WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. Win-Soft Starter Versão 1.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1."

Transcrição

1 WIN-SOFT STARTER Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW Versão: 1.1-BR Edição: 08/ Agosto 2011 Página 1

2 Conteúdo 1. Introdução Soft Starters SIRIUS 3RW Princípio básico de operação de um motor assíncrono trifásico e modo de operação com soft starters Motor assíncrono trifásico Modo de operação das soft starters Aplicações Comparativo de equipamentos Soft starters SIRIUS 3RW Seleção e simulação de soft starters através do software Win-Soft Starter Instruções de utilização Win-Soft Starter Acesso e instalação Utilização Ajustes de opções e idiomas Criando um novo projeto Dados de rede Selecionando o motor Selecionando a carga (aplicação) Selecionando os requisitos das soft starters Parâmetros para simulação Simulação e otimização de parâmetros Seleção da soft starter Ficha de coleta de dados para uso com o software Win-Soft Starter Anotações gerais Siemens Ltda 2011 Todos os direitos reservados. As informações aqui contidas correspondem ao estado atual da técnica, e estão sujeitas a alterações. Agosto 2011 Página 2

3 1. Introdução O programa de seleção e simulação Win-Soft Starter proporciona a melhor forma de especificarmos uma soft starter SIRIUS. Com ele, podemos verificar através de curvas e dados como ficará sua aplicação utilizando uma soft stater SIRIUS, mesmo em condições extremas de partida, como alta inércia de partida ou uma alta frequência de manobras. O programa de seleção e simulação Win-Soft Starter irá lhe ajudar a encontrar a melhor soft starter para sua aplicação, dentro de nossa família de soluções: - SIRIUS 3RW30 aplicações simples, que não requerem alta funcionalidade, até 55 kw (380 VCA) - SIRIUS 3RW40 aplicações básicas, até 220 kw (380VCA); - SIRIUS 3RW44 aplicações que exigem alta funcionalidade, 1000 kw (380 VCA) Novas características na nova versão V3.0 - Saída gráfica durante a simulação de corrente, tensão e conjugado - Novos idiomas - Novo visual e interfaces - Relatório de simulação em arquivo PDF - Banco de dados de motores Siemens ABNT e IEC Atenção: O software Win-Soft Starter é uma ferramenta de análise da aplicação de maneira prática. O resultado fornecido deverá ser avaliado pelo usuário. A Siemens não se responsabiliza por perdas ou danos decorrentes de aplicações indevidas do software em questão. Agosto 2011 Página 3

4 2. Soft Starters SIRIUS 3RW 2.1 Princípio básico de operação de um motor assíncrono trifásico e modo de operação com soft starters Para maiores detalhes sobre os modos de operação das soft starters SIRIUS 3RW, consulte os manuais correspondentes Motor assíncrono trifásico Aplicações de motores assíncronos trifásicos Graças a sua robustez, operação simples e baixa manutenção, os motores assíncronos trifásicos são usados em larga escala nas mais diversas aplicações. Problema Se acionado de forma direta, o comportamento típico da corrente e do torque destes motores pode ocasionar distúrbios na rede de fornecimento e a máquina durante sua partida. Corrente de partida Motores assíncronos trifásicos possuem uma corrente de partida direta elevada (Ip). Conforme a versão do motor, esta corrente pode estar entre 3 e 15 vezes a corrente nominal do motor (In). Como valores típicos, podemos adotar 7 ou 8 vezes a corrente nominal do motor. Desvantagem Sobrecarga da rede de alimentação. Isto significa que a rede de alimentação deve estar dimensionada para esta maior capacidade durante a partida do motor. Figura 1 - Comportamento típico de corrente de partida de um motor assíncrono trifásico Torque de partida O torque de partida e o torque máximo normalmente podem ser considerados 2 a 4 vezes o torque nominal. Para a máquina a ser acionada isto significa que as forças de partida e de aceleração que ocorrem em relação à operação nominal, causam uma sobrecarga mecânica sobre a máquina e ao material a ser transportado. Desvantagens a parte mecânica da máquina é submetida a um maior esforço os custos devido ao desgaste e manutenção aumentam na aplicação Agosto 2011 Página 4

5 Figura 2: Comportamento típico do torque de partida Solução Com a soft starter SIRIUS 3RW, o comportamento da corrente e do torque na partida podem ser adequados aos requisitos da aplicação Modo de operação das soft starters Através do controle do ângulo de fase, o valor eficaz da tensão do motor é aumentado a partir de uma tensão inicial ajustável ou um torque inicial também ajustável através de diferentes procedimentos de controle sobre a tensão nominal do motor, dentro de um tempo de partida ajustável. Figura 3: Controle por ângulo de fase A corrente do motor mantém-se proporcional à tensão aplicada no motor. Com isto, a corrente de partida é reduzida pelo fator da tensão aplicada no motor. O torque mantém-se ao quadrado da tensão aplicada no motor. Com isto, o torque de partida é reduzido de forma quadrática à tensão aplicada no motor. Figura 4: Características típicas de corrente e torque no uso com soft starters Quando a tensão de partida for, por exemplo, 50% da tensão nominal Ue, teremos os seguintes valores da corrente e do torque de partida em relação a uma partida direta: Agosto 2011 Página 5

6 Corrente de partida aproximada em 50%. Torque de partida aproximado em 25% Exemplo Os gráficos a seguir representam o comportamento da corrente de partida e do torque de partida de um motor assíncrono trifásico em ligação com uma soft starter: Figura 5: Comportamento da corrente reduzida do motor assíncrono trifásico na partida com soft starters Figura 6: Comportamento de torque reduzido do motor assíncrono trifásico na partida com soft starters Agosto 2011 Página 6

7 Win-Soft Starter Versão 1.0 A tensão de partida não deve ser ajustada muito baixa, devido à relação quadrática entre ela e o torque. Para que um motor alcance sua velocidade nominal, o torque do motor deve ser maior que o torque exigido pela carga durante todo o processo de aceleração, caso contrário não se alcança o ponto de trabalho na rotação nominal do motor. A diferença entre o torque do motor e o torque da carga é chamada de torque de aceleração (Maceler) o qual é responsável pelo aumento da velocidade do motor e onde sempre deverá ser maior que zero. Quanto menor o torque de aceleração, maior o tempo para o motor alcançar a velocidade nominal. Figura 7: Torque do motor/carga e rampa de partida típica de elevação de tensão durante a partida com soft starters. Sistema de bypass Após a aceleração do motor os tiristores encontram-se totalmente em estado de condução, e assim a tensão de rede é entregue 100% aos bornes do motor. Uma vez que durante a operação não há necessidade de ajuste da tensão do motor, os tiristores são operados em paralelo através de contatos de bypass instalados internamente. Assim, durante a operação nominal, temos uma redução drástica da potência dissipada de até 92%, reduzindo assim o calor gerado. Como resultado também poderá ser reduzido o aquecimento interno do painel onde está instalado. Figura 8: : Estrutura interna de uma soft starter com controle em 2 e 3 fases, respectivamente. 2.2 Aplicações Abaixo são exibidos alguns exemplos de aplicações relacionadas aos tipos de partida e suas típicas classes de disparo assim como com os modelos de chaves disponíveis. Agosto 2011 Página 7

8 2.3 Comparativo de equipamentos Soft starters SIRIUS 3RW Abaixo temos algumas características de nossas soft starters SIRIUS. Agosto 2011 Página 8

9 Agosto 2011 Página 9

10 Win-Soft Starter Versão Seleção e simulação de soft starters através do software Win-Soft Starter Com este software podem ser simuladas e selecionadas todas as soft starters SIRIUS 3RW considerando diversos parâmetros como condições de rede, dados do motor, dados de carga, requisitos especiais de aplicação etc. O software é um recurso auxiliar importante, que torna supérfluos cálculos manuais complexos e dispendiosos para a determinação da soft starter adequada. Selecionando a aplicação Projeto Rede Motor Carga Requisitos da soft starter Selecionando a Soft Starter Simulação dos parâmetros com ajustes do usuário Seleção do tipo de soft starter e simulação com ajustes padrões Não Parâmetros padrões de ajustes estão adequados? Documentação Relatório de Simulação Figura 9: Estrutura do programa Win-Soft Starter Agosto 2011 Página 10

11 3. Instruções de utilização Win-Soft Starter 3.1 Acesso e instalação Acesso e download O software está disponível para download na internet conforme caminho descrito abaixo: 1. Acesse o site da linha SIRIUS: 2. Clique em Soft Starters 3. Clique em Win-Soft starter 4. Clique no link e faça o download: Instalação Após realizar o download, siga os procedimentos abaixo: 1. Descompacte o arquivo. 2. Clique no arquivo start. 3. Após clicar, serão exibidas as condições de licença do software. Somente será permitida sua utilização após aceitar as condições expostas. Nesta etapa, selecione sempre a primeira opção colocada. 4. Defina um diretório para instalação e clique em OK. 5. Cliquem em sim para permitir atualizações. 6. Pronto! Basta clicar no ícone Win-Soft Starter em seu desktop. 3.2 Utilização Ajustes de opções e idiomas Após iniciar o software, clique em Opções no canto superior esquerdo. Nesta tela, você poderá selecionar: - Idiomas - Forma de atualização * As alterações serão realizadas apenas após a nova inicialização do software. Agosto 2011 Página 11

12 3.2.2 Criando um novo projeto Neste módulo serão fornecidas informações gerais sobre o projeto. Estas especificações serão armazenadas no banco de dados e utilizadas na documentação a ser gerada. Procurar um projeto Campos em negrito são utilizados para busca de projetos. Estes campos atuam como filtros dentro da lista. Após a busca, aparecerá seu projeto selecionado logo abaixo. Escolher projeto Você pode selecionar um projeto quando clicar em uma entrada na lista de projetos ou acionar a tecla ENTER. O projeto correspondente será então mostrado. Se você tentar sobre escrever o projeto, a seleção é cancelada. Entrar novo projeto Com um clique no botão NOVO você poderá adicionar um novo projeto ao seu banco de dados, e todos os campos estarão abertos à entrada. O botão ASSUMIR salva o projeto. Os campos em vermelho são obrigatórios. Você poderá criar um projeto totalmente em branco ou a partir de uma cópia de outros projetos. Alterar projeto Através do botão EDITAR, você poderá editar os dados do projeto selecionado. Clicando em ASSUMIR você confirma seus novos dados inseridos e CANCELAR você cancela a entrada de dados. Apagar projeto Agosto 2011 Página 12

13 O botão APAGAR apaga o projeto atual escolhido. Gravar projeto No início de cada simulação o projeto é gravado. Assim, todos os dados selecionados e os valores dos parâmetros programados serão salvos, estando novamente disponíveis no futuro. Importar e exportar projeto Projetos importados/realizados podem ser lidos de outros arquivos de dados através do menu Importar o projeto, e através de Exportar o Projeto, o projeto selecionado poderá ser armazenado em um arquivo de dados para envio por , por exemplo Dados de rede Nesta tela você pode especificar a frequência e tensão de sua rede. Exemplo Vamos selecionar uma rede em 380V / 60 Hz Selecionando o motor Aqui você poderá selecionar o motor, para o qual sua soft starter deverá ser dimensionada. Você tem a possibilidade de entrar ou com um motor pré-definido escolhido na lista de motores Siemens, ou com um motor próprio, editando dados ou entrando com dados novos. Agosto 2011 Página 13

14 Buscar um motor Os campos em negrito são campos de busca. Estes campos atuam como filtro na lista de motores. Com a tecla Tab você pode se mover entre os campos, e pressionando a tecla Enter o filtro será utilizado e aparecerá na lista apenas o motor correspondente. Na lista de motores apresentada, temos as opções para motores IEC e motores ABNT. Os motores ABNT são indicados na coluna Fabricante como SIEMENS-BR. Criar um novo motor Com um clique no botão ADICIONAR, você poderá adicionar um novo motor, e todos os campos estarão abertos à entrada de dados. Você poderá escolher campos em vazio ou utilizar os dados de algum outro motor. Veja abaixo: Alterar o motor Com o botão EDITAR você poderá modificar os dados do motor selecionado. Somente motores adicionados para os projetos criados poderão ser modificados. Apagar um motor O botão APAGAR deleta o motor atual escolhido. Agosto 2011 Página 14

15 Exemplo Seguindo com nosso exemplo, vamos selecionar o seguinte motor: 380 V / 60 Hz / 4 pólos / 110 kw. Modelo Siemens definido 1LG4288-4EA-9* Selecionando a carga (aplicação) Nesta tela você irá especificar a carga para o qual a soft starter deverá ser dimensionada. Você tem a possibilidade de entrar ou com uma carga pré-definida escolhida ou com uma carga própria (dados reais da aplicação/carga), alterando os dados existentes ou criando uma nova carga. Está integrado um editor gráfico, com o qual a curva característica da carga pode ser modelada ponto a ponto, utilizando apenas o mouse. Buscar uma carga Os campos em negrito são de busca, atuando como filtros. Propor uma nova carga Clique no botão SUGERIR CARGA para adicionar, de forma automática, uma carga baseando-se nos dados do motor previamente selecionado. Estes dados poderão ser alterados a qualquer momento. Clique em ASSUMIR para adicionar a carga ao banco de dados. Entrar com uma nova carga Com um clique no botão ADICIONAR você poderá entrar com uma nova carga, onde todos os campos estarão abertos a entrada de dados. Calculando o momento de inércia da carga referida ao eixo do motor Clicando em MOMENTO DE INÉRCIA você tem a opção de calcular o valor aproximado do momento de inércia de uma carga, baseado no tipo de carga, ou nos tempos de partida estrela-triângulo ou partida direta, Agosto 2011 Página 15

16 respectivamente. Você precisará entrar com a potência do motor, rotação do motor e da carga. Após estas entradas, o momento de inércia aproximado é calculado. Este valor pode ser transferido aos dados de carga clicando em OK. Os valores utilizados de rotação e potência devem corresponder com os dados atuais inseridos. Obs.: Este método de cálculo de momento de inércia deve ser utilizado quando não temos o valor real da carga. Suporte ao cálculo da carga Apesar do auxílio do software com os cálculos da carga, sempre existirá maior exatidão com a inserção dos dados reais da máquina a ser acionada. Dependendo das características físicas de cada carga, diferentes performances de partida poderão ocorrer. v Potência nominal: A potência nominal da carga define a potência a ser fornecida a ela durante o regime nominal. Esta potência não deverá ser superior a do motor, o que poderia causar um aquecimento não permitido do motor (o software calcula este valor de forma automática se você já inseriu, primeiramente, o valor do torque nominal). v Rotação nominal: Define a velocidade na qual a potência nominal da carga é alcançada. v Rendimento da transmissão: Fator de eficiência da máquina definida por suas perdas. Como exemplo temos as perdas devido a fricção entre rolamentos e engrenagens. Valores típicos podem ser consultados na tabela abaixo. v Torque nominal: Define o valor o qual a carga demanda do motor durante o regime nominal de operação (o software calcula este valor de forma automática se você já inseriu, primeiramente, o valor da potência nominal). v Momento de inércia (J): A inércia da carga é uma característica determinante para o regime de partida (duração). Um alto valor de momento de inércia significa um procedimento de partida mais longo e consequentemente uma chave de partida maior e até uma melhor e mais apropriada fonte de alimentação. O software sugere um valor típico para a carga selecionada. Atenção: Os valores típicos calculados são apenas valores aproximados! O valor real da aplicação pode diferir deste valor. v Quando substituímos uma partida direta ou estrela-triângulo existente o tempo de partida destas pode ser usado para o cálculo do momento de inércia aproximado. Exemplo abaixo para substituição de uma partida estrela-triângulo: Agosto 2011 Página 16

17 Alguns fabricantes de máquinas indicam o momento de arranque (GD 2 ) e não o momento de inércia (J). O valor do momento de inércia (J) pode ser determinado pela seguinte fórmula (em kgf.m 2 ou kgm 2 ). = 4 Exemplo Seguindo com nosso exemplo, vamos agora selecionar a carga. 1. Como não temos todos os dados reais da aplicação, vamos sugerir uma carga, clicando apenas no botão SUGERIR CARGA. 2. Com os dados obtidos, preenchemos os dados de fabricante e designação, e selecionaremos a curva de carga para uma bomba hidráulica. Caso tenha a curva real, você poderá alterar os valores ponto-a-ponto ou clicando apenas no gráfico para edição gráfica. 3. Não foi informado o valor real, porém podemos calcular o momento de inércia clicando no botão MOMENTO DE INÉRCIA. 4. Sabemos que a soft starter irá substituir uma partida estrela-triângulo, onde temos hoje um tempo de partida de 5 segundos. 5. Entramos então com a potência do motor (110 kw), rotação do motor e da carga (ambos 1789 rpm), e o tempo de partida estrela-triângulo. Clique em CALCULAR e depois OK para transferir o dado. Agosto 2011 Página 17

18 Figura 10: Editor gráfico da curva de torque da carga Selecionando os requisitos das soft starters Nesta tela você pode especificar os seus requisitos para uma soft starter, dentro de 4 grupos: Condição ambiente Condições de montagem/instalação Funcionalidades especiais Modos de operação Na parte inferior, á esquerda da tela, existe um Semáforo o qual indica o respectivo estado das especificações, sendo: encontrar Vermelho : Favor reduzir os seus requisitos! Amarelo: Você especificou adequadamente a sua utilização! Verde: Você pode melhorar ainda mais sua especificação! Enquanto o Semáforo estiver vermelho, não se pode iniciar a simulação. Agosto 2011 Página 18

19 Condição ambiente Aqui será definida a temperatura ambiente ao redor do soft starter no local da instalação (p.ex. dentro de um painel). A definição sobre a altura de montagem/instalação (altitude) também é possível. Condições de montagem/instalação Para determinadas famílias de soft starter é importante saber se o aparelho será montado lado a lado ou na horizontal. Além disso deve ser informado se o aparelho irá operar na conexão no triângulo (dentro do delta do motor) ou na conexão direta (ligação direta da rede aos terminais do motor). A escolha de uma conexão no triângulo poderá reduzir a dimensão e o custo do equipamento. Funções do aparelho Tipos de partida: - Controle de torque: O Soft starter 3RW44 inclui um novo método de partida chamada de controle de torque. Este método é diferente do utilizado nos 3RW30 e 3RW40, sendo o método utilizado nestes o controle de tensão. Se o controle de torque não for selecionado no 3RW44, será utilizado o controle de tensão. - Impulso de partida: Algumas aplicações, como as que possuem cargas inversas (curva característica), como por exemplo misturadores e moinhos, possuem uma alta inércia de partida. Para amenizarmos os efeitos desta inércia, podemos utilizar a função impulso de partida, para facilitar a partida do motor. - Limite de corrente: Usado em muitas aplicações com condições de partida severas, com longos tempos de partida (alta inércia). Esta função pode ajudar a proteger a rede de alimentação. Tipos de parada: - Parada de bombas/suave: É utilizada quando necessitamos parar suave o motor, devido a cargas como bombas e esteiras de transporte. Agosto 2011 Página 19

20 - Frenagem CC: É utilizado em aplicações que requerem uma parada rápida. Este tipo de parada é aplicado em cargas com baixo momento de inércia (< 10 x Jmotor). Para esta função, um contator de frenagem é solicitado. Consulte o manual do equipamento para maiores detalhes. Funções adicionais - Sobrecarga do motor: Proteção térmica do motor. Esta função é exibida junto ao relatório de simulação, onde você encontrará a classe ajustada para o soft starter. - Termistor: Pode ser utilizado se caso exista termistor no motor. - Proteção intrínseca da soft starter: Protege a soft starter contra sobrecarga interna. - Aquecimento do motor: Pode ser utilizada para evitarmos condensação interna do motor devido umidade. Consulte o manual do equipamento para maiores detalhes. Modo de Operação O modo de operação será definido pela especificação da frequência de partida e da duração de seu funcionamento ou através da especificação dos tempos de operação e de pausa. As grandezas individuais são definidas a seguir: Frequência de partidas (por unidade de tempo) e duração de funcionamento/on-time (em %) o Frequência de partidas = 1 / (tempo de operação [h] + tempo de pausa [h]) o Faixa de valores: /h assim como /d o Valor padrão: 6/h o Tempo de funcionamento [%] = tempo de operação / (tempo de operação + tempo de pausa) o Faixa de valores: % o Valor padrão: 30 % Tempo de operação (tempo em que flui a corrente) e Tempo de pausa (tempo sem corrente) o Tempo de operação = tempo de funcionamento [%/100] / Frequência de partidas o Faixa de valores: pelo menos 1 s o Valor padrão: 3 min (calculado) o Tempo de pausa = (1 - tempo de funcionamento [%/100]) / Frequência de partidas o Faixa de valores: pelo menos 1 s o Valor padrão: 7 min (calculado) Exemplo Seguindo com nosso exemplo, vamos agora selecionar alguns requisitos para nossa chave: 1. Temperatura máxima ambiente ao redor do equipamento (dentro do painel): 40 C 2. Funções desejadas: Parada suave, Proteção de sobrecarga do motor 3. Modo de operação: 3 partidas/hora, com tempo de funcionamento de 50% Parâmetros para simulação Aqui você poderá selecionar individualmente os parâmetros a serem utilizados durante a simulação. Após inserção de todos os dados, você poderá iniciar a simulação clicando em AVANÇAR. Após seu término, os resultados serão exibidos, podendo ter sido dimensionado até 3 modelos diferentes. Naturalmente, pode também acontecer o caso de não ser dimensionado um modelo. Você pode acessar os detalhes do resultado nos links rápidos à esquerda ou através dos botões da família correspondente de soft starter. Levando em conta os resultados detalhados você poderá realizar uma otimização nas regulagens dos parâmetros de operação do soft starter. Agosto 2011 Página 20

21 Figura 11 - Seleção individual dos parâmetros Exemplo Seguindo com nosso exemplo, vamos agora selecionar alguns requisitos para nossa chave: 1. Tensão inicial: 40% 2. Tempo de partida: 15 segundos 3. Tempo de parada: 10 segundos 4. Clique em Avançar Simulação e otimização de parâmetros Durante a simulação, será exibida uma simulação segundo a segundo. Acesse nosso site para exemplo. Agosto 2011 Página 21

22 Realizada a simulação, e quando encontrado o modelo adequado, será exibida a tela exemplo abaixo. Caso não seja encontrado um modelo, os valores inseridos até o momento precisarão ser revistos. Ao clicar em uma das famílias, você poderá obter dados adicionais sobre os resultados da simulação. Você poderá também otimizar os ajustes das soft starters Agosto 2011 Página 22

23 Entendendo a tela de resultado: 1. Ajustes dos parâmetros 2. Clique aqui para uma nova simulação após os novos ajustes de parâmetros 3. Variáveis que podem ser exibidas: torque, rotação, corrente e tensão. Esses diagramas são considerados no tempo. De acordo com a seleção você poderá indicar diferentes gráficos. As linhas pontilhadas referem-se a uma partida direta, enquanto a linha contínua representa uma partida com soft starter. 4. Selecione o gráfico que deseja visualizar: curvas em função do tempo e/ou da rotação Seleção da soft starter Quando estiver satisfeito com a simulação, você poderá proceder com a seleção do equipamento. Basta selecionar o modelo desejado. Ao clicar no modelo, você terá um resumo da soft starter desejada. Ao clicar no botão do modelo desejado, você terá acesso a um relatório completo de simulação, com dados e curvas da simulação. Nesta exemplo de tela, você tem: A opção de escolha do idioma do relatório Seleção das páginas do relatório (sempre 3 páginas disponíveis) Opção para inserção de texto livre no campo Cabeçalho Impressão do relatório Visualização e impressão em arquivo PDF Agosto 2011 Página 23

24 Parabéns! Você concluiu com sucesso a simulação. Agosto 2011 Página 24

25 4. Ficha de coleta de dados para uso com o software Win-Soft Starter Agosto 2011 Página 25

26 5. Anotações gerais Agosto 2011 Página 26

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Manual do Moodle- Sala virtual UNIFAP MACAPÁ-AP 2012 S U M Á R I O 1 Tela de Login...3 2 Tela Meus

Leia mais

Freedom Software. Sistema de Representação. Freedom Software Sistema de Representação Página 1

Freedom Software. Sistema de Representação. Freedom Software Sistema de Representação Página 1 Freedom Software Sistema de Representação Freedom Software Sistema de Representação Página 1 FREEVENDMOBILE (Sistema de Vendas Mó vel) Sumário INSTALAÇÃO:... 3 O SISTEMA... 7 MENU E BARRAS DO SISTEMA...

Leia mais

Fale.com. Manual do Usuário

Fale.com. Manual do Usuário Fale.com Manual do Usuário Serviço Fale.com Índice 1. Introdução 3 2. Instalando o Fale.com 3 a. Configurando o áudio para atendimento pela Internet 9 3. Configurando o Fale.com 14 4. Utilizando o Fale.com

Leia mais

Capítulo 1. Guia de Início Rápido. Você vai aprender a programar a sua primeira reunião em 5 passos fáceis.

Capítulo 1. Guia de Início Rápido. Você vai aprender a programar a sua primeira reunião em 5 passos fáceis. Capítulo 1 Guia de Início Rápido Você vai aprender a programar a sua primeira reunião em 5 passos fáceis. PRIMEIRO PASSO: Entrando no ClaireMeeting Use o seu navegador e acesse: http://www.clairemeeting4.com.br

Leia mais

Portal do Projeto Tempo de Ser

Portal do Projeto Tempo de Ser Sumário Portal do Projeto Tempo de Ser O que é um Wiki?...2 Documentos...2 Localizando documentos...3 Links...3 Criando um Documento...4 Criando um link...4 Editando um Documento...5 Sintaxe Básica...5

Leia mais

Wordpress - Designtec. Manual básico de gerenciamento Práticas de Geografia

Wordpress - Designtec. Manual básico de gerenciamento Práticas de Geografia Wordpress - Designtec Manual básico de gerenciamento Práticas de Geografia 1 Índice Acessando o painel administrativo... 3 Gerenciamento de edições... 3 Gerenciamento de artigos... 3 Publicando mídias...

Leia mais

Sumário. 1. Propósito 1 2. Tabela de Ferragem 1 3. Criar Tabela de Ferragem 1 4. Conector de Ferragens 7

Sumário. 1. Propósito 1 2. Tabela de Ferragem 1 3. Criar Tabela de Ferragem 1 4. Conector de Ferragens 7 Ferragens Sumário 1. Propósito 1 2. Tabela de Ferragem 1 3. Criar Tabela de Ferragem 1 4. Conector de Ferragens 7 1. Propósito Para definirmos todos os materiais que devem compor uma estrutura de ferragem,

Leia mais

Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede

Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede Linha Solution Linha Plus Linha Master www.siemens.com.br/softstarters Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede As soft starters Siemens protegem sua máquina e instalação

Leia mais

Manual de instalação e utilização do programa Faróis Vinco Pedidos

Manual de instalação e utilização do programa Faróis Vinco Pedidos Página 1 de 23 SUMÁRIO 1. Pré-requisitos do computador para instalação do sistema Faróis Vinco Pedidos... 2 2. Instalação do... 3 3. Executando o sistema pela primeira vez... 5 4. Menus do sistema... 6

Leia mais

Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0

Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0 Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0 1 - Introdução O Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional, CGCO, criou, em março de 2008, uma equipe para atender à demanda de criação de novos

Leia mais

Themis Serviços On Line - Publicações

Themis Serviços On Line - Publicações Nome do documento Guia do Usuário Themis Serviços On Line - Publicações Sumário Introdução:... 3 1 - Cadastro dos Usuários do Themis Serviços On Line:... 3 2 - Acesso ao Sistema Themis Serviços On Line:...

Leia mais

Guia do Usuário. idocs Content Server v.2.0-1 -

Guia do Usuário. idocs Content Server v.2.0-1 - Guia do Usuário idocs Content Server v.2.0-1 - 2013 BBPaper_Ds - 2 - Sumário Introdução... 4 Inicializando a aplicação... 6 Ambiente... 7 Alterando o ambiente... 8 Senhas... 10 Alterando senhas... 10 Elementos

Leia mais

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA LEIAME APRESENTAÇÃO Nenhuma informação do TUTORIAL DO MICRO- SOFT OFFICE WORD 2003 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do Programador Roberto Oliveira Cunha. Programador:

Leia mais

EATON Fácil V1.00 Guia de utilização

EATON Fácil V1.00 Guia de utilização EATON Fácil V1.00 Guia de utilização Índice geral. Índice geral.... 2 Introdução... 3 Cadastrando-se... 3 A tela inicial... 5 Como buscar um produto?... 6 Busca Geral... 7 Busca por Similaridade... 9 Busca

Leia mais

Evolução Constante GUIA RÁPIDO ELETRODRIVE

Evolução Constante GUIA RÁPIDO ELETRODRIVE Evolução Constante GUIA RÁPIDO ELETRODRIVE STARA S.A. - INDÚSTRIA DE IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS AV. STARA, 519 CEP 99470-000 - Não-Me-Toque/RS - Brasil Telefone/Fax: (54) 3332-2800 e-mail: stara@stara.com.br

Leia mais

Guia do Usuário. Avigilon Control Center Móvel Versão 2.0 para Android

Guia do Usuário. Avigilon Control Center Móvel Versão 2.0 para Android Guia do Usuário Avigilon Control Center Móvel Versão 2.0 para Android 2011-2015 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. AVIGILON é marca comercial registrada e/ou não registrada da Avigilon

Leia mais

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia LGTi Tecnologia Soluções Inteligentes Manual - Outlook Web App Siner Engenharia Sumário Acessando o Outlook Web App (Webmail)... 3 Email no Outlook Web App... 5 Criar uma nova mensagem... 6 Trabalhando

Leia mais

TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS

TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS Neste documento você encontrará um conjunto de orientações de como navegar na plataforma do MBA Gestão Empreendedora. Siga as instruções com atenção e salve este

Leia mais

O QUE É A CENTRAL DE JOGOS?

O QUE É A CENTRAL DE JOGOS? O QUE É A CENTRAL? A Central de Jogos consiste de duas partes: Um site na Internet e um programa de computador (Central) que deve ser instalado em sua máquina. No site www.centraldejogos.com.br, você pode

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. SPARK - Comunicador Instantâneo MANUAL DO USUÁRIO

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. SPARK - Comunicador Instantâneo MANUAL DO USUÁRIO SPARK - Comunicador Instantâneo MANUAL DO USUÁRIO SUMARIO 1. Introdução... 3 2. Opções de acesso ao Spark... 3 2.1. Acesso via Comunicador - Spark... 3 2.2. Acesso via SparkWeb... 4 3. Inserindo frase

Leia mais

Aoentrar na sua cx de email vc terá uma tela como a abaixo :

Aoentrar na sua cx de email vc terá uma tela como a abaixo : MANUAL DA SUA CX DE EMAIL ( ROUNDCUBE ) Aoentrar na sua cx de email vc terá uma tela como a abaixo : 1. No centro da tela temos a lista de mensagens. Nesta lista serão exibidas as mensagens das pastas

Leia mais

UNIPAMPA Universidade Federal do Pampa. Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI)

UNIPAMPA Universidade Federal do Pampa. Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) UNIPAMPA Universidade Federal do Pampa Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) Instruções para gerenciamento dos sites em Joomla (versão 1.5.3) Níveis: Editor e Administrador Junho/2008 Í N D I C E Usuários

Leia mais

Segurança. Guia do Usuário

Segurança. Guia do Usuário Segurança Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações contidas neste documento

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL.

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL. Nome do Software: Gerenciador de Projetos Versão do Software: Gerenciador de Projetos 1.0.0 1. Visão Geral Este Manual de Utilização do Programa Gerenciador de Projetos via Web, tem por finalidade facilitar

Leia mais

Manual Programa SOSView 4.0

Manual Programa SOSView 4.0 2012 Manual Programa SOSView 4.0 Laboratório SOS Sotreq Versão Manual 1.0 01/03/2012 Página 1 de 52 Manual Programa SOSView 4 Instalação do Programa Utilização em Rede Importação de Amostras Consulta de

Leia mais

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac Abril de 2015 Inicialização rápida O Novell Filr permite que você acesse facilmente todos os seus arquivos e pastas do desktop, browser

Leia mais

Orientações para o uso do webmail da CODEVASF

Orientações para o uso do webmail da CODEVASF Orientações para o uso do webmail da CODEVASF Índice: Página Inicial 2 Correio 2 Enviando uma mensagem Catálogo de endereços 2 3 Configurando o catálogo de endereços 3 Adicionando um contato 4 Enviando

Leia mais

Início Rápido para Fotos e Histórias do FamilySearch

Início Rápido para Fotos e Histórias do FamilySearch Início Rápido para Fotos e Histórias do FamilySearch Você pode adicionar fotos e histórias da família aos registros dos seus antepassados na Árvore Familiar. Com o novo recurso Adicionar Fotos e Histórias,

Leia mais

Portal do Fornecedor ANGELONI. Manual do usuário. (versão 1.1)

Portal do Fornecedor ANGELONI. Manual do usuário. (versão 1.1) Portal do Fornecedor ANGELONI Manual do usuário (versão 1.1) 1. Objetivo Este manual explica como funciona o Portal do Fornecedor ANGELONI. Todos os procedimentos para visualizar pedidos, gerar e enviar

Leia mais

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 DESENVOLVEDOR JORGE ALDRUEI FUNARI ALVES 1 Sistema de ordem de serviço HMV Apresentação HMV/OS 4.0 O sistema HMV/OS foi desenvolvido por Comtrate

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE DE CONTROLE ACADÊMICO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE DE CONTROLE ACADÊMICO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE DE CONTROLE ACADÊMICO 009 SUMÁRIO ACESSANDO O SISTEMA ON LINE... ACESSANDO SEUS RECADOS... 4. Lendo um Recado Recebido... 5. Excluindo um Recado Recebido... 6. Recuperando

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

Manual MQS. Logo após colocar essas informações abrirá a página inicial do sistema:

Manual MQS. Logo após colocar essas informações abrirá a página inicial do sistema: Manual MQS Para acessar o sistema MQS na versão em PHP, basta clicar no link: www.mqs.net.br/plus. Colocar login e senha que foram fornecidos por email. Logo após colocar essas informações abrirá a página

Leia mais

Manual do Aluno Moodle

Manual do Aluno Moodle Manual do Aluno Moodle Site: Moodle PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Curso: Moodle PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Livro: Manual do Aluno Moodle Impresso

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START AULA 16 SOFT START 1- Introdução Soft-starters são utilizados basicamente para partidas de motores de indução CA (corrente alternada) tipo gaiola, em substituição aos métodos estrela-triângulo, chave compensadora

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644

MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644 MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644 PÁGINA DO AHC Na figura acima são exibidas as seguintes informações: 1- Velocidade do cabo. 2- Pressão do Nitrogênio no Compensador do AHC. 3- Carga máxima permitida

Leia mais

APOSTILA ZELIO SOFT 2

APOSTILA ZELIO SOFT 2 APOSTILA ZELIO SOFT 2 Prof. Maycon Max Kopelvski Fev/2010 rev.01 Página 1 de 20 1) Clique no ícone para abrir o programa Zelio Soft 2 2) Abrirá a tela inicial do Programa: Clique em Criar um novo programa.

Leia mais

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa P OW ERPOI NT 1 INTRODUÇÃO... 3 1. Iniciando o PowerPoint... 3 2. Assistente de AutoConteúdo... 4 3. Modelo... 5 4. Iniciar uma apresentação em branco... 6 5. Modo de Exibição... 6 6. Slide Mestre... 7

Leia mais

Manual de Licitações. Autoridade Competente

Manual de Licitações. Autoridade Competente Manual de Licitações Autoridade Competente GOVERNANÇA ELETRÔNICA CIDADECOMPRAS Manual de Licitações Autoridade Competente ABRIL/2011 3 PRESIDENTE DA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS Paulo Roberto Ziulkoski

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Versão 1.2.3 27 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

KISSsoft 03/2014 Tutorial 6

KISSsoft 03/2014 Tutorial 6 KISSsoft 03/2014 Tutorial 6 Editor de Eixos-Árvore KISSsoft AG Rosengartenstrasse 4 8608 Bubikon Suiça Telefone: +41 55 254 20 50 Fax: +41 55 254 20 51 info@kisssoft.ag www.kisssoft.ag Índice 1 Começando

Leia mais

Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema. Boletim Eletrônico de Recolhimento. Manual do Sistema

Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema. Boletim Eletrônico de Recolhimento. Manual do Sistema Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema Versão 1.2 Junho / 2013 Sumário 1. Introdução... - 3-2. O Sistema BOLETIM ELETRÔNICO DE RECOLHIMENTO... - 3-3. Pré-requisitos... - 3-4. Primeiro Acesso...

Leia mais

Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi)

Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi) Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi) Este módulo irá ensinar-lhe como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica usando o programa Prezi. A produção de uma apresentação

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.2. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.2. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.2 ExpressoMG 16/12/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Relatórios Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

Apostila Fastseller. Manual de Treinamento FastSeller Telefone Suporte Helpdesk 03003133537. Ano: 2011 -Versão: 1.1 1

Apostila Fastseller. Manual de Treinamento FastSeller Telefone Suporte Helpdesk 03003133537. Ano: 2011 -Versão: 1.1 1 Manual de Treinamento FastSeller Telefone Suporte Helpdesk 03003133537 Ano: 2011 -Versão: 1.1 1 Indices 1º- Instalando o Sistema... 3 2º- Entrando no Sistema... 4 3º- Dicas de Utilização e Navegação...

Leia mais

Manual Fácil 1 DOWNLOAD E INSTALAÇÃO. 1. Como faço o download do Jimbo Mobile?

Manual Fácil 1 DOWNLOAD E INSTALAÇÃO. 1. Como faço o download do Jimbo Mobile? Seja bem-vindo(a) ao Manual Fácil Jimbo. O jeito mais simples de você aprender a usar o nosso software gratuito. Com esse passo a passo você fica sabendo como acrescentar despesas, alterar lançamentos,

Leia mais

PROCESSO DE LICITAÇÃO E COMPRA DIRETA DO SISTEMA DE GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS GMS

PROCESSO DE LICITAÇÃO E COMPRA DIRETA DO SISTEMA DE GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS GMS PROCESSO DE LICITAÇÃO E COMPRA DIRETA DO SISTEMA DE GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS GMS Este manual não tem a pretensão de esgotar as dúvidas acerca dos procedimentos de compras de materiais e/ou serviços

Leia mais

Multimedidor Portátil MPK

Multimedidor Portátil MPK [1] Introdução O Multimedidor Portátil é um instrumento que facilita a análise de instalações elétricas em campo com alta flexibilidade. A solução é composta de: Multimedidor: Instrumento digital microprocessado,

Leia mais

MOODLE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

MOODLE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Carmen Mathias Agosto - 2009 I. CADASTRO 1. Acessar o site de treinamento (teste): http://moodle_course.unifra.br/ 2. Faça o login, clicando em acesso no lado direito superior da tela: 3. Coloque seu nome

Leia mais

Verifique se o Plugin do Flash Player está instalado no seu computador para a navegação adequada no portal.

Verifique se o Plugin do Flash Player está instalado no seu computador para a navegação adequada no portal. 1 Tutorial: Blogs no Clickideia Introdução Esse tutorial mostrará as funções básicas da ferramenta de Blog do Portal Educacional Clickideia. Ele foi elaborado pensando em diferentes níveis de usuários

Leia mais

Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I.

Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I. Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I. MILI S.A. - D.T.I. Índice 1 ACESSANDO O PORTAL IPEDIDOS... 3 1.1 Login...5 1.2 Tela Principal, Mensagens e Atendimento On-line...6 2 CADASTRAR... 10 2.1 Pedido...10

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA e-nota

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA e-nota EBM ASSESSORIA E CONSULTORIA EM INFORMÁTICA LTDA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA e-nota PRESTADOR / CONTADOR Índice 1- Nota fiscal eletrônica 2- Cadastro 3- Contador 4- Livro

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0)

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0) Parte:Manual Atualização: OriginalPágina 1 Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária () Instalação Se houver alguma versão do FireBird Instalada na máquina desinstale antes de

Leia mais

PROCEDIMENTO DO CLIENTE

PROCEDIMENTO DO CLIENTE Título: Plug-in Cinema PROCEDIMENTO DO CLIENTE Objetivo: Aprender a utilizar a ferramenta. Onde: Empresa Quem: Cliente Quando: Início O plug-in Cinema, desenvolvido com a tecnologia do Backsite, é um gerenciador

Leia mais

TUTORIAL PMS CARD. Acesse o site: www.pmscard.com.br

TUTORIAL PMS CARD. Acesse o site: www.pmscard.com.br TUTORIAL PMS CARD Acesse o site: www.pmscard.com.br FAÇA O LOGIN Para fazer o login digite o seu e-mail e senha e clique em entrar. SELECIONE A EMPRESA Selecione a empresa na qual deseja utilizar clicando

Leia mais

CRUZAMENTO DE VARIÁVEIS, ANÁLISE BIVARIADA E GRÁFICOS

CRUZAMENTO DE VARIÁVEIS, ANÁLISE BIVARIADA E GRÁFICOS Sphinx APRENDIZ - p.201 8 ANÁLISES CRUZADAS E MÚLTIPLAS CRUZAMENTO DE VARIÁVEIS, ANÁLISE BIVARIADA E GRÁFICOS O sistema permite que sejam feitos cruzamentos dos mais diversos tipos de variáveis. Os cruzamentos,

Leia mais

DIRETO. Manual do Usuário. PROCERGS Divisão 7

DIRETO. Manual do Usuário. PROCERGS Divisão 7 DIRETO Manual do Usuário PROCERGS Divisão 7 Este documento foi produzido pela PROCERGS Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 210-3100 http:\\www.procergs.com.br Sumário Sobre

Leia mais

Manual do Software Pctel Supervisor Desktop

Manual do Software Pctel Supervisor Desktop Manual do Software Pctel Supervisor Desktop Conteúdo O que é o Pctel Supervisor Desktop?...03 O que é usuário do canal (PA)?...03 Como cadastrar usuário do canal (PA)?...04 Como remover um usuário do canal?...05

Leia mais

Manual do Usuário Publicador

Manual do Usuário Publicador Manual do Usuário Publicador Portal STN SERPRO Superintendência de Desenvolvimento SUPDE Setor de Desenvolvimento de Sítios e Portais DEDS2 Versão 1.1 Fevereiro 2014 Sumário Sobre o Manual... 3 Objetivo...

Leia mais

Í N D I C E A N A L Í T I C O

Í N D I C E A N A L Í T I C O DIRF CARTÃO 2013 V4..03 DE 07//02//2013 PROGRAMA PARA IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CARTÕES DE CRÉDITO NA DIRF 2013 VERSÃO COM VISANET E REDECARD IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO EM LOTE CAPTURA DADOS CADASTRAIS DE EMPRESAS

Leia mais

Tutorial Report Express. Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença.

Tutorial Report Express. Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença. Tutorial Report Express Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença. Índice Apresentação Pág. 3 Passo 1 Pág. 4 Instalação do MasterDirect Integrações Passo 2 Pág. 8 Exportar clientes Linha Contábil

Leia mais

1- Acessando o sistema

1- Acessando o sistema Sumário 1- Acessando o sistema... 3 2.0 - Opções do Menu... 4 3.0 - Config. U.E.... 4 3.1 - Período Letivo... 4 Adicionando o período letivo... 5 Alterando o período letivo... 5 4.0 - Integração SGE:...

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Primeiramente deve-se digitar o login e senha de acesso para acessar o Jurídico 2000.

MANUAL DO USUÁRIO. Primeiramente deve-se digitar o login e senha de acesso para acessar o Jurídico 2000. MANUAL DO USUÁRIO Primeiramente deve-se digitar o login e senha de acesso para acessar o Jurídico 2000. O Jurídico 2000 exibe o cadastro de Processos assim que é inicializado. A partir dessa tela você

Leia mais

PROCEDIMENTO DO CLIENTE

PROCEDIMENTO DO CLIENTE PROCEDIMENTO DO CLIENTE Título: Manual da Loja Virtual. Objetivo: Como anunciar produtos e acompanhar as vendas. Onde: Empresa Quem: Cliente Quando: Início Através deste manual, veremos como anunciar e

Leia mais

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica Em certa época, a planilha era um pedaço de papel que os contadores e planejadores de empresas utilizavam para colocar

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA Núcleo de Educação a Distância UniEvangélica 2 ÍNDICE 1 Introdução à Informática... 3 1. O Computador... 3 Teclado... 3 Mouse... 5 Monitor...

Leia mais

Como criar um blog. Será aberta uma janela onde você deverá especificar o título do blog, o endereço do blog, e o modelo.

Como criar um blog. Será aberta uma janela onde você deverá especificar o título do blog, o endereço do blog, e o modelo. Como criar um blog Criando o blog Vá em www.blogger.com. Entre com sua conta google (a mesma que você usa para acessar o gmail). Escolha um perfil. Na página seguinte, clique no botão novo blog. Será aberta

Leia mais

O EDITOR DE APRESENTAÇÕES POWER POINT

O EDITOR DE APRESENTAÇÕES POWER POINT O EDITOR DE APRESENTAÇÕES POWER POINT O Power Point é um poderoso editor de apresentações muito utilizado quando for preciso fazer a exibição de trabalhos, projetos, aulas e afins em slides coloridos e

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA FINANX

MANUAL DO SISTEMA FINANX MANUAL DO SISTEMA FINANX www.meusoft.com.br Indice Item Descrição Pg 1. Objetivo e Principais Funcionalidades 3 2. Para acessar e instalar a aplicação 4 3. Conhecendo o FinanX 6 3.0 Tela inicial de LOGIN

Leia mais

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário Manual do Usuário Produto: EmiteNF-e Versão: 1.2 Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso ao EmiteNF-e... 2 3. Configurações Gerais... 4 3.1 Gerenciamento de Usuários... 4 3.2 Verificação de Disponibilidade

Leia mais

MANUAL DO OFICIAL DE JUSTIÇA

MANUAL DO OFICIAL DE JUSTIÇA MANUAL DO OFICIAL DE JUSTIÇA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MATO GROSSO Janeiro 2012 Conteúdo Elaboração do projeto... 3 1. Acesso ao Sistema... 4 2. Tipo de Certificado... 4 2.1. Navegador padrão para acessar

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

www.lg.com Nome do modelo: LG Smart AC App. P/NO : MFL67891008

www.lg.com Nome do modelo: LG Smart AC App. P/NO : MFL67891008 MANUAL DO PROPRIETÁRIO AR CONDICIONADO Por favor, leia essas instruções completamente para a sua segurança antes de usar o aplicativo e use-o com precisão. Estes conteúdos são para evitar qualquer perda

Leia mais

PASSO A PASSO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS NO SITE DO IAMAR IMPORTANTE:

PASSO A PASSO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS NO SITE DO IAMAR IMPORTANTE: IMPORTANTE: Recomendamos que o formulário seja preenchido com calma e bastante atenção. Quanto mais claras e detalhadas forem as informações mais chances seu projeto terá de ser compreendido na íntegra

Leia mais

Manual Operacional do Assessor Jurídico

Manual Operacional do Assessor Jurídico Manual Operacional do Assessor Jurídico SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS - MÓDULO COMPRAS - EMISSÃO DE PARECER JURÍDICO PARA PROCESSOS DE COMPRA COM EDITAL OU DE DISPENSA DE LICITAÇÃO

Leia mais

Tutorial para inscrição on-line

Tutorial para inscrição on-line Tutorial para inscrição on-line Programa de Pós-Graduação em Educação Processo de Seleção Mestrado e Doutorado Rio de Janeiro 1 Prezados Candidatos, Tentamos descrever aqui os passos necessários para se

Leia mais

Resposta penhora Online. Passo 1: Acesse ao site www.oficioeletronico.com.br Passo 2: Clique em "Autenticação com certificado digital"

Resposta penhora Online. Passo 1: Acesse ao site www.oficioeletronico.com.br Passo 2: Clique em Autenticação com certificado digital Resposta penhora Online Passo 1: Acesse ao site www.oficioeletronico.com.br Passo 2: Clique em "Autenticação com certificado digital" 1 Passo 3: Clique em "Autenticar. Deve constar o nome do usuário do

Leia mais

Cadastre sua vaga no portal Anhanguera. O processo de cadastro da vaga é simples, acompanhe o passo-a-passo a seguir.

Cadastre sua vaga no portal Anhanguera. O processo de cadastro da vaga é simples, acompanhe o passo-a-passo a seguir. Cadastre sua vaga no portal Anhanguera Cadastre sua vaga no portal Anhanguera e tenha sua oportunidade divulgada para uma base de mais de 400 mil candidatos e a certeza de que encontrará o profissional

Leia mais

Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura

Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura Versão: V0_0_3 Data: 11 de abril de 2014 Diretoria Geral de Recursos Humanos - DGRH Site: http://www.dgrh.unicamp.br

Leia mais

Manual do usuário. SIM 5 Lite Versão 1.0 - Português

Manual do usuário. SIM 5 Lite Versão 1.0 - Português Manual do usuário SIM 5 Lite Versão 1.0 - Português Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e operação

Leia mais

9 (build 9.6) Guia do Usuário. Nota importante sobre o conteúdo deste guia

9 (build 9.6) Guia do Usuário. Nota importante sobre o conteúdo deste guia 9 (build 9.6) Guia do Usuário Nota importante sobre o conteúdo deste guia O guia do usuário completo do IRISPowerscan está disponível em inglês, francês e alemão. As versões deste guia do usuário em outros

Leia mais

APRESENTAÇÃO. questões que constantemente chegam ao Suporte de Informática do Órgão Central.

APRESENTAÇÃO. questões que constantemente chegam ao Suporte de Informática do Órgão Central. APRESENTAÇÃO O presente documento Aplicativos de E-mail / Webmail Nível Básico Perguntas e Respostas tem como principal objetivo disponibilizar aos servidores das Escolas Estaduais do Estado de Minas Gerais

Leia mais

Enviar imagens para um computador (função Wi-Fi) PowerShot G16

Enviar imagens para um computador (função Wi-Fi) PowerShot G16 Enviar imagens para um computador (função Wi-Fi) PowerShot G16 Primeiros passos O procedimento para utilização da função Wi-Fi para enviar imagens de uma câmera para um computador é explicado nas quatro

Leia mais

W o r d p r e s s 1- TELA DE LOGIN

W o r d p r e s s 1- TELA DE LOGIN S U M Á R I O 1Tela de Login...2 2 Painel......3 3 Post...4 4 Ferramentas de Post...10 5 Páginas...14 6 Ferramentas de páginas...21 7 Mídias...25 8 Links......30 1 1- TELA DE LOGIN Para ter acesso ao wordpress

Leia mais

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Instalação, configuração e primeiros passos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Preparar inicialização das

Leia mais

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1 ] Blinde seu caminho contra as ameaças digitais Manual do Produto Página 1 O Logon Blindado é um produto desenvolvido em conjunto com especialistas em segurança da informação para proteger os clientes

Leia mais

Guia do Usuário ProAnalir 2013. Introdução... 2. Liberação das licenças... 3

Guia do Usuário ProAnalir 2013. Introdução... 2. Liberação das licenças... 3 Área Universidade Prosoft Autor Valquíria Coelho Criação 26/02/2013 Publicação - 28/02/2013 Distribuição Franqueadora, Franquias e Clientes. Guia do Usuário ProAnalir 2013 Conteúdo: Introdução... 2 Liberação

Leia mais

Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá. LibreOffice Impress Editor de Apresentação

Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá. LibreOffice Impress Editor de Apresentação Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá LibreOffice Impress Editor de Apresentação Iniciando o Impress no Linux Educacional 4 1. Clique no botão 'LE' no

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

Automação Soft-Starters. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Automação Soft-Starters. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas SSW - Soft-Starter WEG O atual estado de desenvolvimento dos acionamentos elétricos concentra o resultado de um longo período de tentativas

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA. Word. Professor: Enir da Silva Fonseca

INFORMÁTICA BÁSICA. Word. Professor: Enir da Silva Fonseca INFORMÁTICA BÁSICA Word Professor: Enir da Silva Fonseca Índice Word... 03 Documento... 03 Iniciando o Word... 03 Teclas especiais... 04 Corrigindo Erros... 04 Localizando e Substituindo o Texto... 07

Leia mais

BearingNet - Orçamentos Contenuto

BearingNet - Orçamentos Contenuto Contenuto Introdução... 2 Caixa de questionários... 3 Em curso (vender)... 3 Guardado (vender)... 3 Mostrar tudo... 3 Caixa de orçamentos... 3 Em curso (Comprar)... 3 Guardado (Comprar)... 3 Procura de

Leia mais