JL PLASMA DO BRASIL LTDA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JL PLASMA DO BRASIL LTDA"

Transcrição

1 2011 JL PLASMA DO BRASIL LTDA [PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA EM ESCAVAÇÕES A CÉU ABERTO UTILIZANDO A CÁPSULA EXPANSIVA CS PLASMA] Esta relação de procedimentos técnicos dispõe sobre as medidas de segurança relativas à proteção do trabalhador em atividades que envolvam Escavações, Fundações e Desmonte de Rochas.

2 PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA 2 EM ESCAVAÇÕES A CÉU ABERTO UTILIZANDO A CÁPSULA EXPANSIVA CS PLASMA 1 APRESENTAÇÃO O princípio de funcionamento do CS PLASMA é a rápida expansão da mistura metálica (metais e sais metálicos) formando um estado de plasma em altíssimas temperaturas em espaços confinados. O CS PLASMA simplesmente fragmenta a rocha, de forma que uma escavadeira possa remover os fragmentos facilmente para a posterior disposição em local adequado. O produto é extremamente estável, sem nenhum tipo de reação à fricção, impacto ou ao calor (mesmo de um maçarico). O acionamento das cápsulas é feito através da passagem de corrente elétrica. 2 CS PLASMA CERTIFICADOS E PREMIOS INTERNACIONAIS - A CS PLASMA possui certificado ISO e ISO ; - possui 7 patentes na Ásia na categoria de cápsula expansiva; - possui 4 patentes internacionais em 10 países, incluindo USA, União Européia e Japão, e 10 patentes arquivadas. A capsula expansiva CS PLASMA, ganhou o grande prêmio em 2001, na feira internacional de inventores em Nuernberg Alemanha, além de outros prêmios em feiras internacionais de inventores. Segue em anexo certificados de três prêmios internacionais. 3 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO Esta relação de procedimentos técnicos dispõe sobre as medidas de segurança relativas à proteção do trabalhador em atividades que envolvam Escavações, Fundações e Desmonte de Rochas.

3 A cápsula expansiva também é utilizada em outros serviços, como desmonte de rocha subaquático, porém estas outras atividades possuem procedimentos específicos relacionados em outros documentos elaborados pelo grupo de engenheiros da empresa. 3 4 PRINCÍPIO BÁSICO DE SEGURANÇA ADOTADO Quando houver risco de desmoronamento, deslizamento, queda de máquinas e pessoas, projeção de materiais, é necessária a adoção de medidas correspondentes, visando a segurança e a saúde dos trabalhadores. 5 ANTES DO INICIO DOS PROCEDIMENTOS DE DESMONTE 5.1 CARACTERIZAÇÃO DO SUBSOLO - O subsolo na região onde vai ser executada a escavação deve ser caracterizado pelos seus parâmetros geotécnicos, determinados através de análises e interpretação dos resultados obtidos pelas investigações geotécnicas. - Devem ser elaboradas seções geotécnicas-geológicas longitudinais e transversais, tantas quantas forem necessárias à perfeita caracterização da forma e dimensões da escavação, figurando a descrição de terrenos atravessados e respectivas profundidades, descontinuidades superficiais de escorregamento e indicação de níveis de aqüíferos. - No caso de maciço rochoso, detalhamento e análise dos sistemas de fraturamento e descontinuidades, e classificação em grupos com características homogêneas. - A execução de sondagens é normalizada pela NBR 6484, e a identificação e descrição das amostras de solo é normalizada pela NBR Nas escavações em encostas, devem ser tomadas precauções especiais para evitar escorregamentos ou movimentos de grandes proporções no maciço adjacente, devendo merecer cuidados a remoção de blocos e pedras soltas. - Para os engenheiros da empresa, os coeficientes de segurança devem atingir no mínimo o valor de 1,5, sendo necessária a justificativa técnica para a adoção deste valor.

4 6 DURANTE OS PROCEDIMENTOS DE DESMONTE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Durante toda a fase de execução e durante a existência da escavação, é indispensável terse no canteiro de obra um arquivo contendo os seguintes documentos: a) resultados das investigações geotécnicas; b) perfis geotécnicos; c) profundidade e dimensões da escavação, bem como as etapas a serem atingidas durante a execução e reaterro (quando for o caso); d) condições da água subterrânea; e) levantamento das fundações das edificações vizinhas e redes de serviços públicos; f) projeto detalhado do tipo de proteção das paredes da escavação; g) caso haja necessidade das ancoragens penetrarem em terrenos vizinhos, deve-se ter autorização dos proprietários para permitir a sua instalação. 6.2 PROTEÇÃO DAS PAREDES EM TALUDES - Os taludes das escavações devem ser convenientemente protegidos, em todas as fases executivas, e durante toda a sua existência, contra os efeitos de erosão interna e superficial. - Nas bordas da escavação deve ser mantida uma faixa de proteção de no mínimo 1,00m, livre de cargas, bem como a execução de uma pequena mureta de 0,30 m, para evitar a entrada de águas superficiais na cava da escavação. Figura 1: Proteção das bordas dos taludes

5 - As camadas de solos argilosos superficiais expostas aos raios solares são sujeitas à formação de rachaduras ou fendas, que devem ser imediatamente preenchidas com material impermeável, para se evitar a penetração da água no talude junto às bordas das escavações. 5 - Para escavações com profundidade superior a 5,00 m é obrigatório o uso de patamares (bermas ou plataformas), objetivando não só melhorar as condições de estabilidade como também reduzir a velocidade de escoamento das águas superficiais do talude. - Nos patamares (bermas ou plataformas) devem ter valetas revestidas para coleta das águas superficiais. As valetas devem conduzir as águas para pontos preestabelecidos, de onde são esgotadas com a utilização de bombas (quando necessário). - Para escavações com talude em solo e em rocha, na região do início da rocha, deve ser feito um patamar para melhorar as condições de segurança do talude em solo. 6.3 PERFURAÇÃO NA ROCHA Os furos na rocha são feitos por equipamentos especiais denominados perfuratrizes, em sistema roto-percussivo. Na perfuratriz são acopladas uma ou mais hastes e na extremidade inferior da(s) haste(s) acopla-se um bit, o qual possui botões de material duro, usualmente de tungstênio. O compressor de ar fornece todo o ar comprimido necessário para o funcionamento da perfuratriz. Todos os operadores, tanto da perfuratriz como do compressor são treinados para exercer tal função. Todos os procedimentos de segurança são rigorosamente seguidos para minimizar os riscos de acidentes. São realizados check lists diários e manutenção preventiva nos equipamentos.

6 6.4 DESMONTE DA ROCHA 6 - Nenhum acionamento de cápsula pode, em hipótese alguma, ser efetuado sem que o plano geral de execução dos serviços e o esquema de desmonte específico tenham sido aprovados. Tais planos devem ser efetuados para cada acionamento contendo todos os elementos necessários para a sua perfeita caracterização, tais como: quantidade, disposição, diâmetros, comprimento e inclinação dos furos, altura de bancada, tamanho das cargas, volume in situ, localização do desmonte, dispositivos de proteção contra lançamento ou projeção de fragmentos, data e hora prevista para o acionamento. - Em zona urbana, a frente da bancada, em cada acionamento, deve ser coberta por meio de lonas ou pneus, de modo a evitar o lançamento de fragmentos de rocha sobre pessoas ou equipamentos. Figura 2: Lona de pneus utilizada para evitar lançamento de fragmentos, em zonas urbanas 6.5 EVACUAÇÃO E VIGILÂNCIA DO LOCAL DO DESMONTE - Na obra devem ser instalados os devidos sinais de alerta em número e tamanho adequados, de que está sendo realizada na área operação de desmonte de rocha.

7 Esta sinalização deve estar claramente visível por todos que entrem na área ou passem perto da obra. Durante a etapa de acionamento, o local deve ser abandonado por todo pessoal não diretamente ligado à operação. Deve ser completamente evacuada uma área mínima limitada por 30 m a jusante e 20 m a montante, 5 min antes do desmonte. Nos caminhos de acesso devem ser colocados elementos do serviço de segurança com bandeiras vermelhas. Esses elementos têm suficiente autoridade para impedir a passagem de qualquer pessoa não diretamente ligada à operação de carregamento e controle final. 7 - O aviso final do desmonte é feito por meio de sirene, de intensidade de som, tal que seja ouvido em todos os setores de obra e vizinhança; deve ser efetuado segundo o esquema seguinte: a) 5 min antes do acionamento...um apito de 10 s; b) 2 min antes do acionamento...dois apitos de 10 s, com 5 s de intervalo entre os apitos; c) 1 min antes do fogo... três apitos de 10 s, com 5 s de intervalo entre os apitos. - Logo após o acionamento das cápsulas são liberados os caminhos de acesso. Somente após 5 min do desmonte é permitido o acesso ao local do desmonte. 6.6 MEDIDAS DE PROTEÇÃO AOS OPERÁRIOS TRÁFEGO NA ÁREA DE ESCAVAÇÃO - Os pontos de acesso de veículos e equipamentos à área de escavação devem ter sinalização de advertência permanente. - O tráfego próximo às escavações deve ser desviado. Quando não for possível, deve ser reduzida a velocidade dos veículos PROTEÇÃO INDIVIDUAL - É obrigatório o uso de equipamentos de proteção individual pelos operários.

8 Os equipamentos de proteção individual utilizados pelos profissionais treinados para o uso do PLASMA em uma obra de escavação são: a) capacete de segurança, todos os operários; b) cinto de segurança, nos trabalhos em que houver perigo de queda; d) óculos de segurança, nos trabalhos com ferramentas de apicoamento; e) luva de couro ou lona plastificada, para a proteção das mãos no manuseio de materiais abrasivos ou cortantes; f) luva de borracha, para trabalho em circuitos e equipamentos elétricos (qualquer tipo de manutenção em equipamento elétrico é realizado exclusivamente pelo engenheiro elétrico); g) botas impermeáveis, para trabalho em terrenos encharcados; h) sapatos adequados que ofereçam proteção contra pregos; i) Abafadores de som tipo concha para todos os trabalhadores; j) protetor solar para todos os trabalhadores; k) macacão com a adesivos refletivos. 8 Figura 3: Funcionário executando um teste de estabilidade com as cápsulas CS PLASMA 6.7 ACOMPANHAMENTO E INSTRUMENTAÇÃO Entende-se por acompanhamento a observação detalhada da escavação e de sua área de influência. A necessidade de instrumentação deve ser analisada para cada caso, devendo haver no projeto de escavação uma justificativa para sua utilização ou não. No caso da necessidade de utilização de instrumentação, devem ser definidos os objetivos a que se propõe, que basicamente podem pertencer aos seguintes grupos: a) relacionada à segurança:

9 - visa acompanhar possíveis alterações no estado de equilíbrio da área de escavação e de estruturas próximas, durante e após a execução da obra. As medições realizadas podem permitir a tomada, em tempo hábil, de providências eventualmente necessárias, tendo em vista o risco de perda de vidas, vias e propriedades; b) relacionada à verificação das hipóteses adotadas no projeto de escavação e pesquisa: - visa permitir a comparação dos valores medidos com os adotados ou calculados no projeto e o aperfeiçoamento dos métodos de previsão, bem como a reavaliação dos projetos, durante a execução. 9 - Durante a execução de escavações, devem ser efetuadas medidas de controle dos efeitos das vibrações sobre estruturas vizinhas, para verificar os níveis de vibração gerados pelo desmonte de rocha e pelas operações de perfuração. As cápsulas CS PLASMA não emitem onda de choque e os níveis de vibração durante o acionamento são extremamente baixos, porém, mesmo assim, a empresa mantém pelo menos um sismógrafo na área e um técnico treinado para operá-lo, de forma a acompanhar detalhadamente os níveis de vibração de todas as operações. Figura 4: Sismógrafo utilizado para o monitoramento sismográfico

10 7 NORMAS CONSULTADAS E SEGUIDAS NAS OPERAÇÕES DE DESMONTE DE ROCHA A SEU ABERTO USANDO CS PLASMA 10 NBR Segurança de escavação a céu aberto NBR Estrutura ancorada no terreno Ancoragem injetada no terreno Procedimento NBR Execução de sondagens de simples reconhecimento dos solos - Método de ensaio NBR Projeto geotécnico Procedimento Da Portaria de 8/7/78: NR-15 Atividades e Operações Insalubres NR-16 Atividades e Operações Perigosas NR-18 Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção NR-21 Trabalhos a Céu Aberto NR-22 Trabalhos Subterrâneos Da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas: NB 942 Segurança de Escavações a Céu Aberto NB 617 Identificação e descrição de amostras de solos obtidas em sondagens de simples reconhecimento dos solos NB 756 Projeto Geotécnico

11 8 PROJETOS, DOCUMENTOS E LAUDOS 11 Para cada obra são necessários os seguintes documentos: - Projeto Executivo da Obra; - Análise Preliminar de Risco; - Plano de Trânsito; - Plano de Higiene e Segurança; - Plano de Resgate e Salvamento; - Laudo de Estabilidade de Talude; - Programas exigidos pelo MTE. 9 ENGENHEIROS RESPONSÁVEIS ERNANI SCHEUER ENG. DE MINAS CREA-RS nº /D Reg. Nacional n (27) / (21) LEONARDO PEREIRA DA SILVA ENG. ELETRICISTA CREA-ES nº /D (27) / (27)

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA DC-S-1/2011 2/14 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidade... 3 2.2.1. Produção Terra e Rocha... 3 2.2.2. Planejamento/Engenharia... 3 2.2.3. Administração

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1 Objetivo e campo de aplicação...2 2 Referências...2 3 Definições...2 4 Condições para início dos serviços...2 5 Materiais e equipamentos necessários...3 6 Métodos e procedimentos de execução...3

Leia mais

Terraplenagem - cortes

Terraplenagem - cortes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos ASC Prof. Danilo Toledo Ramos Fundações Profundas (Indiretas) Segundo a NBR 6122/1996: Elementos de fundação que transmitem a carga ao terreno pela base (resistência de ponta), por sua superfície lateral

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A AR COMPRIMIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) PCC 2302 Gestão da Produção na Construção Civil Profº Francisco Ferreira Cardoso Juliana Bueno Silva Thales Landgraf Soraia Regina

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE VALAS OU TRINCHEIRAS 2 DESCRIÇÃO Nos trabalhos realizados em valas ocorrem com frequência acidentes graves e fatais devido principalmente

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GRUAS TORRE 2 DESCRIÇÃO As gruas torre são máquinas utilizadas para elevação de cargas (por meio de um cabo), e transporte dentro de um raio

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT

Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT Um Enfoque Frente a Tecnologias e Utilização de EPI s - NR10 d f G k Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT NR 10 Risco de Arco

Leia mais

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA;

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; CONTEÚDO DO TRABALHO Doenças ocupacionais e riscos da construção civil; Quedas; Choque elétrico; Soterramento. A construção é um dos ramos mais antigos do

Leia mais

Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8

Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8 Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8 Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ione Medeiros Alves², Jéssica Santos Lima 3, Lucélia Rodrigues da Silva

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DOS DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA INDUSTRIA DE MÁQUINAS ERPS LTDA MÁQUINA DE MONTAR BICOS MODELO: MAP 21 N 9210258

LAUDO TÉCNICO DOS DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA INDUSTRIA DE MÁQUINAS ERPS LTDA MÁQUINA DE MONTAR BICOS MODELO: MAP 21 N 9210258 LAUDO APENAS PARA FINS DE CONSULTA. HAVENDO NECESSIDADE SOLICITAR CÓPIA FÍSICA LAUDO TÉCNICO DOS DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA INDUSTRIA DE MÁQUINAS ERPS LTDA MÁQUINA DE MONTAR BICOS N 9210258 Novo Hamburgo

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS Ligações rosqueadas; Ligações soldadas; Ligações flangeadas; Ligações de ponta e bolsa; Outras Ligações: - Ligações de compressão; - Ligações patenteadas. 1 Fatores que influenciam

Leia mais

Segurança com retroescavadeira. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança com retroescavadeira. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança com retroescavadeira Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Retroescavadeira Apenas pessoas que possuem o completo conhecimento do trator e dos implementos devem efetuar

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Fernando A. Ishida Tharik Honda Luan Felipe

Leia mais

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PORTARIA N.º 30, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 Divulgar para consulta pública a proposta de texto de criação da Norma Regulamentadora N. º 31 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. A SECRETÁRIA

Leia mais

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1 Cor na Segurança do Trabalho. 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora (NR) tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 015 Controle de fumaça Parte 8 Aspectos de segurança CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 18 Aspectos de segurança

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP .1.1.30 NOME: TRABALHOS COM ESCAVAÇÃO (ABERTURA E FECHAMENTO DE VALA) E ESCORAMENTO Como desenvolve a atividade Cargo Periodicidade ST/GEAP 6.1.30.1 Acatar as Considerações Gerais e Aspectos Legas (NR

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Cloreto de Zinco

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Cloreto de Zinco 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome comercial: Cloreto de Zinco Código interno de identificação do produto: A023 Nome da Empresa: Endereço: Estrada Municipal Engenheiro Abílio Gondin Pereira, 72

Leia mais

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS Instalação do sistema de geração de ozônio na piscina coberta do Centro de Atividades do SESC Ceilândia. Brasília-DF COMAP/DIAD Página 1 BASES TÉCNICAS PARA

Leia mais

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio Ciclo de Vida do Empreendimento: Todos os empreendimentos tem um ciclo de vida - têm um início, um crescimento

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Concórdia- SC 2014 1 EDICLÉIA KARINE

Leia mais

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA Revisão: 00 Data de revisão: 12/2011 Página 1 de 9 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:... Produtor/ Fornecedor:... Endereço:...Via periférica II, 2460 CIA SUL- Simões Filho. Bahia.

Leia mais

IBP475_03 SEGURANÇA EM ESCAVAÇÕES Walter Manoel Ribeiro 1. Abstract

IBP475_03 SEGURANÇA EM ESCAVAÇÕES Walter Manoel Ribeiro 1. Abstract SEGURANÇA EM ESCAVAÇÕES Walter Manoel Ribeiro 1 Copyright 003, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico foi preparado para apresentação na Rio Pipeline Conference & Exposition

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a

Leia mais

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1 Riscos adicionais Riscos adicionais De altura; De ambientes confinados; De áreas classificadas; De umidade; Condições atmosféricas; Ataque de animais peçonhentos/domésticos. Altura Trabalho em altura é

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do Produto: Disco de Corte ou Disco de Desbaste

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do Produto: Disco de Corte ou Disco de Desbaste N 001 Disco de Corte e Desbaste Revisão: 05/04/2011 1 Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Disco de Corte ou Disco de Desbaste Aplicação: Corte de aço carbono e aço inoxidável, limpeza

Leia mais

Construções Rurais. Prof. João Marcelo

Construções Rurais. Prof. João Marcelo Construções Rurais Prof. João Marcelo Concreto misturado à mão O concreto armado ou estrutural Trabalhos preliminares São os trabalhos iniciais : elaboração do programa, escolha

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Transcrito pela Nutri Safety * 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho Norma Regulamentadora 06 Segundo a NR 06, EPI é: todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta *

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * 40 Capítulo VI Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * A ABNT NBR 15749, denominada Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície

Leia mais

COMPRESSOR MANUAL DO PROPRIETÁRIO DENTAL/MEDICAL OIL-FREE WWW.SCHUSTER.IND.BR PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS

COMPRESSOR MANUAL DO PROPRIETÁRIO DENTAL/MEDICAL OIL-FREE WWW.SCHUSTER.IND.BR PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS COMPRESSOR S45 DENTAL/MEDICAL OIL-FREE MANUAL DO PROPRIETÁRIO COMPRESSOR S45 110V PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. TERMOS DE GARANTIA... 3 4. ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR- 6122 - PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

NR 6 - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI

NR 6 - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI Portarias de Alteração Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Portaria SSMT n.º 06, de 09 de março de 1983 14/03/83 Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91 Portaria DSST

Leia mais

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria.

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF PORTARIA N 09, DE 20 DE MARÇO DE 2015. Aprova a Norma Técnica N 03/2015- CBMDF - Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio. O COMANDANTE-GERAL

Leia mais

MODELOS CP - 8000 E CP - 8001 V 2006

MODELOS CP - 8000 E CP - 8001 V 2006 ELETRIFICADOR DE CERCAS DE SEGURANÇA MODELOS CP - 8000 E CP - 8001 V 2006 MANUAL DO USUÁRIO INDÚSTRIA BRASILEIRA www.atdshelter.com.br JANEIRO / 2007 ATENÇÃO!!! INFORMAÇÕES IMPORTANTES Leia atentamente

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) * NR aprovada pela Portaria MTb 3.214/1978. * Texto de acordo com a Portaria SIT/DSST 25/2001. * V. Portaria SIT/DSST 162/2006 (Estabelece procedimentos

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10 NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 1. Introdução A Norma Regulamentadora n 10 é um documento que descreve um conjunto de procedimentos e requisitos para as atividades que envolvem

Leia mais

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA JANEIRO / 2014 DADOS DA EMPRESA Razão Social: MOBRA SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA LTDA. CGC: 87.134.086/0001-23, Endereço:

Leia mais

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

A segurança como sinónimo de prevenção de acidentes engloba vários aspetos:

A segurança como sinónimo de prevenção de acidentes engloba vários aspetos: Fundamentos da segurança no trabalho A segurança como sinónimo de prevenção de acidentes engloba vários aspetos: Aspeto ético-sociais Segurança social 1 Aspeto jurídicos Legislação do trabalho Aspeto económicos

Leia mais

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS DEZ/2014 1 ÍNDICE Objetivo Definição... 04 Oque É Espaço Confinado... 05 Onde É Encontrado O Espaço Confinado... 06 Quais São Os Tipos De Trabalhos

Leia mais

Manual de Instruções. Tanques e Vasos de Polietileno. Atenção Leia antes da aceitação do material

Manual de Instruções. Tanques e Vasos de Polietileno. Atenção Leia antes da aceitação do material Manual de Instruções Apresentação Recebimento Descarga Instalação Segurança e Prevenção de Acidentes Válvulas Respiro Fixação Manutenção Tanques e Vasos de Polietileno Atenção Leia antes da aceitação do

Leia mais

A segurança de se sentir bem.

A segurança de se sentir bem. Catálogo de Cores Wetroom A segurança de se sentir bem. Crédito Equipotel 2010 - Arquiteta Jorgina Nello Eclipse Aquasafe (cor 036), Aquarelle Wall HFS (cor 025) Recomendado para os segmentos: SAÚDE Hotelaria

Leia mais

Tipos de Poços. escavação..

Tipos de Poços. escavação.. O que é um poço Tubular Chamamos de poço toda perfuração através da qual obtemos água de um aqüífero e há muitas formas de classificá-los. Usaremos aqui uma classificação baseada em sua profundidade e

Leia mais

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 6 E P I Equipamento de Proteção Individual Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A sexta Norma Regulamentadora, cujo título é Equipamento de Proteção Individual (EPI), estabelece: definições legais,

Leia mais

Sinalização de segurança:

Sinalização de segurança: A Sinalização de Segurança tem por objectivo chamar a atenção, de forma rápida e inteligível, para objectos ou situações que comportem riscos ou possam estar na origem de perigos 1 Significados e a aplicação

Leia mais

PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL

PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto.

Leia mais

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a A aplicação de uma competente estratégia pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento de um programa de proteção contra quedas, bem como justificar o tempo investido em sua elaboração e administração.

Leia mais

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente Primeira edição

Leia mais

2. Executar serviços de montagem, remoção e instalação de máquinas, equipamentos, instrumentos, tubulações e acessórios industriais.

2. Executar serviços de montagem, remoção e instalação de máquinas, equipamentos, instrumentos, tubulações e acessórios industriais. I. 1 INSTALAÇÕES DE SISTEMAS INDUSTRIAIS I 1. Analisar formas de geração de energia, seus elementos de produção e transformação. 2. Analisar condições de infra-estrutura e de alimentação de sistemas elétricos.

Leia mais

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail:

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: Texto Proposto Comentário Nossa Proposta Justificativa Técnica Dobradeiras

Leia mais

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança?

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Execução de edificações Serviços preliminares Elementos de prospecção geotécnica

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS

RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS - Pauluzzi Produtos Cerâmicos LTDA - Porto Alegre - Fevereiro de 2008. RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

Drenagem - meios-fios e guias

Drenagem - meios-fios e guias MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO

ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO UHE SALTO GRANDE CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Verificação da análise da estabilidade

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Determinar a metodologia para substituição de condutor de média tensão, em vão de rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição

Leia mais

Construção da Rede Coletora de Esgoto. Profª Gersina N.R.C. Junior

Construção da Rede Coletora de Esgoto. Profª Gersina N.R.C. Junior Construção da Rede Coletora de Esgoto Profª Gersina N.R.C. Junior Pode ser implantada por equipe de empresas especializada ou da própria concessionária. Em grandes obras é comum a contratação de equipes

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Revisão: 00 Folha: 1 / 10 1. Definição CIPA Acidente 2. Objetivo A CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA N. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CBMGO CBMGO - CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS SUMÁRIO

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MODELO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NOME DA EMPRESA PERÍODO Dia / Mês / Ano a Dia / Mês / Ano 1 SUMÁRIO 3 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 4 4 OBJETIVO GERAL CONDIÇÕES PRELIMINARES 5 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5 Manual Técnico Transformadores de Potência Versão: 5 Índice 2 8 Página 1 1 INTRODUÇÃO Este manual fornece instruções referentes ao recebimento, instalação e manutenção dos transformadores de potência a

Leia mais

Descrição B. Cilindro sensor PD 40..

Descrição B. Cilindro sensor PD 40.. Descrição B Cilindro sensor PD 40.. PT 1. Segurança 2 2. unção 3 3. Transporte 8 4. Montagem 8 5. Instalação 9 6. Comissionamento 10 7. uncionamento/operação 10 8. Eliminação de falhas / Reparação 11 9.

Leia mais

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL 1 Largura das faixas de rolamento 2 - Larguras dos acostamentos (Bermas) 3 -Conformação e declividades (caimentos) da pista e dos acostamentos 4 - Canteiro central (Mediano) 5 -Taludes 6 -Faixa de domínio

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO E PREVENÇÃO ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO

PLANO DE MONITORIZAÇÃO E PREVENÇÃO ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO Dono da Entidade Executante: 1 / 6 ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO Verificação/Tarefas Riscos Medidas de Prevenção/Protecção Resp. Escavação Abertura de vala Trabalhos em

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

À Prova de Respingos (IP44)

À Prova de Respingos (IP44) 1 APLICAÇÃO: O Acionamento Elétrico Dupla Isolação são utilizados para acionar os vibradores de imersão pendular de concreto e bombas de mangotes, foi desenvolvido dentro das normas NR-10 para máxima segurança

Leia mais

Capa de uso de PVC pigmentado, cargas minerais, carbeto de silício e bacteriostático. Fibra de Vidro coberta com PVC pigmentado

Capa de uso de PVC pigmentado, cargas minerais, carbeto de silício e bacteriostático. Fibra de Vidro coberta com PVC pigmentado TOTALSAFE TOTALSAFE DEFINIÇÃO Totalsafe* é um revestimento vinílico para piso, em mantas, com propriedade antiderrapante, flexível, composto de resina de PVC, plastificante, estabilizante, bacteriostático,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES NT-920 SUPORTE PARA SORO HASTE E GUIA INOX - BASE ALUMÍNIO C/ RODÍZIOS NOTA! ESTE SUPORTE PARA SORO É DESTINADO AO USO MÉDICO HOSPITALAR. Página 1 de 10 INTRODUÇÃO PARABÉNS! Você acaba

Leia mais

DuPont Surfaces SUPERFÍCIES SÓLIDAS DUPONT CORIAN INSTALAÇÃO DE SUPERFÍCIES EM INTERIOES DE AMBIENTES COMERCIAIS BOLETIM TÉCNICO INTRODUÇÃO

DuPont Surfaces SUPERFÍCIES SÓLIDAS DUPONT CORIAN INSTALAÇÃO DE SUPERFÍCIES EM INTERIOES DE AMBIENTES COMERCIAIS BOLETIM TÉCNICO INTRODUÇÃO DuPont Surfaces SUPERFÍCIES SÓLIDAS DUPONT CORIAN INSTALAÇÃO DE SUPERFÍCIES EM INTERIOES BOLETIM TÉCNICO SUMÁRIO PÁGINA SEÇÃO 3 A. Adesivo de silicone 4 B. Limites da extensão das paredes INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho

Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho 1 1. INTRODUÇÃO Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho A construção civil é um dos campos de trabalho mais delicados da sociedade, em virtude

Leia mais

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS)

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Proteção 76 Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Zonas de proteção contra raios, características e aplicações do DPS do tipo I Por Sérgio Roberto Santos* Os Dispositivos de Proteção contra Surtos

Leia mais

8.1 Verificações Prévias 11 8.2 Instalação da válvula 13

8.1 Verificações Prévias 11 8.2 Instalação da válvula 13 MÁQUINA DE ALTA FREQÜÊNCIA FREQUENCY 3 ÍNDICE 1. Apresentação 03 2. Introdução 04 3. Características Técnicas 05 4. Inspeção de Recebimento 06 5. Transporte 08 6. Abrindo a Embalagem 09 7. Identificação

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABERTURA DE VALAS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO FOLHA ET-6000-6520-940-TME-002 ET-65-940-CPG-002 1 / 8 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM

Leia mais

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Drenagem e Obras de Arte Correntes nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS

NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS ELVIO LUIZ LORIERI DIR. CANTEIRO DE OBRAS DA ALEC. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS WWW.ALEC.ORG.BR PARA IMPLANTAÇÃO DE UM CANTEIRO DE OBRA, DEVEMOS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PARA RECUPERAÇÃO E REFORÇO DO RESERVATÓRIO SUPERIOR DO SETOR B

MEMORIAL DESCRITIVO PARA RECUPERAÇÃO E REFORÇO DO RESERVATÓRIO SUPERIOR DO SETOR B MEMORIAL DESCRITIVO PARA RECUPERAÇÃO E REFORÇO DO RESERVATÓRIO SUPERIOR DO SETOR B CLIENTE: CORREIOS SANTA CATARINA PROJETISTA: PETRUS CONSULTORIA & ASSESSORIA LTDA São José, JULHO DE 2015. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

CAIXA, REBOQUE E SEMI-REBOQUE BASCULANTE

CAIXA, REBOQUE E SEMI-REBOQUE BASCULANTE FICHA DE SEGURANÇA CAIXA, REBOQUE E SEMI-REBOQUE BASCULANTE FUNÇÃO Transporte e esvaziamento da carga por elevação da caixa ou do reboque ou do semireboque basculante industrial ou agrícola. Caixa basculante

Leia mais