Fundação IDEPAC Todos os direitos reservados.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2005-2008 Fundação IDEPAC Todos os direitos reservados."

Transcrição

1 Fundação IDEPAC Todos os direitos reservados.

2

3 ÍNDICE 1. BREVE HISTÓRIA DA REDE QUAL SOFTWARE UTILIZAR? MONTANDO UMA REDE FISICAMENTE CABEAMENTO INTERFERENCIA EM CABEAMENTO METALICO MÉTODOS P/ REDUZIR NÍVEIS DE RUÍDOS ELET. EM SIST.DE CABEAMENTO TÉCNICAS DE PROTEÇÃO MONTANDO CABO PAR TRANÇADO ESTRUTURA DE CABEAMENTO PARA REDES CABEAMENTO NÃO ESTRUTURADO CABEAMENTO ESTRUTURADO TOPOLOGIA BASICA FIXAÇÃO DOS CABOS UTP OUTRO MODO DE COMUNICAÇÃO VIA REDE EXERCÍCIOS SUGESTÃO PARA UMA REDE ELÉTRICA SISTEMA DE ATERRAMENTO CONSEQUENCIAS DA FALTA DE ATERRAMENTO O QUE NÃO SE DEVE FAZER DOCUMENTANDO UMA REDE EXERCÍCIOS PROTOCOLOS DE REDE CLASSES DE IP PROTOCOLOS TCP\IP NETBEUI IPX/SPX EXERCÍCIOS CONFIGURAR REDE LÓGICA REDE CLIENTE SERVIDOR REDE PONTO A PONTO CONFIGURANDO REDE WINDOWS COMO FAZER COMPARTILHAMENTO NA REDE WINDOWS MAPEAMENTO PARA WINDOWS EXERCÍCIOS CONFIGURANDO WINDOWS XP CRIANDO CONTAS DE USUÁRIOS COMPARTILHAMENTO COM O XP MAPEAMENTO NO WINDOWS XP INSTALANDO DHCP EXERCÍCIOS 51 BIBLIOGRAFIA 52

4 1.BREVE HISTÓRIA DA REDE Os primeiros computadores não eram multiusuários. A preocupação dos inventores, era a forma de funcionar aquele amontoado de fios, válvulas e outros componentes eletrônicos. Com a introdução dos computadores nas empresas e entidades governamentais, ficou muito claro que os computadores só seriam úteis se utilizados por mais de uma pessoa. Surgiram assim os primeiros computadores multiusuários. O funcionamento em rede era situação normal antigamente, quem não se lembra dos filmes de ficção cientifica antigos, onde existia uma sala enorme só para os computadores, nas décadas de 60 e 70?. Na que época existia uma CPU para vários terminais, chamados de terminais burros, tinham apenas teclado e mouse, estes acessavam todos os recursos do computador central, incluindo processador e memória. Este sistema era muito lento, e os programadores tinham que se esforçar para criar programas ágeis e pequenos, para se ter uma idéia veja o comparativo abaixo: Ontem Hoje Velocidade processador (clock) Velocidade processador (clock) 1 Mhz 800, 900 Mhz, 1, 2 Ghz Memória Ram Memória Ram 128 Kb 128 Mb Espaço HD Espaço HD 100 Mb 40 Gb E estes computadores de ontem tinham que abastecer uma rede de 100 a 200 terminais burrosi imaginem a velocidade para executar uma tarefa. Os números acima refletem quanto foram melhorados os computadores desde o principio (cerca de vezes). Página 2

5 A história da informática começou a mudar na década de 80, com o lançamento do IBM PC que marcou o inicio do predomínio da INTEL, com os processadores séries Z80 como 8088 e 8086 (XT), (AT), 80386, 80486, Pentium e assim por diante. Nesta época surgiu também a NOVELL mesmo tendo um custo muito elevado, cerca de US$ por estação a Novell conquistou um nome no mercado e montou uma base sólida. O que mudou com os PC? A diferença é que o processamento deixou de ser executado no computador central e passou a ser feito em cada estação, criou-se inclusive o termo downsizing que significa diminuir o tamanho, este termo constitui em substituir antigos computadores com processamento centralizado por unidade autônomas. Até a década de 90 a novell praticamente dominou sozinha o mercado, até o surgimento da concorrência (Microsoft), que embutiu no seu sistema Windows, a partir da versão 3.11 um bom sistema de compartilhamento de recursos, e começou a asfixiar a rainha das redes. Hoje alem da Microsoft temos surgindo o LINUX que alem de ser um software gratuito (baixo custo) tem ótimas ferramentas para acesso e segurança da internet Que software utilizar? Comparação entre diversos softwares de rede Windows 9x Windows NT /2000 / XP /2003 Novell Linux Fácil instalação Instalação mais complicada Exige qualificação técnica Exige qualificação técnica Valor software baixo Valor alto software Valor alto software Valor baixíssimo software Nível baixo de segurança Nível alto segurença Nível alto segurança Nível alto de segurança Exige muitos aplicativos Exige muitos aplicativos Quantidade aplicativos regular Poucos aplicativos Até 10 terminais Varios terminais + depende de licença Varios terminais + dep.licenças Numero ilimitado Servidor internet fraco Bom servidor de internet Médio servidor de internet Muito bom serv. Internert Estes são os softwares para redes existentes hoje no mercado, cada um tem a suas vantagens e desvantagens, mas quem deve optar pelo tipo de rede a ser utilizada no seu ambiente é a pessoa que vai adquirir o produto, não o técnico que irá executar a instalação, o técnico deve mostrar ao cliente custo beneficio de cada software. Nesta apostila iremos explicar e exemplificar cada um destes aplicativos. Mas antes temos que conhecer alguns itens importantes para instalação de qualquer tipo de rede. Página 3

6 2.MONTANDO UMA REDE FISÍCAMENTE 2.1. CABEAMENTO. Antigamente as redes eram montadas a partir de cabos coaxiais de 50 ohms. Hoje, eles foram substituídos por cabos de par trançado, os UTP (Unshielded Twisted Pair ou Par Trançado sem Blindagem) e STP (Shielded Twisted Pair Par Trançado com Blindagem). Coaxial Par Trançado (UTP) Este cabo, par trançado, tem um custo baixo e fácil de se manusear, porém não oferecem uma proteção muito grande contra ruídos (interferências). Os cabos UTP/STP são divididos em categorias de acordo com a frequência suportada, conforme abaixo: Categoria 1 (CAT 1) Voz (cabo telefônico) Categoria 2 (CAT 2) Dados a 4 Mbps (Megabit por segundo) Categoria 3 (CAT 3) Dados até 10Mbps (Megabit por segundo) Categoria 4 (CAT 4) Dados até 20Mbps (Megabit por segundo) Categoria 5 (CAT 5) Dados até 100Mbps (Megabit por segundo) Categodia 5e (CAT 5e) Dados até 1000Mbps (Gigabit por segundo) Categoria 6 (CAT 6) Dados acima de 1000Mbps (Gigabit por segundo) Categoria 7 ( CAT 7) Dados acima de 1000Mbps (Gigabit por segundo) Página 4

7 Os cabos mais utilizados atualmente são os de categoria 5e (CAT 5e) são cabos que suportam redes baseadas em gigabit (1000 Mbps), melhor que o CAT 5 por ter mais tranças e ser fabricado com maior qualidade de material. Cabos CAT 6 apesar de já estarem disponíveis no mercado, seu custo é bem mais alto que o da CAT 5e, sendo mais utilizado por grandes corporações, os cabos de CAT 7 ainda estão sendo testados INTERFERENCIA EM CABEAMENTO METÁLICO: Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as principais causas de defeitos em redes de computadores, são chamadas de interferências eletromagnéticas (EMI) e interferência de rádio freqüência (RFI). Causadores de ruídos elétricos: Descarga atmosférica (raios), motores elétricos, equipamentos industriais, transmissores de rádio, relés, termostatos, luzes fluorescentes MÉTODOS PARA REDUZIR NÍVEIS DE RUIDOS ELÉTRICOS EM SISTEMAS DE CABEAMENTOS: Balancear os níveis de tensão nas extremidades dos cabos. Blindagem na estrutura de passagem dos cabos. Aterramento elétrico TÉCNICAS DE PROTEÇÃO: Blindagem Utilização de cabo STP (blindado) funciona como uma barreira para os sinais de interferência, obviamente a trança ou malha aumenta o diâmetro e o custo do cabo. Página 5

8 Cancelamento È o que chamamos de tranças, a corrente de um fio cria um campo eletromagnético ao seu redor, se os dois fios estiverem próximos seus campos eletromagnéticos serão opostos. O efeito cancelamento, é melhorar o trançado dos fios MONTANDO UM CABO PAR TRANÇADO: Para iniciarmos a montagem do cabo, necessitamos de ferramenta adequada, que são: alicate de crimpagem, conector RJ-45, teste de cabo ou cabling test e o cabo UTP. Alicate de crimpagem Conector RJ 45 Teste Cabo Esquema de pinagem dos conectores RJ45: Até aqui aprendemos como preparar o material para podermos montar os cabos de uma rede, agora iremos ver qual a melhor estrutura para se fazer a passagem destes cabos nos vários ambientes para a conexão dos equipamentos. Página 6

9 2.6. ESTRUTURAS DE CABEAMENTO PARA REDES: Cabeamento não estruturado: É aquele que não tem um planejamento prévio e não considera modificações ou expansões futuras. Utiliza cabos dedicados cada aplicação especifica, como, cabo para voz, dados, etc...a instalação física do cabeamento não estruturado apresenta vantagens iniciais de custo relativamente baixo e um tempo de implantação pequeno se comparado ao cabeamento estruturado. Funciona bem em ambientes que não sofrem alterações constantes no layout físico, os usuários raramente mudam de posição. Outras características de rede não estruturada: Passagem dos cabos é feita em estrutura já existente, nem sempre adequada (sistema elétrico). Não utiliza qualquer tipo de organizador de cabos ( Path panel). Não envolve obras civis, quando os dutos não são suficientes, utilizam-se caminhos adicionais (canaletas). Pouca ou nenhum flexibilidade. Não oferecem documentação adequada Cabeamento estruturado: Atualmente é a estrutura ideal para uma infra-estrutura de redes locais. Baseia-se em previsão adequada para atender quaisquer exigências de expansão ou alteração na infra-estrutura física da rede. Outras características da rede estruturada: Passagem de cabos em estrutura planejada e adequada ( calhas de piso ou piso elevado). Utiliza organizadores de cabos, racks, patch panel. Alta flexibilidade. Exige documentação adequada. Página 7

10 O propósito de uma rede estruturada é montar uma base sólida para o bom desempenho de uma rede, nessa estrutura diferente da anterior, temos centralizado os sistemas de informações, com dados, voz, imagem etc...,que devido aos dispositivos padronizados, podem ser facilmente redirecionados entre quaisquer pontos da rede Topologia Básica: De acordo com as normas técnicas ANSI/EIA/TIA-568-A e ANSI/EIA/TIA-606, Ansi- American National Standards Institute ( Instituto Nacional Americano de Padrões) TIA Telecomunications Industry Association ( Associação das Industrias de telecomunicações EIA Eletronic Industries Alliancce ( Aliança das Industrias Eletrônicas). A instalação de um cabeamento divide-se em sete elementos basicamente: 1- Cabeamento Horizontal: Ligam o painel de distribuição ao ponto final do cabeamento. Ele é permanente e são chamados de cabos secundários,por eles trafegam as informações de dados voz e imagens, ligados as tomadas (conectores) que podem ser alteradas (de voz para dados por exemplo) conforme a necessidade do usuário, bastando mudar o patch-cord (cabo) no painel de distribuição. 2- Cabeamento Vertical: Cabeamento tronco, cabos primários interligam a sala de equipamentos ao backbone e a pontos de facilidade de entrada. 3- Área de trabalho: É o local de trabalho do usuário final, onde ele acessa o sistema por meio de tomadas ou conectores fixos para a conexão de cada equipamento. 4- Salas de telecomunicações: São locais de terminações dos cabos, interligam o sistema horizontal ao backbone, onde estão distribuídos os repetidores (switchies), racks e acessórios, blocos de conexão, patch panel, etc. Normalmente ficam um em cada andar. Página 8

11 5- Sala de equipamentos: Este local pode ser uma sala,um quadro ou um armário. Nele costuma-se instalar o painel de manobras, que pode ser composto patch panels, bloco 110, blocos de saídas rj45 ou distribuidores óticos. 6- Facilidade de entrada : (DGT) Distribuidor Geral de Telecomunicações, é onde se realiza a interface entre a estrutura externa e interna do cabeamento. Maiores que os armários de telecomunicações, abrigando os cabos de telefonia da concessionária, normalmente localizados no térreo ou subsolo do edifício. (exemplos de serviços segurança, telefonia, redes corporativas e outros serviços). Alguns equipamento citados acima: Guia de cabos Painel de controle Patch panel Página 9

12 Rack Switch Patch cord Fixação dos cabos UTP - Não exceder a curvatura num anglo maior que 90º. - Evitar que sejam amassados ou marrados de forma incorreta (utilizar velcro) - Cada seguimento de cabo não deverá ultrapassar a 100mts - Os cabos devem passar a distancia de 1,20mts de motores e transformadores centímetros de conduítes e cabos de distribuição de energia elétrica centímetros de lâmpadas fluorescentes. - O cruzamento dos cabos UTP com os de energia elétrica devem ser feitos de forma perpendicular Outro modo de comunicação via rede Uma outra forma de se fazer a comunicação entre dois ou mais micros, sem a utilização de cabeamento, é a rede WIRELESS, onde para se fazer a interligação dos micros utilizamos placas de rede WI-FI e um comunicador ACESS POINT (AP).(utilizado no IDEPAC). Existe ainda um certo receio da utilização desta tecnologia, pois, é recente e tem algumas limitações e interferências como: telefone sem fio, micro ondas, e até por outras redes próximas. As suas limitações são em função da velocidade de acesso, enquanto uma rede de cabeamento metálico pode chegar (em uma configuração básica) a 100 mbs, a wireless hoje esta com a velocidade máxima de 56 mbs e ainda cada acess poit suporta no máximo 60 terminais, e Página 10

13 dependendo do trabalho executado pode causar lentidão. Por isto antes de usar esta ferramenta é ideal verificar quais aplicações e serviços serão utilizados. A sua grande vantagem sobre o cabeamento metálico e a facilidade de expansão e a flexibilidade de mudança de layout, e o seu custo não fica muito acima do cabeamento. Mas ambas dependem de uma boa estrutura de rede elétrica, que veremos a seguir. Acess Point placa WI-FI Página 11

14 2.8. EXERCICIOS: 1- Quando se percebeu que os computadores só seriam úteis em rede? 2- O que eram terminais BURROS? 3- O que mudou com os PCs? 4- Quando a NOVELL começou a perder mercado? 5- Quais os softwares de rede que temos hoje no mercado? 6- Como o técnico de rede deve proceder junto ao cliente na escolha do software? 7- O que quer dizer UTP e STP? 8- Ruído elétrico é um tipo de? explique? 9- Quais as categorias que se dividem os cabos UTP 10- Quais os tipos de proteção para os cabos metálicos? 11- O que é cabeamento não estruturado? 12- O que é cabeamento estruturado? 13- Cite 4 elementos da divisão de cabeamentos estruturados? Página 12

15 3 - SUGESTÃO PARA REDE ELÉTRICA A rede elétrica deve possuir um circuito exclusivo para a alimentação da rede de computadores. É ideal que seja estabilizada e possuir filtros de linha caso não haja nos estabilizadores, e um sistema de no-break, para uma possível falta de energia. Quando toda a rede estiver conectada a apenas um estabilizador o quadro de força deverá ser montado após o estabilizador. Ideal ter a cada circuito até 3 tomadas. Não permitir que sejam ligados outros equipamentos como: Copiadoras, ventiladores, motores elétricos, ou qualquer outro que exija ou produza ruído na linha. Página 13

16 Quando forem utilizados estabilizadores individuais de voltagem para cada estação de trabalho, o quadro de força para os micros deverá ser montado após o quadro geral de força. Conforme esquema abaixo : Para os circuitos que alimentam as estações de trabalho, recomenda-se disjuntores de no Maximo 10 A (dez ampéres). Para a ligação das tomadas, deverá ser usado cabos de ótima qualidade, de diâmetro compatível, a bitola deve ser de no mínimo 4mm. As tomadas devem ser do tipo universal de três pinos (tripolares) e a ligação fase/neutro/terra conforme figura a seguir: Página 14

17 As tensões aproximadas na rede elétrica deverão ser as seguintes: Entre terra e fase = 117 V Entre neutro e fase = 115 V Entre terra e neutro = 2,5 V(valor Maximo tolerado) 3.1. SISTEMA DE ATERRAMENTO O terra dos equipamentos de informática DEVE ser totalmente independente dos demais terras existentes. Observando o seguinte na instalação: Ser construído á distância mínima de 2,40m dos outros terras do quadro e do neutro e a uma distância mínima de 25,00 do terra de pára-raios. O cabo que liga as barras de aterramento ao quadro deve ser encapado, possuir bitola compatível com a distancia entre o sistema e o quadro, e NÃO DEVERÁ ESTAR NUNCA CONECTADO AO NEUTRO.Não são aconselháveis distâncias maiores que 50m entre o terra e o quadro de distribuição. Material necessário para um aterramento simples: 3 barras de cobre, com 2 a 3 metros de comprimento e 15cm de diâmetro. 6 abraçadeiras de bronze para as barras de cobre. 10 metros de fio isolado, de bitola idêntica á dos fios fase e neutro. Sal grosso, carvão vegetal e enxofre em quantidades suficientes para cobrir o poço dos eletrodos. Água destilada suficiente para regar a mistura. As barras de cobre são chamadas eletrodos de aterramento; dão uma referência de terra de 0 volt e uma conexão á terra para descargas elétricas atmosféricas. Também fornecem uma trajetória de impedância baixa á terra ( valor máximo de 25 ohms) Consequências da falta de aterramento: Aparição de BAD CLUSTERS no HD ou até mesmo a perda total. Isto não demora a acontecer. Você poderá perder seu HD em 2 ou 3 meses. Danos na placa mãe. Danos na memória, que podem vir a causar perda repentina de dados e ou congelamento de todo o sistema. Página 15

18 3.3. O que não deve ser feito, veja exemplos abaixo: Página 16

19 4 - DOCUMENTAR UMA REDE Nos itens anteriores vimos o que devemos ou não fazer com a parte física da rede, como manusear cabos e a melhor maneira de se instalar uma rede elétrica e o aterramento. Agora, antes de sairmos passando os cabos e colocando canaletas devemos primeiro analisar o local para melhor dimensionar a passagem dos mesmos. O ideal é fazer um projeto, verificando toda a estrutura do local o layout as mesas e possíveis expansões. Fazer um levantamento de material necessário (como canaletas, cabos, conectores, etc..), procurar apresentar mais de uma opção de projeto é sempre bom, e não esquecer de identificar cada ponto de rede. Obs.: Veja quando falamos em projeto, não queremos e não vamos formar engenheiros aqui, nossa intenção e mostrar que uma documentação bem feita pode ser o diferencial dentro desta área, o projeto pode ser escrito, não necessariamente um desenho, lógico que se possuir o desenho é muito melhor, mesmo porque hoje existem ferramentas para auxiliar neste propósito EXERCICIOS: 1- O que deverá possuir uma rede elétrica inicialmente? 2- Quando toda a rede estiver conectada a um estabilizador o quadro de força deverá? 3- Quando forem utilizados estabilizadores individuais? 4- As tomadas devem ser do tipo? 5- Para o sistema de aterramento o que devemos observar na instalação? 6- Qual as conseqüências da falta de aterramento? Página 17

20 5- PROTOCOLOS DE REDE Para iniciarmos a instalação lógica de qualquer rede, precisamos entender algumas coisas antes, uma delas é sobre classes de IP e protocolos de rede, que iremos utilizar para configurar o software de rede que for escolhido, seja ele qual for CLASSES DE IP: Cada host ( nome dado para um computador principal,centra, que controla toda um rede de serviços) e cada roteador ( é um dispositivo que interliga duas ou mais redes) tem um endereço IP, é uma combinação exclusiva, onde duas maquinas na internet nunca tem o mesmo endereço. Os números de rede são atribuídos por uma corporação sem fins lucrativos chamada ICANN ( Internet Corporation for Assigned Names and Numbers). Classe Endereço IP Mascara A até B até C até D até Tabela de classes de IP Para o Brasil utilizamos a classe C que esta em negrito, nesta apostila não iremos entrar a fundo na questão dos cálculos destes valores, pois é um assunto muito extenso, como sugestão, faremos um trabalho de pesquisa sobre o assunto que deverá ser entregue até o final deste módulo. Esta explicação rápida servirá para entendermos um pouco mais sobre protocolo de rede TCP\IP PROTOCOLOS: Para que os computadores de uma rede possam trocar informações é necessário que todos adotem as mesmas regras para o envio e recebimento de informações. Este conjunto de regras é Página 18

21 conhecido como protocolos de comunicação. Falando de outra maneira, para que os computadores de uma rede possam trocar informações entre si é necessário que todos estejam falando a mesma língua. Antes da popularização da internet existiam vários tipos de protocolos, os mais utilizados eram: TCP\IP NETBEUI IPX\SPX TCP\IP O TCP\IP foi criado nos anos 70, para atender as necessidades militares, os militares americanos necessitavam de uma rede capaz de automaticamente se reconfigurar e encontrar caminhos alternativos caso uma ou mais nós da rede saíssem do ar. Com o final da guerra fria, esta tecnologia foi adotada por entidades educacionais, sendo mais tarde disponibilizada para uso comercial. Hoje sua maior utilização é na internet, por ser um protocolo que se comunica com vários softwares de rede como: Windows, Linux, Novell, Unix, é um protocolo utilizado tanto em redes locais como em rede de longa distancia, se adapta a diferentes tecnologias e diferentes velocidades NETBEUI Protocolo nativo da Microsoft, ao contrario do TCP\IP e do IPX\SPX, este protocolo foi concebido para ser utilizado somente em pequenas redes e com isto acabou se tornendo um produto extremamente simples, bastante ágil e rápido e foi considerado o mais rápido protocolo de rede durante muito tempo. Sua maior desvantagem para os outros protocolos é que ele não roteavel, e a própria Microsoft adotou a partir do windows 2000 o TCP\IP como protocolo padrão para seus sistemas IPX\SPX Protocolo nativo da Novell, para ser utilizado somente com as redes Netware, devido a grande popularidade da Novell, outros sistemas operacionais de rede, incluindo a Microsoft passaram a suportar este protocolo. Apesar de a rede Netware suportar outros protocolos, como o próprio TCP\IP, o IPX/SPX é seu protocolo padrão, sendo mais fácil configura-lo dentro do seu ambiente, hoje nas versões recentes da novell o TCP/IP já predomina sobre o IPX/SPX, por ser um protocolo especifico para a internet. Página 19

22 Devido a grande popularização da internet, o protocolo que iremos trabalhar será o TCP/IP, mesmo porque alguns equipamentos, como o SPEEDY por exemplo já vem configurado com este protocolo, facilitando a sua instalação EXERCÍCIOS 1- O que é host? 2- O que roteador? 3- O que é endereço IP? 4- O que são protocolos? 5- Netbeui e IPXSPX são? 6- Porque otcp\ip é o protocolo mais utilizado hoje em dia? Página 20

23 6 CONFIGURANDO REDE LOGÍCA Vimos até agora como executar a instalação física de uma rede, mas não é somente a passagem dos cabos e a parte elétrica que faz com que os micros troquem informações entre si, precisamos alem de protocolos que vimos no item anterior, configurar o SERVIDOR e ESTAÇÕES de TRABALHO para concluir nossa rede. SERVIDOR : Micro que centraliza as informações e fornece as senhas para os usuários. ESTAÇÕES de TRABALHO: Onde o usuário executa os trabalhos. Uma observação importante, verifique se o adaptador de rede (placa de rede) já esta instalado, caso não esteja, providencie o driver (software) do mesmo para proceder a instalação, se a placa de rede for ONBOARD, provavelmente já deverá estar instalada, faltanto apenas a sua configuração REDE CLIENTE SERVIDOR: Neste sistema, temos computadores centrais, que funcionam o tempo todo apenas fornecendo serviços para a rede, temos computadores clientes ou usuários que usufruem dos serviços fornecidos pelo servidor. Solução que permite um melhor controle dos acessos, com uma performance de rede superior, tem maior flexibilidade e segurança, porem um maior custo. Página 21

24 6.2. REDE PONTO A PONTO Neste sistema, todos os computadores são tanto servidores de recursos para a rede quanto clientes dos serviços fornecidos pelos outros computadores. Pode-se utilizar também sistemas mistos que tem trechos cliente servidor e outros trechos no sistema ponto a ponto. Menor custo CONFIGURANDO REDE WINDOWS 98. Para iniciarmos a instalação da rede em ambiente windows 98, devemos observar antes alguns itens (após o windows instalado): - Este tipo de rede, é conhecida como rede doméstica, portanto,tem uma limitação de usuários conectados simultaneamente, segundo a Microsoft o ideal é máximo de 10 micros, mas com a nossa experiência, indicamos máximo de 8 equipamento (7 micros e 1 servidor). - Neste tipo de rede não existe um software especifico de servidor, qualquer equipamento pode ser um, costuma-se definir como servidor, o micro que tem maior capacidade de memória e espaço em disco. - Procurar não colocar no nome do computador e compartilhamento, caracteres especiais #, %, $, &, espaços, e também nomes muito extensos como: Contabilidade ou paralelepípedo. Página 22

25 - Utilizar apenas um tipo de protocolo, para evitar concorrência entre eles. Você pode instalar mais de um, mas isto implica em mais drivers instalados e pode causar lentidão. Após verificarmos os detalhes acima e selecionarmos a maquina que será nosso servidor, procederemos da seguinte forma: Sendo a primeira vez que instalamos uma rede no ambiente, não irá aparecer no desktop (área de trabalho) do windows o ícone meu computador, portanto para iniciarmos as configurações devemos acessar o botão INICIAR, CONFIGURAÇÕES, PAINEL DE CONTROLE e selecionar o item REDE. Tela do painel de controle Se já o da seu adaptador for onboard, provavelmente deverá ter o driver instalado conforme a figura ao lado, caso não esteja aparecendo adaptador, você deverá verificar no manual maquina qual o driver a ser utilizado, se não tiver o manual em mãos, verifique na placa mãe o chipset ou se for offboard verifique na placa qual o driver correspondente. Página 23

26 Mesmo assim se não conseguir identificar, existem alguns softwares que mostram qual os componentes estão instalados no seu equipamento. (ex.: Belarc Advisor, etc.) Nesta mesma tela, após verificarmos e adicionarmos o adaptador, iremos adicionar (clicar no botão adicionar) ainda o cliente para a rede que necessitamos e o protocolo de comunicação, veja explicação a seguir: Clicando no botão adicionar iremos instalar o cliente para a rede Microsoft. Após selecionarmos o cliente clicaremos em OK para proceder a instalação, em seguida ira voltar a tela de configurações mostrando o cliente para rede Microsoft já instalado, se o protocolo não aparecer, iremos clicar em adicionar novamente e instalar o protocolo. Página 24

27 Iremos adicionar o fabricante, Microsoft e selecionar o protocolo TCP/IP, e clicar na tecla OK para adicionar. Aparecerá então na tela as seguintes informações, como podemos ver, mas ainda nos falta mais um serviço, que é o compartilhamento de arquivos e impressoras, que aparece logo abaixo do LOGON PRIMÀRIO DA REDE, clicamos nessa opção. Página 25

28 Clicando no botão compartilhamento de arquivos e impressoras aparecerá a seguinte tela, onde podemos selecionar os dois itens, ou somente um deles, se selecionar que desejo apenas compartilhar arquivos, minhas impressoras não poderão ser disponibilizadas na rede para outros usuários, se selecionar que desejo apenas compartilhar minhas impressoras, não poderei disponibilizar meus arquivos e pastas para os outros usuários na rede. Clicamos no botão OK para gravar a informação. Para a parte de configurações, é o que precisamos para utilizarmos a rede, falta nesta tela ainda configurarmos o protocolo, no caso da rede windows 98 iremos colocar um endereço IP fixo, para outras redes como windows 2000 ou XP, Novell e Linux, elas dispões de um serviços chamado DHCP, que iremos explicar mais a frente, que fornece o endereço IP automaticamente. Para configurarmos o protocolo, clicaremos duas vezes sobre o item TCP/IP. Página 26

29 maquina usaremos , e assim por diante. Nesta tela iremos selecionar a opção Especificar um endereço IP, e vamos digitar o IP e a mascara conforme vimos no item classes de IP anteriormente, em seguida clicamos e OK para gravar as informações. O próximo passo é preencher o dados de identificação do micro, que veremos na próxima tela. Para cada micro deveremos ter um numero de IP diferente, não pode existir 2 maquinas com o mesmo numero IP, neste exemplo colocamos o IP , na próxima Nesta tela precisamos identificar o Nome do computador em nosso exemplo este é um servidor de rede, usaremos a palavra SERVIDOR lembre-se nunca use neste campo nomes extensos e caracteres especiais #,$,%,& e espaços). No campo Grupo de Trabalho, normalmente usamos o nome da empresa, o um setor ou departamento, no campo descrição podemos usar qualquer caractere, com Página 27

30 espaços, sem problemas. Uma sugestão: Procure não colocar nomes de pessoas no nome do computador, pois, se ela sair da empresa ou for para outro setor, o micro ficará sempre com o nome dela, principalmente se existirem pastas ou impressoras compartilhadas neste equipamento, coloque o nome do setor ou depto no nome do micro e na descrição o nome do usuário, desta forma você poderá altera-lo a qualquer momento. Depois, clicaremos em OK para gravar as informações. Para o SERVIDOR windows 98 ou para as estações os passos de instalação para a rede são os mesmos, o que irá alterar será o nome do computador e os números de IP s. Podemos seguir estes mesmos passos para a configuração das demais redes se as estações forem win98. No caso do servidor de rede temos algumas orientações a mais a serem feitas, caso do win98 não aconselhamos a utilizar na mesma maquina de servidor de arquivos com a internet e ter impressoras compartilhadas, os três serviços juntos consomem muito recurso do servidor, e isto fará com que exista uma lentidão em sua rede. Outro detalhe importante, muitas pessoas compartilham direto a unidade C:\ deixando assim vulnerável o servidor, portanto, procure compartilhar somente as pastas que você tem realmente necessidade de utilizar na rede, como iremos explicar a seguir COMO FAZER COMPARTILHAMENTO NA REDE WINDOWS 98: Podemos utilizar de 2 recursos para executar este processo o primeiro deles é pelo windows explorer, veja os passos a seguir : Página 28

Seja Bem Vindo! Curso Redes. Carga horária: 50hs

Seja Bem Vindo! Curso Redes. Carga horária: 50hs Seja Bem Vindo! Curso Redes Carga horária: 50hs Dicas importantes Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não apenas terminar o curso. Qualquer um termina, só os determinados

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES TEXTOS DE REFORÇO Michel da Rocha Fragoso 2010 2 Saudações Olá, meus caros alunos. Esta é uma série de textos de reforço de minha autoria sobre o nosso próximo módulo a ser estudado

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7 ÍNDICES OBJETIVOS 1 JUSTIFICATIVAS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 SEGURANÇA - INTERNET 1 SISTEMA OPERACIONAL 2 PROTOCOLO TCP/IP 2 INTRANET 2 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 ESTAÇÕES 2 MICROS 3 IMPRESSORAS 3 PLANTA

Leia mais

Como montar sua Rede Doméstica

Como montar sua Rede Doméstica Como montar sua Rede Doméstica Você está indo para casa, no final do expediente, pensando em terminar ainda hoje aquela planilha de custos do seu setor. Esta tarefa se torna ainda mais empolgante, porque

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO

DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO AULA PRÁTICA DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO Objetivo: Apresentar o modo de operação Ad Hoc de uma rede padrão IEEE 802.11g/b e implementá-la em laboratório. Verificar os fundamentos de associação/registro

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

Capítulo. Montando uma rede ponto-a-ponto

Capítulo. Montando uma rede ponto-a-ponto Capítulo 4 Montando uma rede ponto-a-ponto Mostraremos agora como instalar uma pequena rede ponto-a-ponto. Este tipo de rede é classificado pela Microsoft como rede doméstica ou para pequenas empresas.

Leia mais

Como montar uma rede Wireless

Como montar uma rede Wireless Como montar uma rede Wireless Autor: Cristiane S. Carlos 1 2 Como Montar uma Rede Sem Fio sem Usar um Roteador de Banda Larga Introdução Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

É altamente recomendável testar as conexões usando o programa PING (será visto posteriormente).

É altamente recomendável testar as conexões usando o programa PING (será visto posteriormente). Redes Ponto a Ponto Lista de checagem É fácil configurar uma rede ponto-a-ponto em qualquer versão do Windows. Antes entretanto é preciso tomar algumas providências em relação ao hardware: Todos os computadores

Leia mais

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens:

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens: Introdução: Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível montar uma rede sem fio em casa ou no escritório sem usar um roteador de banda larga ou um ponto de acesso (access point),

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Professor Rafael Henrique Dalegrave Zottesso E-mail rafaelzottesso@utfpr.edu.br Site http://www.zottesso.com.br/disciplinas/rc24b0/ Disciplina

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 3.1. Estação... 4 3.2. Servidor... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 04 Sistemas

Leia mais

3. No painel da direita, dê um clique com o botão direito do mouse em qualquer espaço livre (área em branco).

3. No painel da direita, dê um clique com o botão direito do mouse em qualquer espaço livre (área em branco). Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 2 Criando e compartilhando uma pasta - Prática Autor: Júlio Battisti - Site: www.juliobattisti.com.br Neste tópico vamos criar e compartilhar uma pasta chamada

Leia mais

Conceitos básicos sobre redes

Conceitos básicos sobre redes Capítulo 1 Conceitos básicos sobre redes Topologias de redes Colisão Clientes e servidores Redes ponto-a-ponto e clienteservidor Compartilhamentos Outras aplicações Cabos de rede Velocidades Os capítulos

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR. Julho/2007. Ministério da saúde

Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR. Julho/2007. Ministério da saúde Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR Julho/2007 Ministério da saúde SUMÁRIO Módulo 1. Instalação... 4 Introdução... 4 Configurações de equipamentos para instalação

Leia mais

Exigências de Sistema. Significado de cada LED. Conteúdo da embalagem. Instalação e Configurações

Exigências de Sistema. Significado de cada LED. Conteúdo da embalagem. Instalação e Configurações Exigências de Sistema 1. Processador Pentium 200MHZ ou mais 2. Windows 98SE, Windows Me, Windows 2000, Windows XP, Windows Vista e Windows 7. 3. 64MB de RAM ou mais. 4. 25MB de espaço livre no disco Significado

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

Como instalar uma impressora?

Como instalar uma impressora? Como instalar uma impressora? Antes de utilizar uma impressora para imprimir seus documentos, arquivos, fotos, etc. é necessário instalá-la e configurá-la no computador. Na instalação o computador se prepara

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

Manual de Instalação Flex

Manual de Instalação Flex Manual de Instalação Flex Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5 4.1.1. Instalação do sistema...

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO S501 CONNECT Versão 1.0.1 / Revisão 1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone:

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX 1 Sumário Tutorial VirtualBox - Configurações e Utilização... 3 Requisitos Mínimos... 3 Compatibilidade... 3 Download... 3 Instalação do VirtualBox... 4 Criando a Máquina Virtual

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

Redes de Computadores Aula 01

Redes de Computadores Aula 01 No Caderno Responda as Questões abaixo 1 O que significa o termo Rede? 2 Porque utilizar um Ambiente de Rede? 3 Defina LAN. 4 Defina WAN. 5 O que eu preciso para Montar uma Rede? 6 - O que eu posso compartilhar

Leia mais

Como instalar Windows XP

Como instalar Windows XP Como instalar Windows XP 1 Como instalar Windows XP Existem 2 opções para instalar XP: Opção A: para micro novo sem Sistema Operacional instalado (Exemplo de sistema operacional:windows 98, Windows 2000,

Leia mais

Redes de Computadores. Jeronimo Costa Penha Senai CFP - JIP

Redes de Computadores. Jeronimo Costa Penha Senai CFP - JIP Redes de Computadores Jeronimo Costa Penha Senai CFP - JIP Clientes e Servidores Servidores São computadores ou equipamentos que disponibilizam seus recursos para outros computadores. Exemplos: a) Servidor

Leia mais

Guia de Instalação SIAM. Procedimento de Instalação do Servidor SIAM

Guia de Instalação SIAM. Procedimento de Instalação do Servidor SIAM Guia de Instalação SIAM Procedimento de Instalação do Servidor SIAM Documento Gerado por: Amir Bavar Criado em: 18/10/2006 Última modificação: 27/09/2008 Guia de Instalação SIAM Procedimento de Instalação

Leia mais

Redes Ponto a Ponto. Os drivers das placas de rede devem estar instalados.

Redes Ponto a Ponto. Os drivers das placas de rede devem estar instalados. Redes Ponto a Ponto É fácil configurar uma rede ponto-a-ponto em qualquer versão do Windows. Antes entretanto é preciso tomar algumas providências em relação ao hardware: Todos os computadores devem estar

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI Ambiente Windows Small Business Rev 10501 DATA : 5 / 07/ 2007 Pag : 1 de7 1) Servidores a) Hardware o Servidor Alocado em Rack Fechado em ambiente reservado e refrigerado

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Utilizando conversor Serial/Ethernet com Mini-Impressora DR600/DR700.

STK (Start Kit DARUMA) Utilizando conversor Serial/Ethernet com Mini-Impressora DR600/DR700. STK (Start Kit DARUMA) Utilizando conversor Serial/Ethernet com Mini-Impressora DR600/DR700. Neste STK mostraremos como comunicar com o conversor Serial/Ethernet e instalar o driver Genérico Somente Texto

Leia mais

Configurando o sistema em rede Local

Configurando o sistema em rede Local O SHOficina, SHPet e o SHSap podem ser utilizados como monousuário ou em rede de até 3 computadores (1 Servidor + 2 estações). Se você tem conhecimento intermediário em informática conseguirá seguir este

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Normas e Padrões Prof. Marciano dos Santos Dionizio Devido à falta de padronização para cabeamento de redes, em 1991 a EIA (Electronics Industries Alliance) e a TIA (Telecomunications Industry Association)

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE 1 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada de conectores e meios

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

1. Considerações...3. 2. Introdução...3. 3. Arquitetura...3. 3.1. Topologia Básica...4. 3.2. Hardware mínimo recomendado...5

1. Considerações...3. 2. Introdução...3. 3. Arquitetura...3. 3.1. Topologia Básica...4. 3.2. Hardware mínimo recomendado...5 ÍNDICE 1. Considerações...3 2. Introdução...3 3. Arquitetura...3 3.1. Topologia Básica...4 3.2. Hardware mínimo recomendado...5 3.3. Sistemas Operacionais...5 4. Configurações Necessárias...6 4.1. Nas

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

O que um Servidor Samba faz?

O que um Servidor Samba faz? O que é o Samba? O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Placas e Ferramentas de Rede. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Placas e Ferramentas de Rede. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Placas e Ferramentas de Rede Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Dada a necessidade de comunicação entre os computadores em uma mesma rede para troca de arquivos, ou ainda para facilitar em processos

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Introdução. Placas e Ferramentas de Rede. Exemplos. Surgimento. Estrutura Física - Placas

Introdução. Placas e Ferramentas de Rede. Exemplos. Surgimento. Estrutura Física - Placas Introdução Placas e Ferramentas de Rede Prof. Alexandre Beletti Ferreira Dada a necessidade de comunicação entre os computadores em uma mesma rede para troca de arquivos, ou ainda para facilitar em processos

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

Cabeamento Estruturado Módulo de Transmissão e Ativos de Rede. Profª Ahyalla Riceli

Cabeamento Estruturado Módulo de Transmissão e Ativos de Rede. Profª Ahyalla Riceli Cabeamento Estruturado Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Profª Ahyalla Riceli Objetivo Saber distinguir os componentes envolvidos na montagem de uma rede de computadores; Conseguir ter uma fundamentação

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 1 Evolução do Cabeamento Meios Físicos de Comunicação - Evolução do Cabeamento 1 Conteúdo Cabo Coaxial Cabo de Par Trançado Fibra Óptica Meios Físicos de Comunicação -

Leia mais

Configurações do adaptador W-U3300nL

Configurações do adaptador W-U3300nL Configurações do adaptador W-U3300nL Introdução Obrigado por adquirir o adaptador para rede sem fio C3 Tech. Apresentando o que há de melhor em Tecnologia Wireless, o Adaptador para Rede Sem Fio C3 Tech

Leia mais

MANUAL CFTV DIGITAL - LINHA LIGHT 16 CANAIS 120 FPS / VID 120-LI CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR 16 Canais - 120 FPS Processador Dual Core 2.0GHZ ou superior; Placa Mãe Intel ou Gigabyte com chipset Intel;

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Manual para conexão e utilização do VETORH (Sistema de Recursos Humanos) via acesso ao terminal remoto

Manual para conexão e utilização do VETORH (Sistema de Recursos Humanos) via acesso ao terminal remoto Manual para conexão e utilização do VETORH (Sistema de Recursos Humanos) via acesso ao terminal remoto Objetivo: Fornecer informações técnicas necessárias aos administradores e helpdesk dos usuários do

Leia mais

Visão traseira. Passo 1 Conecte seu smartphone ou tablet na rede Wi-Fi do DIR-868L. Guia de Instalação. www.dlink.com.br

Visão traseira. Passo 1 Conecte seu smartphone ou tablet na rede Wi-Fi do DIR-868L. Guia de Instalação. www.dlink.com.br 1 Visão traseira Passo 1 Conecte seu smartphone ou tablet na rede Wi-Fi do DIR-868L. Guia de Instalação 2 Visão geral 1 1 Conector USB 2.0 Utilizado para conectar o DWA-131 ao seu computador. 3 Conteúdo

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PQWS-5817M

MANUAL DE INSTRUÇÕES PQWS-5817M MANUAL DE INSTRUÇÕES PQWS-5817M Parabéns, você acaba de fazer uma excelente escolha adquirindo um produto com a qualidade e a garantia PROELETRONIC. Esta CPE emprega tecnologia de ponta em hardware e software

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1 Prof.: Roberto Franciscatto Introdução O que é uma Rede de Computadores? Conjunto de módulos de processamento interconectados

Leia mais

Procedimento de configuração para usuários VONO

Procedimento de configuração para usuários VONO Adaptador de telefone analógico ZOOM Procedimento de configuração para usuários VONO Modelos 580x pré configurados para VONO 1 - Introdução Conteúdo da Embalagem (ATENÇÃO: UTILIZE APENAS ACESSÓRIOS ORIGINAIS):

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Secretaria Municipal de Educação SME Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação CTIC Núcleo de Tecnologia Municipal NTM CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Amauri Soares de Brito Mário Ângelo

Leia mais

Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98

Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98 Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98 O Express First Net Internet Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório com o mundo, compartilhe o acesso à Internet com grande velocidade

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

S I S T E M A I R I S. Alarmes e Gestão de Serviços. Versão

S I S T E M A I R I S. Alarmes e Gestão de Serviços. Versão S I S T E M A I R I S Alarmes e Gestão de Serviços Versão 5 MANUAL DO USUARIO S I S T E M A I R I S M O N I T O R A M E N T O E L E T R Ô N I C O D E A L A R M E S INSTALANDO O SISTEMA IRIS W. Security

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

EXEMPLO Atenção, todos os dados informados aqui são fictícios.

EXEMPLO Atenção, todos os dados informados aqui são fictícios. EXEMPLO Atenção, todos os dados informados aqui são fictícios. Manual de infra-estrutura e configuração de rede Criação e consultoria: tw latin america Cliente: Sua Empresa Ltda Este documento tem por

Leia mais

Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows 2000

Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows 2000 Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows 2000 O Express First Net Internet Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório com o mundo, compartilhe o acesso à Internet com grande

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO S501 CONNECT Versão 1.0.0 / Revisão 0 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone:

Leia mais

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012 Projetos de Redes II Tecnologia em Redes de Computadores Dias e horários Segundas-feiras 19:00 às 22:30 horas Valor das Avaliações PO1 Prova Oficial 1 PO1 (matéria somente

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0

GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0 WPS Roteador Wireless 300N GWA-101 5dBi Bi-Volt GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0 Roteador Wireless 300Mbps Guia de Instalação Rápida REV. 2.0 1. Introdução: O Roteador Wireless 300Mbps, modelo 682-0

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais