O Amor e seus transtornos a partir de Hilda Hilst e seus devoramentos. Andrea Fricke Duarte Mestranda PPG Psico Social/UFRGS I- Hilda Hilst nos devora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Amor e seus transtornos a partir de Hilda Hilst e seus devoramentos. Andrea Fricke Duarte Mestranda PPG Psico Social/UFRGS I- Hilda Hilst nos devora"

Transcrição

1 O Amor e seus transtornos a partir de Hilda Hilst e seus devoramentos Andrea Fricke Duarte Mestranda PPG Psico Social/UFRGS I- Hilda Hilst nos devora VI-ME AFASTADA DO CENTRO de alguma coisa que não sei dar nome, nem porisso irei à sacristia, teófaga incestuosa, isso não, eu Hillé também chamada por Ehud A Senhora D, eu Nada, eu Nome de Ninguém, eu à procura da luz numa cegueira silenciosa, sessenta anos à procura do sentido das coisas. Assim começa o romance A Obscena Senhora D, da escritora brasileira Hilda Hilst. Esta é a fala de Hillé, a personagem. Uma senhora de sessenta anos que escolhe o vão da escada para morar. Seu marido Ehud, morre um ano, ela diz, após essa sua retirada do espaço comum. Dali do vão da escada ela conversa com ele, com alguns poucos moradores da vila onde mora e também conversa com Deus, o qual ela chama às vezes de O Porco-menino, menino-louco, menino-precioso. Hilda Hilst nos apresenta uma mulher-personagem que quer encontrar respostas. O diálogo com seu marido é sempre o do desencontro entre o desejo de ambos. Hillé quer compreender, O todo, o incomensurável, seu corpo, a matéria, nada mais parece dizer-lhe respeito, enquanto para Ehud, o mundo concreto do sexo, do café, do passeio na rua, esse mundo da cotidianidade lhe é familiar. Não há encontro entre eles: o entender de nós todos o destino, um dia vou compreender, Ehud compreender o quê? isso de vida e morte, esses porquês escute, Senhora D, se ao invés desses tratos com o divino, desses luxos do pensamento, tu me fizesses um café, hen?(p.18) Há na personagem uma busca desenfreada por respostas que dessem a ela alguma garantia de sentido. Derrelição pela última vez Hillé, Derrelição quer dizer desamparo, abandono, e porque me perguntas a cada dia e não reténs, daqui por diante te chamo A senhora D. D de derrelição, ouviu? (p.35)

2 Então Hillé volta a falar a sós, narrando seu desamparo frente à espera de um Deus que a teria abandonado, e num complexo jorro de palavras, intercalando o cômico e o grotesco da humanidade, Hillé testemunha ao leitor horrores das páginas dos jornais, situações de violência e corpos torturados. Ao relatar terríveis fatos, insiste na sua condição desamparada frente a uma suposta totalidade, o porco-menino, que a cada página está mais esburacado. Edson Sousa (2007/2009), professor e psicanalista, pesquisador da questão das utopias hoje relembra a importância do precário e do informe como condição de resistência política. Vai trazer a dimensão da utopia num sentido negativo, de fracasso 1, como uma operação de esburacamento dos ideais, de desclassificar o sujeito, levá-lo a uma perturbação que lhe restitua uma chance de enunciação mesmo em estado de desespero. Isto nos interessa uma vez que apostamos que haja uma transmissão na fala desesperada de Hillé que precisa ser escutada. Nós leitores avançamos extenuados, ora rindo pelo modo absurdo com que Hilda Hilst encadeia à narrativa, ora horrorizados com um vislumbre cada vez mais vívido do nosso próprio desamparo. Na primeira frase do romance, Hillé se intitula teófaga. Teófago é aquele que come deus. Aqui não temos bem certeza quem é devorado. Ora somos nós leitores, devorados pelas perguntas irrespondíveis de Hillé, de sua fúria desejosa e desesperada por alguma garantia, qualquer em que ela pudesse repousar um pouco a cabeça. Ora, será ela devorando a divindade, furando sua idéia de totalidade, tornando o divino entre o humano e o animal: o porco-menino, entre uma infância louca desgovernada e a animalidade. O que Hilda Hilst põe em cena é justamente uma tensão, entre o desejo intenso de encontrar uma resposta, completa e segura das coisas e a impossibilidade mesma de alcançá-la. Já que com a parte, o seu marido com suas falhas, a compreensão impossível, o desencontro persiste por uma recusa. E com a totalidade, e aí talvez entre de modo mais sutil a ironia de Hilda Hilst, é desde o princípio um encontro falhado, eis que a totalidade está destroçada de sua própria qualidade, que é a sustentação da idéia de divindade. Em determinado momento Hillé pergunta: Ai Sr. tens igual a nós o fétido buraco? (p.45) Esse Deus, um porco-menino, que teria respostas, que faria sentido, que taparia o furo da existência, não fosse ele um porco. 1 JAMESON (1997)

3 II Amor parcial? Se a psicanálise fizesse do amor um princípio de salvação ela se tornaria uma mística (Fédida, 1988, p.42) Fédida em palestra intitulada Amor e morte na transferência (1981) situa o amor e as pulsões parciais a partir de dois pontos importantes. Primeiro ele traz a difícil tarefa de unificar contrários e enfrentar a ambigüidade, por exemplo, da abertura da palavra amor, que ao abrir-se como ternura e sexualidade traz o intolerável. Para um pai ou uma mãe desidealizar o seu amor pelo filho e pela filha e deparar no interior de si com um desejo sexual pelo filho ou pela filha, é intolerável. Portanto, a totalização do amor, aparece como uma proteção, diz ele: A totalização do amor equivale à autoconservação do eu. Poderíamos dizer que o que faz o princípio de totalização é a morte, mas a morte não realizada, de forma que assegura ao eu a função de unidade psicológica, de identidade pessoal, a tal ponto que se a palavra amor vem a se abrir, é o eu que se vê ameaçado. (P.45). A segunda colocação que Fédida faz, retomando Freud, é concepção da sexualidade também como uma intrusão estranha que gera angústia, e também ameaça a integridade do eu. Podemos encontrar no livro de Hilda Hilst esse confronto com o sexual, a cada momento reapresentado pelos apelos de Ehud e uma espécie de fragmentação de Hillé, que diz: não posso dispor do que não conheço, não sei o que é corpo mãos boca sexo, não sei nada de você Ehud, a não ser isso de estar sentado agora no degrau da escada, isso de me dizer palavras, nunca soube nada, é isso nunca soube.... Parece que a maestria de Hilst está em manter uma idéia de uma totalidade sendo buscada, como pano de fundo do romance, mas a compulsão a que retorna Hillé é o sempre deparar-se com a falha, com o impossível desta busca, somada ao impossível amparo na sua relação amorosa. De certa forma Hilda Hilst denuncia a precária estrutura do humano neste jogo de pulsões, que sufocam, asfixiam, num mergulho intenso, que é o sentimento de Hillé perturbado pela busca de uma totalidade, e a insistente queda no abismal absurdo da existência. III Amor mais negativo

4 Que imagens podem nos fazer parar? Que imagens podem restituir minimamente a inexatidão do viver?(sousa, 2007) Pensar o amor como síntese, em busca de uma totalidade, nas formas da união mística, aqui, a queixa de desamparo de Hillé, aproximam-se das organizações delirantes e até mesmo fetichistas, diz Fédida, ao colocar o outro como ideal do eu. E o que seria preciso é justamente poder admitir os contrários e fazê-los coexistir no interior de si mesmo, fazê-los co-habitar, fazê-los frutificar juntos. Portanto poder romper a clivagem e assim poder estar do lado da análise do amor e não da sua síntese. (p.45) Fédida vai pensar na tentativa filosófica, que tem por objetivo a resolução dos contrários, esperando encontrar uma síntese. E afirma que toda posição filosófica assim constituída é anti-psicanalítica. Há sempre o amor mais a morte, o amor mais o ódio, o amor mais o negativo. A análise é sempre estar em contato com o negativo. (p.47). Isso é muito importante para pensar certa função que o livro A Obscena Senhora D de Hilda Hilst assume, tentando fazer co-existir contrários, na figura de alguém que tenta desesperadamente uma ascese, uma subida de salvação, e ao lado, narrações da degradação humana e xingamentos para uma divindade tomada ora como uma criança louca ora como um animal. Essa perspectiva negativa, apontada por Fédida também participa da dimensão utópica que nos traz a diluição das formas como uma potência, vendo no desequilíbrio, no inexato e no informe possibilidades de surgimento de um novo. Um fio de navalha na língua de Hilda Hilst. O amor e seus componentes tóxicos, não estarão em relação à impossibilidade de criar aberturas, de criar uma mínima distância para poder perceber o outro? Quando Hillé nos assalta com suas irrespondíveis perguntas, sua desmedida agonizante, não somos nós, leitorestestemunhas desta impossibilidade de encontrar respostas, confrontados com o ponto de furo, com um limite, com as falhas? Bibliografia HILST, Hilda. A Obscena Senhora D. São Paulo: Globo, JAMESON, Frederic. As sementes do tempo, São Paulo: Editora Ática, 1997.

5 FÉDIDA, Pierre. Clínica Psicanalítica: estudos. São Paulo: Escuta, SOUSA, Edson Luis Andre de. Para não ficar de mãos vazias. In: FONSECA, Tânia M. G.Org; ENGELMAN, Selda. Org; Corpo, Arte e Clínica. Porto Alegre: Editora da UFGRS,2004. SOUSA, Edson Luis Andre de. Uma Invenção da utopia. São Paulo: Lumme Editor, SOUSA, E. L. A.. Utopia e objeto a. Polêm!ca, v. 8, p , 2009.

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais:

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais: Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL Declaração de cessão de direitos autorais: Eu Luciano Bregalanti Gomes, autor do trabalho intitulado O amor de transferência no trabalho

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 Anelise Scheuer Rabuske Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de,

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbios 22:6)

Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbios 22:6) "A mãe ou o pai que leva o filho para a igreja, não vai buscá-lo na cadeia..." Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbios 22:6) Filhos, obedecei

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor:

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor: Projeto ESCOLA SEM DROGAS Interpretando o texto Por trás das letras Nome: Escola: Série: Título: Autor: O que a capa do livro expressa para você? Capitulo 1 - Floresta Amazônia Por que a autora faz uma

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 157 A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 Somos a continuação de um fio que nasceu há muito tempo atrás... Vindo de outros lugares... Iniciado por outras pessoas...

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

O SR. REMI TRINTA (PL-MA) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O SR. REMI TRINTA (PL-MA) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O SR. REMI TRINTA (PL-MA) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, levantamento do Governo Federal mostra que 135 pessoas, entre homens e mulheres, moram em logradouros

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA Fabiana Camara 1 A partir da experiência de supervisão em dois, dos 22 SRTs pertencententes à rede de saúde mental da prefeitura

Leia mais

Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. *

Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. * Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. * Amarílio Campos 1 Tudo permite a natureza, por suas leis assassinas: O incesto e o estupro, o furto e o parricídio. Todos os prazeres de Sodoma, os jogos

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais.

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. Cristianne Spirandeli Marques 1 Iralva Moreira Soares Milagre 2 Introdução Alguns autores

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

O sonho e o despertar

O sonho e o despertar 189 Nery Filho, MacRae, Tavares e Rêgo O sonho e o despertar Jane Alves Cohim Silva 1 A partir do atendimento clínico a adolescentes é possível observar que, mesmo que alguns comportamentos sejam considerados

Leia mais

UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais. Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização nos

UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais. Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização nos 1 UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais Maíla do Val Machado 1 Cláudia Amarante 2 Elaine Maria C. Zanolla Dias de Souza 3 Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização

Leia mais

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 Chistophé Honoré, diretor do filme A bela Junie, inspira-se no romance A Princesa de Clèves, publicado anonimamente por Madame de Lafayette,

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas.

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Caro(a) participante: Esta é uma pesquisa do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná e

Leia mais

ESPIRITUALIDADE E EDUCAÇÃO

ESPIRITUALIDADE E EDUCAÇÃO Instituto de Educação infantil e juvenil Outono, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Edição IX MMXIII texto Grupo A ESPIRITUALIDADE E EDUCAÇÃO Há alguns meses estamos trabalhando

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

O ANO-NOVO ALGUNS ANOS ANTES

O ANO-NOVO ALGUNS ANOS ANTES O ANO-NOVO ALGUNS ANOS ANTES Victoria Saramago 1 1 É mestranda em Literatura Brasileira pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, com bolsa da FAPERJ. Contos e etc. Ela me repetia aquela história,

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

O que dizem os autistas?

O que dizem os autistas? Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 11 julho 2013 ISSN 2177-2673 1 Iván Ruiz Acero (ELP) Quem escuta hoje os sujeitos autistas? De que maneira escutamos seu saber silencioso? Atualmente a palavra

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

NÃO HÁ ATO SEXUAL, MAS HÁ ATO PSICANALÍTICO

NÃO HÁ ATO SEXUAL, MAS HÁ ATO PSICANALÍTICO NÃO HÁ ATO SEXUAL, MAS HÁ ATO PSICANALÍTICO Jacques Laberge 1 Não há ato sexual, mas há ato psicanalítico! Isso é uma compensação? Não há ato sexual, mas há ato de casamento. Para confirmar que não há

Leia mais

Contexto Espiritual.

Contexto Espiritual. Contexto Espiritual. Senisio Antonio 2 Contexto Espiritual Contexto Espiritual. 3 Senisio Antonio Projeto Força de Ler Senisio Antonio. 37980-000 Cássia MG Responsabilidade pela revisão: Maria Aparecida

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus OBJETIVOS 1) Analisar em que se resume a autoridade do Cristo. 2) Esclarecer como o Espiritismo explica essa autoridade. IDEIAS PRINCIPAIS 1) Sob a autoridade moral do Cristo, somos guiados na busca pela

Leia mais

moralista para com os idosos. Não é muito fácil assumir o ódio contra a natureza do humano quando ele se refere à velhice. Existe uma tendência a

moralista para com os idosos. Não é muito fácil assumir o ódio contra a natureza do humano quando ele se refere à velhice. Existe uma tendência a José Carlos Zeppellini Junior: Especialista em Psicopatologia pelo NAIPPE/USP, Mestrado em Psicologia Clínica realizado no Laboratório de Psicopatologia Fundamental da PUCSP e Segundo Secretário da Associação

Leia mais

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009 Lia no infinitivo Vitor Butkus A análise de um objeto artístico pode se valer de procedimentos drásticos, mesmo cruéis. Um bom começo, para amenizar a situação, é a descrição da obra. Por aí, se elabora

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

A turma. parte I Língua Portuguesa parte II Matemática

A turma. parte I Língua Portuguesa parte II Matemática parte I Língua Portuguesa parte II Matemática A turma 5 10 15 20 25 Eu também já tive turma, ou melhor, fiz parte de turma e sei como é importante em certa idade essa entidade, a turma. A gente é um ser

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

NONADA... Maria do Socorro Soares Cavalcanti 1. ... não querer nada de tanto querer só tudo. (Guimarães Rosa)

NONADA... Maria do Socorro Soares Cavalcanti 1. ... não querer nada de tanto querer só tudo. (Guimarães Rosa) NONADA... Maria do Socorro Soares Cavalcanti 1... não querer nada de tanto querer só tudo. (Guimarães Rosa) A poesia é criação de um sujeito assumindo uma nova ordem de relação simbólica com o mundo. Lacan

Leia mais

Quarenta Dias e o Elogio da Cordialidade

Quarenta Dias e o Elogio da Cordialidade Quarenta Dias e o Elogio da Cordialidade Rinaldo de Fernandes Doutor em Letras pela Unicamp e professor de literatura na Universidade Federal da Paraíba (UFPb). Autor dos romances Rita no pomar (7Letras,

Leia mais

anti-heróis & aspirinas yury hermuche

anti-heróis & aspirinas yury hermuche anti-heróis & aspirinas yury hermuche A aspirina é um pó branco e cristalino, com ponto de fusão a 135 graus celsius, também conhecido como ácido acetilsalicílico. É vendido compactado em pastilhas. Sua

Leia mais

O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade.

O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade. O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade Maria Luiza de Assis Moura Ghirardi 1 Resumo A partir da escuta clínica de

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé!

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé! Faculdades EST- Pastoral Universitária Culto de Abertura do Semestre 2013/2 Prédica sobre Lucas 11.1-13 Pastora Iára Müller Leitura de Lucas 11.1-13 O tema da oração e da persistência em orar sempre volta

Leia mais

Há um acontecimento de corpo

Há um acontecimento de corpo Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ram Avraham Mandil Para uma discussão sobre a lógica do tratamento a partir do Seminário...ou pior, de Jacques Lacan, gostaria

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Às vezes eu tenho medo Autor: Michaelene Mundy Ilustrações: Anne Fitzgerald Coleção: Às vezes eu tenho medo Formato: 20,5 cm

Leia mais

INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA

INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA DE LAJONQUIÈRE, L INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA ESCRITOS DE PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO São Paulo, Vozes, 1999 Renata Petri "A educação é impossível!" É assim que se inicia esse livro de Leandro de Lajonquière,

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Madness relocated and adolescence: Discussion of a psychoanalytically oriented interview

Madness relocated and adolescence: Discussion of a psychoanalytically oriented interview A loucura deslocalizada e a adolescência: Discussão de uma entrevista de Orientação Psicanalítica Madness relocated and adolescence: Discussion of a psychoanalytically oriented interview Maria Rachel Botrel

Leia mais

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Um encontro com Deus vivo A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (Jo 6,68) Recordando a história... A leitura orante da Palavra é uma tentativa de responder

Leia mais

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO A TEXTOS SAGRADOS: MENSAGENS E ORIENTAÇÕES Os textos escritos, orais e artísticos

Leia mais

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO PRIMEIRO ATO ARGUMENTO Entrando numa horta, procurando um falcão de sua propriedade, Calisto encontra Melibéia. Empolgado de amor por ela, põe-se a falar. Rechaçado por ela volta para casa angustiado.

Leia mais

HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO?

HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO? HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO? Em 1984 legalizou-se o aborto em Portugal, mas os prazos dessa lei já foram alargados. Desde 1997 tornou-se legal abortar por razões de saúde da

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

PSICOSE E REENCARNAÇÃO

PSICOSE E REENCARNAÇÃO Matéria de capa 6 PSICOSE E REENCARNAÇÃO NESTA ENTREVISTA, O DR. MÁRIO SÉRGIO SILVEIRA, PSICOTERAPEUTA, EXPLICA COMO O ESPIRITISMO PODE ABRIR NOVAS PERSPECTIVAS NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS MENTAIS Por Érika

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

a. Do estagiário em psicoterapia psicanalítica ao psicanalista em formação.

a. Do estagiário em psicoterapia psicanalítica ao psicanalista em formação. a. Do estagiário em psicoterapia psicanalítica ao psicanalista em formação. b. Germano Almeida Faria Fortunato Pereira Rua São Francisco Xavier, 263. Bairro Tubalina, Uberlândia-MG. 38412-080 c. Graduado

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Violência Doméstica contra Crianças sob a

Violência Doméstica contra Crianças sob a Apresentação Maria Alice Barbosa de Fortunato Autores: Kássia Cristina C. Pereira* Maria Alice B. Fortunato* Marilurdes A. de M. Álvares* Orientadora: Lygia Maria Pereira da Silva** * Fiocruz CPQAM/ NESC

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Cristina Marcos No filme Sonata de Outono, Bergman nos dá a ver a conturbada relação entre mãe e filha, marcada pela impossibilidade do amor.

Leia mais

Velhos sonhos 1. Laís RAWSKI 2 Amanda FURMAN 3 Jéssica SENNA 4 Luiza ROMAGNOLI 5 Felipe HARMATA 6 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Velhos sonhos 1. Laís RAWSKI 2 Amanda FURMAN 3 Jéssica SENNA 4 Luiza ROMAGNOLI 5 Felipe HARMATA 6 Universidade Positivo, Curitiba, PR Velhos sonhos 1 Laís RAWSKI 2 Amanda FURMAN 3 Jéssica SENNA 4 Luiza ROMAGNOLI 5 Felipe HARMATA 6 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O documentário Velhos Sonhos busca mostrar algumas experiências

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Antes de tudo... Obrigado!

Antes de tudo... Obrigado! Antes de tudo... Obrigado! Eu, Luiz Felipe S. Cristofari, agradeço por ter baixado esse PDF. Criei esse material para ajudar você a ter mais sucesso com suas ideias na internet e fico muito feliz quando

Leia mais

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo Juliana DUARTE Resumo O presente trabalho tem o objetivo de mostrar o trabalho realizado

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais