MATERIAIS NANOCRISTALINOS E SUAS APLICAÇÕES NA ELETROELETRÔNICA. Resumo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATERIAIS NANOCRISTALINOS E SUAS APLICAÇÕES NA ELETROELETRÔNICA. Resumo"

Transcrição

1 MATERIAIS NANOCRISTALINOS E SUAS APLICAÇÕES NA ELETROELETRÔNICA Luciano, B. A. (1) e Kiminami, C. S. (2) (1) Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Engenharia Elétrica (2) Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Engenharia de Materiais Resumo Nas últimas três décadas, as pesquisas e o desenvolvimento das ligas amorfas, à base de ferro, níquel e cobalto, assim como das ligas nanocristalinas, obtidas mediante tratamento térmicos de cristalização em fitas amorfas ricas em ferro, têm propiciado diversas aplicações destes materiais em equipamentos eletroeletrônicos. Neste trabalho apresenta-se uma revisão sobre os materiais nanocristalinos, a partir da primeira obtenção experimental destes materiais, por Yoshizawa e seus colaboradores, em São apresentados os principais métodos de produção de materiais nanocristalinos magneticamente moles, suas propriedades elétricas e magnéticas, como alta resistividade, indução de saturação elevada, baixa coercividade e magnetostrição zero. O conjunto destas características fazem esses materiais concorrentes dos ferrites e das ligas amorfas à base de cobalto, em aplicações eletromecânicas, na faixa de freqüência industrial, em equipamentos tais como: transformadores para fontes chaveadas, transformadores de pulso, sensores, blindagem magnética e reatores. Palavras-chaves: Materiais nanocristalinos, materiais magneticamente moles, alta permeabilidade, baixa força coerciva, aplicações eletroeletrônicas. Abstract In this paper we present a review the evolution of the nanocrystalline materials over the years, since the first experiment performed by Yoshizawa et al., in Based on the features of high saturation magnetization, high initial permeability, low core loss, high resistivity, low coercivity, zero magnetostriction, the nanocrystalline soft magnetic materials, some electromagnetic devices applications such as: common mode choke coils, pulse transformers, current transformers, transformers for switched-mode power supplies and permanent magnetic rotating machines have been developed. The proliferation of highefficiency electrical power loads, and their concomitant sensitivity do disturbances, has imposed stringent requirements on the power supply quality. Keywords: Nanocrystalline materials, Magnetic material, Core loss, Low coercivity force, Electrical and electronics applications. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 34501

2 INTRODUÇÃO Como decorrência das pesquisas e desenvolvimento das ligas amorfas, uma nova classe de material magneticamente mole foi obtida e reportada por Yoshizawa e seus colaboradores, em um artigo publicado em 1988; trata-se das ligas nanocristalinas, que receberam esta denominação devido à sua estrutura de grãos da fase Fe(-Si) em escala nanométrica [1]. Baseados na observação do aprimoramento das propriedades magnéticas em filmes finos, com estrutura de grãos refinada, os citados pesquisadores desenvolveram materiais magneticamente moles, mediante tratamento térmicos de cristalização (540 C/1h) em fitas amorfas ricas em ferro, do tipo Fe-Cu-M(-Si)-B(M : Nb, Mo, Ta, W, Zr, etc), tendo como resultado propriedades magnéticas em altas freqüências comparáveis às ligas amorfas à base de cobalto, tais como: alta permeabilidade, baixa coercividade, baixa magnetostricção, estabilidade magnética e baixas perdas e densidade de fluxo magnético elevada. Neste trabalho apresenta-se uma revisão sobre os materiais nanocristalinos, a partir da primeira obtenção experimental destes materiais, por Yoshizawa e seus colaboradores, em 1988, destacando as suas aplicações na eletroeletrônica e suas contribuições para a eficiência energética, mediante a redução de perdas, incluindo os aspectos de qualidade de energia e impacto ambiental. DESENVOLVIMENTO DOS MATERIAIS NANOCRISTALINOS O desenvolvimento da estrutura nanocristalina ocorreu a partir do acréscimo de elementos químicos em ligas amorfas ricas em ferro, promovendo uma evolução de estrutura de grãos refinada. Pequenas quantidades de cobre foram adicionadas em ligas amorfas de Fe-Si-B para a nucleação dos grãos. Para evitar o crescimento exagerado destes, foram adicionados também, alternativamente, Nb, Mo, W, Ta, Zr, Hf, Ti. Estes metais de transição têm o efeito de aumentar a temperatura de cristalização das ligas, evitando o crescimento dos grãos e a deterioração das propriedades magnéticas do material [2]. No processo de produção da liga nanocristalina Fe 73, 5 Cu 1 Nb 3 Si 13, 5 B 9 (FINEMET ), obtida por Yoshizawa e seus colaboradores, o primeiro passo foi a obtenção, por solidificação rápida, de uma liga amorfa à base de Fe-Si-B, acrescida de Cu, Nb, Ta, Mo, com espessura de cerca de 20 µm. Em seguida, as fitas amorfas foram enroladas em forma de núcleos toroidais, os quais foram recozidos, sob campo magnético, obtendo-se o material nanocristalino magneticamente mole com um tamanho médio de grão de aproximadamente 10 nm [3]. Nessa etapa, as melhores propriedades magnéticas foram obtidas com a adição de nióbio, resultando na liga FINEMET, recozida a 550 C, sob campo magnético, por uma hora. A partir da liga desenvolvida por Yoshizawa, várias outras composições foram investigadas por diversos pesquisadores, sendo apresentadas em diferentes trabalhos [4, 5,6,7, 8, 9,10,11,12,13]. Atualmente, prosseguem as pesquisas e o desenvolvimento dos materiais nanocristalinos, abrindo perspectivas para diversas aplicações na eletroeletrônica, tanto como materiais magneticamente moles, quanto magneticamente duros e, mais recentemente, como meio magnético de armazenamento de informação [14]. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 34502

3 PROPRIEDADES ELETROMAGNÉTICAS E APLICAÇÕES A grande maioria dos equipamentos eletroeletrônicos necessita de dispositivos eletromagnéticos como transformadores e indutores. Quando esses dispositivos são usados em circuitos de potência, dependendo do material magnético empregado, quanto maior a freqüência da corrente elétrica, maiores as perdas nos seus núcleos magnéticos, embora as dimensões destes possam ser reduzidas, razão pela qual utiliza-se a freqüência de 400 Hz em aviões. Na Tabela 1 são apresentadas as propriedades magnéticas de algumas ligas nanocristalinas, em comparação com algumas ligas amorfas e materiais cristalinos tradicionalmente utilizados em núcleos de dispositivos eletroeletrônicos. Tabela 1 - Propriedades magnéticas de alguns materiais magneticamente moles: Nonocristalinos (N), Amorfos (A) e Cristalinos (C) [3]. N Material (at%) Espessura (mm) B 800 (T) H c (A/m) µ r [1 khz] P nv (kw/m 3 ) P nm (kw/kg) Fe 77 Cu 0,6 Nb 2,4 Si 11 B ,45 0, Fe 76,9 Cu 0,6 Nb 2,5 Si 11 B ,45 0, Fe 77 Cu 1 Nb 2 Si 11 B ,45 1, Fe 73,5 Cu 1 Nb 3 Si 13,5 B ,24 0, Fe 85 Cu 1 Zr 5 Nb 2 B ,50 1, À base de Co 18 0,55 0, A À base de Fe 18 1,44 6, Aço 6,5wt%Si 50 1,25 31, C Ferrite Mn-Zn - 0,4 6, B 800 : Densidade de fluxo magnético (H=800 A/m) µ r : Permeabilidade relativa (H=0,05 A/m) P nv : Perdas no núcleo, por unidade de volume P nm : Perdas no núcleo, por unidade de massa O elevado valor da permeabilidade e da resistividade (135 µω.cm), baixa força coerciva, boa estabilidade térmica e indução de saturação superior a 1,20 T, conferem às ligas nanocristalinas diferentes possibilidades de aplicações em dispositivos eletroeletrônicos, tais como: núcleos enrolados para atenuação de interferência eletromagnética, transformadores de pulso, componentes para fontes chaveadas, conversores de freqüência para acionamento de máquinas elétricas, indutores, sensores, reatores saturáveis, transformadores para altas freqüências e cabeçotes magnéticos [15,16]. Bobinas choke de modo comum Ultimamente, tem sido crescente as exigências relativas à proteção de equipamentos eletrônicos contra a interferência eletromagnética, sobretudo porque esses equipamentos passaram a fazer parte do nosso cotidiano. Dentre os componentes utilizados para essa finalidade, destacam-se as bobinas choke de modo comum, utilizadas para proteger esses equipamentos contra pulsos de tensão em altas freqüências. Essas bobinas funcionam como indutores, cuja finalidade é atenuar, de forma proporcional, os pulsos de altas freqüências. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 34503

4 Tradicionalmente, as bobinas choke de modo comum têm sido construídas com núcleos de ferrites MnZn. Entretanto, Naitoh et al. [17], realizando estudos experimentais, demostraram que o núcleo de liga nanocristalina NANOPERM (Fe 88 Zr 7 B 4 Cu) apresenta um desempenho superior ao núcleo de ferrite MnZn, em termos de atenuação, na faixa de freqüência de 0,3 a 20 MHz, que compreende a faixa de operação das fontes chaveadas. Transformadores de pulso Os transformadores de pulso são utilizados para isolar, eletricamente, os terminais de equipamentos RDSI (Rede Digital de Serviços Integrados). Nesta aplicação particular, a figura de mérito preponderante no projeto desses transformadores é a miniaturização. Com o emprego de materiais nanocristalinos de alta permeabilidade, em substituição aos núcleos de ferrite MnZn, têm sido desenvolvidos transformadores de pulso muito menores, posto que a permeabilidade relativa dos materiais nanocristalinos são, em geral, superior à permeabilidade do ferrite, além de possuir maior estabilidade com relação às mudanças de temperatura. Transformadores de corrente (TC s) Os transformadores de corrente são transformadores para instrumentos, projetados e construídos especificamente para alimentarem instrumentos elétricos de medição, controle ou proteção. O material magnético do núcleo dos TC s para medição deve possuir elevada permeabilidade magnética (pequena corrente de excitação, pequenas perdas específicas, baixa relutância) quando submetido às baixas induções magnéticas de uso (cerca de 0,1 T), entrando em saturação logo que a indução magnética atinja 0,4 a 0,5 T, o que corresponde à corrente primária crescer para cerca de quatro vezes o seu valor nominal. Por outro lado, o núcleo dos TC s para proteção deve ser feito com material magnético de elevado valor de indução de saturação, correspondente a uma elevação na corrente primária de cerca de 20 vezes o seu valor nominal. Portanto, na escolha de um material magnético para uso em núcleos de TC s, as figuras de mérito mais importantes são a elevada permeabilidade magnética e o elevado valor da indução de saturação. Transformadores para fontes chaveadas Uma das partes importantes dos equipamentos eletroeletrônicos é a sua fonte de alimentação. Tradicionalmente, elas usavam a energia fornecida pela rede elétrica na freqüência de 50 ou 60 Hz, fazendo com que esses equipamentos ficassem grandes, pesados e encarecendo os seus custos. Uma alternativa a esse tipo de alimentação foi o emprego da a fonte chaveada, na qual o sinal da rede elétrica é retificado usando-se diodos de silício e o valor da tensão desejado e a regulação são conseguidos usando-se chaveamento com dispositivos semicondutores e transformadores e/ou indutores, em uma freqüência bem mais elevada (dezenas de khz) do que a da rede. Dessa forma, os transformadores (e/ou indutores) podem ter dimensões bem menores, reduzindo assim peso, tamanho e custo. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 34504

5 Além disso, o rendimento das fontes chaveadas é bem maior do que o rendimento das fontes lineares. Ultimamente, os núcleos dos transformadores para fontes chaveadas, na faixa de 100 a 1000 W, que tradicionalmente eram de ferrite, estão sendo substituídos por núcleos ligas amorfas à base de cobalto e mais recentemente por material nanocristalino. No projeto de fontes chaveadas que usem freqüência elevada, a redução do peso e do volume do transformador depende essencialmente do tipo de material ferromagnético utilizado no núcleo. Nesse uso particular, o emprego de material nanocristalino, em substituição aos materiais magnéticos tradicionais, pode ocasionar não apenas a redução de volume e peso, como também a redução de perdas [15]. Máquinas a ímã permanente Até recentemente, existiam três classes de ímãs permanentes utilizados máquinas elétricas: os alnicos (Al, Ni, Co, Fe), os cerâmicos (ferrites de bário e ferrites de estrôncio), os terras raras (SmCo e NdFeB). Atualmente, entretanto, com o substituição do Zr por Nd nas ligas nanocristalinas Fe 90 M 7 B 13 foram obtidas novos ímãs permanentes, com propriedades magnéticas competitivas com relação às três classes de ímãs supra citadas, conforme pode ser observado na Tabela 2. Tabela 2 Propriedades dos ímãs nanocristalinos NdFeB com alta concentração de ferro face às propriedade dos ímãs permanentes convencionais [18]. Ímãs permanentes B r (T) H c (ka/m) (BH)max (kj/m 3 ) Fe 89 Nd 7 B 4 Nanocristalino 1, Ferrite 0, Alnico 0, SmCo 5 0, SmCo 17 1, Nd 2 Fe 14 B 1, Conforme pode ser observado na Tabela 2, o valor da indução residual do ímã Fe 89 Nd 7 B 4 nanocristalino é elevado, o que implica na redução do peso e do volume do material magneticamente mole a ser empregado no circuito magnético, conforme pode-se depreender da equação 1: P a = S / k ff k u jk e B max J (1) na qual: P a é o produto da área disponível na janela do núcleo pela área da seção transversal do mesmo; S é a potência aparente, produto da tensão (V) pela corrente (I); k ff é o fator de forma (igual a 4,4 para forma de onda senoidal e 4,0 para forma de onda retangular); k u j é a área da janela do núcleo ocupada efetivamente por condutores; k e é a fração transversal do núcleo efetivamente ocupada por material magnético; B max é o valor máximo da indução magnética e J é a densidade de corrente elétrica. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 34505

6 Como nas aplicações práticas o volume V ocupado pelos ímãs permanentes nas máquinas elétricas é inversamente proporcional o produto de energia BH max, conforme a equação 2: V = µ 0 V 0 H 0 2 / BH max (2) na qual µ 0 é a permeabilidade magnética do entreferro; V 0 é o volume de ar no entreferro; e H 0 é a intensidade de campo magnético no entreferro, pode-se afirmar que o ímã Fe 89 Nd 7 B 4 nanocristalino compete com o SmCo 5. REDUÇÃO DE PERDAS O material magneticamente mole ideal deveria ter permeabilidade magnética e resistividade elétrica infinitas, força coerciva nula, imunidade à corrosão, baixo peso e baixo custo. Entretanto, na prática, dispor de um material que atenda, simultaneamente, a tais requisitos é muito difícil. Quando um dispositivo eletromagnético está ligado, ocorrem perdas de energia no material ferromagnético do núcleo, que se manifestam sob a forma de calor e de ruído audível. A origem destas perdas está no processo irreversível de magnetização e desmagnetização dos momentos magnéticos intrínsecos do material, imposto pela variação do campo magnético externo. Para efeito de análise, as perdas magnéticas totais nos materiais magneticamente moles podem ser separadas em três componentes: histerese, correntes parasitas e perdas anômalas. Estas perdas estão intimamente ligadas à eficiência energética dos equipamentos eletroletrônicos e buscar uma maneira de como reduzi-las passa a ser uma tarefa de engenheiros eletricistas e pesquisadores da área de materiais. Para redução das perdas por histerese, a solução é o emprego de materiais magnéticos que apresentem um laço de histerese estreito, o que significa: (a) alta permeabilidade, µ = B/H ; (b) baixa força coerciva (H c ) e relação Br/Bs próxima da unidade. No que diz respeito à redução das perdas por correntes parasitas, a solução é o emprego lâminas ou fitas de materiais ferromagnéticos de alta resistividade, o mais finas possíveis, posto que tais perdas variam com o inverso da resistividade e são diretamente proporcionais ao quadrado da espessura. A adição de silício aumenta a resistividade, diminuindo assim as perdas por correntes parasitas nos núcleos ferromagnéticos. Quanto às perdas anômalas, estas são atribuídas às microcorrentes localizadas nas paredes dos domínios, durante o processo cíclico de magnetização, sendo diretamente proporcionais à freqüência e à largura do domínio magnético. Em síntese, os principais fatores que afetam as perdas nos materiais ferromagnéticos são: a adição de silício, impurezas, tamanho de grão, textura e espessura. Nos processos convencionais, as ligas de FeSi são produzidas mediante etapas de laminação a quente (GNO) e laminação a frio (GO), além de recozimento em alta temperatura. Entretanto, a grande fragilidade observada nas ligas ferrocristalinas de alto teor de silício, tem limitado a exploração de composição em torno de 6,5% em massa de silício. Por outro lado, com o desenvolvimento da tecnologia de solidificação rápida, ao eliminar etapas de laminação, tornou-se possível a obtenção de novos materiais CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 34506

7 ferromagnéticos com teores mais elevados de silício e baixas perdas magnéticas, a exemplo das ligas amorfas e dos materiais nanocristalinos. As baixas perdas magnéticas atribuídas a esses materiais são resultantes, basicamente, de três fatores: (1) a homogeneidade microestrutural, que gera uma baixa anisotropia magnética; (2) a composição química, posto que o alto teor de metalóides e a desordem estrutural contribuem para o aumento da resistividade; e (3) ao fato de as ligas amorfas, assim como as ligas nanocristalinas, serem produzidas em espessuras muito reduzidas, conforme apresentado na Tabela 1. As espessuras reduzidas das ligas amorfas e as ligas nanocristalinas, impõe dificuldades práticas durante a montagem eletromecânica dos núcleos, o que implica numa abordagem específica para a definição do projeto e cuidados especiais no manuseio das mesmas durante a montagem. O uso de luvas, para evitar a oxidação acelerada do material amorfo, e a precaução com respeito à aplicação de esforços mecânicos que venham a comprometer as propriedades magnéticas do material do núcleo, são exemplos de alguns desses cuidados. Neste particular, é altamente recomendável o encapsulamento do núcleo para que o mesmo possa absorver tensões mecânicas externas, sem que isto implique em dificuldades de dissipação térmica das inevitáveis perdas associadas ao processo de conversão de energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA As pesquisas e o desenvolvimento de novas tecnologias voltadas à eficiência energética estão diretamente relacionadas com a redução das perdas. Nos sistemas elétricos, a eficiência energética envolve um conjunto de práticas e políticas que têm por objetivo a redução dos custos e consumo com energia e/ou aumento da quantidade de energia oferecida, sem alteração na geração, integrando ações de gerenciamento pelo lado da oferta e pelo lado da demanda. Com a 1ª crise do petróleo, em 1973, desencadeou-se a busca por novos materiais que diminuíssem as perdas e consequentemente aumentasse a eficiência energética de máquinas e dispositivos eletroletrônicos. Desde então, os pesquisadores foram levados a estudar novos materiais, comparando-os entre si, no que diz respeito aos seus desempenhos. Atualmente, os transformadores e as máquinas elétricas convencionais, instalados nos sistemas elétricos, são compostos de núcleos de ferro-silício e enrolamentos de cobre ou alumínio. Isto representa uma tecnologia consolidada, restando como alternativa para a melhoria da eficiência energética destes equipamentos a substituição dos materiais convencionais por outros que apresentem perdas específicas menores. O emprego de materiais magnéticos de baixas perdas ativas (W/kg) e reativas (VA/kg) têm propiciado o desenvolvimento de equipamentos eletroeletrônicos de alta eficiência, mas que concomitantemente são altamente sensíveis aos distúrbios causados por problemas de qualidade de energia. Segundo Abreu et alli [19], problema de qualidade de energia é qualquer distúrbio ou ocorrência manifestada nos níveis de tensão e/ou nas formas de ondas de tensão ou corrente que possam resultar em insuficiência, má operação, falha ou defeito permanente em equipamentos de um sistema elétrico. Essas condições de operação mais exigentes se relacionam com o crescente nível de contaminação harmônica nos sinais de tensões e CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 34507

8 correntes, produzidos por cargas não lineares, e afetam diretamente a qualidade da energia elétrica fornecida aos usuários. Idealmente, as tensões de suprimento dos sistemas elétricos deveriam ser perfeitamente equilibradas, senoidais, com amplitude e freqüência constante. Os processos de conversão de energia deveriam ocorrer sem perdas, o que significaria rendimento máximo (100%) associado à máxima qualidade de energia. Entretanto, na prática, nem sempre a busca pela eficiência energética, decorrente da redução de perdas, pode ser sinônimo de qualidade de energia. Nos últimos anos, tem sido crescente a introdução de cargas não-lineares nos sistemas elétricos, com reflexos diretos na qualidade de energia elétrica. Essas cargas, em geral, são responsáveis pela introdução de componentes harmônicas que podem chegar a comprometer as características de fornecimento de energia, podendo ocasionar interrupções, o funcionamento inadequado de equipamentos ou a interrupção de processos de produção industrial. Portanto, o desafio consiste em compatibilizar eficiência energética e qualidade de energia, reduzindo perdas, sem introduzir distúrbios no sistema elétrico de alimentação. CONCLUSÕES A combinação das excelentes propriedades magnéticas, elétricas, térmicas e mecânicas fazem dos materiais nanocristalinos concorrentes das ligas permalloys, ferrites e ligas amorfas à base de níquel e cobalto, em diversas aplicações na eletroeletrônica, nas quais a eficiência seja a figura de mérito preponderante. Efetivamente, os materiais nanocristalinos se caracterizam como materiais magneticamente moles de alta eficiência energética, podendo ainda ser utilizados como ímãs permanentes e como materiais magneticamente intermediários. Entretanto, o emprego extensivo desses materiais precisa ser avaliado mais detalhadamente sob dois aspectos: qualidade de energia e impacto ambiental. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] YOSHIZAWA, Y.; OGUMA, S.; YAMAUCHI, K. New Fe-based soft magnetic alloys composed of ultrafine grain structure. Journal of Applied Physics 64, pp , [2] EMURA, M. Anisotropia induzida e perdas magnéticas em ligas amorfas e nanocristalinas. Dissertação de Mestrado - Departamento de Física dos Materiais e Mecânica do IF/USP, São Paulo, [3] YOSHIZAWA, Y. Magnetic properties and microstructure of nanocrystalline Fe-based alloys. Materials Science Forum, Vol. 307, pp.51-62,1999. [4] HERZER, G. Grain structure and magnetism of nanocrystalline ferromagnets. IEEE Trans. Mag. 25, pp , [5] SUZUKI, K.; KATAOKA, A.; INOUE, A.; MAKINO, A. and MASUMOTO, T. High saturation magnetization and soft magnetic properties of bcc Fe-Zr-B alloys with ultrafine grain structure. Mater. Trans. JIM, vol. 31, pp , August CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 34508

9 [6] FUJII, Y.; FUJITA, A.; SEKI, A. and TOMIDA, T. Magnetic properties of fine crystalline Fe-P-C-Cu-X alloys. J. Appl. Phys., vol. 70, pp , November, [7] KRAUS, L.; ZÁVETA, K.; HECZKO, O.; DUHAJ, P.; VLASÁK, G.; SCHNEIDER, J. Magnetic anisotropy in as-quanched and stress-annealed amorphous and nanocrystalline Fe 73.5 Cu 1 Nb 3 Si 13.5 B 9 alloys. Journal of Magnetism and Magnetic Materials 112, pp ,1992. [8] MURILO, N.; GONZÁLES, J.; BLANCO, J. M. Stress induced anisotropy and temperature dependence of magnetostriction in Fe 73.5 Cu 1 Nb 3 Si 13.5 B 9 amorphous alloys. Journal of Applied Physics, vol. 74, pp , [9] SCHULZ, R., TRUDEAU, M. L., DUSSAULT, D., VAN NESTE, A. and DIGNARD- BAILEY, L. Structural and magnetic properties of nanocrystalline Fe-Si-B alloys produced by mechanical crystallization. Materials Science and Engineering A179/A180, pp , [10] SURYANARAYANA, C. Nanocrystalline materials. International Material Reviews, Vol. 40, No. 2, pp , [11] KUHRT, C. and HERZER, G. The residual amorphous phase in nanocrystalline soft magnetic FeSiCuNbB. IEEE Transactions on Magnetics, Vol. 33, No. 5, pp , September [12] PARK, J. Y.; SUH, S. J.; KIM, K. Y. and NOH, T. H. The effect of magnetic field annealing on magnetic properties in ultrathin Fe-based nanocrystalline alloys. IEEE Transactions on Magnetics, Vol. 33, No. 5, pp , September [13] RYU, H. J.; KIM,S.D.; LEE, J.J.; KIM, J.; HAN, S. H.; KIM, H. J. and AHN, C. H. 2D and 3D simulation of toroidal type thin film inductors. IEEE Transactions on Magnetics, Vol. 34, No. 4, pp , July [14] McHENRY, M. E. and LAUGHLIN, D. E. Nano-scale materials development for future magnetic applications. Acta mater. 48, pp , [15] PETZOLD, J., JOACHIM, P. and RICHTER, J. Nanocrystalline materials: soft magnetic alloys for high-tech devices. Siemens-Review Special - R&D, pp , Fall 96. [16] MAKINO, A., HATANAI, T., NAITOH, Y., BITOH, T., INOUE, A. and MASUMOTO, T. Applications of nanocrystalline soft magnetic Fe-M-B (M=Zr, Nb) alloys NANOPERM. IEEE Transactions on Magnetics, Vol. 33, No. 5, pp , September [17] NAITOH, Y., BITOH, T., HATANAI, T., MAKINO, A., INOUE, A. and MASUMOTO, T. Applications of nanocrystalline soft magnetic Fe-M-B (M=Zr, Nb) alloys. NanoStructured Materials, Vol. 8, No. 8, pp , [18] INOUE, A.; TAKEUCHI, A.; MAKINO, A. and MASUMOTO, T. Soft and hard magnetic properties of nonocrystalline Fe-M-B (M=Zr, Nd) base alloys containing intergranular amorphous phase. Sci. Rep. RITU, A, vol. 42, No. 1, pp , March [19] ABREU, J. P. G., ARANGO, H., OLIVEIRA, J. C., BUENO, A. M. e SILVA, S. R. Reflexões sobre Qualidade de Energia. I Seminário Brasileiro sobre Qualidade de Energia Elétrica, Uberlândia, CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 34509

B. A. Luciano 1, T. C. Batista 1, R. C. S. Freire 1, W. B. de Castro 1 e M. A. G. Camacho 2

B. A. Luciano 1, T. C. Batista 1, R. C. S. Freire 1, W. B. de Castro 1 e M. A. G. Camacho 2 MEDIÇÕES DAS PERDAS E DA CORRENTE DE EXCITAÇÃO EM TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE BAIXA POTÊNCIA COM NÚCLEO DE LIGA AMORFA: ANTES E DEPOIS DO PROCESSO DE OXIDAÇÃO B. A. Luciano 1, T. C. Batista 1, R. C.

Leia mais

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina 160 EEE LATN AMERCA TRANSACTONS, VOL. 4, NO. 3, MAY 2006 Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina Benedito A. Luciano, Member, EEE, Raimundo C. S. Freire, José Gutembergue A.

Leia mais

EFEITO DO CORTE NAS PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DE AÇOS ELÉTRICOS M. Emura 1, F.J.G. Landgraf 1, W. Rossi 2, J. Barreta 2

EFEITO DO CORTE NAS PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DE AÇOS ELÉTRICOS M. Emura 1, F.J.G. Landgraf 1, W. Rossi 2, J. Barreta 2 EFEITO DO CORTE NAS PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DE AÇOS ELÉTRICOS M. Emura 1, F.J.G. Landgraf 1, W. Rossi 2, J. Barreta 2 1 Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo IPT 2 Instituto de Pesquisas

Leia mais

SOBRE OS ÍMÃS PERMANENTES E SUAS APLICAÇÕES NA ELETROELETRÔNICA

SOBRE OS ÍMÃS PERMANENTES E SUAS APLICAÇÕES NA ELETROELETRÔNICA SOBRE OS ÍMÃS PERMANENTES E SUAS APLICAÇÕES NA ELETROELETRÔNICA Benedito Antonio Luciano, Doutor Sissi Alves da Silva, bolsista PET Departamento de Engenharia Elétrica Centro de Ciências e Tecnologia Universidade

Leia mais

**Transformadores MEGA Ltda. Caixa Postal 6302 CEP 89068-970 - Blumenau - SC Fone/Fax 047 337 2000 mega@braznet.com.br

**Transformadores MEGA Ltda. Caixa Postal 6302 CEP 89068-970 - Blumenau - SC Fone/Fax 047 337 2000 mega@braznet.com.br Modelagem Estática e Dinâmica do Comportamento de Materiais Magnéticos sob Regimes Senoidais Puro e Com Harmônicos Sérgio H. L. Cabral* Thair I. Mustafa* André Carvalho** Jonas B. N. Coral** *Fundação

Leia mais

MATERIAIS MAGNÉTICOS USADOS EM TRANSFORMADORES E INDUTORES DE BAIXA E ALTA FREQÜÊNCIA

MATERIAIS MAGNÉTICOS USADOS EM TRANSFORMADORES E INDUTORES DE BAIXA E ALTA FREQÜÊNCIA MATERIAIS MAGNÉTICOS USADOS EM TRANSFORMADORES E INDUTORES DE BAIXA E ALTA FREQÜÊNCIA Introdução O indutor é um componente que se opõe a variações de corrente elétrica. Ele é composto por um enrolamento

Leia mais

Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014

Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014 APLICAÇÕES ELETROELETRÔNICAS DE LIGAS AMORFAS E LIGAS NANOCRISTALINAS NO CONTEXTO DAS REDES INTELIGENTES Benedito Antonio Luciano Universidade

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

ESTUDO ANALÍTICO E COMPUTACIONAL DE APLICAÇÕES DE LIGAS NANOCRISTALINAS EM NÚCLEOS TOROIDAIS

ESTUDO ANALÍTICO E COMPUTACIONAL DE APLICAÇÕES DE LIGAS NANOCRISTALINAS EM NÚCLEOS TOROIDAIS ESTUDO ANALÍTICO E COMPUTACIONAL DE APLICAÇÕES DE LIGAS NANOCRISTALINAS EM NÚCLEOS TOROIDAIS Mary Karlla Araújo Guimarães Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de

Leia mais

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE Ramos, Daniela Magalhães 1 Ferreira, Carlos Roberto 2

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 1 cassiano@ieee.org 1 Componentes semicondutores em Eletrônica de Potência Diodo MOSFET IGBT GTO 2 Introdução Eletrônica de Potência é uma ciência aplicada que aborda

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

Constituição - Núcleo. Constituição. Tipos de núcleos. Núcleo ferromagnético. Constituição - Enrolamentos. Tipos de núcleos 02/03/2015

Constituição - Núcleo. Constituição. Tipos de núcleos. Núcleo ferromagnético. Constituição - Enrolamentos. Tipos de núcleos 02/03/2015 02/03/2015 es monofásico Eletricista de Instalações trifásico es de tensão de medida 2014/ 2015 de intensidade 1 monofásico 2 4 Simbologia es: o aparelhos eletromagnéticos o sem partes móveis o destinados

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015 Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Sensores São dispositivos que

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

INSTITUTO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA PROJETO FÍSICO DE INDUTORES E TRANSFORMADORES

INSTITUTO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA PROJETO FÍSICO DE INDUTORES E TRANSFORMADORES INSTITUTO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Departamento de Engenharia Elétrica Centro Tecnológico UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROJETO FÍSICO DE INDUTORES E TRANSFORMADORES Prof. Ivo Barbi, Dr. Ing.

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS. Vera L. Arantes

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS. Vera L. Arantes PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS Vera L. Arantes Propriedades Elétricas Alguns materiais precisam ser altamente condutores. Ex.: fios para conexões elétricas. Ou precisam ser isolantes. Ex.: o encapsulamento

Leia mais

Materiais usados em resistores

Materiais usados em resistores Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Elétrica Materiais usados em resistores EEL7051 Laboratório de Materiais Elétricos Aluno: Cristiano P. Costa Neves Turma:

Leia mais

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso.

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. Luciano de Abreu São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. É um dispositivo elétrico passivo que armazena energia

Leia mais

Transformadores a seco. Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição

Transformadores a seco. Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição Transformadores a seco Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição 2 Indutores e reatores (chokes) a seco Reatores ABB para requisitos

Leia mais

Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br

Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br 1 Ciência e Tecnologia dos Materiais faz parte do núcleo de conteúdos básicos obrigatórios para todos os cursos de Engenharia

Leia mais

Sensores Indutivos. 200129500 Hudson Legnar Lima hudsonlegnar@gmail.com

Sensores Indutivos. 200129500 Hudson Legnar Lima hudsonlegnar@gmail.com Sensores Indutivos 200129500 Hudson Legnar Lima hudsonlegnar@gmail.com Resumo Esta apresentação tem como objetivo fazer um apanhado geral sobre Sensores Indutivos. Os sensores indutivos foram desenvolvidos

Leia mais

ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃO-LINEARES

ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃO-LINEARES ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃOLINEARES Clóvis Antônio Petry, João Carlos dos Santos Fagundes e Ivo Barbi Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Elétrica Instituto

Leia mais

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS INTRODUÇÃO Resistência elétrica

Leia mais

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul.

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul. A- Magnetismo 1- Íman Chama-se íman ao corpo que possui a propriedade de atrair ferro, níquel ou cobalto. Existem ímanes naturais denominados de magnetite, e ímanes artificiais constituídos por aço e ferro.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Última atualização Maio/2011 CLASSIFICAÇÃO DAS FOLHAS DE ALUMÍNIO A folha de Alumínio é um produto resultante do processo de laminação a frio com secção transversal variando

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES - PERDAS EM VAZIO Potência absorvida pelo transformador quando alimentado em tensão e frequência nominais,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

Introdução a Transformadores

Introdução a Transformadores Introdução a Transformadores O transformador possibilita a geração de energia elétrica em média tensão, pois pode transformar essa energia em alta tensão para uma transmissão mais econômica. As tensões

Leia mais

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e-

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e- 1 Proteção catódica A proteção catódica é um dos métodos mais empregados para a proteção de grandes estruturas quer seja enterradas ou submersas (parcial ou totalmente). Assim, tubulações e tanques de

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ASSOCIADA AO EMPREGO DE TRANSFORMADORES COM NÚCLEO DE LIGA AMORFA: O ESTADO DA ARTE

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ASSOCIADA AO EMPREGO DE TRANSFORMADORES COM NÚCLEO DE LIGA AMORFA: O ESTADO DA ARTE Anais do XIX Congresso Brasileiro de Automática, CBA 2012. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ASSOCIADA AO EMPREGO DE TRANSFORMADORES COM NÚCLEO DE LIGA AMORFA: O ESTADO DA ARTE BENEDITO A. LUCIANO Departamento de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS)

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Proteção 76 Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Zonas de proteção contra raios, características e aplicações do DPS do tipo I Por Sérgio Roberto Santos* Os Dispositivos de Proteção contra Surtos

Leia mais

1. Descobertas de Oersted

1. Descobertas de Oersted Parte II - ELETROMAGNETISMO 1. Descobertas de Oersted Até o início do século XIX acreditava-se que não existia relação entre os fenômenos elétricos e magnéticos. Em 1819, um professor e físico dinamarquês

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - TRANSFORMADORES. Transformadores monofásicos

ESTUDO DIRIGIDO - TRANSFORMADORES. Transformadores monofásicos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA 1 PROF.: LEANDRO MICHELS ESTUDO DIRIGIDO - TRANSFORMADORES

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO

CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO 8 CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO 8.1 INTRODUÇÃO Em qualquer circuito elétrico, nota-se a presença de elementos condutores, que interligam os equipamentos elétricos às fontes e aos demais componentes

Leia mais

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Os termopares são dispositivos elétricos utilizados na medição de temperatura. Foram descobertos por acaso em 1822, quando o físico Thomas Seebeck

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina: Instrumentação Eletrônica Prof.: Dr. Pedro Bertemes Filho

BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina: Instrumentação Eletrônica Prof.: Dr. Pedro Bertemes Filho Definição: Termoresistores (RTD) São metais condutores que variam sua resistência ôhmica com a temperatura (dado que sua geometria é bem definida e conhecida). Equação: R T R n a T a T 2 a T n 0 1 1 Onde:

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7

Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7 Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7 Prof. Daniel Coutinho daniel.coutinho@ufsc.br Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina PGEAS/UFSC DAS9060

Leia mais

ESTUDO INICIAL DO MAGNETÔMETRO DE AMOSTRA VIBRANTE. Allan Alves Machado¹; Álvaro Santos Alves²

ESTUDO INICIAL DO MAGNETÔMETRO DE AMOSTRA VIBRANTE. Allan Alves Machado¹; Álvaro Santos Alves² ESTUDO INICIAL DO MAGNETÔMETRO DE AMOSTRA VIBRANTE. Allan Alves Machado¹; Álvaro Santos Alves² 1. Bolsista FAPESB/UEFS, Graduando em Física, Universidade Estadual de Feira de Santana, e-mail: allanalvesboy@hotmail.com

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

Propriedades Magnéticas dos Materiais

Propriedades Magnéticas dos Materiais Propriedades Magnéticas dos Materiais Prof. Isaac N L Silva Web: www.em.pucrs.br/~isaac E-mail: isaac@em.pucrs.br Fonte: Callister Objetivos do estudo 1. Determinar a magnetização dados Xm e H 2. Explicar

Leia mais

3 Transdutores de temperatura

3 Transdutores de temperatura 3 Transdutores de temperatura Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM 2008), sensores são elementos de sistemas de medição que são diretamente afetados por um fenômeno, corpo ou substância

Leia mais

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO 83 11. VARIÁVEIS DEPENDENTES DE SAÍDA: FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO. 11.1. Generalidades Nas operações de usinagem que utilizam corte contínuo

Leia mais

Estabilizador de Tensão Alternada

Estabilizador de Tensão Alternada Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Estabilizador de Tensão

Leia mais

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é:

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é: Questão 1: Dois resistores de 1Ω e 2Ω, conectados em série, são alimentados por uma fonte de tensão contínua de 6V. A tensão sobre o resistor de 2Ω é: a) 15V. b) 2V. c) 4V. d) 5V. e) 55V. Questão 2:A resistência

Leia mais

Construção de um Medidor de Potência Elétrica de Lâmpadas Incandescentes Através de Métodos Calorimétricos

Construção de um Medidor de Potência Elétrica de Lâmpadas Incandescentes Através de Métodos Calorimétricos SCIENTIA PLENA VOL. 2, NUM. 5 2006 www.scientiaplena.org.br Construção de um Medidor de Potência Elétrica de Lâmpadas Incandescentes Através de Métodos Calorimétricos (Construction an Electrical Power

Leia mais

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4.1 Introdução A utilização de estruturas de adaptação de impedância capazes de acoplar os sinais elétricos, de modo eficiente, aos dispositivos

Leia mais

ESTUDO DA APLICAÇÃO DO SUPERCONDUTOR YBa 2 Cu 3 O 7-δ COMO SENSOR DE BAIXO CAMPO MAGNÉTICO.

ESTUDO DA APLICAÇÃO DO SUPERCONDUTOR YBa 2 Cu 3 O 7-δ COMO SENSOR DE BAIXO CAMPO MAGNÉTICO. ESTUDO DA APLICAÇÃO DO SUPERCONDUTOR YBa 2 Cu 3 O 7-δ COMO SENSOR DE BAIXO CAMPO MAGNÉTICO. Oliveira, G. L, Shigue, C. Y., dos Santos, C. A. M. e Machado, A. J. S.. Departamento de Engenharia de Materiais

Leia mais

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT)

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PEA 400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PERDAS CONSTANTES: p C INDEPENDENTES DA CARGA EFEITO DO CAMPO

Leia mais

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos. Prof.: Hélio Henrique

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos. Prof.: Hélio Henrique DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique 2 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA 2.1 - COMPONENTES DA MÁQUINA CC Fig. 2-1 :

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando que um transformador monofásico será submetido aos ensaios de curto-circuito e a vazio para determinação dos parâmetros do seu circuito equivalente, o qual deverá

Leia mais

AÇOS PARA MOTORES DE CARROS HÍBRIDOS

AÇOS PARA MOTORES DE CARROS HÍBRIDOS AÇOS PARA MOTORES DE CARROS HÍBRIDOS DESENVOLVIMENTOS DA ARCELORMITTAL INOX BRASIL Sebastião da Costa Paolinelli INTRODUÇÃO O PROBLEMA DE CORRELACIONAR RESULTADOS DE TESTES PADRONIZADOS COM DESEMPENHO

Leia mais

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

DIFRATÔMETRO DE RAIOS X PORTÁTIL PARA ANÁLISE DE TENSÕES EM CONDIÇÕES DE CAMPO

DIFRATÔMETRO DE RAIOS X PORTÁTIL PARA ANÁLISE DE TENSÕES EM CONDIÇÕES DE CAMPO DIFRATÔMTRO D RAIOS X PORTÁTIL PARA ANÁLIS D TNSÕS M CONDIÇÕS D CAMPO Joaquim T. de Assis, Vladimir Monin, Fernando R.Perreira, Serguey Filippov Instituto Politécnico, URJ Brasil joaquim@iprj.uerj.br Resumo:A

Leia mais

Análise da dispersão do fluxo magnético em ensaios não destrutivos

Análise da dispersão do fluxo magnético em ensaios não destrutivos Análise da dispersão do fluxo magnético em ensaios não destrutivos Pedro Henrique Viveiros Maravilha* Resumo Este artigo tem como objetivo demonstrar a utilização de técnicas magnéticas em ensaios não

Leia mais

Aluno: Lucas Romano Muniz RA: 009166 Orientador: Prof. Dr. Ivan Emilio Chambouleyron

Aluno: Lucas Romano Muniz RA: 009166 Orientador: Prof. Dr. Ivan Emilio Chambouleyron Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin Relatório Final Aperfeiçoamento do Experimento de Caracterização de Filmes Finos Semicondutores Aluno: Lucas Romano Muniz RA: 009166

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GSE/1 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÃO E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS -

Leia mais

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência 132 7. Processo de soldagem por resistência elétrica 7.1 Introdução As soldas a ponto, por costura, por projeção e topo a topo formam um grupo de soldas nas quais o calor necessário para a soldagem é gerado

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista 1

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista 1 Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista 1 Ex.1) Um circuito magnético como mostrado na figura abaixo, tem dimensões A C = 9 [cm 2 ]; A g = 9 [cm 2 ]; l g = 0,050 [cm]; l C = 30

Leia mais

Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica

Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Uniidade de Ensiino para Ellectrotecniia e Ellectróniica Electromagnetismo e Máquinas

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

MODELAGEM DAS CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DE SENSORES INDUTIVOS

MODELAGEM DAS CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DE SENSORES INDUTIVOS MODELAGEM DAS CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DE SENSORES INDUTIVOS MODELING OF GEOMETRIC CHARACTERISTICS OF INDUCTIVE SENSORS Chatrean José Kedrovski Júnior¹; Diego Rodigheri Melek 2 ; Wyllyan Valentim Leal

Leia mais

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO MINERAL ISOLANTE

Leia mais

TRANSFORMADORES ELÉTRICOS

TRANSFORMADORES ELÉTRICOS TRANSFORMADORES ELÉTRICOS (Módulo 3 TEM) Prof. Dr. Emerson Silveira Serafim FONTE:http://br.geocities.com/salad efisica7/funciona/transformador.htm SUMÁRIO 1.1 Introdução 1.2 Definição 1.2.1 Princípio

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Classificação dos materiais

Leia mais

Capítulo 02. Resistores. 1. Conceito. 2. Resistência Elétrica

Capítulo 02. Resistores. 1. Conceito. 2. Resistência Elétrica 1. Conceito Resistor é todo dispositivo elétrico que transforma exclusivamente energia elétrica em energia térmica. Simbolicamente é representado por: Assim, podemos classificar: 1. Condutor ideal Os portadores

Leia mais

Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda

Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda 1 Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda P. Ortega, UFSC; P. Bernardini, UFSC e L.A, Torres, TRACTEBEL Resumo- O presente

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

CAP. 3 - EXTENSÔMETROS - "STRAIN GAGES" Exemplo: extensômetro Huggenberger

CAP. 3 - EXTENSÔMETROS - STRAIN GAGES Exemplo: extensômetro Huggenberger CAP. 3 - EXTENSÔMETOS - "STAIN GAGES" 3. - Extensômetros Mecânicos Exemplo: extensômetro Huggenberger Baseia-se na multiplicação do deslocamento através de mecanismos de alavancas. Da figura: l' = (w /

Leia mais

EXPERIMENTO DE OERSTED 313EE 1 TEORIA

EXPERIMENTO DE OERSTED 313EE 1 TEORIA EXPERIMENTO DE OERSTED 313EE 1 TEORIA 1. UM BREVE HISTÓRICO No século XIX, o período compreendido entre os anos de 1819 e 1831 foi dos mais férteis em descobertas no campo da eletricidade. Os fenômenos

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV Laboratório de Física U 1/5 Resistividade em Fios Metálicos Resistência lunos: Turma: Data: / /20 1: 2: 3: 4: 5: Objetivo Determinar a resistividade de fios metálicos por meio da medida da resistência

Leia mais

OBTENÇÃO DE PÓS DE NdFeB POR HDDR A PARTIR DE ÍMÃS SINTERIZADOS

OBTENÇÃO DE PÓS DE NdFeB POR HDDR A PARTIR DE ÍMÃS SINTERIZADOS OBTENÇÃO DE PÓS DE NdFeB POR HDDR A PARTIR DE ÍMÃS SINTERIZADOS S.R. Janasi (1,2), B.F.A.da Silva (1,3), D. Rodrigues (1), F,J.G. Landgraf. (1,2), H.Takiishi (3), M.F.de Campos (4) (1) IPT- Laboratório

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. INTRODUÇÃO : Nos últimos anos, têm-se discutido amplamente a gerência de manutenção preditiva. Tem-se definido uma variedade de técnicas que variam

Leia mais

Os transformadores em geral apresentam perdas de potência quando estão em funcionamento, estas perdas são no cobre e no ferro.

Os transformadores em geral apresentam perdas de potência quando estão em funcionamento, estas perdas são no cobre e no ferro. Perdas no cobre e no ferro Os transformadores em geral apresentam perdas de potência quando estão em funcionamento, estas perdas são no cobre e no ferro. Perdas no cobre As perdas no cobre ocorrem devido

Leia mais

EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA

EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA Ana L. F. S. d Almeida 1, José R. M. d Almeida 2 * 1 Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal

Leia mais

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2 FÍSICA 1 Uma pista de skate, para esporte radical, é montada a partir de duas rampas R 1 e R 2, separadas entre A e B por uma distância D, com as alturas e ângulos indicados na figura. A pista foi projetada

Leia mais

Este produto está garantido contra defeito de fabricação por um período de 18 (dezoito) meses, a contar da data da nota fiscal de saída do produto.

Este produto está garantido contra defeito de fabricação por um período de 18 (dezoito) meses, a contar da data da nota fiscal de saída do produto. Parabéns por ter adquirido um dos produtos da Fertron, uma empresa que tem orgulho de ser brasileira, atendendo clientes em todo o território nacional e também em diversos países. Nossa meta é oferecer

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

Aula 2 TRANSFORMADORES I. Prof. Dr. Maurício Salles mausalles@usp.br USP/POLI/PEA

Aula 2 TRANSFORMADORES I. Prof. Dr. Maurício Salles mausalles@usp.br USP/POLI/PEA Aula 2 TRANSFORMADORES I Prof. Dr. Maurício Salles mausalles@usp.br USP/POLI/PEA Aula 2 TRANSFORMADORES Utilização do transformador Princípio de funcionamento do transformador (ideal e real) Transformador

Leia mais

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor White Paper 139 Revisão 0 Por Jim VanGilder e Wendy Torell > Sumário Executivo A refrigeração em linha está surgindo como uma solução de

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Transformadores são máquinas de operação estática que transferem energia elétrica de um circuito

Leia mais

Transformador. Índice. Estrutura

Transformador. Índice. Estrutura Transformador Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Um transformador ou trafo é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro, transformando tensões,

Leia mais

Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1

Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1 Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1 Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Um dos trabalhos do operador de som é tirar o máximo proveito do seu sistema de sonorização,

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Aços para fins eletromagnéticos

Aços para fins eletromagnéticos METALURGIA & MATERIAIS566VOLUME62MAI2006 Aços para fins eletromagnéticos Para atingir as metas previstas para a economia de energia, será necessária a utilização de aços com melhores propriedades magnéticas

Leia mais