ENGINEERING EDUCATION PROJETO DE SISTEMAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E SISTEMAS DE ATERRAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENGINEERING EDUCATION PROJETO DE SISTEMAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E SISTEMAS DE ATERRAMENTO"

Transcrição

1 ENGINEERING EDUCATION PROJETO DE SISTEMAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E SISTEMAS DE ATERRAMENTO Oscar Fernandez Product Manager Brand-Rex do Brasil

2 DECISÃO PRINCIPAL Que tipo de cabo escolher? 100 ohms, 4 Pares: UTP FTP GigaPlus S-FTP

3 NORMATIVAS EMC/EMI BS EN BS EN BS EN pr EN 55105

4 EMC/EMI NORMALMENTE TODOS OS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS APRESENTAM O SELO CE E UL/FCC A INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO NÃO É VALIDADA DESTA FORMA, PORQUE ELA FAZ PARTE DE UM SISTEMA COMPLETO

5 EMC/EMI COMPRAR O SISTEMA DE CABEAMENTO DE UM FABRICANTE RECONHECIDO QUE POSSA GARANTIR O CUMPRIMENTO DAS NORMAS O CABO NÃO BLINDADO É SUFICIENTE PARA INSTALAÇÕES DE ESCRITÓRIOS COMERCIAIS O CABO BLINDADO É UTILIZADO PARA INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS PARA ÁREAS MUITO CRÍTICAS OU GRANDES DISTÂNCIAS DEVE-SE UTILIZAR A FIBRA ÓPTICA

6 FONTES DE INTERFERÊNCIA RADARES ILUMINAÇÃO TELEFONES MÓVEIS - GSM COMUTAÇÃO ELÉTRICA TRANSMISSORES TV / RÁDIO OBS: EM CASO DE DÚVIDA UTILIZAR CABOS BLINDADOS

7 QUANTO RUÍDO SE INDUZ NO CABO? CAMPO IRRADIADO Exemplos: 30 x W d V/m W = potência irradiada (Watts) d = distância (metros) - O Radar de aeroporto de 600 kw,, irradia 4.2 V/m à 1 km - O telefone móvel GSM, irradia 4.3 V/m à 2 m Balanceamento do cabo Orientação do cabo em relação ao campo Rejeição de modo comum dos equipamentos Eficiência da blindagem Impedância de transferencia superficial

8 UTP vs FTP Ruído induzido em um cabo UTP por um campo de 3 V/m - aproximadamente 35 mv Tolerância ao ruído para o ATM, 20 mv Tolerância ao ruído para o 1000BaseT, 40 mv Amplitude do sinal para o 1000BaseT sobre 100 m de cabo, 30 mv

9 Blindado ou não? Menos de 3 V/m de interferência => UTP De 3 à 10 V/m => FTP Se a aplicaçäo for maior de 100 Mbps Longas distâncias Interferência consistente Mais de 10 V/m => S-FTP ou STP. O ideal seria optar pela fibra óptica OBS: As interferências ocasionais são compensadas pelo protocolo de correção de erros da LAN

10 Decisão Principal Densidade de pontos (RJ45): Opção 1 Seguir as exigências do cliente Opção 2 2 pontos por cada 10m 2 2 pontos por pessoa/posto de trabalho GigaPlus

11 Decisões Secundárias Cabeamento de 25 Pares Pode ajudar nos backbones o no cabeamento por zonas 4 níveis de flamabilidade Recomendado materiais LSF/OH, possivelmente será exigido a médio prazo Cabeamento backbone telefônico com cabos de 100 pares CAT3

12 Limitações do Projeto 90 metros máximo para o cabeamento horizontal Limitar os Patch Cords à 5m, preferivelmente à 3m Até m pode-se utilizar a fibra óptica, mas lembrando-se que algumas LANs estão limitadas à 220 m Os conectores tem que ser o RJ45, ST ou SC. Qualquer Balun, conversor, etc. tem que ser externo a tomada RJ45

13 NORMAS Cabeamento Backbone Building 1 Building 2 Floor Distributor Optical, Building Backbone Cable max. 500m Floor Distributor Horizontal, CAT5 Copper Cable max. 90m Telecom Outlet Work Area Cable max. 5m Campus Distributor Building Distributor Note max 2000m from (BD to FD) Optical, Campus Backbone Cable Building Distributor

14 Distâncias Atendidas Meio Físico Comprimento do Canal Classe A 100 khz Classe B 1 MHz Classe C 16 MHz Classe D 100 MHz Classe E 200 MHz Classe Optica Cabo balanceado Categoria 3 Cabo balanceado Categoria 5e Cabo balanceado Categoria 6 Fibra óptica Multimodo Fibra óptica monomodo 2 km 200 m 100 m km 260 m 160 m 100 m - - Em Em Em Em 100 m estudo estudo estudo estudo N/A N/A N/A N/A N/A 2 km N/A N/A N/A N/A N/A 3 km

15 ISO Functional Elements Work Area Cabling Horizontal cable Floor Distributor Building Backbone cable Building Distributor Campus Backbone Cable Campus Distributor Telecommunications Outlet Transition Point Consolidation Point Multi-User Telecom Outlet Assembly TIA/EIA 568 Telecommunication Cabling System Structure Work Area Cabling Horizontal cable Horizontal Cross Connect Backbone Cable Intermediate Cross Connect Backbone Cable Main Cross Connect Telecommunications Outlet Transition Point Consolidation Point Multi-User Telecom Outlet Assembly

16 Conexão via Patch Panel Riser GigaPlus Patch Panel 1 Wall / Floor Outlet 3 GigaPlus Horizontal Cable 4 Patchcord 5 GigaPlus P C 2 Optional Transition Point Horizontal GigaPlus Patch Panel GigaPlus Patchcord Hub / Switch 7 Patchcord Fibra Optica 6 Backbone Fibra MillenniuM GigaPlus Note that up to seven mated pairs of RJ45 connectors are allowed in a GigaPlus cabling system

17 Plus /48 GigaPlus Patchpanel Conexão com Sistema Cross Connect Frame LAN Equipment output S110 Patch Cat5 Horizontal Cable Wall / Floor Outlet LAN Equipment output 100 BaseT Patchpanel Cat5 Horizontal Cable Wall / Floor Outlet 25 Pair Cat5 RJ21x Patchlead

18 Conexão com Ponto de Transição RJ21x to 6 RJ45 sockets RJ45 Socket Solid conductor CAT5 4 pair 25 Pair Cable RJ45 Socket to RJ45 Plug directly terminated on 4 pair cable RJ45 Socket Solid conductor CAT5 4 pair Solid conductor CAT5 4 pair

19 Open Plan / Retail POS Cabling 4 pair Cat5 or 25 pair Cat5 Cable 70m 24 AWG patch lead 20m MUTOA Multi-User Telecom Outlet Assembly

20 PROJETOS DE ENLACES ÓPTICOS

21 Parâmetros de Enlaces Ópticos ISO/EN MULTIMODO MONOMODO Parâmetro 850 nm 1300 nm 1310 nm 1550nm Atenuação db/km 3.5 max 1.0 max n/a n/a Largura de Banda 200 min 500 min n/a n/a MHz.km Conector Perdas de Inserção db 0.75 max 0.75 max 0.75 max 0.75 max Conector Perdas de Retorno db 20 min 20 min 26 min 26 min Perdas de Emenda db 0.3 max 0.3 max 0.3 max 0.3 max

22 Parâmetros de Enlaces Ópticos ISO/EN Atenuação db Sub sistema de cabeamento comprimento do enlace m Multimodo Monomodo 850 nm 1300 nm 1310nm 1550 nm Horizontal 100 m Intrabuilding Backbone 500 m Interbuilding Backbone 1500 m Máximo permitido = 11 db

23 Cálculo de Perdas Interbuilding Backbone (Campus Backbone) Cord adaptador conector panel repartidor emenda cabo = 1.5 km conectores cabo 1.5 x 3.5 emenda 0.3 Perdas Totais = (1.5 x 3.5) = 7.05 db a 850 nm Perdas de Enlace Permitidas = 7.4dB

24 Perdas Máximas por Aplicações - Aplicável para 50/125um ou 62.5/125um exceto quando se identifica 50/125 em cor clara Aplicação Comprimento de Onda Perdas 10BaseFL 850 nm 10 db 100 BaseF 1300 nm 11 db 1000BaseSX 850 nm 2.38 / 3.37 db 1000BaseLX 1300 nm 2.35 / 2.35 db ATM nm 7 db ATM nm 6 db ATM 155 swl 850 nm 7.2 db FDDI 1300 nm 11 db Token Ring 850 nm 13 db Fiber Channel SX 850 nm 6 db Fiber Channel LX 1300 nm 9.5 db

25

26 TSB 72 - Centralized Optical Fiber Permite até 300m como Home Run - Fiber to the Desk Até 300m de Cabo Óptico Sala de Equipamentos Centralizada

27 ENGINEERING EDUCATION ATERRAMENTO DOS SISTEMAS DE CABEAMENTO BLINDADOS

28 ATERRAMENTO Existem três razões para levar um sistema de cabeamento ao terra: Segurança elétrica dos usuários. Para conectar uma blindagem que impeça qualquer tipo de radiação gerada pelo cabeamento. Para conectar uma blindagem que proteja o cabeamento de radiações electromagnéticas externas.

29 ATERRAMENTO Em um sistema UTP todos os painéis e racks devem ser ligados ao terra para maior segurança. Em um sistema FTP / S-FTP, todos os elementos de blindagem devem ser ligados ao terra para assegurar sua efetividade.

30 ATERRAMENTO & BLINDAGEM Aterramento. É a conexão das partes condutoras ao terminal principal de terra. Blindagem. É a conexão elétrica entre vários elementos condutores que assegure que todos eles se encontrem ao mesmo potencial (ou com uma diferença menor que 1 volt).

31 ATERRAMENTO & BLINDAGEM Blindagem da fita de alumínio LIGAÇÃO AO TERRA MÍNIMA PIOR fio de dreno BLINDAGEM COMPLETA MELHOR Fio de dreno enrolado ao redor da blindagem e da fiação de massa Fiação de massa Plano de massa

32 BLINDAGEM Servidor ou Hub CAT5Plus panel Blindado Cord RJ45 Blindado Até 90 m de cabo CAT5Plus Blindado Tomada Blindada Cord RJ45 Blindado

33 BLINDAGEM TOMADAS DE TERRA O servidor / hub pode ou não estar a terra. O terra do servidor / hub pode ou não estar conectada à blindagem do conector RJ45. O mesmo para o terminal. Um terra eletricamente limpo pode ou não ser acessível desde o armário.

34 BLINDAGEM O único ponto de terra controlável está no rack. Devem-se instalar cabos de terra independentes desde cada elemento do rack até o ponto de terra.

35 BLINDAGEM CONECTOR UTP PAINEL REPARTIDOR HUB SERVER CABO CORD FTP TERMINAL TOMADA DE DADOS CORD FTP CONECTOR UTP NOTA: Um único ponto de terra.

36 BLINDAGEM Painéis Blindados Condutores de terra (creme) Condutor de Equipotencial Terra de Segurança (verde/amarelo) Terminal Principal de terra Eletrodo Principal de terra do Edifício

37 REDE COMUM DE ATERRAMENTO COMMON BONDING NETWORK - CBN A CBN cria uma Gaiola de Faraday e um canal de baixa impedância para a terra, ao conectar todos os elementos metálicos do edifício como um único canal. Exemplo: Armaduras da estrutura, tubulações, dutos, canaletas, etc.

38 COMMON BONDING NETWORK Leito de Cabos Estrutura do Edifício Tubulação

39 SEPARAÇÃO ENTRE CABOS Para lances em paralelo maiores que 35 metros 240 Volts sem separação separação separação de alumínio de aço UTP / unscreened power 200 mm 100 mm 50 mm FTP / unscreened power 50 mm 20 mm 5 mm UTP / screened power 30 mm 10 mm 2 mm FTP / screened power 0 mm 0 mm 0 mm 415 volts / 3 fases qualquer combinação: 580 mm Ref.: ERA report Feb-2000, EN draft

40 ENGINEERING EDUCATION Estudo de Casos

41 Nova Fabrica da GM em Garavatai Porto Alegre-RS Riser GigaPlus Patch Panel 1 Wall / Floor Outlet 3 GigaPlus Horizontal Cable 4 Patchcord 5 GigaPlus P C 2 Optional Transition Point Horizontal GigaPlus Patch Panel GigaPlus Patchcord GigaPlus Hub / Switch 7 Patchcord Fibra Optica 6 Backbone Fibra MillenniuM Lances superiores a 100m. GigaPlus Note that up to seven mated pairs of RJ45 connectors are allowed in a GigaPlus cabling system

42 GigaPlus Cabo Unscreened - UTP

43 GigaPlus Cabo Blindado - FTP Cabo com dupla Blindagem - S-FTP

44 GigaPlus Patch Panels Unscreened

45 GigaPlus Patch Panels Blindados

46 GigaPlus Combinou-se um jack de baixo perfil e um módulo com função de proteção

47 Patch Cords GigaPlus

48 Helios - patch panel para rack Patch Panel deslizante de 19 1U. Vários tipos e tamanhos de cabos podem ser acomodados e até 24 fibras podem ser terminadas

49 MillenniuM Fiber System Conectores & Acopladores Ópticos Conectores ST e SC de cura a frio Ferrúleo multimodo PC de zircônia pré-raiado Perda típica de inserção menor do que 0.3 db Ferrúleo multimodo PC de zircônia pré-raiado Perda típica de inserção menor do que 0.3 db

50 Plus /48 GigaPlus Patchpanel Telefonica do Brasil 110 Cross Connect Frame LAN Equipment output S110 Patch Cat5 Horizontal Cable Wall / Floor Outlet A Telefonica adotou um sistema padronizado (EIA/TIA 568B) com integracao de voz e dados. LAN Equipment output 25 Pair Cat5 RJ21x Patchlead 100 BaseT Patchpanel Alem disso,, o sistema 110 da uma maior flexibilidade na area de trabalho comparada Wall / Floor Outlet ao sistema convencional. Cat5 Horizontal Cable Por ultimo este sistema e uma meior alternativa nas instalacoes com alta densidade de pontos, principalmente em projetos de telefonia.

51 Sistema de Blocos 110 jack S110 jack RJ45 Connecting block

52 Patch Cords S110 para RJ45 UTP apenas S110 para S110 UTP apenas

53 Tribunal de Justiça do Ceará A conexão com Ponto de Transição foi implementada pelo Tribunal de RJ21x to 6 Justiça de Ceará. RJ45 sockets 25 Pair Cable RJ45 Socket Sendo um predio novo e um exemplo de projeto e construçao na cidade de Fortaleza, decidiram fazer uma rede LAN que tambem fosse exemplo Solid conductor CAT5 4 pair para as redes do Estado. Planejou fazer um projeto de cabeamento para atender mas de 4000 pontos com total flexibilidade com lances máximos de 90 metros. Patch Panel CAT 5 PLUS (Enhanced) Cabo UTP ligado ao bloco 110 RJ45 Femea Cabo CAT 5 PLUS (Enhanced) Cabo CAT 5 PLUS (Enhanced)

54 Tribunal de Justiça do Ceará Patch Panel CAT5 Plus (Enhanced) RJ45 CAT5 PLUS (E) Cabo UTP CAT5 PLUS (Enhanced) MillenniuM 25 pares (E) Cabo UTP ligado ao bloco 110 O Tribunal de Justiça de Ceará tambem aplicou o conceito de Wiring Zone neste novo predio. RJ45 Femea Sistema Cabo CAT que 5 PLUS permite (Enhanced) maior flexibilidade com Cabo CAT maior 5 PLUS aproveitamento (Enhanced) dos lances de cabo.

55 PowerPlus 155 Cabo de 25 Pares Categoria 5 Testado para Power Sum NEXT Delay < 535ns / 100m

56 PowerPlus 155 Patch Panels Telco 100BaseT 24 & 48 portas 100BaseT Vista traseira 24 portas Vista traseira 48 portas

57 Patch Cords 25 pares Conector de 25 Pares Cat5Plus

58 ENGINEERING EDUCATION Onde procurar produtos Brand-Rex ONZE ONZE REXEL / COAN COMPONET CONDUFONE HP IBM SIEMENS ITAUTEC

59 ENGINEERING EDUCATION PROJETO DE SISTEMAS DE CABEAMENTO Oscar Fernandez Product Manager ibm.net

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

TESTES E CERTIFICAÇÃO

TESTES E CERTIFICAÇÃO PROFESSOR NORBERTO - CABEAMENTO ESTRUTURADO TESTES E CERTIFICAÇÃO Para garantir a qualidade das instalações e a performance desejada é necessário que tenha-se certeza que a obra foi realizada dentro das

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

Redes de Computadores. Cabeamento Estruturado

Redes de Computadores. Cabeamento Estruturado Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 4 Propriedades desejadas de um sistema de cabeamento estruturado: Máxima independência na tecnologia de acessos a redes. Maior adequação à

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS CABLING CABOS 04 CONECTORES 05 PATCH PANEL 19 06 ACESSÓRIOS 07 02 CABLING CABLAGENS DE COBRE O EIA/TIA 568, de 1991, foi o primeiro padrão americano para os sistemas de cableamento estruturado. Em 1995,

Leia mais

Legrand Cabling System LCS 2 cat. 6A

Legrand Cabling System LCS 2 cat. 6A Legrand Cabling System LCS 2 cat. 6A patch panel, blocos de conectores, patch cords e tomadas RJ45 335 73 335 76 Conector cat. 6a FTP blindado 517 82 327 78 6602 09 6602 13 765 99 Patch panels de montagem

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

Módulo 03 - Meios Físicos de Transmissão Página 1. Tecnologia de Redes. Volnys B. Bernal & Edson T. Midorikawa

Módulo 03 - Meios Físicos de Transmissão Página 1. Tecnologia de Redes. Volnys B. Bernal & Edson T. Midorikawa Módulo 0 - Meios Físicos Transmissão Página Volnys B. Bernal (c) Volnys B. Bernal (c) Tecnologia Res: Meios Físicos Transmissão Meios Físicos Transmissão Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado Sistema de Cabeamento Estruturado Subsistemas 1 Subsistema Cabeamento Horizontal 2 Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho - ATR 4 - Armário de Telecomunicações

Leia mais

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 44 Roteiro Cabeamento Planejamento para o Cabeamento Estruturado Cabeamento Horizontal Cabeamento

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado 01 - Visão geral das Redes Ethernet 02 - Conceitos de cabeamento estruturado 03 - O cabling e as normas EIA/TIA 04 - Infraestrutura para o cabeamento 05 -

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabos Metálicos de Cobre (Norma ANSI/TIA-568-C.2) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace)

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

Norma TIA/EIA 568-A Um Guia de Referência sobre as Normas de Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais

Norma TIA/EIA 568-A Um Guia de Referência sobre as Normas de Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais Norma TIA/EIA 568-A Um Guia de Referência sobre as Normas de Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais #175675 4M 3/96 1996, Anixter Inc. ÍNDICE A Anixter atua como uma provedora de valor

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Redes de computadores. Cabeamento Estruturado

Redes de computadores. Cabeamento Estruturado Redes de computadores Cabeamento Estruturado Cabeamento Não-estruturado Dutos super-lotados Cabos dobrados Dificuldade de Manutenção Foto: Rodrigo Cabelo CABEAMENTO NÃO-ESTRUTURADO Mais exemplos... Outros

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida Já imaginou a bagunça...

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 10 Testes e certificação Configuração de teste de campo para cabos de par trançado de 100 ohms Teste de Canal: Inclui os 90m do cabeamento horizontal, o patch cord do equipamento

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir.

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir. INTRODUÇÃO Cabeamento para Voz e Dados Os novos cabeamentos para telecomunicações oferecem muito mais qualidade, flexibilidade, valor e função para as necessidades presentes e futuras. Hoje, a sobrevivência

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 04 Sistemas

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE 1 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada de conectores e meios

Leia mais

FUTURAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE CABEAMENTO

FUTURAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE CABEAMENTO FUTURAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE CABEAMENTO A indústria de redes muda muito rapidamente. Um fato que tem contribuído para o crescimento explosivo das LANs, WANs e da Internet tem sido os padrões de cabeamento

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO AGENDA CONCEITOS CARACTERÍSTICAS DE UMA REDE BLINDADA CABOS BLINDADOS FURUKAWA PARÂMETROS ELÉTRICOS ESPECIAIS NOVA GERAÇÃO DE CABOS CONCEITOS A EMI é um problema

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1 Prof.: Roberto Franciscatto Introdução O que é uma Rede de Computadores? Conjunto de módulos de processamento interconectados

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Ten Selecting Technologies and Devices for Campus Networks Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Selecionando Tecnologias e Dispositivos Neste ponto do projeto

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012 Projetos de Redes II Tecnologia em Redes de Computadores Dias e horários Segundas-feiras 19:00 às 22:30 horas Valor das Avaliações PO1 Prova Oficial 1 PO1 (matéria somente

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Administração Euber

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Saul Silva Caetano São José - SC, versão 2011 1) Índice de Figuras Figura 1: Sinal formado por duas senoides...5 Figura 2: BW de um sinal...5 Figura 3: BW do sinal de TV analógico...6

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor Dispositivos de rede roteador bridge switch switch ATM transceiver repetidor hub 1 Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Tudo de que se encarregam são bits (por exemplo,

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida ...rede interna estruturada

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

TELLNET - (11) 4133-3333 Fabio Leite (11) 9 8257-3355 Emilio Scalise Filho

TELLNET - (11) 4133-3333 Fabio Leite (11) 9 8257-3355 Emilio Scalise Filho TELLNET - (11) 4133-3333 Fabio Leite (11) 9 8257-3355 Emilio Scalise Filho Controle de Versão Versão Data Mudanças 1.oo 2011 Criação 4.00 2012 Inclusão do FTTx 5.00 2013 Unificação de desenhos de problemas

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 6 NORMA ANSI EIA/TIA 606

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 6 NORMA ANSI EIA/TIA 606 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 6 NORMA ANSI EIA/TIA 606 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida Administration Standard

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Patch Cord Tipo RJ-45 - RJ45 - CATEGORIA 5 Modelo: D8AU Patch Cord com comprimento aproximado de xx metros, com conectores modulares de 8 posições

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 2 CABEAMENTO DE REDES Prof. José Wagner Bungart MEIOS DE TRANSMISSÃO Os meios de transmissão em uma comunicação de dados são qualquer tipo de mídia que seja

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Sistema de cabeamento estruturado da empresa Real Alimentos Ltda.

Sistema de cabeamento estruturado da empresa Real Alimentos Ltda. Sistema de cabeamento estruturado da empresa Real Alimentos Ltda. Memorial descritivo da empresa A empresa chama-se Real Alimentos Ltda., é especializada em vendas de produtos alimentícios e está localizada

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

-568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica cabeamento estruturado

-568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica cabeamento estruturado - Norma EIA/TIA 568A e 568B Padrões T 568A e T 568B -568B.1 Requisitos gerais - EIA/TIA 568B (julho/2001) -568B.2 Cabeamento de par trançado de 100 ohms -568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 1 2 Cabeamento Estruturado Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO CABOS E CONECTORES. Professor Carlos Muniz

CABEAMENTO ESTRUTURADO CABOS E CONECTORES. Professor Carlos Muniz CABEAMENTO ESTRUTURADO INTRODUÇÃO Nos últimos anos muito se tem discutido e falado sobre as novas tecnologias de hardware e software de rede disponíveis no mercado. Engana-se, porém, quem pensa que estes

Leia mais

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010 Testes de Certificação Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Santa Catarina, Campus São José tisemp@ifsc.edu.br 13 de Abril de 2010 Prof. Tiago (IFET/SC) Cabeamento Estruturado 13 de Abril de 2010

Leia mais

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng. Categoria 6 Aumentada: Standards Update Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1 Resumo A nova norma, em desenvolvimento, ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10

Leia mais

FRC - Redes de Computadores. Agenda. Cabo Crossover Cabo Normal. Preparando o Cabo. Canais de Comunicação Padronização de Projeto

FRC - Redes de Computadores. Agenda. Cabo Crossover Cabo Normal. Preparando o Cabo. Canais de Comunicação Padronização de Projeto Cabo Crossover Cabo Normal Preparando o Cabo Agenda Canais de Comunicação Padronização de Projeto Invertido ou Cross-over: Este tipo de cabo é utilizado em 2 situações básicas: Conectar 2 PCs através da

Leia mais

CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps. Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos

CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps. Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos Agenda Redes atuais para 40 Gbit/s Ethernet Next Generation Cabling: 40GBASE-T Category 8 - Cabos e Conectores

Leia mais

Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão

Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Meios Físicos de Transmissão Volnys B. Bernal (c) 2 Volnys

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Cabo coaxial Cabo par trançado Fibra óptica IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Foi um dos primeiros tipos de cabo utilizados nas redes de computadores Malha de cobre

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04 PLANO DE ENSINO Curso: REDES DE COMPUTADORES Disciplina: PRÁTICAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Professor: FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ Período: NOTURNO Carga Horária: 80h Ano Letivo: 2008 Período: 1º semestre

Leia mais

ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86

ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86 4 R E S U M O D A S N O R M A S N O R M A S Introdução... 76 ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86 INTRODUÇÃO Cabeamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Normas e Padrões Prof. Marciano dos Santos Dionizio Devido à falta de padronização para cabeamento de redes, em 1991 a EIA (Electronics Industries Alliance) e a TIA (Telecomunications Industry Association)

Leia mais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais A resposta da fibra a uma entrada impulsiva é um pulso gaussiano. Na qual é o desvio padrão correspondente a largura do pulso no domínio

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I 8. O SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 8.1. Introdução Neste capítulo será visto, mais detalhadamente, os seis elementos que compõem o cabeamento estruturado. É necessário o entendimento destes elementos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 02 Cabeamento

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1 Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1 Conteúdo CABOS METÁLICOS SÓLIDO COMPONENTES DE UMA REDE CABOS ELETRÔNICOS INTERCONEXÃO E CROSS-CONNECT CABOS METÁLICOS E ACESSÓRIOS PONTO DE CONSOLIDAÇÃO

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

02/05/2011. O Sistema estruturado. O Sistema estruturado. Pós-Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações. O Sistema estruturado

02/05/2011. O Sistema estruturado. O Sistema estruturado. Pós-Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações. O Sistema estruturado Pós-Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações Disciplina: Redes Locais Prof. Josafá de Jesus Silva O Sistema estruturado Interligação entre redes de computadores e os diversos sistemas de comunicação

Leia mais