A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR: ANÁLISE DE DEPOIMENTOS DE EX-ALUNOS DA CIDADE DE BROTAS/SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR: ANÁLISE DE DEPOIMENTOS DE EX-ALUNOS DA CIDADE DE BROTAS/SP"

Transcrição

1 A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR: ANÁLISE DE DEPOIMENTOS DE EX-ALUNOS DA CIDADE DE BROTAS/SP Gustavo Batista 1 Luiz Gonçalves Junior (O) 2 Resumo Com o intuito de analisar como eram as aulas de Educação Física Escolar entre as 5ª e 8ª séries no período da ditadura militar ( ) na cidade de Brotas, utilizamos como fonte de informação entrevistas com alunos que frequentaram as aulas de Educação Física nesta época. A partir dos dados coletados junto aos entrevistados consideramos que as aulas de educação física eram: voltadas aos esportes e a preparação física; separadas por sexo; realizada em horários opostos a outras disciplinas; exigentes quanto ao uso de uniforme; atribuíam extrema importância aos exames biométricos. Palavras-chave: Educação Física Escolar; Ditadura Militar; Esporte. Abstract Aiming to analyze how were the classes of Physical Education between the 5th and 8th grades during the military dictatorship ( ) in the town of Sprout, used as a source of information interviews with alumni classes Physical Education at this time. From these interviews, I found that: pure sports and physical preparation; classes were separated by sex; at times opposed to other disciplines; demand for the use of uniforms; the extreme importance given to biometric tests. Key-words: Classes of Physical Education; Military Dictatorship; Sports. Introdução A partir do golpe militar de 1964, a Educação Física Escolar passou a ser uma ferramenta de propaganda do governo, o qual enfatizou a formação de turmas de treinamento para variadas modalidades esportivas, a preparação física e as competições. O objetivo desse estudo foi analisar como eram as aulas de Educação Física Escolar entre as 5ª e 8ª séries realizadas no período da ditadura militar ( ) na cidade de Brotas, a partir de alunos que frequentaram as aulas de Educação Física nesta época. O contexto do pré e pós-golpe Com ampla oposição no Congresso, que impedia a aprovação de seus projetos, no dia 25 de agosto de 1961, sete meses depois de iniciado seu mandato, Jânio Quadros renunciou à Presidência da República. A expectativa era que o Congresso não aceitasse a renúncia, pois os parlamentares mais conservadores e o alto comando das Forças Armadas, assim como muitos dos 1 Professor de Educação Física Escolar da Rede SESI de Ensino; aluno da III Turma do Curso de Especialização em Educação Física Escolar do DEFMH/UFSCar e Mestrando em Educação UFSCar. 2 Professor Associado do DEFMH-PPGE/UFSCar e Coordenador do Curso de Especialização em Educação Física Escolar.

2 eleitores que o elegeram, não aceitariam que a Presidência fosse entregue a um político ligado à esquerda e aos sindicatos, como o vice João Goulart (SERIACOPI, 2005). O Congresso, entretanto, aceitou a renúncia. Como na ocasião João Goulart encontrava-se na China, a Presidência foi ocupada interinamente pelo presidente da Câmara, deputado Ranieri Mazzili. Enquanto isso, o alto comando das Forças Armadas, apoiado por grupos conservadores ligados à União Democrática Nacionalista (UDN) tentou impedir a posse de João Goulart, sob a alegação de que ele teria ligações com o comunismo (SERIACOPI, 2005). Para evitar que o país entrasse em uma guerra civil, o Congresso Nacional aprovou emenda constitucional instituindo o parlamentarismo. Com isso, o poder seria exercido não mais pelo presidente, mas pelo primeiro-ministro, escolhido pelo Congresso. João Goulart, que havia desembarcado no Uruguai, retornou ao Brasil e, no dia 7 de Setembro de 1961, assumiu a Presidência (SERIACOPI, 2005). Entre setembro de 1961 e janeiro de 1963, o Brasil viveu sob um regime parlamentarista frágil, marcado por manifestações de insatisfações política e social. O presidente João Goulart procurou por em prática as chamadas reformas de base, um conjunto de medidas que previam grandes mudanças nas áreas administrativas, fiscal, eleitoral, tributária, educacional e agrária. Entre as principais medidas defendidas por João Goulart estavam à reforma agrária, o direito de voto aos analfabetos e aos militares de baixa patente, a nacionalização das empresas concessionárias de serviços públicos e o imposto progressivo (quanto maior a renda, mais alta a alíquota do imposto) (SERIACOPI, 2005). As reformas de base, entretanto, encontravam forte oposição entre os grupos conservadores da sociedade: associações patronais, empresários, oficiais de alta patente das Forças Armadas, setores da alta hierarquia da igreja católica, políticos de direita, etc. Para esses setores, João Goulart pretendia, na verdade, implantar o comunismo no Brasil (SERIACOPI, 2005). Com tais pressões, no dia 31 de março de 1964, o chefe do estado-maior do Exército, general Castelo Branco, contando com o apoio do governo dos Estados Unidos e de alguns governadores, como Carlos Lacerda, da Guanabara, Magalhães Pinto, de Minas Gerais, e Ademar de Barros, de São Paulo, colocou-se à frente de um golpe militar que destituiu João Goulart do poder (SERIACOPI, 2005). Por duas semanas, o deputado Ranieri Mazzilli, presidente da Câmara, assumiu interinamente a Presidência da República. No dia 15 de abril, o governo foi entregue ao general Castelo Branco. Iniciava-se, assim, um dos períodos mais sombrios da história brasileira: a ditadura militar, que se estenderia até 1985 (SERIACOPI, 2005). A partir do início de fins da década de 1960 e início da década de 1970 a economia brasileira deu sinais de recuperação e entrou em um período de intenso crescimento. Assim, esse 2

3 período, que tem sido chamado de anos de chumbo devido a forte repressão militar, foi também caracterizado pelo que ficou conhecido como do milagre econômico (SERIACOPI, 2005). Empréstimos obtidos a juros baixos em bancos estrangeiros garantiram o aporte financeiro para a expansão industrial do país, mas triplicaram a dívida externa brasileira entre 1967 e Muitas multinacionais se instalaram no país, onde passaram a produzir, com mão-de-obra barata, mercadorias modernas e sofisticadas a preços acessíveis. Graças a uma política de facilitação do crédito ao consumidor, as classes médias passaram a ter acesso a bens como automóveis, eletrodomésticos, etc. Já as camadas mais baixas sofriam com o achatamento de seus salários. (SERIACOPI, 2005). A organização do país sob a direção dos militares intensificou a centralização administrativa aumentando o controle do Conselho de Segurança Nacional, criando o Serviço Nacional de Informação (SNI) e estabelecendo setores de Segurança Nacional nos ministérios e autarquias, procurando cada vez mais ligar os órgãos de planejamento e controle do executivo às forças armadas. Concomitantemente, reprimiam o protesto social e procuravam desmantelar as organizações de classe, eliminando dessa forma qualquer oposição ao projeto de governo (CARDOSO FILHO, 2001). O término do período ditatorial ocorre no ano de 1985, quando termina o mandato do Presidente General João Batista Figueiredo, um dos responsáveis pelo processo de reabertura do país 3, culminando com a ascensão de um Presidente da República civil, José Sarney, embora ainda eleito por processo eleitoral indireto, sendo vice na chapa de Tancredo Dornelles Neves, que veio a falecer antes de sua posse (GONÇALVES JUNIOR, 2002). 3 O contexto da educação e da educação física Na ideologia de segurança nacional estava expressa que a subversão deveria ser combatida em todos os setores, principalmente nas instituições difusoras de ideias que são as escolas, Universidades e igrejas. Professores e alunos foram expulsos das universidades, cassados e presos. Os programas de educação popular acusados de subverter a ordem social foram desmantelados. A política educacional, do período, para todos os níveis de ensino tinha como um dos seus principais eixos contribuírem com o controle político ideológico. As reformas educacionais se caracterizaram pela centralização das decisões e do planejamento com base no saber dos tecnocratas (GERMANO, 1994). 3 Evidentemente que o processo de abertura política do Brasil era inevitável diante das pressões de populares, do movimento sindical, de partidos políticos que voltavam a se organizar e dos intelectuais exilados que pouco a pouco retornavam ao país (GONÇALVES JUNIOR, 2002).

4 Em 1971 com o decreto lei 69450/71 (BRASIL, 1971) são nítidas as interferências nas funções do professor. No item referente à composição das turmas, por exemplo, era estabelecido que elas tivessem que ser separadas por sexo. Para Germano (1994) a Educação Física da época se pautava na busca pelo desempenho esportivo e pela vitória. O pressuposto é que para as aulas serem dadas com o objetivo de formar atletas, a turma devia ser composta por alunos que tinham condições físicas semelhantes, o que possibilitaria competição equilibrada. Preocupados com a resistência que os estudantes vinham fazendo ao regime, os governantes além de reprimi-los pela força, utilizaram-se do esporte como uma forma de desmobilização e alienação. Nas universidades enquanto os diretórios acadêmicos eram fechados, as atléticas eram incentivadas, e a participação esportiva passava a substituir a política. A Educação Física se tornou obrigatória, também no terceiro grau e os jogos universitários e estudantis receberam um acentuado incentivo dos governos o que resultou no expressivo crescimento da participação de estudantes de todas as partes do Brasil (CASTELLANI FILHO, 1994). O ano de 1970 se caracterizou pela arbitrariedade, pelos assassinatos, prisões e tortura de militantes políticos contrários ao regime. Enquanto isso os meios de comunicação em convivência com o governo, enalteciam a vitória da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1970 (GHIRALDELLI, 1988). As glórias do nosso futebol foram exaustivamente divulgadas com o objetivo de fazer crer que os resultados obtidos pelas nossas equipes tinham uma relação com o nosso desenvolvimento enquanto nação. Outro uso político do futebol foi o de encobrir as denúncias feita contra as graves violações dos direitos humanos que aqui aconteciam (GHIRALDELLI, 1988). Os militares acreditavam que o esporte deveria ser aprendido na escola, e que lá seria formada a base da pirâmide em cujo topo estaria os nossos campeões. Como parte dessa política de formação de atletas, tinham estes prioridade na concessão de bolsas de estudo (GHIRALDELLI, 1988). Ressaltamos que nos idos de 1975, o Governo Federal propôs, pela primeira vez, um Política Nacional de Educação Física e Desportos, que tinha por objetivo massificar as práticas esportivas no âmbito escolar e não-escolar com o intuito de aumentar a base da pirâmide de praticantes e assim favorecer o incremento do topo da pirâmide ou do chamado na época Desporto de Alto Nível, ou seja, a elite esportiva do país em termos de representação nacional e internacional. (GONÇALVES JUNIOR, 2002). 4 Procedimentos Metodológicos

5 Após refletir sobre os aspectos que permearam o período da Ditadura Militar ( ) referentes à Educação Física Escolar, realizamos três entrevistas com alunos que estudaram, da 5ª a 8ª série entre 1979 e 1984, na Escola Estadual Dinah Lucia Balestrero, localizada na cidade de Brotas/SP. Todos foram contatados previamente e concordaram em conceder entrevista, as quais foram realizadas em situações de diálogos, sendo registradas as informações em diários de campo (BOGDAN; BIKLEN, 1994). Decorrente de preceitos éticos os entrevistados adotaram os seguintes nomes fictícios: Claudio, Henrique e Maria. Como ponto de partida a entrevista realizamos a questão: como eram suas aulas de Educação Física enquanto alunos de 5ª a 8ª séries. Para estabelecer uma compreensão dos dados coletados, organizamos categorias temáticas. De acordo com Gomes (2004), as categorias são empregadas para se estabelecer classificações. Nesse sentido, trabalhar com elas significa agrupar elementos, idéias ou expressões em torno de um conceito capaz de abranger tudo isso (p.70). A seguir, apresentamos a análise dos dados. 5 Análise dos Dados TABELA 1: Categorias Temáticas ENTREVISTA CATEGORIA A. Educação Física Escolar separada por sexo e em horário oposto as demais disciplinas I - Claudio II - Henrique III - Maria 1 6 4,6 B. Professores de Educação Física exigentes C. Atribuição de importância aos exames biométricos D. Esportivização da Educação Física Escolar E. Preparação física F. Exigência de uniformes específicos ,6 4 7, ,1

6 Foram formados seis categorias ( A à F ) e alguns trechos das transcrições dos professores que revelam como eram as aulas de educação física no período da ditadura militar seguem no corpo da análise. 6 A) Educação Física Escolar separada por sexo em horário oposto as demais disciplinas. Conforme o relato de Henrique as aulas eram realizadas no período ao contrário do meu caso, á tarde e separado por sexo. (I, 1); Maria disse: As aulas eram separadas por feminino e masculino, mas tínhamos o ensino professor (sexo) masculino (III, 4); algumas meninas sentiam vergonha, devido ao professor ser do sexo masculino, mas lembra que tinham uma professora (III, 6); Claudio diz que o professor tornou o responsável pelos treinos masculinos e a professora, pelos treinos femininos (II, 2). B) Professores de Educação Física exigentes Fato bem caracterizado a época segundo relato de Claudio: principalmente no ensino fundamental era muito exigente (I, 2) e Henrique pautou- todos os dias os alunos ficavam perfilados, seguido orientações militares; esquerda volver, direita volver e a frente (II, 1) e Maria lembra: os treinamentos eram rigorosos e o professor exigia muita disciplina e dedicações (III 8). C) Atribuição da importância de exames biométricos. Segundo Claudio: no início do ano letivo eram feitos as medições de peso e altura. (I, 3); Maria também relata que no inicio do ano eram feitas as avaliações de peso e altura (III, 2). D) Esportivização da Educação Física Escolar. Os jogos eram divididos durante os bimestres (handebol, voleibol, basquetebol e futebol) se não nos esforços físicos nos exercícios poderá ser punidos, participando das atividades de fundamental de lado modalidade esportivas dos jogos (I, 5) e; muitas vezes eram desenvolvidas nas competições intercalasses e, até mesmo entre times que formamos nas aulas de educação física que, vale lembrar também, eram divididos por séries. Algumas vezes formavam uma seleção para jogar contra outras escolas (I, 6). Colocado também, Henrique se destacava pelo treinamento esportivo onde os alunos eram habilidosos e se especializavam em determinada modalidade esportiva, a fim de representar a escola nos Campeonatos Escolares, caracterizando assim um método tecnicista e esportivista (II, 4). Já Maria reafirma: tinham jogos (voleibol, basquetebol), as meninas que se destacavam (nesses jogos) eram convidadas a realizarem um treinamento a parte para participar de jogos contra outras cidades: Dois Córregos, Jaú e Rio Claro (III, 7) e a escola inteira convidada para assistir as competições (III 9).

7 7 E) Preparação física. Claudio nos conta que, nas primeiras aulas, o professor desenvolvia um circuito de exercícios e, durante o ano todo fazíamos exercícios nas barras perpendiculares e paralelas, além de flexões (que chamávamos de apoio) e exercícios abdominais (I, 4), Henrique conta em desfiles de datas comemorativas, ex: sete de setembro e aniversário da cidade, evidenciavam os exercícios militares na aula de educação física (II, 23); Maria relata como eram as seqüências, corríamos em volta da quadra, fazíamos exercícios de flexões (com uso de bastões) e abdominais. O professor desenvolvia uma série de exercícios que chamávamos de circuito, eram exercícios que exigia condicionamento físico e persistência (III, cinco). F) Exigência de uniformes específicos. Apenas a entrevistada Maria comentou sobre tal assunto, como segue: também era solicitado o uniforme. Para as meninas, shorts vermelho com elástico, camiseta ou saia branca com shorts embaixo, o tênis também tinham que ser branco (III, 3). Considerações As entrevistas colaboraram para melhor esclarecer como eram as de Educação Física no período da ditadura militar. Percebemos que as aulas eram sobremaneira voltadas para modalidades esportivas. No citado período era responsabilidade do professor de Educação Física a formação das turmas de treinamento, ou seja, havia uma seleção em que os melhores de cada modalidade representariam a escola nas competições promovidas pela Secretaria Estadual de Esportes e Cultura, visando inclusive formação de uma elite esportiva no país para realizar propaganda do regime. Decorrente de tal situação ocorria exclusão dos alunos menos hábeis das turmas de treinamento, os quais eram destinados as aulas de Educação Física pautadas na ginástica, gerando descontentamento e solicitações de dispensa das aulas por motivos diversos, tais como: problemas de saúde, trabalho, entre outros. A partir dos dados coletados junto aos entrevistados consideramos que as aulas de educação física eram: voltadas aos esportes e a preparação física; separadas por sexo; realizada em horários opostos a outras disciplinas; exigentes quanto ao uso de uniforme; atribuíam extrema importância aos exames biométricos.

8 8 Referências BRASIL, MEC, Parâmetros Curriculares Nacionais, 3º edição, BOGDAN, Roberto; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto (Portugal): Porto Editora, CARDOSO FILHO, J, Programa de Educação continuada: O pensar e o fazer em Educação Física, Serviço Social da Indústria, SESI CASTELANI FILHO, Lino. Política Educacional e Educação Física, 2º edição, GERMANO, J. W. Estado militar e educação no Brasil ( ). São Paulo: Cortez, GOMES, Romeu. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MYNAIO, Maria C. de S. (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, GONÇALVES JUNIOR, Luiz. Lazer no período da ditadura militar: o desvelar de depoimentos de sindicalistas da Grande São Paulo - Brasil. Revista Corpoconsciência, Santo André, n. 10, p , 2o sem., SERIACOPI, G. História. São Paulo: Ática, 2005.

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

AÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA, NOS PROJETOS ESPORTIVOS E NOS JOGOS ESCOLARES

AÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA, NOS PROJETOS ESPORTIVOS E NOS JOGOS ESCOLARES AÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA, NOS PROJETOS ESPORTIVOS E NOS JOGOS ESCOLARES Letícia de Queiroz REZENDE- UFG/CAJ- ticiaqr@hotmail.com Ricardo Tavares de OLIVEIRA- UFG/CAJ-

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964):

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): 1. - PRINCIPAIS PARTIDOS: PSD (Partido Social Democrático): Principal partido. Criado por Getúlio Vargas. Base rural. Industriais, banqueiros e latifundiários

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o texto e responda às questões 1 e 2. O primeiro de maio estava sendo comemorado na vila de esportes do Sindicato dos Têxteis.

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Esporte na Educação. Maria Alice Zimmermann

Esporte na Educação. Maria Alice Zimmermann Esporte na Educação Olimpismo O Olimpismo é uma filosofia de vida que defende a formação de uma consciência pacifista, democrática, humanitária, cultural e ecológica por meio da prática esportiva. COB

Leia mais

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR?

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? RESUMO JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? Luís César Souza 1 Letícia de Queiroz Rezende 2 Ricardo Tavares de Oliveira 3 A presente pesquisa é realizada dentro

Leia mais

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas.

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas. 1 Análise de comparação dos resultados dos alunos/atletas do Atletismo, categoria infanto, nos Jogos Escolares Brasiliense & Olimpíadas Escolares Brasileira. Autora: Betânia Pereira Feitosa Orientador:

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA JUNHO DE 2007 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública nacional Universo Eleitores e potenciais eleitores brasileiros que

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS SAMARA DA SILVA VIEIRA (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

ESTATUTO Nº 01/15. UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ESTATUTO Nº 01/15. UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESTATUTO Nº 01/15. Dispõe sobre a institucionalização do Laboratório de Atividade Física e Esportiva (LAFE) no âmbito da Universidade Anhembi Morumbi (UAM). RESOLVE: Art. 1º - Dispor sobre normas gerais

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º- Este regulamento é o conjunto de disposições que rege os jogos internos do Colégio Facex edição 2014.

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º- Este regulamento é o conjunto de disposições que rege os jogos internos do Colégio Facex edição 2014. Página 1 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º- Este regulamento é o conjunto de disposições que rege os jogos internos do Colégio Facex edição 2014. CAPÍTULO II DA FINALIDADE Art. 2º - Os jogos internos

Leia mais

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 ESCOLA DE Pedal Batatais Histórico da Entidade e Descritivo de Atividades Fundada em 1999 por JOSÈ REGINALDO

Leia mais

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations Andréa Roloff Lopes * HUGGINS, Martha K. Polícia e Política: relações Estados Unidos/América

Leia mais

REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 MODALIDADE: TÊNIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 MODALIDADE: TÊNIS CAPÍTULO I REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 MODALIDADE: TÊNIS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º - O Torneio de Tênis tem por finalidade promover a integração dos colaboradores do Grupo FIAT através da atividade

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS PRÓ- DE EXTENSÃO INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS Olá! Você já deve ter feito uma dessas perguntas: O que são entidades estudantis? Para que servem? Qual a diferença entre um CA e um DA? Como criar

Leia mais

Educação Física Inclusiva

Educação Física Inclusiva LUIZ HENRIQUE DE PAULA CONCEIÇÃO 1 RODRIGO HÜBNER MENDES 2 Educação Física Inclusiva O esporte para pessoas com deficiência teve seu início após a Primeira Guerra Mundial, como forma de tratamento de soldados

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

ESPORTES COMUNITÁRIA

ESPORTES COMUNITÁRIA ESPORTES COMUNITÁRIA 2014 Prezados pais e alunos, É com muita alegria e energia que esperamos a participação dos nossos alunos na Comunitária Esportes! Trabalhamos com empenho e carinho nos últimos preparativos

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Profª: Sabrine Viviane Welzel

Profª: Sabrine Viviane Welzel História 9 ano Ditadura Militar 1 Leia com a tençao, o depoimento do general bandeira a respeito da participaçao dos militares na politica brasileira: no movimento de 1964, a ideologia politica foi puramente

Leia mais

Presidente da CBF participa de reunião na Câmara dos Deputados

Presidente da CBF participa de reunião na Câmara dos Deputados Frente Parlamentar em Defesa dos Conselheiros Tutelares é reinstalada na Câmara dos Deputados Com o objetivo de discutir e acompanhar as demandas dos Conselhos Tutelares na Câmara dos Deputados, foi reinstalada

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

PROJETO FUTSAL 2013 CATEGORIAS SUB 07 SUB 09 SUB 11 SUB 13 SUB 15

PROJETO FUTSAL 2013 CATEGORIAS SUB 07 SUB 09 SUB 11 SUB 13 SUB 15 PROJETO FUTSAL 2013 CATEGORIAS SUB 07 SUB 09 SUB 11 SUB 13 SUB 15 1 PROJETO FUTSAL DA ESCOLA BARÃO EM 2013 INTRODUÇÃO A Escola Barão do Rio Branco, através do seu Curso Livre BARÃO ESPORTES, oportuniza

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo Este trabalho é parte de uma pesquisa de natureza qualitativa

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

SEMANA DA INTEGRAÇÃO FISMA/FCAA 2015

SEMANA DA INTEGRAÇÃO FISMA/FCAA 2015 SEMANA DA INTEGRAÇÃO FISMA/FCAA 2015 16 a 20 de março de 2015 EVENTO ESPORTIVO E CULTURAL COM OBJETIVO DE INTEGRAR OS CALOUROS AO AMBIENTE ACADÊMICO DA FISMA/FCAA PROGRAMAÇÃO Dia 16/03 Ginásio de Esportes

Leia mais

XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares

XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares Tayla Kuhnen 1 ; Sara Cristina Stacheski Martins 2 ; Tiago Martins da Silva 3 ; Marcelo Eger Sibert 4 ; Marines Dias Gonçalves 5 INTRODUÇÃO

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO

TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO (BOARDED SUBJECTS IN THE PHYSICAL EDUCATION FOR HIGH SCHOOL) Andreia Cristina Metzner 1 ; Juliana da Silva 2 1 Bebedouro SP acmetzner@hotmail.com

Leia mais

A VERDADE SOBRE AS FUNERÁRIAS NO MUNICÍPIO DO RJ:

A VERDADE SOBRE AS FUNERÁRIAS NO MUNICÍPIO DO RJ: A VERDADE SOBRE AS FUNERÁRIAS NO MUNICÍPIO DO RJ: Quando Sérgio Arouca assumiu a Secretaria Municipal de Saúde do RJ, publicou um decreto colocando o sistema funerário para controle dos assistentes sociais.

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

REGULAMENTO GERAL OLIMPÍADA ESCOLAR DE NOVO HAMBURGO 2012

REGULAMENTO GERAL OLIMPÍADA ESCOLAR DE NOVO HAMBURGO 2012 REGULAMENTO GERAL OLIMPÍADA ESCOLAR DE NOVO HAMBURGO 2012 OBJETIVO GERAL Formação para o pleno exercício da cidadania de crianças e adolescentes por meio do esporte. CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PNE (2011 2020): ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PNE (2011 2020): ALGUMAS CONSIDERAÇÕES PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PNE (2011 2020): ALGUMAS CONSIDERAÇÕES JOÃO ZANARDINI - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ UNIOESTE- CAMPUS DE CASCAVEL A RELEVÂNCIA POLÍTICA DO PNE; Constituição Federal

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol AULA: 11.2 Habilidades: Compreender as diferenças entre os esportes: educacional, de rendimento e de participação As dimensões sociais do esporte: Forma

Leia mais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais Escola E.B. 2/3 dos Olivais Esta planificação foi concebida como um instrumento necessário. Os objectivos da Educação Física no ensino básico bem como os princípios de organização das actividades nas aulas,

Leia mais

LEI DO SORTEIO MILITAR

LEI DO SORTEIO MILITAR LEI DO SORTEIO MILITAR Em 1874 uma lei modificou o sistema de recrutamento militar no Brasil, até então constituído pelo voluntariado ou pelo recrutamento forçado, instituindo o sorteio para o serviço

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Móveis FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE

PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE Versão 1 26/08/2015 PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS PARA O ANO DE 2016 E CONVOCAÇÃO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2.

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

Nota Técnica. 1- Referência:

Nota Técnica. 1- Referência: Nota Técnica 1- Referência: Ofício SEDE Central/SEC 007/2013, do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais SindUTE/MG, requerendo tornar sem efeito o artigo 4º da Resolução SEE nº 2.253

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

TORNEIO ESCOLAR DE ESPORTES DE LONDRINA REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I

TORNEIO ESCOLAR DE ESPORTES DE LONDRINA REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I TORNEIO ESCOLAR DE ESPORTES DE LONDRINA REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Atualizado em 24/02/2005 DOS OBJETIVOS Art. 1 o.- Promover o desporto educacional através de várias modalidades esportivas, dando a

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA E AS NOVAS ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO MÉDIO

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA E AS NOVAS ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO MÉDIO EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA E AS NOVAS ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO MÉDIO Suraya Cristina Darido O Ensino Fundamental (antigo 1 o grau) tem sido o centro das atenções de grande parte dos professores e pesquisadores,

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL (1964-1984)

A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL (1964-1984) A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL (1964-1984) Renata Leite Moura renata.leite@aluno.uece.br Maria Rafaela de Oliveira rafaoliveira800@gmail.com Roberta Rocha Olímpio betynha_ro@hotmail.com

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

40 anos do golpe de 1964

40 anos do golpe de 1964 40 anos do golpe de 1964 Tortura, prisões, assassinatos e desaparecimentos de opositores, proibição de partidos, intervenção em sindicatos, censura à imprensa e crescimento económico acelerado: tudo isso

Leia mais

Calendário Esportivo 2015

Calendário Esportivo 2015 www.mottafilho.com.br mottafilho.103@uol.com.br contato@mottafilho.com.br Calendário Esportivo 2015 REALIZAÇÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ORGANIZAÇÃO: SUPERINTENDÊNCIA MUNICIPAL DE ESPORTES GESTÃO:

Leia mais

Eleições presidenciais de 1955

Eleições presidenciais de 1955 Candidatos: - Juarez Távora(UDN)-30% Eleições presidenciais de 1955 -Juscelino Kubitscheck (PSD-PTB)-36% - Adhemar de Barros (PSP)-26% - Plínio Salgado (PRP)-8% O sr.getúlio Vargas não deve ser candidato

Leia mais

Exercícios de Ditadura Militar: Geisel e Figueiredo

Exercícios de Ditadura Militar: Geisel e Figueiredo Exercícios de Ditadura Militar: Geisel e Figueiredo Material de apoio do Extensivo 1. Sobre o fim do período militar no Brasil (1964-1985), pode-se afirmar que ocorreu de forma: a) Conflituosa, resultando

Leia mais

AVALIAÇÃO: A Ed. Física VALOR: 7.5 (SETE E MEIO) + 2.5 (AHSE) DATA: 22/09 HORA: Série: 1º ano Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Melo

AVALIAÇÃO: A Ed. Física VALOR: 7.5 (SETE E MEIO) + 2.5 (AHSE) DATA: 22/09 HORA: Série: 1º ano Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Melo AVALIAÇÃO: A Ed. Física VALOR: 7.5 (SETE E MEIO) + 2.5 (AHSE) DATA: 22/09 HORA: Série: 1º ano Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Melo Professor Presencial: Aluno: 1 1ª QUESTÃO (1,0) Há 30 anos,

Leia mais

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 -Enquanto Buenos Aires se tornava mais poderosa, os lideres

Leia mais

DISCIPLINA. Regulamento Geral

DISCIPLINA. Regulamento Geral REGULAMENTO GERAL ENSINA-ME A SER OBEDIENTE ÀS REGRAS DO JOGO ENSINA-ME A NÃO PROFERIR NEM RECEBER ELOGIO IMERECIDO ENSINA-ME A GANHAR, SE ME FOR POSSÍVEL MAS, SE EU PERDER, ACIMA DE TUDO ENSINA-ME A PERDER

Leia mais

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã BRASIL: ELEIÇÕES DE 1945 Com a deposição de Vargas foram marcadas eleições para

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE Roberto de Paula Alvarenga RANGEL 1 Claudio José Palma SANCHEZ 2 RESUMO: O presente trabalho busca abordar um breve

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES E CONTAS

RELATÓRIO DE ATIVIDADES E CONTAS RELATÓRIO DE ATIVIDADES E CONTAS 2014 INDÍCE 1. INTRODUÇÃO 2. VOTOS DE AGRADECIMENTO 3. PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DO MINIGOLFE E APOIO PARA FORMAÇÃO NOS CLUBES 4. ORGANIZAÇÃO DE ESTRUTURAS DE APOIO ÀS

Leia mais

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDRAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS MARCELO MENDES DOS SANTOS O Proeja no IFG: o processo seletivo para

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013. (Do Sr. JOSÉ STÉDILE)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013. (Do Sr. JOSÉ STÉDILE) PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. JOSÉ STÉDILE) Determina que empresas de direito público, no âmbito federal, ao patrocinarem clubes de futebol, destinem 5% do valor do patrocínio para ser utilizado em

Leia mais

REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO

REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO I - DOS LOCAIS DOS JOGOS Art. 1º - Os jogos serão realizados nos seguintes locais: Quadras 01,02 e 03 - térreo do Prédio 80 Quadras 01,02 e 03-4º andar do Prédio

Leia mais

Consultor/a Local Elaboração de formulários e indicadores para o Sistema Integrado de Atendimento à Mulher (SIAM)

Consultor/a Local Elaboração de formulários e indicadores para o Sistema Integrado de Atendimento à Mulher (SIAM) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB, Setor de Clubes Esportivo Sul, Trecho 2, lote 22, Ed. Tancredo Neves, 1º andar 70.200-002 - Brasília/DF Telefone: (61) 3313.7063/7058

Leia mais

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010).

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010). FORMAÇÃO CONTINUADA NA LIDA DO POLICIAL CIVIL: estudo sobre as estratégias de formação continuada de policiais civis para o atendimento aos grupos vulneráveis Bárbara Aragão Teodoro Silva UFMG Este pôster

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO DA CORRENTE LIBERAL - 2014/2015

PROGRAMA DE TRABALHO DA CORRENTE LIBERAL - 2014/2015 PROGRAMA DE TRABALHO DA CORRENTE LIBERAL - 2014/2015 Legendas aplicadas: T Total de Propostas R Realizadas PR Parcialmente realizadas NP Não percebidas NR Não realizadas PRESIDÊNCIA - Dar continuidade

Leia mais