Maria do Carmo de C. D. Costa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maria do Carmo de C. D. Costa"

Transcrição

1 SUPRIMENTO HÍDRICO I - OBJETIVO GERAL Ressaltar a importância da água para a manutenção de todas as funções vitais nos vegetais e explicar como se processam as relações hídricas na célula vegetal e na planta como um todo, partindo da análise das teorias explicam o movimento da água no solo, nas raízes e através do xilema. INTRODUÇÃO Os organismos vivos originaram-se de um ambiente líquido e no curso da evolução mantiveram-se de certa forma dependentes da água. A essencialidade da água para as plantas deve-se à sua contribuição na manutenção e preservação de suas funções vitais. Nas plantas terrestres, cujas partes assimilativas estão em contato com o ar e perdem água continuamente, por transpiração, o estabelecimento de relações adequadas com a água é o primeiro requisito. A água é o principal constituinte das células vegetais. Na parede celular, encontra-se retida pelas fibrilas de celulose e pelas substâncias pecticas. No protoplasma o teor de água pode chegar a 95% e no vacúolo, o teor hídrico pode chegar a 99%. A água é o solvente no qual se processa a maioria das reações químicas do protoplasma e o seu movimento na planta, resultante da transpiração, contribui para a translocação dos solutos absorvidos ou sintetizados pela raiz, e de substâncias sintetizadas na folha. A água é indispensável para manutenção da turgescência das células do tecido vegetal e permite que a planta se mantenha ereta e exponha suas folhas túrgidas com estômatos abertos à radiação solar. É responsável pela relativa estabilidade térmica da planta graças ao seu alto calor específico. A evaporação da água pela folha permite também dissipar uma grande parte da energia solar que atinge a planta. O ganho ou a perda de água pelas células e pelos tecidos é responsável por diversos movimentos nas plantas. Dentre eles a abertura e fechamento dos estômatos, o dobramento noturno dos folíolos de certas plantas e a abertura e o fechamento das flores de algumas espécies em certas horas do dia.

2 A maioria dos compostos orgânicos do protoplasma encontram-se hidratados, e, quando a água é removida, ocorre uma alteração nas propriedades físicas e químicas dos carboidratos, proteínas, ácidos nucléicos e outros compostos do protoplasma. Em outras palavras, o protoplasma exibe os sinais de vida somente quando provido de água - se secar, ele não morre necessariamente. Deve, pelo menos, entrar no estado anabiótico, no qual os processos vitais são suspensos. Dependendo do fato de poderem ou não compensar as flutuações, a curto prazo, no suprimento de água e na taxa de evaporação, as plantas terrestres podem distinguir-se como poiquiloídricas e homeoídricas. As plantas poiquiloídricas são bastante resistentes à seca. Quando secam, suas células, geralmente pequenas e destituídas de vacúolo central, se enrugam de maneira bastante uniforme, sem perturbar a fina estrutura protoplasmática - as plantas permanecem viáveis. À medida que decresce o conteúdo de água os processos vitais - por exemplo, fotossíntese e respiração - são gradualmente suprimidos. Quando absorvem água suficiente, tais plantas retomam a atividade metabólica e o crescimento normais. Incluem-se como poiquiloídricas, algas azuis, algas verdes da ordem Protococcales e ainda musgos de habitats secos, certas criptógamas vasculares e pouquíssimas angiospermas. Os grãos - de-pólen e embriões, nas sementes, também são poiquiloídricos. As plantas homeoídricas descendem de algas verdes, com células vacuoladas. Um grande vacúolo central é a característica comum a todas elas. A presença de um vacúolo grande resulta na perda da tolerância da célula à dessecação. Nestas plantas o desenvolvimento de uma cutícula protetora, para reduzir a evaporação, e de estômatos, para regular a transpiração, tornou estas plantas capazes de controlar adequadamente sua economia de água. O volume de água nas diversas partes da planta também varia muito. Em sementes, podemos encontrar um mínimo de 4% de água, enquanto em tecidos jovens em crescimento, encontramos um máximo de 96%. Esses valores mostram a estreita relação entre a água e o metabolismo. Certos tecidos vegetais são capazes de sobreviver a períodos de praticamente total dessecamento. Porém, neste estado, eles são metabolicamente inativos. Em estado metabolicamente ativo, a maioria dos tecidos vegetais contém 70-95% de água. As células vegetais só podem crescer quando estão túrgidas, e mesmo pequenas diminuições no teor de água, abaixo da saturação completa, podem resultar em menores taxas de crescimento.

3 RELAÇÕES HÍDRICAS NAS CÉLULAS VEGETAIS Na célula vegetal, a presença de uma parede celulósica, de elasticidade limitada, além da membrana plasmática, faz com que o movimento de água não dependa tão somente da difusão. O teor de água das células vegetais é mantido pela hidratação coloidal (embebição) e pela osmose. A magnitude da força de embebição, que não depende da atividade metabólica, é a princípio muito alta, em células desidratadas, porém diminui rapidamente conforme o teor de água aumenta na parede celular. Assim, é a osmose, que depende de solutos e das propriedades de semipermeabilidade do plasmalema e do tonoplasto, que controla a absorção e a perda de água pela célula. As foças de embebição, são importantes apenas no controle da absorção e retenção da água em tecidos com baixos teores de água, como nas sementes secas. Se uma célula vegetal for colocada em solução hipotônica em relação ao seu conteúdo, a água tende a mover-se para dentro dela. Isso porque o conteúdo do vacúolo exerce uma sucção denominada pressão osmótica. Em conseqüência da sucção osmótica, a célula vegetal ganha água e se expande. Essa entrada de água na célula cria uma pressão que faz com que a parede celular se expanda e a célula aumente de tamanho. Quanto mais água a célula ganha, maior fica a pressão interna exercida sobre a parede celular apenas parcialmente elástica. Quando a parede atinge seu limite de elasticidade, cessa o movimento de água, pois a célula atingiu seu volume máximo, não tendo necessariamente, alcançado um equilíbrio de concentração salina. A essa pressão interna da água exercida sobre a parede celular chamamos turgescência. Assim, a entrada de água na célula vegetal depende da capacidade de sucção do vacúolo (concentração do suco vacuolar em relação ao meio circundante) menos a resistência oferecida pela parede celular, que é uma força contrária à entrada da água e chamada pressão de turgor. Uma célula vegetal, submetida a diferentes condições, pode variar seu teor hídrico. Assim, se for colocada numa solução isotônica, a parede celular não oferece resistência à entrada da água e, em se tratando de soluções de concentrações idênticas, a água que se desloca para dentro da célula não é suficiente para imprimir uma pressão sobre a parede celular. Neste caso a célula está flácida. Se for colocada em solução hipotônica, a célula vegetal vai ganhar água até tornar-se túrgida. Nesta situação os valores de pressão de turgor e pressão osmótica se igualam. Esta célula está túrgida.

4 Se colocada em solução hipertônica, a célula vegetal perde água. Saindo água do vacúolo ocorre uma retração do citoplasma, o que faz com que a membrana plasmática se descole da parede celular. Neste caso a célula está plasmolisada e a pressão de turgor é nula. Uma célula plasmolisada ainda está viva. Se for colocada em uma solução isotônica, o vacúolo absorve água, o citoplasma volta a posição anterior, empurrando a membrana plasmática para junto da parede celular. Este processo se chama deplasmólise. Se a célula estiver em contato com o ar e perdendo água por evaporação, o vacúolo diminui seu volume e o citoplasma se retrai. Neste caso, porém, não há deslocamento da membrana plasmática, pois a parede celular acompanha a retração do citoplasma. A parede celular tende a voltar à posição normal. A pressão que ela exerce é negativa e a célula está murcha. A diferença entre a pressão osmótica e a pressão de turgor, é chamda de Déficit de Pressão de Difusão (DPD). Onde: PDD = PO - PT Se a célula está túrgida PT = PO e DPD = 0 (não entra água na célula) Se a célula está murcha PT = 0 e DPD = PO (entra água na célula) RELAÇÕES HÍDRICAS DE PLANTAS INTERIRAS As relações hídricas de uma planta inteira são mais complexas que as das células individuais. Uma planta contém células que diferem em sua capacidade de absorção de água, com valores de DPD diferentes em dado momento. A evolução das plantas terrestres dependeu da evolução de sistemas para absorção, condução e conservação da água. Em geral, as plantas absorvem água através das raízes que estão mergulhadas no solo. As espécies epífitas tropicais absorvem água da chuva através de raízes aéreas, de escamas e pêlos nas folhas, e algumas obtêm água inteiramente a partir da chuva, neblina e orvalho. Para compreendermos as relações hídricas na planta como um todo, temos que considera: O movimento da água no solo, a absorção da água pelas raízes; a translocação da água na planta através do xilema e a perda da água pela planta. Vale ressaltar também algumas adaptações que a planta pode apresentar à disponibilidade de água no ambiente. O MOVIMENTO DA ÁGUA NO SOLO: A água está presente no solo sob diferentes formas. Uma pequena fração está quimicamente ligada às partículas do solo, constituindo uma película

5 líquida - água higroscópica, que não é utilizada pelas plantas. Quando o solo tem baixa porosidade e a água é retida entre suas partícula, esta água constitui a água capilar. Quando o solo tem alta porosidade e água é drenada por gravidade, pouco tempo depois da chuva ou da irrigação, temos a água gravitacional. A água capilar e gravitacional são utilizadas pelas plantas. Após a água capilar ser removida do solo pelas plantas ou por evaporação, ela é substituída pela água gravitacional. Entende-se por capacidade de campo, a capacidade que o solo tem de reter água contra a ação da gravidade. A capacidade de campo de um solo está diretamente relacionada ao diâmetro de suas partículas. Quanto maior for o diâmetro das partículas de solo menor será a capacidade de campo que este solo apresenta. Quanto menor for o diâmetro das partículas maior será a capacidade de retenção de água do solo. Isto se verifica nos solos argilosos que possuem capacidade de campo bem maior que solos arenosos, onde a água é facilmente drenada por gravidade. A água no solo tende a deslocar-se por diferença de potencial, tal como ocorre entre o solo que esta nas proximidades de raízes de uma planta e solos que estão distantes de sistemas radiculares. As plantas absorvem água do solo, fazendo com que o solo das vizinhanças das raízes ativas se torne mais seco e, como conseqüência, o potencial da água ψ torna-se mais negativo nestas regiões. O solo mais distante das raízes, pelo fato de possuir umidade maior, possui também potencial ψ maior. Estabelece-se, então, uma diferença de potencial entre as regiões próximas às raízes e as regiões mais distantes e, como a água procura espontaneamente estado mais baixos de energia, ela se move em direção as raízes. O deslocamento de água no solo sofre a influência de fatores que dizem respeito ao próprio solo: textura, porosidade e densidade; fatores que dizem respeito a planta: tamanho e distribuição do sistema radicular; e fatores que dizem respeito ao ambiente: temperatura, umidade do ar, luz e ventos que afetam a transpiração e por conseguinte a absorção de água pela planta. A ABSORÇÃO DA ÁGUA PELAS RAÍZES As raízes retiram água do solo, principalmente pela região dos pêlos absorventes, que aumentam muito a superfície das raízes. Foram registradas áreas de pêlos absorventes correspondentes a 2 vezes a área da superfície radicular restante, em raízes crescendo no solo. Em raízes que crescem em ar úmido, os pêlos absorventes são mais abundantes e chegam a corresponder a 8-

6 12 vezes a área da superfície radicular restante. Essa absorção pode ser passiva, por osmose, ou ativa, que resulta na pressão da raiz. A taxa de absorção está diretamente relacionada com a taxa de transpiração. A absorção ativa da água através das raízes, refere-se a pressão de raiz. Várias teorias tentam explicar a pressão de raiz e uma delas propõe que as células da raiz secretam sais para o interior do xilema. Como esses sais não podem abandonar o cilindro central por causa das células endodérmicas, a concentração de soluto dentro do xilema é maior que no meio, puxando água por osmose. A absorção passiva não requer a participação das células das raízes, as quais vão constituir simplesmente uma superfície absorvente. A absorção passiva é resultante do desenvolvimento de uma tensão ao longo da coluna de xilema, pela perda de água por transpiração. Como a magnitude da tensão desenvolvida na coluna de água é determinada pela transpiração, podemos dizer que a absorção acompanha a transpiração. O caminho percorrido pela água, dos pêlo absorventes até o xilema, é discutido. Alguns admitem que este movimento se faz pelos espaços intercelulares e outros admitem que a água de desloca de célula para célula, através do protoplasto. Ainda existe uma teoria que admite, que o conteúdo citoplasmático de todas as células da raiz se comunicam através de plasmodesmos, e que através deles a água passa de célula para célula, sem precisar atravessar nenhuma outra membrana celular. Street & Öpik (1974), referem que o movimento através dos espaços intercelulares não parece ser muito viável, já que os espaços estão, geralmente, preenchidos por ar. Epstein (1975), admite que movendo-se radialmente para o cilindro central, a água segue o caminho de menor resistência, através das paredes celulares. O movimento osmótico através do plasmalema para os protoplastos e vacúolos representa no máximo um desvio de uma pequena fração do total da água que se move através da raiz. Na endoderme o movimento da água através das paredes celulares é impedido pela faixa caspariana e a água tem que se mover pelo citoplasma endodérmico até o cilindro central. Além da endoderme a água está livre para se mover através das paredes no tecido vascular e daí para cima no xilema. Um movimento mais limitado ocorre, porém, através do floema e mesmo através de tecido não vascular. Há também evidências de movimento lateral da água; o que foi demonstrado em experimento utilizando água tritiada (água marcada com isótopo 3 H). Todavia, é discutida a permeabilidade à água, das paredes celulares da endoderme, pois é incerto até onde as estrias de Caspary tornam as paredes impermeáveis, já que mesmo as paredes celulares do pelo absorvente são levemente suberificadas.

7 TRANSLOCAÇÃO DA ÁGUA NA PLANTA ATRAVÉS DO XILEMA Street & Öpik (1974) referem que o principal caminho para o transporte ascendente da água na planta é o xilema. Os vasos do xilema, pelo menos em lenho jovem, são preenchidos com seiva aquosa; corantes e tinta nanquim podem ser vistos movendo-se no interior do xilema. No fim do século XIX, vários pesquisadores, demonstraram que a água passa através dos tecidos mortos. Tal fato ficou provado quando venenos potentes administrados moveram-se para cima, em direção às folhas das árvores, e posteriormente uma nova adição aquosa pode ser movimentada para cima após a passagem da solução tóxica, a qual teria morto quaisquer células em seu caminho. A condução da água continua através de caules mortos por ação de calor. Entretanto, em árvores perenes, as partes mais velhas do xilema perdem sua capacidade de condução; os vasos ficam cheios de ar ou bloqueados por depósitos de gomas e resinas. Neste caso, a água movimenta-se então somente, através de elementos novos do alburno. A velocidade de movimento da água é muito variável, e depende de fatores como: condições ambientais, desenvolvimento anatômico da planta, diâmetro e números dos vasos. Nas coníferas que não apresentam vasos e dependem de traqueídes para o transporte, o movimento da água é mais lento e a capacidade de condução é muito menor que nas angiospermas. Sabe-se que o congelamento não apresenta efeito na velocidade do movimento de água, enquanto a temperatura for mantida acima do ponto de congelamento da seiva do xilema. O caminho percorrido pela água, em sua ascensão, das raízes até as folhas, pode ser facilmente determinado. Basta que mergulhemos um ramo cortado em água colorida e acompanhemos o trajeto percorrido no interior das folhas. O corante será encontrado delimitando os elementos condutores do xilema. Utilizando-se técnicas mais sofisticadas, o caminho pode ser determinado usando-se isótopos radioativos colocados na água, sendo a radioatividade detectada no interior dos elementos condutores do xilema (os elementos de vaso ou traqueídes). Conhecido o caminho da água resta saber como ela se move. Para explicar as forças que trazem a coluna líquida, através do xilema, das raízes até as células do caule, folhas e órgãos reprodutivos do vegetal é necessário considerar a atração existente entre as moléculas de água, devida a pontes de hidrogênio, a que chamamos coesão, bem como a penetração da água no protoplasto das células e seu deslocamento através das paredes celulares, aderida fortemente as paredes das traqueídes e dos vasos. Modesto & Siqueira (1981) referem que apenas duas teorias para a translocação de água no xilema podem ser consideradas teoricamente aceitáveis

8 e demonstradas experimentalmente. Uma é a pressão de raiz e a outra o mecanismo de coesão ou mecanismo de coesão-adesão-tensão. Pressão de raiz Esta teoria explica o fluxo de água no xilema como resultado de uma pressão desenvolvida pelas raízes. A pressão de raiz é gerada por uma absorção ativa de água pelo xilema e pode ter valores entre 0 e 3 atm. A pressão de raiz desenvolve-se quando a transpiração é baixa ou ausente. Nesta situação, células da raiz podem secretar sais ou outras substâncias osmoticamente ativas, para o interior do xilema. Como o tecido vascular da raiz é circundado pela endoderme, os íons não tendem a escapar do xilema. Em conseqüência, o potencial de água do xilema torna-se mais negativo, promovendo o movimento da água para dentro dos vasos condutores. A magnitude da pressão da raiz não é suficiente para forçar a ascensão da água até grandes alturas. A velocidade do fluxo impulsionado pela pressão da raiz é baixo se comparado ao fluxo de água que se verifica durante o dia devido a transpiração. Estudos realizados em tempos atrás, como os de White (1938) e Davis (1961), dão conta de uma acentuada importância da pressão de raiz, como importante mecanismo na economia de água da planta, já que o fluxo de água através deste mecanismo é muito menor que por mecanismos de adesão-coesãotensão. Os experimentos de White (1938) com raízes de tomateiro cultivadas in vitro, mostraram que as raízes poderiam desenvolver pressões muito altas, suficientes para elevar uma coluna de água a 60 m de altura. Davis (1961), mediu a pressão radicular em palmeiras, obtendo valores mais modestos, que sugeriam que a pressão de raiz poderia fornecer água a uma altura superior a 10 m. Street & Öpik (1974) referem que a pressão da raiz é considerada como sendo o resultado de um mecanismo osmótico. Nos casos em que a pressão da raiz pode ser demonstrada, foi visto que a PO da seiva do xilema é maior que a da solução externa. Quando a PO da solução externa à raiz é aumentada subitamente, a velocidade de exsudação cai e pode torna-se negativa. Além do mais, as pressões observadas são, via de regra, baixa em demasia, para elevar e movimentar a água contra a resistência de adesão até grandes alturas. Por outro lado, algumas espécies, aparentemente, nunca desenvolvem pressão da raiz. Raven et al (1978), referem que a pressão de raiz nunca chega a ser bastante grande para forçar a água até o ápice de uma árvore alta. Além disso muitas plantas, como os pinheiros, não desenvolvem pressão de raiz. Por conseguinte, a pressão de raiz deve ser talvez considerada em parte como um produto derivado do mecanismo de bombeamento de íons para o interior do xilema e, talvez em parte, como um meio auxiliar de mover a água no caule sob condições especiais. Atualmente, admite-se, que embora o desenvolvimento da pressão positiva da raiz seja bem conhecido, existem muitos casos onde ela não pode ser responsabilizada pelo movimento da água. A quantidade de água que pode ser

9 movida pela pressão da raiz parece ser muito limitada. Em muitos casos taxas máximas de exsudação correspondem a somente 1-2% da taxa de perda de água que ocorre pela transpiração. A pressão da raiz persiste somente enquanto a capacidade de fornecimento de água pelo solo é alta. Trata-se de mecanismo auxiliar na translocação de água. Mecanismo de coesão-adesão-tensão (transpiração-coesão) - Admite que o movimento da água nos vasos de xilema deve envolver ou bombeamento sob pressão, ou sucção (elevação) sob tensão. O movimento de água em plantas, e em particular em espécies lenhosas altas, ocorre primariamente como um resultado da água sendo puxada para cima, para substituir a que foi perdida pela transpiração. Quando as células das folhas perdem água por transpiração seu suco celular fica mais concentrado, diminuindo o potencial hídrico, o que origina uma pressão negativa, ou tensão, que se propaga ao longo da coluna do xilema. Isto ocorre porque as células transpirantes retiram água do xilema do caule que, por sua vez, retira das raízes e, estas retiram água do solo por osmose. Considera-se assim a existência de uma coluna ininterrupta de água movendo-se sob tensão, do solo para as folhas. Essa coluna líquida contínua, da raiz até a folha, não se rompe devido à extraordinária coesão entre as moléculas da água e da adesão destas às paredes dos vasos condutores. O que determina a ascensão da coluna líquida é, portanto, a sucção transpiratória, como demonstrado nos experimentos de Dixon e Joly em Street & Öpik (1974) referem que a manutenção de colunas de água sob tensão depende da atração coesiva das moléculas de água e requer também uma alta força de tensão da parede celular da célula do xilema. Os valores desta tensão são discutíveis, assim como é discutível se o deslocamento da água, da raiz até as folhas, se faz via protoplasto, de célula para célula, ou se a água desloca-se por fora das células através das paredes celulares. O mais aceito é que havendo água disponível na parede celular e uma transpiração induzindo o movimento, a água mova-se preferencialmente através das paredes celulares onde não havendo a resistência das membranas celulares, o fluxo de água pode ser até 50 vezes maior que quando a água percorre um caminho através do protoplasma. Existem também críticas a teoria da transpiração-coesão, baseadas nas possíveis interrupções da coluna de água no xilema (cavitação) promovida por abalos mecânicos, tais como a ação dos ventos. A cavitação levaria a formação de bolhas de gás, as quais interromperiam a coluna líquida dentro do elemento condutor. (Street & Öpik, 1974). Porém Coutinho (1976), referiu que muito embora a cavitação possa ocorrer naturalmente, a condução da seiva não seria

10 interrompida em todo o lenho da planta, mas tão-somente no elemento afetado. Mesmo assim, com o tempo a bolha pode ser reabsorvida e o elemento ser recuperado, voltando a funcionar. Levitt (1975), admitiu que a teoria da coesão ser a mais aceita, não por está conclusivamente comprovada, mas porque apenas ela está de cordo com os fatos conhecidos. PERDA DA ÁGUA PELA PLANTA - Transpiração A transpiração é o principal processo de perda de água pela planta. Ela depende de fatores ambientais como umidade atmosférica, temperatura, ventilação, condições de umidade do solo e luz solar, além de fatores da própria planta, como abertura e fechamento dos estômatos, idade da planta e a espécie em questão. Apesar da imensa importância da água para a vida da planta, a maior porcentagem da água (99%) absorvida por ela é perdida para a atmosfera. A menor porcentagem (1%) é usada pela planta nos processos bioquímicos como fotossíntese, hidrólise e na hidratação do protoplasto e da parede celular. A transpiração envolve a evaporação da água das células para os espaços intercelulares e, em seguida, a difusão do vapor d água, dos espaços para fora da planta. Uma pequena fração de água é perdida por gutação, que é a saída de pequenas gotas de água líquida, por pressão, através de poros especiais das terminações nervosas, nas bordas e ápice das folhas. Tais poro são chamados hidatódios. A transpiração ocorre através de estômatos, lenticelas e cutículas, embora a maior porção da transpiração seja a estomática; apenas uma pequena fração da transpiração é lenticular ou cuticular. A maior parte da transpiração ocorre nas folhas que têm como principal função a realização da fotossíntese. Para realizar a fotossíntese a folha precisa abrir os estômatos através dos quais o CO 2 entra e se difunde até os clorosplastos. A abertura estomática favorece a evaporação, o que determina a transpiração estomática. As células da epiderme foliar também podem perder água através da cutícula, mesmo sendo esta de natureza lipídica e relativamente impermeável. Geralmente a cutícula, constituída por substâncias de natureza graxa como a cutina e a cera, exibe canalículos, que permitem o seu atravessamento por diversas substâncias e por vapores d água. Quando os estômatos estão fechados, a transpiração que ocorre é mínima e corresponde a transpiração cuticular. Hoje

11 sabe-se que não é o espessamento da cutícula que a torna impermeável, mas a disposição dos compostos graxos. A umidade atmosférica varia significativamente de lugar para lugar, com a maior ou menor proximidade dos oceanos e mares, com a direção predominante dos ventos, com as estações do ano, etc. Ela é,geralmente, baixa em regiões secas e altas onde há elevada evaporação de água para o ar. Chamamos de umidade saturante à quantidade máxima de vapor d água que 1m 3 de ar pode conter. Este valor depende da temperatura do ar. A umidade saturante aumenta com a temperatura. A umidade relativa é expressa em porcentagem e é medida adequada de quanto o ar está próximo da saturação de vapor d água. Ela influencia a transpiração, pois a difusão de vapor d água depende de um gradiente de pressão entre os espaços intercelulares e a atmosfera. Quando a umidade relativa é alta, a difusão é mais lenta, sendo menor a transpiração. O aumento da temperatura resulta em acentuado aumento da transpiração, pois há maior concentração de vapor d água nos espaços intercelulares. Isto ocorre porque a velocidade da evaporação da água duplica para um aumento de temperatura de 10º C. Como a saída de vapor d água resfria a superfície da folha, sua temperatura não se eleva tanto quanto a do ar. Um terceiro fator ambiental que influência a transpiração é a ventilação sobre a superfície das folhas. O vento retira o vapor d água da superfície foliar, acelerando, assim, a evaporação da água. A luz solar modifica a abertura e fechamento dos estômatos e por conseguinte interfere na transpiração. A diminuição do potencial hídrico no solo, afeta a transpiração devido a redução do potencial hídrico da planta que poderá recorrer ao fechamento rápido dos seus estômatos principalmente nos horários de maior elevação da temperatura. É exatamente a abertura e fechamento dos estômatos um dos principais fatores de regulação da transpiração utilizado pela planta. Quando a planta é bem suprida de água, suas células estomática tornam-se túrgidas, promovendo a abertura dos estômatos. Se a situação hídrica da planta for deficitária, as células-guardas perdem turgor e os estômatos se fecham ativamente, reduzindo a perda d água e evitando um deficit maior. Os estômatos são, portanto, estruturas epidérmicas que permitem à planta regular suas perdas de água e manter mais ou menos constante o seu teor hídrico. Este movimento decorrente do bom ou mau suprimento de água à planta são denominados Movimentos Hidroativos.

12 Todavia, os estômatos também reagem à luz, abrindo-se em sua presença e fechando-se em sua ausência. Este movimento é chamado Mecanismo fotoativo. Neste caso por influência da luz os cloroplastos existentes nas células-guardas, realizam a fotossíntese, consumindo gás carbônico. Com isto o ph da célula se torna alcalino pela diminuição na concentração de ácido carbônico. Nestas condições ocorre conversão de amido em glicose, aumentando a pressão osmótica nas células-guardas que puxam água das células vizinhas, aumentando seu turgor e conseqüentemente o estômato se abre. A noite ocorre o processo inverso e formação de amido. Isto resulta na diminuição da Pressão osmótica das células-guardas, queda do seu DPD e conseqüente perda de água para as células anexas. Com isto o turgor diminui e o estômato se fecha. A existência de pêlos nas folhas também afeta a transpiração. Acredita-se que os pêlos protejam a folha contra a ação do vento, impedindo que a camada de vapor sobre a superfície foliar, se desloque, limitando dessa maneira a transpiração. A redução da lâmina foliar, derrubada das folhas em período secos, localização dos estômatos em depressões da epiderme, também representam meios de adaptação a situações de secas, apresentados por algumas plantas. Tais propriedades são propriedades de xerofitismo que podem ser mais ou menos acentuada em determinadas plantas. Algumas plantas desenvolvem caracteres xeromórficos não por falta de água, mas por déficit de nutrientes, tal como acontece com algumas plantas do cerrado. QUESTÕES PARA FIXAÇÃO DA APRENDIZAGEM 1. O que entende por plantas poiquilohídricas e homeoídricas? 2. Como se processam as relações hídricas nas células vegetais? 3. Quais as diderenças entre água higroscópica, capilar e gravitacional? 4. Como de dá o deslocamento da água no solo? 5. Como de dá a absorção de água pela raiz? 6. Como a água é translocada através do xilema? 7. O que dizem as teorias da pressão de raiz e da coesão-adesão-tensão? 8. Relacione alguns mecanismos para regulação da transpiração encontrado nos vegetais.

13 VI - BIBLIOGRAFIA INDICADA AO ALUNO 1. COUTINHO, L. H. Botânica. v. 2, 7ª ed., São Paulo, Cultrix, p. il. 2. LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal: revisão técnica e notas Antônio Lamberti, São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária - EPU, LEVITT, J. Introduction to plant physiology. 2ª ed., Saint Louis, The C. V. Mosby Company, MODESTO, Z. M. M. & SIQUEIRA, N. J. B. Botânica. São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária - EPU, RAVEN, P. H., EVERT, R. F. & CURTIS, H. Biologia vegetal, 2ª ed., Rio de Janeiro, Guanabara Dois, p. il. 6. STREET, H. E. & ÖPIK, H. Fisiologia das angiospermas. São Paulo, Editora Polígono S.A., 1974.

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I: Relações hídricas Aula 3 Transpiração Transpiração: Principal processo de perda d água pelo vegetal. A Transpiração ocorre

Leia mais

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS:

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Papel fundamental na vida da planta para cada grama de matéria orgânica produzida, 500 g de água são absorvidas pelas raízes, transportadas pelo corpo

Leia mais

Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal II Anatomia vegetal... 1 Relações hídricas na planta... 2 Exercícios... 5 Gabarito... 8 Anatomia vegetal Identificação de estruturas

Leia mais

AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema

AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE ECOFISIOLOGIA AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema A água H 2 O ÁGUA - PARTICULARIDADES

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Santo Inácio. Educação para toda a vida. Colégio. Jesuítas

HISTOLOGIA VEGETAL. Santo Inácio. Educação para toda a vida. Colégio. Jesuítas HISTOLOGIA VEGETAL I. Tecido Meristemático - Tecido embrionário - Divisão por mitose - Célula pequena - Núcleo grande Tipos de Tecidos Meristemáticos I- Meristema Primário - Derivadas do embrião - Localização:

Leia mais

Existem diversos tipos de transporte que podem ocorrer através da membrana plasmática. Vejamos abaixo:

Existem diversos tipos de transporte que podem ocorrer através da membrana plasmática. Vejamos abaixo: MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES MEMBRANA PLASMÁTICA A membrana plasmática é constituída de uma camada dupla de lipídeos. Nesta camada, existem moléculas de proteínas encaixadas. Essas moléculas de proteínas

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL 1. (Ufrgs 2015) A coluna à esquerda, abaixo, lista dois hormônios vegetais; a coluna à direita, funções que desempenham. Associe adequadamente a coluna direita com a esquerda.

Leia mais

Fisiologia vegetal. Aulas práticas. Departamento de Botânica Faculdade de Ciências e Tecnologia de Coimbra Universidade de Coimbra

Fisiologia vegetal. Aulas práticas. Departamento de Botânica Faculdade de Ciências e Tecnologia de Coimbra Universidade de Coimbra Fisiologia vegetal Aulas práticas Departamento de Botânica Faculdade de Ciências e Tecnologia de Coimbra Universidade de Coimbra 2 Aula 1 Osmose Gradiente osmótico (1 aluno de cada grupo) Osmómetro de

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura)

MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura) MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura) A membrana plasmática é uma estrutura altamente diferenciada, que delimita a célula e lhe permite manter a sua individualidade relativamente ao meio externo.

Leia mais

11. Adaptações das plantas ao factor água HIDRÓFITAS XERÓFITAS MESÓFITAS HIDRÓFITAS HELÓFITAS XERÓFITAS MESÓFITAS Observações:

11. Adaptações das plantas ao factor água HIDRÓFITAS XERÓFITAS MESÓFITAS HIDRÓFITAS HELÓFITAS XERÓFITAS MESÓFITAS Observações: 11. Adaptações das plantas ao factor água No decurso da evolução, as plantas vasculares colonizaram grande parte da superfície terrestre, tendo-se adaptado a uma grande diversidade de habitats, nomeadamente

Leia mais

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA GERAL TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS Prof. Tomás de Aquino Portes Goiânia, maio de 2008 1 CAPÍTULO 8 Translocação

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA

Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Hidrófitas: vivem locais com muita disponibilidade de água Mesófitas: vivem em locais com disponibilidade média de

Leia mais

MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI

MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI MEMBRANA PLASMÁTICA Funções Composição Química Propriedades Proteção Lipídeos Elasticidade Permeabilidade Seletiva Proteínas Regeneração MODELO ATUAL: MOSAICO

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

atividade 2 Como ocorre o transporte de água no corpo das plantas Construir explicações a partir de observações

atividade 2 Como ocorre o transporte de água no corpo das plantas Construir explicações a partir de observações atividade 2 Como ocorre o transporte de água no corpo das plantas Construir explicações a partir de observações Nathália Helena Azevedo, Adriana Maria Zanforlin Martini e Daniela Lopes Scarpa Como citar:

Leia mais

A MEMBRANA PLASMÁTICA

A MEMBRANA PLASMÁTICA A MEMBRANA PLASMÁTICA Prof. André Maia Conceito É uma membrana lipoprotéica, semipermeável que envolve a célula, separando-a do meio exterior. Funções da membrana proteção mecânica (contra choques físicos)

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

Sistemas de Trocas Gasosas

Sistemas de Trocas Gasosas Sistemas de Trocas Gasosas 1 Generalidades os seres vivos habitam diversos tipos de ambientes, sendo fundamentalmente o terrestre, o aquático e o aéreo. As diferenças existentes entre os diversos ambientes,

Leia mais

TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA. Luis Eduardo Maggi

TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA. Luis Eduardo Maggi TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA Luis Eduardo Maggi Tipos de Transporte Passivo Difusão simples Difusão facilitada Osmose Ativo Impulsionado pelo gradiente iônico Bomba de Na/K Em Bloco Endocitose: (Fagocitose,

Leia mais

Células-guarda: decisão do dilema fome x sede

Células-guarda: decisão do dilema fome x sede UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE ECOFISIOLOGIA Transpiração: Necessária ou desperdício de água? O O poro estomático é flanqueado por

Leia mais

1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes.

1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes. Membrana Plasmática 1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes. Componentes celulares Célula A Célula B Célula C Membrana

Leia mais

Biologia 2ª Série Resumo Fisiologia Vegetal

Biologia 2ª Série Resumo Fisiologia Vegetal A fisiologia vegetal estuda os fenômenos vitais relacionados com as plantas. Isto inclui o metabolismo vegetal; o desenvolvimento vegetal; os movimentos vegetais e a reprodução. Raiz e Absorção As plantas

Leia mais

Osmose e Plasmólise. Introdução. Materiais Necessários

Osmose e Plasmólise. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Você já pensou por que a lesma desidrata até morrer, quando jogamos sal nela? E porque a salada de tomate fica aguada depois de temperada? Veja, nesse experimento, como ocorrem os processos

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Profº. Amaral

HISTOLOGIA VEGETAL. Profº. Amaral HISTOLOGIA VEGETAL Profº. Amaral HISTOLOGIA VEGETAL A organização do corpo dos vegetais é bem diferente da organização do corpo dos animais. A maior parte dessas diferenças é uma adaptação ao modo autotrófico

Leia mais

É a parte da Botânica que estuda os tecidos

É a parte da Botânica que estuda os tecidos É a parte da Botânica que estuda os tecidos vegetais - Crescimento Tecidos vegetais -Adultos permanentes -Meristema primário -Meristema secundário -De revestimento -De sustentação -De condução -Parênquimas

Leia mais

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI MORFOLOGIA VEGETAL Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI INTRODUÇÃO Dois dos processos mais interessantes e complexos que ocorrem durante o ciclo de vida das plantas produtoras

Leia mais

Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL. Fenômenos relacionados com a água: Propriedades da água. Alto calor específico

Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL. Fenômenos relacionados com a água: Propriedades da água. Alto calor específico Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL Fenômenos relacionados com a água: Transpiração Absorção e transporte de água Transporte de açúcares Nutrição mineral Pigmentos Crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito 1) (Fuvest-2000) Entre as plantas vasculares, uma característica que pode ser usada para diferenciar grupos é: a) presença de xilema

Leia mais

Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese.

Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese. 1 2 Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese. Neste caso, incluem-se as algas multicelulares (Chlorophyta,

Leia mais

EXERCÍCIOS PROPOSTOS. Absorção. 3. (Unesp) Considerando o movimento de substâncias nas plantas, foi construída a tabela:

EXERCÍCIOS PROPOSTOS. Absorção. 3. (Unesp) Considerando o movimento de substâncias nas plantas, foi construída a tabela: BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 8.b FISIOLOGIA VEGETAL ORIENTAÇÕES A lista 11.b de Fisiologia Vegetal traz várias questões divididas por assunto para facilitar o seu estudo. Nunca deixe de

Leia mais

SLC Aula 10 Profa. Ana Paula O movimento da água e dos solutos nas plantas

SLC Aula 10 Profa. Ana Paula O movimento da água e dos solutos nas plantas SLC 0622 - Aula 10 Profa. Ana Paula O movimento da água e dos solutos nas plantas Para cada grama de matéria orgânica produzida pela planta, cerca de 500g de água são absorvidos pelas raízes, transportados

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

BIOLOGIA. Questão 2 a) Criptógamas. b) Fanerógamas. c) Espermatófitas. d) avasculares. e) vasculares ou traqueófitas. f) Monera.

BIOLOGIA. Questão 2 a) Criptógamas. b) Fanerógamas. c) Espermatófitas. d) avasculares. e) vasculares ou traqueófitas. f) Monera. BIOLOGIA Prof. Fred AULA 1 EVOLUÇÃO E REPRODUÇÃO DOS GRUPOS VEGETAIS SERIE AULA a) Final do Carbonífero: Final do Carbonífero: raízes, caules e folhas. Início do Cretáceo: Início do Cretáceo: raízes, caules,

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Tema 06: Proteínas de Membrana

Tema 06: Proteínas de Membrana Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Tema 06: Proteínas de Membrana Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos Proteínas de Membrana Visão Geral das Proteínas

Leia mais

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS 2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS FALANDO DOS SOLOS (8) No bloco anterior aludi à componente mineral do solo. Neste abordo a componente orgânica e as fracções líquida e gasosa que lhes estão associadas.

Leia mais

COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO

COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO = s + m + p + g onde: (ou w ou a ) = potencial de água total; s (ou o ) = potencial de solutos ou osmótico, que é função da concentração de solutos; negativo m = potencial

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Introdução. Observando o ambiente

Introdução. Observando o ambiente Introdução A curiosidade natural do homem, o leva a explorar o ambiente que o cerca, observando, analisando, realizando experiências, procurando saber o porquê das coisas. Nesta atividade, exploradora

Leia mais

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular.

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular. Tensão Superficial Nos líquidos, as forças intermoleculares atrativas são responsáveis pelos fenômenos de capilaridade. Por exemplo, a subida de água em tubos capilares e a completa umidificação de uma

Leia mais

MICROSCOPIA. 1665 Robert Hooke, obra: Micrographia; Denominação células.

MICROSCOPIA. 1665 Robert Hooke, obra: Micrographia; Denominação células. CITOLOGIA Instituto Dom Fernando Gomes Professora: Cristiane Fontes Santos Graduação: Ciências Biológicas Lic. pela Universidade Federal de Sergipe Pós-graduação: Gestão em Saúde UFS E-mail: cfsfontes@hotmail.com

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com 1-O gráfico a seguir mostra como variou o percentual de cepas produtoras de penicilinase da bactéria Neisseria gonorrhoeae obtidas de indivíduos com gonorréia no período de 1980 a 1990. A penicilinase

Leia mais

Características e os efeitos das propriedades coligativas

Características e os efeitos das propriedades coligativas Características e os efeitos das propriedades coligativas O estudo das propriedades coligativas é um dos conteúdos mais importantes a serem estudados, pois facilita a compreensão de fenômenos químicos

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Parte subterrânea da planta, funções:

Parte subterrânea da planta, funções: Parte subterrânea da planta, funções: Absorção (água e substâncias dissolvidas nela); Condução (até a parte aérea); Fixação da planta no solo; Reserva (cenoura, rabanete...) Primeira das partes embrionárias

Leia mais

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2 Fisiologia Vegetal Fatores ambientais Abióticos e bióticos CO 2 O 2 ATMOSFERA Crescimento e desenvolvimento SOLO H 2 O Elementos minerais Mecanismos das células vegetais Absorção e transporte de água e

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais

Transporte através da Membrana Plasmática. Biofísica

Transporte através da Membrana Plasmática. Biofísica Transporte através da Membrana Plasmática Biofísica Estruturas das células Basicamente uma célula é formada por três partes básicas: Membrana: capa que envolve a célula; Citoplasma: região que fica entre

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana Origem Segundo Todd (1959), quase todas as águas subterrâneas podem ser compreendidas como fazendo parte do ciclo hidrológico,

Leia mais

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima Relações água e solo Fases do solo Sólida Líquida (Água/Solução) Ar Fase sólida Densidades do solo e de partícula Densidade de partícula (real) Relação

Leia mais

TRANSPORTE DE ÁGUA E SAIS. entender a absorção da água e dos sais pelas plantas, conceituando as teorias coesão-tensão e teoria radicular.

TRANSPORTE DE ÁGUA E SAIS. entender a absorção da água e dos sais pelas plantas, conceituando as teorias coesão-tensão e teoria radicular. TRANSPORTE DE ÁGUA E SAIS META Apresentar os transportes de água e sais nas plantas. OBJETIVOS entender a absorção da água e dos sais pelas plantas, conceituando as teorias coesão-tensão e teoria radicular.

Leia mais

O movimento da água e dos solutos nas plantas

O movimento da água e dos solutos nas plantas O movimento da água e dos solutos nas plantas A água Princípios do movimento da Água O movimento da água em qualquer sistema é governado por 3 processos: Difusão Osmose Fluxo de massa; Osmose glicose Membrana

Leia mais

Antigas doutrinas da Índia, da Babilônia e do Egito ensinavam que rãs, cobras e crocodilos eram gerados pelo lodo dos rios.

Antigas doutrinas da Índia, da Babilônia e do Egito ensinavam que rãs, cobras e crocodilos eram gerados pelo lodo dos rios. 1 2 Antigas doutrinas da Índia, da Babilônia e do Egito ensinavam que rãs, cobras e crocodilos eram gerados pelo lodo dos rios. Esses seres, que apareciam inexplicavelmente no lodo, eram encarados como

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

Aluno (a): Professor:

Aluno (a): Professor: 3º BIM P1 LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS 6º ANO Aluno (a): Professor: Turma: Turno: Data: / / Unidade: ( ) Asa Norte ( ) Águas Lindas ( )Ceilândia ( ) Gama ( )Guará ( ) Pistão Norte ( ) Recanto das Emas

Leia mais

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS CÉLULA Unidade fundamental dos seres vivos Menor estrutura biológica capaz de ter vida autônoma Átomos Moléculas Estruturas supramoleculares Células tecidos órgãos Sistemas

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Membrana Celular: Bicamada Lipídica Nutrição

Membrana Celular: Bicamada Lipídica Nutrição Membrana Celular: Bicamada Lipídica Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto FEV/2011 BICAMADA LIPÍDICA Bicamada Formada por 50% de lipídeos (latu senso); As moléculas das membranas são

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

Conceitos e aplicações dos adjuvantes

Conceitos e aplicações dos adjuvantes ISSN 1518-6512 Agosto, 2006 56 Conceitos e aplicações dos adjuvantes Leandro Vargas 1, Erivelton Scherer Roman 1 Introdução Os herbicidas, até mesmo aqueles com ação de contato como paraquat, necessitam

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS Prof. Robinho Propriedades Coligativas São mudanças que ocorrem no comportamento de um líquido. Quando comparamos, em análise química, um líquido puro e uma solução desse líquido

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. As fotografias

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... *

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO Antes de verificarmos como ocorrem as mudanças de estado físico de uma substância, vamos caracterizar cada um dos estados aqui estudados.

Leia mais

BOTÂNICA PARTE I Ramo da biologia que estuda as plantas. Briófita & Pteridófita

BOTÂNICA PARTE I Ramo da biologia que estuda as plantas. Briófita & Pteridófita BOTÂNICA PARTE I Ramo da biologia que estuda as plantas. Briófita & Pteridófita BOTÂNICA (Reino Plantae) Para pertencer ao grupo das plantas o organismo deve: Ter raiz, caule e folha; Ser autótrofo fotossintetizante

Leia mais

Lipídios Proteínas Carboidratos (glicocálix)

Lipídios Proteínas Carboidratos (glicocálix) Delimita a Célula Realiza reações celulares Possui Permeabilidade Seletiva Composição: Lipídios Proteínas Carboidratos (glicocálix) Membrana Plasmática xx/xx 2 MOSAICO FLUÍDO Hidrofílica = afinidade com

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I: Relações hídricas Aula 1 Importância Funções para os vegetais Propriedades físico-químicas e térmicas Movimento de água na

Leia mais

FACULDADES UNICEN - Primavera do Leste Curso de Agronomia 2 o Semestre Disciplina de Anatomia Vegetal

FACULDADES UNICEN - Primavera do Leste Curso de Agronomia 2 o Semestre Disciplina de Anatomia Vegetal FACULDADES UNICEN - Primavera do Leste Curso de Agronomia 2 o Semestre Disciplina de Anatomia Vegetal Originados do meristema fundamental; Diversas funções: Preenchimento; Fotossíntese; Reserva; Acúmulo

Leia mais

Capítulo 5 Água subterrânea. Introdução a Hidrologia de Florestas

Capítulo 5 Água subterrânea. Introdução a Hidrologia de Florestas Hidrologia de Florestas Setembro 2004 João Vianei Soares 1 Capítulo 5 Água subterrânea Introdução a Hidrologia de Florestas A. Introdução. Água que entra no regolito divide-se em umidade do solo na zona

Leia mais

UNIDADE III RELAÇÕES HÍDRICAS

UNIDADE III RELAÇÕES HÍDRICAS UNIDADE III RELAÇÕES HÍDRICAS RELAÇÕES HÍDRICAS INTRODUÇÃO A água executa papéis cruciais na vida da planta. Para cada grama de matéria orgânica feita pela planta, cerca de 500 gramas de água são absorvidas

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides 1. Considere o gráfico da pressão máxima de vapor em função da temperatura para um solvente puro e para uma solução desse solvente contendo um soluto molecular

Leia mais

Propriedades Coligativas. Profa. Kátia Aquino

Propriedades Coligativas. Profa. Kátia Aquino Propriedades Coligativas Profa. Kátia Aquino O que são? São as propriedades de uma solução que são influenciadas pela quantidade de soluto. Tal influência não depende da natureza do soluto. Vamos recapitular...

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas Mateco - UCP - Civil Madeiras na Construção Civil: Aplicações estruturais; Telhados; Sustentação (vigas, colunas e pisos) Aplicações em revestimentos; Aplicação em esquadrias; Aplicações no mobiliário;

Leia mais

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR COMET Professor: Ar úmido A água está presente em certo grau em toda atmosfera em três estados: sólido, líquido e gasoso. O estado gasoso, ou vapor de água atmosférico

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa)

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 29

Leia mais

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores.

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores. ESTADOS DA MATÉRIA A matéria que temos a nossa volta é formada de moléculas que são constituídas por átomos. Uma combinação destes átomos forma as substâncias que conhecemos, porém, devemos salientar que

Leia mais

Prof.: Ramon L. O. Junior 1

Prof.: Ramon L. O. Junior 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: BIOLOGIA UNIDADE II NOÇÕES DE MORFOLOGIA E FISIOLOGIA CELULAR Prof.: Ramon Lamar de Oliveira Junior TIPOS CELULARES CÉLULA PROCARIOTA X 1 a 2 micrômetros (mm) Ausência

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Elementos e Fatores de Diferenciação

Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO E ZONEAMENTO CLIMÁTICO A interferência climática sobre a cobertura vegetal é um dos principais fatores que possibilitam uma pluralidade paisagística.

Leia mais

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS Vegetais são capazes de controlar seu desenvolvimento e crescimento de acordo com as condições ambientais, e de reagir a estímulos ambientais; Essas atividades são controladas

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS 5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS Auno(a) N 0 6º Ano Turma: Data: / / 2013 Disciplina: Ciências UNIDADE I Professora Martha Pitanga ATIVIDADE 01 CIÊNCIAS REVISÃO GERAL De

Leia mais