Informações sobre a lei da protecção contra a violência (LPV)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informações sobre a lei da protecção contra a violência (LPV)"

Transcrição

1 Informações sobre a lei da protecção contra a violência (LPV) Protecção 1. A quem protege a lei da violência doméstica? A lei protege a pessoa vítima de violência ou que é ameaçada por outra, com quem mantém uma relação familiar ou conjugal. Não importa, se essa pessoa coabita ou não tem vida em comum, ou se a relação já foi dissolvida. A lei protege também a pessoa, cujo (ex)-parceiro esteja vigiando-a, perseguindo-a ou intimidando-a de alguma forma. Também se pode recorrer à lei, caso crianças ou adolescentes pratiquem actos de violência ou ameaças contra os seus pais ou irmãos. Medidas de protecção (expulsão, proibição de acesso ou de contacto) 2. Como é que a lei protege? A polícia pode ordenar medidas especiais, visando a protecção de pessoas em perigo (medidas de protecção). Uma pessoa considerada perigosa pode ser expulsa por 14 dias da casa ou residência (expulsão, veja a questão 10 e seguintes) e/ou pode receber a proibição de acesso à certos locais (proibição de acesso, veja a questão 14) e/ou de estabelecer contacto com certas pessoas (proibição de contacto, veja a questão 15). Além disso, a polícia pode deter uma pessoa considerada perigosa por um período máximo de 24 horas (custódia policial, veja a questão 37). 3. Para que servem as medidas de proteção? Estas devem por fim à grave situação de violência e proteger a vítima. Desta forma a situação será acalmada, as pessoas envolvidas terão a possibilidade de reflectir e poderão analisar com calma os seus passos posteriores. 4. Onde vigora a lei? A lei é válida no Cantão de Zurique. Aplica-se na protecção das vítimas de violência doméstica, contanto que estas vivam ou trabalhem no Cantão de Zurique ou se o incidente ocorrer no Cantão de Zurique. As medidas previstas pela lei podem ser decretadas contra todas as pessoas consideradas perigosas, independente do seu domicílio ou lugar de estadia. Existem leis similares em outros cantões (consulte 5. Que você pode fazer, se é vítima da violência doméstica? Dirija-se a um centro de consultas ou a um centro de apoio para mulheres vítimas de maus tratos. Numa situação de extremo perigo, você pode solicitar protecção e auxílio directamente à polícia: chamadas de emergência, disque

2 6. Como é que a polícia procede? A polícia presta ajuda e investiga as circunstâncias. Pode expulsar o agressor 14 dias, da sua moradia ou residência e do território próximo. Caso seja necessário para a protecção da vítima, a polícia pode proibir o acesso às localidades e ruas específicas (por exemplo, local de trabalho) ou interditar o estabelecimento de contacto por telefone, MSN, carta etc. com a pessoa em perigo e outras determinadas pessoas. 7. Quem toma conhecimento que a polícia ordenou uma medida de proteção? O agressor recebe uma ordem escrita de medida de proteção ordenada pela polícia. Igualmente a vítima bem como os centros competentes de consultas para vítimas e para autores do delito recebem uma cópia. A repartição da tutela de menores também será informada, caso crianças vivam no domicílio. 8. Que você pode fazer como terceiro, caso tenha conhecimento da existência de violência doméstica? Você pode entrar directamente em contacto com um centro de consultas ou com a polícia. Mas não é obrigado a faze-lo. Os professores tem a obrigação de informar aos seus superiores, caso existam crianças em perigo. 9. O decreto da medida de protecção contra uma pessoa considerada perigosa depende da vontade da pessoa em perigo? Não. A polícia deve ordenar uma medida de protecção, independente da vontade da pessoa em perigo, se a integridade física, sexual ou psíquica foi violada ou posta em perigo por actos de violência, ameaças, injúrias ou maus tratos. 10.As condições de propriedade ou aluguer são de importância? Não. A polícia também pode expulsar a pessoa que é proprietária ou inquilina única da casa ou residência. 11.Que acontece com as chaves da casa e as notificações oficiais de uma pessoa expulsa? A pessoa a ser expulsa é obrigado por lei de entregar todas as chaves da residência ou casa. Além disso, deve indicar à polícia o seu paradeiro para o envio das notificações oficiais durante o período da expulsão. Caso a pessoa expulsa não indique uma direcção, as notificações oficiais serão enviadas aos cuidados do departamento de polícia e assim constarão como notificadas. 12.Que pode a pessoa expulsa levar consigo? A pessoa expulsa pode levar consigo os objectos de necessidade primordial para o uso pessoal (por exemplo, documentos pessoais, roupas, papéis, medicamentos, telefone portátil, etc.). Em princípio, os meios de subsistência da família devem ser assegurados durante o período da expulsão. Por conseguinte, uma pessoa sob a obrigação de prestar apoio económico deve deixar à disposição dinheiro em efectivo ou deixar os correspondentes cartões bancários. Caso contrário terá que ser solicitada ao tribunal competente uma prestação de alimentos. 2

3 13.Para que áreas é válida a expulsão? Esta medida é válida para a casa ou residência e para o território próximo. Isto inclui, por exemplo, corredores, escadaria, sótão, lavanderia, pátio, jardim, garagem e áreas de acesso de entrada ou saída. 14.Para que áreas é válida a proibição do acesso? Se a polícia ordena uma proibição de acesso, um visual da área de acesso ou circulação proibida será exposto claramente na medida de protecção. Uma proibição de acesso pode estender-se até um conjunto inteiro de ruas e/ou bairros, se, por exemplo, for considerado necessário proteger o local de trabalho ou o caminho da escola. 15.Que significa uma proibição de contacto? Uma proibição de contacto significa que uma pessoa considerada perigosa está proibida de estabelecer contacto de toda e qualquer forma com a pessoa em perigo. Tudo isso inclui a comunicação ou aproximação directa, chamadas telefónicas, mensagens por MSN, , cartas etc.. 16.Que acontece com crianças ou adolescentes violentos? Em princípio, é também possível decretar medidas de protecção contra crianças e adolescentes. 17.Que se pode fazer caso as medidas de protecção não oferecem segurança suficiente? Uma mulher em perigo pode procurar com seus filhos um refúgio provisório - após ter confirmado antecipadamente por telefone - em um centro de apoio para mulheres vítimas de maus tratos. Para crianças e adolescentes existem instituições especiais para a protecção infanto-juvenil (veja os números telefónicos no anexo). Em caso de necessidade, a polícia ajuda. 18.Uma pessoa em perigo pode ser protegida somente mediante as medidas de protecção policiais? Em uma situação de extremo perigo somente a polícia pode impor medidas coercivas contra uma pessoa considerada perigosa. Se o perigo não é extremo, permanecem igualmente abertas outras formas de intervenção legal, social e/ou terapêutica. Dirija-se a um centro especializado de consulta de vítimas de maus tratos ou a um advogado ou uma advogada. 19.Uma pessoa, cujo direito de residência na Suíça dependa do cônjuge ou da coabitação legalizada para casais do mesmo sexo, perde o seu direito de residência na Suíça por causa de uma medida de protecção? As medidas de protecção em si não influenciam o direito de residência. Todavia, após a realização de uma separação, um divórcio ou uma dissolução do matrimónio, as pessoas com uma residência derivada perdem, em algumas circunstâncias, o direito de permanecer na Suíça, se o matrimónio, respectivamente, a coabitação legalizada para casais do mesmo sexo tem sido somente de curta duração. 3

4 20.É possível ordenar uma medida de protecção policial, mesmo quando a polícia for informada somente num período posterior à ocorrência da violência doméstica? Sim. Uma medida de protecção policial também pode ser ordenada mesmo quando a pessoa em perigo somente se dirija posteriormente ao departamento da polícia, mas continua tendo motivos para recear actos de violência, ameaças ou perseguições adicionais. 21.Quanto custa uma medida de protecção? A ordem para uma medida de protecção por intermédio da polícia é grátis. 22.Se a situação se normalizar, a pessoa expulsa pode voltar? Não. A pessoa expulsa não pode voltar durante o período dos 14 dias decretados para a expulsão (ou de uma prolongação eventual). A pessoa expulsa estará cometendo um acto punível pela lei - mesmo se a pessoa em perigo a deixar entrar voluntariamente na casa ou residência. Caso a pessoa expulsa necessite retirar da morada objectos de necessidade urgente, só o poderá fazer acompanhado por uma autoridade da polícia. 23.Uma medida de protecção também é válida, se a pessoa considerada perigosa foi colocada em prisão preventiva? Sim. Se a pessoa considerada perigosa recebeu alta da prisão preventiva durante o período estipulado pela medida de protecção, terá ainda assim que observar a medida de protecção. Isto significa que a pessoa expulsa não poderá voltar para a casa ou desobedecer a proibição de contacto ou acesso antes do término do prazo estipulado pela medida de protecção. 24.É possível levantar protesto contra uma medida de protecção policial? Depois de receber a medida de protecção, a pessoa considerada perigosa terá um prazo de cinco dias para interpor recurso. O ofício do juiz de prisão preventiva decide dentro de quatro dias úteis, se a medida de protecção deverá permanecer, ser modificada ou anulada. A medida de protecção permanecerá válida até que uma decisão seja tomada. Se a medida de protecção permanecer, a pessoa considerada perigosa assumirá o pagamento das taxas do processo. A pessoa em perigo será informada a seu devido tempo sobre a decisão do juiz de prisão preventiva. 25.Que pode a pessoa em perigo fazer se a expulsão ou a proibição de acesso ou de contacto não for observada? Ela pode chamar a polícia (chamadas de emergência, disque 117). Quem não respeitar uma medida de protecção torna-se punível e a polícia pode prender o delinquente por 24 horas (veja a questão 37). A pessoa em perigo também pode apresentar uma denúncia de violação de domicílio. O desacato à medida de protecção pode constituir um motivo para a prolongação das medidas de protecção (veja a questão 31). 26.As pessoas em perigo recebem assistência? Sim. Um centro de assistência entra em contacto o mais rápido possível com a vítima, o mais tardar três dias após a ordem da medida de protecção. Se a assistência for desejada, pode-se examinar juntamente com um especialista quais os passos necessários a seguir. A consulta de assistência será realizada, se possível, no idioma 4

5 materno, eventualmente na presença de um(a) tradutor(a). A consulta é grátis. 27.A pessoa considerada perigosa também é contactada? Sim, também se estabelece contacto com a pessoa considerada perigosa. Junto com um especialista esta pessoa receberá um esclarecimento sobre terapias e outros programas através dos quais se pode evitar um comportamento violento para o futuro e como se pode aprender a manter um comportamento livre de violência durante situações de conflito. Esta consulta é grátis. Se a pessoa fôr do sexo masculino, a repartição para homens (mannebüro züri) é o órgão competente. As mulheres consideradas perigosas serão contactadas por uma representante do órgão de assistência social durante a suspensão condicional da pena, departamento Zurique II. Se as pessoas consideradas perigosas são crianças ou adolescentes, elas e/ou os seus pais serão contactadas por pessoas competentes especializadas. 28.Que pode uma pessoa considerada perigosa fazer para evitar violência no futuro? O órgão de assistência social durante a suspensão condicional da pena, departamento Zurique II. desenvolveu um programa educativo chamado "Casais sem Violência" (PoG) no qual os homens têm a possibilidade de participar em grupos de conversas sobre os motivos que provocam a violência e de aprender estratégias para a convivência sem violência e o domínio dos conflitos. A repartição para homens (mannebüro züri) também oferece consultas individuais assim como cursos em grupo. O órgão de assistência social durante a suspensão condicional da pena, departamento Zurique II. realiza sessões de diálogo individual com as mulheres consideradas perigosas. 29.Que podem as vítimas fazer, se por causa da expulsão elas não dispõem mais de dinheiro para as despesas domésticas? Se a pessoa expulsa tem a obrigação de contribuir para a economia do agregado familiar, terá que assegurar o pagamento dessa contribuição durante o período da expulsão. Em caso contrário deve-se recorrer ao subsídio da assistência social. Em todo o caso é aconselhável entrar em contacto com o especialista responsável pela provisão de assistência às vítimas. 30.Que acontece se existem filhos vivendo no domicílio? A polícia transmitirá a ordem de medida de protecção à autoridade da tutela de menores. Esta examina a questão, caso as medidas especiais de protecção para os filhos sejam necessárias para o amparo dos mesmos, por exemplo, uma assistência jurídica para os filhos. Se os filhos se encontrem em extremo perigo ou se devido à prática de violência, os cuidados dos filhos não estejam assegurados, a polícia se encarregará de prover a curto prazo um alojamento em caso de urgência e ao mesmo tempo comunicará à autoridade da tutela de menores, as medidas necessárias a tomar de imediato para a protecção dos filhos. 5

6 Solicitação de prolongação das medidas de protecção 31.É possível prolongar as medidas de protecção? Caso uma protecção de mais de 14 dias seja necessária para a pessoa em perigo, ela mesma deve agir neste respeito: pode solicitar a prolongação da medida de protecção somente dentro dos 8 dias a partir do recibo da cópia da ordem de medidas de protecção, a qual pode ser prolongada por até 3 meses. 32.Como e onde é possível solicitar uma prolongação das medidas de protecção? A pessoa em perigo pode apresentar uma solicitação ao juiz de prisão preventiva mencionado no decreto da ordem de medida de protecção, devendo anexar a ordem. Deve-se justificar a solicitação por escrito de forma acreditável, explicando a razão de o perigo continuar a existir. Os centros de apoio podem ajudar. 33.Como é possível justificar a existência contínua do perigo de forma acreditável? Uma prolongação da medida de protecção pode ser decretada, se for necessária para a protecção da pessoa em perigo. Por exemplo, certificados médicos ou terapêuticos podem servir como provas, as quais documentam o prejuízo psíquico e físico e acentuam a necessidade do prolongamento. Se foi instaurado um processo civil com a solicitação de medidas provisionais nos limites de um processo de protecção matrimonial, de separação ou de divórcio ou de um processo para a protecção da personalidade, supõe-se, em geral, a persistência contínua do perigo. Se o agressor não observar a medida de protecção, mesmo assim a existência de um perigo persistente continuará fazendo parte da suposição. 34.Como decorre o processo de prolongação perante o tribunal? A pessoa considerada perigosa receberá uma audiência perante o juiz de prisão preventiva. Depois será decidido de forma definitiva se, e por quanto tempo, as medidas de protecção serão prolongadas. Se a pessoa considerada perigosa não comparecer ao tribunal, este decidirá provisoriamente segundo as actas e comunicará a sentença a ambas as partes. Sem interposição de recurso dentro de cinco dias, a sentença tornar-se-á definitiva. 35.Em caso de circunstâncias modificadas? Caso se modifiquem as circunstâncias durante o período de validez das medidas de protecção do juiz de prisão preventiva, pode solicitar-se ao ofício do juiz de prisão preventiva a revogação, a prolongação ou a modificação, por exemplo, se além da expulsão, uma proibição de contacto é também necessária. 36.Quanto custa o processo perante o juiz de prisão preventiva? As custas judiciais de um processo de recurso ou de prolongamento custam aproximadamente Fr Se a um processo de recurso se junta um de prolongamento, será mais dispendioso. A parte que perde é responsável pelos custos do processo. Além disso, podem surgir taxas de indemnizações para despesas da oposição, as quais podem somar até algumas centenas de francos, caso se faça uso 6

7 de uma representação jurídica. Se uma pessoa ou mesmo uma família já viva com valores mínimos para as necessidades existenciais, as custas judiciais provisoriamente não serão impostas à solicitação. Estes valores serão reclamados posteriormente, assim que a respectiva pessoa disponha de novos meios financeiros. Custódia policial 37.A polícia pode deter também uma pessoa considerada perigosa? Sim. A polícia pode manter um indivíduo detido por 24 horas, caso a vítima se encontre em extremo perigo e directo e se esse perigo não possa ser evitado de uma outra maneira ou se uma custódia policial for necessária para assegurar a execução de uma medida de protecção. Em atendimento a um requerimento da polícia, o ofício do juiz de prisão preventiva pode prolongar a custódia policial no máximo até quatro dias de detenção. 38.A polícia pode ordenar também uma custódia como medida de protecção? Sim. A expulsão, a proibição de contacto e/ou de visitas é sempre válida por 14 dias a partir da ordem. Por conseguinte, ela é também válida depois da liberação da custódia policial ou de uma prisão preventiva eventualmente ordenada ou depois de uma saída de uma clínica ou de um hospital. 7

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

Série I, N. 25 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.50

Série I, N. 25 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.50 Quarta-Feira, 7 de Julho de 2010 Série I, N. 25 $ 0.50 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE SUMÁRIO PARLAMENTO NACIONAL : LEI N. 7/2010 de 7 de Julho Lei Contra a Violência Doméstica...

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira)

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Assembleia de Freguesia de Ferreira (Paços de Ferreira) PROJECTO DE REGIMENTO DA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Regimento da Assembleia de Freguesia De FERREIRA (Paços de Ferreira)

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de concluir uma convenção sobre cumprimento de medidas

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

Deliberação nº /2012

Deliberação nº /2012 Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Sociais Conselho Científico-Pedagógico Deliberação nº /2012 de 19 de Dezembro Tendo sido criados cursos de pós-graduação e havendo necessidade de deliberar

Leia mais

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros da Assembleia de Freguesia representam os habitantes

Leia mais

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução 3 Introdução Este livreto explica em linguagem clara o que o (DPP) faz. O livreto tenta responder às perguntas que as pessoas nos fazem mais frequentemente. Ele não lida com cada situação possível e não

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Programa Bolsa Família AGENDA DA FAMÍLIA DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Copyright 2009 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Todos os direitos

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Estas Normas estão em vigor para todos os processos de URS. Os procedimentos de URS devem ser regidos por estas

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Guia de Procedimentos

Guia de Procedimentos Guia de Procedimentos Interdição e Inabilitação Versão Leitura Fácil e Pictogramas Índice 1. Introdução O que se pretende com este Guia 2. Linhas de Orientação De que é que trata o Guia de Procedimentos

Leia mais

Verificação de Antecedentes está mudando -- O Que Você Precisa Saber!

Verificação de Antecedentes está mudando -- O Que Você Precisa Saber! Verificação de Antecedentes está mudando -- O Que Você Precisa Saber! O EEC vai agora exigir Informação do Registro de Agressor Sexual (SORI-Sex Offender Registry Information), verificação e averiguação

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

PARECER N.º 1/CITE/2003

PARECER N.º 1/CITE/2003 PARECER N.º 1/CITE/2003 Assunto: Direito ao gozo da licença por maternidade, no caso de nascimento de nado-morto e morte de nado-vivo Processo n.º 56/2002 I - OBJECTO 1.1. Em 22 de Novembro de 2002, a

Leia mais

Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012

Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012 SEGURANÇA SOCIAL Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012 Esta informação destina-se a que cidadãos Pessoas e entidades sem fins lucrativos que não tenham condições para pagar as despesas associadas

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e

CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e isenção) 1. O advogado deve, no exercício da profissão

Leia mais

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Decreto-Lei n.º 86/99/M de 22 de Novembro * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 40/94/M, de 25 de Julho, que aprova o regime de execução das medidas

Leia mais

VERSÃO A. Exame de Matérias Estatutárias e Deontológicas (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro)

VERSÃO A. Exame de Matérias Estatutárias e Deontológicas (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 1. A Câmara dos Técnicos Oficias de Contas substitui: a) A DGCI enquanto entidade pública a quem compete representar e superintender os TOC; b) A Associação dos Técnicos Oficiais de Contas, criada pelo

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. (Do Supremo Tribunal Federal) Acrescenta o inciso I ao 1º do artigo 4º da Lei nº 11.416, de 15 de dezembro

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA

Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA PRINCÍPIOS DE COOPERAÇÃO TRANSNACIONAL PARA CASOS DE INSOLVÊNCIA ENTRE OS MEMBROS DO ACORDO DE LIVRE COMÉRCIO DA AMÉRICA DO NORTE (NAFTA)

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais

Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, Âmbito e Sede O Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES

CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES Cláusula 1ª Princípio geral O presente Caderno de Encargos compreende

Leia mais

Informações sobre separação e divórcio

Informações sobre separação e divórcio Informações sobre separação e divórcio Meu marido é violento Desejo separar-me O que devo que fazer? Você pode solicitar no tribunal competente um processo de proteção ao matrimônio e pedir a separação

Leia mais

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança Entra em vigor amanhã, dia 29 de Março de 2012, a Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro, que procede à alteração e republicação do Regulamento das Custas Processuais. Desde a entrada em vigor do actual Regulamento

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

ALGUMAS MEDIDAS DE PROTECÇÃO E ASSISTÊNCIA DAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA*

ALGUMAS MEDIDAS DE PROTECÇÃO E ASSISTÊNCIA DAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA* ALGUMAS MEDIDAS DE PROTECÇÃO E ASSISTÊNCIA DAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA* *O texto corresponde, no essencial, à conferência proferida no Porto, na Universidade Portucalense, no dia 23 de Fevereiro

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

PROBLEMAS TRABALHISTAS Roudou mondai

PROBLEMAS TRABALHISTAS Roudou mondai PROBLEMAS TRABALHISTAS 47 Formas para resolver problemas trabalhistas O primeiro passo para se solucionar um problema trabalhista é tentar um acordo com a empresa, apontando os fatos que contradigam a

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

Condições Gerais Norwegian Cruise Line

Condições Gerais Norwegian Cruise Line Condições Gerais Norwegian Cruise Line 1. CONFIRMAÇÃO DA VIAGEM A confirmação da viagem da NCL (Bahamas) Ltd., negociando como Norwegian Cruise Line (a seguir Norwegian), é a aceitação do seu pedido de

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

3 Direito de revogação do utilizador final no que diz respeito a contratos de venda à distância - Política de cancelamento

3 Direito de revogação do utilizador final no que diz respeito a contratos de venda à distância - Política de cancelamento I. Termos e Condições Gerais de Venda da MAGIX Software GmbH Estado: junho 2014 1 Âmbito de aplicação 1. Todas as entregas, serviços e ofertas da MAGIX Software GmbH (de ora avante denominada MAGIX ) são

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Nos termos do n.º 1 do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso,

Leia mais

Informações importantes sobre a apresentação de uma reclamação

Informações importantes sobre a apresentação de uma reclamação Informações importantes sobre a apresentação de uma reclamação Quem pode fazer uma reclamação? Pode fazer uma reclamação se: for confrontado com um comportamento inapropriado por parte de um agente ou

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

Que tipo de trabalhadores se encontra abrangido pelo seguro de acidentes de trabalho por conta de outrem?

Que tipo de trabalhadores se encontra abrangido pelo seguro de acidentes de trabalho por conta de outrem? Qual a importância do seguro de acidentes de trabalho? Desde 1913 que é reconhecida em Portugal a obrigatoriedade de as entidades empregadoras repararem as consequências dos acidentes de trabalho sofridos

Leia mais

COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO

COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO SECRETARIADO EXECUTIVO, ABUJA, OUTUBRO 1999 1 CAPITULO 1º DISPOSIÇÕES GERAIS ARTGIGO 1º : OBJETO E ALCANCE O presente

Leia mais

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 4ª Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 1. Os serviços prestados pela LeasePlan em conformidade

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

Iniciar o processo de casamento

Iniciar o processo de casamento Casamento Registo Iniciar o processo de casamento Organizar o processo de casamento Condições para contrair casamento Regime de bens Quando celebrar Casar em Portugal com cidadãos estrangeiros Registo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956

Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956 Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956 Usando da faculdade conferida pela 2.ª parte do n.º 2.º do artigo 109.º da Constituição,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP

REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP (APROVADO A 24 DE NOVEMBRO DE 2007 E ALTERADO A 2 DE AGOSTO DE 2008, EM CONSELHO NACIONAL) CAPÍTULO I Disposições Preliminares Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS. Decreto n.º 25/95 Acordo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América Relativo à Assistência Mútua entre os Respectivos Serviços Aduaneiros Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

Regulamento de Gestão de Reclamações

Regulamento de Gestão de Reclamações Regulamento de Gestão de Reclamações no Banco Santander Totta, SA Introdução A Qualidade de Serviço é, para o Banco Santander Totta, SA, um referencial e a forma por excelência de se posicionar e distinguir

Leia mais

MOTA-ENGIL AFRICA N.V.

MOTA-ENGIL AFRICA N.V. MOTA-ENGIL AFRICA N.V. CÓDIGO DE PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO TÍTULOS DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. POR PESSOAS RESTRITAS Adotado em novembro de 2014 no âmbito da cotação em bolsa da Mota-Engil Africa N.V. com efeitos

Leia mais

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010 Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 1 CONDIÇÕES GERAIS DE SERVIÇOS Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 2 1. DISPOSIÇÕES GERAIS (a) A menos se de

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 52/2008 Artigo 91º do Estatuto da Ordem dos Advogados QUESTÃO A Senhora Dra.... vem solicitar que o emita parecer sobre uma questão relacionada com o âmbito de aplicação do dever consagrado

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.25

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.25 Quarta-Feira, 19 de Outubro de 2005 Série1, Série Nº.1 I, N. 20 $ 0.25 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: SUMÁRIO

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES.

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES. Resolução da Assembleia da República n.º 32/97 Tratado de Budapeste sobre o Reconhecimento Internacional do Depósito de Microrganismos para Efeitos do Procedimento em Matéria de Patentes, adoptado em Budapeste

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

Mensagem da Direção da AEVA

Mensagem da Direção da AEVA Mensagem da Direção da AEVA Caros colaboradores, consumidores e parceiros da Associação para a Educação e Valorização da Região de Aveiro: Nos dias de hoje, a importância que se dá à ética, ao respeito

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA PREÂMBULO 1 Nossos termos e condições de venda são aplicáveis de forma exclusiva; nós não admitimos termos e condições de clientes que sejam conflitantes nem termos e condições

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

Uma questão de justiça

Uma questão de justiça IGUALDADE SALARIAL PARA EMPREGADOS Uma questão de justiça COMISSÃO PARA A IGUALDADE SALARIAL O que é a Lei sobre a Igualdade Salarial? A Lei sobre a Igualdade Salarial (Pay Equity Act) (Lei) exige que

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Seguro Escolar

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Seguro Escolar MANUAL DE PROCEDIMENTOS Seguro Escolar Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Setembro de 2014 O Seguro Escolar constitui um sistema de proteção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência,

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

TRATADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA DO PANAMÁ SOBRE AUXÍLIO JURÍDICO MÚTUO EM MATÉRIA PENAL

TRATADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA DO PANAMÁ SOBRE AUXÍLIO JURÍDICO MÚTUO EM MATÉRIA PENAL TRATADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA DO PANAMÁ SOBRE AUXÍLIO JURÍDICO MÚTUO EM MATÉRIA PENAL A República Federativa do Brasil e A República do Panamá (doravante denominados "Partes"),

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES P. O QUE É A PATERNIDADE? R. Paternidade significa ser um pai. A determinação da paternidade significa que uma pessoa foi determinada

Leia mais

II. Celebração do contrato, as partes contratantes, limitações contratuais de responsabilidade e prescrição

II. Celebração do contrato, as partes contratantes, limitações contratuais de responsabilidade e prescrição Termos e condições gerais I. Âmbito de aplicação 1. Os seguintes termos e condições aplicam-se a qualquer uso de aluguer de quartos de hotel para alojamento, bem como todos os outros serviços e entregas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REQUERENTES DE VISTOS DE IMIGRAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA REQUERENTES DE VISTOS DE IMIGRAÇÃO INSTRUÇÕES PARA REQUERENTES DE VISTOS DE IMIGRAÇÃO Resumo Introdução V.Exa. encontra-se inscrito no Centro Nacional de Vistos (National Visa Center, NVC) para requerer um visto de imigração para os Estados

Leia mais

O QUE É O PAIR? Objetivo

O QUE É O PAIR? Objetivo O QUE É O PAIR? É uma estratégia metodológica de estímulo à organização e fortalecimento da rede de atenção a crianças e adolescentes em situação de violência sexual, com particular ênfase no abuso e exploração

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho (Não dispensa a consulta do Diário da República) REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho CAPÍTULO I Suporte e processo de registo SECÇÃO I Suportes de registo Artigo 1.º Instrumentos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira 1/13 Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira JusNet 40/1995 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 144, Série I-A, 24 Junho 1995;

Leia mais

CARTA DE ENTREVISTA Instrucões para Requerentes de Vistos de Noivo(a)

CARTA DE ENTREVISTA Instrucões para Requerentes de Vistos de Noivo(a) CONSULADO GERAL DOS ESTADOS UNIDOS DA AMERICA Setor de Vistos de Imigrantes Av. Pres. Wilson, 147 Centro Rio de Janeiro RJ 20030-020 Tel: 21-3823-2000 Fax: 21-3823-2083 www.consuladodoseua-rio.org.br www.travel.state.gov

Leia mais

JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas

JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas Índice Índice 1. Facturação...1 1.1. Gestão de Notas de Honorários...2 1.1.1. Emitir uma Nota de Honorários...3 1.1.2. Consultar Notas de Honorários Emitidas... 18

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA Atendendo ao aumento de número de viaturas em circulação, à alteração da circulação em algumas vias e locais, à existência

Leia mais

Rede INFO: abordagens eficazes aos princípios fundamentais

Rede INFO: abordagens eficazes aos princípios fundamentais Rede INFO: abordagens eficazes aos princípios fundamentais Setembro de 2014 A International Network of Financial Services Ombudsman Schemes (Rede INFO) é a associação mundial de mediadores de serviços

Leia mais

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização Este contrato de seguro garante a responsabilidade civil imputável aos membros dos órgãos de administração e fiscalização de sociedades comerciais, de acordo com o legalmente exigível no Código das Sociedades

Leia mais

BANCO DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO

BANCO DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO BANCO DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO Prática ADOLESCENTES INFRATORES: APOIO PARA REINSERÇÃO À COMUNIDADE. Área de Atuação: Políticas Sociais e Cidadãos Responsáveis: José Alexandre dos Santos e Franciely Priscila

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE LEGISLAÇÃO GERAL

FICHA TÉCNICA DE LEGISLAÇÃO GERAL FICHA TÉCNICA DE LEGISLAÇÃO GERAL Guarda Nacional Republicana TÍTULO ARMAS E MUNIÇÕES ASSUNTO FISCALIZAÇÃO DE ARMAS E MUNIÇÕES FICHA N.º 2.1 DATA OUT10 REVISÃO CLASS. SEG. N/CLASS 1. ENQUADRAMENTO JURIDICO/LEGAL

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais 1 Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais Autora: Vânia Costa Ramos, a d v o g a d a estagiária, e-mail: Vaniacostaramos@netcabo.pt

Leia mais

Edição A. Código de Conduta

Edição A. Código de Conduta Edição A Código de Conduta -- A 2011.09.26 1 de 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 PRINCÍPIOS E NORMAS GERAIS... 2 a) Trabalho Infantil... 2 b) Trabalho forçado... 2 c) Segurança e bem-estar no local de trabalho...

Leia mais

Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores

Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores A empresa tem de respeitar os direitos dos trabalhadores em matérias relativas à maternidade e paternidade e a outras relações familiares. Desta forma,

Leia mais

3. Quais são as restrições existentes, se as houver, quanto ao tipo de provas que podem ser obtidas através de videoconferência?

3. Quais são as restrições existentes, se as houver, quanto ao tipo de provas que podem ser obtidas através de videoconferência? Itália 1. É possível a obtenção de provas através de videoconferência com a participação de um tribunal do Estado-Membro requerente ou directamente por um tribunal desse Estado-Membro? Em caso afirmativo,

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA GABINETE DA VEREADORA ROSÁRIO BEZERRA PT

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA GABINETE DA VEREADORA ROSÁRIO BEZERRA PT PROJETO DE LEI Nº DE 16 DE MARÇO DE 2010 Proíbe o consumo de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou de qualquer outro produto fumígeno, derivado ou não do tabaco, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES ARTIGO 2.º OBJECTO DO CONTRATO ARTIGO 3.º INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO. SEGURO REAL VIDA Condições Gerais

ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES ARTIGO 2.º OBJECTO DO CONTRATO ARTIGO 3.º INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO. SEGURO REAL VIDA Condições Gerais ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES 1. Para efeitos do presente contrato entende-se por: Seguradora: a Real Vida Seguros, S.A., que subscreve com o Tomador de Seguro o presente contrato; Tomador de Seguro: A entidade

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA CIDADÃOS DOS PAÍSES MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA E SEUS FAMILARES

INSTRUÇÕES PARA CIDADÃOS DOS PAÍSES MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA E SEUS FAMILARES INSTRUÇÕES PARA CIDADÃOS DOS PAÍSES MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA E SEUS FAMILARES Assuntos gerais Resolução de assuntos relacionados com a estadia dum cidadão da União Europeia no território da República

Leia mais

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar Manual de Procedimentos do Seguro Escolar O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência, em caso de acidente escolar, complementarmente aos

Leia mais