Regras de Procedimentos e Integridade do Comitê de Compliance da FSB. Dezembro/2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regras de Procedimentos e Integridade do Comitê de Compliance da FSB. Dezembro/2016"

Transcrição

1 1 Regras de Procedimentos e Integridade do Comitê de Compliance da FSB Dezembro/2016

2 2 Manual do Programa de Integridade da FSB 1. Introdução O presente Manual do Programa de Integridade da FSB ( Manual ) estabelece as diretrizes do Programa de Integridade da FSB Holding S.A. e suas subsidiárias, diretas e indiretas ( FSB e Programa de Integridade ), que tem como objetivo: (i) aperfeiçoar e formalizar o conjunto de normas e práticas seguidas pela FSB, que permitirá ao grupo assegurar a implementação das mais modernas e seguras regras de integridade; (ii) garantir a existência de normas, políticas, processos e auditoria para a mitigação dos riscos; e (iii) assegurar o cumprimento de todas as leis aplicáveis às atividades da FSB, especialmente as leis anticorrupção. 2. Programa de Integridade 2.1. O Programa de Integridade e Governança Corporativa O Programa de Integridade da FSB está inserido em um contexto mais amplo de governança corporativa da FSB, que começou a ser implementado no ano de Assim, o Programa de Integridade é resultado de um longo processo, precedido pelas seguintes medidas: (a) divulgação dos Princípios da FSB, em 2012; (b) reestruturação Societária de todo o grupo da FSB, em 2013 e 2014; (c) criação do Comitê Gestor, em 2014; (d) criação da área de Processos Internos e Conformidade e do Comitê Executivo, em 2015; e (e) elaboração do Código de Melhores Práticas de Conduta e criação do Comitê de Compliance, em Portanto, o Programa de Integridade deve ser implementado em conjunto com as políticas internas, diretrizes e normas de melhores práticas elaboradas e postas em prática ao longo dos últimos cinco anos pela administração da FSB Pilares do Programa de Integridade O Programa de Integridade da FSB sustenta-se em quatro pilares: (a) Conformidade tributária e trabalhista: cumprimento das normas tributárias e trabalhistas aplicáveis à FSB, a partir de normas e medidas implementadas pelas áreas de Processos e Conformidade, de Recursos Humanos e Jurídica. (b) Relações com clientes e fornecedores: observância das melhores práticas na contratação de terceiros e no relacionamento com clientes, tanto da área

3 3 privada, quanto da área pública, de modo a assegurar o cumprimento das leis e normas éticas, mitigar riscos e evitar conflito de interesses. (c) Prestação de contas: demonstração do cumprimento das normas de melhores práticas, procedimentos de conformidade e leis aplicáveis às atividades da FSB, a clientes, fornecedores e colaboradores, por meio de relatórios e apresentações periódicos, de modo a evidenciar o comportamento íntegro e ético das sociedades do grupo FSB. (d) Segurança da informação: implementação de normas, procedimentos e ferramentas que garantam a segurança das informações e documentos confidenciais aos quais a FSB tem acesso, assim como a correta utilização destes dados nas atividades da FSB Documentos do Programa de Integridade Além do presente Manual, também fazem parte do Programa de Integridade o Código de Melhores Práticas de Conduta FSB e as políticas internas postas em prática pela área de Processos e Conformidade, em cooperação com as áreas de Recursos Humanos, Jurídica e Financeira (em conjunto, Regras de Integridade ). As Regras de Integridade devem ser lidas e compreendidas por todos os sócios, administradores, empregados, colaboradores e prestadores de serviço da FSB ( Colaboradores FSB ) Abrangência e aplicação As Regras de Integridade aplicam-se de forma igual e irrestrita a todos os Colaboradores FSB, que devem também obedecer às diretrizes da Política de Integridade. 3. Gerenciamento do Programa de Integridade 3.1. Comitê de Compliance O Comitê de Compliance é órgão de assessoramento aos acionistas da FSB Holding S.A., tendo competência para implementar as Regras de Integridade e supervisionar o cumprimento das Regras de Integridade em todas as sociedades do grupo FSB. O Comitê de Compliance é formado por 3 (três) dos acionistas majoritários, 1 (um) integrante da área jurídica; 1 (um) integrante da área institucional; 1 (um) integrante ligado a área administrativa e 1 (um) integrante da área de Recursos Humanos.

4 4 Como resultado de suas atividades de implementação, monitoramento e supervisão do Programa de Integridade, o Comitê de Compliance terá competência para recomendar aos acionistas majoritários: (a) medidas para aprimorar as Regras de Integridade; e (b) medidas corretivas e punições com relação ao descumprimento das Regras de Integridade Demais órgãos do Programa de Integridade Todas as áreas internas e órgãos da administração da FSB devem prestar contas de suas atividades e funcionamento ao Comitê de Compliance, sempre que solicitado. 4. Supervisão e Monitoramento do Programa de Integridade 4.1. Treinamento e Comunicação Para assegurar a eficácia da Política de Integridade, a FSB providenciará a seus colaboradores treinamentos periódicos, com o objetivo de instruir, informar e testar o conhecimento acerca das Regras de Integridade. Estes treinamentos ocorrerão de forma periódica, a depender da necessidade da FSB, sendo que ocorrerá, no mínimo, 1 (uma) vez por trimestre. Além disso, comunicações específicas sobre o tema serão disponibilizados na rede interna da FSB, para consulta a qualquer tempo. Os Colaboradores FSB deverão, periodicamente, responder a questionários sobre as Regras de Integridade, preferencialmente após os treinamentos, para assegurar a sua correta compreensão Canal de Denúncias, Reclamações e Sugestões Será disponibilizado aos Colaboradores FSB um canal para a comunicação de denúncias, reclamações e sugestões sobre a Política e Regras de Integridade. As denúncias, reclamações e sugestões poderão ser comunicadas internamente por meio de canal disponibilizado na rede intranet da FSB e, externamente, por meio do e- mail 4.3. Decisões do Comitê de Compliance As denúncias, reclamações e sugestões serão direcionadas ao Comitê de Compliance que, com a colaboração da Área Jurídica e de Auditoria Interna, determinará as providências necessárias para a apuração dos fatos relatados e, se for o caso, as sanções e medidas que devem ser aplicadas.

5 5 As sanções e medidas determinadas pelo Comitê de Compliance serão comunicadas imediatamente aos Acionistas da FSB, que terão a competência para implementá-las Auditoria e Prestação de Contas Periodicamente, o Comitê de Compliance realizará, por meio de agentes externos ou com o auxílio das Áreas Jurídica e de Auditoria Interna, auditoria para verificar o cumprimento das Regras de Integridade da FSB. O relatório de auditoria identificará possíveis descumprimentos, se houver, e poderá determinar recomendações para aprimoramento da Política de Integridade e medidas repressivas para eventuais infrações. Ademais, o Comitê de Compliance prestará contas de suas atividades de monitoramento e supervisão do Programa de Integridade, inclusive: (a) por solicitação de clientes, com relação a projetos específicos; (b) em apresentações realizadas ao final de cada exercício, que terão como escopo prestar contas aos Colaboradores FSB sobre as medidas adotadas ao longo do ano para aprimoramento, monitoramento e supervisão do Programa de Integridade; (c) por meio de relatórios periódicos, com informações agregadas, que fornecerão, no âmbito interno da FSB, posicionamento acerca do andamento e medidas adotadas com relação a denúncias, reclamações e sugestões. De modo a não desencorajar a comunicação de denúncias, reclamações e sugestões, todos os relatórios elaborados e divulgados pelo Comitê de Compliance não revelarão a identidade de denunciantes ou de pessoas que eventualmente tenham cometido infrações Medidas Repressivas Como resultado da apuração de denúncias ou da não conformidade identificada por meio de auditoria, o Comitê de Compliance poderá sugerir aos acionistas da FSB a aplicação de medidas repressivas, sendo que: (i) caso o descumprimento ou infração possa ser atribuída a uma ou mais pessoas específicas, a medida repressiva será aplicada a esta(s) pessoa(s); e (ii) caso o descumprimento ou infração tenha sido cometido por uma área ou equipe como um todo, a medida repressiva será aplicada ao líder desta área ou equipe. A medida repressiva aplicada dependerá da gravidade da infração cometida, assim como da reincidência do agente, área ou equipe que a cometeu, conforme definição abaixo:

6 6 a- Gravíssimo Prejuízo financeiro Risco à imagem e reputação Conduta ilegal e/ou imoral Impossibilidade correção da ação grave Reincidência de inconformidade grave b- Grave Prejuízo financeiro Riscos moderados à imagem e reputação Possibilidade de correção, porém não de forma imediata Reincidência em não conformidades leves c- Leve Descumprimento de processos e prazos Uso indevido da hierarquia do cargo Sem prejuízo de outras medidas julgadas necessárias, adequadas e proporcionais ao caso concreto, o Comitê de Compliance poderá recomendar aos acionistas da FSB a aplicação das seguintes medidas repressivas: a- Exigência de explicações perante o Comitê de Compliance; b- Advertência expressa aplicada por meio de comunicação formal do representante do Compliance; c- Redução de parcela de participação anual dos lucros ou bônus; d- Desligamento do profissional responsável pela infração; Caso o agente infrator seja um representante ou preposto de contratado da FSB, o Comitê de Compliance poderá recomendar aos Acionistas da FSB, com base nos termos contratuais: (i) a não renovação do contrato; (ii) a retenção de pagamentos; (iii) a resolução contratual motivada; ou (iv) outra medida adequada e possível com base no contrato. O Comitê de Compliance da FSB reserva-se ao direito de comunicar infrações que tome conhecimento às autoridades competentes, caso haja indícios de infração administrativa ou crime.

7 7 RIO DE JANEIRO IPANEMA Rua Visconde de Pirajá, 547 3º andar CEP tel fax CENTRO Rua São José, 70 8º andar CEP tel/fax SÃO PAULO Av. Juscelino Kubitschek, º e 6º andares Itaim Bibi CEP tel BRASÍLIA SHS Quadra 6, bloco E conj. A sala 704 Ed. Business Center Park CEP tel fax CAMPINAS Av. José de Souza Campos, 900 sala 84 Nova Campinas CEP tel

POLÍTICA DE COMPLIANCE

POLÍTICA DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. APLICAÇÃO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. DO PROGRAMA DE INTEGRIDADE MRV... 2 5. ESTRUTURA DA ÁREA DE COMPLIANCE... 3 5.1. Funções da Área de Compliance...

Leia mais

Política de Prevenção a Fraudes

Política de Prevenção a Fraudes Política de Prevenção a Fraudes Maio/2018 1. Apresentação da Política Esta Política tem como objetivo ser um dos pilares que visam assegurar a adequação, o fortalecimento e o funcionamento eficiente do

Leia mais

POLÍTICA PARA A PREVENÇÃO DE DELITOS 19 de julho de 2018.

POLÍTICA PARA A PREVENÇÃO DE DELITOS 19 de julho de 2018. 1 POLÍTICA PARA A PREVENÇÃO DE DELITOS 19 de julho de 2018. O Conselho de Administração da NEOENERGIA S.A. ("NEOENERGIA" ou Companhia ) tem a responsabilidade de formular a estratégia e aprovar as Políticas

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO, INTEGRIDADE, RISCOS E CONTROLES INTERNOS MGI MINAS GERAIS PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE GESTÃO, INTEGRIDADE, RISCOS E CONTROLES INTERNOS MGI MINAS GERAIS PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE GESTÃO, INTEGRIDADE, RISCOS E CONTROLES INTERNOS MGI MINAS GERAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. DEFINIÇÕES... 4 4. FUNDAMENTAÇÃO... 5 5. REVISÃO DESTA

Leia mais

Política de Denúncias. Código Data da Emissão Área Emissora Versão POL-DIR-002 Julho/2017 Diretoria de Governança 1.0

Política de Denúncias. Código Data da Emissão Área Emissora Versão POL-DIR-002 Julho/2017 Diretoria de Governança 1.0 Política de Denúncias Área Emissora POL-DIR-002 Julho/2017 Diretoria de Governança 1.0 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. BASE LEGAL E NORMAS DE REFERÊNCIA... 3 4. ABRANGÊNCIA... 3 5. CANAL

Leia mais

Política de Relacionamento com Clientes e Usuários. Uso Interno

Política de Relacionamento com Clientes e Usuários. Uso Interno Política de Relacionamento com Clientes e Usuários Uso Interno Março 2018 1. PÚBLICO ALVO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. RELACIONAMENTO COM CLIENTES E USUÁRIOS... 4 4. DIRETRIZES GERAIS... 4 4.1 Concepção de

Leia mais

Política de Relacionamento com Clientes e Usuários

Política de Relacionamento com Clientes e Usuários 1 de 7 Política de Relacionamento com Clientes e Usuários Uso Interno Março 2019 Este material foi elaborado pela AZIMUT BRASIL WEALTH MANAGEMENT ( AZBWM ) que é composta pelas empresas AZIMUT BRASIL WEALTH

Leia mais

POLÍTICA DE ALÇADA PARA APROVAÇÃO DE INVESTIMENTOS, CUSTOS E DESPESAS

POLÍTICA DE ALÇADA PARA APROVAÇÃO DE INVESTIMENTOS, CUSTOS E DESPESAS POLÍTICA DE ALÇADA PARA APROVAÇÃO DE INVESTIMENTOS, CUSTOS E DESPESAS R ÍNDICE 1-OBJETIVO....03 2-DEFINIÇÕES...04 3-DOCUMENTOS RELACIONADOS...05 4-PÚBLICO ALVO...06 5-RESPONSABILIDADES...06 5.1-SÓCIOS,

Leia mais

Política de Conformidade (Compliance) do Sistema CECRED

Política de Conformidade (Compliance) do Sistema CECRED Aprovado por: Conselho de Administração Data aprovação reunião: 23/ SUMÁRIO Capítulo 1 Objetivo do documento... 2 Capítulo 2 Responsabilidades... 3 Capítulo 3 Glossário / Definições... 8 Capítulo 4 Regras...

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. LEGISLAÇÃO... 3 3. ABRAGÊNCIA... 4 4. DEFINIÇÕES... 4 4.1... 4 4.2 CONFORMIDADE... 5 4.3 INTEGRIDADE... 5 5. DIRETRIZES GERAIS... 5 6. RESPONSABILIDADES... 6 6.1 ADMINISTRAÇÃO/DIRETORIA...

Leia mais

POLÍTICA DE CONFORMIDADE (COMPLIANCE)

POLÍTICA DE CONFORMIDADE (COMPLIANCE) (COMPLIANCE) EXERCÍCIO 2017 (COMPLIANCE) 1. OBJETIVO A Política de Conformidade (Compliance) estabelece princípios, diretrizes e funções de conformidade em todos os níveis da CRECE, considerando estes

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES

POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES SUMÁRIO 1- OBJETIVO -------------------------------------------------------------- 4 2- PÚBLICO-ALVO -------------------------------------------------------

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES. Politica_GestaoConflitos.indd 1 27/12/16 07:50

POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES. Politica_GestaoConflitos.indd 1 27/12/16 07:50 POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES Politica_GestaoConflitos.indd 1 27/12/16 07:50 2 Politica_GestaoConflitos.indd 2 27/12/16 07:50 SUMÁRIO 1- OBJETIVO --------------------------------------------------------------

Leia mais

Política de Compliance

Política de Compliance Política de Compliance Capítulo 1 Objetivo do documento A Política de Conformidade (Compliance) da cooperativa estabelece princípios e diretrizes de conduta corporativa, para que todos os dirigentes, empregados

Leia mais

Workshop Controles Internos. Programa Destaque em Governança de Estatais Propostas para os Segmentos Especiais (N2 e NM)

Workshop Controles Internos. Programa Destaque em Governança de Estatais Propostas para os Segmentos Especiais (N2 e NM) Workshop Controles Internos Programa Destaque em Governança de Estatais Propostas para os Segmentos Especiais (N2 e NM) 21/11/2016 Confidencial Uso Informação Interno Informação Pública Público Pública

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

Instrução Normativa IN CO Política de Compliance da CIP

Instrução Normativa IN CO Política de Compliance da CIP Instrução Normativa IN CO011 2017 Política de Objetivo: Estabelecer as diretrizes que regem o funcionamento da estrutura de Compliance, em consonância com a Visão, a Missão, os Valores e Princípios da

Leia mais

Política de Investimento Pessoal

Política de Investimento Pessoal 1 de 7 Uso Interno Março 2019 Este material foi elaborado pela AZIMUT BRASIL WEALTH MANAGEMENT ( AZBWM ) que é composta pelas empresas AZIMUT BRASIL WEALTH MANAGEMENT LTDA ("GESTORA") e AZIMUT BRASIL DTVM

Leia mais

DTVM Política de Denúncia

DTVM Política de Denúncia DTVM Política de Denúncia Uso Interno Março 2018 Data de Criação: Julho/2017 Data de Revisão: Março/2018 Versão: 2/2018 Página 1 de 5 1 Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. CANAIS DE DENÚNCIA...

Leia mais

Política de Compliance

Política de Compliance Política de Compliance Junho 2017 POLÍTICA DE COMPLIANCE 1. OBJETIVO Esta Política estabelece princípios, diretrizes e funções de compliance em todos os níveis da FALCONI Consultores de Resultados, bem

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO Esta Política é parte integrante do Código de Alinhamento de Conduta aprovado em 30/01/2015 pelo Conselho de Administração da Positivo Tecnologia S.A.. 1.

Leia mais

POLÍTICA DE MONITORAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE INTEGRIDADE

POLÍTICA DE MONITORAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE INTEGRIDADE POLÍTICA DE MONITORAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE INTEGRIDADE A presente política de monitoramento e atualização integra a regulamentação pertinente ao Programa de Integridade da Fundação Instituto

Leia mais

PROGRAMA DE COMPLIANCE

PROGRAMA DE COMPLIANCE PROGRAMA DE COMPLIANCE VERSÃO 1.0 SETEMBRO/2016 1. NOME DO PROGRAMA Programa de Compliance criado em 30.09.2015 2. OBJETIVO Mitigar os riscos das operações e os negócios atuais e futuros, sempre em conformidade

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO Sumário 1. OBJETIVO... 1 2. ABRANGÊNCIA... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 3.1 Fraude... 1 3.2 Corrupção... 1 3.3 Programa de Integridade... 2 4. PRINCÍPIOS... 2 4.1 Repúdio a ações de fraude e corrupção direta ou

Leia mais

Governança e Compliance: novo paradigma no ambiente de negócios

Governança e Compliance: novo paradigma no ambiente de negócios Programa de Compliance do Cooperativismo Paranaense Governança e Compliance: Governança e Compliance: novo paradigma no ambiente de negócios Curitiba, 29 de abril de 2019 .: Programa de Compliance Do que

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 1ª 1 / 6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. DIRETRIZES... 2 5. GOVERNANÇA... 3 5.1 De Gerenciamento do Risco Socioambiental... 3 5.2 Das Atividades Internas... 4 5.3 Das

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE INTEGRIDADE

QUESTIONÁRIO DE INTEGRIDADE QUESTIONÁRIO DE INTEGRIDADE A Copel busca continuamente a excelência em suas atividades e a promoção de ambiente corporativo íntegro, ético e transparente. A Copel tem desenvolvido ações para inserção

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. DIRETRIZES... 2 5. GOVERNANÇA... 3 5.1 De Gerenciamento do Risco Socioambiental... 3 5.2 Das Atividades Internas... 4 5.3 Das Operações de

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL Diretoria Responsável: Diretoria de Planejamento e Controladoria Normas vinculadas: Publicado em: 04/10/2018 até: 04/10/2020 1. Objetivo O objetivo desta Política é estabelecer as diretrizes, o processo

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE DENÚNCIAS EMAM ASFALTOS E EMAM LOGÍSTICA

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE DENÚNCIAS EMAM ASFALTOS E EMAM LOGÍSTICA POLÍTICA DE TRATAMENTO DE DENÚNCIAS EMAM ASFALTOS E EMAM LOGÍSTICA 1 1. OBJETIVO A presente Política visa estabelecer os procedimentos para o Tratamento das Denúncias recebidas pela EMAM ASFALTOS ( EMAM

Leia mais

GRC Governança Risco e Compliance

GRC Governança Risco e Compliance GRC Governança Risco e Compliance 2 Implantação do GRC- Governança, Riscos e Compliance Lei das Estatais: 13.303/16 Conceito do GRC Integração dos processos dentro de uma organização, fazendo com que a

Leia mais

POLÍTICA DE DOAÇÕES E PATROCÍNIOS

POLÍTICA DE DOAÇÕES E PATROCÍNIOS POLÍTICA DE DOAÇÕES E PATROCÍNIOS SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. DIRETRIZES ESPECÍFICAS... 2 4.1. Doações com fins de Responsabilidade Social... 3 4.1.1. Vedações as doações...

Leia mais

Companhia de Saneamento de Minas Gerais REGIMENTO INTERNO DA SUPERINTENDÊNCIA DE CONFORMIDADE E RISCOS DA COPASA MG

Companhia de Saneamento de Minas Gerais REGIMENTO INTERNO DA SUPERINTENDÊNCIA DE CONFORMIDADE E RISCOS DA COPASA MG Companhia de Saneamento de Minas Gerais REGIMENTO INTERNO DA SUPERINTENDÊNCIA DE CONFORMIDADE E DA COPASA MG Sumário Da Finalidade... 3 Da Estrutura... 3 Das Competências... 4 Do Orçamento Próprio... 5

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: Restrições para Uso: POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Acesso Controle Livre Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável Cargo

Leia mais

Política de Uso de Táxi. Novembro/2015

Política de Uso de Táxi. Novembro/2015 1 Política de Uso de Táxi Novembro/2015 2 SUMÁRIO 03 Objetivo 03 Abrangência 03 Definições Gerais 04 Papéis e Responsabilidades 05 Considerações 3 1. Objetivo: Estabelecer os procedimentos e diretrizes

Leia mais

DTVM Política de Denúncia

DTVM Política de Denúncia DTVM Política de Denúncia Julho 2017 Data de Criação: Julho2017 Data de Revisão: ----------- Versão: 1/2017 Página 1 de 5 1 Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. CANAIS DE DENÚNCIA... 3 4. CONCEITOS

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE CONFORMIDADE. Dezembro de 2018

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE CONFORMIDADE. Dezembro de 2018 POLÍTICA INSTITUCIONAL DE CONFORMIDADE Dezembro de 2018 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CONFORMIDADE... 3 3. METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CONFORMIDADE...

Leia mais

MANUAL DE COMPLIANCE ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. Brasil Portugal - Angola

MANUAL DE COMPLIANCE ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. Brasil Portugal - Angola MANUAL DE COMPLIANCE DA ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. JUNHO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AMPLITUDE... 3 3. COMPLIANCE... 3 4. ESTRUTURA DE COMPLIANCE DA GESTORA... 5 5. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Corporativa e Compliance

Corporativa e Compliance Lei 13.303 Lei 13.303 - Aspectos de Governança Corporativa e Compliance Aspectos de Governança 25a CONVECON Corporativa e Eliete Martins Compliance Sócia- Diretora Governança Corporativa - KPMG 25a CONVECON

Leia mais

GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL ÍNDICE 1. DEFINIÇÕES BÁSICAS... 3 2. RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA... 3 3. RESPONSABILIDADES GESTORES... 4 4. RESPONSABILIDADES COLABORADORES... 4 5. CONTROLES INTERNOS...

Leia mais

Programa de Integridade. Fevereiro de 2019

Programa de Integridade. Fevereiro de 2019 Programa de Integridade Fevereiro de 2019 Índice 10. Canais de denúncia de irregularidades 13 1. Objetivo 3 11. Medidas disciplinares em caso de violação do Programa de Integridade 14 2. Introdução 3.

Leia mais

Dezembro de 2015 Versão 1.1. Código de Compliance

Dezembro de 2015 Versão 1.1. Código de Compliance Dezembro de 2015 Versão 1.1 Código de Compliance 1. Finalidade 2 2. Amplitude 2 3. Compliance 2 3.1. Definição de Compliance 2 3.2. Risco de Compliance 3 3.3. Atribuições da estrutura de compliance 3 3.4.

Leia mais

REGRAS DE CONDUTA E ÉTICA ÁTRIO GESTORA DE ATIVOS LTDA. Versão 2019/1

REGRAS DE CONDUTA E ÉTICA ÁTRIO GESTORA DE ATIVOS LTDA. Versão 2019/1 REGRAS DE CONDUTA E ÉTICA ÁTRIO GESTORA DE ATIVOS LTDA. Versão 2019/1 31 de janeiro de 2019 REGRAS DE CONDUTA E ÉTICA Estas Regras de Conduta e Ética ( Regras de Conduta ), aprovadas pela totalidade dos

Leia mais

POLÍTICA DE CONFORMIDADE CORPORATIVA DA TRANSPETRO

POLÍTICA DE CONFORMIDADE CORPORATIVA DA TRANSPETRO POLÍTICA DE CONFORMIDADE CORPORATIVA DA TRANSPETRO SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO E ABRANGÊNCIA 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3.1. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

PLANO DE COMPLIANCE GRUPO BDG

PLANO DE COMPLIANCE GRUPO BDG PLANO DE COMPLIANCE GRUPO BDG OBJETIVOS: A introdução do Programa de Compliance foi aprovado pela Diretoria do Grupo BDG, e se estende a todas as empresas do Grupo, sendo elas: BDG Serviços Financeiros

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS CONTAX PARTICIPAÇÕES S.A CAPÍTULO I OBJETIVO E ABRANGÊNCIA

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS CONTAX PARTICIPAÇÕES S.A CAPÍTULO I OBJETIVO E ABRANGÊNCIA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS CONTAX PARTICIPAÇÕES S.A CAPÍTULO I OBJETIVO E ABRANGÊNCIA 1.1 Definir os processos de identificação, avaliação, tratamento, monitoramento e comunicação dos riscos inerentes

Leia mais

PBTI. Programa de Integridade. Maio 2018

PBTI. Programa de Integridade. Maio 2018 PBTI Programa de Integridade Maio 2018 Introdução A PBTI Soluções tem o compromisso de conduzir seus negócios de acordo com os mais elevados padrões de ética e integridade empresarial. Em 2012 a PBTI lançou

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO 1.OBJETIVO A Política Corporativa de Prevenção à Corrupção tem o objetivo de reforçar o compromisso da MULTILOG

Leia mais

POLÍTICA DE CONFORMIDADE

POLÍTICA DE CONFORMIDADE Sumário 1. OBJETIVO... 1 2. ABRANGÊNCIA... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 3.1 Conformidade... 1 3.2 Estrutura Normativa Interna... 1 3.3 Programa de Integridade... 1 4. PRINCÍPIOS E DIRETRIZES... 1 4.1 Princípios

Leia mais

Código de Ética e Regras de Conduta

Código de Ética e Regras de Conduta Código de Ética e Regras de Conduta QUORUM PARTICIPAÇÕES Sumário 1. Introdução... 2 2. Abrangência... 2 3. Regras de Conduta e Responsabilidade... 2 4. Conduta nos Relacionamentos... 3 5. Política de recebimento

Leia mais

Programa de Transparência Mais integridade e credibilidade à sua Empresa

Programa de Transparência Mais integridade e credibilidade à sua Empresa Programa de Transparência Mais integridade e credibilidade à sua Empresa Lei anticorrupção Com a Lei Anticorrupção, todas as empresas brasileiras e seus dirigentes estão sujeitos a penalidades por práticas

Leia mais

Política de Integridade CM Comandos Lineares PRC (9) 9 Rev1

Política de Integridade CM Comandos Lineares PRC (9) 9 Rev1 Sumário 1 Apresentação... 3 1.1 Introdução... 3 2 Objetivo da... 3 3 Referências... 4 4 - Comissão Analisadora da... 4 5 Abrangência... 4 5.1 Princípios da... 4 6 Definições... 5 6.1 Requisitos Básicos...

Leia mais

POLÍTICA DE CONFLITO DE INTERESSES

POLÍTICA DE CONFLITO DE INTERESSES POLÍTICA DE CONFLITO DE INTERESSES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. DIRETRIZ GERAL... 2 5. DIRETRIZES ESPECÍFICAS... 3 5.1. Conflito de interesses na indicação e contratação

Leia mais

MANUAL DE COMPLIANCE

MANUAL DE COMPLIANCE MANUAL DE COMPLIANCE Última versão: Junho de 2016 Versão vigente: Janeiro de 2019 A Pacifico Administração de Recursos tem como único objetivo a gestão de recursos de terceiros, visando o lucro no longo

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS DR. JOÃO AMORIM

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS DR. JOÃO AMORIM Regulamento Interno Código: RI.GC.GR.EST.001 Governança Corporativa Versão: 001 Gestão de Relacionamento Data da Emissão: Estratégia 28/08/2015 Comitê de Governança CAPITULO I DA FINALIDADE Art. 1º O presente

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

ANEXO 6 DO PROGRAMA DE INTEGRIDADE POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇO

ANEXO 6 DO PROGRAMA DE INTEGRIDADE POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇO ANEXO 6 DO PROGRAMA DE INTEGRIDADE POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇO 1. OBJETIVO: Determinar as regras para o processo de relacionamento com fornecedores e prestadores

Leia mais

Política de Compliance

Política de Compliance Política de Compliance Maio/2018 1. Apresentação da Política A tem como objetivo assegurar a adequação, o fortalecimento e o funcionamento eficiente do Sistema de Controles Internos da TAESA e suas subsidiárias

Leia mais

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional Relatório Anual 2015 Gerenciamento de Risco Operacional Sumário Introdução Estrutura de Risco Operacional Responsabilidades Metodologia de Gerenciamento Aprovação e Divulgação Conclusão 1 Introdução Em

Leia mais

Linhas de Defesa nas Cooperativas Auditoria Cooperativa. Desuc/Gsuc1/Disep/Cosep-03 Álvaro Luiz

Linhas de Defesa nas Cooperativas Auditoria Cooperativa. Desuc/Gsuc1/Disep/Cosep-03 Álvaro Luiz Linhas de Defesa nas Cooperativas Auditoria Cooperativa Desuc/Gsuc1/Disep/Cosep-03 Álvaro Luiz Cooperativas Independentes Auditoria Interna Modelo Anterior Cooperativas Filiadas Supervisão Auxiliar Auditoria

Leia mais

Política. Anticorrupção. Recursos Humanos Gerência Administrativa Diretoria Financeira 20/03/2018. Cleartech LTDA

Política. Anticorrupção. Recursos Humanos Gerência Administrativa Diretoria Financeira 20/03/2018. Cleartech LTDA Política Anticorrupção Cleartech LTDA 20/03/2018 Não é permitida a reprodução total ou parcial desta publicação por qualquer meio, seja mecânico ou eletrônico, incluindo esta proibição a tradução, uso

Leia mais

REGULAMENTO DA AUDITORIA INTERNA CORPORATIVA

REGULAMENTO DA AUDITORIA INTERNA CORPORATIVA REGULAMENTO DA AUDITORIA INTERNA CORPORATIVA 15/05/2018 1. Definição da atividade de auditoria A Auditoria Interna da TOTVS é uma atividade independente e objetiva que presta serviços de avaliação e de

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA

POLÍTICA CORPORATIVA POLÍTICA CORPORATIVA POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL CÓDIGO: MINV-P-003 VERSÃO: 04 EMISSÃO: 03/2011 ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 10/2017 INDICE OBJETIVO... 2 ALCANCE... 2 VIGÊNCIA... 2 ÁREA GESTORA... 2 ÁREAS INTERVENIENTES...

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL RJI CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. RJI GESTÃO & INVESTIMENTOS LTDA. Número da Política: PRSA Data da Publicação: 2 de janeiro de 2019 Página

Leia mais

Dispõe sobre a política de conformidade (compliance) das administradoras de consórcio e das instituições de pagamento.

Dispõe sobre a política de conformidade (compliance) das administradoras de consórcio e das instituições de pagamento. CIRCULAR BACEN Nº 3.865, DE 07.12.2017 Dispõe sobre a política de conformidade (compliance) das administradoras de consórcio e das instituições de pagamento. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil,

Leia mais

POLÍTICA DE DOAÇÕES E INVESTIMENTOS SOCIAIS

POLÍTICA DE DOAÇÕES E INVESTIMENTOS SOCIAIS POLÍTICA DE DOAÇÕES E INVESTIMENTOS SOCIAIS R ÍNDICE 1-OBJETIVO...03 2-DEFINIÇÕES...04 3-DOCUMENTOS RELACIONADOS...05 4-PÚBLICO ALVO...06 5-RESPONSABILIDADES...06 5.1-SÓCIOS, DIRETORES E FUNCIONÁRIOS....

Leia mais

Programa de Integridade/ Compliance

Programa de Integridade/ Compliance Programa de Integridade/ Compliance Sumário Programa de Integridade... 3 Estrutura Organizacional... 4 Estrutura do Programa de Integridade... 6 1. Diretrizes Institucionais... 7 2. Governança Corporativa...

Leia mais

Política de Prevenção à. Corrupção

Política de Prevenção à. Corrupção Política de Prevenção à Corrupção Versão atualizada 22.04.2015 Page 1 of 5 1. OBJETIVOS A Política de Prevenção à Corrupção ( Política ) tem o objetivo de estabelecer as diretrizes para detectar e sanar

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA FORNECEDOR/ PARCEIRO DE NEGÓCIO OR. Janeiro 2018

CÓDIGO DE CONDUTA FORNECEDOR/ PARCEIRO DE NEGÓCIO OR. Janeiro 2018 CÓDIGO DE CONDUTA FORNECEDOR/ PARCEIRO DE NEGÓCIO OR Janeiro 2018 Sumário 1. Considerações Iniciais 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 3 2. DIRETRIZES 4 2.1 QUANTO À INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS 5 2.2 QUANTO À CORRUPÇÃO

Leia mais

CÓDIGO: Data de Efetivação: 30/04/19 Data de Validade: 30/04/20

CÓDIGO: Data de Efetivação: 30/04/19 Data de Validade: 30/04/20 Data de Efetivação: 30/04/19 Data de Validade: 30/04/20 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. ÁREAS ENVOLVIDAS 3. RESPONSABILIDADES 4. TERMOS E DEFINIÇÕES 5. DESCRIÇÃO DO PROCESSO 6. ANEXOS 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos CM CAPITAL MARKETS ASSET MANAGEMENT LTDA. Data de Atualização: 12/2018 Aviso Legal: Este documento pode conter informações confidenciais e/ou privilegiadas.

Leia mais

Indicadores chave de performance (KPI s) e a efetividade dos programas de integridade: uma métrica necessária.

Indicadores chave de performance (KPI s) e a efetividade dos programas de integridade: uma métrica necessária. Indicadores chave de performance (KPI s) e a efetividade dos programas de integridade: uma métrica necessária. Rodrigo Pironti Pós-Doutor em Direito Público U. Complutense de Madrid (Esp) Doutor e Mestre

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor

Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. Apresentação... 03 2. Abrangência... 04 3. Diretrizes de Conduta... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto à corrupção... 06 3.3. Quanto

Leia mais

Página 2 de 9 SISTEMA DE COMPLIANCE INDICE

Página 2 de 9 SISTEMA DE COMPLIANCE INDICE Página 2 de 9 INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ORGANIZAÇÃO, RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES DO 3. POLÍTICA DE GESTÃO DE COMPLIANCE 4. CÓDIGO DE ÉTICA 5. ANÁLISE DE RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 6. POLÍTICAS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

POLÍTICA RELACIONAMENTO COM CIENTES E USUÁRIOS

POLÍTICA RELACIONAMENTO COM CIENTES E USUÁRIOS Pág.: 1 / 5 POLÍTICA RELACIONAMENTO COM CIENTES E USUÁRIOS REVISÃO PÁGINAS ÁREA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO Nº DATA ALTERADAS RESPONSÁVEL 01 06/08/17 - Ouvidoria Criação Esta Política será revisada a cada 12

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTO SCI.06 1ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 4.1 Definições e Princípios Gerais... 2 4.2 Da Contratação E Distrato

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título: Manual de Compliance;

FICHA TÉCNICA. Título: Manual de Compliance; Novembro de 2018 FICHA TÉCNICA Título: Manual de Compliance; Descrição: Manual que descreve as política, regras e procedimentos de controles internos da SMI Consultoria; Aplicação: Todos os Colaboradores

Leia mais

AS ESTRATÉGIAS DE COMPLIANCE E IMPORTÂNCIA PARA A EMPRESA. Advª. Cláudia Bressler

AS ESTRATÉGIAS DE COMPLIANCE E IMPORTÂNCIA PARA A EMPRESA. Advª. Cláudia Bressler AS ESTRATÉGIAS DE COMPLIANCE E IMPORTÂNCIA PARA A EMPRESA Advª. Cláudia Bressler Origem Supervisão ineficiente; Falhas de monitoramento; Falta de controle; e Ausência de ações éticas estiveram relacionadas

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores Apresentação A CELESC Centrais Elétricas de Santa Catarina e suas Controladas, além de seus empregados próprios, executivos, conselheiros, fornecedores e colaboradores terceirizados direta ou indiretamente

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PÚBLICA

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PÚBLICA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PÚBLICA ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DIRETRIZES... 3 3.1. TREINAMENTO E CONSCIENTIZAÇÃO... 3 3.2. COOPERAÇÃO ENTRE ORGANIZAÇÕES... 3 3.3. CONDUTAS

Leia mais

Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias

Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias 14/06/2013 Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias Luiz Umberto Modenese Diretor de Auditoria Cielo Canal de Denúncias - conceituação Processo para gestão de riscos corporativos Recebe informações

Leia mais

PROGRAMA DE COMPLIANCE ANTICORRUPÇÃO

PROGRAMA DE COMPLIANCE ANTICORRUPÇÃO PROGRAMA DE COMPLIANCE ANTICORRUPÇÃO SUMÁRIO Este documento define regras e controles do Programa de Compliance Anticorrupção da RM CONSULTING SERVIÇOS DE INFORMAÇÕES LTDA. 1. INTRODUÇÃO... 2 2. OBJETIVO...

Leia mais

PROGRAMA DE COMPLIANCE

PROGRAMA DE COMPLIANCE Sumário Introdução Público Os elementos do Programa de Compliance da Marfrig Governança e Cultura Análise de riscos de Compliance Papéis e Responsabilidades Normas e Diretrizes Internas Comunicação e Treinamento

Leia mais

RESOLUÇÕES DA COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA

RESOLUÇÕES DA COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA RESOLUÇÕES DA COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA - Resoluções 1 a 10 da Comissão de Ética Pública da Presidência da República. Professora Claudete Pessôa Regimento Interno da Comissão de Ética Pública Resolução

Leia mais

Conforme nosso estatuto e atendendo a regulamentação do Banco Central, em. Regras de Governança Corporativa da NYSE para Emissores Norte-Americanos

Conforme nosso estatuto e atendendo a regulamentação do Banco Central, em. Regras de Governança Corporativa da NYSE para Emissores Norte-Americanos 303A.01 Uma companhia listada na NYSE deve ter a maioria de seus membros do Conselho de Administração independente. A Legislação Societária Brasileira determina que somente pessoas naturais podem ser nomeadas

Leia mais

Jatobá PR 2018 Case: Coletiva de Imprensa no Twitter da CNI. Categoria: Comunicação Integrada

Jatobá PR 2018 Case: Coletiva de Imprensa no Twitter da CNI. Categoria: Comunicação Integrada 1 Jatobá PR 2018 Case: Coletiva de Imprensa no Twitter da CNI Categoria: Comunicação Integrada 2 FICHA TÉCNICA PROJETO A FSB Comunicação tem o porte de Grande Agência. SINOPSE A FSB Comunicação inovou

Leia mais