Bem temperado. Hardware delicado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bem temperado. Hardware delicado"

Transcrição

1 Red Hat para desktops virtuais ANÁLISE Bem temperado A Red Hat confere ânimo ao desempenho de aplicativos multimídia em desktops remotos com o SPICE, protocolo simples para ambientes de computação independentes. por Udo Seidel O Linux oferece muitos protocolos e implementações que permitem o acesso remoto às interfaces gráficas de outros computadores. O recurso de rede do X Window, por exemplo, é fabuloso e transforma cada máquina Linux ou Unix em um potencial terminal de servidor. Ele costumava ser o bastante em solução de desktop remoto para transferência de interface gráfica através da rede, mas os usuários e administradores de hoje têm necessidades muito mais sofisticadas. Cenários modernos exigem o acesso ao hardware, e todas as transferências de dados entre o servidor e o cliente devem ser seguras. Cada vez mais, usuários de celulares desejam interromper sessões para retomá-las posteriormente em um computador ou outro dispositivo. Protocolos e aplicativos, como o protocolo de desktop remoto da Microsoft (RDP, Remote Desktop Protocol ) ou o NoMachine, da NX, dominam todos estes desafios sem problemas; no entanto, quando se trata de multimídia, eles estão muito aquém do desempenho de um desktop instalado localmente. Hardware delicado Feliz é aquele cujas placas de som, impressora ou unidade Flash USB locais funcionam corretamente em rede. No entanto, quando se trata de 3D, efeitos transparentes cativantes, ou reprodução de vídeos HD sem solavancos, o trigo é separado do joio. Apenas dois produtos prometem bom resultado: A Citrix está apostando em seu produto comercial HDX ( High-Definition User Experience ) [1], e a Red Hat aposta no protocolo, servidor e cliente SPICE [2]. O SPICE (protocolo simples para ambientes de computação independentes) promete ao usuário da nuvem acessar diretamente os componentes de hardware instalados no servidor, bem como um transparente repasse de desempenho para o cliente. Era uma vez De acordo com o site do projeto, o SPICE...tem como objetivo fornecer uma solução completa em código aberto para a interação com dispositivos de desktop virtualizados. O SPICE foi desenvolvido pela Qumranet e, como tantos softwares desenvolvidos em Israel, não era inicialmente um produto de código aberto. A Qumranet causou polêmica na comunidade Linux com o desenvolvimento do KVM. O trabalho anterior com virtualização KVM obrigou a empresa a enfrentar problemas como a transmissão de vídeo de elevado desempenho e encaminhamento de USB e, em 2007, publicou a primeira versão do SPICE. A Red Hat assumiu a Qumranet em 2008 e prescreveu a estratégia 68

2 Red Hat para desktops virtuais ANÁLISE de código aberto que continua até hoje. Por sua vez, o protocolo SPICE é distribuído sob a licença BSD, e a maior parte da implementação está sob a GPL. Desde 2010, o projeto SPICE é um membro do projeto Freedesktop. org [3]. Até poucos anos atrás, os usuários só podiam usar o protocolo de acesso para convidados virtuais, mas um aplicativo para o servidor X ( Xspice [4] ) foi disponibilizado em Tijolo por tijolo O SPICE inclui uma miscelânea de componentes que se enquadram em quatro categorias: Protocolo Servidor Cliente Componentes mediadores Dependendo da tarefa, vários intermediários entram em uso por exemplo, placas gráficas virtuais QXL [5] e interfaces VDI (desktop virtual/interface do dispositivo) [6]. A interação entre os vários componentes, com um foco nos convidados virtuais, é mostrada na figura 1. O aplicativo primeiro se comunica com o vídeo da máquina local por exemplo, o servidor X. Este envia a solicitação para o dispositivo QXL com a ajuda do driver. A partir daí, o servidor SPI- CE pega o pedido, processa e envia para o cliente SPICE. Se os agentes SPICE estiverem envolvidos, o sistema operacional convidado Figura 1 A interação dos vários componentes do SPICE. faz a comunicação através de dispositivos de porta VDI ou drivers com o servidor SPICE. A comunicação entre o servidor e o cliente SPICE é dividida em canais que trabalham em paralelo, cada um responsável por uma classe específica de dados. O canal principal é uma espécie de instância de gerenciamento que cria, configura, controla e fecha os outros canais. A tabela 1 mostra os canais do SPICE, sua utilização pretendida, e quais componentes do sistema operacional do convidado estão envolvidos. O protocolo SPICE rege a comunicação entre o servidor e o cliente. Ele define os tipos de mensagens para acessar, controlar e receber a entrada de dispositivos remotos. Não importa se o dispositivo reside localmente no servidor SPICE ou no cliente SPICE. Os canais mostrados na tabela 1 fazem parte das especificações de protocolo SPICE. O ambiente SPICE inclui um mecanismo de autenticação com Canal Responsável por Dispositivo do SO Convidado Aplicativo do SO Convidado Principal Gestão dos outros canais Virtio serial VDI Agent Vídeo Comandos gráfi cos, imagens e vídeo Dispositivos QXL Drivers QXL Entradas Entradas de teclado e mouse Teclado, mouse, tablet Drivers Padrão do SO Cursor (Mouse) posição e forma do ponteiro Dispositivos QXL Drivers QXL Reprodução Gravação Processamento de áudio do servidor para o cliente Processamento de áudio do servidor para o cliente Tabela 1 Canais de comunicação do SPICE. Placa de som Placa de som Drivers Padrão do SO Drivers Padrão do SO Linux Magazine #96 Novembro de

3 base em ingressos no formato X.509 com uma chave RSA de 1024 bits. As implementações atuais do SPICE também suportam a camada de segurança e autenticação simples (da sigla SASL, de Simple Authentication and Security Layer ) para acesso seguro. As mensagens definidas pelo protocolo ou são de natureza geral, específicas para o servidor ou cliente, ou válidas para um determinado canal. Mais detalhes são encontrados nas especificações do protocolo no site do projeto. O SPICE utiliza a segurança da camada de transporte (TLS, Transport Layer Security, RFC 2246) para criptografia de dados e, consequentemente, o servidor precisa de seu próprio certificado. Cada certificado X.509 (RFC 5280) deve ser assinado por uma CA (Unidade Certificadora) raiz. Para o servidor SPICE poder verificar esta assinatura, os usuários devem especificar seu caminho na inicialização tanto no servidor como no cliente. Na prática Para implementar o SPICE, o melhor é começar com o cliente. O cliente spice-gtk [7] já vem integrado com o virt-viewer. O usuário só precisa mudar o tipo de visualização na caixa de diálogo de preferências do virt-manager de VNC para SPICE. Os desenvolvedores implementaram o cliente spice-gtk como bibliotecas nas quais o virt- -viewer está vinculado. Pelo fato de o virt-manager ser programado em Python, ele usa um módulo correspondente para controlar o cliente spice-gtk. O spicy e o spicec ( figura 2 ) são verdadeiros clientes independentes. Como com um cliente VNC, o usuário especifica os detalhes da conexão com o servidor SPICE na inicialização. No entanto, o cliente SPICE HTML5 [8], ainda Figura 2 Os programas clientes spicy (esquerda) e spicec (direita) são semelhantes aos clientes VNC comuns. é muito novo. Além do HTML5, ele também requer JavaScript e um proxy WebSockets [9] ; os desenvolvedores prometem tornar os desktops remotos disponíveis para qualquer navegador em algum momento no futuro. O servidor SPICE também é implementado como uma biblioteca. Desde 2010, o QEMU/KVM é vinculado ao libspice-server.so e pode portanto fornecer o recurso do SPICE. Embora o VNC ainda seja o padrão para acessar a interface gráfica de um convidado, a mudança para o SPICE é bem simples. Porém, se quiser tirar o máximo de seus recursos, o usuário precisará usar uma placa de vídeo diferente e trocar para os drivers QXL. Para os amantes da linha de comando, isto pode ser feito com a opção -vga qxl do KVM. No entanto, o ajuste correspondente no virt-manager está a apenas alguns cliques de distância no menu hardware. Temperos para o X11 O driver SPICE para o servidor X vem com um script chamado Xspice, escrito em Python. No entanto, no momento da publicação deste artigo, o script na melhor das hipóteses só pode ser considerado experimental: o desempenho da rede é pior do que com o VNC, e a sincronização da posição do cursor tem erros. A implementação do servidor SPICE no QEMU/KVM é muito mais avançada e atualmente a mais utilizável. Ela constitui a base para as descrições e testes a seguir. O encaminhamento de vídeo e a segurança através de SSL/TLS não são características realmente notá- Listagem 1: ich9-ehciuhci.cfg 01 # cat /etc/qemu/ ich9-ehci-uhci.cfg 02 [device "ehci"] 03 driver = "ich9-usb-ehci1" 04 addr = "1d.7" 05 multifunction = "on" [device "uhci-1"] 08 driver = "ich9-usb-uhci1" 09 addr = "1d.0" 10 multifunction = "on" 11 masterbus = "ehci.0" 12 firstport = "0" [device "uhci-2"] 15 driver = "ich9-usb-uhci2" 16 addr = "1d.1" 17 multifunction = "on" 18 masterbus = "ehci.0" 19 firstport = "2" [device "uhci-3"] 22 driver = "ich9-usb-uhci3" 23 addr = "1d.2" 24 multifunction = "on" 25 masterbus = "ehci.0" 26 firstport = "4" 27 # 28 # 70

4 Red Hat para desktops virtuais ANÁLISE veis, pois os ancestrais de desktops remotos, como o X e o VNC, já podiam fazer isso. Outros recursos, no entanto, tornam o SPICE realmente interessante. O primeiro seria o seu suporte a áudio. Embora o QEMU (em conjunto com o VNC) já tivesse um complemento que permitia o encaminhamento de som, infelizmente quase nenhum dos clientes VNC suporta isso. O SPICE, por outro lado, já é bem preparado para esta tarefa e inclui uma implementação que funciona para servidor e cliente. Com uma pequena preparação, o usuário pode reproduzir um arquivo de áudio no KVM convidado e ouvi-lo no cliente SPICE. Para que isso aconteça, os recursos correspondentes devem ser primeiro ativadas no servidor QEMU/KVM. O comando qemu -audio-help revela uma grande variedade de opções de configuração mas, no caso mais simples, é suficiente para configurar a variável QEMU_AUDIO_DRV para o backend de áudio desejado ( tabela 2 ). No entanto, isto não é o suficiente, pois o cliente deve possuir uma placa de som virtual também. Os modelos AC97 e ICH6 provaram ser eficientes, mas no teste para este artigo, uma Creative Soundblaster16 e uma ENSONIQ AudioPCI ES1370 emuladas também funcionaram. No lado cliente do SPICE, não importa se usamos o virt-viewer, virt-manager, spicec ou spicy nos Figura 3 O spicy permite que o usuário escolha o dispositivo USB a ser encaminhado. testes, todos reproduziram o som sem problemas. Repasse de dispositivos USB Outro deleite picante do SPICE é o redirecionamento de USB, que permite ao usuário acessar um dispositivo USB local no convidado virtual (no servidor). Assim como acontece com o canal de áudio, tanto o servidor como o cliente dão o suporte necessário. No teste para este artigo, isso só foi verdade no caso do spicy. O QEMU/KVM suporta USB 2.0 através de um controlador EHCI virtual ( Enhanced Host Controller Interface ). Para que isto funcione, o usuário deve primeiro dar ao QEMU uma configuração especial ( listagem 1 ) e induzir que ela seja aplicada quando a instância virtual iniciar ( listagem 2 ). Com o argumento -readconfig /etc/qemu/ich9-ehci-uhci.cfg, o administrador liga o suporte para USB 2.0. As portas USB associadas são definidas pelas opções -chardev e -device do QEMU. Isso prepara o terreno necessário para o servidor SPICE, e o usuário pode iniciar o convidado virtual. O cliente spicy do SPICE for- Backend de audio no QEMU Valor QEMU_AUDIO_DRV Site do Projeto PulseAudio pa SDL sdl ALSA alsa OSS oss Tabela 2 Confi guração de som. Listagem 2: Iniciando o Qemu/KVM 01 qe mu -readconfig /etc/qemu/ich9-ehci-uhci.cfg -chardev spicevmc,name=usbredir,id=usbredirchardev1 -device usb-redir,chardev=usbredirchardev1,id=usbredirdev1,debug=0 Linux Magazine #96 Novembro de

5 nece agora um menu para selecionar os dispositivos a serem encaminhados ( figura 3 ). Posteriormente, o dispositivo fica disponível no convidado como um hardware local estaria. Se a rede tiver um servidor USB sobre IP [10], este também estará acessível para o usuário. Nesse caso, o dispositivo USB não está integrado ao servidor através do SPICE, mas por encapsulamento USB em TCP. O melhor é apenas colocar todos os parâmetros (muitas vezes numerosos) do QEMU em um único arquivo de configuração XML no convidado com a instrução qemu:commandline. Tempo para poupar É um verdadeiro desafio obter transmissão de alto desempenho de interfaces gráficas modernas com toda sua riqueza de detalhes e grandes fluxos de vídeo via bandas mais estreitas. Como o NX, o SPICE baseia-se em um cache local e procura evitar qualquer tipo de tráfego desnecessário. Ele armazena imagens, paletas de cores e informações de cursor no cache. Mas quando não pode se basear em transferência de uma imagem, o SPICE coloca vários métodos de compressão para funcionar: o QUIC (baseado no SFALIC, Simple Fast and Adaptive Lossless ImageCompression ) [11], o LZ (Lempel-Ziv), ou o GLZ (generalized Lempel-Ziv) [12]. Para transmissão de vídeo, o M-JPEG O autor Udo Seidel já trabalhou como instrutor Linux, administrador de sistemas e engenheiro sênior de soluções. Hoje, ele é chefe da equipe Linux/Unix na empresa alemã Amadeus Data Processing. Gostou do artigo? Queremos ouvir sua opinião. Fale conosco em Este artigo no nosso o site: 71 (Motion JPEG) é utilizado. É possível configurar tanto o algoritmo de compressão como o reconhecimento de transmissão de vídeo com as opções fornecidas pelo QEMU. Perspectivas Embora nem tudo funcione, o SPI- CE parece ter um futuro promissor pela frente. Por um lado, mais e mais clientes estão sendo desenvolvidos e não apenas para o Windows e o Linux [13], mas também para Mac OS X [14], o Android [15] e o N900. Até mesmo os fabricantes de hardware, como a IGEL, especialista em thin client [16], tem demonstrado interesse. Visitantes da CeBIT experimentaram o estado atual do desenvolvimento do SPICE, notando uma enorme Mais informações diferença de desempenho entre os clientes Windows e Linux. Os vídeos em HD foram renderizados aos solavancos no cliente Linux, mas não nas máquinas com Windows. A Red Hat integrou as características que faltam em clientes existentes e está trabalhando em recursos completamente novos. Entre estes novos recursos estão o suporte a gráficos 3D e acesso a diretórios locais da máquina do cliente. As funções disponíveis na área de virtualização já são bastante úteis e, particularmente em convidados baseados em Linux, vale muito à pena a mudança para o SPICE. Mas o Xspice deve ser significativamente melhorado antes de o SPICE tornar-se uma alternativa real para o VNC, RDP e NX. [1] Citrix HDX: [2] Red Hat SPICE: -space.org/ [3] Projeto Freedesktop.org: [4] SPICE para X11: -space.org/page/features/xspice/ [5] Red Hat, Spice para Iniciantes, Capítulo 2.6: spice -space.org/wiki/images/1/17/spice_for_newbies.odt [6] VDI (Virtual Desktop/Device Interface): spice -space.org/vdi.html [7] Cliente GTK para SPICE: freedesktop.org/spice/spice -gtk/ [8] Cliente HTML5: -html5/ [9] WebSockets: https://developer.mozilla.org/en -US/docs/WebSockets/ [10] USB sobre IP: [11] Algoritmo SFALIC: pl/~rstaros/sfalic/index.html [12] Algoritmo LZ: [13] Clientes SPICE: -space.org/download.html [14] SPICE para Apple: com.br/2011/06/spicy-apples.html [15] SPICE para Android: com/p/spice -client-android/ [16] Clientes VDI: 45-to-its-linux-thin-clientrange.html 72

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Configurando o Sistema Operacional TC-OS

Configurando o Sistema Operacional TC-OS Configurando o Sistema Operacional TC-OS O TC-OS é o Sistema Operacional das soluções Thin Clients da ThinNetworks. Foi desenvolvido especialmente para servir a thin clients possibilitando-os se conectar

Leia mais

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Institucional OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Apresentar as vantagens de se trabalhar com Thin Clients Apresentar como funciona a tecnologia Server Based Computing, Virtualização de Desktop e Aplicativos EVOLUÇÃO

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP Guia de instalação do software HP LaserJet Enterprise M4555 MFP Series Guia de instalação do software Direitos autorais e licença 2011 Copyright Hewlett-Packard Development

Leia mais

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Perguntas Técnicas Frequentes Segurança do Código CLARiSUITE Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Visão geral Segurança, integridade e estabilidade da infraestrutura de TI são as principais preocupações

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Aplicação. Camada de Aplicação

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Aplicação. Camada de Aplicação Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. A camada da aplicação serve como a janela na qual os utilizadores e processos da aplicação podem

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Informática. Jamille Silva Madureira

Informática. Jamille Silva Madureira Informática Jamille Silva Madureira Conceitos de sistemas operacionais Sistemas Operacionais Atuais Desktop: Windows 7 e 8; Linux; Mac OS. Dispositivos Móveis: Windows Mobile; Android; iphone OS. Desktop

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Desafios com a impressão em rede? UniPrint é a sua solução.

Desafios com a impressão em rede? UniPrint é a sua solução. Visão Geral do Produto Desafios com a impressão em rede? é a sua solução. Os administradores de TI sabem que, em qualquer ambiente corporativo, quanto maior o número de sites, maior é o número de impressoras

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Sumário. Capítulo I Introdução à Informática... 13. Capítulo II Hardware... 23. INFORMATICA 29jun.indd 7 22/07/2014 15:18:01

Sumário. Capítulo I Introdução à Informática... 13. Capítulo II Hardware... 23. INFORMATICA 29jun.indd 7 22/07/2014 15:18:01 Sumário Capítulo I Introdução à Informática... 13 1. Conceitos Básicos... 13 2. Hardware... 15 3. Software... 15 4. Peopleware... 16 5. Os Profissionais de Informática:... 16 6. Linguagem de Computador

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

AULA 7: Remote Desktop

AULA 7: Remote Desktop AULA 7: Remote Desktop Objetivo: Praticar a aplicação de acesso remoto via protocolo RDP (Remote Desktop) em ambientes Microsoft Windows. Ferramentas: Máquina Virtual Windows 2003 Server; Máquina Virtual

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Virtualização de Desktops NComputing

Virtualização de Desktops NComputing NComputing Resumo Todos já nos acostumamos ao formato do PC, que permite que cada usuário tenha sua própria CPU, seu próprio disco rígido e sua própria memória para rodar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Deixa com o servidor REDES. Computação baseada no servidor com o X2Go

Deixa com o servidor REDES. Computação baseada no servidor com o X2Go Computação baseada no servidor com o X2Go REDES Deixa com o servidor Em sua versão 3, já quase pronta, o projeto livre X2Go traz funções como novos clientes e janelas sem decoração. por Heinz-M. Gräsing

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05 Prof. André Lucio Competências da aula 5 Backup. WSUS. Serviços de terminal. Hyper-v Aula 04 CONCEITOS DO SERVIÇO DE BACKUP

Leia mais

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação WatchKey WatchKey USB PKI Token Manual de Instalação e Operação Versão Windows Copyright 2011 Watchdata Technologies. Todos os direitos reservados. É expressamente proibido copiar e distribuir o conteúdo

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

Serviços gráficos de terminal de alta

Serviços gráficos de terminal de alta CAPA Serviço de terminais veloz com NX Velocidade máxima! O NX oferece serviços de terminal velozes, mesmo em conexões lentas. por Markus Feilner Serviços gráficos de terminal de alta performance não passavam

Leia mais

Licenciamento de sistema operacional Microsoft com sistemas NComputing

Licenciamento de sistema operacional Microsoft com sistemas NComputing Licenciamento de sistema operacional Microsoft com sistemas NComputing Índice Vários usuários em um único sistema operacional...2 1:1 Virtual Desktop Infrastructure (VDI)......4 Aprimoramentos de desktop

Leia mais

Assinatura Digital de Contratos de Câmbio Banrisul Utilização dos certificados digitais para a Assinatura de Contratos de Câmbio Banrisul.

Assinatura Digital de Contratos de Câmbio Banrisul Utilização dos certificados digitais para a Assinatura de Contratos de Câmbio Banrisul. Assinatura Digital de Contratos de Câmbio Banrisul Utilização dos certificados digitais para a Assinatura de Contratos de Câmbio Banrisul. Manual Descritivo Índice 1. Introdução 1.1. Objetivo. 1.2. Escopo.

Leia mais

Sobre o Parallels Desktop 7 for Mac

Sobre o Parallels Desktop 7 for Mac Sobre o Parallels Desktop 7 for Mac O Parallels Desktop 7 for Mac é uma atualização importante do premiado software da Parallels para executar o Windows em um Mac. Sobre esta Atualização Esta atualização

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Interface gráfica. Figura 1: MS DOS

Interface gráfica. Figura 1: MS DOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sergipe IFS Campus Glória Professora: Jamille Madureira Informática Básica Sistemas Operacionais Sistema operacional é um programa que gerencia o hardware

Leia mais

Gerenciamento móvel. Você já deve possuir algum das dezenas. Modelos

Gerenciamento móvel. Você já deve possuir algum das dezenas. Modelos Gerenciamento móvel Faz sentido usar um tablet como terminal de administração portátil, mas isso também pode deixar você acessível demais. por Ken Hess Você já deve possuir algum das dezenas de modelos

Leia mais

Segurança em Virtualização utilizando o KVM

Segurança em Virtualização utilizando o KVM Klaus Heinrich Kiwi Engenheiro de Software, IBM Linux Technology Center 11 o Forum Internacional de Software Livre Julho 2010 Segurança em Virtualização utilizando o KVM Klaus Heinrich Kiwi, IBM LTC 2010

Leia mais

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi A virtualização de desktops pode ser trabalhada sobre servidores virtuais e esta técnica torna nossa tecnologia ainda mais atraente. Certifique-se que o seu

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX 1 Sumário Tutorial VirtualBox - Configurações e Utilização... 3 Requisitos Mínimos... 3 Compatibilidade... 3 Download... 3 Instalação do VirtualBox... 4 Criando a Máquina Virtual

Leia mais

HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO

HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO Guia rápido do usuário para instalação e operação do DVR Edição R1.0 Bem-vindo! A série DVR/HVR, é um gravador, reprodutor e editor de imagens,

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes.

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes. ACESSO REMOTO Através do Acesso Remoto o aluno ou professor poderá utilizar em qualquer computador que tenha acesso a internet todos os programas, recursos de rede e arquivos acadêmicos utilizados nos

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace Tactium Tactium IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

O EMPREGO DA VIRTUALIZAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O APRENDIZADO EM EAD

O EMPREGO DA VIRTUALIZAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O APRENDIZADO EM EAD 1 O EMPREGO DA VIRTUALIZAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O APRENDIZADO EM EAD Cachoeiro de Itapemirim ES 04/2015 João Paulo Gonçalves Instituto Federal do ES jpaulo@ifes.edu.br Filipe Heringer Garruth Instituto

Leia mais

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Este arquivo ReadMe contém as instruções para a instalação dos drivers de impressora PostScript e PCL

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft O OneDrive é um serviço de armazenamento na nuvem da Microsoft que oferece a opção de guardar até 7 GB de arquivos grátis na rede. Ou seja, o usuário pode

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Manual TeamViewer 6.0

Manual TeamViewer 6.0 Manual TeamViewer 6.0 Revison TeamViewer 6.0 9947d Sumário Sumário 1 Escopo do serviço... 1 1.1 Sobre TeamViewer... 1 1.2 A nova versão 6.0... 1 1.3 Funções da versão para Mac e Linux... 2 1.4 Sobre este

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução

Sistemas Operacionais Introdução Sistemas Operacionais Introdução Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 3/8/2015 Sistemas de computação teclado mouse impressora disco rígido monitor processador controladora de disco controladora USB placa

Leia mais

Wyse. E class. Computação acessível para a educação. Wyse classe E. Saiba mais. Aqui:

Wyse. E class. Computação acessível para a educação. Wyse classe E. Saiba mais. Aqui: Wyse E class Computação acessível para a educação Wyse classe E. Saiba mais. Aqui: Apresentamos os Zero clients Wyse classe E Computação acessível para salas de aula. Em qualquer lugar. Os Zero clients

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 GLOSSÁRIO Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 Responsável: Gustavo Teles GL01 Glossário 01 Página 1 de 7 A Aba - 1. Ficha com objetivo de separar ou agrupar em um mesmo contexto campos

Leia mais

Criando um PC virtual

Criando um PC virtual Criando um PC virtual Microsoft Virtual PC Introdução Se você não sabe o que é virtualização de PCs, ou nem tem idéia dos inúmeros benefícios trazidos por essa técnica, recomendo ler esta introdução feita

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 4 Visão geral da instalação 4 Passo 1: Buscar atualizações 4 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 4 Passo 3: Instalar o Windows no seu

Leia mais

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla 6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla O mercado brasileiro de dispositivos móveis em breve ganhará mais uma grande plataforma. Anunciado oficialmente

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

CESAR Pc Ao Vivo. Versão 1.0 30 de Julho de 2004. Copyright 2004 by CESAR

CESAR Pc Ao Vivo. Versão 1.0 30 de Julho de 2004. Copyright 2004 by CESAR 0 CESAR Pc Ao Vivo SOFTWARE DESCRIPTION Versão.0 0 de Julho de 00 0 Copyright 00 by CESAR _ CESAR Pc Ao Vivo Software Description, Versão.0 0 de Julho de 00 HISTÓRICO DE REVISÕES Versão Data Nome Modificação

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR

MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR Flash Systems - Manual de Funções do DVR Manual de Funções do DVR Descrevemos aqui as principais funções do DVR. Para acesso, na tela inicial do DVR, clique o botão direito do

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse.

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. 1) Introdução Firewalls são barreiras interpostas entre a rede privada e a rede externa com a finalidade de evitar ataques ou invasões;

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse.

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. 1) Introdução Firewalls são barreiras interpostas entre a rede privada e a rede externa com a finalidade de evitar ataques ou invasões;

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Quando máquinas virtuais

Quando máquinas virtuais Rede no A rede e a caixa O pode conectar-se à rede de três formas diferentes. Conheça todas elas, da interface gráfica à linha de comando. por Tim Schürmann CAPA Maggie Ayame - www.sxc.hu Quando máquinas

Leia mais

Clique para o futuro. Controlar aplicativos remotamente. Melhor com o HTML5. Como instalar o Guacamole ANÁLISE. Desktop remoto Guacamole

Clique para o futuro. Controlar aplicativos remotamente. Melhor com o HTML5. Como instalar o Guacamole ANÁLISE. Desktop remoto Guacamole ANÁLISE Desktop remoto Guacamole ANÁLISE Desktop remoto Guacamole Clique para o futuro O HTML5 oferece uma série de recursos que não necessitam de plugins Flash ou Java para funcionar. Com isso, surgem

Leia mais

Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR. Julho/2007. Ministério da saúde

Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR. Julho/2007. Ministério da saúde Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR Julho/2007 Ministério da saúde SUMÁRIO Módulo 1. Instalação... 4 Introdução... 4 Configurações de equipamentos para instalação

Leia mais

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 )

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) 2010 SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) SCPIWebCotacao Aplicação Web para Cotação de Preços via Internet Resumo de Instruções

Leia mais

Ajuda do Active System Console

Ajuda do Active System Console Ajuda do Active System Console Visão geral... 1 Instalação... 2 Como ver as informações do sistema... 4 Limites de monitoração do sistema... 5 Definições de notificação de email... 5 Configurações de notificação

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Informe técnico: Virtualização de endpoints Symantec Endpoint Virtualization Suite Otimização dinâmica do espaço de trabalho

Informe técnico: Virtualização de endpoints Symantec Endpoint Virtualization Suite Otimização dinâmica do espaço de trabalho Informe técnico: Virtualização de endpoints Otimização dinâmica do espaço de trabalho Visão geral O é uma solução poderosa e flexível com foco na produtividade do usuário, independentemente dos equipamentos,

Leia mais

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center.

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center. TACTIUM IP com Integração à plataforma Asterisk Vocalix Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 3 Interface gráfica do Ubuntu. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 3 Interface gráfica do Ubuntu. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 3 Interface gráfica do Ubuntu Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 SOFTWARES QUE ACOMPANHAM O UBUNTU... 3 Acessórios... 3 Escritório... 4 Gráficos... 4 Internet...

Leia mais

CONCEITOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS

CONCEITOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS 1 - Objetivos Existe uma grande distância entre os circuitos eletrônicos e dispositivos de hardware e os programas aplicativos em software. Os circuitos são complexos, acessados através de interfaces de

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Inicialização remota do Thinstation para ambiente Windows Terminal Service

Inicialização remota do Thinstation para ambiente Windows Terminal Service Inicialização remota do Thinstation para ambiente Windows Terminal Service Fábio Fernando Pereira Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba,

Leia mais

Resumo. Prof. Alejandro - Introdução à Sistemas Operacionais Resumo Informativo, complemente o material assistindo as Aulas 19/08/2015 1

Resumo. Prof. Alejandro - Introdução à Sistemas Operacionais Resumo Informativo, complemente o material assistindo as Aulas 19/08/2015 1 Resumo 19/08/2015 1 1. Tipos de Software 2. Introdução aos Sistemas Operacionais 3. Os Arquivos 4. Funções do Sistema Operacional 5. Programas Utilitários do Sistema Operacional 6. Termos Básicos 7. Tipos

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução

Sistemas Operacionais Introdução Sistemas Operacionais Introdução Adriano J. Holanda http://adrianoholanda.org/edu/ 5 de agosto de 2013 Introdução Sobre o curso Introdução Complexidade dos SOs Informações sobre a disciplina Serviços Arquitetura

Leia mais