Fig. 2. Painel de instalação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fig. 2. Painel de instalação"

Transcrição

1 ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO INDUSTRIAL Alex Gomes da Fonseca, Alin de Amaral Martins, Cecília de Melo Batalhone, Décio Bispo, Antônio Carlos Delaiba. Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia MG, Resumo - O objetivo deste documento é de apresentar uma metodologia para análise da eficiência energética em sistemas de ventilação industrial. A análise será dirigida, mais precisamente ao estudo de um ventilador centrífugo instalado no Laboratório de Eficiência Energética na Faculdade de Engenharia Elétrica UFU. alavras-chave Eficiência Energética, Ventilador. ENERGY EFFICIENCY ANALYSIS IN A INDUSTRIAL FAN SYSTEM Abstract - The objective of this document is to present a methodology for the energetic efficiency analysis in industrial fan systems. The analysis, more precisely, will be towards the study of a centrifugal fan installed in the Electric Engineering department s Energetic Efficiency Laboratory. 1 Keywords Energetic Efficiency, Fan. I. INTRODUÇÃO A ameaça de esgotamento das reservas de combustíveis fósseis, a pressão dos resultados econômicos e as preocupações ambientais, levam-nos a encarar a eficiência energética como uma das soluções para equilibrar o modelo de consumo existente e para combater as alterações climáticas. Aprender a utilizar de forma responsável a energia de que dispomos é garantir um futuro melhor para as gerações futuras. No entanto, para que isso ocorra, precisamos alterar a nossa atitude em relação ao consumo de energia. Ao falarmos de eficiência energética, falamos em efetuar o mesmo trabalho, utilizando a menor quantidade de energia possível, ou seja, manter a mesma qualidade e eficiência sem perder as vantagens e conforto oferecido pelo equipamento, porém consumindo menos energia. A conservação de energia elétrica é o meio mais barato e mais limpo existente, pois não agride o meio ambiente. Desta maneira, a energia conservada, por exemplo, no motor bem dimensionado pode ser utilizada para iluminar uma creche ou atender a uma escola, sem ser desperdiçada. Neste projeto iremos aprofundar em um caso mais especifico, em sistemas de ventilação industrial, os quais são amplamente utilizados em diversos processos. São utilizados para promoverem a circulação de ar condicionado (resfriado ou aquecido) para o conforto humano, para removerem ar contaminado de ambientes, para removerem, com auxílio de uma corrente de gás, particulado sólido gerado em processos industriais, para promoverem a filtragem de ar de ambientes críticos e para muitas outras aplicações. Com a análise desse projeto, pretendemos comprovar algumas formas de se obter uma maior eficiência em sistemas de ventilação. II. DESCRIÇÃO DA BANCADA DE ENSAIO A bancada do ventilador consiste em um sistema completo de acionamento. Ela é composta por duas mesas e um painel. Na primeira mesa está instalado um micro-computador (CU, monitor, mouse, teclado e no-break). Este microcomputador é responsável pela supervisão da bancada através do supervisório Indusoft 6.1. Na segunda mesa estão instalados dois motores (Standard e Alto Rendimento), o módulo de carga (com variação de 0 a 120% da carga nominal do motor) e dispositivos de sensoriamento e atuação. O ventilador existente na bancada é classificado como centrífugo erando com pequenas vazões e grandes pressões, o mesmo tem a possibilidade de trabalhar com certa variação de vazão com pouco decréscimo do rendimento e pode erar com variação de rotação mantendo praticamente o mesmo rendimento, o qual é excelente para o estudo em questão [1]. Na Figura 1 temos a bancada de ensaio: Nota de rodapé na página inicial será utilizada apenas pelo professor avaliador para indicar o andamento do processo de revisão. Não suprima esta nota de rodapé quando editar seu artigo. Fig. 1. Bancada de ensaio

2 No painel estão instalados os dispositivos de partida (contator, soft-starter e inversor de freqüência), o controlador programável (CL), medidor de grandezas elétricas e elementos de acionamento e proteção como contatores, disjuntores e fusíveis: uma vazão constante no sistema utilizando-se o controlador de vazão ID. É aconselhável que se faça a escolha de uma vazão de tal forma que os motores erem próximos à sua potência nominal. Sendo assim, para determinar essa vazão procedese da seguinte forma. Acle um dos motores ao sistema; Antes de partir o motor fecha-se o damper completamente, ou seja, coloque o valor 0 zero no campo <MV> da janela do ID. ara esse procedimento é necessário que esteja selecionado o controle manual do damper; arte-se o motor através da partida direta (TeSys) ou partida suave (Soft-starter); Abre-se a janela de medição das grandezas elétricas e seleciona-se a leitura de corrente; Varia-se gradativamente a abertura do damper através do campo <MV> da janela do ID observando-se o valor da corrente. Deve-se parar de variar a abertura do damper assim que a corrente lida atingir o valor nominal do motor; Anota-se o valor do campo <MV> para que o ensaio do outro motor seja feito com a mesma abertura do damper. Fig. 2. ainel de instalação Na bancada de ensaio é possível analisar um sistema de ventilação simulando diversas cargas através de um damper (equipamento responsável pelo controle de fluxo de ar na tubulação através da sua abertura e fechamento.) ou de um inversor de freqüência (dispositivo que converte um sinal elétrico contínuo em um sinal elétrico alternado em uma freqüência qualquer, para isso, são utilizadas chaves eletrônicas.), além de apresentar a possibilidade de comparar a eficiência de dois motores (1,5 cv), um da linha padrão (standard) e outro de alto rendimento. A descrição completa da bancada pode ser encontrada em [2]. III. ENSAIOS Através da bancada descrita anteriormente podem ser realizados vários tipos de ensaio para análise de eficiência energética. Entretanto, este projeto tem como objetivo mostrar a perda de energia devido à utilização de um motor com menor rendimento e também devido à utilização de um sistema mecânico (damper) para controle de vazão de ar. A. Consumo de motores da linha padrão e de alto rendimento Neste momento será apresentado o procedimento a ser realizado para verificar-se a eficiência energética da bancada do ventilador no que diz respeito à utilização do motor standard e do motor de alto rendimento. O ensaio será realizado submetendo-se os dois motores às mesmas condições de carga. ara tanto, é necessário fixar O procedimento descrito acima leva em consideração que o motor está erando na condição nominal, porém o ensaio pode ser feito para qualquer carregamento do motor. Mas é importante que o ensaio dos dois motores seja feito submetendo-os à mesma condição de carga. ara a análise de consumo de energia dos dois motores procede-se assim: Acla-se o motor Standard ao sistema; Fecha-se o damper totalmente e aciona-se o motor com a partida direta ou Soft-starter. É importante partir-se o motor com o damper fechado para que a partida seja mais rápida e o motor esteja submetido à corrente de partida por um período mais curto; Com o sistema acionado, abre-se o damper na posição encontrada no procedimento descrito anteriormente; Ao estabilizar o sistema, ou seja, quando o damper já estiver aberto na posição desejada e o valor de vazão do sistema estiver estabilizado, anota-se o valor da potência elétrica ativa trifásica no sistema. Esta informação se encontra na janela <Medições>. Escolher as ções <otência> e <Ativa>. Além da potência ativa, é interessante anotar a vazão de ar no sistema para essa condição. A seguir é necessário fazer a análise do motor de Alto Rendimento, para isso, procede-se da seguinte maneira: Acla-se o motor de Alto Rendimento ao sistema; Fecha-se o damper totalmente e aciona-se o motor com a partida direta ou Soft-starter; Com o sistema acionado, abre-se o damper na posição encontrada no procedimento descrito anteriormente. Neste momento é importante observar se a vazão no sistema apresenta o mesmo valor quando feito ensaio

3 com o motor Standard, caso seja diferente, é importante fazer um reajuste na abertura do damper para que a vazão no sistema seja a mesma para as duas situações. O reajuste deverá ser realizado manualmente alterandose o valor do campo <MV> da janela ID; Ao estabilizar o sistema, ou seja, quando o damper já estiver aberto na posição desejada e o valor de vazão do sistema estiver estabilizado, anota-se o valor da potência elétrica ativa trifásica no sistema. Esta informação se encontra na janela <Medições>. Escolher as ções <otência> e <Ativa>. ara uma situação em que tem-se um ventilador erando t por um período de tempo de, a economia de energia ao se utilizar o motor de alto rendimento ao invés do motor da linha padrão nesse período será de: Economia ( St ) t Economia - Economia de energia; St = (1) - otência no sistema com motor Standard; - otência no sistema com motor de Alto Rendimento; t - tempo de eração do ventilador em uma situação genérica. Em percentual a economia de energia seria: ( St ) 100 Eco % = Eco % - Economia de energia em porcentagem; B. Controle de vazão de Ar por Damper e por Inversor de Neste ensaio, pretende-se verificar a eficiência do sistema de ventilação quando submetido a um controle de vazão de ar por meio de um inversor de freqüência em substituição ao damper. ara a realização do ensaio procede-se da seguinte forma: Fecha-se o damper manualmente através da janela ID; Aciona-se o sistema (motor Standard ou Alto Rendimento) através da partida direta ou Soft-starter; Abri-se o damper numa primeira posição e anota-se o valor da potência elétrica ativa no sistema; Repete-se o item anterior para várias aberturas do damper; ara cada abertura do damper verificar se o sistema não está erando em sobrecarga, caso esteja, coloca-se o damper numa posição em que isso não ocorra; Traça-se um gráfico otência Ativa x Vazão. Os pontos para a construção do gráfico podem ser obtidos no St (2) momento do ensaio ou através do banco de dados que armazena todos os dados necessários durante o ensaio; Repete-se o procedimento anterior. orém com o damper aberto na posição de carga nominal quando se utiliza partida direta. ara a obtenção dos diferentes valores de vazão, varia-se a freqüência do inversor de freqüência na janela Comando. É importante que os valores de vazão nesse momento sejam próximos dos valores de vazão do ensaio realizado com damper. Constrói-se o gráfico otência Ativa x Vazão agora utilizando o inversor de freqüência. Com os dados obtidos do ensaio descrito anteriormente pode-se verificar a maior eficiência do sistema quando utilizado o inversor de freqüência. A economia de energia deve ser analisada em cada ponto, ou seja, teremos um valor de economia de energia diferente para cada valor de vazão no sistema. ara verificar essa economia basta utilizar a equação seguinte: ( ) Economia = t (3) damper inversor Economia - Economia de energia; - otência ativa para uma dada vazão damper utilizando damper; - otência ativa para uma dada vazão inversor utilizando inversor de freqüência; t - tempo de eração do ventilador em uma situação genérica. Em percentual a economia de energia seria: ( damper inversor ) 100 Eco (4) % = damper Eco % - Economia de energia em porcentagem; IV. ESTUDO DE CASO Neste momento será realizado o estudo do sistema de ventilação do laboratório que é objeto desse trabalho. rimeiramente será realizado o estudo de eficiência energética no que diz respeito à utilização do motor de alto rendimento em substituição ao motor da linha padrão [3]. osteriormente será analisada a eficiência do sistema quanto à utilização de um inversor de freqüência em substituição ao damper. O inversor de freqüência e o damper são utilizados nos sistemas de ventilação para variarem a vazão de ar no sistema. As análises serão realizadas tendo-se como base as seguintes informações:

4 O sistema erará durante 4000 horas no ano, sendo 1400 horas com vazão de 8 m³/min, 1500 horas com vazão de 13 m³/min e 1100 horas com vazão de 18 m³/min; A tarifa de energia elétrica é de R$ 0,30/kWh A. Consumo de motores da linha padrão e de alto rendimento A análise será direcionada a utilização de um motor de alto rendimento em substituição a um da linha padrão. Foram realizados os ensaios descritos anteriormente. Chegou-se aos seguintes resultados: L otência (Watts) Vazão (m³/min) Fig. 3. Curva otência x Vazão - Linha adrão - Alto Rendimento A partir da análise do gráfico, e dos dados coletados é possível encontrar os valores de potência para a vazão desejada. Com esses valores de potência podemos construir a tabela abaixo. TABELA I Ensaio utilizando motores padrão e de alto rendimento Linha adrão Alto Rendimento Tempo de Economia Eco Vazão (m³/min) ot. (W) Vazão (m³/min) ot. (W) eração (horas) (kwh) (%) ,4 3, , ,2 4,5 Total ,2 4,1 Como pode ser visto na tabela acima a economia de energia em um ano de eração do sistema de ventilação substituindo o motor da linha padrão pelo motor de alto rendimento é de 172,2 kwh/ano, equivalente a 4,1%. Supondo a tarifa de energia ser de R$ 0,30/kWh, a economia seria de R$ 51,66/ano. Com base nessa economia, deve se fazer um estudo de tempo de retorno de investimento para saber se vale a pena investir. Isso porque os motores de alto rendimento são mais caros que os da linha padrão devido ao uso de materiais especiais na construção dos mesmos. Uma observação que não pode faltar quanto à curva de otência x Vazão na fig. 1. na qual em determinados pontos da curva a potência consumida nos dois motores é a mesma, podendo até chegar o caso no qual o motor de alto rendimento gaste mais energia do que o da linha padrão para a mesma carga, isso ocorre porque na especificação do rendimento do motor, realizado de maneira indireta, tem se um erro em torno do valor encontrado para mais ou para L menos, sendo assim, pode haver o caso que o erro do motor de alto rendimento seja para menos, e no motor de linha padrão para mais, ocorrendo a equivalência de rendimentos para mesma carga. B. Controle de vazão de Ar por Damper e por Inversor de A análise agora será direcionada à utilização de um inversor de freqüência em substituição ao tradicional damper utilizado para variar a vazão de ar em sistemas de ventilação. Foram realizados os ensaios descritos anteriormente. Chegou-se aos seguintes resultados: otência (Watts) Vazão (m³/min) Fig. 4. Curva otência x Vazão Damper Inversor A partir da análise do gráfico e dos dados coletados no ensaio, é possível encontrar os valores de potência para a vazão desejada. Com esses valores de potência podemos construir a tabela abaixo. TABELA II Ensaio utilizando Damper e Inversor de Damper Inversor de Tempo de Economia Eco eração (kwh) (%) Vazão ot. Vazão ot. (horas) (m³/min) (W) (m³/min) (W) ,8 87, , ,3 15,6 Total ,1 54 Como pode ser visto na tabela acima a economia de energia em um ano de eração do sistema de ventilação substituindo o uso de damper pelo inversor de freqüência é de 2145,1 kwh/ano, equivalente a 54%. Supondo a tarifa de energia ser de R$ 0,30/kWh, a economia seria de R$ 643,53/ano. Com base nessa economia, deve se fazer um estudo de tempo de retorno de investimento, contabilizando o preço do inversor de freqüência e uma análise do tipo de carga a qual o motor está aclado, isso porque existem algumas cargas onde não se pode usar o inversor de freqüência como dispositivo de acionamento, como por exemplo, compressor a pistão, o qual não permite variação de rotação. É importante que se faça outra análise relacionada à qualidade da energia elétrica. Normalmente, os inversores de freqüência causam muita poluição na rede, isso pode gerar algumas complicações em determinadas áreas em que o mesmo será utilizado. ara minimizar os distúrbios causados pelo uso de inversores são utilizados filtros de harmônicos,

5 entretanto esses dispositivos são caros. Sendo assim, a utilização desses equipamentos deve ser incluída no estudo de viabilidade de implementação do inversor de freqüência no sistema. V. CONCLUSÕES A análise realizada nesse projeto permite concluir que é possível consumir menos energia para realização do mesmo trabalho em sistemas de ventilação industrial. Algumas soluções para isso são: a substituição de motores da linha padrão por motores de alto rendimento, salvo a necessidade de uma análise do caso, verificando o custo e o retorno do investimento, outra solução seria a substituição de um sistema mecânico (damper) de controle de vazão por um sistema eletrônico (Inversor de ), ressaltando a necessidade de uma análise do tipo de carga a ser acionada, e o custo do inversor ara finalizar, foi analisada a eficiência de um ventilador centrífugo de pequeno porte, lembrando que em sistemas maiores os valores seriam mais expressivos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] VIANA, A. N. C. rograma de Eficientização Industrial Módulo Ventiladores e Exaustores. ELETROBRÁS/ROCEL. [2] S. F.. Silva, A. C. Delaiba, D. Bispo, at all Especificação para um Laboratório de Eficiência Industrial. II CBEE, Vitória ES, [3] LOCATELLI, E. rograma de Eficientização Industrial Módulo Motor Elétrico. ELETROBRÁS/ROCEL. DADOS BIOGRÁFICOS Alex Gomes da Fonseca, nascido em 26/03/1986 em Itumbiara-GO, é estudante de engenharia elétrica na Alin de Amaral Martins, nascida em 29/09/1986 em Uberlândia-MG, é estudante de engenharia elétrica na Cecília de Melo Batalhone, nascida em 27/09/1986 em Uberlândia-MG, é estudante de engenharia elétrica na Décio Bispo, é engenheiro eletricista, mestre (1985) e doutor (2000) pela UNICAM. Atualmente é professor de Máquinas Elétricas e Manutenção de Sistemas Industriais na Universidade Federal de Uberlândia. Antônio Carlos Delaiba, é engenheiro eletricista, mestre (1987) e doutor (1997) pela US/S. Atua na área de Qualidade da Energia Elétrica. rofessor na Universidade Federal de Uberlândia.

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Artigo publicado na revista Lumiere Electric edição nº 166 Aplicações de investimentos dentro das empresas sempre são questionadas

Leia mais

Eficiência Energética em Filtros de Manga

Eficiência Energética em Filtros de Manga Eficiência Energética em Filtros de Manga Sistema de Exaustão O sistema de exaustão do filtro manga, Seção de Rebarbação da área da Fundição I da WEG Equipamentos Elétricos S.A., possui normalmente 03

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE COMPRESSORES OPERANDO COM O AR EM DIFERENTES TEMPERATURAS

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE COMPRESSORES OPERANDO COM O AR EM DIFERENTES TEMPERATURAS ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE COMPRESSORES OPERANDO COM O AR EM DIFERENTES TEMPERATURAS Andréia Crico dos Santos, Paulo Gustavo dos Reis Oliveira, Roberta Borges Bianchi, Sérgio Ferreira

Leia mais

Variação de velocidade

Variação de velocidade Variação de velocidade Variação de velocidade A indústria é responsável pelo consumo de cerca de 50% da electricidade produzida a nível mundial, sendo que cerca de 2/3 é consumida por motores eléctricos.

Leia mais

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1.

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1. WIN-SOFT STARTER Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW Versão: 1.1-BR Edição: 08/2011 www.siemens.com.br/sirius Agosto 2011 Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Soft Starters

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. Palavras-chave Conservação de Energia, Eficiência Energética, Sistemas Industriais.

I. INTRODUÇÃO. Palavras-chave Conservação de Energia, Eficiência Energética, Sistemas Industriais. EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA EM MÉTODOS DE CONTROLE DE VAZÃO R. R. B. Aquino, Z. D. Lins, P. A. C. Rosas, L. F. A. Cordeiro, J. R. C. Ribeiro, I. A. Tavares, P. S. Amorim. Universidade Federal de Pernambuco:

Leia mais

ÍNDICE. davantisolar.com.br O QUE É ARQUITETURA VERDE FUNDAMENTOS POR QUE FAZER MÃOS A OBRA VANTAGENS PARA O PROJETO VANTAGENS PARA O IMÓVEL

ÍNDICE. davantisolar.com.br O QUE É ARQUITETURA VERDE FUNDAMENTOS POR QUE FAZER MÃOS A OBRA VANTAGENS PARA O PROJETO VANTAGENS PARA O IMÓVEL ÍNDICE O QUE É ARQUITETURA VERDE FUNDAMENTOS POR QUE FAZER MÃOS A OBRA VANTAGENS PARA O PROJETO VANTAGENS PARA O IMÓVEL VANTAGENS PARA O MEIO AMBIENTE ENERGIA SOLAR NA ARQUITETURA VERDE ENERGIA SOLAR VANTAGENS

Leia mais

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL ODIVALDO J. SERAPHIM 1 JAIR A. C. SIQUEIRA 2 FERNANDO DE L. CANEPPELE 3 ARISTÓTELES T. GIACOMINI 4 RESUMO O

Leia mais

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com. SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.br O que é um nobreak? A principal função do nobreak é fornecer

Leia mais

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificados

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificados Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificados Séries-R 55-75 kw/75-100 hp Compressores Rotativos 3 Um Novo Nível de Confiabilidade, Eficiência e Produtividade Os compressores de ar de parafuso

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná

Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA Custo da energia elétrica no Brasil é um dos mais caros do mundo. Crescimento

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS LIDERANÇA DO PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE. Projeto de Resolução nº, de 2015. (Do Sr. Chico Alencar)

CÂMARA DOS DEPUTADOS LIDERANÇA DO PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE. Projeto de Resolução nº, de 2015. (Do Sr. Chico Alencar) CÂMARA DOS DEPUTADOS LIDERANÇA DO PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE Projeto de Resolução nº, de 2015. (Do Sr. Chico Alencar) Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água na Câmara

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO INDUSTRIAIS

PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO INDUSTRIAIS PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO INDUSTRIAIS Alin do A. Martins, Antonio C. Delaiba, Décio Bispo, Ranulfo G. Júnior, Sérgio F. P. Silva Universidade Federal

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START AULA 16 SOFT START 1- Introdução Soft-starters são utilizados basicamente para partidas de motores de indução CA (corrente alternada) tipo gaiola, em substituição aos métodos estrela-triângulo, chave compensadora

Leia mais

COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA:

COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA: COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA: 1 Sobre a utilização de aparelhos de ar condicionado: a) Desligar o aparelho

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

www.ecosolarenergia.com.br

www.ecosolarenergia.com.br Solução em sustentabilidade Energia limpa e sustentável. Pense no meio ambiente. Pense limpo. www.ecosolarenergia.com.br (27) 3325-0304 / 99234-5696 / 99907-8829 E-book Perguntas & Respostas www.ecosolarenergia.com.br

Leia mais

Renovação e filtragem do ar são determinantes em salas de aulas Bom projeto e manutenção periódica têm impacto direto sobre o rendimento

Renovação e filtragem do ar são determinantes em salas de aulas Bom projeto e manutenção periódica têm impacto direto sobre o rendimento Renovação e filtragem do ar são determinantes em salas de aulas Bom projeto e manutenção periódica têm impacto direto sobre o rendimento As pessoas passam, em média, 80% do seu tempo em ambientes internos,

Leia mais

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração.

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. (A) O movimento de energia de frio dentro de um espaço onde ele é necessário. (B) A remoção de calor

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

Motores Automação Energia T&D Tintas

Motores Automação Energia T&D Tintas Motores Automação Energia T&D Tintas Motores Automação Energia T&D Tintas Werner Eggon Geraldo 1 22/06/2015 Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Eficiência Energética

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIV GRUPO DE ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA

Leia mais

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas Decreto Estadual nº 45.765, de 4 de maio de 2001 Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

South America Energy & Utilities

South America Energy & Utilities South America Energy & Utilities Eficiência Energética Maio / 2011 1 South America Energy & Utilities Conceitos e Esclarecimentos Maio / 2011 2 O que é? Afinal O que é Eficiência Energética? Eficiência

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO R COIFA VERCELLI Prezado consumidor, SEGURANÇA ATENÇÃO Parabéns pela compra de um produto Elettromec! Nosso compromisso é tornar sua cozinha o ambiente mais agradável da casa, oferecendo

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

NOÇÕES SOBRE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS

NOÇÕES SOBRE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS NOÇÕES SOBRE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS Equipe de Elaboração/Revisão Elaboração e Instrutores ALDEMÁRIO SILVA DE OLIVEIRA UCCT/GPR/DT ALVAMAR ROBERTO COELHO CIRNE GFO/DT EDUARDO NOGUEIRA CUNHA UMED/GDP/DT

Leia mais

ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO

ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO Alin do A. Martins, Décio Bispo, Kleber D. Belinovski, Ranulfo G. Júnior Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição - Américas Próximas sessões Dia 29/09/2015 Às 11h Dia 29/09/2015

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA.

SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Exemplo: a captação de água em Morgavel. Nuno LOPES; Rodrigo MARQUES Manuel LACERDA; Luís GHIRA

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO 1 1. AVISOS Leia este manual cuidadosamente antes de instalar e operar o equipamento. A operação da máquina deve estar de acordo com as instruções

Leia mais

Aplicação de Simulação Computacional na Avaliação e Otimização de Motores Elétricos de Indução Visando a Conservação de Energia

Aplicação de Simulação Computacional na Avaliação e Otimização de Motores Elétricos de Indução Visando a Conservação de Energia Aplicação de Simulação Computacional na Avaliação e Otimização de Motores Elétricos de Indução Visando a Conservação de Energia Mário Cesar E. S. Ramos Instituto de Eletrotécnica e Energia, Universidade

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1)

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) PROF. WESLEY DE ALMEIDA SOUTO wesley@cefetba.br 03/ 2004 1. INTRODUÇÃO A representação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE FELIPE GUILHERME STEIN APLICAÇÃO INDUSTRIAL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESTUDO DE

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 17 Procedimentos para Correção do Fator de Potência 05/04 1 Descrições Gerais 1.1 Determinação Nacional Visando a otimização do consumo racional de energia elétrica gerada no país,

Leia mais

6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima

6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima 6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima qualidade. Introdução Se você tem planos para comprar

Leia mais

Inversores de Frequência Aplicados em Processos de Mineração Trazem Ganho de Produtividade, Economia de Energia e Manutenção Reduzida.

Inversores de Frequência Aplicados em Processos de Mineração Trazem Ganho de Produtividade, Economia de Energia e Manutenção Reduzida. Inversores de Frequência Aplicados em Processos de Mineração Trazem Ganho de Produtividade, Economia de Energia e Manutenção Reduzida. Eng. Cristian Benedet Tezza - cristian@weg.net WEG AUTOMAÇÃO Av. Prefeito

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia.

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia. ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE (CAV) E VOLUME DE AR VARIÁVEL (VAV) MULTIZONAS OPERANDO EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO César Augusto Gomes dos Santos Jorge Emanuel

Leia mais

Self Contained 5-15 TR. GENIUS: É Magia No Ar

Self Contained 5-15 TR. GENIUS: É Magia No Ar Self Contained 5-15 TR GENIUS: É Magia No Ar A Trane Company, líder mundial em tecnologia de ar condicionado oferece outra opção para atender às necessidades de nossos clientes... o Self Contained Genius!

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

4. Exemplo de aplicação da metodologia

4. Exemplo de aplicação da metodologia 4. Exemplo de aplicação da metodologia Neste capítulo aplica-se a metodologia proposta para o prédio do SENAI-CIMATEC, em Salvador, Bahia. O prédio do SENAI-CIMATEC não pode ser considerado um edifício

Leia mais

Ajustes para o sistema de web conferências Adobe Connect

Ajustes para o sistema de web conferências Adobe Connect SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEaD Ajustes para o sistema de web conferências Adobe Connect Principais ajustes que melhoram

Leia mais

Seja Responsável Entendendo as Tarifas pelo Tempo de Uso de Energia

Seja Responsável Entendendo as Tarifas pelo Tempo de Uso de Energia Seja Responsável Entendendo as Tarifas pelo Tempo de Uso de Energia O preço da sua energia Como ele é determinado: Atualmente, os consumidores de eletricidade de baixo volume (residenciais e de pequenas

Leia mais

Dimensionamento Tubulação e bomba

Dimensionamento Tubulação e bomba Dimensionamento Tubulação e bomba Exemplo: Para uma piscina residencial, com área de 32 m 2, instalada em uma região de clima quente, sem cobertura (aberta), com capa térmica, utilizando-se coletores classificação

Leia mais

MOTOR STIRLING: O FUTURO DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1

MOTOR STIRLING: O FUTURO DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 MOTOR STIRLING: O FUTURO DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 Amanda Lourencini 2 Carla Salarolli Bisi 2 Leandro Adolfo Petri 2 Leandro Lorencini Calenzani 2 Leoni Rigoni Salarolli 2 Mariana Passamani Salarolli

Leia mais

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2)

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2) Manual do Usuário (Ver. 2) 1. Introdução O software RedeMB5 é uma ferramenta que permite monitorar em tempo real 247 medidores de energia ou multitransdutores digitais KRON em uma rede padrão RS-485 com

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 2 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 7735 Tópico: Modelagem e Simulações METODOLOGIA PARA A ALOCAÇÃO ÓTIMA DE MEDIDORES DE QUALIDADE DE ENERGIA EM REDES TRANSMISSÃO E SUBTRANSMISSÃO

Leia mais

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária Estudo de Caso: Substituição do sistema de controle de vazão de um insuflador de ar em túneis de um sistema de transporte de pessoas sobre trilhos. OBJETIVO:

Leia mais

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes 1 João Pratas SEW-EURODRIVE EURODRIVE PORTUGAL Departamento de Engenharia Apresentação da SEW-EURODRIVE Portugal Introdução 2 Sistemas de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO. 2.1 Localização do equipamento

1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO. 2.1 Localização do equipamento 1. INTRODUÇÃO A sua bomba de calor OUROTHERM é extremamente eficiente e econômica desenvolvida especificamente para aquecimento de piscinas. O seu projeto e operação são similares ao de um condicionador

Leia mais

Estudo Submetido ao Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Estudo Submetido ao Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 EFEITO DO DESBALANÇO DE CARGA NAS PERDAS TÉCNICAS DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO R. Salustiano* I. P. de Faria* G. P. Lopes* S. S. Pinto* M. L. B. Martinez* *LAT-EFEI / UNIFEI RESUMO Pequenas diferenças

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

SEGURANÇA ENERGÉTICA NO BRASIL PARA A CLIMATIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES

SEGURANÇA ENERGÉTICA NO BRASIL PARA A CLIMATIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES SEGURANÇA ENERGÉTICA NO BRASIL SOLUÇÕES S COM A TECNOLOGIA OG ISOMAX PARA A CLIMATIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES 1 SEGURANÇA ENERGÉTICA NO BRASIL SOLUÇÕES S COM A TECNOLOGIA OG ISOMAX PARA A CLIMATIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 COMISSÃO GESTORA DOS PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO

Leia mais

Figura 1 Oferta interna de energia elétrica por fonte no Brasil segundo o Balanço Energético Nacional (EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA, 2015)

Figura 1 Oferta interna de energia elétrica por fonte no Brasil segundo o Balanço Energético Nacional (EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA, 2015) Auditoria, diagnóstico energético e proposta de ação: análise da viabilidade de implantação de um sistema alternativo de geração de energia em uma indústria de médio porte da área metal-mecânica Juliana

Leia mais

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Atuadores

Leia mais

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA PROGRAMA COOPERATIVO O DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UFJF Danilo Pereira Pinto - danilo@engelet.ufjf.br UFJF Faculdade

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 São estratégias de projeto que devem ser adotadas quando não se consegue tirar partido dos recursos naturais. Geralmente são indispensáveis

Leia mais

Tecnologia GreenTech EC

Tecnologia GreenTech EC Tecnologia GreenTech EC Benefícios econômicos alcançados pela comutação eletrônica A escolha dos Engenheiros Não desligue o seu ventilador, controle-o de forma inteligente! Aqui está um exemplo prático

Leia mais

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta James Masseroni 1 Cristina Maria de Oliveira 2 Resumo: Como tentativa de reduzir o pico de carga que ocorre no final da tarde e início da noite,

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

GESTÃO DAS PERDAS EM ALIMENTADORES DA COPEL

GESTÃO DAS PERDAS EM ALIMENTADORES DA COPEL COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Estação de armazenagem de óleo

Estação de armazenagem de óleo Estação de armazenagem de óleo Modernize a sua armazenagem e práticas de manuseio de óleo O Poder do Conhecimento em Engenharia Modernize a sua armazenagem e práticas de manuseio de óleo Estação de armazenagem

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS 29/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Motor Elétrico. Motor Elétrico UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

MOTORES ELÉTRICOS 29/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Motor Elétrico. Motor Elétrico UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MOTORES ELÉTRICOS Mário Cesar G. Ramos Conversor eletromecânico baseado em princípios eletromagnéticos capaz de transformar energia elétrica

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

Inversor de Freqüência

Inversor de Freqüência Descrição do Funcionamento. Inversor de Freqüência Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil,

Leia mais

A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS

A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS Curso Técnico em Plásticos Professor Jorge Eduardo Uliana E-mail jorge.eu@terra.com.br 1 - Introdução Geral 1.1 - Eletromagnetismo Sempre que uma corrente elétrica

Leia mais

Compressores de parafuso

Compressores de parafuso Construídos para toda a vida Compressores de parafuso SÉRIE SM Capacidade: 0.45 a 1.20 m³/min Pressão: 7.5 a 13 bar Compressor de parafusos rotativos Máxima Eficiência e Confiabilidade Há anos os consumidores

Leia mais

Serviço. Instruções de manutenção

Serviço. Instruções de manutenção Serviço Instruções de manutenção Serviço Instruções de manutenção Notas de assistência Edição 1 Esta publicação não está sujeita a nenhum serviço de alterações. Novas versões podem ser encontradas em

Leia mais

Raquel Netto Cavallari do Nascimento raquelnettocn@gmail.com IFG/Goiânia. Aylton José Alves - aylton.alves@ifg.edu.br IFG/Goiânia

Raquel Netto Cavallari do Nascimento raquelnettocn@gmail.com IFG/Goiânia. Aylton José Alves - aylton.alves@ifg.edu.br IFG/Goiânia CONTROLE DE MIT PELA RESISTÊNCIA DO ROTOR VERSUS COTROLE POR INVERSORES DE FREQUÊNCIA - UMA PERSPECTIVA DA EFICIÊNCIA E DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA Raquel Netto Cavallari do Nascimento raquelnettocn@gmail.com

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

Trabalho sobre No-breaks

Trabalho sobre No-breaks Trabalho sobre No-breaks Grupo: Leandro Porto Cristiano Porto Diego Martins Diogo Rubin Os nobreaks protegem os equipamentos contra quatro problemas principais causados pela variação da energia elétrica.

Leia mais

Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos.

Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos. Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos. Fabielli Guerra de Oliveira UFC (fabielliguerra@yahoo.com.br) Marcos Ronaldo Albertin UFC (albertin@ufc.br)

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo II Aula 05 1. Introdução A mecânica dos gases é a parte da Mecânica que estuda as propriedades dos gases. Na Física existem três estados da matéria

Leia mais

MANUAL DE CONDIÇÕES E VANTAGENS PARA INVESTIMENTO E USO DO SISTEMA ELÉTRICO:

MANUAL DE CONDIÇÕES E VANTAGENS PARA INVESTIMENTO E USO DO SISTEMA ELÉTRICO: 1/23 MANUAL DE CONDIÇÕES E VANTAGENS PARA INVESTIMENTO E USO DO SISTEMA ELÉTRICO: FULLTECH TECNOLOGIA E AUTOMAÇÃO Rua:Avelino Manoel Avrela, 1640 Bairro Cruzeiro, Caxias do Sul RS Fone: (54) 3029.0573/8133.5639

Leia mais

Proposta de uma Bancada de Bombas Hidráulicas para Avaliação da Eficiência Energética em Consumidores Industriais

Proposta de uma Bancada de Bombas Hidráulicas para Avaliação da Eficiência Energética em Consumidores Industriais 1 Proposta de uma Bancada de Bombas Hidráulicas para Avaliação da Eficiência Energética em Consumidores Industriais José T. Assunção, Paulo C. A. Leão, Tereza C. B. N. Assunção Resumo-Através de um convênio

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA MANUAL DE OPERAÇÕES CLIMATIZAÇÃO DA BIBLIOTECA CASA DE RUI BARBOSA Av. São Clemente, Nº134 Botafogo Rio de Janeiro/RJ 1 O presente Manual tem por objetivo descrever e especificar as características operacionais,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIPPG Coordenadoria de Pesquisa e Estudos Tecnológicos COPET RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

ANÁLISE DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS INDÚSTRIAS DO SETOR METAL-MECÂNICO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

ANÁLISE DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS INDÚSTRIAS DO SETOR METAL-MECÂNICO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ ANÁLISE DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS INDÚSTRIAS DO SETOR METAL-MECÂNICO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ ANALYSIS OF ELECTRICAL ENERGY SAVING IN THE INDUSTRIES OF THE METAL-MECHANICAL SECTOR OF THE UPPER

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios - Comentada VALOR: 13,0 NOTA:

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios - Comentada VALOR: 13,0 NOTA: NOME: Nº 2 o ano do Ensino Médio TURMA: Data: 11/ 12/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio L. de Freitas ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios - Comentada VALOR: 13,0 NOTA: INSTRUÇÕES (Leia

Leia mais

ANEXO I AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO Nº 3/2009-ER01AF/ER01 TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO Nº 3/2009-ER01AF/ER01 TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO Nº 3/2009-ER01AF/ER01 TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, HIDRÁULICAS, SANITÁRIA, COMBATE A INCÊNDIO

Leia mais

Eficiência na transferência de calor de processos industriais

Eficiência na transferência de calor de processos industriais 58 Capítulo V Eficiência na transferência de calor de processos industriais Por Oswaldo de Siqueira Bueno* Nas edições anteriores, foram abordadas as perspectivas de economia de energia com a eficiência

Leia mais

Energias Renováveis e Eficiência Energética

Energias Renováveis e Eficiência Energética Energias Renováveis e Eficiência Energética Unidades de Negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Fábricas e Filiais Do primeiro prédio ao parque instalado total Argentina Chile

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Dicas de Ecoeficiência. santander.com.br/sustentabilidade

Dicas de Ecoeficiência. santander.com.br/sustentabilidade Dicas de Ecoeficiência santander.com.br/sustentabilidade água Torneira aberta Cada minuto utilizado para escovar os dentes com a torneira aberta, é gasto de 12 a 20 litros de água. Por isso, recomenda-se

Leia mais

TÍTULO: TI VERDE PROPOSTAS DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS E TECNOLÓGICAS PARA UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE

TÍTULO: TI VERDE PROPOSTAS DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS E TECNOLÓGICAS PARA UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TI VERDE PROPOSTAS DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS E TECNOLÓGICAS PARA UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE CATEGORIA:

Leia mais

OBTENÇÃO DE DADOS PARA CÁLCULO DE CUSTOS EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO.

OBTENÇÃO DE DADOS PARA CÁLCULO DE CUSTOS EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO. OBTENÇÃO DE DADOS PARA CÁLCULO DE CUSTOS EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO. Cleber Gonçalves Junior Mestrando Engenharia de Produção EFEI clebergoncalves@hotmail.com

Leia mais

FILTRO PRENSA OLEOFIL MANUAL

FILTRO PRENSA OLEOFIL MANUAL FILTRO PRENSA OLEOFIL MANUAL 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é disponibilizar todas as informações necessárias para a instalação, operação e manutenção dos filtros prensa OF da OLEOFIL, assim como

Leia mais

Manual de: Manutenção Preventiva Lubrificação. Carroceria para transporte de: Pintos

Manual de: Manutenção Preventiva Lubrificação. Carroceria para transporte de: Pintos Manual de: Manutenção Preventiva Lubrificação Carroceria para transporte de: Pintos Local: Estrutura da Carroceria 01 01 Ano Reapertar parafusos da estrutura no chassi. 02 06 Meses Verificar vedação das

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL Adson Bezerra Moreira, Ricardo Silva Thé Pontes, Davi Nunes Oliveira, Vanessa Siqueira de Castro Teixeira, Victor de Paula Brandão Aguiar 3. Curso

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com. DEMANDA Sob Controle Halten Soluções Técnicas Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.br INTRODUÇÃO Para a adoção de estratégias para a otimização

Leia mais

21 55 102 Volume de ar (fluxo livre) 24 55 100 Volume de ar (com filtro de exaustão instalado) m³/h. 14 40 75 Nível de ruído

21 55 102 Volume de ar (fluxo livre) 24 55 100 Volume de ar (com filtro de exaustão instalado) m³/h. 14 40 75 Nível de ruído Série - Ventilador com Filtro (24 630) m³/h SÉRIE.50.8.xxx.1020.50.8.xxx.2055.50.8.xxx.3100 Ventilador com Filtro adequado para armários e painéis elétricos, versões de 120V ou 230V AC Baixo nível de ruído

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA XVII Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia Elétrica Vitória, 26 e 27 de Novembro de 2015 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Julian Villelia Padilla Conteúdo: Conceitos básicos. Aplicações típicas

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIA

BOAS PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIA BOAS PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIA 2016 1. ATENÇÃO AO USO DE ENERGIA A fábrica deve encarar os recursos energéticos como um item estratégico para bom desempenho da produção e resultado

Leia mais