Presidente do Governo Regional dos Açores e Ministra da Indústria e Comércio da Islândia no lançamento do GAIa Programme

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Presidente do Governo Regional dos Açores e Ministra da Indústria e Comércio da Islândia no lançamento do GAIa Programme"

Transcrição

1 janeiro fevereiro março 2014 nº Presidente do Governo Regional dos Açores e Ministra da Indústria e Comércio da Islândia no lançamento do GAIa Programme

2 Sumário 12 A empresa EDA RENOVÁVEIS já tem a sua identidade visual. 3 Lançamento do Programa GAIa 6-7 Oferta e Procura de Energia Elétrica 8-9 Workshop GLOBALEDA Microsoft reforça parceria com GLOBALEDA 08 "Reinvente a sua forma de trabalhar" foi o tema do workshop organizado pela GLOBALEDA em parceria com a Microsoft. 12 EDA Renováveis 13 ASECE Impactes Ambientais I Campus Açoreana Fábrica da Vila 20 Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho 21 Reunião dos Representantes dos 13 Desconto do Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia subiu para 11%. Trabalhadores para a Segurança e Saúde no Trabalho da EDA Comissão de Trabalhadores Grupo Recreativo da EDA 27 Nascimentos Ficha Técnica Título EDA Informa Propriedade e Edição Electricidade dos Açores, S.A. NIPC Sede de Redação Rua Francisco Pereira Ataíde, nº Ponta Delgada Diretor Emanuel Fernandes Diretora Adjunta Cláudia Fontes Design Rui Goulart (Novabase) Impressão COINGRA Parque Industrial da Ribeira Grande Lote Ribeira Grande Periodicidade Trimestral Tiragem 1500 Distribuição Gratuita Registo na ERC

3 Editorial O Programa GAIa tem basicamente dois objetivos: 1. Aumentar a competência científica e tecnológica dos Açores na área da geotermia. No âmbito deste objetivo será selecionado um conjunto vasto de técnicos e de estudantes que terão formação na Islândia e nos Açores. Esta formação será ministrada pela Universidade das Nações Unidas que tem um Programa especialmente dedicado à Geotermia e que está localizada na Islândia. É sem dúvida uma das instituições mundiais mais reputadas nesta área! No passado dia 31 de março, foi lançado o Programa GAIa - Geothermal Azores-Iceland Programme financiado pelo Espaço Económico Europeu, constituído pela Islândia, Noruega e Listenstaine, no Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira. A sessão foi presidida por Sua Excelência o Presidente do Governo Regional dos Açores, Dr. Vasco Alves Cordeiro e contou com a presença da Ministra da Industria e Comércio da Islândia, Ms. Ragnheiður Elín Árnadóttir e do Secretário de Estado da Energia, Dr. Artur Trindade, entre outras personalidades. Intervenção do Presidente do Conselho de Administração da EDA Como Operador do Programa GAIa, nome da Deusa da mitologia Grega que representa a mãe Terra, e que aqui designa o Programa Geotérmico Islândia-Açores, gostaria de agradecer a presença de tão ilustres convidados, nomeadamente do Senhor Presidente do Governo Regional dos Açores, da Senhora Ministra da Indústria e do Comércio da Islândia, do Senhor Secretário de Estado da Energia de Portugal e do Senhor Secretário Regional do Turismo e dos Transportes dos Açores, do Senhor Presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, bem como de uma comitiva tão relevante de empresas e de instituições islandesas ligadas à área geotérmica, no lançamento simbólico deste Programa. 2. Aumentar a penetração das energias renováveis nos Açores, através de um apoio financeiro de cerca de 3.7 milhões de euros dirigidos à construção de uma central geotérmica piloto na ilha Terceira. Como é do vosso conhecimento, na fase inicial de um novo desenvolvimento geotérmico existe sempre um conjunto de investimentos de custo muito elevado, ligados à prospeção do recurso, que por vezes inviabiliza o desenvolvimento do próprio projeto. Apesar de todos os avanços tecnológicos, não é ainda fácil conhecer em detalhe o que se passa a mais de mil metros abaixo da superfície do solo. Basta observar a indústria petrolífera e as incertezas que existem sempre, quando se pretende proceder à prospeção de um novo campo. Para termos um reservatório geotérmico com potencialidade de exploração industrial é preciso encontrar, entre outros parâmetros, calor e permeabilidade suficiente para permitir uma exploração sustentável ao longo dos anos. Mesmo em São Miguel, onde já se fizeram dezenas de perfurações com êxito, tanto na zona do Pico Vermelho, como na zona do Cachaço/Lombadas, na Ribeira Grande, há sempre alguma incerteza quando se procede a uma nova perfuração e existem sempre poços que têm maior ou menor sucesso, apesar do conhecimento acumulado sobre aqueles reservatórios há cerca de 40 anos. Na ilha Terceira, iremos continuar a estudar o reservatório geotérmico do Pico Alto. Contamos com os nossos consultores, designadamente com a ÌSOR, que nos tem vindo a apoiar cientificamente neste campo geotérmico para encontrar novos locais de possível perfuração. Daí a necessidade de estreitarmos ainda mais os laços de cooperação com as diversas instituições islandesas, no âmbito deste projeto. Reconhecemos a vossa experiência e o vosso conhecimento que foi sendo sedimentado ao longo de muitos anos, tanto na Islândia, como em todo o mundo. Como é do vosso conhecimento, os Açores e a Islândia têm em comum serem ilhas do Atlântico Norte. Ocupam a zona de expansão do rifte meso-oceânico, onde existe vulcanismo ativo e onde há consequentemente uma enorme potencialidade na área geotérmica. 3

4 LANÇAMENTO DO GAIa" Os Açores e a Islândia são os locais do mundo onde o grau de penetração da energia geotérmica na produção de eletricidade é mais elevado. Em São Miguel atingimos em 2013 cerca de 42% de penetração, e contamos com as novas perfurações que iremos realizar nos próximos anos, com vista à saturação da Central Geotérmica da Ribeira Grande e para a ampliação em mais 5 MW da Central do Pico Vermelho, ultrapassar os 50% de penetração só em produção geotérmica. Ao contrário da energia eólica e fotovoltaica, que têm um carater intermitente e causam enormes perturbações na rede se não estiverem acopladas a grupos térmicos que possibilitem a compensação quase instantânea das suas variações, a energia geotérmica é relativamente constante ao longo do dia e ao longo do ano. É por isso considerada uma energia renovável de eleição. Enquanto a energia eólica tem um máximo técnico de penetração que ronda os 20%, a energia geotérmica necessita apenas da térmica para fazer a regulação da rede e atinge consequentemente níveis de penetração muito mais elevados sem necessidade de armazenagem. Para além disto, a geotermia utilizada para a produção de eletricidade pode originar um subproduto de baixa entalpia com múltiplas aplicações. Em São Miguel, as duas centrais geotérmicas existentes, após o aproveitamento elétrico, lançam nos diversos poços de injeção cerca de mil toneladas por hora de água quente a 87ºC. É muito calor que poderia e deveria ainda ser aproveitado! Também aí temos muito para aprender com a Islândia. É evidente que os Açores têm um clima moderado e que as casas não necessitam do mesmo tipo de aquecimento, como ocorre na Islândia. Também é verdade que a água 4

5 termal proveniente das centrais geotérmicas nos Açores vem carregada de alguns elementos químicos que impossibilitam o uso direto na balneoterapia, como acontece na Islândia. Estou, porém, convicto que é possível aproveitar este enorme manancial de calor no aquecimento de estufas e na aquacultura, produzindo produtos competitivos que possam ser exportados ou substituindo com vantagem importações. O grupo EDA está disponível para colaborar com todas as entidades interessadas no aproveitamento deste recurso. No final do ano passado apresentámos ao último Quadro Comunitário de Apoio um projeto de investimento que permitirá não só aquecer a atual piscina dos Bombeiros da Ribeira Grande e as estufas do Parque Industrial da Ribeira Grande do INOVA, como também permitir a criação de um complexo agroindustrial de estufas com cerca de 35 ha com acesso direto ao calor geotérmico. Temos fundadas esperanças que, com a entrada do novo Quadro Comunitário de Apoio, este projeto venha a ser aprovado para reiniciarmos os aproveitamentos de baixa entalpia resultantes da exploração geotérmica nos Açores. Na área da geotermia ninguém está em competição com ninguém. O recurso geotérmico não é deslocalizável, é de cada País e de cada Região! Cooperar, colaborar e aprender com quem mais sabe é o nosso lema! Contamos com os nossos parceiros islandeses para desenvolver este e outros projetos, quer seja no âmbito comunitário, como será o caso do Horizonte 2020, quer seja no âmbito extra comunitário, como é o caso o Programa GAIa. Muito obrigado a toda comitiva islandesa pela vossa colaboração e por se terem disponibilizado a vir aos Açores! DUARTE PONTE PRESIDENTE EDA 5

6 MONITORIZAÇÃO DA OFERTA E DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE REFERENTE AO PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 2013 Resumo da Procura de Energia Elétrica Consumo média tensão Consumo baixa tensão GWh Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Iluminação Pública Industriais Serviços Públicos Comércio e Serviços GWh Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Industriais Iluminação Pública Serviços Públicos Comércio e Serviços Domésticos Durante o ano de 2013, o consumo de energia elétrica na RAA apresentou uma redução, face a 2012, de 1,6%, ou seja, menos 11,7 GWh. As maiores diminuições absolutas deram-se nos segmentos comércio e serviços (-6 GWh), iluminação pública (-3 GWh) e indústria (-1,2 GWh). Ao nível dos serviços públicos, verificou-se uma redução do consumo que totalizou 617 MWh, menos 0,7% que em 2012, verificando-se reduções tanto em BT como em MT. Neste segmento sobressaiu a redução verificada em Organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais (-306 MWh), na educação(1) (-146 MWh) e em atividades de ação social(1) (-100 MWh). Em sentido inverso, verificou-se um aumento da procura na administração pública, defesa e segurança social obrigatória(1) (+220 MWh) e em atividades veterinárias(1) (+120MWh). Ao nível do comércio e serviços da Região as maiores reduções verificaram-se no comércio a retalho em geral, que apresentou uma redução de 3,4 GWh, em estabelecimentos de bebidas(1) (-741 MWh), na agricultura(1) com -587 MWh, na construção de edifícios(1) com -452 MWh e nas atividades dos serviços relacionados com agricultura e com produção animal(1) (-319 MWh). O setor da indústria revelou uma redução do consumo de 1,0% face a Esta evolução resultou de variações distintas em diferentes setores de mercado. As maiores reduções verificaram-se na indústria de lacticínios(1) (-1,5 GWh), na extração de areias e argilas (-389 MWh), nas indústrias da madeira e da cortiça e suas obras, exceto mobiliário(1) (-258 MWh) e no abate de animais, preparação e conservação de carne e de produtos à base de carne(1) (-222 MWh). Verificaram-se, também, reduções significativas na fabricação de cimento e na panificação e pastelaria. Com tendência inversa, o setor económico que apresentou maior crescimento diz respeito à indústria transformadora da pesca e da aquacultura(1) (+1,1 GWh) e à fabricação de alimentos compostos para animais(1) (+739 MWh). Destaca-se que no último trimestre de 2013 ocorreu uma inversão desta tendência, constatando-se um aumento da procura face ao mesmo período de 2012 em todos os segmentos, exceto no consumo doméstico e IP. (1) Classificação Portuguesa de Atividades Económicas, Revisão 3 (CAE-Rev.3), aprovada pelo Decreto-Lei nº 381/

7 Sabia que a inauguração da luz elétrica, pela primeira vez nos Açores, se deu a 18 de março de 1900 em Vila Franca do Campo? Resumo da Oferta de Energia Elétrica Produção Acumulada Geotérmic a 22,0% Eólica 8,7% Outras 0,3% SMA GRA SJG Ponta Máxima (kw) PIC 2013 Fuelóleo 55,9% FAI FLO Hídrica 3,7% Gasóleo 9,3% COR SMG TER A produção de energia elétrica até ao final de 2013 totalizou 792,5 GWh, tendo-se verificado um decréscimo da produção de 1,5% comparativamente a igual período do ano transato, sendo 34,8% de origem renovável e 65,2% de origem térmica. No mix de produção, predominou a queima de fuelóleo, com 55,9% e a energia geotérmica com 22,1%. A energia geotérmica apresentou um crescimento de 30,0% em comparação com o ano anterior, representando 22,0% da produção total da Região, e 42,3% da ilha de São Miguel, a única ilha da região onde esta existe. O aumento verificado na produção geotérmica deveu-se, ainda, à retoma do funcionamento da central da Ribeira Grande (retomou atividade em agosto de 2012). As variações verificadas ao nível da energia hídrica e eólica estão relacionadas com a maior disponibilidade do recurso primário. A ponta máxima, quando comparada com o período homólogo, evoluiu negativamente nas ilhas de S.Miguel (-0,2%), Terceira (-0,6%), Graciosa (-0,7%), S.Jorge (-1,7%) Pico (-2,6%) e Faial (-1,4%). Verificaram-se crescimentos das pontas máximas nas ilhas de Santa Maria (7,4%), Flores (3,2%) e Corvo (9,6%). A energia hídrica teve um aumento de 3,4%, enquanto a energia eólica cresceu 10,0%, face ao período homólogo. Estes dois tipos de energia representaram, em 2013, 12,4% da produção total. PLCOR DIREÇÃO DE PLANEAMENTO CONTROLO DE GESTÃO E REGULAÇÃO 7

8 Reinvente a sua forma de trabalhar Reinvente a sua forma de trabalhar foi o tema do workshop organizado pela GLOBALEDA em parceria com a MICROSOFT, que contou com cerca de 100 participantes de diversas entidades governamentais, municipais e privadas. Dos diversos temas abordados, destacam-se o Office 365 e o CRM - gestão da relação com o cliente. O Office 365, como aplicação de produtividade, traz uma nova forma de trabalhar em que se destaca a mobilidade com o acesso a conteúdos a partir de qualquer sítio e dispositivo e acreditamos que terá um papel importante no arquipélago dos Açores pela facto de muitas organizações terem estabelecimentos distribuídos em várias ilhas. 8

9 O Dynamics CRM da Microsoft é uma ferramenta de gestão da relação com o cliente que permite uma abordagem de conhecimento de negócio, ajudando as organizações na diferenciação da relação com os seus clientes. Este evento assinalou a parceria entre a GLOBALEDA e a MICROSOFT e demonstrou a capacidade conjunta de implementação destas soluções nas diversas instituições públicas e privadas. PAULO MENEZES GLOBALEDA 9

10 Microsoft reforça parceria com GLOBALEDA A GLOBALEDA organizou, no passado mês de março, um Workshop que assinalou a parceria desta empresa com a Microsoft. Trata-se de uma importante aliada no reforço da atividade da GLOBALEDA nos Sistemas de Informação? O evento que decorreu no passado dia 20 de março, subordinado ao tema Reinvente a sua forma de trabalhar, marcou mais uma etapa na vida da GLOBALEDA na medida em que se retomou a parceria com a Microsoft. Esta parceria é para nós estratégica uma vez que existe um mercado muito importante que já utiliza no seu dia-a-dia ferramentas Microsoft e que poderá evoluir para as novas soluções deste fabricante. Quem assistiu ao evento teve oportunidade de perceber algumas das vantagens da utilização das soluções integradas Microsoft na sua empresa ou na sua instituição. O diretor da Microsoft Portugal para as pequenas e médias empresas referiu durante o evento que a Microsoft está agora orientada para os clientes numa lógica de serviço, surgindo assim como um importante parceiro de negócio. Alguns dos grandes desafios que se colocam de um modo geral às empresas e às pessoas prendem-se com produtividade e mobilidade. A Microsoft tem soluções que respondem a estes desafios sendo, portanto, um parceiro importante para a estratégia que a GLOBALEDA pretende desenvolver no mercado açoriano. O EDA Informa tem dado conta de algumas das vossas iniciativas. No entanto, a empresa tem desenvolvido muitas outras ações. Pode dar a conhecer algum do vosso portfólio na área dos sistemas de informação? As iniciativas públicas que temos desenvolvido têm tido uma grande adesão por parte dos organismos públicos regionais e das empresas. Isto prova que temos 10

11 conseguido estar em sintonia com as necessidades e expetativas das pessoas e das entidades que elas representam. Temos desenvolvido muitas outras ações, embora em âmbitos e para públicos mais restritos. O nosso portfólio, no que respeita à área dos sistemas de informação, tem vindo a crescer, fruto dos diversos desenvolvimentos internos bem como das parcerias que temos estabelecido. Para além das diversas soluções Microsoft, entre as quais temos as soluções de escritório, Gestão de Clientes, Gestão de Projetos, etc., a GLOBALEDA endereça transversalmente todas as necessidades das entidades públicas e empresas do mercado açoriano, com um conjunto alargado de produtos dos quais se destacam, desenvolvimentos web e multimédia, gestão de redes, fornecimento, operação e manutenção de parques informáticos, integração de sistemas, ferramentas de apoio à gestão, soluções de gestão documental e de arquivo, soluções para gestão escolar, aplicações mobile, gestão de domínios e alojamento de websites e de aplicações em cloud. Numa entrevista ao EDA Informa, em setembro de 2013, referiu que a GLOBALEDA iria passar por uma fase de reorganização profunda. Decorridos mais de 6 meses, quais as principais diferenças que se podem verificar? Como é do conhecimento geral, no final de 2013 deuse a fusão entre a Novabase Atlântico e a GLOBALEDA, fruto de uma aposta que a EDA fez para criar as condições para que houvesse no seio do Grupo EDA uma empresa na área dos sistemas de informação e das telecomunicações forte e com grande potencial de crescimento. Neste sentido, a GLOBALEDA retomou a atividade dos sistemas de informação. Todos os trabalhadores da Novabase Atlântico integraram a GLOBALEDA fazendo, assim, crescer o capital humano da nossa empresa. Este foi e é, no entanto, um processo gradual pois houve necessidade de estabelecer parcerias com inúmeros fornecedores, retomar contatos com clientes antigos e proceder a uma reestruturação interna, para se poder dar continuidade aos diversos processos que já integravam a carteira de serviços da Novabase Atlântico e possibilitar a capacidade para abraçar novos projetos com garantia de sucesso. A EDA é, para nós, um cliente muito importante, ao qual dedicamos, praticamente em regime de exclusividade, uma equipa alargada de técnicos. Hoje, também, já estamos a desenvolver projetos e a prestar serviços, na área dos sistemas de informação, para inúmeros clientes, públicos e privados. Os mercados têm estado recetivos a esta transição da GLOBALEDA? A GLOBALEDA é uma empresa com referências, com currículo e com provas dadas nas diversas áreas em que trabalhou, desde que foi constituída em Até 2008, ano em que foi criada a Novabase Atlântico, a GLOBALEDA era reconhecida na Região como uma empresa relevante e de referência na prestação de serviços de sistemas de informação. Agora, consciente das mudanças que ocorreram, o mercado tem reagido muito favoravelmente a este novo figurino. Os nossos clientes passaram a ter, outra vez, um fornecedor/ parceiro que lhes aporta valor acrescentado através da inovação e das suas soluções integradas. Isto é perfeitamente compreensível. Espera que a curto/médio prazo a GLOBALEDA alcance todos os objectivos que traçou quando aceitou o desafio de liderar a empresa? Na última entrevista que dei ao EDA Informa referi que gostava que a GLOBALEDA se projetasse e afirmasse no mercado global. Não tenho quaisquer dúvidas que este é também um desejo que é partilhado pelos meus colegas de administração. Esta é uma caminhada que temos que fazer paulatinamente. Todos os dias alcançamos determinados objetivos e iniciamos a caminhada para atingir outros. A GLOBALEDA é uma empresa composta por quase 100 colaboradores. Todos juntos vamos conseguir. PAULO MENEZES GLOBALEDA 11

12 Nova Imagem da empresa EDA Renováveis Redenominada a SOGEO na EDA RENOVÁVEIS, notícia que demos conta na última edição do EDA INFORMA, criou-se a nova identidade visual da empresa. Com a simbologia de uma hélice, o logótipo remete para conceitos de movimento, renovação e energia. Mantendo a cor base do Grupo EDA o amarelo - foram adicionadas três cores que ilustram o ambiente em que decorre a exploração: o azul claro representando o ar/céu, o azul escuro representado as ribeiras/mar, e por fim o verde, numa representação da terra e também associando valores da ecologia e cuidados com o ambiente. 12

13 Desconto do Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia Desconto do Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia subiu para 11%, revelou Vítor Fraga O Secretário Regional do Turismo e Transportes revelou no passado dia 11 de fevereiro, na Horta, que o desconto de que as famílias açorianas podem usufruir, através do Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia (ASECE), aumentou de 10,3 para 11 por cento. Esta alteração consta de uma portaria publicada em Jornal Oficial e tem efeitos retroativos a 1 de janeiro de Vítor Fraga, em declarações no final de uma visita à loja da EDA na cidade da Horta, revelou que, no universo de cerca de 15 mil famílias que podem recorrer a este apoio, atualmente beneficiam dele 743 famílias. A forma de o fazer é muito fácil, é muito simples, GACS Gabinete de Apoio à Comunicação Social basta apenas fazerem a solicitação ao balcão da EDA e ficam, praticamente no imediato, com esta mais-valia associada à sua fatura da eletricidade, afirmou Vítor Fraga. O titular da pasta da Energia recordou que o ASECE traduz-se num desconto na fatura da eletricidade das famílias mais vulneráveis economicamente, nomeadamente famílias que têm o Rendimento Social de Inserção, o Abono de Família no primeiro escalão ou o Subsídio de Desemprego". Vítor Fraga frisou que este apoio "está disponível, apenas carecendo as pessoas de se deslocarem a um balcão da EDA e solicitarem este desconto suplementar na sua fatura. É mais um mecanismo que nós temos para ajudarmos as famílias açorianas num momento de dificuldade, salientou o Secretário Regional. 13

14 Impactes Ambientais A maioria das atividades humanas causa algum tipo de impacte negativo para o meio ambiente e as atividades do setor elétrico, nomeadamente as da empresa Electricidade dos Açores, nas suas atividades de produção e transporte de energia elétrica não fogem a esta regra. Os poluentes principais que podem dar origem aos maiores impactes ambientais são CO 2 (dióxido de carbono), SO 2 (dióxido de enxofre) e NO x (dióxido de azoto), e que são produzidos em centrais com queima de combustíveis fósseis, tais como o fuelóleo e o gasóleo. A EDA, para além de ter produção de energia elétrica por via de centrais termoelétricas, também aposta fortemente nas fontes de energia renováveis e que na sua maioria não originam gases poluentes, representando, por isso, uma aposta forte em termos de sustentabilidade ambiental. Considerando a sua origem, os poluentes atmosféricos podem ser caracterizados como: Poluentes Primários: aqueles que são emitidos diretamente pelas fontes para a atmosfera, como as centrais termoelétricas; Poluentes Secundários: aqueles que resultam de reações químicas que ocorrem na atmosfera e entre poluentes primários. Entre os principais poluentes atmosféricos temos: CO 2 gás responsável pela absorção da radiação terrestre que produz o efeito de estufa da atmosfera; SO 2 gás tóxico que pode contribuir para a ocorrência de chuvas ácidas; NO x principal gás responsável pelo problema de acidificação, que em contato com a água origina as chuvas ácidas. Numa sociedade consumista como a nossa, denotase cada vez mais a exigência de mais conforto e a produção, o transporte, a distribuição e o próprio uso da energia elétrica, podem causar impactes negativos ao meio ambiente. A produção de energia elétrica implica, necessariamente, a exploração de recursos naturais com consequente emissão de poluentes atmosféricos, mas também a produção de resíduos, quer sejam líquidos ou sólidos, no meio ambiente. 14

15 Mas e a redução dos impactes ambientais por parte da EDA? A redução dos impactes ambientais surge à EDA como uma meta e uma preocupação, no sentido de garantir a qualidade de vida desta e das futuras gerações. Para isso, a EDA implementou um Sistema de Gestão de Qualidade e Ambiente, na sua maior central termoelétrica, e tem como missão: "Fornecer energia elétrica com continuidade e com as melhores características técnicas e prestar um serviço que corresponda às expetativas dos clientes, ao menor custo e com respeito pelo património ambiental e cultural dos Açores." árvores que crescem sob as linhas elétricas, nos chamados corredores de segurança, para evitar cortes de fornecimento de energia elétrica aos consumidores; Resíduos: Quer sejam nas atividades de produção, transporte ou distribuição de energia elétrica, ou até mesmo nas atividades administrativas, da EDA, são produzidos resíduos. Estes são reencaminhados para operadores licenciados para valorização. E como nós todos podemos contribuir para diminuir os impactes ambientais produzidos pela produção, transporte e distribuição de energia elétrica? Para além disso, não é só nas atividades de produção de energia elétrica que a EDA assenta a sua preocupação ambiental. Essa preocupação também assume importância nas atividades de transporte e distribuição de energia elétrica, nos seguintes aspetos: Podas: A poda das árvores é uma prática constante na atividade da EDA, pois torna-se necessária para evitar que os galhos entrem em contato com a rede elétrica, causando dessa forma a interrupção no fornecimento de energia elétrica aos consumidores; Corte de Árvores: Periodicamente são cortadas A Sociedade pode ajudar a conservar o meio ambiente, se utilizar a energia elétrica de forma eficiente e sustentada, pois dessa forma com o contributo de todos, pode-se evitar, ou no mínimo diminuir, o impacte ambiental do setor elétrico. O Ambiente é de todos e para todos! Para mais informação, por favor aceder ao site da ERSE (www.erse.pt) GQAMB GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTE 15

16 I Campus Açoreana Num cenário de inovação no serviço, a Açoreana, em parceria com o ISQ, promoveu, entre os dias 2 e 5 de Abril, o I Campus Açoreana. Esta iniciativa, que teve lugar nas ilhas de São Miguel e de Santa Maria, nos Açores, foi uma aposta da Companhia na formação de topo dos quadros técnicos dos seus clientes, nomeadamente na área da gestão de risco. A Gestão de Risco assume, cada vez mais, especial relevância em qualquer empresa, o que levou a Açoreana, em 2012, a lançar os Prémios Açoreana Risk Management com o objectivo de reconhecer e premiar as empresas, e respectivos gestores, que se destaquem pela Gestão de Risco mais adequada à sua actividade. Para Maurício Oliveira, administrador da Açoreana responsável pelo projecto do I Campus Açoreana, esta iniciativa é mais uma prova da contínua aposta da Açoreana na diferenciação e na criação de valor para os seus parceiros. Os resultados alcançados com os Prémios Risk Management Açoreana reflectiram claramente o despertar das empresas portuguesas para a importância da gestão de risco e este Campus pretendeu ser um espaço de partilha de know-how no qual promoveremos a integração dos nossos clientes numa cultura de gestão de risco. O programa do I Campus Açoreana, que contou com a participação de 15 quadros técnicos de empresas clientes da Companhia, incluiu um seminário sobre Gestão de Risco, visitas à Central Termoeléctrica do Caldeirão e à Central Geotérmica do Pico Vermelho, onde foram dados a conhecer dois tipos de produção de energia eléctrica, e uma visita ao Centro de Formação Aeronáutica dos Açores, da SATA, onde para além da partilha de conhecimentos sobre gestão de risco e emergência e segurança a bordo, foi ainda realizado um exercício de sobrevivência na água. THIAGO FRAZÃO Açoreana de Seguros 16

17 Formação na área da gestão de risco Foi uma honra para a Eletricidade dos Açores o convite formulado pela Açoreana de Seguros para fazer parte deste evento e assim contribuir e partilhar com os responsáveis técnicos da Segurança e Saúde no Trabalho das várias empresas de prestigio em Portugal, a nossa experiência e conhecimento adquirido ao longo de vários anos. Temos a certeza que a iniciativa, pela sua originalidade e inovação, vai mudar a imagem da Açoreana de Seguros e será um referencial no mercado português. Com este evento, todos os seus participantes saíram enriquecidos pelas várias experiências que puderam partilhar e fortalecer a parceria com a Açoreana de Seguros. GRHUM Prevenção e Segurança 17

18 Primeiro Grupo Gerador dos Açores Fábrica da Vila 1899 Eng.º José Cordeiro A 18 de Março de 1900 foi inaugurada a luz elétrica na ilha de São Miguel Este acontecimento foi um dos momentos mais importantes e emblemáticos da nossa história, protagonizado pelo pioneiro da eletrificação dos Açores, o Engenheiro José Cordeiro. A produção teve origem na Central Hídrica da Vila, a primeira a ser construída nos Açores, em Localizava-se na Ribeira da Praia, Água d Alto, concelho de Vila Franca do Campo. Em 1899 foi instalado o primeiro grupo gerador: uma turbina hidráulica Universelle, construída pelos Ateliers de Constructions Mécaniques de Vévey. Possuía a força motriz de cem cavalos e era destinada a mover um dínamo elétrico de 3150 volts. O alternador era trifásico, de 48 kva, 3000 Volts e 50Hz, construído pela Société d Electricité Alioth, Suíça. Uma escritura datada de 8 de Junho de 1901, redigida e assinada por Frederico Augusto Serpa, condutor principal das Obras Públicas, certificava a existência de um motor hidráulico, para a produção de eletricidade, para iluminação pública de Vila Franca do Campo. Refere, ainda, que o motor estava instalado a grande distância das povoações e das habitações circundantes, não causando nenhum prejuízo ou incómodo às pessoas. Plantas da Central da Vila

19 Turbina parcialmente soterrada na referida central, em ruínas, onde se pode ler a inscrição: S. A. TH. BELL & CIE. KRIENS NRº 995 SUISSE Em 1912, devido à procura que a luz elétrica começava a ter, o primeiro grupo gerador foi substituído por duas turbinas centrípetas, do tipo Francis, com a potência de 100 cavalos cada, 600 rpm., queda de 26 metros de altura e 300 l/s, construídas por Theodore Bell & Cie., Kriens, Lucerne, Suíça, tendo-lhe sido atribuídos os números 995 e 996. Estas turbinas estavam diretamente ligadas a alternadores trifásicos de 54 kva, 3000 volts, 50 Hz, com os números: 6272 DG IV E 3421 DG IV, construídos pela Société d Electricité Alioth, Suíça. Sabe-se que as referidas turbinas chegaram a São Miguel em Agosto de 1912, sendo a sua montagem efetuada no mês seguinte. Esta Fábrica da Luz esteve em funcionamento até Fontes primárias Os documentos consultados abrangem o período de 1899 a 1912 e fazem parte do Arquivo do Engenheiro José Cordeiro, Família Cordeiro e Empreza de Electricidade e Gás, acondicionados no Arquivo Histórico do Grupo EDA. CÁTIA CANTO 19

20 Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), estima-se que 2,34 milhões de pessoas morrem todos os anos em virtude de acidentes e doenças relacionadas com o trabalho. A OIT estima, também, que todos os anos ocorrem 160 milhões de casos de doenças não mortais ligadas à atividade profissional. Como se constata pelos números apresentados, se os trabalhadores durante a sua vida profissional não tomarem as devidas precauções, poderão sofrer as consequências na sua integridade física, limitando a sua qualidade de vida e bem-estar, assim como dos seus familiares. A Empresa de Eletricidade dos Açores tem vindo, ao longo dos anos, a promover uma melhoria contínua das condições nos locais de trabalho, permitindo que os trabalhadores executem as suas tarefas diárias em segurança, de modo a evitar os acidentes de trabalho e doenças profissionais. A EDA tem vindo a ministrar ações de formação de Higiene e Segurança no Trabalho aos seus trabalhadores, de forma a aumentar as suas competências e disponibiliza também equipamentos de segurança, com a finalidade de serem utilizados para a sua proteção em função dos riscos existentes na sua atividade laboral diária. Resta-me apelar aos trabalhadores o uso dos meios que a EDA coloca à disposição, de modo a evitar os acidentes de trabalho e doenças profissionais. CARLOS PIRES DOS SANTOS GRHUM/PRSEG 20

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

entre o Senhor Secretário Regional da Economia, Vasco Cordeiro, e o Senhor Ministro da Economia e Trabalho, Álvaro dos Santos Pereira, tendo

entre o Senhor Secretário Regional da Economia, Vasco Cordeiro, e o Senhor Ministro da Economia e Trabalho, Álvaro dos Santos Pereira, tendo Exma. Senhora Presidente da Assembleia Ex. mas Senhoras e Senhores Deputados. Ex. mo Senhor Presidente do Governo, Senhoras e Senhores membros do Governo, Foi no dia 18 Agosto de 2011, em Lisboa, que ocorreu

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

Prevenção de incêndios

Prevenção de incêndios Prevenção de incêndios 1 Prevenção de incêndios Entre 2008 e 2013, os falsos alarmes de incêndio nos centros comerciais da Sonae Sierra dispararam entre 5.000 a 7.000 vezes por ano. Mesmo não pondo em

Leia mais

Apresentação ecoinside

Apresentação ecoinside Documento compatível com caracteres ecofont - reduzindo o consumo do seu tinteiro em mais de 20%. Mais informações e download gratuito em www.ecofont.com Apresentação ecoinside Eco-Empreendedorismo: Ideias

Leia mais

O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR

O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR INFORME-SE BEM PARA DECIDIR BEM Uma iniciativa: LIGUE 808 100 808 VISITE WWW.ESCOLHAASUAENERGIA.PT FALE COM A SUA EMPRESA DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL Parceiros: MINISTÉRIO

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

1.1 Enquadramento... 5. 1.2 Objetivo e Definição... 5. 1.3 Vantagens... 6. 1.4 Critérios para Acreditação... 7. 1.5 Processo de Acreditação...

1.1 Enquadramento... 5. 1.2 Objetivo e Definição... 5. 1.3 Vantagens... 6. 1.4 Critérios para Acreditação... 7. 1.5 Processo de Acreditação... ÍNDICE 1 O Sistema de Acreditação de Produtos Eco 2 Seia... 5 1.1 Enquadramento... 5 1.2 Objetivo e Definição... 5 1.3 Vantagens... 6 1.4 Critérios para Acreditação... 7 1.5 Processo de Acreditação...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento para o exercício de 2014 Preâmbulo O Plano de Atividades do ano de 2014 foi elaborado de acordo com as expetativas dos

Leia mais

do Orçamento Familiar

do Orçamento Familiar Iniciativa Sessões de esclarecimento para consumidores Parceria Gestão MUDAR DE COMERCIALIZADOR DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL do Orçamento Familiar Susana Correia Olhão 4, Fevereiro de 2013 Liberalização

Leia mais

Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo

Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo Por Elisabete Rodrigues 17 de Maio de 2013 09:05 Comentar A plataforma de demonstração de energia solar que

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES. Moção Sectorial

XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES. Moção Sectorial XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES Moção Sectorial Investigação, Desenvolvimento e Inovação (ID&I) - Potenciar a Sociedade do Conhecimento nos Açores O trinómio Investigação, Desenvolvimento

Leia mais

Manual da Marca Priolo

Manual da Marca Priolo 2015 Manual da Marca Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo ÍNDICE RESUMO 01 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade de criação da Marca Priolo 02 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) 2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) Azucena de la Cruz Martin Gabinete CETS Terra do Priolo 01-01-2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural Perguntas e respostas frequentes Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural 1. O que significa a extinção das tarifas reguladas? A extinção de tarifas reguladas significa que os preços de

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS > MENSAGEM DE BOAS VINDAS A (DPE), da (DREQP), inicia, com o primeiro número desta Newsletter, um novo ciclo de comunicação e aproximação ao público em geral e, de forma particular, aos seus parceiros

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5 Regulamento de utilização das instalações de Incubação Índice ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5 IV INSTALAÇÃO

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo:

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: no Alojamento, para banhos, cozinha e limpezas nos Serviços, para limpezas, lavagem de

Leia mais

I CORPOS DE BOMBEIROS

I CORPOS DE BOMBEIROS I CORPOS DE BOMBEIROS Artigo 1 PESSOAL A Quadro de Comando 1-Nomeações 2-Exonerações 3-Renomeações 4-Licenças O CORPO DE BOMBEIROS DA MADALENA: Que, no período de 01 a 31de JUL10, esteve em gozo de licença,

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS ACTIVOS DAS EMPRESAS DE HOTELARIA E RESTAURAÇÃO 2011/2012

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS ACTIVOS DAS EMPRESAS DE HOTELARIA E RESTAURAÇÃO 2011/2012 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

Corinthia Hotel Lisbon - Hotel Energeticamente Eficiente

Corinthia Hotel Lisbon - Hotel Energeticamente Eficiente Corinthia Hotel Lisbon - Hotel Energeticamente Eficiente 1 Corinthia Hotel Lisbon - Hotel Energeticamente Eficiente O Corinthia Hotel Lisbon está implementado num edifício com mais de 30 anos em que a

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 Quais os Instrumentos regionais para apoiar as empresas dos Açores? Competir + Apoios contratação de RH

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Ano lectivo 2011-2012 Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Concurso do Ano Internacional da Juventude - Inovação/Energias renováveis Escola Secundária Anselmo de Andrade Projecto elaborado

Leia mais

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria 7 de Maio 2013 O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria Realidade da SST em Portugal Parte I A realidade das empresas em SST pode ser analisada com base nos dados conhecidos sobre:

Leia mais

Ganhar o Futuro com (a) Educação

Ganhar o Futuro com (a) Educação Começo por congratular todos os deputados, na pessoa da nossa Presidente, e, todos os membros do XI Governo, na pessoa do seu Presidente, certa que em conjunto faremos um trabalho profícuo para bem das

Leia mais

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010 Apresentação de Resultados 2009 10 Março 2010 Principais acontecimentos de 2009 Conclusão da integração das empresas adquiridas no final de 2008, Tecnidata e Roff Abertura de Centros de Serviços dedicados

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

AÇOREANA RISK MANAGEMENT. aos acidentes, perderam-se 556 dias, num total de 91.600 trabalhados,

AÇOREANA RISK MANAGEMENT. aos acidentes, perderam-se 556 dias, num total de 91.600 trabalhados, Tiragem: 17280 Pág: 22 ID: 53404026 11-04-2014 R REPORTAGEM Âmbito: Economia, Negócios e. Área: 23,95 x 27,47 cm² Corte: 1 de 2 AÇOREANA RISK MANAGEMENT Gestão de risco ajuda a maximizar resultados I Campus

Leia mais

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda.

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda. Programa do XI Governo Regional dos Açores Política Ambiental Senhora Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do Governo, Na Resolução que adotou a histórica

Leia mais

Uma iniciativa: CONCURSO DE IDEIAS SETOR ENERGÈTICO. Regulamento. Com o apoio:

Uma iniciativa: CONCURSO DE IDEIAS SETOR ENERGÈTICO. Regulamento. Com o apoio: Uma iniciativa: CONCURSO DE IDEIAS SETOR ENERGÈTICO Regulamento Com o apoio: Regulamento do concurso para a conceção de um produto inovador na área da Energia Renovável - Fotovoltaico, CPV, gestão da energia

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH

PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH Ano 2015 24 de Setembro Aprovação, por maioria absoluta, em sede de Assembleia Geral, das Adendas aos Relatórios de Atividades e Contas de 2013 e 2014. 17 de Abril - Aprovação,

Leia mais

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 Tema de Pesquisa: Internacional 07 de Dezembro de 2012 Revista de Imprensa 07-12-2012 1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 2. (PT) -

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Ilustração de Antónia Tinturé Associação Zoófila Portuguesa, março de 2014 1 Índice Enquadramento... 2 Qualidade dos Serviços e gestão internaerro! Marcador não definido. Abrangência e divulgação... 7

Leia mais

Educação Física e Desporto Escolar ÍNDICE 1. OBJECTIVOS...2 2. PROGRAMA...3 3. PARTICIPANTES...7 4. ORÇAMENTO...9 5. CONCLUSÕES...

Educação Física e Desporto Escolar ÍNDICE 1. OBJECTIVOS...2 2. PROGRAMA...3 3. PARTICIPANTES...7 4. ORÇAMENTO...9 5. CONCLUSÕES... DIRECÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO RELATÓRIO Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Cultura Direcção Regional da Educação Física e Desporto SEMINÁRIO Educação Física

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Fórum 2014 Porto Casa da Música. www.it4legal.org

Fórum 2014 Porto Casa da Música. www.it4legal.org Porto Casa da Música www.it4legal.org Porto Casa da Música IT4Legal Quem Somos IT4Legal é um grupo informal dedicado à partilha e divulgação de informação acerca de sistemas de informação nas sociedades

Leia mais

Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização. Newsletter 3

Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização. Newsletter 3 Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização Newsletter 3 Setembro 2014 Introdução O Projeto Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização

Leia mais

Produza a sua própria energia

Produza a sua própria energia Produza a sua própria energia CONTEÚDO ENERGIAFRICA QUEM SOMOS A NOSSA MISSÃO SERVIÇOS AS NOSSAS SOLUÇÕES SOLARES PROJECTO MODULO VIDA PORTEFÓLIO MAIS ENERGIA RENOVÁVEL, MAIS VIDA PARA O PLANETA www.energiafrica.com

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL ADITAMENTO

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL ADITAMENTO ADITAMENTO 27 de abril de 2015 GLINTT GLOBAL INTELLIGENT TECHNOLOGIES, S.A. Sociedade Aberta Sede Social: Beloura Office Park, Edifício 10, Quinta da Beloura, 2710-693 Sintra Capital Social: 86.962.868,00

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

ControlVet Segurança Alimentar, SA.

ControlVet Segurança Alimentar, SA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A ControlVet Segurança Alimentar, S.A. é uma empresa de referência nacional na prestação de serviços de segurança alimentar, em franca expansão

Leia mais

SESSÃO "SEMANA EUROPEIA DA ENERGIA SUSTENTÁVEL 2015" RELATÓRIO FINAL

SESSÃO SEMANA EUROPEIA DA ENERGIA SUSTENTÁVEL 2015 RELATÓRIO FINAL SESSÃO "SEMANA EUROPEIA DA ENERGIA SUSTENTÁVEL 015" RELATÓRIO FINAL ENQUADRAMENTO No âmbito da Semana Europeia da Energia Sustentável (15 a 19 de Junho de 015),, a Câmara Municipal de Lisboa e a Lisboa

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

ÍNDICE SERTÃ... 4 COMPROMISSOS... 5 MIRADOURO DE S. MACÁRIO... 7 JARDIM DE CERNACHE DO BONJARDIM... 10

ÍNDICE SERTÃ... 4 COMPROMISSOS... 5 MIRADOURO DE S. MACÁRIO... 7 JARDIM DE CERNACHE DO BONJARDIM... 10 1 BoPS Sertã ÍNDICE SERTÃ... 4 COMPROMISSOS... 5 Governança... 5 Pacto de Autarcas... 5 Referências de Excelência... 6 MIRADOURO DE S. MACÁRIO... 7 Investimento... 8 Indicadores... 9 JARDIM DE CERNACHE

Leia mais

A sustentabilidade nas compras públicas. Paula Trindade LNEG

A sustentabilidade nas compras públicas. Paula Trindade LNEG A sustentabilidade nas compras públicas Paula Trindade LNEG SEMINÁRIO SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA NAS COMPRAS PÚBLICAS 12 Novembro 2013 Caldas da Raínha Estrutura da apresentação - O que são compras sustentáveis

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais

Área de HST. 2 as JORNADAS AÇORES SEGURAMENTE. Nesta Newsletter...

Área de HST. 2 as JORNADAS AÇORES SEGURAMENTE. Nesta Newsletter... JANEIRO 2015 View this email in your browser Nesta Newsletter... 1. 2 as Jornadas Açores Seguramente 2. Protocolo Universidade de Santiago - Cabo Verde 3. Eficiência energética em projecto de unidade industrial

Leia mais

Empreender para Crescer

Empreender para Crescer Empreender para Crescer R. Miguel Coelho Chief EntusiastPersonalBrands Caros Pais e Encarregados de Educação, este ano lectivo, por iniciativa da Assoc. Pais do Colégio, vai iniciar-se em Novembro uma

Leia mais

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade Tecnologia nacional potencia sustentabilidade 1 Tecnologia nacional potencia sustentabilidade O desenvolvimento de soluções inovadoras que melhoram a eficiência das organizações e a qualidade de vida das

Leia mais

A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de

A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos. Essa energia pode então ser

Leia mais

Case study. LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA

Case study. LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA Case study 2010 LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA A Siemens está em Portugal há 105 anos, sendo líder nos seus sectores de Indústria, Energia e Saúde. Com cerca de 2 mil colaboradores,

Leia mais

1 - Rádio Ocidente.pt, 29-10-2010, Mais de cem empresas criadas pela DNA Cascais desde 2006. 2 - Diário Económico, 28-10-2010, A não perder

1 - Rádio Ocidente.pt, 29-10-2010, Mais de cem empresas criadas pela DNA Cascais desde 2006. 2 - Diário Económico, 28-10-2010, A não perder Revista de Imprensa 08-11-2010 DNA 1 - Rádio Ocidente.pt, 29-10-2010, Mais de cem empresas criadas pela DNA Cascais desde 2006 2 - Diário Económico, 28-10-2010, A não perder 3 - Diário Económico, 28-10-2010,

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Eólicas aceitam mudanças, solares na expecativa

Eólicas aceitam mudanças, solares na expecativa Eólicas aceitam mudanças, solares na expecativa Tiragem: 14985 Pág: 4 Área: 27,11 x 32,99 cm² Corte: 1 de 5 São conhecidas algumas medidas, mas não todas. O sector sente-se parado, mas tem esperança que

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE. MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica

Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE. MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica A Megajoule Criada em Fevereiro de 2004 contando os seus fundadores com mais de 10 anos de experiência na

Leia mais

Comunicado. Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014

Comunicado. Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014 Comunicado Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014 Para efeitos da determinação das tarifas e preços de gás natural a vigorarem entre julho de 2013 e junho de 2014, o Conselho de Administração

Leia mais

G Ferro fundido S Aço. B Condensação E Thermostream K Standard

G Ferro fundido S Aço. B Condensação E Thermostream K Standard Nomenclatura das caldeiras Buderus Exemplo: caldeira em ferro fundido (G) de condensação (B) potência entre 200kW a 400kW (4) de modelo original (0) estanque e queimador a gás (2) Logano Tipo de caldeira

Leia mais

MEDIA KIT 2015 REVISTA TÉCNICA DE ENGENHARIA, GESTÃO E ECONOMIA DO AMBIENTE. www.industriaeambiente.pt

MEDIA KIT 2015 REVISTA TÉCNICA DE ENGENHARIA, GESTÃO E ECONOMIA DO AMBIENTE. www.industriaeambiente.pt MEDIA KIT 2015 REVISTA TÉCNICA DE ENGENHARIA, GESTÃO E ECONOMIA DO AMBIENTE www.industriaeambiente.pt Porquê anunciar na Indústria e Ambiente? A Indústria e Ambiente é uma revista técnica de engenharia,

Leia mais

1 Newsletter. Março-Maio 2015 RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) 3500-211 VISEU

1 Newsletter. Março-Maio 2015 RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) 3500-211 VISEU 1 Newsletter 1. Quem Somos 2. Objetivos 3. Os Parceiros 4. Inauguração do Gabinete de Apoio - BEIRA AMIGA 5. Visita ao Gabinete de Inserção Profissional (da UGT) 6. Participação no Brainstorming Setorial

Leia mais

CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12. Assunto: Protocolo ERSE CCP. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12. Assunto: Protocolo ERSE CCP. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12 Assunto: Protocolo ERSE CCP Exmos. Senhores, Através da circular 40/2012, a CCP deu conhecimento do protocolo celebrado com a ERSE e que teve por objectivo reforçar

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais