MUDANÇA CLIMÁTICA NO CONTEXTO DE NEGÓCIOS CDP SUPPY CHAIN RISCOS E OPORTUNIDADES FRETE ÀS MUDANÇA CLIMÁTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUDANÇA CLIMÁTICA NO CONTEXTO DE NEGÓCIOS CDP SUPPY CHAIN RISCOS E OPORTUNIDADES FRETE ÀS MUDANÇA CLIMÁTICAS"

Transcrição

1 MUDANÇA CLIMÁTICA NO CONTEXTO DE NEGÓCIOS CDP SUPPY CHAIN RISCOS E OPORTUNIDADES FRETE ÀS MUDANÇA CLIMÁTICAS

2 2 SUMÁRIO 1. MUDANÇA CLIMÁTICA Perfil das emissões Consequências 2. ESTRATÉGIA IMPACTO NOS NEGÓCIOS Conhecer riscos e opt Avaliar respostas Gerenciar ações 3. PERSPECTIVAS 4. EXERCÍCIO

3 MUDANÇA CLIMÁTICA

4 4 MUDANÇA CLIMÁTICA: NEXO DE CAUSALIDADE MITIGAÇÃO Emissão antropogênica da GEE Intensificação do Efeito Estufa Aquecimento Global Mudança Climática ADAPTAÇÃO Impacto no conjunto da sociedade

5 5 EMISSÕES GLOBAIS DE GASES DE EFEITO ESTUFA Global Greenhouse Gas Emissions by Gas Global Greenhouse Gas Emissions by Source Fonte: IPCC, 2007

6 6 PERFIL E PROJEÇÃO DAS EMISSÕES POR SETOR NO BRASIL Fonte: McKinsey, 2009.

7 7 Ciência da Mudança Climática Aumento da temperatura tem causas antrópicas Fonte: IPCC, 5AR WGI, 2014

8 8 Consequências do aquecimento global Fonte: IPCC, 5AR WGI, 2014

9 9 Probabilidade de aumento de temperatura em relação aos níveis de concentração de GEE Níveis de estabilização (em ppm CO 2 e) Período 2 o C 3 o C 4 o C 5 o C 6 o C 7 o C 280 Pré Revolução Industrial * * * * * * * Projeção considerando dados do IPCC de que as concentrações de GEE nos últimos anos aumentam a uma taxa de 2ppm / ano. Concentrações atualmente estimadas em 430ppm. Fonte: Elaboração própria a partir de Stern, 2010 e IPCC, 2014

10 ESTRATÉGIA - IMPACTOS NOS NEGÓCIOS

11 11 DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA EM MUDANÇA CLIMÁTICA FÍSICOS 1. CONHECER RISCOS E OPORTUNIDADES POTENCIAIS 2. AVALIAR AÇÕES NECESSÁRIS REGULATÓRIOS ECONÔMICO- FINANCEIROS COMPETITIVOS E REPUTACIONAIS 3. GERENCIA AÇÕES

12 12 DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA EM MUDANÇA CLIMÁTICA 1. CONHECER RISCOS E OPT POTENCIAIS FÍSICOS REGULATÓRIOS ECONÔMICOS- FINACEIROS COMPETITIVOS E REPUTACIONAIS

13 13 EVENTOS CLIMÁTICOS E CIDADES: FATORES DE RISCO DA URBANIZAÇÃO Frequência e intensidade das chuvas aumentará em regiões urbanas brasileiras neste século Processos de ordenamento e ocupação do território nas metrópoles brasileiras intensificarão os riscos associados às mudanças climáticas População exposta a riscos de enchente e deslizamentos, bem como perdas econômicas associadas a esses riscos aumentarão consideravelmente até Brasil: perdas econômicas associadas a enchentes ( ) (em milhões de US$) Brasil: população exposta a risco de enchentes ( ) (em milhões de habitantes) Fontes: Swiss Re (2011), Staying on top of flood risk in Brazil: prevention, adaptation and insurance. Intergovernmental Panel on Climate Change (2007), Industry, Settlement and Society. UN-Habitat (2011), Cities and Climate Change: Global Report on Human Settlements. INPE-UNICAMP-USP-IPT-UNESP (2009), Vulnerabilidade das Megacidades às Mudanças Climáticas: Região Metropolitana de São Paulo. TerraBrasis Re (2012), Brazilian Natural Catastrophes. Elaboração dos Gráficos: Gestão Origami

14 14 EVENTOS CLIMÁTICOS E O SETOR RURAL: ALTERAÇÕES NA DINÂMICA DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA Impactos do aquecimento global causarão expansão das áreas expostas a riscos climáticos ao longo do século Produção de grãos (principalmente soja e milho) sofrerá perdas severas em decorrência do aquecimento global Cultivares tradicionais da agricultura familiar também serão afetados, principalmente na região nordeste Soja Brasil: evolução das perdas financeiras associadas às mudanças climáticas. Culturas selecionadas. Em milhões de reais Brasil: evolução da área plantada ( ). Culturas selecionadas. Em mil ha. Milho Feijão Café Arroz Algodão Fontes: IBGE (2006), Censo Agropecuário. Agricultura Familiar: primeiros resultados. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) (2012), Projeções do Agronegócio 2011/2012 a 2021/2022: projeções de longo prazo. EMBRAPA-UNICAMP (2008), Aquecimento Global e a Nova Geografia da Produção Agrícola no Brasil. IPEA (2011), Mudança do Clima no Brasil. Elaboração dos gráficos: Gestão Origami.

15 15 EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS Fonte: Jornal Valor Econômico, Janeiro 2012

16 16 DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA EM MUDANÇA CLIMÁTICA 1. CONHECER RISCOS E OPT POTENCIAIS FÍSICOS REGULATÓRIOS ECONÔMICOS- FINACEIROS COMPETITIVOS E REPUTACIONAIS Política Nacional de Mudança Climática e as Metas de Redução de Emissões Fonte:

17 17 PRESSÕES REGULATÓRIAS Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação PPCDAM - Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal PPCerrado - Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento no Cerrado PDE - Plano Decenal de Energia Plano ABC - Agricultura de Baixo Carbono Integração Lavoura-Pasto, Plantio Direto, etc Plano Indústria - Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Indústria de Transformação. 90% das emissões industrias -> Alumínio, Cal, Cimento, Ferro-gusa e aço, Papel e Celulose, Química, Vidro. PSTM - Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima

18 18 PRESSÕES REGULATÓRIAS Metas de Redução de Emissões Compulsórias - Políticas Estaduais Fonte: Fórum Clima, 2012.

19 19 DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA EM MUDANÇA CLIMÁTICA 1. CONHECER RISCOS E OPT POTENCIAIS FÍSICOS REGULATÓRIOS ECONÔMICOS- FINACEIROS COMPETITIVOS E REPUTACIONAIS

20 20 ACESSO A CAPITAL (RECURSOS REEMBOLSÁVEIS) OBJETIVO: Apoiar a implantação de empreendimentos, a aquisição de máquinas e equipamentos e o desenvolvimento tecnológico relacionados à redução de GEE e adaptação. Dotação orçamentária de R$ 560 milhões. Subprogramas Juros Participação BNDES Prazo Garantias Máquinas e Equipamentos Eficientes De 1,5% a 4,5% a.a. Até 90% do valor dos itens financiáveis Até 12 anos, carência de 3 meses a 2 anos Negociadas entre IF e cliente Energias Renováveis De 1,9% a 9% a.a. Até 90% do valor dos itens financiáveis Até 16 anos Negociadas entre IF e cliente e na análise de crédito Gestão e Serviços de Carbono De 1,9% a 9% a.a. Até 90% do valor dos itens financiáveis Até 12 anos, incluído período de carência de até dois anos Negociadas entre IF e cliente e na análise de crédito Fonte:

21 21 ACESSO A CAPITAL Empreendimentos apoiáveis Investimentos destinados a projetos de: recuperação de pastagens degradadas; implantação de sistemas orgânicos de produção agropecuária; implantação de sistemas de integração lavoura-pecuária adequação ou regularização das propriedades rurais implantação, manutenção e melhoramento de sistemas de tratamento de dejetos e resíduos oriundos de produção animal Taxa de juros - 4,5% a.a. para produtores que se enquadrem como beneficiários do Pronamp; e 5% a.a., para os demais casos. Participação máxima do BNDES - Até 100%. Limite do financiamento - Até R$ 1 milhão por cliente, por ano-safra.

22 22 ACESSO A CAPITAL LINHAS TEMÁTICAS RELACIONADAS A MUDANÇA CLIMÁTICA: Produção sustentável: Eficiência energética no setor industrial Prevenção e controle de emissões atmosféricas Dotação orçamentária de R$ 2 bilhões Monitoramento ambiental e prevenção de desastres naturais: Sistemas de sensores ambientais aplicáveis a monitoramento e prevenção de desastres naturais, especialmente para pluviometria e geotécnica Sistemas para monitoramento de áreas de risco a partir de sensores aerotransportados ou satelitários Fonte:

23 23 DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA EM MUDANÇA CLIMÁTICA 1. CONHECER RISCOS E OPT POTENCIAIS FÍSICOS REGULATÓRIOS ECONÔMICOS- FINACEIROS COMPETITIVOS E REPUTACIONAIS CAMPANHAS DE ONGs CADA VEZ MAIS CONECTADAS E ATIVAS NO MUNDO TODO

24 24 MERCADO FINANCEIRO CADA VEZ MAIS ATIVO Índices de Sustentabilidade em Bolsas de Valores; Resolução BACEN No de 25/04/2014 Política de Responsabilidade Socioambiental, Governança e Gerenciamento de Riscos em Instituições Financeiras.

25 Número de Signatários Ativos sob Gestão (US$ Trilhões) 25 INVESTIDORES BUSCANDO INFORMAÇÕES SOBRE ASPECTOS ESG CDP Signatários e Ativos sob Gestão: Climate change Relataram em 2013 Water 380 Relataram em 2013 Signatários Mudanças Climáticas Signatários Carbon Action Ativos Signatários Mudanças Climáticas Signatários Água Signatários Florestas Ativos Signatários Água Forests 138 Relataram em 2013 Total de empresas que relatam para o CDP representa cerca de 54% da capitalização de mercado global

26 26 DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA EM MUDANÇA CLIMÁTICA DESENVOLVER NOVOS PRODUTOS / SERVIÇOS? 1. CONHECER RISCOS E OPT POTENCIAIS 2. AVALIAR AÇÕES NECESSÁRIAS 3. GERENCIAR AÇÕES SUBSTITUIR TECNOLOGIA? MELHORAR EFICIÊNCIA? REAVALIAR APÓLICE DE SEGURO? DESENVOLVER FORNECEDOR? SUBSTITUIR MATÉRIAS PRIMAS? REALOCAR OPERAÇÃO? ETC

27 27 DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS

28 28 SEGUROS CONTRA RISCOS CLIMÁTICOS Efeitos das mudanças climáticas são percebidos como o principal fator de risco na agricultura a longo prazo Alto grau de percepção das mudanças climáticas como fator de risco contrasta com a baixa confiança do produtor no seguro agrícola como mecanismo de proteção Brasil: percepção de riscos futuros. Principais riscos mencionados (em % das propriedades agrícolas consultadas) Disponibilidade de mão-de-obra no meio rural Volatilidade de preço das commodities Custos de produção Mudanças climáticas e fenômenos climáticos extremos % das propriedades 0,0% 20,0% 40,0% 60,0% 80,0% Melhor acesso ao mercado de crédito Seguro agrícola mais robusto Garantias de preço/proteção governamental Diversificação da produção Contratação de produtos de seguro Brasil: medidas de prevenção de riscos futuros adotadas no meio agrícola (em % das propriedades consultadas) % das propriedades 0,0% 10,0% 20,0% 30,0% 40,0% 50,0% Fontes: SwissRe (2009), Betting the Farm: Agricultural risks in Brazil. MBAgro (2012), Seguro Agrícola no Brasil. MAIA et. al. (2010), Seguros Agrícolas: experiências internacionais e reflexões para o caso brasileiro. Osgood et al World Bank (2008), Integrating Seasonal Forecasts and Insurance for Adaptation among Subsistence Farmers.

29 Milhões de US$ MtCO2e 29 NOVOS MERCADOS PROJETOS REDUÇÃO EMISSÕES Evolução do Mercado de Carbono por Tipo de Transação Permissão de Emissões Projetos Total O mercado de carbono em 2011 computava cerca de 10 GtCO2e, com valor de mais de US$ 170 bilhões Fonte gráficos: Elaboração própria a partir de World Bank, State & Trends of Carbon Market, 2006, 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012 Permissão de Emissões Projetos Total

30 30 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Energia Elétrica, Térmica, Combustíveis, etc Fonte: CNI. Oportunidades de eficiência energética para a indústria: uma visão institucional. Brasília, 2010.

31 31 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Fonte: CNI. Oportunidades de eficiência energética para a indústria: uma visão institucional. Brasília, 2010.

32 32 DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA EM MUDANÇA CLIMÁTICA 1. CONHECER RISCOS E OPT POTENCIAIS 2. AVALIAR AÇÕES NECESSÁRIAS 3. GERENCIAR AÇÕES FERRAMENTAS - CDP, ISE, GHG, DJSI, ETC PROJETOS - MDL, OFFSETS, EFICIÊNCIA ENERGÉTICA, NOVAS FONTES DE ENERGIA, ETC.

33 33 GESTÃO DA MUDANÇA CLIMÁTICA CDP s 2014 questionário mudança climática Gestão CC1. Governança CC2. Estratégia CC3. Metas e Iniciativas CC4. Comunicação Riscos e Oportunidades CC5. Riscos mudança climática CC6. Oportunidades mudança climática Emissions CC7. Metodologia CC8. Dados de emissão CC9. Emissões de Escopo 1 CC10. Emissões de Escopo 2 Sair CC15. Sair do questionário CC11. Energia CC12. Desempenho das emissões CC13. Comércio de Emissões CC14. Escopo 3

34 34 GESTÃO DE EMISSÕES Metodologias de Inventário de Emissões de GEE GHG Protocol Metodologia mais usada mundialmente pelas empresas e governos para entender, quantificar, e gerenciar emissões de GEE Desenvolvida pelo WRI, em parceria com o WBCSD Estrutura para contabilização Modular e flexível Neutro em termos de políticas ou programas Baseado em um amplo processo de consulta pública ISO Organiza-se em três partes: Parte 1 especificação com orientação para a quantificação e a elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito estufa; Parte 2 concentra-se em projetos ou em atividades baseadas em projetos de GEE especificamente concebidos para reduzir emissões ou aumentar a remoção de GEE. Parte 3 Especificação com orientação para a validação e verificação de declarações de gases de efeito estufa.

35 35 GESTÃO DE EMISSÕES Escopo de Mensuração - Metodologia GHG Protocol

36 36 DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA EM MUDANÇA CLIMÁTICA 1. CONHECER RISCOS E OPT POTENCIAIS FÍSICOS REGULATÓRIOS ECONÔMICO-FINANCEIROS COMPETITIVOS E REPUTACIONAIS 2. AVALIAR AÇÕES POTENCIAIS DESENVOLVER NOVOS PRODUTOS / SERVIÇOS? SUBSTITUIR TECNOLOGIA? MELHORAR EFICIÊNCIA? REAVALIAR APÓLICE DE SEGURO? DESENVOLVER FORNECEDOR? SUBSTITUIR MATÉRIAS PRIMAS? REALOCAR OPERAÇÃO? ESTRATÉGIA DE GERAÇÃO E PROTEÇÃO DE VALOR EM MUDANÇA CLIMÁTICA 3. GERENCIAR AÇÕES FERRAMENTAS - CDP, ISE, GHG, DJSI, ETC PROJETOS MERCADO DE CARBONO, EFICIÊNCIA ENERGÉTICA, NOVAS FONTES DE ENERGIA, ETC.

37 37 PERSPECTIVAS A regulação da mudança climática é uma realidade no Brasil (Politica Nacional e Estaduais) No médio prazo há uma perspectiva do setor de geração de energia elétrica intensificar o uso de combustíveis fósseis Gás Natural e Carvão Mineral para garantir a segurança energética do país. Isso trará impacto para diversos setores econômicos. Isso ocorrerá justamente por volta de 2020 quando há a perspectiva de entrada em vigor do 2º período de cumprimento do Protocolo de Quioto (PQ) com possibilidade de metas de redução mandatórias para países desenvolvidos e BRICS. Debate-se também em fóruns multilaterais a criação de uma taxa de carbono. Associado a isso, e a um possível mercado global permissão de emissões, discute-se também a remoção de subsídios a combustíveis fósseis como formas de incentivar uma economia de baixo carbono. As empresas e o governo brasileiro precisam estar atentas a esses movimentos que podem impactar a competitividade da indústria nacional.

38 EXERCÍCIO

39 39 EXERCÍCIO Quando sua empresa considera os 3 principais clientes fornecedores produtos/ serviços plantas: O setor de atuação está incluído em um dos Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação, e, portanto sujeito à regulação governamental de curto prazo? Os produtos/ serviços produzidos são intensivo no uso de combustíveis fósseis ou no consumo de energia? A localização das, principais operações próprias, ou de fornecedores podem ser severamente afetadas por eventos climáticos extremos como enchentes, enxurradas, elevação do nível do mar, estiagens, etc. de forma a interromper as operações temporariamente? As tecnologias utilizadas na produção de bens e serviços são intensivas em emissões de GEE e não podem ser facilmente substituídas por tecnologias limpas? Existe uma demanda concreta dos clientes para endereçar o tema mudança climática? A reputação é sensível, ou está exposta diretamente a pressões de consumidores finais ou ONGs bem informados?

40 40 EXERCÍCIO Quando sua empresa considera os 3 principais clientes fornecedores produtos/ serviços plantas: CONHECE? S / N AVALIA? S / N MATERIAL? O setor de atuação está incluído em um dos Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação, e, portanto sujeito à regulação governamental de curto prazo? Os produtos/ serviços produzidos são intensivo no uso de combustíveis fósseis ou no consumo de energia? A localização das, principais operações próprias, ou de fornecedores podem ser severamente afetadas por eventos climáticos extremos como enchentes, enxurradas, elevação do nível do mar, estiagens, etc. de forma a interromper as operações temporariamente? As tecnologias utilizadas na produção de bens e serviços são intensivas em emissões de GEE e não podem ser facilmente substituídas por tecnologias limpas? Existe uma demanda concreta dos clientes para endereçar o tema mudança climática? A reputação é sensível, ou está exposta diretamente a pressões de consumidores finais ou ONGs bem informados? 0 -> A relação com a realidade da minha empresa é nula ou próxima de zero. 1 -> Há uma relação fraca ou indireta com a realidade da minha empresa; tende a afetar a empresa. 2 -> Há uma relação direta com a realidade da minha empresa; pode de afetar a empresa marginalmente. 3 -> Há uma relação muito forte com a realidade da minha empresa; há grande chance de afetar a empresa criticamente.

41 ATIVIDADE EM GRUPO CDP SUPPY CHAIN RISCOS E OPORTUNIDADES FRETE ÀS MUDANÇA CLIMÁTICAS

42 42 DINÂMICA Objetivo da atividade Dinâmica Por meio de cases fictícios, alinhar conceitos, solucionar dúvidas, garantir a compreensão do questionário CDP 1. Divisão dos participantes em 2 oficinas: Indústria e Serviços 2. Cada oficina contará com 4 grupos, com foco em um segmento específico do questionário Governança e estratégia Metas, iniciativas e comunicação Riscos e oportunidades e módulo SC Emissões 3. Leitura dos cases e resposta as questões do segmento específico do grupo (1h30) 4. Apresentação e debate em plenária (2h00) 10 minutos + 5 minutos de debate por grupo

43 43 DINÂMICA Objetivo da atividade Por meio de cases fictícios, alinhar conceitos, solucionar dúvidas, garantir a compreensão do questionário CDP 1. Ficha com o case fictício (indústria ou serviço) Ferramentas 2. Gabarito para resposta

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Programa ABC. Agricultura de Baixo Carbono. Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura

Programa ABC. Agricultura de Baixo Carbono. Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Programa ABC Agricultura de Baixo Carbono Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Emissões globais de GEEs Participação dos diferentes setores nas emissões de GEE, 2004

Leia mais

Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças climáticas

Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças climáticas Brasília, 21 de setembro de 2011 Audiência Pública Senado Federal 5a. Reunião Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas -CMMC Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças

Leia mais

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 www.cdp.net @CDP Agenda O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 O que é Organização internacional que trabalha com as principais forças do mercado para motivar as empresas e cidades

Leia mais

Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA)

Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA) Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA) Conteúdo A Política Nacional sobre Mudança do Clima O Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima) Aplicações Não-Reembolsáveis Aplicações Reembolsáveis

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Via Láctea Estamos aqui Sistema Solar Terra Estamos aqui Planeta Terra Estamos

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental Roberto Kishinami Consultor Independente para DESK GREEN ECONOMY Projeto Desenvolvimento Sustentável Bilateral Câmara Ítalo Brasileira

Leia mais

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 Cenário Nacional e Internacional De acordo com os termos do protocolo Kyoto, as nações industrializadas se comprometeriam a reduzir em 5,2% as emissões

Leia mais

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput.

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput. DECRETO Nº 7.390, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2010. Regulamenta os arts. 6o, 11 e 12 da Lei no 12.187, de 29 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC, e dá outras providências.

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Metodologia, resultados e ações CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS CARTA ABERTA AO BRASIL Compromissos Assumidos A. Publicar anualmente o

Leia mais

Implementação do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC) Ações e Expectativas

Implementação do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC) Ações e Expectativas SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS COORDENAÇÃO DE MANEJO SUSTENTÁVEL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS - CMSP Implementação

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE Roberto Strumpf 01.06.2011 Mensuração e Gestão de GEE Conteúdo A economia de baixo carbono Mensuração de emissões Programa Brasileiro GHG Protocol Gestão de emissões Plataforma Empresas Pelo Clima Economia

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Programa ABC Linha de Crédito para Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Sidney

Leia mais

Contextualização do Plano e Programa ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) Bases para Estimativas de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE)

Contextualização do Plano e Programa ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) Bases para Estimativas de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) Contextualização do Plano e Programa ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) Bases para Estimativas de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) Efeito Estufa, Aquecimento Global e Mudanças Climáticas

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil

Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil FÓRUM REGIONAL FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO Egon Krakhecke Local: Manaus Data: 09/05/2014 Desenvolvimento Sustentável - Conceito É o Desenvolvimento

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças as Climáticas Visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura Plano ABC Plano de Agricultura de Baixa Emissão de

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Sustentabilidade e Mudança Climática

Sustentabilidade e Mudança Climática Sustentabilidade e Mudança Climática 23 de Setembro 2009 Definindo uma Estratégia Corporativa para lidar com Mudanças Climáticas de forma sustentável Aceitar que o debate está concluído Entender a sua

Leia mais

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos?

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? Seminário sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Brasileiro Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? 21 de novembro de 2014 Aneel Brasília O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES Abril 2014 O EFEITO DA P0LUIÇÃO DE MANAUS S0BRE O CLIMA DA AMAZÔNIA Um grupo de pesquisadores do Brasil,

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Mudanças Climáticas na Vale

Mudanças Climáticas na Vale 30/09/2011 Mudanças Climáticas na Vale Gerência de Nova Economia e Mudanças Climáticas Departamento de Desenvolvimento Sustentável Política de Sustentabilidade Operador Sustentável Legado Econômico, Social

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento.

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. São objetivos do ABC: Reduzir as emissões de gases de efeito estufa oriundas

Leia mais

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs)

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs) (material embargado até 19.11.2015 às 10hs) SEEG 3.0 Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estuda Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil 1970-2014 DESTAQUES: Emissões

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL. Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa

PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL. Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa São Paulo, 03 de setembro de 2013 VI SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS - SHS 2013 EMISSÕES

Leia mais

Estimulando a demanda por reduções de emissões de REDD+: A necessidade de uma intervenção estratégica para 2015-2020

Estimulando a demanda por reduções de emissões de REDD+: A necessidade de uma intervenção estratégica para 2015-2020 Estimulando a demanda por reduções de emissões de REDD+: A necessidade de uma intervenção estratégica para 2015-2020 Resumo: Informações preliminares do quinto relatório de avaliação do IPCC mostram que

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Agropecuária Sustentável e Cooperativismo

Agropecuária Sustentável e Cooperativismo DEPARTAMENTO DE ASSOCIATIVISMO RURAL E COOPERATIVISMO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO/MAPA Agropecuária Sustentável e Cooperativismo IV SIMBRAS Porto Alegre, 1º de agosto de

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Temas abordados 1. Quem somos 2. Efeito estufa e aquecimento global 3. Marco regulatório 4. O inventário de emissões

Leia mais

Evento Anual 2015. Programa Brasileiro GHG Protocol

Evento Anual 2015. Programa Brasileiro GHG Protocol Evento Anual 2015 Programa Brasileiro GHG Protocol Agenda 9h30 Abertura 9h40 Resultados do Ciclo 2015 10h10 11h10 11h35 11h45 11h55 12h00 Painel: Por que e como as empresas estão reduzindo suas emissões

Leia mais

Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas

Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas 4o. Congresso de Tecnologia na Cadeia Produtiva da Cana de Açúcar em Mato Grosso do Sul CANASUL 2010 Campo Grande, Agosto 2010 Isaias C Macedo NIPE/UNICAMP

Leia mais

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015 Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem Jorge Soto 11/08/2015 1 Braskem INTEGRAÇÃO COMPETITIVA EXTRAÇÃO Matérias Primas 1 ª GERAÇÃO Petroquímicos Básicos 2 ª GERAÇÃO Resinas Termoplásticas

Leia mais

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS Contribuições do

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Monitorando riscos e oportunidades: Como as grandes empresas estão se preparando para as mudanças climáticas André Nassar 8 de maio

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais

Mudança do Clima no Brasil

Mudança do Clima no Brasil Mudança do Clima no Brasil Visão do Banco Mundial Principais desafios Linhas estratégicas Christophe de Gouvello 6th International Symposium of Climatology (VI SIC) "Climate Vulnerability: Brazil in the

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

CONCLIMA São Paulo 11/9/2013

CONCLIMA São Paulo 11/9/2013 CTI e políticas públicas: algumas ligações e ideias básicas CONCLIMA São Paulo 11/9/2013 Sergio Margulis Secretário de Desenvolvimento Sustentável Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro Climate Change, Energy and Food Security Rio de Janeiro Mudanças Climáticas Amazônia, Problemas Ambientais e Proteção da Biomassa Israel Klabin F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Indústria

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Indústria CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Indústria Processo de Construção do Plano Indústria O art. 11 da Lei 12.187/2009 determinou realização de Planos setoriais

Leia mais

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP Mudanças Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável Rodrigo C. A. Lima Gerente-geral do ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 6 de

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA Josilene Ticianelli Vannuzini Ferrer PROCLIMA - CETESB, 2010 SP, a Agenda Climática e a CETESB 40 milhões de habitantes 18 milhões

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010 Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília 08 e 09 de Junho 2010 No Programa de Governo Gestão 2009-2012 está previsto o Programa Biocidade e neste o Plano

Leia mais

Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima. Roberto de Aguiar Peixoto

Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima. Roberto de Aguiar Peixoto Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima Roberto de Aguiar Peixoto Sumário da Apresentação Contexto e Objetivos das Leis sobre Mudanças do Clima Breve Histórico: PNMC, PEMC Metas e Principais

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO)

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) ILÍDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2001

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Sobre a WayCarbon 7 anos no mercado sul-americano de consultoria em mudanças climáticas Portifólio de projetos

Leia mais

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Funções da SDS Mudanças Climáticas Política Estadual sobre Mudanças Climáticas Objetivos: Fomento e incentivo

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

ECONOMIA DA MUDANÇA DO CLIMA NO BRASIL*

ECONOMIA DA MUDANÇA DO CLIMA NO BRASIL* ECONOMIA DA MUDANÇA DO CLIMA NO BRASIL* Sergio Margulis** Carolina Dubeux*** 1 INTRODUÇÃO Neste artigo se sumaria o estudo Economia da Mudança do Clima no Brasil que foi uma iniciativa pioneira para analisar

Leia mais

Clima e mudanças climáticas na Amazônia

Clima e mudanças climáticas na Amazônia Diligência Pública ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS Manaus-AM, 18 de maio de 2009 Comissão Mista de Mudanças Climáticas Clima e mudanças climáticas na Amazônia Antonio Ocimar Manzi manzi@inpa.gov.br

Leia mais

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute Metodologias para medir pegada carbônica Stephen Russell World Resources Institute O que é uma pegada carbônica? Empresa Fonte Instalação GHG Protocol Inventário Nacional Ferramentas de cálculo GHG Protocol

Leia mais

REDD+ EM MATO GROSSO: RUMO À IMPLEMENTAÇÃO (Lei 9.878/2013)

REDD+ EM MATO GROSSO: RUMO À IMPLEMENTAÇÃO (Lei 9.878/2013) REDD+ EM MATO GROSSO: RUMO À IMPLEMENTAÇÃO (Lei 9.878/2013) Mato Grosso - Produção Soja 18,81 Milhões de toneladas Milho 2 Safra 8,41 Milhões de toneladas Algodão 1,44 Milhões de toneladas Rebanho 28,7

Leia mais

Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064

Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064 Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064 Nasario de S.F. Duarte Jr. Resumo:o mercado de créditos de carbono assume proporções econômicas elevadas, e

Leia mais

Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP. Gestão Territorial

Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP. Gestão Territorial Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP Piracicaba (SP), 10 de outubro de 2012 Ocupação e Uso do Solo: Gestão Territorial Claudio Spadotto e Equipe O território i rural é alterado por expansão, concentração,

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais