Área de Prática - Imobiliário. Junho Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano. I - Rendas Antigas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Área de Prática - Imobiliário. Junho 2012. Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano. I - Rendas Antigas"

Transcrição

1 Área de Prática - Imobiliário Junho 2012 Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano Foi aprovada na Assembleia da República a Proposta de Lei n.º 38/XII/1.ª, que procede à revisão do regime jurídico do Arrendamento Urbano, alterando o Código Civil, o Código de Processo Civil e a Lei n.º 6/2006 (NRAU). Esta lei altera a reforma, de Fevereiro de 2006, ao Regime do Arrendamento Urbano (o NRAU). Este novo diploma apresenta como objetivo a dinamização do mercado do arrendamento urbano, conferindo maior liberdade às partes na estipulação das regras relativas à duração dos contratos, reforçando a negociação e facilitando a transição dos contratos para este novo quadro legal, bem como criando um procedimento especial de despejo que permita a célere recolocação do locado no mercado de arrendamento. I - Rendas Antigas Uma das principais alterações ocorre a nível das designadas rendas antigas, ou seja as rendas em vigor nos contratos de arrendamento: - habitacionais celebrados antes da vigência do RAU (ou seja até ); - não habitacionais celebrados antes da vigência do DL n.º 257/95, ou seja antes de Tratam-se das datas até às quais cada um destes tipos de contratos tinham, obrigatoriamente e por imposição legal, a natureza de arrendamentos vinculísticos. Os contratos vinculísticos são aqueles em que as partes consagravam um prazo de duração (por ex., 6 meses) mas em que o Senhorio não podia fazer cessar o contrato para o termo deste prazo (o inicial ou os das renovações), denúncia / oposição à renovação que só era possível ser feita pelo Arrendatário. a) Arrendamentos Habitacionais O Senhorio passará a dispor da faculdade de iniciar o processo de atualização destas rendas e de alteração do contrato. Este mecanismo será baseado numa negociação particular entre o Senhorio e o Arrendatário, a desenrolar-se da seguinte forma: i) Proposta do Senhorio: o Senhorio propõe ao Arrendatário o valor de atualização da renda, o tipo de contrato (de prazo certo ou de duração indeterminada) e a sua duração; O Arrendatário pode (nos 30 dias seguintes) denunciar o contrato, aceitar a proposta do Senhorio, apresentar uma contraproposta ou invocar circunstâncias excecionais. No caso de aceitação ou contraproposta o Arrendatário pode ainda pronunciar-se quanto ao tipo e ou à duração do contrato propostos pelo Senhorio. A falta de resposta do Arrendatário equivale à aceitação das propostas do Senhorio. pág. 1

2 ii) Denúncia pelo Arrendatário: Se o Arrendatário denunciar o contrato, a denúncia produz efeitos no prazo de 2 meses, devendo o Arrendatário desocupar o locado e entregá-lo no prazo de 30 dias. Na prática, o Arrendatário ter que desocupar o locado em 3 meses (2+1) e não haverá atualização de renda; iii) Arrendatário aceita a proposta: Se o Arrendatário aceitar a proposta, a renda é atualizada para o valor proposto pelo Senhorio e, a partir do 1.º dia do segundo mês seguinte ao da receção da resposta, o contrato passará a ser de prazo certo de 5 anos, salvo se as partes acordarem quanto a outro tipo de contrato e de duração; iv) Arrendatário contrapropõe: O Arrendatário pode apresentar uma contraproposta ao Senhorio, tanto a nível da renda como do tipo de contrato de arrendamento e da sua duração, dispondo o Senhorio de um prazo de 30 dias para comunicar se aceita ou não a contraproposta. A falta de resposta do Senhorio equivale à aceitação da proposta do Arrendatário: iv.a) Se o Senhorio aceitar a contraproposta, a renda é atualizada para o valor contraproposto pelo Arrendatário e, a partir do 1.º dia do segundo mês seguinte ao da receção da resposta pelo Arrendatário, o contrato passará a ser de prazo certo de 5 anos, salvo se as partes acordarem quanto a outro tipo de contrato e de duração; iv.b) Se não aceitar a contraproposta do Arrendatário, o Senhorio poderá: - Denunciar o contrato, pagando ao Arrendatário uma indemnização equivalente a 5 anos de renda, resultante do valor médio das propostas formuladas pelo Senhorio e pelo Arrendatário. Esta indemnização é agravada para o dobro ou em 50 % se a renda oferecida pelo Arrendatário não for inferior à proposta pelo Senhorio em mais de 10% ou de 20% respetivamente; ou - Atualizar a renda de acordo com o valor da habitação (Valor Patrimonial Tributário), tendo como limite máximo o valor anual correspondente a 1/15 do valor do locado, passando o contrato a ser de prazo certo pelo período de 5 anos. v) Arrendatário invoca carência económica: Se o Arrendatário invocar e comprovar que o Rendimento Anual Bruto Corrigido (RABC) do seu agregado familiar é inferior a cinco Retribuições Mínimas Nacionais Anuais (RMNA), poderá ser fixado um período transitório de 5 anos em que a atualização da renda estará limitada: v.a) a um máximo de 25% do RABC do agregado familiar, tendo a renda como limite máximo o valor anual correspondente a 1/15 do valor do locado; v.b) a um máximo de 17% do RABC do agregado familiar, tendo a renda como limite máximo o valor anual correspondente a 1/15 do valor do locado, no caso de o RABC do agregado familiar ser inferior a 1500 mensais. Decorrido este período transitório de 5 anos, o Senhorio pode promover a transição do contrato para prazo certo pelo período de dois anos, salvo se as partes acordarem quanto ao tipo de contrato e duração, não podendo o Arrendatário invocar circunstâncias excecionais; pág. 2

3 vi) Arrendatários idosos ou deficientes: Se o Arrendatário invocar e comprovar que tem idade igual ou superior a 65 anos ou deficiência com grau comprovado de incapacidade superior a 60%, a renda poderá ser atualizada por procedimento iniciado pelo Senhorio, sendo aplicáveis as regras de negociação referidas nas alíneas i) a iv), com exceção do previsto iv.b). Assim, se o Senhorio não aceitar a contraproposta o contrato mantém-se em vigor sem alteração do regime que lhe é aplicável, sendo o valor da renda apurado com base no valor da habitação (VPT) Em qualquer caso, não haverá alteração do tipo de contrato de arrendamento (que se manterá como vinculístico), salvo se houver acordo do Arrendatário para o efeito. Se o valor da renda apurado com base no valor da habitação for inferior ao valor que resultaria da atualização anual calculada com base nos coeficientes anuais de renda, é este o valor aplicável. b) Arrendamentos Não Habitacionais Nos arrendamentos não habitacionais (celebrados antes de 05 de outubro de 1995) aplica-se o mesmo regime de negociação referido nas alíneas i) a iv) do ponto anterior. O Arrendatário deve, quando for caso disso, invocar uma das seguintes circunstâncias: Existe no locado um estabelecimento comercial aberto ao público e que é uma microentidade; Tem a sua sede no locado e que é uma associação privada sem fins lucrativos e declarada de interesse público, nacional ou municipal; O locado funciona como casa fruída por república de estudantes. Nestes casos, salvo acordo entre as partes, o Arrendatário beneficiará de um período transitório de 5 anos findo o qual o Senhorio pode promover a transição do contrato para prazo certo de 2 anos, salvo acordo em contrário. Durante o período de 5 anos, o valor atualizado da renda é determinado com base no valor da habitação, tendo como limite máximo o valor anual correspondente a 1/15 do valor da habitação. Se o valor da renda apurado com base no valor da habitação for inferior ao valor que resultaria da atualização anual calculada com base nos coeficientes anuais de renda, é este o valor aplicável O conceito de microentidade equivalerá, entre outros, ao facto de ter um volume de negócios líquido não superior a ,00 e um número médio de cinco empregados durante o exercício. Os Senhorios que tenham iniciado a atualização da renda ao abrigo do atual regime o NRAU), podem optar pela continuação da aplicação desta regime se, no momento da entrada em vigor da nova lei, estiver a decorrer o período de atualização faseada da renda, em 2, 5 ou 10 anos, ou já tiverem iniciado o procedimento de atualização mas não se encontrando o mesmo concluído. A opção pela continuação no regime atual deve ser comunicada pelo Senhorio ao Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, I.P., no prazo de 30 dias a contar da entrada em vigor da nova lei. pág. 3

4 II - Transmissão por Morte nos Contratos Habitacionais Antigos Procede-se à alteração do regime de transmissão por morte nos contratos de arrendamento celebrados antes de No regime atualmente em vigor esta transmissão poderia operar-se para qualquer ascendente, havendo transmissão sucessiva entre pais, ascendentes e filhos. As alterações agora aprovadas correspondem ao seguinte: a) Limita-se a transmissão por morte para ascendentes em 1º grau (ou seja, para os pais do Arrendatário); b) Impede-se a transmissão para pessoa com outra habitação na área dos concelhos de Lisboa ou do Porto e seus limítrofes, ou no respetivo concelho quanto ao resto do País; c) A transmissão implica a transição do contrato para um novo regime de contrato, que, na falta de acordo entre as partes, terá o prazo de 2 anos, nos casos de transmissão para ascendente que viva com o Arrendatário e tenha idade inferior a 65 anos ou para descendente ou enteado quando este fizer 18 anos ou, estando ainda a estudar, 26 anos. III - Denúncia dos Arrendamentos Vinculísticos Procede-se à alteração do regime de denúncia dos contratos vinculísticos que tenham sido celebrados após (habitacionais) ou após (não habitacionais). a) Arrendamentos Habitacionais na vigência do RAU Nos contratos vinculativos que tenham sido celebrados na vigência do RAU (ou seja, entre e ), o Senhorio só poderá proceder à respetiva denúncia com fundamento na necessidade: - de habitação pelo próprio e seus descendentes; - para demolição ou realização de obra de remodelação ou restauro profundo que obriguem à desocupação do locado, caso em que se o Arrendatário tiver idade igual ou superior a 65 anos ou deficiência com grau de incapacidade superior a 60%, na falta de acordo, o Senhorio fica obrigado a realojar o Arrendatário em condições análogas às que já detinha. b) Arrendamentos Não Habitacionais na vigência do RAU Nos contratos vinculativos que tenham sido celebrados na vigência do Dec. Lei 257/95, RAU (ou seja, entre e ) o Senhorio não poderá proceder à respetiva denúncia, de forma livre. c) Arrendamentos Habitacionais anteriores à vigência do RAU Nos contratos vinculativos que tenham sido celebrados anteriormente à vigência do RAU (ou seja, até ) o Senhorio não poderá proceder à respetiva denúncia, de forma livre. pág. 4

5 d) Arrendamentos Não Habitacionais anteriores à vigência do RAU Nos contratos vinculativos que tenham sido celebrados anteriormente à entrada em vigor do Dec. Lei 257/95, RAU ( ) o Senhorio mantém a possibilidade de proceder à respetiva denúncia, de forma livre e mediante uma antecedência de 5 anos quando: Ocorra trespasse, locação do estabelecimento ou cessão do arrendamento para o exercício de profissão liberal após a entrada em vigor da nova lei; Sendo o Arrendatário uma sociedade, ocorra a transmissão inter vivos de posição ou posições sociais que determine a alteração da titularidade em mais de 50 % face à situação existente aquando da entrada em vigor da nova lei, IV - Alteração do Prazo nos Arrendamentos Futuros Esta alteração legislativa também incide sobre os prazos dos contratos de arrendamento que venham a ser celebrados após a sua entrada em vigor. a) Arrendamentos Habitacionais No regime atualmente em vigor (o NRAU) os arrendamentos habitacionais de prazo certo têm que ser celebrados com um prazo de vigência mínima de 5 (cinco) anos, com exceção das situações, devidamente fundamentadas, de arrendamentos para fim especial e transitório. Na alteração agora aprovada deixa de existir qualquer prazo mínimo para a vigência dos contratos de arrendamento habitacional, continuando a existir o limite máximo de 30 anos. Deste modo, o Senhorio e o Arrendatário poderão negociar livremente as condições do prazo de vigência do contrato (só tendo que respeitar o limite máximo de 30 anos). No silêncio das partes, os contratos de arrendamento habitacional consideram-se celebrados pelo prazo de 2 (dois) anos. b) Arrendamentos Não Habitacionais Mantém-se a liberdade das partes negociarem as condições de duração, denúncia ou oposição à renovação. Porém, se as partes nada estipularem no contrato considera-se que o arrendamento é celebrado pelo prazo de 5 anos (em vez do prazo de 10 anos que se encontra em vigor). Também os prazos de antecedência para exercer a oposição à renovação por parte do Senhorio e Arrendatário são alterados, existindo um determinado prazo conforme a duração do contrato. Se, por exemplo, o contrato tiver a duração igual ou superior a 6 anos é conferido ao Senhorio um prazo de pré-aviso de 240 dias e ao Arrendatário de 120 dias para se oporem à respetiva renovação. V - Despejo por mora ou falta de pagamento de Renda O Senhorio passa a poder proceder à resolução do arrendamento após dois meses em que o Arrendatário não pague ou se constitua em mora no pagamento da renda. pág. 5

6 O direito à resolução quando exercido judicialmente caduca logo que o Arrendatário, até ao termo do prazo para a contestação da ação declarativa, pague, deposite ou consigne em depósito as somas devidas e a indemnização correspondente a 50% do valor em divida. O Arrendatário só poderá fazer uso desta faculdade uma única vez, com referência a cada contrato. Quando o direito à resolução for exercido de forma extrajudicial (por comunicação), a resolução ficará sem efeito se no mês seguinte o Arrendatário proceder ao pagamento das quantias em divida (com a indemnização de 50%). Porém, o Arrendatário só poderá fazer uso desta faculdade uma única vez, com referência a cada contrato. Assim, na prática, o despejo passa a ser possível ao fim de 3 meses (2+1) ou após novo atraso de pagamento de renda durante 2 meses. Os atrasos reiterados no pagamento da renda que sejam superiores a 8 (oito) dias e por 4 (quatro) vezes, seguidas ou interpoladas no período de 1 (um) ano, conferem ao Senhorio o direito de resolver o contrato. VI - Procedimento de Despejo É criado um mecanismo especial de despejo, que decorre no Balcão Nacional de Arrendamento e que é aplicável às seguintes situações de fundamento de despejo: a) Por cessação do contrato de arrendamento: - por revogação; - por caducidade, pelo decurso do prazo; - por oposição à renovação; - por denúncia. b) Por resolução do contrato de arrendamento - por não pagamento de renda por mais de 2 meses; - por oposição do Arrendatário à realização de obras coercivas. c) Por denúncia do contrato de arrendamento - em caso de necessidade do locado para habitação do Senhorio; - para demolição ou realização de obras profundas. - em caso de denúncia pelo Arrendatário decorrido um terço do prazo de duração inicial, quando o Senhorio impedir a renovação do contrato ou denúncia pelo Arrendatário em virtude de não aceitar a transição para o NRAU e a atualização da renda, sempre que este não desocupe o locado na data prevista. Este mecanismo especial de despejo só pode ser utilizado relativamente a contratos de arrendamento cujo imposto do selo tenha sido liquidado. pág. 6

7 Os procedimentos a seguir no Balcão Nacional de Arrendamento (BNA) são os seguintes: i. o Senhorio pode apresentar o pedido de despejo no BNA com base num daqueles fundamentos juntando os documentos comprovativos; ii. O BNA notifica o Arrendatário para desocupar o locado e sendo caso disso pagar a quantia pedida ou deduzir oposição ou requerer o diferimento da desocupação; iii. Se o Arrendatário não deduzir oposição, o BNA emite um título de desocupação, podendo a efetivação do mesmo ser promovida por agente de execução, notário, ou na falta destes ou sempre que a lei lhe atribua essa competência, o oficial de justiça, só havendo intervenção do Tribunal se for necessário autorizar a entrada no domicílio do Arrendatário quando este não desocupe o locado de livre vontade (caráter urgente); iii. Se o Arrendatário deduzir oposição, é aberto um processo especial e urgente, onde o Arrendatário paga a taxa de justiça devida e uma caução no valor das rendas e outros encargos em atraso, com um máximo correspondente a 6 rendas. iv. Deduzida a oposição e não julgando logo procedente alguma exceção dilatória ou nulidade que lhe cumpra conhecer, ou não decidindo logo do mérito da causa, o juiz ordena a notificação das partes da data de audiência de julgamento. No locado para habitação o Arrendatário poderá, dentro do prazo para a oposição, requerer o diferimento da desocupação, invocando razões sociais imperiosas, o que será decidido de acordo com o prudente arbítrio do tribunal. Terá de se verificar algum dos seguintes fundamentos: i. em caso de resolução por falta de pagamento de rendas, esta se deva a situação de carência económica do Arrendatário; ii. o Arrendatário seja portador de deficiência com grau de incapacidade comprovado superior a 60%. Após a emissão do título de desocupação poderá ainda haver a suspensão das diligências de desocupação, sempre que o detentor do imóvel, ao qual não tenha sido dada a oportunidade de intervir no procedimento especial de despejo, venha a exibir título: (i) de arrendamento ou de outro gozo legítimo com data anterior ao início do procedimento; (ii) de subarrendamento ou cessão de posição contratual e documento comprovativo de ter sido requerida a respetiva notificação do Senhorio, também em data anterior ao início do procedimento de despejo. Por fim, é ainda conferida ao Arrendatário a possibilidade de impugnar o título de desocupação do locado, com fundamento na violação das regras aplicáveis à forma de comunicação e notificação. VII - Reabilitação Urbana Nos arrendamentos habitacionais a denúncia do contrato para o Senhorio proceder à demolição ou à realização de obras profundas passa a operar-se por mera comunicação remetida ao Arrendatário com antecedência não inferior a 6 (seis) meses sobre a data pretendida para a desocupação. Deixa de ser exigido o recurso à ação judicial. pág. 7

8 Neste caso o Senhorio fica obrigado, mediante acordo e em alternativa: a) ao pagamento de uma indemnização correspondente a um ano de renda; b) a garantir o realojamento do Arrendatário em condições análogas às que este já detinha, quer quanto ao local, quer quanto ao valor da renda e encargos. Estipula-se o prazo de 30 (trinta) dias para que o Senhorio e o Arrendatário cheguem a acordo. Na falta de acordo, durante este prazo, o Senhorio terá que pagar a indemnização. Caso o Senhorio não inicie as obras, por motivo que lhe seja imputável, nos 6 (seis) meses seguintes à desocupação do locado constitui-se na obrigação de pagar uma indemnização ao Arrendatário correspondente a 10 (dez) anos de renda. Nos contratos de arrendamento habitacionais celebrados antes de a denúncia para demolição ou realização de obra de remodelação ou restauro profundos também opera por mera comunicação do Senhorio ao Arrendatário. Caso nestes contratos habitacionais anteriores a o Arrendatário tenha idade igual ou superior a 65 anos ou deficiência com grau de incapacidade superior a 60%, o Senhorio é obrigado, na falta de acordo, a realojar o Arrendatário no mesmo concelho e em condições análogas. A nova lei não prevê qualquer regime especial aplicável aos arrendamentos não habitacionais. VIII - Regime Fiscal Está prevista a possibilidade de ser criada uma taxa especial de tributação em sede de IRS que seja aplicável aos rendimentos prediais, visando a uniformização da tributação destes rendimentos com a tributação dos rendimentos de capitais. IX - Entrada em Vigor Estas alterações entrarão em vigor 90 dias após a publicação da nova lei. Prevê-se que a nova lei seja publicada em meados de setembro de 2012, pelo que, muito provavelmente só entrará em vigor no início de Os casos de negociação de renda em que seja necessária a avaliação do imóvel ficam dependentes do que está a ser realizado pela Administração Fiscal a nível de atualização do IMI e que se prevê só estar concluído no final de Estamos disponíveis para enviar informações mais detalhadas sobre qualquer destas alterações. Contato do responsável da Área de prática: Luís Filipe Carvalho Esta newsletter é de distribuição individual, sendo vedada a sua cópia ou circulação. A informação disponibilizada é de carácter geral e não dispensa o recurso a aconselhamento jurídico na apreciação das situações em concreto. Caso pretenda deixar de receber a nossa newsletter, agradecemos o envio de para o seguinte endereço: pág. 8 ABBC & Associados. Largo de São Carlos, nº 3, Lisboa - Portugal. Tl: Fax: mail:

meses ou por oposição pelo arrendatário à realização de obras coercivas.

meses ou por oposição pelo arrendatário à realização de obras coercivas. Lei n.º 31/2012, de 14 de Agosto, que procede à revisão do regime jurídico do arrendamento urbano, alterando o Código Civil, o Código de Processo Civil e a Lei n.º 6/2006, de 27 de fevereiro A reforma

Leia mais

Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano

Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano Luísa Lopes Mestre em Direito, Advogada Docente do Instituto Superior de Ciências Empresariais e Turismo (ISCET) Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano Delegação de Matosinhos

Leia mais

Nova Lei do Arrendamento Urbano

Nova Lei do Arrendamento Urbano Agosto de 2012 Nova Lei do Arrendamento Urbano O objectivo da presente reforma é criar um mercado de arrendamento, que, em conjunto com o impulso à reabilitação urbana, possa oferecer aos portugueses soluções

Leia mais

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações A revisão do regime do arrendamento urbano foi finalmente aprovada pela Lei nº 31/2012, de 14 de Agosto, a

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 38/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 38/XII. Exposição de Motivos Exposição de Motivos A presente proposta de lei inscreve-se num amplo e profundo conjunto de reformas centrado na aposta clara do XIX Governo Constitucional na dinamização do mercado de arrendamento, na

Leia mais

IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano

IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano 5 de Janeiro de 2012 IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano Em concretização de compromissos assumidos ao abrigo do Memorando de Entendimento celebrado entre Portugal e a Comissão Europeia, o Banco

Leia mais

TEMA: CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO (HABITAÇÃO) PROPOSTA DE LEI 38/XII. Maria Teresa Lopes Vicente

TEMA: CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO (HABITAÇÃO) PROPOSTA DE LEI 38/XII. Maria Teresa Lopes Vicente TEMA: CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO (HABITAÇÃO) PROPOSTA DE LEI 38/XII Maria Teresa Lopes Vicente Lisboa, 19 de Junho de 2012 INDICE 1. Introdução pag.3 2. Motivos para a necessidade da alteração do

Leia mais

Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda

Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda Jornal i, por Liliana Valente 30-12-2011 Os idosos com mais de 65 anos que tenham 2400 euros de rendimento mensal bruto corrigido

Leia mais

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO compilações legislativas VERBOJURIDICO NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO INCLUI LEGISLAÇÃO REVOGADA NÃO DISPENSA A CONSULTA DO DIÁRIO DA REPÚBLICA verbojuridico ABRIL 2006 VERBOJURIDICO NOVO REGIME DO

Leia mais

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil. 2012 16ª Edição. Atualização nº 1

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil. 2012 16ª Edição. Atualização nº 1 Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil 2012 16ª Edição Atualização nº 1 1 [1] Código do Trabalho CÓDIGO CIVIL Atualização nº 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados A Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, aprovou o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), dando resposta à necessidade, por todos sentida, de reformar profundamente

Leia mais

SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES. Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN

SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES. Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN 1. A REFORMA DO ARRENDAMENTO URBANO: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL E OBJETIVOS 2. ALTERAÇÕES NO REGIME

Leia mais

Nova Lei do Arrendamento Urbano

Nova Lei do Arrendamento Urbano 1 Nova Lei do Arrendamento Urbano A Nova lei do Arrendamento Urbano é um dos compromissos assumidos por Portugal com a Troika ao abrigo do Memorando de Entendimento Celebrado entre Portugal e a Comissão

Leia mais

I Alteração do grau de incapacidade mínimo relevante.

I Alteração do grau de incapacidade mínimo relevante. Lei n.º 79/2014, de 19 de Dezembro A Lei em apreço revê o regime jurídico do arrendamento urbano, alterando o Código Civil e procedendo à segunda alteração à Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro (Novo Regime

Leia mais

Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido. e atribuição do Subsídio de Renda

Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido. e atribuição do Subsídio de Renda Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido e atribuição do Subsídio de Renda A revisão do regime jurídico do arrendamento urbano, uma das medidas prioritárias do XVII Governo Constitucional, culminou

Leia mais

ARRENDAMENTO URBANO. Novo Regime do ANOTADO E COMENTADO MANTEIGAS MARTINS CARLOS NABAIS CARLA SANTOS FREIRE JOSÉ M. RAIMUNDO

ARRENDAMENTO URBANO. Novo Regime do ANOTADO E COMENTADO MANTEIGAS MARTINS CARLOS NABAIS CARLA SANTOS FREIRE JOSÉ M. RAIMUNDO MANTEIGAS MARTINS CARLOS NABAIS CARLA SANTOS FREIRE JOSÉ M. RAIMUNDO Novo Regime do ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO INCLUI: Código Civil Regime da Locação Regime do Arrendamento Urbano Alteração

Leia mais

ENTREGA DE IMÓVEL ARRENDADO: ALTERNATIVAS

ENTREGA DE IMÓVEL ARRENDADO: ALTERNATIVAS ENTREGA DE IMÓVEL ARRENDADO: ALTERNATIVAS SEMANA DA SOLICITADORIA IPCA 6 MAIO 2015 Por Márcia Passos Advogada e Mestre em Direito Márcia Passos - Advogada e Mestre em Direito Contrato de arrendamento RELAÇÃO

Leia mais

Imobiliário. ALTERAÇÕES AO REGIME JURíDICO DO ARRENDAMENTO URBANO AGOSTO 2012 01

Imobiliário. ALTERAÇÕES AO REGIME JURíDICO DO ARRENDAMENTO URBANO AGOSTO 2012 01 Briefing AGOSTO 2012 01 ALTERAÇÕES AO REGIME JURíDICO DO ARRENDAMENTO URBANO Decorridos seis anos, sobre o Novo Regime do Arrendamento Urbano ( NRAU ), aprovado pela Lei 6/2006 de 27 de Fevereiro (que

Leia mais

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objeto O presente Procedimento

Leia mais

Procedimento Especial de Despejo / BNA. II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015

Procedimento Especial de Despejo / BNA. II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015 Procedimento Especial de Despejo / BNA II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015 II Congresso Novo Regime Arrendamento Urbano Local: Hotel Altis Park - Lisboa Data: 30 de Outubro de 2015 Procedimento Especial

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento Preâmbulo A Lei n.º 31/2012, de 27 de fevereiro aprovou medidas destinadas a dinamizar o mercado de arrendamento urbano, alterando

Leia mais

Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc

Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc Ficha Informativa 3 Março 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS Quais são os serviços

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 565/XII/2.ª

Projeto de Resolução n.º 565/XII/2.ª Projeto de Resolução n.º 565/XII/2.ª Recomenda ao Governo que aprove, para o período de vigência do Programa de Assistência Financeira a Portugal, uma moratória para as ações de despejo que tiverem fundamento

Leia mais

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1 Fiscalidade e o Proprietário 1 Sumário: 1. Recibo Eletrónico 2. Contratos de Arrendamento Comunicação AT 3. IMI 4. IRS Rendimentos Prediais 2014/2015 2 Recibos 3 1- Recibos Eletrónicos 4 Recibo eletrónico

Leia mais

eabilitação As novidades em matéria de Reabilitação Urbana e Arrendamento maio 2012 1

eabilitação As novidades em matéria de Reabilitação Urbana e Arrendamento maio 2012 1 eabilitação As novidades em matéria de Reabilitação Urbana e Arrendamento maio 2012 1 1. Enquadramento Quase uma centena de anos de congelamento de rendas gerou custos: centros das cidades estão degradados,

Leia mais

RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 ÍNDICES

RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 ÍNDICES RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 11 ÍNDICE GERAL Prefácio..................................................... 5 Nota do Autor................................................

Leia mais

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário 29.novembro.2012 Reforma do Regime Jurídico do Arrendamento Urbano Novo Enquadramento Legal Publicado a 14 de agosto de 2012 Lei n.º 30/2012 - Regime das

Leia mais

Anexo 4. (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino)

Anexo 4. (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino) Anexo 4 (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino) CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO PARA FIM HABITACIONAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE RENDA CONVENCIONADA (Prazo Certo Artigo 1095.º do Código

Leia mais

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António PREÂMBULO As taxas das autarquias locais, nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 53 -E/2006, de 29 de dezembro, são tributos que assentam na prestação concreta de um serviço público local, na utilização privada

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Renda de Casa (4008 v4.12) PROPRIEDADE

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Procede à revisão do regime jurídico do arrendamento urbano, alterando o Código Civil, o Código de Processo Civil e a Lei n.º 6/2006, de 27 de fevereiro A Assembleia da República decreta, nos termos da

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social

Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social Legislação Decreto-Lei n.º 411/91, de 17 de Outubro Publicado no D.R. n.º 239, série I-A, de 17 de Outubro de 1991 SUMÁRIO : Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social

Leia mais

CIRCULAR N/REFª: 01/15 DATA: 05/01/2015. Assunto: NRAU. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/REFª: 01/15 DATA: 05/01/2015. Assunto: NRAU. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/REFª: 01/15 DATA: 05/01/2015 Assunto: NRAU Exmos. Senhores, Junto se envia para conhecimento, informação relativa ao Novo Regime do Arrendamento Urbano, conforme resultante da alteração pela

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Regulamento das Taxas e Preços Municipais Nota justificativa A disciplina legal atinente à matéria das taxas a cobrar pelas autarquias locais encontra-se plasmada na Lei que estabelece

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Art.º 1º. Art.º 2º. Art.º 3º 1/5

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Art.º 1º. Art.º 2º. Art.º 3º 1/5 REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Art.º 1º (Disposições Gerais) 1 A Câmara Municipal de Paredes atribuirá em cada ano letivo as seguintes bolsas de estudo: - 12 bolsas a alunos do 10º ano

Leia mais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V Ações preferenciais sem direito de voto Artigo 341º Emissão e direitos dos acionistas 1 O contrato

Leia mais

sadsfffffffffffffffffff REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo ao Arrendamento no Centro Histórico de Ponte de Lima

sadsfffffffffffffffffff REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo ao Arrendamento no Centro Histórico de Ponte de Lima regulamento Deliberado pela Câmara Municipal em 26 de novembro de 2012 Aprovado pela Assembleia Municipal na sua sessão Ordinária de 27 de dezembro de 2012 REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 19 de novembro de 2012. Série. Número 151

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 19 de novembro de 2012. Série. Número 151 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 19 de novembro de 2012 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E FINANÇAS E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 141-A/2012 Regulamenta

Leia mais

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

Guião Prático do Fundo Especial da ex-caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto

Guião Prático do Fundo Especial da ex-caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto Guião Prático do Fundo Especial da ex-caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto GUIA PRÁTICO FUNDO ESPECIAL DA EX CAIXA DE PREVIDÊNCIA DO PESSOAL DOS TELEFONES DE LISBOA E PORTO INSTITUTO

Leia mais

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA Município de Idanha-a-Nova Contribuinte 501 121 030 PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, pretende implementar medidas de apoio social

Leia mais

Os rendimentos prediais em sede de IRS e. os recibos de renda eletrónicos

Os rendimentos prediais em sede de IRS e. os recibos de renda eletrónicos Os rendimentos prediais em sede de IRS e os recibos de renda eletrónicos A reforma do IRS, aprovada pela Lei n.º 82-E/2014, de 31 de dezembro, instituiu no artigo 115.º do Código do IRS a obrigatoriedade

Leia mais

ESTATUTOS DA EMPRESA LOCAL BRAGAHABIT EMPRESA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE BRAGA, E.M. ÍNDICE SISTEMÁTICO

ESTATUTOS DA EMPRESA LOCAL BRAGAHABIT EMPRESA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE BRAGA, E.M. ÍNDICE SISTEMÁTICO ESTATUTOS DA EMPRESA LOCAL BRAGAHABIT EMPRESA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE BRAGA, E.M. ÍNDICE SISTEMÁTICO Págs. PERSONALIDADE JURÍDICA E ELEMENTOS CONSTITUTIVOS...3 Artigo 1 º - Denominação...3 Artigo 2 º

Leia mais

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada FREGUESIA DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS JUNTA DE FREGUESIA Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada A intervenção social visa prestar apoio aos agregados familiares

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

Pagamento do prémio: O prémio é único, sendo devido antecipadamente pelo tomador do seguro.

Pagamento do prémio: O prémio é único, sendo devido antecipadamente pelo tomador do seguro. INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA - PPR POSTAL PPR PLUS (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) SEGURADOR MAPFRE SEGUROS DE VIDA S.A. Sede Social: Rua Castilho, 52, 1250-071 Lisboa N.I.P.C.

Leia mais

Guião Prático do Fundo Especial da ex-caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto

Guião Prático do Fundo Especial da ex-caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto Guião Prático do Fundo Especial da ex-caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto GUIA PRÁTICO FUNDO ESPECIAL DA EX CAIXA DE PREVIDÊNCIA DO PESSOAL DOS TELEFONES DE LISBOA E PORTO INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota Justificativa Os Municípios enquanto Autarquias Locais têm por objetivo

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 245/2014, Série I, de 19/12, Páginas 6146 6166

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 245/2014, Série I, de 19/12, Páginas 6146 6166 Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Lei n.º 79/2014, de 19 de dezembro Estado: vigente Legislação Resumo: Revê

Leia mais

Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) (Lei nº 6/2006 de 27.02)

Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) (Lei nº 6/2006 de 27.02) Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) (Lei nº 6/2006 de 27.02) ÍNDICE Título I Novo Regime do Arrendamento Urbano Artigo 1.º Objecto Capítulo I Alterações legislativas Artigo 2.º Alteração ao Código

Leia mais

A transmissão da posição contratual do arrendatário no contrato de arrendamento urbano para habitação

A transmissão da posição contratual do arrendatário no contrato de arrendamento urbano para habitação A transmissão da posição contratual do arrendatário no contrato de arrendamento urbano para habitação Maria Raquel Guimarães, Faculdade de Direito da Universidade do Porto/CIJE, Abril 2016 (raquel@direito.up.pt)

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Prazo Mobilização Antecipada Poupança Habitação Geral Clientes Particulares com mais de 30 anos. Depósito constituído em regime especial. 12 meses Após o decurso

Leia mais

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PREÂMBULO Os vários serviços com intervenção na área social do universo da Câmara Municipal do Porto (de ora em diante

Leia mais

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado)

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado) 21102015 INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado) (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) SEGURADOR

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Na reunião de Conselho de Ministros de , o Governo aprovou as alterações ao regime do Arrendamento

Na reunião de Conselho de Ministros de , o Governo aprovou as alterações ao regime do Arrendamento Área de Prática - Imobiliário Janeiro 2012 Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano Na reunião de Conselho de Ministros de 29.12.2011, o Governo aprovou as alterações ao regime do Arrendamento Urbano.

Leia mais

Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012

Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012 SEGURANÇA SOCIAL Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012 Esta informação destina-se a que cidadãos Pessoas e entidades sem fins lucrativos que não tenham condições para pagar as despesas associadas

Leia mais

Projeto de Lei n.º 155/XIII. Regime de classificação e proteção de lojas e entidades com interesse histórico e cultural

Projeto de Lei n.º 155/XIII. Regime de classificação e proteção de lojas e entidades com interesse histórico e cultural Projeto de Lei n.º 155/XIII Regime de classificação e proteção de lojas e entidades com interesse histórico e cultural O comércio local e tradicional desempenha um papel fundamental e estruturante na vida

Leia mais

PETIÇÃO À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

PETIÇÃO À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Texto da Petição PETIÇÃO À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, CCP João Vieira Lopes Presidente da Direcção cc 00016576 validade 02-03-2017 Av. Vasco da Gama nº 29

Leia mais

Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística. Caderno de Encargos

Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística. Caderno de Encargos Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística Caderno de Encargos Caderno de Encargos Cláusula 1.ª Objeto 1. O presente caderno de encargos compreende as cláusulas

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA PARA ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS DO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares

Leia mais

Conciliação para empresas em dificuldades

Conciliação para empresas em dificuldades Conciliação para empresas em dificuldades Em vez de recorrer aos tribunais, uma empresa com dificuldades em cumprir as suas obrigações pode recorrer ao procedimento extrajudicial de conciliação, através

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS Nota Justificativa Considerando a necessidade de alterar o Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças em vigor na freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra,

Leia mais

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS INDÍCE Preâmbulo 1 Artigo 1º Âmbito Artigo º Objecto Artigo º Tipos de apoios Artigo 4º Valor e modalidade de apoios económico

Leia mais

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL NOTA INFORMATIVA REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Fruto da forte pressão social que se foi fazendo junto do Governo e de várias

Leia mais

NRAU Novo Regime do Arrendamento Urbano

NRAU Novo Regime do Arrendamento Urbano NRAU Novo Regime do Arrendamento Urbano Aprovado pela Lei n o 6/2006, de 27 de fevereiro. O presente diploma entrou em vigor 120 dias após a sua publicação, com exceção do consagrado nos artigos 63 o e

Leia mais

PACOTE ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS ARRENDAMENTO E REABILITAÇÃO URBANA

PACOTE ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS ARRENDAMENTO E REABILITAÇÃO URBANA IMOBILIÁRIO N.º 03 / 2012 AGOSTO DE 2012 PACOTE ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS Contactos Madalena Azeredo Perdigão map@cca-advogados.com PACOTE ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS No passado dia 14 de Agosto de 2012, foi

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 21 de janeiro de 2014. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 21 de janeiro de 2014. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 21 de janeiro de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS Despacho n.º 8/2014 Aprova as tabelas de retenção na fonte em sede de

Leia mais

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS Diogo L. Machado de Melo Nathália Annette Vaz de Lima NORMA ANTERIOR (LEI 8245/91) ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI 12.112/09 (COM JUSTIFICATIVAS DE VETOS) (EM VIGOR

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 A Instrução nº 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão nº 2001/193/CE,

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto. Regulamento do

JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto. Regulamento do JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto Regulamento do Projeto de Emergência Social - P.E.S.- Aprovado na reunião do Órgão Executivo de 11 de Dezembro de 2014. Proposta a apresentar à Exmª. Assembleia

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO 7 JANEIRO - PORTO

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO 7 JANEIRO - PORTO NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO 7 JANEIRO - PORTO A T&T desenvolve, comercializa e presta suporte a software de diversas áreas: gestão comercial, gestão de condomínios, contratos de arrendamentos,

Leia mais

INSTRUÇÕES DE APLICAÇÃO

INSTRUÇÕES DE APLICAÇÃO Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações Laboratório Nacional de Engenharia Civil Lisboa, Outubro de 2007 Método de avaliação do estado de conservação de imóveis INSTRUÇÕES DE APLICAÇÃO

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

REGIME DO ARRENDAMENTO 2012 ALTERAÇÕES. Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho

REGIME DO ARRENDAMENTO 2012 ALTERAÇÕES. Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho ALTERAÇÕES REGIME DO ARRENDAMENTO 2012 ESCRITORIOS: - Rua São João de Deus, nº 72 - Edifício D. Sancho I, 1º Andar - Sala C - Apartado 524 4764-901

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA O que é o Fundo de Emergência Social de Lisboa (FES)? É um programa municipal criado em 2012 e que se

Leia mais

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO Praça Luis de Camões.2580-318 ALENQUER. Telel. 263730900. Fax 263711 504. e-mau: peral@cm-alenauer.ot i1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA NO MUNICÍPIO DE ALENQUER Proposta da Câmara

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO Preâmbulo Com o presente Regulamento pretende-se criar condições para o acesso

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS MUNICIPAIS. MUNICÍPIO DE VALPAÇOS Câmara Municipal ANEXO I TABELA DE TAXAS

REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS MUNICIPAIS. MUNICÍPIO DE VALPAÇOS Câmara Municipal ANEXO I TABELA DE TAXAS REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS MUNICIPAIS ANEXO I TABELA DE TAXAS ANEXO II - FUNDAMENTAÇÃO ECONÓMICO-FINANCEIRA RELATIVA AO VALOR DAS TAXAS (Em conformidade com a alínea c) do n.º 2 do artigo

Leia mais

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 Esta informação destina-se a Trabalhadores independentes O que é e quais as condições para ter direito O que é É uma prestação

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

HOSPITAL DIVINO ESPÍRITO SANTO DE PONTA DELGADA, E.P.E. Convenção n.º 15/2015 de 29 de Abril de 2015

HOSPITAL DIVINO ESPÍRITO SANTO DE PONTA DELGADA, E.P.E. Convenção n.º 15/2015 de 29 de Abril de 2015 HOSPITAL DIVINO ESPÍRITO SANTO DE PONTA DELGADA, E.P.E. Convenção n.º 15/2015 de 29 de Abril de 2015 CONVENÇÃO PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE NA ÁREA DA PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA Cláusula

Leia mais

Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento

Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento básico. Nota justificativa O Regulamento de Liquidação e

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Associação de Solidariedade Inter - Lions ESTATUTOS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação,

Leia mais

INSTITUTO DE AÇÃO SOCIAL DAS FORÇAS ARMADAS, IP

INSTITUTO DE AÇÃO SOCIAL DAS FORÇAS ARMADAS, IP INSTITUTO DE AÇÃO SOCIAL DAS FORÇAS ARMADAS, IP SERVIÇO DE APOIO SOCIAL DIVISÃO DE TEMPOS LIVRES E HABITAÇÃO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS APARTAMENTOS AUTÓNOMOS PARA IDOSOS DO CENTRO DE APOIO SOCIAL DE

Leia mais

Estatutos da Fundação CEBI

Estatutos da Fundação CEBI Estatutos da Fundação CEBI Estatutos da CEBI - Fundação para o Desenvolvimento Comunitário de Alverca Capítulo I (Disposições Gerais) Art.º 1º - A CEBI - Fundação Para o Desenvolvimento Comunitário de

Leia mais

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 265/XII Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n.ºs 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de maio A Assembleia

Leia mais