TEMA: CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO (HABITAÇÃO) PROPOSTA DE LEI 38/XII. Maria Teresa Lopes Vicente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEMA: CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO (HABITAÇÃO) PROPOSTA DE LEI 38/XII. Maria Teresa Lopes Vicente"

Transcrição

1 TEMA: CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO (HABITAÇÃO) PROPOSTA DE LEI 38/XII Maria Teresa Lopes Vicente Lisboa, 19 de Junho de 2012

2 INDICE 1. Introdução pag.3 2. Motivos para a necessidade da alteração do regime jurídico do arrendamento urbano (habitação) pag Contrato de arrendamento Celebração/Duração/Cessação pag Ações de despejo pag Normas Transitórias pag Alterações na Legislação vigente pag Conclusão pag Bibliografia pag. 16

3 1. Introdução O objectivo da nova Proposta de Lei do Nº 38/XII, regime jurídico do arrendamento urbano teve como base o facto de existir a uma centena de anos o congelamento de rendas, centros de cidades degradados e sem população, o facto de existir periferias sobrelotadas devido ao consequente acréscimo de custos de deslocação para os particulares. Desde há muito que a reforma do arrendamento urbano constitui uma prioridade em Portugal, no entanto foi sendo sucessivamente adiada. A Reforma de 2006 não foi suficiente para superar os desequilíbrios estruturais do mercado do arrendamento e os efeitos nefastos do congelamento de rendas e das limitações ao direito de propriedade. Estes factos impediram o desenvolvimento de um verdadeiro mercado do arrendamento e conduziram à situação injusta e antieconómica que hoje se verifica. Os portuguese são donos da sua habitação numa percentagem de 76% da população portuguesa 1, mas o elevado custo e o difícil acesso ao crédito irá impedir milhares de famílias de terem casa própria. O arrendamento será a opção natural. A não existência de casas no mercado em quantidade e com preços acessíveis poderá constituir um grave problema. Como exposição nos motivos da Proposta de Lei Nº 38/XII, este é um dos grandes objectivos para a reforma do arrendamento urbano, fomentar o arrendamento e garantir a reabilitação urbana, articulado com a Proposta de Lei Nº 24/XII 2. O governo já aprovou o regime de reabilitação urbana e prevê o agravamento do IMI para os proprietários que mantenham os seus imóveis fechados e devolutos. A reforma do regime do arrendamento urbano foi um compromisso assumido pelo programa do governo e integrava um dos objectivos previsto no memorando de entendimento assinado com a Troika. Com o mercado imobiliário a sofrer de forma clara os efeitos da crise económica, e com a agravante de os bancos terem reduzido de forma bastante gradual os créditos, esta nova legislação, aprovada pelo assembleia da república, é 1 Dados dos INE, Censos Proposta de Lei nº 24/XII, regime jurídico da reabilitação urbana

4 vista como uma oportunidade de agilizar e promover o arrendamento, em detrimento da compra individual de habitação. O regime agora proposto não salvaguarda devidamente o direito à habitação dos arrendatários dos locados que possam vir a ser abrangidos por este regime. De facto, e principalmente, no caso da necessidade de obras profundas ou de demolição, não se salvaguarda o realojamento ou a reocupação do locado do arrendatário para além de um período de dois anos, ou em alternativa uma indemnização. As regras da nova lei do arrendamento urbano entram em vigor durante o ano de O Governo pretende que os inquilinos que não paguem renda durante dois meses possam ser despejados pelo proprietário do imóvel. Inquilinos com incapacidade física superior a 60%, idosos com mais de 65 anos e agregados familiares com carência económica vão ter condições especiais para evitar o despejo dos imóveis, podendo no entanto ter de suportar a atualização da renda. A partir de meados de 2013 a atualização das rendas dos imóveis deverá ser feita através de um processo de negociação entre proprietários e inquilinos. A Proposta de Lei 38/XII irá trazer alterações em vários campos, tais como na forma de celebração do contrato e a cessação contratual do mesmo. A transmissão do contrato de arrendamento irá sofre algumas alterações, estas alterações irão ter incidência a nível do Código Civil, Código do Processo Civil e na actual Lei do arrendamento, Lei 6/2006 de 27 de Fevereiro. Com o país a sofrer medidas de austeridade, os proprietários com dívidas ao fisco referentes á casa que estão a arrendar não poderão beneficiar do mecanismo de despejo simplificado que esta nova reforma do arrendamento promove. No presente trabalho iremos fazer o enquadramento com base nas respectivas alterações legislativas e com base na Proposta de Lei Nº 38/XII.

5 2. Motivos para a necessidade da alteração do regime jurídico do arrendamento urbano (habitação) A Proposta de Lei 38/XII tem vários objectivos, entre os quais garantir a flexibilidade do regime do contrato de arrendamento para poder fomentar a dinâmica do mercado de arrendamento, outro dos pontos importantes nesta proposta de lei é poder promover mecanismos expeditos de cessação do contrato e desocupação da habitação, permitindo a oferta de aumento de habitações a preços acessíveis e garantir segurança jurídica para os senhorios. A reabilitação urbana é um ponto importante nesta matéria porque permite a renovação das cidades, garantido mais casas para arrendamento, esta matéria tem que estar em conjugação com o regime do arrendamento. Os vetores desta reformar tem como chave quatro pontos importantes, a alteração do regime substantivo, revisão do sistema de transição dos contratos antigos para o novo sistema, agilização do procedimento de despejo e a melhoria do enquadramento fiscal. A alteração do regime substantivo ira conferir uma maior liberdade às partes, garantido o aparecimento de contratos de duração variada, principalmente mais curtos e mais ajustados às necessidades do inquilino e do senhorio, evitando situações prolongadas de incumprimento. Quanto a temática da transição dos contratos antigos para o novo regime ira ter um mecanismo próprio, regras especiais com base da negociação entre as partes, surgindo situações de exceção na sua aplicação. A agilidade do procedimento de despejo será valorizado nesta proposta de lei, o processo será mais célere sendo possível o mesmo decorrer pela via extrajudicial. Um dos grandes objectivo do governo através desta revisão é a melhoria do enquadramento fiscal.

6 3. Contrato de arrendamento Celebração, duração e cessação Com aplicação das novas regras do arrendamento urbano na vertente habitacional iremos encontrar algumas alterações na celebração do contrato. O contrato de arrendamento urbano é quando uma das partes concede o gozo durante um período de tempo mediante a retribuição de uma renda. O nosso código civil no seu artigo 1022º dá-nos uma noção de locação Locação é o contrato pelo qual uma das partes se obriga a proporcionar á outra o gozo temporário de uma coisa, mediante retribuição 3. Quanto as pessoas que podem residir no local do arrendado, será o arrendatário e todos os que com ele vivam em economia comum no máximo de três hóspedes, salvo cláusula em contrário 4 Quanto a forma o contrato passa a ser efetuado por escrito indiferente da duração do mesmo, art. 1069º (na sua nova redação). Quanto a duração dos contratos irão encontrar três formas, contrato a prazo certo art. 1095º Código Civil; contrato com duração indeterminada - art. 1099º Código Civil e o silencio das partes nº3, art. 1094º Código Civil A alteração que iremos verificar no contrato a prazo certo serão verificados em relação ao tempo, vem alterar os contratos superiores a 30 anos, que passam automaticamente para o período de 30 anos indiferente de já ter ultrapassado o tempo em muito. O período mínimo de 5 anos deixa de coexistir. Os contratos de duração indeterminada mantem a mesma redação do artigo 1099º do código civil sendo que alteração que irá sofre corresponde a cessação por denuncia de uma das partes, que terá a sua redação alterada nos artigos 1100º aos artigos 1103º, sendo que o períodos de comunicação e motivos alteram para a denuncia ser executável, sendo valorizado a reabilitação urbana neste campo, quanto à matéria do silêncio das partes, irão verificar uma alteração bastante importante, na redação atual o silêncio das partes na celebração do contrato tinha como período uma duração 3 Código Civil e artigo 62º da Lei 6/2006, de 27 de Fevereiro 4 Artigo 1093º Código Civil

7 indeterminada com esta proposta de lei iremos ver o tempo reduzido significativamente para dois anos. Voltando ao assunto do contrato com prazo certo iremos encontrar alterações com a Proposta de Lei 38/XII, em relação as renovação automática, a nova redação ira retirar a exceção e o período mínimo de 3 anos que existia no nº 1, art. 1096º do código civil. No nº2 do mesmo artigo passa a existir a possibilidade das ambas as partes oporem-se a renovação. Quanto a possibilidade de oposição á renovação deduzida pelo senhorio iremos ter novos períodos de comunicação ao arrendatário que o senhorio terá que cumprir em função da duração do contrato art. 1097º Código Civil. O arrendatário poderá também se opor á renovação ou denuncia do contrato de arrendamento, o art. 1098º Código Civil sofrendo este artigo uma correção em relação ao tempo necessário para efetuar a respectiva comunicação. A resolução dos contratos com a nova lei pode ser realizada judicialmente ou extrajudicial. A possibilidade de resolução de contrato por parte do senhorio dá-se em caso de mora do arrendatário, por um período igual ou superior a dois meses no pagamento da renda, o regime atual prevê três meses, esta nova lei permite limitar estas situações repetitivas e prevê que o arrendatário pode evitar a resolução do contrato de arrendamento fundado em mora do pagamento de renda ao por termo da mesma num prazo de um mês a contar da notificação do senhorio, esta faculdade só pode ser usada uma vez na vida do contrato. Quanto a matéria respeitante a caducidade 5 esta verifica-se quando o contrato caduca, com base no artigo 1051º código civil que tem por base uma série de previsões como exemplo a termino do prazo estipulado no contrato ou estabelecido por lei, pode se verificar a condição a que as partes o subordinaram ou que tomando-se certo que não pode verificar-se conforme a condição seja resolutiva ou suspensiva, outra é por morte do locatário ou pela perda ou destruição da coisa locada. Um ponto que poderá originar a caducidade do contrato é pela expropriação por utilidade pública, salvo quando a expropriação se compadeça com a subsistência do contrato Quanto a transmissão de direitos do contrato de arrendamento, esta pode acontecer em algumas circunstâncias, podemos verificar a transmissão em vida para o cônjuge em caso de divórcio ou de separação judicial de pessoas e bens art. 5 Quando existe uma extinção de um direito, sem efeito retroativo.

8 1105º código civil. Na morte do arrendatário podemos nós deparar com a situação do agregado familiar do mesmo, o art. 1106º código civil vem invocar mais tempo para a premissa de transmissão do locado, na atual redação do art. 1106º o tempo de residência comum ao arrendatário é de um ano para garantir a transmissão do locado, na redação da Proposta de Lei 38/XII esse período aumenta para dois anos, somente com a confirmação para não caducidade do contrato. O art. 57º da Lei 6/2006, de 27 de Fevereiro também irá ter uma nova redação limitando e clarificando o tempo de coabitação em união de facto, garantindo e limitando a transmissão aos ascendentes em 1º grau e garantido a habitação para filho menor Ações de despejo As ações de despejo irão ser mais facilitadas e mais simples, a nova Proposta de Lei 38/XII vem introduzir algumas alterações neste campo os artigos 14º e 15º vêm clarificar estas alterações. Quando o arrendatário entrar em incumprimento, numa situação já recorrente o senhorio poderá avançar para com um processo de despejo através do BNA 7, os despejos podem ocorrer por via extrajudicial, tendo como objectivo retirar processos do tribunal, mas poderá sempre as partes optar pela via judicial quando não exista entendimento. Os despejos poderão ter varias origens, uma delas a falta de pagamento que ira provocar uma ação de despejo, uma outra situação será relacionada com a reabilitação urbana, sempre que o proprietário necessitar efetuar obras, o arrendatário terá direito a uma indemnização correspondente a um ano de rendas e nesta situação o arrendatário terá que abandonar o imóvel, não sendo necessário o senhorio realojar o arrendatário excetuando se o mesmo tiver mais de 65 anos ou se tiver uma deficiência superior a 60%. Em relação a esta matéria iremos encontrar legislação especial em relação a matéria de despejo, com o aditamento dos artigos 15º a Lei 6/2006, 27 de Fevereiro na Proposta de Lei 38/XII quando arrendatário não desocupar o locado na data 6 Art. 57º Proposta de Lei 38/XII 7 Balção Nacional de Arrendamento

9 prevista na lei ou na data convencionada entre as partes, o nº 2 do art. 15º da Proposta de Lei 38/XII enuncia os requisitos que servem de base para o procedimento especial de despejo. O procedimento especial de despejo aplica-se nas seguintes situações: Á cessação do contrato por revogação Á caducidade do contrato de arrendamento pelo decurso do prazo Á cessação do contrato por oposição a renovação Á cessação do contrato de arrendamento por denúncia livre do senhorio Á cessação do contrato de arrendamento por denúncia para habitação do senhorio ou filhos ou obras profundas Á cessação do contrato de arrendamento por denúncia pelo arrendatário Á resolução do contrato de arrendamento por não pagamento de renda a mais de 2 meses ou por oposição pelo arrendatário á realização de obras coercivas. Com esta alteração de procedimento em relação ao despejo irá surgir uma nova figura no nosso ordenamento jurídico, o Banco Nacional de Arrendamento que ira ser criado junto da direção geral de administração de justiça e que tem como objectivo garantir e assegurar a tramitação do procedimento especial de despejo, sendo o grande objectivo do BNA 8 evitar as ações de despejo cheguem ao tribunal, mas esta medida não inibe que as pessoas optem pela via judicial em caso de falta de entendimento entre as partes. O Professor Menezes Leitão numa entrevista a TSF, como Presidente Associação Lisbonense de Proprietarios referiu que se mostrava bastante satisfeito com as novas regras apresentadas mas que em relação ao BNA 9 para ele existe algumas duvidas conforme palavras do Professor uma vez que terá sempe que recorrer ao tribunal se o inquilino manifestar oposição á saida e estamos convencidos que, na esmagadora maioria dos casos, irá 8 Banco Nacional de Arrendamento 9 Banco Nacional de Arrendamentos

10 manifestar 10 e acrescentou ainda que Não sei se essa estrutura terá alguma vantagem num processo que acabará por ter que ir parar a tribunal 5. Normas transitórias Na Lei Nº 6/2006 de 27 de Fevereiro encontramos na secção II a matéria referente a atualização de rendas, que nesta proposta de lei, Proposta de Lei Nº 38/XII ira sobre algumas alterações, visto que a metodologia para propor o aumento das rendas antigas será diferente, assim sendo toda a alteração aprovada nos artigos 30º, a 34º e 50º a 54º da Lei 6/2006, de 27 de Fevereiro, irá ter uma nova redação, entrando em vigor em 1 de Janeiro de O que ira diferenciar esta disposição transitória? Contrato habitacional efectuados na vigência do regime do arrendamento urbano, da Lei 6/2006 de 27 de Fevereiro aplicar-se a Proposta de Lei Nº38/XII e depois de publicada em Diário de República 11. Em relação aos contratos anteriores a esta lei, chamados arrendamentos antigos, irá se aplicar a atual lei, na sua redação originária, até a data de 31 de Dezembro de 2012, com base no art. 9º da Proposta de Lei 38/XII. Como um dos grandes objectivos do governo em relação as estas alterações ao regime do arrendamento urbano, foi dar tratamento aos arrendamentos antigos, contratos anteriores a As alterações que a nova lei ira trazer para o quotidiano dos portugueses nas situações de arrendamentos antigos serão num processo de faseamento, que poderemos chamar de regime geral (aplicável apenas após 1 de Janeiro de 2013). Este sistema de atualização das rendas antigas ira ter três fases, o objectivo é existir uma maior comunicação entre o senhorio e o arrendatário. A primeira fase poderá dar o nome de início da negociação, inicia-se com uma comunicação do senhorio ao arrendatário, através do qual o senhorio propõe ao arrendatário um valor de renda e um prazo para a duração do contrato. Numa 10 Dinheiro Vivo Art. 119º Constituição Portuguesa da República

11 segunda fase o arrendatário deve de responder ao senhorio sobre a pena de não o fazendo se considerar que aceita a proposta do senhorio, por isso a importância da resposta, nessa resposta o arrendatário pode denunciar o contrato ou então efetuar uma contraproposta. No caso de denunciar o contrato, esse terá direito a ser recompensado por todas as obras licitamente feitas no locado, independentemente do estipulado no contrato de arrendamento. Numa última fase o senhorio deve de responder a proposta do arrendatário, optando uma das duas situações possíveis, aceita a proposta do arrendatário ou em alternativa denuncia o contrato. Quando existir denuncia do contrato, o senhorio terá que pagar ao arrendatário uma indemnização equivalente a cinco anos de rendas, resultantes do valor medio das duas propostas formuladas por ambos, ainda terá que efetuar o pagamento de uma indemnização pelas benfeitorias realizadas no locado. Quando nenhuma destas situações acontecer o senhorio poderá atualizar a renda para um valor anual de 1/15 do valor patrimonial tributário do imóvel, determinado através das regras do IMI. Esta matéria de atualização de rendas ira complementar algumas exceções por motivos de existir garantia no campo social, as exceções iram basicamente ser duas. I. Os arrendatários com idade igual ou superior a 65 anos ou com deficiência com grau comprado de incapacidade superior a 60% não estarem sujeitos a regras apresentadas anteriormente, nestas situações não será possível a denuncia do contrato mediante pagamento de indemnização, mantendo se os contratos com uma duração indeterminada e vitalício. A única alteração nestes contratos consiste na possibilidade de atualização de renda para 1/15 anual do Valor Património Tributário do Imóvel (IMI). II. Os arrendatários com um rendimento anual bruto corrigido 12 do agregado familiar inferior a 5 retribuições mensais mínimas anuais garantidas durante o prazo de 5 anos a contar da resposta do arrendatário que alegue esta exceção, sendo que o senhorio só poderá apenas atualizar a renda no máximo de 12 Rendimento anual bruto corrigido RABC. O RABC é definido em diploma próprio.

12 1/15 do VPT 13 do imóvel. Este valor poderá ser ainda mais limitado, porque a renda não poderá exceder 25% do rendimento anula do agregado bruto corrigido do arrendatário ou então 10% quando este rendimento for inferior a quinhentos euros mensais. No final deste período de cinco anos o senhorio poderá propor novamente uma renda e um tipo de duração do contrato, caso não exista acordo nessa data, o contrato considerar-se-á celebrado com o prazo certo, pelo período de dois anos. Durante o período a renda poderá ser atualizada para um máximo de 1/15 anual do VPT 14 do imóvel, ou em alternativa poderá o senhorio optar pela denúncia do contrato mediante pagamento das respectivas indemnizações (cinco anos de rendas e benfeitorias) ou pela oposição a renovação do contrato no respectivo termo dois anos. Se o arrendatário entretanto tiver completado 65 anos esta situação já não se aplica mas sim a exceção do ponto I). 6. Alterações que vamos encontrar com a nova Lei das Rendas (Proposta de lei 38/XII) na nossa legislação atual Quando surgiu a Lei 6/2006 de 27 de Fevereiro, a nossa legislação sofreu algumas alterações, sendo as mais importantes no Código Civil. Código do Processo Civil, Decreto-lei nº 287/2003, de 12 de Novembro, Código de imposto sobre imóveis, Código do registo predial. Com a nova Proposta de Lei 38/XII voltamos a ter novas redações para alguns dos artigos mais importantes para este novo regime. Os artigos que irão sofrer alterações no Código Civil são: 1048º; artigo 1055º, artigo 1069º; artigo 1083º; artigo 1084; artigo 1087; artigo 1094º; artigo 1095º; artigo 1096º; artigo 1097º, artigo 1098º, artigo 1100; artigo 1101, artigo 1102, artigo 1103; artigo 1106; artigo 1110º. O objectivo da alteração destes artigos tem por base a garantir a aplicação de forma correta da Lei das Rendas, um dos artigo mencionados anteriormente é o 13 VPT Valor Património Tributário 14 VPT Valor Património Tributário

13 artigo 1069º que tem atualmente a indicação que o contrato só tem que ser escrito quando o período de duração for superior a seis meses, com a nova redação do artigo 1060º todos os contratos passam a ser escritos indiferente do prazo do contrato. Outra importante alteração será no artigo 1084º que surge com uma nova redação que prevê a situação em que o arrendatário pode efetuar o pagamento em mora no fim de um mês, para sanar o início do processo de resolução do contrato. O nº 4 do mesmo artigo, refere que a situação descrita no número anterior só poderá acontecer uma vez na vida do contrato. Quantos aos artigos revogados neste diploma vamos encontrar o nº3 do artigo 1095; o nº2 do artigo 1102 e o artigo Outro diploma que ira ter algumas alterações, será o Código do Processo Civil, artigos 222º; artigo 930º-B; artigo 930º-C e artigo 930º-D. Os artigos que serão revogados no Código do Processo Civil, são a alínea a) do nº1 do artigo 930º-B, a alínea a) do nº2 do artigo 930-C e o nº5 do artigo 930º-D. As grandes alterações irão acontecer no Lei 6/2006, de 27 de Fevereiro, os artigos que iram sofrer alterações são: artigo 9º; artigo 10º; artigo 14º; artigo 15º; artigo 26º; artigo 28º a 36º; artigo 50º a 54º; artigo 57º; artigo 58º. São aditados á Lei 6/2006, de 27 de Fevereiro os seguintes artigos: artigo 14º-A; artigo 15º-A a 15º-T, este aditamento é sobretudo devido a criação do Banco Nacional do Arrendamento, para agilizar o processo de início de denúncia do contrato e respectivo despejo e garantir a legitimidade para a aplicação e funcionamento do BNA 15 foi necessário clarificar o funcionamento do mesmo. O BNA é um organismo que ira ser criado junto da Direcção-Geral da Administração de Justiça e o seu objectivo é assegurar a tramitação do procedimento especial de despejo. Quanto aos artigos revogados iremos encontrar O nº6 do artigo 26º e os artigos 37º a 49º; artigos 55º e 56º. 15 Banco Nacional d Arrendamento

14 7. Conclusão Esta lei chamada lei dos senhorios também é conhecida pela lei das rendas, basicamente irá tocar em quase todos os pontos necessários para garantir a fomentação do arrendamento urbano e a reabilitação urbana. A nova lei prevê uma atualização de rendas congeladas num espaço de tempo de cinco anos. Os que beneficiarem de rendas antigas e não provarem a sua incapacidade financeira deveram ter as suas rendas atualizadas. A negociação será o ponto-chave para iniciar o processo de atualização das rendas antigas, sendo da iniciativa uma obrigação do senhorio, cabendo ao arrendatário informar o senhorio se aceita ou não ou em alternativa fazer uma contraproposta. A média dos valores proposto por ambos irá servir de base para calcular a nova renda ou então o valor da indemnização, esse valor será equivalente a 60 rendas ou seja cinco anos. Os agregados familiares mais carenciados iram ter um aumento de renda mais suave, situação válida para os contratos anteriores a 1990 com rendas normalmente muito baixas. A previsão da atualização das rendas antigas ira ter em conta os recursos económicos dos arrendatários e será gradual. Quem tiver mais de 65 anos, invalidez acima dos 60%. Quem não tiver condições económicas será salvaguardada as situações ira existir um período de cinco anos de transição para estes casos, no final do deste período as rendas serão atualizadas e o Estado poderá subsidiar a diferença. Os senhorios vão poder ainda desalojar os seus inquilinos desde que citem as necessidades de realizar obras profundas na casa ou mesmo demolir o imóvel. O memorando da Troika já incluía este mecanismo que favorece a reabilitação urbana (Proposta de Lei 24/XII). Os despejos serão mais facilitados desde que os arrendatários falhem o pagamento de duas rendas. Quanto aos despejos com indemnização o despejo não será imediato uma vez que o novo regime de arrendamento urbano estipula um prazo de seis meses para a pessoa/família. Se existir estudantes no agregado familiar com idade até aos 26 anos o prazo prolonga-se por um ano. O balção de arrendamento será criado para os senhorios se dirigirem quando considerarem que tem razões para terminar o contrato com o arrendatário. Será

15 BNA 16 a informar o arrendatário e dará início ao processo, se o mesmo se recusar a sair nesse caso o processo e revolvido em Tribunal. Os inquilinos incumpridores vão ter mais tempo para abandonar os imóveis, sendo o prazo alterado para 15 dias. Quanto aos prazos de oposição ao despejo ira existir um aumento de 10 dias para 15 dias. Em caso de se opor ao despejo o arrendatário terá que pagar a taxa de justiça e uma caução de seis meses sobre as rendas. O governo tem a decorrer um outro processo para a atualização do Valor Patrimonial dos Imóveis antigos para efeito do IMI, visto que a atualizações que serão efetuadas com base nestes valores. 16 Balção Nacional do Arrendatário

16 8. Bibliografia Proposta de Lei nº 38/XII Lei 6/2006, de 27 de Fevereiro Código Civil Português Código Processo Civil Português SILVARES, Mónica; BASTOS, Inês David Dezoito respostas para perceber as mudanças nas rendas, Diário Economico, Lisboa, 4 de Janeiro 2012, Suplemento, p.1

Área de Prática - Imobiliário. Junho 2012. Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano. I - Rendas Antigas

Área de Prática - Imobiliário. Junho 2012. Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano. I - Rendas Antigas Área de Prática - Imobiliário Junho 2012 Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano Foi aprovada na Assembleia da República a Proposta de Lei n.º 38/XII/1.ª, que procede à revisão do regime jurídico do

Leia mais

meses ou por oposição pelo arrendatário à realização de obras coercivas.

meses ou por oposição pelo arrendatário à realização de obras coercivas. Lei n.º 31/2012, de 14 de Agosto, que procede à revisão do regime jurídico do arrendamento urbano, alterando o Código Civil, o Código de Processo Civil e a Lei n.º 6/2006, de 27 de fevereiro A reforma

Leia mais

ARRENDAMENTO URBANO. Novo Regime do ANOTADO E COMENTADO MANTEIGAS MARTINS CARLOS NABAIS CARLA SANTOS FREIRE JOSÉ M. RAIMUNDO

ARRENDAMENTO URBANO. Novo Regime do ANOTADO E COMENTADO MANTEIGAS MARTINS CARLOS NABAIS CARLA SANTOS FREIRE JOSÉ M. RAIMUNDO MANTEIGAS MARTINS CARLOS NABAIS CARLA SANTOS FREIRE JOSÉ M. RAIMUNDO Novo Regime do ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO INCLUI: Código Civil Regime da Locação Regime do Arrendamento Urbano Alteração

Leia mais

Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda

Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda Jornal i, por Liliana Valente 30-12-2011 Os idosos com mais de 65 anos que tenham 2400 euros de rendimento mensal bruto corrigido

Leia mais

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações A revisão do regime do arrendamento urbano foi finalmente aprovada pela Lei nº 31/2012, de 14 de Agosto, a

Leia mais

Nova Lei do Arrendamento Urbano

Nova Lei do Arrendamento Urbano Agosto de 2012 Nova Lei do Arrendamento Urbano O objectivo da presente reforma é criar um mercado de arrendamento, que, em conjunto com o impulso à reabilitação urbana, possa oferecer aos portugueses soluções

Leia mais

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados A Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, aprovou o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), dando resposta à necessidade, por todos sentida, de reformar profundamente

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano

IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano 5 de Janeiro de 2012 IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano Em concretização de compromissos assumidos ao abrigo do Memorando de Entendimento celebrado entre Portugal e a Comissão Europeia, o Banco

Leia mais

Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano

Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano Luísa Lopes Mestre em Direito, Advogada Docente do Instituto Superior de Ciências Empresariais e Turismo (ISCET) Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano Delegação de Matosinhos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 38/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 38/XII. Exposição de Motivos Exposição de Motivos A presente proposta de lei inscreve-se num amplo e profundo conjunto de reformas centrado na aposta clara do XIX Governo Constitucional na dinamização do mercado de arrendamento, na

Leia mais

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO compilações legislativas VERBOJURIDICO NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO INCLUI LEGISLAÇÃO REVOGADA NÃO DISPENSA A CONSULTA DO DIÁRIO DA REPÚBLICA verbojuridico ABRIL 2006 VERBOJURIDICO NOVO REGIME DO

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 565/XII/2.ª

Projeto de Resolução n.º 565/XII/2.ª Projeto de Resolução n.º 565/XII/2.ª Recomenda ao Governo que aprove, para o período de vigência do Programa de Assistência Financeira a Portugal, uma moratória para as ações de despejo que tiverem fundamento

Leia mais

Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido. e atribuição do Subsídio de Renda

Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido. e atribuição do Subsídio de Renda Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido e atribuição do Subsídio de Renda A revisão do regime jurídico do arrendamento urbano, uma das medidas prioritárias do XVII Governo Constitucional, culminou

Leia mais

RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 ÍNDICES

RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 ÍNDICES RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 11 ÍNDICE GERAL Prefácio..................................................... 5 Nota do Autor................................................

Leia mais

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento Preâmbulo A Lei n.º 31/2012, de 27 de fevereiro aprovou medidas destinadas a dinamizar o mercado de arrendamento urbano, alterando

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

Decreto-Lei nº 27/2001, de 3 de Fevereiro

Decreto-Lei nº 27/2001, de 3 de Fevereiro Diploma consolidado Decreto-Lei nº 27/2001, de 3 de Fevereiro A aquisição de habitação própria constitui um importante motivo de poupança das famílias. Todavia, os efeitos sobre a procura interna da expansão

Leia mais

Nova Lei do Arrendamento Urbano

Nova Lei do Arrendamento Urbano 1 Nova Lei do Arrendamento Urbano A Nova lei do Arrendamento Urbano é um dos compromissos assumidos por Portugal com a Troika ao abrigo do Memorando de Entendimento Celebrado entre Portugal e a Comissão

Leia mais

Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho

Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho O Decreto-Lei n.º 142/2000, de 15 de Julho, aprovou o regime jurídico do pagamento dos prémios de seguro. Com a publicação deste diploma, procurou alcançar-se um

Leia mais

SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES. Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN

SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES. Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN 1. A REFORMA DO ARRENDAMENTO URBANO: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL E OBJETIVOS 2. ALTERAÇÕES NO REGIME

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 238/XII

PROJECTO DE LEI Nº 238/XII PROJECTO DE LEI Nº 238/XII Cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação, procedendo à 10ª alteração ao Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro Exposição de motivos Nas últimas décadas o

Leia mais

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO Delegação de Viana do Castelo Direcção de Finanças de Viana do Castelo DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO CONFERÊNCIA jesuinoamartins@gmail.com 04.06.2015 Atribuições da AT No conjunto das actividades desenvolvida

Leia mais

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL Controlo da emissão e comunicação Comunicação dos inventários Incentivo fiscal DECRETO-LEI N.º 198/2012, DE 24 DE AGOSTO Estabelece medidas de controlo

Leia mais

LEVANTAMENTO DE LEGISLAÇÃO SOBRE HABITAÇÃO VIGENTE EM PORTUGAL

LEVANTAMENTO DE LEGISLAÇÃO SOBRE HABITAÇÃO VIGENTE EM PORTUGAL LEVANTAMENTO DE LEGISLAÇÃO SOBRE HABITAÇÃO VIGENTE EM PORTUGAL - CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA / ARTIGO 65.º 1. Todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada,

Leia mais

Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º Artigo 1º Âmbito 1. O CASPAE, IPSS, Coimbra é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem por missão cumprir o dever moral de solidariedade e de justiça dos indivíduos, promovendo respostas

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS

CÓDIGO DO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS CÓDIGO DO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 287/2003, DE 12 DE NOVEMBRO ALTERADO/A PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - DECLARAÇÃO DE RECTIFICAÇÃO N.º 4/2004, DE 9 DE JANEIRO - LEI N.º

Leia mais

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 )

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Notas sobre alterações ocorridas ao nível do: Imposto SELO IUC, IMI e IMT LGT, CPPT e RGIT Porto 25 março 2014

Leia mais

Procedimento Especial de Despejo / BNA. II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015

Procedimento Especial de Despejo / BNA. II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015 Procedimento Especial de Despejo / BNA II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015 II Congresso Novo Regime Arrendamento Urbano Local: Hotel Altis Park - Lisboa Data: 30 de Outubro de 2015 Procedimento Especial

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de janeiro Estado: vigente. Resumo:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 140/XII Exposição de Motivos A reorganização dos sectores das águas e dos resíduos é um dos grandes desafios a que o Governo se propõe, em vista da resolução de problemas ambientais

Leia mais

Proposta de Lei Exposição de motivos

Proposta de Lei Exposição de motivos Proposta de Lei Exposição de motivos A modernização da Administração Pública constitui um dos pilares essenciais da estratégia de crescimento do País, destacando-se as várias medidas que o Governo tem

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei nº 243/XII-1ª Medidas para garantir a manutenção da habitação Preâmbulo Diz a Constituição da República Portuguesa, no seu artigo 65º, que Todos

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 378/XI/1.ª ALTERA O REGIME DE RENDA APOIADA PARA UMA MAIOR JUSTIÇA SOCIAL

PROJECTO DE LEI N.º 378/XI/1.ª ALTERA O REGIME DE RENDA APOIADA PARA UMA MAIOR JUSTIÇA SOCIAL Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 378/XI/1.ª ALTERA O REGIME DE RENDA APOIADA PARA UMA MAIOR JUSTIÇA SOCIAL (PRIMEIRA ALTERAÇÃO AO DECRETO-LEI N.º 166/93, DE 7 DE MAIO) Exposição de motivos Determina

Leia mais

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil. 2012 16ª Edição. Atualização nº 1

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil. 2012 16ª Edição. Atualização nº 1 Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil 2012 16ª Edição Atualização nº 1 1 [1] Código do Trabalho CÓDIGO CIVIL Atualização nº 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

MUNICÍPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO Nº : PROPOSTA Nº : 29/DAF/2012 Realizada em: DELIBERAÇÃO Nº : ASSUNTO: Imposto Municipal sobre Imóveis para o ano de 2013 Desde 2009 que o Município de Setúbal tendo aplicado na zona delimitada

Leia mais

Novo Regime da Reparação da Eventualidade de Desemprego

Novo Regime da Reparação da Eventualidade de Desemprego 19 de Junho de 2007 Novo Regime da Reparação da Eventualidade de Desemprego João Santos Advogado DIPLOMA LEGAL Decreto-Lei n.º 220/2006, de 3 de Novembro, complementado pela Portaria n.º 8-B/2007, de 3

Leia mais

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário 29.novembro.2012 Reforma do Regime Jurídico do Arrendamento Urbano Novo Enquadramento Legal Publicado a 14 de agosto de 2012 Lei n.º 30/2012 - Regime das

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Prazo Mobilização Antecipada Poupança Habitação Geral Clientes Particulares com mais de 30 anos. Depósito constituído em regime especial. 12 meses Após o decurso

Leia mais

Anexo 4. (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino)

Anexo 4. (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino) Anexo 4 (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino) CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO PARA FIM HABITACIONAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE RENDA CONVENCIONADA (Prazo Certo Artigo 1095.º do Código

Leia mais

Descarregue gratuitamente atualizações online em www.portoeditora.pt/direito Condomínio Col. Legislação (06702.90)

Descarregue gratuitamente atualizações online em www.portoeditora.pt/direito Condomínio Col. Legislação (06702.90) orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

INSTRUÇÕES DE APLICAÇÃO

INSTRUÇÕES DE APLICAÇÃO Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações Laboratório Nacional de Engenharia Civil Lisboa, Outubro de 2007 Método de avaliação do estado de conservação de imóveis INSTRUÇÕES DE APLICAÇÃO

Leia mais

Novidades em matéria de despejo

Novidades em matéria de despejo Reabilitação Urbana e Arrendamento: oportunidades do novo regime jurídico Novidades em matéria de despejo Rute Raimundo Alves 1 2 Resumo do procedimento 1.º Comunicação especial do n.º 7 do artigo 9.º

Leia mais

I - Regime de contabilidade de caixa. 1. Âmbito de aplicação. (artigo 1º do regime)

I - Regime de contabilidade de caixa. 1. Âmbito de aplicação. (artigo 1º do regime) Classificação: 020.01.10 Segurança: Processo: 2013 004333 ÁREA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA DO IVA - GABINETE DO Of.Circulado N.º: 30150/2013 2013-08-30 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407

Leia mais

eabilitação As novidades em matéria de Reabilitação Urbana e Arrendamento maio 2012 1

eabilitação As novidades em matéria de Reabilitação Urbana e Arrendamento maio 2012 1 eabilitação As novidades em matéria de Reabilitação Urbana e Arrendamento maio 2012 1 1. Enquadramento Quase uma centena de anos de congelamento de rendas gerou custos: centros das cidades estão degradados,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

O novo regime de protecção de clientes bancários particulares

O novo regime de protecção de clientes bancários particulares A parte da imagem com o ID de relação rid4 não foi encontrada no ficheiro. O novo regime de protecção de clientes bancários particulares Cristina Catarino Enquadramento legal Decreto-Lei 227/2012, de 25

Leia mais

Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social

Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social Legislação Decreto-Lei n.º 411/91, de 17 de Outubro Publicado no D.R. n.º 239, série I-A, de 17 de Outubro de 1991 SUMÁRIO : Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social

Leia mais

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PREÂMBULO Os vários serviços com intervenção na área social do universo da Câmara Municipal do Porto (de ora em diante

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

PROPOSTA LEGISLATIVA RELATIVA AO REGIME TRANSITÓRIO DA CARREIRA DOCENTE UNIVERSITÁRIA

PROPOSTA LEGISLATIVA RELATIVA AO REGIME TRANSITÓRIO DA CARREIRA DOCENTE UNIVERSITÁRIA PROPOSTA LEGISLATIVA RELATIVA AO REGIME TRANSITÓRIO DA CARREIRA DOCENTE UNIVERSITÁRIA Considerando que: É necessário introduzir alterações ao Regime Transitório da Carreira Docente Universitária, nomeadamente

Leia mais

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 Esta informação destina-se a Trabalhadores independentes O que é e quais as condições para ter direito O que é É uma prestação

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila"

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila Município de Figueiró dos Vinhos Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila" (regulamento que está em vigor após processo de alteração) Aprovado em reunião

Leia mais

Plano Empresas Reforma

Plano Empresas Reforma Plano Empresas Reforma Condições gerais e especiais 1110599-01.20104 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. - Av. Fontes Pereira de Melo, n.º 6 1069-001 Lisboa Telef. 808 243 000 - Fax

Leia mais

PARECER N.º 63/CITE/2013

PARECER N.º 63/CITE/2013 PARECER N.º 63/CITE/2013 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, incluída em processo de despedimento coletivo, nos termos previstos no n.º 3 do artigo 346.º e na alínea b) do

Leia mais

sadsfffffffffffffffffff REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo ao Arrendamento no Centro Histórico de Ponte de Lima

sadsfffffffffffffffffff REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo ao Arrendamento no Centro Histórico de Ponte de Lima regulamento Deliberado pela Câmara Municipal em 26 de novembro de 2012 Aprovado pela Assembleia Municipal na sua sessão Ordinária de 27 de dezembro de 2012 REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

Centro de Dia e Apoio Domiciliário sito no Alto dos Moinhos

Centro de Dia e Apoio Domiciliário sito no Alto dos Moinhos PROTOCOLO DE CEDÊNCIA DE ESPAÇO MUNICIPAL Centro de Dia e Apoio Domiciliário sito no Alto dos Moinhos Entre O MUNICÍPIO DE LISBOA, Pessoa Colectiva n.º 500051070, com sede na Praça do Município, através

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração.

SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração. DIPLOMA: Decreto-Lei n.º 89/95, de 06 de Maio SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração. ALTERAÇÕES: Declaração

Leia mais

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME ELEMENTOS DO CÒDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PARA CONSULTA Artigo 28.º Verificação das entradas em espécie 1 - As entradas em bens diferentes de dinheiro devem ser objecto de um relatório elaborado por

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 178/XIII/1.ª SALVAGUARDA A PENSÃO DE ALIMENTOS ENQUANTO DIREITO DA CRIANÇA NO CÁLCULO DE RENDIMENTOS

PROJETO DE LEI N.º 178/XIII/1.ª SALVAGUARDA A PENSÃO DE ALIMENTOS ENQUANTO DIREITO DA CRIANÇA NO CÁLCULO DE RENDIMENTOS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 178/XIII/1.ª SALVAGUARDA A PENSÃO DE ALIMENTOS ENQUANTO DIREITO DA CRIANÇA NO CÁLCULO DE RENDIMENTOS Exposição de motivos O direito à segurança social e solidariedade

Leia mais

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira 1/13 Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira JusNet 40/1995 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 144, Série I-A, 24 Junho 1995;

Leia mais

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Finalidade e Natureza do PER António Raposo Subtil ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL NOTA INFORMATIVA REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Fruto da forte pressão social que se foi fazendo junto do Governo e de várias

Leia mais

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA O que é o Fundo de Emergência Social de Lisboa (FES)? É um programa municipal criado em 2012 e que se

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS

ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS RECURSO ORDINÁRIO Nº 02/2010-EMOL (Processo de fiscalização prévia n.º 996/2010) SUMÁRIO 1. O contrato destinado a disponibilizar o sistema de cobrança de portagens e o

Leia mais

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1 Fiscalidade e o Proprietário 1 Sumário: 1. Recibo Eletrónico 2. Contratos de Arrendamento Comunicação AT 3. IMI 4. IRS Rendimentos Prediais 2014/2015 2 Recibos 3 1- Recibos Eletrónicos 4 Recibo eletrónico

Leia mais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V Ações preferenciais sem direito de voto Artigo 341º Emissão e direitos dos acionistas 1 O contrato

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÈCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.13)

Leia mais

IVA transmissão de estabelecimento

IVA transmissão de estabelecimento IVA transmissão de estabelecimento É possível, ao abrigo do artigo 3.º, n.º 4 do CIVA transmitir um estabelecimento (isto é, todo o seu activo) de uma sociedade para um empresário em nome individual no

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 7 094/2011 Através do despacho n.º 9 178/2008, de 28 de Março, foram aprovadas pela ERSE as condições gerais que integram o contrato de fornecimento

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Fevereiro 2015 Direito Comercial A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social.

Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social. I - NOTA PRÉVIA DE ADVERTÊNCIA AO ASSOCIADO SUBSCRITOR O Montepio Geral - Associação Mutualista (MGAM) adverte que a modalidade mutualista Pensões de Reforma não é um depósito bancário, não se encontrando

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Renda de Casa (4008 v4.12) PROPRIEDADE

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 4481.07-5; Ag: TC Matosinhos, 5º J (6183/06.9TBMTS) Ag.e: Totta Crédito Especializado, SA Instituição Financeira de Crédito, Rua Basílio Teles, 35, Lisboa 1 Agº: Ferseque, Sociedade de Construção e

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL DE CURTO E MÉDIO PRAZO ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. ( Sociedade ) Artigo 1º. (Objeto e Objetivos)

REGULAMENTO SOBRE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL DE CURTO E MÉDIO PRAZO ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. ( Sociedade ) Artigo 1º. (Objeto e Objetivos) REGULAMENTO SOBRE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL DE CURTO E MÉDIO PRAZO ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. ( Sociedade ) Artigo 1º (Objeto e Objetivos) 1. O presente Regulamento estabelece os termos e condições gerais aplicáveis

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social 2012 3ª Edição Actualização nº 1 CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL Actualização nº

Leia mais

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE PRISCOS Página 1 de 8 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE PRISCOS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Decreto-Lei n.º 171/2007 de 8 de Maio (Alterado pelo Decreto-Lei n.º 88/2008, de 29 de Maio)

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Decreto-Lei n.º 171/2007 de 8 de Maio (Alterado pelo Decreto-Lei n.º 88/2008, de 29 de Maio) MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Decreto-Lei n.º 171/2007 de 8 de Maio (Alterado pelo Decreto-Lei n.º 88/2008, de 29 de Maio) Artigo 1.º 1 Objecto 1 - O presente decreto-lei estabelece as regras a

Leia mais

Partido Popular CDS-PP. Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 575/X

Partido Popular CDS-PP. Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 575/X Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 575/X Alteração ao Decreto Lei n.º 220/2006, de 3 de Novembro, reforça os mecanismos de fiscalização e controlo do subsídio de desemprego e reforça

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS Artigo 1.º (Definições e Interpretação) 1. Nesta Secção, os termos e expressões iniciados por maiúsculas têm o significado que lhes é atribuído no Título VI (Glossário) do Regulamento. 2. Em caso de conflito

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PORTADORES DE ARMAS (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril)

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PORTADORES DE ARMAS (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril) 25032010 INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PORTADORES DE ARMAS (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril) SEGURADOR MAPFRE Seguros Gerais S. A. Sede Social:

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B ORÇAMENTO DO ESTADO OE2016 O QUE MUDA? parlamento Proposta de Orçamento do Estado para 2016 - Proposta de Lei no. 12/XIII. Apresentamos aqui as principais medidas de natureza fiscal propostas neste diploma.

Leia mais

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 265/XII Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n.ºs 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de maio A Assembleia

Leia mais

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objeto O presente Procedimento

Leia mais

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL)

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Condições de Acesso (Decreto Lei n.º 178/2012 de 3 de Agosto) 0 SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Entrada

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 7/A/2007 [artigo 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I INTRODUÇÃO

RECOMENDAÇÃO n.º 7/A/2007 [artigo 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I INTRODUÇÃO Número: 7/A/2007 Data: 30.07.2007 Entidade visada: Presidente do Conselho de Administração dos Serviços Municipalizados de Ponta Delgada. Assunto: Taxas e tarifas. Carácter bilateral. Tarifa de disponibilidade

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais