Avante Raparigas! Como usar este Álbum Seriado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avante Raparigas! Como usar este Álbum Seriado"

Transcrição

1 Avante Raparigas! Como usar este Álbum Seriado Guião para facilitadores Use o Álbum Seriado como uma ferramenta para estimular o diálogo na comunidade sobre como reduzir a vulnerabilidade das raparigas ao HIV/ SIDA. Aqui aborda-se uma vasta gama de tópicos que vão ajudar as comunidades sobre os passos que podem tomar para que as raparigas vivam num ambiente mais seguro.

2 Conteúdos PAGE CAPÍTULO 1: O que é o HIV/SIDA?...4 CAPÍTULO 2: Como se transmite o HIV...5 CAPÍTULO 3: O HIV não se transmite...6 CAPÍTULO 4: Como podem as pessoas proteger-se do HIV?...7 CAPÍTULO 5: Papéis tradicionais de homens e mulheres na sociedade...8 CAPÍTULO 6: Saindo de papéis tradicionais...9 CAPÍTULO 7: Quem são as raparigas mais vulneráveis? CAPÍTULO 8: Uma avaliação da vulnerabilidade das raparigas ao HIV. 12 CAPÍTULO 9: Quais são as coisas principais que põr raparigas em risco do HIV? CAPÍTULO 10: Conhecimento e atitudes sobre HIV CAPÍTULO 11: Comportamentos sexuais e o HIV/SIDA CAPÍTULO 12: Início precoce de relações sexuais CAPÍTULO 13: Múltiplos paceiros CAPÍTULO 14: Sexo com homens mais velhos CAPÍTULO 15: Sexo em troca de dinheiro, favores ou de bens? CAPÍTULO 16: Sexo sem preservativos? CAPÍTULO 17: Álcool e HIV/SIDA CAPÍTULO 18: Violência contra as raparigas CAPÍTULO 19: Relações com a família e outros adultos CAPÍTULO 20: Relações com amigos CAPÍTULO 21: Educação e HIV/SIDA CAPÍTULO 22: Ter certeza que as raparigas estão seguras na Escola CAPÍTULO 23: Cuidados de saúde e HIV/SIDA CAPÍTULO 24: Pobreza, oportunidades económicas e o HIV/SIDA CAPÍTULO 25: Ritos de iniciação e HIV/SIDA CAPÍTULO 26: Crie uma comunidade positiva para as raparigas fazendo...38 CAPÍTULO 27: Crie uma comunidade positiva para as raparigas fazendo...40 CAPÍTULO 28: Crie uma comunidade positiva para as raparigas fazendo

3 Como usar esta ferramenta Use esta ferramenta para partilhar informação e estimular a discussão com os membros da comunidade sobre o HIV/SIDA e a vulnerabilidade da rapariga. Procure encorajar os membros da comunidade a expressarem os seus pensamentos e opiniões sobre cada um dos temas antes de introduzir esta ferramenta. Depois das pessoas expressarem as suas próprias ideias e atitudes, então, as informações dos sumários podem ser usadas para ampliar a compreensão dos participantes, sobre cada tema. Certifiquese que os participantes têm a informação correcta, sobre como HIV/SIDA pode ser ou não transmitido. Você pode também usar os sumários da ferramenta para estimular uma discussão fazendo perguntas baseadas na informação do texto. Os sumários/sinteses são concebidos para serem usados de um modo flexível. Por exemplo, durante a fase 3 você pode afixar as sínteses na parede durante a discussão do tema. Você pode pôr todos os sumários pertinentes na parede, movendo-os de cima para baixo ou em grupos como são analisadas as informações fornecidas pela comunidade e forma como se pode fazer o jogo de priorização para a acção. 3

4 1. O que é o HIV/SIDA? Avante Raparigas! HIV significa Vírus de Imunodeficiência Humana. O HIV ataca o sistema de defesa natural do organismo/corpo contra doenças, destruindo um tipo de célula do sangue que ajuda o organismo a defender-se dos agentes invasores: bactérias, vírus, fungos etc. Quando a quantidade de vírus HIV aumenta, o sistema de defesa do corpo diminui e dá lugar à SIDA-Síndroma de Imunodeficiência Adquirida. Algumas doenças são provocadas por vírus. Os vírus são pequenos bichinhos que destroem as defesas naturais da pessoa. Por serem tão pequeninos, os nossos olhos não conseguem vê-los. O HIV é um deles, conhecido como o vírus da SIDA. Quando este vírus entra no corpo de uma pessoa, ela fica infectada, mas pode demorar meses a manifestar algum sinal de que foi infectada. Pouco a pouco, a quantidade de vírus vai aumentando no corpo da pessoa, destruindo lentamente as suas defesas, como acontece quando os muchéns destroem uma casa. Em Moçambique estima-se que as pessoas infectadas pelo HIV demorem em média 7 anos a desenvolver a SIDA; A infecção do HIV para SIDA é variável de pessoa para pessoa-algumas pessoas vivem durante 10 anos ou mais sem desenvolverem a SIDA e outras adquirem-na mais rapidamente. 4

5 2. Como se transmite o HIV HIV é transmitido por alguns líquidos (fluídos) do corpo. O HIV pode ser transmitido através de: Sangue Fluídos Sexuais: Esperma Secreção vaginal Leite materno O HIV passa de uma pessoa para outra através de: Sexo desprotegido (vaginal, anal, ou oral) Durante a gravidez, parto, ou amamentação se a mãe for seropositiva Sangue de uma pessoa Infectada: Partilha de agulhas, durante injecção de drogas, ou toma de um medicamento injectável Partilha de lâminas, navalha, por exemplo, durante os ritos de iniciação e vacinas em tratamentos tradicionais; Transfusões de sangue, contaminado pelo HIV, sem que tenha sido testado anteriormente. Em qualquer das forma de infecção através do sangue, é necessário que uma das pessoas esteja infectada pelo vírus e a outra tenha uma porta de entrada 1, ou seja o contacto directo do sangue da pessoa infectada com o sangue da outra pessoa. 1 Porta de Entrada: Alguma ferida, ferimento, lesão, que permita a entrada do líquido da pessoa infectada. No caso da contaminação durante a relação sexual, as DTS facilitam a entrada do vírus, pois causam lesões, feridas, ou deixam a pele mais sensível. Os órgãos sexuais possuem uma pele muito fina e sensível, por isso também permitem a entrada do vírus, pois o vírus HIV gosta de estar nas secreções sexuais, além do sangue.

6 3. O HIV não se transmite... Através de partilha de comida ou bebidas Trabalhando ou convivendo com alguém com HIV Através de picada de mosquitos Através de apertos de mão ou de abraços Através de beijo com boca fechada (há uma pequena possibilidade de adquirir HIV no beijo boquiaberto se houver contacto com o sangue, ou seja, desde que haja algum ferimento).

7 4. Como podem as pessoas proteger-se do HIV? A abordagem A B C Não tendo relações sexuais (abstinência) Sendo fiel. Tendo relações sexuais com um só parceiro que não tem outros parceiros Evitando o contacto com sangue ou com secreções de uma pessoa infectada, ou da qual se desconhece o estado serológico Usando preservativo masculino ou feminino nas relações sexuais Outras formas de reduzir o risco de transmissão do HIV: Conhecer como é que o HIV é transmitido e como pode ser prevenido Adiar o sexo para mais tarde, sempre que possível Conversar com o (a) paceiro (a) sexual sobre não ter relação sexual com outro (a) parceiro (a). Não aceitar manter relações sexuais com uma pessoa que tenha mais parceiros (as) sexuais. Não fazer sexo em troca de favores, dinheiro, comida ou outros artigos, Fazer o teste de HIV e pedir ao (a) seu (sua) parceiro (a) para fazer o teste do HIV antes de começarem a ter relações sexual Evitar o abuso do consumo de álcool Ter sempre consigo o preservativo. Embora haja muitas formas de as pessoas se protegerem individualmente do HIV/SIDA, outras acções devem ser levadas a cabo, a nível da família e da comunidade.

8 5. Papéis tradicionais de homens e mulheres na sociedade Tradicionalmente homens e mulheres assumem normas, papéis e responsabilidades diferentes na sociedade. Por exemplo, espera-se que as mulheres assumam as tarefas domésticas e permaneçam restritas ao ambiente de casa; enquanto se espera que os homens sejam os provedores de rendimento económico com direito de trabalhar fora de casa, com maior liberdade de se exporem em lugares públicos. Algumas normas tradicionais são úteis e fortalecem a saúde sexual e reprodutiva, por exemplo, a norma de que pessoas casadas só deveriam ter sexo entre si, previne a transmissão do HIV. Outras normas podem contribuir para aumentar o risco ao HIV. Por exemplo as raparigas aprendem a obedecer sempre aos homens, mesmo que as ideias ou as acções destes lhe sejam prejudiciais.

9 6. Saindo de papéis tradicionais Os papéis dos homens e das mulheres podem mudar porque não são biológicos, são construções sociais, então, as mesmas pessoas podem mudálos. As normas e papéis sociais mudam, na medida em que as necessidades das pessoas mudam. Uma mulher, por exemplo, que sempre trabalhou em casa, se for trabalhar fora, é provável que em sua casa haja um rearranjo das funções domésticas sendo estas redistribuídas entre os membros da família. Muitas vezes, isso não acontece, mas se o grupo familiar tiver a oportunidade de analisar dialogar sobre o assunto, a quantidade de tarefas que ficam sobre a responsabilidade dela, provavelmente vai mudar em casa. Caso contrário, a mulher vai ficar com uma sobrecarga de trabalho. Outro exemplo é que as mulheres normalmente não estão habituadas a falar em público e a tomarem decisões pela família, mas na ausência do marido, isso normalmente, passa a acontecer. Muitos homens que nunca fizeram nenhuma tarefa doméstica, na ausência de suas esposas ou mãe, provavelmente fá-lo-ão, seja por perceberem que isso é algo normal, seja por necessidade. Assim os homens, um a um, passam a desempenhar novos papéis sociais que antes eram destinados apenas para as mulheres. Da mesma forma que também muitas mulheres passam a trabalhar fora de casa.

10 Esse tipo depende de um ambiente favorável, ou seja, das mensagens e do estímulo que a sociedade der aos homens ou às mulheres ao longo da sua vida, mas também dos modelos que ela puder observar. Os meninos que são ensinados a fazerem tarefas domésticas, serão adultos que contribuirão para o bem estar das suas famílias, desempenhando papéis que até então eram considerados femininos. As raparigas que tiverem a oportunidade de estudar, poderão trabalhar fora, contribuir para a renda familiar e ter maior independência económica.

11 7. Quem são as raparigas mais vulneráveis? Porquê focalizar as nossas acções em meninas em vez de meninos? Há evidência de que as raparigas, bem como as mulheres jovens, são as mais vulneráveis ao HIV. Por exemplo: As raparigas têm menos oportunidades para freqüentarem a escola ou para continuarem os seus estudos As raparigas têm menos acesso à informação sobre o HIV/SIDA As raparigas têm menos acesso a oportunidades económicas do que os rapazes Os papéis tradicionais atribuídos às raparigas impedem-nas de se afirmarem As raparigas tendem a casar e iniciar a vida sexual mais cedo do que os rapazes As raparigas são mais propensas a serem vítimas de violência e de abuso sexual do que os rapazes Porém, os programas de prevenção do HIV frequentemente não focalizam os factores que fazem com que as raparigas sejam mais vulneráveis e acabam por não fazer esforços especiais para conseguir o envolvimento das raparigas.

12 8. Uma avaliação da vulnerabilidade das raparigas ao HIV Todas as raparigas sexualmente activas estão em risco de adquirir o HIV/SIDA. Porém, há certos factores que fazem com que algumas raparigas sejam mais vulneráveis ao HIV/SIDA do que outras. A vulnerabilidade é afectada por muitos factores diferentes, não só os relacionados com o comportamento indivídual. Os factores de nível famíliar, comunitário e social influenciam o grau de risco face ao HIV. O resto deste folheto dá informação sobre os assuntos fundamentais que influenciam a vulnerabilidade das raparigas ao HIV/SIDA. Alguns destes, são factores de risco apenas para as raparigas, como a violência, enquanto noutros o risco pode ser maior ou menor, consoante o relacionamento existente com a família e com os outros adultos. Conhecimentos e atitudes sobre HIV Comportamento sexual Uso abusivo de Álcool Relacionamento com a família e com os outros adultos Relacionamento com os(as) amigos(as) Práticas tradicionais e ritos de iniciação Educação Cuidados de saúde Pobreza e oportunidades económicas Violência e abuso sexual

13 9. Quais são as causas principais que põem as raparigas em risco do HIV? Violencia sexual contra raparigas Consumo do álcool por raparigas e por seus amigos, por família e por outros adultos na comunidade Ter muitos parceiros sexuais Fazer sexo com homens mais velhos Fazer sexo em troca de dinheiro, favores ou bens A informação sobre por que estes comportamentos são factores de risco é esboçada nas páginas seguintes.

14 10. Conhecimento e atitudes sobre HIV Como o conhecimento afecta o risco de HIV? As raparigas que têm acesso à informação sobre como o HIV se transmite são as mais capazes de se prevenirem da infecção do vírus. O conhecimento sobre os tipos de comportamentos mais arriscados pode ajudar as raparigas a entenderem melhor o seu risco individual. O conhecimento sobre como o HIV pode ser prevenido permite às meninas tomarem decisões informadas. Como é que as atitudes afectam o risco de HIV? Se as raparigas não percebem que o HIV pode afectá-las seriamente, elas não vão mudar os comportamentos de risco que têm. Raparigas que acreditam que mulheres e homens têm direito à mesma igualdade de oportunidades, são mais capazes de levarem avante o que elas querem, como o acesso à educação e acederem mais tarde à possibilidade de terem um rendimento próprio. Raparigas que acreditam que as mulheres e os homens têm direito à igualdade de oportunidades, também têm maior possibilidade de resistir ao casamento precoce, ao sexo indesejado e à violência. Raparigas que valorizam a educação, a religião e a abstinência sexual são menos expostas ao risco de HIV. Por outro lado, raparigas que valorizam o dinheiro e a aquisição de bens de consumo são mais expostas aos riscos, como sexo em troca de dinheiro e de favores.

15 Quais são as barreiras de informação sobre o HIV? As raparigas têm freqüentemente menos acesso à televisão e aos jornais. As raparigas podem ter um nível mais baixo de alfabetização do que os homens e os rapazes. As raparigas podem estar espostas a uma variedade de mensagens as vezes conflituosas e confusas

16 11. Comportamentos sexuais e o HIV/ SIDA Na África sub- Sahariana, a maioria das infecções do HIV ocorre pela via sexual É importante porém, lembrar que o comportamento sexual não é apenas uma escolha indivídual. É afectado por outros factores, como a influência das comunidades e da sociedade tais como as normas, as crenças, a imitação de comportamentos dos pares, o uso abusivo de álcool, a pobreza e a violência. Por que as mulheres e raparigas fazem sexo? É natural Porque se sentem bem É prova de amor para com o parceiro Para manter a relação Para obterem dinheiro e outros presentes Porque acreditam que se as outras pessoas fazem sexo, elas também devem fazer, Por pressão Por que os homens e rapazes fazem sexo? É natural Porque se sentem bem Para provarem que são homens Para mostrarem poder Porque acreditam que se as outras pessoas fazem sexo, eles também devem fazer, por pressão dos amigos

17 Quais são os comportamentos sexuais mais arriscados para as raparigas adolescentes? Iniciar precocemente as relações sexuais Ter muitos parceiros sexuais Fazer sexo com homens mais velhos: Fazer sexo em troca de dinheiro, favores ou bens Sexo sem condoms A informação sobre porque estes comportamentos são factores de risco é esboçada nas páginas seguintes.

18 12. Início precoce de relações sexuais Raparigas que começam a fazer sexo numa idade ainda jovem têm menor probabilidade de alcançarem as suas metas na vida. As meninas têm menos poder para negociarem o sexo seguro com os seus parceiros Elas são também quem tem, provavelmente, menos conhecimentos sobre a prevenção do HIV/SIDA.

19 13. Múltiplos paceiros Numa relação que envolve múltiplos parceiros sexuais, se um dos parceiros se infectar com o HIV, o virus pode passar muito depressa para os outros parceiros Se alguém tiver vários parceiros (as) de longo prazo, ao mesmo tempo, e em cujas relações o uso de preservativo é pouco provável, o risco de transmissão do HIV de uma pessoa para outra é mais alto. Mesmo se uma pessoa for fiel ao(a) seu (sua) parceiro (a), mas este (a) tenha outros parceiros (as) isto aumenta o risco de infecção.

20 14. Sexo com homens mais velhos A diferença de idade entre os parceiros sexuais aumenta a probabilidade de sexo desprotegido Estas relações são freqüentemente baseadas em troca de sexo por dinheiro, por favores ou por bens. Os homens idosos têm também, mais provavelmente, poder sobre as raparigas. Em particular as diferenças de riqueza implicam menor poder de negociação relativamente ao sexo seguro nas mulheres jovens. As raparigas também podem ver os homens mais velhos como tendo menor risco de transmitir o HIV, porque, elas vêem-nos como sendo mais estáveis e, portanto, com menos risco. Os homens idosos, geralmente têm uma taxa de infecção do HIV geralmente mais alta que os adolescentes ou jovens.

21 15. Sexo em troca de dinheiro, favores ou de bens? As raparigas são forçadas ou coagidas a trocarem sexo por dinheiro, favores, bens ou serviços, de diferentes formas. Os professores podem coagir as raparigas a ter relações sexuais em troca de notas. Os pais podem forçar as filhas a fazerem sexo para trazerem comida para casa. Homens e rapazes podem forçar uma menina a fazer sexo quando a acompanham para casa. As raparigas também podem procurar activamente oportunidades para sexo transactional para adquirir dinheiro, bens ou serviços. Elas podem fazer sexo em troca de favores para satisfazerem as suas necessidades básicas como comida e abrigo ou para obterem os bens que desejam, como vestuário, telefones celulares ou álcool. Quando as raparigas fazem sexo em troca de favores, elas normalmente têm menos poder para decidir sobre o uso do preservativo.

22 16. Sexo sem preservativos? O sexo sem preservativo expõe as raparigas directamente ao risco de HIV/SIDA. O sexo sem preservativo também aumenta o risco de outras infecções sexualmente transmissiveis, o que pode aumentar a vulnerabilidade biológica ao HIV. As raparigas têm, freqüentemente, menor possibilidade de saber onde encontrar preservativos e como usá-los em relação aos rapazes. As raparigas podem considerar difícil falar do uso de preservativo com o seu parceiro. É mais difícil para as raparigas e mulheres casadas insistirem no uso do preservativo com o seu cônjuge. Em muitas comunidades, as raparigas que andam com preservativos são vistas como promíscuas ou perdidas.

23 17. Álcool e HIV/SIDA Porque é que os jovens bebem álcool? O álcool pode deixar as pessoas mais relaxadas e sociáveis. Os jovens sentemse geralmente mais crescidos quando bebem álcool. Os jovens podem ser pressionados pelos amigos a irem aos bares ou a beberem álcool. Os jovens também podem ter curiosidade sobre o álcool e quererem experimentá-lo. Os problemas com álcool: Os bares atraem e servem álcool aos jovens. Os jovens bebem muito mais cedo e com maior frequência do que o faziam no passado. Os adultos são modelos; quando as crianças os vêem bebendo pensam que é socialmente aceitável e natural. Muitas vezes os jovens não encontram divertimento alternativo ou actividades interessantes nas suas comunidades. O álcool baixa a habilidade das pessoas para tomarem decisões sensatas, decidindo com quem fazer sexo e sobre o uso ou não de preservativo. Nos bares os homens procuram geralmente alguém para fazer sexo, as raparigas que ali se encontram têm mais probilidade de se envolverem em relações sexuais de risco. Beber álcool estimula várias formas de violência, incluindo a violência sexual e a agressão física. Legislação sobre Álcool em Moçambique Qual é a idade legalmente autorizada para o consumo do álcool? A partir dos 18 anos em diante

24 Qual é a idade legalmente autorizada para a compra do álcool? A partir dos 18 anos em diante Quais são as penas aplicáveis a venda do álcool a menores, se houver? Multas A última pena consiste na perda de licença de revenda do álcool Existe penas aplicáveis a rapazes/raparigas? Quais são? Não existe penas aplicáveis a rapazes/raparigas que forem encontradas na posse ou em consumo do álcool. Contudo, as leis estão em processo de revisão e este aspecto pode mudar. Que leis/legislação/estatutos existem sobre o acesso de menores a bares e outros locais de revenda de álcool? Menores não são autorizados a bares ou locais de revenda de álcool. Quais são as penas aplicáveis a menores pelo acesso a bares e outros locais de revenda de álcool? A primeira violação consiste no pagamento de uma multa de 10, , 000 Meticais. A segunda violação consiste no pagamento de uma multa de 20, , 000 Meticais, para além de um mês de prisão e a provável perda de licença de revenda de álcool. Que legislação/leis existem sobre horas de actividades de bares e outros locais de revenda de álcool? Horas autorizadas entre as 7h30 e 22h00. Se existe, quais são as penas aplicáveis a actividades desenvolvidas foras destas horas? Multas A última pena consiste na perda de licença de revenda de álcool Onde é que as pessoas podem apresentar queixas sobre violação de leis/ legislações? Esquadra local da polícia ou repartição de turismo.

25 18. Violência contra as raparigas O que é a violência física? A violência física contra uma rapariga pode incluir bofetadas, pontapés, socos, o uso de faca ou de outros instrumentos. O que é violência psicológica? A violência psicológica pode deixar uma rapariga com medo mesmo sem a presença de violência física. Esta violência pode incluir: Dizer algo que faz com que a rapariga se sinta insultada ou envergonhada Dizer algo sobre sexo não desejado Ameaçar usar violência física ou Sexual Ameaçar ferir outras pessoas sob os seus cuidados; Prendê-la ou ameaçá-la de privação de comida ou de outros bens essenciais. O que é violência sexual? Violência sexual contra a rapariga inclui: Violaçao Uso de força para fazer sexo Ameaças à rapariga até ela aceitar ter relações sexuais Tocar nas suas partes íntimas contra a sua vontade Onde a violência pode ocorrer? A violência contra raparigas pode acontecer em muitos lugares Os lugares mais comuns onde as raparigas estão em risco incluem bares, pensões, áreas isoladas, escolas, fontenários ou poços e mercados. Algumas raparigas também estão em risco quando estão em casa.

26 Como é que a violência contra as raparigas se relaciona com o HIV/SIDA? O sexo forçado envolve frequentemente trauma e o ferimento, o que aumenta o risco de transmissão do HIV. Raparigas que são vítimas de abuso sexual enquando crianças têm uma maior probabilidade de levarem, futuramente, uma vida de risco, como por exemplo, de terem de fazer sexo em troca de dinheiro e de terem muitos parceiros sexuais. O medo da violência, do estigma, e do abandono podem desencorajar as raparigas de quererem saber o seu estado serológico. Se elas souberem do seu estado serológico e, se este for positivo, podem ter medo de partilhar o resultado com os seus parceiros. A violência e o medo de violência podem impedir a rapariga de insistir no uso do preservativo ou de recusar o sexo não desejado. Lei Sobre Violência Em Moçambique Sexo forçado/violação A violação é uma ofensa criminal? E as outras formas de violência sexual? Violação e violência sexual são ofensas criminais reconhecidas por lei em Moçambique. Quais são as penas aplicáveis a violação e/ou outras formas de violência sexual? As penas variam de 2 a 8 anos de prisão Sexo com menores A lei estabelece uma idade? Se sim, qual é a idade estabelecida por lei? Sim. A idade estabelecida por lei é de 19 anos em diante Quais são as penas aplicáveis a prática sexual com uma menor abaixo da idade estabelecida por lei? As penas dependem da idade da criança: Se a criança tiver 12 anos ou menos, a pena é de 8-12 anos de prisão. Se a criança tiver entre 13 e 16 anos de idade, a pena é de 2-8 anos de prisão. Se a criança tiver entre anos de idade, a pena é de 2-8 anos de prisão, mas com tendência a uma pena menor.

27 Existe igualmente penas aplicáveis a qualquer pessoa que facilitar (tais como parentes) um adulto a praticar sexo com alguém menor abaixo de 19 anos de idade: 1 2 anos de prisão e uma multa. Perda de direitos políticos por um período de 3 anos Existe penas aplicáveis a rapazes/raparigas? Não existe penas. Sexo com alunos Existe legislação ou estatutos que proíbem professores/directores a praticarem sexo com alunos (incluindo estudantes em idade adulta)? Sim. Existe um decreto do Ministério da Educação que proíbe esta prática. Se sim, quais? Como é são aplicadas na sua plenitude? O salário do professor pode ser congelado enquanto se investigas as acusações. Se provadas as acusações, o professor é expulso. Existe penas aplicáveis a estudantes que praticam sexo com professores/ directores? Quais são? Como é são aplicadas? Não existe penas aplicáveis a estudantes. Apresentação de queixas Onde é que as pessoas podem apresentar queixas sobre violação/ violência sexual ou sexo com menores? Gabinete de Atendimento de Mulher e Criança Polícia de Investigação Criminal. Tribunais e Procuradorias da República. Estes lugares são seguros ou colocam a rapariga/mulher a um elevado risco? Nem sempre são seguros e/ou de ajuda; existe muito abuso de poder e corrupção nestas organizações.

28 19. Relações com a família e outros adultos Os benefícios de ter relacionamentos saudáveis com a família e com os outros adultos Os pais podem desaprovar o sexo em troca de favores e dar bons exemplos às raparigas para que elas não se envolvam em comportamentos de risco como os relacionamentos sexuais com múltiplos parceiros ou o abuso de bebidas alcólicas. Raparigas que se sentem mais ligadas a pelo menos um dos pai, envolvemse menos em comportamentos de risco. Raparigas que têm relações positivas com pelo menos três adultos têm menos possibilidade de se envolverem em comportamentos de risco Barreiras e desafios para relações saudáveis As crianças órfãs e vulneráveis necessitam sempre de orientação e de acompanhamento por parte dos adultos. A sua situação económica desfavorável pode aumentar a probabilidade de elas trocarem sexo por dinheiro. As raparigas têm maior probabilidade de se envolverem em comportamentos de risco quando vivem em casas com pouca ou nenhuma orientação dos adultos. Os membros da família podem forçar ou encorajar a rapariga a adoptar comportamentos de risco como a troca de sexo por dinheiro como forma de elas poderem apoiar a família. Pais e outros encarregados de educação acham sempre difícil falar com seus filhos (as) sobre assuntos sensíveis como sexo e o álcool. Em muitos lugares, a relação tradicional entre a juventude e os adultos desapareceu: Os adolescentes já não escutam os conselhos; os mais velhos já não protegem as crianças. 28

29 20. Relações com amigos Os benefícios de ter bons amigos e redes sociais Os amigos podem ser encorajadores de comportamentos positivos. No caso das raparigas, por exemplo, aconselhando a evitar os bares ou a terem comportamentos sexuais de risco Raparigas que pertençam a grupos formais ou informais nas suas comunidades podem ter mais oportunidades e recursos assim como de apoio emocional/moral de outros membros do grupo. Este apoio de amigos e de grupos sociais pode ajudar as raparigas a alcançarem as suas metas. As barreiras e desafios para relacionamentos saudáveis com amigos As opiniões e acções dos amigos e outros pares têm uma forte influência nos adolescentes. Amigas que se gabam das suas experiências sexuais para obtenção de dinheiro que elas recebem em troca e sexo com homens mais velhos, podem encorajar, directa ou indirectamente, as outras raparigas da mesma idade, a fazerem o mesmo. Quando as raparigas vêem amigos (as) ou outras raparigas bebendo álcool ou indo para os bares acreditam que é normal e aceitável, fazer o que eles(elas) fazem. 29

30 21. Educação e HIV/SIDA Os benefícios da educação das raparigas: As raparigas que frequentam a escola têm maior acesso aos conhecimentos sobre HIV/ SIDA, maiores habilidades para a vida e para exercerem actividades depois da escola. A escola pode aumentar a rede social da rapariga, com amigos e professores. A educação pode ajudar as raparigas a alcançarem as suas metas na vida. A educação proporciona oportunidades económicas para as raparigas, reduzindo assim a necessidade de elas se envolverem em sexo em troca dinheiro, favores ou bens. 30

31 22. Ter certeza que as raparigas estão seguras na Escola As raparigas tem direito a ter um ambiente seguro na Escola, mas este não é sempre o caso. As escolas que não têm casas de banho separadas para raparigas não proporcionam suficiente privacidade para as raparigas durante o período menstrual. A não existência de casas de banho funcionais pode ser um factor de insegurança, colocando as raparigas em risco de serem violadas sexualmente. Os professores podem pedir às raparigas para fazerem sexo com eles em troca de melhores notas ou de vagas para a matrícula. As escolas podem ter procedimentos disciplinares fracos, ou nem um, para os professores que têm o sexo com estudantes. Um código do silêncio entre profissionais da instrução pode parar outras pessoas nas escolas de falar sobre relacionamentos do professor-estudante. As raparigas podem enfrentar o risco de violência sexual ou física quando viajando a ou da escola, por exemplo pelo táxi e os condutores de autocarro ou os outras pessoas na rua. Outras barreiras para educação das raparigas incluem: Em algumas comunidades, as pessoas acreditam que as raparigas não precisam de educação. As despesas com as propinas, os livros ou os uniformes são barreiras para a educação das raparigas. 31

32 Os pais que não têm dinheiro para levar todas as crianças para escola, dão preferência a que sejam os rapazes a fequentar a escola em detrimento das raparigas. As raparigas são frequentemente mantidas em casa para ajudarem no serviço doméstico ou a cuidarem dos irmãos mais novos. As políticas das escolas formais ou informais podem levar as raparigas a desistirem da escola, por exemplo, os regulamentos que não permitem as raparigas e mulheres jovens grávidas frequentem a escola no período diurno. As raparigas estão em grande risco de violência sexual ou física durante a caminhada de/para escola, por exemplo no chapa, nos machimbombos ou a pé durante longas distâncias. 32

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

Faz a Circuncisão. Torna-te Um Novo Homem

Faz a Circuncisão. Torna-te Um Novo Homem O NOSSO MAIOR VALOR É A VIDA ÁLBUM SERIADO PARA USO NA COMUNIDADE Para apoiar Palestras e Sessões de Grupo. Faz a Circuncisão. Torna-te Um Novo Homem Ficha Técnica MINISTÉRIO DE SAÚDE Av. Eduardo Mondlane/Salvador

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

GERAL INSTRUÇÕES. portuguese

GERAL INSTRUÇÕES. portuguese 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 2 3 4 5 6 1 2 3 GERAL portuguese Este jogo destina-se a famílias e comunidades onde as pessoas são hiv+ ou têm SIDA. Ele foi desenvolvido

Leia mais

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8 Prevenção BCC (Comunicação para Alteração de Comportamento) cobertura comunitária e escolas Fundamentação lógica para incluir as SDA (Área

Leia mais

1.1 Informações Básicas para os Treinadores

1.1 Informações Básicas para os Treinadores 1. INTRODUÇÃO Foi estimado, até o final de 2003, que mais de 38 milhões de homens, mulheres e crianças estão vivendo com HIV. Quase 25 milhões dessas pessoas vivem na África do subsaara, de acordo com

Leia mais

Glossário M DIA NO CAMPO DE FUTE-

Glossário M DIA NO CAMPO DE FUTE- O HIV (VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA) É UM VÍRUS QUE DANIFICA O SISTEMA DE DEFESA DO CORPO HUMANO. O HIV INFECTA AS CÉLULAS DO SISTEMA IMU- NOLÓGICO E DESTRÓI O SEU FUNCIONA- MENTO, LEVANDO À "IMUNODEFICIÊNCIA".

Leia mais

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA 1 O que é VIH? É o vírus que causa a SIDA. Vírus é um microbio muito pequeno, que não se consegue ver a olho nu, ou seja, é preciso ajuda de um microscópio. VIH significa:

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES)

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) Décima primeira sessão, 1992 Antecedentes 1. A violência baseada no género é uma forma de discriminação que inibe a capacidade das mulheres de gozarem

Leia mais

Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África

Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África Consulta Regional sobre o Estigma e HIV/SIDA em África 4-6 de Junho de 2001, Dar-es-Salaam Teve lugar em Dar-es-Salaam, Tanzânia, de 4-6 de

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos

Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos Orientação Técnica para a Série 8 Informação Técnica Essencial para Formulação de Propostas Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos Historial:

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil.

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. É legal saber! Gravidez Transar uma única vez, pode engravidar? Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. Minha menstruação na desceu. Estou grávida? Depende. É importante cada mulher

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados MOÇAMBIQUE Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique (INSIDA 2009) Principais Resultados O Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO

cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO 1 O que quer dizer sexo seguro? Sexo seguro quer dizer, práticas sexuais responsáveis sem riscos de engravidar, ou de contrair uma infecção transmitida sexualmente,

Leia mais

Arianna Legovini Development Impact Evaluation Initiative (DIME) World Bank O que falam algumas das evidências sobre prevenção de HIV

Arianna Legovini Development Impact Evaluation Initiative (DIME) World Bank O que falam algumas das evidências sobre prevenção de HIV Arianna Legovini Development Impact Evaluation Initiative (DIME) World Bank O que falam algumas das evidências sobre prevenção de HIV Questão Você se imagina ficando atraído por alguém de 12 anos de idade?

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

Projeto de Educação Sexual 2013/2014

Projeto de Educação Sexual 2013/2014 Projeto de Educação Sexual 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARCOZELO Equipa de Educação para a Saúde 1. INTRODUÇÃO O presente projecto, surge para dar cumprimento à lei nº 60/2010 de 6 de Agosto, regulamentada

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

O poder de 1,8 mil milhões: Adolescentes, Jovens e a Transformação do Futuro

O poder de 1,8 mil milhões: Adolescentes, Jovens e a Transformação do Futuro O poder de 1,8 mil milhões: Adolescentes, Jovens e a Transformação do Futuro 1 O poder de 1,8 mil milhões: Adolescentes, Jovens e a Transformação do Futuro 2 1. Estrutura do Relatório Prefácio Mensagem

Leia mais

Ficha de Actividade. - Identificar formas de contágio da doença e comportamentos de risco;

Ficha de Actividade. - Identificar formas de contágio da doença e comportamentos de risco; Ficha de Actividade Actividade: Trabalho de grupo e debate (continuação do tema A Sida) Objectivos: - Fomentar o trabalho de grupo; - Identificar formas de contágio da doença e comportamentos de risco;

Leia mais

O NOSSO MAIOR VALOR É A VIDA. Tudo o que você precisa saber. Folheto para jovens e adultos. Faz a Circuncisão. Torna-te Um Novo Homem

O NOSSO MAIOR VALOR É A VIDA. Tudo o que você precisa saber. Folheto para jovens e adultos. Faz a Circuncisão. Torna-te Um Novo Homem O NOSSO MAIOR VALOR É A VIDA Tudo o que você precisa saber Folheto para jovens e adultos Faz a Circuncisão. Torna-te Um Novo Homem FICHA TÉCNICA MINISTÉRIO DE SAÚDE Av. Eduardo Mondlane/Salvador Allende,

Leia mais

PREVENÇÃO DA SIDA MAIS DE 10 MIL RESPOSTAS!

PREVENÇÃO DA SIDA MAIS DE 10 MIL RESPOSTAS! PREVENÇÃO DA SIDA Não baixar os braços Campanhas de prevenção frequentes, bem dirigidas e sem tabus são armas essenciais na luta contra a propagação da sida. O nosso inquérito a mais de 10 mil pessoas

Leia mais

BANCADA FEMININA. UM ESPAçO DE EMPODERAMENTO DA RAPARIGA EM SSR EM MOÇAMBIQUE

BANCADA FEMININA. UM ESPAçO DE EMPODERAMENTO DA RAPARIGA EM SSR EM MOÇAMBIQUE BANCADA FEMININA UM ESPAçO DE EMPODERAMENTO DA RAPARIGA EM SSR EM MOÇAMBIQUE NILZA DOS SANTOS, Brasília, 15 Outúbro 2013 Conteúdo Contexto Conceito de Bancada Feminina Principais Resultados Factores de

Leia mais

Saiba o que é a sida, como se transmite, como se pode prevenir e como se trata.

Saiba o que é a sida, como se transmite, como se pode prevenir e como se trata. PORTAL DA SAÚDE Síndroma da Imunodeficiência Adquirida (SIDA) Saiba o que é a sida, como se transmite, como se pode prevenir e como se trata. O que é a sida? A sida (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida)

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

Instituições de Solidariedade Social

Instituições de Solidariedade Social Instituições de Solidariedade Social Trabalho realizado por: Alexandre d Eça, nº1 Ana Margarida Oliveira, nº3 João André Fortunato, nº14 Margarida Milheiro, nº18 9ºC Introdução O tema deste trabalho é

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA PREÂMBULO A Universidade Católica de Moçambique, reconhecendo que o País enfrenta actualmente uma devastadora pandemia do HIV/SIDA; cumprindo

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER X8@ www.gay health network.ie Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER Informação para teste de HIV para homens gay

Leia mais

Vencer o HIV/SIDA. Um Manual Prático para Prevenção, Controlo e Tratamento do HIV/SIDA. W. James Jacob & Lynn Curtis

Vencer o HIV/SIDA. Um Manual Prático para Prevenção, Controlo e Tratamento do HIV/SIDA. W. James Jacob & Lynn Curtis Vencer o HIV/SIDA Um Manual Prático para Prevenção, Controlo e Tratamento do HIV/SIDA W. James Jacob & Lynn Curtis O desenho da capa frontal por Natalie Jacobs Todos os direitos reservados. Na maioria

Leia mais

Os objectivos primários deste encontro preparatório podem ser especificados conforme se indica abaixo:

Os objectivos primários deste encontro preparatório podem ser especificados conforme se indica abaixo: Envolvimento e Participação da Sociedade Civil nos Processos em direcção ao Acesso Universal na África Austral Uma Posição Comum Nairobi, 26 de Maio de 2008 Região em Crise A África Austral é o epicentro

Leia mais

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações Situação a 2015 aternidade o Mundo: esumo e ecomendações ais são importantes. As relações pai-filho/a, em todas as comunidades e em todas as fases da vida de uma criança, têm impactos profundos e abrangentes

Leia mais

1º,2º, 3º CICLOS E SECUNDÁRIO

1º,2º, 3º CICLOS E SECUNDÁRIO LINHAS ORIENTADORAS PARA OS PROJETOS DE EDUCAÇÃO SEXUAL 1º,2º, 3º CICLOS E SECUNDÁRIO 2011/2015 Página 1 ÍNDICE Página Introdução... 3 Enquadramento legal.. 4 Temas propostos. 5 Competências/Objetivos...

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

Uma nova vida para crianças desprotegidas

Uma nova vida para crianças desprotegidas Uma nova vida para crianças desprotegidas As Aldeias de Crianças SOS têm a sua origem na Áustria. O seu fundador Hermann Gmeiner conseguiu aplicar uma ideia fundamental e realizar um sonho: dar uma mãe,

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva

Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva O que é a saúde sexual e reprodutiva? A saúde sexual e reprodutiva é uma componente essencial do direito universal ao mais alto padrão de saúde física e mental, consagrado

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

Introdução Conselhos para educadores

Introdução Conselhos para educadores Introdução Conselhos para educadores INTRODUÇÃO A utilização da Internet constitui um desafio para a educação dos nossos filhos e dos nossos alunos. Acontece muito frequentemente que os deixamos a navegar

Leia mais

AIDS / Uma epidemia em expansão

AIDS / Uma epidemia em expansão A negociação da divisão de trabalho, no cuidado com a casa, com os filhos, com a alimentação e etc.. vem sendo um dos grandes assuntos debatidos entre casais nos tempos modernos. Ainda assim, freqüentemente

Leia mais

ROTEIRO PARA REFLEXÃO DO VÍDEO ERA UMA VEZ OUTRA MARIA

ROTEIRO PARA REFLEXÃO DO VÍDEO ERA UMA VEZ OUTRA MARIA SOCIALIZAÇÃO DE MULHERES E HOMENS Quais foram as diferenças entre a criação da Maria e a do seu irmão? Vocês acham que os meninos e as meninas da sua comunidade são criados de formas diferentes? Como?

Leia mais

Exemplos de como praticá-los no Aconselhamento sobre o Tratamento Antiretroviral - TARV

Exemplos de como praticá-los no Aconselhamento sobre o Tratamento Antiretroviral - TARV 6 SABERES BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Exemplos de como praticá-los no Aconselhamento sobre o Tratamento Antiretroviral - TARV Algumas habilidades de comunicação interpessoal foram identificadas

Leia mais

Cuidando da Minha Criança com Aids

Cuidando da Minha Criança com Aids Cuidando da Minha Criança com Aids O que é aids/hiv? A aids atinge também as crianças? Como a criança se infecta com o vírus da aids? Que tipo de alimentação devo dar ao meu bebê? Devo amamentar meu bebê

Leia mais

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o vírus v da Sida Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o Vírus da Sida O vírus entra na corrente sanguínea; Determina a posição exacta e reconhece os linfócitos T helper, fixando-se

Leia mais

ESSA CAMPANHA VAI COLAR!

ESSA CAMPANHA VAI COLAR! ESSA CAMPANHA VAI COLAR! O selo postal é um importante veículo de comunicação dos valores de uma sociedade. Com a emissão dos 8 (oito) selos apresentados nesta Cartilha, os Correios, por meio da Filatelia,

Leia mais

A MACONHA: INFORMAÇÃO PARA OS ADOLESCENTES

A MACONHA: INFORMAÇÃO PARA OS ADOLESCENTES Publicação oficial da Secretaria Nacional Antidrogas - SENAD, a partir de textos elaborado pelo... A MACONHA: INFORMAÇÃO PARA OS ADOLESCENTES 1 a Edição SENAD Brasília - DF, 2000 Presidência da República:

Leia mais

APROVEITE AS SUAS CONSULTAS PARA INFORMAR SOBRE O PLANEAMENTO FAMILIAR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE

APROVEITE AS SUAS CONSULTAS PARA INFORMAR SOBRE O PLANEAMENTO FAMILIAR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE APROVEITE AS SUAS CONSULTAS PARA INFORMAR SOBRE O PLANEAMENTO FAMILIAR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE ACONSELHE SOBRE OS BENEFÍCIOS DO PLANEAMENTO FAMILIAR Permite aos casais tomarem decisões

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades O VIH/SIDA e as Pessoas Idosas O VIH/SIDA é um problema mundial de proporções catastróficas. O desafio é enorme, mas não estamos impotentes perante ele. Foi

Leia mais

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Comunicação e Mídia Pesquisa Instituto Patrícia Galvão IBOPE, em parceria com o UNIFEM ATITUDES FRENTE AO CRESCIMENTO DA AIDS NO BRASIL Aumento da AIDS em mulheres está entre

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO ESTADO DE NOVA YORK Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV O exame de HIV é voluntário. O consentimento pode ser revogado a qualquer momento, mediante

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde Módulo HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV (Human Immunodeficiency Virus Vírus da Imuno Deficiência Humana) AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome Síndrome da Imuno Deficiência

Leia mais

DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS

DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS Fonte: IPPF Carta sobre os Direitos em Matéria de Sexualidade e de Reprodução Tradução e Compilação: Conceição Fortes (Consultora IEC) PRESSUPOSTOS: 1 - O direito à saúde

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

Tuberculosis Portuguese Tuberculose A tuberculose a doença, o tratamento e a prevenção

Tuberculosis Portuguese Tuberculose A tuberculose a doença, o tratamento e a prevenção Tuberculosis Portuguese Tuberculose A tuberculose a doença, o tratamento e a prevenção A tuberculose é uma doença infecciosa que normalmente afecta os pulmões, embora também possa afectar qualquer parte

Leia mais

APANHA O VIH. Da mãe que tem o VIH para o bebé

APANHA O VIH. Da mãe que tem o VIH para o bebé APANHA O VIH 1 - Como é que se apanha o vírus que causa a SIDA (VIH)? Nas RELAÇÕES SEXUAIS sem usar o preservativo porque o esperma (homem), os líquidos da vagina (mulher) ou alguma ferida podem estar

Leia mais

A caminho da igualdade

A caminho da igualdade A caminho da igualdade Estudo mostra que a educação é determinante para reduzir as desigualdades de gênero, em todas as fases de vida das mulheres 50 KPMG Business Magazine Como defender a empresa Os Jogos

Leia mais

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids 1 a Aids reduz a imunidade A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids ou SIDA) não é a doença. Ela reduz a imunidade devido à ação

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

Visão Geral. Impacto na saúde, educação e produtividade

Visão Geral. Impacto na saúde, educação e produtividade Visão Geral Todos os dias, 20 mil meninas com menos de 18 anos dão à luz em países em desenvolvimento. Isso também ocorre em países desenvolvidos, mas em uma escala muito menor. Em todas as regiões do

Leia mais

cartões de bolso serié 3 Transmissão das ITS

cartões de bolso serié 3 Transmissão das ITS cartões de bolso serié 3 Transmissão das ITS 1 O que são ITS? São infecções causadas por vírus, bactérias ou outros micróbios, que se transmitem de pessoas infectadas para outras, através das relações

Leia mais

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Ano lectivo 2004/2005 Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Este trabalho vai falar de: Doenças sexualmente transmissíveis. Meios contraceptivos. Como usar alguns dos métodos m de contracepção. As

Leia mais

Apresentação. Rodrigo da Rocha Loures Presidente do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná

Apresentação. Rodrigo da Rocha Loures Presidente do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná CartilhaSESI-AIDS-rotary.indd 1 06.06.08 15:34:12 Apresentação A cada dia com maior intensidade, a indústria direciona suas ações para o desenvolvimento sustentável da sociedade. Este esforço coletivo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 2007 (do Deputado Sandes Júnior PP/GO)

PROJETO DE LEI Nº / 2007 (do Deputado Sandes Júnior PP/GO) PROJETO DE LEI Nº / 2007 (do Deputado Sandes Júnior PP/GO) Dispõe sobre a oferta de outras opções no combate as Doenças Sexualmente Transmissíveis DST e AIDS além do uso dos preservativos, como forma de

Leia mais

Dicas de Segurança para Redes Sociais

Dicas de Segurança para Redes Sociais Segurança na Internet para as Crianças e sua Família Dicas de Segurança para Redes Sociais Por ser uma mídia social, a Internet permite aos jovens manter contato com os amigos fisicamente distantes e,

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

Consumo de drogas e HIV/SIDA

Consumo de drogas e HIV/SIDA ONUSIDA COLECÇÃO BOAS PRÁTICAS Consumo de drogas e HIV/SIDA Declaração da ONUSIDA apresentada na Sessão Especial da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre Drogas Programa Conjunto das Nações Unidas sobre

Leia mais

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Aids ou Sida? A Aids é uma das doenças mais comentadas e pesquisadas dos últimos anos. Mesmo com os avanços que os especialistas vêm obtendo, ainda falta explicar muitos de seus aspectos. A

Leia mais

Situação das Crianças em Moçambique 2014

Situação das Crianças em Moçambique 2014 Situação das Crianças em Moçambique 2014 No decurso da última década, a situação das crianças em Moçambique avançou significativamente. Mais crianças estão a sobreviver e a ter acesso ao sistema de protecção

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres)

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres) VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência é uma questão social que afeta a todas as pessoas, mulheres e homens, sejam elas crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos. Ela acontece em todas as classes sociais,

Leia mais

ESCOLAS SEGURAS Um direito de todas as raparigas. ESCOLAS SEGURAS Nov 07

ESCOLAS SEGURAS Um direito de todas as raparigas. ESCOLAS SEGURAS Nov 07 ESCOLAS SEGURAS Um direito de todas as raparigas As escolas são lugares onde as crianças devem aprender e crescer. No entanto, muitas raparigas em todo o mundo vão para a escola receando pela sua segurança,

Leia mais

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis SLIDE 1 Introdução do trabalho: Bom dia, estamos aqui para falar a cerca das infeções sexualmente transmissíveis, os problemas associados e o modo

Leia mais

Promoção da Educação para a Saúde - +Saúde EDUCAÇÃO SEXUAL

Promoção da Educação para a Saúde - +Saúde EDUCAÇÃO SEXUAL EDUCAÇÃO SEXUAL Distribuição de conteúdos Curriculares, tempos letivos e disciplinas intervenientes.º Ciclo 7.º Dimensão ética da sexualidade humana. Compreensão da sexualidade como uma das componentes

Leia mais

Perfis de vítimas e agressores. Resultados do inquérito EU Kids Online 4 Fevereiro 2011 Ana Jorge

Perfis de vítimas e agressores. Resultados do inquérito EU Kids Online 4 Fevereiro 2011 Ana Jorge Perfis de vítimas e agressores Resultados do inquérito EU Kids Online 4 Fevereiro 2011 Ana Jorge Objectivo / Plano Caracterizar os perfis de vítimas e agressores online, para os riscos: Ver imagens de

Leia mais

O que é redução de danos?

O que é redução de danos? IHRA Briefing O que é redução de danos? Uma posição oficial da Associação Internacional de Redução de Danos (IHRA) Redução de danos é um conjunto de políticas e práticas cujo objetivo é reduzir os danos

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses No Marco Sabemos Mais Sobre @ Doenças Sexualmente Transmissíveis / Métodos Contracetivos (SMS@DST) Dia iagnóstico de Situação na Escola Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses Realizado pela: ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Guião para Activistas

Guião para Activistas Comunicação para mudança de comportamento Guião para Activistas ÍNDICE Introdução...2 1. PREVENÇÃO DA DIARREIA E DA CÓLERA...3 Como se apanha a diarreia e a cólera?...3 Sintomas da cólera...3 O que fazer?...3

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

Communiqué da Reunião do. G(irls)20. Toronto, Canadá - 15-18 de Junho de 2010. Preâmbulo

Communiqué da Reunião do. G(irls)20. Toronto, Canadá - 15-18 de Junho de 2010. Preâmbulo Communiqué da Reunião do G(irls)20 Toronto, Canadá - 15-18 de Junho de 2010 Preâmbulo Nós, as 21 representantes da primeira reunião das G(irls)20, sabemos que garotas e mulheres têm o potencial para desempenhar

Leia mais