ANÁLISE DE QUEIMADAS NA REGIÃO AMAZÔNICA ATRAVÉS DE REDES SENSORIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE QUEIMADAS NA REGIÃO AMAZÔNICA ATRAVÉS DE REDES SENSORIAIS"

Transcrição

1 ANÁLISE DE QUEIMADAS NA REGIÃO AMAZÔNICA ATRAVÉS DE REDES SENSORIAIS Márcio M. Farias, Alex G. de Souza, Diego S. Wanzeller e Afonso J. F. Cardoso. Ciência da Computação Universidade da Amazônia UNAMA Caixa Postal Belém PA Brasil Centro de Ciências Exatas e Tecnologia - CCET Abstract. The article deals with the simulation of a net of devices (sensory) without wire in the combat the forest fires in the Amazonian forest. Was chosen the region of Novo Progresso/PA for having one high index of focos of fire during the year [1]. The simulation was carried through in Network Simulator (NS), with the module of Rake Without Wire, using protocol UDP for the transference of the data from each sensory knot; I pass through it of the data of the origin to the destination is generated through protocols AODV and DSDV. Objectifying to determine which protocol of better roteamento it will be adjusted in the simulation carried through for the NS, so that of ownership of the data, either possible to get information on locality, temperature and dimension of the fire of the form fastest and efficient. Resumo. O artigo trata da simulação de uma rede de dispositivos (sensores) sem fio no combate a queimadas na floresta Amazônica. Foi escolhida a região de Novo Progresso/PA por ter um alto índice de focos de incêndio durante o ano [1]. A simulação foi realizada no Network Simulator (NS), com o módulo de Rede de Sensores Sem Fio, utilizando o protocolo UDP para a transferência dos dados a partir de cada nó sensor; o tráfego dos dados da origem ao destino é gerado através dos protocolos AODV e DSDV, objetivando determinar qual protocolo de roteamento melhor se adequará na simulação realizada pelo NS, para que, de posse dos dados, seja possível obter informações sobre localidade, temperatura e dimensão do incêndio da forma mais rápida e eficiente. 1. Introdução As Redes de Sensores Sem Fio (RSSFs) podem ser vista como um tipo especial de rede móvel ad hoc (MANET- Mobile Ad Hoc Network). Ela pode ser utilizada para monitorar e, eventualmente, realizar o controle no ambiente no qual se encontra. Este tipo de rede é formado tipicamente por centenas ou milhares de dispositivos autônomos chamados nós sensores, que ficam expostos de acordo com a sua aplicabilidade. As finalidades para este tipo de rede podem ser bem diversificadas, entre elas: controle ou monitoramento para fluxo de carros, seja ele em shoppings ou estradas, monitoramento remoto de parâmetro vital de um paciente na área médica, monitoração de movimentos inimigos em uma área inóspita na área militar, e vários outros.

2 O artigo mostra, através de simulação no Network Simulator, a monitoração de uma área localizada na Amazônia Novo Progresso/PA objetivando-se desenvolver um método para controle de queimadas, a partir de sensores que iniciam o seu tráfego de dados contendo informações de temperatura do local, utilizando um protocolo de roteamento e de transporte previamente configurados. O artigo encontra-se organizado da seguinte forma: a Seção 2 apresenta o funcionamento e principais características de Redes de Sensores; a Seção 3 apresenta o funcionamento dos protocolos de roteamento e de transporte; a Seção 4 apresenta as características da Região Amazônica estudada; a Seção 5 apresenta o Ambiente de Simulação da Rede utilizado; a Seção 6 apresenta a análise dos dados obtidos após os estudos e resultados da simulação; enquanto que a seção 7 é reservada às conclusões. 2. Rede de Sensores Sem Fio (RSSF) É notório que a tecnologia de Rede de Sensores Sem Fio vem crescendo rapidamente, e com isso a sua aplicabilidade está sendo utilizada em diversas áreas como: Controle (controle de processo), Ambiente (monitoração), Segurança, Medicina (monitoração de órgão), Biologia (detectar substâncias impróprias) e Militar (detectar inimigos ou materiais indesejáveis) [2]. Para que tenhamos uma Rede de Sensores Sem Fio é necessário um conjunto de dispositivos compactados e automatizados chamados de nós sensores. Um nó sensor é um pequeno dispositivo computacional cujo objetivo dentro da rede, é captar informações (através de seus sensores), realizar o seu processamento e transmiti-las para que se possa realizar o monitoramento físico de um fenômeno ambiental. Esse mesmo sensor produzirá uma resposta mensurável a mudanças em condições físicas, tais como temperatura, campo magnético e luz. As RSSF são constituídas basicamente por três características: o sensor é o dispositivo que realiza a monitoração de uma área física, através da observação de um fenômeno; o observador é o usuário interessado nas informações coletadas pelo sensor; e o fenômeno é a entidade de interesse do observador (por ex. a mudança de temperatura) [3] Classificação de uma Rede de Sensores Sem Fio Para se classificar uma rede de sensores sem fio é preciso saber seu objetivo e sua área de aplicação. Esta aplicação influenciará diretamente nas funções exercidas pelos nós da rede, assim como na arquitetura desses nós (processador, memória, dispositivos sensores, fonte de energia, transceptor). As RSSF podem ser classificadas pela sua configuração em: composição (homogêneas e heterogêneas); organização (hierárquica e plana); mobilidade (estacionária e móvel); densidade (balanceada, densa e esparsa); e distribuição (regular e irregular). Podendo ser caracterizadas de acordo com o seu sensoriamento (Tabela 1).

3 Tabela 1: Caracterização das Redes de Sensores Sem Fio segundo o sensoriamento. Sensoriamento Periódica Os nós coletam dados sobre o(s) fenômeno(s) em intervalos regulares. Contínua Os nós sensores coletam os dados continuamente. Reativa Os nós sensores coletam os dados quando ocorrem eventos de interesse Coleta ou quando solicitado pelo observador. Tempo Real Os nós sensores coletam a maior quantidade de dados possível no menor intervalo de tempo. Conforme a tabela acima os sensores se caracterizam de acordo com a obtenção (coleta) dos dados desejados. 3. Protocolos Uma boa captação de dados depende diretamente do desempenho do protocolo de roteamento utilizado pelas Redes de Sensores sem Fio, onde o tráfego dos pacotes, com as informações sobre a queimada é realizado através do Protocolo de Transporte. A seguir é mostrado o funcionamento dos principais protocolos de roteamento usados pelo simulador NS em RSSF, bem como o protocolo de transporte utilizado para a simulação Protocolos de Roteamentos Os protocolos de roteamento de MANETs são subdivididos principalmente em duas categorias: Protocolos Pró-ativos (ou table-driven) e Protocolos Reativos (sob-demanda). O Pró-ativo exige que os nós da rede mantenham a rota de todos possíveis destinos de modo que, quando houver necessidade do envio de um pacote de dados, a rota já é conhecida e pode ser usada imediatamente [2]. Já nos Protocolos Reativo os nós descobrem os destinos sob-demanda, ou seja, não necessitam de uma rota para os destinos até que precisem enviar pacotes de dados para os destinos [2]. Estas características de organização nas subcategorias são descritas de acordo com seu funcionamento, como descrito abaixo: Pró-ativos: troca de pacotes de controle e atualização das tabelas de roteamento é contínua. Exemplo: DSDV. Reativo: busca da rota por demanda (não há rotas permanentes). Exemplos: DSR, AODV e TORA. A seguir descreveremos o funcionamento de alguns protocolos que se aplicam à RSSF estática e que possuem módulo de simulação no ambiente do Network Simulator Dynamic Source Routing (DSR) É um protocolo de roteamento sob demanda. Apresenta como principal característica a utilização de roteamento por fonte (source routing), onde o nó de origem do pacote conhece toda a rota, salto a salto até o nó destino, permitindo à estação que originou o pacote determine o caminho do mesmo pela rede até seu destino [4]. O processo de descoberta da rota do nó origem funciona como mostrado a seguir: o nó envia através de difusão (broadcasting) para seus vizinhos um pacote de requisição de rota contendo o endereço de origem, o destino da comunicação e o registro de rota. Com isso, cada nó, após receber este pacote verifica em seu cache uma rota para o nó destino,

4 caso possua a rota, envia ao nó destino um pacote de resposta contendo a seqüência de todos os nós até o destino; e se não possuírem a rota inserem seus endereços no registro da rota e envia também por difusão para seus nós vizinhos [2] Ad Hoc On-Demand Distance Vector (AODV) Trata-se também de um protocolo reativo, ou seja, a rota para um nó destino só é descoberta quando se deseja enviar um pacote (dados) para ele. Durante a descoberta da rota o protocolo AODV utiliza como mecanismo de armazenamento da rota uma tabela de roteamento tradicional, que armazena apenas uma entrada para cada destino, diferenciando do DSR que armazena múltiplas rotas para um mesmo destino [4]. O AODV foi projetado para ser utilizado em redes ad hoc que apresentem desde pequenos números de nós até milhares deles. O objetivo principal do protocolo é se adaptar, rápida e dinamicamente, às variações das condições dos enlaces da rede, descobrindo rotas de forma a proporcionar um QoS (qualidade de serviço) desejável, evitando o desperdício de banda, minimizando o uso de memória e processamento nos nodos que atuam como roteadores. Este tipo de protocolo pode ser utilizado em cenários de baixa, média e alta mobilidade, assim como lida com uma grande variedade de níveis de tráfego de dados, adaptando-se dinamicamente Temporally Ordered Routing Algorithm (TORA) Também se trata de um protocolo Reativo, que possui largura de banda eficiente e é livre de ciclos. É um algoritmo de roteamento distribuído altamente adaptável, baseado no conceito de reversão do enlace (link reversal), ele é proposto para redes sem fio multihop, com mobilidade altamente dinâmica [5]. O TORA possui a propriedade de ser altamente adaptável e rápido na reparação da rota durante uma possível falha, devido fornecer múltiplas rotas para qualquer destino desejado, caracterizando o mesmo como protocolo apropriado a ambientes móveis ad hoc com grande número de nós e de estrutura dinâmica [6]. Devido sua característica dinâmica ele é adequado para minimizar o impacto da topologia da rede nas atualizações das tabelas de roteamento. Essa atualização é realizada através de mensagem a um pequeno grupo de nós próximos de onde ocorreu a mudança [2] Destination-Sequenced Distance-Vector (DSDV) No protocolo DSDV cada nó da rede possui uma tabela com as informações que serão enviadas, por broadcast, e possuem também uma tabela de roteamento com todas as rotas para cada um dos nós da rede e a quantidade de saltos para alcançar cada destino. A tabela de roteamento é preenchida através de um campo chamado sequence number, o valor desse campo é informado pelo nó destino durante o processo de descoberta da rota. Na tabela é realizada a manutenção através do envio de mensagens periódicas por cada nó, informando as alterações que ocorreram em suas tabelas devido às mudanças na topologia da rede. As mensagens para atualização de rotas são de dois tipos [7]: Mensagens curtas contendo apenas as últimas rotas que sofreram alguma modificação.

5 Mensagens completas, contendo toda informação da tabela de roteamento, gerando com isso uma grande quantidade de tráfego. Para evitar uma sobrecarga da rede essas mensagens devem ser enviadas com uma freqüência relativamente baixa. Ao realizar uma mudança na rede, como a perda de um determinado link, o nó que percebe essa mudança altera a entrada na sua tabela para essa rota, indicando uma quantidade de saltos igual ao maior valor possível para esse campo. Alterando também o valor do destination sequence number, esse é o único caso onde a alteração desse campo é feita por um nó que não é o próprio destino. Devido sua importância, essa alteração é imediatamente propagada pela rede pelo nó que primeiro a percebeu, ou seja, essa mensagem de atualização não aguarda o momento em que as rotas modificadas são periodicamente disseminadas Protocolos de Transporte Para o transporte dos dados existem dois procotolos o TCP (Transmission Control Protocol) e o UDP (User Datagrama Protocol). O TCP é um procotolo orientado à conexão, ou seja, tem a preocupação de verificar se os dados chegaram de forma correta e em ordem, levando mais tempo para a entrega final dos dados; já o protocolo UDP não realiza esta verificação nos dados tornando-o mais rápido, por isso o mesmo foi selecionado para o transporte dos dados da queimada, visto que as informações serão enviadas de mais de um nó User Datagrama Protocol (UDP) O Protocolo UDP foi selecionado para o tráfego das informações (local, temperatura e umidade) da queimada devido à mesma apresentar como vantagem a transmissão de dados mais rápida, entre outras, como: o tamanho do pacote de dados a ser transmitido fica menor comparado ao TCP e no UDP não existe mecanismo de verificação de chegada (acknowledge), tornando-o mais rápido já que não precisa esperar uma mensagem de confirmação para continuar o envio [8]. A própria aplicação preocupa-se em realizar uma verificação para saber se os dados foram recebidos de forma correta e colocá-los em ordem. 4. Região Simulada A região considerada na simulação é do município de Novo Progresso, localizado na meso-região do sudoeste do Pará e micro-região de Itaituba. O local foi selecionado por concentrar um alto índice de focos de queimadas. Esta região possui uma vegetação bastante complexa, devido a sua grande faixa territorial. Dentro da região encontramos Floresta Aberta Mista (cocal) e a Floresta Aberta Latifoliada (cipoal) [9]. Conforme dados obtidos [1], o município de Novo Progresso apresenta números diários equivalente a 106 focos, fazendo com que este município esteja atualmente em primeiro lugar no índice de queimadas no estado do Pará.

6 Anais do IV Simpósio de Informática da Região Centro do RS - SIRC/RS Santa Maria, novembro de Cenário de Simulação Utilizamos para esta simulação 49 nós (sensores) dispostos 50 metros uns dos outros com altura de 30 metros. Além desses o nó 50 (antena) foi considerado como receptor dos dados obtidos pelos demais. O seu campo de sensoriamento foi de 450x450 metros, a implantação se deu de acordo com o eixo cartesiano (x,y), onde o primeiro nó está localizado nas seguintes coordenadas x= 50 e y= 50, em seguida os nós completavam a área de sensoriamento em sete linhas e sete colunas, como mostrado na figura 1. Figura 1: Disposição dos nós e Antena no eixo cartesiano (X,Y) No Network Simulator as RSSF apresentam uma variável que indica o nível de obstrução de sinal, chamada de pathloss que varia no intervalo de 1 a 5. Como o ambiente simulado é uma floresta, estipulou-se o valor 3 para esta variável, devido à densidade da vegetação local. A seguir é apresentado o simulador utilizado na pesquisa Network Simulator (NS) NS é um simulador de redes de computadores, com maleabilidade em relação aos protocolos de rede, suportando simulações de protocolos em larga escala e é usado também como um emulador de rede podendo fazer interação com uma rede real. O NS possui um

7 visualizador gráfico para animações da simulação (NAM Network Animation), timers e escalonadores, prevê suporte aos protocolos TCP e UDP, contendo modelos para cálculos numéricos, ferramentas de plotagem (o xgraph) e vários geradores de tráfego. Possui módulos como o interpretador para tcl (tcl/tr) que é a interface com o usuário, o tcl com orientação ao objeto (Otcl), a implementação de classes para Tcl (tclcl), classes do simulador (ns-2), bibliotecas (cweb e SGB), geradores de topologia (bt-itm, gt-itm, sgb2- ns) e ferramenta para compreensão de arquivos [10] [11]. O NS traz consigo um código aberto onde é permitido a inclusão de novos módulos ou a alteração dos que já existem, além de ser gratuito,sua utilização pode ser em diferentes plataformas como: Unix, linux, SunOS, FreeBSD, Solaris e outros [10] [12]. 6. Análise dos Dados Para esta simulação foram utilizados dois protocolos de roteamento o AODV e o DSDV. Esses protocolos foram escolhidos pelo fato dos mesmos serem aplicados à característica estática, ou seja, sem movimento, como aplicado na monitoração da região simulada. Na monitoração foi utilizada uma antena (nó destino) para o recebimento dos dados extraídos pelos sensores. O tempo total de simulação foi de 100 segundos, sendo iniciado o tráfego a partir do décimo segundo, através de 03 nós sensores simulando a alteração de temperatura. A Figura 2 apresenta os dados obtidos após a simulação do ambiente com ambos os protocolos de roteamento. Comparação dos Protocolos 180, , , , Vazão 100, , AODV DSDV 60, , , , ,0 3,5 7,0 10,5 14,0 17,5 21,0 24,5 28,0 31,5 35,0 38,5 42,0 45,5 49,0 Tempo 52,5 56,0 59,5 63,0 66,5 70,0 73,5 77,0 80,5 84,0 87,5 91,0 94,5 98,0 Figura 2: Gráfico de comparação entre os Protocolos AODV e DSDV.

8 7. Conclusão Rede de sensores sem fio é uma tecnologia que pode ser implantada com baixo custo e com finalidade de monitoração, podendo prevenir e/ou minorar situações indesejáveis para o ser humano como uma queimada com grande extensão em uma área de preservação. Com a análise dos dados obtidos após a simulação verificou-se que, o protocolo DSDV, por apresentar características dinâmicas de identificação de rotas e o armazenamento dessas rotas antes mesmo do envio dos dados, mostrou possuir melhor desempenho, ou seja, melhor vazão de tráfego na maior parte do tempo de simulação. Desta forma, concluí-se que em uma área de floresta com as características consideradas, é recomendado o protocolo DSDV, pois o uso deste permite que os dados obtidos pelos sensores possam ser disponibilizados de forma mais rápida, proporcionando uma ação mais efetiva por parte dos técnicos responsáveis pela preservação da floresta. 8. Bibliografia [1] SECTAM. Focos de Queimadas por Região. Disponível por (02 set. 2005). [2] RIBEIRO, Admilson de Ribamar Lima. SensorBus: Um Middleware para Redes de Sensores sem Fio. [S.l.:s.n., 200?]. [3] PEREIRA, Marluce R.; AMORIN Cláudio L.; CASTRO Maria Clicia Stelling. Tutorial sobre Rede de Sensores. Cadernos do IME - Serie Informática, v.14, jun [4] AMODEI JÚNIOR, Aurélio e DUARTE, Otto C.M.B. Segurança no Roteamento em Redes Móveis Ad Hoc. In: Seminário de Tópicos Especiais em Redes de Computadores. Rio de Janeiro: GTA - Universidade Federal do Rio de Janeiro, [5] MELE, Alexandre. Um Framework para Simulação de Redes Móveis Ad Hoc. [S.l.:s.n., 2002]. [6] GONDIM, Paulo Roberto de Lira et al. Roteamento em Redes de Comunicação Sem Fio Ad Hoc Disponível por m (10 ago 2005) [7] ALBUQUERQUE, Luciano R. de. Segurança em Redes Ad Hoc. Rio de Janeiro: COPPE - Universidade Federal do Rio de Janeiro, [8] TORRES, Grabiel. Rede de Computadores Curso Completo. Axcel p. [9] FERREIRA, João Carlos Vicente. O Pará e seus Municípios. J. C. V. Ferreira p. [10] VASQUES, Alan Tamer et al. Simulação de Redes de Computadores utilizando o Network Simulator. In: SEMANA DE INFORMÁTICA, XI, 2004, Belém PA. Belém, Disponível por (24 set. 2005). [11] SOUZA, Fernanda S. H. de e COELHO, Viviane de S. Uso de Metaheurísticas GRASP e Busca Tabu na Resolução do Problema de Dimensionamento de Redes IP. Ouro Preto: DECOM Universidade Federal de Ouro Preto, [12] COUTINHO, Mauro Margalho. Network Simulator. Disponível por (10 jul. 2005).

Network Simulator ns2

Network Simulator ns2 Network Simulator ns2 Rodolfo W. L. Coutinho rwlc@dcc.ufmg.br Histórico Iniciado em 1989 como uma variante do simulador de redes REAL e atualmente está na versão 2.35 (4 de Nov. 2011). Mantido pelo projeto

Leia mais

Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc

Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc 1 Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc Fernando César Faria Cabral, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB http://www.iesb.br e-mail: marcelo.andrade@ig.com.br rodrigo.colli@esporte.gov.br

Leia mais

O Avanço da Tecnologia de Comunicação com o Uso de Simulador para a Modelagem em Redes Mistas Cabeadas e Sem Fio

O Avanço da Tecnologia de Comunicação com o Uso de Simulador para a Modelagem em Redes Mistas Cabeadas e Sem Fio O Avanço da Tecnologia de Comunicação com o Uso de Simulador para a Modelagem em Redes Mistas Cabeadas e Sem Fio LÍGIA RODRIGUES PRETE Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, Faculdade de

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO AODV, DSDV, OLSR E DSR EM MANETS

COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO AODV, DSDV, OLSR E DSR EM MANETS COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO AODV, DSDV, OLSR E DSR EM MANETS Diego de Lima Nascimento 1, Fagner Roger Pereira Couto 1, Lucas Douglas Rothmund 1, Fahim Elias Costa Ribahne 2, Diógenes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Autores: Ruy de Oliveira Wendell Farias 2014 1

Autores: Ruy de Oliveira Wendell Farias 2014 1 Autores: Ruy de Oliveira Wendell Farias 2014 1 Tópicos Introdução às Redes de Sensores Sem Fio RSSF Modos de funcionamento Principais aplicações dessas redes Desafios Considerações Finais Demonstrações

Leia mais

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace.

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Ederson Luis Posselt 1, Geovane Griesang 1 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz

Leia mais

COMPORTAMENTO DO ESCALONAMENTO DE REDES INFRAESTRUTURADA ATRAVÉS DE MÉTODOS COMPUTACIONAIS

COMPORTAMENTO DO ESCALONAMENTO DE REDES INFRAESTRUTURADA ATRAVÉS DE MÉTODOS COMPUTACIONAIS COMPORTAMENTO DO ESCALONAMENTO DE REDES INFRAESTRUTURADA ATRAVÉS DE MÉTODOS COMPUTACIONAIS Ligia Rodrigues Prete 1, Ailton Akira Shinoda 2 1 Faculdade de Tecnologia de Jales, Centro Paula Souza, Jales,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema

Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema Autor: Marllus Lustosa - marlluslustosa@gmail.com 0 Índice 1. Introdução... 1 2. Tela de boot... 2 3. Tela de login... 2 4. Ambiente de trabalho... 5 5. Utilizando

Leia mais

ANÁLISE DE DESCARTE EM REDES AD HOC: ESTUDO DE ESCALABILIDADE DO PROTOCOLO DE ROTEAMENTO OLSR

ANÁLISE DE DESCARTE EM REDES AD HOC: ESTUDO DE ESCALABILIDADE DO PROTOCOLO DE ROTEAMENTO OLSR ANÁLISE DE DESCARTE EM REDES AD HOC: ESTUDO DE ESCALABILIDADE DO PROTOCOLO DE ROTEAMENTO OLSR Erico Augusto Cavalcanti Guedes (IF AL) ericoifal@gmail.com 1 Patrícia Takako Endo (FAFICA) patriciaendo@gmail.com

Leia mais

Network Simulator: Introdução a Simulação das Redes de Computadores. Quem sou eu...

Network Simulator: Introdução a Simulação das Redes de Computadores. Quem sou eu... Network Simulator: Introdução a Simulação das Redes de Computadores Mailson Couto mailson.ifba@gmail.com Quem sou eu Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=k4428508j9 2 1 Sumário

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Aluno: Luiz

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Protocolo de roteamento para redes wireless mesh

Protocolo de roteamento para redes wireless mesh Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Pós-Graduação em Ciência da Computação Protocolo de roteamento para redes wireless mesh Márcio Martins Farias Dissertação

Leia mais

Rede Mesh: topologia e aplicação

Rede Mesh: topologia e aplicação Rede Mesh: topologia e aplicação Tatiana Medeiros Cardoso, Paulo César Furlanetto Marques Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil tati.info@gmail.com,pcesar.marques@terra.com.br

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

Implementação do protocolo AODVjr no simulador NS2

Implementação do protocolo AODVjr no simulador NS2 Implementação do protocolo AODVjr no simulador NS2 Celso Brito Nº25074 1/16 1. Índice: 1. Índice:...2 2. Introdução:...3 3. Software utilizado foi Network Simulator 2:...4 4. Protocolo AODV:...5 4.1 O

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Análise de Protocolos de Roteamento Unicast em Redes Ad Hoc Móveis Baseada em um Modelo Realístico de Bateria. José Athayde Torres Costa Neto

Análise de Protocolos de Roteamento Unicast em Redes Ad Hoc Móveis Baseada em um Modelo Realístico de Bateria. José Athayde Torres Costa Neto Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Coordenação de Pós-Graduação em Ciência da Computação Análise de Protocolos de Roteamento Unicast em Redes Ad Hoc Móveis

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc

Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc Tiago Rodrigues Chaves, Ricardo Augusto Rabelo Oliveira PPGCC - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação UFOP - Universidade Federal de

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Primeiro Trabalho: Desempenho de protocolos de encaminhamento em redes ad hoc móveis

Primeiro Trabalho: Desempenho de protocolos de encaminhamento em redes ad hoc móveis Redes Móveis e Ad Hoc 2011/2012 Primeiro Trabalho: Desempenho de protocolos de encaminhamento em redes ad hoc móveis Rodolfo Oliveira e Luís Bernardo lflb@fct.unl.pt 1. Objectivos Neste trabalho pretende-

Leia mais

Implementação e Análise de Impacto em Redes Sem Fios Manet

Implementação e Análise de Impacto em Redes Sem Fios Manet Implementação e Análise de Impacto em Redes Sem Fios Manet Diego Thetinski Rodrigues 1 André Peres 2 Resumo. O presente trabalho tem como seu principal objetivo a implementação de redes wireless Manet,

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

Tutorial sobre Redes de Sensores

Tutorial sobre Redes de Sensores Tutorial sobre Redes de Sensores Marluce R. Pereira e Cláudio L. de Amorim Programa de Engenharia de Sistemas e Computação COPPE/UFRJ, Brasil (marluce,amorim)@cos.ufrj.br Maria Clicia Stelling de Castro

Leia mais

NSINKS: PROTOCOLO DE ROTEAMENTO PARA REDES DE SENSORES SEM FIO EM REDES COM VÁRIOS SORVEDOUROS

NSINKS: PROTOCOLO DE ROTEAMENTO PARA REDES DE SENSORES SEM FIO EM REDES COM VÁRIOS SORVEDOUROS ALEX VIDIGAL BASTOS NSINKS: PROTOCOLO DE ROTEAMENTO PARA REDES DE SENSORES SEM FIO EM REDES COM VÁRIOS SORVEDOUROS Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do

Leia mais

Mobile Communications. RedesAd-hoc

Mobile Communications. RedesAd-hoc Ad-hoc 1 Mobile Communications RedesAd-hoc Manuel P. Ricardo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ad-hoc 2 Redes Ad-Hoc (Nível 3) Rede autoconfigurável Ligações sem fios Nós móveis topologia

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA - PIBIC Análise de Protocolos de Roteamento para Redes Mesh Glaucia Melissa Medeiros Campos

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA - PIBIC Análise de Protocolos de Roteamento para Redes Mesh Glaucia Melissa Medeiros Campos Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretariado de Estado da Educação e Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEG Departamento

Leia mais

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Diego Passos Universidade Federal Fluminense Diego Passos Defesa de Mestrado 1/49 Diego Passos

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ JOSÉ ALEX PONTES MARTINS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ JOSÉ ALEX PONTES MARTINS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ JOSÉ ALEX PONTES MARTINS A-DYMO: UM ALGORITMO DE ROTEAMENTO BIO-INSPIRADO PARA REDES AD HOC FORTALEZA CEARÁ 2009 JOSÉ ALEX PONTES MARTINS A-DYMO: UM ALGORITMO DE ROTEAMENTO

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados Endereçamento IP V.4 e Roteamento Estático Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados em 5 classes, de acordo

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

UMA FERRAMENTA PARA SUPORTE AO ENSINO DO PROTOCOLO AODV

UMA FERRAMENTA PARA SUPORTE AO ENSINO DO PROTOCOLO AODV UMA FERRAMENTA PARA SUPORTE AO ENSINO DO PROTOCOLO AODV DOI: 10.15552/2236-0158/abenge.v34n2p71-81 Karine S. de Almeida, 1 Tassalon F. da Silva, 2 Daniel G. Costa 3 RESUMO Este artigo apresenta o desenvolvimento

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Aula de introdução ao NS-2

Aula de introdução ao NS-2 Universidade Federal Fluminense Departamento de Engenharia de Telecomunicações Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Aula de introdução ao NS-2 Disciplina: Fundamentos de Sistemas Multimídia Professora:

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS

TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

Referências. Roteamento em Redes Ad Hoc (MANETS) Redes Ad hoc: Principais Características. Roteiro

Referências. Roteamento em Redes Ad Hoc (MANETS) Redes Ad hoc: Principais Características. Roteiro Referências Roteamento em Redes Ad Hoc (MANETS) J. Schiller, seção 9.3 Johnson, Malz: Dynamic Source Routing in ad hoc wireless networks, Mobile Computing, (Ed. Imielinski/Koth), Kluwer, 1996. Perkins,

Leia mais

Análise de desempenho de protocolos de roteamento para redes Ad Hoc sem fio

Análise de desempenho de protocolos de roteamento para redes Ad Hoc sem fio Análise de desempenho de protocolos de roteamento para redes Ad Hoc sem fio Fabrício Lira Figueiredo *, Marcel Cavalcanti de Castro, Marcos Antônio de Siqueira, Heloísa Peixoto de Barros Pimentel, Aníbal

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Protocolos de Roteamento e Protocolos TCP/UDP em Redes Ad-Hoc

Protocolos de Roteamento e Protocolos TCP/UDP em Redes Ad-Hoc Protocolos de Roteamento e Protocolos TCP/UDP em Redes Ad-Hoc Este trabalho é um survey de diversas pesquisas realizadas em redes ad-hoc focadas nos assuntos de protocolos de roteamento e de transporte.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

É aluno regular do curso de mestrado na FEEC (Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

É aluno regular do curso de mestrado na FEEC (Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Protocolos de Roteamento e Protocolos TCP / UDP em Redes Ad-Hoc Este trabalho é um survey de diversas pesquisas realizadas em redes ad-hoc focadas nos assuntos de protocolos de roteamento e de transporte.

Leia mais

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Iran Lima Gonçalves * / Fabrício Lira Figueiredo Álvaro A. M. de Medeiros Agenda O que são Redes Ad Hoc sem Fio?

Leia mais

Redes Ad Hoc Móveis (Mobile Ad Hoc Networks - MANETs)

Redes Ad Hoc Móveis (Mobile Ad Hoc Networks - MANETs) Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Redes

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Um Estudo sobre a Otimização do Protocolo de Roteamento para Redes de Sensores Sem Fio PROC

Um Estudo sobre a Otimização do Protocolo de Roteamento para Redes de Sensores Sem Fio PROC Um Estudo sobre a Otimização do Protocolo de Roteamento para Redes de Sensores Sem Fio PROC Brito, C.G. 1, Medeiros J.W.¹, Lima, R. W.¹, Ribeiro Neto, P. F.², Santos, J.F.² 1 Laboratório de Redes e Sistemas

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, setembro de 2014 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina PARTE II Introdução à Redes Sem Fio Apresentação do Professor

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

SOS: Sensoriamento Overlay Seguro em Redes de Sensores Sem Fio Hierárquicas

SOS: Sensoriamento Overlay Seguro em Redes de Sensores Sem Fio Hierárquicas SOS: Sensoriamento Overlay Seguro em Redes de Sensores Sem Fio Hierárquicas Leonardo B. Oliveira, A.A.F. Loureiro, Ricardo Dahab, Hao Chi Wong UNICAMP, UFMG, PARC Agenda Introdução Solução Simulação Resultados

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Backbones Ad Hoc. Aluno: Eduardo Hargreaves Orientador: Luís Felipe M. de Moraes Coppe/UFRJ - Programa de Engenharia de Sistemas e Computação

Backbones Ad Hoc. Aluno: Eduardo Hargreaves Orientador: Luís Felipe M. de Moraes Coppe/UFRJ - Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Backbones Ad Hoc Aluno: Eduardo Hargreaves Orientador: Luís Felipe M. de Moraes Coppe/UFRJ - Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Estrutura do Trabalho Motivações MBN TBONE Conclusões Motivações

Leia mais

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO Vivian Lúcia Bittencourt Drumond Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo Silva Barbacena Minas Gerais Brasil viviandrumond@yahoo.com.br

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Trabalhos Relacionados 79

Trabalhos Relacionados 79 Trabalhos Relacionados 79 6 Avaliação e Testes Neste capítulo são apresentados alguns testes que foram realizados com o a solução de Gerenciamento de Mobilidade (API SIP User Agent) e com o sistema publish/subscribe

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

RC e a Internet. Prof. Eduardo

RC e a Internet. Prof. Eduardo RC e a Internet Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhões de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria destes dispositivos

Leia mais