1 Introdução. Autor: Francisco Aracildo de moura Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Introdução. Autor: Francisco Aracildo de moura Universidade Federal do Rio Grande do Norte aracildomoura@yahoo.com.br"

Transcrição

1 Autor: Francisco Aracildo de moura Universidade Federal do Rio Grande do Norte Orientador: ADEMIR ARAÚJO DA COSTA Universidade Federal do Rio Grande do Norte LOTEAMENTOS EM PEQUENAS CIDADES: UM ESTUDO DO PARCELAMENTO DO SOLO EM LAGOA SALGADA RN. 1 Introdução Este trabalho teve como foco, analisar o crescimento que vem ocorrendo na área urbana de uma cidade pequena a partir do processo de parcelamento do solo que está cada dia mais latente em Lagoa Salgada. Este parcelamento vem se concretizando sob a forma de loteamentos. O surgimento destes loteamentos vem despertando-nos o interesse em compreender a contribuição que a forma de se vender a terra parcelada vem dando para que ocorra o crescimento da cidade, como também, entender a dimensão que estes loteamentos de terras estão tomando, se é legalizado, quem são os adquirentes desses lotes e principalmente buscamos descobrir dentre outros, o motivo que faz alguém comprar uma parcela de terra em Lagoa Salgada. Falar sobre a pequena cidade não é tarefa das mais fáceis, no entanto, os desafios

2 que vão surgindo ao longo da pesquisa estimulam a seguirmos adiante para que, no futuro, tenhamos mais embasamento teórico e metodológico no tocante ao urbano de cidades pequenas, uma vez que, estas, compreendem a grande maioria de cidades existentes no país. No que concerne à temática da pequena cidade, pouco tem sido produzido na área da Geografia Urbana. O tema pequena cidade parece ainda, não despertar interesse dos pesquisadores. Localizada na Microrregião do Agreste Potiguar, Lagoa Salgada sofre forte influência da capital do Estado, sendo esta a referência de cidade grande para os salgadenses. Assim, num segundo momento nos debruçamos a desvendar a cidade e seus elementos sociais que a tornam pequena em seu espaço temporal. Para que concretizássemos esta pesquisa, fez-se necessário o uso de procedimentos e técnicas metodológicas que nos conduziram ao seu desenvolvimento. Assim, realizamos pesquisa bibliográfica a respeito da temática abordada, fazendo uso de fontes primarias e fontes secundárias; entrevistas com os proprietários de terras que foram transformadas em loteamentos, localizadas em Lagoa Salgada, como também, com os adquirentes dos lotes para que tivéssemos as respostas para as hipóteses levantas para tal estudo, permitindo assim a concretização desse trabalho monográfico. Utilizamos a entrevista como técnica metodológica o que permitiu o contato direto com os atores envolvidos nesta pesquisa; consulta em acervos da Câmara Municipal; busca de dados e informações sobre o município na rede mundial de computadores. Por esse prisma, buscou-se entender sobre a legalidade da terra e dos processos de loteamento, o conteúdo social e a infraestrutura de cada loteamento. 2 CIDADE, PEQUENA CIDADE: O URBANO EM EVIDÊNCIA A cidade, independente do seu tamanho, evidencia antes de mais anda o viver a vida no urbano, através de suas relações sociais, econômicas, de consumo de bens e

3 serviços, dentre outras. Buscamos aqui, fazer uma discussão de temas como: cidade e pequena cidade (ou cidade local). 2.1 Considerações sobre a cidade A cidade é uma criação humana e remonta a tempos distantes. Por este prisma, a cidade tem todo um simbolismo, seja no modo de vida, na forma de organização e nas relações que comporta: sociais, econômicas, políticas, culturais, administrativas, dentre outras, que nos fazem compreender ser um lugar diferente do campo ou do mundo rural. Para Carlos (2007, p. 11): A cidade, enquanto construção humana é um produto histórico-social e nesta dimensão aparece como trabalho materializado, acumulado ao longo do processo histórico de uma série de gerações. Expressão e significação da vida humana, obra e produto, processo histórico cumulativo, a cidade contém e revela ações passadas, ao mesmo tempo em que o futuro, que se constrói nas tramas do presente o que nos coloca diante da impossibilidade de pensar a cidade separada da sociedade e do momento histórico analisado. Diante do exposto, é possível perceber que, desde o início, a cidade surge como um local que apresenta a capacidade de ser um espaço de possibilidades e mesmo apresentando faces diferentes, é capaz de concentrar em único espaço pessoas de distintas classes, é o local do contato direto entre os indivíduos. A cidade promove o encontro entre passado e presente, sendo resultado de esforços e trabalhos realizados outrora e que se concretizam na atualidade através da legitimação jurídica do espaço. Mas, também é na cidade que as desigualdades se apresentam mais claramente, pois, mesmo sendo um espaço de possibilidades, nem todos desfrutam das mesmas ou tem condições plenas para usufruírem o que esta pode lhe oferecer. Para uns, a cidade é o local onde é possível a obtenção de uma renda diferenciada, principalmente para os que trabalham diretamente com o comércio e a prestação de serviços, para outros, é vista como a esperança de encontrar uma alternativa de

4 sobrevivência, até mesmo a esperança de ali poder ter um local para habitar, possibilitando o mínimo de conforto à família. 2.2 em tela: A pequena cidade No Brasil, é quase um consenso à utilização de dados quantitativos para se definir uma cidade pequena. No interior de um adensamento habitacional e de residências há um conjunto de elementos que vão dizer da existência de uma cidade, quais sejam, quantidade de estabelecimentos comerciais, serviços oferecidos à população, prédios públicos, administração, entre outros. Assim, a cidade pequena, também pode ser elevada a esta categoria se considerarmos a quantidade de pessoas que ali habitam. Nesse contexto, Silva, Gomes e Silva (2009, p. 48) apontam que: Nos estudos sobre pequenas cidades no Brasil, há uma tendência em classificá-las a partir do aspecto quantitativo populacional; ou seja, do numero de população que habita ou vive na cidade. Nesse sentido, tem sido comum denominar-se de pequena cidade aquela cuja população não ultrapassa vinte mil habitantes ou dez mil habitantes, [...]. A cidade, mesmo estando no mais baixo nível no que concerne a atividade urbana, é assim considerada, pois, além de satisfazer as necessidades básicas de sua população, é capaz de abastecer o seu entorno, ou seja, a sua área rural e em determinados casos, as cidades vizinhas que estão nos limites de sua influência, como por exemplo, quando a cidade não tem a feira livre seus moradores buscam a cidade mais próxima para efetuar suas compras. Silva, Gomes e Silva (2009, p. 60) nos colocam que: A pequena cidade, na sua dimensão espacial, pouco tem sido estudada no âmbito da Geografia. Mesmo que, a maioria das pequenas cidades se apresentem como uma aglomeração urbana capaz de satisfazer tão somente às necessidades mínimas, reais ou criadas, de seus habitantes, elas têm um significado importante no contexto da reprodução ampliada da sociedade. No tocante as peculiaridades, a maneira como a produção destas cidades vem

5 acontecendo, podem ser de diferentes formas, devemos compreender entre outros aspectos o espaço temporal. 3 PERFIL HISTÓRICO E SOCIOECONÔMICO DE LAGOA SALGADA: UM OLHAR SOBRE A PEQUENA CIDADE Historicamente, a área onde se encontra a cidade de Lagoa Salgada esteve voltada para a agricultura, com terras propicias ao cultivo da mandioca, feijão, milho e a produção de castanha de caju. Mesmo fazendo uso de técnicas rudimentares, em sua grande maioria, os moradores do município sobrevivem da agricultura de subsistência. De acordo com informações do IDEMA (2008, p. 08): No final do século XVII, numa área considerada boa para o cultivo agrícola, teve início um povoamento formado por roceiros que em busca de trabalho, ali chegaram e estabeleceram moradia. Situado entre Boa Saúde e Monte Alegre, o povoado que foi chamado Lagoa Salgada ficou como distrito-vila do município de São José de Mipibu, até o dia 24 de novembro de Por força da Lei no 2.747, de 7 de maio de 1962, desmembrou-se de Boa Saúde e tornou-se município. Localizado a 52 quilômetros da cidade do Natal, o município de Lagoa Salgada faz fronteira ao Norte com os municípios de Boa Saúde, Monte Alegre, Vera Cruz; ao Sul com o município de: Lagoa de Pedras; a Leste com: Lagoa de Pedras e Monte Alegre e ao Oeste com: Boa Saúde. Seu principal acesso se dá pela rodovia RN 002 que se conecta com a BR 101, principal porta de entrada para a capital do Estado. O município apresenta uma área de 79,330 km² e uma população de habitantes, IBGE (2010), com densidade demográfica de 95,35 habitantes por quilômetros quadrados, dos quais, habitantes residem na zona urbana e os outros habitantes restantes moram na zona rural. A população do município de Lagoa Salgada está assim dividida: habitantes do sexo masculino e habitantes do sexo feminino.

6 A economia do município de Lagoa Salgada é predominantemente baseada na produção agrícola e de maneira um pouco mais tímida na pecuária. Com relação à produção de culturas agrícola, entre lavouras permanentes e lavouras temporárias, algumas culturas se destacam mais que outras. Assim, a produção de mandioca merece destaque por apresentar maior produção no município. Com relação à castanha do caju, esta apresenta uma significativa contribuição para a economia de Lagoa Salgada. Sua produção e sua comercialização ocorrem em grande escala e aquece a economia local. Outro setor da economia que apresenta bastante expressividade é à produção de farinha e fécula de mandioca, o destaque maior ocorre para a Fábrica Prata Fina existente na comunidade do Exú, estando esta entre as mais modernas do Estado. O beneficiamento acontece no município, no entanto, essa produção é destinada para outras cidades e estados da federação. 4 LOTEAMENTOS: NOVOS ESPAÇOS NO URBANO A cidade é o local onde as relações sociais se manifestam de maneira mais clara e intensa. Essas relações permitem a apropriação do espaço urbano e contribuem para que haja o interesse por habitar a cidade, onde sejam oferecidas melhores condições de sobrevivência e permanência. Os loteamentos são vistos como uma alternativa para os que buscam residir na cidade e que ainda não detém seu espaço. Esse tipo de empreendimento geralmente defende a proposta de ser um lugar novo, onde todos fazem parte de um mesmo grupo, uma vez que desfrutam dos mesmos objetos. A Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, em seu Artigo 2º, 1º: Considera Loteamento como a subdivisão de gleba em lotes destinados a edificação, com abertura de novas vias de circulação, de logradouros públicos ou prolongamento, modificação ou ampliação das vias existentes. Cada cidade apresenta suas particularidades, com dinâmica que as moldam de acordo com o interesse dos promotores do espaço urbano. Para Corrêa (2003, p. 12):

7 [...] a ação desses agentes se faz dentro de um marco jurídico que regula atuação deles. Este marco não é neutro, refletindo o interesse dominante de um dos agentes [...] ainda que possa haver diferenciações nas estratégias dos três primeiros agentes, bem como conflitos entre eles, há entretanto denominadores comuns que os unem: um deles é a apropriação de uma renda da terra. Os loteamentos existentes em Lagoa Salgada, em maior quantidade encontram-se nas bordas do núcleo urbano, o que atrai para a sua malha urbana, novos atores sociais. Neste sentido, Carlos (1994a, p. 45) enfatiza que [...] O modo de ocupação de determinado lugar da cidade se dá a partir da necessidade de realização de determinada ação, seja de produzir, consumir, habitar ou viver. É essa ocupação dos lugares das cidades que faz surgir as suas diferenças espaciais. A cidade é por si só contraditória. Apresenta todos os espaços necessários a manutenção e permanência de seus moradores (mesmo que seja o mínimo). Por outro lado, nem todos os moradores terão condições reais de desfrutar do que ela os oferece, seja pela falta de conhecimento ou pela condição social. Assim, o preço do solo urbano está intrinsecamente ligado ao seu uso e ocupação pelos agentes que moldam e transformam os espaços da cidade. 5 COMPREENDENDO ALGUNS PROCESSOS GEOGRÁFICOS A PARTIR DOS LOTEAMENTOS DE LAGOA SALGADA. Buscando melhor compreender os processos que ocorrem nas áreas parceladas sob a forma de lotes, faz-se necessário entendermos alguns aspectos: se os loteamentos estão de acordo com os critérios estabelecidos em lei; o perfil dos adquirentes dos lotes e também dos proprietários de terras loteadas; a infraestrutura apresentada por cada loteamento, que pode servir como um fator de atratividade para quem busca adquirir um lote. Como também, conhecer os atores que estão envolvidos diretamente com o parcelamento do solo em Lagoa Salgada, o que nos mostrará uma analise real do crescimento da área urbana a partir do processo de loteamento da terra.

8 5.1 A terra, o lote e a legalidade A localização pode ser considerada um fator primordial no momento em que se propõe a criação de um loteamento. O fator localização tem um peso significativo ao se propor um loteamento, pois quanto mais se aproximar do centro urbano, mais vai facilitar o cotidiano de quem pretende ali morar. Já para os que adquirem pensando na valorização, o centro também é visto como influenciador para tal, uma vez que na cidade tudo converge para o centro, não importa o seu tamanho. A centralidade se exerce principalmente nas ações e processos que se iniciam a partir da área core, ou seja, o centro da cidade. Quando o loteamento encontra-se dotado com a infraestrutura exigida pelos órgãos competentes, tais como rede de energia e abastecimento de água, ruas com meio fio, delimitação das quadras, áreas destinadas ao poder publico, ruas de acesso ligando o loteamento com as principais avenidas da cidade, dentre outros, de acordo com a Lei nº 6.776/79, este terá um valor diferenciado no mercado de terras. 5.2 Os loteamentos e sua infraestrutura A infraestrutura básica dos parcelamentos é constituída por equipamentos indispensáveis a permanência na área urbana. Quando analisamos a infraestrutura dos loteamentos, percebemos a ausência dos itens considerados essenciais para que o loteamento seja posto a venda, tais como agua encanada, energia elétrica, vias de circulação, etc. e mesmo não contando com tais itens a terra é loteada e colocada à venda. Dentre os loteamentos existentes na referida cidade, com exceção do Loteamento Jardim Planalto e o Vila Imperial, pode-se perceber que em todos os demais utilizaram apenas a divisão de terras sob a forma de lotes, demarcando cada lote sinalizando o tamanho e a sua localização dentro da parcela maior. Quanto a outros pré-requisitos necessários para que de fato a área seja considerada um loteamento legalizado, dentre os quais a presença de meio fio delimitando as ruas e

9 quadras é inexistente; a área de uso coletivo e destinada ao poder público para dotar a área com equipamentos de interesse da população, a documentação que é algo indispensável que comprova a compra legal de qualquer bem, para os lotes, em cerca de 80% não se tem registro em cartório que comprove a transação de compra e venda. As facilidades encontradas para se fazer o pagamento do lote é um atrativo a mais para quem busca um lugar para morar no município, contribuindo para que aquelas pessoas que não podem adquirir a terra em uma única parcela possam quitar em um intervalo de tempo maior estipulado entre vendedor e comprador. Vale salientar que o município não dispõe de um código de obras, nem mesmo de uma Lei de tributos para que seja feito algum tipo de fiscalização no que concerne aos loteamentos. Nesse caso, o processo de compra e venda, quase sempre ocorre a partir de relações de amizades e confiança entre quem está vendendo e aqueles que estão adquirindo a terra. No entanto, o lucro com a terra continua sendo o objetivo principal de quem a transforma em lotes e coloca a venda no mercado loteamentos: uma análise real do crescimento urbano de Lagoa Salgada Atualmente, a referida cidade conta com 10 loteamentos que variam na quantidade de lotes postos à venda. Juntos, somam 722 lotes postos a venda. Nesse contexto, o menor loteamento conta com 9 unidades de lotes posto à venda. No outro extremo temos o maior loteamento. Este apresentou previsão de colocar no segundo semestre de 2014, 274 lotes para serem vendidos. Já o restante dos outros loteamentos variam entre 20 e 50 unidades de lotes. Em relação à área de cada lote, o tamanho é bem variável. É possível encontrar lotes com 150 metros quadrados indo até 220 metros quadrados. Ao perguntarmos para os proprietários dos loteamentos sobre a origem dos adquirentes dos lotes, a resposta foi quase que unanime ao nos informarem que, com raras exceções, a maior parte dos compradores é do próprio município ou que mantem algum

10 vínculo com a cidade, principalmente familiar. A pesquisa constatou que 70% das pessoas que adquiriram algum lote, o fizeram apenas para investimento, vislumbrando uma maior valorização da área futuramente. Os outros 30% informaram que o objetivo de terem adquirido um lote foi construir sua casa própria e residir. No tocante ao registro legal que autoriza a venda da terra parcelada em lotes, os loteamentos de Lagoa Salgada, com exceção de dois, não apresentam nenhum documento que demonstre sua liberação para comercializar a terra em lotes. De acordo com entrevista realizada com os proprietários das terras loteadas, em média cinquenta por cento dos lotes foram vendidos à vista. Com relação aos demais lotes, a negociação ocorreu de forma parcelada. Parcelas estas que variam de 6 até 72 meses para que seja efetuado o pagamento total da compra do lote. Esperar a valorização da terra para obter um maior lucro, principalmente se houver melhorias na área loteada ou em suas adjacências, parece ser um bom negócio na cidade de Lagoa Salgada. A especulação imobiliária vem contribuindo para que haja essa propagação de loteamentos em uma cidade pequena como Lagoa Salgada. Ao mesmo tempo contribui para que a zona urbana apresente crescimento e ganhe novas áreas para a cidade. No entanto, a especulação também ocorre entre os lotes, daí a aquisição de mais de um lote pela mesma pessoa. Não é raro encontrarmos pessoas que adquiriram de 3 até 6 lotes em diferentes loteamentos da cidade e que estão a espera de que a tão sonhada valorização da terra adquirida ocorra de fato. A inserção de novos elementos em seu cotidiano, como este processo de parcelamento do solo existente em Lagoa Salgada, faz parte de novas realidades presentes no cenário das pequenas cidades. Fato que requer mais atenção por parte daqueles que discutem o urbano e pensam a cidade em suas múltiplas dimensões. Novas realidades que exigem novos olhares para que possamos compreender e entender como vem se

11 estruturando a rede urbana de nosso Estado, quiçá a brasileira. CONSIDERAÇÕES FINAIS Falar sobre a cidade pequena não é fácil. Sabemos que a sua classificação não é impedimento para que estas mantenham relações com os mais diferentes lugares e em variadas escalas. Com a oferta dos lotes em Lagoa Salgada, mesmo tendo a grande maioria das pessoas que os adquiriram nos informado que compraram como investimentos, ainda uma parcela bastante considerável fez a aquisição dos lotes para a construção de moradia. Por esse prisma, sugere-se para os órgãos municipais de Lagoa Salgada que seja criado um código de obras e lei de parcelamento uso e ocupação do solo que possa regularizar o ordenamento territorial urbano da cidade. Como também que desenvolva uma política destinada a orientar os proprietários de terras que desejam transformá-las em loteamentos. É notório, por parte do poder público, o desconhecimento da real importância para a cidade de que se tenha uma fiscalização de como vem ocorrendo às relações comerciais envolvendo o seu solo urbano. Com a especulação imobiliária cada vez mais evidente em Lagoa Salgada ainda não se despertou atenção para a necessidade de uma regularização do comércio da terra. Esperamos que este trabalho possa servir de embasamento para futuras pesquisas. Que mais geógrafos possam desvendar a pequena cidade e suas relações dentro da malha urbana nas mais diferentes escalas e contextos sociais que envolvem a temática cidade, descortinando-se assim, um universo de possibilidades para estudos geográficos. As pequenas cidades não são inertes, estão em constantes transformações e é essa metamorfose pela qual Lagoa Salgada vem passando que nos possibilitou um olhar diferenciado sobre a pequena cidade. Compreender a pequena cidade é muito mais que entender os números que a estigmatizam como pequena. É poder usar esses números para nos ajudar a fazer projeções

12 futuras e traçar o perfil futuro das relações que se desencadeiam em cada cidade independente de posição ou lugar que esta ocupe na hierarquia urbana. REFERÊNCIAS BRASIL. Lei nº de 19 de dezembro de Brasília, CARLOS, Ana Fani Alessandri. A cidade. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1994a. (Coleção repensando a Geografia). A (Re) produção do espaço urbano. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1994b.. A cidade. 4. ed. São Paulo: Contexto CORRÊA, Roberto Lobato. O espaço urbano. São Paulo: Ática, IBGE. Perfil administrativo de todos os municípios brasileiros. Disponível em: <Erro! A referência de hiperlink não é válida.> Acesso em: 02 jan Censo demográfico Disponível em: <Erro! A referência de hiperlink não é válida.> Acesso em: 02 jan Cidades. Disponível em:

13 <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=240660&idtema=122&search=ri o-grande-do-norte lagoa-salgada lavoura-permanente-2012>. Acesso em: 06 abr População. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/indicadores_sociais_municipais/tab elas_pdf/tab28.pdf >. Acesso em: 26 abr IDEMA. Perfil do seu município. Disponível em: <http://www.idema.rn.gov.br/contentproducao/aplicacao/idema/socio_economicos/arquivo s/perfil%202008/lagoa%20salgada.pdf > Acesso em: 21 set SILVA, Anieres Barbosa da; GOMES, Rita de Cássia da Conceição; SILVA, Valdenildo Pedro da. Pequenas cidades: lugares geográficos do Rio Grande do Norte. In: (Orgs). Pequenas cidades: uma abordagem geográfica. Natal: EDUFRN, p Por uma concepção conceptual: as pequenas cidades em tela. In: SILVA, Anieres Barbosa da; GOMES, Rita de Cássia da Conceição; SILVA, Valdenildo Pedro da. (orgs). Pequenas cidades: uma abordagem geográfica. Natal: EDUFRN, p

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução Sistema Modal de Transportes no Município do Rio de Janeiro: a modernização dos eixos de circulação na cidade carioca para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016. 1 - Introdução Danilo

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Plano de Monitoramento dos Impactos Sociais do Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari

Plano de Monitoramento dos Impactos Sociais do Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Plano de Monitoramento dos Impactos Sociais do Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Monitoramento dos Impactos à Comunidade Plano de monitoramento dos impactos sociais Os impactos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO)

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO) Vidas exclusivas: Territorialização, transformação dos usos e apropriações da Praia do Paiva-PE Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço,

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT Flávia Cristina Solidade Nogueira Débora Fabiana Aparecida Tenutes Silva Sandro Ribeiro da Costa Universidade

Leia mais

Intervenção Pública na década de 90:

Intervenção Pública na década de 90: Intervenção Pública na década de 90: Uma análise dos impactos espaciais do Programa Rio-Cidade no mercado imobiliário da cidade do Rio de Janeiro Andrea Paulo da Cunha PULICI Observatório Imobiliário e

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO Recentemente o INCT Observatório das Metrópoles divulgou o livro e também e-book intitulado Índice

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO Silvia A Guarnieri ORTIGOZA Magda Adelaide LOMBARDO Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico.

O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico. Ivo Francisco Barbosa¹ Universidade Federal Fluminense ivo_francisco@hotmail.com O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico.

Leia mais

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1 24 de Março de 2004 flash No 38 P Resultados das Pesquisas do SIMA-DEST e Departamento de Análise de Políticas MADER-Direcção de Economia Mudanças nos Padrões de Consumo na Zona Sul: Que Opções Alimentares

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL Natal, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando compra...

Leia mais

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS 1- Introdução CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS As demandas por informações georreferenciadas são cada vez mais freqüentes nos projetos em desenvolvimento no IBGE. A Base Territorial como um projeto

Leia mais

O PROGRAMA CASA FÁCIL-UNIFIL: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INSERÇÃO SOCIAL Gilson Jacob Bergoc 1, Ivan Prado Jr 2 e Ivanóe De Cunto 3

O PROGRAMA CASA FÁCIL-UNIFIL: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INSERÇÃO SOCIAL Gilson Jacob Bergoc 1, Ivan Prado Jr 2 e Ivanóe De Cunto 3 O PROGRAMA CASA FÁCIL-UNIFIL: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INSERÇÃO SOCIAL Gilson Jacob Bergoc 1, Ivan Prado Jr 2 e Ivanóe De Cunto 3 Pode-se dizer que a cidade contemporânea sofre de um mal crônico, senão

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

Perfil Socioeconômico de Comunidades a Serem Atingidas por Empreendimentos

Perfil Socioeconômico de Comunidades a Serem Atingidas por Empreendimentos Perfil Socioeconômico de Comunidades a Serem Atingidas por Empreendimentos Perfil Socioeconômico de Comunidades a Serem Atingidas por Empreendimentos Prof. Eliane Almeida Out./2014 Perfil Socioeconômico

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

ANÁLISE DA TENDÊNCIA DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL EM MARINGÁ

ANÁLISE DA TENDÊNCIA DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL EM MARINGÁ ANÁLISE DA TENDÊNCIA DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL EM MARINGÁ Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá jdias@uem.br

Leia mais

Nos próximos. 30 minutos. 1 Objetivos 2 Metodologia 3 Perfil do Consumidor 4 Processo de Decisão 5 Conclusões

Nos próximos. 30 minutos. 1 Objetivos 2 Metodologia 3 Perfil do Consumidor 4 Processo de Decisão 5 Conclusões Nos próximos 30 minutos 1 Objetivos 2 Metodologia 3 Perfil do Consumidor 4 Processo de Decisão 5 Conclusões Objetivos do estudo Buscando melhor entender a demanda e relevância da internet no processo de

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

Condomínio Sinhá Ana. Jul - 2011

Condomínio Sinhá Ana. Jul - 2011 Condomínio Sinhá Ana Jul - 2011 NOME DO EMPREENDIMENTO Sinhá Ana CONDOMÍNIO DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO Quer ter bem-estar? More no que é seu! O Condomínio Horizontal Sinhá Ana foi conceitualmente projetado

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO PROJETO CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI RELATÓRIO DE ATIVIDADES ASSENTEMENTOS SERRA DAS ARARAS, FORMIGUINHA E POUSO ALEGRE JULHO DE 2011 INTRODUÇÃO

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Marta Paiz 1 Márcia Bonifácio Stooc 2 Adriana Picagevicz Mellk 3 Jaime Antonio Stoffel 4 Nelson Alpini

Leia mais

A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013

A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013 1 A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013 INTRODUÇÃO Karina Biasi Pina Acadêmica - Geografia - UNESPAR/Fafipa karinabiasi@hotmail.com Gilmar Aparecido

Leia mais

ABNT NBR 14653-3:2004. Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos

ABNT NBR 14653-3:2004. Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos ABNT NBR 14653-3:2004 Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos Definições 3.2 benfeitorias: Resultado de obra ou serviço realizado no imóvel rural, que não pode ser retirado sem destruição,

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO PARAIBANO Silva, Hellosman de Oliveira, Rodrigues, Tárcio

Leia mais

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário?

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário? Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário Este é um documento que objetiva apresentar a proposta do Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário, sua importância, benefícios

Leia mais

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema REALIZAÇÃO: APOIO: REALIZAÇÃO Adriana Rosa da Silva Rodrigues - Enfermeira do Núcleo de Apoio ao Estudante - NAE. Érika Correia Silva - Psicóloga

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

nós na sala de aula - módulo: geografia 4º e 5º anos - unidade 9

nós na sala de aula - módulo: geografia 4º e 5º anos - unidade 9 As paisagens urbanas e as paisagens rurais são visualmente distintas. As atividades propostas têm como objetivo diferenciar e evidenciar as relações espaciais entre as paisagens urbanas e rurais, colocando

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA BRUNO DE OLIVEIRA SOUZA 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 brunooliveira_souza@hotmail.com, rubiagm@gmail.com 1 Aluno do curso de Geografia Unifal-MG

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

HISTORIA E CARACTERIZAÇÃO DOS BAIRROS SOB GESTÃO DA CASCAIS ENVOLVENTE

HISTORIA E CARACTERIZAÇÃO DOS BAIRROS SOB GESTÃO DA CASCAIS ENVOLVENTE HISTORIA E CARACTERIZAÇÃO DOS BAIRROS SOB GESTÃO DA CASCAIS ENVOLVENTE (agosto de 2013) FREGUESIA DE ALCABIDECHE ABUXARDA O bairro da Abuxarda foi construído em 1999 no âmbito do Programa PER - Programa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

OCUPAÇÃO DE BAIRROS IRREGULARES NA ZONA NORTE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OCUPAÇÃO DE BAIRROS IRREGULARES NA ZONA NORTE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OCUPAÇÃO DE BAIRROS IRREGULARES NA ZONA NORTE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Marco A. Freitas Junior e Marcos M. Prianti, Prof. Gilson A. Ribeiro. Univap Instituto Superior de Educação Rua Dr. Tertuliano Delphim

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO INFORMAÇÕES BÁSICAS datas de início e término: local: fonte de recursos: arranjo institucional: 2015

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel

Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel Quais são as possibilidades de uso do FGTS no consórcio? Oferta de lance em consórcio de imóvel residencial O consorciado poderá utilizar até 100% do saldo

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

OPORTUNIDADE: Associar sua marca a uma das maiores vitrines de negócio do Cerrado Brasileiro. PERÍODO DE REALIZAÇÃO: 24 a 27 de março de 2015

OPORTUNIDADE: Associar sua marca a uma das maiores vitrines de negócio do Cerrado Brasileiro. PERÍODO DE REALIZAÇÃO: 24 a 27 de março de 2015 SHOW SAFRA BR 163 O Show Safra BR163 é idealizado pela Fundação Rio Verde para ser uma feira de novas tecnologias com foco comercial e ainda abre espaço para discussões de temas técnicos, políticos, sociais

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011 Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 211 Cristina Maria Magalhães Dinis Técnica Superior de Sociologia Julho de 213 Gabinete de Reabilitação Urbana Departamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 Brasília, 3 de Novembro de 2015. ÁREA: Planejamento Territorial e Habitação TÍTULO: Novidades na operacionalização do Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) em sua Terceria Fase

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Painel I Parcelamento do Solo Conceitos e Aspectos Legais 20 de junho de 2006 1 Loteamento art. 2º,

Leia mais

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PERCEPÇÃO AMBIENTAL NA MICRO BACIA DO CÓRREGO DA ÁGUA QUENTE, SÃO CARLOS SP: ÁREAS DEGRADADAS COMO FATORES DE INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO Karyna D Onofre Neves

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

(Adaptado de: . Acesso em: 26 jul. 2014.)

(Adaptado de: <http://www2.sabesp.com.br/mananciais/divulgacaositesabesp.aspx>. Acesso em: 26 jul. 2014.) GEOGRFI 1 Leia o texto e as figuras a seguir. O conhecimento da geografia contribui para que a sociedade tenha uma melhor compreensão dos problemas ambientais. falta d água no Sistema Cantareira do estado

Leia mais