Bacias brasileiras do rio da Prata: Avaliações e propostas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bacias brasileiras do rio da Prata: Avaliações e propostas"

Transcrição

1 Bacias brasileiras do rio da Prata: Avaliações e propostas Outubro/01

2 Sumário 1. INTRODUÇÃO BACIA DO PRATA Características físicas e hidrológicas Aspectos Institucionais Recursos Hídricos Hidrelétricas Navegação Agricultura e meio ambiente Inundações Abastecimento de água Meio Ambiente Variação climática, desmatamento e práticas agrícolas Hidrovia Paraná-Paraguai Principais interfaces internacional BACIA DO RIO PARAGUAI Características gerais da bacia e seus condicionantes Monitoramento Pluviometria Fluviometria Avaliação Hidrologia Balanço hídrico médio Variabilidade temporal e espacial do escoamento Usos dos Recursos Hídricos Impactos ambientais Variação climática Mineração Desenvolvimento urbano Navegação Aspectos Transfronteriços Estudos e projetos propostos Estudos anteriores Estudos em desenvolvimentos Estudos em negociação Aspectos Institucionais Comentários BACIA DO RIO URUGUAI Principais características hídricas Sistemas dos Recursos hídricos e dos impactos na bacia Usos não-consutivos Usos Consuntivos Impactos sobre a população: enchentes Aspectos Ambientais

3 4.7 Planos e Programas Aspectos Institucionais Comentários RIO PARANÁ Características Usos da água Usos consuntivos Usos não-consuntivos Impactos dos usos da água Impactos no meio urbano Impactos dos efluentes industriais Obras hidráulicas Impactos sobre a sociedade Inundações Saúde Impactos Ambientais Conflitos Institucional Programas Comentários PROGRAMAS Caracterização dos programas Relações entre os programas e os aspectos relevantes das bacias Visão programática: metas e programas Plano de Ações CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Anexo A: Descrição prévia dos termos de referência dos programas 100 3

4 1. Introdução Com a criação da ANA Agência Nacional da Água e seu funcionamento no início deste ano foram definidas algumas ações gerenciais de recursos hídricos sobre o território brasileiro. O planejamento destas ações está sendo realizado de acordo com as grandes bacias brasileiras. Segundo o Plano Nacional de Recursos Hídricos (FGV, 1998) o território brasileiro foi sub-dividido em 9 bacias, sendo que as bacias do rio Paraná, Paraguai e Uruguai, compõem a parcela brasileira da bacia do rio da Prata. Dentro do seu planejamento de ações nas bacias brasileiras da ANA é necessário conhecer os principais condicionantes de recursos hídricos destas bacias. Os objetivos deste estudo são os seguintes: Apresentar um diagnóstico dos principais aspectos dos recursos hídricos da parte brasileira da bacia do Prata e suas interfaces internacionais; apresentar recomendações sobre programas e projetos a serem desenvolvidos para as bacias. No segundo capítulo deste relatório são apresentados os principais aspectos da bacia do Prata como um todo, incorporando os aspectos internacionais. Nos capítulos 3 a 5 são destacados os elementos das três bacias, Paraguai, Paraná e Uruguai, respectivamente. O conteúdo apresentado é uma síntese de estudos anteriores e avaliação e conhecimento dos consultores, onde foram levantados os aspectos de maior interesse que permitam avaliar os problemas das bacias e uma avaliação crítica dos consultores. No capítulo 6 é realizada uma análise síntese das três bacias, identificando os principais problemas e apresentados programas e projetos que podem ser desenvolvidos a nível nacional e regional para cada bacia. O documento conclui com uma avaliação global no capítulo de conclusões e recomendações, apresentando principalmente uma síntese executiva dos problemas e ações propostas para a bacia. 4

5 2. Bacia do Prata 2.1 Características físicas e hidrológicas A bacia do rio da Prata (figura 2.1) envolve cinco países da América do Sul: Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai. O principal rio é o Paraná, pois apenas se torna rio da Prata quando o rio Paraná se junta ao rio Uruguai próximo da foz do rio Prata no Oceano Atlântico. Em termos de área de drenagem é a segunda bacia da América do Sul, depois da bacia Amazônica, com 3,1 milhões de km 2 e a quinta do mundo. A bacia do Prata é importante para a economia dos países da região, pois 70% do PIB dos cinco países é gerado na bacia e representa cerca de 50% da população dos mesmos. Na tabela 2.1 é apresentada a distribuição da área de cada país na bacia. A parcela brasileira é de 45,7% ou km 2. Na tabela 2.2 são apresentados os trechos mais importantes dos três tributários e a vazão média correspondente. Tabela 2.1 Distribuição da área da bacia entre os países (OEA, 1969) Subbacia Área 10 3 km 2 % Argentina 10 3 km 2 % Bolívia 10 3 km 2 % Brasil 10 3 km 2 % Paraguai 10 3 km 2 % Uruguai 10 3 km 2 % Paraná , , ,5 Paraguai , , , , ,4 Uruguai , , , ,1 Prata , , , , ,8 Vazão média anual Tabela 2.2 Algumas características dos três principais tributários (Internave, 1990) Rio Distância de montante Área da bacia 10 3 km 2 m 3 s -1 Paraná Confluência com 1200 (Paranaiba) and Paranaíba e Grande (Grande) Confluência com o Paraguai Foz Paraguai Até Cáceres Foz Uruguai As condições naturais variam muito tanto no sentido Norte Sul como de Oeste para Leste. No extremo Norte estão o Planalto Brasileiro e a Amazônia. No Leste os limites variam das cabeceiras do rio São Francisco a Serra do Mar. No extremo Oeste os limites são a cordilheira dos Andes e no Sul pequenas altitudes das coxilhas gaúchas. As altitudes variam desde cotas superiores a 1500 m no extremo 5

6 Leste para apenas 200 m no Sul. Nos limites a oeste observam-se cotas da Cordilheira Andina de a 4.000m. A precipitação anual diminui tanto de Norte para o Sul, como de Leste para Oeste. Estas precipitações variam de cerca de 1800 mm próximo a Serra do Mar no Brasil para 200 mm nos limites oeste da bacia, onde existem regiões semi-áridas. A distribuição de precipitação no território brasileiro apresenta precipitações anuais geralmente acima de 1000 mm, enquanto que na parcela correspondente aos outros países freqüentemente estão abaixo deste valor. Figura 2.1 Bacia do Prata (Tucci e Clarke, 1998) Na tabela 2.2 são apresentados os valores de vazão média de longo período para alguns locais da bacia, mostrando a contribuição de cada rio na junção dos mesmos. Quando o rio Paraguai (1.095 milhões de km 2 ) chega no rio da Paraná, contribui com 18,6% da vazão total e o rio Paraná (1.510 milhões de km 2 ) com 6

7 81,4 %. Já quando o Paraná se junta com o Uruguai para formar o rio da Prata, a vazão do rio Paraná representa 76,3 % do total. O rio Uruguai apresenta a maior vazão específica, principalmente devido as suas características de precipitação e relevo, enquanto que o rio Paraguai existe baixa vazão específica devido as extensas áreas de inundação como o Pantanal brasileiro, que retém grande parte do volume para criar o habitat de terras úmidas. 2.2 Aspectos Institucionais Em 1968 os países da bacia do Prata estabeleceram o CIC Comitê Intergovernamental Coordenador da Bacia do Prata com a finalidade de desenvolver as ações de interesse comum dentro da bacia. Este comitê é presidido de forma rotativa e tem sede em Buenos Aires. Em 1969 os governos aprovaram o tratado da bacia do Prata, que entrou em vigor em agosto de 1970, com o objetivo de desenvolver esforços conjuntos para promover o desenvolvimento e a integração física da bacia e suas áreas de influência direta. Este tratado tinha como objetivos específicos os entendimentos, dentro da área de recursos hídricos, para: facilitar a navegação; utilização racional da água com uso múltiplo eqüitativo; preservação e o fomento da vida animal e vegetal; projetos de interesse comum relacionados com o inventário, avaliação e o aproveitamento dos recursos naturais da área. Ao longo do tempo vários tratados foram aprovados, mas houve ênfase no pragmatismo de tratados bilaterais de interesse mútuo dos países, alguns dos quais destacados na tabela 2.3. Além disso, foi criado um mecanismo econômico que foi o FUNPLATA, que é um fundo econômico de financiamento de projetos na região. Tabela 2.3 Alguns tratados na bacia do Prata. Tratado Países Convênio para estudo do aproveitamento Paraguai e Argentina dos recursos hídricos do rio Paraná, 1971 Tratado Tripartide sobre Corpus e Itaipu, Argentina, Brasil e 1979 Paraguai Tratado de Yaciretá Argentina e Paraguai Tratado de criação da Comissão técnica mista Argentina e Uruguai de Salto Grande Tratado da criação da Itaipu Binacional Brasil e Paraguai Tratado de criação da comissão binacional do Argentina, Bolivia e rio Bermejo, 1995 Paraguai 7

8 Nos últimos anos dois programas especiais foram aprovados pelo CIC e criadas contrapartidas técnicas dos países, sobre: sistema de alerta hidrológico e monitoramento de qualidade da água. Dentro dos temas referidos existe ênfase no monitoramento de parâmetros de qualidade da água e nos níveis de água e vazão de uma rede de estação existente e operada pelos países. Os programas de Qualidade da Água e Alerta Hidrológico tem sido desenvolvido nos últimos anos pela troca de informações da rede existente entre as entidades representantes dos países. No entanto, desde 1993 existe uma preocupação do conselho formado pelas entidades técnicas, em ampliar as ações no âmbito da Bacia do Prata. Em 1994 foram iniciadas gestões para a obtenção de fundos do FONPLATA e do BID para ampliar as atividades dentro destes programas. No final de 1996 foi aprovado um convênio de Cooperação técnica regional pelo BID e o CIC, com fundos sem reembolso, para elaboração de estudos necessários a preparação de projetos de investimentos dentro do âmbitos dos programas citados. O estudo, na sua primeira etapa, tinha como objetivo: desenvolver um diagnóstico da bacia quanto a Qualidade da água e Alerta hidrológico e; definir um conjunto de projetos específicos a serem detalhados e submetidos a agências de financiamento pelos países. Em 1997 um grupo de consultores foi contratado para desenvolver os estudos referidos, concluído em 1998 com o título Sistema de informações sobre a qualidade da água e para o alerta hidrológico da bacia do Prata primeira etapa: diagnóstico e dimensionamento que aqui será referenciado por CIC (1998). Este estudo foi desenvolvido segundo as seguintes etapas: Identificação preliminar das fontes pontuais e dispersas da bacia; Estimativa expedita das cargas contaminantes lançadas pelas diferentes fontes, e elaboração de um diagnóstico global da Bacia, neste aspecto; Identificação das áreas de risco de inundação na Bacia que mereçam um tratamento prioritário; Monitoramento detalhado das descargas ou áreas associadas á zonas de risco de inundação identificadas; Avaliação geral e relatório final. O relatório foi concluído em julho de 1998 e entregue ao exame das entidades técnicas que compõem o CIC. A avaliação das entidades técnicas não encontrou consenso quanto aos projetos propostos e ações futuras. Desta forma, foi necessário a definição conjunta através de um Workshop, com a participação técnica de todos os países, visando à busca de um consenso quanto as necessidades da bacia no que se refere aos programas em desenvolvimento. O Workshop Sistema Georreferenciado de Informações Hidrológicas da Bacia do Prata foi 8

9 organizado pelo IBAMA Instituto Brasileiro de Meio Ambiente, SRH Secretaria de Recursos Hídricos do Ministério de Meio Ambiente e ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica do Brasil em Foz de Iguaçu de 14 a 15 de outubro de O objetivo do referido workshop foi o de reunir as entidades técnicas do CIC e outras que contribuem dentro deste programa e buscar consenso nas ações a serem desenvolvidas dentro dos programas de Monitoramento da Qualidade da Água e Alerta Hidrológico na Bacia do Prata. Lanna e Tucci (1999) apresentaram um resumo do workshop e dos projetos discutidos. O referido documento apresentou os projetos selecionados e recomendou a criação de uma secretária técnica para o CIC baseada em parte dos fundos obtidos com o desenvolvimento dos projetos propostos, considerando que foi unânime na reunião a ineficiência técnica gerencial do CIC. Um resumo dos projetos propostos no documento são apresentados na tabela Recursos Hídricos Nos rios da bacia geralmente existe água disponível para a demanda, mas existem as mais variadas condições geográficas, hidrológicas e sócio-econômica, contudo o controle é realizado através de limites geográficos administrados pelos países onde existem diferentes legislações e organizações com diferentes políticas. Na tabela 2.5 é apresentado um resumo dos principais trechos dos rios e bacia com os aspectos hidrológicos, ambientais e sócio-econômicos relacionados. A seguir são destacados alguns dos principais aspectos de recursos hídricos que envolvem toda a bacia Hidrelétricas Na bacia do Prata foi identificada uma capacidade de MW, 60% dos quais está sendo utilizado ou está em processo de ser explorado. O número de instalações planejada é significativo tanto a nível interno dos países como a nível internacional. Grande parte do potencial hidrelétrico se concentram no rio Paraná e no rio Uruguai. Os principais aproveitamento internacionais existentes são : Itaipu, rio Paraná (Brasil e Paraguai), Yaciretá, no rio Paraná (Argentina e Paraguai) e Salto, rio Uruguai (Argentina e Uruguai). Os principais projetos internacionais existentes são Corpus no rio Paraná (Argentina e Paraguai) e Garabi no rio Uruguai ( Argentina e Brasil). Nos trechos nacionais o Brasil apresenta a grande parte dos aproveitamentos de montante no rio Paraná (figura 2.1), o Uruguai que possui potencial de MW tem desenvolvido cerca de MW, grande parte no trecho internacional e no Uruguai. No trecho nacional brasileiro encontra-se Itá recentemente em funcionamento e Passo Fundo, uma pequena Usina num afluente do Uruguai. 9

10 Tabela 2.4 projetos propostos para desenvolvimento na bacia do Prata pelos países que compõem o CIC ((Lanna e Tucci, 1999) Projeto Objetivos Estabelecer um rede fluviométrica e meteorológica mínima que permita a estimativa desejável dos trechos transfronteiriços da Rede de coleta de dados bacia do Prata; Meteorológicos e Hidrológicos para Alerta Estabelecer mecanismo eficiente de troca de informações durante os eventos críticos; Definir padrões de informações de banco de dados para troca de informações hidrológicas e meteorológicas. Desenvolver um programa de apoio a estudos técnicos e científicos Estudos estratégicos dentro dos tópicos selecionados no item anterior nos que influenciem os trechos transfronteiriços da bacia do Prata. Estudo para definição e orçamentação da rede de monitoramento de qualidade de água superficial da bacia do Prata Estudo diagnóstico da contaminação de compartimentos associados às águas na bacia do Prata Desenvolvimento de Índices de Qualidade de Água para a bacia do Prata Estudo para uniformização das metodologias de monitoramento da qualidade de água da bacia do Prata Sistema Georeferenciado de Informações sobre a Bacia do Prata Treinamentos Publicações Escritório Técnico Operação satisfatória das estações existentes, em número de 24, incluindo as que são operadas parcialmente e ativadas aquelas cuja operação foi descontinuada. Instalação de 23 novas estações de monitoramento na bacia. Diagnosticar os níveis de contaminação dos seguintes compartimentos associados às águas: águas meteóricas (chuvas); águas subterrâneas; sedimentos de fundo; biota aquática; biota terrestre afetada pela água na bacia do Prata. Criação de Índices de Qualidade de Água específicos para a bacia do Prata, que auxiliem a divulgação dos diagnósticos qualitativos entre a população e viabilizem a adoção de medidas preventivas e corretivas. Homogeneizar as metodologias de coleta, análise, consistência, armazenamento digital e divulgação dos parâmetros de qualidade de água da rede de monitoramento da bacia do Prata. Uniformizar padrões de software, hardware para aquisição e troca de informações sobre a bacia do Prata; Criar uma base mínima de informações e capacidade em todos os países da bacia. Base para divulgação de informações da bacia Desenvolvimento de um Programa de Treinamento voltado para práticas hidrométricas, sistemas de informação geográfica aplicado a recursos hídricos, sistemas telemétricos e sensores, consistência dos dados, previsão meteorológica, previsão hidrológica, qualidade de água, índices de qualidade, técnicas laboratoriais, divulgação de informações, participação comunitária nos Sistemas de Alerta Hidrológico e de Monitoramento de Qualidade de Água, Educação Ambiental, e outros temas. Preparar anualmente dois relatórios sobre o Sistema de Alerta e sobre Qualidade da Água; série aperiódica de publicações e disponibilizar bibliografia sobre a região Coordenar a execução das atividades permanentes propostas; Desenvolver tratativas junto as entidades de fomento para obtenção de recursos para os projetos; Identificar e propor novos projetos que atendam aos objetivos dos programas técnicos. 10

11 2.3.2 Navegação No século 19 e no início do século 20 a navegação do rio Paraná e Paraguai e parte do Uruguai foram as principais entradas para a colonização desta vasta região. Com a concorrência dos outros meios de transportes a navegação diminuiu e atualmente o transporte é fundamentalmente de produtos, principalmente agrícolas entre as regiões. Atualmente os principais trechos de navegação são: Paraná Paraguai : de Cáceres em Mato Grosso até o oceano atlântico com distância de 3,600 km. Existe um projeto de melhoria do canal de navegação para aumentar a profundidade, permitindo um tráfego permanente. Este projeto pode ter importante impacto ambiental e tem sido questionado por grupos ambientais e necessita de uma avaliação técnica cuidadosa; Tietê Paraná: o rio Tietê escoa por uma região muito industrializada do Brasil, representando 35% do PIB brasileiro. Esta via tem algumas eclusas e permite o transporte de mercadorias entre São Paulo e o rio Paraná. Rio Uruguai: Segundo OEA (1985) o rio é navegável no seu trecho inferior nos limites entre Uruguai e Argentina a jusante da barragem de Salto Grande. A montante de Salto Grande o rio é navegável até São Borja Agricultura e impactos do uso da terra Até 1970 uma parte importante da agricultura do estado do Paraná e grande parte do estado de São Paulo era dedicada ao café, que representava uma cobertura permanente. Depois de uma seqüência de anos frios com geada sobre os cafezais houve remoção dos mesmos para plantio de culturas anuais como soja, trigo e milho. Este tipo de prática aumentou a erosão do solo nas áreas rurais. No final dos anos 70 foram desenvolvidos programas para conservação do solo. Nos anos 90, principalmente depois de 1994, o tipo de plantio se alterou novamente e grande áreas passaram a adotar o plantio direto na agricultura, o que tem recuperado a capacidade de infiltração do solo e aumentado o nível do lençol freático. No Planalto do rio Paraguai, no seu afluente, o rio Taquari o uso do solo também se alterou com plantações de soja e aumento significativo do rebanho de gado. O aumento de erosão nesta bacia tem sido significativo com importantes efeitos a jusante no Pantanal. Problemas semelhantes ocorrem no rio Bermejo, afluente do rio Paraguai na Argentina devido as próprias característicos do rio de grande declividade e leito móvel, ampliadas por ações antrópicos ao longo da bacia. Um dos principais aspectos agrícolas ocorre no rio Uruguai, no seu trecho médio, próximo as divisas de Brasil Uruguai e Argentina devido ao intensivo uso de água para irrigação. O rio Quaraí que faz a divisa do Brasil e Uruguai apresenta hoje conflitos de usos da água e representa uma das bacias transfronteriças onde requer uma atenção especial quanto ao gerenciamento dos recursos hídricos. A bacia do Ibicuí, toda em território brasileiro, apresenta também importantes conflitos de uso de água para abastecimento e irrigação nos meses de verão. 11

12 Tabela 2.5 Principais trechos e suas características de recursos hídricos e desenvolvimento Trechos Rio Países Características dos recursos hídricos e meio Desenvolvimento ambiente Planalto Paraguai Brasil Precipitações de 1300 a 2000 mm; altas vazões Mineração; um dos maiores rebanhos de gado do específicas; alta produção de sedimentos mundo; produção de soja. Pantanal Paraguai Brasil e Bolívia Grande retenção de água; maior wetland do mundo; precipitação inferior a evapotranspiração potencial. Sistema sustentado pelas vazões de montante. Sudeste Brasileiro Paraná Brasil Precipitações da ordem de 1500 mm, com alta vazão específica; quedas hidráulicas; desmatamento significativo na Segunda parte do século passado Interno Paraguai Paraguai Paraguai Escoamento lento devido a regularização do Pantanal e baixa declividade; grandes áreas de inundação Paraguai Internacional Paraguai Paraguai e Argentina Paraná Internacional Paraná Brasil, Argentina e Paraguai Bacias contribuintes com alta produção de sedimentos e leitos móveis; precipitações inferiores a 800 mm Importantes quedas dágua, produção de sedimentos e escoamento rápido Paraná Argentina Paraná Argentina Extensas áreas inundadas durante grande parte do ano; baixa precipitação das sub-bacias contribuintes Alto Uruguai Uruguai Brasil Precipitações de 1500 a 1800 mm; alta vazão média; quedas hidráulicas Médio Uruguai Uruguai Brasil e Precipitação de 1500 mm; alta vazão média; Argentina quedas hidráulicas; produção de sedimentos Baixo Uruguai Uruguai Uruguai e Altas precipitações e vazões. Argentina Prata Prata Uruguai e Efeito da mar associado a vazão do Prata Argentina Rebanho de gado; turismo ecológico, navegação, baixa concentração urbana; conservação ambiental e convivência da inundação. Grande número de hidrelétrica; grandes concentrações urbanas (S.Paulo, Curitiba); produção de sedimentos; produção de soja; inundações de áreas ribeirinhas Navegação fluvial de tráfego internacional; extensas áreas inundadas Áreas com baixa ocupação populacional; navegação fluvial; controle de erosão e inundações Hidrelétricas internacionais e navegação. Navegação fluvial internacional Produção agrícola; inundações; alto potencial hidrelétrico. Hidrelétricas; produção agrícolas, inundações Hidrelétrica de Salto no trecho médio e navegação no trecho inferior Predominância da navegação fluvial e marítima 12

13 2.3.4 Inundação A inundação é um dos maiores problemas da bacia do Prata. A maioria dos rios possuem uma planície de inundação muito grande que tem sido ocupada pela população e uso agropastoril. O rio Paraguai possui grandes planícies de inundação e um regime de escoamento muito lento quando ocorre inundações das suas margens. No rio Paraná e nos seus tributários como o Iguaçu existem muitas cidades nas margens que são inundadas com grande freqüência, principalmente depois dos anos 70. No trecho internacional, principalmente na Argentina as cidades de Resistência, Corrientes, Rosário e Santa Fé sofrem impactos importantes das inundações. Santa Fé que possui um sistema de polders que ficou com níveis do Paraná cerca de um ano acima dos níveis de algumas ruas na inundação de 83. Na maioria das cidades da região, a ocupação da área de risco ocorreu no período de desenvolvimento econômico dos anos 60 até o início de 80, quando houve um período de inundações maiores. Neste período os danos foram muitos grandes. A perda acumulada em União da Vitória nas margens do Iguaçu, nas cheias de 83 a 93 são superiores a US $ 110 milhões (tabela 2.6). O rio Uruguai também apresenta impactos importantes nas inundações (tabela 2.7), principalmente no seu trecho inferior em São Borja, Itaqui, Uruguaiana e algumas cidades dos seus afluentes como Alegrete. No trecho inferior na Argentina Uruguai se observou também grandes inundações recentes a jusante da barragem de Salto Grande. Tabela 2.6 Prejuízos das cheias em União da Vitória e Porto União no rio Iguaçu (JICA, 1995) Ano Prejuízos US $ , , , , Abastecimento de água A demanda de abastecimento de água e irrigação é atendida usualmente por pequenas bacias que geralmente se localizam perto das áreas de uso. Os grandes problemas de abastecimento ocorrem na cabeceira onde existem grandes concentrações urbanas como São Paulo e Curitiba. Estes problemas são também devido a redução da quantidade de água devido deterioração da qualidade pela falta de tratamento dos efluentes urbanos. Em outras áreas, como na bacia do rio Uruguai existe um conflito importante entre abastecimento de água para população e irrigação (Bacia do Ibicuí) de arroz nos 13

14 períodos secos. Na maioria das bacias a disponibilidade hídrica não é um grande problema, com exceção dos locais citados e na região semi-árida a oeste da bacia, onde as precipitações são muito baixas e grandes altitudes. Tabela 2.6 População afetada pelas inundações no rio Uruguai, parte brasileira do Rio Grande do Sul Ano Perda de Vida População afetada Número de cidades atingidas , , , , , , , Fonte: Defesa Civil do Rio Grande do Sul 2.4 Meio Ambiente A seguir são discutidos alguns dos principais aspectos ambientais na Bacia (principalmente nos trechos brasileiros) Variação climática, desmatamento e práticas agrícolas A variação climática e seus impactos tem sido um dos principais problemas na bacia do Prata desde os anos 70, quando a vazão média anual aumentou de forma impressionante em alguns trechos da bacia. Na tabela 2.8 são apresentados os valores onde se observam aumentos de 19 a 46% A figura 2.2 mostra variação relativa do nível máxima anual do rio Paraguai em Ladário e a precipitação adimensional na bacia de 1900 a Pode ser observado que após 1970 existe um grande aumento no nível e um pequeno aumento na precipitação. Tabela 2.8 Vazão média anual em m 3 s - 1 (Tucci e Clarke, 1998). Local antes de Aumento % Rio Paraná em Jupiá 5,852 (+) 6,969 19,1 R. Paranapanema em Rosana 1,057 (+) 1,545 46,2 R. Paraná em São José 6,900 (+) 8,520 23,3 R. Paraná em Guaira 8,620 (+) 11,560 34,1 R. Paraná em Posadas 11,600 (*) 14,255 22,9 R. Paraná en Corrientes 15,265 19,510 27,8 + série de ; * série de Os principais efeitos do aumento do escoamento e da precipitação na bacia foram: 14

15 Erosão do solo e sedimentação dos rios e redução do solo disponível para a agricultura; Aumento dos níveis e freqüência das inundações; Mudança do leito dos rios e das condições ambientais das matas ciliares; Diminuição do volume útil dos reservatórios; Aumento da produção hidrelétrica; Mudança na qualidade da água devido a ressuspensão do material de fundo durante as inundações 1, 1, 2 P/Pm 1, 4 1, 2 1 0,8 0,6 0,4 0,2 Precipitação lnível Ano Figura 2.2 Variação adimensional dos níveis em Ladário no Alto Paraguai e a média móvel de três anos na bacia do rio Cuiabá (Tucci e Clarke, 1998). O aumento do escoamento e dos níveis de água pode ser devido a um ou mais dos seguintes efeitos: Aumento da precipitação depois de 1970: Anderson et al (1993) usando dados do rio Paraná em Corrientes (precipitação e vazão), concluíram que as precipitações fortes dos anos 80 e início de 1990 foram os fatores mais importantes para a produção de inundações destes anos. Adicionalmente, os autores concluíram que existe não existe evidência consistente, estatística ou outras, que a mudança na dinâmica dos processos de precipitação vazão associadas com o uso do solo tem um papel importante nas inundações dos referidos anos. O mesmo trabalho menciona que existe, contudo, alguma evidência que quando as precipitações não são muito altas, alguma mudança tem ocorrido que produz aumento de vazão que não seria esperado. A precipitação média anual de 1901 a 1970 na bacia do Paraná em Corrientes era de 1364 mm e no período de 1971 a 1991 foi de 1438 mm, com 5,4 % de aumento. Este aumento foi muito similar ao observado na parte da bacia do rio Paraná no Estado do Paraná no Brasil. Em teoria, se toda a precipitação adicional é utilizada para gerar escoamento, um aumento de 6% na precipitação num rio com 15

16 coeficiente de escoamento de 17% (valor do rio Paraná), pode aumentar o escoamento em 35%. Contudo, este é um limite superior para este cenário. Barros et al (1995) analisaram a tendência de precipitação na América do Sul a Leste dos Andes e indicaram que houve aumento da precipitação na região. Especificamente, Castanaeda e Barros (1994) acharam um aumento de 850 mm para 1150 mm entre os anos 20 e os anos de 80 na Pampa úmida. Neste mesmo período, na África sub-hariana ocorreu o inverso, as precipitações estão muito abaixo da média e muitos rios estão em prolongadas estiagens. O Lago Chade diminuiu para um terço da sua área do período anterior a Desta forma, poderia se concluir que as mudanças de precipitações fazem parte de grandes variabilidades do clima global. Desmatamento e uso do solo: Bosch e Hewlett (1982), Bruijnzeel (1995) e Sahin et al (1996) apresentaram vários experimentos de pequenas bacias no mundo e concluíram o seguinte: (a) o desmatamento aumenta a vazão média; (b)desmatamento seguido de cultivo anual que usa maquinaria para preparação do solo são os que apresentam grande aumento do escoamento médio. O desenvolvimento da agricultura e ocupação urbana produziram grande desmatamento na parte brasileira do Paraná, Paraguai e Uruguai. Na tabela 2.9 são apresentadas as alterações de cobertura nos Estados de São Paulo e Paraná (rio Paraná). No Rio Grande do Sul, onde um terço da sua área corresponde parte da bacia do rio Uruguai, no início do século 40% do Estado era coberto por florestas e atualmente, restaram 2,6%. Tabela 2.9 Desmatamento nos estados de São Paulo, Paraná e leste da bacia do Paraguai Ano Cobertura original do Estado de Ano Cobertura original do Estado do Ano Cobertura original(*) % São Paulo % Paraná < ,8 < , , , , , , , , , , , , , ,2 (*) Leste do Paraguai (Anderson Jr. et al,1993) Pode-se observar que grande parte dos desmatamentos ocorreram antes de 1970 e a maioria do aumento do escoamento ocorreu depois de No entanto, houve uma importante alteração na prática agrícola em parte da região, com a retirada 16

17 do café para plantio de soja ocorrida na virada dos anos 70. Isto ocorreu devido a uma grande geada no final dos 60 no Paraná, que dizimou grande parte dos cafezais. A figura 2.3 apresenta uma amostra de alteração de cobertura vegetal em parte da bacia do Paraná. O cultivo de soja é de um cultivo anual que deixa o solo muito exposto, principalmente com o uso de máquinas agrícolas. A figura 2.4 mostra o aumento de venda de implementos agrícolas no Paraná durante a década de 70. Estes são indícios importantes que o efeito do solo poderia aumentar o escoamento médio. No entanto não existem dados que comprovam este efeito em bacias de grande porte. Figura 2.3 Mudanças do uso do solo em amostras no Norte do Paraná (Kroner, 1990) Figura 2.4 Número de equipamentos vendidos no Paraná ( Parchen e Bragagnolo, 1991) 17

18 Em resumo, existem mais questões do que respostas e mais pesquisas necessitam ser realizadas para melhor identificar este problema. As principais conclusões são : (a) o escoamento aumentou no alto Paraguai, Paraná e Uruguai depois da década de 70; (b) a precipitação e o uso do solo contribuíram para este aumento e não há uma resposta clara da contribuição da magnitude das causas. No contexto dos recursos e desenvolvimento a principal questão é a seguinte: Qual parcela da mudança do escoamento é permanente? Em termos de produção de energia um aumento permanente no escoamento representa aumento na energia firme, mas pode diminuir a vida útil dos reservatórios devido a sedimentação. Em termos de navegação a profundidade da água aumenta e o período no qual o rio é navegável pode aumentar. Em termos de regime de inundações, prejuízos de enchentes podem ser grandes Hidrovia Paraná Paraguai Esta hidrovia tem km de extensão desde Nova Palmira na costa até Cáceres no extremo superior. Para aumenta a capacidade de transporte da hidrovia foram planejadas obras para aumentar o calado da via. O primeiro projeto foi apresentado pela Internave e o último por Hidroservice Louis Berger EIH. Este último projeto apresenta as seguintes alternativas: De Santa Fé na Argentina até Assunção o canal tem largura de 100 m e profundidade de 3 m De Assunção até Corumbá no Brasil o canal tem 90 m de largura e profundidade de 2,6 m ; De Corumbá até Cáceres são propostas várias obras que resultarão em profundidade de 1,5 a 1,8 m. A maior preocupação de impacto ambiental devido as obras são sobre os efeitos sobre o Pantanal. As obras aumentarão a capacidade de escoamento do rio que podem diminuir a quantidade de água e sedimentos que escoará para a planície. Nos anos mais críticos, de pequena inundação, reduzindo este fluxo poderá reduzir a área de banhado. A planície do Pantanal possui um balanço negativo entre precipitação e vazão e depende do fluxo proveniente do Planalto que inunda suas margens. Portanto as principais questões são: As obras de navegação poderão modificar as condições de escoamento e reduzir o volume de água que irá para a planície do Pantanal? Se ocorrer quanto representa? Qual é o impacto sobre a planície de uma seqüência de anos secos com estas obras? 18

19 2.5 Principais interfaces internacionais O trecho internacional brasileiro é extenso e as bacias brasileiras encontram-se principalmente a montante das áreas dos países vizinhos. Neste sentido, a tendência é de que ações no território brasileiro de alguma forma podem produzir impactos nos países vizinhos. Neste sentido foram identificados os principais aspectos destas interfaces e analisados ainda de forma superficial. Este texto tem a finalidade principal de identificá-los. Mineração : A mineração que ocorreu principalmente no Mato Grosso despejou mercúrio nos rios. Este depósito junto aos sedimentos poderá se deslocar para jusante ao longo do tempo. Existem poucos estudos quantitativos sobre o assunto e atualmente no projeto GEF/Paraguai estão sendo realizadas algumas quantificações. Provavelmente este impacto ainda não atingiu os trechos internacionais, mas no futuro algumas alegações poderão ser realizadas sobre o assunto. Navegação Brasil/Bolívia no rio Paraguai: próximo a Corumbá existe um trecho comum em que o governo Bolívia deseja trafegar, mas as condições de transporte são precárias e existe a necessidade de dragagem. As entidades de fiscalização ambiental não tem permitido esta ação e problema aparentemente continua num impasse. Navegação do rio Paraguai trecho Cáceres-Corumbá: neste trecho, apesar de estar dentro to território brasileiro, faz parte da hidrovia do rio Paraguai que vai até a foz do rio da Prata. No item 2.4 este assunto é destacado e atualmente o cenário é de que o Ministério de Transporte através da sua Agência local tem procurado dar manutenção da via. Itaipu Binacional - Aproveitamento hidrelétrico brasileiro-paraguaio construído na década de 70 que representa cerca de 20% da potência instalada no país. Este aproveitamento opera com base em acordo Brasil Argentina e Paraguai. O acordo prevê restrições de variações artificiais de escoamento a jusante de Itaipu no rio Paraná, logo após a confluência com o rio Iguaçu. O acordo prevê limitações de variações de níveis dentro do dia (máximo de 2m em 1 dia) e diária (0,50 m em 2 horas). Projeto hidrelétrico Binacional de Garabi : projeto elaborado na década de 80 na bacia do rio Uruguai. Este aproveitamento não foi iniciada a sua construção e não existe um planejamento de curto prazo para o mesmo. Rio Quaraí: O rio Quaraí divide o Brasil e o Uruguai e é a fluente do rio Uruguai. Nesta bacia existe uma grande quantidade de usuários de água, principalmente para irrigação de arroz. Do lado uruguaio a pressão pela água é menor, mas já existem discussões sobre o uso adequado, portanto nesta bacia será necessário a curto e médio prazo uma ação no sentido de desenvolver um Plano de bacia a nível de binacional visando harmonizar os diferentes usuários. 19

20 Cooperação nos programas dentro do CIC: os programas de Alerta Hidrológico e de Qualidade da água, dentro do qual foram propostos vários projetos não tem apresentado grande dinâmica, apenas troca de informação. No relatório enviado ao CIC sobre a reunião de Foz de Iguaçu foi proposta a criação de uma secretaria técnica para impulsionar estas atividades em função da pequena ação do CIC a nível técnico. O governo brasileiro deverá negociar a localização desta secretaria, se a mesma for criada. Comentário: Na bacia do Prata o Brasil encontra-se a montante de todos os países e as ações que ocorrerem no território brasileiro poderão apresentar repercussões a jusante. Neste sentido, é importante que o Planejamento das bacias brasileiras contemplem esta possibilidade evitando potenciais conflitos. 20

21 3. Rio Alto Paraguai 3.1 Características gerais da bacia e seus condicionantes A bacia do Alto Paraguai tem uma área total de km 2 envolvendo áreas da Bolívia e dos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A área em território brasileiro é de km 2. Geralmente a parcela da bacia contribuinte correspondente a Bolívia não é considerada na avaliação hidrológica a jusante devido ao pequeno volume de escoamento que chega ao rio Paraguai (DNOS, 1974). Os principais formadores do rio Paraguai são os rios Cuiabá, São Lourenço, Piquiri, Taquari, Miranda e Negro, todos pela margem esquerda. Nesta bacia existem duas áreas geográficas predominantes (figura 3.1) Planalto: representado pela parte superior da bacia (acima de 200 m de altitude), que possui comportamento hidrológico encontrado na maioria das bacias brasileiras: precipitações da ordem de 1500 mm ou mais, escoamento com respostas de algumas horas ou poucos dias e coeficiente de escoamento da ordem de 30-50%; Pantanal: parte inferior da bacia (abaixo de 200 m), representando uma área de drenagem de km 2, com baixa capacidade de drenagem e sujeita, na sua quase totalidade, a inundação. Esta região possui características singulares de comportamento hidrológico. Nos afluentes do rio Paraguai cerca de 50-60% do volume de água e sedimentos proveniente do Planalto é retido pela várzea, reduzindo a vazão média para jusante. Esse volume alimenta a várzea com água e nutrientes que funcionam como viveiros naturais numa extensa planície, caracterizando uma área úmida. O escoamento ocorre do Planalto para o Pantanal. Esses rios ao entrarem no Pantanal sofrem uma drástica redução de velocidade decorrente da brusca mudança de declividade da linha de água provocada por dois grandes estrangulamentos no rio Alto Paraguai (na vizinhança do posto São Francisco a montante de Corumbá e próximo a Fecho dos Morros). Associado a este fenômeno, ocorre a deposição de sedimentos, o assoreamento no leito e uma perda de poder erosivo que se traduzem por uma menor seção de rio. O escoamento ocorre do Planalto para o Pantanal. Esses rios ao entrarem no Pantanal sofrem uma drástica redução de velocidade decorrente da brusca mudança de declividade da linha de água provocada por grandes estrangulamentos no rio Alto Paraguai (a montante de Corumbá, na vizinhança do posto São Francisco e outro a jusante de Corumbá próximo a Fecho dos Morros). Associado a este fenômeno, ocorre a deposição de sedimentos, o assoreamento no 21

22 leito e uma perda de poder erosivo que se traduzem por uma menor seção de rio. Durante as enchentes, como as seções dos rios no Pantanal são menores, parte importante do volume extravasa para a planície ocupando as depressões, formando uma paisagem de pequenos lagos, que se interligam nas enchentes e represam a água quando os níveis baixam. Grande parte do volume de água e sedimentos proveniente do Planalto é retido reduzindo a vazão para jusante. Esse volume é evaporado já que o balanço hídrico entre a precipitação e a evaporação potencial é negativo e a percolação é pequena. Como se observa, o sistema funciona como um grande reservatório, com reduzida vazão de saída e inundação de áreas ribeirinhas, criando os condicionantes naturais da formação dessas áreas úmidas (wetlands). Esse sistema depende da baixa capacidade de escoamento da rede de rios. Caso, essa capacidade fosse aumentada, a tendência seria de aumento das vazões e redução do volume retido na planície. A paisagem dominante poderia se transformar de banhado em cerrado, considerando que as isoietas de precipitação sobre a bacia são da ordem de 1000 mm no Pantanal e a evapotranspiração potencial cerca de 1500mm. 3.2 Monitoramento A rede Hidrometeorológica da região é operada principalmente por entidades federais. Até os anos 90 a rede era operada pelo DNAEE Departamento Nacional de Energia Elétrica, DNOS Departamento Nacional de Obras e Saneamento e INEMET Instituto Nacional de Meteorologia. Com o fechamento do DNOS e a transformação do DNAEE em ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica, a rede atualmente é principalmente operada pela ANEEL. A seguir são apresentados os principais aspectos da mesma Pluviometria Na bacia do Alto Paraguai até 1992 (IPH, 1994) existiam 214 postos pluviométricos, dos quais 22 foram desativados, resultam 192 em operação. Destes postos: 56 foram e são operados pelo DNAEE, atualmente ANEEL, e 116 foram operados pelo DNOS, transferidos para a ANEEL; 13 são do INEMET e os restantes por outras entidades. Na tabela 3.1 são apresentados os postos segundo o tipo de equipamento e medida. Destes postos 133 encontram-se no Planalto (1 para 1800 km 2 ) 81 no Pantanal (1 para 1650 km 2 ). São 44 pluviógrafos no Planalto com densidade de 1 para cada 3 pluviômetro. Enquanto que no Pantanal são 24 pluviógrafos, resultando numa relação de 1 para 3,4 pluviômetros. 22

23 Figura 3.1 Bacia do Alto Paraguai (IPH, 1994) Para que se possa observar a disponibilidade temporal dos dados na figura 3.2 são apresentados o número de anos de dados pluviométricos em função do ano, indicando que no ano de 1969 houve um grande salto de informações em função do projeto da UNESCO que implantou um grande número de postos. Estes números não são os ideais, mas são satisfatórios considerando o tamanho da área e as dificuldades de acesso e observação Fluviometria A rede fluviométrica da BAP é formada por 155 estações, locais onde estão sendo medidos (ou foram medidos) os níveis e as vazões dos rios da região. O número total de postos é maior, porém postos num mesmo local ou próximos, operados 23

24 por diferentes entidades, foram reunidos em uma só estação. Das 155 estações, 132 foram vistoriadas até o final de 1995 no projeto PCBAP. Observa-se que a rede fluviométrica da Bacia do Alto Paraguai é basicamente composta por 3 tipos de postos: Tabela 3.1 Distribuição dos postos (IPH,1994) Tipo de posto Quantidade (%) do total de postos * Pluviômetro ,0 Pluviógrafo 66 30,8 Evaporação 13 6,1 Climatológico 26 12,1 Telemétrico 18 8,4 * o total deve ser superior a 100 %, pois os postos tem mais de uma categoria anos postos ano de implantação do posto disponível potencial postos Figura 3.2 Variação do número de anos de dados pluviométricos(iph, 1994) aqueles que atendem a navegação. São poucos e foram, geralmente, implantados antes da década de 60; os implantados na década de 1960, foram pelo DNAEE e pelo projeto PNUD/UNESCO/DNOS, para estudo da hidrologia da região. São os mais numerosos e constituem o núcleo central, em torno do qual é estruturada a coleta da informação hidrológica na bacia do Alto Paraguai; os que foram instalados por entidades do setor elétrico para atendimento de necessidades específicas e localizadas, geralmente mantidos por curto período de tempo. A distribuição percentual de cada tipo de dado monitorado é apresentada na tabela 3.2. Como pode-se observar a quantidade de postos da rede básica como 24

25 medições de vazão representa 82,1 % do total e apenas 14,3 com medições de sedimentos. A cobertura proporcionada por essa rede é fraca como se pode verificar na tabela 3.3. Ela é um pouco melhor nas cabeceiras dos rios das regiões Norte e Leste (média de km 2 por estação fluviométrica em operação) do que na depressão pantaneira e nas cabeceiras dos rios da região Sul (Miranda e Apa) - (média de km 2 por estação em operação). A distribuição das estações em função de superfície da bacia contribuinte, apontada na tabela 3.4, é um pouco mais significativa que a densidade média de cobertura, mas também não é fator decisivo para julgar da pertinência da implantação das estações. Tabela 3.2 Distribuição dos 85 postos em operação na BAP (IPH, 1994) Tipo de posto Quantidade Porcentagem do total de postos Nível 10 11,9 Vazão 69 82,1 Registrador 21 25,0 Telemétrico 12 14,3 Sedimentos 12 14,3 Qualidade 9 10,7 * o total deve ser superior a 100 %, pois os postos tem mais de uma categoria Tabela 3.3 Condições de operação da rede fluviométrica dos principais ambientes da Bacia do Alto Paraguai (BAP) (dez 95) (IPH,1994) Cabeceiras Depressão Pantaneira BAP (abaixo de 200m) Estações em operação em Dezembro de 1995 (O) Estações desativadas ( D, SL, RA ) Estações com situação indefinida Total No estudo Hidrossedimentológico do Alto Paraguai do PCBAP - Plano de Conservação do Alto Paraguai foi realizada uma avaliação dos postos, reproduzida em parte, a seguir. Na análise observou-se que 80,6% das estações permitem medir os níveis da água desde que se tenha algum cuidado nos postos que apresentam restrições. Cerca de 66% destas estações possibilitam a coleta adequada de dados de vazões e 49% proporcionam condições razoáveis para medição de descarga sólida (embora apenas 18% tenham condições boas para essas medições). No entanto, essa conclusão tem que ser aceita com cuidado, pois o ideal é que as boas condições de monitoramento dos níveis, das vazões e das descargas sólidas 25

26 estejam presentes numa mesma estação para que a operação da mesma apresente a maior eficiência. Classificando os postos pela sua aptidão de medir simultaneamente essas três grandezas, o resultado obtido difere do anterior. Atualmente 59 estações de qualidade boa ou regular (ou seja 38% da rede potencial) possibilitam o monitoramento simultâneo de cotas de água, vazões e descargas sólidas, desde que se tenha cuidado no cálculo das descargas sólidas. Tabela 3.4 Distribuição das estações fluviométricas em função da área da bacia contribuinte. (IPH, 1994) Intervalos de área (km 2 ) Estações teoricamente Estações em operação aproveitáveis n o % n o % A < < A < < A < < A < < A < A > ,2 11,8 36,4 12,7 23,6 7, ,8 5,8 36,2 14,5 27,5 10,2 Total 110* * das 155 estações 45 não tem a área de contribuição estimada nos catálogos do DNAEE ** das 85 estações em operação 16 não tem a área de contribuição estimada. As estações de monitoramento apenas fluviométrico (cotas e vazões) são 26 e representam 16,8% da rede potencial, enquanto que as que permitem monitorar apenas uma variável (geralmente a cota de água) são 32 (20,7% do potencial). As principais observações do estudo realizado (IPH, 1994) sobre coleta de sedimentos são: as medições de descarga sólida na BAP são relativamente recentes, pois elas só foram iniciadas em 1977, excetuando as duas medições feitas no Rio Paraguai em 1964/65 (Porto Esperança). há concentração de postos sedimentométricos em determinadas áreas:(a) 10 na bacia do rio Jubá (MT), em função do aproveitamento hidrelétrico de mesmo nome; (b) 11 na região da Grande Cuiabá (7 no rio Cuiabá e 4 no rio Coxipó); (c) 5 locais nas imediações da UHE Poxoréu. as medições foram efetuadas ocasionalmente na quase metade dos postos (1 a 6 medições em 27 dos 63 locais). monitoramento foi praticamente contínuo em apenas duas épocas: de 1977 a 1982 e de 1985 até dezembro de No primeiro caso, tratava-se da rede implantada e operada pelo DNOS, que visava monitorar os aportes de sedimentos das bacias de cabeceira. No segundo, tratava-se da rede de monitoramento das águas da Grande Cuiabá, operada pela FEMA com apoio da UFMT. Em ambos os casos, a freqüência média das medições é praticamente mensal. 26

27 Assim sendo, a distribuição da informação sobre descargas sólidas encontra-se concentrada em alguns períodos e alguns locais, enquanto a maior parte da bacia está desprovida do mínimo de dados a seu respeito. Além disso, há repetição de informação nos locais em que a mesma está concentrada, como é o caso da Grande Cuiabá. Embora esta informação, neste caso, possa ser necessária para o controle do ambiente hídrico na escala local, ela pouco acrescenta para o conhecimento do regime sedimentológico da BAP: os locais de medição são muito próximos uns dos outros, e as diferenças entre os valores medidos naqueles locais são geralmente mínimas. O estudo concluiu que existiam 1203 medições potencialmente aproveitáveis para avaliar a hidrossedimentologia da BAP. Dessas medições, 1090 foram efetuadas na bacias de cabeceiras e 113 na depressão pantaneira. Caso as referidas medições tivessem sido executadas de modo a fornecer todos os dados exigidos para o exato conhecimento das cargas e descargas sólidas, o volume de informações por elas geradas representaria um conjunto de aproximadamente elementos. Desse conjunto 15% se relacionaria com as características do leito, outros 15% com o escoamento propriamente dito, 45% com o transporte por suspensão ou diluição; e os restantes 25%, com o transporte de fundo Avaliação As principais conclusões sobre a rede são: Existem apenas 4 postos fluviométricos em bacias com menos de 500 km 2 e apenas 2 em bacias abaixo de 100 km 2. Não existe nenhum posto com coleta de sedimentos numa bacia menor que 500 km 2. Portanto, a maior limitação da rede hidrométrica é a falta de dados em pequenas bacias hidrográficas; Nesta bacia o leito dos rios são móveis e a necessidade de verificação da validade das curvas de descargas é fundamental, principalmente após os períodos chuvosos; Nos afluentes do rio Paraguai é necessário verificar o efeito de remanso do mesmo em períodos úmidos, já que devido a baixa declividade provavelmente este efeito ocorra em diferentes condições por extensões longas nestes afluentes, distorcendo as vazões; solo do rio Taquari é muito frágil e a produção de sedimentos por erosão é muito grande principalmente devido ao gado. Além disso, a produção de soja, que ocupa área menor também apresenta produção de sedimentos. Existe a necessidade de localização de postos fluviométricos, pluviométricos e sedimentométricos que quantifiquem estes condicionamentos; Na parte superior da bacia, onde existem isoietas com as maiores precipitações existe influência do comportamento climático da Amazônia, no entanto a cobertura de postos de precipitação é deficiente. 27

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Mesa redonda: Mudanças Climáticas (ClimateChanges) XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens Rio de Janeiro.

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Recursos Hídricos e Conservação do Alto Paraguai

Recursos Hídricos e Conservação do Alto Paraguai Recursos Hídricos e Conservação do Alto Paraguai Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Bento Gonçalves, 95 Porto Alegre-RS Carlos.Tucci@ufrgs.br

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

VISÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO DA PRATA. Carlos E. M. Tucci

VISÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO DA PRATA. Carlos E. M. Tucci GEF CIIC PNUMA OEA VISÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO DA PRATA Carlos E. M. Tucci A Visão dos Recursos Hídricos da bacia do rio da Prata se insere dentro de um programa desenvolvido no âmbito

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

MEDIDAS NECESSÁRIAS HOJE PARA PREVISÕES CONFIÁVEIS SOBRE A FUTURA DISPONIBILIDADE E QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS

MEDIDAS NECESSÁRIAS HOJE PARA PREVISÕES CONFIÁVEIS SOBRE A FUTURA DISPONIBILIDADE E QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS MEDIDAS NECESSÁRIAS HOJE PARA PREVISÕES CONFIÁVEIS SOBRE A FUTURA DISPONIBILIDADE E QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS Como prever? MODELOS MATEMÁTICOS TIPO DE USO PARA A ÁGUA Concentração admissível BACIA

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): EDVALDO DE OLIVEIRA Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Valdemir Antonio Rodrigues Luiza Zulian Pinheiro Guilherme Toledo Bacchim 4º Simpósio Internacional de Microbacias - FCA-UNESP - FEPAF- 2013. 11p. 1º Paisagem

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRASIL

HIDROGRAFIA DO BRASIL Hidrografia características gerais HIDROGRAFIA DO BRASIL Bacias hidrográficas Reflete as condições de umidade do clima do país Rica em rios,, mas pobre em lagos Predominância de rios de planalto,, favoráveis

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS.

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Aula 19: Conhecendo a hidrosfera do Brasil I CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Correção atividade sala: PG 3: Canadá, Brasil, EUA, Canadá, R.U etc... Bolívia, República do Congo, Mongólia, etc...

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DO PANTANAL

RECURSOS HÍDRICOS DO PANTANAL RECURSOS HÍDRICOS DO PANTANAL Carlos E. M. Tucci 1 Resumo -- O rio Paraguai na sua parte superior, a montante da foz do rio Apa, engloba uma das mais importantes wetlands do país que é o Pantanal. As características

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Impactos potenciais das alterações do Código Florestal

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras O Brasil possui o maior volume de água potável em estado liquido do globo. Isso se deve as suas extensas e caudalosas bacias hidrográficas. Por sua vez essas bacias devem

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL HIDROGRAFIA PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL CRISTA OU INTERFLÚVIO CRISTA OU INTERFLÚVIO VERTENTE VERTENTE MARGEM RIO MARGEM LEITO TALVEGUE IMPORTÂNCIA DOS RIOS ABASTECIMENTO TRANSPORTE NAVEGAÇÃO

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 21.1 Conteúdo Região Sudeste 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais O Brasil é atingido por : Planalto da Guianas, Cordilheira dos Andes e Planalto Brasileiro; É pobre em formações mas rico em rios; Ocorrem rios permanentes e temporários; ainda que

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

INUNDAÇÕES NO BRASIL

INUNDAÇÕES NO BRASIL INUNDAÇÕES NO BRASIL Dr. Adilson Pinheiro CEOPS Centro de Operação do Sistema de Alerta da Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí Universidade Regional de Blumenau CEOPS Bacia do Rio Itajaí ENCHENTE Processos

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra 1. o ANO ENSINO MÉDIO Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 Aula 5.1 Conteúdo Bacias Hidrográficas Brasileiras. 3 Habilidade Localizar as diferentes

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, As águas subterrâneas que formam os aqüíferos

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS Rafael dos Santos Cordeiro 1 ; Felipe de Azevedo Marques 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

Hidrografia Brasileira

Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA BRASILEIRA 1 O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes CODOMAR Companhia Docas do Maranhão AHIMOC Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A HIDROGRAFIA BRASILEIRA O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA DISA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário,

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE.

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL URBANA, MARGEM DO RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. Profa. Miriam Cleide Amorim Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus Juazeiro, BA INTRODUÇÃO

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI MONITORAMENTO AMBIENTAL 1 - Locais a serem monitorados. 1.1- Quatorze seções transversais de córregos e rios para analise de parâmetros

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Recursos Hídricos. Produtos e Equipamentos. Anexo III-d. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas

Recursos Hídricos. Produtos e Equipamentos. Anexo III-d. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Recursos Hídricos Anexo III-d Produtos e Equipamentos Síntese de Painel de Especialistas 1 Contexto A necessidade de equipamentos

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial

5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial 5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial Define-se potencial fluvial como a vazão natural anual média de um rio ou aqüífero, medida ou gerada, em sua foz ou embocadura,

Leia mais

Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nome: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Disciplina: Geografia Ano / Série: 6ª ano Professor (a):gabriel Moreira Perona Data: / / 2014 Roteiro de Recuperação Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS MERCOSUL MEIO AMBIENTE - SGT6 - Gestão de Recursos Hídricos em Bacias Compartilhadas Gisela Forattini Superintendente de Fiscalização Brasília DF setembro/2002 Bacia Amazônica

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015 Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015 Objetivos do Seminário Identificar os marcos regulatórios dos portos (marítimos, fluviais e lacustres), com o objetivo de melhorar

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

Com base nos conhecimentos sobre usinas hidrelétricas e na análise do mapa, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) para as afirmativas a seguir.

Com base nos conhecimentos sobre usinas hidrelétricas e na análise do mapa, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) para as afirmativas a seguir. Relatório do vestibular UEL Questões da Primeira Fase: Trata-se de um vestibular de elevada qualidade, com questões diversificadas nos temas trabalhados, incluindo assuntos de atualidades e com relevância

Leia mais

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água João Guimarães Dezembro/2012 60 anos Brasil 1988 32 países 3.500 funcionários

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais