MANUAL DE PROCEDIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PROCEDIMENTOS"

Transcrição

1 ÍNDICE Prefácio...pg. 03 Histórico de Narcóticos Anônimos no Paraná...pg. 04 CAPITULO 01 As Doze Tradições de N.A...pg. 05 Os Doze Conceitos para Serviço em N.A...pg. 06 CAPITULO 02 Comitê de Serviço de Área...pg. 07 Quando formar...pg. 07 Como formar...pg. 07 Função...pg. 07 Finalidade...pg. 08 Serviços prestados...pg. 08 CAPITULO 03 Encargos...pg. 09 Servidores administrativos do C.S.A...pg. 09 Servidores dos Sub-Comitês...pg. 13 CAPITULO 04 Reuniões plenárias...pg. 21 CAPITULO 05 Procedimentos de reuniões...pg. 22 Agenda do C.S.A...pg. 22 Direito a voz...pg. 22 Direito a voto...pg. 22 CAPÍTULO 06 Processo de Tomada de Decisão...pg. 23 Procedimento de votação...pg. 23 Quorum mínimo...pg. 23 Maneiras de votação...pg. 23 Eleição de servidores...pg. 23 1

2 Rotação dos servidores...pg. 24 CAPÍTULO 07 Destituição de Encargo...pg. 25 Destituição automática...pg. 25 Destituição através de proposta...pg. 25 CAPÍTULO 08 Moção...pg. 26 Formulário para Moção...pg. 27 CAPITULO 09 Material Promocional...pg. 28 CAPÍTULO 10 Formando um Novo Grupo...pg. 28 CAPÍTULO 11 Prestação de Contas...pg. 30 Formas...pg. 30 Modelos de Relatórios...pg. 30 2

3 PREFÁCIO Este manual de procedimento foi compilado para auxiliar-nos na compreensão dos procedimentos nas reuniões do Comitê de Serviços de Área Para - NA, e também para servir de ajuda na condução dos nossos assuntos administrativos de uma forma prática e espiritual. Outras referências que podem ser de utilidade são o Guia de Trabalho Temporário para a Estrutura de Serviço, o Guia para o Serviço Local, as Doze Tradições e os Doze Conceitos para serviço em N.A.. O que são procedimentos? Procedimentos podem ser definidos como um conjunto de orientações e limites utilizados pelo C.S.A. para conduzir a administração do serviço. Os procedimentos do C.S.A. são estabelecidos pela Consciência Coletiva de seus membros. E advêm geralmente como resultado da experiência, força e esperança desses membros com o único propósito de cumprir a quinta tradição e, de forma alguma, deve conflitar com as Doze Tradições e os Doze Conceitos. Este manual foi compilado com amor e gratidão a N.A. pela comissão de elaboração do manual de procedimentos da Área PARA-NA, e deverá ser atualizado regularmente. Só existe um único requisito para ser membro de NA, O desejo de parar de usar, mas existem muitos benefícios, um desses é o privilégio do serviço. 3

4 HISTÓRICO DE NARCÓTICOS ANÔNIMOS NO PARANÁ O primeiro grupo de Narcóticos Anônimos no Paraná foi o Grupo Nova Semente, criado em Curitiba em três de outubro de A partir de então Narcóticos Anônimos desenvolveu-se no Estado, surgindo novos grupos. Este grupo e os próximos que foram formados eram filiados ao Comitê de Serviço da Área Sul com sede em São Paulo. Em vinte e um de maio de 1994 em reunião realizada no Grupo Nova Semente que contou com a presença de companheiros da estrutura de serviço do C.S.A. Sul foi formalizada a criação do Comitê de Serviço de C.S.A PARA-NA Com eleição do primeiro quadro de servidores. Em vinte e nove de maio de 1994, em reunião do Comitê de Serviço da Região Brasil, realizado na cidade de Vitória-ES, foi reconhecido o Comitê de Serviço de Área PARA - N.A. como nova Área. O C.S.A. PARA-NA. teve sua primeira reunião deliberativa no dia quatro de junho de 1994, com isto, cumpriu-se o primeiro conceito para o serviço em N.A.. Na reunião plenária numero 133 de maio de 2005, foi votada e aprovada a moção pedindo a desfiliação do C.S.A. Do Comitê de Serviço da Região Brasil e a filiação ao Comitê de Serviço da Região Brasil Sul de Narcóticos Anônimos, o que ocorreu na reunião de Junho de

5 CAPITULO 01 AS DOZE TRADIÇÕES DE N.A. A liberdade coletiva tem origem nas nossas tradições. Estas tradições não são negociáveis. São as diretrizes que mantém a nossa Irmandade viva e livre. Tudo estará bem enquanto os laços que unem forem mais fortes do que aqueles que nos afastariam. 1) O nosso bem estar comum deve vir em primeiro lugar; a recuperação individual depende da unidade de N.A. 2) Para o nosso propósito comum existe apenas uma única autoridade - um Deus amoroso que pode se expressar na nossa consciência coletiva. Nossos líderes são apenas servidores de confiança, eles não governam. 3) O único requisito para ser membro é o desejo de parar de usar. 4) Cada grupo deve ser autônomo, exceto em assuntos que afetem outros grupos ou N.A. como um todo. 5) Cada grupo tem apenas um único propósito primordial- levar a mensagem ao adicto que ainda sofre. 6) Um grupo de N.A. nunca deverá endossar, financiar ou emprestar o nome de N.A. a nenhuma sociedade relacionada ou empreendimento alheio, para evitar que problemas de dinheiro, propriedade ou prestigio nos desviem do nosso propósito primordial. 7) Todo grupo de N.A. deverá ser totalmente auto-sustentado, recusando contribuições de fora. 8) Narcóticos Anônimos deverá manter-se sempre não profissional, mas nossos centros de serviço podem contratar trabalhadores especializados. 9) N.A. nunca deverá organizar-se como tal; mas podemos criar quadros de serviço ou comitês diretamente responsáveis perante aqueles a quem servem. 10) Narcóticos Anônimos não tem opinião sobre questões alheias; portanto o nome de N.A. nunca deverá aparecer em controvérsias públicas. 11) Nossa política de relações públicas baseia-se na atração, não em promoção; na imprensa, rádio e filmes precisamos sempre manter o anonimato pessoal. 12) O anonimato é o alicerce espiritual de todas as nossas tradições, lembrando-nos sempre de colocar princípios acima de personalidades. 5

6 OS DOZE CONCEITOS PARA SERVIÇO EM N.A. Os 12 conceitos sintetizam uma enorme soma de experiência no serviço em N.A., experiência que faríamos bem em considerar e aplicar, sempre que apropriado. Não pretendem ser interpretados como a lei do serviço em N.A., mas, simplesmente como princípios de orientação. 1) Para cumprir o propósito primordial da nossa irmandade, os grupos de N.A. se juntaram para criar uma estrutura que desenvolve, coordena e mantém serviços por N.A. como um todo. 2) A responsabilidade final e autoridade sobre os serviços de N.A. permanece com os grupos de N.A. 3) Os grupos de N.A. delegam á estrutura de serviço a autoridade necessária para cumprir as responsabilidades a ela atribuídas. 4) A liderança efetiva é altamente valorizada em Narcóticos Anônimos. As qualidades de liderança devem ser cuidadosamente consideradas ao selecionar servidores de confiança. 5) Para cada responsabilidade atribuída á estrutura de serviço, deve ser claramente definido um único ponto de decisão e prestação de contas. 6) A consciência coletiva é o meio espiritual pelo qual convidamos um Deus amoroso a influenciar nossas decisões. 7) Todos os membros de um corpo de serviço arcam com responsabilidade substancial pelas decisões deste corpo e devem poder participar plenamente no seu processo de tomada de decisão. 8) A nossa estrutura de serviço depende da integridade e eficiência de nossas comunicações. 9) Todos os elementos da nossa estrutura de serviço têm a responsabilidade de considerar cuidadosamente todos os pontos de vista nos seus processos de tomada de decisão. 10) Qualquer membro de um corpo de serviço pode requerer deste corpo a retratação por ofensa pessoal, sem medo de represália. 11) Os recursos de N.A. devem ser usados para promover nosso propósito primordial e devem ser administrados com responsabilidade. 12) De acordo com a natureza espiritual de Narcóticos Anônimos, nossa estrutura deve ser sempre de serviço, nunca de governo. 6

7 CAPÍTULO 02 O COMITÊ DE SERVIÇO DE ÁREA A principal intenção deste manual é apresentar e tentar definir o que é, o que faz e como presta os seus serviços o Comitê de Serviço de Área PARA-NA. Para que alcancemos um melhor entrosamento com os grupos de nossa área, se faz necessário que todos os R.S.G. s, R.S.G. s Suplentes, Tesoureiros e Secretários tenham conhecimento deste manual. QUANDO FORMAR Muitos grupos ao passar do tempo, começaram a aglutinar serviços que de uma forma ou de outra acabaram desviando sua finalidade do propósito primordial, que é: LEVAR A MENSAGEM AO ADICTO QUE AINDA SOFRE, e, a melhor maneira de fazermos isso, ainda é dentro das reuniões do próprio grupo. Como fazer com que os grupos estejam focados em seu propósito primordial e ainda ver que esses outros serviços sejam desenvolvidos e mantidos. Para atender a esses serviços diz a nossa nona tradição: N.A. nunca deverá organizar-se como tal; mas podemos criar quadros de serviço ou comitês diretamente responsáveis perante aqueles a quem servem. Para que vários grupos possuam uma única estrutura de serviço, no intuito de aglutinar, organizar e selecionar estes serviços se faz necessária a criação de um comitê de serviço de área. COMO FORMAR Não existe em nossa literatura um numero mínimo ou máximo de grupos para formar um C.S.A., sempre que dois ou mais grupos se reunirem e desejarem formar um C.S.A., poderão fazê-lo. Para tanto organizam uma reunião, convidam todos os membros dos grupos, elegem os servidores desse C.S.A. e solicitam ao C.S.R. a sua aprovação. Todos os Doze Conceitos para serviço em N.A. e as Doze Tradições são as ferramentas para utilizarmos nessa fase de criação. Uma delas deverá ser debatida logo nas primeiras reuniões, para que não gere polêmica posterior, é o nosso quinto conceito que diz: Para cada responsabilidade atribuída á estrutura de serviço, deve ser claramente definido um único ponto de decisão e prestação de contas. FUNÇÃO Associar os grupos da área, cumprindo o nosso primeiro conceito: Para Cumprir o propósito primordial da nossa irmandade, os grupos de N.A. se juntaram para criar uma estrutura que desenvolve, coordena e mantêm serviços por N.A. como um todo 7

8 FINALIDADE Fazer com que os grupos se preocupem com o seu propósito primordial, deixando a carga de serviço para o Comitê de serviço de área. SERVIÇOS PRESTADOS Orientar e auxiliar na abertura de novos grupos. Centralizar esforços, discutir e procurar juntos soluções aos problemas que afetam os grupos ou N.A., como um todo. Fornecer o material necessário aos grupos. Desenvolver trabalhos de Relações Públicas. Desenvolver trabalhos de Hospitais e Instituições. Desenvolver trabalhos de Eventos. Desenvolver trabalhos de Teatro. Organizar e agilizar a nossa comunicação. Organizar e prestar contas dos nossos recursos. Representar os grupos junto ao Comitê Regional. Contratar uma secretária para atendimento do telefone de Linha de Ajuda, manutenção, e dar bom funcionamento ao escritório. Realizar uma vez por ano um Encompasso (estudo dos 12 Passos). Realizar uma vez por ano um Acampatradições. 8

9 CAPÍTULO 03 ENCARGOS É importante que o maior cuidado seja tomado na seleção dos servidores, um substancial período de tempo limpo e maturidade pessoal devem ser a primeira condição, unida a experiência com os 12 Passos, 12 Tradições, 12 Conceitos e conhecimentos dos procedimentos do C.S.A.. Nossos servidores de confiança devem demonstrar a estabilidade e censo individual de direção que servirão como exemplo para os outros. Eles devem ser capazes de servir sem intenção de governar. O período específico de tempo limpo para cada servidor varia de área para área, de acordo com o tempo de existência da comunidade local de N.A. É contraproducente, para nós, nossa irmandade e nossos servidores de confiança, pedir aos membros que realizarem tarefas para as quais não estão capacitados. Liderança efetiva é altamente valorizada em N.A. e o nosso quarto conceito fala das qualidades que nós devemos considerar quando selecionamos nossos lideres. Contudo, temos que lembrar que o desempenho de muitas das responsabilidades do serviço requer apenas a boa vontade de servir, outras atribuições, embora exigindo certas habilidades específicas, dependem para o seu cumprimento muito mais da integridade pessoal e maturidade espiritual do servidor de confiança. Boa vontade, honestidade e humildade são fortes demonstrações do tipo de liderança mais valorizada em N.A. SERVIDORES ADMINISTRATIVOS DO C.S.A. COORDENADOR: O coordenador do comitê de área é responsável por conduzir as reuniões do comitê, preparar a agenda e vários serviços administrativos. As ferramentas principais de um coordenador são; liderança, mente aberta, honestidade e humildade. Tendo este encargo um período de vigência de 01 ano. Sugerido que esteja no mínimo há 03 anos limpo; Não ter dívidas com a área e grupos; Familiaridade com o serviço de N.A.; Conhecimento das Doze Tradições de N.A., dos Doze Conceitos para o serviço em N.A. e do Manual de Procedimentos do C.S.A.. Organiza um plano de trabalho, com objetivo de realizar tarefas determinadas pelo C.S.A.. Organiza a pauta das reuniões de serviço do C.S.A.; Coordena as reuniões do C.S.A.; Organiza um calendário das reuniões do comitê; Tem como responsabilidade manter contato regular com outros corpos de serviço; Redigir as correspondências a serem enviadas; Promove as discussões temáticas das reuniões; 9

10 É um dos co-signatários da conta bancária; Revisa todos os serviços realizados e prestados pelo secretário antes de serem enviados e/ ou editados; VICE-COORDENADOR: A principal responsabilidade de um vice- coordenador da área é ser o elo de comunicação entre a área e seus subcomitês. O vice-coordenador mantém-se em contato regular com os coordenadores dos subcomitês para ficar informado sobre os projetos e problemas, assistindo as reuniões dos mesmos sempre que possível. Trabalha unido a eles na preparação de seus relatórios anuais e propostas de orçamento. É responsável também por auxiliar o coordenador do C.S.A. nas reuniões e coordená-las na sua ausência. Tendo este encargo um período de vigência de 01 ano. Sugerido que esteja no mínimo há 02 anos limpo; Familiaridade com os serviços de N.A.; Não ter dívidas com a área e grupos; Conhecimento das Doze Tradições, Doze Conceitos, Manuais de todos os subcomitês e do manual de procedimentos do C.S.A.; Acompanha regularmente o andamento dos subcomitês, e corpos de serviços; Mantém contato regular com os coordenadores dos subcomitês; Fica responsável por auxiliar o coordenador do C.S.A.; Em caso da ausência do coordenador assume suas funções temporariamente; Em caso da ausência da algum dos coordenadores dos subcomitês o vicecoordenador da área assume interinamente as funções; TESOUREIRO: O encargo de tesoureiro é critico para o trabalho do comitê. É recomendado que se eleja para esta posição pessoas que sejam financeiramente seguras, bons administradores de suas finanças e inspire a confiança dos seus servidores. Tendo este encargo um período de vigência de 01 ano. Sugerido que esteja no mínimo há 04 anos limpo; Familiaridade com os serviços em N.A.; Financeiramente estável; Não ter dívidas com a área e grupos; Boa administração de suas finanças pessoais e idoneidade financeira; Experiência contábil e termo bem sucedido de tesouraria de grupo; Conhecimento das Doze Tradições, Doze Conceitos e do Manual de Procedimentos do C.S.A.. Mantêm um registro de todas as transações financeiras efetuadas pelo C.S.A.; Administra as finanças dos subcomitês; Apresenta um relatório das receitas e despesas a cada reunião plenária; 10

11 Apresenta os comprovantes de despesas e extratos bancários; Recebe as contribuições dos grupos; Entrega um balancete ao final do termo para o comitê de área; É o titular da conta bancária, sendo que está deverá ser assinada em conjunto com coordenador da área. Organiza e mantém arquivo de registro do material do C.S.A.; Prepara relatórios precisos sobre o estoque e o movimento de materiais; Atualiza periodicamente esses registros; Encarregado da compra e venda dos materiais do C.S.A; CONSELHEIRO FISCAL: (3 vagas) O encargo de conselheiro fiscal é importante para o trabalho do comitê. É recomendado que se eleja para esta posição pessoas que sejam financeiramente seguras, bons administradores de suas finanças e inspire a confiança dos seus servidores. Tendo este encargo um período de vigência de 01 ano. Sugerido que esteja no mínimo há 02 anos limpo; Familiaridade com os serviços em N.A.; Financeiramente estável; Não ter dívidas com a área e grupos; Boa administração de suas finanças pessoais e idoneidade financeira; Experiência contábil e termo bem sucedido de tesouraria de grupo; Conhecimento das Doze Tradições, Doze Conceitos e do Manual de Procedimentos do C.S.A...Analisa os balancetes da tesouraria a cada período; Emite um parecer sobre as contas do CSA nas reuniões plenárias, Acompanha toda a movimentação da tesouraria do CSA se manifestando sobre a utilização dos recursos. SECRETÁRIO: O secretário da área maneja todo o serviço burocrático do comitê. Sua responsabilidade é fazer atas claras e precisas das reuniões do comitê de área e distribuí-las. Tendo este encargo um período de vigência de 01 ano. Sugerido que esteja no mínimo há 01 ano limpo; Familiaridade com o serviço de N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre os assuntos em discussão nas reuniões do C.S.A.; Habilidades organizacionais; Não ter dívidas com a área e grupo; Conhecimento das Doze Tradições, Doze Conceitos e do Manual de Procedimentos do C.S.A.; 11

12 Organiza e mantêm arquivos de registro e correspondência Redige a ata de cada reunião do C.S.A. e distribui cópias o mais breve possível, aos grupos, a região e aos servidores do comitê.; Atualiza periodicamente a listagem de grupos e comitês tornando-as acessíveis aos membros; Pode ter outras responsabilidades conforme as orientações do C.S.A.; MEMBRO DO COMITÊ REGIONAL M.C.R.: Um membro do comitê regional está para o comitê de serviço como um R.S.G. está para o grupo. Como representante o M.C.R. fala em nome dos membros e pelos grupos do C.S.A.. A responsabilidade primordial de um M.C.R. é trabalhar para o bem comum de Narcóticos Anônimos, proporcionando que a comunicação flua entre o C.S.A. e o restante da irmandade. Ele representa a consciência dos grupos da área. É custeado pelo C.S.A. para participar das reuniões do C.S.R. tendo este encargo um período de vigência de 01 ano. Sugerido que esteja no mínimo há 03 anos limpo; Capacidade de fazer relatórios claros e precisos; Familiaridade com os serviços de N.A. e sua linguagem; Facilidade de comunicação; Experiência em serviço de grupo e do C.S.A.; Não ter dívidas com a área e grupo; Conhecimento das Doze Tradições, Doze Conceitos, Manual de Procedimentos do C.S.A. e C.S.R.; Trabalha como elo de comunicação entre o grupo, área e o C.S.R.. Participa das reuniões de serviço dos grupos, C.S.A. e C.S.R., com direito a voz e voto; Deverá estar atento a todas as atividades do C.S.A., estudar cuidadosamente os relatórios produzidos dentro de sua própria área, grupos, servidores e coordenadores de subcomitês, pois assim poderá passar experiência da sua área para servidores de outras áreas, são os contatos mais efetivos entre o C.S.A. e o C.S.R.. MEMBRO DO COMITÊ REGIONAL SUPLENTE M.C.R. SUPLENTE: O membro do comitê regional suplente trabalha o mais próximo possível do titular, assim como o titular ele é um participante ativo do C.S.A. e C.S.R.. Geralmente é consultado pelo titular, convocando diferentes perspectivas sobre as questões de serviço, o suplente deverá buscar envolver-se na distribuição dos trabalhos. É também custeado pelo C.S.A. para participar das reuniões do C.S.R. onde se familiariza com os procedimentos para assumir as responsabilidades da representatividade. Tendo este encargo um período de vigência de 01 ano. Sugerido que esteja no mínimo há 02 anos limpo; Capacidade de fazer relatórios claros e precisos; Familiaridade com os serviços de N.A. e sua linguagem; Experiência em serviço do grupo e área; 12

13 Não ter dividas com a área e grupos; Conhecimento das Doze Tradições, Doze Conceitos, Manuais de Procedimentos do C.S.A. e C.S.R.; Possui as mesmas funções do M.C.R. titular, porém, nas reuniões do C.S.R. o suplente só é reconhecido como participante pleno (com direito a voz e voto) quando o titular estiver ausente do plenário da reunião; Embora seja considerada uma conseqüência natural que o suplente passe no ano seguinte para a titularidade do encargo, é preciso que haja ratificação na passagem deste encargo. SERVIDORES DOS SUBCOMITÊS As responsabilidades dos membros dos subcomitês estão descritas abaixo, mas a lista é apenas um resumo. Os responsáveis terão muitas vezes que fazer muito mais do que se descreve em seguida. Os subcomitês da área não têm tesouraria, suas finanças são administradas pelo tesoureiro do C.S.A.. O sucesso dos subcomitês do C.S.A. depende da dedicação e direção de membros capazes. COORDENADOR DE SUBCOMITÊS (H&I, R.P., Eventos e Teatro): O coordenador de um subcomitê do C.S.A. é responsável por todas as atividades deste subcomitê na área. Prepara a agenda e vários outros serviços administrativos. As ferramentas principais de um coordenador são: liderança, mente aberta, honestidade e humildade. Tendo este encargo um período de vigência de 01 ano (para qualquer subcomitê). Sugerido que esteja no mínimo há 02 anos limpo; Não ter dívidas com a área e grupos; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Conhecimento das Doze Tradições, Doze Conceitos, Manual de Procedimento do C.S.A. e principalmente do Manual do subcomitê (exceto subcomitê de eventos); Experiência no subcomitê; Organiza um plano de trabalho, com objetivo de realizar tarefas determinadas pelo C.S.A.; Organiza a pauta das reuniões; Coordena as reuniões regulares e especiais do subcomitê; É responsável por redigir a correspondência do subcomitê; Organiza um calendário das reuniões; Trata dos contatos de relações públicas que envolvem o subcomitê; Deve representar o sub-comitê nas reuniões do C.S.A.; Faz relatórios periódicos das atividades do subcomitê e os apresenta ao C.S.A. em suas reuniões plenárias; Faz um relatório anual e o apresenta na assembléia do C.S.A. Deve participar das reuniões de subcomitês do C.S.R.; 13

14 Faz relatórios periódicos para o subcomitê do C.S.R. sobre a situação de todos os projetos em andamento e concluídos. Exclusivo ao subcomitê de H&I È o responsável por redigir um termo de compromisso entre a instituição e N.A. VICE- COORDENADOR DE SUBCOMITÊS (H&I, R.P., Eventos e Teatro): O vice-coordenador de um subcomitê do C.S.A., em caso de impossibilidade ou renuncia do coordenador, assume todas as responsabilidades normalmente atribuídas ao titular, até que o C.S.A. escolha alguém para esta função. Tendo este encargo um período de vigência de 01 ano. Sugerido que esteja no mínimo há 01 ano limpo; Familiaridade com serviço em N.A. e sua linguagem; Não ter dividas com a área e grupo; Experiência no subcomitê. Conhecimento das Doze Tradições, Doze Conceitos, Manual de Procedimento do C.S.A. e principalmente do Manual do subcomitê (exceto subcomitê de eventos). Auxilia o coordenador a manter a ordem nos procedimentos; Se o encargo de coordenador ficar vago servirá como coordenador até que seja confirmado pelo C.S.A. ou que seja eleito um novo coordenador; Representa o titular na sua ausência; Trabalha com os membros e servidores do subcomitê para garantir que voluntários sejam aproveitados em seus serviços; Participa das reuniões dos demais subcomitês do C.S.A., para que os subcomitês trabalhem juntos em caráter de cooperação; SECRETÁRIO DE SUBCOMITÊS (H&I, R.P., Eventos e Teatro): O secretário de um subcomitê do C.S.A, maneja todo serviço burocrático do subcomitê.sua responsabilidade é de fazer atas claras e precisas das reuniões do mesmo. Tendo este encargo um período de vigência de 01 ano. Sugerido que esteja no mínimo há 06 meses limpo; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre os assuntos em discussão nas reuniões do subcomitê; Habilidades organizacionais; Não ter dividas com a área e grupos. Interesse em conhecer as Doze Tradições, Doze Conceitos, Manual de Procedimentos do C.S.A. e do Manual do subcomitê (exceto subcomitê de eventos). Mantém um registro em forma de ata de todas as reuniões do subcomitê; Mantém uma lista completa e atualizada de todos os membros colaboradores do subcomitê; Confecciona e distribui os calendários das reuniões do subcomitê aos grupos e avisa-os sobre reuniões especiais; 14

15 Mantém estoque de material administrativo; Prepara e remete a correspondência quando necessário; Mantém um arquivo de toda a correspondência; Prepara todos os materiais necessários para distribuir aos membros colaboradores do subcomitê; Participa de todas as reuniões periódicas do subcomitê; Pode ter outras responsabilidades, conforme as orientações do subcomitê. HOSPITAIS & INSTITUIÇÕES: Líder de Painel: É responsável por reunir todas as pessoas necessárias para a condução de uma reunião de H&I, constituindo assim um painel. Tendo este encargo um período de vigência de 06 meses. Sugerido que esteja no mínimo há 01 ano limpo; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre o andamento dos trabalhos na instituição; Não ter divida com a área e grupos; Participação constante em laboratórios de treinamento. Conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos, Manual de Procedimentos do C.S.A. e Manual de H&I Conduzir as reuniões na instituição de acordo com os procedimentos de H&I; Informar com antecedência o vice-coordenador do subcomitê quando não puder conduzir uma reunião regularmente programada; Convidar os membros colaboradores de H&I para o painel e informá-los sobre as regras da instituição e os procedimentos para a reunião; É o responsável pelos membros de painel na reunião; Assegurar que nas reuniões programadas sob sua coordenação, o número de participantes do painel esteja completo. Manter contato com os administradores da instituição para preservar a harmonia no relacionamento com N.A.; Membro de Painel: Elemento essencial para o trabalho de H&I é o membro que vai a reunião partilhar sua experiência, força e esperança. Sugerido que esteja no mínimo há 03 meses limpo para participar como ouvinte e 06 meses limpo para participar como orador; Conhecimento e prática da programação de N.A.; Participação constante em reunião de H&I e no mínimo 3 laboratórios de treinamento. Não ter dividas com a área e grupos. 15

16 Transmitir uma mensagem clara e verdadeira de recuperação; Submeter-se às regras da instituição; Ter em mente que será visto como representante de N.A., e como tal deve se conduzir com responsabilidade. RELAÇÕES PUBLICAS Líder de Informação ao Público. É o responsável pelo contato com os solicitantes e pela realização da reunião de informação ao público na comunidade local. Encarregado de reunir todas as pessoas necessárias para realização da reunião. Tendo este encargo um período de vigência de 06 meses. Sugerido que esteja no mínimo há 01 ano limpo; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre a reunião realizada; Não ter dividas com a área e grupos; Participação freqüente em laboratórios de treinamento. Conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos, Manual de Procedimentos do C.S.A., manual de Relações Públicas e Manual de I.P. Convidar os membros para a reunião de IP e informá-los sobre os procedimentos da mesma; É o responsável pelos membros que participam da reunião de IP; É responsável por organizar e agendar os serviços de IP. Líder de Mídia. É o responsável pelo contato com os solicitantes e pela realização dos painéis de mídia na comunidade local. Encarregado de reunir todas as pessoas necessárias para realização do painel. Tendo este encargo um período de vigência de 06 meses. Observação: O LIDER DE MIDIA é o servidor responsável para falar em nome de NA na mídia. Sugerido que esteja no mínimo há 02 anos limpo; Familiaridade e experiência com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre a reunião realizada; Não ter dividas com a área e grupos; Participação freqüente em laboratórios de treinamento. Profundo conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos, Manual de Procedimentos do C.S.A., manual de Relações Públicas e Manual de I.P. Convidar os membros para os painéis de mídia e informá-los sobre os procedimentos dos mesmos; É o responsável pelos membros que participam dos painéis de mídia (rádio, televisão, jornal, etc.), mantendo sempre o anonimato dos membros; 16

17 É responsável por organizar e agendar os serviços de mídia (rádio, televisão, jornal, etc.). Observação: O LIDER DE MIDIA é o servidor responsável para falar em nome de NA na mídia. Líder de Linhas Telefônicas. É o responsável por organizar os serviços de atendimento e retorno do Linha de Ajuda na comunidade local. Encarregado de reunir todas as pessoas necessárias para realização dos atendimentos. Tendo este encargo um período de vigência de 06 meses. Sugerido que esteja no mínimo há 06 meses limpo; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre a reunião realizada; Não ter dividas com a área e grupos; Participação freqüente em laboratórios de treinamento. Conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos, Manual de Procedimentos do C.S.A. e Manual de Linha de Ajuda. Convidar os membros convidar membros, organizar calendário e informá-los sobre os procedimentos do atendimento e retorno da Linha de Ajuda; É o responsável pelos membros que participam do atendimento de Linha de Ajuda; É responsável por organizar e agendar os serviços de Linha de Ajuda. Líder de Grupos. É o responsável por organizar dar apoio aos grupos e manter o elo entre a estrutura de serviço e os grupos. Tendo este encargo um período de vigência de 06 meses Sugerido que esteja no mínimo há 01 ano limpo; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre a reunião realizada; Não ter dividas com a área e grupos; Participação freqüente em laboratórios de treinamento. Conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos, Manual de Procedimentos do C.S.A. e Manual de Longo Alcance. Coordena os painéis e visita em grupos e convida os membros ativos do subcomite para participar dos painéis. É o responsável pelos membros que participam dos painéis nos grupos; É responsável por manter o contato freqüento com os grupos; É responsável por manter um registro das datas previstas para as reuniões de serviço dos grupos.. 17

18 Líder de Materiais e Correspondências. É o responsável por organizar os materiais do R.P., redigir cartas de agradecimento por painéis e reuniões apresentadas pelo R.P., e encaminhá-las a comunidade. Tendo este encargo um período de vigência de 06 meses. Sugerido que esteja no mínimo há 01 ano limpo; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre a reunião realizada; Não ter dividas com a área e grupos; Participação freqüente em laboratórios de treinamento. Conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos, Manual de Procedimentos do C.S.A. e Manual de Linha de Ajuda e I.P. Organizar os materiais do subcomitê de R.P.; Redigir cartas de agradecimento pela oportunidade de realização de painéis e reuniões de R.P. na comunidade local; Redigir ofícios necessários para cumprir os serviços de R.P.. Líder de Projeto Específico. O sub-comitê pode escolher membros com conhecimento de IP, Linha de Ajuda e Longo Alcance para liderar projetos específicos com tempo e funções variáveis de acordo com o projeto. Ex: coordenador de dia de aprendizado, fórum, grupos de estudos e de trabalhos, reuniões publicas, etc. Observação: Os requisitos e funções podem variar conforme o projeto a ser desenvolvido. EVENTOS Líder de Eventos de Recuperação: Servidor que juntamente com a mesa, organizará os eventos de recuperação. Sugerido que esteja no mínimo há 06 meses limpo; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre a reunião realizada; Não ter dividas com a área e grupos; Participação freqüente nas reuniões do subcomitê. Conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos e Manual de Procedimentos do C.S.A.. Organizar o calendário de eventos juntamente com a mesa e os outros lideres; É o responsável pelos membros que participam do staff dos eventos de recuperação; É responsável por organizar os eventos de recuperação. 18

19 Líder de Eventos de Serviço: Servidor que juntamente com a mesa, organizará os eventos de serviço. Sugerido que esteja no mínimo há 06 meses limpo; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre a reunião realizada; Não ter dividas com a área e grupos; Participação freqüente nas reuniões do subcomitê. Conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos e Manual de Procedimentos do C.S.A.. Organizar o calendário de eventos juntamente com a mesa e os outros lideres; É o responsável pelos membros que participam do staff dos eventos de serviço; É responsável por organizar os eventos de serviço. Líder de Eventos de Confraternização: Servidor que juntamente com a mesa, organizará os eventos de confraternização. Sugerido que esteja no mínimo há 06 meses limpo; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre a reunião realizada; Não ter dividas com a área e grupos; Participação freqüente nas reuniões do subcomitê. Conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos e Manual de Procedimentos do C.S.A.. Organizar o calendário de eventos juntamente com a mesa e os outros lideres; É o responsável pelos membros que participam do staff dos eventos de confraternização; É responsável por organizar os eventos de confraternização. Líder de Materiais Promocionais: Responsável por organizar os serviços de produção de materiais promocionais do CSA. Sugerido que esteja no mínimo há 06 meses limpo; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre a reunião realizada; Não ter dividas com a área e grupos; Participação freqüente nas reuniões do subcomitê. Conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos e Manual de Procedimentos do C.S.A.. Organizar o levantamento de idéias e orçamentos para materiais promocionais; É o responsável pelos contatos com os prestadores de serviço; 19

20 É responsável por organizar a produção e venda dos materiais promocionais. Líder de Encompasso: Servidor que juntamente com a mesa, organizará o Encompasso. Sugerido que esteja no mínimo há 01 ano limpo; Familiaridade com o serviço em N.A. e sua linguagem; Capacidade de fazer registros claros e precisos sobre a reunião realizada; Não ter dividas com a área e grupos; Participação freqüente nas reuniões do subcomitê. Conhecimento dos Doze Passos, Doze Tradições, Doze Conceitos e Manual de Procedimentos do C.S.A.. Manter contato freqüente com o local de realização do evento; É o responsável pelos membros que participam do staff dos eventos de recuperação; É responsável por organizar a lista de partilhadores do evento. TEATRO Líder de Ensaios: Organizar e orientar os ensaios do subcomitê. Tendo este encargo um período de vigência de 01 ano. Sugerido que esteja no mínimo há 01 ano limpo; Estar presente em 75% das reuniões. Organizar os ensaios e os recursos disponíveis para realizar o serviço; Manter contato com os outros membros do subcomitê. Núcleo de Teatro (atores, contra-regras, sonoplastas e etc): Organizar e orientar os ensaios do subcomitê. Tendo este encargo um período de vigência de 6 meses, de acordo com as peças em planejamento. Sugerido que esteja no mínimo há 06 meses limpo; Estar presente em 75% das reuniões. Participar dos ensaios e da realização das peças; Manter contato com os outros membros do subcomitê. GRUPOS DE TRABALHO São formados para propósitos específicos e com prazo de duração limitado, apenas para cumprirem a tarefa para a qual se organizaram. Na criação de um sub-comitê interino o C.S.A. deverá especificar claramente qual será o seu propósito, que autonomia e recursos receberá e quanto tempo disporá para terminar o seu trabalho. 20

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Procedimentos CSA SP NORTE MAIO 2008 1 INTRODUÇÃO: Este Manual tem a intenção de ser um instrumento que nos dê direção em assuntos que venham a ser decididos ou que precisem da opinião do CSA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO CSA SÃO PAULO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO CSA SÃO PAULO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO CSA SÃO PAULO Manual de Procedimentos do CSA São Paulo Este Manual de Procedimentos foi feito para ser usado e compreendido por todos os RSG s e servidores do Comitê de Serviço

Leia mais

QUESTIONÁRIO FORUM DE DISCUSSÃO SUGESTÃO DE TEMA PARA O PRÓXIMO FORUN. (Quais as dificuldades de servir NA?) GRUPO DE ESCOLHA: CSA: ENCARGO:

QUESTIONÁRIO FORUM DE DISCUSSÃO SUGESTÃO DE TEMA PARA O PRÓXIMO FORUN. (Quais as dificuldades de servir NA?) GRUPO DE ESCOLHA: CSA: ENCARGO: QUESTIONÁRIO GRUPO DE ESCOLHA: CSA: ENCARGO: NÃO SERVE (O POR QUÊ?) : O QUE ACHOU DO FORUN: SUGESTÃO DE TEMA PARA O PRÓXIMO FORUN FORUM DE DISCUSSÃO (Quais as dificuldades de servir NA?) Manual de Tesoureiro

Leia mais

CSA SP NORTE ATA Setembro 2006 www.na.org.br/csaspnorte

CSA SP NORTE ATA Setembro 2006 www.na.org.br/csaspnorte CSA SP NORTE ATA Setembro 2006 www.na.org.br/csaspnorte Dados Gerais Da Reunião Data da Reunião 16/Setembro 2006 Local da Reunião GRUPO Vitória Inicio da Reunião 09:30 horas Termino da Reunião 17:40 horas

Leia mais

CSA SP NORTE ATA Junho - 2006

CSA SP NORTE ATA Junho - 2006 Dados Gerais Da Reunião CSA SP NORTE ATA Junho - 2006 Data da Reunião 12 de agosto de 2006 Local da Reunião Grupo Redenção Inicio da Reunião 9:20 hs Termino da Reunião 17:00 hs Total de Grupos do CSA 15

Leia mais

ATA da reunião de Fevereiro de 2014

ATA da reunião de Fevereiro de 2014 Comitê de Serviço de Área -CSA SP NORTE Rua Gabriel Piza, 487 Santana São Paulo - SP www.na.org.br/csaspnorte Linha de 3101-9626 ATA da reunião de Fevereiro de 2014 DADOS GERAIS Data 08/02/2014 Local Rua

Leia mais

REUNIÃO DE SERVIÇO MAIO 2011

REUNIÃO DE SERVIÇO MAIO 2011 Linha de Ajuda Cearense - (85) 9115-4664/8535-6628 23 de Maio de 2011 REUNIÃO DE SERVIÇO MAIO 2011 PROXIMA REUNIÃO 18/07/2011 ASSEMBLEIA Numero: (85) 9115-4664 / 8535-6628 Grupo de Email: linhadeajuda-ce@yahoogrupos.com.br

Leia mais

PARA INICIAR UM GRUPO AL-ANON

PARA INICIAR UM GRUPO AL-ANON Guia do Al-Anon G-12 PARA INICIAR UM GRUPO AL-ANON Se não houver nenhum Grupo Al-Anon em sua comunidade, você pode iniciar um, junto com uma ou duas outras pessoas que precisam e querem a ajuda do Al-Anon.

Leia mais

COMITÊ DE SERVIÇOS DA REGIÃO BRASIL

COMITÊ DE SERVIÇOS DA REGIÃO BRASIL Este guia tem o intuito de auxiliar os trabalhos desenvolvidos pelo Comitê de Serviço da Região (CSR) Brasil. Nele você encontrará diretrizes para os procedimentos estabelecidos dentro deste comitê de

Leia mais

PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário.

PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário. 29GE PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário. A Conferência de Serviços Gerais é o corpo permanente autorizado a expressar

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) REGIMENTO INTERNO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) Este Regimento Interno, aprovado na Assembléia Geral Ordinária da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN), realizada em 29

Leia mais

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE ÍNDICE Artigo 1.... 4 Finalidades... 4 Artigo 2.... 4 Composição... 4 Artigo 3.... 4 Competências do Conselho Geral... 4 Artigo 4º... 5 Duração do Mandato... 5 Artigo 5º... 5 Perda do Mandato... 5 Artigo

Leia mais

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Guia do Al-Anon C-12 PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Este Guia define as funções e responsabilidades da Junta de Curadores dos Grupos Familiares Al-Anon do Brasil, bem

Leia mais

Guia do Al-Anon G-4 PARA UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AL-ANON

Guia do Al-Anon G-4 PARA UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AL-ANON Guia do Al-Anon G-4 PARA UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AL-ANON HISTÓRICO E UTILIDADE DOS SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO AL-ANON Foi em New York que se criou o primeiro Intergrupo (Serviço de Informação Al-Anon atual),

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

Chamada das Áreas, Servidores da Mesa e RSG s, para verificação de quórum Estiveram presentes 09 membros, sendo 06 os membros votantes:

Chamada das Áreas, Servidores da Mesa e RSG s, para verificação de quórum Estiveram presentes 09 membros, sendo 06 os membros votantes: CSR - Comitê de Serviço Regional Rio Grande do Sul Ata 06 16 de junho de 2012 Data: 16/06/2012 - Sábado Local: Sede do CSA Porto Alegre Início: 20:00h Término: 00:00h Abertura com a Oração da Serenidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL fevereiro 2014 Agrupamento de Escolas Monte da Lua Regimento do Conselho Geral Capítulo I Enquadramento Legal Índice Artigo 1º Fundamento legal do Conselho Geral...... 2 Capítulo

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Art. 1 - O Conselho Setorial de Pós-Graduação e Pesquisa constitui-se em órgão consultivo, deliberativo

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1. O CMT, órgão consultivo e deliberativo, instituído pela Lei nº 433/L.O., de 14 de junho de 1995, alterada

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO

PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Guia do Al-Anon G-27 PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Muitos Grupos realizam reuniões abertas de Informação ao Público para comemorar o aniversário do Grupo. Outros realizam reuniões abertas

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA CAPITULO I PREÂMBULO Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento vem complementar e executar as normas estatutárias da Rede Procura Associação

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro 1 ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objectivos Artigo Primeiro Denominação, duração e sede 1. É constituído o AMERICAN CLUB OF LISBON,

Leia mais

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições REGIMENTO INTERNO - ANTIGO CAPÍTULO I Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Concórdia (CME), órgão deliberativo e consultivo da Administração no setor

Leia mais

Associação para Comitês de Serviço Estatutos

Associação para Comitês de Serviço Estatutos Associação para Comitês de Serviço Estatutos CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ASSOCIADOS E FINS ART. 1º - A Associação é uma entidade civil sem fins lucrativos nem intuito político, criada, por tempo

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Condomínio Via Bella Residence Service. Atribuições 1. CONSELHO FISCAL 2. SÍNDICO

Condomínio Via Bella Residence Service. Atribuições 1. CONSELHO FISCAL 2. SÍNDICO Atribuições 1. CONSELHO FISCAL Pode - Auditar e fiscalizar as contas do condomínio. - Alertar o síndico sobre eventuais irregularidades. - Dar pareceres, aprovando ou reprovando as contas do síndico. Esses

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Assembleia Geral é o órgão deliberativo máximo do Fórum Académico

Leia mais

REGULAMENTO E NORMAS DE PROCEDIMENTO 1/ CAPÍTULO I ALCANCE DO REGULAMENTO E NORMAS DE PROCEDIMENTO

REGULAMENTO E NORMAS DE PROCEDIMENTO 1/ CAPÍTULO I ALCANCE DO REGULAMENTO E NORMAS DE PROCEDIMENTO MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA OEA/Ser.L IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO SG/MESICIC/doc.9/04 rev. 5 INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO 12 setembro 2014 Original: espanhol Comissão de Peritos REGULAMENTO E NORMAS

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO REGIMENTO INTERNO Brasília, 4 de junho de 2011 REGIMENTO INTERNO

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar Regulamento do Ramo Pioneiro no Rio Grande do Sul TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado de Fiscais de Tributos, Auditores

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

Coordenadora pergunta: Há alguém aqui pela primeira, segunda ou terceira vez?

Coordenadora pergunta: Há alguém aqui pela primeira, segunda ou terceira vez? Para falar em preto Para colar em azul Orientações em vermelho ROTEIRO PARA REUNIÕES DE RECUPERAÇÃO Bem-vindos a reunião do grupo online de comedores compulsivos anônimos. Somos e, comedoras compulsivas,

Leia mais

COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA REGULAMENTO INTERNO

COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA REGULAMENTO INTERNO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA CAPÍTULO I Disposições Iniciais COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º -

Leia mais

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA CAPÍTULO I Da Assembleia Geral Artigo 1 Natureza A Assembleia Geral é constituída por todos os associados no pleno gozo dos seus

Leia mais

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto.

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto. Estatuto da Liga de Cirurgia da Universidade Federal de São Carlos. 08/05/2013 Da Disposição Geral Sobre a Liga de Cirurgia da UFSCar Art. 1 - A Liga de Cirurgia da UFSCar é uma instituição acadêmica,

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

COMITÊ DA CONTA TFCA

COMITÊ DA CONTA TFCA COMITÊ DA CONTA TFCA REGIMENTO Título Das disposições INTERNO I preliminares Art. 1 - O Comitê da Conta TFCA é um órgão colegiado de caráter deliberativo, instituído pela Portaria 398, de 21 de outubro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM NACIONAL DOS TRABALHADORES DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL FTSUAS. Princípios norteadores de funcionamento do Fórum 1. Natureza O Fórum Nacional dos Trabalhadores do

Leia mais

GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA. Estatutos. Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007

GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA. Estatutos. Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007 GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA Estatutos Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007 Capítulo I Da denominação, dos fins e da sede da Associação Artigo 1º

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado Estadual de Procuradores e Advogados Municipais de Santa Catarina, que passará a utilizar com exclusividade a denominação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

Narcotics Anonymous Narcóticos Anônimos. Livreto do Grupo. Revisado

Narcotics Anonymous Narcóticos Anônimos. Livreto do Grupo. Revisado Narcotics Anonymous Narcóticos Anônimos Livreto do Grupo Revisado Os Doze Passos de Narcóticos Anônimos 1. Admitimos que éramos impotentes perante a nossa adicção, que nossas vidas tinham se tornado incontroláveis.

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS ABERTURA Pessoa da cooperativa que não fará parte da mesa verifica o número de associados presentes certificando o quorum

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

Guias do Al-Anon G-27

Guias do Al-Anon G-27 Guias do Al-Anon G-27 PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Muitos Grupos realizam reuniões abertas de Informação ao Público para comemorar o aniversário do Grupo. Outros, realizam reuniões

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE LEÃO SAMPAIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO COPEX Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Leão Sampaio (CEP/LEÃO SAMPAIO) Atualizado

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO E FINALIDADES Artigo 1º - A Associação Recreativa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação dos Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária.

Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação dos Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária. Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação dos Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária. I. Âmbito No presente documento figura o Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação

Leia mais

...Totalmente auto-sustentável recusando contribuições de fora sétima tradição

...Totalmente auto-sustentável recusando contribuições de fora sétima tradição FOLHETO DE SERVIÇO - TRADUÇÃO NÃO-APROVADA 26/08/10 VERSÃO A ESTE MATERIAL NÃO PODE SER VENDIDO, MAS PODE SER DIVULGADO E COPIADO, SEGUNDO ORIENTAÇÕES DO MANUAL DE TRADUÇÕES ( BASIC TRANSLATIONS ) DA IRMANDADE

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Janeiro de 2015 PREÂMBULO O presente regimento tem por finalidade regular os procedimentos administrativos e modo de funcionamento do Conselho Geral, garantindo a eficiente

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Sete Lagoas 2012 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SUMÁRIO TÍTULO PÁGINA

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

Estatuto do Grêmio Estudantil

Estatuto do Grêmio Estudantil Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil, é o Grêmio Geral da Escola Estadual de, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento e de

Leia mais

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL dezembro/2008 Capítulo I Da competência do Conselho Fiscal Art. 1º Como órgão de controle interno da EFPC, compete ao Conselho Fiscal, na forma estabelecida no

Leia mais

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP REGIMENTO DO 6º CONGRESSO ESTATUTÁRIO DOS FUNCIONÁRIOS DA USP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA USP DATA: 27, 28, 29 E 30 DE ABRIL DE 2015. LOCAIS: ABERTURA DIA 27, ÀS 18H00 E INSTALAÇÃO DA PLENÁRIA PARA

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS O presente Regimento (versão aprovada em reunião plenária de 24 de maio de 2011) disciplina os critérios de composição, eleição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto)

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto) REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objeto) O funcionamento da Assembleia Geral rege-se pelo disposto no presente Regulamento e pelas demais disposições dos Estatutos

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL POMBAL. ARTIGO 1.º Reuniões

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL POMBAL. ARTIGO 1.º Reuniões REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL POMBAL ARTIGO 1.º Reuniões 1- As reuniões da Câmara realizam-se habitualmente nos Paços do Concelho, podendo realizar-se noutros locais, quando assim for deliberado. 2- As

Leia mais

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos.

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Art. 1º Sob a denominação de União Municipal das Associações

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DO -CAEx CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art.1º O Conselho Acadêmico de Atividades de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, é um órgão

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO No- 623, DE 18 DE OUTUBRO DE 2013 Aprova o Regulamento de Conselho de Usuários. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO ARTIGO. 1º. (Definição e Mandato) 1. São membros de pleno direito os delegados eleitos e designados e os membros por inerência

Leia mais

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO INTERNO SUMÁRIO CAPITULO I Do fundamento legal CAPITULO

Leia mais

MINUTA Do Estatuto do Grêmio Estudantil

MINUTA Do Estatuto do Grêmio Estudantil MINUTA Do Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil do IFBAIANO Campus Gov. Mangabeira, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento

Leia mais

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna CAPITULO I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS I Apresentação Ainda que não precisem gerar lucro, as organizações do terceiro setor demandam, cada vez mais, uma gestão profissionalizada, que lhes permita avaliar adequadamente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO TÉCNICO

Leia mais