Pessoa Jurídica: ISS e INSS. Expositor: Édison Remi Pinzon

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pessoa Jurídica: ISS e INSS. Expositor: Édison Remi Pinzon"

Transcrição

1 Pessoa Jurídica: ISS e INSS Expositor: Édison Remi Pinzon 1

2 Tributo Constitui toda dívida pecuniária em prol do Estado, em qualquer de suas esferas Federal, Estadual ou Municipal. De acordo com o Código Tributário Nacional (C.T.N.) Art. 5, os tributos são os impostos, taxas e contribuições de melhoria. Imposto Espécie de tributo; diferencia-se da taxa por possuir elementos próprios tais como base de cálculo e alíquota. Contribuição social parafiscal Constituídas por intermédio do Art. 149 da CF/88, assemelham-se ao imposto em algumas de suas características, porém possuem finalidade legal diferente da do imposto, destinam-se via de regra ao custeio social. Enquadram-se neste conceito as contribuições sociais do PIS, a COFINS e a Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL). Toda alteração relativa a forma de apuração e cálculo das contribuições sociais deverá respeitar ao princípio da anterioridade para que entre efetivamente em vigor, prazo este de 90 dias, por esse motivo também conhecido por noventena. Apuração, recolhimento e compensação Apuração é o ato de levantar o valor efetivo do imposto devido em um determinado período de tempo diário, decendial, quinzenal, mensal, trimestral, semestral ou anual. Recolhimento é o ato do efetivo desembolso de recurso financeiro para pagamento do imposto. Compensação é o ato de suspender o recolhimento do imposto em virtude da existência de saldos credores ou créditos fiscais anteriores ao do período corrente de apuração. 2

3 Retenção Trata-se da transferência de responsabilidade do recolhimento a título de antecipação, total ou parcial, de um determinado imposto ou contribuição, de competência da pessoa jurídica ou física contratada para prestação de serviços. O valor retido é abatido do valor cobrado dos serviços prestados e recolhido pelo tomador (ou fonte pagadora) dos serviços. Retenções vigentes: IR, PIS/COFINS/CSLL (CSRF), ISS, INSS e SEST/SENAT. Previsão legal Lei Complementar (Federal) 116/03 Art. 6 Parágrafo 2 Inc. II 3

4 Serviços sujeitos a retenção LC 116/ Cessão de andaimes, palcos, coberturas e outras estruturas de uso temporário Execução, por administração, empreitada ou subempreitada, de obras de construção civil, hidráulica ou elétrica e de outras obras semelhantes 7.04 Demolição Reparação, conservação e reforma de edifícios, estradas, pontes, portos e congêneres Varrição, coleta, remoção, incineração, tratamento, reciclagem, separação e destinação final de lixo, rejeitos e outros resíduos quaisquer Limpeza, manutenção e conservação de vias e logradouros públicos, imóveis, chaminés, piscinas, parques, jardins e congêneres Serviços sujeitos a retenção LC 116/ Controle e tratamento de efluentes de qualquer natureza e de agentes físicos, químicos e biológicos Florestamento, reflorestamento, semeadura, adubação e congêneres Escoramento, contenção de encostas e serviços congêneres Acompanhamento e fiscalização da execução de obras de engenharia, arquitetura e urbanismo Vigilância, segurança ou monitoramento de bens e pessoas Fornecimento de mão-de-obra, mesmo em caráter temporário, inclusive de empregados ou trabalhadores, avulsos ou temporários, contratados pelo prestador de serviço Planejamento, organização e administração de feiras, exposições, congressos e congêneres 4

5 Momento do fato gerador Mês da data de emissão da nota fiscal de serviços. Município de arrecadação do ISS retido Regra geral: município onde realizou-se o serviço. Exceção: item local do estabelecimento do tomador de serviço, ou na falta deste, onde ele estiver domiciliado 5

6 Periodicidade de apuração e vencimento MENSAL vencimento recai normalmente entre os dias 10 a 20 do mês subsequente. Base de cálculo É o valor BRUTO dos serviços prestados sujeitos à incidência, independente de outras retenções ou benefícios de ordem tributária. Admite-se como dedução da base os valores empregados a título de material aplicado nos serviços de construção civil, elencados nos itens 7.02 e 7.05 da lista de serviços anexa à LC 116/03 (art. 7 Parágrafo 2 Inc. I - LC 116/03). Embora alguns municípios estivessem limitando ou mesmo restringindo esta dedução, o STF manifestou-se favorável à dedução conforme RE

7 Alíquotas Mínima 2% - Artigo 88 - Disposições Transitórias CF/88 Emenda Constitucional Máxima 5% - Artigo 8 - LC 116/03 Somente os serviços de construção civil podem sofrer tributação efetiva em alíquota que apresente resultado do ISS inferior a 2%. PJ prestadora optante do Simples Nacional Aplicará a alíquota de ISS relativa à faixa de enquadramento no mês anterior: 2%, 2,79%, 3,50%, 3,84%, 4,23%, 4,26%, 4,31%, 4,61%, 4,65% ou 5% Exceção: ISS tributado por valores fixos mensais (LC 123/ Art. 21-4º - Inc. IV) Vide Resolução CGSN 51/2008 Art

8 Regime Tributário Simplificado Município de Curitiba Poderão optar pela alíquota reduzida a 2% de ISS sobre o preço bruto dos serviços, vedada quaisquer deduções, os prestadores estabelecidos OU NÃO no Município de Curitiba - que executarem as atividades de: - Obras de construção civil, elétrica ou hidráulica; - Pavimentação; - Concretagem; - Reparação, conservação ou reforma de edifícios, estradas, pontes e congêneres; - Fornecimento de mão-de-obra (inclusive em caráter temporário). Maiores informações: NFS-e de serviços tomados com retenção Município de Curitiba De acordo com os artigos 3º e 4º do Decreto 1.273, o tomador que receber NFS-e na modalidade Retenção na Fonte fica desobrigado da declaração deste. Passará a gerar a DAM Documento de Arrecadação Municipal no Portal do ISS-Curitiba no submenu NFS-e Retenção Fonte (artigo 4º do Decreto 1.274). Não incidência da retenção local da prestação e domicílios do tomador e prestador no Município de Curitiba Conforme artigo 8º-A - 1º da LC 40/2001, alterada pela LC 65/2007, nesta situação, o responsável pelo recolhimento do ISS é o próprio prestador, não cabendo a retenção neste caso. 8

9 CPOM Cadastro de Prestadores de Serviço de Outros Municípios Grandes municípios, principalmente capitais, passaram a desenvolver legislação própria no intuito de minimizar a utilização de sedes fantasmas em municípios vizinhos que oferecem menor tributação de ISS, mediante a homologação de um cadastro específico para estes prestadores de serviço. Quando não houver o referido cadastro nestes municípios atualmente Curitiba/PR, São Paulo e Campinas/SP, Rio de Janeiro/RJ e Porto Alegre/RS, o tomador dos serviços deverá efetuar a retenção de ISS. No Município de Curitiba adota-se a alíquota de 5% (máxima), independente do serviço prestado. Link consulta CPOM Curitiba: tadorfora.aspx CPOM Cadastro de Prestadores de Serviço de Outros Municípios Na PJ prestadora dos serviços, o ISS retido por ausência do CPOM deve ser classificado na contabilidade como Despesa Tributária, não passível de registro no Ativo (ISS a Recuperar), diferente do que ocorre em relação à retenção de ISS elencada conforme a LC 116/2003 (Federal). 9

10 Exercício Prático Previsão legal - Lei n 8.212/91 Artigo 31; - Decreto 3.049/99 Artigo 219; - IN RFB 971/2009 Capítulo VIII (Artigos 112 a 150); - Lei n /2011 Artigo 7 6 e Artigo 8 5 ; 10

11 Obrigatoriedade da retenção Condição da Contratante Empresa conforme definido no Art. 3º da IN RFB 971/2009: empresário ou sociedade, com fins lucrativos ou não, inclusive se optante pelo regime do Simples Nacional; Órgãos e Entidades da Administração Pública Direta e Indireta; Equiparados a Empresa: Cooperativas; Associações ou Entidades de qualquer natureza ou finalidade; Condomínios Edilícios; Entidade Beneficente de Assistência Social, em gozo de isenção. Cessão de mão-de-obra Cessão de mão-de-obra é a colocação à disposição da empresa contratante, em suas dependências ou nas de terceiros, de trabalhadores que realizem serviços contínuos, relacionados ou não com sua atividade fim, quaisquer que sejam a natureza e a forma de contratação, inclusive por meio de trabalho temporário na forma da Lei nº 6.019, de IN RFB 971/2009 Art

12 Cessão de mão-de-obra Dependências de terceiros são aquelas indicadas pela empresa contratante, que não sejam as suas próprias e que não pertençam à empresa prestadora dos serviços. Serviços contínuos são aqueles que constituem necessidade permanente da contratante, que se repetem periódica ou sistematicamente, ligados ou não a sua atividade fim, ainda que sua execução seja realizada de forma intermitente ou por diferentes trabalhadores. Por colocação à disposição da empresa contratante, entende-se a cessão do trabalhador, em caráter não eventual, respeitados os limites do contrato. Empreitada Empreitada é a execução, contratualmente estabelecida, de tarefa, de obra ou de serviço, por preço ajustado, com ou sem fornecimento de material ou uso de equipamentos, que podem ou não ser utilizados, realizada nas dependências da empresa contratante, nas de terceiros ou nas da empresa contratada, tendo como objeto um resultado pretendido. IN RFB 971/2009 Art

13 Esquema prático: Cessão de Mão-de-Obra e Empreitada Cessão de Mão-de-Obra Trabalhadores ficam a disposição da empresa Contratante; Empreitada Trabalhadores NÃO ficam necessariamente à disposição da empresa Contratante; Serviço será prestado Serviço poderá ser prestado nas obrigatoriamente nas dependências dependências da Contratante, da Contratante ou por ela indicado. Contratada ou outro. Envolve serviços contínuos NÃO envolve serviços contínuos Serviços sujeitos à retenção Contratação a título de EMPREITADA OU de CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA - Alíquota de 11% - Limpeza, conservação ou manutenção de bens imóveis e de uso público; - Vigilância ou segurança (exceto monitoramento eletrônico) - Construção civil (vide artigos 142 a 144 da IN RFB 971/2009); - Natureza rural; - Digitação e digitalização. IN RFB 971/2009 Artigo

14 Serviços sujeitos à retenção Contratação a título de EMPREITADA OU de CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA - Alíquota de 3,5% Análise e desenvolvimento de sistemas; Programação; Processamento de dados e congêneres; Assessoria e consultoria em informática; Suporte técnico em informática, inclusive instalação, configuração e manutenção de programas de computação e bancos de dados; Planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas; e Call center (desde 08/2012 Lei /2012) Serviços sujeitos à retenção Contratação a título de EMPREITADA OU de CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA - Alíquota de 3,5% Construção de obras de infraestrutura; Carga, descarga e armazenagem de contâineres em portos organizados. (a partir de 01/2014 Lei /2013) 14

15 Serviços sujeitos à retenção Contratação a título de EMPREITADA OU de CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA - Alíquota de 3,5% (*) Manutenção e reparação de aeronaves, motores, componentes e equipamentos correlatos; Suporte técnico em equipamentos de informática (hardware); Construção civil PJ s enquadradas nos Grupos 412, 432, 433 e 439 da CNAE-Fiscal; Manutenção e reparação de embarcações (de 01/04/2013 a 03/06/2013 MP 601/2012 e a partir de 11/2013 Lei /2013) (*) A alíquota de 3,5% está intrinsicamente relacionada às atividades elencadas nos artigos 7º e 8º da Lei /2011. Serviços sujeitos à retenção Somente se contratados a título de CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA - Alíquota de 11% Acabamento industrial; Embalagem; Acondicionamento logístico; Cobrança administrativa; Coleta ou reciclagem de lixo ou resíduos; Copa (cozinha, garçons, etc.); Distribuição de produtos (alimentos, bebidas, jornais e revistas) e de material publicitário; Treinamento e ensino; 15

16 Serviços sujeitos à retenção Somente se contratados a título de CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA - Alíquota de 11% Entrega de contas e de documentos; Manutenção de instalações, máquinas ou equipamentos, quando indispensáveis ao seu funcionamento regular e permanente e desde que mantida equipe à disposição da Contratante; Montagem; Operação de máquinas, equipamentos ou veículos; Transporte de passageiros (inclui fretamento); Portaria, recepção ou ascensorista; Serviços sujeitos à retenção Somente se contratados a título de CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA - Alíquota de 11% Recebimento, triagem ou movimentação de mercadorias; Promoção de vendas ou de eventos; Secretaria e expediente (rotinas administrativas); Telefonia ou telemarketing. IN RFB 971/2009 Artigo

17 Não se aplica o instituto da retenção À Empreitada Total; Ao contribuinte individual equiparado à empresa (CEI) e à pessoa física; À contratação de serviço de transporte de cargas. IN RFB 971/2009 Artigo 149 Não se aplica o instituto da retenção Empreitada Total: Trata-se da celebração de contrato exclusivo com empresa construtora, que por sua vez, assume a responsabilidade direta pela execução de todos os serviços necessários à realização da obra, compreendidos em todos os projetos a ela inerentes, com ou sem fornecimento de material. Será também considerada empreitada total (IN RFB 971/2009 Art º): o repasse integral do contrato; a contratação de obra a ser realizada por Consórcio, desde que pelo menos a empresa líder seja construtora; a empreitada por preço unitário e a tarefa com a Administração Pública, cuja contratação atenda aos requisitos do art. 158 da IN RFB nº 971/

18 Prestador optante do Simples Nacional Anexos III e V NÃO INCIDÊNCIA As ME ou EPP tributadas na forma dos Anexos III e V do Simples Nacional (LC 123/2006) não estão sujeitas à incidência da retenção para seguridade social (IN RFB 971/2009 Art. 191). Vigência desde 01/01/2009 DISPENSA da Retenção - Destaque em NF de valor inferior a R$ 10,00 (dez reais) por nota fiscal de serviços, ou seja, cuja base de cálculo seja de até R$ 90,90; - A Contratada (1) não possuir empregados, (2) o serviço for prestado pessoalmente pelo titular ou sócio e (3) o faturamento do mês anterior for igual ou inferior a 2 (duas) vezes o limite máximo do salário de contribuição, cumulativamente (atualmente R$ 8.318,00) SOMENTE empresas sujeitas aos regimes do Lucro Presumido/Real e Simples Nacional Anexo IV. 18

19 DISPENSA da Retenção - Serviços de profissão regulamentada OU de treinamento e ensino prestado pessoalmente pelos sócios, sem o concurso de empregados ou contribuintes individuais (autônomos). São serviços profissionais regulamentados pela legislação federal, dentre outros, os prestados por administradores, advogados, aeronautas, aeroviários, agenciadores de propaganda, agrônomos, arquitetos, arquivistas, assistentes sociais, atuários, auxiliares de laboratório, bibliotecários, biólogos, biomédicos, cirurgiões dentistas, contabilistas, economistas domésticos, economistas, enfermeiros, engenheiros, estatísticos, farmacêuticos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, geógrafos, geólogos, guias de turismo, jornalistas profissionais, leiloeiros rurais, leiloeiros, massagistas, médicos, meteorologistas, nutricionistas, psicólogos, publicitários, químicos, radialistas, secretárias, taquígrafos, técnicos de arquivos, técnicos em biblioteconomia, técnicos em radiologia e tecnólogos. Esquema prático Não incidência da retenção - IN RFB 971/2009 Art. 191 Anexos III e V Prestador optante do Simples Nacional É Cessão de Mão-de- Obra? Não, é Empreitada Prestador optante do Lucro Presumido/Real SIM Anexo IV Impeditivo Opção Simples - LC 123/2006 Art. 17 Inc. xxx Cumpre requisitos de Dispensa? NÃO Efetua retenção SIM NÃO efetua retenção na NF 19

20 Forma de pagamento, periodicidade de apuração e vencimento Recolhimento: por meio de GPS Guia de Previdência Social constando no campo Identificador o CNPJ do Prestador ou CEI (se obra de construção civil). Periodicidade: MENSAL de acordo com a data de emissão da(s) nota(s) fiscal(is). Vencimento: dia 20 do mês subsequente. Códigos de recolhimento Contribuição retida sobre a NF/Fatura da empresa prestadora de serviço CNPJ (EXCETO Área Pública Contribuição retida sobre NF/Fatura da prestadora de serviço - CNPJ (Uso Exclusivo da Administração direta, Autarquia e Fundação Federal, Estadual, do Distrito Federal ou Municipal, contratante do serviço) Contribuição retida sobre a NF/Fatura da empresa prestadora de serviço CEI (EXCETO Área Pública) Contribuição retida sobre NF/Fatura da prestadora de serviço - CEI (Área Pública) 20

21 Acréscimo na alíquota de retenção Riscos ocupacionais no ambiente de trabalho - Aposentadoria especial: 15 anos: acréscimo de 4% (alíquota de 15%) 20 anos: acréscimo de 3% (alíquota de 14%) 25 anos: acréscimo de 2% (alíquota de 13%) O prestador deverá emitir NF específica para os serviços prestados em condições especiais pelos segurados. Observar quanto às disposições contidas no Capítulo IX do Título III da IN RFB nº 971/2009. Base de cálculo É o valor BRUTO dos serviços prestados. Os valores de materiais (aquisição, custo) ou de equipamentos (locação), próprios ou de terceiros, exceto os equipamentos manuais, fornecidos pela contratada, discriminados no contrato e na nota fiscal, não integram a base de cálculo da retenção, desde que comprovados. 21

22 Base de cálculo É o valor BRUTO dos serviços prestados. Os valores de materiais (aquisição, custo) ou de equipamentos (locação), próprios ou de terceiros, exceto os equipamentos manuais, fornecidos pela contratada, discriminados no contrato e destacados na nota fiscal, não integram a base de cálculo da retenção, desde que comprovados. Deduções da base de cálculo Suporte para comprovação das deduções: Materiais: notas fiscais de compras, com indicação do endereço de entrega e/ou planilha ou controle próprio que mencione quantidades e custo unitários de aquisição dos materiais consumidos no período relativos ao serviço prestado; Equipamentos: o valor de locação dos bens aplicados na prestação dos serviços, ou o equivalente, se utilizados equipamentos próprios. Neste caso, manter documentos referentes à cotações/propostas que balizem o valor da dedução. 22

23 Deduções da base de cálculo Se constarem no Contrato de Prestação de Serviços (ou em Anexo) menção em cláusula(s) própria(s) quanto ao emprego de material OU de equipamentos por conta da Contratada, e os valores monetários dos materiais (custo) e de equipamentos (locação), mesmo que aproximados, admite-se dedução na base de cálculo SUPERIOR a 50%, em caso contrário, a base de cálculo deverá corresponder a, NO MÍNIMO, 50% do valor bruto da NF (Regra Geral vide exceções), ou seja, o limite de dedução também corresponderá a 50%, INDEPENDENTE do efetivo custo de material + equipamentos ter sido acima deste percentual na NF). Deduções da base de cálculo Exceções do slide anterior Base de Cálculo Mínima Emprego de Material - 30% - para os serviços de transporte de passageiros, onde as despesas de combustível e de manutenção dos veículos corram por conta da Contratada; - 65% - quando se referir a limpeza hospitalar; - 80% - quando se referir aos demais tipos de limpeza. IN RFB 971/2009 Art caput 23

24 Deduções da base de cálculo Exceções do slide anterior Base de Cálculo Mínima Utilização de Equipamento inerente ao serviço - 10% - para pavimentação asfáltica; - 15% - para terraplenagem, aterro sanitário e dragagem; - 45% - para obras de arte (pontes ou viadutos); - 50% - para drenagem; e - 35% - para os demais serviços de construção civil IN RFB 971/2009 Art º Deduções da base de cálculo Se numa mesma NF constar mais de um serviço sujeito à base de cálculo reduzida, conforme situação do slide anterior, e se o contrato não permitir individualizar o valor de cada um destes serviços, aplicar-se-á o maior percentual de base de cálculo dentre os mesmos sobre o valor bruto da NF. IN RFB 971/2009 Art º 24

25 Deduções da base de cálculo Além do material empregado e/ou uso de equipamentos, próprios ou locados, admite-se também como dedução na base de cálculo os valores relativos a fornecimento de: - Vale Refeição; e - Vale Transporte IN RFB 971/2009 Art caput Destaque do valor da retenção na NF A falta do destaque do valor da retenção, conforme disposto no caput, constitui infração ao 1º do art. 31 da Lei nº 8.212, de Cabe à fonte pagadora (tomador dos serviços) efetuar a retenção e posterior recolhimento, independentemente de destaque ou não na NF. No caso de não haver ocorrido o destaque na nota fiscal, e o Contratante efetuar a retenção no momento do pagamento, a Contratada só terá direito a realizar a dedução (compensação) em GFIP no mês do respectivo recolhimento da GPS pela Contratante, devendo nesta hipótese, lhe requerer cópia da guia. 25

26 Dedução do valor de INSS retido de subcontratadas Havendo subcontratação, os valores retidos da subcontratada, e comprovadamente recolhidos pela Contratada, poderão ser deduzidos do valor da retenção a ser efetuada pela contratante, desde que todos os documentos envolvidos se refiram à mesma competência e ao mesmo serviço da NF. O destaque na NF ocorrerá da seguinte forma: Retenção para a Previdência Social (-) Dedução de valores retidos de subcontratadas (=) Valor retido para a Previdência Social Retenção na Construção Civil * Vide Conceitos relacionados - IN RFB 971/2009 Art. 322 Sujeita-se à retenção: a) a prestação de serviços mediante contrato de empreitada parcial; b) a prestação de serviços mediante contrato de subempreitada; c) a prestação de serviços tais como os discriminados no Anexo VII da IN RFB nº 971/2009; d) a reforma de pequeno valor, conforme definida no inciso V do art

27 Retenção na Construção Civil Responsáveis pela inscrição de Matrícula CEI e consequente recolhimento apartado: - o proprietário do imóvel, o dono da obra ou o incorporador de construção civil, pessoa física ou pessoa jurídica; - a empresa construtora, quando contratada para execução de obra por empreitada total; - a empresa líder do consórcio, no caso de contrato para execução de obra de construção civil mediante empreitada total celebrado em nome das empresas consorciadas; - o consórcio, no caso de contrato para execução de obra de construção civil mediante empreitada total celebrado em seu nome. Retenção na Construção Civil Não se sujeita à retenção, a prestação de serviços de: Administração, fiscalização, supervisão ou gerenciamento de obras (vide Lei /2013); Assessoria ou consultoria técnicas; Controle de qualidade de materiais; Fornecimento de concreto usinado, de massa asfáltica ou de argamassa usinada ou preparada; Jateamento ou hidrojateamento; Perfuração de poço artesiano; Elaboração de projeto da construção civil; 27

28 Retenção na Construção Civil Ensaios geotécnicos de campo ou de laboratório (sondagens de solo, provas de carga, ensaios de resistência, amostragens, testes em laboratório de solos ou outros serviços afins); Serviços de topografia; Instalação de antena coletiva; Instalação de aparelhos de ar condicionado, de refrigeração, de ventilação, de aquecimento, de calefação ou de exaustão; Retenção na Construção Civil Instalação de sistemas de ar condicionado, de refrigeração, de ventilação, de aquecimento, de calefação ou de exaustão, quando a venda for realizada com emissão apenas da nota fiscal de venda mercantil; Instalação de estruturas e esquadrias metálicas, de equipamento ou de material, quando for emitida apenas a nota fiscal de venda mercantil; Locação de caçamba; Locação de máquinas, de ferramentas, de equipamentos ou de outros utensílios sem fornecimento de mão-de-obra; e Fundações especiais. 28

29 Exercício Prático Material complementar de apoio: Lei Complementar (Federal) 116/ ISS Lei Complementar (Município de Curitiba) 40/ ISS Instrução Normativa RFB 971/ INSS Lei /2011 Artigos 7º a 8º INSS Lei Complementar 123/2006 Simples Nacional 29

30 Agradecemos sua presença! Maiores informações, dúvidas, esclarecimentos e consultas: (41) Curta a fanpage da Atuábil no Facebook: LinkedIn: 30

31 Processo de Consulta nº 305/08 Órgão: Superintendência Regional da Receita Federal - SRRF / 8a. Região Fiscal Assunto: Contribuições Sociais Previdenciárias. Ementa: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS. DESINSETIZAÇÃO, DESRATIZAÇÃO E DESCUPINIZAÇÃO. RETENÇÃO. INAPLICABILIDADE. Os serviços de desinfecção, desentupimento, dedetização, desinsetização e descupinização não se sujeitam à retenção de que trata o art. 31 da Lei nº 8.212, de Tais serviços não se confundem com as atividades de limpeza e conservação e não constam do rol do 2º do art. 219 do Regulamento da Previdência Social, RPS, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de Solução de Consulta nº 442, de 4 de dezembro de 2008 Assunto: Contribuições Sociais Previdenciárias SERVIÇOS DE COPA. FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES, BEBIDAS E UTENSÍLIOS. PREPARAÇÃO NO ESTABELECIMENTO DA CONTRATADA. CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA. INOCORRÊNCIA. Os serviços de copa, compreendendo a preparação, o manuseio e a distribuição de produtos alimentícios, estão sujeitos à retenção desde que prestados mediante cessão de mão-de-obra, estando tais serviços enquadrados no inciso VI do art. 146 da IN MPS/SRP n 3, de O fornecimento de comidas preparadas, assim como de outras provisões, denominado serviços de catering, quando realizados nas dependências do próprio prestador de serviços, afasta a ocorrência da cessão de mão-de-obra, vez que ausente um de seus pressupostos caracterizadores, e, conseqüentemente, a obrigatoriedade da retenção. Solução de Consulta nº 444, de 8 de dezembro de Assunto: Contribuições Sociais Previdenciárias Na prestação de serviços de manutenção de instalações, de máquinas ou de equipamentos, somente haverá retenção quando os serviços forem contratados mediante cessão de mão-de-obra e desde que mantida equipe à disposição do contratante. Independentemente de qual serviço seja executado, inexiste retenção quando ele é prestado em estabelecimento da contratada. Solução de Consulta nº 446, de 8 de dezembro de 2008 Assunto: Contribuições Sociais Previdenciárias Retenção de 11%, prevista no art. 31 da Lei n /91, na redação dada pela Lei n , de As notas fiscais de venda mercantil, relativas ao fornecimento de refeições preparadas em estabelecimento do contratante, não estão sujeitas à retenção prevista no art. 31 da Lei n.o 8.212, de 1991, na redação dada pela Lei n , de Já as notas fiscais, faturas ou recibos de prestação de serviços que se enquadrem no conceito de serviços de copa, conforme descrito no art. 146, inciso VI da Instrução Normativa MPS/SRP n. 3, de 2005, estarão sujeitas à retenção, quando os serviços forem contratados mediante cessão de mão de obra, e estarão dispensadas da retenção, quando os serviços forem contratados mediante empreitada.

32 SOLUÇÃO DE CONSULTA N 17, DE 22 DE JANEIRO DE 2009 Assunto: Contribuições Sociais Previdenciárias DISPENSA DE RETENÇÃO DE 11% SOBRE O VALOR BRUTO DA NOTA FISCAL. A prestação de serviço aéreo especializado na atividade aeroagrícola, desenvolvido por sócio agrônomo e sócios pilotos civis agrícola, não envolve somente serviços profissionais relativos ao exercício de profissões regulamentadas, razão porque não preenche as condições de dispensa de retenção prevista no inc. III do art. 148 da IN MPS/SRP n 3/2005 e ao ser considerado serviço rural está sujeito à retenção de 11% incidente sobre o valor bruto da nota fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços, independentemente da contratação se dar por cessão de mão-de-obra ou empreitada. SOLUÇÃO DE CONSULTA COSIT Nº 11, DE 25 DE MARÇO DE 2009 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: Retenção de onze por cento. Desinsetização. Limpeza de Reservatório de Água. A prestação de serviço de desinsetização não está sujeita ao instituto da retenção de que trata o art. 31 da Lei nº 8.212, de 1991, visto não estar relacionada nos arts. 145 e 146 da IN SRP nº 3, de A prestação de serviço de limpeza de reservatórios de água está sujeita ao instituto da retenção de que trata o art. 31 da Lei nº 8.212, de 1991, visto que se enquadra nas disposições do inciso I do art. 145, da IN SRP nº 3, de SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 35, DE 28 DE ABRIL DE 2009 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: A fim de que seja possível a averiguação da regularidade da dedução havida na base de cálculo da retenção pelo órgão fiscalizador, o comando é no sentido de que a guarda dos meios comprobatórios correspondentes aos valores discriminados em nota fiscal, relativos à aquisição de materiais ou locação de equipamentos utilizados na prestação de serviços, incumbe à empresa prestadora de serviços, não havendo norma na legislação pertinente à matéria que imponha tal ônus à empresa tomadora dos serviços. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 342 de 28 de Agosto de 2009 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: retenção de 11%. Treinamento. Os serviços de treinamento e ensino sujeitam-se à retenção previdenciária de 11% prevista no art. 31 da Lei nº 8.212/91 somente quando prestados mediante cessão de mão-de-obra. Nessas atividades não há que se falar em cessão de mão-de-obra quando a participação do tomador dos serviços se restringe a indicar os participantes e prover o espaço físico necessário, ficando a cargo do prestador a realização, nas suas instalações, de todas as atividades necessárias à preparação do produto, ocorrendo o deslocamento do prestador para as instalações do tomador somente no momento de ministrar os cursos.

33 SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 78, DE 8 DE SETEMBRO DE 2009 ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMENTA: OS SERVIÇOS DE PREPARO E FORNECIMENTO DE ALIMENTAÇÃO PARA PACIENTES E SERVIDORES DE HOSPITAIS,SÃO SUJEITOS AO REGIME DA RETENÇÃO DE 11%. Os serviços de preparo e fornecimento de alimentação para pacientes e servidores de hospitais, executados nas dependências da contratante mediante cessão de mão-de-obra, são sujeitos ao regime da retenção de 11% previsto no art. 31 da Lei No /91, eis que se enquadram na hipótese inscrita no art. 146, VI da Instrução Normativa MPS/SRP No- 3/2005. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 4 de 11 de Janeiro de 2010 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: RETENÇÃO DE 11%. ATIVIDADE DE TREINAMENTO E ENSINO. Os serviços de treinamento e ensino somente estarão sujeitos ao instituto da retenção quando forem prestados mediante cessão de mão-de-obra. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 327 DE 17 de Setembro de 2010 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: RETENÇÃO SOBRE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MEDIANTE CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA. Não há retenção de contribuição previdenciária de 11% incidente sobre o valor bruto da nota fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços mediante cessão de mão-de-obra na prestação de serviços logísticos de recebimento, de armazenagem, movimentação interna, separação e expedição de mercadorias, quando os serviços são prestados nas dependências do contratado, nos termos do contrato anexado.

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES CONCEITOS CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA Colocação à disposição da contratante Em suas dependências ou nas de terceiros indicadas

Leia mais

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS Formas de retorno e garantia de direito Orientações sobre retenção http://www.mpas.gov.br A Lei nº 9.711 de 20 de novembro de 1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro

Leia mais

RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS. Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015

RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS. Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015 RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015 Programa Retenções na Fonte ISSQN, IRRF, - Fato Gerador; - Tipos de Serviços; - Responsável Tributário; - Apuração

Leia mais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais 05/08/2014 Pergunte à CPA ISS Regras Gerais Apresentação: Samyr Henrique Muniz Qbar ISS Legislação básica Art. 156, III da C.F./88 Lei Complementar 116/2003 (lista de serviços) Lei Ordinária de cada município

Leia mais

http://www.merchant.com.br

http://www.merchant.com.br DOU de 29.10.2004 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. O SECRETÁRIO

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO SUMÁRIO: 1. Serviços Prestados por Pessoas Jurídicas 1.1. Incidência 1.2. Serviços de Limpeza e Conservação

Leia mais

Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal;

Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal; Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal; Até a Lei 12.546/11 a empresa contribuía para o financiamento da Seguridade Social através dos 20% sobre a folha de pagamento. Após

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

RETENÇÃO DE 11% Ministério da Previdência Social - MPS Secretaria da Receita Previdenciária - SRP. Delegacia da Receita Previdenciária Vitória/ES

RETENÇÃO DE 11% Ministério da Previdência Social - MPS Secretaria da Receita Previdenciária - SRP. Delegacia da Receita Previdenciária Vitória/ES RETENÇÃO DE 11% Ministério da Previdência Social - MPS Secretaria da Receita Previdenciária - SRP Delegacia da Receita Previdenciária Vitória/ES Junho/2005 1 RETENÇÃO DE 11% FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei n.º

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS

EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS Art. 647. Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte, à alíquota de um e meio por cento,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14 serviços prestados fora do país 02/10/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 2.1 Lei Complementar 116 de 2003... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Lei

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção INSS por Contribuinte Individual

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção INSS por Contribuinte Individual 12/05/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009... 4 3.2 Exemplo

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA LEGISLAÇÃO Lei 8.212 de 24/07/91, com alterações estabelecidas pelas Leis 9.528/97 e 11.941/2009 Dispõe sobre a exigência de entrega de GFIP

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 186 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS SERVIÇOS DE CONTROLE DE VETORES

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Declaração Mensal de Serviços Tomados Londrina-PR

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Declaração Mensal de Serviços Tomados Londrina-PR Declaração Mensal de Serviços Tomados Londrina-PR 20/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Conclusão... 8 5. Informações

Leia mais

CÓPIA. Relatório. 27 Cosit SRRF06/DISIT

CÓPIA. Relatório. 27 Cosit SRRF06/DISIT Fl. 11 Fls. 1 nfls txtfls Solução de Consulta Interna nº MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO GERAL DE TRIBUTAÇÃO 27 Data 13 de setembro de 2013 Origem SRRF06/DISIT

Leia mais

Lei Complementar nº 116/2003 que dispõe sobre o ISS com alterações propostas pelo PLC nº 386

Lei Complementar nº 116/2003 que dispõe sobre o ISS com alterações propostas pelo PLC nº 386 Lei Complementar nº 116/2003 que dispõe sobre o ISS com alterações propostas pelo PLC nº 386 Art. 1º O Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, de competência dos Municípios e do Distrito Federal,

Leia mais

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 38, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2013 ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE

Leia mais

APRESENTAÇÃO AO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - NOTA SALVADOR - 19/11/13

APRESENTAÇÃO AO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - NOTA SALVADOR - 19/11/13 APRESENTAÇÃO AO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - NOTA SALVADOR - 19/11/13 BENEFICIÁRIOS BENEFICIÁRIOS CRÉDITO DO ISS PAGO 30% 10% 5% REGISTRO DE NOTAS SEM IDENTIFICAÇÃO DO COMPRADOR PARTICIPAÇÃO EM

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005 Dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições sociais administradas pela Secretaria da Receita Previdenciária

Leia mais

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS INTRODUÇÃO NORMAS LEI N. 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011, alterada pela Lei 12.715/2013 MEDIDA PROVISÓRIA N. 601, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 (vigência encerrada no dia 3 de junho de 2013) MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 259 - Data 26 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS RETENÇÃO. SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO,

Leia mais

INSS - APLICAÇÃO DE RETENÇÃO NA FONTE PJ

INSS - APLICAÇÃO DE RETENÇÃO NA FONTE PJ INSS - APLICAÇÃO DE RETENÇÃO NA FONTE PJ As Pessoas Jurídicas que adquirirem serviços de terceiros conforme IN RFB 971/2009 deverão estar aplicando retenção na fonte, referente ao INSS conforme verão no

Leia mais

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA Prezado Credenciado, A Postal Saúde Caixa de Assistência e Saúde dos Empregados dos Correios, pessoa jurídica de direito privado, associação sem fins lucrativos, operadora de plano de saúde na modalidade

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Dia: 07/01/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ISS Apuração e Retenção Concomitantes

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ISS Apuração e Retenção Concomitantes ISS 09/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Regra Geral ISS do Município do Prestador... 4 3.2 Exceção -ISS Devido

Leia mais

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE?

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA... 23 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 - IRRF - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS... 29 II.1.1 - Hipóteses

Leia mais

Jaguar Insurance Consultoria Regularização de Construção Civil ISS Auto de Conclusão SRFB - INSS Confiança, Qualidade e Pontualidade em seus Negócios

Jaguar Insurance Consultoria Regularização de Construção Civil ISS Auto de Conclusão SRFB - INSS Confiança, Qualidade e Pontualidade em seus Negócios Jaguar Insurance Consultoria Regularização de Construção Civil ISS Auto de Conclusão SRFB - INSS Confiança, Qualidade e Pontualidade em seus Negócios O Que Você Precisa Saber Para Regularizar Sua Obra

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Fls. 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Solução de Consulta Interna nº 1 Data 15 de junho de 2012 Origem DIFIS/SRRF01 (e processo nº 10166.725012/2012 53) Assunto: Contribuições

Leia mais

Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços Prestados por Empresas

Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços Prestados por Empresas PREFEITURA DE JUIZ DE FORA SECRETARIA DA FAZENDA SUBSECRETARIA DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DEPARTAMENTO DE NORMAS TÉCNICAS Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 Referência : Correio eletrônico de 13/3/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 453/2014.

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

Jaguar Insurance Consultoria Regularização de Construção Civil ISS Auto de Conclusão SRFB - INSS Confiança, Qualidade e Pontualidade em seus Negócios

Jaguar Insurance Consultoria Regularização de Construção Civil ISS Auto de Conclusão SRFB - INSS Confiança, Qualidade e Pontualidade em seus Negócios Jaguar Insurance Consultoria Regularização de Construção Civil ISS Auto de Conclusão SRFB - INSS Confiança, Qualidade e Pontualidade em seus Negócios O Que Você Precisa Saber Para Regularizar Sua Obra

Leia mais

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Mendes Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella RESPONSABILIDADE

Leia mais

DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010

DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010 DOM DE 20 A 22/02/2010 Alterado pelo Dec. 21.542, de 18/01/2011 DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010 Regulamenta a substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISS, e

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 35 - Data 29 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO ELÉTRICA. TRIBUTAÇÃO. ANEXO

Leia mais

CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Os condomínios comerciais e residenciais devem proceder à retenção e o recolhimento do Imposto Sobre Serviços

Leia mais

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo DECRETO N.º 501, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta a instituição do gerenciamento eletrônico do ISSQN- Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, a escrituração econômico-fiscal e a emissão de documento

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006

PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006 PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006 Apesar do quanto informado pela Receita Federal no link "Perguntas e Respostas",

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 32 - Data 29 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO RESPOSTA DA RECEITA FEDERAL AO QUESTIONAMENTO DA CBIC Carla Soares Gerente Jurídica do Sinduscon-Rio juridico@sinduscon-rio.com.br LEI 12.546/2011 ART. 7 Art. 7 o Até

Leia mais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais 14/11/2013 Pergunte à CPA ISS Regras Gerais Apresentação: José A. Fogaça Neto ISS Legislação básica Art. 156, III da C.F./88 Lei Complementar 116/2003 (lista de serviços) Lei Ordinária de cada município

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório RJ RIO DE JANEIRO SRRF07

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório RJ RIO DE JANEIRO SRRF07 Fl. 15 Fls. 1 0 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 40 Data 2 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 13 12 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 18 - Data 16 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL Serviços de coleta de resíduos não-perigosos. Enquadramento.

Leia mais

AS RETENÇÕES APLICADAS ÀS EMPRESAS PRODUTORAS CULTURAIS

AS RETENÇÕES APLICADAS ÀS EMPRESAS PRODUTORAS CULTURAIS AS RETENÇÕES APLICADAS ÀS EMPRESAS PRODUTORAS CULTURAIS Dando continuidade a nossa proposta de oferecer subsídios para uma gestão mais qualificada das produtoras de projetos culturais, abordamos agora

Leia mais

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA:

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA: Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 Av. Presidente Vargas, 3.215 Vila Maria INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHIMENTO POR MEIOS

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS

RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS OUTUBRO / 2015 RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS ISS PIS / COFINS CSLL / IRRF IRF OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS DEFINIÇÕES BÁSICAS Quem é contribuinte do imposto: É sempre o que pratica o fato gerador.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012)

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) ÍNDICE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) TÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS CAPÍTULO I DOS CONTRIBUINTES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seção II Dos Segurados Contribuintes Obrigatórios

Leia mais

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes :

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes : Retenção de Tributos e Contribuições Federais nos pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e pela prestação de serviços Dr. Fabiano Gama Ricci* 1.Considerações

Leia mais

b) agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual;

b) agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual; Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009 DOU de 17.11.2009 O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 261 do Regimento Interno

Leia mais

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço;

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço; DECRETO N.º 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. [Publicado no D.O. Rio de 12.05.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.549, de 20.07.2010, publicado no D.O. Rio de 21.07.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.601,

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

Condomínios Edilícios e o sistema da NF-e SF/SUREM/DEFIS 09/03/2009

Condomínios Edilícios e o sistema da NF-e SF/SUREM/DEFIS 09/03/2009 Condomínios Edilícios e o sistema da NF-e SF/SUREM/DEFIS Conteúdo 1.Créditos na NF-e/ Retenção do ISS 2. Créditos Gerados na NF-e 3. Orientações Créditos 4. Orientações - Senha Web 5. Orientações Retenção

Leia mais

Edicarlos Lima Silva RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA

Edicarlos Lima Silva RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Edicarlos Lima Silva Auditor Público Externo Consultor de Estudos e Normas CONSIDERAÇÕES INICIAIS Objetivo -

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 Define as regras e os prestadores de serviços e substitutos tributários do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Eletrônica Mensal

Leia mais

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES Sinduscon Ceará - Agosto / 2014 DIAS OBRIGAÇÕES DESCRIÇÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 05 (terça-feira) IRRF RETIDO NA FONTE Recolher até o 3º dia útil após o último decêndio do mês anterior, os fatos gerados a

Leia mais

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011)

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO consiste na substituição, total ou parcial, do cálculo da contribuição previdenciária

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 28 27 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 64 - Data 30 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS. FORNECIMENTO DE MÃO DE

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

ANÁLISE QUANTO À OBRIGATORIEDADE DE RETENÇÃO DO INSS, BEM COMO QUANTO A BASE DE CÁLCULO A SER APLICADA EM CADA MODALIDADE IN 971/2009

ANÁLISE QUANTO À OBRIGATORIEDADE DE RETENÇÃO DO INSS, BEM COMO QUANTO A BASE DE CÁLCULO A SER APLICADA EM CADA MODALIDADE IN 971/2009 ANÁLISE QUANTO À OBRIGATORIEDADE DE RETENÇÃO DO INSS, BEM COMO QUANTO A BASE DE CÁLCULO A SER APLICADA EM CADA MODALIDADE IN 971/2009 QUANTO A NATUREZA DO SERVIÇO E A EXISTENCIA DA RETENÇÃO DO INSS Quando

Leia mais

DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011.

DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011. DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011. Regulamenta a Lei Municipal nº 1.874, de 11 de novembro de 2011, que instituiu a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) O Prefeito do Município de Campina Verde,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 31 - Data 29 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SISTEMA INTEGRADO DE PAGAMENTO DE IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES DAS

Leia mais

RETENÇÕES NA FONTE DE TRIBUTOS

RETENÇÕES NA FONTE DE TRIBUTOS RETENÇÕES NA FONTE DE TRIBUTOS Neste trabalho, abordaremos sinteticamente as retenções de tributos na fonte por contratação de pessoas jurídicas, buscando demonstrar as retenções comumente aplicadas pelas

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL Diretoria de Arrecadação e Fiscalização ORDEM DE SERVIÇO Nº 209, DE 20 DE MAIO DE 1999 Estabelece procedimentos de arrecadação

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL N.º 1.209, DE 02 DE MAIO DE 2014, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, A DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

Retenção previdenciária dos 11% - Serviços prestados por empresas - Roteiro de Procedimentos

Retenção previdenciária dos 11% - Serviços prestados por empresas - Roteiro de Procedimentos Retenção previdenciária dos 11% - Serviços prestados por empresas - Roteiro de Procedimentos Roteiro - Previdenciário/Trabalhista - 2011/4278 Sumário Introdução I - Hipóteses de incidência I. 1 - Consórcios

Leia mais

SEÇÃO IV DOS CONTRIBUINTES E DOS RESPONSÁVEIS

SEÇÃO IV DOS CONTRIBUINTES E DOS RESPONSÁVEIS SEÇÃO IV DOS CONTRIBUINTES E DOS RESPONSÁVEIS Art. 109. O contribuinte do imposto é o prestador de serviço. Redação dada pelo artº 1º da Lei nº 16.933 de 30/12/2003. Art. 109. Contribuinte do imposto é

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS 10/12/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 6 5.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior IRRF de 23/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Incidência do Imposto de Renda Sobre Locação de Imóveis... 5 3.2

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 36 - Data 4 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO HIDRÁULICA, ELÉTRICA, SANITÁRIA, DE GÁS

Leia mais

INFORMATIVO 09/2014 IRPJ - LUCRO PRESUMIDO: PERMUTA DE IMÓVEIS

INFORMATIVO 09/2014 IRPJ - LUCRO PRESUMIDO: PERMUTA DE IMÓVEIS Novo Hamburgo, 09 de setembro de 2014. INFORMATIVO 09/2014 IRPJ - LUCRO PRESUMIDO: PERMUTA DE IMÓVEIS Com a publicação do Parecer Normativo nº 9, de 2014 (DOU de 5.9.2014), a Receita Federal consolidou

Leia mais

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS 11% - SERVIÇOS PRESTADOS POR EMPRESAS.

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS 11% - SERVIÇOS PRESTADOS POR EMPRESAS. RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS 11% - SERVIÇOS PRESTADOS POR EMPRESAS. A Lei nº 9.711/1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro de 1999, introduziu a obrigatoriedade da retenção pela empresa contratante

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Ainda que a pessoa jurídica esteja submetida ao regime de incidência não-cumulativa, as receitas constantes do art. 8º da Lei nº 10.637, de 2002,

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

LEI 691/84 RESPONSABILIDADE (ART. 14), e leis 1.044/87, 5.133/09 RESPONSÁVEIS PELO ISS OBSERVAÇÃO

LEI 691/84 RESPONSABILIDADE (ART. 14), e leis 1.044/87, 5.133/09 RESPONSÁVEIS PELO ISS OBSERVAÇÃO LEI 691/84 RESPONSABILIDADE (ART. 14), e leis 1.044/87, 5.133/09 construtores, os empreiteiros principais e os administradores de obras dos subempreiteiros, exclusivamente de mão-de-obra de encostas) administradores

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1

LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1 Institui hipótese de responsabilidade pelo pagamento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço

Leia mais