- Fundação do Rio de Janeiro por Estácio de Sá (1565); - Expulsão dos franceses (1567) e dizimação dos indígenas revoltosos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Fundação do Rio de Janeiro por Estácio de Sá (1565); - Expulsão dos franceses (1567) e dizimação dos indígenas revoltosos."

Transcrição

1 Portugal é o primeiro Estado nacional moderno. País formado da união entre a burguesia, o clero e o rei, o país formou-se após a luta contra os muçulmanos, que dominavam a Península Ibérica (reconquista). Em 1139, Afonso Henriques, filho de Henrique, proclamou a independência de Portugal. O país passou a lutar contra os mouros e contra os reinos de Leão e Castela. Em 1383, ocorre a Dinastia de Aviz, com D. João, mestre de Aviz, impedindo a anexação portuguesa pelo reino de Castela. Esse fato representou a consolidação do Estado português e a vitória da burguesia, que em contrapartida ao seu apoio a D. João, exigirá investimentos do governo nas expedições que irão buscar as especiarias asiáticas. Mesmo antes do descobrimento do Brasil, as preocupações portuguesas de assegurar o domínio das terras a oeste das ilhas de Cabo Verde já haviam sido tranqüilizadas pelo Tratado de Tordesilhas. O Tratado de Tordesilhas garantia a Portugal não só domínio do já conhecido litoral africano, como poderia, segundo cálculos e previsões portuguesas, provavelmente lhe conferir a posse e o controle de um possível "litoral americano" no mesmo Atlântico-sul. Essa hipótese seria confirmada em 1500, com o descobrimento do Brasil. PERÍODO PRÉ-COLONIAL ( ): Período caracterizado pelo abandono do Brasil por parte de Portugal. Esse desinteresse português pelo Brasil deve-se a dois motivos: - Lucro obtido com o Oriente; - Falta de ouro e metais preciosos nas terras brasileiras. Para não deixar as terras sem qualquer utilidade, os portugueses passaram a explorar o pau-brasil (utilizado como corante na indústria têxtil), retirado da Mata Atlântica. Pau-Brasil: - Ciclo extrativista. - Mão-de-obra indígena livre (escambo). - Monopólio real. - Arrendamento. Presença Francesa: Os franceses, interessados no comércio do paubrasil e em abrigar os huguenotes, protestantes perseguidos e mortos pelos católicos, mandam expedições ao litoral brasileiro. Por duas vezes os franceses ocuparam o território brasileiro. Na primeira vez, a invasão francesa foi no Rio de Janeiro, de 1555 a 1567, fundando a França Antártica. Na Segunda vez, a invasão francesa durará de 1612 a 1615, fundando a França Equinocial no Maranhão. O período de desinteresse português pelo Brasil terá como fim a expedição colonizadora de Martim Afonso de Souza, em Período colonial (1530 a 1822): Motivos da aposta no brasil: A constante e crescente presença francesa no litoral do Brasil: ameaça a posse portuguesa. A decadência do comércio das Índias: problemas financeiros. A descoberta de metais preciosos na América Espanhola. O Brasil será uma colônia de exploração, voltada para enriquecer a metrópole Portugal. Vigorará entre a metrópole e a colônia o Pacto Colonial, que estabelecia ser o dever da colônia brasileira complementar a economia da metrópole, produzindo o que ela necessita, além de produtos tropicais que possam ser revendidos com lucro no mercado europeu. As capitanias hereditárias: Devido à falta de capital da Coroa para a colonização brasileira, o rei decide entregar as despesas da colonização à iniciativa privada. O território português na América é dividido em 15 lotes, doados a 12 donatários. Este sistema de ocupação é marcado pela descentralização, com a entrega de donatarias a particulares. Estes particulares deveriam ser católicos e nobres (de sangue azul). Somente duas capitanias prosperaram: São Vicente (Martim Afonso de Souza) e Pernambuco (Duarte Coelho). Motivos do fracasso das Capitanias: - Falta de recursos financeiros dos Governadores; - Poucas vantagens oferecidas aos donatários; - Pouco auxílio recebido da Coroa; - Resistência indígena; - Grandes extensões das capitanias; - Distância de Portugal. Cria-se, então, os Governos Gerais. As capitanias, porém, não desaparecem, e o governo geral visava resolver os principais problemas e aspirações dos donatários. GOVERNOS GERAIS ( ): Principais governadores: Tomé de Souza ( ): - Funda a 1ª capital brasileira - Salvador; - Chegada dos primeiros jesuítas, sob o comando do padre Manuel da Nóbrega; - Organização das bandeiras; Duarte da Costa ( ): - Fundação de São Paulo (Jesuítas ), por Manuel da Nóbrega e José de Anchieta; - Permite e incentiva a escravização indígena; - Invasão francesa no Rio de Janeiro; Men de Sá ( ): - Consolidação dos Governos Gerais; - Desenvolvimento da produção de açúcar e incremento da pecuária; - Fundação do Rio de Janeiro por Estácio de Sá (1565); - Expulsão dos franceses (1567) e dizimação dos indígenas revoltosos. Durante o período dos Governos Gerais, o poder de fato estava nas mãos dos proprietários de terras os chamados homens bons -, donos das fazendas de açúcar, movidas a trabalho escravo. PRIMEIRO CICLO ECONÔMICO açúcar ( ) - Desenvolveu-se principalmente na zona do Recôncavo, na Bahia e em Pernambuco; - Exige grandes extensões de terra para se transformar em atividade lucrativa, e gera grandes latifúndios (propriedades) principalmente no nordeste brasileiro; - Desponta como classe dominante o senhor do engenho; - Entrada de maior número de escravos africanos que se constituíam em mercadoria altamente lucrativa para o mercantilismo europeu; - Produção monocultora; - Produção voltada para o mercado externo; - Sociedade estratificada, ruralista e patriarcal; - Monopólio comercial de Portugal; - Comércio triangular; Plantation: Produção agrícola baseada no latifúndio, monocultura, com mão-de-obra escrava e voltada exclusivamente para o mercado exterior. Escravidão Indígena: Os índios foram utilizados como escravos no início da economia canavieira, contudo, demonstraram-se incompatíveis com a produção açucareira e foram substituídos pelos negros africanos. Motivos da substituição do índio pelo negro na grande lavoura açucareira: A imposição de um trabalho disciplinado, vigiado, forçado, ordenado, dinâmico, organizado e metódico chocou-se com a cultura indígena. A alta lucratividade operada pelo tráfico negreiro, que, para ser mantida, necessitava manter a escravidão negra. Escravidão do Negro: O negro escravo era adquirido na África através da caça, captura, compra e guerras. O tráfico negreiro constituía um negócio, envolvendo grandes contratos, financiados por comerciantes, banqueiros e nobres. O pumbeiro (traficante) penetra até o pumbo (comércio local) e troca sal, armas, ferro, panos e trigo, fumo cachaça e açúcar por negros cativos. O que caracteriza um escravo negro é o fato deste ser uma coisa, que pode ser vendida, alugada, emprestada, herdada. Os castigos impostos aos negros beiram o inacreditável: correntes, algemas, coleiras de metal, peia, grilhão e tronco. Máscara, anjinho (anel de ferro que mutila o dedo), palmatória, chibata. Marcas de ferro em brava, amputação de orelhas e pernas. O negro terá formas de resistência como evitar a reprodução, suicídio, morte de feitores e capitães-do-mato, fugas, formação de quilombos. Quanto aos quilombos, o mais importante foi o de Palmares. Ficava nas Alagoas e ocorreu durante o século XVII. O seu mais famoso líder foi Zumbi. União Ibérica e o Domínio Espanhol ( ): Com a morte de D. Sebastião, rei de Portugal, por não haver ele deixado herdeiros, Felipe II, rei da Espanha e sobrinho de D. Henrique, o qual ele depôs invadindo Portugal, apoiado pela nobreza e pela burguesia comercial lusa, sobe ao trono português, como rei Felipe II, ficando de possuidor de ambos os tronos. Conseqüências: - Proibição da venda do açúcar brasileiro para a Holanda, inimiga da Espanha, e proibição de qualquer atividade econômica holandesa em portos portugueses; - Rompimento definitivo do Tratado de Tor-desilhas; - Início do bandeirismo; - Invasões estrangeiras, com os países euro-peus em desavença com Portugal fazendo do Brasil seu alvo. INVASÕES HOLANDESAS Até 1580, os holandeses, associados dos portugueses na explo- 52

2 ração e comercialização do açúcar produzido no nordeste brasileiro, garantiam daí grande parte da sua rentabilidade. Com o domínio espanhol sobre Portugal, a Holanda perde a possibilidade de continuar refinando e comercializando o açúcar brasileiro, pois a Espanha havia embargado o comércio holandês. Assim, a Holanda passa a buscar a invasão do Brasil. Os holandeses dominaram Olinda e Recife e fundaram a colônia de Nova Holanda. Entre 1630 e 1637, os holandeses buscam consolidar e ampliar sua conquista em Pernambuco, impondo-se à resistência nativa dos pernambucanos, comandados pelo governador Matias de Albuquerque. Depois de sete anos de luta, os holandeses compreendem que é preciso estabelecer um meio eficaz de coexistência com os produtores. Contarão com a ajuda de Calabar, alagoano que dispõese a ajudar os holandeses. Para isso, a administração holandesa é encarregada para Maurício de Nassau. Principais realizações do Governo Nassau: - Empresta capitais aos latifundiários para a recuperação das lavouras e construção dos engenhos; - Estabelece liberdade religiosa; - Realiza melhorias urbanas: rede de esgotos, pontes, canalização; A partir de 1644, começa a haver um declínio da economia holandesa, cuja causa principal foi a guerra entre os católicos (sob a liderança da Espanha) e protestantes (liderados pela Holanda). Decide-se a Holanda pelo endurecimento em relação ao tratamento dado aos produtores açucareiros nordestinos, exigindo o pagamento dos empréstimos feitos pela Companhia Holandesa, elevando as taxas de lucro, os preços das mercadorias importadas, dos escravos, etc. Nassau não aceita a nova orientação da política de "arrocho" e é exonerado do cargo, regressando à Europa em Insurreição Pernambucana ( ): Os proprietários pernambucanos, falidos e sendo cobrados mais e mais, passam a apoiar o movimento de "insurreição" contra os invasores estrangeiros. Em 1649, o governo português manda ajuda e, em 1654, os holandeses são derrotados e expulsos do Brasil (Rendição da Campina da Taborda). ENTRADAS, BANDEIRAS E NOVAS FRONTEIRAS Entradas: Expedições oficiais que penetravam no interior do Brasil, sem nunca ultrapassar a linha de Tordesilhas. Tinham como principal objetivo encontrar metais preciosos. Bandeiras: Expedições particulares que, não respeitando o tratado de Tordesilhas, penetravam no interior do Brasil, com objetivos de descobrir ouro, encontrar escravos fugitivos e conseguir mão-de-obra nas missões jesuíticas. Serão os responsáveis por encontrar o ouro nas Gerais. Teve origem na capitania de São Vicente, empobrecida por não conseguir concorrer economicamente com a produção açucareira de Pernambuco e Bahia, além de ser alvo de constantes piratarias e de ter uma terra imprópria para a agricultura. AS NOVAS FRONTEIRAS: - Ocupação do RS pelos portugueses em busca do couro do gado deixado pelos jesuítas : Fundação de Sacramento pelos portugueses : Tratado de Lisboa: Sacramento entregue a Portugal. Tratado de Utrecht (1713): Fronteira entre o Brasil e a Guiana Francesa. Tratado de Utrecht (1715): A Espanha reconheceu a Colônia de Sacramento como propriedade de Portugal, tornando-se a cidade uma ilha isolada em meio ao território espanhol : Os portugueses fundaram o forte do Rio Grande através do qual começaram a ocupar o atual Rio Grande do Sul. - Tratado de Madri (1750): Com esse tratado, anulava-se o Tratado de Tordesilhas e tentava-se resolver o impasse do sul do Brasil. A posse das terras caberia a quem estivesse ocupando naquele momento (princípio do usucapião). Portugal renunciou à Colônia de Sacramento em troca do território dos Sete Povos das Missões, território espanhol no RS. Responsável por esse tratado foi o brasileiro Alexandre de Gusmão. Gera as Guerras Guaraníticas, onde se destaca Sepé Tiaraju. - Tratado de El Pardo (1762): Anula o Tratado de Madri a 1776: Domínio espanhol sobre as terras gaúchas e de parte de Santa Catarina. Tratado de Santo Ildefonso (Espanha, 1777): Espanha ocupa os 7 Povos e Sacramento em troca da devolução das terras do leste gaúcho e catarinenses tomadas. O Rio Grande do Sul é dividido em dois e estabelecem-se os campos neutrais entre as terras espanholas e portuguesas (na região do Chuí e de Santa Vitória). Tratado de Badajós (Espanha, 1801): Espanha renunciou à posse das terras do oeste do Rio Grande do Sul em favor de Portugal. Ciclo Econômico: Ouro - Época: Século XVII e XVIII (1693 a mais ou menos 1780). - Mão de Obra: Escrava e livre (formação da classe média). - Voltada para o mercado externo. - Formação do mercado interno. - Provoca a urbanização do interior do Brasil, com o surgimento de novas capitanias como MG, GO e MT. - Transferência da capital de Salvador para o Rio de Janeiro. - Inserção do Rio Grande do Sul na economia nacional. - Carga tributária abusiva, onde se destaca o quinto (principal imposto), as Casas de Fundição (criadas com o objetivo de evitar o contrabando e a sonegação fiscal) e a derrama (cobrança complementar e violenta do imposto atrasado). - Dependência de Portugal, e, por conseqüência do Brasil, em relação à Inglaterra. - Cultura barroca (primeira expressão de uma cultura própria do Brasil) e arcadista (poetas participantes da Inconf. Mineira). Tratado de Methuen (1703): Portugal passa a ter o privilégio da venda do vinho para a Inglaterra. Em troca, a Inglaterra vendia manufaturas para Portugal. Reformas de Pombal - Pombal foi primeiro-ministro de 1750 a Buscava desenvolvimento industrial e intervenção estatal na economia. Foi o responsável pelo fortalecimento do poder real. - Diminuiu a influência dos nobres e dos jesuítas, retirando deles a isenção do pagamento de impostos. - Diminuiu a dependência da Inglaterra, ao fortalecer a economia portuguesa e impor barreiras alfandegárias para a entrada de produtos ingleses em Portugal e em suas colônias; - Terminou com o regime das Capitanias Hereditárias; - Os jesuítas, opositores à transformação dos indígenas em assalariados, são expulsos do Brasil e de Portugal no ano de 1759, adonandose o Estado português da grande riqueza acumulada pelos jesuítas; - Em 1777, com a subida de Dona Maria I ao trono português, Pombal sai do cargo de primeiro-ministro, sendo expulso de Portugal, num governo que ficará conhecido como a Viradeira. Maria I devolverá todos os benefícios ingleses e da nobreza, devolvendo, ainda, o caráter religioso à monarquia portuguesa. MOVIMENTOS NATIVISTAS São movimentos de caráter regional, onde uma classe lutava em torno de interesses particulares, e não com objetivos de tornar o Brasil independente de Portugal. Revolta dos Beckman : - Maranhão; - Luta dos latifundiários do Maranhão (Irmãos Beckman) contra o monopólio da Cia. de comércio do Maranhão e contra os jesuítas, que se colocavam contra a escravidão indígena. Guerra dos Emboabas 1707 a 1709: - Minas Gerais. - Luta dos bandeirantes paulistas (Vicentinos) contra a presença de estrangeiros (chamados de Emboabas) pelo controle da região mineradora. Guerra dos Mascates 1709 a 1710: - Pernambuco. - Luta entre latifundiários (senhores de engenho) brasileiros de Olinda contra comerciantes (chamados de Mascates) lusos de Recife. A elevação de Recife (até então dependente de Olinda) à categoria de vila, provocou uma reação contrária de Olinda, pois esta não mais receberia os impostos de Recife. Brasileiros exigem a revogação da elevação de Recife a vila, o tabelamento do preço dos escravos africanos e a permissão para o comércio direto com embarcações holandesas e inglesas. Revolta de Felipe dos Santos : - Vila Rica (MG). - Reação contra a criação das casas de fundição em Minas Gerais e contra a cobrança do quinto. A partir de então, todo o ouro poderia ser comercializado em barras de ouro com selo real, dando a Portugal controle total sobre o produzido de ouro no Brasil, arrecadando mais e evitando o contrabando. Rebeliões Coloniais Tiveram como objetivo principal libertar o Brasil do domínio português e protestar contra o pacto colonial. Influências iluministas e espelho na independência dos Estados Unidos. Participação ativa da maçonaria. Inconfidência Mineira : - Vila Rica (MG). - Influências iluministas dos pensadores fran-ceses e dos americanos. - Conspiradores desejavam o rompimento com a metrópole e defendiam a isenção das dívidas dos brasileiros. A escravidão, para a maioria dos inconfidentes, deveria ser mantida. - Tiradentes (Joaquim José da Silva Xavier): alferes da cavalaria, 53

3 adere às idéias francesas, tornando-se o mais popular inconfidente. - O movimento tinha como lema "Libertas quae sera tamem" (Liberdade ainda que tardia), e era para ser irrompido no dia da derrama. Antes desta data, o delator Joaquim Silvério dos Reis entregou todos os seus companheiros em troca do perdão de suas dívidas. Inconfidência Baiana : - Também conhecida como Revolta dos Alfaiates. - Influência iluminista (Liberdade, igualdade e fraternidade). - Teve como causas a grande insatisfação popular com os altos preços dos alimentos, a falta de produtos vindos da Europa e a idéia de criar-se uma república. A elite entra influenciada pela independência americana, e pelas idéias iluministas, defendendo a liberdade de opinião, expressão, política e econômica. - Diferentemente da Inconfidência Mineira, a Conjuração Baiana é popular. Contou com a participação, ao lado de homens letrados e padres, de pessoas simples do povo, como mulatos, negros, libertos e mesmo escravos. Revolução Pernambucana : - Também conhecida como a Revolta dos Padres. - Desejo de substituir a monarquia absoluta por uma República. - Grandes desigualdades sociais e raciais. - Luta dos latifundiários contra o domínio comercial dos portugueses que monopolizavam a venda dos gêneros de primeira necessidade. Os homens livres não-proprietários entendiam que, se acabasse o monopólio português, haveria a concorrência que garantiria a queda dos preços dos produtos. Vinda da família real para o brasil (1808) : Bloqueio Continental. Em 1807, o exército francês invade Portugal, obrigando a família real a transferir-se para o Brasil, instalando-se a corte no RJ. A fuga se realizou com o apoio das embarcações da marinha inglesa, em troca de benefícios concedidos aos produtos ingleses dentro da colônia, como o fim do pacto colonial. - Abertura dos portos brasileiros às nações amigas (leia-se Inglaterra) No mesmo ano, Portugal revoga o alvará que impedia a produção de manufaturas no Brasil e, por fim, em 1810, realiza tratados de comércio com a Inglaterra, que pagaria impostos alfandegários menores mesmo do que os portugueses pagariam para vender seus produtos na colônia. Em 1809, D. João conquista a Guiana Francesa, em represália à invasão de Napoleão sobre Portugal. Foi devolvida em Em 1821, conquista-se a província Cisplatina. Ficou anexada ao Brasil até Em 1815, o Brasil é elevado à categoria de Reino Unido. O objetivo era poder participar do Congresso de Viena. A Revolução do Porto (1820) Com a abertura dos portos brasileiros às nações amigas, a burguesia comercial lusa vai aos poucos perdendo suas vantagens e privilégios (perda do monopólio comercial), levando quase à ruína total a economia portuguesa. Agravava a situação a negação da coroa portuguesa em voltar ao país, continuando a residir na colônia mesmo depois da saída dos franceses de solo português. Exigências da revolução: - Volta imediata da família real para o solo português. - Reafirmação do pacto colonial. - Criação de uma Constituição. - Recolonização do Brasil. Temeroso de perder o poder, em 1821 D. João VI retorna a Lisboa, deixando seu filho D. Pedro como príncipe Regente no Brasil. O processo de independência D. João VI, pressionado pela burguesia liberal, começa a retirar as concessões que havia feito à colônia brasileira. Inicia-se uma tentativa de recolonização nacional. D. Pedro, com apoio da elite brasileira nega-se a regressar a Lisboa (Dia do Fico). Em junho de 1822, D. Pedro convoca uma assembléia constituinte preparando-se para reger a independência nacional. D. João recrudesce as medidas contra a colônia e dá um ultimato a D. Pedro. D. Pedro viu então como última alternativa a proclamação da independência a proclamação da independência em sete de setembro de Brasil Imperial ( ) O Primeiro Reinado ( ) O processo de independência do Brasil não modificou em quase nada as condições socioeconômicas do povo. A estrutura agrária e exportadora foi mantida, o poder dos senhores foi mantido, o trabalho escravo foi preservado. Esse caráter conservador fica evidente na própria escolha do primeiro governante do Brasil independente: Dom Pedro, filho do rei português Dom João VI. O primeiro país a reconhecer o Brasil como estado independente foram os EUA (1824). Para receber o reconhecimento de Portugal à independência, o governo brasileiro pagou 2 milhões de libras esterlinas e garantiu privilégios para os produtos portugueses. Em troca da intermediação inglesa no reconhecimento português da independência brasileira, e do reconhecimento inglês da independência nacional, o Brasil comprometeu-se a acabar com o tráfico negreiro e a conceder benefícios aos produtos ingleses : Constituição da Mandioca Elaborada pelo Partido Brasileiro, visava limitar os poderes do Imperador e a liberdade dos portugueses no Brasil. Não foi aceita por Dom Pedro e nunca foi Constituição do Brasil : Primeira Constituição do Brasil. Outorgada pelo Imperador, concedia ao Imperador poderes muito grandes. Presença de quatro poderes: Executivo, Legislativo, Judiciário e Moderador. As eleições continuavam indiretas, mas não mais ligadas à posse de terra e sim à condição financeira, configurando o voto censitário. - De 1825 a 1828 ocorreu a Questão da Cisplatina, luta da Província Cisplatina contra a dominação brasileira. - Em 1826 morria D. João VI. O herdeiro natural do trono português era D. Pedro, que colocou sua filha Maria da Glória para governar Portugal e optou por ficar com o trono brasileiro. Como sua filha era menor de idade, era uma forma de D. Pedro ficar com ambos os tronos. D. Miguel, irmão do Imperador brasileiro, dá um golpe e assume o trono português. D. Pedro passa a utilizar verbas brasileiras para lutar contra D. Miguel. - Em 1830, é assassinado o jornalista Libero Badaró, jornalista oposicionista, o que causa uma onda de indignação nacional. D. Pedro é acusado pelo assassinato. A pressão contrária a D. Pedro foi tão grande que ele abdica ao trono do Brasil, assumindo o trono português. A Confederação do Equador (1824): Ocorrida em Pernambuco, consistia num protesto contra o centralismo da Constituição de 1824, contra o autoritarismo do Imperador e contra a nomeação de um Presidente da Província de Pernambuco feita por Dom Pedro I. Foi liderada por Frei Caneca, Pais de Andrade e Cipriano Barata. As regências ( ) Período de transição, que deveria se prolongar até a maioridade de D. Pedro II. A marca fundamental do período foi a contestação ao centralismo governamental pelas elites regionais excluídas do poder nacional. Havia, dentro do Parlamento, três grupos políticos distintos: Os liberais exaltados, que pretendiam a descentralização política com maior autonomia para as províncias, Os restauradores ou caramurus, que queriam a centralização política, exigindo a volta de D. Pedro I, e os liberais Moderados, que queriam uma centralização política, sem autonomia para as províncias. Eram o grupo da aristocracia agrária. Regência Trina Permanente ( ): - Liberais exaltados são excluídos na formação da regência. - O ministro da Justiça era Diogo Antônio Feijó. - Formação da Guarda Nacional, que originará o coronelismo. - Ato adicional de 1834, que estabelecia a criação do município neutro (Rio de Janeiro), modificava a idade mínima para o Imperador tomar posse de 21 para 18 anos, transformava a regência trina em uma, sendo o regente eleito pelo povo, por um período de 4 anos e dava maior liberdade para as províncias. Regência Una de Diogo Feijó ( ): Feijó é eleito, mas não consegue maioria no Parlamento, não conseguindo governar. Durante seu governo, irrompem várias revoltas regenciais. Com fortes oposições e sem força para acabar com as revoltas, renuncia ao cargo de regente em Regência Una de Araújo Lima ( ): - Conservador e contrário ao Ato Adicional de 1834, elabora a Lei de interpretação do ato adicional, que retira a liberdade concedida às províncias, centralizando o controle da nação em suas mãos. Revoltas regenciais Revolta dos Malês (1835): - Bahia. - Rebelião negra conduzida por muçulmanos. - Protesto contra o racismo e a desvalorização dos negros. Negros unem-se para derrubar o governo da Bahia. Revolta da Cabanagem ( ): - Grão-Pará. - Revolta da elite (senhores de terra) contra a nomeação do presidente da província, e do povo em geral contra as condições de miséria da região e contra a presença dos portugueses, considerados culpados pela miséria da região. - Foi o único movimento em que a classe popular dominou efetivamente o poder. Revolução Farroupilha ( ): - Rio Grande do Sul. - Luta contra o esquecimento Imperial com a província, por federa- 54

4 lismo e por um rígido controle sobre o charque platino, mais barato e de melhor qualidade. - Apesar da ativa participação popular, a Farroupilha esteve sempre sobre a liderança dos latifundiários. Não havia, como querem supor alguns, desejo de abolição da escravatura pelos líderes farrapos, nem promessas de reformas sociais. - Os farrapos tomam Porto Alegre, liderados por Bento Gonçalves, em 20 de setembro de 1835 e, em 1836, proclamam a República de Piratini ou República Riograndense, promul-gando uma Constituição e a separação em relação ao Brasil. Revolta da Sabinada ( ): - Bahia. - Foi causada pela insatisfação da classe média contra o abandono da província pelo governo central desde a crise do açúcar. Oposição à Lei de Interpretação. Pensava-se na criação de um país independente republicano. - Foi um movimento típico da classe média, sem o apoio das camadas populares nem da elite. A república pretendia durar até a maioridade de D. Pedro II, quando a Bahia voltaria a pertencer ao Brasil. Revolta da Balaiada ( ): - Maranhão. - Tem como causas a pobreza e abandono da Região por parte do governo central desde o declínio da produção algodoeira. - No poder do maranhão, revezavam-se os liberais e os conservadores, que utilizavam a população pobre como bem queriam. As diferenças entre os dois grupos eram muito pequenas, e os grupos mantinham a elite no poder. A população mais pobre, os despossuídos e camponeses, bem como os negros refugiados lutam contra a dominação da elite maranhense. O segundo reinado ( ) - Aliança entre o Imperador e a Igreja Católica (padroado). - Dependência econômica do café. Ferrovias. - Pacificação nacional com a colocação no poder de liberais e conservadores através da implantação do Parlamentarismo. Nada mais liberal do que um conservador no poder. Fim da aliança partidária em 1868, quando D. Pedro II coloca apenas os conservadores no poder. Os liberais passam a defender a República e fundam, em 1873, na Convenção de Itu, o Partido Republicano Paulista. Dependência econômica da Inglaterra aba-lada apenas durante a aplicação da Tarifa Alves Branco e o episódio da Questão Christie. - Revolução Praieira (1848): Protesto ocorrido em Pernambuco pela insatisfação dos liberais radicais quanto ao domínio dos conservadores sobre Pernambuco. Liderada por Pedro Ivo e Borges da Fonseca, era inspirada na Revolução Francesa de Invasão do Uruguai e da Argentina em No Uruguai é retirado do poder Oribe e colocado no poder Fructuoso Rivera. Na Argentina, é retirado Rosas e colocado no poder Urquiza. - Invasão do Uruguai em 1864, retirando-se do poder Atanásio Aguirre (do Partido Blanco) e colocando-se, em seu lugar, Venâncio Flores (do Partido Colorado). - Guerra do Paraguai (1864 a 1870): Destruição do Paraguai, valorização do negro, do Exército e do republicanismo. - Revolta dos Mucker, movimento messiânico ocorrido em São Leopoldo liderado por Jacó-bina Maurer. - Dois ciclos do café: Vale do Paraíba (1760 a 1830) e Oeste Paulista (1830 a 1930). - Barão de Mauá e a industrialização de substituição. - Imigração como forma de substituição da mão-de-obra escrava negra em decadência após a lei Eusébio de Queirós. LEIS ABOLICIONISTAS: Bill Aberdeen (1845): Lei feita pelo Parlamento da Inglaterra que decretava o direito à marinha inglesa de revistar os navios de tráfico, como também permitia a prisão dos navios acusados de praticarem a pirataria e o julgamento dos traficantes por tribunais ingleses. Essa pressão inglesa forçou o Parla-mento brasileiro a votar pela extinção do tráfico negreiro. Lei Eusébio de Queirós (1850): Brasil extingue o tráfico negreiro. Essa lei causará a escassez de mão-de-obra escrava, intensificando o tráfico interprovincial e fortalecendo o movimento abolicionista. Começa a ser pensada a importação de trabalhadores livres europeus para suprir a falta do braço negro. Lei do Ventre Livre ou Lei Visconde do Rio Branco (1871): Essa lei declarava livres todos os filhos de mãe escrava nascidos partir da promulgação da lei. O menino nascido ficaria sob tutela do senhor de sua mãe até o oitavo aniversário, quando então o senhor poderia optar entre receber uma indenização do governo ou utilizar-se do trabalho desse negro até os 21 anos completos, o que não servia para nada, pois um escravo, ante a limitação da escravidão aos 21 anos, era explorado de tal forma que não chegava a essa idade. Lei dos Sexagenários ou Lei Saraiva-Cotegipe (1885): Concedia liberdade aos escravos com mais de 65 anos de idade, o que não servia para nada, haja visto que um escravo não chegava aos 65 anos de idade (o índice médio de vida do negro girava em torno de 30 anos). Lei Áurea (1888): Abolia definitivamente a escravidão no Brasil. Os negros foram atirados no mundo dos brancos sem nenhuma indenização, garantia ou assistência: desemprego, vida marginal e preconceito racial. Problemas do Império - A Preparação da República - Criação do Partido Republicano, em Abolição da Escravatura, em Luta pelo federalismo. - Questão militar: Descontentamento do exército em relação ao regime monárquico. - Questão religiosa: Oposição de D. Pedro II de concordar com a expulsão e punição dos católicos que eram maçons. Quando dois padres católicos resolvem cumprir as bulas papais que mandavam excomungar os católicos maçons, são presos, opondo-se a Igreja Católica à monarquia de D. Pedro II. - Desgaste da monarquia e ascensão da burguesia urbana e a cafeeira. - 15/11/1889: Proclamação da República. República Velha ( ): A República Velha compreende o longo período de mais de quarenta anos, no qual o país foi nada mais do que um joguete dos empresários cafeeiros. A classe que possuía o poder econômico passou a controlar, também, o poder político. Para garantir a continuidade da estrutura política excluden-te, armou-se uma estrutura eleitoral na qual mais de 60% da população ficava excluída do direito ao voto, e, através da política dos governadores e do voto a cabresto, formaram-se grandes oligarquias que mantinham seu poder intacto ao decorrer dos anos. A República Velha subdivide-se em: República de Espadas ou República Jacobina ( ) e República Café com Leite ( ). Passamos à análise desses dois momentos políticos nacionais. República de Espadas ( ): O período da República de Espadas corresponde a um curto período no qual os militares estiveram no poder. Corresponde à consolidação do regime republicano federativo, com o fortalecimento ainda maior do poder dos cafeicultores paulistas. O Governo Provisório de Deodoro da Fonseca (1889 a 1891): - Banimento da família imperial. - Escolha da República Federativa como regime político; - Transformação das antigas províncias em Estados; - Grande naturalização (idéia de Rui Barbosa); - Instituição da bandeira republicana e do hino nacional; - Extinção do padroado; - Separação entre o Estado e a Igreja, com a instituição do casamento civil e a secularização dos cemitérios; - Política do Encilhamento (Rui Barbosa): Tentativa de industrialização do Brasil que acabou por levar o país à falência graças à facilitação na concessão de crédito e na emissão de dinheiro. - Estabeleceu como forma de governo o regime republicano, representativo e presidencialista. - Constituição de 1891 (promulgada): Podiam votar os homens maiores de 21 anos, desde que não fossem mendigos, padres ou militares, o Presidente da República seria eleito por voto direto para um mandato de quatro anos, os Estados podiam elaborar suas próprias leis, desde que não conflitassem com a Constituição nacional e tripartição de poderes, com a eliminação do poder moderador. Deodoro da Fonseca foi eleito, de forma indireta, Presidente da República. Deodoro da Fonseca (1891): - Brigas com o Congresso Nacional, o qual, em novembro de 1891, Deodoro dissolveu apesar de não ter poderes constitucionais para isso. - Proclamou, ainda, o estado de sítio. Apenas o governador do Pará, Lauro Sodré, não apoiou o golpe de Deodoro. - Primeira Revolta da Armada (1891): Revolta dos marinheiros contra o esquecimento da marinha e valorização do Exército, previa, ainda, a saída de Deodoro do poder, com a convocação de novas eleições porque os marinheiros pretendiam eleger o Presidente da República. Deodoro, desgastado e combatido, acabou por renunciar. Para o seu lugar, surgia o vice-presidente, Floriano Peixoto. Política do Encilhamento, o erro econômico que condenou o governo Rui Barbosa, ministro da Fazenda de Deodoro da Fonseca, era um defensor ardoroso da modernização brasileira. Para Rui Barbosa, dois fatores impediam o crescimento nacional: a falta de moeda circulando 55

5 e a falta de indústrias nacionais. Para resolver o primeiro problema, Rui Barbosa permitiu que quatro bancos em pontos diferentes do país emitissem moeda sem dar explicações ao governo central do quanto colocariam no mercado. Para resolver o segundo problema, Rui Barbosa facilitou o crédito, permitindo empréstimos a todas as empresas que se registrassem. Apesar das boas intenções, Rui Barbosa demonstrou desconhecimento de dois fatores: a inflação e a falta de caráter da classe empresarial nacional. As moedas colocadas em grande número no mercado geraram uma extrema desvalorização monetária e uma inflação que acabaram por debilitar ainda mais as classes menos favorecidas. Aliado a isso, os empresários nacionais passaram a registrar "empresas fantasmas", embolsando o dinheiro dos empréstimos e falindo o Estado. Ainda, criavam ações de empresas que não existiam, vendendo-as nas Bolsas de Valores. Era a crise econômica no início da República brasileira. Floriano Peixoto ( ): - "Consolidador da República" e "Marechal de Ferro". - Governo Jacobino: autoritarismo com apoio civil. - Floriano Peixoto reabriu o Congresso Nacional e afastou os chefes de governo dos Estados indicados por Deodoro da Fonseca. Para ganhar a simpatia popular, Floriano Peixoto tabelou o preço dos alimentos. - Revolução Federalista ( ): Longa e sangrenta guerra civil entre facções rivais, marcou a vitória do norte do Rio Grande do Sul e a formação do monopólio político do Partido Republicano Riograndense no Estado. O partido ficaria todo o período da República do Café com Leite no poder, através de três governadores, Júlio de Castilhos, Borges de Medeiros e Getúlio Vargas. Também ficou conhecida como Revolta da Degola. - Segunda Revolta da Armada ( ): A Marinha, cuja oficialidade era constituída por elementos da elite aristocrática, não admitia que o governo republicano fosse chefiado por um militar do Exército, originário das classes médias: a monarquista Marinha lutava para derrubar o republicano Exército do poder. Lutava a Marinha contra o esquecimento e contra a valorização do Exército, arma republicana. - O governo central reagiu com o Exército e o povo. O governo central brasileiro comprou uma esquadra no exterior. Logo após, depôs os governos rebeldes do Paraná e Santa Catarina e fuzilou todos os envolvidos na revolta. República Oligárquica ou do Café com Leite ( ): - Controle da política nacional pelos cafeicultores. - Domínio político dos Partidos Republicanos. O mais importante era o PRP (Partido Republicano Paulista), fundado em 1873, durante a Convenção de Itu. - Estado a serviço do café. - Industrialização sem choques com o campo. - Manipulação política (voto a cabresto e a bico de pena). Prudente de Moraes ( ): - Foi o primeiro presidente civil da República. Controle da emissão de capital pelo governo. Guerra de Canudos ( ): Movimento messiânico conduzido por Antônio Conselheiro no sertão da Bahia. Os motivos para sua ocorrência foram a extrema pobreza da região, o fanatismo religioso e inconformismo com a separação entre Igreja e Estado e a revolta contra o poder dos coronéis da região. Conselheiro formou o Arraial de Canudos, no qual a propriedade era coletiva, e todos viviam comunitariamente. O governo aniquilou o movimento com a morte de todos os revoltosos. Campos Sales ( ): - Funding Loan, acordo financeiro pelo qual o país credor suspendia, durante um certo tempo, a cobrança dos juros dos empréstimos anteriores ao Brasil. Dessa forma o Brasil, através de um novo empréstimo, conseguia capital para investir no café. Rodrigues Alves ( ): - Política de valorização do café que acaba por estabelecer a obrigatoriedade da compra do excedente do café pelo governo brasileiro. - Modernização e sanitarização do Rio de Janeiro (Oswaldo Cruz). - Compra do Acre em 1906 Barão do Rio Branco Comprado da Bolívia Interesse brasileiro na borracha. - Revolta da Vacina (1904): Protesto popular contra a vacinação obrigatória, a destruição dos casebres ( bota abaixo ) e a truculência governamental. Afonso Pena ( ): Início da aplicação do Convênio de Taubaté. Nilo Peçanha ( ): Atuação do marechal Cândido Rondon, famoso indigenista brasileiro. Hermes da Fonseca ( ): - Elegeu-se após vencer uma acirrada campanha eleitoral contra Rui Barbosa, representante da Campanha Civilista (contra a candidatura de um militar à presidência). - Colocou em prática a "Política de Salvações", através da qual podia intervir nos Estados onde o governo não contava com o apoio das oligarquias locais. Houve intervenções em todo o Nordeste, provocando violentas disputas. - O governo de Hermes da Fonseca viveu em constante estado de sítio, devido às salvações e às três revoltas ocorridas durante seu mandato: a Revolta da Chibata (marinheiros contra os castigos corporais e o preconceito racial), a Revolta do Padre Cícero e a Revolta do Contestado. Venceslau Brás ( ): - Governo coincidiu com a Primeira Guerra Mundial. Crescimento industrial brasileiro (indústria de substituição), venda de algodão e de borracha e apoio à Tríplice Entente. Epitácio Pessoa ( ): - Contestação ao café-com-leite. Greves ope-rárias, manifestações populares e, em 1922, a fundação do Partido Comunista do Brasil. - No mesmo ano, ocorreu a Semana da Arte Moderna, movimento cultural que exigia a incorporação da arte brasileira à realidade social. - Também em 1922, iniciou o movimento te-nentista, movimento político-militar que, pela luta armada, pretendia conquistar o poder e fazer reformas na sociedade. Ainda em 1922, ocorrem as Revoltas do Forte de Copacabana e dos 18 do Forte, que buscavam impedir a posse de Artur Bernardes. Artur Bernardes ( ): - Vitória sobre a Reação Republicana, união dos Estados do RS, RJ, PE e BA, liderada por Borges de Medeiros. - Constante contestação e governo sob estado de sítio. - Auge da contestação com o Movimento Tenentista : Revolução no Rio Grande do Sul - Consistiu numa disputa pelo governo do Estado entre Borges de Medeiros (que buscava o quinto mandato consecutivo) e Assis Brasil. A partir da evidente manipulação eleitoral, os maragatos, defensores de Assis Brasil e do Partido Libertador, pegam em armas contra os chimangos, defensores de Borges de Medeiros do Partido Republicano Rio-grandense : Revolução em São Paulo - Sublevação de várias unidades militares paulistas contra os Presidentes cafeicultores a 1927: Coluna Prestes - Movimento liderado por Luís Carlos Prestes ( Cavaleiro da Esperança ), que terá como objetivo sublevar o povo, conscientizando-o para uma luta contra os cafeicultores. A Coluna percorrerá mais de 24 mil quilômetros através de 12 Estados. Não atingiu os seus objetivos. Washington Luís ( ): - Lema do presidente: "governar é abrir estradas". - Lei Celerada impôs censura à imprensa e proibiu o direito de reunião, além de tornar ilegal o Partido Comunista. - Retirado do poder pela Revolução de Fim da Política do Café-com-leite: - Crise de 29 e falência dos cafeicultores. - Traição a Minas Gerais com a indicação de Júlio Prestes à Presidência da República, em vez do candidato de MG Antônio Carlos. - Formação da Aliança Liberal. Candidatos: Getúlio Vargas e João Pessoa. - Derrota da Aliança Liberal nas urnas e assassinato de João Pessoa. - Revolução de Revolução que permite a ascensão de uma nova elite. Caráter elitista do novo governo denunciado pela negativa de apoio de Luís Carlos Prestes e pela frase de Antônio Carlos: Façamos a revolução antes que o povo a faça. Nova república Getúlio vargas ( ): O governo de Getúlio Vargas divide-se em três fases: Governo Provisório de Vargas Governo Constitucional de Vargas Governo Ditatorial de Vargas Há, ainda, um quarto período, conseguido com a eleição em 1950, e seu governo até o fatídico suicídio no ano de Nesses dezenove anos, apenas em uma eleição Vargas foi eleito pelo apelo popular, a de Características Gerais do Governo de Getúlio: - Populismo. - Sindicalismo Pelego. - Industrialismo. - Nacionalismo. - Legislação Trabalhista. - Pai dos Pobres e Mãe dos Ricos. - Autoritarismo. - Intervencionismo estatal e protecionismo econômico. Governo Provisório de Vargas - Suspensão da Constituição de 1891, fechamento do Congresso Nacional, das Assembléias estaduais e das Câmaras Municipais, 56

6 nomeação de "interventores", que, em geral, eram tenentes. - Criação dos ministérios da Saúde e do Trabalho, da Indústria e do Comércio. Estabeleceu os direitos trabalhistas, limitando a jornada de trabalho para 8 horas, criou as férias anuais remuneradas, regulamentou o trabalho de mulheres e crianças. Para continuar tendo o apoio dos cafeicultores e da elite nacional, continuou a comprar o excedente de café. - Reforma educacional que tornou a freqüência obrigatória e inventou o vestibular para o acesso aos cursos superiores. - Revolução Constitucionalista de 1932: Mo-vimento feito pela oligarquia paulista, que havia ficado excluída do poder com a Revolução de A elite paulista exigia de Getúlio uma nova Constituição, alegando que seu governo era inconstitucional. Quando Getúlio Vargas nomeou o tenente pernambucano João Alberto para o cargo de interventor em São Paulo, aumentaram as tensões entre os paulistas e o governo federal. Os paulistas exigiam duas coisas claras: uma nova Constituição e a nomeação de um paulista civil para o governo do Estado. Vencida pelas forças de Vargas. Constituição de 1934: - Inspirada na Carta Alemã da República de Weimar. - Extinção do cargo de vice-presidente; - Instituição do voto secreto e do feminino; - Igualdade entre homens e mulheres em direitos e deveres; - Confirmação da legislação trabalhista cria-da; - Instituição do ensino primário obrigatório e gratuito; - Criação do mandado de segurança que de-fendia o indivíduo contra os abusos do Estado; - Eleição indireta de Vargas como Presidente no período de Governo Constitucional de Vargas - Legitimação do autoritarismo de Vargas em nome do combate ao comunismo. - Dois partidos formar-se-ão no Brasil, seguindo a dicotomia do préguerra: a Ação Integralista Brasileira (AIB), e a Aliança Nacional Libertadora (ANL). - A Ação Integralista Brasileira era um partido de inspiração fascista, apoiado por grandes proprietários, empresários e classe média. Seu lema era "Deus, pátria e família", e seu grande líder era Plínio Salgado. Pregava o combate ao crescimento do comunismo, o fortalecimento do Estado acima do cidadão e o poder centralizado nas mãos do Presidente. Possuía o apoio de Getúlio Vargas. - A Aliança Nacional Libertadora era um partido de inspiração socialista, apoiado por operários, estudantes e intelectuais. Seu grande líder era Luís Carlos Prestes, e propunha um governo democrático popular, reforma agrária e a nacionalização das empresas estrangeiras. Sofria a perseguição de Vargas e foi proibido em Intentona Comunista: Prestes e Olga. - Golpe de 1937: Plano Cohen, falso plano de invasão comunista. Getúlio fechou o Congresso, suspendendo a realização das eleições e extinguindo os partidos políticos. Estava estabelecido o "Estado Novo", e o Brasil passava a ser governado por um ditador. Governo Ditatorial de Vargas - Estado Novo - Constituição de 1937, inspirada na Constituição fascista polonesa, por isso, era a Constituição brasileira apelidada de polaca. Essa Constituição foi outorgada (imposta) e possuía como principais características a anulação da maioria dos direitos concedidos pela Constituição de 1934, a prorrogação do mandato presidencial para seis anos e o fim do federalismo, com o centralismo totalitário. - Censura prévia à imprensa, rádio e cinema (de que se encarregava o DIP Departamento de Imprensa e Propaganda). - Dirigismo estatal na economia. - Tortura realizada pelo DOPS. - Participação brasileira na Segunda Guerra Mundial. Vargas negociou a entrada do Brasil na guerra, e lutou contra Hitler e Mussolini apesar de com eles concordar. Era a entrada comprada do Brasil na guerra. Por fim, a guerra acabou por ser prejudicial ao governo de Vargas, pois a ditadura passou a ser amplamente contestada pela sociedade brasileira. O Esgotamento do Estado Novo - Contradição da participação brasileira na Segunda Guerra Mundial : Manifesto dos Mineiros, que clamava pela redemocratização, pelo fim do Estado Novo e pela União Nacional sem Getúlio. - Pressionado por todos os lados, Getúlio Vargas convocou, à 28/02/1945, eleições diretas e anunciava a convocação de uma Assembléia Constituinte. Organizaram-se novos partidos: - Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). - União Democrática Nacional (UDN). - Partido Social Democrático (PSD). - Partido Comunista do Brasil (PCB). - O PTB com apoio dos comunistas, lançou a candidatura de Getúlio e fez a campanha com o slogan : Queremos Getúlio, campanha que ficou conhecida como Queremismo. - Golpe militar retirou Vargas do poder em O Governo de Eurico Gaspar Dutra ( ) - Constituição de 1946 (promulgada): Caráter liberal e democrático (oposição ao nacionalismo varguista). - Aproximação dos Estados Unidos. - Proibição do Partido Comunista. - Cassação de parlamentares de esquerda e rompimento de relações diplomáticas com a União Soviética. - Plano Salte (saúde, alimentação, transporte e energia), áreas consideradas como prioridades governamentais. - Apoio ao investimento estrangeiro e às multinacionais. - Criação da Escola Superior de Guerra). O Governo de Getúlio Vargas ( ) - Nacionalismo e protecionismo econômico. - Implantação das indústrias de base (siderurgia, petroquímica, energia e transporte), a fim de impulsionar a industrialização nacional. Em 1952, criou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE) para incentivar a indústria. - Petrobrás ( O petróleo é nosso! ) - Constantes aumentos do salário mínimo. Essa política de Vargas criou muitos opositores de empresas estrangeiras e nacionais, e a estes juntaram-se alguns oficiais e outros antigetulistas, como Carlos Lacerda. - Atentado da Rua Toneleiros. - Manifesto dos generais a favor da renúncia de Getúlio de agosto de 1954: Getúlio matou-se com um tiro no coração. Objetivo do suicídio foi impedir uma guinada conservadora, empresarial e pró-eua do Brasil. Getúlio, matando-se, combatia a UDN e os Estados Unidos. Os Governos Café Filho, Carlos Luz e Nereu Ramos ( ) Café Filho assegurou a realização das eleições marcadas para Nestas eleições foi vitorioso Juscelino Kubitschek de Oliveira, para Presidente, pelo PSD, e João Goulart, para Vice-Presidente, pelo PTB. As forças anti-varguistas juntam-se em torno da não permissão da posse de JK. O Ministro de Guerra, Gal. Henrique Lott, lutou ferrenhamente pela continuidade da eleição, chegando a pôr seu cargo à disposição gerando crise militar. Nereu Ramos, Presidente do Senado e favorável à posse de JK, garantiu a continuidade democrática nacional. Juscelino Kubitschek de Oliveira ( ) - Desenvolvimento atrelado aos interesses estrangeiros. - Plano de Metas, que priorizava os setores energético, industrial, educacional, de transporte e de alimentação. - Como lema de governo, "50 anos em 5". Tentava o progresso econômico e, para isso, ao contrário de Vargas, iria favorecer a penetração dos capitais estrangeiros. A participação na política internacional também foi expressiva, com participação brasileira lutando ao lado das tropas da ONU em diversos conflitos internacionais. - Operação Pan-americana. - Indústria de bens de consumo duráveis e automobilística. - Hidrelétricas de Três Marias e de Furnas. - Rodovias. - Brasília - Aumento considerável da desigualdade social. Os principais ramos da indústria passaram a ser controlados pelo capital estrangeiro, e a inflação crescia rapidamente. - Criação da SUDENE (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste). - Embora tendo mantido o Partido Comunista na ilegalidade, permitiu o funcionamento de todos os outros partidos políticos, deu ampla liberdade à imprensa e respeitou os direitos individuais. - Bossa Nova e Cinema Novo. - Rompimento com o FMI. Jânio Quadros (1961) - Quando assumiu o governo, foi obrigado a cortar gastos e eliminar subsídios para tentar combater o estado crítico das finanças brasileiras deixado por JK. Além disso, congelou os salários e reduziu o apoio governamental às multinacionais. - Atitudes moralistas, proibiu o uso de biquínis nas praias, de lançaperfume no carnaval e das brigas de galo. - Busca de um caminho externo independente. Na prática, uma política de aproximação dos países socialistas, como a China, Cuba e a União Soviética. Num momento de arrojamento, concedeu a medalha da Ordem do Cruzeiro do Sul ao Che Guevara. - Renunciou após sete meses de governo, esperando o apoio dos 57

7 setores dirigentes nacionais. Não o recebeu e acabou esquecido. Culpou pela renúncia as forças estranhas que tumultuaram seu governo. Essas forças eram, é claro, os Estados Unidos. João Goulart ( ) - Assume graças ao Movimento da Legalidade, desencadeado por Leonel Brizola. - Parlamentarismo como forma de garantir a posse de Jango. Exerceram o cargo de Primeiro-ministro: Tancredo Neves, Hermes Lima e Francisco Brochado da Rocha. - Oposição da elite, dos organismos internacionais e da UDN. - Aproximação às Ligas Camponesas e aos mov. populares, operários e socialistas. - Plano Trienal de Desenvolvimento, elaborado pelo Ministro do Planejamento Celso Furtado. Reformas de Base, que eram uma série de reformas, agrária, administrativa, fiscal e bancária. O projeto piorava ainda mais a imagem de Jango, identificando-o ainda mais com o socialismo ao combater interesses da elite nacional. - Criação do 13º Salário. - Estados Unidos boicotam o governo. PSD afasta-se de Goulart e aproxima-se da UDN e dos militares. Nos estados surge uma oposição contra o goulartismo, reunindo a Guanabara (Carlos Lacerda), São Paulo (Ademar de Barros) e Minas Gerais (Magalhães Pinto). A esses se unem o Rio Grande do Sul e o Paraná. - Grande passeata conservadora, chamada "Marcha da Família com Deus e Pela Liberdade", que contou com o apoio da Igreja e do empresariado de março de 1964: Golpe militar. Ditadura Militar ( ) - Pseudo-democracia, com legislativo aberto, Constituição e votação controlada. - Disputa interna pelo poder entre a Linha de Sorbonne e a Linha Dura. - Ufanismo. - Bi-partidarismo. - Concentração de renda. - Tortura, opressão e falta de liberdade. Durante o governo provisório, foi publicado o primeiro Ato Institucional, que cassava mandatos, suspendia direitos políticos por dez anos e estabelecia a possibilidade de decretação do estado de sítio sem a aprovação do Congresso. Castelo Branco ( ) - AI-2: dissolveu os partidos políticos existentes e estabeleceu eleições indiretas para a Presidência da República. Foi criado o bipartidarismo, com a Aliança Renovadora Nacional (Arena) e o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) como únicas forças políticas. - AI-3: estabelecia eleições indiretas para governadores. Os prefeitos das capitais seriam indicados pelos governadores. - AI-4: Convocava o Congresso para a aprovação de Constituição já pronta; - Encaminhamento ao Congresso Nacional do projeto de Constituição de Tal constituição aumentou o poder do Executivo e a centralização. Legitimou os AI's e manteve as eleições indiretas para a presidência e governos estaduais; - Instituição da Lei de Segurança Nacional, que enquadrava como inimigos da Pátria os cidadãos que se opunham ao Regime Militar, suas diretrizes e seu autoritarismo; - Incentivo à grande empresa e revogação dos nacionalismos. - Criação do FGTS. Artur da Costa e Silva ( ) - Greves e protestos populares contra a ditadura. - Assassinato do estudante Edson Luís. Os estudantes, em protesto, organizaram no Rio a Passeata dos Cem Mil, que se tornou a maior manifestação pública de oposição ao governo militar : Ato Institucional número 5 (AI-5), que suspendia todas e quaisquer garantias constitucionais, dando poderes absolutos sobre os destinos da nação. - O vice de Costa e Silva foi impedido de assumir por ser civil. Novas eleições fraudulentas foram convocadas e foi eleito Médici. Emílio Garrastazu Médici ( ) - Momento máximo do horror característico da ditadura militar brasileira. - Milagre econômico, com um crescimento extraordinário da economia nacional, crescimento apoiado no capital estrangeiro e em taxas de crescimento mentirosas inventadas por Delfim Neto, ministro das finanças. Uma série de investimentos foram feitos no campo siderúrgico, petroquímico, de transporte, de energia elétrica. - Instalou-se o Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização), iniciaram-se as construções da Transamazônica e da ponte Rio- Niterói. - Luta armada de oposição (guerrilha do Araguaia), seqüestros de embaixadores e assaltos a bancos. - Ufanismo e utilização do futebol como propaganda política : Fim do milagre econômico com a crise do petróleo. Ernesto Geisel ( ) - Proposta da abertura política lenta, gradual e segura. - Busca de energias alternativas: Proálcool (Programa Nacional do Álcool), Procarvão e o Programa Nuclear Brasileiro, que previa instalação de uma usina de enriquecimento de urânio, além de centrais Termonucleares (Angra). - Construção das Usinas Hidrelétricas de Tucuruí, no rio Tocantins, e de Itaipu, no rio Paraná, a maior usina hidroelétrica do mundo. - II PND (Plano Nacional de Desenvolvimento), que enfatizava a necessidade de expansão da indústria de bens de produção (máquinas, equipamentos pesados, aço, cobre, fertilizantes, energia elétrica, etc), para formar a estrutura econômica que impulsionasse o progresso. Na verdade, com a crise de 1973, o governo militar, que se baseava nos financiamentos americanos, não mais possuía como comprar os bens de produção do exterior, tendo de desenvolvê-los internamente. - Promulgação da Lei Falcão, que impedia o debate político nos meios de comunicação. Buscava-se, com isso, impedir o crescimento do MDB, partido de oposição. - Ocorrem as mortes do jornalista Vladimir Herzog e do operário Manuel Fiel Filho, no interior do DOI- Codi, órgão de repressão vinculado ao Exército. - Prevendo uma vitória da oposição nas eleições de 1978, Geisel fecha o congresso por duas semanas e decreta em abril de 77 o "Pacote de Abril", que altera as regras eleitorais, dando poderes maiores aos estados menores, mais conservadores e identificados com a Arena. O pacote mantém as eleições indiretas para governadores e cria a figura do senador biônico: um em cada três senadores passa a ser indicado pelo comando militar. João Batista Figueiredo ( ) : Lei da Anistia : Extinção da Arena e do MDB e restabelecimento do pluripartidarismo no país. Objetivo foi o enfraquecimento da oposição, que se dividiu na formação de diversos partidos enquanto a base de sustentação da Arena ficou unida em torno do PDS. - Crise econômica e falência nacional (início da década perdida). - Atentado do Riocentro. - Emenda das Diretas Já. Nação clama pela aprovação da emenda do Deputado Dante de Oliveira, que estabelecia as eleições diretas para Presidente. Derrotada pelo Congresso Nacional. - Tancredo Neves eleito em 1985, de forma indireta, Presidente do Brasil. Seu vice seria José Sarney, antigo apoiador da ditadura militar. Fim da ditadura. José Sarney ( ) - Mudanças eleitorais: direito de voto aos analfabetos e aos jovens maiores de 16 anos, além de extinguir a fidelidade partidária e abrandar as exigências para registro de novos partidos. - Constituição de 1988 Constituição Cidadã. - Inflação e dívida externa. - Plano Cruzado (ministro Dílson Funaro): troca da moeda de cruzeiro para cruzado, SUNAB, gatilho salarial e congelamentos. Boicote dos empresários. - Plano Cruzado II (ministro Dílson Funaro). - Plano Bresser (ministro Bresser Pereira): novo congelamento dos preços, aumento das tarifas e impostos e extinção do gatilho salarial. - Plano Verão (ministro Maílson da Nóbrega): troca da moeda de cruzado para cruzado novo, demissões no funcionalismo e elevação dos juros bancários. Fernando Collor de Mello ( ) - Pai do neoliberalismo brasileiro. - Plano Brasil Novo ou Plano Collor (ministra Zélia Cardoso de Mello): troca da moeda de cruzado novo para cruzeiro e confisco dos depósitos em conta corrente e aplicações financeiras. - Falência de milhares de empresas e invasão do Brasil por produtos estrangeiros a partir do fim das restrições às importações. - Esquema PC Farias. Desvios do INSS e licitações fraudulentas. Caras pintadas. Renúncia de Collor antes do julgamento. Impeachment. Collor teve seus direitos políticos cassados por oito anos. Toma o que te mandaram: Hoje Fernando Collor de Mello é Senador da República, e sendo assim, possui imunidade parlamentar, não podendo ser julgado pela justiça comum. Ahahahahahahah... Bem feito para nós! Itamar Franco ( ) - Continuidade à política econômica de Collor. - Plano Real (ministro da fazenda FHC): URV, troca da moeda de 58

8 cruzeiro para cruzeiro real e depois para real e recessão. - Plebiscito decide pela República Presidencialista. Fernando Henrique Cardoso ( ) - Auge do neoliberalismo e das privatizações. - Bases de sustentação: PSDB e PFL. - Desinteresse pelo social e recessão. - Reeleição. - Abuso das medidas provisórias e das emendas constitucionais. - Novo Código Civil. - Estabilidade econômica às custas de desemprego e falta de competitividade da empresa nacional. - Criação de empecilhos para as CPI s. Luís Inácio Lula da Silva (2003-). - Venceu as duas eleições no segundo turno. 59

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964):

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): 1. - PRINCIPAIS PARTIDOS: PSD (Partido Social Democrático): Principal partido. Criado por Getúlio Vargas. Base rural. Industriais, banqueiros e latifundiários

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A PROCLAMAÇÃO Proclamada em 15 de novembro de 1889, a República nascia no Brasil como resultado de um movimento de cúpula, como uma espécie de revolução pelo alto controlada

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento).

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). HB. Expansão territorial da colônia. Expansão territorial Bandeirantes. 1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). Mão-de-obra indígena.

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889.

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889. Brasil no período de transição: Império para República. Éramos governados por um dos ramos da Casa de Bragança, conhecido como família imperial brasileira que constituía o 11º maior império da história

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano.

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. PROJETOS DE REPÚBLICA MILITARES Relutava em convocar eleições para a Assembleia Constituinte; Queria um governo forte,

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Governos. Populistas Brasileiros (1946-1964) Entregar? Nacionalizar? Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS)

Governos. Populistas Brasileiros (1946-1964) Entregar? Nacionalizar? Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS) Governos Entregar? Populistas Brasileiros (1946-1964) OU Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS) Nacionalizar? PRINCIPAIS PARTIDOS PSD (Par(do Social Democrá(co): Principal par*do. Criado

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL * Três etapas: 1) Revoltas Nativistas 2) Revoltas Emancipacionistas 3) Período Joanino Família Real no Brasil (1808-1822)

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Emancipação Política do Brasil

Emancipação Política do Brasil Emancipação Política do Brasil Brasil: Colônia de Portugal. Submetido ao Pacto Colonial só pode comerciar com a Metrópole (Portugal) Insatisfação: altos impostos e autoritarismo Revoltas No Brasil Conjuração

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

ANTECEDENTES A idéia de República

ANTECEDENTES A idéia de República ANTECEDENTES A idéia de República Silêncio, o imperador está governando o Brasil Piada comum entre os republicanos. Para eles, não era apenas o imperador que estava envelhecido e incapaz. O próprio regime

Leia mais

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL O que seria necessário, para que o Brasil, após a independência fosse reconhecido como uma Nação Livre e soberana? Seria necessário que

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral.

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral. Expansão Territorial Norte (Vale Amazônico): Drogas do Sertão / Missões Nordeste: Cana-de-açúcar Sertão Nordestino Litoral Sul Pecuária Fortes de defesa Pau-Brasil Missões Jesuíticas Pecuária Tratados

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979)

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979) Divisões entre os militares: SORBONNE: oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra, intelectuais, veteranos da 2ª Guerra, próximos da UDN, alinhados com os EUA, anticomunistas, executivo forte e soluções

Leia mais

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13 sumário Nota à 14 a Edição................................................ 11 Introdução..................................................... 13 1. As Causas da Expansão Marítima e a Chegada dos Portugueses

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

LINHA DO TEMPO. Curso de Atualização e Capacitação sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas

LINHA DO TEMPO. Curso de Atualização e Capacitação sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas LINHA DO TEMPO Curso de Atualização e Capacitação sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Destaques de alguns fatos na: História política, economia e sociedade no BRASIL e no MUNDO (em preto) História

Leia mais

HISTÓRIA 8ºano 3º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLENTARES

HISTÓRIA 8ºano 3º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLENTARES 1. O fuzilamento de Frei Caneca está ligado ao seguinte fato da História do Brasil: ( A ) Inconfidência Mineira ( B ) Confederação do Equador ( C ) Revolta dos Canudos ( D ) A Praieira 2. A organização

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

Os movimentos de libertação colonial

Os movimentos de libertação colonial Os movimentos de libertação colonial Fatores determinantes Em fins do século XVIII, iniciaram-se os movimentos que tinham como objetivo libertar a colônia do domínio econômico português. Deste momento

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII)

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) 1) Período Pré-Colonial Trinta anos sem projeto de colonização (1500-1530) Interesses voltados para o comércio com o Oriente Desapontamento quanto às potenciais

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA.

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A UNIÃO IBÉRICA (1580 A 1640) OS DESDOBRAMENTOS DA UNIÃO IBÉRICA Juramento de Tomar Perda de Valor da Linha de Tordesilhas Intensificação das

Leia mais

Pré-História (600.000-4.000 a.c)

Pré-História (600.000-4.000 a.c) Pré Exame História HISTÓRIA GERAL Pré-História (600.000-4.000 a.c) Paleolítico - fogo - nômades - coletores REVOLUÇÃO do NEOLÍTICO agricultura e pecuária Neolítico - roda - produtores - sedentários Idade

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

XVI. A Revolução de 1930

XVI. A Revolução de 1930 XVI. A Revolução de 1930 Queda da Bolsa de Valores de Nova York. A Crise do capitalismo e o Café. Desestruturação do poder tradicional. Consciência trabalhista. Problema de salário é caso de polícia. (Presidente

Leia mais

BRASIL COLÔNIA (1500 1822)

BRASIL COLÔNIA (1500 1822) 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura. Agroexportação. Latifúndio. Escravismo. Pacto Colonial (monopólio de comércio

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 8º Ano - História - 1º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 8º Ano - História - 1º Bimestre Capítulo 1 1) Qual a diferença entre as colônias do Norte e as colônias do sul, na colonização inglesa na América? 2) Explique o comércio triangular. 3) Relacione a Guerra dos Sete Anos (1767-1773), entre

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985)

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985) OS PRESIDENTES MILITARES: MÉDICI GEISEL COSTA E SILVA FIGUEIREDO CASTELLO BRANCO 1 - O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 1967): PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo): Fim da Estabilidade no emprego.

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

Regências e Segundo Reinado. Alan

Regências e Segundo Reinado. Alan Regências e Segundo Reinado Alan O Período Regencial Inicia-se com a abdicação de D. Pedro I, em 07 de Abril de 1831 e segue até o Golpe da Maioridade, em 1840. Trata-se de um período marcado por especial

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio?

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio? Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 2ª. Disciplina: História (p2,1ª,chamada, 3º. Bimestre) prova dia 26 setembro de 2015.

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR História Questão 01 Considerando as transformações que abriram caminho para o surgimento do Mundo Moderno, ANALISE o impacto dessas mudanças

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de História COMENTÁRIO GERAL: Foi uma prova com conteúdos de História do Brasil e História Geral bem distribuídos e que incluiu também questões de História da América

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO 01) Para muitos brasileiros que vivenciaram o período regencial (1831-1840), aquele foi um tempo de impasses, mudanças

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais