Apresentar queixa por corrupção à ICAC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentar queixa por corrupção à ICAC"

Transcrição

1 Apresentar queixa por corrupção à ICAC A função da ICAC A Comissão Independente Contra a Corrupção foi fundada em 1988 para investigar e reduzir a corrupção no sector público de NSW. Sobre a ICAC A ICAC investiga a corrupção grave e sistemática, identifica riscos de corrupção e trabalha com o sector público para tratar estes riscos e desenvolver formas de luta contra a corrupção. A ICAC é independente do actual governo e responde perante a população de Nova Gales do Sul através do Parlamento de NSW. O que é uma conduta corrupta? Um funcionário público tem poderes, funções e conhecimentos específicos devido à posição que ocupa. A conduta corrupta ocorre quando um funcionário público utiliza ou tenta utilizar essa posição para proveito pessoal. A conduta corrupta pode ocorrer também quando uma pessoa influencia, ou tenta influenciar, um funcionário público a usar a sua posição para um outro propósito que não o benefício público. Alguns exemplos de conduta corrupta: Quando um funcionário público usa (ou faz mau uso) os bens públicos para proveito pessoal Quando um funcionário público exerce as suas funções de modo desonesto ou injusto Quando um actual (ou antigo) funcionário público utiliza de modo incorrecto as informações ou material que obteve durante o exercício das suas funções. Apresentar queixa por corrupção à ICAC 1

2 Apresentar queixa por corrupção porque é importante A corrupção que envolve funcionários públicos desperdiça recursos e dinheiro público, produz desigualdade e leva à ineficiência e à falta de confiança no governo, por parte da comunidade. Apresentar queixa de corrupção existente, ou de que se suspeita, é do interesse público. A apresentação de queixas ajuda os funcionários públicos e as organizações do sector público a prevenirem a corrupção e a lidarem com ela de modo imediato e eficaz quando ocorre. A apresentação de queixas por corrupção tem um papel vital para garantir que o sector público de NSW mantenha os padrões éticos mais elevados, para benefício de toda a comunidade. Considere informar a organização implicada As organizações do sector público de NSW são responsáveis por garantirem que têm mecanismos adequados e sistemas apropriados para lidar com relatos de corrupção internos e externos. Na maioria dos casos, a organização implicada deve ser a primeira a ser contactada, sendo através dela que os indivíduos apresentam a queixa, ou onde procuram informações sobre as práticas de funcionamento e os procedimentos da organização. A ICAC é responsável pela resolução das questões que o sector público de NSW não pode ou não deve tratar. Que questões podem ser consideradas pela ICAC? Embora a ICAC considere cuidadosamente todos os relatos que recebe, só pode agir em relação a relatos que: envolvam ou afectem um funcionário público de NSW ou uma organização do sector público de NSW, digam respeito a exercício desonesto ou parcial de funções públicas, sejam suficientemente graves para constituir um delito criminal ou disciplinar, ou constituam razão para destituição. As organizações do sector público incluem departamentos governamentais do Estado, agências regulamentadas, escolas e universidades públicas, hospitais públicos, centros de saúde locais e assembleias municipais. As pessoas que trabalham no Parlamento, em departamentos governamentais, autoridades legais e assembleias municipais de NSW, assim como os magistrados, juízes, conselheiros municipais e políticos de NSW são todos funcionários públicos. Apresentar queixa por corrupção à ICAC 2

3 Quem pode dar informações à ICAC? Qualquer pessoa pode dar informações à ICAC sobre suspeitas de conduta corrupta que envolvam ou afectem o sector público de NSW. O público em geral pode dar informações directamente à ICAC por telefone, fax, , carta ou através do site da ICAC Os funcionários públicos podem dar informações directamente à ICAC ou utilizar os procedimentos internos das suas organizações para apresentação de queixas. Os funcionários públicos podem dar este tipo de informação como declaração protegida, tendo salvaguardas contra acções prejudiciais relacionadas com a declaração. Para mais informação sobre declarações protegidas, consulte a brochura Está a pensar em denunciar? disponível no site da ICAC. Para além disso, os directores de todas as organizações do sector público de NSW são obrigados, pelo artigo 11 da lei da ICAC, a apresentar qualquer questão que eles suspeitem, com algum fundamento, que esteja ou possa estar relacionada com conduta corrupta. Para mais informação sobre a apresentação de queixas do artigo 11º, consulte o site da ICAC. Como posso informar a ICAC? Não há nenhum formato determinado para apresentar uma questão, fazer uma queixa ou dar informações à ICAC. A ICAC aceita informações e queixas do público em geral, de funcionários públicos e de altos funcionários de departamentos governamentais, autoridades e do governo local de NSW. Os relatos de suspeitas de conduta corrupta enviados à ICAC devem incluir: o nome da autoridade de NSW ou do funcionário público envolvido um resumo claro e detalhado da alegada conduta corrupta uma lista de qualquer documentação, ou outra informação, que confirme as alegações os nomes de outras pessoas que possam corroborar a informação uma ideia geral de quaisquer medidas que tenham sido tomadas para fazer chegar a questão à autoridade implicada os nomes de outras instituições que tenham sido contactadas por causa da questão (por exemplo, a polícia de NSW, ou o Provedor de Justiça de NSW). o seu nome, morada e número de telefone durante o dia. Apresentar queixa por corrupção à ICAC 3

4 Pontos a merecer atenção A informação pode ser dada à ICAC anonimamente, contudo, isto significa que a ICAC não o pode contactar para obter mais detalhes. Pode também dificultar a acção da ICAC em determinada questão. É considerado delito fazer uma declaração falsa ou enganadora à ICAC. É recomendável que não sejam dados detalhes de questões apresentadas à ICAC a terceiros, visto que isto pode comprometer qualquer investigação subsequente da ICAC. O que é que a ICAC faz com a informação que recebe? Todas as queixas e relatos recebidos são cuidadosamente considerados pela ICAC. A ICAC avalia se a questão lhe compete e qual a sua gravidade. A ICAC pode entregar a questão à organização a que se refere a queixa, pode decidir empreender a sua própria investigação ou pode decidir empreender a prevenção da corrupção e trabalho de instrução. A lei da ICAC dá à ICAC o poder de decidir se vai ou não empreender uma investigação. Este poder aplica-se a todas as informações recebidas, excepto questões indicadas por ambas as Casas do Parlamento, que a ICAC tem que investigar. A ICAC não pode processar pessoas. Pode, no entanto, recomendar ao Procurador que seja considerada a acusação de indivíduos por delitos específicos. Contacte-nos Para dar informações sobre suspeitas de conduta corrupta, é favor contactar directamente a ICAC por carta, telefone, fax ou . A informação pode também ser introduzida no site da ICAC MORADA DX GPO Box 500, Sydney, New South Wales, Australia, Sydney TELEFONE (Sem taxa adicional para telefonemas de fora da cidade metropolitana de Sydney) FACSIMILE Fale com a ICAC na sua própria língua, ligue par ao Serviço de Intérprete telefónico através do e peça-lhes para telefonar para a ICAC. Estes serviços são totalmente gratuitos. HORÁRIO DE ABERTURA 9:00 às 17:00 De Segunda a Sexta Apresentar queixa por corrupção à ICAC 4

5 Outras brochuras informativas da ICAC disponíveis Apresentação da ICAC: Um guia para a comunidade de NSW Suborno = Crime ICAC Todos os direitos reservados. Reporting corruption to the ICAC. Apresentar queixa por corrupção à ICAC 5

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA NOS NEGÓCIOS

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA NOS NEGÓCIOS CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA NOS NEGÓCIOS ÍNDICE USO ADEQUADO DE BENS E INFORMAÇÕES Nosso compromisso 3 Nosso objetivo e nossos valores 4 A quem o código se aplica 5 O que os funcionários devem fazer 6 O

Leia mais

CONHEÇA OS SEUS DIREITOS ENQUANTO VÍTIMA DE CRIME

CONHEÇA OS SEUS DIREITOS ENQUANTO VÍTIMA DE CRIME CONHEÇA OS SEUS DIREITOS ENQUANTO VÍTIMA DE CRIME Título: INFOVÍTIMAS: Conheça os Seus Direitos enquanto Vítima de Crime Autor: APAV - Associação Portuguesa de Apoio à Vítima Ilustrações: Último Take Composição

Leia mais

N.º 06. Desaparecimentos Forçados ou Involuntários DIREITOS HUMANOS. Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004

N.º 06. Desaparecimentos Forçados ou Involuntários DIREITOS HUMANOS. Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 N.º 06 Ficha Informativa Rev. 2 Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 DIREITOS HUMANOS Desaparecimentos Forçados ou Involuntários Procuradoria-Geral da República

Leia mais

Agir com integridade No mundo todo

Agir com integridade No mundo todo Código de Conduta Comercial Agir com integridade No mundo todo A coisa REAL O modo CERTO Aja com integridade. Seja honesto. Siga a lei. Cumpra o Código. Seja responsável. COCA-COLA PLAZA ATLANTA, GEORGIA

Leia mais

Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido

Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Os direitos neste Aviso são-lhe garantidos ao abrigo da lei da Inglaterra e do Pais de Gales e estão em conformidade com a Directiva da UE 2012/13 nos

Leia mais

Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional. Artigo 1º Objecto

Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional. Artigo 1º Objecto Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional Artigo 1º Objecto A presente Convenção tem como objecto promover a cooperação para prevenir e combater mais eficazmente a criminalidade

Leia mais

Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica

Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica Série de Tratados do Conselho da Europa Nº 210 Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica Istambul, 11.05.2011 www.coe.int/conventionviolence

Leia mais

É uma Questão de Ética. Política de Ética da Borealis

É uma Questão de Ética. Política de Ética da Borealis É uma Questão de Ética Política de Ética da Borealis 2 É uma Questão de Ética Introdução Ao vivenciar os nossos valores, asseguramos que a Política de Ética da Borealis não seja simplesmente palavras em

Leia mais

Está em nossas mãos. O Código de Conduta da Invensys

Está em nossas mãos. O Código de Conduta da Invensys O Código de Conduta da Invensys A partir de 1 de Julho de 2014, todas as referências à Invensys Helpline ao longo do Código de Conduta serão substituídas pela Linha Schneider Electric R&ED. Os números

Leia mais

Conduta nos negócios

Conduta nos negócios Conduta nos negócios Como funcionários, voluntários e representantes da USP, devemos conhecer e cumprir o Código e todas as leis ou POPs relacionados às nossas responsabilidades na USP, conforme aplicável.

Leia mais

Direitos do estudante no estrangeiro

Direitos do estudante no estrangeiro in EUROPE http://europa.eu/youthonthemove Direitos do estudante no estrangeiro Guia dos Direitos dos Estudantes em Mobilidade na União Europeia Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas

Leia mais

Parte B Aviso de salvaguardas procedimentais para pais de estudantes com deficiências INFORMAÇÕES GERAIS

Parte B Aviso de salvaguardas procedimentais para pais de estudantes com deficiências INFORMAÇÕES GERAIS estudantes podem conseguir resolver esses problemas Parte B Aviso de salvaguardas procedimentais para pais de estudantes com deficiências Como pai/mãe, você está autorizado a conhecer as informações sobre

Leia mais

GUIA DO DIREITO À SAÚDE

GUIA DO DIREITO À SAÚDE GUIA DO DIREITO À SAÚDE Sistema Público de Saúde (SUS), medicamentos e planos de saúde Abril/2006 ÍNDICE 1. Apresentação... 4 2. O sistema público de saúde... 5 2.1. Introdução... 5 2.2. Perguntas e respostas

Leia mais

omo ser um bom cidadão?

omo ser um bom cidadão? C omo ser um bom cidadão? Conhecer os processos para denunciar o crime Cooperação entre polícia e cidadãos 993 Prevenção e combate à criminalidade Índice Quando souber de um crime... P. 2 Como efectuar

Leia mais

O que esperar do seu médico: um guia para pacientes. Com base em boas práticas médicas

O que esperar do seu médico: um guia para pacientes. Com base em boas práticas médicas O que esperar do seu médico: um guia para pacientes Com base em boas práticas médicas Os pacientes recebem os melhores cuidados quando trabalham em parceria com os médicos. Este guia explica como pode

Leia mais

As disposições da UE em matéria de segurança social

As disposições da UE em matéria de segurança social Actualização 2010 As disposições da UE em matéria de segurança social Os seus direitos quando se desloca no interior da União Europeia Comissão Europeia As disposições da UE em matéria de segurança social

Leia mais

Declaração da OIT. Documentos fundamentais da OIT. Gabinete para a Cooperação Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal

Declaração da OIT. Documentos fundamentais da OIT. Gabinete para a Cooperação Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Organização Internacional do Trabalho 2007 Documentos fundamentais da OIT Constituição da Organização Internacional do Trabalho Declaração de Filadélfia Declaração da OIT relativa aos Princípios e Direitos

Leia mais

Direitos de Pais na Educação Especial. Departamento de Educação de New Jersey. Christopher D. Cerf Comissário da Educação

Direitos de Pais na Educação Especial. Departamento de Educação de New Jersey. Christopher D. Cerf Comissário da Educação Departamento de Educação de New Jersey Christopher D. Cerf Comissário da Educação Barbara Gantwerk Assistante do Comissário Divisão de Serviços de Campo e do Estudante Peggy McDonald Diretora Secretaria

Leia mais

A Convenção sobre os Direitos da Criança

A Convenção sobre os Direitos da Criança A Convenção sobre os Direitos da Criança A Convenção sobre os Direitos da Criança Adoptada pela Assembleia Geral nas Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 e ratificada por Portugal em 21 de Setembro

Leia mais

uma Europa para e com as Crianças Diretrizes do Comité de Ministros do Conselho da Europa sobre a justiça adaptada às crianças

uma Europa para e com as Crianças Diretrizes do Comité de Ministros do Conselho da Europa sobre a justiça adaptada às crianças m o n o g r a f i a 5 uma Europa para e com as Crianças Construir Diretrizes do Comité de Ministros do Conselho da Europa sobre a justiça adaptada às crianças Diretrizes do Comité de Ministros do Conselho

Leia mais

Código de Ética e Princípios de Negócios

Código de Ética e Princípios de Negócios Código de Ética e rincípios de Negócios Garantindo o desempenho com integridade Sumário Declaração do residente do Conselho de Administração e do Chefe Executivo Nossos Valores rincípios Básicos Administração

Leia mais

N.º 21 1995 2004 Ficha Informativa O Direito Humano a uma Habitação Condigna

N.º 21 1995 2004 Ficha Informativa O Direito Humano a uma Habitação Condigna N.º 21 Ficha Informativa Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 O Direito Humano a uma Habitação Condigna A colecção Fichas Informativas sobre Direitos Humanos

Leia mais

Convenção contra a Tortura e Outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos ou Degradantes

Convenção contra a Tortura e Outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos ou Degradantes Convenção contra a Tortura e Outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos ou Degradantes Adoptada e aberta à assinatura, ratificação e adesão pela resolução n.º 39/46 da Assembleia Geral das Nações Unidas,

Leia mais

Banco Nacional de Angola. Guia sobre a implementação de um programa de prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo

Banco Nacional de Angola. Guia sobre a implementação de um programa de prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo Banco Nacional de Angola Guia sobre a implementação de um programa de prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo Documento destinado às instituições financeiras sob a supervisão

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PROTEÇÃO DE TODAS AS PESSOAS CONTRA O DESAPARECIMENTO FORÇADO. Preâmbulo

CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PROTEÇÃO DE TODAS AS PESSOAS CONTRA O DESAPARECIMENTO FORÇADO. Preâmbulo CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PROTEÇÃO DE TODAS AS PESSOAS CONTRA O DESAPARECIMENTO FORÇADO Preâmbulo Os Estados Partes desta Convenção, Considerando a obrigação, imposta aos Estados pela Carta das Nações

Leia mais

CIF. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Classificação Detalhada com definições

CIF. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Classificação Detalhada com definições Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde Classificação Detalhada com definições Todas as categorias com as suas definições, inclusões e exclusões Organização Mundial da Saúde

Leia mais

GUIA PARA PROCESSOS CRIMINAIS NOS ESTADOS UNIDOS

GUIA PARA PROCESSOS CRIMINAIS NOS ESTADOS UNIDOS GUIA PARA PROCESSOS CRIMINAIS NOS ESTADOS UNIDOS Além do Guia para processos criminais nos Estados Unidos exposto a seguir, http://usinfo.state.gov/usa/infousa, http://thomas.loc.gov/ e www.uscourts.gov/understand02/

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA. Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA. Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010 INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010 INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA PROGRESSOS E DESENVOLVIMENTOS 2005 2010 European Agency for Development in Special Needs Education

Leia mais

ESTATUTO DA ORDEM DOS ARQUITECTOS

ESTATUTO DA ORDEM DOS ARQUITECTOS AO R D E M D O S A R Q U I T E C T O S ESTATUTO DA ORDEM DOS ARQUITECTOS Decreto-Lei n.º 176/98 de 3 de Julho, publicado no Diário da República n.º 151/98, 1.ª Série A estatuto da ordem dos arquitectos

Leia mais