Norma Técnica SABESP NTS 184

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Norma Técnica SABESP NTS 184"

Transcrição

1 Norma Técnica SABESP NTS 184 Aços inoxidáveis austeníticos Critérios para escolha, recebimento e manutenção quanto a sua resistência à corrosão Especificação São Paulo Outubro

2 NTS 184 : 2002 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES PRINCIPAIS ITENS DE AÇO INOXIDÁVEL UTILIZADOS PELA SABESP ESCOLHA DO TIPO DE AÇO INOXIDÁVEL EM FUNÇÃO DE SUA UTILIZAÇÃO Tipos de aço Outras observações RECEBIMENTO - REQUISITOS MÍNIMOS EXIGÍVEIS Embalagem e identificação Armazenagem Composição química da liga Susceptibilidade à corrosão intergranular Acabamento superficial Critérios de aceitação INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE ESTRUTURAS, COMPONENTES E EQUIPAMENTOS CONFECCIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL Durante a instalação Durante a manutenção /10/02

3 Norma Técnica SABESP NTS 184 : 2002 Aços inoxidáveis austeníticos Critérios para escolha, recebimento e manutenção quanto a sua resistência à corrosão 1 OBJETIVO Especificar os critérios adequados para a escolha, recebimento e manutenção de estruturas, componentes e equipamentos confeccionados em aço inoxidável série 300 pela Sabesp, do ponto de vista de sua resistência à corrosão. Nota: outros aspectos, tais como as características estruturais do aço inoxidável não são considerados nesta norma. 2 NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES As normas e/ou documentos relacionados a seguir contêm informações complementares a esta especificação. NBR 5601:1981 Aços inoxidáveis Classificação por composição química ASTM A 262:2001 Standard practices for detecting susceptibility to intergranular attack in austenitic stainless steels ASTM Handbook:1990 Properties and selection: irons, steels and high-performance alloy 3 PRINCIPAIS ITENS DE AÇO INOXIDÁVEL UTILIZADOS PELA SABESP Os aços inoxidáveis são empregados na Sabesp em muitas e diferentes aplicações, tais como: - parafusos; - porcas; - prisioneiros; - luvas; - eixos; - anéis; - rotores; - buchas; - tubulações de ar comprimido; - dosadores de cloro; - eixos e anéis de válvulas; - hastes e pás de misturadores; - hastes e pás de aeradores; - assentos e bases de comportas; - chapas; - suportes; - etc. Os aços inoxidáveis utilizados pela Sabesp estão, normalmente, expostos à atmosfera. Além disto, parte dos itens citados acima é utilizada em contato com água captada em rios poluídos, ou em esgoto, de tal forma que está sujeita a um ambiente agressivo. 31/10/02 1

4 NTS 184 : 2002 Norma Técnica SABESP 4 ESCOLHA DO TIPO DE AÇO INOXIDÁVEL EM FUNÇÃO DE SUA UTILIZAÇÃO 4.1 Tipos de aço Existe no mercado uma ampla gama de diferentes tipos de aços inoxidáveis disponíveis. Nesta norma é especificada a utilização de quatro diferentes tipos, de acordo com a situação em que serão empregados. São eles: - aço inoxidável tipo ABNT 304; - aço inoxidável tipo ABNT 304L; - aço inoxidável tipo ABNT 316; e - aço inoxidável tipo ABNT 316L. Estes aços atendem, de maneira geral, as exigências quanto ao desempenho contra a corrosão para as situações descritas no item 5 desta norma. Além disto, possuem a vantagem de serem aços amplamente utilizados pela indústria, de forma que são comumente encontrados no mercado. Na escolha do tipo de aço inoxidável a ser utilizado, deve-se levar em conta os seguintes fatores: - aço estar ou não sujeito a processos de soldagem; e - a geometria da peça. A Tabela 1 especifica o tipo de aço a ser utilizado de acordo com a condição de uso. Condição de uso Tabela 1 - Aço a ser utilizado em função da condição de uso Componentes não sujeitos a processos de soldagem ou à formação de frestas Componentes sujeitos a processos de soldagem mas não à formação de frestas Componentes sujeitos à formação de frestas mas não a processos de soldagem Componentes sujeitos à formação de frestas e a processos de soldagem Tipo de aço recomendado ABNT 304 ABNT 304L ABNT 316 ABNT 316L 4.2 Outras observações Em casos específicos, onde a necessidade de outras características (tal como desempenho mecânico) exija a especificação de um aço inoxidável diferente dos indicados na Tabela 1, deve-se conhecer previamente o seu desempenho quanto à resistência à corrosão, levando-se em conta os fatores já mencionados: se o aço será submetido a processos de soldagem e a geometria da peça. Não se recomenda o uso do aço inoxidável em ambientes internos úmidos altamente contaminados com cloroaminas, tais como os encontrados nas galerias dos filtros das ETAs. Não se recomenda o uso do aço inoxidável em contato direto com soluções concentradas de sulfato férrico ou cloreto férrico. 5 RECEBIMENTO - REQUISITOS MÍNIMOS EXIGÍVEIS Os requisitos mínimos exigíveis para o recebimento de uma estrutura, equipamento ou componentes confeccionados em aço inoxidável são: - embalagem e identificação; 2 31/10/02

5 Norma Técnica SABESP NTS 184 : composição química da liga; - não-susceptibilidade à corrosão intergranular, e - acabamento superficial adequado. 5.1 Embalagem e identificação No caso do material embalado, não deve ser utilizado material passível de causar contaminação ou corrosão do aço. As embalagens devem apresentar bom estado de conservação, estando devidamente identificadas conforme as exigências desta norma (veja item a seguir). A embalagem ou a etiqueta de identificação deve conter, no mínimo, as seguintes informações: - tipo de aço (ABNT ou AISI); - nome e endereço do fabricante; - número ou sinal que identifique o lote de fabricação; - data de fabricação. 5.2 Armazenagem No caso de armazenagem, o local deve ser limpo e seco, de maneira a evitar o acúmulo de sujeira e umidade na superfície do aço. No caso de superfícies planas, a armazenagem deve ser feita de forma que não haja a formação de frestas entre elas, evitando assim o desencadeamento de um processo de corrosão em frestas. 5.3 Composição química da liga No recebimento do material, deve-se exigir do fornecedor um relatório com os resultados da análise química do material. Na falta deste, uma amostra do lote deve ser analisada para comprovação da composição química do material fornecido. A composição química dos aços inoxidáveis deve estar de acordo com a Tabela 2. Tabela 2 - Composição química dos aços inoxidáveis segundo a norma NBR 5601 Aços inoxidáveis Classificação por composição química Elemento Composição por tipo de aço (%) ABNT 304 ABNT 304L ABNT 316 ABNT 316L Carbono 0,08 (máx.) 0,030 (máx.) 0,08 (máx.) 0,030 (máx.) Manganês 2,00 (máx.) 2,00 (máx.) 2,00 (máx.) 2,00 (máx.) Fósforo 0,045 (máx.) 0,045 (máx.) 0,045 (máx.) 0,045 (máx.) Enxofre 0,030 (máx.) 0,030 (máx.) 0,030 (máx.) 0,030 (máx.) Silício 1,00 (máx.) 1,00 (máx.) 1,00 (máx.) 1,00 (máx.) Cromo 18,00 a 20,00 18,00 a 20,00 16,00 a 18,00 16,00 a 18,00 Níquel 8,00 a 10,50 8,00 a 12,00 10,00 a 14,00 10,00 a 14,00 Molibdênio - - 2,00 a 3,00 2,00 a 3, Susceptibilidade à corrosão intergranular O aço a ser adquirido deve ser submetido a ensaios específicos, de forma a verificar sua susceptibilidade à corrosão intergranular, de acordo com a norma ASTM A 262:2001 Standard practices for detecting susceptibility to intergranular attack in austenitic stainless steels. Se o aço for susceptível à corrosão intergranular, o lote deve ser rejeitado. 31/10/02 3

6 NTS 184 : 2002 Norma Técnica SABESP 5.5 Acabamento superficial Para garantir o bom desempenho dos aços inoxidáveis, é necessário que a sua superfície esteja livre de sujidades, antes de sua exposição ao meio agressivo. Tais sujidades podem ser: carepas formadas durante o tratamento térmico ou soldagem, depósitos, óleos ou graxas e partículas provenientes do processo de usinagem, entre outras. A presença de sujidades na superfície do aço inoxidável impede a formação da camada passiva, o que pode causar corrosão localizada mesmo em meios pouco agressivos. 5.6 Critérios de aceitação O material será considerado aprovado se atender a todos os requisitos exigidos nesta especificação. 6 INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE ESTRUTURAS, COMPONENTES E EQUIPAMENTOS CONFECCIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL A seguir, estão apresentados alguns cuidados a serem tomados quanto à instalação e manutenção de estruturas, componentes e equipamentos confeccionados em aço inoxidável. 6.1 Durante a instalação Fixação de componentes: na fixação de componentes confeccionados em aço inoxidável, deve-se utilizar elementos de fixação confeccionados também em aço inoxidável e nunca elementos de fixação confeccionados em aço-carbono zincado Condições inadequadas: deve-se evitar condições que levem à formação de frestas ou eliminá-las após a instalação. 6.2 Durante a manutenção Limpeza periódica: a superfície dos aços inoxidáveis deve ser mantida limpa, sem carepas de laminação, depósitos ou produtos provenientes da corrosão de outros componentes. Em toda operação de manutenção ou antes da instalação de componentes novos, a superfície dos aços inoxidáveis deve ser submetida à limpeza. Isto pode ser feito com o uso de produtos disponíveis no mercado, especialmente desenvolvidos para esta finalidade Uso de esponjas de aço: não devem ser utilizadas esponjas de aço ou similares na limpeza da superfície do aço inoxidável. As partículas de aço-carbono da esponja contaminam a superfície do aço inoxidável e, por serem menos resistentes, corroem, manchando-o Trabalhos de solda: no caso da realização de uma operação de soldagem nãoprogramada, deve-se verificar se o aço a ser soldado é adequado (304L ou 316L). A realização de trabalhos de soldagem em aços não-adequados pode vir a causar a falha do material em serviço. 4 31/10/02

7 Norma Técnica SABESP NTS 184 : 2002 Aços inoxidáveis austeníticos Critérios para escolha, recebimento e manutenção quanto a sua resistência à corrosão Considerações finais: 1) Esta norma técnica, como qualquer outra, é um documento dinâmico, podendo ser alterada ou ampliada sempre que for necessário. Sugestões e comentários devem ser enviados à Divisão de Normas Técnicas CDGN. 2) Tomaram parte na elaboração desta Norma: ÁREA UNIDADE DE NOME TRABALHO C CDDP Airton Checoni David C CDGN Marco Aurélio Lima Barbosa C CDGN Maria Célia Goulart C CDGP Pedro Jorge Chama Neto IPT Consultor Sidney Oswaldo Pagotto Júnior IPT Consultora Zehbour Panossian 31/10/02

8 NTS 184 : 2002 Norma Técnica SABESP Sabesp - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Diretoria de Gestão de Assuntos Corporativos - C Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico - CD Divisão de Normas Técnicas - CDGN Rua Costa Carvalho, CEP São Paulo - SP - Brasil Telefone: (0xx11) / Fax: (0xx11) Palavras-chave: aço inoxidável, especificação técnica - 4 páginas 31/10/02

Norma Técnica SABESP NTS 159

Norma Técnica SABESP NTS 159 Norma Técnica SABESP NTS 159 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido pintados e em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 144

Norma Técnica SABESP NTS 144 Norma Técnica SABESP NTS 144 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido novos e sujeitos à umidade freqüente Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 144 : 2001 Norma

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DECAPAGEM E DE PASSIVAÇÃO E APLICAÇÃO DE PINTURA EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DECAPAGEM E DE PASSIVAÇÃO E APLICAÇÃO DE PINTURA EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DECAPAGEM E DE PASSIVAÇÃO E APLICAÇÃO DE PINTURA EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO Marli Ohba João Carlos Lazarini RHODIA DO BRASIL LTDA Davi Dianes RHODIA INC 6 COTEQ Conferência

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Tubo de Concreto Armado para Esgoto Sanitário Especificação São Paulo Maio - 1999 NTS 045 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

N-1596 REV. E NOV / 2003 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - LÍQUIDO PENETRANTE. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento.

N-1596 REV. E NOV / 2003 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - LÍQUIDO PENETRANTE. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento. ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - LÍQUIDO PENETRANTE Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta Norma.

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ Nº. 038/BR REVISÃO: 00 Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno de identificação do produto: Nome da empresa: Endereço: HOMOPOLÍMERO DE POLIPROPILENO

Leia mais

IOL IMPLANTES LTDA. FIXADOR EXTERNO ESTÉRIL IOL (FIXADOR EXTERNO PARA OSTEOSSÍNTESE) Registro ANVISA: 10223680105 Revisão 01

IOL IMPLANTES LTDA. FIXADOR EXTERNO ESTÉRIL IOL (FIXADOR EXTERNO PARA OSTEOSSÍNTESE) Registro ANVISA: 10223680105 Revisão 01 IOL. INSTRUÇÃO DE USO Fabricado por: IOL. Rua Dona Maria Fidélis n.º 226 - Bairro Piraporinha - Diadema - SP Brasil CEP: 09950-350 CNPJ/MF: 68.072.172/0001-04 Indústria Brasileira Responsável Técnico:

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR 2000 1/6 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 900 0 VISTA SUPERIOR ESC. 1:20 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 2/6 2000 13 400 400 1 13 0 0 40 VISTA SUPERIOR

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010)

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006 - REACH) Data: 30/01/2012 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

Manual Técnico de Coberturas Metálicas

Manual Técnico de Coberturas Metálicas Manual Técnico de Coberturas Metálicas Coberturas Metálicas Nas últimas décadas, as telhas produzidas a partir de bobinas de aço zincado, revolucionaram de maneira fundamental, a construção civil no Brasil,

Leia mais

Aços Inoxidáveis AÇOS INOXIDÁVEIS

Aços Inoxidáveis AÇOS INOXIDÁVEIS AÇOS INOXIDÁVEIS Aços Inoxidáveis 1 A corrosão dos aços carbono e dos aços baixa-liga é caracterizada pela presença de uma camada de oxidação permeável. Em um meio corrosivo, estes aços sofrem oxidação

Leia mais

Hitachi Ar Condicionado do Brasil Ltda.

Hitachi Ar Condicionado do Brasil Ltda. Página 01/05 TÍTULO: INFORMATIVO DE UTILIZAÇÃO DE TUBOS DE ALUMÍNIO EM UNIDADES DIVIDIDAS DO TIPO SPLIT (UTOPIA) COM FLUÍDO REFRIGERANTE HFC R-410A e HCFC R22 SUMÁRIO: Orientações e restrições sobre a

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS . PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: FITA DE POLIPROPILENO PARA ARQUEAÇÃO Página 1 de 10 Seção 1 Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Fita de Polipropileno para arqueação Fornecedor Nome:

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 325ED +55 (16) 33833818

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 325ED +55 (16) 33833818 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC.

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC. Mobiliário 2000 1/6 VISTA LATERAL 0 VISTA FRONTAL 0 900 0 VISTA SUPERIOR 0 A A Mobiliário 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 40 COLUNA CHAPA 1 (2,25mm) VISTA SUPERIOR

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção Mobiliário Esta imagem tem caráter apenas ilustrativo. As informações relativas às especificações devem ser obtidas nas fichas técnicas correspodentes 2000 1/5 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC.

Leia mais

Divisão Elétrica/Hidráulica

Divisão Elétrica/Hidráulica Divisão Elétrica/Hidráulica CARBINOX. O Brasil passa por aqui. Elétrica/Hidráulica A Carbinox é uma empresa que atua há 30 anos fornecendo soluções sob medida para impulsionar o desenvolvimento da economia.

Leia mais

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 1 Produtos Devcon Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 2 Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo Prefácio 3 Preparação da

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

FR413-00 (REV. 00) TECHZINC 0130 SHOP PRIMER

FR413-00 (REV. 00) TECHZINC 0130 SHOP PRIMER TECHZINC 0130 SHOP PRIMER Techzinc 0130 Shop Primer é um etil silicato de zinco, de dois componentes: base e pó de zinco que devem ser misturados na hora do uso. Oferece proteção catódica ao aço carbono,

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Mixtinter Laranja HOR nº Material: 238961 16L nº Material:238961 Código Interno de Produto : 000000393778

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP INSTALAÇÃO HIDRÁULICA 1. INTRODUÇÃO As instalações de água fria devem atender

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras Dobradiça Furação para passagem de cabo de Ø21 mm ( 12x ) Vista Inferior Item 1 e 2 Adaptador para parafuso A.A. Fixação dos trilhos através de parafuso e porca ( possibilitando regulagem ) Trilho de fixação

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DA QUANTIDADE DE FRITA MATE NA RESISTÊNCIA AO ATAQUE QUÍMICO DE ESMALTES MATES

ESTUDO DO EFEITO DA QUANTIDADE DE FRITA MATE NA RESISTÊNCIA AO ATAQUE QUÍMICO DE ESMALTES MATES ESTUDO DO EFEITO DA QUANTIDADE DE FRITA MATE NA RESISTÊNCIA AO ATAQUE QUÍMICO DE ESMALTES MATES Bruno Ricardo Matiola 1, Beatriz Feltrin Canever 1, Dilson Pasini Lima 1, Pedro Luiz Galatto De Fáveri 1,

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Código: MECN0039 Carga Horária Semestral: 45 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS: 00; PRÁTICOS: 03; TOTAL: 03 Pré-Requisito: MECN0004 CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006 - REACH) Data: 29/06/2011 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006 - REACH) Versão 8.1 (19/12/2012) - Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS 01/14 VENDAS SUDESTE São Paulo Tel. (11) 3094-6600 Fax (11) 3094-6303 e-mail: atendimentogerdau.sp@gerdau.com.br Rio de Janeiro Tel. (21) 3974-7529 Fax (21) 3974-7592 e-mail: atendimentogerdau.rj@gerdau.com.br

Leia mais

XISPA MD 17. Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa

XISPA MD 17. Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa XISPA MD 17 Linha: Tratamento de Piso Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa Versátil O XISPA MD 17 é um limpador com poderosa ação sobre resíduos de cimento, argamassa e terra, recomendado

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código interno: 7500 (12 X 500 ml) Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 0800 014 8110 Aplicação: detergente para pré-lavagens.

Leia mais

Componente B Catalisador AL 1006 Componente B (12256557) - (1,5L)

Componente B Catalisador AL 1006 Componente B (12256557) - (1,5L) WEGNILICA CVE 804 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Promotor de aderência bicomponente, formulado a partir de resinas vinílicas com excelente aderência sobre metais ferrosos e não ferrosos. RECOMENDAÇÕES DE USO: Indicado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

ANEXO I. Endereço completo. Complemento Bairro Cidade UF

ANEXO I. Endereço completo. Complemento Bairro Cidade UF 1 - Identificação do Ambiente ou Conjunto de Ambientes: ANEXO I PLANO DE MANUTENÇÃO, OPERAÇÃO E CONTROLE - PMOC. Nome (Edifício/Entidade) Endereço completo N.º Complemento Bairro Cidade UF Telefone: Fax:

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

FISPQ nº 176 Página 1 / 5 Data da última revisão 02/02/2009. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ

FISPQ nº 176 Página 1 / 5 Data da última revisão 02/02/2009. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ 1 Identificação do produto e da empresa Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 176 Página 1 / 5 Data da última revisão 02/02/2009 Nome do produto: Craquelex Color (Verniz

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/7 NE-007. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/7 NE-007. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMA TÉCNICA Título: PINTURA DE AÇO CARBONO, COM PREPARAÇÃO DE SUPERFÍCIE POR FERRAMENTAS Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/7 NE-007 1ª Edição 1. OBJETIVO

Leia mais

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Fone: +55 (0 )47 255 2000 - Fax: +55 (0 )47 255 2020 Rua: Anita Garibaldi, nº 262 - Bairro: São Luiz - CP: 52 CEP: 88351-410 - Brusque - Santa Catarina -

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX Página: 1 de 8 1) DESCRIÇÃO DO PRODUTO Lanceta Automática de Segurança Injex - Estéril - calibre: 28 G = 0,36mm Produto Classe: 2 Registro: 10160610037 2) TIPO DE USO Produto uso único - doméstico (usuários

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO: 09/08/2013 1/7 FISPQ NRº. 022 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. - Nome do Produto: Ortotolidina - Solução - Nome Comercial: Solução

Leia mais

Pode causar dores abdominais e irritação gástrica. Por não ser um produto totalmente bio-degradável, pode afetar o ecosistema.

Pode causar dores abdominais e irritação gástrica. Por não ser um produto totalmente bio-degradável, pode afetar o ecosistema. 1 Identificação do produto e da empresa Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 012 Página 1 / 5 Data da última revisão 17/072008 Nome do produto: Acrilpen Código interno

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: SIL TRADE SILICONE SPRAY Cod do Produto: 156.0003 Nome da empresa: BASTON DO BRASIL

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MDC 305ED +55 (16) 33833818

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MDC 305ED +55 (16) 33833818 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 33

MÉTODO EXECUTIVO ME 33 Objetivo: FOLHA 1 de 8 O objetivo do MÉTODO EXECUTIVO ME 33 é detalhar o Processo Membrana Acrílica Estruturada Impermeável (MAI), de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por conseqüência garantir

Leia mais

Soluções completas a partir de estrutura multidisciplinar

Soluções completas a partir de estrutura multidisciplinar Unidade Embrapii IPT Desenvolvimento de Materiais Soluções completas a partir de estrutura multidisciplinar Zehbour Panossian Diretora de Inovação e Coordenadora da Ação Embrapii no IPT Escopo da Unidade

Leia mais

Embalagens para esterilização. O que você precisa saber sobre: Normas técnicas

Embalagens para esterilização. O que você precisa saber sobre: Normas técnicas O que você precisa saber sobre: Normas técnicas Leis e Normas Constituição Federal Leis Infra - constitucinais Ex: Código Penal 1940 Código Civil (1916) 2002 Leis Complementares (Decreto Lei) MP NORMAS

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Nome : %s - %s Data : 19/01/2016 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 2015/830) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA 1.1. Identificador

Leia mais

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 IMPORTANTE... 3 SEGURANÇA... 3 CUIDADOS AO RECEBER O EQUIPAMENTO... 4 1) Instalação dos exaustores... 5 2) Instalação

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 12/11/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Ref 0785

Leia mais

CORES Além das cores de catálogo pode-se obter outros tons misturando as cores entre sí.

CORES Além das cores de catálogo pode-se obter outros tons misturando as cores entre sí. TINTA ACRÍLICA PREMIUM MACTRA é uma tinta acrílica fosca com excelente desempenho. Sua FÓRMULA EVOLUTION oferece ótima cobertura, secagem rápida, fácil aplicação e baixo odor, proporcionando uma pintura

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções TRR 3110S NM +55 (16) 33833818 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções TRR 3110S NM +55 (16) 33833818 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 119 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Versão 2.1 (30/01/2014) - Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO VIAPOL LTDA Nome do Produto: DILUENTE POLIMAX FISPQ Nº: 093 Página: 1 de 6 Data: 05/11/12 Rev: 02

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO VIAPOL LTDA Nome do Produto: DILUENTE POLIMAX FISPQ Nº: 093 Página: 1 de 6 Data: 05/11/12 Rev: 02 Página: 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: DILUENTE POLIMAX Empresa: Viapol Ltda Endereço: Rodovia Vito Ardito, 6.401 km 118,5 Complemento: Bairro: Jd. Campo Grande Cidade: Caçapava

Leia mais

FISPQ Em conformidade com ABNT NBR 14725-4:2009 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ Em conformidade com ABNT NBR 14725-4:2009 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ Em conformidade com ABNT NBR 14725-4:2009 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Express Acrílico Cod. Interno Soudal: 123483

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: TRIS PLUS CONCENTRADO Detergente Neutro. Fabricante: Quimiline Ind. e Com. Eireli.

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 33833818

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 33833818 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

MANUTENÇÃO DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS

MANUTENÇÃO DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS Norma CNEN NE 1.21 Resolução CNEN 03/91 Agosto / 1991 MANUTENÇÃO DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS Resolução CNEN 03/91 Publicação: DOU 28.08.1991 SUMÁRIO CNEN NE 1.21 - MANUTENÇÃO DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS 1.

Leia mais

1 Introdução. 2 Características técnicas. 3 Instalação

1 Introdução. 2 Características técnicas. 3 Instalação Índice 1. Introdução...03. 2. Características técnicas...03. 3. Instalação...03. 4. Medidas externas...04. 5. Painel de controle...04. 6.Operação...05. 6.2 Aparelhagem...05. 6.3 Ensaio...06. 6.3.1 Definições...06.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA Selma Capanema de Barros (1) Engenheira Eletricista PUC-MG e especialista em Análise de

Leia mais

Forma de Apresentação O Kit Instrumental para Fixadores Externos Modulares é constituído dos seguintes componentes:

Forma de Apresentação O Kit Instrumental para Fixadores Externos Modulares é constituído dos seguintes componentes: Instruções de Uso Kit Instrumental para Fixadores Externos Modulares ORTHOFIX para Colocação e Ajuste dos Fixadores Externos Modulares Finalidade O Kit Instrumental para Fixadores Externos Modulares tem

Leia mais

CK 101. Manual de Instruções

CK 101. Manual de Instruções CK 101 Manual de Instruções Apresentação Nome: Vaporizador CK 101 Fornecedor: Endereço: CK Indústria e Comércio de Aparelhos Eletromedicinais Ltda. Rua Apinagés 1577 - São Paulo - SP CEP: 01258-001 Telefone:

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Certificado de garantia. Parabéns, consumidor!

Certificado de garantia. Parabéns, consumidor! Certificado de garantia trend salerno Parabéns, consumidor! Você acaba de adquirir o Durafloor Piso Laminado, sinônimo de elevada qualidade e tecnologia em pisos de alta resistência. Durafloor é produzido

Leia mais

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO Qualidade Confiança Tradição Inovação Tecnologia ÍNDICE Por que a TIGRE escolheu o Sistema Aquatherm para o Brasil? 05 Características técnicas 06 Instruções de instalação

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) PRATICE LIMPEZA PESADA

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) PRATICE LIMPEZA PESADA Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Pratice Limpeza Pesada Códigos internos: Lavanda: 7150 Clássico: 7121 Limão: 7122 Floral: 7152 Maçã Verde: 7151 Laranja: 7153 Empresa: BOMBRIL

Leia mais

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos 1 Prefácio Este é o primeiro manual de projeto de sistemas drywall publicado no Brasil um trabalho aguardado por arquitetos, engenheiros,

Leia mais

NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%.

NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%. NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%. Descrição do Produto NOVOLAC AR 170 é um sistema novolac, 100% sólidos, com resistência a ácido sulfúrico 98% e

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 13 / 03 / 2014 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de Suporte de Transformador Tipo Cantoneira para utilização nas Redes de Distribuição

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS

ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURAS METÁLICAS... 3 1.1. Estruturas Metálicas Diversas... 3 1.1.1. Qualidade do Material a Ser Empregado... 4 1.1.2. Critérios Gerais para Aceitação do

Leia mais

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Documento: Cliente: ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Pag: 1 of 9 Título: Estrutura Metálica para o Galpão e para os Pórticos TECHNIP ENGENHARIA S/A

Leia mais

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO PERFORT 1 SISTEMAS DE BANDEJAMENTO Utilizando o conceito de estruturação mecânica desenvolvido pela MOPA, o ELETROFORT é uma eletrocalha de seção transversal e características exclusivas, que permitiram

Leia mais

INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO

INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Data : 11/05/2015 Página 1/6 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Detergente Eucalipto Gel Maranso 1.2 Código de Venda:004 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do Produto: Disco de Corte ou Disco de Desbaste

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do Produto: Disco de Corte ou Disco de Desbaste N 001 Disco de Corte e Desbaste Revisão: 05/04/2011 1 Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Disco de Corte ou Disco de Desbaste Aplicação: Corte de aço carbono e aço inoxidável, limpeza

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

LINHA P600 Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva

LINHA P600 Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva LINHA P600 Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva Prefácio O sistema de revestimento argamassado cimentício de alta resistência, da LINHA P600, foi desenvolvido com a mais alta tecnologia,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

Manual de Operação setembro / 2010

Manual de Operação setembro / 2010 Hid atec Manual de Operação setembro / 2010 Anotações Assistência Técnica 02 Anotações Assistência Técnica Índice PARTIDA 1. Material necessário 2. Descrição das atividades 3. Ações no caso de anormalidade

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação de elementos filtrantes Pall grau P (farmacêutico) 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação dos elementos filtrantes Pall grau P

Leia mais

* Norma ANSI/FCI 70.2

* Norma ANSI/FCI 70.2 Steam Seal Válvula Borboleta CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS Corpo Monobloco wafer, de pescoço longo para facilitar o isolamento térmico quando instalada na tubulação, totalmente fundido em aço carbono ou

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 185

Norma Técnica SABESP NTS 185 Norma Técnica SABESP NTS 185 Preparo de superfícies metálicas Métodos alternativos ao jato de areia seca Procedimento São Paulo Outubro - 2002 NTS 185 : 2002 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

Elaboração de Planilhas para Auxílio à Inspeção de Recebimento para Tubulações de Aço Liga e Aço Inoxidável

Elaboração de Planilhas para Auxílio à Inspeção de Recebimento para Tubulações de Aço Liga e Aço Inoxidável Heitor Belfort de Sousa Gama Leandro Teodoro Soares Dias Elaboração de Planilhas para Auxílio à Inspeção de Recebimento para Tubulações de Aço Liga e Aço Inoxidável Monografia apresentada ao Programa de

Leia mais

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO GUIA PONTA TROCATER (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Guia Ponta Trocater,

Leia mais

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo I INFORME PRÉVIO Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Este informe prévio deverá ser preenchido no que couber, por indústria fabricante de medicamentos

Leia mais

MÓDULO DE ACESSIBILIDADE

MÓDULO DE ACESSIBILIDADE MÓDULO DE ACESSIBILIDADE ESPECIFICAÇÃO: GPRO/DEINF 082104 EMISSÃO: NOVEMBRO/2008 DESENHO: DT 494/6 CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO 1.1. FINALIDADE: A presente especificação estabelece dados para fornecimento à

Leia mais

ELEMENTO FILTRANTE - HATHOR - 170 x 148 (d x h)

ELEMENTO FILTRANTE - HATHOR - 170 x 148 (d x h) UNIDADE: COORDENAÇÃO DE LOGÍSTICA - COLOG (GESUS) 1 de 7 DESCRIÇÃO: Cartucho Filtrante: O meio filtrante do cartucho é composto por camadas de fibras celulósicas e impregnado com resina fenólica, que lhe

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 01/07 SEÇÃO 1.0 NOME DO PRODUTO LIMPA VIDROS NOME DO FABRICANTE ENDEREÇO Rua Dr. Fernão Pom peu de Cam argo, 1704/52 Jardim do Trevo - Cam pinas/sp - CEP: 13040-010 SEÇÃO 2.0 TIPO DE PRODUTO PREPARADO

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: Acondicionamento BLH-IFF/NT- 31.04 - Embalagem para o Leite Humano Ordenhado BLH-IFF/NT- 32.04- Acondicionamento do Leite Humano Ordenhado BLH-IFF/NT-

Leia mais