de medicina preventiva a qual se encontrava ainda em sua infância. Entre a documentação encontram-se folders e programas de encontros de profissionais da saúde cuja temática principal dos eventos tratava sobre Medicina Preventiva e gestão em saúde pública. Escorel (1998) atesta, inclusive, que foi durante a década de 1970, o período de maior efervescência de cursos de pós-graduação na área de Medicina Preventiva. Pode-se questionar em que medida e, sobretudo, sob quais pretextos ocorreram os auxílios financeiros e técnicos por parte dos organismos internacionais ao governo brasileiro 2. Estas 2 Figura: Arquivo Nacional MS, caixa 358, pasta Carta do Diretor do Instituto Presidente Castello Branco ao Presidente da Fiocruz (Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 1970). Convênio firmado entre o Ministério da Saúde e da Educação e Cultura com a OPAS e a UNICEF.

9 9 questões poderiam encontrar algumas respostas nas reflexões feitas por Silva (2008) o qual trabalhou sobre as políticas de saúde pública de combate à malária implantadas pelo governo JK. Silva preocupa-se em explicar como o governo de Juscelino conseguiu articular um discurso que favorecesse a obtenção de financiamento, sobretudo da parte dos EUA, para as campanhas sanitárias tendo como base o contexto político na qual se insere o binômio capitalismo/socialismo no pós-segunda guerra (SILVA, 2008). Encontram-se entre os documentos do Ministério da Saúde, relatórios de instituições, projetos de lei, processos, ofícios, estatísticas médicas de hospitais, artigos e cartas sobre os diversos programas de combate a doenças, tais como o de combate à tuberculose, a hanseníase, ao câncer, a malária e a diversas endemias rurais. O acervo contem ainda projetos e pareceres do governo brasileiro cujo conteúdo versa sobre a formação de enfermeiros e técnicos em enfermagem, médicos, cirurgiões dentistas e de técnicos em radiologia. Nesses documentos o governo demonstra preocupação com a regulamentação das profissões e com a definição do currículo base dos cursos. A documentação contem também inúmeras solicitações e oferecimento de bolsas de estudo. O Ministério da Saúde procedeu à cessão dos seus servidores para eventos e cursos de especialização os quais foram, correntemente, financiados pela OPAS. Constata-se a carência de recursos próprios do ministério da saúde no que se refere ao financiamento de estudos no exterior. Inúmeros são os documentos onde se pode atestar a implementação de programas e de convênios atinentes à saúde materna e infantil. O Ministério da Saúde coordenou, em âmbito nacional, a assistência materno-infantil cujas diretrizes iniciais primaram pelo cunho nacionalista. Era um dever imperioso defender de maneira eficaz a criança brasileira, em verdade, ainda o melhor elemento a salvaguardar o futuro da nacionalidade (CANESQUI, 1987). Os documentos do fundo mostram como se deram as campanhas contra as endemias rurais e revelam a grande preocupação do governo com o problema da subnutrição de populações da região nordeste e de algumas cidades da região sul do Brasil. Encontram-se também algumas fontes documentais sobre o Departamento Nacional de Endemias Rurais (DNERu), órgão vinculado ao Ministério da Saúde, criado pela Lei nº de 06 de março de Aos centros e núcleos do DNERu, espalhados pelas diversas regiões do País, competiam: realizar

10 10 estudos e pesquisas sobre o conhecimento da malária, leishmaniose, doença de Chagas, peste, brucelose, febre amarela, esquistossomose, filariose e de outras endemias brasileiras. Cabia ainda investigar a natureza e o comportamento dos agentes etiológicos, vetores e hospedeiros, assim como os fatores e modos de transmissão de doenças. O DNERu representou o movimento de estruturação de instituições de saúde pública, e atuou tanto no combate às enfermidades endêmicas quanto no combate a doenças remanescentes. Alguns médicos foram enviados as mais remotas regiões da Amazônia e do nordeste brasileiro para averiguar as condições de saúde e de higiene das populações. Esses médicos produziram relatórios os quais compõem o acervo documental do MS. Entre os documentos encontram-se muitos projetos de parlamentares cuja temática trata das campanhas contra o tabagismo. O governo brasileiro vinha, desde os anos de 1950, implantando campanhas educativas contra o tabagismo. Noutros documentos, referentes às campanhas de conscientização da população, encontram-se escritos e cartazes que versam sobre o tratamento das neoplasias. Percebe-se, pela tônica das campanhas, como o câncer esteve cercado de uma aura de medo e preconceitos. Os estudos e tratamento da doença caminhavam vagarosos, mas o governo procurou incrementar campanhas de esclarecimento: para o Ministério da Saúde, o câncer tinha cura e as pessoas não deveriam temer o diagnóstico da doença. O fato de constatar a enfermidade, não significava uma sentença de morte evidente. Considerações finais sobre o conteúdo das fontes de arquivo O fundo documental do Ministério da Saúde constitui um marco de referência na pesquisa, coleta, preservação e divulgação de documentos arquivísticos do campo da história da saúde e das ciências biomédicas. A pouca produção historiográfica referente aos anos de e a ampliação sistemática do recolhimento e preservação de documentos que forneçam subsídios para a pesquisa histórica, como fontes, fazem com que o acervo da Coreg de Brasília se torne fundamental para os estudos da história da saúde pública no Brasil. Para o Ministério da Saúde, o objetivo de levar assistência médica e sanitária às regiões brasileiras mais recônditas mostrou-se ser uma tarefa árdua e lenta. Constata-se a carência de

11 11 recursos e a falta de pessoal especializado. A excessiva centralidade dos serviços também prejudicou a tomada de iniciativas e a implementação dos programas em saúde pública. As primeiras impressões do trabalho de pesquisa mostram que o governo brasileiro manteve relações intensas com organismos internacionais, sobretudo, com a OPAS. Esse organismo financiou bolsas de estudo para profissionais das áreas de saúde e de gestão em administração pública. Em outras palavras, percebe-se o nítido interesse do governo brasileiro em constituir um conjunto de profissionais especializados com o intuito de fazer frente à crescente demanda por assistência médica à população brasileira. Bibliografia de referência BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório do Plano Nacional de Erradicação da Malária: operações para quinquênio BENCHIMOL, Jaime Larry (coord.). Febre amarela: a doença e a vacina, uma história inacabada. Rio de Janeiro: Bio-Manguinhos/Editora Fiocruz, CAMPOS, André Luiz Vieira de. Políticas internacionais de saúde na era Vargas: o Serviço Especial de Saúde Pública, Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, CANESQUI, Ana Maria. Assistência médica e a saúde e reprodução humana. Textos NEPO 13. Campinas, p , CASTRO SANTOS, Luiz. A. de. A fundação Rockfeller e o estado nacional: história e política de uma missão médica e sanitária no Brasil. Revista Brasileira de Estudos da População, 6 (1): , jan.-jun., CUETO, Marcos. Los ciclos de La erradicatión: La fundación Rockfeller y La salud publica latino-americana, In CUETO, M. (org.). Salud, Cultura y Sociedad em América Latina: nuevas perspectivas históricas. Lima: Instituto de Estudos Peruanos/OPAS, O valor da saúde: história da Organização Pan-Americana da Saúde. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, ESCOREL, S. Reviravolta na saúde: origem e articulação do movimento sanitário. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

12 12 FARLEY, John. To Cast out the Disease: a history of the International Health Division of the Rockefeller Foundation ( ). New York: Oxford University Press, FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves. O tempo da experiência democrática: da democratização de 1945 ao golpe militar de Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, (Brasil Republicano Volume III). FINKELMAN, Jacobo (org.). Caminhos da Saúde Pública no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, HAMILTON, W; FONSECA, C. Política, atores e interesses no processo de mudança institucional: a criação do Ministério da Saúde em História, Ciências, Saúde- Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p , HOCHMAN, Gilberto. O Brasil não é só doença : o programa de saúde pública de Juscelino Kubitschek. História, Ciências, Saúde-Manguinhos. Vol.16, supl.1, p , HOCHMAN, Gilberto. A era do saneamento. As bases da política de saúde pública no Brasil. São Paulo: Hucitec/ANPOCS, HOFFMAN, Andrea; HERZ, Monica. Organizações internacionais. São Paulo: Campus/Elsevier, MELLO E SILVA, Alexandra. Desenvolvimento e multilateralismo: um estudo sobre a Operação Pan-Americana no contexto da política externa de JK. Contexto Internacional. Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 219, julho/dezembro, LIMA, Ana Luce Girão Soares de; PINTO, Maria Marta Saavedra. Fontes para a história dos 50 anos do Ministério da Saúde. História, Ciências, Saúde-Manguinhos. V. 10, n.3, p , LIMA, Nísia Trindade (org.). Saúde e Democracia: história e perspectivas do SUS. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, LUZ, M. T. Notas sobre as Políticas de Saúde no Brasil de Transição Democrática - anos 80. Physis - Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1991.

13 13 PACKARD, Randall M; BROWN, Peter J. Rethinking health, development, and malaria: historicizing a cultural model in international health. Medical Anthropology. V. 17, p. 182, PIRES-ALVES, Fernando A.; PAIVA, Carlos Henrique Assunção. Recursos Críticos: história da cooperação técnica Opas-Brasil em recursos humanos para a saúde ( ). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, REA, Marina Ferreira. Reflexões sobre a amamentação no Brasil: de como passamos a 10 meses de duração. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v.19, supl.1, SILVA, Alexandra de Mello e Silva. Desenvolvimento e Multilateralismo: um estudo sobre a Operação Pan-Americana no contexto da política externa de JK. Contexto Internacional. Rio de. Janeiro: IRI-PUC/RJ, v.14, n.2, p , jul./dez., SILVA, Renato. Malária e desenvolvimento: a saúde pública no Governo JK ( ). Tese de doutorado em História das Ciências: Fundação Oswaldo Cruz, VIZENTINI, Paulo Fagundes. Juscelino Kubitschek: do retrocesso à barganha. In:. Relações exteriores do Brasil ( ): o nacionalismo e a política externa independente. Petrópolis: Editora Vozes, 2004.

Marcos Cueto. O valor da saúde: história da Organização Pan-Americana da Saúde

Marcos Cueto. O valor da saúde: história da Organização Pan-Americana da Saúde Marcos Cueto. O valor da saúde: história da Organização Pan-Americana da Saúde (Trad. Vera Ribeiro) Eduardo Silveira Netto Nunes* Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2007. 241p. Na história das políticas de saúde

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

1. Ementa completa e atualizada: Unidade de Aprendizagem 2 Saúde Global e Política Externa Brasileira: Uma Perspectiva Histórica.

1. Ementa completa e atualizada: Unidade de Aprendizagem 2 Saúde Global e Política Externa Brasileira: Uma Perspectiva Histórica. Relatório Final da Coordenação da Unidade de Aprendizagem 2 Curso de Especialização em Saúde Global e Diplomacia da Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Fiocruz 1. Ementa completa e atualizada:

Leia mais

TRAJETÓRIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL

TRAJETÓRIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL TRAJETÓRIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL Palavras-chave: Aleitamento Materno; Políticas Públicas de Saúde, Desmame Precoce Introdução A alimentação infantil deve

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas REGULAMENTO DA POLÍTICA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET-MG Aprovado pela Resolução CD-083/04, de 13/12/2004 Capítulo I Dos Princípios Art. 1º - A

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Políticas públicas e a assistência a saúde

Políticas públicas e a assistência a saúde Universidade de Cuiabá UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde História da Saúde no Brasil: Políticas públicas e a assistência a saúde Profª Ma. Kaline A. S. Fávero,

Leia mais

SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA: Um sonho que está se tornando realidade. Peru Setembro,2011

SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA: Um sonho que está se tornando realidade. Peru Setembro,2011 : Um sonho que está se tornando realidade Peru Setembro,2011 DEMOGRAFIA DOS POVOS INDÍGENAS DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO INDÍGENA Estão presentes : em 26 Estados e no DF em 438 municípios: 11% de médio porte

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA (DNSP)

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA (DNSP) DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA (DNSP) Departamento criado em 2 de janeiro de 1920, pelo Decreto nº 3.987, para ser o principal órgão federal da área de saúde, subordinado ao Ministério da Justiça

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

Índice. Desenvolvimento econômico, 1 Direitos legais, 3

Índice. Desenvolvimento econômico, 1 Direitos legais, 3 Índice A Academic drift, 255 Accountability, 222, 278 Agenda social, 2 Aplicativo para a Melhoria de Qualidade (AMQ), 84 Aposentadoria benefícios previdenciários e assistenciais e seu impacto sobre a pobreza,

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO. Profª Omara Machado Araujo de Oliveira

FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO. Profª Omara Machado Araujo de Oliveira FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO Profª Omara Machado Araujo de Oliveira Nutricionista (UFF) Mestre em Saúde Coletiva (UFF) Pós-Graduada em Nutrição Clínica ( UFF) Surgimento da Nutrição O campo da Nutrição

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo)

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Regimento Interno UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Artigo 1º - O NEED, Núcleo de atividades, estudos e pesquisa

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

Reforma sanitária e sus primeira parte

Reforma sanitária e sus primeira parte Reforma sanitária e sus primeira parte Cidadão é o indivíduo que tem consciência de seus direitos e deveres e participa ativamente de todas as questões da sociedade (Herbert de Souza - Betinho) No alvorecer

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL.

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 1- Apresentação A Constituição de 1988, denominada pelo saudoso Deputado

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ RESOLUÇÃO Nº 08/2008 Institui e regulamenta as normas para o Funcionamento dos Serviços de Diagnóstico

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE 1 PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE Autoras: Paula Cristina Ischkanian 1 e Maria Cecília Focesi Pelicioni 2. 1 Mestranda da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro 31 de julho de 2014 Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro Decreto Nº 7.602, de 7 de Novembro De 2011 Objetivos I - A Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST tem por objetivos

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO OUI- IOHE MISSÃO OUI DE UNIVERSIDADES CANADENSES NO BRASIL 28 de novembro a 2 de dezembro de 2011 Programa preliminar A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO À luz dos excelentes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 027/2014 DE 25 DE ABRIL DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 027/2014 DE 25 DE ABRIL DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 027/2014 DE 25

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007

Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 Saúde e desenvolvimento: a educação sanitária como instrumento do progresso. José Leandro R. Cardoso 1 A conjuntura nacional

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º As atividades culturais e artísticas desenvolvidas pela POIESIS reger-se-ão pelas normas deste Regimento Interno e pelas demais disposições

Leia mais

15 anos de Gasto Social Federal Notas sobre o período de 1995 a 2009. Coordenação de Finanças Sociais Diretoria de Estudos e Políticas Sociais

15 anos de Gasto Social Federal Notas sobre o período de 1995 a 2009. Coordenação de Finanças Sociais Diretoria de Estudos e Políticas Sociais 15 anos de Gasto Social Federal Notas sobre o período de 1995 a 2009 Coordenação de Finanças Sociais Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Gasto Social Federal Políticas Públicas, Finanças Públicas,

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais