2) Uma solução de 5,00 g de ácido acético, CH 3 COOH, em 100 g de benzeno congela a 3,37

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2) Uma solução de 5,00 g de ácido acético, CH 3 COOH, em 100 g de benzeno congela a 3,37"

Transcrição

1 Química Geral e Experimental II Soluções e propriedades coligativas Resolução comentada de exercícios selecionados versão colig_v3_2005 Prof. Fabricio R. Sensato 1) Qual o ponto de ebulição de uma solução constituída por 15,0 g de CCl 3 e 0,515 g do composto não-volátil acenaftaleno, C 12 10, encontrado no alcatrão do carvão? 2) Uma solução de 5,00 g de ácido acético, C 3 COO, em 100 g de benzeno congela a 3,37 o C. Uma solução de 5,00 g de ácido acético em 100 g de água congela a -1,49 o C. Achar a massa molar do ácido acético a partir de cada experiência. O que se pode concluir sobre o estado das moléculas de ácido acético dissolvido em cada solvente? (3) (a) Qual o efeito da adição de um soluto não-volátil sobre i) o ponto de ebulição; ii) o ponto de congelamento e (iii) a pressão de vapor de um líquido? (b) Justifique, em nível molecular, como a presença do soluto influencia o ponto de ebulição e a pressão de vapor do líquido; (c) O efeito da adição de uma dada quantidade de soluto sobre o ponto de ebulição é maior no caso da água ou do benzeno? 4) Se quantidades iguais de NaCl e CaCl 2 forem dissolvidas em água, o sal de cálcio provoca um abaixamento crioscópico que é cerca de 1,5 vez o que é provocado pelo NaCl. Por quê? (5) O antraceno é um hidrocarboneto que se obtém do carvão. A fórmula empírica do antraceno é C 7 5. Para determinar-se a sua fórmula molecular, dissolve-se 0,500 g em 30,0 g de benzeno. O ponto de ebulição do benzeno puro é 80,10 o C e o da solução é 80,34 o C. Qual a fórmula molecular do antraceno? 6) O hidroxianisol butilado (sigla inglesa BA) é usado como antioxidante na margarina e em outras gorduras e óleos; impede a oxidação e prolonga o tempo de estocagem dos alimentos. Qual a massa molecular do BA sabendo-se que o ponto de ebulição da solução, com 0,640 g dissolvidos em 25,0 g de clorofórmio, é 62,22 o C. O ponto de ebulição normal do clorofórmio é 61,70 o C. 7) (1,0 ponto) O ponto de congelamento de uma solução de etanol (C 2 5 O) em água é - 16,0 o C. Qual a molalidade do álcool na solução? Qual a percentagem ponderal do álcool na solução? 8) Junta-se 0,255 g de um composto, alaranjado, cuja fórmula empírica é C 10 8 Fe, a 11,12 g de benzeno. O ponto de ebulição do benzeno passa de 80,10 o C para 80,26 o C. Qual a massa molar e qual a fórmula molecular do composto? (Lembre-se que enquanto a fórmula empírica mostra a razão mais simples possível entre os átomos em uma molécula, a fórmula molecular dá o número real de cada espécie de átomo em uma molécula. A fórmula molecular é determinada pela multiplicação da fórmula empírica por um número inteiro).

2 9) Organize as seguintes soluções aquosas na ordem dos pontos de ebulição crescentes. Justifique a sua resposta. (a) Etilenoglicol 0,20 m (não volátil e não eletrólito) (b) (N 4 ) 2 SO 4 0,12 m (c) CaCl 2 0,10 m (d) KNO 3 0,12 m (10) Uma solução aquosa que contém 1,00 g de insulina de boi (uma proteína não-ionizável) por litro, tem pressão osmótica de 3,1 mmg, a 25 o C. Calcule a massa molecular da insulina de boi. 11) Organize as seguintes soluções aquosas na ordem (i) da pressão de vapor crescente e (ii) do ponto de ebulição crescente. (a) OC 2 C 2 O 0,35 m (um soluto não-volátil e não eletrólito) (b) Açúcar 0,50 m (um soluto não-volátil e não eletrólito) (c) KBr 0,20 m (d) Na 2 SO 4 0,20 m

3 1) Qual o ponto de ebulição de uma solução constituída por 15,0 g de CCl 3 e 0,515 g do composto não-volátil acenaftaleno, C 12 10, encontrado no alcatrão do carvão? Resolução A temperatura de ebulição do clorofórmio puro, CCl 3, é 61,70 o C (ver, por exemplo, Tabela 14.3, Kotz & Treichel). A adição de um soluto eleva a temperatura de ebulição devido ao efeito ebulioscópico. A dependência entre a elevação da temperatura de ebulição e a concentração (molalidade) da solução é dada pela relação: em que K eb é a constante ebulioscópica do solvente (clorofórmio, 3,63 o C/m) e m é a molalidade da solução. A massa molar do C é 154,2 g/mol de tal forma que 0,515 g deste composto corresponde a A molalidade, m, da solução é, então, calculada: Assim, a correspondente elevação da temperatura de ebulição é: Como a temperatura de ebulição do clorofórmio puro é 61,70 o C, a temperatura de ebulição da solução constituída por 0,515 g de C dissolvidos em 15,0 g do solvente é 61,70 o C + 0,809 o C = 62,51 o C. 2) Uma solução de 5,00 g de ácido acético, C 3 COO, em 100 g de benzeno congela a 3,37 o C. Uma solução de 5,00 g de ácido acético em 100 g de água congela a -1,49 o C. Achar a massa molar do ácido acético a partir de cada experiência. O que se pode concluir sobre o estado das moléculas de ácido acético dissolvido em cada solvente? 1º caso: Ácido acético em benzeno: Através do abaixamento da temperatura de congelamento do benzeno pode-se determinar a molalidade da solução e, posteriormente, a massa molar do soluto (ácido acético). A temperatura de congelamento normal do benzeno puro é 5,50 o C (ver, por exemplo, Kotz & Treichel, Tabela 14.3). O abaixamento da temperatura de congelamento do benzeno está relacionada à molalidade da solução segundo a expressão abaixo

4 Como T f = (3,37 o C 5,50 o C) = -2,13 o C e K f (benzeno) = -5,12 o C/m, tem-se que a molalidade, m, da solução é: A molalidade revela que na solução há 0,416 mols do soluto em 1 kg de benzeno. Assim, em 100 g de benzeno (massa de solvente proposta pelo problema) haveria 0,0416 mols de ácido acético. Como todo o ácido acético presente no sistema corresponde a 5,00 g de ácido acético (ver enunciado do problema), pode-se calcular a massa molar do ácido (massa de 1 mol do ácido). Como 1 mol de C 3 COO corresponde a 129 g de C 3 COO, sua massa molar obtida pelo efeito crioscópico do ácido acético sobre o benzeno é 129 g/mol. 2º caso: Ácido acético em água O adição de 5,00 g de ácido acético à água provoca um abaixamento da temperatura de congelamento de -1,49 o C (-1,49 o C 0,0 o C). A constante crioscópica da água, K f, é de -1,86 o C/m. A molalidade da solução pode, então, ser determinada: Ou seja, em 1 kg da solução de ácido acético em benzeno há 0,801 mols do soluto. Em 100 gramas de água há, então, 0,0801 mols de ácido acético. Como tal quantidade corresponde a 5,00 gramas de ácido acético, a massa molar pode, então, ser calculada: Assim, a massa molar do ácido acético obtida pelo seu efeito crioscópico sobre a água é de 62,4 g/mol. Certamente, a massa molar de um soluto (ácido acético, neste exercício) não pode depender do meio em que este se encontra. O aparente conflito (120 g/mol em benzeno e 62,4 g/mol em água) reside no fato de que a propriedade coligativa (efeito crioscópico) reflete a quantidade de

5 partículas presentes na solução (transcrita pela molalidade de solução). Observe que a molalidade do 1º caso (0,416 mol/kg, solução de benzeno) é, praticamente, metade do valor obtido para o 2º caso (0,801 mol/kg, solução aquosa). Isto indica que o ácido acético em benzeno se dimeriza, ou seja, forma dímeros (devido, especialmente, às ligações de hidrogênio), segundo a equação química abaixo: 3 C C O O + 3 C C O O O efeito líquido de tal é a redução da quantidade de espécies em solução, pois duas moléculas de ácido acético se convertem em uma espécie dimerizada. Como na solução aquosa o ácido acético não se dimeriza, a concentração de espécies nesta solução é, praticamente, o dobra daquela prevista para a solução de benzeno. (3) (a) Qual o efeito da adição de um soluto não-volátil sobre i) o ponto de ebulição; ii) o ponto de congelamento e (iii) a pressão de vapor de um líquido? (b) Justifique, em nível molecular, como a presença do soluto influencia o ponto de ebulição e a pressão de vapor do líquido; (c) O efeito da adição de uma dada quantidade de soluto sobre o ponto de ebulição é maior no caso da água ou do benzeno? Resolução: (a) i) aumento a temperatura de ebulição; ii) diminuição da temperatura de congelamento e iii) diminuição da pressão de vapor do líquido. (b) A presença do soluto diminui a tendência de escape das moléculas do solvente para a fase gasosa, assim, diminuindo a pressão de vapor do líquido e, como conseqüência, demandando mais alta temperatura de ebulição. Em nível molecular, as espécies de soluto, especialmente aquelas na superfície do líquido, obstruem a passagem das moléculas do solvente para a fase vapor pois reduzem a área da superfície disponível para que se dê a evaporação do solvente (ver Kotz & Treichel, v.1, p. 451). Ainda, O aumento da temperatura de ebulição e o ocasionado pela adição de um solvente, pode ser interpretada em termos da desordem molecular que acompanha o processo de vaporização. O aumento da desordem de um sistema isolado é a força motriz de processos espontâneos. A pressão de vapor de um líquido (puro ou solução) reflete sua tendência de atingir um estado de maior desordem molecular, o qual é atingido quando o líquido se vaporiza para formar o gás mais desordenado. A presença do soluto confere adicional desordem ao líquido, tornando a solução mais desordenada que o líquido puro. Assim, como a desordem da solução é maior que a desordem do correspondente líquido puro, existe uma menor tendência da solução de formar o gás. Como conseqüência, a pressão de vapor da solução é menor que a pressão de vapor do líquido a uma dada temperatura, tal que a temperatura de ebulição deste é menor que a temperatura de ebulição daquele. (c) A elevação da temperatura de ebulição de um líquido promovida pela adição de um soluto pode ser calculada com a expressão: T eb = K eb m. Se a concentração do soluto for a mesma, o solvente que exibir maior valor de K eb sofrerá maior aumento em sua temperatura de ebulição. 3 C C O O O O C C 3

6 K eb ( 2 O) = 0,5121 o C/m e K eb (benzeno) = 2,53 o C/m. Assim, a maior variação de temperatura dar-se-á no benzeno. 4) Se quantidades iguais de NaCl e CaCl 2 forem dissolvidas em água, o sal de cálcio provoca um abaixamento crioscópico que é cerca de 1,5 vez o que é provocado pelo NaCl. Por quê? Resolução: Propriedades coligativas dependem da quantidade de soluto por massa de solvente. Tais sais (NaCl e CaCl 2 ) se dissociam em íons quando em solução aquosa e o fazem segundo as equações químicas: NaCl(s) + água Na + (aq) + Cl - (aq) CaCl 2 (s) + água Ca 2+ (aq) + 2Cl - (aq) Cada entidade de NaCl(s) que se dissolve, gera duas espécies em solução (dois íons), enquanto cada entidade de CaCl 2 (s) o faz gerando três espécies em solução (um íon Ca 2+ e dois íons Cl - ). Assim, a dissolução do CaCl 2 gera 1,5 mais espécies que o NaCl e, portanto, o efeito do CaCl 2 (s) sobre o abaixamento crioscópico é 1,5 vez aquele ocasionado pelo NaCl. (5) O antraceno é um hidrocarboneto que se obtém do carvão. A fórmula empírica do antraceno é C 7 5. Para determinar-se a sua fórmula molecular, dissolve-se 0,500 g em 30,0 g de benzeno. O ponto de ebulição do benzeno puro é 80,10 o C e o da solução é 80,34 o C. Qual a fórmula molecular do antraceno? Resolução Enquanto a fórmula empírica revela a razão mais simples possível entre os átomos numa molécula, a fórmula molecular dá o número real de cada espécie de átomo em uma molécula (ver Kotz & Treichel, v1, p. 88). Assim, conhecendo-se a fórmula empírica de uma molécula e sua massa molar pode-se determinar sua fórmula molecular. O problema se resume basicamente na determinação da massa molar do antraceno. O aumento da temperatura de ebulição, T eb, se relaciona à molalidade da solução segundo a expressão: T eb = K eb m Como T eb é conhecido (80,34 o C- 80,10 o C = 0,24 o C) e K eb também (2,53 o C/m), a molalidade pode ser facilmente calculada: m = T eb /K eb m = 0,24 o C/2,53 o C/m) m = 0,095 m Isto significa que a solução obtida com a adição de 0,500 g de antraceno a 30,0 g de benzeno é 0,095 molal, ou ainda, que na solução há 0,095 mols de antraceno para 1 kg de benzeno. Isto quer dizer que em 30,0 g de benzeno há Todo o antraceno encontrado em 30,0 g de benzeno (0,028 mols) é proveniente da massa de antraceno adicionada (0,500 g). Isto permite relacionar a massa de antraceno e sua quantidade correspondente e, então, obter sua massa molar (massa de 1 mol da substância)

7 A massa molar do antraceno é, portanto, 180 g/mol. Este resultado revela que a fórmula molecular do antraceno é distinta de sua fórmula empírica, pois se assim o fosse a massa molar do antraceno seria 89,1 g/mol (cálculo baseado nas massas atômicas do C e no C 7 5 ). Isto significa que a formula molecular possui o dobro de átomos (2 89,1 180) que a fórmula empírica e, portanto, a fórmula molecular do antraceno é C Compare a fórmula molecular do antraceno com sua estrutura molecular mostrada na Figura 1. Figura 1. Estrutura molecular do antraceno 6) O hidroxianisol butilado (sigla inglesa BA) é usado como antioxidante na margarina e em outras gorduras e óleos; impede a oxidação e prolonga o tempo de estocagem dos alimentos. Qual a massa molecular do BA sabendo-se que o ponto de ebulição da solução, com 0,640 g dissolvidos em 25,0 g de clorofórmio, é 62,22 o C. O ponto de ebulição normal do clorofórmio é 61,70 o C. Resolução Deve-se determinar qual é a quantidade de matéria (número de mols) de BA que corresponde à massa de 0,640 g de BA. Uma vez estabelecido tal relação pode-se calcular a massa de 1 mol de BA, ou seja, sua massa molecular. A variação da temperatura de ebulição de uma solução relaciona-se com sua concentração por: T b = K eb m em que K eb é constante ebulioscópica do solvente e m é a molalidade da solução. Assim, com a medida experimental de T é possível determinar a molalidade, m, da solução. Isto significa que em 1 kg de solvente (clorofórmio) há 0,14 mols de BA. Assim, em 25,0 g do solvente há: Esta quantidade corresponde à massa de 0,640 g de BA. Assim, a massa molecular (massa de 1 mol de BA) pode ser, então, calculada:

8 A massa molecular do BA é, desta forma, 1, g/mol 7) (1,0 ponto) O ponto de congelamento de uma solução de etanol (C 2 5 O) em água é - 16,0 o C. Qual a molalidade do álcool na solução? Qual a percentagem ponderal do álcool na solução? (Percentagem ponderal do componente A em uma mistura A + B, é a razão: Resolução O abaixamento da temperatura, T f, de congelamento de uma solução se relaciona a sua concentração, m (molalidade), como segue: T f = K f m em que K f é a constante crioscópica do solvente ( 2 O = -1,86 o C/m). Conhecendo-se T f e K f pode-se, então, determinar a molalidade da solução. Uma vez que a temperatura de congelamento da água pura é 0,0 o C, T f = -16,0 o C. Assim, Se a solução é 8,60 molal, há 8,60 mols de etanol por quilograma de água. A massa molar do etanol é 46,07 g/mol. Assim, 8,60 mols correspondem a massa de Ou seja, em uma solução 8,60 molal há 396 g de etanol por quilograma de água. A percentagem ponderal de etanol é, então, calculada: % de etanol = 28,4 % 8) Junta-se 0,255 g de um composto, alaranjado, cuja fórmula empírica é C 10 8 Fe, a 11,12 g de benzeno. O ponto de ebulição do benzeno passa de 80,10 o C para 80,26 o C. Qual a massa molar e qual a fórmula molecular do composto? (Lembre-se que enquanto a fórmula

9 empírica mostra a razão mais simples possível entre os átomos em uma molécula, a fórmula molecular dá o número real de cada espécie de átomo em uma molécula. A fórmula molecular é determinada pela multiplicação da fórmula empírica por um número inteiro). Resolução: A solução do problema exige que se determine qual a quantidade de substância (número de mols) que corresponde a 0,255 g do composto alaranjado. Conhecendo-se tal quantidade, pode-se, então, calcular a massa de 1 mol do composto, ou seja, sua massa molar. A aumento da temperatura de ebulição, T eb, de uma solução se relaciona com sua concentração (m, molalidade) por: T eb = K eb m em que K eb é a constante ebulioscópica do solvente (benzeno = +2,53 o C/m) A molalidade da solução pode então ser calculada conhecendo-se T eb (80,26 o C 80,10 o C = 0,16 o C) e K eb. Isto significa que em 1 kg de benzeno há 0,063 mols do composto desconhecido. Portanto, em 11,12 g (0,01112 kg) do solvente, há A quantidade 7, mols corresponde à massa de 0,255 g do composto desconhecido. A massa de 1 mol (massa molar) pode, então, ser calculada: Ou seja, a massa molar do composto alaranjado é 360 g/mol Se a fórmula molecular do composto alaranjado fosse igual a sua fórmula empírica, C 10 8 Fe, sua massa molar seria 184,0 g/mol, ou seja, praticamente metade do valor determinado pela medida ebuliscópica. Isto significa que a fórmula molecular do composto alaranjado é duas vezes sua fórmula empírica e, portanto, C Fe 2. 9) Organize as seguintes soluções aquosas na ordem dos pontos de ebulição crescentes. Justifique a sua resposta. (a) Etilenoglicol 0,20 m (não volátil e não eletrólito) (b) (N 4 ) 2 SO 4 0,12 m (c) CaCl 2 0,10 m (d) KNO 3 0,12 m

10 Resolução A temperatura de ebulição de uma solução depende marcadamente da quantidade de espécies do soluto dissolvidas no solvente. O aumento da temperatura de ebulição (elevação ebulioscópica) de um líquido está relacionado à concentração da solução de acordo com a expressão: T eb = K eb m em que K eb é a constante ebulioscópica do solvente e m é a molalidade da solução. Nos casos propostos, o solvente é a água e, portanto, o valor de K eb é o mesmo para todas as soluções consideradas. Assim, o valor de T eb depende somente de m. Entretanto, se o soluto sofre dissociação, tal fenômeno deve também ser considerado uma vez que o processo aumenta o número de espécies do soluto em solução. O etilenoglicol não se dissocia apreciavelmente em água e, portanto, a molalidade de espécies é igual à molalidade do soluto: 0,20 m Etilenoglicol (l) + água etilenoglicol(aq) Todas as demais substâncias se dissociam em água conforme as equações químicas: (b) (N 4 ) 2 SO 4 (s) + água 2N 4 - (aq) + SO 4 - (aq) (c) CaCl 2 (s) + água Ca 2+ (aq) + 2Cl - (aq) (d) KNO 3 (s) + água K + (aq) + NO 3 - (aq) Como um (N 4 ) 2 SO 4 se converte em 3 espécies em solução, a concentração de espécies em solução torna-se (3 0,12m) = 0,36m. CaCl 2 também gera três espécies em solução e, portanto, a concentração de espécies na solução será (3 0,10m) = 0,30m. Entretanto, KNO 3 gera apenas 2 espécies em solução para cada espécie do soluto. Assim, a correspondente concentração é (2 0,12m) = 0,24m. Quanto maior a concentração de espécies de soluto no solvente, mais alto será o ponto de ebulição e, portanto, as soluções dispostas em ordem crescente de ponto de ebulição será: Etilenoglicol < KNO 3 < CaCl 2 < (N 4 ) 2 SO 4 (10) Uma solução aquosa que contém 1,00 g de insulina de boi (uma proteína não-ionizável) por litro, tem pressão osmótica de 3,1 mmg, a 25 o C. Calcule a massa molecular da insulina de boi. Resolução A pressão osmótica se relaciona a pressão segundo a equação: Π = crt em que Π é a pressão osmótica, c é a concentração (mol/l), R é a constante dos gases ideais (0, atmlmol - 1K -1 ) e T é a temperatura absoluta (Kelvin). Como Π, R e T são conhecidos, a concentração de insulina, c, pode ser calculada diretamente. O valor da concentração informa qual é a quantidade de matéria (número de mols) de insulina em 1 litro da solução aquosa. Ainda, é conhecido que em 1 L de solução há 1,00 g de insulina. Assim, a quantidade de insulina que houver em 1L da solução corresponde à massa de 1,00 g de insulina. Desta relação, calcula-se a massa molecular (massa de 1 mol) da insulina. A concentração é obtida, então, pela expressão: c = RT/Π

11 (Π = 3,2 mmg = 0,0042 atm (760 mmg = 1 atm) e T = = 298 K) c = 0,0042 atm/( 0, atmlmol -1 K K) c = 1, mol/l Isto significa que 1, mol de insulina pesa 1,00 g. A massa de 1 mol (massa molecular) é, então, calculada: Assim, a massa molar da insulina de boi é 5, g/mol 11) Organize as seguintes soluções aquosas na ordem (i) da pressão de vapor crescente e (ii) do ponto de ebulição crescente. (a) OC 2 C 2 O 0,35 m (um soluto não-volátil e não eletrólito) (b) Açúcar 0,50 m (um soluto não-volátil e não eletrólito) (c) KBr 0,20 m (d) Na 2 SO 4 0,20 m Resolução: As propriedades coligativas (elevação da temperatura de ebulição, diminuição da temperatura de congelamento, diminuição da pressão de vapor e efeito osmótico) dependem essencialmente da quantidade de entidades dissolvidas na solução. Assim, a solução que contiver a maior quantidade de espécies dissolvidas (para uma mesma massa de um mesmo solvente), exibirá o maior efeito coligativo. Entretanto, é necessário considerar a dissociação do soluto no cômputo das espécies presentes em solução. Como o OC 2 C 2 O e o açúcar são solutos não-eletrólitos, eles não se dissociam em água e, como conseqüência, a concentração de espécies na solução é igual a concentração do próprio sal. Já o KBr e o Na 2 SO 4 se dissociam conforme as equações químicas abaixo: KBr + água K + (aq) + Br - (aq) Na 2 SO 4 + água 2Na + (aq) + SO 4 2- (aq) Assim, a concentração de espécies geradas na dissociação do KBr é o dobro da concentração do sal e, portanto, igual a 0,40 m (0,20 m 2). Para o Na 2 SO 4, a concentração das espécies em solução é o triplo da concentração do sal (veja equação química de dissociação) e, portanto, 0,60 m (0,20 m 3). Desta maneira, a concentração de espécies em cada solução é OC 2 C 2 O = 0,35 m Açúcar = 0,50 m KBr = 0,40 m Na 2 SO 4 = 0,60 m i) pressão de vapor em ordem crescente: quanto maior a concentração de espécies em solução, menor é a pressão de vapor do solvente. Assim, a ordem crescente de pressão de vapor será: Na 2 SO 4 < açúcar < KBr < OC 2 C 2 O

12 ii) ponto de ebulição em ordem crescente: quanto maior a concentração de espécies em solução, maior será o ponto de ebulição: Assim, a ordem crescente de pontos de ebulição será: OC 2 C 2 O < KBr < açúcar < Na 2 SO 4

a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica).

a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica). 01 a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica). b) Incorreta. Quanto mais volátil o líquido, menor será

Leia mais

pressão (atm) temperatura( C)

pressão (atm) temperatura( C) pressão (atm) T temperatura( C) 01) No diagrama de fases da água: 760 Pressão (mmhg) ta tb ta ( C) As temperaturas ta e tb são, respectivamente: a) pontos normais de fusão e ebulição. b) pontos normais

Leia mais

As propriedades coligativas não dependem da natureza química do soluto, mas apenas do número de partículas do soluto presente em relação ao total.

As propriedades coligativas não dependem da natureza química do soluto, mas apenas do número de partículas do soluto presente em relação ao total. ula: 17 Temática: Propriedades Coligativas das Soluções s propriedades coligativas não dependem da natureza química do soluto, mas apenas do número de partículas do soluto presente em relação ao total.

Leia mais

Propriedade Coligativas das Soluções

Propriedade Coligativas das Soluções Capítulo 9 Propriedade Coligativas das Soluções 1. (IME) Um instrumento desenvolvido para medida de concentração de soluções aquosas não eletrolíticas, consta de: a) um recipiente contendo água destilada;

Leia mais

Disciplina de Físico Química I - Tipos de Soluções Propriedades Coligativas. Prof. Vanderlei Inácio de Paula contato: vanderleip@anchieta.

Disciplina de Físico Química I - Tipos de Soluções Propriedades Coligativas. Prof. Vanderlei Inácio de Paula contato: vanderleip@anchieta. Disciplina de Físico Química I - Tipos de Soluções Propriedades Coligativas. Prof. Vanderlei Inácio de Paula contato: vanderleip@anchieta.br Misturas - soluções A grande maioria dos sistemas encontrados

Leia mais

As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21)

As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21) As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21) I Introdução Em Química, solução é o nome dado a dispersões cujo tamanho das moléculas dispersas é menor que 1 nanometro (10 Angstrons). A solução ainda pode

Leia mais

SOLUÇÕES SOLUÇÕES MISTURAS

SOLUÇÕES SOLUÇÕES MISTURAS MISTURAS SOLUÇÕES Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos uma mistura. Exemplos: Mistura de

Leia mais

Solubilidade & Unidades de Concentração

Solubilidade & Unidades de Concentração Solubilidade & Unidades de Concentração Introdução Como se formam as soluções? Qual é o mecanismo de dissolução? Para responder essas questões devemos estudar as alterações estruturais que ocorrem durante

Leia mais

3 Propriedades Coligativas

3 Propriedades Coligativas 3 Propriedades Coligativas 1 Introdução É bastante comum as pessoas adicionarem sal à água que será utilizada no cozimento de alimentos. Com a adição de sal de cozinha, a água demora mais tempo para entrar

Leia mais

André Silva Franco ASF EOQ Escola Olímpica de Química Julho de 2011

André Silva Franco ASF EOQ Escola Olímpica de Química Julho de 2011 André Silva Franco ASF EOQ Escola Olímpica de Química Julho de 2011 Solução Uma solução é uma mistura homogênea de soluto (presente em menor quantidade) e solvente (presente em maior quantidade). Os solutos

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS

PROPRIEDADES COLIGATIVAS RORIEDADES COLIGAIVAS O artigo abaixo trata de um tema extremamente cobrado nas provas do IME e do IA dos últimos anos. Em nosso site já existem dois outros artigos com exercícios sobre esse assunto e

Leia mais

Aula 19 PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes

Aula 19 PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes Aula 19 PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES META Apresentar os fatores que influenciam no processo de dissolução. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: reconhecer um processo de dissolução; identificar

Leia mais

SOLUÇÕES. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas heterogêneas possuem duas ou mais fases distintas.

SOLUÇÕES. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas heterogêneas possuem duas ou mais fases distintas. QUÍMICA PROF - 3C13 SOLUÇÕES As misturas podem ser homogêneas ou heterogêneas. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas heterogêneas possuem duas ou mais fases distintas. Solução é

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 Estudo das dispersões Definição, classificação, estudo dos coloides, coeficiente de solubilidade... 1 Módulo 2 Concentração de soluções... 3 Módulo 3 Propriedades

Leia mais

Propriedades Coligativas Aula 3

Propriedades Coligativas Aula 3 Propriedades Coligativas Aula 3 Um efeito coligativo é uma modificação em certas propriedades de um solvente quando nele adicionados um soluto não-volátil, o qual só depende do número de partículas (moléculas

Leia mais

03/04/2016 AULAS 11 E 12 SETOR A

03/04/2016 AULAS 11 E 12 SETOR A AULAS 11 E 12 SETOR A 1 Propriedade coligativa das soluções: são aquelas que depende unicamente do número de partículas dissolvidas. Ou seja: a adição de um soluto não-volátil a uma solução provoca mudanças

Leia mais

Propriedades Coligativas

Propriedades Coligativas 1. Introdução Propriedades Coligativas Algumas propriedades do solvente mudam quando um soluto é dissolvido nele para formar uma solução. O ponto de congelamento da água salgada, por exemplo, é menor que

Leia mais

Propriedades Físicas das Soluções

Propriedades Físicas das Soluções Propriedades Físicas das Soluções Solução (def): é uma mistura homogénea de duas ou mais substâncias. Solvente: componente da solução do mesmo estado físico, por exemplo água numa solução aquosa Soluto:

Leia mais

Química C Extensivo V. 2

Química C Extensivo V. 2 Química C Extensivo V. 2 Exercícios 01) E 02) E Situação 1. Sistema heterogêneo solução saturada com corpo de fundo; 20 C = 46,5/100 g H 2 Na situação 1 há 80 g de soluto em 100 g de água a 20 C. excesso

Leia mais

Características e os efeitos das propriedades coligativas

Características e os efeitos das propriedades coligativas Características e os efeitos das propriedades coligativas O estudo das propriedades coligativas é um dos conteúdos mais importantes a serem estudados, pois facilita a compreensão de fenômenos químicos

Leia mais

SOLUÇÕES PROPRIEDADES COLIGATIVAS TERMODINAMICA II PROF. JAQUELINE SCAPINELLO

SOLUÇÕES PROPRIEDADES COLIGATIVAS TERMODINAMICA II PROF. JAQUELINE SCAPINELLO SOLUÇÕES PROPRIEDADES COLIGATIVAS TERMODINAMICA II PROF. JAQUELINE SCAPINELLO A SOLUÇÃO IDEAL Solução: mistura homogenia de espécies químicas (única fase) Solvente: constituinte em maior quantidade Soluto:

Leia mais

Aulas 13 e 14. Soluções

Aulas 13 e 14. Soluções Aulas 13 e 14 Soluções Definição Solução é a denominação ao sistema em que uma substância está distribuída, ou disseminada, numa segunda substância sob forma de pequenas partículas. Exemplos Dissolvendo-se

Leia mais

38 C 37 B 39 D. Sabendo-se que a amônia (NH 3. ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (CH 2.

38 C 37 B 39 D. Sabendo-se que a amônia (NH 3. ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (CH 2. QUÍMICA 37 B Sabendo-se que a amônia (N 3 ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água o diclorometano (C Cl ) não possui isômeros Sua molécula apresenta polaridade, devido

Leia mais

Propriedades Físicas das Soluções. Tipos de Soluções

Propriedades Físicas das Soluções. Tipos de Soluções Propriedades Físicas das Soluções Solução (def): é uma mistura homogênea de duas ou mais substâncias. Solvente: componente da solução do mesmo estado físico, por exemplo água numa solução aquosa. Soluto:

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) 3ª Série de Exercícios ESTADOS DA MATÉRIA Tomar (2003) 1 Estado

Leia mais

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira QUESTÃO 01 Neste quadro, apresentam-se as concentrações aproximadas dos íons mais abundantes em uma amostra de água típica dos oceanos e em uma amostra de água do Mar Morto: 1. Assinalando com um X a quadrícula

Leia mais

UNIDADES DE CONCENTRAÇÃO DAS SOLUÇÕES

UNIDADES DE CONCENTRAÇÃO DAS SOLUÇÕES UNIDADES DE CONCENTRAÇÃO DAS SOLUÇÕES Concentração Comum (C) ou Concentração massa/volume: é a razão estabelecida entre a massa do soluto (m 1 ) e o volume da solução (V); Geralmente: soluto (g) e solvente

Leia mais

Revisão para o Teste

Revisão para o Teste Revisão para o Teste PROPRIEDADES COLIGATIVAS # Mudanças de estado: *fusão e solidificação sólido < > líquido (solidificação ou congelamento) *ebulição e liquefação líquido < > gasoso *sublimação e resublimação

Leia mais

Propriedades coligativas I

Propriedades coligativas I Propriedades coligativas I 01. (Ufrn) Um béquer de vidro, com meio litro de capacidade, em condições normais de temperatura e pressão, contém 300 ml de água líquida e 100 g de gelo em cubos. Adicionando-se,

Leia mais

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP Agosto, 2005

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É uma Mistura Homogênia de 2 ou mais substâncias. Na Solução não ocorre uma reação química, porque não há formação de novas substâncias e não há alterações

Leia mais

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR Página 1 de 6 COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR Unidade Osasco. Processo Avaliativo Trabalho Bimestral 2º Bimestre/2014 Disciplina: Matemática - 2º Ano Período: Manhã Nome do aluno: Nº: Turma: O trabalho bimestral

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS

PROPRIEDADES COLIGATIVAS PROPRIEDADES COLIGATIVAS EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (FUVEST-SP) À mesma temperatura, comparando-se as propriedades da água pura e as soluções aquosas de cloreto de sódio, estas devem apresentar menor:

Leia mais

3213-0597 / 3243-1739 www.cursofiq.com.br

3213-0597 / 3243-1739 www.cursofiq.com.br 3213-0597 / 3243-1739 www.cursofiq.com.br Profª Helena Bonaparte Soluções : Concentração, diluição, misturas e neutralização. Unidades de concentração das soluções De acordo com a IUPAC, a quantidade de

Leia mais

Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico.

Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico. Exercícios de Equilíbrio químico e Misturas Meta Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico. Objetivos Ao final desta aula, o aluno deverá: compreender

Leia mais

Prof. Agamenon Roberto PROPRIEDADES COLIGATIVAS www.agamenonquimica.com 1

Prof. Agamenon Roberto PROPRIEDADES COLIGATIVAS www.agamenonquimica.com 1 Prof. Agamenon Roberto PROPRIEDADES COLIGATIVAS www.agamenonquimica.com 1 PROPRIEDADES COLIGATIVAS 01) (PUC-MG) Tendo em vista o momento em que um líquido se encontra em equilíbrio com seu vapor, leia

Leia mais

Exercícios Sobre LigaÇões iônicas

Exercícios Sobre LigaÇões iônicas Exercícios Sobre LigaÇões iônicas Dados: 01. (Ufrj - adaptado) A caiação é um processo tradicionalmente utilizado na pintura de casas. Uma das maneiras de se preparar o pigmento consiste em misturar cal

Leia mais

Propriedades coligativas

Propriedades coligativas Química Aula de Revisão 9 3 os anos Décio ago/09 Nome: Nº: Turma: Propriedades coligativas Objetivo O objetivo dessa ficha é dar continuidade à revisão do 3º ano Química, dos assuntos mais significativos.

Leia mais

Claudi Cândia /Sara Regina. Aluno(a): PROVA COMENTADA

Claudi Cândia /Sara Regina. Aluno(a): PROVA COMENTADA QUÍMICA AVALIAÇÃO Claudi Cândia /Sara Regina Aluno(a): PROVA COMENTADA III UNIDADE Nota: Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D Data: 14/08/2015 1. A prova é composta de 07 questões abertas e 03

Leia mais

3º Bimestre. Química. Autor: Pedro L. S. Dias

3º Bimestre. Química. Autor: Pedro L. S. Dias 3º Bimestre Autor: Pedro L. S. Dias SUMÁRIO UNIDADE III Inorgânica... 5 Capítulo 1... 5 1.1 Soluções... 5 1.2 Solubilidade... 8 1.3 Coeficiente de solubilidade e Curva de solubilidade... 10 1.4 Unidades

Leia mais

Propriedades coligativas

Propriedades coligativas As propriedades coligativas dependem da quantidade de moléculas de soluto. Já sabemos que a presença de soluto afeta as propriedades físicas do solvente, as propriedades coligativas de maior importância

Leia mais

Química Prof. Marcelo

Química Prof. Marcelo Química Prof. Marcelo PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1 Pressão de vapor 2 Pressão de vapor e mudança de estado 3- Tonoscopia 4- Crioscopia 5- Ebulioscopia 6 - Osmose e pressão osmótica PROPRIEDADES COLIGATIVAS

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

PREPARO DE SOLUÇÕES. Classificação das soluções com relação à quantidade de soluto dissolvido

PREPARO DE SOLUÇÕES. Classificação das soluções com relação à quantidade de soluto dissolvido PREPARO DE SOLUÇÕES Uma solução, no sentido amplo, é uma dispersão homogênea de duas ou mais substâncias moleculares ou iônicas. No âmbito mais restrito, as dispersões que apresentam as partículas do disperso

Leia mais

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA Prova boa, com questões claras e nível superior ao do ano passado. Nota-se, no entanto, a falta de uma revisão criteriosa, feita por algum professor da área, que não tenha

Leia mais

Lista de estequiometria 1. (Ufes) A decomposição térmica do carbonato de cálcio produz óxido de cálcio e dióxido de carbono. Decompondo-se 5,0g de carbonato de cálcio impuro e recolhendo-se todo o dióxido

Leia mais

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos SOLUÇÕES Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos uma MISTURA Quando na mistura tiver apenas

Leia mais

Mudanças de fase. Temperatura e pressão críticas Os gases são liquefeitos sob o aumento da pressão a uma temperatura.

Mudanças de fase. Temperatura e pressão críticas Os gases são liquefeitos sob o aumento da pressão a uma temperatura. Mudanças de fase Sublimação: sólido gás. Vaporização: líquido gás. Derretimento ou fusão: sólido líquido. Deposição: gás sólido. Condensação: gás líquido. Congelamento: líquido sólido. Mudanças de fase

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS

PROPRIEDADES COLIGATIVAS PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1- Pressão Máxima de Vapor: É a pressão exercida por seus vapores quando estes estão em equilíbrio dinâmico com o líquido. É bom lembrar também que quanto maior for a pressão máxima

Leia mais

SOLUÇÕES. Curvas de Solubilidade

SOLUÇÕES. Curvas de Solubilidade QUÍMICA SOLUÇÕES 1. INTRODUÇÃO Soluções são misturas homogêneas, ou seja, misturas entre dois ou mais componentes apresentando uma única fase. Exemplos: Água + Álcool Água + Sal + Açucar Curvas de Solubilidade

Leia mais

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas 2º ANO QUÍMICA 1 1 mol 6,02.10 23 partículas Massa (g)? Massa molar Cálculo do número de mols (n) Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não

Leia mais

PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14

PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14 PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14 Nome: Nº de Inscrição: Assinatura: Questão Valor Grau 1 a 2,0 2 a 2,0 3 a 2,0 4 a 2,0 5 a 2,0 Total 10,0 IMPORTANTE: 1) Explique e justifique a resolução de todas as questões.

Leia mais

H = +25,4 kj / mol Neste caso, dizemos que a entalpia da mistura aumentou em 25,4 kj por mol de nitrato de amônio dissolvido.

H = +25,4 kj / mol Neste caso, dizemos que a entalpia da mistura aumentou em 25,4 kj por mol de nitrato de amônio dissolvido. Lei de Hess 1. Introdução Termoquímica é o ramo da termodinâmica que estuda o calor trocado entre o sistema e sua vizinhança devido à ocorrência de uma reação química ou transformação de fase. Desta maneira,

Leia mais

COLIGATIVAS (LISTA-7)

COLIGATIVAS (LISTA-7) OLIGATIVAS (LISTA-7) ALUNO(A): Propriedades oligativas (rioscopia e Osmoscopia) 01 - (UEE/2009) Na Estação Antártica omandante Ferraz (EAF), na Antártica, os técnicos estão com um problema e, para resolvê-lo,

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE SOLUÇÕES

CONCENTRAÇÃO DE SOLUÇÕES CONCENTRAÇÃO DE SOLUÇÕES Definição de Solução: Uma solução é uma mistura homogênea de um soluto (substância a ser dissolvida) distribuída através de um solvente (substância que efetua a dissolução). Existem

Leia mais

ELETRÓLISE - TEORIA. Eletrólitos são condutores iônicos de corrente elétrica. Para que ocorra essa condução, é necessário:

ELETRÓLISE - TEORIA. Eletrólitos são condutores iônicos de corrente elétrica. Para que ocorra essa condução, é necessário: ELETRÓLISE - TEORIA Introdução Dentro do estudo de eletroquímica temos a eletrólise, que consiste num processo não-espontâneo, baseado na decomposição de uma espécie química (eletrólito) por uma corrente

Leia mais

RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL

RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL 5 ESTUDO DA MATÉRIA 1 DEFINIÇÕES Matéria é tudo que ocupa lugar no espaço e tem massa. Nem tudo que existe no universo e matéria. Por exemplo, o calor e

Leia mais

Soluções Químicas são misturas homogêneas de duas ou mais substâncias, onde o solvente aparece em maior quantidade e o soluto em menor quantidade. O estado de agregação do solvente é que determina o estado

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - Janeiro 2004-2ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 32

Processo Seletivo/UFU - Janeiro 2004-2ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 32 QUÍMICA QUESTÃO 31 Considerando a Tabela Periódica e as propriedades dos elementos químicos, assinale a alternativa correta A) Um metal é uma substância dúctil e maleável que conduz calor e corrente elétrica

Leia mais

Exercícios sobre Propriedades coligativas - Osmose

Exercícios sobre Propriedades coligativas - Osmose Exercícios sobre Propriedades coligativas - Osmose 01. (Pucsp) Osmose é a difusão do solvente através de uma membrana semipermeável do meio menos concentrado para o meio mais concentrado. A pressão osmótica

Leia mais

Termodinâmica Química

Termodinâmica Química Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

ABRA APENAS QUANDO FOR AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções: 1- Verifique se o seu caderno de provas possui 18 questões.

ABRA APENAS QUANDO FOR AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções: 1- Verifique se o seu caderno de provas possui 18 questões. Processo Seletivo 211 Modalidade B 3º Ano ABRA APENAS QUANDO FOR AUTORIZADO Leia atentamente as instruções: 1 Verifique se o seu caderno de provas possui 18 questões. 2 Verifique se recebeu o caderno de

Leia mais

Solubilidade. Ricardo Queiroz Aucélio Letícia Regina de Souza Teixeira

Solubilidade. Ricardo Queiroz Aucélio Letícia Regina de Souza Teixeira Ricardo Queiroz Aucélio Letícia Regina de Souza Teixeira Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Box 2. Estado da solução Estado do solvente Estado do soluto Exemplos

Box 2. Estado da solução Estado do solvente Estado do soluto Exemplos MISTURA E SOLUBILIDADE Box 2 Grande parte das substancias encontradas no dia-a-dia são misturas que sob o aspecto macroscópico apresentam-se com o aspecto homogêneo (uma única fase) ou heterogêneo (mais

Leia mais

QUÍMICA Propriedades coligativas

QUÍMICA Propriedades coligativas QUÍMICA Propriedades coligativas MÓDULO FRENTE 11 A As propriedades coligativas correspondem a alterações nas propriedades de um solvente (líquido puro) devido à adição de um soluto não volátil. As propriedades

Leia mais

Química Avançada 06 - Soluções

Química Avançada 06 - Soluções Química Avançada 06 - Soluções Nome: Turma: 1) (UFF-adaptada) O ácido nítrico é um importante produto industrial. Um dos processos de obtenção do ácido nítrico é fazer passar amônia e ar, sob pressão,

Leia mais

Sumário. Prefácio...13

Sumário. Prefácio...13 Sumário Prefácio...13 Capítulo 1 Operações com Grandezas e Unidades de Medida...15 Objetivos...15 1.1 Notação científica...16 1.2 Exponenciais e logaritmos...17 1.3 Grandezas físicas e unidades de medida:

Leia mais

Av. Celso Garcia, 804 Brás - Tel. 2692-3253 - 2694-4174 www.metacolegio.com.br

Av. Celso Garcia, 804 Brás - Tel. 2692-3253 - 2694-4174 www.metacolegio.com.br Av. Celso Garcia, 804 Brás - Tel. 2692-3253 - 2694-4174 www.metacolegio.com.br Elaborado por: Prof. Edmilson C. Gobetti Revisão: IV - 2012 Sumário 1 Partículas Dispersas... 3 2 Fator de Van t Hoff... 8

Leia mais

Professora Sonia Exercícios sobre Cinética gasosa

Professora Sonia Exercícios sobre Cinética gasosa Exercícios sobre Cinética gasosa O próximo enunciado se refere às questões de 01 a 09. Coloque V (verdadeiro) e F (falso) para as questões a seguir. 01. ( ) As partículas que formam um gás (que podem ser

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Química

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Química 26. Alternativa (C) Assunto: Propriedades físicas das substâncias densidade Os materiais apresentam diferentes densidades e mesma massa envolvida logo,

Leia mais

UNICAMP - 2003. 2ª Fase QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2003. 2ª Fase QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 2003 2ª Fase QUÍMICA BERNULLI CLÉGI E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Em um jantar de Natal oferecido a amigos, o anfitrião abriu duas garrafas de um mesmo vinho. conteúdo de uma delas permaneceu

Leia mais

Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello

Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello Fácil Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello Médio www.quimica.net/emiliano emiliano@quimica.net Difícil Níveis de dificuldade das Questões 01. Em um frasco,

Leia mais

EXERCÍCIOS PROPOSTOS RESUMO. ΔH: variação de entalpia da reação H R: entalpia dos reagentes H P: entalpia dos produtos

EXERCÍCIOS PROPOSTOS RESUMO. ΔH: variação de entalpia da reação H R: entalpia dos reagentes H P: entalpia dos produtos Química Frente IV Físico-química Prof. Vitor Terra Lista 04 Termoquímica Entalpia (H) e Fatores que Alteram o ΔH RESUMO Entalpia (H) é a quantidade total de energia de um sistema que pode ser trocada na

Leia mais

Determinação de Massas Moleculares de Polímeros

Determinação de Massas Moleculares de Polímeros Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos absolutos a) Massa molecular média em número - Análise de grupos terminais - Elevação ebulioscópica - Depressão crioscópica - Abaixamento da pressão de

Leia mais

Água e Soluções Biológicas

Água e Soluções Biológicas Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Disciplina de Biofísica Água e Soluções Biológicas 1. Introdução 2. A estrutura da molécula de água 2.1.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conteúdos curriculares de química: 2. ano - 1. bimestre: Dispersões (definição, classificação, características); Soluções (conceito e regra da solubilidade, curva de solubilidade, classificação); Concentração

Leia mais

Escola:. Nome dos alunos:

Escola:. Nome dos alunos: Pergunta 1 2 3 4 5 6 7 Total lassificação 13 Março 2010 (Semifinal) Escola:. Nome dos alunos:... A divulgação das equipas apuradas para a final das limpíadas de Química + é sempre o ponto alto da Semi-final

Leia mais

Aula sobre Soluções Aula 01 (ENEM) Profº.: Wesley de Paula

Aula sobre Soluções Aula 01 (ENEM) Profº.: Wesley de Paula Aula sobre Soluções Aula 01 (ENEM) Profº.: Wesley de Paula Propriedades das Soluções Classificação das Misturas: Soluções e Dispersões Classificação das soluções O Processo de Dissolução em soluções Relações

Leia mais

B) Determine a quantidade máxima, em gramas, de ácido sulfúrico que pode ser produzido a partir da combustão completa de 1.605 g de enxofre.

B) Determine a quantidade máxima, em gramas, de ácido sulfúrico que pode ser produzido a partir da combustão completa de 1.605 g de enxofre. Química 01. O ácido sulfúrico é um dos produtos químicos de maior importância comercial, sendo utilizado como matéria-prima para diversos produtos, tais como fertilizantes, derivados de petróleo e detergentes.

Leia mais

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado.

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico

Leia mais

DISPERSÕES. Profa. Kátia Aquino

DISPERSÕES. Profa. Kátia Aquino DISPERSÕES Profa. Kátia Aquino O que é uma dispersão do ponto de vista químico? Mistura de duas ou mais substâncias, em que as partículas de uma fase a fase dispersa se encontram distribuidas em outra

Leia mais

SISTEMAS MATERIAIS - 2012

SISTEMAS MATERIAIS - 2012 SISTEMAS MATERIAIS - 2012 1- (UFV) A obtenção de gasolina a partir do petróleo é feita por: A) destilação fracionada; B) destilação simples; C) filtração simples; D) filtração sob pressão reduzida; E)

Leia mais

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUESTÃO 01 Os valores das sucessivas energias de ionização de um átomo constituem uma evidência empírica da existência de níveis de energia. Os diagramas abaixo pretendem representar,

Leia mais

Exercícios sobre Termoquímica- variação de entalpia

Exercícios sobre Termoquímica- variação de entalpia Exercícios sobre Termoquímica- variação de entalpia 01. (Cesgranrio) Quando se adiciona cal viva (CaO) à água, há uma liberação de calor devida à seguinte reação química: CaO + H 2O Ca(OH) 2 + X kcal/mol

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS. Prof.: Rodrigo Rocha Monteiro

PROPRIEDADES COLIGATIVAS. Prof.: Rodrigo Rocha Monteiro PROPRIEDADES COLIGATIVAS Prof.: Rodrigo Rocha Monteiro Propriedades Coligativas São mudanças que ocorrem no comportamento de um líquido. Quando comparamos, em análise química, um líquido puro e uma solução

Leia mais

Equipe de Química QUÍMICA

Equipe de Química QUÍMICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 11R Ensino Médio Equipe de Química Data: QUÍMICA SOLUÇÕES As misturas podem ser homogêneas ou heterogêneas. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas

Leia mais

Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Propriedades Coligativas...1 Exercícios...3 Gabarito...5 Propriedades coligativas Propriedades

Leia mais

ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS

ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS Termoquímica é a parte da química que estuda as trocas de energia entre o sistema e o meio durante a ocorrência de uma reação química ou de um processo físico. ENTALPIA É

Leia mais

Água, Soluções e Suspensões.

Água, Soluções e Suspensões. Água, Soluções e Suspensões. A água é a molécula mais abundante nos seres vivos. Cerca de 75% de um adulto. No planeta não existem seres vivos sem água. Fases da água: Sólida Líquida Gasosa Na dependência

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Estudo de caso Reúnam-se em grupos de máximo 5 alunos e proponha uma solução para o seguinte caso: A morte dos peixes ornamentais. Para isso

Leia mais

CURSO APOIO QUÍMICA RESOLUÇÃO

CURSO APOIO QUÍMICA RESOLUÇÃO QUÍMICA CURS API 15. hidróxido de magnésio, Mg() 2, massa molar 58,3 g mol 1, apresenta propriedades antiácidas e laxativas. Ao ser ingerido, reage com o ácido clorídrico presente no estômago, formando

Leia mais

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 27 PROPRIEDADES COLIGATIVAS

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 27 PROPRIEDADES COLIGATIVAS QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 27 PROPRIEDADES COLIGATIVAS 800 pressão de vapor de água (mmhg) 760 700 600 500 400 300 200 100 líquido benzeno puro benzeno + soluto p vapor p.e. do benzeno puro t p.e. do

Leia mais

Química. Questão 61. Questão 63. Questão 62 ETAPA. alternativa B. alternativa D

Química. Questão 61. Questão 63. Questão 62 ETAPA. alternativa B. alternativa D Química Questão 61 Em seu livro de contos, O Sistema Periódico, o escritor italiano Primo Levi descreve características de elementos químicos e as relaciona a fatos de sua vida. Dois trechos desse livro

Leia mais

Equilíbrio Químico. PROF. NÚRIA Kc, Kp, Ka, Ki, Kb E ph

Equilíbrio Químico. PROF. NÚRIA Kc, Kp, Ka, Ki, Kb E ph Equilíbrio Químico PROF. NÚRIA Kc, Kp, Ka, Ki, Kb E ph 1 - "O conceito de equilíbrio é fundamental na química, mas não é exclusivo da química. Vivemos em uma situação social e econômica que constitui equilíbrio

Leia mais

9- (UFC) O número de átomos de H, em 2,02 g de H 2, é: A) 12,046 x 10 23 B) 18,069 x 10 23 C) 6,023 x 10 23 D) 3,012 x 10 23 E) 24,092 x 10 23

9- (UFC) O número de átomos de H, em 2,02 g de H 2, é: A) 12,046 x 10 23 B) 18,069 x 10 23 C) 6,023 x 10 23 D) 3,012 x 10 23 E) 24,092 x 10 23 CÁLCULOS QUÍMICOS 1- (CESGRANRIO) Sabendo-se que: X ++ íon isoeletrônico do gás nobre do 3º período da tabela periódica Q halogênio mais eletronegativo O número de mols contido em 3,90g do composto XQ

Leia mais

JOSÉ RICARDO L. ALMEIDA NELSON BERGMANN

JOSÉ RICARDO L. ALMEIDA NELSON BERGMANN FÍSIC-QUÍMICA Caderno de Atividades 3a edição GABARIT JSÉ RICARD L. ALMEIDA NELSN BERGMANN Direção Geral: Julio E. Emöd Supervisão Editorial: Maria Pia Castiglia Revisão de Texto: Patrícia Gazza Revisão

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA 2

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA 2 Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA 2 Calorimetria Os reagentes são colocados num recipiente de aço de paredes resistentes chamado bomba, o qual está imerso numa quantidade de água contida num recipiente

Leia mais

Por exemplo a água salgada é uma substância ou uma mistura? A água salgada é uma mistura de duas substâncias: a água e o cloreto de sódio.

Por exemplo a água salgada é uma substância ou uma mistura? A água salgada é uma mistura de duas substâncias: a água e o cloreto de sódio. Sumário Correção do TPC. Soluto, solvente e solução. Composição qualitativa e quantitativa de soluções concentração de uma solução. saturadas. Exercícios de aplicação. Ficha de Trabalho Soluto, solvente

Leia mais

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA CMENTÁRI DA PRVA DE QUÍMICA que se espera de uma boa prova de vestibular é que seja seletiva. Para tanto, ela deve conter questões fáceis, médias e difíceis. Nesse sentido, a prova foi boa. Algumas ressalvas,

Leia mais