ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS"

Transcrição

1 ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS

2 2 INDICE 1. ESTRUTURAS METÁLICAS Estruturas Metálicas Diversas Qualidade do Material a Ser Empregado Critérios Gerais para Aceitação do Material Peças Elaboradas a Partir de Desenhos Executivos Fabricação e Montagem de Estruturas Metálicas Perfis Estruturais Ligações Acabamento das Estruturas Procedimentos para Transporte e Armazenamento das Estruturas Metálicas Montagem de Estruturas Metálicas... 9

3 3 1. ESTRUTURAS METÁLICAS GENERALIDADES O presente capítulo compreende as especificações gerais a serem atendidas quando da execução das estruturas metálicas para a Quadra Coberta da E.M.E.F. Pernambuco, localizada na Rua Concórdia, 1740, Niterói, em Canoas, no Estado do Rio Grande do Sul. Os serviços deverão ser realizados com os equipamentos e ferramentas adequados a sua plena efetivação, mesmo que estes não estejam discriminados, mas que sejam imprescindíveis para a execução da obra. O executante deverá estudar o projeto detalhado e todos os documentos que o complementam, para o seu perfeito entendimento e fiel execução, comunicando à PREFEITURA a existência de omissão, imperfeição ou dúvida de interpretação para que sejam sanadas em tempo hábil, sob pena de assumir a responsabilidade por demolições, reparações e reconstruções, sem direito a qualquer compensação; Para a elaboração deste projeto foram utilizados os dados básicos fornecidos pelos projetos arquitetônicos, sendo o mesmo consubstanciado nas recomendações de projeto da Prefeitura Municipal de Canoas, bem como nas prescrições das entidades nacionais ou estrangeiras, onde aplicáveis. Em especial, deverão ser respeitadas as características fixadas nas seguintes Normas Técnicas da ABNT: NBR NBR NBR NBR NBR Chapas Grossas de Aço-Carbono para Uso Estrutural; Chapas Finas a Frio de Aço-Carbono para Uso Estrutural; Chapas Finas a Quente de Aço-Carbono para Uso Estrutural; Perfil de Estruturas Soldadas de Aço; Forças Devidas ao Vento em Edificações 1.1. Estruturas Metálicas Diversas Entender-se-a por Obras Metálicas Diversas os elementos executados, genericamente, em aço, atendendo as prescrições contidas nas presentes Especificações Técnicas. Assim sendo, as obras metálicas diversas compreenderão o desenvolvimento de todos os serviços, incluindo detalhamento, fabricação e montagem, sempre que tais procedimentos se fizerem necessários para a execução das obras a seguir discriminadas, sem limitação de outros aqui não citados.

4 4 a b c d e Qualidade do Material a Ser Empregado O material a ser utilizado na execução das obras metálicas diversas deverá atender em tudo as características que se encontram descritas ao longo destas Especificações Técnicas. Qualquer referência a uma marca comercial deverá ser interpretada como parâmetro de qualidade a ser atingido, pois outras marcas poderão ser utilizadas, bastando para tal possuírem qualidade comprovadamente superiores as da indicada e serem Aprovadas pela PREFEITURA Critérios Gerais para Aceitação do Material Sempre que a PREFEITURA julgar necessário, os materiais serão objeto de ensaios mecânicos, químicos, radioscópicos e outros, executados em conformidade com o material e o tipo de estrutura em questão. Poderão também ser exigidos certificados emitidos pelo Fabricante, atestando a qualidade dos materiais, de acordo com as presentes Especificações Técnicas, nos termos das Normas aplicáveis e cada caso, citadas a seguir: Aço para as estruturas: ASTM-A.36 ou SAE-1010; Parafusos de alta resistência: ASTM-A.325 e AST-A.490; Parafusos comuns: ASTM-A.307; Eletrodos para solda: Eletrodo E70XX das Especificações AWS-A5.1 ou A5.5; Chumbadores: SAE-1020; De uma forma geral, os parafusos deverão ser providos de arruelas de pressão, pois não serão aceitos parafusos e porcas com rosca Whitworth Peças Elaboradas a Partir de Desenhos Executivos Serão elaboradas, diretamente a partir dos dados e orientações constantes dos Desenhos Executivos, as peças que seguem descritas, sem exclusão de outras que forem solicitadas. Estruturas Diversas Como estruturas diversas serão identificadas as estruturas das tesouras, bem como toda e qualquer estrutura indicada nos Projetos executivos, ou solicitada pela PREFEITURA, executada em aço estrutural, com elementos simples de acabamento zincado ou não, tais como perfis tipo I, U, H e T, ferro chato, cantoneira, chapas e outros de linhas normais de fabricação, nos mais variados tipos e seções Fabricação e Montagem de Estruturas Metálicas

5 5 A fabricação e montagem de estruturas metálicas deverão ser executadas por pessoal especializado, respeitando as normas pertinentes, em especial as relacionadas abaixo: - Projeto e Execução de Estruturas de Aço de Edifícios NBR Cálculo e Execução de Estrutura de Aço Soldadas - ABNT-P- NB-117 As peças serão fabricadas na Oficina, ou trazidas diretamente da Fábrica, cuidadosamente acabadas e identificadas para posterior colocação na área de montagem. Todas as peças serão fabricadas para se ajustarem perfeitamente a seus apoios ou calços, sem amarrações, dentro dos limites de tolerância mostrados nos Projetos executivos, ou ao longo das presentes especificações Perfis Estruturais As estruturas metálicas poderão ser executadas mediante a utilização de perfis estruturais soldados e perfis estruturais laminados. Os perfis estruturais soldados deverão ser fabricados segundo as dimensões definidas nos Desenhos de Fabricação e montagem, com tolerâncias dimensionais em conformidade com os regulamentos da Norma A.36, particularmente quanto às variações admissíveis na seção transversal. O corte das chapas deverá ser executado de forma a determinar que a direção da laminação final das mesmas fique em linha com o eixo final do perfil a ser fabricado, sem emendas até o comprimento máximo compatível com o transporte. Com relação às emendas, a CONTRATADA deverá levar em conta que nenhuma seção deverá ter mais do que uma emenda no sentido do comprimento, e que nenhuma emenda deverá localizar-se a menos de 3 (três) metros do fim da peça Ligações As ligações das estruturas deverão ser executadas com parafusos ou solda. Não serão admitidas ligações com rebites ou pinos. A execução das ligações deverá atender o que consta especificado a seguir, tanto para as ligações soldadas como para as ligações parafusadas. Ligações Soldadas Nas ligações executadas com solda, a CONTRATADA deverá empregar soldadores qualificados e seguir rigorosamente as

6 6 Especificações constantes na MB da ABNT e os detalhes de solda indicados nos Desenhos de Montagem. As ligações soldadas na Oficina deverão ser feitas, de preferência, com solda de ângulo. Quando forem exigidas soldas de topo, estas deverão ser de penetração total. A solda de campo, quando prevista nos Desenhos de Montagem, deverá obedecer às Normas Gerais da ABNT, e ser procedida de modo a não causar empenos adicionais. Serão empregadas soldas por meio de energia elétrica, com eletrodos de qualidade, por soldadores efetivamente qualificados. A relação entre o diâmetro do eletrodo e a espessura do material a soldar, deverá atender ao seguinte: Filete mínimo Espessura do material 1/8 até 1/4 até ¼ 3/16 1/4 a 1/2 1/4 a 1/2 1/4 1/2 a 3/4 1/2 a 3/4 5/16 3/4 a 1 1/2 3/4 a 1 1/2 3/8 1 1/2 a 2 1/4 1 1/2 a 2 1/4 1/2 2 1/4 a 2 5/8 Acima de Acabamento das Estruturas Todas as estruturas metálicas, serão entregues com pintura de fundo. Todas as peças, fabricadas na Oficina ou compradas diretamente da Fábrica, deverão ser entregues na Obra com uma camada de primer, aplicada sobre a peça após esta ter sido adequadamente limpa. As partes que merecerem reparos deverão ser adequadamente recompostas, seguindo orientações da PREFEITURA. De uma forma geral, não serão recebidas nem poderão ser montadas peças nas quais o tratamento de limpeza e aplicação do primer especificado não tiverem sido adequadamente executados.

7 7 Todas as estruturas metálicas deverão ser inspecionadas pela FISCALIZAÇÃO da PREFEITURA, na Fábrica, antes da aplicação do primer. A CONTRATADA deverá ser comunicada com antecedência de forma a programar o envio de Fiscal de sua sua equipe técnica para vistoriar e liberar as estruturas para aplicação do primer e embarque. Na Obra as estruturas metálicas serão novamente inspecionadas pela FISCALIZAÇÃO da Obra, que fará sua Aceitação definitiva, liberando as mesmas para montagem. Limpeza da Superfície A limpeza das superfícies consistirá na eliminação de salpicos de solda, rebarbas e demais operações, necessárias à obtenção de superfícies limpas, livres de ferrugem, graxa, sujeira, pó e outras substâncias prejudiciais à aderência das camadas de tinta. Cuidados especiais deverão ser adotados na limpeza dos cordões de solda, locais por naturaza de acentuada porosidade. Todos os resíduos de escória, fundentes, etc., deverão ser adequadamente removidos, por meio de uma limpeza cuidadosa. A pele oxidada formada durante o resfriamento da solda deverá ser removida por esmirilhamento, uma vez que, se a limpeza for negligenciada nestes locais, ocorrerá corrosão, independente do sistema de pintura adotado. As superfícies deverão permanecer secas e o quanto possível protegidas da incidência direta do sol. Em todas as superfícies deverá ser aplicado um jateamento abrasivo, Padrão SA 2 ½ segundo a Norma Sueca SIS Aplicação do Primer As estruturas metálicas deverão ser fornecidas com a superfície preparada e a tinta de fundo (primer) já aplicada, exceção feita às partes mencionadas nos parágrafos seguintes. No campo, após montagem, a pintura de fundo deverá ser retocada pela CONTRATADA. Quando da aplicação do primer nas estruturas metálicas as seguintes partes não deverão ser pintadas: Superfícies que após a montagem ficarem em contato com concreto e/ou argamassa de enchimento e nivelamento; Superfícies a serem soldadas durante a montagem, num espaço mínimo de 10 (dez) centímetros, contados em cada lado da junta; Superfícies de peças a serem ligadas por parafusos de alta resistência em conexões do tipo atrito, até uma distância de aproximadamente 15 (quinze) centímetros da última linha de parafusos da conexão.

8 8 Nas estruturas metálicas, as peças formadas de cantoneiras paralelas deverão receber a pintura de acabamento na Fábrica, antes da soldagem. Da mesma forma todas as partes que se tornarem inacessíveis após a montagem deverão ser pintadas antecipadamente. A tinta de fundo (primer) usada nas estruturas metálicas deverá ser Epóxi, na cor cinza, ou seja, zarcão óxido de ferro conforme o estabelecido pelas Normas da Petrobrás Nº 1349, aplicado em duas demãos, com espessura mínima de película igual a 50 (cinquenta) microns. Execução dos Reparos Os materiais que chegarem à Obra com pintura de fundo danificada deverão ter os pontos afetados limpos com escova manual ou elétrica, até a remoção total da ferrugem, materiais estranhos ou tinta solta, sem prejuízo da tinta em boas condições. O mesmo procedimento deverá ser seguido no preparo da superfície das juntas soldadas durante a montagem das estruturas metálicas. Os procedimentos e tipos de tintas aplicados em retoques serão os mesmos especificados para superfícies novas Procedimentos para Transporte e Armazenamento das Estruturas Metálicas Marcação das Peças Todas as peças da estrutura deverão ser numeradas e marcadas com o mesmo código de identificação estabelecido nos Desenhos de Fabricação e Montagem. A marcação deverá ser feita de forma legível, com tinta resistente ou através de puncionamento. A CONTRATADA deverá estabelecer um sistema de marcação para permitir a correta e fácil orientação dos perfis na montagem. Mesmo as peças de pequeno porte deverão ser devidamente etiquetadas e referidas às peças principais. Lista de Embarque das Peças Todas as peças procedentes da Fábrica, ao chegarem na Obra deverão estar acompanhadas de Lista de Embarque de Peças, onde deverá constar: Designação; Marca de montagem; Quantidade de peças iguais; Peso em quilograma (kg); Número do desenho de fabricação;.

9 9 Os parafusos serão fornecidos nas quantidades estabelecidas, com um execedente de 5% (cinco por cento) para cobrir as perdas. Além disto, deverão estar embalados em caixas devidamente identificadas com tipo, diâmetro e comprimento do parafuso. Transporte e Movimentação das Estruturas Metálicas na Obra Todos os componentes das estruturas deverão ser acomodados de forma criteriosa e cuidadosa, de modo a não provocar quaiquer alterações em suas características iniciais, durante o transporte. Especial atenção deverá ser dada à disposição destes materiais em função das características dos meios utilizados para apoio e fixação, ao serem transportados, visando a conservação da integridade dos mesmos. Armazenamento Os materiais deverão ser armazenados de forma a facilitar a remoção futura e oferecer melhor resistência a condições de imtemperismo. Todos os materiais deverão ficar permanentemente identificados, sendo imprescindível a manutenção atualizada dos controles de entrada e saída, para que em qualquer momento as dúvidas quanto à origem e aplicação dos mesmos possam ser desfeitas Montagem de Estruturas Metálicas A montagem deverá ser feita em estrita observância aos Desenhos de Montagem, Aprovados. Dúvidas e/ou impasses, surgidos durante a execução dos serviços de montagem, deverão ser esclarecidos com a FISCALIZAÇÃO. Independente disto, ao planejar a montagem das estruturas metálicas, a CONTRATADA deverá prever os diversos obstáculos e obstruções que encontrará no campo, devido a serviços executados por Terceiros. A FISCALIZAÇÃO poderá rejeitar métodos de montagem, processos de soldagem, equipamentos inadequados e outros elementos que julgar não compatíveis com as Especificações Técnicas e as Normas nelas referidas. Todas as estruturas deverão ser dotadas de escoramento apto a mantê-las firmes e alinhadas durante a montagem. As peças não deverão ser solicitadas por esforços superiores aos considerados no Projeto, durante o transporte e/ou montagem. Deverão ser sempre evitados golpes que possam prejudicar ou distorcer as peças.

10 10 As estruturas executadas pela CONTRATADA serão mantidas constantemente limpas, até a Aceitação Final das Obras, pela FISCALIZAÇÃO da PREFEITURA. Programação da Montagem Antes de iniciar os trabalhos de montagem a CONTRATADA deverá verificar, no local, as dimensões e as condições suscetíveis de afetar os trabalhos. A CONTRATADA deverá também tomar todas as precauções com vistas a proteger estruturas existentes e outras partes da Obra que ficarem sujeitas a danos, durante os serviços de montagem. Atenção especial deverá ser dedicada às estruturas em concreto aparente e equipamentos eletro-mecânicos. Verificação das Peças Caberá à CONTRATADA verificar as peças da estrutura para a constatação de eventuais defeitos causados por acondicionamento e/ou transporte inadequados. Quaisquer discrepâncias que modificarem ou impedirem a montagem deverão ser comunicadas à FISCALIZAÇÃO, para esta se pronunciar a respeito. Serviços Adicionais A CONTRATADA deverá efetuar os serviços necessários para garantir a suspensão adequada dos elementos, para fins de montagem ou transporte, bem como fornecer os elementos para preservar a estrutura contra danos. A CONTRATADA deverá fornecer e instalar todos e quaisquer contraventamentos, escoramentos, etc., necessários para garantir o esquadro e a estabilidade das estruturas, durante a montagem. Estes elementos provisórios deverão ser removidos pela CONTRATADA quando não forem mais necessários, e não serão indicados nas Listas de Material. A CONTRATADA será responsável pela execuçaõ correta da montagem e preservação dos elementos da estrutura em seu devido estado, sem deformações, mesmo quando o Projeto for omisso com relação à previsão de elementos especiais tais como olhais de suspensão, etc.. A estrutura ao ser montada deverá ficar livre de tensões adicionais proveniente da falta de precisão, tanto por efeito da montagem como de fabricação. Controle da Precisão de Montagem Os elementos da estrutura com seus eixos a prumo ou na horizontal deverão ter suas posições verificadas por instrumentos de confiança e, quando necessário, nivelados por calços e distanciadores, de forma a evitar a ocorrência de tensões adicionais.

11 11 Antes de serem iniciados os serviços, a CONTRATADA deverá fazer uma completa e cuidadosa verificação do posicionamento e nivelamento dos chumbadores e dos insertes, aos quais as estruturas metálicas vierem a ser conectadas com todo o rigor, e com utilização dos instrumentos de medição que forem apropriados. Os desvios de verticalidade (prumo) e nivelamento não poderão exceder a 1:5000 (um para cinco mil). Equipamentos A CONTRATADA será responsável pelo emprego, segurança e capacidade dos equipamentos de montagem, e também por sua conservação. As operações de montagem, sempre que possível, serão executadas com equipamentos móveis, e o emprego de mastros ancorados requerão a Aprovação prévia da PREFEITURA. Os andaimes deverão ser protegidos contra acidentes e a PREFEITURA poderá, em qualquer tempo, requerer a adoção de dispositivos de segurança adicionais. Porto Alegre/RS, 04 de fevereiro de Eng. Gilmar Brum Carabajal CREA/RS

12

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO FORNECIMENTO E EXECUÇÃO

Leia mais

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ESPECIFICAÇÕES DE MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA E ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL,

Leia mais

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Documento: Cliente: ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Pag: 1 of 9 Título: Estrutura Metálica para o Galpão e para os Pórticos TECHNIP ENGENHARIA S/A

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Anexo I-A: Projeto Arquitetônico

MEMORIAL DESCRITIVO. Anexo I-A: Projeto Arquitetônico Fornecimento e Instalação de Brises na Fachada Oeste do Edifício Sede do MPDFT Sumário MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Projeto Arquitetônico 1.Descrição dos Serviços...2 2.Serviços Preliminares...2 2.1.Tapumes

Leia mais

MÓDULO DE ACESSIBILIDADE

MÓDULO DE ACESSIBILIDADE MÓDULO DE ACESSIBILIDADE ESPECIFICAÇÃO: GPRO/DEINF 082104 EMISSÃO: NOVEMBRO/2008 DESENHO: DT 494/6 CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO 1.1. FINALIDADE: A presente especificação estabelece dados para fornecimento à

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA LOCAL: PONTE DOS CÓRREGOS. OBJETIVO: O Objetivo principal deste Memorial é demonstrar e descrever todas e quaisquer informações

Leia mais

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE MEMORIAL DESCRITIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS - CIE - R40-45 - R01 ESTRUTURA METÁLICA

Leia mais

ANEXO I C - 2. MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS - Estrutura Metálica

ANEXO I C - 2. MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS - Estrutura Metálica 1/ 10 Porto Alegre, 13 de Outubro de 2010. ANEXO I C - 2 MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS - Estrutura Metálica 2/ 10 3/ 10 Porto Alegre, 13 de Outubro de 2010. DIRETRIZES TÉCNICAS DE ESTRUTURA

Leia mais

DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS

DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130

Leia mais

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO SESC PANTANAL HOTEL SESC PORTO CERCADO POSTO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SÃO LUIZ BARÃO DE MELGAÇO/MT ESTRUTURAS METÁLICAS PARA COBERTURA DE BARRACÃO DEPÓSITO MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO VI 1. FINALIDADE DESTA

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

Guia de instalação AC 2014 AC 2017

Guia de instalação AC 2014 AC 2017 Guia de instalação AC 2014 AC 2017 Antena Yagi Dual Band AC 2014 AC 2017 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este guia foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A AR COMPRIMIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008 MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008 1 DO OBJETO Visa à contratação de empresa especializada nos serviços de fornecimento, entrega e instalação

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 ESCORAMENTO PÁGINA 1/16 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 05 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 3 0502

Leia mais

Manual de Instruções e Catálogo de Peças

Manual de Instruções e Catálogo de Peças 1 Manual de Instruções e Catálogo de Peças Mk-GT 800 2 ÍNDICE Apresentação... 03 Normas de Segurança... 04 Componentes... 07 Engate / Montagem... 08 Preparação p/trabalho... 09 Cuidados... 10 Manutenção...11

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR 2000 1/6 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 900 0 VISTA SUPERIOR ESC. 1:20 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 2/6 2000 13 400 400 1 13 0 0 40 VISTA SUPERIOR

Leia mais

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC.

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC. Mobiliário 2000 1/6 VISTA LATERAL 0 VISTA FRONTAL 0 900 0 VISTA SUPERIOR 0 A A Mobiliário 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 40 COLUNA CHAPA 1 (2,25mm) VISTA SUPERIOR

Leia mais

- - primeira qualidade de primeira 1.8 - Execução dos Serviços e Acesso à Obra

- - primeira qualidade de primeira 1.8 - Execução dos Serviços e Acesso à Obra MEMORIAL DESCRITIVO OBRA : AMPLIAÇÃO DE ESCOLA EM ALVENARIA PROPRIETÁRO: PREFEITURA MUNICIPAL DE ERECHIM - ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL CARAS PINTADAS ENDEREÇO: PARTE DA CHÁCARA NUMERO 19 LOTE

Leia mais

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 Regulamenta a Lei nº 16.478/99, publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 23.02.99 CAPÍTULO I OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Art. 1º Estas normas têm

Leia mais

Sinalizador óptico à prova de explosão em GRP, 5 joule

Sinalizador óptico à prova de explosão em GRP, 5 joule Sinalizador óptico à prova de explosão em Manual de instruções Additional languages www.stahl-ex.com Informações Gerais Índice 1 Informações Gerais...2 1.1 Fabricante...2 1.2 Informações relativas ao manual

Leia mais

PORTUGUÊS CÂMARA DE CALÇADA MANUAL DE INSTRUÇÕES

PORTUGUÊS CÂMARA DE CALÇADA MANUAL DE INSTRUÇÕES PORTUGUÊS CÂMARA DE CALÇADA MANUAL DE INSTRUÇÕES Câmara de Calçada ÍNDICE PREFÁCIO... 5 ABREVIATURAS UTILIZADAS... 5 SÍMBOLOS UTILIZADOS... 6 INTRODUÇÃO... 7 TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E RECEBIMENTO...

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo II. Coberturas

Estruturas Metálicas. Módulo II. Coberturas Estruturas Metálicas Módulo II Coberturas 1 COBERTURAS Uma das grandes aplicações das estruturas metálicas se dá no campo das coberturas de grande vão, especialmente as de caráter industrial. Também devido

Leia mais

SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA. Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas

SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA. Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas Memorial Descritivo Revisão - 1 Outubro / 2010 página 1 S U M Á R I O : 1

Leia mais

Manual Técnico de Coberturas Metálicas

Manual Técnico de Coberturas Metálicas Manual Técnico de Coberturas Metálicas Coberturas Metálicas Nas últimas décadas, as telhas produzidas a partir de bobinas de aço zincado, revolucionaram de maneira fundamental, a construção civil no Brasil,

Leia mais

INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO

INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE SPDA

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE SPDA MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE SPDA PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS/SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL TANCREDO DE ALMEIDA NEVES SETEMBRO DE 2012 STE004-R-PE-SPD-01-01

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Norma CNEN NE 1.28 Resolução CNEN 15/99 Setembro / 1999 QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Resolução CNEN 15/99 Publicação:

Leia mais

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm)

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm) Barras de Pesagem Beckhauser Manual do Usuário Conheça seu equipamento em detalhes e saiba como aproveitar todo seu potencial no manejo. Leia atentamente este Manual antes de utilizar o produto e antes

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção Mobiliário Esta imagem tem caráter apenas ilustrativo. As informações relativas às especificações devem ser obtidas nas fichas técnicas correspodentes 2000 1/5 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC.

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1 CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1 GRUPO ESTRUTURAS METÁLICAS, PARTE 1 LOTE 01 A CAIXA apresenta o grupo de composições de serviços que representam o transporte e

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO OBRA: C.E.P. EM ARTES BASILEU FRANÇA E ESCOLA DE ARTES VEIGA VALLE LOCAL: GOIÂNIA - GO ASSUNTO: REFORMA NA COBERTURA, FORRO, ESQUADRIAS, INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, PINTURA E PISO. DATA: 15/04/2005. MEMORIAL

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DADOS GERAIS: 1.1. Proprietário: Município de Estação/RS CNPJ: 92.406.248/0001-75 1.2. Obra: Cobertura Metálica da Escola Municipal de Ensino Fundamental Pedro Cecconelo 1.3. Local:

Leia mais

Manual de Instruções. Para soldagem MIG/MAG automatizada

Manual de Instruções. Para soldagem MIG/MAG automatizada Pistolas PMC Para soldagem MIG/MAG automatizada Manual de Instruções Ref.: PMC 450 A- 3 metros - 0707260 PMC 450 A- 5 metros - 0706694 PMC 500 A- 3 metros - 0707259 PMC 500 A- 5 metros - 0706698 --- página

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR

MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR ATENÇÃO: ANTES DE INICIAR A MONTAGEM LEIA ATENTAMENTE O CONTEÚDO DESTE MANUAL. A PRESSA PODE LEVAR A DANOS IRREPARÁVEIS NO EQUIPAMENTO. 1.

Leia mais

Manual de Instruções Aparelho Abdominal

Manual de Instruções Aparelho Abdominal Manual de Instruções Aparelho Abdominal Parabéns, você acabou de adquirir o Aparelho Abdominal! Um produto ideal para você cuidar da sua saúde e do seu corpo no conforto da sua casa. Temos certeza que

Leia mais

Instruções de Operação. Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos:

Instruções de Operação. Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos: 1 Instruções de Operação Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos: Antes de começar a trabalhar, leia o manual de instruções da máquina. Trabalhe

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES EMEF CIDADE NOVA BAIRRO CIDADE NOVA MOBILIÁRIO COZINHA, DESPENSA E DEPÓSITO MATERIAIS DE LIMPEZA MEMORIAL DE INTENÇÕES 1. OBJETIVO: A presente especificação tem por objetivo estabelecer os critérios para

Leia mais

BEBEDOURO COMPRESSOR PRESSÃO MASTERFRIO MODELOS MF40 & MFA40 MANUAL DE INSTRUÇÕES

BEBEDOURO COMPRESSOR PRESSÃO MASTERFRIO MODELOS MF40 & MFA40 MANUAL DE INSTRUÇÕES BEBEDOURO COMPRESSOR PRESSÃO MASTERFRIO MODELOS MF40 & MFA40 MANUAL DE INSTRUÇÕES Prezado Cliente, A MASTERFRIO cumprimenta-o pela escolha feita ao comprar nosso bebedouro. Tudo foi feito para que este

Leia mais

DER/PR ES-P 31/05 PAVIMENTAÇÃO: FRESAGEM À FRIO

DER/PR ES-P 31/05 PAVIMENTAÇÃO: FRESAGEM À FRIO PAVIMENTAÇÃO: FRESAGEM À FRIO Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/transportes

Leia mais

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO (CONSIDERAR APENAS ITEM 02) COMPOSTO POR CAPA E MAIS 08 PÁGINAS

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO (CONSIDERAR APENAS ITEM 02) COMPOSTO POR CAPA E MAIS 08 PÁGINAS ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO (CONSIDERAR APENAS ITEM 02) COMPOSTO POR CAPA E MAIS 08 PÁGINAS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Academia de Saúde Básica LOCALIZAÇÃO Av. Júlio de Castilhos, Centro, Nova Roma do

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES GERAIS SISTEMA DE AR CONDICIONADO

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES GERAIS SISTEMA DE AR CONDICIONADO ANEXO I ESPECIFICAÇÕES GERAIS SISTEMA DE AR CONDICIONADO 1. OBJETIVO O presente memorial tem pôr objetivo conceituar, definir e apresentar as bases do sistema de ar condicionado que irá atender ao imóvel

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 400, de 21 de março de 2013. DISPÕE SOBRE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL E VEGETAL NO MUNICIÍPIO DE IPIRANGA DO NORTE-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA COORDENAÇÃO DE COMPRAS COSCOM (GESUS) 1 de 9 OBJETIVO: Este Termo de Referência tem por objetivo definir o escopo do processo licitatório de constituição de Registro de Preço para eventual contratação

Leia mais

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 INDICE 1- OBJETIVO... 03 2- CONDIÇÕES GERAIS... 03 2.1- GENERALIDADES... 03 2.2- IDENTIFICAÇÃO... 03 3- CONDIÇÕES ESPECÍFICAS...

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal PREGÃO ELETRÔNICO 153/2009 PROCESSO 336.637 Trata-se de pedidos de esclarecimentos encaminhados pelas empresas AURUS Comercial e Distribuidora Ltda., HUFFIX do Brasil Ambientes Empresariais e TELOS S/A

Leia mais

APRESENTAÇÃO RELAÇÃO DE COMPONENTES

APRESENTAÇÃO RELAÇÃO DE COMPONENTES Manual de Instalação Linha Máximo Fotos ilustrativas. Ventiladores de Teto Nesta marca você pode confiar APRESENTAÇÃO Os ventiladores de teto da LINHA MÁXIMO são desenvolvidos para oferecer ao usuário

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Introdução. Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!!

Introdução. Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!! D I S T R I B U I D O R Introdução Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!! A NEW AUTOMATIZADORES atua no mercado nacional há 1 ano, distribuindo para todo Brasil e America Latina.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho 1 ME-01 REV00 13 3 1 2 14 9 10 12 4 5 6 7 11 8 1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho da porta

Leia mais

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO C A D E R N O D E E S P E C I F I C A Ç Õ E S ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO S E Ç Ã O D E P R O J E T O S E O B R A S SEPO/GEREN/DR/GO OBRA: REFORMA E ADAPTAÇÃO

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP INSTALAÇÃO HIDRÁULICA 1. INTRODUÇÃO As instalações de água fria devem atender

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA Montagem Estrutura Metálica Em uma obra de estruturas metálicas, a montagem é considerada uma das fases mais importantes por representar uma

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa especializada para serviços de desmontagem, remoção e montagem

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa especializada para serviços de desmontagem, remoção e montagem Contratação de empresa especializada para serviços de desmontagem, remoção e montagem de 01 (um) Arquivo Deslizante, com acionamento mecânico, destinados ao armazenamento de documentos e acervos do SEBRAE

Leia mais

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS DE CONCRETO A) FUNDAÇÕES 1.0 ESTACA BROCA Executada por perfuração com trado e posterior concretagem, sobre as estacas

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1 DESCRIÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1 DESCRIÇÃO Página 1 de 9 MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Reforma na Unidade Sanitária Sede de Guarujá do Sul PROPRIETÁRIO: LOCAL: Rua Governador Jorge Lacerda, 448, Centro, Guarujá do Sul (SC) ÁREA TOTAL DA EDIFICAÇÃO:

Leia mais

1/5 CO-20. Corrimão duplo intermediário. Componentes. Código de listagem. Atenção. Elaboração Data 12/06/07 Página

1/5 CO-20. Corrimão duplo intermediário. Componentes. Código de listagem. Atenção. Elaboração Data 12/06/07 Página 1/5 2/5 3/5 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes CORRIMÃO (galvanizado a fogo e com pintura eletrostática): --Tubo de aço carbono, tipo industrial, Ø=41,27mm (1 5/8 ), e=2,5mm. CONEXÃO INTERNA (galvanizada a fogo):

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão Memorial Descritivo Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão GALPÃO EM AÇO ESTRUTURAL ATERRO SANITÁRIO MUNICIPAL DE CATALÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: RAFAEL FONSECA MACHADO CREA: 18702

Leia mais

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO ÍNDICE 1.0 OBJETIVO 2.0 REQUISITOS GERAIS 2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO 2.4. EXTENSÃO

Leia mais

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 IMPORTANTE... 3 SEGURANÇA... 3 CUIDADOS AO RECEBER O EQUIPAMENTO... 4 1) Instalação dos exaustores... 5 2) Instalação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005 ESPECIFICÇÃO TÉCNIC abr/2006 1 de 6 TÍTULO COBERTURS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Edificações. Coberturas. PROVÇÃO PROCESSO PR 010979/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI SEP Secretaria de Estado

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES

Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES PRECAUÇÕES IMPORTANTES As instruções de segurança devem sempre ser seguidas para reduzir riscos. É importante ler com cuidado todas as

Leia mais

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 1993 NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

AQUECEDOR A ÓLEO INSTRUÇÕES OPERACIONAIS CALDOSETTE

AQUECEDOR A ÓLEO INSTRUÇÕES OPERACIONAIS CALDOSETTE AQUECEDOR A ÓLEO INSTRUÇÕES OPERACIONAIS CALDOSETTE INFORMAÇÕES IMPORTANTES Quando usar aparelhos elétricos, deve-se sempre observar precauções básicas de segurança, incluindo o seguinte: LEIA TODAS AS

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE QUADRA ESPORTIVA CAMPUS RIO DO SUL

SUBSTITUIÇÃO DE QUADRA ESPORTIVA CAMPUS RIO DO SUL SUBSTITUIÇÃO DE QUADRA ESPORTIVA CAMPUS RIO DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO 1 INTRUDOUÇÃO 1.1. OBJETO O presente memorial descritivo faz parte do processo para a manutenção da quadra esportiva do ginásio do

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 POSTES DE CONCRETO EMISSÃO 17 08-01-15 Página 1 de 20 1 OBJETIVO. SUMARIO 2 DEFINIÇÕES E CONVENÇÕES. 2.1

Leia mais

SKYMSEN LINHA DIRETA. Ramais 2011 2012 2013. E-mail: at@siemsen.com.br

SKYMSEN LINHA DIRETA. Ramais 2011 2012 2013. E-mail: at@siemsen.com.br PRODUTOS METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairro: S o Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina Brasil Fone: +55 47 255 2000 Fax: +55 47 255 2020 www.siemsen.com.br - comercial@siemsen.com.br

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG D Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação NTC-03 Revisão 3 NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PPCI: PREVENÇÃO DE INCÊNDIO PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO PPCI: PREVENÇÃO DE INCÊNDIO PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO PPCI: PREVENÇÃO DE INCÊNDIO PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL CIDADE NOVA 1. DADOS GERAIS Objeto: Escola

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS CONTRATAÇÃO DE SINALIZAÇÃO INTERNA E EXTERNA PARA AS DEPENDÊNCIAS DO BANCO DE BRASÍLIA S/A AGOSTO/2006

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS CONTRATAÇÃO DE SINALIZAÇÃO INTERNA E EXTERNA PARA AS DEPENDÊNCIAS DO BANCO DE BRASÍLIA S/A AGOSTO/2006 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS CONTRATAÇÃO DE SINALIZAÇÃO INTERNA E EXTERNA PARA AS DEPENDÊNCIAS DO BANCO DE BRASÍLIA S/A AGOSTO/2006 1 00 - DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Este Caderno de Especificações estabelece

Leia mais

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À EDIFICAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL RIO GRANDE DO SUL,

Leia mais

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association 6. Uso de Chapa de Aço com Revestimento Metálico GalvInfoNote Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada 6.1 Introdução

Leia mais

07/12/2012 Agosto/2012 1

07/12/2012 Agosto/2012 1 07/12/2012 Agosto/2012 1 Arranjo e Detalhamento de Tubulações Industriais 07/12/2012 2 Tipos de Desenhos de Tubulação Os principais tipos de desenhos que compõem um projeto de tubulação, são: 1. Fluxogramas

Leia mais

Válido para o empreendimento:...

Válido para o empreendimento:... ANEXO 1 Termo de Adesão e Responsabilidade para Edificações Habitacionais Construídas no Sistema Construtivo utilizando Perfis Estruturais Formados a Frio de Aços Revestidos - Steel Framing Construtora

Leia mais

Pregão 003/2006 Alteração 01 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES

Pregão 003/2006 Alteração 01 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES Pregão 003/2006 Alteração ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES ITEM O1 Sistema de arquivamento composto de módulos de arquivos deslizantes, com acionamento

Leia mais

FÓRUM TRABALHISTA DE SÃO JOSÉ

FÓRUM TRABALHISTA DE SÃO JOSÉ FÓRUM TRABALHISTA DE SÃO JOSÉ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE ESTRUTURA METÁLICA Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE ESTRUTURA METÁLICA OBRA: Fórum Trabalhista

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR.-00.199 Folha 2ª 1 DE 6 08/07/09 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações

Leia mais

GBM Engenharia e Arquitetura Ltda.

GBM Engenharia e Arquitetura Ltda. SEDE DEFINITIVA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO VITÓRIA/ES ESTRUTURAS METÁLICAS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO Estabelecer as condições mínimas necessárias para fabricação,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX Página: 1 de 8 1) DESCRIÇÃO DO PRODUTO Lanceta Automática de Segurança Injex - Estéril - calibre: 28 G = 0,36mm Produto Classe: 2 Registro: 10160610037 2) TIPO DE USO Produto uso único - doméstico (usuários

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

MANUAL PARA MONTADORAS

MANUAL PARA MONTADORAS MANUAL PARA MONTADORAS 1. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO EVENTO: De 11 a 15 de Abril de 2016, das 08:00 às 18:00h. 2. PERÍODO DE MONTAGENS E DESMONTAGENS DOS STANDS Período de montagem de stands será de 21/03/2016

Leia mais

Sugestões de Montagem. Perfis para Estrutura de Telhados

Sugestões de Montagem. Perfis para Estrutura de Telhados Sugestões de Montagem Perfis para Estrutura de Telhados 1 Apresentação As sugestões que apresentamos aqui são direcionadas para os profissionais que já possuem experiência com telhados. Nosso objetivo

Leia mais

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 NOTA! O produto pode ter sido modificado depois de este documento ter sido enviado para impressão. Reservamo-nos expressamente o direito

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto 1.753.000.080 IM-D176-01 BR Rev.00 TR Tanque Flash Manual de Instalação e Manutenção 1. Termo de garantia 2. Informações gerais de segurança 3. Informações de segurança específicas do produto 4. Informações

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [M03 09122011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança

Leia mais

Patio Heater. Aquecedor de Ambiente Externo. Premium PH-2750

Patio Heater. Aquecedor de Ambiente Externo. Premium PH-2750 Patio Heater Aquecedor de Ambiente Externo Premium PH-2750 Rua João Álvares Soares, 1530 Campo Belo, São Paulo SP, Cep 04609-004, Brasil. Telefax: (011) 5044-1683 Site: www.generalheater.com.br / E-mail:

Leia mais