Todos os agentes químicos listados estão disponíveis com exceção daqueles marcados com análise sob consulta.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Todos os agentes químicos listados estão disponíveis com exceção daqueles marcados com análise sob consulta."

Transcrição

1 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 1 OF 194 INTRODUÇÃO Todos os agentes químicos listados estão disponíveis com exceção daqueles marcados com análise sob consulta. 1. Análise sob consulta é aquela que poderá ser realizada contra a aprovação da proposta para implantação do método analítico. 2. Os agentes químicos amostrados em tubo de carvão ativo que usam o mesmo solvente para a extração podem ser amostrados e analisados juntos. Esses agentes já se encontram agrupados no método de Vapores Orgânicos Selecionados. Para totalizar o valor da análise de amostras com múltiplos agentes químicos, o 1 componente será cobrado pelo valor daquele que apresenta maior custo no resumo e o custo de cada componente adicional será de CONSULTAR 3. Os valores das análises incluem os amostradores salvo as exceções citadas em alguns resumos. Os amostradores serão fornecidos contra pedido. 4. Poderemos realizar análise em amostradores do Cliente, de marca e referência diferente daquela citada no resumo, porém não será corrigido pelo branco de meio e recuperação a menos que este serviço seja adquirido pelo solicitante e sejam fornecidos os amostradores necessários. 5. Os Brancos de Campo têm o mesmo valor da análise da amostra. 6. O prazo de retorno dos resultados é de 5 a 10 dias úteis, que depende da quantidade de amostras e da carga de trabalho dos laboratórios. 7. Atendimento em regime de urgência (de 2 a a 5 a. feira): Para retorno de resultados no próximo dia até às 17 horas, multiplicar o valor das análises por 3. Para retorno dos resultados em 72 horas multiplicar o valor das análises por 2. Para retorno dos resultados em 120 horas (5 dias), multiplicar o valor das análises por 1,5. Amostras recebidas a partir das 15 horas serão consideradas como recebidas às 8 horas do dia útil seguinte para fins de prazo de entrega. NOTAS: o prazo de retorno com urgência não inclui sábado, domingo e feriados o prazo é para a transmissão do Relatório de Análise por .

2 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 2 OF Para análise de agentes químicos cuja amostra apresenta prazo de validade inferior a 7 dias, garantimos a realização da análise dentro do prazo de validade da amostra desde entregue em nosso laboratório com pelo menos 48 horas (de 2 a a 5 a feira) antes do vencimento. Amostras recebidas em menos de 48 horas do prazo para análise serão analisadas mediante a concordância do solicitante quanto ao pagamento da taxa de urgência. 9. As análises de todas as amostras são realizadas sem custo adicional desde que recebidas em pelo menos 48 horas do prazo para análise. 10. Para determinar a duração da coleta (intervalo de tempo), verifique quais os limites de tolerância do agente químico. Limites de Tolerância TWA, coletar pelo menos 6 horas ou 75% da jornada diária de trabalho de 8 horas. Limites de tolerância STEL, TETO ou Valor Máximo, coletar amostras em intervalos de 15 minutos. Nos Resumos dos Métodos informamos o tempo de coleta em função dos respectivos Limites de Tolerância da ACGIH. 11. Nº CAS: este número é o registro ou código atribuído pelo Chemical Abstract Service número único para cada substancia química. Identifica claramente cada substancia química independentemente dos vários sinônimos e denominações comerciais que possam apresentar. Há na Internet inúmeras fontes para a obtenção do número CAS. 12. Histórico das revisões: Revisão Descrição das alterações Data 21 Inclusão do método de Chumbo Tetraetila (Nº CAS ) 11/09/ Inclusão da fração inalável no método de ensaio de Methomyl (Nº CAS ) e alterado para fração inalável o método de ensaio de Sulfato de Bário (CAS ) 19/09/ Revisão do método de Fosfina (CAS ) 24/10/ Disponibilização do Método 2-CIANOACRILATO DE METILA e 2-CIANOACRILATO DE ETILA

3 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 3 OF 194 ÍNDICE e alterado para fração inalável o método de ensaio de Sulfato de Bário (CAS )... 2 Revisão do método de Fosfina (CAS )... 2 Retirada do Método... 2 AB ACENAFTENO ACENAFTILENO ACETALDEÍDO (Nº CAS ) - descontinuado ACETALDEÍDO (DNPH) ACETATO DE AMILA ACETATO DE 2-BUTOXIETANOL (Nº CAS ) ACETATO DE MEDRÓXIPROGESTERONA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ACETATO DO ÉTER METÍLICO DO MONOPROPILENO GLICOL ACETATO DE ETILA (Nº CAS ) ACETATO DE 2-ETOXIETILA ACETATO DE ISOAMILA ACETATO DE ISOBUTILA (análise sob consulta) ACETATO DE ISOPROPILA (Nº CAS ) ACETATO DE METILA (Nº CAS ) ACETATO DE METÓXIPROPANOL ACETATO DE METIL ISOAMILA (análise sob consulta) ACETATO DE N-BUTILA ACETATO DE N-PROPILA ACETATO DE SEC-BUTILA (análise sob consulta) ACETATO DE TERC BUTILA (análise sob consulta) ACETATO DE VINILA (MONÔMERO) (Nº CAS ) ACETOFENONA (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ACETONA ACETONITRILA (Nº CAS ) ÁCIDO ACÉTICO (Nº CAS ) ÁCIDO ACRÍLICO E ÁCIDO METACRÍLICO ÁCIDO BÓRICO ÁCIDO BROMÍDRICO ÁCIDO CLORÍDRICO ÁCIDO FLUORÍDRICO ÁCIDO FÓRMICO (Nº CAS ) ÁCIDO FOSFÓRICO ÁCIDOS INORGÂNICOS ÁCIDO METACRÍLICO ÁCIDO MONOCLOROACÉTICO CAS (Sob consulta) ÁCIDO NÍTRICO ÁCIDO OXÁLICO (Nº CAS ) ÁCIDO PERACÉTICO (Nº CAS ) ÁCIDO PERCLÓRICO (íon Perclorato) (Nº CAS ) ÁCIDO PROPIÔNICO (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ÁCIDO SULFÚRICO (CAS ) ACRILAMIDA (Nº CAS ) ACRILATO DE BUTILA (Nº CAS )... 26

4 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 4 OF 194 ACRILATO DE ETILA ACRILATO DE METILA (Nº CAS ) ACTELLIC (PIRIMIFOS METIL) ACRILONITRILA (Nº CAS ) ACROLEÍNA ÁGUARRÁS ALCATRÃO DE HULHA, SUBSTÂNCIAS VOLÁTEIS SOLÚVEIS EM BENZENO como AEROSSOL (COMPOSTOS VOLÁTEIS DE PICHE DE ALCATRÃO (BETUMEM) SOLÚVEIS EM BENZENO) (Nº CAS ) ÁLCOOIS I ALCOOIS II ÁLCOOIS III ÁLCOOIS IV ÁLCOOL BENZÍLICO ÁLCOOL FURFURÍLICO (Nº CAS ) ALUMÍNIO ALDICARB (análise sob consulta) ALDRIN (CAS ) AMINAS AROMÁTICAS AMINOÁLCOOIS II - MONOETANOLAMINA (MEA) (CAS ) etrietanolamina (TEA) (CAS ) AMINOÁLCOOIS II - DIETANOLAMINA DEA (Nº CAS ) (método descontinuado para Dietanolamina) AMIDO AMÔNIA (Nº CAS ) ANIDRIDO ACÉTICO (Nº CAS ) ANIDRIDO FTÁLICO (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ANIDRIDO MALEICO (Nº CAS ) ANILINA ANTIMÔNIO e seus compostos ANTIMÔNIO HIDRETO (CAS ) - sob consulta ANTRACENO API 38 AROCLOR ARSÊNIO (e seus composto) (Nº CAS ) - Descontinuado ARSÊNIO TRIÓXIDO (Nº CAS ) ASBESTOS E OUTRAS FIBRAS (CAS vários) ASBESTOS (CAS ) ARTANE (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) AZINPHOS METHYL BÁRIO (CAS ) e compostos solúveis BENOMYL (análise sob consulta) BENZENO BENZINA BENZO[a]ANTRACENO BENZO[a]FLUORANTENO BENZO[GHI]PERILENO BENZO[a}PIRENO... 41

5 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 5 OF 194 BENZO[e]PIRENO BENZO[k]FLUORANTENO BERÍLIO (CAS ) e seus compostos BETA-ESTRADIOL ( -ESTRADIOL) (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) BISACODIL (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) BHT (CAS ) (2,6-Ditert-Butil p-cresol; Hidroxitolueno Butilado) (ANÁLISE SOB CONSULTA) BIFENIL BIFENILAS POLICLORADAS; (PCB; CLORODIFENILAS) - (descontinuado, ver OSHA PV 2088) BIFENILAS POLICLORADAS; (PCB; CLORODIFENILAS) (ANÁLISE SOB CONSULTA) BIOAEROSOIS (Microrganismos) BISFENOL (Nº CAS ) BISSULFITO DE SÓDIO BORATOS E COMPOSTOS DE BORO BROMO BROMETO DE METILA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) BROMOFÓRMIO BUTANO N-BUTANOL SEC-BUTANOL ,3 BUTADIENO (CAS ) BUTILENO GLICOL (análise sob consulta) BUTIL MERCAPTANA BUTOXIETANOL CÁDMIO (CAS ) e seus compostos CÁLCIO ÓXIDO (CAS ) CAOLIM CAPROLACTAMA (CAS ) CAPTAN CARBARYL (análise sob consulta) CARBENDAZIM CARBOFURAN CARBETO (CARBURETO) DE SILÍCIO NÃO FIBROSO (CAS ) CARVEDILOL (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) CARVÃO MINERAL (Antracitico e Betuminoso) CELULOSE CETONAS I CHLORPYRIFOS CHLORPROPHAN (análise sob consulta) CHUMBO (CAS ) e compostos inorgânicos CHUMBO TETRAETILA (Nº CAS ) CIANAMIDE DE CÁLCIO (CAS ) CIANETOS (Aerossol e Gás) CIANOACRILATO DE METILA e 2-CIANOACRILATO DE ETILA CICLOHEXANO CICLOHEXANOL CICLOHEXANONA CICLOHEXENO (análise sob consulta) CICLOHEXILAMINA (CAS )... 54

6 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 6 OF 194 CICLOPENTANO CIMENTO CLORETO DE AMONIO (Fumos) (CAS ) CLORETO DE BENZILA CLORETO DE METILA (CAS ) CLORETO DE METILENO (CAS ) CLORETO DE TIONILA (CAS ) CLORETO DE VINILA (CAS ) CLORETO DE ZINCO (CAS ) CLORIDRATO DE CLONIDINA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) CLORIDRATO DE CIPROEPTADINA (CAS ) CLORIDRATO DE FLUOXETINA (CAS ) CLORIDRATO DE DILTIAZEM (CAS ) CLORIDRATO DE PSEUDOEFEDRINA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) CLORIDRATO DE VENLAFAXINA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) CLORO (CAS ) CLORO (CAS ) CLORO (CAS ) e BROMO (CAS ) CLOROBENZENO CLOROBROMOMETANO (análise sob consulta) CLOROFÓRMIO CLORODIFENILAS COBALTO (CAS ) e compostos inorgânicos COBAMAMIDA (CAS ) e CLORIDRATO DE CIPROEPTADINA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) COBRE COMPONENTES DE EXAUSTÃO DE DIESEL COMPOSTOS CARBONÍLICOS COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS (VOC) COMPOSTOS ORGÂNICOS SEMI-VOLÁTEIS (SVOC) COMPOSTOS VOLÁTEIS DE PICHE DE ALCATRÃO (BETUMEM) SOLÚVEIS EM BENZENO (CAS ) CRESÓIS - o-cresol, p-cresol e m-cresol CRISENO CROMATO DE ESTRÔNCIO (CAS ) CROMATO DE CHUMBO (CAS ) CROMO e compostos de Cromo III CROMO HEXAVALENTE (Ácido Crômico, Cromo VI) (CAS ) CROMO HEXAVALENTE (Cromo VI) Solúvel e Insolúvel (Ver Ácido Crômico) CUMENO ,4 D (ácido 2-clorofenoxi acético) DECAMETILCICLOPENTASILOXANO (D5) DIACETIL (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) DIACETONA ÁLCOOL DIAMOX (ANÁLISE SOB CONSULTA) DIAZINON (ANÁLISE SOB CONSULTA) DIBENZO[a,h]ANTRACENO DIBUTIL FTALATO (DBP) E DIOCTIL FTALATO (Di-2-etil-hexil-ftalato; Di sec octil ftalato, DOP)... 68

7 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 7 OF 194 DDVP DICHLORVOS (DDVP) ,1 DICLORETANO o-diclorobenzeno (análise sob consulta) p-diclorobenzeno ,3-DICLOROBENZIDINA (análise sob consulta) ,2-DICLOROETANO ,1-DICLOROETANO (análise sob consulta) ,1-DICLOROETENO (CLORETO DE VINILIDENO) (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ,1-DICLORO-1-FLUORETANO (CAS ) (FREON 141B, GÁS REFRIGERANTE 141B) DICROTOPHOS (análise sob consulta) DIELDRIN (CAS ) DIESEL COMBUSTÍVEL DIETANOLAMINA (DEA) (CAS ) DIETILAMINA (S) e DIMETILAMINA DIETILENO GLICOL DIETILENOTRIAMINA, ETILENODIAMINA e TRIETILENOTETRAMINA DIFENIL DIFLUNISAL (CAS ) DIISOBUTIL CETONA (ANÁLISE SOB CONSULTA) DIISOCIANATO DE ISOFORONA (IPDI) DIMETILACETAMIDA (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) DIMETILAMINA N,N-DIMETILANILINA N,N-DIMETILCICLOHEXILAMINA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) DIMETILFORMAMIDA (CAS ) N,N-DIMETIL P-TOLUIDINA DIOXANO (1,4-Dioxano) (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) DIÓXIDO DE CARBONO (CAS ) DIÓXIDO DE CARBONO (CAS ) e MONÓXIDO DE CARBONO (CAS ) DIÓXIDO DE CLORO (CAS ) DIÓXIDO DE ENXOFRE (CAS ) DIÓXIDO DE ENXOFRE (CAS ) DIPIRONA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) DIÓXIDO DE NITROGÊNIO DIÓXIDO DE TITÂNIO (CAS ) DIQUAT (análise sob consulta) (CAS ; ; ) DI SEC-OCTILFTALATO DISSULFETO DE CARBONO (CAS ) DISULFOTON (ANÁLISE SOB CONSULTA) DIURON DOWTHERM DURSBAN ENDOSULFAN (CAS ) ENDRIN (CAS ) EPICLORIDRINA (CAS ) ESPÍRITOS MINERAIS ESTANHO (CAS ) metal, óxido e compostos inorgânicos exceto hidreto e orgânicos... 83

8 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 8 OF 194 ESTEARATOS (exceto de metais tóxicos) ÉSTERES I ESTIRENO ESTRÓGENOS CONJUGADOS ESTRÔNCIO CROMATO (CAS ) ETANOL ÉTER DE PETRÓLEO ÉTER BIS-CLOROMETÍLICO (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ÉTER BUTILICO DO DIETILENO GLICOL (BUTIL CARBITOL) - (CAS ) ÉTER DIMETÍLICO (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ÉTER ETÍLICO (CAS ) ÉTER FENÍLICO ÉTER FENÍLICO DO MONOETILENO GLICOL (ETILENO GLICOL FENIL ÉTER, DOWANOL PPH, DOWANOL EPH) - (CAS ) ÉTER METÍLICO DO DIPROPILENOGLICOL, DOWANOL PPH (CAS ) ÉTER METÍLICO DO MONOPROPILENO GLICOL e ACETATO DO ÉTER METÍLICO DO MONOPROPILENO GLICOL ETHION (S) ETHOPROP (análise sob consulta) ETILBENZENO ETILENODIAMINA ETILIDENO NORBONENO (CAS ) (análise sob consuta) ETIL MERCAPTANA ETINIL ESTRADIOL (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ETOXIETANOL FÁRMACOS FENANTRENO FENAMIPHOS (análise sob consulta) o, m e p-fenilenodiamina (CAS , e ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) FENOL (CAS ) e CRESÓIS (orto, meta e para-cresol) (CAS (mistura); ; ; ) FENOL (CAS ) e CRESÓIS (orto, meta e para-cresol) (CAS (mistura); ; ; ) FERRO ÓXIDO (Fe 2 O 3 ) (CAS ) FERRO, sais solúveis FIBRA VÍTREA SINTÉTICA (filamento contínuo) FIPRONIL (CAS ) FLUÍDO TÉRMICO FLUORANTENO FLUORENO FLUORETOS FLUORTRICLOROMETANO FONOFOS (análise sob consulta) FORMALDEÍDO em Monitor Passivo SKC (CAS ) ( SOB CONSULTA) FORMALDEÍDO (DNPH) (CAS ) - Ver nota FORMALDEÍDO (DNPH) (CAS ) FORMALDEÍDO (impinger) FORMALDEÍDO (em particulados) (CAS )... 96

9 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 9 OF 194 FORMALDEÍDO em OVM (CAS ) - Descontinuado FORMETANATE (análise sob consulta) FORMIATO DE METILA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) FOSFINA (CAS ) FOSFINA (CAS ) - Descontinuado FÓSFORO (CAS ) (sob consulta) FREON 11 (Triclorofluormetano, Fluortriclorometano) (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) FREON 12 (Diclorodifluormetano (CAS )) FREON 22 (Clorodifluormetano (CAS )) e FREON 12 (Diclorodifluormetano (CAS )) FREON 113 (1,1,2-Tricloro 1,2,2-trifluoretano, Trifluortricloroetano, Refrigerant 113, Freon TF, Frigen) (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) FREON 141B FREON TF FRIGEN FUMOS DE ASFALTO (Betume) (CAS ) FRAÇÃO SOLÚVEL EM BENZENO e PARTICULADO TOTAL FUMOS DE BORRACHA FUMOS DE CERA DE PARAFINA (CAS ) FURFURAL (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) GÁS NATURAL GASOLINA, AGUARRÁS E QUEROSENE GESTODENO (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) GLICOIS GLIFOSATO (ROUNDUP) (CAS ) GLIPSIDE (CAS ) GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) (CAS ) GLUTARALDEÍDO (DNPH) (CAS ) HALON HDI 106 HEMIMELITENO N-HEPTANO HEXACLOROBENZENO (CAS ) HEXACLOROBUTADIENO (CAS ) HEXACLOROETANO HEXAMETILENO DIISOCIANATO (HDI) N-HEXANO HEXANONA (análise sob consulta) HEXILENO GLICOL (4-Methyl-2,4-pentanediol; Pinakon) (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) HIDRAZINA (CAS ) HIDRAZINA (CAS ) -descontinuado HIDROCARBONETOS - PONTO DE EBULIÇÃO DE 36 A 126 C HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS POLINUCLEADOS HIDROCARBONETOS HALOGENADOS HIDROQUINONA (CAS ) HIDRÓXIDO DE CÁLCIO (Nº CAS ) HIDRÓXIDO DE LÍTIO (análise descontinuada) HIDRÓXIDO DE POTÁSSIO (Nº CAS )

10 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 10 OF 194 HIDRÓXIDO DE SÓDIO (Nº CAS ) HMDI (Metileno-bis-(4-ciclohexilisocianato) INDENO[1,2,3-cd]PIRENO IPDI 115 IBUPROFENO (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ISOBUTANOL IODO (Nº CAS ) ISOCIANATOS ISOCIANATOS I ISOFORONA (Nº CAS ) ISOPARAFINA ISOPENTANOL ISOPROPANOL IVERMECTINA (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) KATHON 886 (Rohm & Haas) (RH-573: 2-Methyl-4-isothiazolin-3-one e RH-651:5 (Nº CAS )- Chloro-2-methyl-4-isothiazolin-3-one) (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) LEVONORGESTREL (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) LIMONENO (d e l-cineno) (Nº CAS e ) LINDANE (BHC) (CAS ) LORAZEPAM (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) MAGNÉSIO ÓXIDO (CAS ) MALATHION MALEATO DE BROMOFENIRAMINA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) MANGANÊS (CAS ) e seus compostos inorgânicos MATERIAIS SOLÚVEIS EM CICLOHEXANO MDI 123 MEA 123 MEDICAMENTOS MELOXICAM (CAS Nº ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) MERCÚRIO (CAS ) MERCÚRIO PARTICULADO (COMPOSTOS ARÍLICOS E INORGÂNICOS) (CAS ) MESITILENO METABISSULFITO DE SÓDIO METACRILATO DE METILA (Nº CAS ) METAIS METAIS - descontinuado METALWORKING FLUIDS (ÓLEO DE CORTE DE METAIS, ÓLEO SOLÚVEL) METANOL (Nº CAS ) - descontinuado METANOL (Nº CAS ) METHAMIDOPHOS (CAS ) METHIOCARB (análise sob consulta) METHOMYL ( Nº CAS ) METHYL PARATHION (Metil Paration) METIL PARATION (CAS ) METILAL (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) METILAMINA (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) METILCICLOHEXANO METILENO DIISOCIANATO

11 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 11 OF 194 METIL, ETIL E BUTIL MERCAPTANAS METILENO-BIS-(4-CICLOHEXILISOCIANATO) (HMDI) ,4-METILENODIANILINA (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) METILENO DIFENIL ISOCIANATO METIL ETIL CETONA (Nº CAS ) METIL CICLOHEXANO METIL ESTIRENO METIL ISOBUTIL CARBINOL METIL ISOBUTIL CETONA METIL 2-PENTANOL METIL terc-butil ETER (MTBE) (Nº CAS ) METOXIETANOL METÓXIPROPANOL N-METIL 2-PIRROLIDONA (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) MEVINPHOS (E & Z) (CAS )(análise sob consulta) MICA MOLIBDÊNIO (CAS ) metal e compostos soluveis e insoluveis MONOCROTOPHOS (E & Z) MONOETANOLAMINA (MEA) (Nº CAS ) MONOETILENO GLICOL MONOISOPROPILAMINA (Nº CAS ) MONONITRATO DE ISOSSORBIDA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) MONÓXIDO DE CARBONO (Nº CAS ) MONÓXIDO DE CARBONO (Nº CAS ) MORFOLINA (Nº CAS ) MTBE NAFTA DE ALCATRÃO NAFTA DE PETRÓLEO NAFTALENO (CAS ) NAFTALENO (CAS ) (método descontinuado) NAFTALENO DIISOCIANATO NAFTAS NAFTAS (está análise será descontinuada a partir de 01/08/11 - ver método Environ IT ) NAFTA VM & P NDI (1,5-NAFTALENO DIISOCIANATO) (Nº CAS ) NEGRO DE FUMO (CARBON BLACK) (Nº CAS ) NIACIN (CAS ) NÍQUEL elementar (CAS ) e compostos inorgânicos solúveis e insoluveis p-nitroanilina (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) NITROBENZENO (Nº CAS ) n-nonano n-octano OCTAMETILCICLOTETRASILOXANO (D4) e DECAMETILCICLOPENTASILOXANO (D5) ÓLEO DE CORTE DE METAIS ÓLEO MINERAL ÓLEO SOLÚVEL OXAMYL (análise sob consulta) ÓXIDO DE CÁLCIO (Nº CAS )

12 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 12 OF 194 ÓXIDO DE ETILENO (Nº CAS ) em monitor passivo ÓXIDO DE ETILENO em OVM (Nº CAS ) - Descontinuado ÓXIDO DE ETILENO (ECD) (Nº CAS ) ÓXIDO DE ETILENO (CAS ) - Descontinuado ÓXIDO DE FERRO (CAS ) ÓXIDO DE MAGNÉSIO (CAS ) ÓXIDOS DE NITROGENIO (Óxido Nítrico (NO) CAS e Dióxido de Nitrogênio (NO 2 ) CAS ) ÓXIDO DE DIFENILA (CAS ) e BIFENIL (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ÓXIDO NÍTRICO ÓXIDO NITROSO (Nº CAS ) OXIDO DE PROPILENO (Nº CAS ) ÓXIDO DE ZINCO (Nº CAS ) OZÔNIO (CI) (Nº CAS ) PARAFINA PARATHION PARTICULADOS NÃO REGULAMENTADOS DE OUTRA FORMA - TOTAL PARTICULADOS NÃO REGULAMENTADOS DE OUTRA FORMA - RESPIRÁVEL PCB 155 PEDRA SABÃO N-PENTANO PENTANONA (análise sob consulta) PENTACLOROBENZENO (CAS Nº ) (S) PENTÓXIDO DE VANÁDIO (Nº CAS ) PERCLORETILENO PERMETHRIN (Nº CAS ) PERÓXIDO DE BENZOILA (Nº CAS ) (ANALISE SOB CONSULTA) PERÓXIDO DE METIL ETIL CETONA (Nº CAS ) PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO (Nº CAS ) PERÓXIDO DE NITROGÊNIO PESTICIDAS ORGANOFOSFORADOS PESTICIDAS ORGANONITROGENADOS PHORATE (ANÁLISE SOB CONSULTA) PIRENO PIRIDINA (Nº CAS ) PIRIMIFOS-METHYL (ACTELIC) PLATINA (CAS ) e sais solúveis POEIRAS ALCALINAS POEIRA DE ALGODÃO POEIRA DE ALGODÃO (Ver nota 2) POEIRA DE FARINHA POEIRA DE GRÃOS POEIRA INALÁVEL POEIRA INALÁVEL DE PROCESSOS DE BORRACHA E FUMOS DE BORRACHA (Materiais Solúveis em Ciclohexano) POEIRA DE MADEIRA POLIACRILATO DE SÓDIO (Nº CAS ) (Auxiliar de Absorção de Urina para Incontinência)

13 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 13 OF 194 POLICLOROBENZENOS (1, 2, 4-TRICLOROBENZENO (Nº CAS ); 1, 2, 4, 5- TETRACLOROBENZENO (CAS Nº ) (S); PENTACLOROBENZENO (CAS Nº ) (S)) PRATA (CAS ) e sais solúveis PRIMIDONA (ANÁLISE SOB CONSULTA) PRINCIPIOS ATIVOS FARMACEUTICOS (FÁRMACOS, MEDICAMENTOS, API) PROPANO N-PROPANOL PROPHAM (análise sob consulta) PROPENOL (análise sob consulta) PROPILENO GLICOL PROPYLENE GLICOL METHYL ETHER PROPYLENE GLICOL METHYL ETHER ACETATE PROPOXUR PSEUDOCUMENO QUEROSENE REFRIGERANT RAPAMICINA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) RESORCINOL (1,3-Benzenodiol) (Nº CAS ) RONNEL (análise sob consulta) SELÊNIO (CAS ) e seus compostos SÍLICA LIVRE CRISTALINA SILICATO DE CÁLCIO SOLVENTE DE BORRACHA SOLVENTE DE STODDARD SOLVENTES DE TINTAS, ADESIVOS E THINNERS SOLÚVEIS EM CICLOHEXANO SOLVESSO SUCROSE (Sacarose, açucar) SULFATO DE BÁRIO (CAS ) SULFATO DE CÁLCIO ( , , , ) SULFATO DE HIOSCIAMINA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) SULFETO DE HIDROGÊNIO (Nº CAS ) SULFETO DE HIDROGENIO (Nº CAS ) ,4,5 T (S) (ácido 2,4,5-triclorofenoxi acético) ( ) (análise sob consulta) TDI 177 TALCO TÁLIO TARTARATO DE ERGOTAMINA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) TERBUFOS (ANÁLISE SOB COSULTA) TEREBENTINA (Nº CAS ) TELURETO DE BISMUTO (CAS ) p-terc-butiltolueno TERC-BUTANOL TETRABORATO DE SÓDIO TETRACLORETILENO TETRAETILENO GLICOL (análise sob consulta) TETRACLORETO DE CARBONO , 2, 4, 5-TETRACLOROBENZENO (CAS Nº ) (S)

14 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 14 OF 194 TETRACLOROETANO 1,1,2,2 (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) TETRAHIDROFURANO (Nº CAS ) THIOBENCARB (análise sob consulta) TIANFENICOL (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) TIGECICLINA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) TITÂNIO DIÓXIDO (CAS ) TOLUENO TOLUENODIAMINAS TOLUENO DIISOCIANATO TOLUIDINA-o TRIBUTILFOSFATO (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) TRICHLORFON (sob consulta) TRICLORETILENO (Metil Clorofórmio) (Nº CAS ) TRICLORETO DE FÓSFORO (Nº CAS ) ,1,1 TRICLOROETANO ,1,2 TRICLOROETANO TRICLOROPROPANO (análise sob consulta) TRICLOROTRIFLUORETANO TRIETANOLAMINA TRIETILAMINA (Nº CAS ), TRIMETILAMINA (Nº CAS ) (sob consulta) TRIETILENO GLICOL TRIETILENOTETRAMINA (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) TRIETILENOTETRAMINA TRIMEGESTONA (ANÁLISE SOB CONSULTA) TRIMETILBENZENO e Isômeros (Nº CAS ) ,2,4-TRIMETILBENZENO ,2,3-TRIMETILBENZENO ,3,5-TRIMETILBENZENO TRICLOROFLUORMETANO TRIETILENOTETRAMINA (análise sob consulta) TRIFENILFOSFATO TUNGSTÊNIO (CAS ), metal, compostos solúveis e insolúveis UNDECANO (análise sob consulta) VANÁDIO PENTÓXIDO (Nº CAS ) VAPORES ORGÂNICOS VAPORES ORGÂNICOS SELECIONADOS VINILTOLUENO XILENO ,4-XILIDINA (análise sob consulta) WARFARIN (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) ZINCO CROMATO (CAS , ; ) ZINCO ÓXIDO (CAS )

15 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 15 OF 194 AB-9 Ver Naftas ACENAFTENO Ver Hidrocarbonetos Aromáticos Polinucleados ACENAFTILENO Ver Hidrocarbonetos Aromáticos Polinucleados ACETALDEÍDO (Nº CAS ) - descontinuado Método NIOSH Cromatografia de Gás com Detector de Ionização de Chama Amostrador: tubo de resina XAD-2 com Piperidina de 120/60 mg referência SKC (Manter sob refrigeração enquanto não efetuar a amostragem) Descontinuamos o uso deste método. A análise pode ser realizada pelo método EPA 8315/EPA 0011 Compostos Carbonílicos em Ar Interior ou Fontes Estacionárias. Ver a seguir. ACETALDEÍDO (DNPH) Ver Compostos Carbonílicos ACETATO DE AMILA Ver Ésteres I Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE 2-BUTOXIETANOL (Nº CAS ) Método OSHA 83 - (Environ IT Vapores Orgânicos Selecionados - Determinação no Ar Atmosférico) Amostrador: tubo de carvão ativode100/50 mg referência SKC Solvente: Dissulfeto de Carbono com 5% de Dimetilformamida Vazão de amostragem: de 0,01 a 0,2 L/min Volume de ar amostrado: máximo de 48 L Brancos de Campo recomendados: 10% do n de amostras Condicionamento para transporte: sob refrigeração

16 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 16 OF 194 Estabilidade: 15 dias a temperatura de 0 C ou inferior Limite de quantificação: 9µg Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE MEDRÓXIPROGESTERONA (CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) Método: Clayton G. S. Inc. sem número - HPLC - Cromatografia Líquida de Alta Resoluçao com Detector de UV Solvente: Solução de acetonitrila e água Amostrador: cassete de polipropileno de 25 mm, referencia SKC , com filtro de PTFE com porosidade de 1 µm, referência SKC Vazão de amostragem: 2 L/min Volume de ar amostrado: 960 L Tempo de coleta: TWA 8 h Brancos de Campo recomendados: 10% do n de amostras Condicionamento para transporte: sob refrigeração Estabilidade: não estabelecida Limite de quantificação: 0,001 µg ACETATO DO ÉTER METÍLICO DO MONOPROPILENO GLICOL Ver éter Metílico do Monopropileno Glicol Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE ETILA (Nº CAS ) Método NIOSH (Environ IT Vapores Orgânicos Selecionados - Determinação no Ar Atmosférico) Amostrador: tubo de carvão ativode100/50 mg referência SKC Solvente: Dissulfeto de Carbono com 5% de Dimetilformamida Vazão de amostragem: de a 0,01 a 0,2 L/min Volume de ar amostrado: máximo de 10 L Brancos de Campo recomendados: 10% do n de amostras Condicionamento para transporte: sob refrigeração

17 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 17 OF 194 Estabilidade: 12 dias a 5 C (conforme determinado pela Environ) Valor da análise (amostrador incluso): com tubo 100/50 mg - CONSULTAR; com tubo 400/200 mg CONSULTAR Alternativo: com monitor passivo: CONSULTAR (amostrador incluso) Limite de quantificação: 7µg. Para obter o limite de quantificação para OVM, multiplicar o limite em tubo por 1,5 Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE 2-ETOXIETILA Ver Ésteres I Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE ISOAMILA Ver Ésteres I Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE ISOBUTILA (análise sob consulta) Ver Ésteres I Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE ISOPROPILA (Nº CAS ) Método NIOSH (Environ IT Vapores Orgânicos Selecionados - Determinação no Ar Atmosférico) Amostrador: tubo de carvão ativode100/50 mg referência SKC Solvente: Dissulfeto de Carbono com 5% de Dimetilformamida Amostrador: tubo de carvão ativo de 100/50 mg referência SKC Solvente: Dissulfeto de Carbono Vazão de amostragem: de 0,01 a 0,2 L/min Volume de ar amostrado: mínimo de 0,1 L a 250 ppm e máximo de 9 L ; STEL 15 minutos Brancos de Campo recomendados: 10% do n de amostras Estabilidade: não determinado

18 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 18 OF 194 Alternativo: com monitor passivo: CONSULTAR (amostrador incluso) Limite de quantificação: 8µg. Para obter o limite de quantificação para OVM, multiplicar o limite em tubo por 1,5. Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE METILA (Nº CAS ) Método NIOSH (Environ IT Vapores Orgânicos Selecionados - Determinação no Ar Atmosférico) Amostrador: tubo de carvão ativo de100/50 mg referência SKC Solvente: Dissulfeto de Carbono com 5% de Dimetilformamida Vazão de amostragem: de 0,01L a 0,2 L/min Volume de ar amostrado: mínimo 0,2 L a 200 ppm e máximo de 10 L ; STEL 15 minutos Brancos de Campo recomendados: 10% do n de amostras Estabilidade: 6 dias a 5 º C Alternativo: com monitor passivo (3520): CONSULTAR (amostrador incluso) Limite de quantificação: 10µg. Para obter o limite de quantificação para OVM, multiplicar o limite em tubo por 1,5 Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE METÓXIPROPANOL Ver Éter Metílico do Monopropileno Glicol Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE METIL ISOAMILA (análise sob consulta) Ver Ésteres I Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE N-BUTILA Ver Ésteres I Ver Vapores Orgânicos Selecionados

19 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 19 OF 194 ACETATO DE N-PROPILA Ver Ésteres I ACETATO DE SEC-BUTILA (análise sob consulta) Ver Ésteres I Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE TERC BUTILA (análise sob consulta) Ver Ésteres I Ver Vapores Orgânicos Selecionados ACETATO DE VINILA (MONÔMERO) (Nº CAS ) Método NIOSH Cromatografia de Gás com Detector de Ionização de Chama Amostrador: peneiras moleculares de carvão de 160/80 mg, Supelco referencia ou referencia SKC com 150/75 mg Solvente: 5% de Metanol em Cloreto de Metileno Vazão de amostragem: de 0,1 a 0,2 L/min Volume de amostragem: mínimo de 1 L e máximo de 24 L ; STEL 15 minutos Brancos de Campo recomendados: 10% do n de amostras Estabilidade: 30 dias Alternativo: com monitor passivo: CONSULTAR (amostrador incluso) Limite de quantificação: 5 µg. Para obter o limite de quantificação para OVM, multiplicar o limite em tubo por 1,5. ACETOFENONA (Nº CAS ) (ANÁLISE SOB CONSULTA) Método OSHA PV 2003 (parcialmente validado) - Cromatografia de Gás com Detector de Ionização de Chama Amostrador: tubo de Tenax GC de 100/50 mg referência SKC Solvente: 5% de Isopropanol e Dissulfeto de Carbono Vazão de amostragem: máxima de 0,2 L/min Volume de ar amostrado: máximo de 12 L

20 OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD REV.24 PAGE 20 OF 194 Branco de Campo recomendado: 10% do número de amostras Condicionamento para transporte: não estabelecido Estabilidade: não determinada Valor da análise da amostra: CONSULTAR Limite de quantificação: 3µg ACETONA Ver cetonas. ACETONITRILA (Nº CAS ) Método NIOSH Cromatografia de Gás com Detector de Ionização de Chama Amostrador: tubo de carvão ativo de 400/200 mg referência SKC Solvente: 5% de Metanol em Cloreto de Metileno Vazão de amostragem: de 0,01 a 0,2 L/min Volume de ar amostrado: mínimo de 3 L a 70 mg/m 3 e máximo de 25 L Brancos de Campo recomendados: 10% do n de amostras Estabilidade: não determinada Alternativo: com monitor passivo (3520): CONSULTAR (amostrador incluso) Limite de quantificação: 1µg. Para obter o limite de quantificação para OVM, multiplicar o limite em tubo por 1,5. ÁCIDO ACÉTICO (Nº CAS ) Método NIOSH Cromatografia de Gás com Detector de Ionização de Chama Amostrador: tubo de carvão ativo de 100/50 mg referência SKC Solvente: Ácido Fórmico Vazão de amostragem: 0,01 a 1,0 L/min Volume de ar amostrado: mínimo de 15 L e máximo de 300 L ; STEL 15 minutos

Determinação de Fumos de Asfalto por Gravimetria NIOSH 5042:1998

Determinação de Fumos de Asfalto por Gravimetria NIOSH 5042:1998 ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 18 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SOLUTECH COMÉRCIO E SERVIÇOS DE ANÁLISES QUÍMICAS

Leia mais

1. Todos os agentes químicos listados estão disponíveis com exceção daqueles marcados com análise sob consulta.

1. Todos os agentes químicos listados estão disponíveis com exceção daqueles marcados com análise sob consulta. OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD.10-04 REV.16 PAGE 1 OF 193 INTRODUÇÃO 1. Todos os agentes químicos listados estão disponíveis com exceção daqueles marcados com análise sob consulta. 2. Análise sob consulta é aquela

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 11

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 11 NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 11 AGENTES QUÍMICOS CUJA INSALUBRIDADE É CARACTERIZADA POR LIMITE DE TOLERÂNCIA E INSPEÇÃO NO LOCAL DE TRABALHO 1. Nas atividades ou operações nas quais

Leia mais

BORRACHA NATURAL BORRACHA NITRÍLICA # QUÍMICO NEOPRENE PVA PVC. 1 1,1,1 Tricloro etano 2 1,2 Ácido etileno dicarboxílico

BORRACHA NATURAL BORRACHA NITRÍLICA # QUÍMICO NEOPRENE PVA PVC. 1 1,1,1 Tricloro etano 2 1,2 Ácido etileno dicarboxílico COMO UTILIZAR A TABELA QUÍMICA Localize o produto químico do qual você precisa de proteção. Siga a linha horizontal e selecione a coluna com o melhor desempenho nos testes. UTILIZE A LEGENDA VERDE: a luva

Leia mais

ANEXO I LISTA I ADENDO

ANEXO I LISTA I ADENDO ANEXO I LISTA I 1. ÁCIDO N-ACETILANTRANÍLICO (1) 2. ÁCIDO ANTRANÍLICO (1) 3. ÁCIDO FENILACÉTICO (1) 4. ÁCIDO LISÉRGICO 5. ANIDRIDO PROPIÔNICO 6. CLORETO DE ETILA 7. EFEDRINA (1) 8. ERGOMETRINA (1) 9. ERGOTAMINA

Leia mais

Comissão Institucional de Resíduos Químicos e Biológicos TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS

Comissão Institucional de Resíduos Químicos e Biológicos TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS Ácidos inorgânicos 1 1 Ácidos inorgânicos Ácidos orgânicos 2 X 2 Ácidos orgânicos Bases 3 X X 3 Bases Aminas 4 X X 4 Aminas Compostos halogenados 5

Leia mais

Papelões Hidráulicos NA1060 NA1092. NA1085 Tabela de Compatibilidade Química - Papelões Hidráulicos

Papelões Hidráulicos NA1060 NA1092. NA1085 Tabela de Compatibilidade Química - Papelões Hidráulicos Papelões Hidráulicos NA11 NA192 NA12 NA14 NA1M NA16 NA185 Tabela de Compatibilidade Química - Papelões Hidráulicos Os papelões hidráulicos são indicados para fabricação de juntas de vedação nos mais variados

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

Fibra de Carbono e NBR. Condições de Fornecimento: Norma atendida: ASTM F104 713130E43-M5. Temperatura Limite ( 0 C) Máxima: 400 / Normal: 240

Fibra de Carbono e NBR. Condições de Fornecimento: Norma atendida: ASTM F104 713130E43-M5. Temperatura Limite ( 0 C) Máxima: 400 / Normal: 240 D E IS E N T O S A M N I A O T NA1100 Fibra de Carbono e NBR descrição / Aplicações: NA1100 é um papelão hidráulico contendo fibra de carbono e grafite, cargas reforçantes e outros materiais ligados com

Leia mais

IVPU-Z IBIRÁ é fabricada em poliuretano com reforço de espiral em aço zincado. Possui alta flexibilidade, ótima resistância à abrasão.

IVPU-Z IBIRÁ é fabricada em poliuretano com reforço de espiral em aço zincado. Possui alta flexibilidade, ótima resistância à abrasão. VU-Z vácuo-ar 100% U Ficha Técnica Edição 00-08/05/015 VU-Z BRÁ VU-Z BRÁ Mangueira 100% U Descrição dos produtos Campos de Aplicação Dados do produto Metodologias Utilizadas: VU-Z BRÁ é fabricada em poliuretano

Leia mais

POLIETILENO ANTI-CHAMA

POLIETILENO ANTI-CHAMA POLIETILENO ANTI-CHAMA TUBO DE POLIETILENO ANTI-CHAMA MATERIAL Polietileno de baixa densidade auto-extinguível APLICAÇÕES Linhas para condução de gases e líquidos. Linhas que necessitam de materiais que

Leia mais

PLANILHA - CPEA MS. Parâmetros. Resultado da Amostra 60422/2012. Resultado da duplicata 60424/2012 DPR (%)

PLANILHA - CPEA MS. Parâmetros. Resultado da Amostra 60422/2012. Resultado da duplicata 60424/2012 DPR (%) PLANILHA - CPEA MS Parâmetros Amostra 60422/2012 duplicata 60424/2012 DPR (%) 1,1-Dicloroeteno < 0,001 < 0,001 0 Spike adicionado (VOC) 1,2,3-Triclorobenzeno < 1 < 1 0 Spike adicionado (SVOC) 1,2,4-Triclorobenzeno

Leia mais

Dispensette S NOVO! Dispensador para frascos. A nova geração! n Novo tubo de dosificação. n Novo sistema de válvulas. n Iniciação rápida

Dispensette S NOVO! Dispensador para frascos. A nova geração! n Novo tubo de dosificação. n Novo sistema de válvulas. n Iniciação rápida A nova geração! Dispensette S Dispensador para frascos F I R S T C L A S S B R A N D Idéias inovadoras com tecnologia reconhecida o novo dispensador para frascos. n Novo tubo de dosificação com ou sem

Leia mais

Tabela de Resistência Química de compostos de PVC

Tabela de Resistência Química de compostos de PVC Tabela de Resistência Química de compostos de VC ignificado dos símbolos que denotam o desempenho do composto: : Resistência química satisfatória; : Ataque ou absorção parcial. A resistência pode ser considerada

Leia mais

GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR DETECTOR DE GÁS MERIDIAN

GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR DETECTOR DE GÁS MERIDIAN GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR DETECTOR DE GÁS MERIDIAN ÍNDICE GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR MERIDIAN SENSORES PARA GASES COMBUSTÍVEIS 3 Sensor de gás combustível por oxidação catalítica 4 Fatores

Leia mais

METODOLOGIA DE ANÁLISES QUÍMICAS AMBIENTAIS

METODOLOGIA DE ANÁLISES QUÍMICAS AMBIENTAIS AMÔNIA EM FONTES ESTACIONÁRIAS... 2 CLORETO DE HIDROGÊNIO (ÁCIDO CLORÍDRICO) E CLORO EM FONTES ESTACIONÁRIAS... 2 COMPOSTOS ORGÂNICOS SEMIVOLÁTEIS (SVOC) EM FONTES ESTACIONÁRIAS... 3 COMPOSTOS ORGÂNICOS

Leia mais

MANUAL de SEGURANÇA. REGRAS BÁSICAS Em LABORATÓRIO

MANUAL de SEGURANÇA. REGRAS BÁSICAS Em LABORATÓRIO MANUAL de SEGURANÇA e REGRAS BÁSICAS Em LABORATÓRIO PRINCIPAIS REGRAS DE SEGURANÇA NOS LABORATÓRIOS 1. Usar sempre óculos de segurança no local de trabalho 2. Fornecer óculos de segurança a todos os visitantes

Leia mais

Manual de Segurança do Laboratório de Química

Manual de Segurança do Laboratório de Química Manual de Segurança do Laboratório de Química Universidade Federal do Pampa Campus Caçapava do Sul 1 INTRODUÇÃO O Manual de Segurança do Laboratório de Química foi elaborado com o objetivo de fornecer

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 141 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS / CENTRO DE METROLOGIA EM QUÍMICA PETRÓLEO, DERIVADOS, GÁS NATURAL, ÁLCOOL, COMBUSTÍVEIS

Leia mais

RESPIRADOR 3M SÉRIE 7500 Peça Semi Facial C.A. 12011

RESPIRADOR 3M SÉRIE 7500 Peça Semi Facial C.A. 12011 RESPIRADOR 3M SÉRIE 7500 Peça Semi Facial C.A. 12011 COMPOSIÇÃO: Os respiradores da série 7500, são respiradores do tipo peça semifacial filtradora que operam com filtros duplos. O corpo do respirador

Leia mais

CIRCULAR nº 8/2009. 1. Política de acreditação para actividades de amostragem. Assunto: Acreditação de actividades de amostragem

CIRCULAR nº 8/2009. 1. Política de acreditação para actividades de amostragem. Assunto: Acreditação de actividades de amostragem PORTUGUESE ACCREDITATION INSTITUTE Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 20 Fax +35.22 948 202 acredita@ipac.pt www.ipac.pt CIRCULAR nº 8/2009 Assunto: Acreditação de actividades

Leia mais

1. A melhor maneira de separar os componentes da mistura de água e gasolina é: a) Destilação fracionada b) Evaporação c) Destilação simples

1. A melhor maneira de separar os componentes da mistura de água e gasolina é: a) Destilação fracionada b) Evaporação c) Destilação simples 1º ANO ABC 1. A melhor maneira de separar os componentes da mistura de água e gasolina é: a) Destilação fracionada b) Evaporação c) Destilação simples d) Decantação e) Filtração da água 2. Explique um

Leia mais

Descontaminação dos Equipamentos Envolvidos em Emergência Química

Descontaminação dos Equipamentos Envolvidos em Emergência Química Descontaminação dos Equipamentos Envolvidos em Emergência Química 1. Introdução Os técnicos envolvidos no atendimento a acidentes com produtos químicos podem se contaminar de diversas maneiras: através

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA E NORMAS DE SEGURANÇA

MANUAL DE CONDUTA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA E NORMAS DE SEGURANÇA MANUAL DE CONDUTA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA E NORMAS DE SEGURANÇA Manual Elaborado por: José Maurício M. Pires. Bacharel em Química pela UFV, Licenciado em Química pela Unifran. MSc em Geoquímica Ambiental

Leia mais

Manual e regras básicas de segurança para os laboratórios de ensino do Curso de Engenharia Ambiental

Manual e regras básicas de segurança para os laboratórios de ensino do Curso de Engenharia Ambiental Manual e regras básicas de segurança para os laboratórios de ensino do Curso de Engenharia Ambiental Telefones de emergência: Bombeiros 193 ou 3711-2323 Vigilância 7618 ou 7400 SIS (Serviço Integrado de

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE FÍSICA E QUÍMICA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE FÍSICA E QUÍMICA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE FÍSICA E QUÍMICA 1. INTRODUÇÃO As partes práticas das disciplinas química geral e Física I são executadas no laboratório e têm como finalidade desenvolver

Leia mais

RESPIRADOR 3M SÉRIE 6500QL Peça Semi Facial C.A. 33863

RESPIRADOR 3M SÉRIE 6500QL Peça Semi Facial C.A. 33863 RESPIRADOR 3M SÉRIE 6500QL Peça Semi Facial C.A. 33863 COMPOSIÇÃO: Os respiradores da série 6500QL são respiradores do tipo peça semifacial filtradora que operam com filtros duplos. O corpo do respirador

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATU 44033/13-14-A Versão 02 Alumínio dissolvido 0,03 mg Al/L Espectrofotométrico / 03/07/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Clorofórmio 7,59 µg/l GC-MS/Headspace / EPA - 09/08/13

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 11 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SENAI/CETEPO CENTRO TECNOLÓGICO DE POLÍMEROS LABORATÓRIO

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1/22 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BIOAGRI AMBIENTAL LTDA ACREDITAÇÃO N Determinação de metais totais por espectrometria de emissão atômica com fonte de plasma

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO POLICARBONATO ALVEOLAR

BOLETIM TÉCNICO POLICARBONATO ALVEOLAR BOLETIM TÉCNICO POLICARBONATO ALVEOLAR Apresentação Sobre Policarbonato Policarbonato é um termoplástico de engenharia muito conhecido por ser transparente como vidro e resistente como o aço, derivado

Leia mais

Classifique seu Resíduo Laboratorial

Classifique seu Resíduo Laboratorial Normas para Coleta, Tratamento e Armazenagem de Resíduos Químicos da UFPR 1) Classifique o resíduo laboratorial de acordo com a Tabela 1. 2) As classes de resíduos químicos e os seus tratamentos estão

Leia mais

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Tabela de incompatibilidade entre produtos 2 Aplicação B - Programa de matérias 3 Referências normativas e bibliográficas

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP UFMG/PRA/DGA-PGRQ/AC 01/2014. Acondicionamento de Resíduos Químicos das Unidades Geradoras.

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP UFMG/PRA/DGA-PGRQ/AC 01/2014. Acondicionamento de Resíduos Químicos das Unidades Geradoras. Página 2 de 18 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2 RESULTADOS ESPERADOS... 3 3 APLICAÇÃO E RESPONSABILIDADES... 3 4 RECURSOS NECESSÁRIOS... 4 5 DEFINIÇÕES... 4 6 PROCEDIMENTOS... 5 6.1 Procedimentos Gerais... 5

Leia mais

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas ANEXO A - Tabela de incompatibilidade entre produtos B - Programa de matérias

Leia mais

caso especial de micelas:= microfase/pseudofase/fase microdispersa/fase pseudo-estacionária

caso especial de micelas:= microfase/pseudofase/fase microdispersa/fase pseudo-estacionária Cromatografia Separação de solutos de uma solução por diferenças de coeficientes de partição Princípio: partição de um soluto entre duas fases sendo uma sólida ou estacionária e outra móvel, líquida ou

Leia mais

INOVAÇÃO EM MANGUEIRAS INDUSTRIAIS

INOVAÇÃO EM MANGUEIRAS INDUSTRIAIS INOVAÇÃO EM MANGUEIRAS INDUSTRIAIS MANGUEIRAS INDUSTRIAIS SÃO NOSSO NEGÓCIO O DESENVOLVIMENTO, A PRODUÇÃO E AS VENDAS Reconhecida por seus clientes como uma fornecedora de soluções, a CSM conquistou a

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Água tratada Tipo de água Parâmetro VMP (1) Água para consumo humano Escherichia coli (2) Ausência em 100 ml Na saída do tratamento Coliformes

Leia mais

SEDQ/CGPRE Setor de Repressão aos Desvios de Produtos Químicos. Insumos Químicos e Drogas Sintéticas

SEDQ/CGPRE Setor de Repressão aos Desvios de Produtos Químicos. Insumos Químicos e Drogas Sintéticas Insumos Químicos e Drogas Sintéticas Sumário 1- Conceitos Técnicos 1.1 - Ácidos e Bases 1.2 Solventes 2- Anfetamínicos 2.1 Metanfetamina 3- Ecstasy (Safrol) 4- LSD (Ergina) 1.1 Ácidos e Bases * A reação

Leia mais

Absorventes para Líquidos Agressivos - LINHA VERDE São indicados para derramamentos e contenções de ácidos, bases, tóxicos e produtos desconhecidos.

Absorventes para Líquidos Agressivos - LINHA VERDE São indicados para derramamentos e contenções de ácidos, bases, tóxicos e produtos desconhecidos. Saiba mais sobre Absorventes Industriais Ambclean Para o melhor custo benefício, é muito importante a escolha correta dos absorventes industriais a serem utilizados em sua empresa. A escolha da linha de

Leia mais

TUBOS DE DETECÇÃO COLORIMÉTRICOS E BOMBA KWIK-DRAW

TUBOS DE DETECÇÃO COLORIMÉTRICOS E BOMBA KWIK-DRAW TUBOS DE DETECÇÃO COLORIMÉTRICOS E BOMBA KWIK-DRAW Características: Rápido e de fácil uso. Um método confiável de verificar a presença de mais de 150 tipos de gases e vapores. As bombas Kwik-Draw oferecem

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATT01 202073/13-14-A Versão 03 Alumínio dissolvido 0,02 mg Al/L Espectrofotométrico / 20/08/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Condutividade 95,3 µs/cm Condutimétrico / SMEWW - 20/08/13

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 3º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Propor e explicar procedimentos padrão

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

Avaliação Ambiental e Limites de Tolerância

Avaliação Ambiental e Limites de Tolerância MARCOS DOMINGOS DA SILVA M.Sc., Higienista Ocupacional Certificado [HOC] Presidente da ABHO [2006-2009] Tecnologista Sr. da Fundacentro SP Setembro de 2006 MDS 1 Os dados, informações, comentários e imagens

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alcalinidade - Método Titulométrico LQ: 0,2 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alcalinidade - Método Titulométrico LQ: 0,2 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 53 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SGS ENVIRON LTDA ENSAIOS QUÍMICOS ÁGUA BRUTA, TRATADA,

Leia mais

Pisos em Epóxi. Autonivelante ST multiuso. Descrição geral. Vantagens. Aplicações

Pisos em Epóxi. Autonivelante ST multiuso. Descrição geral. Vantagens. Aplicações Pisos em Epóxi Autonivelante ST multiuso Descrição geral Nossas soluções em epóxi 100% sólidos são excelentes alternativas para uso em áreas secas de processamento, onde a estética diferenciada é necessária.

Leia mais

NR-15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES (115.000-6) 15.1 São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem:

NR-15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES (115.000-6) 15.1 São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem: NR-15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES (115.000-6) 15.1 São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem: 15.1.1 Acima dos limites de tolerância previstos nos Anexos n.ºs 1, 2,

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0511-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0511-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, -5º 89-53 CAPARICA Portugal Tel +35. 948 0 Fax +35. 948 0 Anexo Técnico de Acreditação Nº L05- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo a norma

Leia mais

Mangueiras PVC Catálogo Técnico. A Tecnologia Européia

Mangueiras PVC Catálogo Técnico. A Tecnologia Européia Mangueiras PVC Catálogo Técnico A Tecnologia Européia Mangueiras de PVC Balflex Balflex Brasil Ltda É UMA EMPRESA CERTIFICADA NBR ISO 9001:2008 Certificações Balflex : Balflex Membro de : (P) PVC 2 Balflex

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Análise de Álcoois Superiores, Acetaldeído, Acetato de Etila, Furfural e Contaminantes Orgânicos por Cromatografia Gasosa

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Análise de Álcoois Superiores, Acetaldeído, Acetato de Etila, Furfural e Contaminantes Orgânicos por Cromatografia Gasosa Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Zelita de Oliveira Lopes Brasil Colaboradora Análise crítica: Francisco Jairo R. Fonseca RT Substituto Aprovação: Francisco Jairo R. Fonseca RT Substituto

Leia mais

INÁCIO AFONSO KROETZ

INÁCIO AFONSO KROETZ FOOD INTELLIGENCE Nome Empresarial: FOOD INTELLIGENCE CONSULTORIA EM ALIMENTOS S/S LTDA. CNPJ: 03.627.116/0001-43 Endereço: Rua Pássaro e Flores, nº. 141 Bairro: Brooklin CEP: 04704-000 Cidade: São Paulo-SP

Leia mais

Química D Extensivo V. 3

Química D Extensivo V. 3 Química D Extensivo V. 3 Exercícios 01) Alternativa correta: A 5 4 3 2 1 CH 3 CH 2 CH CH CH 2 OH CH 3 CH 3 metil metil 02) Alternativa correta: D 8 7 6 5 4 3 2 1 CH 3 C = CH CH 2 CH 2 CH CH 2 CH 2 OH CH

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Metais por Espectrometria de Absorção Atômica AA

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Metais por Espectrometria de Absorção Atômica AA ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 51 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ECO SYSTEM PRESERVAÇÃO DO LTDA. SOLOS ESEDIMENTOS

Leia mais

Descrição geral. Vantagens. Aplicações BOLETIM TÉCNICO. Autonivelante Saturado Flexível. www.miaki.com.br Página 1

Descrição geral. Vantagens. Aplicações BOLETIM TÉCNICO. Autonivelante Saturado Flexível. www.miaki.com.br Página 1 BOLETIM TÉCNICO Pisos em MMA Áreas internas e externas Autonivelante Saturado Flexível Revisão: fevereiro/2011. Descrição geral Resina metacrílica de cura rápida usada para formular revestimentos de pisos,

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio Antônio

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE

SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO SABESP BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA CONSULTIVA MA O/201 SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE DEPARTAMENTO DE VALORAÇÃO PARA

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 13 AGENTES QUÍMICOS

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 13 AGENTES QUÍMICOS NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 13 AGENTES QUÍMICOS 1. Relação das atividades e operações envolvendo agentes químicos, consideradas, insalubres em decorrência de inspeção realizada

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO FASES DA HIGIENE DO TRABALHO:

HIGIENE DO TRABALHO FASES DA HIGIENE DO TRABALHO: Conceitos: Higiene Ocupacional ou industrial ou do trabalho é uma técnica preventiva que atua na exposição do trabalhador a um ambiente agressivo com o objetivo de evitar doenças profissionais; DEFINIÇÃO:

Leia mais

QUÍMICA ORGÂNICA Teoria Geral

QUÍMICA ORGÂNICA Teoria Geral QUÍMICA RGÂNICA Teoria Geral Tipos de Carbono Dependendo do número de ligações que o átomo de carbono faz com outros carbonos, podemos classificá-los como:! rimário: ligado diretamente a, no máximo, um

Leia mais

Tubo PA Advanced Uma excelente alternativa para o Poliamida Semi-Rigida

Tubo PA Advanced Uma excelente alternativa para o Poliamida Semi-Rigida Tubo PA Advanced Uma excelente alternativa para o Poliamida Semi-Rigida aerospace climate control electromechanical filtration fluid & gas handling hydraulics pneumatics process control sealing & shielding

Leia mais

DECRETO n.º 3.048, de 06 de Maio de 1999

DECRETO n.º 3.048, de 06 de Maio de 1999 DECRETO n.º 3.048, de 06 de Maio de 1999 REGULAMENTO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL ANEXO IV CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES NOCIVOS CÓDIGO AGENTE NOCIVO TEMPO DE EXPOSIÇÃO AGENTES QUÍMICOS O que determina o benefício

Leia mais

NORMA COGERE - RQ01/2007 ROTULAGEM, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS

NORMA COGERE - RQ01/2007 ROTULAGEM, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PREFEITURA DO CAMPUS DIVISÃO AMBIENTAL COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NORMA COGERE - RQ01/2007 ROTULAGEM, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS 1. Classificação

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA E NORMAS DE SEGURANÇA

MANUAL DE CONDUTA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA E NORMAS DE SEGURANÇA Ciências Biológicas: Autorizado pela Portaria nº 23 de 10/01/2007 Mantida pela A.E.S.P. Av. Presidente Vargas, 725 Centro Tel.: (67)3437-3804 Ponta Porã MS Home Page: www.magsul-ms.com.br E-mail: magsul@terra.com.br

Leia mais

Pisos em PU-KRETE. Espatulado. Descrição geral. Vantagens. Aplicações. Padarias Armazéns Centros de distribuição

Pisos em PU-KRETE. Espatulado. Descrição geral. Vantagens. Aplicações. Padarias Armazéns Centros de distribuição Pisos em PU-KRETE Espatulado Descrição geral Padarias Armazéns Centros de distribuição Vantagens Uma linha de soluções desenvolvida em poliuretano cimentício, que alia extrema resistência mecânica e térmica.

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 13 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SENAI/CETEPO CENTRO TECNOLÓGICO DE POLÍMEROS LABORATÓRIO

Leia mais

Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Professora: Sabrina Cunha da Fonseca A presença de substâncias químicas nos ambiente de trabalho possibilita a exposição dos trabalhadores a estes produtos. Ocorrendo a exposição, o agente químico poderá

Leia mais

CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID GRUPO PRAZO DE ENTREGA CLASS FISCAL EX CV FD

CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID GRUPO PRAZO DE ENTREGA CLASS FISCAL EX CV FD 1004000017 ACETATO DE CALCIO H2O PA 25G FR PRODUTOS PA 05 DIAS 2915.29.00 N N N 1004000018 ACETATO DE CALCIO H2O PA 500G FR PRODUTOS PA 05 DIAS 2915.29.00 N N N 1004000023 ACETATO DE CHUMBO II NEUTRO (3H2O)

Leia mais

PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914)

PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914) PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914) MS 518 MS 2914 TIPO DE ÁGUA PARÂMETRO VMP (1) TIPO DE ÁGUA PARÂMETRO VMP (1) ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

Leia mais

(Segregação, Armazenamento e Rotulagem)

(Segregação, Armazenamento e Rotulagem) 680È5,2 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. RESPONSABILIDADE 4. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 5. DEFINIÇÕES 6. CONDIÇÕES GERAIS PARA ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS 7. CONDIÇÕES GERAIS PARA SEGREGAÇÃO

Leia mais

ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL

ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL "A gestão do resíduo constitui parte integrante do seu ciclo de vida, sendo da responsabilidade do respetivo produtor. (Decreto Lei n.º 178/2006 de 5

Leia mais

ALUMELT Indústria de Metais Ltda.

ALUMELT Indústria de Metais Ltda. Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Pó de alumínio atomizado. Código interno de identificação do produto: ALU-100 / ALU-102 / ALU- 203 / ALU-300 Nome da empresa: Alumelt

Leia mais

ANEXO III INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS QUÍMICOS UTILIZADOS NO DEPARTAMENTO

ANEXO III INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS QUÍMICOS UTILIZADOS NO DEPARTAMENTO ANEXO III INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS QUÍMICOS UTILIZADOS NO DEPARTAMENTO Os produtos químicos manuseados tornam-se muitas vezes agentes de risco pela inexistência de condições de segurança, tais como,

Leia mais

Proporcionar segurança e conforto a partir do desenvolvimento de produtos adequados às mais diversas necessidades é a principal missão da Promat.

Proporcionar segurança e conforto a partir do desenvolvimento de produtos adequados às mais diversas necessidades é a principal missão da Promat. 39 Apresentação Proporcionar segurança e conforto a partir do desenvolvimento de produtos adequados às mais diversas necessidades é a principal missão da Promat. Nosso compromisso é oferecer a máxima

Leia mais

Contempla atualizações até 22/01/2007: Leis Ordinárias: Decretos: Instruções Normativas: Atos Declaratórios Interpretativos:

Contempla atualizações até 22/01/2007: Leis Ordinárias: Decretos: Instruções Normativas: Atos Declaratórios Interpretativos: Contempla atualizações até 22/01/2007: 001 Qual a legislação que disciplina a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados,

Leia mais

Decreto-Lei nº 127/2013 de 30-08-2013. ANEXO I - Categorias de atividades industriais e agropecuárias a que se refere o Capítulo II

Decreto-Lei nº 127/2013 de 30-08-2013. ANEXO I - Categorias de atividades industriais e agropecuárias a que se refere o Capítulo II Decreto-Lei nº 127/2013 de 30-08-2013 ANEXO I - Categorias de atividades industriais e agropecuárias a que se refere o Capítulo II Os limiares estabelecidos neste anexo referem-se, regra geral, à capacidade

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS UFPR

DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS UFPR 2009 DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS UFPR Regina Célia Zanelatto Divisão de Gestão Ambiental Prefeitura da Cidade Universitária Pró-Reitora de Administração DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS DA UFPR A Divisão de Gestão

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DO SULFETO DE HIDROGÊNIO. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DO SULFETO DE HIDROGÊNIO. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DO SULFETO DE HIDROGÊNIO Método de ensaio L9.233 DEZ/90 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Sensibilidade do método...1 3 Principio do método...1

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE ENXOFRE REDUZIDO TOTAL (ERT) Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE ENXOFRE REDUZIDO TOTAL (ERT) Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE ENXOFRE REDUZIDO TOTAL (ERT) Método de ensaio L9.227 MAR/93 SUMÁRIO 1 Objetivo...1 2 Documentos complementares...1 3 Definições...1 4 Aparelhagem...2

Leia mais

PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA ORGÂNICA

PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA ORGÂNICA PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA ORGÂNICA ANÁLISE QUALITATIVA PARA PESQUISA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Extração líquido-líquido ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

Estocagem e Segurança

Estocagem e Segurança Estocagem e Segurança - Regras gerais - 1) Materiais devem ser protegidos contra furto ou roubo, contra a ação de perigos mecânicos e ameaças climáticas, bem como de animais daninhos; 2) O ambiente deve

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1 / 15 I - INTRODUÇÃO: Empresa Responsável : PROJECONTROL Consultoria Empresarial e Serviços Ltda. Rua Princesa Isabel, nº 94-11 o Andar conjunto

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - CEP CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES Vanessa Tressoldi Schneider Lajeado, novembro de

Leia mais

Química em Solventes não Aquosos. Prof. Fernando R. Xavier

Química em Solventes não Aquosos. Prof. Fernando R. Xavier Química em Solventes não Aquosos Prof. Fernando R. Xavier UDESC 2013 Reações químicas podem acontecer em cada uma das fases ordinárias da matéria (gasosa, líquida ou sólida). Exemplos: Grande parte das

Leia mais

Grupo de Ecofisiolgia e Melhoramento Florestal. Guia de Armazenamento de reagentes

Grupo de Ecofisiolgia e Melhoramento Florestal. Guia de Armazenamento de reagentes Grupo de Ecofisiolgia e Melhoramento Florestal Guia de Armazenamento de reagentes Índice 1. GUIA PARA O ARMAZENAMENTO SEGURO DE PRODUTOS QUÍMICOS 3 1.1. INTRODUÇÃO... 3 1.2. INVENTÁRIO... 3 1.3. VERIFICAÇÃO

Leia mais

Lista de Exercícios. Exercícios de Vestibulares: Hidrocarbonetos. Professor Anderson Dino www.aulasdequimica.com.br

Lista de Exercícios. Exercícios de Vestibulares: Hidrocarbonetos. Professor Anderson Dino www.aulasdequimica.com.br Lista de Exercícios Exercícios de Vestibulares: Hidrocarbonetos Professor Anderson Dino NOMENCLATURA 1. Regras de nomenclatura A IUPAC (International Union of Pure and Applied Chemistry) considera como

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA PARA ATIVIDADES NO LACER

MANUAL DE SEGURANÇA PARA ATIVIDADES NO LACER MANUAL DE SEGURANÇA PARA ATIVIDADES NO LACER SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO II. SEGURANÇA III. PROCEDIMENTOS PARA DESCARTE DE RESÍDUOS GERADOS EM LABORATÓRIO IV. ALGUNS PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS I - INTRODUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO

RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO O controlo analítico da qualidade das Águas de Abastecimento, no Município de Arraiolos durante o período de Outubro a Dezembro de 2006, foi realizado pelos laboratórios

Leia mais

3.1 - ÁGUA PURIFICADA

3.1 - ÁGUA PURIFICADA ANEXO 3 INSUMOS INERTES 3.1 - ÁGUA PURIFICADA H 2 O;18 Água para preparação de medicamentos não estéreis. É obtida por destilação, troca iônica ou outro processo adequado que garanta as especificações

Leia mais

Resolução Comentada - Química

Resolução Comentada - Química Resolução Comentada - Química UFTM 2013 1 Fase Vestibular UFTM 2013 1 Resolução Prova de Química Tipo 1 Questão 76 A soja é considerada um dos alimentos mais completos em termos de propriedades nutricionais,

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

Radiação Micro-ondas: Teoria. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br

Radiação Micro-ondas: Teoria. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Radiação Micro-ondas: Teoria Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Preparo de Amostras Objetivos - Capacidade para digerir simultanea/e múltiplas amostras - Capacidade de monitorar e controlar condições

Leia mais