PROJETO PEDAGÓGICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Início em v revisado em jan/2010 Varginha-MG 2007

2 1 SUMÁRIO 1 A IES Mantenedora CNEC e a Mantida FACECA Missão da FACECA Dados gerais da FACECA A Ciência Contábil Informações acadêmicas - Objetivos gerais, contextualização em relação às suas inserções institucional, política, geográfica e social Condições objetivas de oferta e vocação do curso Regime acadêmico de oferta Organização Curricular, cargas horárias das atividades e para integralização do curso e corpo docente a. formas de realização da interdisciplinalidade b. Modo de integração entre a teoria e a prática Perfil profissional esperado para o formando, em termos de habilidades e competências Incentivo à pesquisa e à iniciação científica Sistemas de avaliação dos estudantes e do curso a. Forma de avaliação do ensino e da aprendizagem b. Forma de avaliação do curso Estágio curricular supervisionado Atividades complementares TCC Trabalho de Conclusão de Curso Matriz Curricular e Ementas das disciplinas Informações adicionais sobre o Curso Experiência acadêmica e profissional dos professores Diretrizes administrativas para o corpo docente Outros projetos e ações

3 2 1. A INSTITUIÇÃO A MANTENEDORA: CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC A Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, de caráter filantrópico, com sede em João Pessoa PE, na Avenida Dom Pedro I, n 426, Centro e Representação em Brasília - DF, na Avenida L-2 Norte, Quadra 608, Módulo D, onde funciona a Superintendência Nacional. A Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC possui longa tradição de ensino e prestação de serviços educacionais à comunidade; foi criada em 29 de julho de 1943, por Felipe Tiago Gomes, na cidade de Recife Pernambuco, com o objetivo de oferecer um ginásio gratuito para estudantes pobres. A força do idealismo e da vontade de ensinar pode ser observada em informações disponíveis na internet 1 Naquela época, constatando ser a escola privilégio dos ricos, esse grupo universitário resolveu oferecer ensino gratuito aos pobres, nascendo assim a primeira unidade do sistema, o Ginásio Castro Alves. Os alunos de pés descalços, roupas rasgadas, mas sedentos de saber, recebiam os ensinamentos de seus primeiros mestres que, voluntariamente, sem nada receber, dividiam o que sabiam com quem tinha vontade de aprender. Em pouco tempo, Felipe Tiago Gomes criou uma sociedade educacional, sem fins lucrativos, para abrigar os muitos pedidos de ajuda e orientação para a criação de outras unidades, nos moldes do Ginásio Castro Alves. Os brasileiros idealistas foram despertados e, em torno de Felipe, puderam oferecer às suas comunidades uma casa de ensino. A Entidade foi originalmente denominada de Campanha do Ginasiano Pobre CGC. Posteriormente, passou a ser Campanha dos Educandários Gratuitos (CEG), depois, Campanha Nacional de Educandários Gratuitos (CNEG) e, atualmente, Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC. O sonho desse grupo de jovens transformou-se em uma pregação cívica, com bandeira de luta pela democratização do ensino no País e, Felipe Tiago Gomes, encorajado com o sucesso da criação da primeira escola, partiu para uma verdadeira cruzada nacional, em favor do ensino gratuito, mostrando que as comunidades pobres também poderiam ter acesso ao saber, desde que nelas alguém assumisse a causa da educação dos humildes como dever de cidadania e de fraternidade cristã. Nessa empreitada, os estudantes universitários foram seus maiores aliados, pois, ouvindo nos congressos as narrativas de Felipe, voltavam inflamados para seus Estados, desejosos de repetir a vitoriosa experiência de Recife. A ideia ganhou corpo e teve aceitação das comunidades e dos poderes públicos e, hoje, a CNEC representa a maior organização de ensino do País, com unidade de direção. 1 Disponível em: Acesso em 04.set.08

4 3 A CNEC, há mais de meio século, vem prestando relevantes serviços à comunidade, especialmente, na área educacional, atendendo, prioritariamente, aos alunos carentes de recursos financeiros. A CNEC, nos dias atuais, marca presença no cenário da educação nacional pelos efetivos serviços prestados à Nação. Ela faz parte e tem desempenhado um papel fundamental na História da Educação Brasileira. As atividades e experiências da CNEC têm enriquecido o patrimônio educacional comunitário do País. Pode-se afirmar que sua mística e filosofia de bem-servir estão preservadas, sobretudo, nas mentes e corações dos milhões de alunos, professores, diretores, colaboradores e benfeitores, que adentraram as portas da instituição nesses 66 anos, sempre abertas aos que buscam o ideal da plena cidadania, exercida pela educação, que forma para a liberdade, para o cultivo do respeito ao outro e preservação dos valores morais fundamentais que propulsionam a sociedade. A CNEC não é escola particular, nem pública. Procura reunir o que há de positivo nos dois modelos, resultando um terceiro gênero a Escola Comunitária. Formalmente, a CNEC é uma sociedade civil filantrópica de fins educacionais, que visa promover o desenvolvimento comunitário, tendo sido declarada de utilidade pública pelo Decreto Federal n /54. A MANTIDA: FACULDADE CENECISTA DE VARGINHA MG FACECA A CNEC mantém, em Varginha, instituições que se destacam na região pela sua qualidade, como o Colégio Cenecista Catanduvas, com, aproximadamente, 1300 alunos (do Berçário ao Ensino Médio) e a Faculdade Cenecista de Varginha, com 1600 alunos, distribuídos em quatro cursos de Graduação, e três de pós-graduação lato sensu. O Colégio Catanduvas foi fundado em outubro de 1959, por iniciativa do Prof. Hans Dieter Hergeman, do Dr. Naylor Salles Gontijo, do Prof. Wilson de Magalhães Terra, do Prof. Fábio Ferreira Salles e, do então Prefeito Municipal, José de Rezende Paiva, tudo funcionando, inicialmente, em prédios cedidos pelo Governo do Estado. O Colégio Cenecista Catanduvas e a Faculdade Cenecista de Varginha nasceram da boa vontade e disposição de um grupo de professores preocupados em oferecer ensino gratuito a jovens carentes da cidade. A autorização para funcionamento dos cursos de Administração e Ciências Contábeis da Faculdade Cenecista de Varginha foi publicada no Diário Oficial da União de 31 de dezembro de 1970 decreto nº As aulas iniciais da Faceca foram ministradas em 02 salas alugadas do Colégio Marista, nos anos de 1971 e Posteriormente, já com 120 vagas para cada curso, passou a denominarse Faculdade de Ciências Contábeis e de Administração. Após o reconhecimento dos cursos, pelo Decreto Federal nº76.177/75, novos horizontes se abriram e foi iniciado o curso de Economia, que obteve autorização para funcionamento, publicada no dia 30 de agosto de 1984, pelo decreto nº , sendo reconhecido em 18 de fevereiro de 1991, pela Portaria Ministerial nº242/91. Denominava-se, então, Faculdade de Ciências Econômicas, Contábeis e de Administração e, hoje, Faculdade Cenecista de Varginha.

5 4 Visando ao melhor aprimoramento, na área educacional, a IES iniciou em 12/07/93, os cursos de pós-graduação Lato Sensu com inscrição no CAPES, sob o nº 0306, oferecendo várias opções na área de Gestão de Negócios. Em 1999, a CNEC Nacional implantou o consórcio, envolvendo 05 Faculdades Cenecistas: de Brasília, Unaí, Sete Lagoas, Capivari e Varginha, para a realização do Mestrado em Administração, com sede em Varginha, Minas Gerais. Formaram-se 198 mestres e, em 2006, por ter-se cumprido a proposta desse projeto, encerraram-se as suas atividades. Em 22 de agosto de 2001, pela portaria 1891, foi autorizado a funcionar o curso de Sistemas de Informação, oferecendo 40 vagas semestrais. Surgem, então, duas novas propostas: o Curso de Administração com Habilitação em Marketing, oferecendo 50 vagas por semestre, totalizando 100 anuais; e o curso de Direito, autorizado pela Portaria Ministerial n 122/04, publicada no Diário Oficial da União, em 14 de janeiro de 2004, com 200 vagas, 100 por semestre. O Curso de Sistemas de Informação teve seu reconhecimento pela Portaria Ministerial n 4.562, publicada no Diário Oficial da União, em 29/12/2005. Com a edificação do prédio onde funcionaram os primeiros cursos da Faculdade Cenecista de Varginha e as ampliações subsequentes, exigidas pelos novos Cursos instalados, manteve-se a concepção arquitetônica apropriada para um Complexo Educacional que é o orgulho da CNEC e da cidade. A Faculdade conta, hoje, com alunos e, por isso, visa sempre às melhorias na infraestrutura, em benefício de sua comunidade acadêmica. A primeira doação, feita pela Lei Municipal n de 18/10/2001, de um terreno de 2.921,14m², oportunizou, no segundo semestre de dois mil e quatro, o início das atividades no Campus II da Faceca. Em 2008, foi construída uma passarela que liga o Campus I ao Campus II, proporcionando maior conforto e segurança para os alunos, funcionários e a comunidade. O Colégio Cenecista Catanduvas ministra Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, tendo alunos matriculados em instalações adequadas e confortáveis. Com a segunda doação, pela Lei Municipal n de 10/04/2007, de um terreno de 1.869,46m², o Colégio Catanduvas trouxe para a cidade de Varginha, no segundo semestre de dois mil e oito, o Centro Cenecista de Educação Infantil, em formato de castelo, que atende crianças de 03 meses até 06 anos de idade, nos períodos matutino, vespertino e noturno. Em 19/11/2008, o Curso de Direito teve seu reconhecimento pela Portaria Nº 895, publicada no Diário oficial da União em 20/11/2008. E, praticamente um ano depois, 25/11/2009, por meio da portaria n 1.687, foi autorizado o curso de Engenharia de Produção. Graças ao envolvimento dos seus discentes, docentes e colaboradores, com o Projeto Acadêmico, de forma a facilitar o processo-aprendizagem e a construção do conhecimento, a CNEC é reconhecida por seu referencial de excelência educacional, em Varginha e região.

6 5 1.1 A MISSÃO DA FACECA Formar empreendedores para o presente com capacidade para a autogestão, conscientes das exigências mercadológicas e responsabilidades sociais. Essa missão será alcançada com plenitude, se todos os seus discentes, docentes e colaboradores se envolverem com o Projeto Acadêmico, de forma a facilitar o processo de aprendizagem e construção do conhecimento. 1.2 DADOS GERAIS DA FACECA INSTITUIÇÃO Faculdade Cenecista de Varginha (Faceca) Endereço: Rua Professor Felipe Tiago Gomes, nº 173 B.Vila Bueno Varginha/MG - CEP: Telefone: (035) Fax: (35) Sítio: - MANTENEDORA (Representação no Distrito Federal) Campanha Nacional de Escolas da Comunidade (CNEC) Endereço: Av. L2 Norte Quadra 608/D Cidade: Brasília / DF.CEP: Telefone/Fax: (61) Fax: (61) Sítio: DIRETOR PEDAGÓGICO Prof. Ms. Marco Antonio de Araujo Endereço: R.Presidente Antônio Carlos, nº 336 apto. 202 Centro Varginha/MG. CEP: Telefone: (35) COORDENADOR DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Prof. Ms. Fábio Luiz de Carvalho Endereço: Av. Antonieta Esper Kallas, 195 Parque Mariela - Varginha / MG CEP: Telefone: (35)

7 6 1.3 A Contabilidade No início do século percebemos mudanças extraordinárias ocorrendo em nosso país, principalmente no ambiente sócio-político-econômico, fruto de um mercado mais dinâmico e mais competitivo que passou a exigir, em contrapartida, das empresas e organizações em geral, posturas gerenciais competentes para o enfrentamento desses novos desafios. Nesse contexto, também, a globalização e a desregulamentação da economia na maioria dos países do primeiro mundo, a inovação tecnológica, e, principalmente da tecnologia da informação, trouxeram um conseqüente desenvolvimento e expansão do mercado de capitais em termos globais, principalmente a partir da última década do século passado. As distâncias foram reduzidas como resultado da rapidez com que flui a informação no mundo atual, exigindo que, fundamentalmente, busque-se preservar a imagem da organização, que pode ser rápida e fatalmente destruída se, para o mercado e a comunidade, não ficar evidenciada a sua responsabilidade social e seus compromissos para com a preservação do meio-ambiente. O mundo caminha em direção à redução da assimetria de informações, acrescentando qualidade às informações contábeis. Os anos de 2006 e 2007 confirmaram as expectativas de um grande salto qualitativo nas normas brasileiras de contabilidade. Isso porque, desde o início deste século, os principais acadêmicos e profissionais da área já vinham discutindo e negociando o Projeto de Lei 3.741, que tinha entre seus objetivos desvincular a evolução da contabilidade societária das amarrações tributárias e legais e colocar o Brasil no caminho das Normas Internacionais de Contabilidade. O Projeto de Lei culminou na publicação da Lei , em dezembro de A partir de janeiro de 2010, de conformidade com a Resolução CFC No de , inclusive as Pequenas e Médias Empresas já estão obrigadas a adotar as Normas Contábeis convergentes com a Norma Internacional, com pequenas simplificações. A contabilidade é, atualmente, um instrumento fundamental para auxiliar a administração moderna, e tem como principal objetivo a geração de informações para embasar as decisões a serem tomadas, bem como o de reduzir o seu grau de incerteza. Para isso, identifica, registra, mensura, e possibilita a análise e predição dos eventos econômicos que alterem o patrimônio de uma empresa. Uma organização que não disponha de um sistema contábil ágil e eficaz para evidenciar as oscilações e mutações relevantes em seu patrimônio e no resultado de suas operações e transações, em resposta às ameaças e oportunidades impostas pelo atual ambiente dos negócios, não estará apta a garantir a continuidade do empreendimento no tempo. Destaca-se também como instrumento de prestação de contas a investidores, credores, governo e outros interessados, permitindo avaliação criteriosa do empreendimento e das expectativas de seu valor econômico e social.

8 7 As informações, geradas pela contabilidade e relatadas através das Demonstrações Contábeis e demais relatórios financeiros gerenciais, são ferramentas imprescindíveis para o entendimento da posição passada, da situação atual e, principalmente, das expectativas futuras, garantindo dessa forma, aos usuários e gestores responsáveis pelos destinos da organização, informações para instruir o processo decisório com um grau de confiabilidade compatível com o atual ambiente econômico, social e político. Nesse sentido, percebe-se que o grau de confiabilidade nas informações de natureza contábil e financeira permite uma visão da estratégia dos planos da organização bem próximos da realidade atual e também estimar posições e situações futuras. A confiabilidade nas informações de natureza contábil é, portanto, de primordial importância, para todos os que pretendam relacionar-se com a organização, quer como acionistas, financiadores, gestores, fornecedores, empregados e demais entidades. Diante disso, nota-se que a responsabilidade dos contadores que preparam as informações contábeis nesse processo é imensa, tanto em termos da responsabilidade quanto da competência técnica. A credibilidade nas informações apresentadas está diretamente ligada à pessoa do preparador de tais informações, à capacidade e à ética profissional. Existe uma fronteira muito tênue e nebulosa que separa o que é legal do que é moral. Nem sempre as duas coisas, em se tratando de informações contábeis e financeiras, andam, necessariamente juntas. Uma das principais características do contador é o grau de liberdade para escolher, em sua opinião, a melhor alternativa para resolver um problema contábil; e é por isso que podemos afirmar que três contadores fazendo a contabilidade da mesma empresa chegarão, fatalmente, a três resultados diferentes, a não ser que um copie do outro. Com efeito, a imposição do valor social da contabilidade abriga preceitos éticos nas diversas relações pessoais, interpessoais e institucionais, as quais tendem a influenciar as mudanças no âmbito conceitual e da ação do educador. Ao educador cabe a tarefa de alertar para a urgente necessidade de um reforço nas normas e no código de ética da conduta do profissional de Contabilidade. Os traços do perfil do profissional contador, necessários para o desempenho das funções exigidas pelas organizações e pela sociedade, compreendem a força de caráter, a honestidade, a permanente atualização e a percepção da realidade sócio-econômica e política que o cerca e envolve, o espírito empreendedor e a visão multidisciplinar do processo da gestão organizacional. O que se quer, portanto, no contexto atual da sociedade do conhecimento, são profissionais contadores capazes de transformar a informação e o conhecimento em inteligência empresarial. O desenvolvimento da Ciência da Contabilidade, nessa perspectiva, demanda uma profunda alteração na formação acadêmica, ética e social do profissional contador, conforme se pretende através deste Projeto Pedagógico.

9 8 1.4 INFORMAÇÕES ACADÊMICAS - Objetivos gerais, contextualização em relação às suas inserções institucional, política, geográfica e social. MISSÃO DO CURSO: Gerar, desenvolver e disseminar o conhecimento contábil em prol do desenvolvimento pessoal, social e econômico, fundamentado pela consciência moral e ética. VISÃO: Ser reconhecida como centro de referência nacional de ensino superior da contabilidade. VALORES E CRENÇAS: Excelência em tudo que se faz. Inovação e criatividade nas práticas pedagógicas como meios de desenvolver o espírito empreendedor dos discentes. Conduta ética e moral nas relações e em todas as situações e responsabilidade social para com a comunidade. O curso oferecido deve melhorar a vida das pessoas e suas relações. A qualidade do ensino é essencial para o sucesso das organizações e das pessoas. A pesquisa é a fonte do desenvolvimento do trabalho. Os professores e funcionários são o maior patrimônio. Os alunos são, ao mesmo tempo, clientes e produtos da Instituição organização e merecem a toda a dedicação, empenho e respeito. Em todas as estratégias implementadas visando a busca do sucesso da missão declarada, o comportamento e as atitudes são norteadas por esses valores e crenças. - Inserções institucional, política, geográfica e social. A cidade de Varginha, com 421km 2 de área territorial, cerca de habitantes e atividades econômicas e culturais significativas, exerce, sem dúvida alguma, liderança e influência sobre a região sul do Estado de Minas Gerais, na zona, tradicionalmente conhecida, como Vale do Sapucaí, que engloba 28 municípios. A grande expansão e diversificação industrial que Minas Gerais atravessa, atualmente, aliada à posição estratégica de Varginha e ao incremento notável de negócios, em face da duplicação da Rodovia Fernão Dias BR 381, colocam o Município em condições de liderança na implantação de programas desenvolvimentistas em todos os setores da economia. Os aspectos e infra-estrutura, saúde e educação, cultura, lazer e assistência social, segurança pública, transportes, indústria, comércio e serviços, qualidade de vida, EADI Estação aduaneira do interior, Condomínios industriais, bem como os acessos e influências regionais poderão ser vistas com detalhes no PDI 2007/2012. No censo de 2005, Varginha apresentou um PIB de 2 bilhões de Reais, com uma arrecadação de impostos de 195 milhões de Reais no ano. Apenas no ensino fundamental em 2006, foram matriculados alunos. Em 2005 foram quase matrículas nos cursos superiores.

10 9 Varginha possuía em 2007 uma frota total de veículos, possuía pessoas trabalhando na indústria, no comércio, na administração pública e mais de pessoas trabalhando nas empresas prestação de serviços. - Inserção Institucional O curso de Ciências Contábeis da FACECA foi criado oficialmente em 1970, tendo a primeira turma formada em 20/09/75. Seu reconhecimento pelo MEC se deu em 01/09/75 conforme Decreto Federal Nº /5. Este projeto nasceu das necessidades e das expectativas da região sul mineira, órgãos oficiais e entidades representativas da comunidade. A importância de Varginha na região do sul de Minas Gerais, sua organização social, determina a formação de profissionais qualificados na área da Contabilidade e a valorização dada à educação pela comunidade local e municípios vizinhos alavancaram e mantém, por mais de 35 anos este projeto. A instalação e manutenção do Curso Ciências Contábeis na FACECA - Faculdade Cenecista de Varginha deve-se, ainda, ao fato da região sul-mineira ser um dos pólos que vem se destacando no desenvolvimento de Minas Gerais,

11 10 possuindo um número considerável de estabelecimentos industriais e a diversificação em outras atividades, destacando-se os setores: agropecuário, comércio e prestação de serviços. Destacamos a infraestrutura da região, com a recente duplicação da rodovia Fernão Dias, que vem despertando o grande interesse de empresários e de organizações governamentais e do terceiro setor para investimentos na região. - Condições objetivas de oferta e vocação do curso Condições objetivas de oferta O curso de Ciências Contábeis foi criado oficialmente em 1971, tendo a primeira turma formada em Até 2009 já se formaram 37 turmas, totalizando mais de bacharéis. TURNO: Noturno DURAÇÃO: 4 anos TITULAÇÃO: A titulação conferida é a de Bacharel em Ciências Contábeis. INGRESSO: O ingresso é feito via concurso vestibular. Anualmente são oferecidas 120 vagas. VALOR DA MENSALIDADE: R$ 475,00 BIBLIOTECA: Moderna, ampla e com acervo bibliográfico atualizado para todos os cursos CORPO DOCENTE: Doutores... 2 Mestres...11 Especialistas...7 Graduados Vocação do Curso O Curso é concebido, levando em consideração, além das exigências legais, as mudanças que caracterizam essa nova sociedade e que já chegaram às empresas e ao mercado de trabalho. As peculiaridades notadas entre o passado e o presente no ambiente das empresas e demais organizações são bem evidenciadas, sendo que no passado as mudanças eram graduais, havia previsibilidade, os negócios eram locais, havia menor concorrência e também fidelidade na concorrência. A estrutura organizacional das empresas previa os conceitos de centralização, o foco no produto e nos processos de produção. Atualmente as mudanças são aceleradas, existe imprevisibilidade, globalização, maior concorrência, maior exigência/satisfação total. A estrutura

12 11 atual das organizações são mais descentralizadas, sendo o cliente o foco principal dessas organizações. Analisando esses cenários é que a FACECA elaborou um projeto pedagógico, que privilegiasse a formação de um profissional polivalente, com aprofundamento de estudos em Contabilidade mediante competências e habilidades que o habilitem às constantes mudanças organizacionais e ambientais. A ênfase do Curso, desde a sua autorização, tem sido preparar profissionais com habilidades, atitudes e competências para iniciar e gerir sua carreira profissional, para gerenciar a contabilidade das empresas, para gerenciar projetos de desenvolvimento empresarial e para a gestão de sistemas de informações contábeis. O contador graduado pela Faceca, deve ser capaz de desenvolver, analisar e implantar sistemas de informação contábil e de controle gerencial, exercendo com ética as atribuições e prerrogativas previstas pela legislação pertinente. Para isso deve estar afeito ao uso de raciocínio lógico e crítico-analítico para solução de problemas, à elaboração de relatórios empresariais de natureza econômicofinanceira que contribuam para o desempenho eficiente e eficaz de seus usuários e à articulação, motivação e liderança de equipes multi-disciplinares para a captação de dados, geração e disseminação de informações contábeis. O curso de Ciências Contábeis FACECA foi criado e segue com sintonia a Missão da Instituição que prevê Formar empreendedores com capacidade para autogestão, conscientes das exigências mercadológicas e responsabilidades sociais. Os conceitos de empreendedorismo, autogestão, exigências mercadológicas e responsabilidades sociais estão presentes no curso de Ciências Contábeis através da grade curricular, das dinâmicas e projetos desenvolvidos no curso. Estes conceitos serão demonstrados nos capítulos posteriores. O objetivo principal do curso de Ciências Contábeis, ministrado pela Faceca, é formar um profissional que atue como um gerente de informações, apto a atender às necessidades das organizações no processo de tomada de decisões e acima de tudo um contador competente, que possa contribuir efetivamente para a sociedade na qual exerça sua atividade e para a profissão contábil Toda organização deve, por exigência legal, apresentar demonstrações contábeis assinadas por um contador. Assim, uma de suas principais funções é a preparação de demonstrações contábeis para os usuários externos, como o governo, fornecedores e clientes, instituições financeiras, sindicatos, sócios e demais investidores. Além disso, o contador também prepara demonstrativos econômicos e financeiros internos para a tomada de decisões nas áreas de custos, produtividade, avaliação do desempenho empresarial, planejamento fiscal e auditoria, entre outros. Devido à crescente importância desse profissional para as organizações públicas e privadas, a Faceca prepara o profissional para atender às necessidades do mercado de trabalho, tais como: Contabilidade Financeira, de Custos, das entidades sem fins lucrativos e dos diversos setores da economia nacional, tais como da Construção Civil, das Cooperativas, Hospitais, hotelaria e dos serviços em geral, Perícias Contábeis e Arbitragens, Análise financeira,

13 12 Contabilidade Gerencial e controladoria, Sistemas de informações contábeis e Auditoria. Para completar a formação do Contador, o curso oferece um laboratório de informática com sistema integrado ALTERDATA de contabilidade, além de um escritório modelo de práticas contábeis, fiscais e tributárias. Possui também um Escritório de assistência judiciária gratuita em convênio com o Fórum de Varginha, onde são realizadas várias perícias contábeis que ficam à disposição dos alunos da disciplina de PERÍCIAS CONTÁBEIS, AVALIAÇÕES E ARBITRAGENS. Exige-se, ainda, para a conclusão do curso um estágio supervisionado, de no mínimo 300 horas, em que o aluno vivencia as práticas contábeis nas organizações, apresentando, como trabalho final, um relatório do estágio para uma banca composta de professores, profissionais e empresários. Também é exigido o Trabalho de Conclusão de Curso TCC, onde o aluno é estimulado a pratica da pesquisa acadêmica finalizando com a apresentação de uma monografia. A Faceca pensa na formação geral do aluno, preparando-o inicialmente com conhecimentos do contador generalista, e num segundo instante parte para as especialidades, propiciando assim ao futuro contador uma identificação com suas melhores habilidades através da escolha de aprofundamento em pesquisas de em áreas de formação específicas dentro da área de concentração do curso: A contabilidade como um sistema de informação para tomada de decisão. As linhas de pesquisa são as seguintes: (i) Finanças Coporativas, (ii) Contabilidade Financeira, Fiscal e Tributária, (iii) Contabilidade Gerencial e Avançada, (iv) Custos, (v) Contabilidade de ramos específicos e temas emergentes. Assim, o futuro contador, tem a liberdade de escolher sua área de preferência dentre as diversas áreas da Contabilidade, e para isso recebe orientação desde a realização do estágio supervisionado, nas práticas contábeis, fiscais e tributárias vivenciadas no escritório modelo ou no escritório de perícias contábeis judiciais gratuitas, até a conclusão do TCC. - Regime acadêmico de oferta: Regime seriado anual 4 anos Enquadramento Legal do projeto pedagógico do Curso de Ciências Contábeis Lei 9.394/96 LDB Parecer CES/CNE 0146/2002, aprovado em 03/04/2002 Parecer CES/CNE 0289/2003, aprovado em 06/11/2003 Resolução CNE Nº 10/04, de 16 de dezembro de 2004.

14 13 2. Organização curricular, cargas horárias das atividades e para integralização do curso Organização Curricular (a partir de 2008) Matriz Curricular 2008 PRIMEIRA SÉRIE SEGUNDA SÉRIE Teoria da Administração 80h/a Legislação Empresarial e Societária 80 h/a Contabilidade Geral 80 h/a Contabilidade Geral II 80 h/a Economia 80 h/a Legislação Trabalhista e Previdenciária 80 h/a Matemática 80 h/a Análise das Demonstrações Contábeis 80 h/a Metodologia da Pesquisa Científica 80 h/a Teoria da Contabilidade 40 h/a Sociologia 40 h/a Contabilidade Governamental 80 h/a Filosofia 40 h/a Legislação e ética profissional 40 h/a Língua Portuguesa 80 h/a Psicologia 40 h/a Instituições de Direito 80 h/a Matemática Financeira 80 h/a Estatística 80 h/a Noções de atuária 40 h/a SOMA 720 h/a Métodos Quantitativos aplicados a CTB 40h/a Atividades Complementares 70 h/a Contab. Das Entidas Sem Fins Lucrativ 40 h/a TOTAL 790 h/a SOMA 720 h/a Projeto ATC = Projeto de Iniciação Científica TERCEIRA SÉRIE Atividades Complementares TOTAL Projeto ATC = Constituição e Legalização de Empresa QUARTA SÉRIE 70 h/a 790 h/a Contabilidade de Custos 80 h/a Análise de Custos e Formação de Preço 80 h/a Finanças Corporativas 80 h/a Contabilidade Tributária 80 h/a Auditoria Contábil 80 h/a Controladoria 80 h/a Perícia Contábil, Avaliação e Arbitragem 80 h/a Contabilidade Avançada 80 h/a Contabilidade Geral III 80 h/a Contabilidade Rural 80 h/a Legislação Fiscal e Tributária 80 h/a Contabilidade Internacional 80 h/a Sistemas de Informações Contábeis 80 h/a Laboratório Contábil 80 h/a Contabilidade Setorial 80 h/a Trabalho de Conclusão de Curso 80 h/a Orientação de pesquisa científica 80 h/a SOMA 640 h/a SOMA 720 h/a Atividades Complementares 70 h/a Atividades Complementares 70 h/a TOTAL 710 h/a TOTAL 790 h/a Projeto: Pesquisa orientada na linha de pesquisa Estágio Supervisionado ATC: Congresso Científico TOTAL GERAL: H/A Projetos: Pesquisa orientada na linha de pesquisa Trabalho de Conclusão de curso ATC = Congresso Científico SOMATÓRIO NUCLEO COMUM CNEC ADM/CONTÁBEIS HORAS HORAS NÚCLEO COMUM CNEC CONTÁBEIS HORAS HORAS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DA FACECA 560 HORAS HORAS TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 80 HORAS HORAS ATIVIDADES COMPLRES 280 HORAS HORAS ESTÁGIO SUPERVISIONADO 300 HORAS HORAS

15 14 O curso de graduação em Ciências Contábeis da Faceca contempla, em sua organização curricular, conteúdos que atendam aos seguintes eixos interligados de formação: I - Conteúdos de Formação Básica: estudos relacionados com outras áreas do conhecimento, sobretudo Administração, Economia, Direito, Métodos Quantitativos, Matemática e Estatística; II Conteúdos de Formação Profissional: estudos específicos atinentes às Teorias da Contabilidade, incluindo as noções das atividades atuariais e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais, governamentais e não governamentais, de auditorias, perícias, arbitragens e controladoria, com suas aplicações peculiares ao setor público e privado; III Conteúdos de Formação Teórico-Prática: Estágio Curricular Supervisionado,Trabalho de Conclusão de Curso, Atividades Complementares, Estudos Independentes, Prática em Laboratório de Informática utilizando softwares atualizados para Contabilidade. Foi implementado a partir do ano de 2008 um novo currículo para o Curso de Ciências Contábeis conforme demonstrado a seguir: 1ª série a partir de 2008 Carga horária II CONTABILIDADE GERAL 80 I ECONOMIA 80 I TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO 80 I SOCIOLOGIA 40 I FILOSOFIA 40 I INSTITUIÇÕES DE DIREITO 80 III METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA 80 I LÍNGUA PORTUGUESA 80 I MATEMÁTICA 80 I ESTATÍSTICA 80 III ATIVIDADES COMPLRES (*) 70 TOTAL 790h (*) PROJETO DE INCIAÇÃO CIENTÍFICA 2ª série a partir de 2009 Carga horária II CONTABILIDADE GERAL - II 80 II ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 80 II TEORIA DA CONTABILIDADE 40 II CONTABILIDADE COVERNAMENTAL 80 II NOÇÕES DE ATUÁRIA 40 II CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS 40 I LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL 40 II MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS A CONTABILIDADE 40 I LEGISLAÇÃO EMPRESARIAL E SOCIETÁRIA 80 II LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA 80 I PSICOLOGIA 40 II MATEMÁTICA FINANCEIRA 80 III ATIVIDADES COMPLRES (*) 70 TOTAL 790h (*) PROJETO DE CONSTITUIÇÃO E LEGALIZAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES

16 15 3ª série a partir de 2010 Carga horária II CONTABILIDADE GERAL - III 80 II FINANÇAS CORPORATIVAS 80 II CONTABILIDADE DE CUSTOS 80 II AUDITORIA CONTÁBIL 80 II PERÍCIA CONTÁBIL, AVALIAÇÃO E ARBITRAGEM 80 II SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS 80 II CONTABILIDADE SETORIAL 80 I LEGISLAÇÃO FISCAL E TRIBUTÁRIA 80 III ATIVIDADES COMPLRES (*) 70 TOTAL 710h (**)Estágio Supervisionado 3ª série Carga horária III ESTÁGIO SUPERVISIONADO 300h (*) CONGRESSO CIENTÍFICO COM APRESENTAÇÃO DAS PESQUISAS ORIENTADAS NAS LINHAS ESCOLHIDAS. 4ª série a partir de 2011 Carga horária II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 80 II ANÁLISE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO 80 II CONTROLADORIA 80 II CONTABILIDADE AVANÇADA 80 II CONTABILIDADE RURAL 80 II CONTABILIDADE INTERNACIONAL 80 III LABORATÓRIO CONTÁBIL 80 III TCC PROJETO E EXECUÇÃO 80 III ATIVIDADES COMPLRES (*) 70 TOTAL 710h (*) Atividades complementares Carga horária III ATIVIDADES COMPLRES 280h O aluno deverá cumprir, no mínimo 280 (duzentas e oitenta) horas em atividade complementares de conformidade com o respectivo regulamento aprovado pelo Conselho Superior Acadêmico. As Atividades Complementares são componentes curriculares que possibilitam o reconhecimento, por avaliação, de habilidades, conhecimentos e competências do aluno, inclusive adquiridas fora do ambiente escolar, abrangendo a prática de estudos e atividades independentes, transversais, opcionais, de interdisciplinaridade, especialmente nas relações com o mundo do trabalho e com as ações de extensão junto à comunidade. As 280 horas serão distribuídas ao longo dos 4 anos do curso, e para cada ano existe um projeto específico que orientará as principais atividades desenvolvidas. 1º ano: CONIC INCIAÇÃO CIENTIFICA. 2º ano: Projeto de CONSTITUIÇÃO E LEGALIZAÇÃO DE PESSOAS JURÍDICAS (EMPRESAS E ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS) 3º ano: PESQUISA ARTIGO CIENTÍFICO DENTRO DA LINHA DE PESQUISA ESCOLHIDA Nesse ano, é oferecida a disciplina de OPC Orientação de pesquisa científica 80 horas. 4º ano: PESQUISA ARTIGO CIENTÍFICO DENTRO DA LINHA DE PESQUISA ESCOLHIDA (**) ESTÁGIO SUPERVISIONADO - O estágio supervisionado será desenvolvido de conformidade com o respectivo regulamento aprovado pelo Conselho Superior Acadêmico Legenda I CONTEÚDOS DE FORMAÇÃO BÁSICA % II CONTEÚDOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL % III CONTEÚDOS DE FORMAÇÃO TEÓRICO PRÁTICA % TOTAL CARGA HORÁRIA APLICADA NO CURSO %

17 16 Corpo Docente PROFESSORES TITULAÇÃO DISCIPLINAS ALEXANDRE VAZZE (M) MQC + NOA + EST MAT ARLINDO JACQUES FILHO (M) LFT DANIEL PRADO JUNIOR (M) MAT + EST + MAF FÁBIO LUIZ DE CARVALHO (M) CGE II + CCT + LEM +COI+COT +COS GUILHERME MARQUES PEREIRA (M) FIC VALÉRIA SARTO (E) LPO JOSÉ DE CARVALHO FILHO (E) ICO LILIAN MARIA RIBEIRO CONDE (D) PSI + LEP LUCIANO ADIEL LOPES (E) CGOV MÁRCIO DE OLIVEIRA PEREIRA (M) ADC + CGC +CGE-III ROSA MARIA MENDONÇA COSTA ARAUJO (M) MPC TARCISIO CABRAL DOMINGUES (M) LTP TEREZINHA RICHARTZ (D) MPC ZIONEL SANTANA (M) d SOC - FIL DIMAS REIS (E) AUD-TEC-CEF-SIC MARCOS FUZZATO FERREIRA (E) PCA FLÁVIO HENRIQUE RICETTO BRAIDOTTI (E) PLC LETICIA RODRIGUES DA FONSECA (M)d TCC ROBSON SANTOS DE CARVALHO (M)d OPC ALEXANDRE MOREIRA SOUZA (E) IND 2D, 11M, 7E 2.a - Formas de realização da interdisciplinalidade A questão da Interdisciplinaridade e Integração das disciplinas que compõem o curso é de grande relevância para o Curso de Ciências Contábeis. Empenhar-se para desenvolver uma prática de ensino interdisciplinar tornase, desta forma, uma das metas pedagógicas do corpo docente, que são discutidas e analisadas sempre que possível as condições de interações entre as disciplinas que compõem o curso, como também são analisadas as áreas de abrangência de cada disciplina, a fim de, evitar que um mesmo assunto seja abordado por mais de uma disciplina, ou que um assunto relevante para a formação do Bacharel em Ciências Contábeis não seja abordado por disciplina alguma. As atividades complementares distribuídas ao longo dos 4 anos do curso se constituem em uma excelente oportunidade para as atividades interdisciplinares. Desde o primeiro período onde são realizadas atividades de iniciação científica integrando as disciplinas de Língua Portuguesa, de sociologia, e filosofia e de metodologia da pesquisa, contabilidade geral, à teoria da administração e à economia. No segundo período as atividades interdisciplinares são realizadas através do projeto de constituição e legalização de empresas, entre as disciplinas de direito empresarial, contabilidade Geral II e legislação trabalhista e previdenciária. Na terceira série, o estágio supervisionado integra

18 17 várias disciplinas tais como contabilidade Geral III, de custos, governamental, teoria da contabilidade, finanças, entre outras. Ainda na terceira série o aluno escolher sua área de concentração e de pesquisa, que são as seguintes: (i) Finanças Corporativas, (ii) Contabilidade Financeira, Fiscal e Tributária, (iii) Contabilidade Gerencial e Avançada, (iv) Custos, (v) Contabilidade de ramos específicos e temas emergentes. No quarto período, as atividades no laboratório contábil também integram várias disciplinas como a contabilidade tributária, análise das demonstrações contábeis, sistemas de informações contábeis e contabilidade gerencial. O escritório modelo e o escritório de perícias contábeis judiciais gratuitas também são uma excelente forma de se praticar a interdisciplinalidade. Além disso, muitas iniciativas programadas nos planos de curso dos professores visam a práticas interdisciplinares. 2.b Modo de integração entre a teoria e a prática. A integração entre a teoria e a prática se dará, principalmente, através das seguintes estratégias: a. Escritório Modelo b. Estágio supervisionado em escritórios e empresas c. Práticas de laboratório contábil informatizado d. Escritório de assistência pericial judicial gratuita (Convênios com as 1ª, 2ª e 3ª varas cíveis de Varginha). e. Empresa Júnior (principalmente através de cursos e treinamentos) f. Atividades complementares.

19 3 - Perfil profissional esperado para o formando em termos de habilidades e competências O curso de graduação em Ciências Contábeis da FACECA, em cumprimento à Resolução CNE nº 10/2004, deve ensejar condições para que o futuro contador seja capacitado a: I - compreender as questões científicas, técnicas, sociais, econômicas e financeiras, em âmbito nacional e internacional e nos diferentes modelos de organização; II - apresentar pleno domínio das responsabilidades funcionais envolvendo apurações, auditorias, perícias, arbitragens, noções de atividades atuariais e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, com a plena utilização de inovações tecnológicas; III - revelar capacidade crítico-analítica de avaliação, quanto às implicações organizacionais com o advento da tecnologia da informação. O curso de graduação em Ciências Contábeis contempla um perfil profissional que revele a responsabilidade social de seus egressos e sua atuação técnica e instrumental, articulada com outros ramos do saber e, portanto, com outros profissionais, evidenciando o domínio de habilidades e competências inter e multidisciplinares. Nesse sentido, o curso de graduação em Ciências Contábeis da FACECA, em cumprimento à mesma norma legal, deve possibilitar formação profissional que revele, pelo menos, as seguintes competências e habilidades: I - utilizar adequadamente a terminologia e a linguagem das Ciências Contábeis e Atuariais; II - demonstrar visão sistêmica e interdisciplinar da atividade contábil; III - elaborar pareceres e relatórios que contribuam para o desempenho eficiente e eficaz de seus usuários, quaisquer que sejam os modelos organizacionais; IV - aplicar adequadamente a legislação inerente às funções contábeis; V - desenvolver, com motivação e através de permanente articulação, a liderança entre equipes multidisciplinares para a captação de insumos necessários aos controles técnicos, à geração e disseminação de informações contábeis, com reconhecido nível de precisão; VI - exercer suas responsabilidades com o expressivo domínio das funções contábeis, incluindo noções de atividades atuariais e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, que viabilizem aos agentes econômicos e aos administradores de qualquer segmento produtivo ou institucional o pleno cumprimento de seus encargos quanto ao gerenciamento, aos controles e à prestação de contas de sua gestão perante à sociedade, 18

20 19 gerando também infor mações para a tomada de decisão, organização de atitudes e construção de valores orientados para a cidadania; VII - desenvolver, analisar e implantar sistemas de informação contábil e de controle gerencial, revelando capacidade crítico analítica para avaliar as implicações organizacionais com a tecnologia da informação; VIII - exercer com ética e proficiência as atribuições e prerrogativas que lhe são prescritas através da legislação específica, revelando domínios adequados aos diferentes modelos organizacionais. 4 Incentivo à pesquisa e à iniciação Científica a. CONIC Congresso Regional de Iniciação à Pesquisa Científica Esse projeto tem por objetivo desenvolver nos alunos a capacidade de pesquisa. Interagir Instituição e Comunidade, com projetos e extensão. Os públicos alvos são alunos, professores de graduação, pós-graduação e comunidade. Esse projeto comum a todos os cursos da FACECA visa desenvolver nos alunos das primeiras séries uma capacidade de pesquisa com o foco na Contabilidade como um sistema de informações para decisão. Temas como (i) Finanças Corporativas, (ii) Contabilidade Financeira, Fiscal e Tributária, (iii) Contabilidade Gerencial e Avançada, (iv) Custos, (v) Contabilidade de ramos específicos e temas emergentes. Os projetos são apresentados para a comunidade e os melhores artigos são publicados na revista científica da FACECA. Esse artigo, é apresentado em um evento de duração de dois dias. Cada grupo de aluno é coordenado por um professor orientador e incorpora conceitos das várias disciplinas da 1ª série, tais como: introdução à administração, informática, Contabilidade, comunicação e expressão, metodologia da pesquisa científica, entre outras. O projeto está em anexo. b. TCC Trabalho de Conclusão de Curso O TCC é um trabalho monográfico que representa a estruturação e operacionalização dos conhecimentos adquiridos durante os cursos de Ciências Contábeis e de Administração da FACECA. É a oportunidade de vivenciar com maior intensidade a aplicabilidade dos conhecimentos nas áreas da graduação. Não é um mero formalismo que evidencia o término de uma etapa da vida acadêmica. O TCC deve: Proporcionar crescimento intelectual ao seu autor Apresentar contribuições sobre o tema que pretende tratar, elucidar ou discutir. O TCC ou monografia é um trabalho científico e, por isso, requer os mesmos rigores e cuidados científicos exigidos para as pesquisas acadêmicas. A única diferença é relativa à extensão e a profundidade com que o tema é tratado,

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 alunos

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2 DENOMINAÇÃO: PORTARIA DE AUTORIZAÇÃO: PORTARIA DE RECONHECIMENTO: REGIME ESCOLAR: NÚMERO DE VAGAS ANUAIS: TURNOS DE FUNCIONAMENTO: NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA:

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.609, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.609, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.9, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 117/06-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA Linguagem e Interpretação de Texto 80 Contabilidade I 80 Economia 80 Matemática 80 Teoria Geral da Administração

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 25/10/2004

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 25/10/2004 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 25/10/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Instituto Brasileiro de Atuária UF:

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 16/73

Faculdade Figueiredo Costa 16/73 16/73 CAPITULO IV GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL O Curso de Graduação em Administração deve ensejar como perfil desejado do formando, capacitação e aptidão para compreender as questões

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO Faculdade Internacional da Paraíba Rua Monsenhor Walfredo Leal nº 512, Tambiá CEP: 58020-540. João

Leia mais

RESUMO DO PROJETO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO

RESUMO DO PROJETO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO RESUMO DO PROJETO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BHARELADO MARILDE QUEIROZ GUEDES Diretora do Departamento RAMÃO JORGE DORNELLES Coordenador de Colegiado JAMILE PEREIRA Secretária do Colegiado BARREIRAS

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE ANO II Nº 003 Editado pela Secretaria Geral das FIPAR Faculdades Integradas de Paranaíba FIPAR Paranaíba, 08 de agosto de 2008. AVISO DE PUBLICAÇÃO E ADEQUAÇÃO DE MATRIZ

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

31956 Monografia II 31926

31956 Monografia II 31926 Currículo Novo 2006/01 Duração: 182 créditos 2.730h, acrescidas de 270h de atividades complementares, totalizando 3.000h 31544 Teoria das Organizações I - 31554 Matemática I - 31564 Teoria das Organizações

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais O curso de Relações Internacionais está enquadrado no campo da ciência Humana e social, onde estuda-se em profundidade as políticas Internacionais

Leia mais

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em Curso de Graduação Bacharelado em Administração O curso de Administração está enquadrado como uma ciência social aplicada. Estuda-se em profundidade técnicas e instrumentos analíticos, além de simulações

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS PESQUISA DE EGRESSOS 2013-1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CIÊNCIAS CONTÁBEIS PESQUISA DE EGRESSOS 2013-1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS PESQUISA DE EGRESSOS 213-1 CIÊNCIAS Percentual de? 7 6 5 4 3 2 1 21 Formandos 2 Você atuava na área escolhida de seu curso antes de seu ingresso? 12 1 8 6 4 11 9 2 Sim Não Atualmente você atua na área

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Departamento de Letras. Curso de Bacharelado em Tradução

Universidade Estadual de Maringá. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Departamento de Letras. Curso de Bacharelado em Tradução Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Departamento de Letras Curso de Bacharelado em Tradução Estágio Curricular Supervisionado MANUAL DE NORMAS DE PROCEDIMENTOS PARA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS -

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS - Direção da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco / AEDB Prof. Ms. Antonio Carlos Simon Esteves Coordenação do Curso de Pedagogia Profa. Ms. Sueli Sardinha Guedes 2 MISSÃO DA FFCLDB/AEDB Promover

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Capítulo I. Das Disposições Gerais. Pela contribuição para a formação técnica e humanística do aluno.

Capítulo I. Das Disposições Gerais. Pela contribuição para a formação técnica e humanística do aluno. Regulamento de Atividades Complementares dos cursos de Bacharelado em Administração, Ciências Contábeis, Sistemas de Informação e Enfermagem da Libertas Faculdades Integradas 20 Capítulo I Das Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 2 CRUZEIRO - SP 2014 APRESENTAÇÃO De acordo com a Resolução n o 1, de 02 de fevereiro de 2004,

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI APRESENTAÇÃO Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta e decisiva,

Leia mais

I Seminário Integrador do Curso de Administração

I Seminário Integrador do Curso de Administração I Seminário Integrador do Curso de Administração! Coordenador: Prof.,MSc.,Mário,Mendonça mariomacneto@gmail.com, Vice9Coordenador: Prof.,MSc.,Robson,Materko robsonmaterko@yahoo.com.br, Telefone:,(96),331291763

Leia mais

A profissão contábil e o mercado de trabalho para os Contadores. Contabilidade: uma carreira apaixonante

A profissão contábil e o mercado de trabalho para os Contadores. Contabilidade: uma carreira apaixonante CIÊNCIAS A profissão contábil e o mercado de trabalho para os Contadores Contabilidade: uma carreira apaixonante Prof. João Matias Loch E-mail: jmperito@gmail.com CIÊNCIAS O que é a Contabilidade? CIÊNCIAS

Leia mais

Resolução 038/2001 CONSEPE

Resolução 038/2001 CONSEPE Resolução 038/2001 CONSEPE Aprova as normas de funcionamento do Curso de Administração do Centro de Ciências da Administração CCA/ESAG. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

CÓD. 104 - CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 42

CÓD. 104 - CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 42 Aprovado no CONGRAD: 15.09.09 Vigência: 2010/1, com efeito retroativo para os ingressos a partir 2009/1 104 - CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 42 ÁREAS DE FORMAÇÃO I - CONTEÚDOS

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO I FÓRUM DE DEBATES SOBRE QUALIFICAÇÃO E REQUALlFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE SECRETARIADO

RELATÓRIO FINAL DO I FÓRUM DE DEBATES SOBRE QUALIFICAÇÃO E REQUALlFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE SECRETARIADO RELATÓRIO FINAL DO I FÓRUM DE DEBATES SOBRE QUALIFICAÇÃO E REQUALlFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE SECRETARIADO Realizado em 29 de agosto de 2002, em Recife/PE, durante o XIII Congresso Nacional de Secretariado.

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa

Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE INESP INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA Em conformidade com o Parecer CES/CNE 146/2002, homologado em 13 de maio de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

O Curso de Administração da ESAG. Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2

O Curso de Administração da ESAG. Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2 O Curso de Administração da ESAG Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2 Missão da ESAG A ESAG tem por missão realizar o ensino, a pesquisa, a extensão, de modo articulado, a fim de contribuir na formação

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 90/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Relações Públicas, Bacharelado,

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 35 ANEXO II METODOLOGIAS (B) CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 36 B) Metodologias utilizadas no Curso de Ciências Contábeis, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários,

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso Autorizada a funcionar por intermédio da Portaria Ministerial n o 2.246 de 19/12/1997 Curso de Graduação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ADMINISTRAÇÃO/COMÉRCIO EXTERIOR - CONTAGEM

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ADMINISTRAÇÃO/COMÉRCIO EXTERIOR - CONTAGEM SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ADMINISTRAÇÃO/COMÉRCIO EXTERIOR - CONTAGEM 1) PERFIL DO CURSO: A missão do Curso de Administração com Linha de Formação Específica em Comércio Exterior da PUC Minas consiste

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais