Controle de Tráfego em Provedores de Serviço de Internet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Controle de Tráfego em Provedores de Serviço de Internet"

Transcrição

1 Controle de Tráfego em Provedores de Serviço de Internet Carlos Alexandre Zimmermann Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Tereza Cristina M. B. Carvalho Lab. Arquitetura e Redes de Computadores Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Resumo Os Provedores de Serviço de Internet estão sujeitos a volatilidade da demanda e a incerteza da capacidade de resposta. Estas características da carga e do sistema tornam difícil a manutenção da qualidade de serviço em sistemas de alta demanda. Este trabalho apresenta uma proposta de controle automático do fluxo de dados para aumento da eficiência, diminuição dos tempos de resposta e economia de recursos em sites com resposta dinâmica. 1. Introdução A manutenção de qualidade de serviço em Provedores de Serviço de Internet (ISP - Internet Service Provider) é um desafio aos profissionais da área de infraestrutura de tecnologia. Com o aumento da demanda é importante que os sistemas sejam cada vez mais eficientes possibilitando qualidade de serviço a baixo custo. Este estudo foi motivado pela dificuldade encontrada na análise e controle de desempenho de ISP s. Em especial para os sistemas que possuem necessidades críticas de desempenho. O trabalho está organizado da seguinte forma. No próximo capítulo caracterizamos o problema de desempenho em ISP s. No capítulo 3, são apresentados os fundamentos para a solução do problema descrito no capítulo anterior. No capítulo 4 descrevemos a solução baseada no controle tráfego. O capítulo 5 é dedicado à experimentos e a discussão dos resultados. 2. Desempenho em Provedores de Serviço 2.1. Contexto Apesar da evolução continua da tecnologia dos sistemas computacionais distribuídos, muitos dos protocolos utilizados na internet continuam os mesmos do seu início, basicamente HTTP sobre TCP/IP. O protocolo HTTP, utilizado na comunicação entre browser e ISP, inicialmente transportava páginas HTML estáticas. Mas com o aumento da demanda e surgimento de novas necessidades acabou sendo empregado na distribuição não apenas de documentos, mas também de aplicações. Percebe-se que a construção de páginas dinâmicas aumentou a complexidade do ISP. E, portanto, aumentou a complexidade da análise e do controle de desempenho do sistema. Existem algumas tentativas de análise e controle com elementos entre os servidores da rede interna. No entanto, essas soluções não são genéricas, uma vez que os servidores de aplicações e as bases de dados não possuem padrão definido. Cada sistema propõe a sua solução, que pode ser uma mistura de tecnologias, inviabilizando a análise de forma genérica. Este estudo propõe uma solução genérica, para análise e controle das métricas de desempenho do ISP, através dos Servidores HTTP. Estes servidores estão presentes em qualquer site, os mais comuns: Apache Server (67% do mercado [18]), Microsoft IIS (21%) e Netscape Enterprise (3%). Estes servidores possuem funcionalidades e interface similar além de comunicação padronizada. Nestes sistemas verifica-se alternância de momentos de sobrecarga e de abundância de recursos. Portanto, existe campo para a otimização dos processos envolvidos. O desafio está em analisar e controlar sistemas com variação abruptas na oferta e demanda de serviço. Estas variações ocorrem devido a diversos fatores do sistema e da carga que são de difícil modelagem Servidores HTTP O Servidor HTTP (SH) é a porta de entrada de um ISP. As requisições são tratadas de acordo com o tipo de documento. Documentos estáticos, como páginas HTML e imagens, são simplesmente recuperados do disco rígido e enviados ao requisitante. Caso seja uma chamada a um serviço a página deverá ser construída de forma dinâmica. Existem inúmeras formas de tratamento do conteúdo dinâmico. Em sistemas de alto desempenho, esta tarefa é repassada a servidores de aplicações e bases de dados dedicados. Independentemente de como estes servidores são requisitados, há uma latência. Este tempo de reposta é a

2 métrica que utilizaremos para determina a qualidade de serviço do ISP. Um dos problemas em relação à análise de desempenho deste tipo de sistema é a dificuldade em se determinar, quantitativamente e qualitativamente, os parâmetros que afetam o desempenho do sistema. Sem esta análise fica difícil determinar de forma criteriosa a quantidade de recursos necessários para a obtenção de um determinado tempo de resposta. Observa-se, no entanto, que a definição do parâmetro a ser controlado é outro problema. Nos trabalhos estudados os parâmetros de controle e as técnicas de monitoração e atuação não são genéricos. Resolvendose o problema de apenas um determinado tipo de SH em determinas plataformas. Os sistemas também carecem de controles globais. Ao invés disso o que existe são controles atuando individualmente em cada camada de rede. O protocolo TCP, por exemplo, apesar de possuir controle de fluxo e congestionamento não possui inteligência global. Ou seja, um controle que a partir do conhecimento do comportamento do sistema tente evitar o congestionamento. Desta forma os roteadores precisam de mais memória para seus buffers e os enlaces físicos sofrem sobrecargas que poderiam ser minimizadas. Há, portanto, um desbalanceamento entre a capacidade de oferta do sistema e da rede com a demanda gerada pelos usuários. Em sistemas de alta demanda esta falta de equilíbrio causa significativo desperdício de recursos. O ponto de equilíbrio dificilmente será alcançado, mas pode ser perseguido se o sistema for controlado com inteligência global Trabalhos Relacionados A teoria de filas desenvolveu um ferramental matemático muito poderoso para a análise de processos distribuídos [1]. Contudo a maioria dos conceitos parte do principio que os processos e a carga são Markovianos. Ou seja, tempos de chegada com distribuição Poisson e tempos de serviço com distribuição Exponencial. Estas características de filas M/M/1 não ocorrem em sistemas de internet. Estes são mais parecidos com sistemas G/G/n, sem distribuição específica, que limitam o estudo de forma analítica e forçam a simulação e a prototipação [2-4]. Alguns trabalhos recentes fixam o tempo de resposta e controlam a alocação de recursos para o SH. Em [6,7] são propostos modelos preditores com malha de controle feedfoward. Nestes trabalhos, foram encontradas dificuldades na determinação das taxas de chegada e de serviço que podem variar abruptamente. Mas a principal limitação é a forma de controle dos recursos de um servidor. No caso deles, o teste foi realizado em um servidor Apache, controlando-se a quota de processamento. Mas esse é um caso específico, em outros SH s e plataformas não é possível controlar a quota de processamento de forma determinística. Uma técnica interessante e que foi o caminho adotado neste trabalho é o controle da outra ponta, ou seja, da taxa de chegada de requisições e da disciplina de serviço através de algoritmos de agendamento. O EDF (Earliest Deadline First) apresentado em [5] propõe um algoritmo para o regime de fila em que o elemento mais próximo do limite de tempo de resposta teórico é disparado. Em [8] a variante PSCED (Packet Scheduled Control Earliest Deadline First) discute a discretização do EDF. 3. Fundamentos Teóricos Nesta seção são abordados tópicos que são os fundamentos matemáticos e conceituais para a proposta de controle de tráfego. A abordagem foca o que é utilizado nos próximos capítulos. Não há a intensão de se aprofundar nestes temas. As provas matemáticas podem ser encontradas em [8] e [9] Álgebra MIN-PLUS e Cálculo de Rede Nos ISP s tratamos parâmetros que variam abruptamente. Um valor pontual, como uma amostra do parâmetro é pouco representativa. Precisamos análisar um conjunto de amostras. Então estes parâmetros podem ser melhor análisados quando tratados como curvas. Ou seja, funções acumulativas dos parâmetros. A álgebra MIN-PLUS é um ferramental matemático para tratamento de curvas. Entenda-se por curvas as funções no tempo para as quais dados quaisquer t2 > t1 temos f(t2) f(t1). Ou seja, funções que nunca decrescem. Por exemplo, dado o parâmetro número de requisições por segundo. Uma amostragem em um minuto não é representativa. Podemos então análisar a curva do número de requisições até um determinado ante. O Cálculo de Rede [9] estuda a relação entre as curvas de parâmetros dos sistemas em rede. No capítulo 4 faremos uso destas relações. Para miaores detalhes e formalização veja as referências [8-13] Protocolo TCP Nesta seção são descritos alguns detalhes do protocolo TCP ([14] e [16]) e dos algoritmos de controle padronizados (RFC 2581 [15]) necessários para o entendimento da solução proposta. O segmento TCP possui a estrutura mostrada na Figura 1. Pode ter tamanho variado, limitado de acordo com as características da rede. PORTA ORIGEM PORTA DESTINO NÚMERO DE SEQUÊNCIA NÚMERO DE RECONHECIMENTO OFFSET - FLAGS JANELA DE RECEPÇÃO CHECKSUM DADOS URGENTES OPÇÕES (TAM VARIÁVEL) DADOS DE APLICAÇÃO (TAM VARIÁVEL) 0 32 Figura 1. Estrutura do segmento TCP. O campo JANELA DE RECEPÇÃO (rwnd) informa ao emissor a capacidade do buffer receptor. O emissor

3 deve assegurar que a quantidade de dados em transito (dt) não seja superior a janela rwnd. São considerados dados em transito os segmentos para os quais ainda não houve reconhecimento (ACK) por parte do receptor. Esta janela, no entanto, não é suficiente para garantir que não haja saturação dos enlaces de rede e dos buffers nos equipamentos intermediários. Por isso foram criados os controles de fluxo e congestionamento. Estes controles determinam a janela de ou janela de congestionamento (cwnd), que é uma variável de sessão do emissor. A janela de transmissão utilizada é a menor entre a janela de recepção rwnd e a janela de congestionamento cwnd. Em condições normais, sem erro e perda de dados, a velocidade de transmissão é controlada pelos algoritmos Slow Start e Congestion Avoidance. Eles trabalham juntos para determinar o tamanho da janela de congestionamento Modelagem de latência. Posteriormente, neste trabalho, será determinada a curva de serviço β u, que representa a resposta da conexão de um determinado usuário através da internet. Nesta sessão será feita a modelagem de latência, ou tempo de transmissão para determinarmos a curva de serviço. Dada a curva de serviço βu= r u.[t d u ]+, podemos aferir os parâmetros taxa de transmissão r u e retardo d u, através da análise da seqüência de segmentos TCP. A transmissão de dados começa com o estabelecimento da conexão. Nesta fase são enviados segmentos de controle (sem dados) e pode-se amostrar o RTT (Round Trip Time), ou tempo entre o de um segmento e a recepção do ACK. Devido a variação rápida dos valores amostrados do RTT o protocolo TCP utiliza estimativa por média móvel exponencial (EWMA - Exponential Weighted Moving Average). Por este método a cada amostra atualiza-se a estimativa de média e desvio padrão, conforme segue: Esta estimativa é eficiente, pois diminui o peso das amostras mais antigas. Quanto maior o fator p (tipicamente igual a 0,1) mais rápido as estimas antigas são descartadas. A média EWMA também é utilizada nos controles de fluxo e congestionamento para estimar o tempo ótimo de retransmissão de segmentos. Na Figura 2 temos a seqüência simplificada de conexão e requisição. Neste exemplo temos a fase de conexão, onde são passados segmentos de controle. E a fase de requisição com passagem de segmentos de dados completos (MSS bytes). Na fase de conexão, o tempo entre o do segmento de controle e o recebimento do ACK é 1 RTT. O retardo de transmissão d u é determinado como a metade do valor estimado RTT. Enquanto que nos períodos de de dados o tempo transcorrido entre o do segmento e a recepção do ACK é igual a RTT + MTU/r. Ou seja, temos os parâmetros de βu conforme segue: Tem-se então a taxa de r u (em bytes/s) e a latência d u (em segundos). Está definida, portanto, a curva de serviço β u. 4. Controle de Tráfego Pretendemos controlar o tráfego no ISP determinando quando e como responder às requisições. Em sistemas elétricos, mecânicos, hidraulicos entre outros, existe o conceito de casamento de impedância. Significa que há um ponto de equilibrio entre o sistema e a carga que otimiza a transferência de energia. Quando há casamento de impedância o sistema trabalha no ápice da eficiência, ou seja, com perda mínima de energia. No caso de sistemas de internet as coisas não são tão simples. Trata-se de um mundo discretizado onde os componentes e a carga são dificilmente modelados com resultados satisfatórios. Ao requisitar um serviço através da internet o usuário envia uma requisição HTTP GET ou POST a um Servidor HTTP que é a porta de entrada do sistema. A subrede do SH é ideal para hospedar um proxy de monitoração e controle. Pois concentra a interface entre a rede externa e a interna. Quando o SH verifica que a chamada deve ser tratada de forma dinâmica esta tarefa é repassada a servidores de aplicação. Independentemente de como estes servidores são requisitados, para a contrução de uma página dinâmica, nos importa conhecer a curva de resposta do sistema de cada serviço. Na Figura 3 a curva de resposta R s (t) do serviço s, representa a resposta (bytes em função do tempo) do conjunto de recursos que geram a página dinâmica requisitada pelo usuário u (requisição γ s,u ). Figura 2. Diagrama seqüência de segmentos TCP. Figura 3. Sistema internet simplificado recebendo a requisição γs,u do usuário u ao serviço s.

4 Cada um dos serviços de um sistema representa um conjunto de recursos de hardware e software diferentes que conseguem dar vazão a um determinado número de requisições simultâneas. Além do qual fomar-se-ão filas de atendimento em algum ponto do sistema. O que afeta o desempenho do conjunto e se reflete em aumento do tempo de resposta. Assim como a rede interna, a externa também possue suas limitações de resposta. A internet é o gargalo de comunicação. Impõem limitações de taxa de transferência e latência que devido a sua natureza heterogênea podem variar muito de um usuário para outro. Temos, por exemplo, usuários conectados por banda larga e outros por linha discada, backbones rápidos em locais de boa infra-estrutura e sub-redes sobrecarregadas em outros. Inicialmente a inserção de um cache de saída pode melhorar a eficiência do sistema. Cada resposta de um determiando serviço possui uma parte criada dinamicamente única e uma parte comum a todas as respostas. Se pudermos adiantar a parte comum (estática) teremos um ganho em relação ao tempo de resposta Controle de Antecipação A partir da existencia do cache de saída podemos realizar o controle de fluxo. Na Figura 4 temos a malha de controle do proxy para antecipação da parte estática na taxa de transferência adequada a banda do usuário. Dada a requisição γ s,u do usuário u para o serviço s, o sistema responde com tempo de resposta drs. Se esta resposta for gerada dinamicamente a parte estática é separada da dinâmica e armazanada no cache. Caso este serviço já tenha sido requisitado antes então já deve existir uma cópia desta. A partir da existência de uma cópia confiável pode-se antecipar a parte estática Re s. A curva de resposta Rds apresentada ao Moderador é a parte dinâmica filtrada da resposta do serviço. Que pode ser enviada assim que ficar pronta. enlace com a rede pública recebe dados acima da capacidade de e sobrecarrega os buffers dos roteadores. Isso é tratado pelo controle de fluxo e congestionamento do TCP. Mas pode ser evitado através do controle de proposto adiante. O bloco Identificador funciona como sniffer capturando os dados no segmento de rede dos Servidores HTTP. Através da análise das requisições e respostas HTTP pode-se determinar o tempo de resposta e a página gerada. Estas informações são guardadas em uma base de dados formando um cache de respostas HTTP. No caso de páginas estáticas a resposta do Servidor HTTP é rápida e não há a necessidade de antecipar nada. Já no caso de páginas dinâmicas, sempre há um retardo devido ao processamento e montagem. Neste tempo de processamento estão incluidos os períodos de requisições a servidores de aplicações, bases de dados e mainframes. O bloco Filtro tem a função de separar a parte dinâmica e estática da resposta HTTP e armazená-las no cache. A parte estática é enviada ao Moderador. Depois de algumas requisições, a um mesmo serviço, é possível determinar qual a parte dinâmica e qual a parte estáticas da resposta. Alternativamente o início e o fim do trecho dinâmico podem ser indicados por tags. Por exemplo, o site disponibiliza um serviço de tradução Inglês-Português (Figura 5). A página gerada é composta do cabeçalho e do código HTML, conforme exemplificado abaixo: <html> <head> <title>search Results</title> </head> <body BACKGROUND="images/bckgrndyd.jpg> <table class="blue_border" width="90%" cellpadding="2"> <tr><th valign="top" align="left">terms</th><th valign="top" align="left">translations</th></tr> <!- - IniDin - - > <tr> <td align="left" valign="top"><b>1. <a href = "?text=smoothing&service=ep">smoothing</a> [n.]</b></td> <!- - FimDin - - > </table> </body> </html> Figura 4. Diagrama de controle. Devido a limitações da rede interna e da internet os dados enviados pelo sistema Rs,u são recebidos pelo usuário com outra curva R u caracterizada por uma taxa e um retardo específico de cada usuário (conexão). Como o gargalo de comunicação é a internet a taxa de transferência da rede interna ao backbone é maior que a do backbone ao browser do usuário. Então a banda do Figura 5. Exemplo: serviço de tradução do site Neste exemplo, a maior parte do HTML e seus componentes, como a imagem bckgrndyd.jpg, podem ser antecipadas enquanto a parte dinâmica, tradução, é realizada. Esta antecipação será mais efetiva quanto

5 maior a carga estática e menor a taxa de transferência do usuário requisitante. Alguns elementos que aumentam a carga estática são: imagens, applets, arquivos de estilo (CSS) entre outros. Na prática esta antecipação é realizada substituindose o trecho dinâmico por uma chamada ao próprio site conforme segue: <!- - IniDin - - > <frame src = "http://site/partedin?id=3167&delay=8 alt = "Aguarde "> <!- - FimDin - - > Esta chamada é feita pelo browser assim que a linha de código chegar. E quando retornar ao sistema, não será atendida pelo Servidor HTTP e sim pelo proxy. Este irá responder enviando apenas a parte dinâmica da página Determinação dos Instantes de Envio e Processamento Apenas com o controle de antecipação já é possível obter um ganho no tempo de resposta. Na Figura 6 a parte dinâmica é enviada logo após a parte estática. No entanto o da parte estática assim que a requisição é recebida pode nem sempre ser a melhor solução para sistemas de alta demanda. Esta determinação deve ser feita com base no taxa de transferência e no tamanho da parte estática. A taxa de transferência para o usuário u é estimada (β u ). E o tamanho da parte estática é obtido do cache. A existência do cache torna possível o agendamento do inicio de processamento e de inicio de transmissão. Além de permitir o controle da taxa de para adequar a curva de saída R u à curva de resposta β u. Figura 6. Otimização da banda e diminuição do tempo de resposta total: T2< T1. (a) Curva de resposta sem controle (T1). (b) Curva de resposta com antecipação e controle de fluxo (T2). No bloco Moderador estão as funcionalidades para determinação da curva de serviço de comunicação com o usuário e para o controle da taxa de. Determinamos a curva de resposta através de estimativa do RTT dos segmentos TCP enviados. Uma vez conhecida a curva de serviço de comunicação com o usuário u pode-se estimar a duração do de uma determinada resposta de s,u. Sendo Le s o tamanho conhecido da parte estática do serviço s, tem-se: Com base nesta estimativa, e na estimativa do tempo de processamento dp s do serviço s, podemos determinar os antes de início de da parte estática tes,u e dinâmica td s,u (Figura 7): para dp s < de s,u para dp s > de s,u Figura 7. Faixas de tempos de da parte estática e dinâmica. (a) dp s < de s,u (b) dp s > de s,u A determinação do ante de início de processamento pode diminuir o número de usuários simultâneos no sistema e liberar recursos para terminar os serviços em andamento. A existência de muitos usuários no sistema pode afetar o desempenho devido a concorrência no acesso a recursos como rede, disco rígido e processador. Para os serviços com pouca variação no tempo de resposta podemos utilizar a seguinte expressão:, então: quando dp s < de s,u => 0 tp s de s,u - dp s ; quando dp s > de s,u => tp s = 0. Já a determinação dos isntântes de pode ser usada para otimizar a banda de transmissão. Podemos pensar em algoritmos de agendamento de. No entanto deixaremos este tópico para trabalhos futuros. Vamos considerar os seguintes tempos: te s,u = 0, da parte estática assim que a requisição chegar; td s,u = max{dp s, de s,u }, da parte dinâmica assim que ficar pronta, após o da parte estática; Ao invés da ação pontual de determinar os antes de ótimos, optamos por iniciar o o quanto antes e controlar a taxa de transmissão. Este controle feito em malha fechada pode trazer melhores resultados, diante das incertezas do comportamento da rede Controle de Taxa de Transmissão O emissor TCP normalmente tentará enviar os dados na maior taxa possível. Como, com base nos dados do cache, conhecemos o tamanho da parte estática Le s e a duração do processamento da parte dinâmica dp s, podemos determinar a taxa de ótima:, onde d u é a latência de transmissão, característica que não pode ser alterada.

6 Esta é a taxa de transferência mínima necessária para o da parte estática antes que a parte dinâmica fique pronta. Taxas maiores iriam sobrecarregar o enlace de saída da rede desnecessariamente. Para obter esta taxa será necessário manipular as janelas de controle do emissor TCP. A janela de recepção (rwnd) é preferível em relação à janela de congestionamento (cwnd), pois ela não interfere nos algoritmos de controle de fluxo e congestionamento. A pergunta é como calcular o tamanho da janela W u para que a curva de serviço da internet se aproxime de βwu = cu.[du t] +. O diagrama da Figura 8 mostra o processo de transmissão em controle de malha fechada. O moderador não pode controlar a curva de R s,u pois os dados são transmitidos pelo emissor TCP (o SH). A não ser que fosse reescrito um emissor TCP para este fim. O que acarretaria em perda de generalidade e aplicabilidade do proxy. Em vez disso o Moderador pode modificar a janela informada pelo receptor TCP (o browser). ru). Mas quando ru é tal que ru.du > W então βwu >= βu e c u = W u /d u. Figura 9. Curva de serviço βw u para: (a) r u.d u <= W u ; (b) r u.d u > W u Ou seja, devemos modificar a janela de recepção tal que rwnd(t) = min{ [c u.d u - R s,u (t)] +, rwnd(t) } e o emissor TCP utilizará a menor entre Wu e cwnd. Desta forma a taxa de transmissão é modificada utilizando as variáveis de controle do próprio protocolo TCP. 5. Avaliação do Controle de Tráfego Figura 8. Diagrama de controle da taxa de transferência do serviço s ao usuário u. Modificando a janela do receptor percebida pelo emissor podemos atuar na taxa de emissão. O controle realizado pelo moderador deve ser tal que: ou Então, aplicando o Teorema de [8], a máxima solução é a convolução entre R s e o fechamento subaditivo de R u + W, ou seja, (1) Não conhecemos o mapeamento de Rs,u em Ru mas sabemos que R u é limitado por β u (conhecido) : (2) Então, substituindo (2) em (1): Ou, substituindo (1) em (2): Então, dada a curva de serviço da rede (internet) β u = r u.[d u t] + e limitando a janela de a W u, temos a curva de serviço da malha fechada βw u = c u.[d u t] +. A Figura 9 mostra o efeito do controle da janela na taxa de transferência. Para β u com taxa de transferência r u tal que r u.d u <= W não há atuação e βw u = β u (ou c u = Para verificar o ganho com a utilização do contrle de tráfego recorremos aos logs dos Servidores HTTP de um sistema real. Trata-se do log de requisições do IIS (Internet Information Service) de um sistema de Internet Banking. A partir destes dados reais vamos averiguar o ganho caso o cache fosse inserido. Para cada requisição o IIS realiza diversos registros como: date (data da requisição), time (tempo da requisição), c-ip (IP do cliente (browser), s-ip (IP do servidor), cs-uri-stem (trecho da URI sem o domínio início e a query ), cs-uri-query (query, trecho da URI com parâmetros GET), sc-bytes (bytes recebidos), csbytes (bytes enviados), time-taken (tempo para processamento) e cs(referer) (referência). Este último campo permite rastrear qual requisição originou outra. Por exemplo, ao requisitar uma página que possua imagens ao IIS, o browser recebe primeiro a página HTML. Que então indica as imagens que devem ser requisitadas. Neste caso a requisição à página HTML não possui referência, ou seja Referer nulo. Mas as requisições às imagens fazem referência no log à página anterior. Denominamos de requisições primárias as chamadas às páginas e aos serviços. E de requisições secundárias as chamadas aos arquivos complementares como imagens, javscripts, CSS, etc Podemos estimar o tamanho da parte estática e dinâmica considerando, por simplificação, que a parte estática é composta apenas pelos arquivos secundários e que todo o código HTML da requisição primária é construído de forma dinâmica. A Tabela 1 mostra um trecho do log com a vinculação, através do campo ref, das partes secundárias às partes primárias de cada requisição. Com base neste vínculo, determinamos os tamanhos (em kb) das partes primárias ( tam ) e das partes secundárias ( tam ).

7 Tabela 1. Trecho do log e análise para determinação da parte estática (tamanho em bytes). time req cs-uri-stem ref tam tam 00:01: /scripts/comunic_owb.dll :01: /rie/imagens/bul_tit_sessao.gif :01: /rie/imagens/bul_ret_verdec.gif :03: /scripts/comunic_owb.dll :03: /owb/images/setaazul.gif :03: /owb/images/amarelo.gif O cache proposto deve antecipar a parte estática da requisição. Nesta avaliação fomos obrigados a fazer uma simplificação por falta de dados da composição das páginas HTML. Portanto, consideramos que a parte estática é composta apenas pelos arquivos secundários e que todo o código HTML da requisição primária é construído de forma dinâmica. Com base no tamanho da parte estática e com a taxa de transferência média para um dado usuário podemos estimar os tempos de. Vamos considerar que a curva de resposta da rede para todos os usuários é: β(t) = t, ou seja, taxa de transmissão r=32 kb/s e latência de transmissão d = 0 (simplificação). Na Tabela 2 estimamos o tempo de resposta. Sem o cache, a parte secundária só é requisitada após a parte primária ser processada e enviada. Tabela 4. Comparativo com e sem cache (tempos em segundos). time req resp s/ tempo CACHE tempo resp c/ CACHE dif % 00:01: ,623 0,579-0,044-7,098 00:02: ,731 0,528-0,203-27,759 00:03: ,903 0,874-0,029-3,219 00:03: ,445 2,149-0,296-12,105 00:03: ,471 0,328-0,144-30,536 00:03: ,766 0,406-0,360-47,036 Percebe-se uma diferença significativa, mas para validar a comparação fizemos os mesmos cálculos com uma massa maior de dados. Tomamos 30 min do log, aproximadamente 2500 requisições (260 requisições primárias). As Figuras 10 e 11 mostram o ganho do tempo de resposta. Figura 10. Gráfico de Ganho, em segundos, do tempo de resposta por requisição. Tabela 2. Análise do tempo de resposta sem cache (tempos em segundos). time req tam tam dur dur cheg req resp usu U min resp usu U temp resp 00:01: ,376 0, , , , , ,623 0,623 00:02: ,029 0, , , , , ,731 0,731 00:03: ,015 0, , , , , ,903 0,903 00:03: ,015 2, , , , , ,445 2,445 00:03: ,047 0, , , , , ,471 0,471 00:03: ,031 0, , , , , ,766 0,766 Com a inserção do cache a parte secundária é enviada de imediato (sem esperar o processamento da parte primária - dur proc ). Na Tabela 3, podemos notar diminuição dos tempos de resposta. Tabela 3. Análise do tempo de resposta com cache (tempos em segundos). time req tam tam dur dur cheg req min resp usu U min resp usu U temp resp 00:01: ,376 0, , , , , ,579 0,579 00:02: ,029 0, , , , , ,528 0,528 00:03: ,015 0, , , , , ,874 0,874 00:03: ,015 2, , , , , ,149 2,149 00:03: ,047 0, , , , , ,328 0,328 00:03: ,031 0, , , , , ,406 0,406 Na Tabela 4 comparamos os tempos de resposta das Tabelas 2 e 3. Figura 11. Gráfico de Ganho, proporcional, do tempo de resposta por requisição. A diminuição do tempo de resposta foi em média de 17,4%, chegando a 50%. Em servidores de alta demanda, com dezenas de requisições por segundo, estas diferenças porcentuais são muito significativas, podendo trazer redução nos custos de infra-estrutura além de aumento da qualidade de serviço. O ganho obtido com a antecipação será mais efetivo quanto maior a carga estática e menor a taxa de transferência do usuário requisitante. 6. Conclusões Apesar do crescente interesse nesta área ainda é complexo modelar sistemas de internet. Pois o sistema e a carga são governados por eventos de distribuição de probabilidades indeterminados. O que torna difícil controlar o desempenho para manutenção de tempos de resposta baixos. Também existe a dificuldade de

8 determinação de parâmetros de desempenho genéricos, entre servidores e plataformas diferentes. O Controle de Tráfego determina quando transmitir, como transmitir e que tipo de requisição e resposta deve ser transmitida. Com a inserção de um cache para antecipação da parte dinâmica obtemos alguns parâmetros de controle independentes da plataforma e da tecnologia dos servidores. Estes parâmetros são: a taxa de transmissão dos dados, o ante de início transmissão e o ante de início de processamento. Controlando estes parâmetros é possível aumentar a eficiência do ISP. O tempo de resposta é reduzido pela ação antecipatória do cache. A banda de transmissão utilizada é reduzida pelo controle da taxa de transferência e do intante de. E o processamento dos servidores também é reduzido pelo controle do ante de início de processamento. Este conjunto de ações controla o tráfego no Servidor HTTP balanceando a oferta e a demanda do sistema Contribuições do Trabalho A utilização do controle proposto contribui para a melhoria da qualidade de serviço dos sistemas de alto desempenho. E propicía redução de custos de infraestrutura Trabalhos Futuros Trabalhos futuros podem se valer dos algoritimos apresentados para a elaboração de uma ferramenta de gerênciamento de desempenho. Na Figura 12 temos a tela de modelagem da ferramenta que está sendo dedenvolvida. Os componentes hardware e software monitorados são considerados servidores de filas. [5] V. Sivaraman and F. Chiussi, End-to-End Statistical Delay Guarantees using Earliest Deadline First Packet Scheduling, in Proc. of GlobeCom, Rio de Janeiro, Brazil, Dec. 1999, pp [6] L. Sha, X. Liu, Y. Lu and T. Abdelzaher, Queueing model based network server performance control, in 23th IEEE Real- Time System Symposium, [7] L. Sha, X. Liu, Y. Lu, T. Abdelzaher and C. Lu, Feedback Control with Queueing-Theoretic Prediction for Relative Delay Guaranteees in Web Servers, in 9th IEEE Real-Time and Embedded Technology and Applications Symposium, [8] Jean-Yves Le Boudec and Patric Thiran, Network Calculus: A theory of Deterministic Queueing Systems for the Internet, Springer-Verlag, Berlin Germany, [9] D. Starobinski, J. Karpovsky and L. A. Zakrevsky, Application of Network Calculus to General Topologies Using Turn-Prohibition, IEEE/ACM TRANSACTIONS ON NETWORKING Vol. 2 - N.3, Jun [10] C.S. Chang, On deterministic traffic regulator and service guarantee: A systematic aproach by filtering, IEEE Transactions on Information Theory, Aug. 1998, pp [11] R. Arawal and R. Rajan, Performance bounds for guaranteed and adaptive services, IBM Technical Report RC 20649, Dec [12] J. Naudts, Toward real-time meassurement of trafic control parameters, Computer Networks, 2000, pp. 34: [13] F. Baccelli, G. Cohen, G. J. Olsder and J. P. Quadrat Synchronization and Linearity, An Algebra for Discrete Event Systems, John Wiley and Sons, [14] Information Sciences Institute (USC), Transmission Control protocol, Network Working Group RFC 793, EUA, Sep [15] M.Allman, V.Paxson and W.Stevens, TCP Congestion Control, Network Working Group RFC-2581, EUA, Apr [16] G.McKinney, TCP/IP State Transition Diagram, Network Working Group RFC-793, EUA, Feb [17] ITU-T Recomendação I.311, B-ISDN General Networks Aspects, Genebra, [18] Server Watch statistics (indicated by ISOC site), at May Figura 12. Ferramenta de monitoração e análise do sistema. 7. Referências Bibliográficas [1] R. Jain, The Art of Computer Systems Performance Analysis: Techniques for Experimental Design, Measuremente, Simulation and Modeling, Wiley-Interscience, New York - NY, April [2] J. Lehoczky, Real-Time Queueing Theory, in 17th IEEE Real-Time systems Symposium, [3] J. Lehoczky, Real-Time Queueing Network Theory, in 18th IEEE Real-Time systems Symposium, [4] J. Lehoczky, Using Real-Time Queueing Network Theory To Control Lateness In Real-Time Systems, ACM SIGMETRICS 97, 1997, pages

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Camada Transporte Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Algoritmo de Janela Deslizante em TCP O TCP clássico emprega um protocolo de janela deslizante com confirmação positiva e sem repetição seletiva. O TCP

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Controle de Congestionamento em TCP Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Controle de Congestionamento em TCP Princípios de controle de congestionamento Saber que congestionamento está ocorrendo Adaptar para

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

5 Planejamento dos experimentos

5 Planejamento dos experimentos 5 Planejamento dos experimentos Depois de escolher e implementar 5 modelos de concorrência e 4 modelos de sandboxes que consideramos representativos para um servidor web Lua, procuramos os principais fatores

Leia mais

TCP - multiplexação/demultiplexação

TCP - multiplexação/demultiplexação TCP Protocolo de controle de transmissão (Transmission Control Protocol) Definido em diversas RFCs (793, 1122, 1323, 2018 e 2581) Diversos flavors (tipos) Serviços Multiplexação/demultiplexação Detecção

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II

Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II 1) Explicar os seguintes mecanismos e conceitos do protocolo TCP: 1. Slow Start O algoritmo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores na camada de rede na camada de transporte Redes de Computadores Aula 4: 24 de março de 2010 na camada de rede na camada de transporte 1 Princípios Causas e custos do congestionamento 2 Princípios gerais

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Congestionamento em Redes TCP

Congestionamento em Redes TCP Congestionamento em Redes TCP Ricardo Rodrigues Barcelar UNIR União de Escolas Superiores de Rondonópolis Rondonópolis MT ricardobarcelar@email.com.br Resumo. Este artigo mostra uma visão geral sobre a

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Transporte Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Março de 2011 1 / 59 Camada de Transporte Os protocolos dessa camada supervisionam o fluxo de

Leia mais

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis.

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis. 1 Introdução O grande aumento de performance das redes de computadores, combinado com a proliferação de computadores de baixo custo e alto desempenho, trouxe à tona ambientes de meta-computação, ou grids[15,

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Jones Bunilha Radtke. Tarefas:

Jones Bunilha Radtke. Tarefas: Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Tecnólogo em Redes de Computadores Qualidade de Serviços de Rede Prof. Eduardo Monks Camada de Transporte Parte 2 Jones Bunilha Radtke Tarefas: 1.1) O algoritmo Slow

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM UFES Objetivos

Leia mais

Camada de Redes Parte II. Fabrício

Camada de Redes Parte II. Fabrício Camada de Redes Parte II Fabrício Algoritmos de controle de congestionamento Quando há pacotes demais presente (em parte) de uma sub-rede, o desempenho diminui. Dentro da capacidade de tranporte Eles serão

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio VI PROTOCOLOS

Leia mais

Redes de Computadores_Marcelo Furtado Pratica 2- Qualidade de serviços

Redes de Computadores_Marcelo Furtado Pratica 2- Qualidade de serviços Redes de Computadores_Marcelo Furtado Pratica 2- Qualidade de serviços Tarefas: 1) Explicar os seguintes mecanismos e conceitos do protocolo TCP: 1. Slow Start Slow start é um mecanismo do TCP desenvolvido

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ)

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Aula 1: Apresentação do curso e revisão de interface de sockets 03 de março de 2010 1 2 O que é a Internet 3 4 Objetivos e página do curso Objetivos Apresentar a motivação,

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

TCP - estabelecimento de conexão

TCP - estabelecimento de conexão TCP - estabelecimento de conexão Inicializa variáveis Números de sequência Buffers, RcvWindow 3-way handshake usado para eliminar o problema de duplicatas antigas (atrasadas) Ex.: pedidos de conexão, ACKs

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos.

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos. Wireshark Lab: HTTP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Tendo molhado os nossos pés com o Wireshark no laboratório

Leia mais

Análise do Comportamento das Variações do Protocolo TCP

Análise do Comportamento das Variações do Protocolo TCP Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Análise do Comportamento das Variações do Protocolo TCP Lígia Rodrigues Prete Faculda Tecnologia Jales, Centro Estadual Educação Tecnológica Paula Souza, CEETEPS Rua Vicente

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Simulação Transiente

Simulação Transiente Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho de Sistemas Professores: Paulo Maciel Ricardo Massa Alunos: Jackson Nunes Marco Eugênio Araújo Dezembro de 2014 1 Sumário O que é Simulação? Áreas de Aplicação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ Tópicos Especiais em Redes Alta Performance Paulo Aguiar DCC/UFRJ Conteúdo A convergência das redes e os grandes desafios Sistemas grandes são melhores Rede IP global como solução: limitações de desempenho

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

A Camada de Aplicação

A Camada de Aplicação A Camada de Aplicação Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Afinal, o que faz a camada de aplicação?... 2 Paradigma Cliente/Servidor [4]... 2 Endereçamento... 2 Tipo de Serviço... 2

Leia mais

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 Um analista de sistemas deseja enviar para seu cliente um arquivo de 300 Mb referente a uma atualização do software. Para transferir esse

Leia mais

Camada de Transporte. Prof. Leonardo Barreto Campos

Camada de Transporte. Prof. Leonardo Barreto Campos Camada de Transporte 1 Sumário Introdução; Serviços oferecidos à camada superior; Multiplexação e Demultiplexação; UDP; TCP; Controle de Congestionamento; Controle de Congestionamento do TCP; 2/62 Introdução

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 19: 29 de junho de 2010 1 camada de transporte camada de rede 2 Questão 1 (Kurose/Ross) camada de transporte camada de rede Um processo em um host C tem um socket UDP com

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Análise quantitativa dos custos de comunicação para programas utilizando MPI executados em máquinas paralelas de memória distribuída

Análise quantitativa dos custos de comunicação para programas utilizando MPI executados em máquinas paralelas de memória distribuída Análise quantitativa dos custos de comunicação para programas utilizando MPI executados em máquinas paralelas de memória distribuída Corrêa, R.V. Preto, A. J. INPE, SLB INPE, LAC ricardo@slb.inpe.br airam@lac.inpe.br

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática /

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Estudo Comprobatório da Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos

Estudo Comprobatório da Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos 1 Estudo Comprobatório da Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos RESUMO O presente artigo tem como proposta comprovar a Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos (SED), através

Leia mais

Camada de transporte. TCP Transmission Control Protocol

Camada de transporte. TCP Transmission Control Protocol Camada de transporte TCP Transmission Control Protocol TCP A confiabilidade dos processos de comunicação foi deixada a cargo do TCP O TCP é um protocolo: Orientado à conexão Confiável Número de portas

Leia mais

Redes de Computadores. TCP Orientação à Conexão. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática

Redes de Computadores. TCP Orientação à Conexão. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Redes de Computadores TCP Orientação à Conexão Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Tópicos Orientação à Conexão Estabelecimento de Conexão Diagrama de Estudo de Caso Wireshark

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

MODELAGEM DE DESEMPENHO DE SERVIDORES WEB EMPREGANDO A TEORIA NETWORK CALCULUS

MODELAGEM DE DESEMPENHO DE SERVIDORES WEB EMPREGANDO A TEORIA NETWORK CALCULUS CÁTIA GARCIA MORAIS MODELAGEM DE DESEMPENHO DE SERVIDORES WEB EMPREGANDO A TEORIA NETWORK CALCULUS CURITIBA 2005 CÁTIA GARCIA MORAIS MODELAGEM DE DESEMPENHO DE SERVIDORES WEB EMPREGANDO A TEORIA NETWORK

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TROCAS DE MENSAGENS DO PROTOCOLO HTTP ATRAVÉS DE UM SIMULADOR DE REDES DE COMPUTADORES

UMA ANÁLISE DAS TROCAS DE MENSAGENS DO PROTOCOLO HTTP ATRAVÉS DE UM SIMULADOR DE REDES DE COMPUTADORES UMA ANÁLISE DAS TROCAS DE MENSAGENS DO PROTOCOLO HTTP ATRAVÉS DE UM SIMULADOR DE REDES DE COMPUTADORES Alan Jelles Lopes Ibrahim Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul alan.jelles@hotmail.com Eduardo

Leia mais

Relatório do Laboratório de Redes 5 Professor Valter Roesler. Diogo Costa 180188 Lucas Magrini Rigo 161064

Relatório do Laboratório de Redes 5 Professor Valter Roesler. Diogo Costa 180188 Lucas Magrini Rigo 161064 Relatório do Laboratório de Redes 5 Professor Valter Roesler Diogo Costa 180188 Lucas Magrini Rigo 161064 1) Instalar o software Polycom PVX e estabelecer uma chamada em duplas. Medir o atraso ida e volta

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento Professor Rene - UNIP 1 Revisão... Segmento A unidade de dados trocada entre as entidades de transporte é denominada

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte de Dados: protocolos TCP e UDP Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Redes de Computadores. Camada de Transporte de Dados: protocolos TCP e UDP Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Redes de Computadores Camada de Transporte de Dados: protocolos TCP e UDP Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer

Leia mais

Programação para Web Artefato 01. AT5 Conceitos da Internet

Programação para Web Artefato 01. AT5 Conceitos da Internet Programação para Web Artefato 01 AT5 Conceitos da Internet Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 24/10/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Instrutor Hélio Engholm Jr Livros publicados

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

1º Seminário de Software Livre Tchelinux Software Livre: leve adiante esta idéia. Soluções de Web Caching e Web Acceleration

1º Seminário de Software Livre Tchelinux Software Livre: leve adiante esta idéia. Soluções de Web Caching e Web Acceleration 1º Seminário de Software Livre Tchelinux Software Livre: leve adiante esta idéia Soluções de Web Caching e Web Acceleration Domingos Parra Novo domingosnovo@terra.com.br Tópicos Introdução O que são web

Leia mais

2Arquitetura cliente-servidor

2Arquitetura cliente-servidor Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de aplicação Nossos objetivos: Conceitual, aspectos de implementação de protocolos de aplicação de redes Paradigma cliente-servidor Paradigma peer-to-peer

Leia mais

WebSphere MQ Everyplace V2.0.2

WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 ii WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 Índice Configurando Comunicações..... 1 Considerações sobre o Sistema Operacional....1 Atributos...............1 Mensagens...............1

Leia mais

SuRFE Sub-Rede de Filtragens Específicas

SuRFE Sub-Rede de Filtragens Específicas SuRFE Sub-Rede de Filtragens Específicas Ricardo Kléber Martins Galvão, PPGEE, UFRN Sergio Vianna Fialho, PPGEE, UFRN Resumo O aumento do número de ataques a redes de corporativas tem sido combatido com

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO Em quase todas as nossas atividades diárias precisamos enfrentar filas para atender as nossas necessidades. Aguardamos em fila na padaria, nos bancos, quando trafegamos

Leia mais

Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP. Unidade I:

Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP. Unidade I: Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP Unidade I: 0 Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP CIDR Classless Inter-Domain Routing Em 1992, os membros do IETF começaram a ficar preocupados com o

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Tiago de Azevedo Santos tiago@iff.edu.br João José de Assis Rangel joao@ucam-campos.br RESUMO Este trabalho

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Segundo Bimestre Exercicio 1: Considere a seguinte configuração de rede estruturada em VLANs 220.0.0.2/24 C VLAN 2 B VLAN 1 A VLAN 1 VLAN 1,2,3

Leia mais

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Protocolo UDP Protocolo de transporte da Internet sem gorduras Serviço best effort, segmentos UDP podem ser: perdidos entregues fora de ordem para a aplicação

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações Unidade IV Controle de Congestionamento TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações 204 Tópicos Introdução QoS QoS e Controle de Congestionamento Formatação de Tráfego Gerenciamento de Buffer Descarte

Leia mais

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: TCP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Neste laboratório, investigaremos o comportamento do

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais