ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA"

Transcrição

1 D SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO ÂMBITO CONCEITOS NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES INSTRUÇÕES GERAIS Condições Gerais Condições Especificas Características mecânicas Características Luminotécnicas Características Elétricas PROCEDIMENTOS Ensaio, Inspeção e Aprovação Aceitação Garantia ALTERAÇÕES ANEXOS Tabela 01 - Características do Sistema Elétrico da D Figura 01 Desenho dimensional válido para luminária D PC Figura 02 Desenho dimensional válido para luminária D PC6 e PC Tabela 02 Características Luminárias Tabela 03 Características Luminárias 2 10 Elaboração: Nivaldo D. Moraes / Julio C. Ferreira Data: 26/11/10. Aprovação: Ronaldo F. Muniz Data:

2 1. OBJETIVO Estabelecer as condições mínimas exigíveis que deve ser atendido no fornecimento de luminárias tipo não integrada para lâmpadas tipo LVMAP, LVSAP, LVMT, destinadas a Iluminação pública utilizando as redes de distribuição na área de concessão da Distribuição S/A. 2. ÂMBITO Aplica-se a Diretoria Técnica, Gerência de Serviços Especiais e Distribuição, Supervisão de Suprimentos e Qualidade e Fornecedores interessados. 3. CONCEITOS 3.1. Siglas: D: Distribuição S/A. LVMAP - Lâmpadas a Vapor de Mercúrio a Alta Pressão LVSAP - Lâmpadas a Vapor de Sódio a Alta Pressão LVMT - Lâmpadas a Multivapor Metálico PC - Policarbonato Serão adotadas siglas estabelecidas pelas normas mencionadas no item 4 desta especificação Terminologia: Serão adotadas terminologias estabelecidas pelas normas mencionadas no item 4 desta especificação. 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4.1. ABNT NBR Relé fotoelétrico para iluminação pública - Especificação; 4.2. ABNT NBR Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos procedimento; 4.3. ABNT NBR Guia para utilização da norma NBR Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos - procedimento; 4.4. ABNT NBR Norma geral de desenho técnico - Procedimento; 4.5. ABNT NBR Invólucros de equipamentos elétricos - Proteção - Especificação; 4.6. ABNT NBR Produtos de aço ou ferro-fundido - Revestimento de zinco por imersão a quente - Especificação; 4.7. ABNT NBR Medição do nível de ruído de transformadores e reatores - Método de ensaio; Página 2 de 10

3 4.8. ABNT NBR 7285 Cabos de potência com isolação sólida extrudada de polietileno termofixo para tensões até 0,6/1kV Sem cobertura Especificação; 4.9. ABNT NBR 9114 Condutores isolados flexíveis para ligações internas com isolação sólida extrudada de borracha etileno-propileno (EPR) para 130ºC e tensões até 750 V Especificação; ABNT NBR 9117 Condutores isolados flexíveis para ligações internas com isolação de cloreto de polivinila (PVC) para 105ºC e tensões até 750 V Especificação; ABNT NBR Símbolos gráficos para uso em equipamentos Simbologia; ABNT NBR Produtos de aço ou ferro fundido - verificação de revestimento de zinco - Determinação da massa por unidade de área - método de ensaio; ABNT NBR Produtos de aço ou ferro fundido - verificação do revestimento de zinco - Verificação da aderência - método de ensaio; ABNT NBR Produtos de aço ou ferro fundido - Verificação da espessura do revestimento por processo não destrutivo - Método de ensaio; ABNT NBR Produtos de aço ou ferro fundido - verificação do revestimento de zinco - Verificação da uniformidade do revestimento - Método de ensaio; ABNT NBR Rosca Edison - Especificação; ABNT NBR IEC Lâmpadas a vapor de sódio; ABNT NBR Reator e ignitor para lâmpada vapor de sódio; ABNT NBR Planos de amostragem e procedimento na inspeção por atributos - Procedimentos; ABNT NBR Iluminação - Terminologia; ABNT NBR Eletricidade geral - Terminologia Especificação D: ET Reator para lâmpada de sódio Especificação D: ET Reator para lâmpada mercúrio Especificação D: ET Reator para lâmpada vapor metálico Especificação D: ET Relé Fotoeletrônico Nota: Sendo contempladas todas as normas citadas nas relacionadas acima e sempre com a ultima versão de todas. Em caso de duvidas ou omissão prevalecem: Esta especificação; Normas do D; As normas citadas no item 4; As normas propostas pelo fabricante e aprovadas pelo D. Página 3 de 10

4 5. INSTRUÇÕES GERAIS 5.1. Condições Gerais: Identificação: Externamente em cada luminária não integrada devem ser gravados ou estampados de forma legível e indelével, no próprio corpo ou por meio de placa rebitada de aço inoxidável ou alumínio, no mínimo: marca ou nome do fabricante; modelo ou número de referência do fabricante para a luminária; ano de fabricação Acabamento: A luminária não integrada e seus acessórios não devem apresentar rebarbas ou arestas vivas. Externamente, a luminária deve receber pintura pó eletrostática na cor cinza claro não martelada, notação MUNSELL N 6.5. O refletor deve ter anodização espelhada e os acessórios tratamentos anticorrosivo Condições Especificas: Material Corpo Superior: Parte estrutural principal da luminária, em alumínio num único corpo destinada a abrigar os componentes da luminária como refletor e equipamentos internos, conforme NBR 6834 tipo SAE Refletor: Chapa de alumínio, pureza mínima de 99,5%, polido internamente e anodizado com espessura mínima de 4µm Refrator/Difusor: Em lente plana ou policurva de cristal temperado, espessura mínima 4mm, com transparência mínima de 90%, à prova de choque térmico, fixado ao aro por meio de cola de silicone ou difusor em policarbonato injetado a alta pressão incolor, estabilizado contra raios UV, isento de bolhas e espessura final uniforme para evitar distorções na curva fotométrica Porta-lâmpadas: a) Corpo: Partes não condutoras: corpo reforçado de porcelana vitrificada; b) Partes condutoras: latão niquelado, rosca E-27 ou E-40 com dispositivo anti-vibratório e contato central, com efeito, mola. c) Terminais e parafusos: Em latão niquelado ou bronze para fixação dos condutores. d) Fixação do porta-lâmpada: Deve ser fixado através de um sistema de focalização que permita a regulagem e possua marcação indelével da posição de focalização para lâmpadas LVSAP 70, LVSAP 100, LVSAP 150W a fim de posicioná-las no centro óptico da luminária. Página 4 de 10

5 e) Demais características: O porta-lâmpada deve atender as prescrições da NBR Focalizador para ajuste da lâmpada: Em alumínio anodizado ou material resistente a corrosão ambiental, não sendo aceito aço a não ser aço inoxidável ou aço pré-zincado Fixação ao braço: Cinta ou abraçadeira, em aço carbono com tratamento anti-corrosivo Junta vedadora: Deve existir entre o refrator/difusor e corpo superior uma junta vedadora em material compatível com as condições de trabalho envolvidas (temperatura, poluição, sol, chuva, etc.) Dobradiça: Deve ser de material incorrosível, mecanicamente resistente. O sistema como um todo deve permitir a abertura e fechamento, sem ferramenta, assegurando vedação do conjunto Fecho: Deve ser do tipo presilha de pressão com mola em aço inoxidável que garanta perfeito ajuste e aperto do refrator/difusor ao corpo da luminária além de permitir a abertura e fechamento sem auxílio de ferramenta Características mecânicas: Deve suportar um esforço de vento de 100km/h, no mínimo, sem apresentar: deformação permanente, fissuras e folga em nenhum de seus componentes; rotação em relação ao braço; desfocalização da lâmpada; ou outra anomalia que venha comprometer o uso ou a vida da luminária Resistência ao torque: Os parafusos de fixação ao suporte, devem suportar sem ruptura ou deformação permanente a aplicação do torque de instalação de 0.8daNxm, acrescido de mais 20% (vinte por cento) deste valor Resistência à torção: A luminária não integrada fixada em um braço, não deve sofrer torção ou rotação em relação ao braço, quando aplicado ao eixo longitudinal do tubo um torque de 1,0 danxm Características luminotécnicas: Conforme a Tabela 1 desta especificação técnica. A verificação destes valores será feita de acordo com o item Focalização: As luminárias devem apresentar dispositivo defocalização, com indicação indelével para o ajuste da posição de foco das lâmpadas aplicáveis sem a utilização de ferramentas especiais. Página 5 de 10

6 Ajuste do ângulo de inclinação da luminária: As luminárias que possuírem dispositivo para ajuste do ângulo de inclinação, devem trazer gravados na luminária e no folheto de instruções, em cada uma das posições, quais são esses ângulos obtidos com o ajuste Características elétricas: Tensão aplicada: A luminária não integrada deve suportar a aplicação de 2,5kV mínimo, senoidal, 60Hz, durante um minuto, entre as partes condutoras e o corpo da luminária sem ocorrer descarga disrruptiva Aumento da tensão nos terminais da lâmpada: A elevação de temperatura no alojamento da lâmpada deve ser tal que não provoque aumento na tensão de arco da lâmpada superior a 5V p/ 70W, 7V p/ 100 e 150W, para temperatura ambiente de 40 C, nas condições previstas pela ABNT, para tensão nominal de alimentação Determinação do grau de proteção: O compartimento ótico deve ter grau de proteção mínimo de IP Rendimento: As luminárias devem apresentar preferencialmente os seguintes rendimentos mínimos no hemisfério inferior: Tabela 01 Aplicação Caracterização Luminotécnica Tipo da luminária Lâmpada Tipo e Potencia (W) Rosca Braço Tipo Uniformi-dade de Emin/ Emed (Min.) (%) Variação Ilumin. Entre pontos adjacen. Emenor/ Emaior Iluminância. Média Horizontal (lux) Altura de montagem da Luminaria Massa Aprox. (kg) Rendime nto Min. (%) Luminária D - AB 1 Luminária D - PC 2 Luminária D - VBS 6 Luminária D - PC E-27 II Curto 0, E-27 II Longo 0, III 0,20 15 E III 0, III E III 0, ,5 1, ,0 1,5 70 7,50 1,6 75 7,50 1,6 75 Página 6 de 10

7 6. PROCEDIMENTOS 6.1. Ensaios, Inspeção e Aprovação Os ensaios de inspeção, aceitação do equipamento, de aprovação de modelo ou de protótipo, serão efetuados com base nas normas específicas da ABNT Ensaios de rotina e tipo quando exigido pela D devem ser executados no laboratório do fabricante ou laboratório externo devidamente acreditado Quando não existir norma aplicável, estes ensaios serão definidos conforme as especificações técnicas fornecidas para compra Para realização de inspeção será de acordo a norma da D Inspeção de materiais e equipamentos e ao final emitido o CIM Certificado de Inspeção de Materiais caso aprovado Serão aceitos para inspeção somente quantidades previstas no respectivo item da Ordem de Compra, prontos para entrega, e que atendam todas as condições especificadas e contratuais Se a D optar pela não inspeção será emitida uma comunicação liberando a inspeção e a aprovação fica sujeita aprovação nos ensaios fornecidos pelo fabricante do equipamento em questão Aceitação A aceitação do equipamento e ou material pela D, seja pela comprovação dos valores, seja por eventual dispensa de inspeção, não eximirá o fornecedor de sua responsabilidade em fornecer o equipamento em plena concordância com o pedido e com esta especificação, nem invalidará ou comprometerá qualquer reclamação que a D venha a fazer baseada na exigência de materiais inadequados ou defeituosos Por outro lado, a rejeição do equipamento e ou material em virtude de falhas constatadas através da inspeção, durante os ensaios ou em virtude da discordância com pedido ou com esta especificação, não eximirá o fornecedor de sua responsabilidade em fornecer o equipamento e ou material na data de entrega prometida. Se, na opinião da D, a rejeição tornar impraticável a entrega na data prometida ou se tudo indicar que o fornecedor será incapaz de satisfazer os requisitos exigidos, a D reserva-se o direito de rescindir todas as suas obrigações e adquirir o equipamento em outra fonte, sendo o fornecedor considerado infrator do pedido, estando sujeito às penalidades aplicáveis ao caso. Página 7 de 10

8 6.3. Garantia O equipamento e ou material devera ser garantido pelo fornecedor contra falhas ou defeitos de funcionamento que venham a ocorrer no período mínimo de 60 (sessenta meses) a contar da data da entrega A inspeção não exime o fornecedor dos prazos de garantia No decurso do prazo de garantia o fornecedor se compromete a reparar todos os defeitos de fabricação que venham a ocorrer e, se necessário, a substituir o equipamento defeituoso, às suas expensas, responsabilizando-se por todos os custos decorrentes, sejam de material, de mão-de-obra ou de transporte Se a falha constatada for oriunda de erro de projeto ou de produção, tal que comprometa a unidade adquirida, o fornecedor deverá substituí-la a qualquer tempo, independentemente da ocorrência de defeito e independentemente dos prazos de garantia. 7. ALTERAÇÕES Não aplicavel 8. ANEXO 8.1. Tabela 1: Características do Sistema Elétrico da D. Condição do Neutro Tensão Nominal secundária Multiaterrado 127/220 V (trifásico) 120/240 V e 115/230 V (monofásico) Página 8 de 10

9 8.2. Figura 01 Desenho dimensional válido para luminária D PC Figura 02 Desenho dimensional válido para luminária D PC6 e PC7. Nota.: Medidas em milímetros, desenho orientativo, as medidas são aproximadas. Página 9 de 10

10 8.4. Tabela 02 - Características Luminárias 1 COD D Denominação Acabamento Porta lâmpadas Proteção Grupo ótico Ponta de Braço Ø mm Dimensional C x L x H mm Luminária D - AB 1 E a x 295 x 250 Luminária D - PC 2 Luminária D - VBS 6 Luminária D - PC 7 Cor natural do alumínio Cor natural do alumínio Cor natural do alumínio E 27 IP a x 295 x 250 E 40 IP a x 295 x 250 E 40 IP a x 295 x Tabela 03 Características Luminárias 2 COD Denominação Potência Lâmpada (W) Difusor Refletor Tomada para relé fotoelétrico Luminária D - AB Aberta Alumínio polido quimicamente, anodizado e selado Não Luminária D - PC Policarbonato Alumínio polido quimicamente, anodizado e selado Não Luminária D - VBS Boro- Vidro silicato Alumínio polido quimicamente, anodizado e selado Não Luminária D - PC Policarbonato Alumínio polido quimicamente, anodizado e selado Não Luminária D-AB 1, Aberta para iluminação pública, soquete E27 para lâmpadas VS 70 W e VM 125 W Luminária D-PC 2, fechada para iluminação pública, sem alojamento para equipamentos, refrator em policarbonato, para lâmpada a vapor de sódio 100W metálica e sódio 70W tubular ou ovóide Luminária D- VBS 6, fechada em vidro boro silicato para iluminação pública sem alojamento para equipamento, para lâmpadas 150 W, 250 W e 400 W Luminária D-PC 7, fechada para iluminação pública, fechada difusor em policarbonato, para lâmpadas vapor de sódio 150 W, 250 W e 400 W. Página 10 de 10

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRAFO 145kV - ENERGIZADO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 3.1. Siglas 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Características Gerais 03 5.2. Características Específicas e Exclusivas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO Conteúdo PG 1. OBJIVO 02 2. AMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Condições de Serviço 02 5.2. Acabamento 03 5.3. Identificação

Leia mais

Q U A L I D A D E Q U E C R E S C E A C A D A D I A. Catálogo. Produtos

Q U A L I D A D E Q U E C R E S C E A C A D A D I A. Catálogo. Produtos Q U A L I D A D E Q U E C R E S C E A C A D A D I A Catálogo de Produtos APRESENTAÇÃO Ao editar este novo catálogo oferecemos a nossos clientes e colaboradores uma fonte de consulta permanente de produtos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG Luminária Fechada para Lâmpada Vapor de Sódio Alta Pressão Especificação NTC-52 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG Luminária Fechada para Lâmpada Vapor de Sódio Alta Pressão Especificação NTC-52 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG Luminária Fechada para Lâmpada Vapor de Sódio Alta Pressão Especificação NTC-52 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

IP 66 no conjunto óptico e IP 65 no compartimento do equipamento. Aço inoxidável, fácil abertura sem ferramenta para manutenção de lâmpada ou reator.

IP 66 no conjunto óptico e IP 65 no compartimento do equipamento. Aço inoxidável, fácil abertura sem ferramenta para manutenção de lâmpada ou reator. Potência 100-600W soquete E40 lampada tubular vapor de sódio ou metálico Fixação Horizontal e Lateral até 61 mm. Dois parafusos para encaixe rápido e seguro. Refletor Alumínio de alto grau de pureza, anodizado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços 02 5.2. Responsabilidade a cargo da DMED

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código: ET: 07-02-202 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Características Gerais

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA D SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Identificação

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras Dobradiça Furação para passagem de cabo de Ø21 mm ( 12x ) Vista Inferior Item 1 e 2 Adaptador para parafuso A.A. Fixação dos trilhos através de parafuso e porca ( possibilitando regulagem ) Trilho de fixação

Leia mais

ETME 01. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010

ETME 01. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010 ETME 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010 SUMÁRIO 1.1 OBJETIVO...4 1.2 NORMAS RECOMENDADAS...4 1.3 UNIDADES DE MEDIDA...4 1.4 IDIOMA...4 1.5 GARANTIAS QUANTO AO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 30/06/2005 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do eletroduto de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

REEME APLICAÇÕES DAS LUMINÁRIAS. Autoestrada. Túneis. Industrial. Almoxarifado

REEME APLICAÇÕES DAS LUMINÁRIAS. Autoestrada. Túneis. Industrial. Almoxarifado REE ME REEME Empresa brasileira Fundada em especializou-se em produzir Luminárias de alta qualidade com avançada tecnologia, o que lhe outorga ao longo de sua existência o reconhecimento da qualidade de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MANUTENÇÃO CORRIVA EM TRANSFORMADORES DE SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO ÍNDICE 1.0 OBJETIVO 2.0 REQUISITOS GERAIS 2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO 2.4. EXTENSÃO

Leia mais

Projetor Série PC À prova de explosão. Vapor metálico, vapor de sódio, vapor de mercúrio, halogênio

Projetor Série PC À prova de explosão. Vapor metálico, vapor de sódio, vapor de mercúrio, halogênio IP66 ou IK10 Aplicações Projetados para iluminação de ambientes amplos em áreas industriais externas e internas de risco. Ideal para uso nas Zonas 1 e 2, 21 e 22 na indústria de gás e petróleo. Em locais

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR.-00.199 Folha 2ª 1 DE 6 08/07/09 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 13 / 03 / 2014 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de Suporte de Transformador Tipo Cantoneira para utilização nas Redes de Distribuição

Leia mais

nano 1 2 a luz sustentável

nano 1 2 a luz sustentável nano 1 2 a luz sustentável 1 nano CARACTERISTicas LUMINária Design: A. Baré DESCRIção A Nano 1 é um bom exemplo de design inteligente. Baseada no conceito da miniaturização, esta luminária pode ser utilizada

Leia mais

VÁLIDO SOMENTE PARA VISUALIZAÇÃO EM TELA

VÁLIDO SOMENTE PARA VISUALIZAÇÃO EM TELA ESPECIFICAÇÃO E-62.018 Especificação Técnica Chave de Bloqueio e Aferição Processo: Medição e Perdas Versão: 1.0 Início de Vigência: 08-12-2014 Órgão de Origem: Divisão de Gestão de Medição e Perdas (DGMP).

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 011

NORMA TÉCNICA NTC 011 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 011 CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO - MATERIAL POLIMÉRICO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2015 Versão: 01/2015 1 2 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO...

Leia mais

ANEXO V PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA PREGÃO N. 017/2012

ANEXO V PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA PREGÃO N. 017/2012 ANEXO V PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA A DME Distribuição S/A - DMED PREGÃO N. 017/2012 A empresa..., inscrita no CNPJ/MF sob o n....., estabelecida à Av./Rua..., n..., bairro......, na cidade de..., CEP...,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE ENERGIA ELRICA ELRÔNICO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Características

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS Uma empresa que tem orgulho de iluminar! CATÁLOGO DE PRODUTOS 1 PROJETORES ESTAMPADOS - LANÇAMENTO A Tec & Luz está com novidades em sua linha de produtos. Conheça a nova linha de Projetores Estampados

Leia mais

Anexo XII Memorial Descritivo

Anexo XII Memorial Descritivo Anexo XII Memorial Descritivo 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas que devem ser observadas na reformulação / readequação da iluminação pública da avenida Castelo

Leia mais

ETD 007.01.50 TRANSFORMADORES DE POTENCIAL INDUTIVOS. Projeto: novembro de 2009 Palavras Chave: Transformador; Medição

ETD 007.01.50 TRANSFORMADORES DE POTENCIAL INDUTIVOS. Projeto: novembro de 2009 Palavras Chave: Transformador; Medição ETD : novembro de 2009 Palavras Chave: Transformador; Medição ii Cooperativas Filiadas a FECOERGS: CELETRO Cachoeira do Sul CERFOX Fontoura Xavier CERILUZ Ijuí CERMISSÕES Caibaté CERTAJA Taquari CERTEL

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 15:21 horas do dia 17 de dezembro de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas, designado pela portaria 027/2012-GAB/SEFIN após analise da documentação do Pregão

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-206/2007 R-02 CABO DE CONTROLE BLINDADO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-206/2007 R-02 CABO DE CONTROLE BLINDADO /007 R-0 DOCUMENTO NORMATIVO I JUN/007 APRESENTAÇÃO Este documento encerra requisitos, recomendações e diretrizes para nortear os interessados no fornecimento de Cabo de Controle Blindado, multipolar em

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA.

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA. Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.126.00 1 de 20 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de elo fusível para utilização nas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de chapa de aterramento para utilização nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário Código: Un pç ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Definições 4 Requisitos Gerais 5 Requisitos Específicos 6 Funcionamento 7 Características

Leia mais

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA

Leia mais

e) NBR 6936, Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão - Procedimento;

e) NBR 6936, Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão - Procedimento; MA NU AL ESP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0055 ISOLADORES SUPORTE PARA

Leia mais

Luminária de LED Ágata Cód. 09591

Luminária de LED Ágata Cód. 09591 Luminária de LED Ágata Cód. 09591 1 Luminária de LED Ágata Cód. 09591 Características A LUMINÁRIA ÁGATA reúne desempenho, segurança e confiabilidade para atender as especificações dos sistemas de iluminação

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Eldorado do Sul Procuradoria Geral do Município Departamento de Compras, Licitações e Contratos

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Eldorado do Sul Procuradoria Geral do Município Departamento de Compras, Licitações e Contratos PROCESSO Nº 158/2015 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 O MUNICÍPIO DE ELDORADO DO SUL torna público que fará realizar a licitação abaixo indicada cujos procedimentos serão conduzidos pelo PREGOEIRO e sua EQUIPE

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 051/2015

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 051/2015 Página 1 de 7 PREGÃO PRESENCIAL Nº 036/2015 OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS PARA EVENTUAL E FUTURA AQUISIÇÃO DE MATERIAIS ELÉTRICOS DE ALTA TENSÃO para recomposição e manutenção do estoque do almoxarifado,

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

Chave Fusível tipo MZI Com alavanca para ruptura do elo fusível

Chave Fusível tipo MZI Com alavanca para ruptura do elo fusível Chave Fusível tipo MZI Com alavanca para ruptura do elo fusível Página 1 de 7 Em ambientes de alta poluição ou alto grau de salinidade pode ser usada uma chave com tensão nominal maior que a da rede onde

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Braçadeira para Injeção Intravenosa ARS 01 Braçadeira para Injeção Intravenosa ARS 01 Braçadeira de apoio de piso para suporte de braço e aplicação de injeção. Altura regulável por mandril,base de ferro,

Leia mais

Projetor AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento para driver)

Projetor AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento para driver) Projetor AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento para driver) ALEDZnC Não centelhante e à prova de jatos potentes d água. Características Construtivas Projetor para área explosiva, com corpo e tampa fabricado

Leia mais

MÓDULO 1 ESPECIFICAÇÕES MOBILIÁRIOS REFERENCIAIS

MÓDULO 1 ESPECIFICAÇÕES MOBILIÁRIOS REFERENCIAIS DATA: DESTINO: FORUM CÍVEL MÓDULO 1 (itens 1-2) JUNHO 2015 RESPONSAVÉL: DIVISÃO DE ARQUITETURA ESPECIFICAÇÕES MOBILIÁRIOS REFERENCIAIS ITEM 1 MESAS /GAVETEIROS/CONEXÕES IMPORTANTE: AS MARCAS DE MATERIAIS,

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO PARA-RAIOS DE DISTRIBUIÇÃO DE 12, 15 E 27 kv 10 ka

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO PARA-RAIOS DE DISTRIBUIÇÃO DE 12, 15 E 27 kv 10 ka EMD -.008 1/5 Obs: Medidas em milímetros. EMD -.008 2/5 CÓDIGO CEB TENSÃO NOMINAL CEB TABELA 1 TENSÃO DO PÁRA-RAIOS DIMENSÕES (mm) A (máx.) H (mín.) 2 3 4 5 6 12050008 13,8 12 400 80 12050009 13.8 15 450

Leia mais

PAINEIS SOLARES MEGASUN

PAINEIS SOLARES MEGASUN PAINEIS SOLARES MEGASUN Há mais de uma década a actuar no sector do aquecimento doméstico, a Jaqueciprolar é importador e representante dos Painéis Solares MEGASUN. A MEGASUN é um conceituado fabricante

Leia mais

LUMINÁRIA A PROVA DE EXPLOSÃO (com alojamento)

LUMINÁRIA A PROVA DE EXPLOSÃO (com alojamento) ILUMINÇÃO LUMINÁRI PROV DE EXPLOSÃO (com alojamento) tmosferas explosivas Zonas 1 e 2 - Grupos II e II Grau de proteção: IP65W CONSTRUÇÃO Fabricada em liga de alumínio fundido copper-free de alta resistência

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 ETEM 41 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...4 1.1 TABELAS DE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GARANTIDAS...4

Leia mais

Motores Elétricos Monofásicos e Trifásicos NEMA Para Uso Geral

Motores Elétricos Monofásicos e Trifásicos NEMA Para Uso Geral Motores Elétricos Monofásicos e Trifásicos Para Uso Geral ELÉTRICOS MONOFÁSICOS E TRIFÁSICOS Motor assíncrono de indução com rotor de gaiola de esquilo Tipo: Aberto à prova de pingos, com ventilação interna

Leia mais

gl2 plus DESCRIção VANTAGENS

gl2 plus DESCRIção VANTAGENS gl2 PLUS gl2 plus CARACTERÍSTICAS - PROJETOR Estanqueidade: IP 66 (*) Resistência ao impacto (vidro): IK 08 (**) Classe de isolamento elétrico: I (*) Tensão nominal: 127 a 277V, 50-60 Hz Peso: 13.6 kg

Leia mais

REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO

REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO CAMPUS CAMPO LARGO 1 IDENTIFICAÇÃO Obra: Reforma de Laboratórios e Salas de Aula. Local: Rua Engenheiro Tourinho, 829 Vila Solenen. Campus: Instituto Fed. de Ciência

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.01.000 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 06.01.302 - QUADROS DE FORÇA

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.01.000 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 06.01.302 - QUADROS DE FORÇA ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.01.000 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 06.01.302 - QUADROS DE FORÇA Tipo: Quadro de medição completo com TC (transformador de corrente) para medição em baixa tensão, compatível com

Leia mais

AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014)

AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014) Maio 2014 Caderno de Especificações Técnicas Segurança do Trabalho de Sobradinho 1/19 ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OBRA: C.M.E.I TIA JOVITA LOCAL: RUA PARACATU C/ RUA 4 C/ AVENIDA CRUZEIRO DO SUL - VILA PEDROSO. GOIÂNIA / GO. 1 1.0 - MEMORIAL DESCRITIVO.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013.

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. Processo 56220/2013-73 Pregão 26/2014 GRUPO 1 MESAS E ESTAÇÕES DE TRABALHO 1 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1200X770MM 2 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1600X770MM

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG D Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação NTC-03 Revisão 3 NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

nano DESCRIção vantagens

nano DESCRIção vantagens 441 382 190 382 190 Ø48 Ø48 Ø60 Ø60 (option) (option) 145 2 x M8 2 x M8 145 139 139 DESCRIção CARACTERISTicas LUMINária Estanquicidade bloco óptico: IP 66 (*) Estanquicidade bloco acessórios eléctricos:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

squalo DESCRIÇÃO OPÇÕES DIMENSÕES - FixaÇÕES

squalo DESCRIÇÃO OPÇÕES DIMENSÕES - FixaÇÕES squalo 2 3 squalo CARACTERÍSTICAS - LUMINÁRIA Estanquicidade bloco óptico: IP 66 (*) Estanquicidade bloco acessórios: IP 66 (*) Resistência ao choque (vidro): IK 08 (**) Resistência aerodinâmica (CxS (CxS):

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo CONVITE N. 44/2012 MEMORIAL DESCRITIVO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE AJUSTES E CORREÇÕES EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO SESC COMÉRCIO, PARA INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS DE

Leia mais

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014.

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

MÓDULO DE ACESSIBILIDADE

MÓDULO DE ACESSIBILIDADE MÓDULO DE ACESSIBILIDADE ESPECIFICAÇÃO: GPRO/DEINF 082104 EMISSÃO: NOVEMBRO/2008 DESENHO: DT 494/6 CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO 1.1. FINALIDADE: A presente especificação estabelece dados para fornecimento à

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO OBRA: C.E.P. EM ARTES BASILEU FRANÇA E ESCOLA DE ARTES VEIGA VALLE LOCAL: GOIÂNIA - GO ASSUNTO: REFORMA NA COBERTURA, FORRO, ESQUADRIAS, INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, PINTURA E PISO. DATA: 15/04/2005. MEMORIAL

Leia mais

MULTILUX CHAPA DE POLICARBONATO ALVEOLAR. Nada existe para ser temido e sim entendido. RESINAS PLÁSTICAS EXTRUDADAS LTDA VANTAGENS

MULTILUX CHAPA DE POLICARBONATO ALVEOLAR. Nada existe para ser temido e sim entendido. RESINAS PLÁSTICAS EXTRUDADAS LTDA VANTAGENS MULTILUX CHAPA DE POLICARBONATO ALVEOLAR VANTAGENS Material translúcido e leve para ambientes com iluminação natural. As chapas de policarbonato alveolar MULTILUX da Replaex são largamente utilizadas em

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para eventual fornecimento, montagem e instalação de mobiliário, para a Procuradoria Regional do Trabalho da 2a Região

Leia mais

Catracas Newaccess Descritivo Técnico Catraca NEWCATRACA2

Catracas Newaccess Descritivo Técnico Catraca NEWCATRACA2 Apresentação: Nossos equipamentos podem ser interligados a qualquer software disponível no mercado ou desenvolvidos especialmente para atender as necessidades dos clientes, sendo este procedimento realizado

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0015 ELOS FUSÍVEIS DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

PRODUTO: SEL-SV--1-O40-K7 FOLHA TÉCNICA 1/5 SAC 55 11 3019-1616

PRODUTO: SEL-SV--1-O40-K7 FOLHA TÉCNICA 1/5 SAC 55 11 3019-1616 PRODUTO: SEL-SV--1-O40-K7 FOLHA TÉCNICA 1/5 APLICAÇÃO Sensor-transmissor de sinal de presença de chama à prova de explosão, certificado pelo TÜV, IPT e pelo CENPRA do MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150139

TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150139 TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150139 1. DA JUSTIFICATIVA: Dispensa de licitação, via cotação eletrônica, nos termos do decreto estadual Nº 28.397, de 21 de setembro de 2006 para atender SC 13827 - UNBME 2.

Leia mais

ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores

ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores em Pedestal Norma Técnica Distribuição de Energia Elétrica ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores em Pedestal Autores: Plácido Antonio Brunheroto

Leia mais

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone,

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, 3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, Série 5630 3,6/6 kv a 12/20 kv Ambientes Externos e Internos Boletim Técnico Março 2014 Descrição do Produto Os conjuntos de terminais

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01-2013 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição do serviço 03

Leia mais

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães 1 de 9 01/11/2010 22:17 Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães O sistema mais utilizado atualmente para a iluminação de piscinas é composto por projetores submersíveis, portanto, instalados

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 04 5. INSTRUÇÕES GERAIS 05 5.1. Condições Gerais 05 5.2. Condições

Leia mais

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor FIRUGA 1: CAIXA COM TAMPA 227 VISTA SUPERIOR 114 57 A 14 209 345 45 LENTE 46 171 PRÉ-FURO Ø5 53 VISTA LATERAL ESQUERDA Ø2 FURO PARA LACRE A VISTA FRONTAL MÍN. 10,5 15 LUVA W1/4 VISTA LATERAL DIREITA 48

Leia mais

Sinalizador óptico à prova de explosão em GRP, 5 joule

Sinalizador óptico à prova de explosão em GRP, 5 joule Sinalizador óptico à prova de explosão em Manual de instruções Additional languages www.stahl-ex.com Informações Gerais Índice 1 Informações Gerais...2 1.1 Fabricante...2 1.2 Informações relativas ao manual

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRELIMINARES BICICLETA ESCOLAR. Aro 20. Item Descrição Medidas Tolerância. Diâmetro interno - Usinado e Calibrado - mm

ESPECIFICAÇÕES PRELIMINARES BICICLETA ESCOLAR. Aro 20. Item Descrição Medidas Tolerância. Diâmetro interno - Usinado e Calibrado - mm MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE ARTICULAÇÃO E CONTRATOS COORDENAÇÃO DE REGISTRO DE PREÇOS ESPECIFICAÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO SESC MINAS Nº 0117/2014

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO SESC MINAS Nº 0117/2014 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO SESC MINAS Nº 0117/2014 1 1. OBJETO 1.1. Aquisição de materiais elétricos, lâmpadas e reatores, para iluminação das unidades do Sesc durante as campanhas Outubro

Leia mais